Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Sexualidade => Tópico iniciado por: Cavalcanti. em 03 de Maio de 2012, 04:08

Título: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 03 de Maio de 2012, 04:08
Desculpem de antemão a minha ignorância no assunto, mas tenho tido várias dúvidas a respeito da visão espírita a respeito do uso de anticoncepcionais. Em vários lugares que li, os autores diziam que o uso de anticoncepcionais a favor do planejamento familiar não dará nenhuma consequência ruim, e no livro dos espíritos dizia que o mesmo uso, apenas para a sensualidade, só releva e inferioridade do ser humano.

Agora me pergunto, entre duas pessoas que se amam e se respeitam, mas não querem ter filhos no momento, o sexo (que no caso seria com o uso de anticoncepcionais) é aceitável no campo moral e evolutivo? Se sim, qual seria o motivo do sexo senão da satisfação dos desejos carnais?

O que eu acho que seria a resposta é que o sexo não seria aceitável, pois sua única razão seria a reprodução, que não é querida pelo casal, logo, não teria motivo para sua prática. Deixo a vocês se estou certo com meu pensamento, e se não, por quê?

Obrigado.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: jsoranz em 04 de Maio de 2012, 19:51
Ola Amigo.
Convido a voce a ler o Livro "Conversando com Deus"
Nao eh um livro espirita kardec, mas traz muito entendimento!


10. O sexo é permitido? Qual é a verdadeira história por trás dessa experiência humana?
O sexo é apenas para procriação, como dizem algumas religiões? A santidade e a
iluminação são conseguidas através da negação - ou transmutação - da energia sexual? É
certo ter sexo sem amor? Apenas a sensação física é um motivo válido?
Resposta de "DEUS"
É claro que o sexo é "permitido". Mais uma vez, se Eu não quisesse que você
participasse de certos jogos, não teria lhe dado esses brinquedos. Você dá a seus filhos
coisas com que não quer que eles brinquem?
Brinque com o sexo! É uma ótima diversão! A melhor que você pode ter com o seu
corpo, se está se referindo a experiências estritamente físicas.
Mas por favor não destrua a inocência sexual, o prazer, a pureza e a alegria da diversão
fazendo mau uso do sexo. Não o use para ter poder, ou com um objetivo oculto; para
gratificação do ego ou domínio; com qualquer outro objetivo além da alegria mais pura e
do maior êxtase - obtido e partilhado - que é o amor, e o amor recriado - que é a nova vida!
Eu não escolhi um modo delicioso de criar mais de vocês?
Quanto à negação, Eu já tratei disso antes. Nada que é sagrado pode ser obtido através da
negação. Contudo, os desejos mudam quando realidades ainda maiores são vislumbradas.
Por isso, não é raro as pessoas desejarem menos, ou até mesmo nenhuma, atividade sexualou
nenhuma de várias atividades do corpo. Para algumas delas, as atividades da alma se
tornam as principais _ e muito mais agradáveis.
O lema é: cada um que faça o que quiser, sem julgamentos.
O final da sua pergunta é respondido assim: Você não precisa ter um motivo para coisa
alguma. Seja apenas a causa.
Seja a causa da sua experiência.
Lembre-se de que a experiência produz a idéia do Eu, que produz a criação, que produz a
experiência.
Você quer experimentar-se como uma pessoa que tem sexo sem amor? Vá em frente!
Fará isso até não querer mais. E a única coisa que o fará - que poderá fazê-lo - parar com
esse ou qualquer outro comportamento, é o seu novo pensamento que surge a respeito de
Quem É.
É simples, e complexo, assim.


11. Por que o Senhor tornou o sexo uma experiência humana tão boa, surpreendente e
intensa se todos n6s devemos evitá-la o máximo possível? Eu não compreendo. E por que
todas as coisas boas são "imorais, ilegais ou engordam"?
Resposta de "DEUS"
Eu também respondi ao final dessa pergunta, com o que acabei de dizer. Todas as coisas
boas não são imorais, ilegais ou engordam. Contudo, sua vida é um exercício interessante
de definir o que é bom.
Para alguns, "bom" significa sensações físicas. Para outros, pode ser algo totalmente
diferente. Tudo depende de Quem Você Pensa Que É, e do que está fazendo.
Há muito mais a ser dito sobre o sexo do que o que está sendo dito aqui, mas nada mais
essencial do que isto: sexo é alegria, e muitos de vocês tornaram-no tudo menos isso.
Sexo também é sagrado. Mas a alegria e o sagrado se misturam (de fato, são a mesma
coisa), e muitos de vocês pensam que não.
Suas atitudes em relação ao sexo formam um microcosmo de suas atitudes em relação à
vida. A vida deveria ser uma alegria, uma colaboração, e tornou-se uma experiência de
medo, ansiedade, "insuficiência", inveja, raiva e tragédia. O mesmo pode ser dito em
relação ao sexo.
Você reprimiu o sexo como reprimiu a vida, em vez de expressar plenamente o seu Eu,
com abandono e alegria.
Você se envergonha do sexo, como se envergonha da vida, chamando-a de ruim e
pecaminosa, em vez de a maior dádiva e o maior prazer.
Antes que diga que não se envergonha da vida, veja as suas atitudes coletivas em relação
a ela. Quatro quintos da população mundial consideram a vida uma provação, um débito
cármico que deve ser pago, uma escola com duras lições que devem ser aprendidas e, em
geral, uma experiência a ser suportada enquanto se espero pela verdadeira alegria, que vem
após a morte.
É uma vergonha que tantos de vocês pensem assim. Não admira que se envergonhem do
próprio ato que cria a vida.
A energia que está por trás do sexo é a energia que está por trás da vida; que é a vida! A
atração e o desejo profundo, e com freqüência premente, de ir na direção um do outro, de
tornar-se um só, é a dinâmica essencial de todas as vidas. Eu a coloquei em tudo. É inata,
inerente, está dentro de Tudo Que Existe.
Os códigos morais, as restrições religiosas, os tabus sociais e os contratos emocionais
que vocês criaram em torno do sexo (e, a propósito, em torno do amor e de toda vida)
tornaram praticamente impossível celebrar a vida.
Desde o início dos tempos, tudo que os seres humanos sempre quiseram foi amare serem
amados. E desde o início dos tempos eles fizeram tudo ao seu alcance para tornar isso
impossível. O sexo é uma expressão extraordinária do amor: amor ao próximo, amor por si
mesmo e amor à vida. Por isso, vocês deviam adorá-lo! (E adoram, mas não contam isso
para ninguém; não ousam dizer o quanto o adoram, temendo ser chamados de pervertidos.
Contudo, essa idéia é que é pervertida.)
Em nosso próximo livro, examinaremos melhor o sexo; analisaremos mais
detalhadamente a sua dinâmica, porque essa é uma experiência e uma questão que tem
muitas implicações em uma escala global.
Por enquanto - e no que diz respeito a você, pessoalmente apenas saiba disto: Nada que
Eu lhe dei é vergonhoso, muito menos o seu corpo e as suas funções. Não há necessidade
de esconder o seu corpo e as suas funções - ou o amor que sente por seu corpo, ou por
alguém.
Seus programas de televisão não se importam de mostrar a violência explícita, mas se
recusam a mostrar o amor explícito. Toda a sua sociedade reflete essa prioridade.

Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 04 de Maio de 2012, 21:26
Eu talvez tenha que discordar do senhor ou do autor do livro, não sei se isso foi influenciado pelo fato do livro não ser espírita, mas eu realmente procurei achar a resposta para as minhas indagações, mas confesso que achei esse texto muito contrário aos preceitos que aprendi no espiritismo.

O autor diz que não haveria razão Deus criar algo para que o homem não pudesse aproveitar, concordo, mas creio interpretar o prazer do sexo apenas para atrair os homens à ideia de reprodução, e no fato de ser "bom", vejo aí a ideia de tentação, e como os espíritos disseram na pergunta 712 de Allan Kardec, no Livro dos Espíritos, Deus pôs atrativos no gozo dos bens materiais "para instigar o homem ao cumprimento da sua missão e para experimentá-la por meio da tentação" com o objetivo de "desenvolver-lhe a razão, que deve preservá-lo dos excessos".

E se entendi corretamente, o texto afirma que não faz mal algum em desfrutar do sexo sem amor, apenas como uma fonte de prazer, mas isso contradiz a questão 694, do LE, que diz que o uso de obstar à reprodução, para satisfação da sensualidade "prova a predominância do corpo sobre a alma e quanto o homem é material."

Então eu ainda não encontrei a resposta à minha indagação, na visão espírita. Se eu estiver errado, por favor, esclareça dentro da doutrina.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 05 de Maio de 2012, 19:11
Leandro,
sexo sem amor deve ser compreendido como uma ação puramente fisiológica.
Portanto nada trás de conteúdo amoral ou sensualista.
Sensualismo e amoralidade são entraves que dão-nos conta do estágio moral em que certos Espíritos estejam.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 06 de Maio de 2012, 01:46
Leandro,
sexo sem amor deve ser compreendido como uma ação puramente fisiológica.
Portanto nada trás de conteúdo amoral ou sensualista.
Sensualismo e amoralidade são entraves que dão-nos conta do estágio moral em que certos Espíritos estejam.
Abraços,
Moura

Moura,
não consigo conceber o sexo sem amor como uma ação fisiológica, já que não é obrigatoriamente necessário para o funcionamento do organismo vivo. Poderia explicar melhor?
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 06 de Maio de 2012, 16:40
Leandro,
avalie esta resposta encontrada em OLE e sobre os animais:
perguntados os Espíritos Superiores responderam, "Não são simples máquinas".
Ora se os animais ditos irracionais, não são simples máquinas, por que teria o homem ser muito mais complexo e acabado, tanto que há entre os animais e eles um hiato, e estes últimos recebem a informação de que são seres a parte na creação, de serem desprovidos de uma organização fisiológica que em alguns repercuta também uma necessidade maior para o sexo?
Se o sexo não é um erro, se o homem é dotado de organização que lhe permite, expungir uma necessidade que sinta, qual o problema?
Amigo, ciência cardiológica de hoje diz que a atividade sexual é benéfica até ao coração.
Já existem muitas informações com crédito de verdade que nos mostram que a atividade sexual, pode, em certos casos levar a um estado mais harmonioso nas atitudes.
Isso não é, claro o liberou geral do Espírito Tim Maia, porém, e como não existe nenhuma determinação doutrinária, em contrário a atividade sexual  mesmo que sem amor, o que não se deve dar azo é ao excesso, mas isso em tudo, não só no sexo.
Ademais, o texto bíblico nos ensina que a frase do Creador, foi: Crescei e multiplicai-vos.
Note que Deus não disse, mas só com amor...
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 06 de Maio de 2012, 20:02
Leandro,
avalie esta resposta encontrada em OLE e sobre os animais:
perguntados os Espíritos Superiores responderam, "Não são simples máquinas".
Ora se os animais ditos irracionais, não são simples máquinas, por que teria o homem ser muito mais complexo e acabado, tanto que há entre os animais e eles um hiato, e estes últimos recebem a informação de que são seres a parte na creação, de serem desprovidos de uma organização fisiológica que em alguns repercuta também uma necessidade maior para o sexo?
Se o sexo não é um erro, se o homem é dotado de organização que lhe permite, expungir uma necessidade que sinta, qual o problema?
Amigo, ciência cardiológica de hoje diz que a atividade sexual é benéfica até ao coração.
Já existem muitas informações com crédito de verdade que nos mostram que a atividade sexual, pode, em certos casos levar a um estado mais harmonioso nas atitudes.
Isso não é, claro o liberou geral do Espírito Tim Maia, porém, e como não existe nenhuma determinação doutrinária, em contrário a atividade sexual  mesmo que sem amor, o que não se deve dar azo é ao excesso, mas isso em tudo, não só no sexo.
Ademais, o texto bíblico nos ensina que a frase do Creador, foi: Crescei e multiplicai-vos.
Note que Deus não disse, mas só com amor...
Abração,
Moura

Não sei que necessidade é essa a que o senhor se refere, o que o senhor chama de necessidade eu chamo de tentação, na qual não devemos cair. E o fato de termos a organização corpórea para o sexo é justamente para a reprodução, tendo como atrativo o prazer, mas sempre com intenção da reprodução.

E só porque algo tem um benefício, não quer dizer que não tenha efeitos colaterais, até a bebida alcoólica tem benefícios na dose certa, mas as desvantagens são maiores, o que nos permite dizer que bebida alcoólica é, no geral, prejudicial. O sexo com impedimento à reprodução pode ter benefícios, mas também pode ter efeitos colaterais, não só no campo físico, mas principalmente talvez no campo moral e espiritual.

E há determinação doutrinária a respeito, dizendo que o sexo com impedimento à reprodução releva a inferioridade do ser humano e a predominância do corpo sobre a alma.

E sobre o "Crescei e multiplicai-vos", concordo, mas o lembro que estou me referindo a sexo obstando a reprodução, o que não seria multiplicar.

Eu relevei na pergunta a questão do amor porque a promiscuidade em si é errada no campo moral e espiritual, sem dúvidas, mas aí pensei que talvez o amor pudesse anular isso, por isso que estou perguntando se isso tem bases racionais e espíritas. Ou então se o sexo com anticoncepcionais pode ser feito sem a promiscuidade, mas com que intenção nobre.

Aindo espero uma resposta.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Camila T Cunha em 06 de Maio de 2012, 20:39
             O Livro dos Espíritos fala à respeito dos excessos, do desequilíbrio. Quando duas pessoas se amam elas compartilham outras coisas na vida além do sexo, então o sexo não estará no exagero.  A vida tem toda uma dinâmica que - mesmo que elas quisessem - não viveriam só de sexo, se viverem, estão em desequilíbrio também. Como diz a música comida  "  gente não quer só comida, a gente quer   ballet, diversão e arte". Entenda arte como o que trabalha a sensibilidade espiritual.
             Um casal vê filmes, espetáculos de dança ou músicas, joga xadrez, sai com amigos, brinca com filhos (se já tiverem um), passeia com cães, olha o crepúsculo, ouve uma bela música, conversa sobre notícias, divide um desagrado no trabalho, vai ao grupo de estudos espíritas, etc. Mesmo que este casal não queria filhos, seu sexo sempre será com amor e nunca estará no exagero, na lógica: é válido usar anticoncepcional, melhor que ter uma criança que não terão condições de dar atenção no momento ou de terem mais um que não poderão oferecer a mesma condição material.
              Verdade que muitos casais possuem uns dez filhos e eles são ótimos, equilibrados, mas como a vida hoje em dia está cara, difícil, não é errado o planejamento familiar.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: hcancela em 06 de Maio de 2012, 20:45
Olá amigos(as)

Vamos esquecer o passado de castramento sexual que nos foi implantado. O sexo não é mau, mas sim a forma como o utilizamos.Ponto final neste aspoecto.

Agora se você  tem uma relação muito feliz com alguém e faz sexo com Amor e por conseguinte com respeito, qual o problema de ter um bom planeamento familiar. Falo aqui no equilíbrio, certo.

Já reparam que no acto sexual movem-se energias para além do nosso entendimento que quando é feito com muito carinho atrai sentimentos de Harmonia e prazer que unem as pessoas e neste caso o casal. Pensem nisso. ;)


Saudações fraternas
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Jéssica Braga em 06 de Maio de 2012, 21:54
Olá. Sei que não sou das maiores entendedoras do assunto, muito menos uma especialista, contudo, pelo que tenho lido sobre a doutrina, estudado, ouvido, etc, acredito que o uso de anticoncepcionais é valido desde que este consista em método barreira, como a "camisinha" pois além de evitar a fecundação do óvulo, evita a transmissão de doenças sexuais. No que concerne ao sexo, acredito que uma relação sexual com uma pessoa amada é uma das formas de expressão do amor. O sexo sem compromisso, apenas por fazer, aos meus olhos, é moralmente vazio, contudo, se o analisarmos pelo ângulo da aquisição de conhecimentos, acrescenta um certo conhecimento do próprio corpo e de sua própria sexualidade, e todo o conhecimento é válido. Estamos num corpo físico para que possamos, também, ter experiências físicas.
Resumindo, o ato sexual, como expressão do amor de duas pessoas, com uso de anticoncepcionais, não implica em erro do casal.
Um abraço fraterno.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 06 de Maio de 2012, 22:20
             O Livro dos Espíritos fala à respeito dos excessos, do desequilíbrio. Quando duas pessoas se amam elas compartilham outras coisas na vida além do sexo, então o sexo não estará no exagero.  A vida tem toda uma dinâmica que - mesmo que elas quisessem - não viveriam só de sexo, se viverem, estão em desequilíbrio também. Como diz a música comida  "  gente não quer só comida, a gente quer   ballet, diversão e arte". Entenda arte como o que trabalha a sensibilidade espiritual.
             Um casal vê filmes, espetáculos de dança ou músicas, joga xadrez, sai com amigos, brinca com filhos (se já tiverem um), passeia com cães, olha o crepúsculo, ouve uma bela música, conversa sobre notícias, divide um desagrado no trabalho, vai ao grupo de estudos espíritas, etc. Mesmo que este casal não queria filhos, seu sexo sempre será com amor e nunca estará no exagero, na lógica: é válido usar anticoncepcional, melhor que ter uma criança que não terão condições de dar atenção no momento ou de terem mais um que não poderão oferecer a mesma condição material.
              Verdade que muitos casais possuem uns dez filhos e eles são ótimos, equilibrados, mas como a vida hoje em dia está cara, difícil, não é errado o planejamento familiar.

Não discordo do planejamento familiar, mas será que isso não deveria ser feito apenas com a abstinência do sexo? Eu sinto confuso porque o sexo sem reprodução é puramente uma forma de prazer, mas o mesmo é o beijo, que é uma forma de mostrar amor e afeição. Será que é preciso de mais uma forma de demonstrar o amor e afeição através do sexo, que é fonte de um maior prazer carnal? Será que isso poderia ser evitado, pois talvez relevaria a inferioridade do homem? Se talvez isso não atrairia a presença de espíritos inferiores, que querem sentir a energia do sexo? E porque uma demonstração mais simples como o beijo é mais aceita?
Sinto confuso se o quanto de prazer á aceitável ao tamanho do amor.

É meio complicado para mim, gostaria de respostas para essas perguntas.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 06 de Maio de 2012, 22:27
Não se pode, mano Leandro, colocar toda a gama da satisfação, com se fossem elementos de um só matiz.
Não se pode, por isso mesmo, dizer que o beijo traga, a mesma satisfação que o sexo, pois que um mesmo que não seja, obrigatoriamente do outro, possa completar dois momentos diferentes.
Há no planejamento familiar, também alguns formulas diferentes, a começar pela tabelinha.
O que se deve extirpar é o ranço que algumas religiões, têm para com o ato sexual.
Fazem dele, por generalização, um pecado, ou um ato impuro e este é o erro que mesmo tem afastado a muitos dessas religiões.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 06 de Maio de 2012, 22:39
Mas me pergunto qual a razão do sexo, se não a reprodução? Se for puramente o prazer carnal, por pura promiscuidade, no LE dos espíritos já responderam que só releva a inferioridade e predomina o corpo sobre a alma (ou seja, não é certo na moral espírita). E se for com muito amor entre as duas pessoas? Qual o motivo? Somente sentir prazer carnal? Pois isso para mim é o mesmo que sem amor.

Eu me pergunto se no ato sexual com amor tem um prazer espiritual bom e maior que o carnal, e POR QUÊ?
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 06 de Maio de 2012, 22:56
Há dois pontos a serem estabelecidos par aq ue o amigo entenda melhor e não se deixe iludir pelas palavras:
1. promiscuidade
pro.mis.cui.da.de
sf (promíscuo+i+dade) 1 Qualidade de promíscuo. 2 Uso promíscuo. 3 Mistura desordenada; confusão. 4 Etnol Intercurso sexual indiscriminado sem ligação permanente.

Grifo com outra cor para designar o que mais se assemelha ao correto.
Ora, para que haja esta promiscuidade, requer que o indivíduo esteja a todo momento em busca de nova mulher o que já demonstra uma falha moral ou psíquica.
Nota-se que neste caso, o indivíduo não se sente satisfeito e por isso procura mais e mais e daí surge a forma promiscua. Logo, um adoecimento.
O prazer, carnal é normal em nosso estágio de aprimoramento não se constituindo nem em crime ou nem em pecado.
É relativo a organização fisiológica que muda de um para outro, sendo assim haverá uns que buscam mais e outros que buscam menos.

2. Não há nem mesmo no texto bíblico qualquer instrução que diga obrigatório o sexo apenas com fins de reprodução.
Muito dessa idéia que conservamos provém das religiões.
Devemos também ter cuidado ao exprimirmos uma máxima de doutrina pois  você diz que os Espíritos Superiores afirmaram que para o caso que você cita, predomina o corpo sobre a matéria, quando não é assim, o que predomina é a matéria ou seja, as condições ou idéias mais materialistas que se tenha.
Talvez seja, mano, por causa dessa confusão de pensamentos sobre o que o amigo já estudou da doutrina que você ainda se tenha como confuso sobre o tema.
Nada contra em se ter o sexo apenas para a reprodução (se o casal assim pensa), porém se só um dos que formam o casal pensar assim é como diz meu filho, "arrisca-se a tomar bola nas costas".
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 06 de Maio de 2012, 23:05
Moura, você tocou na palavra que eu realmente estava querendo ser mais esclarecido: promiscuidade, e realmente eu achava que era somente o prazer carnal, parece que eu estava errado nesse ponto, e isso ajuda muito. Mas ainda sim você confundiu, eu disse corpo sobre a alma, não matéria, e esse conceito espírita está na questão 694 do OLE:

694: Que se deve pensar dos usos, cujo efeito consiste em obstar à reprodução, para satisfação da sensualidade?
"Isso prova a predominância do corpo sobre a alma e quanto o homem é material."

Se não me engano, sentir somente o prazer carnal ser normal vai contra o conceito acima. Como explica isso?
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Camila T Cunha em 07 de Maio de 2012, 16:22
          Acho que agora o Moura foi super didático e está de parabéns! ;)
          Colocar a definição da palavra promiscuidade explica porque o sexo, com prazer, entre duas pessoas que se amam, não é errado, é apenas manifestação de afeto, Leandro. O que está em desequilíbrio, pessoas promíscuas, que fazem sexo sem afeto, sem conhecerem direito, isso nos atrasa, pois seria uma energia que poderíamos empregar na construção de afetos.
          Ademais, você mesmo disse, o beijo também é uma manifestação de afeto entre duas pessoas que se amam.
           
 
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: André Luis Carvalho em 07 de Maio de 2012, 17:10
Minha opinião.

Escutem a música de Rita Lee - Amor e Sexo.
Sexo seria uma prática que se leve ao prazer da carne.
Amor seria a mesma prática que se leve ao prazer emocional.

Eu acho válido sim, o Sexo sem amor. Estamos na Terra para aprender. Infelizmente não sei o que as escrituras falam. Se o anticoncepcional é para um casal que se ama, que desejam estar juntos porém não possuem o desejo de ter filhos, sim use! Mas, se você quer usar o anticoncepcional para sair (mil perdões o termo) "fazendo com todo mundo" isso não é bem visto, pois mesmo que nosso corpo seja temporário, deve sempre ser respeitado.

Eu tenho tatuagens e piercings, os fiz mesmo sabendo que isso desrespeitava o corpo físico, mesmo sabendo das punições que isso me trará.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 17:11
694: Que se deve pensar dos usos, cujo efeito consiste em obstar à reprodução, para satisfação da sensualidade?
"Isso prova a predominância do corpo sobre a alma e quanto o homem é material."

Meus amigos, o que posso dizer sobre isso, já deixando minha interpretação da questão acima, é que não existe, em matéria de sexo, tomando ele em si, "certo e errado", "proibido ou permitido", "moral ou imoral".
O que existe é a condição evolutiva que cada um se encontra. Há sim, "ação e reação", equilíbrio e desequilíbrio", "controle e descontrole".
Da questão acima, não há nenhuma prescrição de procedimento sexual. O que há, é a informação sobre um fato: De que nossa natureza é ainda muito material, para que estejamos libertos dos desejos e das paixões relacionados ao sexo.
Convido os amigos a analisar estas outras questões do LE, que complementa o nosso entendimento:


907 O princípio das paixões, sendo natural, é mau em si mesmo?

– Não. A paixão está no excesso acrescentado à vontade, já que o princípio foi dado ao homem para o bem, e as paixões podem levá-lo a realizar grandes coisas. É no seu abuso que está a causa do mal.

908 Como definir o limite em que as paixões deixam de ser boas ou más?

– As paixões são semelhantes a um cavalo, que é útil quando é dominado e perigoso quando domina. Reconhecei que uma paixão torna-se perigosa no momento em que deixais de governá-la e resultar qualquer prejuízo para vós ou para os outros.

☼ As paixões são como alavancas que aumentam dez vezes mais as forças do homem e o ajudam na realização dos objetivos da Providência; mas se ao invés de dirigi-las o homem se deixa dirigir por elas, cai no excesso e até mesmo a força que em sua mão poderia fazer o bem volta-se sobre ele e o esmaga.

Todas as paixões têm seu princípio num sentimento ou necessidade natural. O princípio das paixões não é, portanto, um mal, uma vez que repousa sobre uma das condições providenciais de nossa existência. A paixão, propriamente dita, conforme habitualmente se entende, é o exagero de uma necessidade ou de um sentimento. Está no excesso e não na causa; e esse excesso torna-se mau quando tem por conseqüência um mal qualquer.

Toda paixão que aproxima a pessoa da natureza primitiva a afasta de sua natureza espiritual. Todo sentimento que eleva a pessoa acima da natureza primitiva revela a predominância do Espírito sobre a matéria e a aproxima da perfeição.

Percebam amigos, que a consequência destas resposta, uma complementar à outra, leva-nos a essa conclusão:

As paixões e os desejos fazem parte da nossa natureza, no atual estágio que nos encontramos, e não devemos reprimi-los, mas sim, saber lhe dar com eles. O Espírito da codificação nos orienta a "domar" o cavalo, e não a "matá-lo".
Se o sexo fosse destinado apenas à reprodução, os Espíritos teriam o dito. Mas a razão nos mostra que o sexo possui outras funções, e se o uso dele trás prejuízos para a evolução, é o uso que está incorreto e não o sexo em si.
Nem exceder, e nem reprimir. Nisto consiste o equilíbrio que devemos buscar.
Também é útil destacar a palavra "necessidade". Creio que o X da questão seja saber identificar si mesmo até onde realmente vai essa necessidade, e até que ponto não passa a ser um excesso, ou uma psicose.

É igualzinho aquela feijoada de domingo, que comemos até ficar satisfeitos, mas muitas vezes, excedemos a quantidade habitual, tentados pelo prazer e pelo sabor da refeição. :D

Logo, considero perfeitamente viável o uso de métodos anti-concepcionais, para a pratica do sexo, sem riscos de gravidez. Vou além...graças a esse método providencial, existe um controle das populações, que ajuda a manter e até melhorar o nosso padrão de vida.

Abraços!





 
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 07 de Maio de 2012, 17:39
Leandro,
como já expliquei antes, nem todo prazer vem pelas mesmas vias, mesmo que tenha o sexo como elemento.
O prazer que a maioria procura é o oque vem da fisiologia, pois que não somos todos iguais e uns têm, mais necessidades neste campo do que outros.
Sensualismo envolve muitos outros elementos e todos de origem amoral, que, alguém que procura o prazer no sexo apenas por maior necessidade fisiológica não trás em si.
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 18:58
Camila, muito obrigado! Você me deu uma explicação racional digna para me convencer =]

André, sim, estamos na Terra para aprender, mas podemos fazê-lo pelo amor ou pela dor. E estar aqui discutindo esse assunto é aprender pelo amor, praticar uma ação que considera-se ruim a pessoa estará aprendendo pela dor (uma dor que talvez só seja sentida futuramente). Como eu já cansei de aprender pela dor, estou aqui, e a questão é saber que o sexo sem amor é bom ou ruim. E pela questão 694, ele só aproxima a pessoa do materialismo e da inferioridade.

Danillo, "A paixão, propriamente dita, conforme habitualmente se entende, é o exagero de uma necessidade ou de um sentimento. [...] Está no excesso e não na causa; e esse excesso torna-se mau quando tem por consequência um mal qualquer.
Toda paixão que aproxima a pessoa da natureza primitiva a afasta de sua natureza espiritual."

O próprio texto disse que torna-se mau quando tem consequência um mal qualquer, e acredito que um mal seria afastar a pessoa de sua natureza espiritual e aproximar da primitiva, e é exatamente isso que a questão 694 fala, portanto essa paixão (sexo por puro sensualismo) é uma "paixão" má. Concordo que o sexo faz parte da nossa natureza, mas usá-lo sabiamente seria com a intenção a reprodução e como demonstração afetiva com amor.

Moura, eu já dei as minhas explicações quanto ao que acho do prazer sexual ser fisiológico.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 19:06
Ok Cavalcante, respeito sua opinião, e não quero mudá-la.
Como eu disse, é uma questão de circunstâncias em que cada indivíduo está engajado. O essencial mesmo, sobretudo, é que cada um aja conforme seja melhor para a sua consciência.

Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 07 de Maio de 2012, 19:08
Leandro,
entenda mano, você deu a sua explicação e ela só compete a você mas aqui tratamos de doutrina mano.
A doutrina trás a visão dos Espíritos Superiores, logo, e por isso mesmo é doutrina.
Mas nunca um texto meu será doutrina, antes de passar pelo método pelo qual todas as questões foram analisadas por esses mesmos Espíritos e mais outros.
Por isso a insistência e os pedidos que se volte ao tema exatamente das páginas codificadas, para que se mantenha o foco apenas na doutrina e não no que pensamos e tenhamos como verdades.
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 19:17
Ok Cavalcante, respeito sua opinião, e não quero mudá-la.
Como eu disse, é uma questão de circunstâncias em que cada indivíduo está engajado. O essencial mesmo, sobretudo, é que cada um aja conforme seja melhor para a sua consciência.

Abraços!

Tudo bem, mas eu não dei somente a minha opinião, mas dei bases racionais que explicam o meu ponto de vista.

E Moura, acredito que eu, mais que ninguém, tentei manter o foco na doutrina. A minha explicação não compete somente a mim, mas com base em todo o meu conhecimento da doutrina.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 19:19
Partindo da explicação da Camila, que eu achei muito interessante, eu acho que pude achar as minhas respostas, vou tentar concluir aqui, se alguém se opor a algo (com argumentos ainda não trabalhados aqui), manifeste-se, por favor.

1) O sexo sem amor, por puro sensualismo, é caracterizado por uma aproximação ao materialismo em que o corpo predomina sobre a alma, só provando a inferioridade do homem (à qual devemos melhorar, e temos essa escolha).

2) O sexo (com anticoncepcionais) com amor é tratado como uma demonstração afetiva entre duas pessoas e está dentro do equilíbrio, pois junta-se o amor e o prazer. Nesse caso as energias sexuais estão sendo empregadas para uma afetividade digna.

3) A promiscuidade é a que mais se deve evitar, pois há a questão do excesso e do desequilíbrio com atos muito carnais e materialistas, isso estaria nos atrasando no caminho evolutivo.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 19:20
Citar
e é exatamente isso que a questão 694 fala

Leandro, concordo com o Moura, e acho que vale a pena uma revisão da matéria.
Pois o modo que interpretaste a questão 694, entra em conflito com as outras questões que apresentei.
O sexo não é uma má paixão. É uma paixão como todas as outras. Ele torna-se uma má paixão, quando apresenta os caracteres explicados na questão 908.
Bom, eu já expus tudo possível, foi só uma ultima tentativa de mostrar o que para mim está evidente nas obras básicas. Mas você pode seguir a opinião ou raciocínio que melhor julgar.

Abraços.

Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 19:33
Danilo, estou aqui para aprender. Eu já expliquei porque da minha interpretação e porque considero a sua errada. Poderia você agora me dizer onde estou errado, fazendo o favor.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 07 de Maio de 2012, 19:42
Mano Leandro,
novamente venho lhe lembrar que o amigo está a partir de exceções quando o tema fala da regra.
O amigo apega-se ao sexo pura e suimplesmente por sensualismo, e este é uma das exceções previstas, enquanto o tema versa sobre "Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor".
São da regra que devem partir o nossos comentários.
Que se fale no sensualismo, na promiscuidade mas en passant, não como regra.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 19:50
Sobre o tema principal, nas conclusões que eu dei pode-se perceber que eu mudei de ideia a respeito, através de uma explicação ou outra das pessoas que participaram. Agora eu não acho nada de errado no sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor.

Talvez eu esteja equivocado quanto ao o que está sendo debatido aqui. Preciso saber, eu dei as conclusões que eu obtive nesse fórum. Vocês não concordam com alguma delas?
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 20:10
Danilo, estou aqui para aprender. Eu já expliquei porque da minha interpretação e porque considero a sua errada. Poderia você agora me dizer onde estou errado, fazendo o favor.

Claro que posso Gustavo, embora não lhe garanta nenhum sucesso, pois sou tão necessitado de luzes quanto você. Eu não acho que você está errado e eu estou certo. Apenas penso que talvez, dentro da crença espírita, esteja formulando raciocínios partindo de premissas que em nenhum lugar eu me lembro estar na codificação, se todos estamos partindo dessa base.
Por exemplo, ao tratar o sexo como uma paixão, em nenhum momento os Espíritos da codificação tocam no  mérito de ele ser feito com ou sem amor. Também, em nada somos informados que o sexo destina-se apenas à reprodução. Ainda, nenhum lugar temos a informação de que o sexo é uma má-paixão. Depois, em nada se evidencia que a prática do sexo, tendo em vista a sensualidade, aproxima (do verbo: aproximar) o homem de sua natureza material. Ao contrário, se o sexo é uma paixão, o que somos informados é que as paixões, por serem paixões, podem auxiliar o homem a realizar grandes coisas, e só se tornam más, a partir do momento que deixamos de dominá-las e somos dominados por elas. Se você encontrou algumas dessas informações, que eu considero estranhas, na codificação, é porque em sua interpretação, achou-las, de algum modo, não sei como, escondidas atrás das palavras. Eu porém, não as encontrei, por isso não raciocinei por esse caminho.
Mas quem sou eu para dizer o que é certo ou errado? Cada um pensa ao seu modo.
Se continua interessado na minha análise, por favor, leia o meu primeiro post do tópico. Lá eu expus, de forma clara, acredito, a minha interpretação, e por lá, você pode ver, por si mesmo, onde que eu discordo. Lá mesmo, você pode avaliar se eu fugi da codificação e teci ideias particulares, ou se fui correto na interpretação.

Abraços!






 
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 07 de Maio de 2012, 20:18
Mano Leandro deixe-me lembrar que mesmo sem o auxílio de anticoncepcionais usando-se o método da tabelinha, poe exemplo se estará dando o mesmo fim que a pílula.
No tocante ao método a ciência do homem pode e deve ajudar, os conceitos para a não utilização são de origem católica, os mais antigos.

abraços,
Moura
Sobre o tema principal, nas conclusões que eu dei pode-se perceber que eu mudei de ideia a respeito, através de uma explicação ou outra das pessoas que participaram. Agora eu não acho nada de errado no sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor.

Talvez eu esteja equivocado quanto ao o que está sendo debatido aqui. Preciso saber, eu dei as conclusões que eu obtive nesse fórum. Vocês não concordam com alguma delas?
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 20:23
Moura, também estou considerando a tabelinha com anticoncepcional, mas eu concordo com você a esse respeito, não se preocupe.

Danilo (e meu nome é Leandro, não Gustavo hehe), acho que estamos nos equivocando tratando o sexo como uma paixão. A paixão é simplesmente o excesso, dizer que alguém tem paixão pelo sexo significa um excesso da ato sexual, e sabemos que o excesso nunca é bom.
Você disse: "Também, em nada somos informados que  o sexo destina-se apenas à reprodução.", nisso eu já mudei a minha mentalidade, acredito também que seja como demonstração afetiva, não somente para reprodução. Também disse "Depois, em nada se evidencia que a prática do sexo, tendo em vista a sensualidade, aproxima o homem de sua natureza  material." A sensualidade em si já é somente material, acho que isso já é evidência suficiente, e isso eu interpretei da questão 694, que acredito que não tenha duplas interpretações a respeito da sensualidade relevar o materialismo, se tiver outra interpretação dessa questão, exponha.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 21:01
Citar
Danilo (e meu nome é Leandro, não Gustavo hehe), acho que estamos nos equivocando tratando o sexo como uma paixão. A paixão é simplesmente o excesso, dizer que alguém tem paixão pelo sexo significa um excesso da ato sexual, e sabemos que o excesso nunca é bom.
Você disse: "Também, em nada somos informados que  o sexo destina-se apenas à reprodução.", nisso eu já mudei a minha mentalidade, acredito também que seja como demonstração afetiva, não somente para reprodução. Também disse "Depois, em nada se evidencia que a prática do sexo, tendo em vista a sensualidade, aproxima o homem de sua natureza  material." A sensualidade em si já é somente material, acho que isso já é evidência suficiente, e isso eu interpretei da questão 694, que acredito que não tenha duplas interpretações a respeito da sensualidade relevar o materialismo, se tiver outra interpretação dessa questão, exponha.

Perdão Leandro, por ter errado o seu nome.
Sua conceituação ainda não me trás sentido quando submetida à lógica, e foi bom ter trazido isso à conversa, pois como sempre, as divergências se encontram nas palavras e definições.
Não faz sentido porque se a paixão existe somente onde há excesso de algum hábito, o codificador não poderia entrar em contradição, na questão 908 dizendo que as paixões são úteis, se também são, como no seu dizer, sempre um mal. Vou expor de melhor forma, com as suas palavras, e observe a consequência:

Paixão, é o excesso de um hábito (Leandro)
O excesso nunca é bom (Leandro)
Logo, a paixão nunca é boa (consequência 1)

A paixão pode ser útil para o homem (Kardec)
Paixão é o excesso de um hábito (Leandro)
Logo, o excesso de um hábito pode ser útil para o homem (consequência 2)

Veja também essa:

O excesso de um hábito pode ser útil para o homem (consequência 2)
O excesso de um hábito nunca é bom (Leandro)
Logo, nunca é bom o que pode ser útil para o homem (consequência 3)

Percebeu as conclusões absurdas a que chegamos?
É porque sua conceituação do que vem a ser paixão, de certo, está em contradição com a conceituação utilizada pelo codificador.

Abraços!







Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 21:10
Citar
. Também disse "Depois, em nada se evidencia que a prática do sexo, tendo em vista a sensualidade, aproxima o homem de sua natureza  material." A sensualidade em si já é somente material, acho que isso já é evidência suficiente,

Quando você diz "aproxima", utiliza o verbo aproximar, que significa ação ou efeito de se tornar mais próximo. Eu, porém, desconheço que a codificação tenha dado como informação que a prática da sensualidade provoca a ação ou efeito de nos tornar mais próximos da natureza material. Eu digo o seguinte: Próximos à natureza animal, nós já somos, basta olhar nossa constituição física. Se a sensualidade é uma paixão, a prática mal utilizada dessa paixão prende-nos à nossa natureza material. Porém, a prática bem utilizada dessa paixão auxilia o nosso progresso. Em tudo  me baseio na codificação, nas questões que já postei
Veja que aqui, estou utilizando o meu conceito de paixão. Paixão para mim, é tudo o que representa objeto de desejo do homem, cujo princípio reside num sentimento ou necessidade natural. O excesso desse desejo é o excesso da paixão, e não a paixão em si.
Abraços!


Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 21:22
kkk Danilo, percebi sim o absurdo. Talvez tenha me expressado mal também, na questão 908 fala que "A paixão propriamente dita é a exageração de uma necessidade ou sentimento", e dessa forma, não vejo porque dizer que a sensualidade é uma paixão. A paixão pode ser boa quando a necessidade ou sentimento são bons. E como já disse, se torna um mal quando tem consequência um mal qualquer, e a isso me refiro à aproximação da natureza material.

E você disse que "a prática bem utilizada dessa paixão auxilia o nosso progresso", não vejo como a somente sensualidade pode ser bem utilizada. Pode me dizer como? E devemos tentar nos afastar dessa natureza somente material.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 21:55
Leandro, eu não posso prosseguir, antes de você terminar o seu raciocínio.
Eu achei que você tinha aceitado a minha prova de que: ou paixão não é o exagero de um  necessidade ou sentimento, ou a codificação está errada. Mas você voltou a utilizar o mesmo conceito de paixão. Então não progredimos...voltamos pro início.
E você disse que a sensualidade não é uma paixão, mas para responder sua pergunta, temos que também entrar num acordo do que vem a ser "sensualidade".
Se a sensualidade não é uma paixão, então o que ela é?
Para mim, ela é uma paixão.
Organize essa parte, sem a qual não poderemos prosseguir competentemente nessa dialética.

Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 07 de Maio de 2012, 22:03
Leandro, observe como você está discordando de si mesmo:

Todo excesso é um mal (Leandro)
A paixão é a exageração de uma necessidade ou sentimento (Leandro)
Logo, a paixão é um excesso.
Logo, a paixão é um mal.

A paixão é boa quando os sentimentos e necessidades são bons. (Leandro)

Conclusão:

O mal é bom quando os sentimentos e necessidades são bons.


 ???

Ainda tá estranho...tem coisa errada ou incompleta no seu raciocínio.
Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Cavalcanti. em 07 de Maio de 2012, 22:08
Eu acredito que o erro nisso está em "O excesso nunca é bom", eu deveria ter dito "O excesso dos gozos materiais nunca é bom", pois é isso que está na questão 714 do LE. Eu sugiro que devamos esquecer a dúvida se sensualidade é paixão, a paixão é apenas uma condição de excesso, ou seja, tudo pode ser paixão quando estiver em exagero.

Estamos perdendo o foco aqui, o meu argumento principal é: a sensualidade é simplesmente o uso da atração somente física, ou seja, é de natureza unicamente material e que nos mantém próximos da inferioridade e da predominância do corpo, e isso é algo que devemos evitar, para procurar uma aproximação maior com o lado espiritual.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: raphaelheadbanger em 07 de Maio de 2012, 22:11
Acompanhando e aprendendo!  ;)

Danilo Henrique, aprendi muito com as tuas explicações.

Obrigado!

Abraço!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Camila T Cunha em 08 de Maio de 2012, 01:37
Partindo da explicação da Camila, que eu achei muito interessante, eu acho que pude achar as minhas respostas, vou tentar concluir aqui, se alguém se opor a algo (com argumentos ainda não trabalhados aqui), manifeste-se, por favor.

1) O sexo sem amor, por puro sensualismo, é caracterizado por uma aproximação ao materialismo em que o corpo predomina sobre a alma, só provando a inferioridade do homem (à qual devemos melhorar, e temos essa escolha).

2) O sexo (com anticoncepcionais) com amor é tratado como uma demonstração afetiva entre duas pessoas e está dentro do equilíbrio, pois junta-se o amor e o prazer. Nesse caso as energias sexuais estão sendo empregadas para uma afetividade digna.

3) A promiscuidade é a que mais se deve evitar, pois há a questão do excesso e do desequilíbrio com atos muito carnais e materialistas, isso estaria nos atrasando no caminho evolutivo.

Acho que é isso mesmo! Concordo com as suas deduções sobre tudo que falaram aqui, elas estão de acordo com o que a Doutrina Espírita ensina.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 08 de Maio de 2012, 03:22
Os seres humanos não precisam de sexo para amar. Que isso fique bem claro. Os seres humanos precisam do sexo para criar LAÇOS ESPIRITUAIS, para se reproduzirem, assim como precisa da alimentação para dar energia ao corpo, necessária para sobrevivência e para que o espírito possa movimenta-lo mais facilmente.

As pessoas amam sem sexo. Pais amam seus filhos; amigos amam seus amigos; avós amam seus netos; Espíritos amam Espíritos etc sem que pra isso precisam fazer sexo - aliás, podem amar muito mais que aqueles que fazem sexo.

O sexo é necessário para a CONDIÇÃO HUMANA, assim como é necessário para a condição animal, pois se não houvesse espíritos imperfeitos, ligados à uma força sexua bastante fote, não haveria meios dos espíritos encarnarem. Foi por esta razão que Deus colocou no sexo uma força demasiada, para que, de modo algum, os seres deixassem de se reproduzir.

A medida que os seres Humanos avançam,  consegue controlar esta força, porque seus fluidos ficam menos denso, menos fortes. Passam a ter consciência que o sexo não é mais importante na relação, e não fazem mais sexo por prazer, mas apenas para se reproduzir, pois sabem que podem amar sem sexo. A força sexual, que são fluidos corporais densos, se tornam menos denso, influenciando cada vez menos no corpo, de modo que esse não seja mais controlado pelos instintos animais.

Desse modo que muitas pessoas não buscam mais ter muitos parceiros, nem procuram os mais bonitos e sensuais, mas aqueles que elas tem mais afinidades morais e intelectuais, porque sabem que se ficarem com alguém que elas não amam, somente porque é bonito, popular, sensual etc, está fazendo algo que sua consciência já reprova, isto é, ficar com alguém por prazer. Por esta razão que no futuro as pessoas não se preocuparão mais com o corpo, mas com as virtudes da alma.


Os fluidos do corpo se tornam mais densos e incontroláveis a medida que nos tornamos mais sensuais. O corpo volta para a sua condição animal, pra fazer sexo instintivamente (força sexual necessária para a reprodução da espécie), pois não conseguem dominar seus fluidos. Por esta razão que quando os seres humanos chegam à uma idade avançada, estes fluidos são menos fortes, ou diminuem, perdendo sua força.

Podemos fazer uma analogia também com os alimentos; isto é, a fome é uma outra força importante na natureza para a sobrevivência, e para que os espíritos possam dar energia ao corpo e torna-los mais fáceis de serem movimentados pela vontade do espírito. Mas a medida que os espíritos avançarem, esta força diminui, assim como a necessidade da grosseria dos alimentos, pois sentem necessidade de alimentos mais leves, (seu organismo rejeita a alimentação grosseira porque os fluidos que movimentam seu organismo são menos densos que os fluidos que se encontram na alimentação grosseira). Por esta razão que precisam menos de energias para movimentar o corpo.






Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 08 de Maio de 2012, 03:46
Citar
Ademais, o texto bíblico nos ensina que a frase do Creador, foi: Crescei e multiplicai-vos.
Note que Deus não disse, mas só com amor...


A Doutrina Cristâ, Agostinho de Hipona. (Snt Agostinho)

(http://img525.imageshack.us/img525/3632/sensuais.jpg)

Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Camila T Cunha em 08 de Maio de 2012, 15:39
                  Isso é inquestionável, que o sexo não é condição para o Amor, o Ágape, o fraternal, universal.
                 Mas a angústia do Leandro, era sobre o sexo com sua esposa, talvez, com alguém que ele escolheu e isso para que está claro que não é errado, que não  rebaixa o ser porque faz parte, tanto quanto um beijo, uma dança, uma jogo de xadrez, cortarem a grama do jardim juntos, enfim, da vida de um casal.
                 Era sobre esta angústia do Leandro que discutíamos, mas claro que sabemos sobre a Lei do Amor e o quanto ela é universal. Aliás, quando estamos sem encontrar ninguém especial e estamos sozinhos, mas temos filhos, pais, amigos, e, vida espiritual, o sexo parece até que nem faz falta. Ele é parte apenas da vida de um casal, tanto quanto o diálogo.
   
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 08 de Maio de 2012, 17:03
Camila, ainda não tenho a segurança que você tem para avaliar o que é certo ou errado. Analise para mim esse caso, para que eu possa entender seu pensamento:

Um homem solteiro mora sozinho, já tem seus 27 anos e sua rotina é trabalhar de dia e assistir ficar em casa à noite.
Então, certo dia, ele se sente solitário, e resolve ir com os amigos para um barzinho, para ver se conhece alguém.
Lá, ele encontra ao acaso uma amiga da antiga escola, por quem ele sentia atração.
Essa amiga foi para o bar com a mesma intenção, e também sente atração por ele.
Os dois conversam a noite toda, e resolvem ir para casa do rapaz, para "assistir um filme". Já a um bom tempo que os dois não "assistiam filme" juntos.
Então, ficam "assistindo filme" a noite toda e no dia seguinte, voltam cada um para a sua rotina.

Houve imoralidade da parte de alguém? É nesse sentido que gostaria de entender.
ps: assistir filme tem outro significado. Eu coloquei assim, para não ser pego pela censura  :-X do fórum.


Abraços!

Leandro, à noite respondo o seu post, abraços!

 

 
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 08 de Maio de 2012, 17:20
Valeu mano Lacerda, por trazer mais um cadinho do pensamento deste santo.
É este, para muitos,. de difícil entendimento e um pouco complicado de ser compreendido, isso porque o vemos ainda sob muito preconceito, que não foi gerado por ele mas por nós mesmos.
Abraços,
Moura

Citar
Ademais, o texto bíblico nos ensina que a frase do Creador, foi: Crescei e multiplicai-vos.
Note que Deus não disse, mas só com amor...


A Doutrina Cristâ, Agostinho de Hipona. (Snt Agostinho)

(http://img525.imageshack.us/img525/3632/sensuais.jpg)


Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Camila T Cunha em 08 de Maio de 2012, 20:21
                  Isso é inquestionável, que o sexo não é condição para o Amor, o Ágape, o fraternal, universal.
                 Mas a angústia do Leandro, era sobre o sexo com sua esposa, talvez, com alguém que ele escolheu e isso para que está claro que não é errado, que não  rebaixa o ser porque faz parte, tanto quanto um beijo, uma dança, uma jogo de xadrez, cortarem a grama do jardim juntos, enfim, da vida de um casal.
                 Era sobre esta angústia do Leandro que discutíamos, mas claro que sabemos sobre a Lei do Amor e o quanto ela é universal. Aliás, quando estamos sem encontrar ninguém especial e estamos sozinhos, mas temos filhos, pais, amigos, e, vida espiritual, o sexo parece até que nem faz falta. Ele é parte apenas da vida de um casal, tanto quanto o diálogo.
   

             Então, gente, não disse  nada que discorde exatamente, mas a angústia do Leandro era se o sexo deve ser banido da vida para buscarmos sermos espiritualizados e pronto.
             Então, na opinião de muitos, ele é o complemento de um relacionamento, mas acho que o sexo promíscuo deve ser evitado, não o com afeto, com amor. (O Moura ainda foi o mais didático neste ponto)
              Acho que quando você está envolvido em questões espiritualizantes, em grandes causas, talvez o sexo até fique esquecido, mesmo entre os casais, mas ele como manifestação de afeto - angústia do Leandro - não tem nada de errado. Sabemos que Gandhi e sua esposa se amavam muito, mas eram tão envolvidos em grandes causas, juntos, que o sexo ficava "esquecido" entre eles.
               Acho que também ficava esquecido para Chico Xavier, na sua vida. E, Herbert de Souza, sociólogo idealizador da campanha contra a fome, hemofílico, quando soube que estava com Aids buscou outra forma de se relacionar com amor com a sua esposa. Os grandes iluminados conseguem ficar sem comer e sem fazer sexo. Mas as pessoas comuns, que sentem necessidade, não devem se culpar por isso. Apenas evitar os desequilíbrios porque desequilíbrios sempre causam dor.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 08 de Maio de 2012, 20:44
Citar
Mas as pessoas comuns, que sentem necessidade, não devem se culpar por isso. Apenas evitar os desequilíbrios porque desequilíbrios sempre causam dor.

É aqui que está a dificuldade de separar o certo do errado, o moral do imoral, ou o permitido do proibido. Cada pessoa traz consigo, em matéria de sexo, problemática diferente, relativo ao seu histórico de experiências passadas, e não pode ir além do que permite o seu grau evolutivo.
Por mais que tentemos, não acharemos uma cartilha que descreva, de forma absoluta, o modo correto de agir para todas as pessoas. Por isso que contesto que o uso da sensualidade aproxima-nos da natureza animal. Esse pensamento leva o indivíduo a reprimir a sensualidade, por medo de não atender às aspirações de progresso, e paixões reprimidas também é desequilíbrio, porque os princípios que regem todas as paixões repousam numa condição providencial da nossa existência. 

Abraços!

Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 09 de Maio de 2012, 17:18
Mano Danilo,
não consigo concordar com a tua escrita e explico o porquê:
A nossa razão, mesmo que fraca, sempre nos vai gritar "sai fora mano".
Também aqueles que do outro lado da carne nos espreitam, hão de ecoar o mesmo grito.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 09 de Maio de 2012, 17:50
Mas mano Moura, eu não invoquei a razão para desenhar tal opinião. Me apoiei tão somente no ensino das questões 908 e 909 do Livro dos Espíritos. Justamente pela gravidade do assunto, eu me abstenho de solvê-lo por mim mesmo.

Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 09 de Maio de 2012, 18:00
Mano Danilo,
não consigo concordar com a tua escrita e explico o porquê:
A nossa razão, mesmo que fraca, sempre nos vai gritar "sai fora mano".
Também aqueles que do outro lado da carne nos espreitam, hão de ecoar o mesmo grito.
Abraços,
Moura

Considere essa possibilidade, e considere também Moura, aquela em que os indivíduos desenvolvem complexos de culpa, muitas vezes, por motivo de terem cometido ações perfeitamente naturais, isto é, concordantes com as necessidades do seu atual estágio evolutivo. Uma coisa é ocupar-se do sexo vivendo uma vida materialista. Outra, bem diferente, é sabendo que existe dezenas ou centenas de espíritos, em volta, te observando, anotando e avaliando cada ação ou movimento.
Não é a toa que, com tanta frequência, surgem tópicos aqui no fórum insistindo no desenvolvimento desses temas. Não me acho capaz de instruir ninguém sobre isso, mas a resolução atual, me ajuda a caminhar de forma mais equilibrada. Pelo menos acredito que esteja assim.

Abraços!



Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 09 de Maio de 2012, 18:07
Leandro, alí atrás eu disse:

Citar
Paixão para mim, é tudo o que representa objeto de desejo do homem, cujo princípio reside num sentimento ou necessidade natural. O excesso desse desejo é o excesso da paixão, e não a paixão em si.
Abraços!

Após uma leitura mais atenta da obra básica, vejo me obrigado a corrigir o meu conceito.
Paixão é realmente, o excesso de uma necessidade ou sentimento.


Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 09 de Maio de 2012, 18:09
Mano Danilo,
talvez tenha sido por não evocar a razão que o amigo falseou na convicção.
O uso da razão é sempre inescusável.
vou colocar as duas questões e desenvolver um pensamento a respeito delas e do tema que abordam.

De OLE:

"908. Como definir o limite em que as paixões deixam de ser boas ou más?
– As paixões são como um cavalo que é útil quando governado e perigoso quando governa, Reconhecei, pois, que uma paixão se torna perniciosa no momento em que a deixais de governar e quando resulta num prejuízo qualquer para vós ou para outro.
As paixões são alavancas que decuplicam as forças do homem e o ajudam a cumprir os desígnios da Providência.
Mas, se em vez de as dirigir, o homem se deixa dirigir por elas, cai no excesso e a própria força que em suas mãos poderia fazer o bem, recai sobre ele e o esmaga,
Todas as paixões têm seu princípio num sentimento ou uma necessidade da Natureza. O princípio das paixões não é portanto, um mal, pois repousa sobre uma das condições providenciais da nossa existência. A paixão propriamente dita é o exagero de uma necessidade ou de um sentimento; está no excesso e não na causa; e esse excesso se torna mau quando tem por conseqüência algum mal.
Toda paixão que aproxima o homem da Natureza animal o afasta da Natureza espiritual.
Todo sentimento que eleva o homem acima da Natureza animal anuncia o predomínio do Espírito sobre a matéria e o aproxima da perfeição.

909. O homem poderia sempre vencer as suas más tendências pelos seus próprios esforços?
– Sim, e às vezes com pouco esforço; o que lhe falta é a vontade. Ah, como são poucos os que se esforçam!"

Mano de que tema tratam as questões?
Justamente sobre as paixões.
Ora, o amigo usando da inteligência, quer elencar o sensualismo como sendo uma dessas paixões, pelo que vejo, mas este não pode formar entre elas.
Sensualismo é característica oriunda de baixa moral, logo, um adoecimento moral do Espírito.
E não é por não ser uma paixão, que fica mais simples e fácil o seu combate, pois o Espírito apegado a este condicionamento, não vê senão o gozo dentro dos limites deste sensualismo, como forma de alcançar o prazer.
Aliás a mim me parece este caso, muito assemelhado aos de certa gama de esquizofrênicos, pois que estes, quando arrazoam, o fazem de maneira muito aclarada, mesmo que dentro dos limites de sua doença.
O Espírito sensualista, está também turbado em ver a real natureza de seus atos e mesmo que alguém, quando este esteja encarnado lhe venha discorrer sobre seus erros ele permanece blindado ou seja, totalmente refratários a qualquer pensamento que lhe conteste.
De qualquer momento, ainda que o amigo se utilizasse das questões acima, a de númeral 909 já lhe resolveria a dúvida pois que ensina na resposta dos Espíritos Superiores:

"Sim, e às vezes com pouco esforço; o que lhe falta é a vontade. Ah, como são poucos os que se esforçam!"
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 09 de Maio de 2012, 18:43
Moura, já que desenvolveu o assunto até esse ponto, ajuda-me a enxergá-la com mais clareza. Para você, o que vem a ser sensualismo? É o mesmo que sensualidade?
O que vem a ser o moral e o imoral? E como se junta essas duas coisas (sensualismo e imoralidade)?
Pergunto porque não encontro a elucidação desse sistema questões na codificação. Logo, estamos a falar da consequência dos ensinamentos, e não os ensinamentos em si.

Abraços.
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 09 de Maio de 2012, 18:58
mano Danilo,
Sensualismo é, segundo o dicionarista :

"Amor aos prazeres dos sentidos;"
Advém de:
"1 Doutrina ética, segundo a qual a satisfação dos apetites carnais é o maior bem do homem."

Mas se nos aprofundarmos nas elucidações de OLE veremos que moralmente falando ele seja o excesso do amor aos prazeres dos sentidos.
Sensualidade é apenas uma questão de forma.
Está mais ligada ao campo das sensações do que mesmo ao campo moral exclusivamente.
Uma pessoa pode ser e muitas o são, sensual sem dar azo a qualquer eivo de sensualismo.
Outra pessoa pode ver a esta pessoa sensual, sob a óptica adoecida do sensualismo.
mas são coisas independentes e não interligadas.
Note mano, que em ponto algum de minhas postagens falei sobre o tema da imoralidade, mas sim e sempre o faço sob a visão da amoralidade, posto que dos dois vocábulos concebem explicações diferentes.
Um esta condicionado a atos externos, outro advém do conjunto moral em que nos postamos a ver e agir perante a nós mesmos.
O sensualista nem sempre é um ser imoral ou pratica imoralidades, mas todo o seu pensar é amoral.
A doutrina prevendo excessos, e entre estes ou apelidando a estes eu chamo o sensualismo de excesso (adoecimento moral), já nos explica e separa.
Abraços,
Moura
Abração
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 10 de Maio de 2012, 15:16
Moura, não entendi porque discorda de mim, quando parece concordar. Me refiro à essência do pensamento, porque, quanto às palavras, ainda não nos acertamos.

De tua escrita, aliado à minha concepção, posso concluir o seguinte:
Sensual é qualificativo de sensualidade, e o qualificativo de sensualismo pode se "sensualista", sendo que são quatro coisas diferentes.
Oras você mesmo disse, uma pessoa pode ser e muitas o são, sensual sem dar azo a qualquer eivo de sensualismo. Assim temos que concordar que sensualismo e sensualidade são coisas diferentes.  Dessa forma, atribuímos muito bem as palavras às idéias, certo?

Também disse que: moralmente falando ele (o sensualismo) seja o excesso do amor aos prazeres dos sentidos. Concordo!
Mas asseverou: quer elencar o sensualismo como sendo uma dessas paixões, pelo que vejo, mas este não pode formar entre elas. Logo, você vê que o sensualismo não é uma paixão. Discordo. Se o amor aos prazeres dos sentidos é um sentimento natural do ser humano, e paixão, na definição da obra básica, é o excesso de um sentimento ou necessidade, o sensualismo, conforme sua definição, encaixa-se perfeitamente no vocábulo paixão, na definição do codificador.

E por que eu acho que concordamos, quanto ao fundo? Oras, Moura, você não percebeu que eu não me referi ao sensualismo, mas à sensualidade? Digo outra vez, embora improvisando por ignorância, mas sem medo de errar, que o sensualismo deve ser evitado, mas a sensualidade não deve ser reprimida.

Eu ia falar as consequências desse raciocínio, mas de nada adiantaria. Você precisaria concordar comigo nesse ponto, pelo menos. Para mim, parece óbvio que o sensualismo é uma paixão.


Então, por enquanto, meu raciocínio fica desse modo, ficando ainda aberto à contestação. Se concordares com ele, posso lhe tecer as consequências. Se não, temos que descobrir onde está o equívoco.

1)

-Sensualidade é o gosto pelos prazeres dos sentidos (Danilo)
-Sensualismo é o excesso do gosto pelos prazeres dos sentidos. (Moura e Danilo)

-Paixão é o excesso de um sentimento ou necessidade natural (Kardec)
-O gosto dos prazeres dos sentidos é um sentimento natural do ser humano (a posteriori, pode ser discutido)
-Logo, sensualismo é uma paixão (conclusão 1)

2)

-A sensualidade é o princípio do sensualismo (Danilo)
-Logo a sensualidade é o princípio de uma paixão (conclusão 2)
-O princípio de uma paixão não é um mal (Kardec)
Logo, a sensualidade não é um mal (conclusão 3)


Vamos Moura...falta pouco, não desista agora. Analise o que eu disse e aponte o erro, provando-o.

Abraços!





 










Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 16:58
Danilo,
sensualismo, é um ato proveniente da baixa moral, e as paixões, são apenas o excesso de uma vontade.
O sensualista pode ser um apaixonado, porém nesses casos apenas a moral é que evidencia o estar sensualista.
Senão mano tudo vira paixão quando não é, as vezes.
Abraços,
Moura

Moura, não entendi porque discorda de mim, quando parece concordar. Me refiro à essência do pensamento, porque, quanto às palavras, ainda não nos acertamos.

De tua escrita, aliado à minha concepção, posso concluir o seguinte:
Sensual é qualificativo de sensualidade, e o qualificativo de sensualismo pode se "sensualista", sendo que são quatro coisas diferentes.
Oras você mesmo disse, uma pessoa pode ser e muitas o são, sensual sem dar azo a qualquer eivo de sensualismo. Assim temos que concordar que sensualismo e sensualidade são coisas diferentes.  Dessa forma, atribuímos muito bem as palavras às idéias, certo?

Também disse que: moralmente falando ele (o sensualismo) seja o excesso do amor aos prazeres dos sentidos. Concordo!
Mas asseverou: quer elencar o sensualismo como sendo uma dessas paixões, pelo que vejo, mas este não pode formar entre elas. Logo, você vê que o sensualismo não é uma paixão. Discordo. Se o amor aos prazeres dos sentidos é um sentimento natural do ser humano, e paixão, na definição da obra básica, é o excesso de um sentimento ou necessidade, o sensualismo, conforme sua definição, encaixa-se perfeitamente no vocábulo paixão, na definição do codificador.

E por que eu acho que concordamos, quanto ao fundo? Oras, Moura, você não percebeu que eu não me referi ao sensualismo, mas à sensualidade? Digo outra vez, embora improvisando por ignorância, mas sem medo de errar, que o sensualismo deve ser evitado, mas a sensualidade não deve ser reprimida.

Eu ia falar as consequências desse raciocínio, mas de nada adiantaria. Você precisaria concordar comigo nesse ponto, pelo menos. Para mim, parece óbvio que o sensualismo é uma paixão.


Então, por enquanto, meu raciocínio fica desse modo, ficando ainda aberto à contestação. Se concordares com ele, posso lhe tecer as consequências. Se não, temos que descobrir onde está o equívoco.

1)

-Sensualidade é o gosto pelos prazeres dos sentidos (Danilo)
-Sensualismo é o excesso do gosto pelos prazeres dos sentidos. (Moura e Danilo)

-Paixão é o excesso de um sentimento ou necessidade natural (Kardec)
-O gosto dos prazeres dos sentidos é um sentimento natural do ser humano (a posteriori, pode ser discutido)
-Logo, sensualismo é uma paixão (conclusão 1)

2)

-A sensualidade é o princípio do sensualismo (Danilo)
-Logo a sensualidade é o princípio de uma paixão (conclusão 2)
-O princípio de uma paixão não é um mal (Kardec)
Logo, a sensualidade não é um mal (conclusão 3)


Vamos Moura...falta pouco, não desista agora. Analise o que eu disse e aponte o erro, provando-o.

Abraços!





 











Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 10 de Maio de 2012, 17:15
Citar
Logo, a sensualidade não é um mal (conclusão 3)

Não é um mal, mas toda sensualidade é um prazer que no final das contas custa muito caro PARA O ESPÍRITO.

Veja o que diz Kardec sobre o espírito de Baltazar, o Espírito Gastronômico (Revista Espírita 1860). Este espírito se julgava ainda vivo e estava prezo aos prazeres da comida.


"Observação – Este Espírito é bem singular; faz parte dessa classe numerosa de seres invisíveis que não se elevaram em coisa alguma acima da condição de humanidade; só têm de menos o corpo material, mas as idéias são exatamente as mesmas. Este não é um Espírito mau; não tem contra si senão a sensualidade, que é, ao mesmo tempo, para ele, um suplício e um gozo. Como Espírito não é, pois, muito infeliz; é até feliz a seu modo. Mas sabe Deus oque o espera numa nova existência! Um triste retorno poderá fazê-lo refletir e desenvolver o senso moral, ainda abafado pela preponderância dos sentidos."


Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 17:25
Exatamente mano Lacerda a sensualidade em si mesma não é um mal.
Porém quando o Espírito encarnado exorbita deste atributo, e passa a viver sua vida dentro desse parâmetro viciado, torna-se então, sensualista, e este sim é um mal.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 10 de Maio de 2012, 18:54
*post editado, por causa da minha má educação*

Citar
Não é um mal, mas toda sensualidade é um prazer que no final das contas custa muito caro PARA O ESPÍRITO.

Ham, deixe-me repetir algumas proposições importante que compõem minha opinião:
A sensualidade não deve ser reprimida, nem excedida, deve ser controlada.
Temos que domar o cavalo das paixões, e não matá-lo.
Essa é minha refutação, á ideia apresentada primeiramente no tópico, que a sensualidade deve ser repudiada, e que imoral fazer sexo, se não for feito apenas para reprodução.

Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 10 de Maio de 2012, 18:58
Exatamente mano Lacerda a sensualidade em si mesma não é um mal.
Porém quando o Espírito encarnado exorbita deste atributo, e passa a viver sua vida dentro desse parâmetro viciado, torna-se então, sensualista, e este sim é um mal.
Abraços,
Moura

Oras isso é que eu defendo. Porém, a ideia que se tentou passar no tópico, é que o uso da sensualidade aproxima o espírito da sua natureza animal, e por isso mesmo, é um mal.
Oras, não é completamente diferente do que eu e vocês afirmamos?
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 19:02
Mano Danilo,
se posso aconselhar eu diria que não mantenhas uma leitura muito dura na letra com que foi escrita a resposta.
Nos casos em que vires algo como o que explicitas, tenha para com a leitura o entendimento desta estar a falar em excesso no uso.
Muitos de nós não têm esse hábito de colocar essas minudências, outros se esquecem, e mais outros partem do princípio de que sempre estaremos a entender o escrito entre linhas.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 10 de Maio de 2012, 19:26
Mano Danilo,
se posso aconselhar eu diria que não mantenhas uma leitura muito dura na letra com que foi escrita a resposta.
Nos casos em que vires algo como o que explicitas, tenha para com a leitura o entendimento desta estar a falar em excesso no uso.
Muitos de nós não têm esse hábito de colocar essas minudências, outros se esquecem, e mais outros partem do princípio de que sempre estaremos a entender o escrito entre linhas.
Abraços,
Moura

Mano Moura, seu conselho é muito sábio, digo com sinceridade.
Mas não perdeste ainda o foco da questão central do problema, né?
O que estamos a discutir, não é se o sensualismo é ou não é uma paixão?

Concorda que esse já não é um debate de ideias, mas um problema de definição/conceituação?
Nesse terreno Moura, as palavras me parecem de suma importância, em suas mais sutis minudências.
Quando À ideia, estou certo que seu pensamento é igual ao meu. Nosso problema é com as palavras.
E sem nos acertarmos nas palavras, não podemos prosseguir no terreno das idéias.

Oras, foram vocês que me interromperam o fluxo de idéias, advertindo que sensualismo não é uma paixão. Agora, vamos até o final para provar isso. Pois na minha lógica, é paixão sim.

Quanto ao amigo Ham Lacerda, peço desculpas a ele. No calor da discussão, eu nem notei que ele esta destraído quanto às conceituações/definições.


Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 10 de Maio de 2012, 19:51
Citar
Essa é a proposição que sustentas, Ham?

Certamente...

A sensualidade é para o espírito como o cigarro é para o fumante: uma fraqueza, um desequilíbrio, uma doença. Não é um mal propriamente, mas no final custa muito caro para o espírito devido suas consequências: desequilíbrios de toda a sorte .


Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 20:15
Mano Hamilton,
se puderes trocar o termo sensualidade (que é um atributo que qualquer Espírito pode usar sem demérito moral), por sensualismo, estarás coberto de razão.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 10 de Maio de 2012, 20:18
Citar
Essa é a proposição que sustentas, Ham?

Certamente...

A sensualidade é para o espírito como o cigarro é para o fumante: uma fraqueza, um desequilíbrio, uma doença. Não é um mal propriamente, mas no final custa muito caro para o espírito devido suas consequências: desequilíbrios de toda a sorte .

Se por "no final custa caro" eu entender por "causar consequências ruins", eu posso disso tirar que não é é um mal propriamente o que causa consequências ruins. Não estou querendo provar nada, apenas mostrar que talvez não quis dizer isso com estas palavras. Por isso que editei o meu ultimo post que te fiz resposta.

Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 20:30
gente,
Sensualidade é uma coisa.
Sensualismo outra.
a primeira não é um mal,
a segunda, que é o uso recalcitrante e viciado da sensualidade, sim é um mal moral.
Mal moral não vem a ser, obrigatoriamente uma paixão, mas sempre será um excesso de vontade
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 10 de Maio de 2012, 20:51
Mano Moura, continuemos...
Não me convenci de que sensualismo não é uma paixão, mas para não dizer que não me esforcei ao máximo, utilizarei esse último recurso: uma vez que não seja, diga-me: Existe alguma paixão relacionada a sexo, sexualidade, desejo sexual, e coisas afins? Se existe, qual é o nome dessa paixão?

Mesmo resolvendo ou não resolver esse desacordo, eu já gostaria de tecer minhas conclusões finais. Que apesar de ser uma concepção tola, é o melhor que tenho, e o melhor que consegui absorver do tópico.

Abraços!







 
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 10 de Maio de 2012, 20:53
Mano Hamilton,
se puderes trocar o termo sensualidade (que é um atributo que qualquer Espírito pode usar sem demérito moral), por sensualismo, estarás coberto de razão.
Abraços,
Moura

E por que trocar 6 por meia duzia?

Aliás, Moura, aconselho a você trocar, ou apagar, todo o seu post, porque no fundo está dizendo apenas uma cosia: que os espíritos são hipócritas.





Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 20:56
Mano Danilo, descanse:
Não é por não ser uma paixão que não possa ter seu uso, nesse terreno.
Já repeti isso algumas vezes mas com outras palavras, por isso volto a repetir.
Podem algumas pessoas se excederem na sensualidade e por conseguinte agirem sensualisticamente, mas isso não as fará sensualista, mas apenas naquele momento o foram, assim como nem todo aquele que fuma, é por isso mesmo um viciado.
Da mesma maneira é que se explica em OLE todos os Espíritas são espiritualistas, mas nem todo Espiritualista é, por tal razão, um Espírita.
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 21:02
Amigo Hamilton,
primeiro baixe as armas, não me contendo contigo ou com qualquer um, apenas aponto para arestas que devem ser aparadas nos pensamentos aqui expostos.
Não mano, não é trocar seis por meia dúzia.
Sensualismo é um excesso de natureza da baixa moral., já a sensualidade é um atributo de qualquer Espírito e que, qualquer Espírito pode ou não usar.
Usando corretamente, não é um mal, assim como quem toma dois copos de vinho por dia não fazendo mal algum a sim mesmo ainda há de estar protegendo o coração dos glaxos,que lhe entupiria as artérias levando-o ao infarto certamente.
Assim, amigo, tal como entre o branco e o preto há uma míriade de tonalidades cinzas, este ponto deva merecer seu estudo e atenção.
Não faça, outrossim, assertivas que só aos adivinhos devem caber, como espíritas que somos sabemos que não se adivinha nada.
Abração,
Moura

Mano Hamilton,
se puderes trocar o termo sensualidade (que é um atributo que qualquer Espírito pode usar sem demérito moral), por sensualismo, estarás coberto de razão.
Abraços,
Moura

E por que trocar 6 por meia duzia?

Aliás, Moura, aconselho a você trocar, ou apagar, todo o seu post, porque no fundo está dizendo apenas uma cosia: que os espíritos são hipócritas.






Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 10 de Maio de 2012, 21:20
Não entendi esse seu aborrecimento com o que eu disse, Moura, não falei nada que você não falou da mesma forma: você pediu para que eu trocasse os termos e eu lhe aconselhei a apagar o post, pois está dando a entender que os espíritos são hipócritas. Leia atentamente e verá que eu disse com razão. 

Se você se ofendeu por isso, paciência, porque eu não me ofendi com o que você disse, e por esta razão que achei que também não iria lhe ofender falando da mesma forma.


Quanto aos termos, nem eu e nem os dicionários viram diferença, e acho bobagem essa preocupação com o sentido destes termos, pois não levam a nada, aliás, serve somente para gerar estes desentendimentos.



Significado de Sensualista

adj. Relativo ao sensualismo.
s.m. e s.f. Partidário (a) dessa teoria.


Significado de Sensualidade

s.f. Propriedade do que é sensual.
Inclinação pelos prazeres dos sentidos; amor das coisas ou qualidades sensíveis.
Luxúria, lubricidade, lascívia, libertinagem: viver na sensualidade.


Significado de Sensual

adj. Relativo aos sentidos.
Que satisfaz os sentidos: prazeres sensuais.
Voluptuoso, lascivo, lúbrico: vida sensual.
s.m. e s.f. Pessoa sensual, libertina.










Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 10 de Maio de 2012, 21:55
Ham Lacerda, os dicionários abordam definições, mas não conceitos.
Cada ciência, pode tomar o termo pelo seu próprio ponto de vista. A psicologia,a biologia, a sexologia, cada um pode fazer uma análise particular.
O que estamos a discutir, e dentro da abordagem da ciência espírita.   

Abraços!
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 10 de Maio de 2012, 22:08
Ok, então, vamos discutir dentro da abordagem da "ciência espírita"



Eu disse:
"A sensualidade é para o espírito como o cigarro é para o fumante: uma fraqueza, um desequilíbrio, uma doença. Não é um mal propriamente, mas no final custa muito caro para o espírito devido suas consequências: desequilíbrios de toda a sorte. "


Kardec disse (Primeiras Lições de Moral da Infância, Revista Espírita 1968):

"Assim se acha inoculado, desde a mais tenra idade, o vírus da sensualidade, do egoísmo, do orgulho, do desprezo aos inferiores, das paixões, numa palavra, que são, e com razão, consideradas como as chagas da Humanidade."

***

No artigo, Escolhos dos Médiuns, Revista Espírita 1859:

"É quase inútil, depois disso, falar das outras imperfeições morais, tais como o egoísmo, a inveja, o ciúme, a ambição, a cupidez, a dureza de coração, a ingratidão, a sensualidade, etc. Cada um haverá de compreender que são outras tantas portas abertas aos Espíritos imperfeitos ou, pelo menos, causas de fraqueza."







Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 22:43
Mano Hamilton,
a ti escrevo no mesmo teor que a outro já escrevi antes e hoje.
tomas a letra pelo que ela diz, sem te importares com o fundo.Notas que ao final, descrevendo as imperfeições morais, logo, ecos do excesso, o Espírito fala na sensualidade?
Ora, se trata dos excessos fala também do excesso no uso desta viciada e virótica sensualidade, esta sim promove o excesso no uso e se torna em mal, virando sensualismo.
abração mano.
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 10 de Maio de 2012, 22:53
O tema me lembrou de artigo escrito sob psicografia, já há alguns anos. Ei-lo:
Abraços,
Moura


Falando Sobre Conduta Sexual


"Quando se faz sexo, compartilha-se apenas o sentimento ou a sensação que nutrimos.
Isso de nossa parte.
Assim, um pode estar a emitir vibração luminosa de grande valia enquanto o outro pode estar a emitir variação espúria que só diminui a si mesmo.
O bem amar é uma ciência, onde o sentimento alteado deva existir em base forte, senão, tal como um castelo de areia, não irá resistir ao abraço das ondas.
           Devemos deixar de lado certas afirmações, tais como  "não faço sexo, faço amor", isso não existe.
           Sexo é sexo e é um ato que pode ser de grande valor físico e moral, ou pode ser um mergulho profundo nos recônditos da dor sacrificante.
Tanto é assim que a verdade nos ensina que um pode ver no ato sexual apenas a vontade no prazer francamente carnal e mesmo este, se não produz pensamentos baixos e amorais quando no ato sexual, faz apenas aquilo que lhe é da natureza íntima, conquanto esteja ainda em progresso menor, no campo dos sentimentos.
Mesmo assim, não será apenado pela lei de causa e efeito, já que não produz de sua vontade, algo que seja viciante, viciado ou malévolo.
Já aos que fazem do ato sexual, o tempo para vivificarem a sua conduta exagerada, nutrindo pensamentos amorais, criando uma aura de baixeza moral íntima que entrave sua percepção do correto, estes sim, serão apenados.
Sexo e amor, são passos da estrada da vida e interagem um com o outro mas para que isso aconteça derivam sempre de nossa conduta mental e da moral que tenhamos adquirido.
          Oremos por todos, para que a conduta sexual seja sempre a que dignifica não só ao ato em si, mas aos que ali, entrelaçados corpóreamente, estejam a nutrirem-se consciencialmente, não na feitura carnal, mas da vivenciação do sentimento alteado do Amor.
O Vigiar, que Jesus nos ensina, vale muito nessa hora."
Rio de janeiro, 05 de setembro de 1999.
Evandro

(Mensagem recebida por este amigo de vocês, já há alguns anos, ditada sob a presidência de Hermes, o Espírito que me ajuda até hoje, mas de autoria de Evandro, um Espírito imperfeito que padeceu sob o estado viciado da Sexolatria e do Sensualismo.”
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 11 de Maio de 2012, 03:33
Mano Hamilton,
a ti escrevo no mesmo teor que a outro já escrevi antes e hoje.
tomas a letra pelo que ela diz, sem te importares com o fundo.Notas que ao final, descrevendo as imperfeições morais, logo, ecos do excesso, o Espírito fala na sensualidade?
Ora, se trata dos excessos fala também do excesso no uso desta viciada e virótica sensualidade, esta sim promove o excesso no uso e se torna em mal, virando sensualismo.
abração mano.
Moura

Está faltando interpretação nesta questão, meu caro. Se Kardec se refere como vírus e chagas da humanidade mesmo a sensualidade que começa nas primeiras fases da infância, logo ele está se referindo à sensualidade nos menores graus, seja ela qual for - e não somente quanto ao seu excesso.

Se isso não estiver claro, por favor, apresente argumentos melhores que os de Kardec.





Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 11 de Maio de 2012, 16:07
Sim, mano Hamilton, está mesmo a faltar interpretação.
Abraços,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 11 de Maio de 2012, 16:30
Citar
já a sensualidade é um atributo de qualquer Espírito e que, qualquer Espírito pode ou não usar.

Isso é um entendimento muito equivocado seu, Moura, e, em nenhum lugar, a Doutrina nos afirma isso. Muito pelo contrário - afirma que a sensualidade é um defeito, uma chaga da humanidade, uma paixão etc, mas em lugar algum afirma que é um atributo do espírito uma vez que isso iria contra todas as leis de Deus.

Fui buscar na Doutrina afirmações contrárias ao que você disse, e, se ainda restar alguma dúvida, por favor, não dê a sua opinião pessoal, mas traga uma afirmação melhor dentro da Doutrina Espírita.


Eis o que a Doutrina nos ensina sobre a sensualidade. Faltou ainda a Revista Espírita e o Evangelhos Segundo o Espiritismo. Fora que não procurei pelos termos sensual e sensualista que são palavras genéricas da sensualidade.




O Livro dos Médiuns, Cap XX)

"Se o médium é vicioso, em torno dele se vêm grupar os Espíritos inferiores, sempre prontos a tomar o lugar aos bons Espíritos evocados. As qualidades que, de preferência, atraem os bons Espíritos são: a bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor do próximo, o desprendimento das coisas materiais. Os defeitos que os afastam são: o orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria."



O Livro dos Médiuns, Cap IV

"Nos Espíritos moralmente adiantados, é mais sutil e se aproxima da dos Espíritos elevados; nos Espíritos inferiores, ao contrário, aproxima-se da matéria e é o que faz que os Espíritos de baixa condição conservem por muito tempo as ilusões da vida terrestre. Esses pensam e obram como se ainda fossem vivos; experimentam os mesmos desejos e quase que se poderia dizer a mesma sensualidade. Esta grosseria do perispírito, dando-lhe mais afinidade com a matéria, torna os Espíritos inferiores mais aptos às manifestações físicas."




Introdução do O Livro dos Espíritos:

"Ensinam-nos [Os espíritos] que o egoísmo, o orgulho, a sensualidade são paixões que nos aproximam da natureza animal, prendendo-nos à matéria; que o homem que, já neste mundo, se desliga da matéria, desprezando as futilidades mundanas e amando o próximo, se avizinha da natureza espiritual; que cada um deve tornar-se útil, de acordo com as faculdades e os meios que Deus lhe pôs nas mãos para experimentá-lo; que o Forte e o Poderoso devem amparo e proteção ao Fraco, porquanto transgride a Lei de Deus aquele que abusa da força e do poder para oprimir o seu semelhante."


Note que aqui ele classifica a sensualidade como um vício gerador das paixões vis e degradantes.


Livro dos Espíritos Cap III

"Quando encarnados, os seres vivos que eles constituem se mostram propensos a todos os vícios geradores das paixões vis e degradantes: a sensualidade, a crueldade, a felonia, a hipocrisia, a cupidez, a avareza sórdida. Fazem o mal por prazer, as mais das vezes sem motivo, e, por ódio ao bem, quase sempre escolhem suas vítimas entre as pessoas honestas. São flagelos para a humanidade, pouco importando a categoria social a que pertençam, e o verniz da civilização não os forra ao opróbrio e à ignomínia."



Aqui está bem claro. Note que os espíritos afirmam que a sensualidade não é nenhum atributo do espírito, uma vez que, se os espíritos tomam caminhos que DESDE O COMEÇO exime da sensualidade, logo, evidentemente, que a sensualidade não é, e nunca foi, um atributo do espírito.


261. Nas provações por que lhe cumpre passar para atingir a perfeição, tem o Espírito que sofrer tentações de todas as naturezas? Tem que se achar em todas as circunstâncias que possam excitar-lhe o orgulho, a inveja, a avareza, a sensualidade, etc.?

“Certo que não, pois bem sabeis haver Espíritos que desde o começo tomam um caminho que os exime de muitas provas. Aquele, porém, que se deixa arrastar para o mau caminho, corre todos os perigos que o inçam. Pode um Espírito, por exemplo, pedir a riqueza e ser-lhe esta concedida. Então, conforme o seu caráter, poderá tornar-se avaro ou pródigo, egoísta ou generoso, ou ainda lançar-se a todos os gozos da sensualidade. Daí não se segue, entretanto, que haja de forçosamente passar por todas estas tendências.”




694. Que se deve pensar dos usos, cujo efeito consiste em obstar à reprodução, para
satisfação da sensualidade?

“Isso prova a predominância do corpo sobre a alma e quanto o homem é material.”



701. Qual das duas, a poligamia ou a monogamia, é mais conforme à lei da
Natureza?

“A poligamia é lei humana cuja abolição marca um progresso social. O casamento, segundo as vistas de Deus, tem que se fundar na afeição dos seres que se unem. Na poligamia não há afeição real: há apenas sensualidade.”




Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 11 de Maio de 2012, 16:36
Mano Hamilton,
qual a dificuldade em entender-se que os Espíritos Superiores estão a tratar do excesso de uso ou no uso da sensualidade, como se pode antever mesmo do que você trouxe:
"Ensinam-nos [Os espíritos] que o egoísmo, o orgulho, a sensualidade são paixões que nos aproximam da natureza animal.
Se são paixões, para começo já se sabe que são EXCESSOS. Logo, falamos em sensualismo.
Abraços,
Moura
Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/sexualidade/sexo-com-anticoncepcionais-conciliado-ao-amor/75/?action=post;num_replies=76#ixzz1uZl0pznN
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: HamLacerda em 11 de Maio de 2012, 16:45
Não há nenhuma dificuldade, Moura, e, talvez, seja por isso que você não está fazendo o menor  esforço para compreender.

Aliás, eu encerro aqui, porque se as pessoas não estão se importando com o que diz a Doutrina, muito menos irão importar com minhas palavras.






Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 11 de Maio de 2012, 16:47
Falou meu mano, Hamilton,
na verdade a cada vez que venho a responder, antes revejo a doutrina, pois mantenho o livro aberto em minha frente.
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 11 de Maio de 2012, 17:41
Ham Lacerda, peço-te implorosamente que não abandones a discussão. Você veio em nosso socorro, corrigir algumas falhas que estávamos a cometer, e pode ajudar a nos entender quanto às palavras. Sim, porque não nos entendemos, por não atribuirmos o mesmo valor às palavras.

Não foi nossa intenção, Lacerda, detratar a doutrina, separando a palavra sensualismo, da palavra sensualidade. A primeira, realmente, não aparece nas obras básicas, eu confesso que não lembro. Mas atualmente, consideramos que a sensualidade apresenta-se de duas formas no homem, na sua condição natural, e na sua condição de abuso. Por isso a atitude arbitrária de separar as ideias das palavras.
Mas se as palavras não estão sendo bem usadas, ajude-nos melhorar nesse aspecto!

Você, no entanto, vê a sensualidade como um mal que deve combatido. Oras, compreendemos perfeitamente o teu embasamento.
O problema é: teria o codificador se enganado, ou entrado em contradição, ao dizer que as paixões podem ser perigosas ou úteis, na questão 909? Será que não cabe uma outra ótica de interpretação, ao sentido pernicioso que se atribui à palavra "sensualidade"?

Já que chegamos até aqui, vamos até o final! As pessoas que entram no tópico, querem saber se o sexo pode ser praticado para propósitos alheios à reprodução, e não merecem ficar sem resposta.
Note que nem uma coisa, e nem outra é dita na codificação. Temo que perseverar, parar encontrar uma solução, ao menos razoável. Se cada um apenas falar o que "acha", ou o que "sabe", não vamos evoluir. Isso não nos tornará mais aptos a instruir , esclarecer ou consolar.

Abraços!









Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 11 de Maio de 2012, 17:46
Danilo mano,
não ponhas assertivas em minha boca.
Não disse que era, disse sim que o sensualismo, mesmo não sendo enquadrado no campo das paixões, pode ter seu uso viciado por uma paixão, tornando-se neste caso, tal como uma delas.
Uma coisa é uma coisa, outra coisa é outra coisa mano!
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 11 de Maio de 2012, 17:58
Moura, então retiro o que disse sobre ter concordado. Me iludi que isso tivesse acontecido. Mas posso indicar o que não está claro?

Citar
Sensualismo, não se enquadrada no campo das paixões,

O que se enquadra no campo das paixões e porque, e o que não se enquadra no campo das paixões e por que?

Citar
mas pode ter seu uso viciado por uma paixão

Qual paixão?





Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 11 de Maio de 2012, 18:24
Mano Danilo,
as paixões são os excessos da vontade que o Espírito pode ter em vida ou desencarnado.
Assim, aquele que morre sexólatra, assim continua no Éter;
Quem desencarna usurário, também e por ai vai .
Aqueles então, que por extensão, foram sensualistas, ou seja usaram da sensualidade em patamar viciado, continuarão sensualistas na vestimenta espiritual.
Paixão não tem outro nome do que este. As variedades é que são de origens variadas.
Abração,
Moura
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Danilo Henrique em 11 de Maio de 2012, 19:07
OK Moura, é melhor a gente não escapar do tema em discussão.
Cadê o Ham?
Título: Re: Sexo com anticoncepcionais conciliado ao amor
Enviado por: Mourarego em 11 de Maio de 2012, 19:09
O mano Hamilton deve estar a esfriar a cabeça.Abração,
Moura