Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Toxicodependência => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 17 de Janeiro de 2017, 07:19

Título: Filhos e drogadição
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Janeiro de 2017, 07:19
                                                                   VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.




                       
Filhos e drogadição


O benfeitor Camilo, na obra “Minha Família, o Mundo e Eu” (Editora Fráter - 1ª Edição – capítulo 7 - página 67), psicografado pelo médium José Raul Teixeira, assevera que “é próprio de todo o casal vinculado ao bem, e que tem sonho de um mundo melhor, fazer votos para que seus filhos nasçam com saúde física, mas, do mesmo modo, que sejam criaturas voltadas para o bem, para as ações da luz, para Deus, enfim”.

À luz da veneranda Religião Espírita, sabemos que a alma não é criada na concepção ou no nascimento, portanto, os nossos filhos, do ponto de vista espiritual, já possuem experiências acumuladas, algumas boas, outras más, em virtude da lei abençoada da reencarnação, de forma que eles não são um livro em branco quando nascem, pois já possuem algumas páginas preenchidas, mas o livro não está finalizado, cabendo aos pais o compromisso de nortear os filhos para o bem, ajudando-os a preencher algumas das páginas em branco.

Essas experiências e aprendizados trazidos do pretérito, de outras vidas, geram as boas e as más inclinações que os filhos demonstram desde a primeira infância, mas, conforme elucida o benfeitor Camilo na referida obra (página 68), “ninguém pode identificar, de pronto, as bagagens morais de que é portadora (a alma), de que realidades espirituais advém nem, após a existência terrena, para que níveis evolutivos regressará”.

Em minhas viagens divulgando o Espiritismo e no atendimento fraterno da Casa Espírita não são poucas as narrativas doloridas de pais que vivenciam a experiência de ter um filho na droga, normalmente na fase da adolescência ou no início da vida adulta.

Muitos desses filhos nasceram em lares ajustados, equilibrados, receberam orientação moral e religiosa, e, às vezes, frequentaram a evangelização infantil e a mocidade da Casa Espírita, e, mesmo tendo contato com as informações do Espiritismo, optam, por várias causas, em fazer uso de droga.

Alguns pais se perguntam: Onde falhamos? Fomos exigentes demais? Ou complacentes?

Sem dúvida, há casos em que os pais falharam na educação, pois foram excessivamente rígidos, ou omissos, ou não enxergaram os conflitos psicológicos de que seus filhos eram portadores, ou não identificaram os sinais de que algo não estava bem.

Há situações que os pais agiram de forma exemplar, mas os filhos acabaram enveredando para o caminho triste das drogas.

Camilo, com sua orientação lógica, nos ensina que esses filhos possuem bagagens morais ainda deficitárias, estão em patamares evolutivos que lhes dificultam enfrentar os desafios existenciais, particularmente aqueles relacionados à vida juvenil, em clima de equilíbrio, optando, muitas vezes, pela fuga das drogas.

Vemos, infelizmente, muitos jovens fazendo uso de bebidas alcoólicas, de tabaco, de maconha, de cocaína etc. E alguns deles são portadores do conhecimento espírita, da lei de causa e efeito, da obsessão, mas, por fragilidade moral, insistem nesse caminho espinhoso.

Gostaria de pontuar a questão da maconha por conta do alto índice de jovens que a utilizam, a pretexto de que não são tão ofensivas à saúde, de que não são viciados e, quando desejarem, abandonarão o uso.

Muitos deles estão num estágio de fascinação, sofrendo, inclusive, influência espiritual perniciosa, de tal sorte que vemos pais que usam desde os diálogos religiosos até os científicos, mas em vão, porque, na atual fase, os filhos não conseguem identificar os prejuízos, físicos e morais, que estão amontoando para si mesmos.

Em relação ainda a maconha, na minha área de trabalho, deparo-me com muitos jovens nessa situação, e ao serem indagados se estão usando droga, respondem que não, pois usam apenas maconha.

Dessa forma, para muitos jovens, a maconha perdeu o status de droga, sendo utilizada apenas para relaxar, e insistem que não faz qualquer mal para a saúde.

Preocupo-me como ficará a juventude, a sociedade e as famílias se a maconha for descriminalizada pelo Supremo Tribunal Federal.

Não são poucos os pais, alguns espíritas, se afligindo em seus lares com essa realidade. Que dizem os Espíritos superiores acerca dessa situação? Como agir?

No livro “Vereda Familiar” (Editora Fráter - 5ª Edição – capítulo 17 - página 107), de autoria espiritual da benfeitora Thereza de Brito, psicografado por José Raul Teixeira, consta que: “Os filhos que guarda no lar, marcados por desequilíbrios de comportamento, fazendo-se doidivanas, irresponsáveis ou cruéis, são aqueles que necessitam da sua compreensão e assistência”.

Assim sendo, os pais necessitam compreender a situação, o que não significa conivência ou passividade, mas, à luz da reencarnação, entender que os filhos, que são usuários de droga, estão demonstrando o nível de evolução em que se encontram, estando momentaneamente enfermos sob a ótica moral, e, às vezes, poderão ser as mesmas almas que desviaram do caminho do bem em outras vidas, e hoje, por misericórdia divina, retornam como filhos a fim de que tenham a oportunidade de apontar novos rumos a eles, agora na direção das virtudes.

E necessitam dar-lhes assistência, amando-os sem desanimar, porque nenhum investimento de amor é perdido, ficando registrado na intimidade da alma, e, um dia, pela lei divina do progresso, frutificará.

Há diversos profissionais da psicologia e da psiquiatria que podem orientar os pais, qualificando-os para a tarefa em questão, porque, em algumas ocasiões, os pais, por ignorância, podem cometer alguns erros em nome do amor.

Os pais têm que agir como semeadores, tendo fé na vida futura, porque não sabem se os filhos desejarão nesta reencarnação refazerem seus passos. O fato é que um dia ajustarão suas vidas às diretrizes do Cristo, cabendo aos pais darem a sua contribuição, amando e orientando, sem cessar, jamais desistindo para que a culpa não os aflija no futuro, até porque, antes de renascerem, assumiram esse compromisso.

O Livro dos Espíritos, na questão 208, menciona que a missão dos pais é de educar os filhos, e que, se falharem nessa tarefa, serão considerados culpados. Dessa forma, devem os pais, em quaisquer situações, insistir na educação moral, para que não se sintam corresponsáveis pela falha dos filhos.

É uma bênção ter o conhecimento espírita, porque os pais sabem que os esforços renderão resultados, logo mais ou nas vidas porvindouras, e ainda sabem do apoio espiritual que lhes chega diariamente, bem como sabem que a oração será o sustentáculo para os manterem sintonizados com os guias espirituais e para renovar as forças morais para prosseguirem amando os filhos que insistem no uso das drogas.

Por fim, trago à baila uma bela lição do espírito Marco Prisco, através da mediunidade de Divaldo Franco, na obra “Diretrizes para uma Vida Feliz”. (Editora LEAL - 1ª Edição – capítulo 10 – páginas 43 a 46.)

“Se você surpreendeu o seu filho, masculino ou feminino, usando qualquer tipo de droga, tenha muito cuidado com a maneira de agir. Passado o choque inicial, procure conversar calmamente, em tom de amizade e carinho, buscando saber as causas que o levaram a essa fuga infeliz. Uma atitude de bondade vale mais do que todos os argumentos produzidos pela cólera ou pela agressividade... Faça-o perceber que você está aberto ao diálogo... Dê-lhe uma assistência de vigilância, sem tornar-se um guarda severo ou algoz... Sempre, que possível, converse sobre temas edificantes, cuidando de não se tornar cansativo em relação ao problema... Proponha-lhe a ajuda especializada de um psicoterapeuta... Todas as pessoas se equivocam, tendo direito à recuperação... Demonstre que você também tem problemas e busca resolvê-los de maneira saudável. Faça-o perceber que a droga somente leva à destruição... Ame, em qualquer circunstância, o seu filho, masculino ou feminino, demonstrando-lhe que nada no mundo o afastará da sua ternura... Aplique sempre a terapêutica do amor e não tenha pressa. O resultado virá no momento próprio”.   

          Alessandro Viana Vieira de Paula








                                                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!