Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: Victor Passos em 20 de Março de 2011, 12:31

Título: Socorro Adequado
Enviado por: Victor Passos em 20 de Março de 2011, 12:31
Ola muita paz e harmonia
Bons Amigos e Amigas

Socorro Adequado


          LE - 486. Interessam-se os espíritos pelas nossas desgraças e por nossa prosperidade? Afligem-se os que nos querem bem com os males que padecemos durante a vida?
          "Os bons Espíritos fazem todo o bem que lhes é possível e se sentem em ditosos com as vossas alegrias. Afligem-se com os vossos males quando os não suportais com resignação, porque nenhum benefício então tirais deles, assemelhando-vos, em tais casos, ao doente que rejeita a beberagem amarga que o há de curar."

          O intercâmbio de mentes, emoções e aspirações é Lei da Vida.

          Conforme o padrão vibratório, cada onde emitida encontra ressonância em campo equivalente, estabelecendo-se a sintonia ou identificação.

          Em razão disso, cada ser humano respira o clima espiritual onde situa os anseios do sentimento e as metas da inteligência.

          Procedente de Deus e a Ele atraído pelo processo da evolução irrefragável, desenvolve todos os valores que lhe dormem em gérmen, ampliando o campo da consciência à medida que se desembaraça do primarismo por onde transita durante o largo período que o conduz à razão.

          Durante essa trajetória, aqueles que alcançaram os patamares mais elevados mantêm grande carinho pelos viajantes da retaguarda, oferecendo-lhes apoio e segurança, a fim de que a sua trajetória seja assinalada por menos revezes e aflições que podem ser convertidas em bênçãos, qual ocorre com diversas terapêuticas administradas para determinadas enfermidades. Algumas são portadoras de mal-estar incoercível, e produzem outras reações que se fazem necessárias para a erradicação do mal que se encontra instalado no âmago do ser.

          Em decorrência, esses amigos espirituais se transformam em verdadeiros guias, cuidadosos e austeros, que não se compadecem das dubiedades e incertezas dos seus pupilos, oferecendo-lhes diretrizes de segurança para que se evitem compromissos perturbadores e sofrimentos evitáveis, desde que seguindo a segura trilha que devem percorrer.

          Desse modo, preocupam-se com os diversos processos de comprometimento negativo, inspirando conduta reta e oferecendo apoio, que se convertem em equilíbrio para que se possa bem discernir o comportamento a adotar.

          Em face das conquistas que os assinalam, despertam para os sentimentos de amor e de caridade, roteiros seguros que sempre conduzem à finalidade superior, evitando-lhes as quedas calamitosas nos abismos do egoísmo, do materialismo e da crueldade.

          Vivenciando o amor, tornam-se exemplos para os seus conduzidos, socorrendo-os, quando as dificuldades se lhes tornam maiores, jamais adotando conduta paternalista e salvadora de ocasião sem o esforço de quem se deve emprenhar até o sacrifício, se necessário, para conquistar novos e felizes patamares.

          Compadecem-se, sim, os bons Espíritos ante os infortúnios e desaires que aturdem as criaturas sob a sua inspiração, especialmente quando são incapazes de compreender os benefícios que advirão dessas ocorrências que as plenificarão mais tarde, quando estejam superadas as provações a que se encontram submetidas.

          Porque já transitaram pelos mesmos lugares, dão-se conta das dores que inevitavelmente assomam, quando os seus afilhados são surpreendidos por tais eventos, mediante os quais, e somente através deles, se enriquecerão de equilíbrio para a felicidade futura.

          Essa compaixão, no entanto, é rica de ternura e de estímulos, emulando-s à luta, de forma que sejam superados os inconvenientes e adquiridas as experiências que impulsionam ao progresso e à constante renovação.

          Nem sempre esse espírito de compaixão se apresenta como solucionador dos desafios necessários, o que, se assim fosse, canditaria o aprendiz ao estacionamento, à falta de aquisição de recursos para a auto renovação, para a auto-iluminação imprescindíveis no trânsito de crescimento para Deus.

          Trata-se de uma compaixão solidária, mediante a qual ambos participam do mesmo processo, de conquista do conhecimento espiritual em relação à vida e ao desabrochar dos incomparáveis tesouros que se lhes encontram adormecidos, necessitando dos fatores próprios para o seu desenvolvimento.

          A caminhada terrestre seria muito árida não fossem esses valiosos contributos de misericórdia e de sabedoria, através dos quais a vida se torna cada vez mais enriquecida de oportunidades de crescimento e de esperança.

          O ser, emulado ao avanço, por meio da sabedoria daqueles que já percorram as mesmas trilhas e alcançaram patamares superiores, sente-se convidado a não desanimar jamais, avançando com alegria e compreendendo que, somente pelos desafios, faz-se possível atingir os objetivos essenciais da existência terrena.

          Quando bem compreendidos as desgraças terrestres, os infortúnios, os testemunhos, mais se faz digna de vivenciada a viagem evolutiva, porque os alicerces do processo se tornam vigorosos, quais a casa construída na rocha, que suporta os vendavais e as calamidades que lhe desabam ameaçadoramente, permanecendo resistente a todos os clamores das tempestades.

          Não impedem, porém, esses bondosos Espíritos, a ocorrência dos fenômenos que propiciam robustecimento das resistências morais. Antes agradecem a Deus que eles surjam, porque disso advirão incomparáveis benefícios para os seus pupilos, que igualmente adquirirão sabedoria ante os insucessos aparentes, aprendendo para sempre as lições de amor com que o Pai a todos brinda, oferecendo-lhes o mesmo recurso de crescimento interior.

          Em quaisquer circunstâncias, as mais amargas e cruéis que se atravessem, Deus vela pelos seus filhos, e os seus mensageiros sempre se encontram ao lado deles, auxiliando-os pela inspiração e pelo apoio a encontrarem o rumo certo mediante socorro adequado que sabem oferecer no momento azado.


Livro: Lições para a Felicidade
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco