Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Transcomunicação Instrumental => Tópico iniciado por: Marianna em 08 de Setembro de 2009, 05:51

Título: Transcomunicação instrumental
Enviado por: Marianna em 08 de Setembro de 2009, 05:51


A Transcomunicação Instrumental (TCI) comunicação com os “mortos” através de meios electrónicos, embora recente vem evoluindo no tempo, apesar de estar a dar os primeiros passos e a baralhar muitos dados, principalmente os dos cépticos e/ou agnósticos, no que concerne à continuidade da vida pós-morte. Inicialmente, vozes rudimentares apareciam nas fitas dos gravadores. Doravante, já é possível captar mensagens em impressoras de computador e aparelhos de fax. Estranho? Ficção? Talvez não!

Não há nada como informar-se, ler e tirar suas próprias conclusões.

Mas, será tudo isto mais uma “modernice”?

É o oposto o que lhe queremos mostrar. Já os nossos antepassados andaram por lá perto.

Se não acredita, leia!

Folheando uma antiga “Revista de Espiritismo”, a n.º 3, no seu Ano I, Maio/Junho 1927, encontrámos referências em torno do que hoje à boca cheia se chama TCI:

“Edison e o Espiritismo — Tem causado, por vezes, alvoroço nos meios espíritas a notícia de que o célebre inventor americano Edison dera adesão à hipótese espírita como a mais consentânea com a explicação dos fenómenos metapsíquicos transcendentais.

A notícia mais uma vez aparece no jornal The People, que publica a seguinte declaração do sábio: «Atingi agora o ponto em que sou forçado, por uma verificação positiva, como consequência das minhas investigações, a sustentar firmemente o ponto de vista de que a vida existe depois da morte. Estou mesmo inclinado a sustentar o espiritismo e o seu princípio de que são possíveis as comunicações entre o mundo dos vivos e o dos mortos».

Não pode restar dúvida de que o sábio é intensamente atraído pelos estudos relacionados com a sobrevivência humana e que os seus esforços tendem essencialmente à descoberta de um aparelho que permita as comunicações sem médium.

É a esse respeito interessante a reprodução de fragmentos de um artigo do eminentíssimo sábio acerca da construção dum telefone psíquico com que ele pretende pôr em comunicação os vivos e os mortos:

«Intentei construir um aparelho científico que permita aos mortos — se isto for possível — entrar em relações comigo.»

E mais abaixo:

«Confiemos, pois, em que se conseguirá possuir o instrumento ideal que essas personalidades possam empregar. Nós, os habitantes deste mundo, poderemos receber por esse meio men-sagens procedentes da «vivenda» ou do novo lugar onde se encontrem.

Se o aparelho que eu construo pudesse ser um meio de penetrar vastamente no mundo do desconhecido, teríamos dado um grande passo para a Inteligência Suprema.

Não quero, porém, dizer mais. O que prometo é fazer com que as personalidades passadas ao au-delá possam comunicar connosco, se o desejarem ou quiserem».

Não é nova a tentativa de pretender abolir o médium como agente da comunicação.

Porém, o mais complicado aparelho construtivo para esse fim, o dinamistógrafo, parece que não exclui em absoluto a intervenção mediúnica.

Construído pelas indicações dadas mediunicamente pelo falecido engenheiro holandês, J. J. Zaalberg van Zelst a seu filho e ao seu amigo Matla, com quem durante longos anos em vida estudara o futuro póstumo do homem, apesar de livre-pensador, permitiu todavia iniciar os estudos da personalidade astral segundo processos físicos de observação e de apreciação e registo até aí nunca empregados.

Foi assim que esses autores apresentaram conclusões interessantes que seria longo enumerar aqui, sobre volume, peso, densidade e modo de constituição do corpo astral, tão bem comentadas e apreciadas pelo ilustre escritor Charles Lancelin em «La vie posthume».

Conseguirá o sábio inventor Edison melhores resultados que os seus antecessores nessa ordem de estudos, que tiveram sobre ele a vantagem de ser instruídos por individualidade astral e por isso mesmo mais profundos conhecimentos sobre o modo de actuar?

É difícil prognosticá-lo.».

No seu livro “Os mortos nos falam”, o teólogo católico padre François Brune lamenta:

«O mais escandaloso é o silêncio, o desdém, até mesmo a censura exercida pela Ciência e pela Igreja, a respeito da descoberta inconteste mais extraordinária de nosso tempo: o após-vida existe e nós podemos nos comunicar com aqueles que chamamos de mortos.”

Revista de Espiritismo nr. 27, 2.º trimestre de 1995

José Lucas.


Título: Re: TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL
Enviado por: Marianna em 23 de Novembro de 2009, 23:39


          Talvez cause espanto ao leitor a informação de que o famoso escritor brasileiro Coelho Neto tenha obtido comunicação mediúnica de sua netinha, falecida, por meio de um telefonema. Mas é exatamente  isto o que o romancista maranhense (1864-1934) declarou aos jornais em 1923. Basta que seja consultado o Jornal do Brasil  em sua edição de 7 de junho do referido ano (1923), onde o beletrista dá detalhes da conversa que se estabeleceu entre a criança e a mãe, filha de Coelho Neto, compreensivelmente desolada com a perda da menina e consolada ao ouvir-lhe a voz ao telefone.

         Maior espanto talvez terá o leitor se lhe for dito que o grande inventor Thomas Alva Édison também andou tentando montar um aparelho (ele que nos legou tantos e tantos inventos, dentre eles a lâmpada incandescente)  para que os vivos pudessem conversar com os seus mortos queridos!

         E a segunda metade do século XX trouxe alvissareiras notícias sobre isto, como iremos conseguir sumariar.

        Até então os fatos mediúnicos eram realizados através de médiuns e as sessões contavam com a presença de sábios. É oportuno lembrar, neste sentido, o livro Médiuns e Fantasmas, de Robert Tocquet, onde aparecem atas de experimentações com a médium Eusápia Paladino, no Instituto Geral Psicológico, com a presença de cientistas como Pierre e Madame Curie, casal amplamente conhecido por suas pesquisas fundamentais na radioatividade.

        Mas agora são utilizados aparelhos eletrônicos, propiciando esta comunicação com o Além. Não será, pois, admissível dizer que seria tudo alucinação ou produto do inconsciente.

        Assim é que, em 1968, o padre suíço Leo Schimd  fez a gravação de vozes do mundo invisível, e seu livro dando notícia dos experimentos só veio a lume em 1987, após a sua morte, não sabemos se por receio de represália das autoridades eclesiásticas.

      Raudive, por sua vez, deu a lume o livro O Inaudível se faz audível. com base em 72 mil gravações. Em 1982 os cientistas americanos George W. Meek e Willian J. O'Neill anunciaram que  tinham conseguido gravar 20 horas de palestras com seu colega George  Jeffries Mueller, falecido de ataque cardíaco havia 14 anos. Um ano depois,  obtiveram a imagem do Dr. Mueller  numa tela de aparelho de televisão.

     Entre 1984 e 1985 Kenneth Websler, na Inglaterra, recebeu por meio de computadores cerca de 250 comunicações de uma pessoa  que viveu no século XVI. Os textos foram gravados em inglês arcaico e os dados pessoais foram devidamente comprovados posteriormente.

     Na Alemanha Ocidental, entre 1985 e 1988,   Klaus Schreiber, com a ajuda do engenheiro eletrônico Martin Wenzel, obteve  pela televisão imagens de pessoas já falecidas. Quer dizer,  na época da Informática e da Computação, os mortos se comunicam com os vivos também se valendo de tecnologia mais avançada.

    Todavia, cabe aqui a advertência contida em O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, expressa nos seguintes termos categóricos e oportunos:

 "Todos os homens poderiam crer nas manifestações e a Humanidade continuar estacionária. Que importa crer na existência dos espíritos, se esta crença não torna o homem melhor, mais bondoso e mais indulgente para com os seus semelhantes, mais humilde e mais paciente nas dificuldades aquele que a adotou?  De que serve ao avarento ser espírita se continua a ser avarento; ao orgulho, se continuar cheio de si; ao invejoso, de permanecer ciumento?"

Por Celso Martins
- Mediunidade ao seu Alcance.
Título: Re: TRANSCOMUNICAÇÃO INSTRUMENTAL
Enviado por: charles_TCI em 26 de Maio de 2011, 15:26
É certamente um canal de ifinita possinilidades para comunicação o uso da TCI, isso é incontestavel os fato falam por si só, a soma do médium e o transcomunicador será sempre um grande fator positivo para este feito!.
Título: Re: Transcomunicação instrumental
Enviado por: elmondir em 08 de Novembro de 2011, 14:03
Vejam esta psicográfia, que o agente se diz o Padre Landel de Moura:


``  EVP: Estabelecendo a sintonia ( Evp,fve,pve,metafonie, tci, itc ) TCM

Sacramento!...Já que alguns já sabem, que a nossa mente, pode emitir sinais externamente, procuraremos compreender um pouco mais de como na tci, funciona o processo das eletronic voice phenomenon, os fenômenos da vos eletrônica. O comunicante, Espírito, se aproxima do transcomunicador, ou de alguém próximo a este, e é feito uma tentativa, pelo Espírito que irá se comunicar, de uma espécie de imantação, uma sintonia através de batimentos de frequências, com o Espírito encarnado do transcomunicador, ou de outras pessoas presentes no experimento, como alguns já sabem, que o Espírito encarnado, transmite sua mensagem ao cérebro do corpo carnal que lhe pertence, e este cérebro transforma estes sinais, em pulsos elétricos codificados, que controlando os mecanismos, do corpo envolvidos em todo sistema da produção da voz humana, acionando, estes, produz a voz, e as pessoas encarnadas se comunicam pela fala, reproduzindo pelo corpo carnal, todos sinais da comunicação de voz vindas do Espírito encarnado, estes mesmos sinais, originados do Espírito encarnado, e que através de seu corpo se expressam nesta dimensão terrestre em forma de sons, também podem se propagar externamente, em impulsos não audíveis e ser recebido estes sinais por um outro cérebro externo, uma outra pessoa, através destes impulsos, de um cérebro a outro, de um cérebro a uma mente, e vice verça, encarnados ou não, na dimensão terrestre. Estes sinais emitidos pelo cérebro, que são sinais elétricos de baixíssima intensidades, podendo propagar-se em forma de ondas de baixíssima frequências, interferindo nos equipamentos de gravações de áudio, por batimentos. O Espírito desencarnado, ao se aproximar, ou do transcomunicador, ora de uma outra pessoa presente, através de uma imantação por sintonia, regulada pelo Espírito desencarnado, pela aproximação adequada, faz o Espírito tentativas de acoplar, seu Espírito, ao Espírito encarnado, a mente do Espírito desencarnado, encontrando a brecha adequada, em alguém, entre os Espíritos encarnados,nos presentes, estabelece-se a sintonia, e o Espírito desencarnado, assume o comando da transmissão de sinais, entre sua mente, e a mente do Espírito encarnado, em rápidos e curtos momentos, transmitindo sua mensagem, normalmente o mais, objetivamente, resumidamente ao equipamento gravador, através do cérebro do corpo, do Espírito encarnado. Em outras palavras, o Espírito desencarnado comunicante, transmite sua comunicação, através de sintonia, pelo cérebro do transcomunicador, ora de alguém presente ao experimento, por aquele que se obtiver a melhor sintonia. Ha toda uma gama enorme de micro correntes elétricas, por toda parte na natureza, terrestre, e no universo, inclusive se inter-relacionando com a dimensão do mundo Espiritual, as dimensões varias se interligam, por micro correntes elétricas, e uma serie de tantos outros elementos e fenômenos vários ainda não compreendidos, ou estudados adequadamente pela humanidade, na atmosfera da terra, e os na terra encarnados ainda. Os sinais interferentes, que conduzem as nossas mensagens, que agem sobre os gravadores, ou reprodutores de sons, sempre partirão, do elemento humano encarnado, do corpo deste, mas que comandado, modulado pelo comunicante Espiritual, desencarnado ou não, pois que os Espíritos, desencarnados, na erraticidade, e os ainda encarnados, se intercomunicam através do pensamento. Através dos fenômenos micro elétricos, indutivos, que engloba os fenômenos já catalogados como telepatia, pelos Espíritos encarnados na terra, que alguns já conhecem, e se a telepatia, a longo alcance é possível, imaginem, quando nós, Espíritos desencarnados, estamos ao lado, juntamente aqueles que queremos transmitir o nosso pensamento, a nossa ação, intencional de comunicarmo-nos com vós nesta dimensão material terrestre. Os mecanismos de todo estes sistemas, e processos envolvidos, nas eletronic voice phenomenon, nestes fenômenos da vos eletrônica,vão gradativamente, como que amadurecendo, aumentando a sintonia, as facilidades, destas interdimensionais comunicações. Aos poucos vão aumentando, da mesma forma e velocidade, que a humanidade compreende que existe outras dimensões vibracionais de outros tipos vários de matéria, que as limitações dos sentidos sensitivos do corpo humano não consegue perceber, da grande maioria dos Espíritos encarnados. Conforme as permissões divinas superiores, vamos nós Espíritos, trabalhando justamente neste sentido, de desenvolvimento das transcomunicações, destas transmissões pós elementar, deste trans contato, entre o mundo Espiritual, de todos nós Espíritos, desencarnados e encarnados na terra, através desta comunicação, do além dos elementos menores da matéria conhecida na terra, entre o além dos elementares, e os elementares, e humanas partículas conhecidas por vós. Entre o alfa e o omega, existe toda uma gama tão extensa de fenômenos ainda não catalogados, não conhecidos pela humanidade terrestre, infinitamente grande,mas que aos poucos vão sendo revelados, desvendados , conforme se desenvolve esta, esta mesma humanidade que todos nos pertencemos...



Espírito Landel de Moura , psicografado por Jota Pedroso, em, Canoas, Sul do Brasil, em  07 de novembro de 2011 , TCM.
´´

link da matéria original fonte: Site Diálogos com o lado de la : http://dialogoscomoladodela.blogspot.com/2011/11/evp-estabelecendo-sintonia.html
Título: Transcomunicação instrumental
Enviado por: Sylvia Campos em 16 de Dezembro de 2011, 00:29
Excelente texto!