Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Toxicodependência => Tópico iniciado por: Regina Prins em 04 de Setembro de 2008, 16:49

Título: ORAÇÃO DO DEPRIMIDO.
Enviado por: Regina Prins em 04 de Setembro de 2008, 16:49
ORAÇÃO DO DEPRIMIDO.

Se esta dor é o quinhão que me compete nesta etapa,
permita que eu possa suportá-la,
abraçando amorosamente esta estranha cruz.
Se esta dor é o quinhão que me compete nesta etapa,
permita que eu possa suportá-la,
abraçando amorosamente esta estranha cruz.
Quando mãos de aço invisíveis
apertarem minha garganta, venha em meu auxílio
e conceda-me a dádiva de lágrimas libertadoras...
Quando a escuridão se fizer presente
e de breu se travestir a minha vida,
que haja uma réstia de luz,
esperança e consolação,
brilhando no fundo do poço...
Quando tudo tiver perdido o sentido
e eu me encontrar prostrado e abatido,
desejando apenas morrer, que um
Anjo Seu venha me falar de vida, de novas
oportunidades e de melhores circunstâncias

Quando a aridez for tanta,
que eu me torne incapaz de dar um sorriso
para um filho meu ou para quem quer que seja,
eleve-me à majestade do Seu reino
e banhe-me nas águas da Sua redenção benfazeja...
Quando eu estiver paralisado de terror
face aos monstros incompreensíveis do pânico,
da culpa, da letargia, da fobia,
do isolamento, do ódio auto-direcionado,
faça-me lembrar de imediato, que o Seu amor
se coloca acima de todos estes algozes ilusórios,
filhos do meu transitório desequilíbrio, e que eu possa nesta hora, abandonar-me em Seus braços
na mais irrestrita confiança.
Permita Senhor,
que esta dor não me coloque à margem da vida.
Antes, que eu aprenda com ela e que dela,
eu seja capaz de arrancar o meu aprimoramento...
Quando Senhor,
a dor se agigantar de tal sorte,
que estando eu vivo, eu estampe a própria morte,
com os pensamentos e sentimentos em convulsão,
incapacitado de balbuciar a mais simples oração,
assuma nesta hora o comando da minha embarcação
e sem que eu perceba, conduza-me
a um porto seguro de luz e salvação...
E um dia Senhor,
quando eu finalmente estiver curado e reabilitado,
livre-me de eu me tornar esquecido:
que eu possa amorosamente abrir meu coração,
estender as minhas mãos, ir ao encontro e levar a consolação aos meus outros irmãos deprimidos.
Amém

FÁTIMA IRENE PINTO.
TEXTO PESQUISADO NA WEB.