Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Toxicodependência => Tópico iniciado por: andreia em 14 de Março de 2006, 11:12

Título: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: andreia em 14 de Março de 2006, 11:12

Ao analisarmos os espectros do nosso corpo somático - através de aparelhos como os do electro-cardiograma, podemos constatar que eles são representados por linhas de força, o que denota a existência de um campo bioerngético em cada pessoa.

Evidentemente, este campo, como qualquer outro, é modulado pela ação de energias estranhas a ele.

De importante, poderemos destacar as experiências suecas - A Pesagem da Alma - que mostram que tal campo bioenergético é constituído do acoplamento de dois outros, daí alguns o denominarem erroneamente de duplo etéreo.

Um desses campos é produzido pelas células orgânicas e o outro acompanha a psiquê humana depois do desencarne, fazendo-nos admitir que seja o aludido perispírito defendido por Kardec.

O campo biológico de energia celular atua diretamente nas mesmas, sendo destaque o caso do câncer, como influência malígna, por isso, sempre que ele é ativado por qualquer outra influência, faz com que as células do nosso organismo sofram suas conseqüências. Já o perispírito - ou campo que acompanha a alma no trespasse - seria um campo parapsíquico, criado pelo espírito encarnante e que irradia as influências espirituais, transferindo-as para o corpo durante o período encanatório.

Da mesma forma, como uma fita de gravador, que ele passa seu sinal para o corpo, recebe deles suas influências capazes de modulá-lo e fazer com que elas se transfiram para uma próxima encarnação. Tais considerações foram obtidas através das observações que os cientistas fizeram quando estudaram tais campos de energia.

As drogas em si - no caso dos alcalóides - são bio-radiativas, isto é, podem atuar diretamente nas linhas de força dos campos bio-energéticos.

No Brasil, Dr. Botafogo, por volta dos anos da decada de 1960, conseguiu obter um resultado muito curioso usando como cobaia um fumante. Ele era colocada sob ação de um electro-espectrógrafo - hoje em dia, esses aparelhos compõem das CTI e UTI, além das salas cirúrgicas com o fito de detectar os campos de vida do paciente - e sujeito a análise, inicialmente, livre de qualquer influência, tendo suas linhas do campo de força biológico registradas por um osciloscópio. A seguir, o mesmo paciente era analisado, de igual forma, durante uma série de tragadas de fumaça de cigarro. Na tela do osciloscópio aparece, como conseqüência, aquilo que se classifica de distúrbio das linhas de força, mostrando que a nicotina, no caso, atua diretamente sobre este campo, produzindo efeitos drásticos.

Esta experiência pode ser repetida por qualquer pesquisador. Provavelmente, as drogas mais fortes, como o pó, a cocaína e outras, causem um efeito muito mais intenso. De qualquer forma, o que se conclui é que as drogas atuam diretamente em nossos campos bio-energéticos e que, como tal, gravam no perispírito suas deformações que serão transmitidas para as próximas encarnações.

É muito comum sermos informados de que certos bebês nascem com problemas pulmonares, sem que seus pais sejam fumantes, porque ele o era na encarnação anterior e teria destruído as linhas de força correlatas com a estruturação pulmonar.

O estudo dentro deste campo ainda é incipiente, por isso, as conclusões, apesar de óbvias, ainda poderão ser reforçadas com novas descobetas.

Contudo, é sempre útil alertar a todos para o risco que correm aqueles que fazer uso de drogas viciantes.

Carlos de Brito Imbassahy


Beijinhos  :-*  :-*

Andreia
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Tolomei em 27 de Janeiro de 2010, 17:56
Li recentemente , durante as férias, um livro que exemplifica a questão deste tópico. Trata-se do livro O Despertar de um Alcoólatra, psicografia de Maria Rodrigues Salvador (domingas) pelo Espírito Abel Salvador. Muito bonito o livro e toda a história de recuperação espiritual deste espírito que morreu vitima de alcoolismo. Quem tem algum parente que sofreu de alcoolismo é que sabe entender o drama deles e todo o estrago familiar que isto provoca. Mas o plano espiritual tem solução para todos os problemas - este também. Abraços,
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Mourarego em 27 de Janeiro de 2010, 19:05
Amigo Tolomei, retorne á doutrina por favor...
O plano Espiritual atende apenas aos que querem se transformar ou no mínimo se modificar.
Não trata de merecimentos mas sim de méritos.
Assim a regra é clara: Tem mérito e quer, "procura e obterás", senão "não adianta bater, eu não deixo você entrar", como diz certo comercial antigo.
Vou explicar o mais simploriamente,:o Espírito tem de ter VONTADE mas, mais que vontade há de tê-la lucidamente e ter a intenção da modificação senão bau bau mano, "bola fora".
Deus por ser soberanamente Bom, não deixa de o ser, também, soberanamente JUSTO e um dos sinais de Sua Justiça é exatamente "julgar pela intenção", Ele que de tudo sabe e que a tudo vê.
abraços,
moura
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: mecame em 27 de Janeiro de 2010, 21:53
Ouve um tempo negro da minha vida em que estive compltamente envolvido com drogas. Eu injetava cocaina, amosteronni e heroina, além de fumar maconha e consumir alcool a todo momento. Eu vivia num mundo estranho onde as coisas não eram exatamente nada. Nada tinha sentido. Eu tinha muitas alucinações e toda a minha vida era uma imaginação. Depois do efeito eu me sentia muito vazio e tinha que consumir mais para entrar no meu mundo de alucinações porque o mundo real como conhecemos havia perdido todo o sentido. A paz de Cristo
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Anna Maria em 22 de Agosto de 2010, 01:00
Acho que todos deveriam ler sobre isso, porque muitos pensam que usar drogas não causa nada demais a longo prazo, mas o perispírito fica marcado... Muito sério e muito triste também.
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Mourarego em 22 de Agosto de 2010, 18:00
Anna, quem te disse que fica marcado no perispírito?
A obra codificada ou outra obra qualquer?
Desculpe amiga mas a obra codificada não avaliza tal idéia.
abraços,
Moura
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: kalexandre em 27 de Outubro de 2010, 20:23
Nada físico atinge o perispírito.

Mas acho que isso vai dar uma dor de cabeça....

Vc vai ter que voltar pra consertar o estrago que fez com o corpo.
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Mourarego em 27 de Outubro de 2010, 20:30
Depende muito amigo, não é assim tão drástico.
Se eu não tiver abusado e nada me tiver acontecido nesta, na próxima o máximo que teria, ou poderia ter, seriam indícios de que poderia vir a sofrer algo em decorrência, mas note, é uma conjectura, não uma certeza.
Se porém houvesse  por exemplo deixado algum órgão comprometido pelo vício, ai sim, poderia vir a sentir, se continuasse, como mesmo vício, algo no corpo ou nos órgãos.Senão seria o "dente por dente" que a doutrina condena.
Abraços,
Moura
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: kalexandre em 28 de Outubro de 2010, 07:32
Concordo. O abuso é fator decisivo.

Mas como saber se um cigarro por dia, ou um cálice de vinho, não vão danificar nossos orgãos?
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Mourarego em 28 de Outubro de 2010, 14:59
O vinho, amigo Alexandre, a ciência médica já afirma que em doses como a que você pergunta, faz até bem ao coração.
O cigarro sempre poderá fazer mal, contudo se fuma um por dia, melhor parar não?
hehehe
Abração,
moura
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: LuizFrancisco em 28 de Novembro de 2011, 19:19
Olá a todos,
Iria abrir um novo tópico com estes esclarecimentos do professor José Raul teixeira, mas, com achei este estou repassando.

É extenso mas, esclarecedor:
Drogadição - José Raul Teixeira
(Livro: As mães de Chico Xavier páginas 278 a 287)

A droga tem várias bases para sua instalação. Em princípio, é uma fragilidade, um anseio, uma busca seja do que for. Qualquer pessoa que procure usar um produto que o tire da sua lucidez é alguém que deseja fugir de si mesmo por qualquer motivo, quase sempre fruto de seus conflitos interiores. No entanto, há indivíduos que acabam tornando-se dependentes químicos não porque tenham vivido conflitos interiores que desejam deles fugir, mas, porque se acostumaram desde criança no meio social em que viviam e acabaram por se tornar usuários de produtos que eram usados em sua casa, na sua vizinhança, no seu meio social, de modo que a droga tem vários elementos que lhe dão sustentação. Doentes que começaram a tomar drogas como remédio e acostumou-se com elas, passando a se tornar dependentes químicos dessas drogas.
Há muitos matizes para a questão da droga.

Efeitos no Espírito
É muito interessante acompanharmos o que se sabe muito dos efeitos somáticos em petit comitê (pequeno grupo). A  massa não sabe, a massa ouve dizer e não presta atenção, porque é impossível, é inconcebível acreditar-se que uma pessoa que saiba da tragédia que a dependência química produz sobre o organismo continue a usá-la ou passe a usá-la. Então, muitas vezes a criatura não acredita que seja tanto assim. “Eu sou forte, comigo não vai acontecer, eu saio na hora em que eu quiser.” Essa é uma fragilidade do autojulgamento da autoavaliação. Muita gente não sabe de fato do malefícios que certas substâncias químicas, principalmente de tropismo neurológico, neuropsíquico, podem provocar sobre o corpo.
Contudo, sobre o elemento espiritual, sobre a alma, os efeitos são mais devastadores porque há certas drogas que têm uma penetração direta na nossa estrutura energética. Nós somos seres energéticos, o nosso corpo espiritual é estruturado em linhas de força, em linhas elétricas, eletromagnéticas. É sobre essa malha eletromagnética que se situam as células físicas. Qualquer produto que alcance essas células físicas tem acesso à nossa trama eletromagnética. Se jogarmos um pano molhado sobre uma rede de alta tensão, fecha-se um circuito e essa rede estoura porque passam elementos de um fio para outro. Aquilo que alcançar o corpo vai causar repercussão sobre a alma em linhas gerais. Toda pessoa que se embriaga com qualquer tipo de droga promove um desajuste na sua frequência vibratória, nos seus centros energéticos, nas suas linhas de força. Em síntese, no se circuito eletroeletrônico, e é esse circuito eletroeletrônico que dá sustentabilidade ao corpo físico.

Qualquer desarranjo nessa malha eletroeletrônica – chamada de perispírito na linguagem espírita, corpo espiritual na linguagem de Paulo de Tarso, ka na linguagem dos egípcios – desestrutura o corpo físico. É muito grave que muitas vezes as pessoas usam drogas com essas características encharcam a mente, o sistema energético, e depois elas passam a apresentar patologias fisiológicas, doenças orgânicas. Às vezes, elas dizem: “Mas er já deixei o cigarro há tanto tempo!”, “Mas eu deixei de usar maconha há tanto tempo!”, “Já não cheiro cocaína!” – entretanto, a mazela ficou no campo vibratório e continua passando gradativamente para o corpo físico.
Então é muito importante que se tenha cuidado com o corpo e com o Espírito, como propõe o Evangelho Segundo o Espiritismo, cuidar do corpo e do Espírito, porque uma coisa depende da outra. Enquanto estamos na Terra, somos dependentes do nosso corpo físico. Como dizia Francisco de Assis, ele (o corpo físico) é o nosso jumentinho que nos leva para onde a gente quiser ir. Se eu mutilá-lo, eu não poderei ir para onde eu quiser, porque ele não  me poderá levar. Tratar esse corpo físico como o animal de São Francisco significa  dar-lhe bom pasto, alimentação saudável, saber o que estamos ingerindo, para manter-lhe a saúde; que tipo de repouso a gente dá, se o nosso repouso já não se converteu em preguiça; que tipo de trabalho a gente dá, se esse trabalho já não nos fez workaholics, pessoas que trabalham loucamente sem dar descanso ao corpo? Portanto, cabe destacarmos que há drogas de variados níveis que impomos ao corpo e que acabamos por enfermá-lo.

continua...
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: LuizFrancisco em 28 de Novembro de 2011, 19:20
continuação,

Efeitos depois da morte

Primeiro é importante lembrar-nos que qualquer usuário de qualquer droga já é um suicida potencial. Ele não está querendo matar-se, mas está fazendo uso de produtos que estão diminuindo-lhe a vitalidade, queimando o seu fluido vital, se assim se pode dizer, está diminuindo a sua vitalidade, estão diminuindo o tempo de vida. Obviamente, se eu faço uso de qualquer coisa que diminua o meu tempo de vida na Terra, eu sou um suicida, ainda que eu não tenha consciência disso. Essa desencarnação já será complicada por conta disso e no mundo dos Espíritos, na pátria espiritual, estarei sob junções desse produto químico que - encharca o meu perispírito, que encharca o meu corpo espiritual, que encharca o meu        ochéma, meu kA – de acordo com o lugar, a forma de chamar é diferente.
Esse corpo astral deve ser bem cuidado, porque tudo vai acabar por alcançá-lo, por atingi-lo. Quando desencarnamos, sofremos as consequências dos nossos excessos, dos nossos descuidos sobre o corpo, sobre todos os efeitos.
Verifiquemos que é preciso usar o nosso discernimento, a razão de que fomos dotados pela vida, a capacidade de raciocinar, de refletir para fazer um uso mais decente do nosso organismo biológico.

Consequências em existências futuras

Obviamente, se o nosso corpo físico é desenvolvido na intimidade da mãe a partir das linhas de força do corpo energético, do corpo perispirítico, a partir do momento que entendemos que o corpinho do bebê é formado por essa maquete energética que o Espírito carrega em si, a desarmonia repassada ao corpo celular. Não foi à toa que Jesus Cristo disse assim, conforme o Evangelho de Matheus: “Se o teu olho é motivo de escândalo, arranca-o. É melhor que entres na vida sem ele, do que, tendo-o, percas a alma. Se tua mão é motivo de escândalo, corta-a, põe-na fora.” Quando lemos o Evangelho dizendo essas coisas, ficamos pensando por que Jesus disse isso. É uma questão de causa e efeito, aquilo que não usamos bem, volta no futuro com má qualidade, com mau funcionamento ou inexistente.
Desse modo, quando vemos muitas crianças e eu me incluo no meio delas, que nascem com asma, bronquite, de onde é que essa criatura trouxe essa asma, essa bronquite? Ali estamos tendo quase sempre um tabagista do passado, temos ali um fumante inveterado do passado. Isso determina sofrimento para o futuro. Quando encontramos crianças carregando problemas gastrointestinais, problemas neurológicos, temos ali o alcoólico do passado, alguém que fez uso indevido de substâncias químicas, que desestruturaram sua estrutura física ontem, e essa desestruturação repassada ao campo energético hoje chega ao novo corpo.
Atentemos que a cada um é dado conforme suas obras, como alegou Jesus, e desse modo nossas obras determinam nosso futuro, conforme as consequências que elas trazem. Se eu trato bem do meu corpo, naturalmente terei no futuro um corpo mais saudável do que eu tenho hoje. Se eu trato mal do meu corpo, fatalmente terei no futuro um corpo com anomalias, com dificuldades.
Avaliemos as crianças, os bebezinhos que nascem com enfermidades. Por mais que a gente queira dizer, não é porque nasceu em uma sociedade tal, porque a mãe passava fome, não é somente por isso. Então perguntamos: por que é que este Espírito nasceu filho desta mãe que passa fome? Por que este Espírito reencarnou nesta sociedade comprometida, complicada? Por causa das suas necessidades expiatórias. Suas necessidades provacionais. Por que reencarnou numa família que tem câncer aos 40 anos de idade? Por que reencarnou numa família que tem problema de cegueira genética? Exatamente porque esse ser espiritual está incurso nessa faixa de precisar perder a mão, perder o olho, conforme o Evangelho prescreve. E, quando perde, perde desta maneira. O órgão nasce lesionado, o órgão nasce sem funcionar, o órgão nasce com mal funcionamento ou sem existir, como os anencéfalos, crianças que nascem descerebradas.
Somos responsáveis por aquilo que carregamos em nós. Nossas lesões e as benfeitorias do nosso corpo, nossa felicidade orgânica. Aqueles indivíduos que não se resfriam, não se gripam nunca; passam uma vida sem saber o que é uma dor de cabeça, uma cefaleia. Isto é mérito. É produto do bom uso que fizeram da saúde de seu corpo. Mas, há outras pessoas que basta que a nuvem passe que elas se resfriam. Bastou que a temperatura caísse um grau, elas estão doentes com pneumonia. Quer dizer, elas estão fragilizadas no seu campo energético. Dessa maneira, esse campo energético fragilizado é uma construção dessa criatura do passado. Por isso é que pensamos no quanto seria importante se aprendêssemos que a droga se chama droga porque é uma coisa que não presta.

continua...
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: LuizFrancisco em 28 de Novembro de 2011, 19:24
continuação,

ÁlcoolQuando falamos em drogas, costumeiramente estamos pensando no crack, na cocaína, na marijuana, na maconha, mas não nos lembramos do álcool que temos em casa. Quantas vezes nossos filhos aprendem a beber produtos alcoólicos dentro de sua própria casa, dentro de seu lar. Estamos falando de drogas consentidas legalmente, no tabagismo do pai de família que está ensinando seu pequeno a fumar, que está fumando no ambiente em que a mulher está grávida, está gestando. Estamos falando desta droga que a mulher grávida toma em forma de bebida alcoólica e converte o feto em um bebê alcoólico, que quando nasce está cheio de cólicas, cheio de dores. É a síndrome de abstinência. Então ela dá para ele um elixir, um remédio que tem álcool e passa a cólica, a dor da criança, satisfeita na sua necessidade alcoólica. Quantas tragédias que vão se desenrolar-se mais tarde e que têm começo agora, dentro do lar.
Nunca pensamos na droga que temos dentro de casa. O parente que fuma na frente das nossas crianças, o pai e a mãe que fumam junto a seus filhos, que têm bebidas alcoólicas em casa, que se embriagam em casa, Quantas são as mães e esposas que dizem: “Eu prefiro que ele beba em casa”, Como se o álcool tivesse o poder diferente de quando bebido em casa do que quando bebido no boteco.
Aprendamos a usar o nosso discernimento. O álcool não presta jamais. Não podemos imaginar que o tabaco tenha alguma validade em algum momento para a criatura. Não podemos supor isso. Temos que admitir que quando enchemos os pulmões de nicotina, de alcatrão, estamos infelicitando-nos. Quando enchemos nosso sistema nervoso de álcool, estamos infelicitando-nos. Daí para outros tipos e níveis de drogadição, estamos a um passo muito curto. Desse modo, vale a pena que tenhamos cuidado com o uso para nós e o exemplo que damos para os outros. Eu não posso ser um show room de tragédias para que os outros aprendam, eu não posso converter minha casa em show room de viciações.

Obsessão
Acreditamos piamente que toda criatura que desencarnou que morreu carregando determinado vício, como o vício não era do corpo, era da mente, essa mente desencarnada continua viciosa, continua viciada. Por não ter mais o meu corpo para satisfazer o vício, a tendência é procurar alguém de cujo corpo ele possa tirar proveito. Então induz esse alguém, muitas vezes, conhecendo suas tendências, suas inclinações ao vício, induz ao vício que ele deseja, e esse indivíduo começa a usar a droga que o desencarnado deseja. E a entidade liga-se a essa criatura incauta para tirar proveito via terceiros daquilo que ela gosta. É como se fosse uma ventosa psíquica, que se agarra sobre o outro aquilo que o desencarnado deseja.
Sabemos, por exemplo, que o álcool não é digerido, vai diretamente para a corrente sanguínea. A gente toma uma dose de alcoólico e já sente alterado no momento seguinte. Logo isso está no sangue e as entidades espirituais vampirizadoras, obsessoras, vinculam-se ao nosso centro de força para absorver essas substâncias que estão no nosso organismos. Vemos muita gente em certos cultos mediúnicos que bebem bastante quando incorporados por algum Espírito. Quando esse Espírito desliga-se, elas estão sóbrias porque ele absorveu o álcool, o teor alcoólico que estava na bebida. Ficou no estômago do médium o líquido da bebida, mas a essência etílica foi absorvida pelo Espírito para sentir-se por algum tempo humanizado, como qualquer usuário de drogas que as usa para sentir-se mais forte, mais macho, mais corajoso, enquanto durar o efeito do estupefaciente, enquanto durar o efeito da droga. Muitos Espíritos se valem dessa possibilidade perispiritual de absorver, o corpo espiritual tem esse poder de absorver, então eles se utilizam de pessoas que ingerem drogas e absorvem através do corpo delas aquilo que lhes interessa, aí criamos um vínculo de difícil erradicação.

Auxílio nas instituições espíritas

O tratamento começa pelo esclarecimento. Toda instituição religiosa, sejam as casa espíritas, sejam as igrejas católicas, evangélicas, os templos budistas, onde quer que a criatura vá buscar o apoio divino, deve começar por orientar seus seguidores, seus profitentes, seu rebanho, pelo esclarecimento.
Depois, no caso específico do espiritismo, dado que não sabemos como as outras crenças agem, temos o trabalho de diálogo fraterno, temos o trabalho dos passes, fluidoterapia através da imposição das mãos, da emissão dos fluidos de energias biopsíquicas, temos os trabalhos de atendimento aos desencarnados sofredores, que chamamos de reunião de desobsessão ou de atendimento aos sofredores, exatamente para que se socorram os dois lados: desencarnados que estão aflitos pelos vícios que portam; e encarnados, vivos, que estão desesperados pelos vícios que portam, muitas vezes induzidos pelos mortos, pelos desencarnados de má índole, ou estão enfermos igualmente. O centro espírita pode orientá-los nesse sentido, desde o esclarecimento, a informação, até o tratamento: terapia fluídica, terapia mediúnica.
Vale a pena nos prevenirmos, nada de querermos experimentar, argumentando que na hora que a gente quiser sair sai. É importante que antes de expormos nossa vontade, analisemos nossas capacidades. Ainda aí, o autoconhecimento é fundamental, é a chave do progresso individual, conhecermo-nos. Se eu não sei qual é minha resistência, eu não devo me expor aos perigos cotidianos.
 
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: TulioMorais em 28 de Novembro de 2011, 22:42
Prezado Irmão Luiz Francisco.
Obrigado pela brilhante elucidação.
Conteúdo rico, detalhado que fala com clareza e nos permite a compreensão desejada.
Que Jesus esteja sempre com vc.
Saúde e Paz.
Tulio Morais
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: filhodobino em 28 de Novembro de 2011, 23:48
Amigo Tolomei, retorne á doutrina por favor...
O plano Espiritual atende apenas aos que querem se transformar ou no mínimo se modificar.
Não trata de merecimentos mas sim de méritos.
Assim a regra é clara: Tem mérito e quer, "procura e obterás", senão "não adianta bater, eu não deixo você entrar", como diz certo comercial antigo.
Vou explicar o mais simploriamente,:o Espírito tem de ter VONTADE mas, mais que vontade há de tê-la lucidamente e ter a intenção da modificação senão bau bau mano, "bola fora".
Deus por ser soberanamente Bom, não deixa de o ser, também, soberanamente JUSTO e um dos sinais de Sua Justiça é exatamente "julgar pela intenção", Ele que de tudo sabe e que a tudo vê.
abraços,
moura
Irmão Moura, setinha verde procê!rsrsrsrs...
Me lembro daquela sua comparação do ser humano com o bus do pc... e suas diversas comparações. Por seu artigo, e pelo pensamento, é possível chegar-se à conclusão que a matéria, se vc o tem guardado, seria util replicá-lo. Mas que seja como o bom amigo desejar.
Nem precisa responder.
Saúde e Paz!
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Renato.Oliv em 29 de Novembro de 2011, 01:08
Olá irmãos,

Realmente, ambos os textos compartilhados fazem sentido, tem lógica, obrigado Andreia e LuizFrancisco pelo compartilhamento.

Muita paz a todos.
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Mourarego em 29 de Novembro de 2011, 12:36
Mano Bino,
você pode me relembrar qual o título daquele artigo? É que a velhice me está sendo senilizante hehehe, hoje em dia nem memória mais eu tenho, acredito mesmo que ela, que já não era boa, tenha "rapado fora" junto com os meus cabelos hehehe.
Assim se o amigo me lembrar do título prometo recolocar.
Abraços,
Moura
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: filhodobino em 29 de Novembro de 2011, 12:47
Mano Bino,
você pode me relembrar qual o título daquele artigo? É que a velhice me está sendo senilizante hehehe, hoje em dia nem memória mais eu tenho, acredito mesmo que ela, que já não era boa, tenha "rapado fora" junto com os meus cabelos hehehe.
Assim se o amigo me lembrar do título prometo recolocar.
Abraços,
Moura

idem idem mesma data, mano senão eu teria postado em seu nome pois é perfeita a comparação.
Esquenta, não hora qualquer dessas ele aparece aí a gente salva em local de facil acesso para futuros usos, pois esse assunto volta e meia está presente.
Saúde e Paz!
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: DANNYLEMOS em 24 de Março de 2012, 20:17
Ao irmão Luiz Francisco,
Obrigada pelos esclarecimentos.Gratificantes.
Só quero tirar uma duvida a respeito desse topico.Ao irmao encarnado que nessa existencia por diversas vezes fez uso da drogas e teve recaidas.Usou e abusou do alcool.tendo desencarnado provavelmente alcoolizado.Quero saber se no mundo espiritual.,ele será prontamente socorrido ou se deparará com o umbral?
depende do estagio materialista do desencarnado,ou grau de vicios?
serei grata se tirar essas duvidas.
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: Kazaoka em 24 de Março de 2012, 21:40
É o Espírito que passa à matéria suas impressões e esta apenas exterioriza o que recebe da inteligência que a dirige. Deixando o corpo denso, a parte mais material de sua constituição passa a ser o perispírito, e este continua sendo o receptáculo físico da natureza moral do Espírito.

Então, as viciosidades, bem como qualquer outra imperfeição manifesta, diz respeito ao estado moral do Espírito. E o perispírito, que não tem existência própria, continua sendo a interface que une a natureza sutil da moral com as analogias materiais que a natureza física e ou orgânica é capaz de traduzir.

Concluindo, não existem influências das drogas no perispírito, o que existe é a ação do Espírito sobre seu perispírito.

Se fosse possível o Espírito abandonar o perispírito que lhe serviu de meio de manifestação de seus vícios, este ficaria jogado em um canto como um vestuário que não está sendo mais usado e não traria em si nenhum sinal das viciosidades daquele que o utilizou. E o Espírito continuaria com seus vícios ocupando uma nova roupagem mas, continuaria viciado e o novo perispírito continuaria cumprindo a mesma função do anterior.
Título: Re: A Influência das drogas no perispírito
Enviado por: filhodobino em 26 de Março de 2012, 03:12
Amados do meu coração...
Essa questão teima em permanecer entre o "a" e o "A", da psicologia cognitiva, pois não há explicação plausível...
No que tange ao meu pensamento, guarda a mente e o psiquismo a intenção, a ação é puro movimento tangido pelo desejo e pela vontade, que aí sim tem qualificativos ligadores ao perispírito, não creio eu portanto ao Espírito, pois este foi criado à imagem e semelhança do Pai, e portanto os erros lhes servem para aprender a não errar, o que é bom... mesmo sendo um vício... Posto que não penso em males, só vejo sobre a Terra o bem, o amor, mesmo multifacetado pelo prisma do que chamamos ódio.
Já dizia a dois mil anos o evangelho: A ira do homem, não opera a justiça Divina, logo, que por revolta, ignomínia, desforra de si mesmo pela auto-destruição, enganosa da decepção causada pelo arrependimento, ou pela preguiça em arcar com as conseüência dos próprios erros lesa a si mesmo, precisa de tempo, para se refazer dos danos causados a si mesmo e recomeçar de onde parou em revolta.
Isto nos ensina a codificação, nada mais, como nos suicídios explicitos... Mãe Natura, age em consonancia com a qualificação do dano. Vale o que está gravado em intenção....
Saúde e Paz!