Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Toxicodependência => Tópico iniciado por: Irm em 16 de Maio de 2010, 18:42

Título: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Irm em 16 de Maio de 2010, 18:42
Irmãos,

Se há uma droga que deve ter sido bem arquitetada pelos nossos irmãos dedicados ao mal e ao atraso da humanidade esta é o crack, uma droga derivada da cocaína que tem destruído pessoas e famílias inteiras com a escravidão que gera com o vício rápido (algumas pessoas viciam no primeiro uso, outra no segundo uso, ficando dependentes física e mentalmente).

Aqui no Rio Grande do Sul, como em outros lugares, como São Paulo, esta droga tem causado sofrimentos incontáveis. Foi iniciada uma campanha importante, a "Crack nem pensar", como resposta da sociedade ao problema social.

Veja a campanha no seguinte endereço da internet:

http://zerohora.clicrbs.com.br/especial/rs/cracknempensar/home,0,3710,Capa.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3plcm9ob3JhLmNsaWNyYnMuY29tLmJyL2VzcGVjaWFsL3JzL2NyYWNrbmVtcGVuc2FyL2hvbWUsMCwzNzEwLENhcGEuaHRtbA==)

Conheça e divulgue a campanha, especialmente aos adolescentes e jovens, para que não caiam nessa armadilha das trevas.

Que Deus nos proteja do mal e das drogas!

Abraços fraternais,

Irmão em Cristo
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Zuleica em 16 de Maio de 2010, 19:29

O crack vem destruindo tudo. 
 
 
Não só o usuario mais sim todos que estão em sua volta ,pois o crack atinge familias de usuarios, amigos, colegas,pais, filhos,etc.

A sociedade toda esta sendo atingida por esta calamidade.Crimes e violência cada dia aumentando pelos usuários de drogas.
 
Cada dia mais o numero de pessoas viciadas cresce,e mais jovens entrando para o vicio.

Crianças que  deveriam estar estudando brincando, estão nas drogas, nessa brincadeira que depois que você entra é muito dificil de sair.

Rezemos pelos drogados para mudar as suas vibrações!
 
 
 

 
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Tathi_G em 16 de Maio de 2010, 20:46
Daí a necessidade de alertar a pessoas para o perigo do uso de substancias assim.

Tudo começa quando o cidadão sai para beber aos finais de semana com os amigos. Quando começa a se familiarizar, surge um perido chamado maconha. Essa é completamente traiçoeira, pois muitos sequer a conideram droga.

Depois da maconha já tem acessibilidade total ao crack, e outras pragas.


Será que, se este ciadão tivesse tido orientação sobre os perigos do caminho que estava sua vida nao teria tomado outro rumo? Digo orientação adequada, nao simplesmente falar que drogas fazem mal, pois são palavras apenas, que podem ou não tocar o coração.

Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: roserosa em 16 de Maio de 2010, 21:48
Pois a droga vem de baixo, ela e inventada lá pelos nossos amiguinhos da treva, e trazida para cá no nosso mundo, dando muito trabalho as equipes socorristas. Temos que ficar de olhos bem abertos. bjs.
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Egnaldo em 16 de Maio de 2010, 23:07
Infelizmente isto é uma realidade dos dias atuais, é muito triste saber que muitos jovens estão se perdendo para tantas drogas, acredito que devemos orar por eles ja que muitos ainda não coseguem escolher entre a felicidade do espirito e a felicidade com alucinação, da propria carne, é deste modo que vejo!!!!

paz a todos !!!!
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: EmBuscaDaLuz em 16 de Maio de 2010, 23:27
Campanha totalmente apropriada ao momento em que vivemos, pois essa droga realmente é terrível, produz uma série de sofrimentos para o usuário e sua família que fica sem ação diante de tamanha dependencia causada por ela...
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: CAAC em 18 de Maio de 2010, 03:29
O crack vem sendo considerada a droga mais devastadora já vista na humanidade.
O seu poder de adicção, viciando logo no primeiro ou segundo uso que dela se faz, é uma grande armadilha onde caem principalmente jovens, levados pela curiosidade e instinto de aventura. Como o crack vicia de imediato, aquele que a experimenta desenvolve quase que imediatamente uma profunda dependência física e química da droga.

Como colocaram os irmãos nos posts acima, é de fundamental importância que todos nós nos esforcemos no sentido de conscientizar as pessoas quanto ao sério risco que esta droga representa. Isto é a abordagem preventiva, que realmente é extremamente 'necessária e importante. Além disso, devemos nos preocupar pelos infelizes que foram atraídos pelo crack e dele não conseguem se libertar mais. As estatísticas mostram que os índices de recuperação são próximos a zero.

Abraços fraternais,

Carlos
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Irm em 18 de Maio de 2010, 17:47
E há uma droga pior do que o crack na Argentina: o paco

9 de agosto de 2009
DROGAS

Paco, o crack argentino

Jovens e até crianças se viciam ao primeiro contato com a droga derivada da cocaína, que é consumida em pequenos cigarros ou cachimbos e se dissemina assustadoramente pelas cidades. Seus usuários, isolados da família e dos amigos, cometem os mais variados crimes para saciar a necessidade provocada pela dependência química, que os leva a fumar entre 20 e 50 doses diariamente, a baixo custo.

A descrição acima poderia ser do crack ou da merla, flagelos urbanos bastante conhecidos dos brasileiros. Trata-se, porém, do paco, droga que corrói a vida de jovens argentinos, não necessariamente de classe baixa, e tem até uma referência geográfica: a Ciudad Oculta, em Buenos Aires. O paco é uma mistura de pasta base de cocaína com solventes, querosene e veneno contra ratos. Os especialistas dizem que é uma droga mais potente que o próprio crack, assemelhando-se à merla. Pela polícia argentina, é definido como “droga-lixo” ou “flagelo dos pobres”. Seu uso é o “consumo do lixo das drogas”. H.P, um jovem de 23 anos que abandonou os estudos e ronda a cidade depois de ter deixado a vida de classe média que levava na Villa Crespo, em Buenos Aires, está se tratando em um local chamado Casa Flores, na capital argentina.

Há três meses sem consumir a substância, cauteloso, ainda não se diz livre do vício.

– Já vi muita gente saindo e voltando. Não posso me dar ao luxo de me dizer curado. Mas quero muito me livrar, é difícil. Comecei como todos, com a maconha. Depois, a cocaína, que era cara. Alguns amigos se afastaram, eu não – conta, pelo telefone, H.P, filho único de um casal de origem pobre (ele ex-caminhoneiro e ela dona de casa) que apostou no filão dos estacionamentos para carros no centro portenho e atingiu alguma prosperidade no final dos anos 1990.

Governo de Buenos Aires abriu centros para viciados

H.P. costumava viajar com um tio caminhoneiro. Era uma forma de ganhar seu dinheiro enquanto estudava. Aos poucos abandonou o tio, que ia buscá-lo e não o achava. Para sustentar o vício, passou aos furtos, dentro e fora de casa. Abandonou, também, os estudos. Perdeu oito quilos em um mês. Por enquanto, não procurou a família. Quer voltar para casa, mas ainda não se sente preparado.

– Estou muito consciente. Quero me expor quando puder. Quero dizer que estou curado quando tiver certeza disso. Estou quase com essa certeza. É essa minha consciência que me permite estar ainda tentando. Quem acha que se cura por milagre volta a todo o ciclo destrutivo – diz ele.

O governo da província de Buenos Aires já abriu dois centros especializados em atender jovens viciados, ambos com preocupação em dar base emocional aos pacientes e possibilitar-lhes alguma atividade.

São a Casa Puerto e a Casa Flores, onde H.P. buscou socorro. Há até mesmo crianças de oito anos entre seus frequentadores. E são as mais difíceis de deixar o paco. Há, também, uma ONG chamada Mães Contra o Paco, que trabalha em Ciudad Oculta e tem como responsável a paraguaia Bilma Acuna, 48 anos, mãe de dois dependentes. Um deles, de 27 anos, tem dois filhos.

Organização das Nações Unidas está preocupada

Um relatório da Junta Internacional de Fiscalização de Entorpecentes (Jife), da Organização das Nações Unidas (ONU), define a situação na Argentina como preocupante. Menciona a diminuição da média de idade de usuários – as crianças, mais suscetíveis ao vício, sofrem problemas na memória e surtos psicóticos.

“Na Argentina, o consumo do paco, forma de cocaína extremamente viciante, aumentou de forma considerável nos últimos dois anos. Geralmente consomem essa substância os jovens, incluindo crianças de oito ou nove anos”, descreve.

O delegado João Bancolini, do Departamento de Narcóticos (Denarc), garante que não houve penetração do paco no Brasil:

– O que já houve foi a apreensão de merla. Mas, mesmo assim, é uma droga mais restrita a Brasília. O crack nos preocupa mais.

leo.gerchmann@zerohora.com.br
LÉO GERCHMANN
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Irm em 18 de Maio de 2010, 17:52
continuação...

A cidade do vício

> Ciudad Oculta, a “capital do paco”, é parte de uma onda migratória do campo para a recém-industrializada Buenos Aires, nos anos 1950. Tem 15 mil habitantes
> A partir do final de 2001, com a crise econômica argentina, o bairro passou por um processo de miserabilização crescente
> Tornou-se, então, um ambiente propício para a proliferação da droga, que se caracteriza pelo efeito viciante imediato e pelo baixo custo
> Desde março, 25 operações policiais em Ciudad Oculta resultaram em 19 prisões e na apreensão de 90 mil doses de paco
Penetração do entorpecente
> Dois anos depois do início da crise econômica que assolou o país, em 2003, o paco se consolidou como alternativa mais barata à cocaína, chegando da Bolívia e do Peru
> O paco, cuja produção a partir dos resíduos da cocaína é fácil, proliferou. O consumidor paga entre R$ 2 e R$ 2,50 para consumi-lo
> Além das dificuldades financeiras, a proliferação do paco tem sido facilitado pelas fronteiras abertas, especialmente com a Bolívia. No Brasil, não há registros
> O paco é mais corrosivo que o crack. É feito de solventes e substâncias químicas como o querosene, com 10% de cocaína

http://www.clicrbs.com.br/diariocatarinense/jsp/default2.jsp?uf=2&local=18&source=a2610961.xml&template=3898.dwt&edition=12882&section=128 (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5jbGljcmJzLmNvbS5ici9kaWFyaW9jYXRhcmluZW5zZS9qc3AvZGVmYXVsdDIuanNwP3VmPTImYW1wO2xvY2FsPTE4JmFtcDtzb3VyY2U9YTI2MTA5NjEueG1sJmFtcDt0ZW1wbGF0ZT0zODk4LmR3dCZhbXA7ZWRpdGlvbj0xMjg4MiZhbXA7c2VjdGlvbj0xMjg=)

Está destruindo as famílias argentinas. Parece que ainda não chegou ao Brasil.

Vejam o absurdo: a droga contém até mesmo veneno de rato!!!!

Oremos por estes irmãos e por todos aqueles perdidos nas drogas! Que Deus os ajude e liberte!

Abraços,

Irmão em Cristo
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: EmBuscaDaLuz em 18 de Maio de 2010, 19:09
Façamos muitas preces por nossos irmãos que caíram nesse vício terrível...
Que nunca nos esqueçamos de pedir por eles, para que sejam socorridos e resgatados!
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: CAAC em 19 de Maio de 2010, 02:48
Esse paco eu nunca tinha ouvido falar mas parece-me, pela descrição do Irmão em Cristo acima, que atua de modo muito semelhante ao crack.
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: CAAC em 19 de Maio de 2010, 02:51
Façamos muitas preces por nossos irmãos que caíram nesse vício terrível...
Que nunca nos esqueçamos de pedir por eles, para que sejam socorridos e resgatados!

Justamente, EmBuscaDaLuz, temos que sempre lembrar desses irmãos necessitados de oração em nossas preces.

Abraços fraternais,

Carlos
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Cynthia Silva em 29 de Maio de 2010, 19:42
Boa tarde.

Entrei nesse site, nesse fórum, hoje, pela primeira vez. Estou estudando, lendo sobre a doutrina espírita - Espiritismo.

Meu pai era viciado em TODAS as droga; ele desencarnou há um mês atrás.

Meu irmão é viciado em cocaína e crack, o que tem nos causado desgostos horrorosos.. sofrimentos.. e o pior.. não sabemos o que fazer. ele não quer ser internado; ele virou pródigo.. vendeu quase todo o patrimônio do nosso pai, para gastar em drogas, utilizando uma procuração que lhe foi dada pelo genitor.

É uma dor lancinante ve-lo nesta situação e termos essa sensação de impotência.

Peço aos irmãos que orem pelo "nosso' irmão viciado e por todos os viiados que swe encontram pelo mundo, que estão nesse submundo das drogas e não conseguem dele sair.

Fico-lhes grata.

grande abraço em Cristo.. a todos.
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: CAAC em 31 de Maio de 2010, 18:24
Boa tarde, Cynthia!

Seja bem vinda ao Fórum!
Realmente essa questão do vício em drogas é muito séria.
Vou incluir seu irmão nas minhas orações. Sei o que é esse sofrimento, pois conheço várias pessoas que não conseguem se livrar e inclusive tenho um irmão nessa situação.

Paz e luz!

Carlos
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Tolomei em 22 de Setembro de 2010, 20:17
Cynthia , muita paz! Existe um jovem chamado Luiz Sérgio que desencarnou por acidente de moto e traz livros psicografados pela médium Irene Pacheco Machado - uma série de livros mediúnicos que falam em liguagem jovem , e muito clara, sobre Drogas. Em um dos livros fica muito claro a questão da obsessão e os planos espirituais inferiores aonde inventam novas drogas mortais...os livros do Luiz Sérgio possuem informações impressionantes sobre a realidade das drogas do lado de lá - no plano espiritual. Não é para desanimar com o conteúdo dos livros, o que ocorre no primeiro contato, mas ganhar novo ânimo para combater isto tudo. Estamos aqui para isto, transformar o lixo em um jardim para crianças espirituais serem reeducadas. Vamos em frente em direção ao Plano de REgeneração. Em breve , a TErra vai ficar livre do lixo das drogas. Por isto muitos morrem tão rápido hoje - estão partindo para planos inferiores pois a Terra está subindo de vibração. Quem evoluir fica , seja encarnado ou desencarnado - tanto faz. Quem for para outros planos poderá retornar se o arrependimento o fizer evoluir bastante para isto . Ou seguir outros caminhos. Todos estamos sofrendo a guerra das drogas , mais ou menos. A comunidade a nossa volta esta toda sendo afetada e testada - cada um segue seu caminho e não podemos julgar as diferentes necessidades que cada um tem.  A hora é de atenção máxima, vigilância em dobro e muita oração.
Cynthia, procure alguma casa espírita ao seu redor e coloque o nome do pai, irmão e todos da família na caixa de preces e orações. Pede também para colocar o nome do pai e do irmão nas irradiações a distância - reforço / tratamento espiritual pedindo ao atendimento fraterno a melhor solução para cada caso. E voce , proteja-se muito porque quem ajuda sofre mais ataques dos espíritos pertubados que não querem largar o osso do vício que consomem através dos encarnados viciados. Muita paz em Jesus, estude Kardec, trabalhe no bem! Abraços e muita Fé! 
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Tolomei em 22 de Setembro de 2010, 20:19
http://www.scribd.com/doc/7205246/Luiz-Sergio-Irene-P-Machado-Deixe-Me-Viver-Livro-Espirita

este livro acima é sobre aborto

série sobre drogas veja link http://luizsergiodecarvalho.vilabol.uol.com.br/ e clique em livros
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Juruba em 31 de Dezembro de 2010, 21:13
Orai e vigiai, mais do que nunca essa máxima deve ser usada no nosso dia-a-dia
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Victor Passos em 06 de Fevereiro de 2011, 13:48
Ola muita paz e harmonia

TUDO PODE ACONTECER

É muito comum ouvirmos afirmações do tipo: Eu nunca pensei que isso fosse acontecer na minha família!

É claro que ninguém espera, e muito menos deseja, que um membro da família, ou um amigo, venha a se envolver com drogas.

Mas, infelizmente, isto pode acontecer. Principalmente com as proporções epidêmicas que o uso e o abuso das drogas vem atingindo no mundo inteiro, inclusive aqui, perto de nós.

O problema, muitas vezes, começa na própria família, com drogas lícitas como o álcool, o cigarro, os medicamentos e outros produtos, que aparecem entre as principais causas de morte evitáveis.

O combate pode ser feito por várias ações: a repressão ao tráfico, a redução da produção e, principalmente, pela prevenção, reduzindo o consumo e evitando que as pessoas comecem a consumir. É a ação mais eficaz, sem dúvida, e pode ser praticada por todos nós.

COMO AJUDAR OS FILHOS?

* Afeto: Manifestações de carinho e amor são sempre bem vindas. Abrace, beije, incentive os filhos, mesmo em público. Fortaleça os vínculos entre os membros da família, incentivando o clima de afetividade, sinceridade e companheirismo entre todos.
* Ambiente: Reduza a influência negativa que possa vir de outros grupos. Faça com que o ambiente familiar seja atrativo e aconchegante. Faça com que seu filho se sinta bem em sua própria casa.
* Diálogo: Ache tempo para conversas e consultas freqüentes sobre qualquer assunto. Reserve um tempo especial para cada membro da família. Mantenha em casa um clima de diálogo franco e aberto. Converse com seus filhos sobre o consumo de álcool e de outras drogas, mas também sobre demais assuntos que fazem parte de seus interesses.
* Exemplo: Álcool e cigarro são drogas lícitas, mas evite consumi-las, se não quiser estimular os filhos a fazer o mesmo. Viva o que você recomenda aos seus filhos. Mesmo que os contestem ou questionem, terão nos pais os melhores exemplos e guias.
* Liberdade: Mais autonomia significa maior capacidade de decisão. Incentive a responsabilidade de cada um. Respeite os valores e os sentimentos de seu filho. Evite criticá-lo o tempo todo.
* Modelo: Cuide para que a relação com os filhos seja fundamentada na confiança e no respeito. Isso cria um modelo de comportamento para eles. Os jovens precisam de bons modelos.
* Ocupação: Encoraje as atividades criativas e saudáveis de seus filhos, ajude-os a lidar com as pessoas de seu meio, motive-os a tomar decisões, ensine-os a assumir responsabilidades e estimule-os a desenvolver valores fortes e o senso crítico diante das mais diferentes situações, inclusive das drogas.
* Participação: Tome decisões em conjunto, assim todos percebem que suas opiniões e pontos de vista são respeitados.
* Presença: Reforce as relações familiares, participe mais das atividades dos filhos. Cresça com seus filhos.
* Prevenção: Explique sempre aos filhos quais são os riscos do uso de drogas. Ensine-os a não experimentá-las.
* Princípios: Evidencie os princípios espirituais, em contraposição aos valores materiais.
* Regras claras: Imponha limites. Quando fizer alguma proibição, não deixe dúvida sobre suas razões. O amor de pai e de mãe precisa ser exigente. Esse amor acompanha, coloca limites, exige comportamentos, orienta respostas, deixa as regras claras e alerta para os sinais de fraqueza. Confie em seus filhos.

EDUCANDO COM VALORES

A educação dos filhos é uma das tarefas mais importantes que podemos realizar, mas é também aquela para a qual menos nos preparamos. Quase todos aprendemos a ser pais seguindo o exemplo que nos deram nossos próprios pais.

Hoje em dia, a extensão do uso do álcool e de outras drogas a nossos filhos, famílias e comunidades tem uma força que era desconhecida até 30 ou 40 anos. Sinceramente, somos muitos os que necessitamos de ajuda para enfrentarmos esta temível ameaça à saúde e ao bem estar de nossos filhos. Por sorte, também temos mais informações sobre o que funciona para prevenir que estes usem drogas.

Como pais, podemos utilizar este progresso em benefício de nossa família.

ENSINANDO PRINCÍPIOS UNIVERSAIS

Cada família tem suas expectativas de conduta que vêm determinadas pelos princípios. Com muita freqüência são estes princípios que ajudam nossos filhos a decidir que não tomarão álcool nem outras drogas.

Os princípios sociais, familiares e religiosos são os que dão aos jovens os motivos para dizer “não” e os que os ajudam a manter sua decisão.

Provavelmente, você já sabia disto e, certamente, já o havia posto em prática em sua casa. Mas não será demais examinar nossas ações como pais. Algumas maneiras que ajudam a clarear os princípios familiares:

* Comunicar os princípios abertamente. Falar sobre a razão da importância de princípios como a honestidade, a fidelidade, a integridade, a confiança em si mesmo e a responsabilidade, assim como da utilidade que eles tem para ajudar seus filhos a tomar decisões corretas.
* Ensine a seus filhos que cada decisão se baseia em uma decisão anterior, tomada quando se está formando o caráter, pelo que uma boa decisão faz com que seja mais fácil tomar a seguinte. Somos o resultado das escolhas que fizemos em nosso passado.
* Reconheça como afeta suas ações o desenvolvimento dos princípios de seus filhos. Os filhos copiam a conduta dos pais. Se os pais fumam os filhos tem mais possibilidades de converter-se em fumantes. Trate de avaliar como você usa o fumo, o álcool, os remédios receitados e inclusive os que se compram sem receita. Considere que com suas atitudes e atos pode estar contribuindo à formação da decisão de seus filhos de tomar, ou não, álcool e outras drogas.


Muita paz e harmonia
Isto não significa que, se você costuma beber um pouco de vinho nas refeições, ou a tomar ocasionalmente uma cerveja, precisa deixar de fazê-lo. Os filhos podem entender e aceitar que haja diferenças entre o que podem fazer os adultos, legal e responsavelmente, e o que se torna apropriado e legal para eles.

Deve manter, no entanto, esta distinção com toda clareza. A este respeito, seus filhos não devem intervir em absoluto: não devem preparar seu copo nem trazer-lhe a cerveja. E por mais inofensivo que pareça, não permita que provem uns goles.

Muitos de nós fazemos algumas coisas sem pensar no que significam. É algo normal. Porém, se queremos transmitir a nossos filhos a mensagem correta, convém que sejamos precavidos ante determinadas condutas.

Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Ramon em 17 de Julho de 2011, 03:03
DRAUZIO VARELLA

Craqueiras e craqueiros
--------------------------------------------------------------------------------
Não seria mais sensato construir clínicas pelo país com pessoal treinado para lidar com dependentes?
--------------------------------------------------------------------------------
 
A CONTRAGOSTO, sou daqueles a favor da internação compulsória dos dependentes de crack.
Peço a você, leitor apressado, que me deixe explicar, antes de me xingar de fascista, de me acusar de defensor dos hospícios medievais ou de se referir à minha progenitora sem o devido respeito.
A epidemia de crack partiu dos grandes centros urbanos e chegou às cidades pequenas; difícil encontrar um lugarejo livre dessa praga.
Embora todos concordem que é preciso combatê-la, até aqui fomos incapazes de elaborar uma estratégia nacional destinada a recuperar os usuários para reintegrá-los à sociedade.
De acordo com a legislação atual, o dependente só pode ser internado por iniciativa própria. Tudo bem, parece democrático respeitar a vontade do cidadão que prefere viver na rua do que ser levado para onde não deseja ir. No caso de quem fuma crack, no entanto, o que parece certo talvez não o seja.
No crack, como em outras drogas inaladas, a absorção no interior dos alvéolos pulmonares é muito rápida: do cachimbo ao cérebro a cocaína tragada leva de seis a dez segundos. Essa ação quase instantânea provoca uma onda de prazer avassalador, mas de curta duração, combinação de características que aprisiona o usuário nas garras do traficante.
Como a repetição do uso de qualquer droga psicoativa induz tolerância, o barato se torna cada vez menos intenso e mais fugaz. Paradoxalmente, entretanto, os circuitos cerebrais que nos incitam a buscar as sensações agradáveis que o corpo já experimentou permanecem ativados, instigando o usuário a fumar a pedra seguinte, mesmo que a recompensa seja ínfima; mesmo que desperte a paranoia persecutória de imaginar que os inimigos entrarão por baixo da porta.
A simples visão da droga enlouquece o dependente: o coração dispara, as mãos congelam, os intestinos se contorcem em cólicas e a ansiedade toma o corpo todo; podem surgir náuseas, vômitos e diarreia.
Quebrar essa sequência perversa de eventos neuroquímicos não é tão difícil: basta manter o usuário longe da droga, dos locais em que ele a consumia e do contato com pessoas sob o efeito dela. A cocaína não tem o poder de adição que muitos supõem, não é como o cigarro cuja abstinência leva o fumante ao desespero esteja onde estiver.
Vale a pena chegar perto de uma cracolândia para entender como é primária a ideia de que o craqueiro pode decidir em sã consciência o melhor caminho para a sua vida. Com o crack ao alcance da mão, ele é um farrapo automatizado sem outro desejo senão o de conseguir mais uma pedra.
Veja a hipocrisia: não podemos interná-lo contra a vontade, mas devemos mandá-lo para a cadeia assim que ele roubar o primeiro transeunte.
A facção que domina a maioria dos presídios de São Paulo proíbe o uso de crack: prejudica os negócios. O preso que for surpreendido fumando apanha de pau; aquele que traficar morre. Com leis tão persuasivas, o crack foi banido: craqueiras e craqueiros presos que se curem da dependência por conta própria.
Não seria mais sensato construirmos clínicas pelo país inteiro com pessoal treinado para lidar com dependentes? Não sairia mais em conta do que arcar com os custos materiais e sociais da epidemia?
É claro que não sou ingênuo a ponto de acreditar que, ao sair desses centros de tratamento, o ex-usuário se tornaria cidadão exemplar; a doença é recidivante. Mas pelo menos ele teria uma chance. E se continuasse na cracolândia?
E, se ao receber alta contasse com apoio psicológico e oferta de um trabalho decente, desde que se mantivesse de cara limpa documentada por exames periódicos rigorosos, não aumentaria a probabilidade de permanecer em abstinência?
Países, como a Suíça, que permitiam o uso livre de drogas em espaços públicos, abandonaram a prática ao perceber que a mortalidade aumenta. Nós convivemos com cracolândias a céu aberto sem poder internar seus habitantes para tratá-los, mas exigimos que a polícia os prenda quando nos incomodam. Existe estratégia mais estúpida?
Faço uma pergunta a você, leitor, que discordou de tudo o que acabo de dizer: se fosse seu filho, você o deixaria de cobertorzinho nas costas dormindo na sarjeta?
 
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1607201131.htm
 
ESPIRITUALIDADE E SOCIEDADE . DROGAS.
 
http://www.espiritualidades.com.br/Artigos/F_autores/FORMIGA_Luiz_tit_drogas_o_exemplo_arrasta.htm


 
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Anton Kiudero em 17 de Julho de 2011, 12:35
Não existe o acaso e nenhum espirito passa por provas pelas quais não solicitou passar. Cada um recebe (passa por provas) segundo o seu merecimento (o melhor que Deus lhe coloca para a autoeducação).

Sim, o crack é droga engendrada nas trevas para destruir a humanidade. Graças a Deus que o permite.

Sim, legiões imensas de espiritos viciados no "prazer" estão encarnando e procuram esta e outras drogas que são apenas a parte mais visivel do imenso mal que grassa na humanidade neste final de ciclo. Graças a Deus, que o permite.

Sim, de cada dez jovens que experimentam o crack, nove se viciam imediatamente, mas de cada cem jovens que tem a oportunidade de prova-lo apenas um o prova. São os que possuem a paixão pelo prazer efemero. Graças a Deus, que o permite.

O crack, assim como as demais drogas, o alcool, o fumo, as delicias da mesa, a moda e a procura doentia pelo "bem estar" e pelo prazer de qualquer ordem são todos frutos da mesma arvore denoiminada "egoismo" da qual se nutrem os espiritos humanizados. Graças a Deus, que o permite.

Portanto não é orando pelos irmãozinhos que encontramos aos magotes pelas ruas que solucionamos algo. Esta oração é apenas uma expressão egoista de quem acredita que "ja fez a sua parte" e passa ao largo do estudo de si mesmo, portador das mesmas mazelas dos demais. Não no mesmo grau mas da mesam essencia.

Infelizmente não ha como ajudar a ninguem. Para alguem ser ajudado, deve mudar interiormente. Apos a mudança interna o exterior se modifica. Ninguem esta abandonado pelo Pai em momento algum e o que parece a suprema degradação para uns é apenas a medicação providencial do Pai.




Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: BrunoTrevizo em 17 de Julho de 2011, 13:53
Saudações!
Hoje em dia, infelizmente, o crack já não é a droga mais devastadora... Já inventaram o Óxi, droga mais destrutiva e de poder mais viciante que o crack... Para quem quiser se informar sobre o assunto:
http://noticias.uol.com.br/cotidiano/2011/04/30/mais-forte-do-que-o-crack-oxi-chega-a-sao-paulo-apos-se-espalhar-por-dez-estados.jhtm

Sobre as drogas, elas causam danos graves ao perispírito, como se descreve no livro "Um rockeiro no Além" de Nelson Moraes pelo espírito Zílio, que teve problemas com drogas.

Recomendo a leitura do livro descrito acima aos irmãos que tem parentes com problemas com estas substâncias, pois este livro mostra que nem tudo está perdido, e como Deus é misericordioso para com os viciados.

Segue o link com o livro: http://www.megaupload.com/?d=E0B92YO8
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Hebe M C em 17 de Julho de 2011, 14:50
Segundo a DE os danos causados são apenas morais, não há lesão no perispírito.
O Espírito quando desencarna sente falta de seu vício e seu maior sofrimento é não poder satisfazê-lo, porque ainda está ligado a matéria.
É o mesmo caso do avaro, que sofre por ver seu dinheiro ser manipulado ou usado por outro e nada pode fazer, portanto todo sofrimento é pelo apego a matéria e exclusivamente moral, nada de material tem.
Um abç
Hebe
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: BrunoTrevizo em 17 de Julho de 2011, 15:08
Segundo a DE os danos causados são apenas morais, não há lesão no perispírito.
O Espírito quando desencarna sente falta de seu vício e seu maior sofrimento é não poder satisfazê-lo, porque ainda está ligado a matéria.
É o mesmo caso do avaro, que sofre por ver seu dinheiro ser manipulado ou usado por outro e nada pode fazer, portanto todo sofrimento é pelo apego a matéria e exclusivamente moral, nada de material tem.
Um abç
Hebe

Olá, como sou iniciante na doutrina, gostaria de entender, pois lí no livro "Vivendo no mundo dos espíritos", inclusive, vou citar um trecho que copiei: "...A segunda enfermaria era de alcoólatras. Infelizmente, o álcool
danifica muito mais o perispírito..."
Eu gostaria de entender com extrema clareza esta questão das drogas no perispírito!
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Hebe M C em 17 de Julho de 2011, 15:19
Bom dia Vitor,
A deformação do perispírito ou lesão é proveniente da ilusão do Espírito que assim se vê.
Ele se apresenta desta forma, porque assim se sente, mas o perispírito é apenas um corpo fluídico que transmite as sensações do mundo material ao Espírito, é apenas uma ligação.
Ele é modelado pela vontade do próprio Espírito.

O homem que morreu, por exemplo, com uma perna amputada, pode se apresentar como Espírito ainda capenga, porque está apegado a sensação do corpo físico da encarnação anterior. Mas o Espírito não tem corpo, pode modelar seu perispírito através de sua vontade, até para ser identificado pela pessoa que quer se comunicar.

Se tiver sofrimento moral muito forte, o Espírito pode modelar seu perispírito por uma figura monstruosa, ou se for um Espírito brincalhão que o faz apenas para assustar.

Um abç
Hebe

 
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Mourarego em 17 de Julho de 2011, 18:55
Pois é meus manos e manas...
Já existe outra droga mais letal que o Crack esta é o Oxi.
O Brasil mediante ação das polícias tem apreendido grandes quantidades desta droga que age mais rápida e letalmente que o crack e que tem preço barato tal como o crack.
Abraços,
Moura
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Ramon em 09 de Agosto de 2011, 22:49
A cura de seu filho do meio, Vicente, que foi viciado em crack por Chico Xavier


http://programamuitasvidas.blogspot.com/search/label/DROGAS

*DEPOIMENTO DO JORNALISTA DATENA SOBRE CHICO XAVIER

José Luiz Datena, da Band, atribui a Chico Xavier (1910-2002) a cura de seu filho do meio, Vicente, que foi viciado em crack por seis anos.
Em 2002, Vicente almoçou em Uberaba com Chico e foi tocado por ele.
“Meu filho disse que sentiu algo ruim o deixando e nunca mais usou drogas”, conta o jornalista a coluna Zapping do jornal Agora, que não costuma tocar no assunto. “ O Vicente não gosta. Hoje, ele é formado em direito, casado e vai ser pai.
Na época, tentamos clínicas e psicólogos, mas nada funcionava.
Foram momentos difíceis, mas Chico o curou. Não sou espírita, mas as cartas psicografadas e as curas, a ciência não explica.
Chico Xavier era especial.”


Abaixo o artigo do jornalista José Luiz Datena - Datena revela como Chico Xavier salvou seu filho do crack - no Jornal Diário de São Paulo de quinta-feira, 27/01/2011:


Imagine os olhos afundados nas órbitas numa face disforme, vestindo uma pele cinzenta, como um personagem de filme de terror em preto e branco lá dos anos 1950. Cérebro transformado em pasta, como a própria vida misturada pela droga a outros espectros vagantes no lixo das ruas da cidade. Ruas que parecem caminhos para lugar nenhum, escondidas em meio a cortiços. Imagine feridas infectadas e ainda abertas, sobreviventes maltrapilhos. Imagine gente virando bicho como no romance kafkiano, que de ficção não tem nada.


Imagine um ente querido, deitado no seu colo, expressando a dor de milhões de almas de um purgatório real, aprisionado num quadro que mais expressa - se isso é possível - o sentimento retratado em "O Grito", do norueguês Edvard Munch, que pintou esse turbilhão de tormento, angústia e desespero em cores fortes há pouco mais de um século. Munch não conhecia o crack que queima vidas de famílias inteiras. Nem o terror do cheiro adocicado que brota de um cachimbo nojento, mergulhando o nada e a angústia nas entranhas de quem algum dia já foi normal. A destruição das veias, o apodrecer dos pulmões. A transformação do corpo em esqueleto. A mente vazia, perigosamente equilibrada num acorde de circo de pavores.


Só de revolver essas lembranças me sinto derreter como gelatina, escorrer feito a parafina de vela acesa, chacoalhar meu estômago, como se o vômito brotasse para então espirrar minha alma. Alma! No outro extremo da vida, mas ainda nesta mesma existência, essa alma quase nas trevas, que já se debatia às portas do inferno, teve um encontro de luz! Fugida da metrópole, foi encontrar nas bandas das Minas Gerais um desses homens que parecem brotar em meio à violência e à maldade dessa nossa espécie, que vagueia incerta pela história e que desceu das árvores para talvez rumar, decidida, à extinção pela soberba perante Deus.




Esse homem franzino, uma figurinha aparentemente frágil, humildemente encolhido num paletó que dançava largo no corpo doente. Um corpo que, juro, há muito parecia já não estar mais aqui. Mistura de Gandhi, que respondia a insultos físicos e psicológicos com amor e não-violência, e madre Teresa de Calcutá, que sob o manto simples e surrado abrigava galáxias inteiras de miseráveis.




Foi num almoço que o dono da alma desesperada tocou a mão desse verdadeiro raio de esperança, espetacularmente aprisionado numa massa pequena, como um buraco negro engolindo energia infinita que brota do criador. Um ser tão doce, que curou milhares e que confortou outros tantos, sendo mensageiro divino. Desencarnados em garranchos letrados, escorregados em papel como psicografados sopros de vida para quem continuava aqui... E, quando um tocou o outro, pareciam um só. Mesmo cansado, o homem pequenino de repente virou um Atlas a sustentar nas costas a dor do mundo, sugando em segundos os medos causados durante tantos anos no outro pela droga que, acreditem, nunca mais usou depois daquele aperto de mãos sem palavras. Foi como se um pesado casaco de pele fosse retirado num escaldante verão: um sabor refrescante de mergulho gelado na cachoeira da salvação.


Foi no almoço do Vicente com Chico Xavier, poucos meses antes da passagem do Mestre para o plano definitivo (onde, acredito, sempre esteve), que aconteceu a cura definitiva do meu adorado filho.
José Luiz Datena
Leia mais
Espíritas e Drogas 
http://programamuitasvidas.blogspot.com/2011/08/dependencia-quimica-e-espiritismo.html
Título: Re: Crack - droga vinda lá de baixo...
Enviado por: Mourarego em 09 de Agosto de 2011, 23:01
Caro Bruno,
o livro a que você se refere não é Espírita, não é da codificação, traduz apenas opiniões ditas de Espíritos e estes nunca tiveram um til escrito na obra codificada, logo não passam de opiniões pessoais que deveria o autor guardar a prudência para trazer a público.
Aliás este é o conselho dado pelos Espíritos Superiores, e sabe onde? Na Codificação mano!
nem mesmo a maior dor moral danificaria o perispírito.
Sendo ele o agente das sensações dos Espíritos, quero crer que nunca a bondade e Justiça supremas de Deus deixariam que algo o danificasse, pois que se assim fosse, o Espírito ficaria privado de seu trabalho por inteiro.
Quer dizer, o perispírito, num exemplo simplório, ficaria como um rádio de pilha, que tentamos usar quando as pilhas estão descarregadas; quando funciona, ou o som é inaudível ou trás chiados que não nos deixam compreender nadica de nada.
Deus, em sua suprema bondade e Justiça jamais aceitaria isso ou deixaria que alguma coisa danificasse o veículo pelo qual, o Espírito tem a única via de se estreitar com o mundo físico onde há de reencarnar para continuar a marcha incessante do progresso.
Abração.
Moura

Segundo a DE os danos causados são apenas morais, não há lesão no perispírito.
O Espírito quando desencarna sente falta de seu vício e seu maior sofrimento é não poder satisfazê-lo, porque ainda está ligado a matéria.
É o mesmo caso do avaro, que sofre por ver seu dinheiro ser manipulado ou usado por outro e nada pode fazer, portanto todo sofrimento é pelo apego a matéria e exclusivamente moral, nada de material tem.
Um abç
Hebe

Olá, como sou iniciante na doutrina, gostaria de entender, pois lí no livro "Vivendo no mundo dos espíritos", inclusive, vou citar um trecho que copiei: "...A segunda enfermaria era de alcoólatras. Infelizmente, o álcool
danifica muito mais o perispírito..."
Eu gostaria de entender com extrema clareza esta questão das drogas no perispírito!