Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Sexualidade => Tópico iniciado por: Régis Franco em 10 de Setembro de 2010, 21:31

Título: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Régis Franco em 10 de Setembro de 2010, 21:31
Olá amigos,

Li muitas vezes nesse fórum, e em várias outras literaturas, sobre o redirecionamento da energia sexual para a caridade.

Porém, não entendo como isso funciona. Teoricamente parece que praticando o bem e a caridade os desejos sexuais diminuem. Porém, na prática, parece não fazer sentido.

Alguém consegue elucidar essa questão?

Agradeço de antemão!

Régis
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 10 de Setembro de 2010, 22:22
Há uma qestão no L.E., que não dizendo de frente para a tua colocação mano Régis, explica bem o tema:
"721. A vida de mortificações no ascetismo tem sido praticado desde toda a Antiguidade e nos diferentes povos; é ela meritória sob algum ponto de vista?
– Perguntai a quem ela aproveita e tereis a resposta. Se não serve senão ao que a pratica e o impede de fazer o bem, é egoísta, qualquer que seja o pretexto sob o qual se disfarce. Submeter-se a privações no trabalho pelos outros é a verdadeira mortificação, de acordo com a caridade cristã."
Primeiro vejamos o que é ascetismo:ascetismo
"as.ce.tis.mo
sm (asceta+ismo) 1 Moral filosófica baseada no desprezo do corpo e das sensações corporais, e que tende a assegurar, pelos sofrimentos físicos, o triunfo do espírito sobre os instintos e as paixões; asceticismo. 2 Profissão de vida ascética; ascese."

Sendo assim entende-se que seja uma mortificação ou seja uma pensa imposta por nós a nós mesmos.
O que se quer compreender, é se a privação de uma atuação comum á organização fisiológica, e comum ao estágio em que estejamos enquanto Espíritos, é bem vista aos olhos de Deus. A resposta dos Espíritos Superiores vem esclarecer este ponto.
mas entremos no âmbito desse tal redirecionamento da energia sexual...
Sabem que pode fazer isso, no nosso estágio e em mundos como o nosso? Ninguém!
Não me venham, falar em Chico, por favor, parece que chico é que nem nota de um real, todos têm, mas por favor a opção foi dele, que já não tinha desde criança essa vontade, isso dito por ele mesmo em entrevista na TV.
Ora então que mortificação é esta que não faz sentir a quem a tem como instrumento de purificação, dor alguma, sofrimento nenhum?
É parar para se pensar...
O ser humano tem na atividade sexual ainda hoje a grande válvula de escape para muitas preocupações. A energia sexual, é ainda um fator predominante entre as qualidades de energia que o ser encarnado possui. Há o ser encarnado de saber utilizá-las do melhor jeito possível. Sem excessos.
Redirecionar algo que nem bem ainda se entenda em seu âmago, é querer dar nó em pingo d'água não é mesmo?
Ainda mais, se tal ação consta como uma mortificação, uma expiação que nós nos fazemos dar azo, em que tal mortificação faz ou trás bem ao próximo?
Nesse ponto faz-se necessário remetermos à resposta dada acima pelos Espíritos superiores: "(...) Se não serve senão ao que a pratica e o impede de fazer o bem, é egoísta, qualquer que seja o pretexto sob o qual se disfarce(...)".
Notem não são palavras minhas mas dos Espíritos Superiores que as tomo por empréstimo.
Em suma, não tem nenhuma razão de ser tal pensamento ou prática.
abraços,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: mecame em 10 de Setembro de 2010, 22:44
Ora, se as energias hormonais ligadas ao sexo ficam dispersas porque não estão sendo utilizadas pelo ato sexul ou pela masturbação e se acumulam, quem disse que elas se transformam em energia para a caridade? Irmãos, toda energia que o corpo produz e que não é consumida pode atuar em muitos outros lugares do corpo ou da mente. E a colocação do LE é apenas para elucidar a pergunta que foi feita por Kardec. A questão é se haveria algum proveito ao que se abstem do sexo para praticar a caridade e, o espírito dá esta resposta, mas em nenhum momento o espírito diz que tal energia não utilizada poderia transformar-se em caridade. Porque nossas energias orgânicas sempre se convertem de acordo com as nossas energias mentais. A paz de Cristo a todos.
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2010, 16:30
A coisa da energia é mais simples do que somar dois com dois:
Energia é o todo que nos envolve e do qual também fazemos parte.
A forma, densidade, qualidade, quantidade que empregamos numa ou noutra forma que o Espírito quer dar a parte dela é que vai se diferenciando quer pelo uso a ser dado, quer pela qualidade que haja de conter depois de manipulada pelo Espírito.
Simples assim.
abraços,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: marcelloslr em 12 de Setembro de 2010, 01:04
Boa noite a todos!

Acredito que os exemplos de vida que nos foram passados por grandes espíritas, como Chico Xavier, onde o sexo deixou de ser ou nunca foi um desejo, deve, como qualquer outro de seus ensinamentos iluminados, ser estudado e, enquanto não chegarmos a este grau de desenvolvimento espiritual, ser admirado.

A canalização de energias sexuais seja para a caridade, para o estudo ou para o trabalho, vai ser tanto maior quanto mais livres dos desejos carnais formos nos tornando.

As nossas atitudes e o nosso comportamento, como nos ensina o Espiritismo, vão depender do grau de evolução ou desprendimento material de cada um.

Portanto, de nada vai adiantar impor a nós mesmos um regime de abstenção sexual, total ou parcial, se tais energias não forem sendo redirecionadas, naturalmente, para outras necessidades que possuamos.

A abstenção sexual não é algo a ser perseguido... em hipótese alguma! Assim como uma criança que deixa de usar chupeta, na medida em formos evoluindo, o sexo deverá ir perdendo sua importância como fonte de satisfação.

Assim sendo, enquanto o sexo estiver constando entre os desejos terrenos de uma pessoa, que ele seja feito com alguém que se ame e sem excessos, caso contrário, ele será apenas mais um vício a nos impedir o crescimento espiritual.

Marcello SL

Encare cada novo dia como uma página em branco do livro sobre sua vida!
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mirina em 12 de Setembro de 2010, 02:14
Concordo com os amigos,

se o individuo nao sente o desejo sexual, entao nao existe sacrificio, e ai nao se canaliza nenhuma energia.
Se o sujeito sublima este desejo, e tenta canalizar esta energia para outras atividades, mesmo que por pequenos periodos, pode estar gerando um strees fisico e mental que nao podera deixa-lo canalizar energias positivas para nada.
Entao fico com o equilibrio como a resposta para questao.
No momento em que estou trabalhando pelo proximo, nao e hora de pensar em sexo.  No momento em que estou fazendo sexo, preciso elevar os pensamentos alem da materia, elevar aquele momento para uma vibracao de amor sincero e verdadeiro.  Ai sim estarei usando da maneira correta todas as energias que dispomos, e nos foram concedidas pela providencia divina.

Abs,

Mirina
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Antonelli em 12 de Setembro de 2010, 16:04
Caros Amigos,
Transcrevo aqui um trecho do livro "Forças Sexuais da Alma" de Jorge Andréa,que trata deste assunto com excepcional profundidade,embora seja denso e complexo.Porém é leitura obrigatória para quem deseja conhecer um pouco mais deste fascinante tema.
"O sexo bem dirigido (tendência à monogamia,ou castidade construtiva) é sinônimo de ascensão,de conquista evolutiva.O sexo mal dirigido (tendência à poligamia ou renúncia sem sentido,sem aplicação das energias acumuladas nos setores de construtivas atividades) é desarmonia e motivo de queda. Não é a renúncia e a ausência de sexo físico que eleva.O sexo deve ser observado e equilibradamente utilizado nas fases da vida.Mesmo quando não há mais necessidade do contato sexual,este continua presente,desenvolvendo funções mais altas e com maior significado-a fase física foi suplantada.A castidade quando alcançada deverá ser sempre observada sem tormentos,em qualquer fase da vida.Quando na organização física suplantamos todas as fases do sexo,em suas harmoniosas vivências,atingiremos,na posição espiritual,degraus mais significativos,para nós desconhecidos,de uma fase supersexual.
Nessa fase superior de emoções mais nobres,caracterizando uma supersexualidade,as correntes energéticas ligadas aos ajustados implementos sentimentais do espírito expandiriam-se em paroxismos desconhecidos aos sentidos animais ainda rudes;e o ser,mais bem fixado,compreenderá que na fase animal não podemos nem devemos correr o risco de impor uma castidade sem sentido,onde os tormentos da mente estarão sempre presentes".
Muita Paz
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 19 de Outubro de 2010, 21:18
Meus amigos,
deixem-me tomar do seu tempo para mostrar algumas coisas que os farão, por certo verem com mais abrangência a exposição transcrita desse treco do livro do meu mano Jorge Andréa.
ele nos vem mostrar na obra "As forças da Alma", a idéia da energia sexual e de como ser bem utilizada.
Nos fala em energias, quando eu lhes proponho um pensamento com o vocábulo "energia" descrito no singular, daí a primeira indagação que muitos teriam: Por que?
A resposta é simples: Energia é uma só, tal como a magia, que não existe preta e branca, torna-se assim, numa ou noutra cor, pela ação que se lhe dá o mago, apenas isso.
A energia também é uma só, todavia se a pode tomar em várias atividades, formas, maneiras e teor.
Do mais impuro, à mais purificada, na visão mais materialista, á visão mais religiosa, contudo tratamos da mesma energia. ela se modifica, ante a ação que tenha de ser desenvolvida, e assim temos a energia transferida ás lâmpadas de todas as categorias, ao nossos computadores, ao aparelhos usados na medicina e mesmo dentro de algumas pesquisas Espíritas-cientificas.
A energia que o Jorge toma para exemplo é psico-física, ou se quiserem mento-física. Psico-física, porque vai de encontro à organização psicológica do ser encarnado, oriunda da moralidade que tenha adquirido o Espírito que a utilizará, e física porque encontra-se em relação com as forças que o corpo num dizer genérico, faz veicular.
Neste processo, o Espírito segundo sua moralidade, envia à mente a vontade, que se espraia na necessidade na relação sexual. até ai tudo bem, diriam muitos mas mesmo ai, em se tratando das aquisições atribuídas ao Espírito, havia uma extensa gama de energia modificada a cada um desses Espíritos não é mesmo?
dessarte, já vemos que a mesma energia utilizada pelo Espírito, num trabalho qualquer, é a mesma que pelo mesmo Espírito é enviada à outra arregimentação orgânica, via impulsos cerebrais, dando a esta, o Espírito conquanto a experiência a ser verificada pelo corpo somático.
Ora, o que modificaria o teor dessa energia? O ESE nos responde: "A intenção."
Quando a ação é puramente sexual, embora exista um forte componente moral a ser observado e obedecido, se tal ação virá  de uma proposição do casal que se ama e se respeita, ela se dá diante dos componentes de pureza moral que ambos tenham adquirido. É simples não?
O termo castidade empregado então por Jorge Andréa, não está ligado a uma das quatro explicações contidas no verbete "casto" que encontramos no dicionário.
Para mostrar melhor transcrevo do Michaelis, tal verbete:
"casto
cas.to
adj (lat castu)
1 Que se abstém de atos contrários à modéstia, ao pudor ou à pureza.
2 Que se abstém de quaisquer relações sexuais.
3 Puro.
4 Estreme, não misturado, sem mescla."
Como estamos explicando em conjunto com o que nos descreve o mano Jorge, haveremos de tomar apenas um desses pontos que o verbete ensina não é mesmo?
A mim soa melhor, o de número três. simplesmente "puro".
Quando alguém se dispõe ao sexo dentro dos ditames do amor purificado, mesmo que seja este ao qual nós estejamos aptos a compreender e praticar, que não é o mesmo que os Puros Espíritos têm por ação, e aqui falo do amor), há de estar ligado a um momento de sublimação de qualquer pensamento que não esteja dentro de tais parâmetros. Sendo assim mesmo ainda que Espírito imperfeito, está sublimando más tendências que alguns ainda mantém perenes mesmo quando estão a se relacionar sexualmente. só assim se comete a ação dentro da pureza.
Como vemos, o vocábulo "casto"não quer dizer apenas o que se abstém do sexo, mas sim e quer indicar Jorge Andréa, aquele que mantém relação sexual dentro dos limites da moral, respeito e pureza, o que em outras palavras seria explicado pelo vocábulo amor.
Quando não há mais a necessidade do contato sexual, e não acredito que exista essa situação dentro de nosso orbe, senão por exceção, o equilíbrio ante esses aspectos que relacionei acima deve ser mantido, já que tudo para uma vida mais saudável, plena e sadia deve ser equilibrado.
Abraços,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mirina em 21 de Outubro de 2010, 02:11

Muito inspirado e esclarecedor Moura,

Obrigada,

Mirina
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Martyn Stubbs em 29 de Novembro de 2010, 04:42
Fundamentos científicos da transmutação sexual

http://www.gnosisonline.org/tantrismo/fundamentos-cientificos-da-transmutacao-sexual/


Esse link fala mais de Energia Sexual do que Caridade... mas já é um começo  8)
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: filhodobino em 02 de Dezembro de 2010, 10:49
Enganam-se lamentavelmente quantos possam admitir a incontinência sexual como regra de conduta nos planos superiores da Espiritualidade.
Médiuns que tenham observado as regiões de licenciosidade, ou desencarnados que a respeito delas venham a traçar essa ou aquela notícia, reportam-se apenas a lugares naturalmente inferiores, extremamente afins com a poligamia embrutecente, por mais brilhantes se lhes externem as conceituações filosóficas.
        Nos planos enobrecidos, realiza-se também o casamento das almas, conjugadas no amor_puro, verdadeira união esponsalícia de caráter santificante, gerando obras admiráveis de progresso e beleza, na edificação coletiva, e quando semelhante enlace deva ser adiado, por circunstâncias inamovíveis, os Espíritos de comportamento superior aceitam, na Terra, a luta pela sublimação das forças genésicas, aplicando-as em trabalho digno, com abstenção do comércio poligâmico, tanto mais intensamente quanto mais ativo se lhes revele o esforço no acrisolamento próprio.
        Aliás, cabe considerar que na renúncia_construtiva a que se entregam, na expectativa, às vezes longa, do amor que os integrará na complementação desejada, encontram, no serviço aos semelhantes, preciosas oportunidadesde burilamento e progresso, acentuando em si mesmos os altos valores da cultura e da emoção, que lhes propiciam gozos íntimos dos mais alevantados e mais puros.

[56 - página 185] - Pedro Leopoldo-MG, 25/5/1958
[56] EVOLUÇÃO EM DOIS MUNDOS - Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira – André Luiz 20ª edição. *
Saúde e Paz!
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 02 de Dezembro de 2010, 14:45
Doutrina mano Filho do Bino, Doutrina!!!
Trazer uma página dessas para corroborar doutrina é apenas dar à uma opinião pessoal vínculo doutrinário o que não perfaz verdade alguma.
Veja que num dos parágrafos a dupla de médiuns trás:
"(...) na Terra, a luta pela sublimação das forças genésicas, aplicando-as em trabalho digno, com abstenção do comércio poligâmico".
Quando sabemos que só há poligamia se houve antes alguma união esponsalícia.
Na fase de solteiros, não pode existir poligamia, não há um ordenamento quer jurídico, quer moral que obste tal cometimento aop homem ou a mulher.
Já no plano etérico mesmo nas regiões mias elevadas não há uniões esponsalícias, esta idéia trás apenas uma imagem desfocada do que seja a união de Espíritos afins.
Ou seja, unem-se estes por primarem da mesma moral e convergência de sentimentos no bem geral. Tal fato porém não iguala este cometimento, muito diferente e mais moralizado do que a mera união esponsalícia que conhecemos em nosso mundo.
Abração,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: HealTheWorld em 15 de Dezembro de 2010, 14:07
Boa tarde,

No meu ponto de vista, não vejo qualquer problema na opcção de uma determinada pessoa, redirecione a condição fisiologica que é a questão sexual, e canaliza-la para outro âmbito! Segundo não sei qual é o problema, amigo Mourarego, tomar-mos exemplos de Chico Xavier, Divaldo Pereira Franco, ou mesmo Mahatma Gandhi ( que em certa altura da sua vida também, sentiu necessidade de canalizar essa energia, num outro patamar, como caridade e questões políticas). Obviamente que nem todos nós, estamos preparados para tais mudanças, pois isto implica um profundo auto-conhecimento, entre outros factores.
Encaro esta opcção com a mesma naturalidade, como encaro o sexo, enquanto lei divina, que deverá ser vivênciada na sua plenitude.

Abraços faternos.

Luís Gomes
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 15 de Dezembro de 2010, 15:44
Mano Heal,
energia é uma só, conduzida, reforçada, endereçada pelo pensamento de quem a usa.
Logo, falar-se em energia sexual, por si só já é um erro.
A questão sexual é um tema bem distante do tema da energia, embora exista só porque existe a energia.
A questão sexual é propriedade do livre arbítrio do Homem, tomada certa ou erradamente. Já a energia, embora tenha como repositório o ser encarnado, é uma e única, e vai obedecer aos reclamos que o Espírito fizer, seja qual o fim que ela haja de ter.
Não vou entrar em detalhes sobre o fim que Chico ou Divaldo dêem a energia que canalizam para a sexualidade, pois, como disse, é problema do livre arbítrio deles.
Abração,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: HealTheWorld em 15 de Dezembro de 2010, 16:03
Caro, amigo Mourarego

Uma pequena correcção, não citei que a energia emanada no acto sexual, era uma energia à parte ou diferente. Como é óbvio, só existe um tipo de energia, se não ficou claro muitas desculpas, mas este tipo de tema é bem mais amplo e profundo, para expor meia dúzia de ideias.


Abraços.
 
Luís
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 15 de Dezembro de 2010, 16:08
Todo este tema, amigo Heal,
está intimamente ligado a edificação moral dos Espíritos.
Concordamos que energia é uma só, mas a vontade que eu carrego pode ser diferente da sua e é isso que nos mostra o grau e qualidade de cada Espírito, segundo a codificação.
Esses temas costumam se estenderem por muitas laudas apenas porque não reconhecemos essa pequena mas importante noção que a obra básica nos trás.
Abraços,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: HealTheWorld em 15 de Dezembro de 2010, 16:17
Não encontro nenhum ponto de vista, contrario à tua exposição, muito menos no que diz respeito ao Livro dos Espíritos. Aliás o livro dos espíritos é bem claro (como em todas as temáticas), é um ponto que penso estar bem esclarecido.
Curioso que o fim de semana passado, tive oportunidade de assistir a uma excelente palestra sobre o tema sexo,  no contexto, de como o ser humano deverá encarar, e agir.

Abraços.
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 15 de Dezembro de 2010, 16:34
Sabe mano Heal,
eu acredito que em tempos como os que passamos, esse tema deva ser objeto de muitas palestras.
É que o reboliço moral pelo qual passa a Terra vem por causa do processo de progresso em que ela está vivendo e é então que as forças ignorantes ainda queiram segurar seus seguidores e por isso este tema se torna muito importante.
Abração,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: HealTheWorld em 15 de Dezembro de 2010, 16:47
Concordo plenamente, com o que disses-te, fiquei exactamente com esse pensamento pendurado, após o encerramento da palestra. Quantas mais palestras serão necessárias, nos demais centros, para que as pessoas possam ser esclarecidas devidamente, já nem falo no contexto das mudanças que se operam, como falas-te correctamente. O mais significativo que tirei desta palestra é a quantidade de informação que precisa de ser formatada no nosso psiquismo, de ordem religiosa, cultural, o ser humano ainda vive impregnado em muito preconceito e ignorância (concerteza fruto conhecimento adquirido no nosso sumatório de vidas ). Devemos rapidamente formatar tudo aquilo que nos prende e não nos liberta.

Abraços.
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Mourarego em 15 de Dezembro de 2010, 16:51
Exatamente mano Heal!
A função das palestras não é a de vomitar verdades absolutas, mas sim a de trazer elementos que nos favoreçam a darmos mais foco às nossas conclusões.
Quando fazemos isso tomando por base o que a doutrina estabelece, andamos mais depressa e consecutivamente, as cosas vão ficando mais claras para nós.
Vê-se então que muitos dos nossos palestrantes esquecendo-se disso, procurar empurrar-nos de goela abaixo as suas verdades e ai, mas das vezes perdemos todos.
Abração,
Moura
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Jardel Morais em 23 de Abril de 2011, 00:32
É algo complexo mesmo, muito difícil de vencer e controlar, para nós espíritos ainda não evoluídos....
Tem um conteúdo de uma palestra promovida pelo IRC-Espiritismo no endereço: http://ceacs.wordpress.com/temas/comportamento-humano/sexualidade/
que vale a pena dar uma lida... Abraço a todos!
Título: Re: Redirecionamento da energia sexual para a caridade
Enviado por: Conforti em 27 de Junho de 2011, 00:00
          Regis Franco  (ref #0) e Mourarego   (ref #1).
         
          Amigos,
          Apenas lembro, aqui, duas coisas: uma acerca da energia sexual e do poder do amor; outra, acerca do ascetismo.
         
          - a energia sexual é, em nosso mundo, uma das mais poderosas forças; isso foi reconhecido, inclusive, por sábios autores de livros bíblicos pois, após a criação, a primeira recomendação atribuída ao Criador de todas as coisas foi: “crescei e multiplicai-vos”.
          Certamente, mais poderoso do que essa força, é o sentimento de amor, tão enaltecido por Jesus e Paulo, como a mais excelsa das virtudes.
          Não me refiro a esse sentimento de amor/afeto, amizade, admiração, respeito, cumplicidade, identificação, dependência, atração, necessidade; refiro-me ao amor/Amor, só encontrado naqueles que conheceram a verdade que liberta de todas as amarras e dependências que nos prendem à vida e ao mundo. Esse é, na verdade, o verdadeiro amor, o genuíno, que não necessita da análise das conseqüências ou das condições para se tornar ação; não necessita de vontade ou esforço; é espontâneo e natural. Esse é o verdadeiro amor, sentimento ainda desconhecido pelo mundo, e que torna, quem o possui e o manifesta, rico de felicidade, mesmo que lhe custe sofrimentos ou a perda da vida. Como dizem os que o experimentaram, com a cessação das ilusões com que interpretamos a vida e, a ela e a seus atrativos nos prendemos, desperta-lhes, ao perceberem a realidade de sua verdadeira identidade, um amor quase insuportável pelos semelhantes. Compreendem, então, que estes necessitam de conhecer aquela verdade que eles já conhecem e, muitos, por toda vida, até que a morte lhes cerre os lábios, tentam apontar o caminho que eles mesmos já trilharam.
         
          - quanto ao ascetismo, sua interpretação necessita de ser repensada. O verdadeiro asceta é aquele que, depois de observar a totalidade da vida, o mundo e o sofrimento dos homens; depois de perceber que ciências, psicologias, filosofias e crenças não têm a solução para o sofrimento, tenta encontra-la, não através de dores provocadas em si mesmo, desprezando o corpo como coisa inútil, mas buscando-a dentro dele mesmo. É, portanto, a busca, não do sofrimento físico, com alguns entendem, mas da libertação e do fim da incerteza e da ignorância.
          Buscam, investigam, comparam, questionam a vida em todos seus níveis, dos miseráveis sofredores, humanos ou não, aos poderosos aparentemente envoltos em felicidade; dos efeitos das tragédias naturais, às desditas produzidas pelo homem; e, compreendendo, afinal, que o fim dos sofrimentos não é oferecido, senão de modo efêmero, nem pela saúde, nem pela riqueza, pelo poder e prestígio, pelas alegrias, aventuras, desejos e ideais concretizados, honestidade, satisfação de necessidades de qualquer natureza, vícios e sexo, nem em afetos de toda espécie, ou pela pratica de sacrifícios por amor ao próximo, mergulham neles mesmos, ensimesmando e meditando.
          Esse trabalho, eventualmente, os leva a ver que a solução está aqui mesmo, junto a todos, como uma imensidade que tudo permeia e que, incessantemente, a todos chama. Percebe-a, mas ela lhe escapa, pela perturbação nascida dos movimentos da vida, dos ruídos das cidades, das atenções aos semelhantes, dos toques do telefone, do barulho dos motores, do alarido. Então, como um ladrão ambicioso, que sabe que atrás da parede a sua frente, está aquele tesouro que, mesmo inconscientemente, sempre desejou, e na impossibilidade de derrubá-la, se desespera, fere as mãos nas tentativas infrutíferas, mas não desiste: a solução para todos os problemas do mundo está ali, ele já sabe, bem perto dele.   
          Então se aparta do movimento e dos ruídos, da confusão e se isola na busca do silêncio e da tranqüilidade, onde está a estreita porta para a luz. Eventualmente e, como o corisco que, inopinadamente, corta o céu, lhe vem a libertação de todas as algemas e, como disse Jesus, com o amor que daí nasce, cobre a multidão dos pecados. Assim, outro sábio se referiu a essa empresa, afirmando: “cada homem que se liberta, elimina o ódio de milhões”. Aquilo que, de início, para alguns desavisados se afigurara nada mais que egoísmo, se transforma em doação total ao mundo, verdadeira ascese do espírito. 
.....................................