Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Transcomunicação Instrumental => Tópico iniciado por: HelenaBeatriz em 23 de Julho de 2014, 17:32

Título: Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos
Enviado por: HelenaBeatriz em 23 de Julho de 2014, 17:32
[attachimg=1 align=right width=350]Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos

por Guilhermina Batista Cruz
"Ainda quando não reconheças de pronto semelhante verdade, eles te vêem e te escutam!" - Emmanuel

Apesar da comprovação sobre a sobrevivência do Ser após a morte do corpo físico, que temos conhecimento pelas obras de Allan Kardec, com fatos já corroborados por experimentos e análises de cientistas e pesquisadores, muitas pessoas ainda acreditam piamente que a vida cessa quando perdemos o corpo físico. Inclusive, algumas até procuram desmerecer e ignorar a existência de tantos fatos já comprovados pelo ilustre codificador da Doutrina Espírita e por outros renomados cientistas, imputando-os como fatos de origem restrita ao campo mental do ser, onde, segundo eles, originam-se e são totalmente explicados. Ressaltamos aqui que os fatos comprovados por Kardec foram fatos estudados com todo o critério, visando a não dar margens para mistificações e fraudes.

Geralmente, a pessoa cética em relação à existência de vida em outras dimensões, considera tudo o que diz respeito a este assunto como crendices, ignorando ou fingindo ignorar tudo o que já foi pesquisado e comprovado sobre o tema por pessoas sérias e competentes, que não disporiam de seus conhecimentos para atestar fatos que não fossem verdadeiros, já que os seus próprios experimentos trouxeram-lhes a convicção de serem fatos verídicos, totalmente isentos de fraudes.
Muitos pesquisadores debruçam-se atualmente sobre um assunto de grande relevância e que poderá transformar-se numa importante ferramenta para se transpor as barreiras de comunicação existentes hoje entre os mundos visível e invisível. Esta ferramenta utilizada pelos pesquisadores para a comunicação com o mundo espiritual, recebeu a denominação de Transcomunicação Instrumental - TCI ou EVP - Eletronic Voice Phenomena, como é conhecida no exterior. Mas o que é realmente a Transcomunicação Instrumental e de que forma ela nos põe em contato com os seres de outra dimensão? Podemos conceituá-la como um recurso que permite a comunicação entre dois seres de diferentes dimensões por meio de aparelhos eletrônicos, como rádios, gravadores, telefone, computador e televisão.

O principal intuito dos pesquisadores é demonstrar, por este meio, a sobrevivência do ser após a morte e a possibilidade do intercâmbio entre encarnados e desencarnados. Nesse tipo de intercâmbio, as pessoas desencarnadas podem transmitir mensagens a seus entes amados ou pessoas interessadas no assunto, dando-nos a certeza de que a vida prossegue célere em outra dimensão.
Antes de mostrar a importância do trabalho de pesquisa desenvolvido atualmente no Brasil sobre o tema, darei aqui um breve histórico sobre o surgimento desta ferramenta de trabalho, que abre uma importante possibilidade de comunicação com o mundo espiritual. Vale ressaltar que o objetivo aqui é o de mostrar a seriedade com que a TCI é desenvolvida não só no Brasil, mas também em outros países.

O Brasil teria sido o pioneiro nessas pesquisas através do português naturalizado, Augusto de Oliveira Cambraia, que, em 1909, teria requerido a patente de um invento de sua autoria chamado Telégrafo Vocativo Cambraia, cuja finalidade seria, segundo ele, a comunicação à distância utilizando-se, "das almas e espíritos que vagam pela estratosfera". Também é do Brasil uma das primeiras obras sobre o assunto de que se tem notícia, intitulada "Vozes do Além pelo Telephone (Novo e admirável sistema de comunicação - Os espíritos falando pelo telephone)" de Oscar D'Argonnel, publicada em 1925, no Rio de Janeiro. Nesta obra, ele relata diversos casos de comunicação com os mortos pelo telefone. Esta obra, embora as sérias observações do autor, não alcançou muita notoriedade, por que muita gente achava que o telefone não seria o melhor veículo para o intercâmbio, já que poderia propiciar enganos e dar margem a fraudes nas comunicações.

Um dos pioneiros a nível internacional nesta forma de experimento foi o sueco Friedrich Jüergenson, produtor artístico que, em 1959, ao gravar canto de pássaros da região, em sua casa de campo, deparou-se com ruídos estranhos entre os sons, como os de um clarim e de uma voz que identificou como sendo de um homem expressando-se em norueguês sobre o canto dos pássaros noturnos. Estranhou o fato por se encontrar sozinho durante as gravações. Tempos depois, ao fazer novas gravações, constatou a existência de vozes humanas que, alternando-se entre os idiomas alemão e sueco, assim se expressavam: "Manter contato! Com aparelho manter contato. Favor ouvir". Ao indagar de quem seriam aquelas vozes, elas lhe informaram serem as vozes dos mortos.

Juergenson aprofunda-se então em seus experimentos gravando centenas de vozes e publica vários livros sobre o assunto, como :"Vozes do Universo", "Contatos de Voz com os Mortos", disseminando em 1967, com a publicação do livro "Telefone para o Além, *o assunto para o conhecimento público. Em 1969 ele foi condecorado pelo Papa Paulo XVI, com a ordem de "San Gregório o Grande", por seu trabalho. Uma de suas obras, "Contato por Rádio com os Mortos" foi traduzida para o alemão em 1967, despertando o interesse do filósofo e escritor nascido na Letônia, Konstatin Raudive, que, mesmo incrédulo, o visitou na Suécia interessado sobre o assunto.

Ao voltar para a Alemanha ele deu início também ao experimento da gravação de vozes, gravando cerca de 72.000 vozes, com rigorosas condições experimentais. Ele consegue inclusive, comunicar-se com sua falecida mãe, que deixa gravado na fita um recado carinhoso, chamando-o de "Kosti", como era seu hábito chamá-lo quando viva. Em 1971 ele lança um livro sobre o assunto, de título em inglês "Breakthrough", onde cita diversos nomes de estações transmissoras existentes no além. Podemos citar aqui vários outros pesquisadores de TCI que se destacaram no mundo todo, assim como Franz Seidel, Leo Schmid, Manfred Boden, Ernst Senkowski, entre tantos outros, que se dedicaram com afinco à pesquisa sobre TCI, tornando-a mais conhecida e com mais credibilidade.

Entre os pesquisadores, destaca-se também o Padre francês François Charles Antoine Brune, que estuda os fenômenos de TCI há bastante tempo, tendo publicado os seguintes livros sobre o tema: Os Mortos nos Falam" e "Linha Direta do Além". Segundo ele, o "após vida" existe, assim como a comunicação com os chamados mortos. Sobre as razões de ter escrito livros sobre a Transcomunicação, ele esclarece: "Escrevi estes livros para tentar derrubar o espesso muro de silêncio, de incompreensão, de ostracismo, erigido pela maior parte dos meios intelectuais do ocidente. Para eles, dissertar sobre a eternidade é tolerável; dizer que se pode entrar em comunicação com ela é considerado insuportável.(...).Quero mostrar que a vida depois da morte depende de nossa vida neste mundo". Brune, François. Os mortos nos Falam.

Em seu livro "Linha Direta do Além", ele conta a experiência que os padres Agostino Gemelli e Pellegrino Ernetti, físicos de renome da Itália, tiveram, e que seria o primeiro caso de gravação de voz que se tem notícia, ocorrido no laboratório de física experimental da Universidade Católica de Milão, em 17 de setembro de 1952, quando os dois gravavam cantos gregorianos. Como não existiam gravadores com fitas nessa época, era necessário dar um nó fino nos fios, já que eles se rompiam com frequência. Ao tentar mais uma vez consertar os fios, Padre Gemelli teria exclamando: "oh, papai, me ajude, " como era de seu costume fazer, referindo-se a seu pai falecido. Ao escutarem as gravações, ao invés do canto gregoriano, ouviram com espanto a voz do pai de Gemelli falar: "claro que o ajudo e estou sempre com você".

A Transcomunicação, por ser uma tecnologia científica, não está ligada a nenhuma base religiosa, mas, se levarmos em consideração o seu maior objetivo, que é o de demonstrar a sobrevivência do Ser após a morte, ela vai de encontro ao maior preceito contido no Espiritismo, colaborando, por este ângulo, para confirmar a existência do mundo espiritual e as várias possibilidades de comunicação com os desencarnados. Allan Kardec, na questão 934. do Livro dos Espíritos, sobre as comunicações entre encarnados e desencarnados, assim nos diz: "(...) tendes, porém, uma consolação em poderdes comunicar-vos com os vossos amigos pelos meios que vos estão ao alcance, enquanto não dispondes de outros mais diretos e mais acessíveis aos vossos sentidos".
Título: Re: Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos
Enviado por: HelenaBeatriz em 23 de Julho de 2014, 17:40
Continuação...

No Brasil, devido à seriedade e o empenho de muitos pesquisadores, que se dedicam com afinco e procuram sempre estar "antenados" com as melhores tecnologias para os experimentos de Transcomunicação, ela já apresenta um considerável avanço. Um dos pioneiros nos estudos sobre a TCI, tendo seu trabalho reconhecido não só aqui como no exterior, foi o engenheiro e grande expositor espírita Hernani Guimarães Andrade, falecido em 2013. Em 1988, ele, com sua assistente Profa. Suzuko, e os pesquisadores Sonia Rinaldi e Fernando Machado, deram início aos experimentos com as gravações de vozes, no Instituto Brasileiro de Pesquisas Psicobiofísicas- IBPP, do qual era fundador.

Uma recomendação que ele sempre gostava de fazer às pessoas interessadas em pesquisas sobre transcomunicação era a de que procurassem ler o Livro dos Médiuns (mesmo não sendo Espírita), pois no item 303, pergunta nº 1, existe um ensinamento importante que se aplica às pesquisas realizadas em transcomunicação, principalmente quanto a lidar com esses contatos e aprender sobre os tipos de energia existentes em relação a eles. Para ele não era importante o transcomunicador ser de alguma crença ou religião, mas sim, saber diferenciar o que valia a pena, para não sair por aí gravando coisas que não seriam importantes e até poderiam prejudicar sua pesquisa. Em sua opinião, o Transcomunicador, podia ficar mais suscetível a enganos sobre os contatos, pelo desconhecimento espiritual sobre eles.

Por sua imensa contribuição, através de um trabalho árduo e profícuo na área da Parapsicologia, Psicobiofísica, Transcomunicação Instrumental -TCI e outras, é tido hoje como uma referência mundial nestas áreas de pesquisa e um dos autores mais lidos no exterior sobre os temas citados. É considerado também o maior pesquisador espírita da atualidade, principalmente por seus estudos e pesquisas sobre reencarnação. De personalidade firme, argumentação ponderada e cientificamente consistente, sempre soube transitar com fidelidade ímpar, em suas investigações, através do tríplice aspecto do espiritismo: filosofia, ciência e religião.

Sobre sua pessoa e seu trabalho, os membros do CCDPE - Centro de Cultura Desenvolvimento e Pesquisa do Espiritismo, assim se expressaram em artigo publicado no jornal Correio Fraterno, edição 416 julho/agosto 2007: "De sua vida, o maior exemplo, embora sua envergadura científica, talvez seja seu traço moral, sempre marcante e presente, mesmo diante das críticas, respondendo-a em forma de trabalho. Um exemplo que nos lembra da importância de se conhecer a vida de personalidades que souberam se superar. Não a título de idolatrias. Mas de recordação de que somos todos humanos, sujeitos a dissabores e dificuldades, conquistas e alegrias. Aqui se busca, acima de tudo, demonstrar como pessoas como nós, comuns, são capazes de transformar-se em mecanismos de doação, amor e vivência em prol de um mundo melhor. São aqueles que, em vez de reclamar diante das dificuldades, transformam essa dificuldade em trampolim para uma nova vida."

Atualmente, a TCI tem um grande destaque no Brasil graças ao trabalho de Sonia Rinaldi, uma das mais atuantes pesquisadoras sobre o assunto, com mais de vinte anos de pesquisas sobre o tema. Ela é respeitada por seu trabalho pioneiro de pesquisa científica e seu trabalho é reconhecido não só no Brasil, como também no exterior, onde mantém vínculos com transcomunicadores de instituições renomadas, como universidades e institutos de pesquisas. Publicou sobre o tema vários livros, entre eles, " Gravando Vozes do Além", que detalha técnicas para os contatos com outras dimensões. Recebeu, por suas pesquisas, em 1995 e 1997, o prêmio internacional Hedri Prize, da Fundação Suíça de Parapsicologia. Seu trabalho, segundo suas palavras:"(...) será sempre o do enfoque do Espiritismo Científico".

Fundou com outros pesquisadores o Clube dos Transcomunicadores, que depois virou a Associação Nacional dos Transcomunicadores - ANT e por fim o Instituto de Pesquisas Avançadas em Transcomunicação Instrumental - IPATI, que possui um acervo valioso e diversificado sobre os trabalhos de pesquisas desenvolvidos, com milhares de áudios, vozes, imagens e vídeos, muitos dos quais já totalmente comprovados, inclusive, ela já recebeu até um laudo internacional de um Centro de pesquisa na Bolonha -Itália, atestando uma de suas experiência de vozes, como verdadeira.

A técnica utilizada nas pesquisas já evoluiu bastante e hoje já é possível contatar os desencarnados pelo uso da imagem no computador. O Brasil, segundo Sonia, é o pioneiro nesta técnica e o que produz os melhores resultados no mundo. No site do IPATI, www.ipati.org (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5pcGF0aS5vcmc=), para quem se interessar estão detalhados contatos com desencarnados também via Skype, com resultados impressionantes. Em 2011, foi lançado o primeiro e-book sobre TCI, denominado de "Em Contato - transcomunicação na prática, onde constam gravações em CD, vídeos e transimagens, além de áudios com vozes e ilustrações, que foram documentadas no laboratório do Instituto.

Como vemos, a Transcomunicação Instrumental volta a ser um chamado do alto para que nos liguemos novamente à nossa essência espiritual, para o fato de que sempre continuaremos nossa escalada evolutiva, seja nesta ou em outra dimensão, e para que renovemos nossa convicção de que os entes amados que nos deixaram pela morte física, continuam vivos e desejam a todo o custo, nos transmitir notícias e mensagens de alento, dizendo-nos o quanto se sentem vivos e atuantes no mundo onde hoje se encontram.

Como fala Sônia Rinaldi: A união dos esforços de ambos os lados, auxiliará muito o ser humano a entender, de forma mais racional, que a vida continua". Ainda segundo ela: "temos um objetivo humano, que poderia ser traduzido em auxiliar aqueles que perderam um ser querido - sem esquecer daqueles que estão do Outro Lado, igualmente com suas dores e saudades, mas, principalmente, compartilhar com o objetivo dos nossos Superiores de trazer a comprovação da sobrevivência e, quem sabe, oferecer um novo rumo à Humanidade".

Paz e Luz a todos.

Fontes de Pesquisa:

Livros: Transcomunicação Instrumental - contatos com o além por vias técnicas - Sonia Rinaldi; Os Mortos nos Falam - François Brune; Telefone para o Além - Fiedrich Jurgenson; Contatos Interdimensionais - Sonia Rinaldi
Sites: www.ipati.org; (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5pcGF0aS5vcmc7) www.ibpp.org; (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5pYnBwLm9yZzs=) www.viafanzine.jor.br; (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy52aWFmYW56aW5lLmpvci5icjs=) www.jornaldosespiritos.com; (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5qb3JuYWxkb3Nlc3Bpcml0b3MuY29tOw==) www.consciesp.org.br (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5jb25zY2llc3Aub3JnLmJy)
 

por Guilhermina Batista Cruz   


   
   




Título: Re: Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos
Enviado por: Chopina em 24 de Julho de 2014, 08:57
Olá Helena Beatriz
Penso que há um lapso que deve ser corrigido.
Papa Paulo XVI ??  ou Papa Paulo VI ?
Desculpe mas ...
Título: Re: Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos
Enviado por: Vitor Santos em 24 de Julho de 2014, 14:23
Olá amiga Helena Beatriz

Tanto quanto consegui entender, até ao momento, não há qualquer tipo de Transcomunicação Instrumental que dispense um médium de efeitos físicos. É apenas uma forma especifica de manifestação mediúnica, de efeitos físicos. Em vez de ser uma mesa que gira é um instrumento eléctrico ou electrónico que grava e/ou que emite som, imagem ou outros efeitos físicos. 

Quando nos dizem que se trata de algo cientifico parece que é uma técnica que permite a comunicação autónoma dos desencarnados, sem a presença de médiuns ostensivos, de qualquer espécie. Que qualquer pessoa indiferenciada, mesmo sem ser médium ostensivo, desde que aprenda as técnicas e disponha da tecnologia adequada pode fazer comunicações com o além.

Mas, que eu saiba (e se alguém souber agradeço que me esclareça), não há ainda nenhum sistema constituído por uma ou várias máquinas, operadas por qualquer pessoa instruída sobre a forma de as fazer funcionar correctamente,  que substitua os médiuns humanos. Ora, se um médium ostensivo de características adequadas tem de lá estar, o fenómeno tem a haver com o médium e não com os instrumentos.

É apenas uma variante das mesas girantes, mas com outro tipo de objectos. Se os cientistas estudassem as mesas que viram girar não  lhes encontravam nada de especial, em relação às outras mesas, nem conseguiriam explicar porque é que elas giravam. Assim, neste caso, não são os instrumentos que interessam para justificar o fenómeno, mas a mediunidade ostensiva de uma pessoa, por intermédio da qual se operam os fenómenos.

O que a ciência, no máximo, poderia constatar, é que o fenómeno existe mesmo, que é anómalo, não se encontrando explicação na ciência actual para o mesmo e que a explicação da comunicação com os mortos é uma hipótese que a ciência não pode descartar, nem confirmar, para já. Mas não conheço sequer estudos científicos sobre o assunto. 

Bem haja
Título: Re: Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos
Enviado por: HelenaBeatriz em 24 de Julho de 2014, 15:53
Olá amigos Chopina e Vítor!
Que bom que se interessaram pelo conteúdo da postagem!
Muito obrigada pelo retorno.

Sim, Chopina, vc está certíssimo!! Em 1969 era a vigência do Papa Paulo VI.
E este foi bastante progressista, como seu antecessor.
Só a título de escusas coloco aqui este apêndice retirado da internet, via nosso oráculo Google :
O Papa Paulo VI, nascido Giovanni Battista Enrico Antonio Maria Montini (Concesio, 26 de setembro de 1897 – Castelgandolfo, 6 de agosto de 1978) foi o Sumo Pontífice da Igreja Católica Apostólica Romana e Soberano da Cidade do Vaticano de 21 de junho de 1963 até a sua morte. Sucedeu ao Papa João XXIII, que convocou o Concílio Vaticano II, e decidiu continuar os trabalhos do predecessor. Promoveu melhorias nas relações ecumênicas com os Ortodoxos, Anglicanos e Protestantes, o que resultou em diversos encontros e acordos históricos.


Vítor, este assunto muito me encanta, mas confesso saber pouco a respeito, embora  assista com frequência a certos programas de TV em que pessoas comuns, não só médiuns, utilizam aparelhos de comunicação com os espíritos.
No Canal SyFy temos o Ghosthunters.  Neste programa tanto no local (USA), quanto no Internacional, os vi utilizarem uma série de aparelhos, alguns dando-nos uma qualidade de som fantástica.
No canal Bio (agora foram para o Lifetime) assisti a uma série de explorações na área da transcomunicação instrumental.
Na série "Minha história de fantasma" há uma infinidade de aparelhos sendo usados pelos americanos comuns e médiuns, dentre outros povos. Na série "Instinto Paranormal", rodada no Canadá, idem. O que vemos é um intercâmbio incrível.
Percebemos que alguns aparelhos são de fácil manuseio e alta capacitação pois tanto as imagens quanto os áudios são impressionantes e os usuários nem sempre são grandes estudiosos do assunto, embora também encontremos os expertises.


Obrigada amigos, mais uma vez.
Um abraço,
Helena
Título: Re: Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos
Enviado por: Vitor Santos em 24 de Julho de 2014, 16:32
Olá amiga Helena Beatriz

Também eu já tenho visto, em documentários e séries esse tipo de aparelhos. E não tenho elementos para confirmar ou desmentir que funcionam mesmo, no sentido de detectar e de comunicar autonomamente com desencarnados sem a presença de médiuns de natureza especifica para esse efeito. No entanto essas fontes de informação são limitadas.

Mas a nível mais cientifico, custa-me a perceber que cientistas que estudam esse tipo de fenómenos, com uma postura positiva, que mostram ter uma crença pessoal espiritualista, como Dean Radin e os outros que trabalham com ele, pessoas muito rodadas e muito interessadas neste tipo de assunto, não mencionem esse tipo de equipamentos.

A demonstração de que um equipamento ou um conjunto de equipamentos permitem comunicar com os mortos segundo a carne, por si mesmo, excluída a possibilidade de se tratar de um fenómeno mediúnico, seria algo de  revolucionário, nesta área. Não passaria despercebido, imagino.

Bem haja     
Título: Re: Transcomunicação Instrumental - Falando com os Mortos
Enviado por: HelenaBeatriz em 24 de Julho de 2014, 17:09
Caríssimo Vitor
Entendo suas dúvidas neste quesito.
Também causa-me estranheza a pouca divulgação no meio espírita dos fenômenos de transcomunicação.
Seria por simples rejeição ao modo instrumental de comunicação, dando-se preferência a uma abordagem mais direta através de médiuns?
Não sei a resposta.

Um abç,
Helena