Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Toxicodependência => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 28 de Abril de 2013, 17:40

Título: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Abril de 2013, 17:40
                                                                   VIVA JESUS!




               Boa-tarde! queridos irmãos.




                      O mundo das drogas
na visão espírita


Há quem diga que não exista ex-drogado. Há usuários que perderam a esperança de conseguir viver sem as drogas. Há familiares desesperados sem saber como lidar, aconselhar, ajudar de forma realmente eficaz.

De fato, este assunto é muito complexo quando se refere à causa, e um tanto problemático no que diz respeito ao efeito. Mas a espiritualidade nos diz que estes casos não somente estão ligados ao corpo físico, como também - e principalmente - ao Espírito.

A dependência química é fato e está aí a ciência que nos comprova tal fenômeno referente ao efeito provocado de curto ou logo prazo. Mas e a causa? Como podemos chegar a ela de forma profunda, de tal maneira a reconhecê-la e eliminá-la? Pois quando se elimina a causa, fica muito mais fácil tratar o efeito ao ponto de combatê-lo completamente.

Sim, a religião muito ajuda o indivíduo e DEVE, sem sombra de dúvida, ser utilizada como "antídoto" JUNTAMENTE com a medicina clínica e psíquica. Porém há casos de usuários (e também traficantes) que vão além do conhecimento da maioria das religiões no que concerne à CAUSA, e, neste aspecto, nem tão pouco a medicina pode alcançar (apesar da tentativa da medicina psíquica, onde muitos médicos psicólogos e psiquiatras hoje em dia já indicarem o Espiritismo). É justamente aí que entra o Espiritismo na busca de um diagnóstico espiritual para um tratamento paralelo ao científico-religioso, começando pela causa e posteriormente o efeito.

Muitos podem não dar crédito, ou achar que não é correto biblicamente falando (o que é um equívoco, dadas as inúmeras possibilidades de interpretação humana aos livros divinos), porém, o trato espiritual que se dá a estes 'enfermos da alma', baseando-se na receita de médicos espirituais, somado à conduta moral e cristã que nos é ensinada através da codificação de Kardec, de fato são transformadoras e renovadoras.

Uma das explicações dadas à causa que dá início ao uso de químicos em geral, e principalmente os tais alucinógenos, pode estar vinculada ao desequilíbrio mediúnico.

Pessoas boas de coração, denominadas sensíveis ou sensitivas, que geralmente encontram nas artes sua forma de livre expressão; pessoas propensas a ajudar os outros sem requerer reconhecimento ou gratidão; pessoas desapegadas a bens materiais em sua grande maioria; pessoas geralmente injustiçadas, exploradas, mal interpretadas e que sofrem muitas decepções e fracassos em diversos aspectos da vida... Pessoas neste perfil, com o tempo, tendem a tornar-se inseguras, partindo para o desânimo, angústia, tristeza profunda, depressão, crises existenciais, bipolaridade; e a fuga, em suas diversas formas, passa a ser sua única saída mais palpável e de pronto socorro. Mediunidade desequilibrada, não compreendida e não utilizada de forma construtiva.

Mediunidade é assunto sério! Seu desequilíbrio pode levar ao negativismo, pessimismo, autodestruição... Não há outro lugar que saiba tratar e ensinar o indivíduo médium a lidar com sua sensibilidade que não seja na doutrina espírita. E não é menosprezando as outras religiões, cada qual tem sua missão na Terra, mas, infelizmente, algumas religiões ainda menosprezam a doutrina espírita sem ao menos darem a chance de conhecer e entender o porquê de sua existência e utilidade nos tempos de hoje.

Drogas... Isso também tem cura! Mas lembre-se: enfermidade da alma, a causa é no Espírito. Não adianta tratar o efeito sem antes conhecer e eliminar a causa.


          Ket Antônio








                                                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: Aidian em 28 de Abril de 2013, 18:08
Imensamente grata por compartilhar matéria que, para mim, é de suma importância!
Deus te cuide!
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: reginia maria silva nunes em 29 de Abril de 2013, 03:45
Boa noite  e qual a nossa atitude em relação a pessoa que não aceita conselho, nem conversar sobre o assunto ou ainda lhe diz que não vai deixar e nem mudar, a famíla ja fez tudo que podia dentrodas possibilidades, a pessoa esta chegando a  3idade o que fazeralém de rezar, ..
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: Gê Barrim em 29 de Abril de 2013, 04:10
obrigada por compartilhar essa matéria... caiu no meu e-mail como uma bênção... estou sofrendo muito... fiz um pedido de internação compulsória para meu irmão de 24 anos... mora com a minha mãe e a situação ja passou do limite... ela tah passando fome e ja recebeu ordem de despejo, e ainda sim acoberta ele e da dinheiro... ela não sabe que fiz o pedido... estou com muito medo do que vem por aí... estou esgotada...
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: Carmen.gbi em 29 de Abril de 2013, 14:03
Bom dia, Regina

Boa noite  e qual a nossa atitude em relação a pessoa que não aceita conselho, nem conversar sobre o assunto ou ainda lhe diz que não vai deixar e nem mudar, a famíla ja fez tudo que podia dentrodas possibilidades, a pessoa esta chegando a  3idade o que fazeralém de rezar, ..

Eu acho Regina,  que o que se tem a fazer é continuar insistindo, não desistir nunca. Se a pessoa ainda não "acordou", não é motivo prá deixarmos de tentar acordá-la. É claro que  não tem como obrigarmos ninguém a mudar, não tem como modificarmos o comportamento alheio, nem mesmo pelo exemplo , quanto mais por conselhos. Só depende exclusivamente da pessoa que está recebendo as orientações , querer. É decisão dela.
Continue com suas orações pedindo que os bons amigos espirituais intuam essa pessoa, criem uma atmosfera de energia positiva ao redor dela para que ela possa entender , enxergar e  tentar modificar seu comportamento e continue a insistir sempre e sempre porque nunca devemos desistir de persisitir no bem.
Como você diz acima , trata-se já de uma pessoa madura. Se vc percebe que não está conseguindo sozinha pode também pedir ajuda a algum grupo especializado no caso porque muitas vezes a forma de abordagem pode ser diferente e ter um outro impacto.
Um grande abraço prá você , muita paz, muita calma, tranquilidade e luz.
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: Carmen.gbi em 29 de Abril de 2013, 14:30


Bom dia,

Eu sei que o título do tópico é "O Mundo das drogas na visão Espírita" e que a gente acaba por desviar um pouco o foco, mas acredito que  o mesmo requer também este tipo de abordagem.

Aconselhamento

O Aconselhamento, apesar do nome, não é dar conselhos, mas sim facilitar o processo de escolha da pessoa nas decisões que deve tomar quanto à mudança de hábitos, profissão, família, relacionamento e outros aspectos de sua vida. É uma alternativa às abordagens tradicionais para o tratamento de dependentes químicos. Não existe um caso específico, algumas pessoas buscam o Aconselhamento para simplesmente poderem conversar, outras procuram informações e esclarecimento de dúvidas e algumas ainda possuem quadros graves que deverão ser encaminhadas a psicoterapia. Aplicado à Dependência Química, sua principal finalidade é superar a resistência que os usuários de substâncias psicoativas apresentam quanto a parar com o uso de drogas.

É uma abordagem centrada na pessoa, em seus sentimentos, conflitos, percepções e crenças; acredita na potencialidade do homem e, conseqüentemente, em sua capacidade de crescer, dar novos significados a sua vida e resolver eficientemente seus problemas.

A técnica do Aconselhamento está relacionada à resolução de problemas, a tomada de decisões e ao autoconhecimento, permitindo a pessoa trabalhar com seus recursos em um curto espaço de tempo, providenciando correções e ajustes em aspectos do funcionamento de sua vida que não estão se desenvolvendo de acordo com o pretendido.

Esse tipo de apoio tem ação educativa, preventiva e situacional voltada para soluções de problemas imediatos, onde se utiliza a reflexão como instrumento das deliberações. É ainda um momento onde a pessoa pode se recuperar e encontrar abrigo durante a sua caminhada.

 

Não deve ser visto como prática que fornece “soluções” a pequenos ou grandes desajustamentos de conduta ou “pacotes” com receitas de êxito infalíveis. Fornece sim, alternativas dentro das possibilidades da pessoa, considerando seu atual momento de vida e todas as variáveis que podem ser trabalhadas/modificadas. Em última análise enumera, levanta e questiona várias hipóteses, oferecendo aos interessados alternativas de conduta. Não impõe regras ou estabelece metas que não podem ser cumpridas; sugere, orienta, cabendo ao interessado a decisão final de qual caminho seguir.

É uma prática de aprendizagem com objetivos de bem adaptar o sujeito conforme os valores que ele atribui a sua vida. O ser humano carrega capacidades e potencialidades que podem ser mensuradas e desenvolvidas e por isso possui potencial de evolução e de mudança. No processo de Aconselhamento são estabelecidas, de comum acordo, novas normas de conduta, debatidos valores sociais, hábitos saudáveis e comportamentos funcionais. Muito importante, acolhe a pessoa em seu momento de sofrimento. Em síntese, a principal finalidade do Aconselhamento é reduzir os riscos na saúde do interessado com o engajamento em novos comportamentos, promoção de mudanças concretas, desenvolvimento de sua singularidade e individualidade e modificação das crenças disfuncionais que o leva a consumir abusivamente álcool e outras drogas.


http://drogas-aconselhamento.com.br/?p=1035
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Abril de 2013, 15:47
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                       


A importância do lar quando o assunto são as drogas




 
É conhecida do leitor a conclusão de uma pesquisa realizada pela Universidade do Texas (Estados Unidos), segundo a qual a prática de uma religião tende a afastar o jovem das drogas e das atividades que põem sua saúde em risco, uma vez que a fé religiosa aumenta a autoestima e ajuda a prevenir doenças de fundo emocional.

Abonados por três centros de pesquisa – a Universidade do País Basco (Espanha), a Universidade de Los Andes (Colômbia) e a Fundação Oswaldo Cruz (Brasil) – estudos posteriores à referida pesquisa vieram mostrar que o dependente químico não se forma na rua e que a tendência para o uso da droga começa a desenvolver-se em casa, mas – em compensação – uma boa educação pode preveni-la.

A inovação desses estudos foi não ter examinado a questão das drogas somente pelo ângulo do jovem que se torna dependente. Buscou-se também saber o que pensam os jovens que não consomem entorpecentes e o que faz com que eles, apesar de tantos apelos, não se sintam atraídos pelas drogas.

A resposta encontrada, tanto no Brasil, como na Colômbia ou na Espanha, foi uma só: nos lares onde existem diálogo, afeto e aconchego os filhos não sentem necessidade de buscar refúgio nas drogas.

Estimular os princípios espirituais, em contraposição aos valores materiais, é um dos recursos propostos pelos especialistas para a prevenção desse mal. A pessoa que tenha da vida uma noção mais clara não terá – salvo numa situação de extremo desequilíbrio – motivo para afogar nas drogas as suas dificuldades, uma vez que saberá que as vicissitudes existem para serem vencidas e não para abater-nos.

Diálogo aberto com os filhos, afeto, carinho, presença constante, ambiente familiar atraente e aconchegante e bons exemplos – eis o que os estudos recomendam.

Com respeito ao álcool e ao cigarro, embora se trate de drogas lícitas e de uso geral, é bom que os pais evitem consumi-las, se não quiserem que os filhos façam o mesmo. Além disso, as regras da convivência familiar devem ser claras, de tal modo que, quando os pais estabelecerem alguma proibição, ninguém alimente dúvidas sobre suas razões.

A importância de observações como estas é muito grande, sobretudo porque, provenientes de centros de estudos desvinculados de qualquer religião, confirmam os que as religiões cristãs têm buscado ensinar e muitas vezes não conseguem.

A existência terrena é um estágio evolutivo, ensina o Espiritismo. Esse estágio é recheado de provas, vicissitudes e desafios. Mas até as crianças sabem que não se vencem as dificuldades fugindo delas e que, em face disso, não existe alternativa: é preciso enfrentá-las e vencê-las.


               Editorial-O Consolador





                                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: amazona em 23 de Maio de 2014, 20:11


 o que se tem a fazer é continuar insistindo, não desistir nunca. Se a pessoa ainda não "acordou", não é motivo prá deixarmos de tentar acordá-la. É claro que  não tem como obrigarmos ninguém a mudar, não tem como modificarmos o comportamento alheio, nem mesmo pelo exemplo , quanto mais por conselhos. Só depende exclusivamente da pessoa que está recebendo as orientações , querer. É decisão dela.
Continue com suas orações pedindo que os bons amigos espirituais intuam essa pessoa, criem uma atmosfera de energia positiva ao redor dela para que ela possa entender , enxergar e  tentar modificar seu comportamento e continue a insistir sempre e sempre porque nunca devemos desistir de persisitir no bem.


Meu ex esta usando heroina, e eu tentei rezar por ele, conversar com ele, etc, mas ele esta ficando cada vez pior e me diz coisas horriveis, me feriu com palavras varias vezes so essa semana, entao eu desisti de ajuda-lo, mas agora me pergunto se agindo assim eu nao estou fazendo o oposto da lei do amor e mostrando falta de compaixao.

Li em outro post: "procurem se questionar, se analisar a cada dia: “Será que eu fiz hoje tudo aquilo de bom que poderia ter feito? Será que eu deixei de ajudar quando deveria ou fiz mal a alguém?"  e penso que em deixando ele de lado, eu de certa maneira nao fiz o bem.
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: dOM JORGE em 14 de Junho de 2017, 09:19
                                                                    VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.




                       O álcool e o espírito



                (...) Sobre esta substância química, consumida por grande parte da humanidade, Joanna de Angelis nos alerta que o seu uso reflete o declínio dos valores espirituais da sociedade, bem como é aceito como hábito social. Enfatiza que a viciação alcoólica inicia-se pelo aperitivo inocente, repete-se através do hábito social, impõe-se aos poucos como necessidade e converte-se em dominação absoluta pela dependência. Alertando que a desencarnação dá-se através do suicídio indireto, graças à sobrecarga destrutiva que o dependente de álcool depõe sobre o corpo físico. (Após a Tempestade).

Aqueles que têm consciência da sobrevivência do Espírito à morte do corpo físico podem compreender o perigo no hábito de consumir bebidas alcoólicas, uma vez que os seus efeitos transcendem os umbrais da morte, vão além dos danos causados ao corpo físico, instrumento de trabalho da alma reencarnada, que o devolve à terra após o desenlace, a morte. Esta substância deixa inúmeras marcas no corpo espiritual, o perispírito, e na mente do depende alcoólico, que refletirão na próxima encarnação.
Da análise do texto de Manoel P. de Miranda no livro "Nas Fronteiras da Loucura", psicografia de Divaldo P. Fralco, podemos concluir que a intoxicação alcoólica traz os seguintes prejuízos a quem a ela torna-se dependente:

1. Libera toxinas que impregnam o perispírito;
2. Introduz impurezas amortecendo as vibrações;
3. Entorpecimento psíquico;
4. Insensibilidade ao tratamento espiritual;
5. A dependência prossegue depois da morte;
6. As lesões do corpo físico refletem-se no corpo espiritual;
7. O perispírito imprime as lesões nas futuras organizações fisiológicas;
8. O perispírito plasma no novo corpo físico a pré-disposição orgânica.

("Nas Fronteiras da Loucura" - Manoel P. Miranda)

Na daquele autor espiritual, o indivíduo que faz uso de álcool e outras drogas se transforma em perigoso instrumento dos espíritos inferiores, pois alimenta a si mesmo e a dois tipos de entidades que o obesediam: os viciados os que se alimentam dos alcoólicos e os que se aproveitam da fraqueza do obsidiado. Estas entidades, enfermas, trazem consigo um hálito mental desajustado, pernicioso, que trará inúmeras conseqüências ao alcoolista.

Se pudéssemos visualizar um ambiente onde se consomem substâncias alcoólicas, seja um bar, uma festa ou no próprio lar, estaríamos a observar diversas entidades espirituais viciadas em álcool a sorver fluidos alcoólicos que saem das vísceras dos bebedores. Por isso é que muitas vezes a indução para começar ou continuar a beber é extremamente forte, pois há um espírito induzindo-o constantemente ao consumo, somente desta forma ele consegue ter sua vontade saciada, tendo em vista não ser possível ao espírito desencarnado o consumo direto da substância.

Neste contexto, Emmanuel nos esclarece que: "O viciado ao alimentar o vício dessas entidades que a ele se apegam, para usufruir das mesmas inalações inebriantes, através de um processo de simbiose em níveis vibratórios, coleta em seu prejuízo as impregnações fluídicas maléficas daqueles, deixando o viciado enfermiço, triste, grosseiro, infeliz, preso à vontade de entidades inferiores, sem o domínio da consciência dos seus verdadeiros desejos".

Como se manter longe das drogas?

Cultive um bom ambiente familiar, tenha em seu lar a visualização de um local de aprendizado para a vivência no mundo exterior, na vida em sociedade. Segundo Emmanuel, no livro O Consolador, a melhor escola de preparação das almas reencarnadas na Terra, ainda é o lar, onde a criatura deve receber as bases do sentimento e do caráter.
Mas, Joanna de Angelis aponta o caminho a ser buscado por todos nós: "Educação integral da humanidade com base no evangelho, chamando-nos a atenção para a finalidade da vida no sentido do progresso moral e espiritual"(Após a Tempestade).
Se conheces alguém que faça uso abusivo ou é dependente de álcool, ofereça-lhe ajuda através da Casa Espírita, onde ele poderá encontrar diversos tratamentos que o conduzirão a uma posição favorável ao não prosseguimento do uso, tais como o passe, a água fluidificada, as reuniões de desobsessão, as preces e os ensinamentos evangélicos com base no Evangelho de Jesus, bem como, encaminhe-o a uma entidade especializada no tratamento de alcoolistas, para que estas terapias, em conjunto, consigam auxiliá-lo em sua recuperação. Lembrando sempre que é imprescindível o acompanhamento médico, o tratamento ambulatorial jamais deve ser interrompido.

Fonte: Correio Espírita









                                                                                                                PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: dOM JORGE em 06 de Setembro de 2018, 04:38
                                                              VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos




                        O deus Droga (ou a falta de Deus)



   
       
Recentemente, uma vez mais, a população brasileira se viu chocada com a desencarnação prematura de uma pessoa de notoriedade no meio artístico. Uma artista popular, no auge de promissora carreira, recebendo a consagração pública onde se apresentava, deixa interromper sua estada no mundo material por um motivo absolutamente lamentável e desnecessário, mas que já ocupa há algum tempo o nosso cotidiano: o uso indevido de drogas.

Ressalve-se, desde logo, que, até o momento em que escrevíamos, não fora ainda concluída a perícia do material retirado de seu corpo físico para ser autopsiado. Dados preliminares, contudo, apontam para o consumo de uma mistura absurda de droga, alcoólico e barbitúrico como o causador da morte física. No entanto, mesmo que mais tarde a perícia médica venha a desmentir essa versão, esse tipo de acontecimento, desgraçadamente, é muito comum nos dias de hoje e não se tornariam invalidas as idéias aqui defendidas, posto que não é nosso intuito fazer o julgamento de ninguém. Apenas nos reportamos ao fato para demonstrar a atualidade e a importância do tema que vamos abordar.

O que leva alguém, na grande maioria dos casos, uma pessoa jovem, a fazer uso de matéria tão nociva ao organismo humano? Seria o simples desfrutar de uns poucos momentos de prazer? Ou seria isso uma válvula de escape para suas frustrações? Ou uma maneira de se rebelar contra o status social vigente? Entendemos que a causa é muito mais profunda do que essas simples questões ligadas à nossa vida física, embora todas elas possam, de fato, servir como motivação.

Como estudantes do Espiritismo, sabemos que somos espíritos imortais em evolução, buscando o progresso espiritual que nos levará à perfeição possível e, com esta, à felicidade eterna, que Jesus denominou, em sua passagem pela carne, de reino dos céus. Temos consciência de que necessitaremos passar por uma fieira enorme de idas e vindas à matéria, através das reencarnações sucessivas. Mas estamos conscientizados, também, de que chegaremos lá, pois o nosso destino é irreversível. Para tanto, confiamos na justiça e na bondade de Deus e em seus mensageiros de luz, que nos guiam durante a caminhada. Não precisamos de nada mais para nos dar a força de que necessitamos para prosseguirmos a nossa jornada.

Mas, estarão todos conscientes dessas verdades? Conhecerão todos os ensinos do Cristo e os mecanismos que regem, física e espiritualmente, o Universo? É evidente que não. Aparentemente, nada tem essa circunstância a ver com o consumo de drogas, pano de fundo dessas nossas reflexões. No entanto, entendemos que, no fundo, o desconhecimento dessa realidade espiritual e a falta de confiança em Deus são fatores decisivos que levam alguém a fazer essa opção.

Desde os primórdios da humanidade, o homem precisa de religião, de uma força que lhe seja superior para o guiar e o consolar nas quedas. Quando falta a religião ou esta falha em sua finalidade de religá-lo ao Criador, o ser humano, instintivamente, busca refúgio em outra coisa que lhe tire da situação aflitiva por que possa estar passando, servindo-lhe de refúgio, ainda que temporário. Uns procuram a fuga através de saídas aparentemente fáceis, como o suicídio. Outros encontram essa saída nas drogas. Quando falta Deus, a droga é forte candidata a assumir o seu papel, preenchendo o vazio deixado. E assim tem sido feito, principalmente por nossa juventude, para nossa desdita.

Quando dizemos que falta Deus, não queremos nos referir ao Deus temido de outrora, que ainda hoje é acenado por algumas correntes religiosas. O Deus punitivo, antropomórfico, portador dos mesmos defeitos encontrados em suas criaturas. Não. Esse Deus, certamente, não faz falta. Referimo-nos ao Deus de amor, que Jesus veio nos ensinar, que não deve ser temido, mas amado, com suas leis justas, irrevogáveis e invioláveis. Esse Deus criado pelo homem somente faz afastá-lo cada vez mais da Divindade.

O afastamento de Deus por parte do homem começa com a sua sedução pelos chamados "prazeres" que a vida material proporciona. A sociedade moderna, conquanto haja inegavelmente avançado no campo intelectual, ainda deixa muito a desejar quanto aos seus valores morais. O homem considerado bem sucedido é o que goza de situação econômica confortável, de fama ou que leva a vida em viagens e festas. Isso tornou-se meta para a grande maioria. Quando vem a frustração, o homem não a aceita, porque não foi preparado para tanto. Não entende que nem sempre o que pensa ser o melhor para ele realmente o é.

Daí a importância da evangelização desde a tenra idade, como primeiro passo para a formação de um homem de fé, conhecedor do seu destino feliz, convicto da realidade espiritual. Não há outra doutrina filosófico-religiosa capaz de dotar o ser humano dessa convicção como o faz a Doutrina dos Espíritos, codificada por Allan Kardec. A evangelização espírita é um instrumento infalível nesse sentido. Faz o espírito que está retornando às lides carnais compreender, desde cedo, a razão da sua existência, sua imortalidade, ensinando-lhe quem é, de onde veio e para onde vai. Demonstra-lhe as conseqüências dos seus atos, dos seus vícios, dos seus acertos e dos seus erros. Mostra o quanto de sofrimento e dor terá de suportar em encarnações vindouras, por se encontrar o seu perispírito agredido e lesionado pelo mau uso que fizer de seu corpo físico atual. Ensina-lhe desde cedo a responsabilidade perante a vida e que ele é o único construtor do seu destino. E o que é fundamental: ensina-lhe o que é o verdadeiro Deus, sem misticismo, mitos ou ameaças.

Não estamos aqui para fazer apologia religiosa. Apenas estamos querendo demonstrar que só uma fé raciocinada, alicerçada firmemente nas leis que regem a vida do ser espiritual, pode suportar o homem nas vicissitudes que a vida se lhe apresenta. Sem engodos, sem promessas mirabulantes e sem milagres. Basta-lhe conhecer a realidade espiritual para dotá-lo de um poderoso instrumento capaz de fazê-lo compreender o equívoco que representa o caminho das drogas. Não há antídoto mais eficiente contra esse mal do que a evangelização. O homem evangelizado jamais enveredará por esse caminho, porque sabe que somente estará se afastando cada vez mais daquele reino do céu prometido por Jesus.

 

É claro que as várias providências vindas da sociedade são também importantes. As leis penais precisam ser aperfeiçoadas, serem severas em suas penalidades, de modo a intimidar o comércio das drogas. As campanhas de esclarecimento nos meios de comunicação, mostrando os efeitos prejudiciais que causa à saúde física têm um papel igualmente fundamental. Mas somente o conhecimento da realidade espiritual, com as conseqüências da lei de causa e efeito esclarecidas e a fé no verdadeiro Deus são antídotos que não falham contra a iniciação no vício e um remédio eficaz para a correção de rumo dos que já caíram em suas malhas.

Conhecendo o verdadeiro Deus e as suas leis justas, bondosas e soberanas, o homem não se sentirá, em momento algum, desamparado nem terá por que substituí-Lo pelo deus Droga.

 

Sérgio dos Santos Rodrigues









                                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: O mundo das drogas na visão espírita
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Dezembro de 2018, 17:21
                                                              VIVA JESUS!




             Boa-tarde! queridos irmãos.




                   Os vícios à luz da Doutrina Espírita




              Os vícios são, sem dúvida alguma, a maior chaga moral da humanidade, nos tempos atuais. Segundo o neurocientista Stefen Clein, em seu livro A Fórmula da Felicidade, quando enveredamos na obtenção dos prazeres grosseiros, a área cerebral estimulada é exatamente a mesma, com larga produção de serotonina e dopamina, que nos dão uma sensação transitória de prazer. A má notícia é que, imediatamente após, os hormônios contrarreguladores são liberados, dando-nos uma sensação de mal-estar e indisposição.

Quando ingerimos bebidas alcoólicas, buscamos a sexolatria sem afetividade, comemos doces exageradamente ou nos drogamos, estamos, portanto, estimulando a mesma área do sistema límbico, numa busca desenfreada por serotonina em nosso organismo.

O problema é que, após a bebida, vem a ressaca; após os lautos banquetes, a indigestão e a sonolência; após o sexo sem amor, a melancolia e o desinteresse. No longo prazo, destruímos prematuramente o nosso templo físico, pois, como diz Paulo de Tarso, “o salário do pecado (vício) é a morte” (Romanos 6:23).

Esta é a diferença básica entre os prazeres materiais e espirituais: os primeiros são transitórios e imediatamente sucedidos pela dor, levando-nos lentamente à desencarnação prematura; os segundos, embora mais sutis, têm maior durabilidade e nenhuma dor, pois tudo o que se refere ao espírito se eterniza e vivifica por si, pela vinculação intrínseca à Fonte de Tudo.

Esses prazeres espirituais a que me refiro são o bem que fazemos aos outros e a nós mesmos, através da caridade, da oração e da meditação.

-Fonte: Associação Médico Espírita do Brasil-
Veja mais: http://www.amebrasil.org.br/html/viciosaluzdoutrina.html









                                                                                                      PAZ, MUITA PAZ!