Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Sexualidade => Tópico iniciado por: Filósofo em 16 de Dezembro de 2011, 17:11

Título: Visão Espírita da Bissexualidade e da Assexualidade.
Enviado por: Filósofo em 16 de Dezembro de 2011, 17:11
Neste tópico, como o seu título sugere, irei deixar o meu contributo relativo, sobre as questões relativas à bissexualidade e à assexualidade, analisando-as à luz do Espiritismo.
Ora, é sabido que todos nós somos espíritos em evolução, sujeitos às leis do progresso e da reencarnação; e, é sabido também que o espírito propriamente dito, ou seja, quanto à sua essência íntima, possui as qualidades opostas às do corpo físico, donde se conclui que os espíritos ao contrário do corpo, não possuem, nem sexo masculino, nem feminino; isto significa, que não existem espíritos homens, nem espíritos mulheres, porquanto, essas características são apenas intrínsecas aos corpos humanos, que são, do sexo masculino e feminino.
Posto isto, e considerando-se agora o facto dos espíritos humanos, devido à lei da pluralidade das existências ou da reencarnação, revestirem inúmeros corpos físicos, quer masculinos, quer femininos, segue-se daí, que ao longo das sucessivas encarnações, vão acumulando, quer as tendências inerentes dos corpos masculinos, quer as dos femininos; daí, o ser perfeitamente normal, as pessoas possuírem tendências bissexuais, ou seja, desenvolverem um misto, se assim me posso exprimir, de inclinações heterossexuais e homossexuais, ao mesmo tempo e em diferentes proporções, pois que variam de pessoa para pessoa, e não são constantes em uma mesma pessoa, porquanto, dependem das circunstâncias e dos acontecimentos ao longo da vida, isto é, tudo aquilo que se relacione com factores psíquicos, sociais, culturais, educacionais, (…).

Considere-se agora a questão da assexualidade, ou seja, a ausência de desejos sexuais; note-se entretanto, que esta situação em nada se relaciona com as alterações hormonais ou outros distúrbios físicos do corpo, que podem provocar uma diminuição ou mesmo perda de desejo sexual; está sim relacionada, com a supremacia total da alma sobre o corpo; para melhor compreensão, consideremos como exemplo, Cristo, o Guia e Modelo de Perfeição Moral da Humanidade Terrestre, porquanto, Cristo era um Espírito Superior, quase totalmente desmaterializado e dotado de uma enorme superioridade moral e intelectual, o que fazia dele um Homem Assexual, ou seja, um Homem sem desejos sexuais. Não se suponha entretanto, que Cristo era um Ser privilegiado, como muitos supõem, pois que para atingir a superioridade espiritual que O caracterizava, necessitou também de progredir e percorrer as várias gradações espirituais, o que equivale a dizer, que foi criado simples e ignorante, como todos os espíritos o são, e através das sucessivas encarnações atingiu a superioridade moral e intelectual, que demonstrou possuir através da sua conduta pura. Segue-se daqui, que todos nós, um dia, atingiremos essa mesma elevação espiritual, pois o objectivo final de todos os espíritos, é a pureza espiritual; daí, a importância do aperfeiçoamento moral e intelectual, da eliminação dos vícios e do cultivo das virtudes, do trabalho de desmaterialização, que implica o desapego dos prazeres terrenos, pois quanto mais nos aperfeiçoarmos espiritualmente, tão mais depressa, atingiremos a pureza espiritual, e então aí, iremos saber em que consiste na sua essência a assexualidade, que é condição inerente de Espíritos Superiores e Espíritos Puros; porquanto, uma vez que os espíritos não possuem sexo, pois que isso depende da organização física, segue-se que sujeitos às leis do progresso e da reencarnação, que estão, acabam mais cedo ou mais tarde, fruto de todo o trabalho de desenvolvimento e purificação espiritual, por desenvolver fatalmente a assexualidade.

   
Título: Re: Visão Espírita da Bissexualidade e da Assexualidade.
Enviado por: mateuszanetti em 13 de Janeiro de 2012, 09:49
Emmanuel, em um livro psicografado por Chico Xavier, "Vida e Sexo" também coloca a questão de forma bastante clara. Reproduzo aqui o trecho como uma complementação ao texto do amigo Aristócrates.

21. HOMOSSEXUALIDADE
Pergunta - Quando errante, que prefere o Espírito: encarnar no corpo de um
homem, ou no de uma mulher? Resposta: - Isso pouco lhe importa. O que o guia na
escolha são as provas por que haja de passar. Item n° 202, de "O Livro dos Espíritos".
A homossexualidade, também hoje chamada transexualidade, em alguns
círculos de ciência, definindo-se, no conjunto de suas características, por tendência da
criatura para a comunhão afetiva com uma outra criatura do mesmo sexo, não encontra
explicação fundamental nos estudos psicológicos que tratam do assunto em bases
materialistas, mas é perfeitamente compreensível, à luz da reencarnação. Observada a
ocorrência, mais com os preconceitos da sociedade, constituída na Terra pela maioria
heterossexual, do que com as verdades simples da vida, essa mesma ocorrência vai
crescendo de intensidade e de extensão, com o próprio desenvolvimento da
Humanidade, e o mundo vê, na atualidade, em todos os países, extensas comunidades de
irmãos em experiência dessa espécie, somando milhões de homens e mulheres,
solicitando atenção e respeito, em pé de igualdade ao respeito e à atenção devidos às
criaturas heterossexuais. A coletividade humana aprenderá, gradativamente, a
compreender que os conceitos de normalidade e de anormalidade deixam a desejar
quando se trate simplesmente de sinais morfológicos, para se erguerem como agentes
mais elevados de definição da dignidade humana, de vez que a individualidade, em si,
exalta a vida comunitária pelo próprio comportamento na sustentação do bem de todos
ou a deprime pelo mal que causa com a parte que assume no jogo da delinqüência. A
vida espiritual pura e simples se rege por afinidades eletivas essenciais; no entanto,
através de milênios e milênios, o Espírito passa por fileira imensa de reencarnações, ora
em posição de feminilidade, ora em condições de masculinidade, o que sedimenta o
fenômeno da bissexualidade, mais ou menos pronunciado, em quase todas as criaturas.
O homem e a mulher serão, desse modo, de maneira respectiva, acentuadamente
masculino ou acentuadamente feminina, sem especificação psicológica absoluta. A face
disso, a individualidade em trânsito, da experiência feminina para a masculina ou vice
versa, ao envergar o casulo físico, demonstrará fatalmente os traços da feminilidade em
que terá estagiado por muitos séculos, em que pese ao corpo de formação masculina que
o segregue, verificando-se análogo processo com referência à mulher nas mesmas
circunstâncias. Obviamente compreensível, em vista do exposto, que o Espírito no
renascimento, entre os homens, pode tomar um corpo feminino ou masculino, não
apenas atendendo-se ao imperativo de encargos particulares em determinado setor de
ação, como também no que concerne a obrigações regenerativas. O homem que abusou
das faculdades genésicas, arruinando a existência de outras pessoas com a destruição de
uniões construtivas e lares diversos, em muitos casos é induzido a buscar nova posição,
no renascimento físico, em corpo morfologicamente feminino, aprendendo, em regime
de prisão, a reajustar os próprios sentimentos, e a mulher que agiu de igual modo é
impulsionada à reencarnação em corpo morfologicamente masculino, com idênticos
fins. E, ainda, em muitos outros casos, Espíritos cultos e sensíveis, aspirando a realizar
tarefas específicas na elevação de agrupamentos humanos e, conseqüentemente, na
elevação de si próprios, rogam dos Instrutores da Vida Maior que os assistem a própria
internação no campo físico, em vestimenta carnal oposta à estrutura psicológica pela
qual transitoriamente se definem. Escolhem com isso viver temporariamente ocultos na
armadura carnal, com o que se garantem contra arrastamentos irreversíveis, no mundo
afetivo, de maneira a perseverarem, sem maiores dificuldades, nos objetivos que
abraçam. Observadas as tendências homossexuais dos companheiros reencarnados nessa
faixa de prova ou de experiência, é forçoso se lhes dê o amparo educativo adequado,
tanto quanto se administra instrução à maioria heterossexual. E para que isso se
verifique em linhas de justiça e compreensão, caminha o mundo de hoje para mais alto
entendimento dos problemas do amor e do sexo, porquanto, à frente da vida eterna, os
erros e acertos dos irmãos de qualquer procedência, nos domínios do sexo e do amor,
são analisados pelo mesmo elevado gabarito de Justiça e Misericórdia. Isso porque
todos os assuntos nessa área da evolução e da vida se especificam na intimidade da
consciência de cada um.
Título: Re: Visão Espírita da Bissexualidade e da Assexualidade.
Enviado por: Filósofo em 13 de Janeiro de 2012, 17:48

Obrigado pelo seu contributo, caro amigo mateuszanetti;

Cumprimentos.
Título: Re: Visão Espírita da Bissexualidade e da Assexualidade.
Enviado por: Mourarego em 13 de Janeiro de 2012, 18:24
Acreduto piamente, amigos,
que emmanuel porque citasse uma das máximes da doutrina espírita a devese ter feito por completo.
Como não foi feito assim e para aclarar sobremaneira este assunto, trago da obra Espírita,  a resposta e questão "in totum":
"202. Quando somos Espíritos, preferimos encarnar num corpo de homem ou de mulher?
– Isso pouco importa ao Espírito; depende das provas que ele tiver de sofrer.
Os Espíritos encarnam-se homens ou mulheres, porque não têm sexo.
Como devem progredir em tudo, cada sexo, como cada posição social, oferece-lhes provas e deveres especiais e novas ocasiões de adquirir experiências.
Aquele que fosse sempre homem, só saberia o que sabem os homens."
Notem  que a reposta se estudada por inteiro, mostra mais sobre o assunto se apenas se lhe deu parte dela.
Abraços,
Moura
Título: Re: Visão Espírita da Bissexualidade e da Assexualidade.
Enviado por: hcancela em 13 de Janeiro de 2012, 18:43
Olá amigos(as)


Aqui tem mais opiniões.Bom estudo.


http://www.forumespirita.net/fe/homossexualidade/bissexualidade/


Abraços