Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Convívio => Tópico iniciado por: Mourarego em 22 de Fevereiro de 2011, 13:43

Título: Exemplo de conduta Espírita
Enviado por: Mourarego em 22 de Fevereiro de 2011, 13:43
Acabo de receber de meu maninho Imbassahy, por hora nos Estados Unidos, um email no qual ele responde a pessoas que mantêm um programa sobre Espiritismo, no PalTalk.
Esta a resposta desse meu mano:
"Meus queridos amigos,
   gostaria imenso de informar que o Espiritismo que pratico e' aquele pregado por Kardec e definido no preambulo do seu livro "O Que e' o Espiritismo" e nao o Espiritismo evangelico no qual o atual movimento espirita brasileiro se transformou sob influencia de uma Entidade espiritual da ordem dos jesuitas.
   Em lugar nenhum da obra de Kardec ele define a doutrina que codificou com tal nem no livro dedicado ao tema, onde, apenas, faz um ensaio e critica a respeito de versiculos biblicos, condenando, ate', alguns deles.
   Nao vou participar desse programa, pelos motivos expostos, embora nao critique quem os faca..
    Cordialmente e com todo respeito
      C.B.Imbassahy"

O que originou, uma resposta minha a ele, nesse sentido.
Mano Imba,
bem antigamente eu tinha como ação, a participação em programas desse porte, senão para desmistificar o mau ensino, como para indicar a correta noção que a doutrina passa.
Hoje em dia porém, tomo da mesma estrada que você tomou, e não me presto mais a  comparecer nesse tipo de programação que visa outro fim que, desvia-se do fim que a doutrina trás e ensina.
Antes, de me colocar como "combatente da palavra", ou de ter de secamente comprovar os erros, prefiro não comparecer, porque sei que ali não se tem outro fito do que a divinização de médiuns e de mensagens que até hoje, continuam sob a roupa apócrifa, mesmo que assinadas por Espíritos conhecidos.
Nos 154 anos que a doutrina tem, já se cresceu oi bastante para que se tenha condição de escolher o próprio caminho, você e eu seguimos aos ensinos que a doutrina trás dos relatos das respostas dos Espíritos Superires, contudo, não mais abrimos luta, como antes o fizemos, contra os que tenham visão míope, ou que queiram enxertar na doutrina conteúdos que a ela não pertecem.
Assim, cada um que siga o rumo anotado e aceito.
abraços,
Moura
Título: Re: Exemplo de conduta Espírita
Enviado por: Victor Passos em 22 de Fevereiro de 2011, 13:53
Ola muita paz e harmonia
Bons Amigos

  Não tenho que me intrometer neste dialogo...Cada um retem a razão de seu uso do bom senso...

Perante a própria Doutrina

Livro: Conduta Espírita
André Luiz & Waldo Vieira

          Apagar as discussões estéreis, esquivando-se à criação de embaraços que prejudiquem o desenvolvimento sadio da obra doutrinária.

          O espírito da verdadeira fraternidade funde todas as divergências.

          Não restringir a prática doutrinária exclusivamente ao lar, buscando contribuir, de igual modo, na seara espírita de expressão social, auxiliando ainda a criação e a manutenção de núcleos doutrinários no ambiente rural.

          Todos estamos juntos nos débitos coletivos.

          Orar por aqueles que não souberem ou não puderem respeitar a santidade dos postulados espíritas, furtando-se de apreciar-lhes a conduta menos feliz, para não favorecer a incursão da sombra.

          O comentário em torno do mal, ainda e sempre, é o mal a multiplicar-se.

          Desapegar-se da crença cega, exercitando o raciocínio nos princípios doutrinários, para não estagnar-se nas trevas do fanatismo.

          Discernimento não é simples adorno.

          Antes de criticar as instituições espíritas que julgue deficientes, contribuir, em pessoa, para que se ergam a nível mais elevado.

          Quem ajuda, aprecia com mais segurança.

          Auxiliar as organizações espiritualistas ou as correntes filosóficas que ainda não recebem orientação genuinamente espírita, compreendendo, porém, que a sua tarefa pessoal já está definida nas edificações da Doutrina que abraça.

          O fruto não amadurece antes do tempo.

          Recordar a realidade de que o Espiritismo não tem chefes humanos e de que nenhum dos seareiros do seu campo de multiformes atividades é imprescindível no cenário de suas realizações.

          Cristo, nosso Divino Orientador, não vive ausente.

          Que fazeis de especial? - Jesus. (MATEUS, 5:47.)

Muita paz e harmonia

Título: Re: Exemplo de conduta Espírita
Enviado por: Hebe M C em 22 de Fevereiro de 2011, 14:48
R. E. 1867, p. 40: “O Espiritismo é, como alguns o pensam, uma nova fé cega substituindo a uma outra fé cega ou, dito de outra forma, uma escravidão do pensamento sob uma nova forma? Para crer nisso seria preciso se ignorasse os seus primeiros elementos. Com efeito, o Espiritismo coloca, em princípio, que antes de crer é preciso compreender; ora, para compreender, é preciso usar de seu julgamento; eis porque ele procura se dar conta de tudo em vez de nada admitir, em saber o “porquê” e o “como” de cada coisa; também os espíritas são mais céticos do que muitos outros com relação aos fenômenos que saem do círculo das observações habituais. Ele não repousa sobre nenhuma teoria preconcebida ou hipotética, mas sobre a experiência e a observação dos fatos; em vez de dizer: “Creia em primeiro lugar e se puder compreenda em seguida”, ele diz: “Compreenda em primeiro lugar, e creia em seguida se você quiser.” Não se impõe a ninguém; diz a todos: “Veja, observe, compare e venha a nós livremente se tal lhe convier”. Falando assim, ele se adianta e corta as chances da concorrência. Se muitos vão a ele, é porque os satisfaz muito, mas ninguém o aceita de olhos fechados. Àqueles que não o aceitam, ele diz: “Você é livre, e não o quero; tudo que peço é que me deixe minha liberdade, como eu lhe deixo a sua. Se procura me afastar, por receio de que eu suplante você, é porque você não está bem certo de si.
O Espiritismo, procurando não descartar nenhum dos concorrentes dentro da liça aberta às idéias que devem prevalecer no mundo regenerado, está dentro das condições da verdadeira liberdade de pensamento; e não admitindo nenhuma teoria que não seja fundamentada sobre a observação, está, ao mesmo tempo, dentro daquelas de mais rigoroso positivismo; enfim, tem sobre seus adversários, de opiniões contrárias extremas, a vantagem da tolerância.”
Alan Kardec.
Título: Re: Exemplo de conduta Espírita
Enviado por: Mourarego em 22 de Fevereiro de 2011, 15:22
Esta é mais uma das belas contribuições que você nos trás e lembra maninha Hebe.
Afinal, não é outro senão Kardec que diz o que é e como é o ensinamento doutrinário.
Este é o presente que um estudo sistemático e sério nos pode oferecer.
Valeu Hebinha!
Moura
Título: Re: Exemplo de conduta Espírita
Enviado por: Victor Passos em 22 de Fevereiro de 2011, 16:48
Ola muita paz e harmonia
Amigos  Moura e Hebb

  Concordo com tudo que disseram, mas apesar do muito estudo, da muita vontade , do muito saber, são tantas as calinadas que mais vale estarmos por vezes de fora de uma discussão..
 Tenho aprendido imenso com o Irmão Moura, e uma das qualidades que ele tem de grande , é a forma simples com que dispersa o conhecimento e isso não é facil não...
    No entanto temmos que saber que nem sempre estamos no melhor e por vezes mais vale não fazer algo , do que fazer e cair no ridiculo da profanação da Doutrina e da sua pratica...

Muita paz e harmonia

abração

Victor Passos
Título: Re: Exemplo de conduta Espírita
Enviado por: Mourarego em 22 de Fevereiro de 2011, 17:22
É bem verdade o que dizes, mano Victor.
quantas vezes já passamos por calças justas, ao entrarmos, mesmo que a convite, num a discussão ou debate, sem que antes víssemos, e bem o que se disse?
quando atendia a convites, que at-é hoje me chegam em bom número, algumas vezes tive de me desdobrar em falas bem nítidas para que pudesse me fazer entender ao menos por um.
Éque o ambiente, conturbado por ensinamentos apócrifos e idéias das mais esdrúxulas, não comportava uma linha de pensamento total e restrita á doutrina.
Mas nquele tempo eu pensava que participando estaria plantando a boa semente, e por isso o fazia sempre rapidamente.
Hoje em diz, antes de dar o aceite, procuro me informar da linha de pensamentos que tal programa ou evento respeite e consagre, para que ali não vá, perturbá-los com meus "achismos Kardequianos", como já me disseram que faço.
Hoje em diz sei bem que a boa semente não germina em solo infértil, mal adubado ou que não tenha elementos específicos para a sua nutrição.
Dessa forma, elegantemente, prefiro ficar de fora.
Se pretendesse apenas buscar a falsa glória da notoriedade, por certo estaria por ali e alhures. E mais, fazendo como muitos que aqui falam de acordo com o que se diz, e ali se desdigam para enfeitar as afirmações contrárias ao que já tivesse dito antes.
Eu só tenho uma palavra, esta é a que está escrita nas obras básicas, pois não sou ninguém para fazer ou compreender totalmente a doutrina dos Espíritos.
Depois de ler na RE o codificador responder a um inquiridor, sobre o porque de não ir procurar àqueles que teriam saído da Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, eu tive a certeza de estar a trilhar, agora o bom caminho
Ele disse: " Caro amigo,   com sinceridade lhe digo que não esteve e nem está em meus planos ir procurá-los.
Se saíram é que ou estavam contrários as idéias que ali trocamos, porém nenhuma porta lhes foi fechada após a saída, e tendo em vista o grande numero de trabalhos a que nos damos, em nossas reuniões, há o senhor, de concordar que se saíram e que não tiveram, de nossa parte sua volta obstacularizada, cumpre a eles, em querendo, voltarem ao sei da Sociedade, quanto a mim, que o senhor mesmo pense, seria uma perda de tempo lhes ir procurar."

Aliás há outro texto dentro de um discurso de abertura do ano fiscal da mesma Sociedade em que Kardec assim explana: "Poderíamos, a guisa de facilitar a entrada à Sociedade, de diminuir as mensalidades, e afrouxar as dificuldades para a entrada.
Fizemos o contrário: Dificultamos mais a entrada e   aumentamos as mensalidades.
É que a Sociedade não tem o fim de fazer prosélitos, mas sim de discutir em nível bem elevado as grandes e sérias questões que a doutrina comporta."
É assim que eu penso de há um tempo para cá.
Abraços,
Moura