Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Sexualidade => Tópico iniciado por: Carlos Ribeiro em 10 de Setembro de 2009, 19:21

Título: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 10 de Setembro de 2009, 19:21
O que dizer quando num casal um dos membros procura relações extra-conjugais para satisfazer seus caprichos? Será que em algum caso é licito a prática do adultério? Em que casos? E que consequências espirituais irá ter aquele que pratica o adultério?
Um caso para discutir e reflectir...
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: demis em 10 de Setembro de 2009, 19:41
 Para mim é crime moral!
nada justifica o adultério e segundo a Lei da Causalidade sofreremos as consequencias do adultério.
 Muitas das vezes o adultério dá-se por o companheiro/a não realizar algumas das nossas fantasias  ;D.
 É o que eu penso dessa atitude deplorável...

demis
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 10 de Setembro de 2009, 19:44
Citar
Para mim é crime moral!
nada justifica o adultério e segundo a Lei da Causalidade sofreremos as consequencias do adultério.
E que consequências são essas que iremos sofrer, Demis? Iremos sofrer muito no mundo espiritual quando desencarnarmos? De que genero de sofrimentos serão esses?
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: demis em 10 de Setembro de 2009, 20:07
 O que sofreremos as consequencias de violação da Lei e talvez no futuro teremos que reparar o mal feito,talvez vivendo com a pessoa que traimos outrora e que possivelmente sofreremos o que fizemos sofrer....
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Setembro de 2009, 20:15
Está em Exodus 20;1.1

Exodo 20;1.1
[7]Não adulterarás.

[10]Não cobiçarás a casa do teu próximo, não cobiçarás a mulher do teu próximo, nem o seu servo, nem a sua serva, nem o seu boi, nem o seu jumento, nem coisa alguma do teu próximo.

Sim, além de ir na marginalidade à Lei de Deus, toda moral, essa incorreção moral, avilta mais a quem a comete de a quem ela é arremetida.

Nada há que justifique um ato baixo e vil, feito as escondidas, na calada da noite.
Se não há mais amor, respeito, vontade no convívio, que se afastem um do outro.
Nesse ponto a obra básica explica que quando, findada toda a possibilidade de recomeço e quando o perigo de atos físicos estiver iminente, mlhor que se processe a separação pois nada há mais de união entre o casal.

Em toda a minha vida advocatícia, tive o cuidado de me pautar sob esse condão, avaliando todas as possibilidades para tentar administrar a questão e, com alegria converti o pensamento de separação havido entre conjuges, em novos recomeços, e desses, recebo até hoje, cartões de natal, fotos de novos rebentos, e sempre acompanhados de dizeres que demonstram a felicidade em que vivam.
Posso dizer sem mentir que dos 100 casos em que atuei, 90% deles converti em vida feliz com o casal junto.
A questão fica mais fácil de ser resolvida quando ainda há amor. Este fator, propicia ao casal, maior resignação com a traição cometida, e um perdão pela falta moral.
Quando porém só o orgulho ferido acampa no lar, quando os ventos do desamor uivam na noite da traição, quando o ódio e o rancor se avizinham pondo em perigo a incolumidade física de algum ou dos dois, melhor separar aquilo que unido não mais está.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: MarcoALSilva em 10 de Setembro de 2009, 20:55

Creio que, como todo e qualquer crime (em Portugal é formalmente delito o adultério?), o adultério é também um ilícito moral, sob pena de não haver legitimidade para a repressão penal.

Além disso, é crime de concurso necessário, ou seja, tanto o cônjuge quanto o amante eventualmente solteiro respondem pelo delito.

No que se refere às consequências espirituais, imagino que, tanto quanto em todos os demais casos de conduta ilícita, o juiz está em nossa própria consciência. O adúltero sofrerá na exata medida de sua compreensão acerca do caráter ilícito de sua conduta (há culturas humanas que vêem o caso de modo diferente e com muito mais tolerância). Enfim, será doloroso (ao menos em tese) para o adúltero assistir a dor moral que provocou, pelo que a reconciliação ou serviço à humanidade em contrapartida serão os instrumentos mais comuns para o seu reequilíbrio diante do desespero pela paz perdida.

É como penso.

Abraços!



Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Setembro de 2009, 21:04
Penso da mesma forma Marco.
Penso mesmo pela reparação pecuniária por danos morais.

Estendendo para outro campo, sobre o divórcio, quero dizer: Agora no Brasil já se pode divorciar sem que antes haja a separação. Uma coisa boa para a celeridade da justiça. Já que em se tratando de pessoas adultas, não havendo mais qualquer possibilidade de volta, para que estagnar uma relação dando azo a brigas maiores?
Até mesmo porque se houver tempos depois nova união entre os mesmos isso pode ser feito sem problema.
Em todos os casos o bom senso do advogado há de existir mesmo que em detrimento de seus ganhos.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 10 de Setembro de 2009, 21:45
Mas imaginemos que num casal um dos dois se recusa a ter relações com o outro. Este outro não passa a ter o "direito moral" de procurar fora aquilo que não tem em casa?
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: MarcoALSilva em 10 de Setembro de 2009, 22:46

Olá Carlos!

Da falência de uma relação não nasce a faculdade de cometer ilícitos.

Se a vida em comum não tiver mais viabilidade, separe-se de direito o que de fato já não mais se une. Depois disso, sim, cada um busque sua vida.

E se o cônjuge continuar amando quem lhe nega a intimidade?

Creio que para amarmos alguém é preciso que nos amemos também. Vezes há em que o bem a quem amamos advém de um remédio amargo. Se a pessoa não mais nos deseja, deixemo-la consigo mesma... Nada estará escrito em mármore. Se os ventos mudarem, as velas podem ser novamente içadas.

Abração!
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Dhan em 10 de Setembro de 2009, 23:09
Olá!

Não vejo nada de errado nas relações extra-conjugais contanto que ambas as partes estejam cientes e em pleno acordo. Somos seres humanos com desejos e necessidades sexuais e é perfeitamente normal que qualquer um, dentro de um relacionamento afetivo, sinta vontade de ter relações sexuais com outras pessoas. O que acontece é que algumas pessoas conseguem, com o tempo, sublimar este desejo (naturalmente ou através da masturbação), porém outras não e essas são as que cometem adultério ou que, possuindo uma mente mais aberta, entram em acordo com o(a) parceiro(a) definindo regras e limites, se assim acharem conveniente, para relações extra-conjugais.

No caso de quem comete o adultério em si, mais irá sofrer nesta ou numa próxima vida aquele que mais acreditar ser este um grande crime ou ato ilícito. Por exemplo, aquele que genuinamente não acredita que fazer sexo com pessoas fora da relação seja um problema e que não se sentiria ofendido, magoado ou traído se seu parceiro ou parceira assim procedesse não irá sofrer ou ter que expiar qualquer coisa.

Abs!

~Dhan
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: MarcoALSilva em 11 de Setembro de 2009, 01:25
Olá!
Não vejo nada de errado nas relações extra-conjugais contanto que ambas as partes estejam cientes e em pleno acordo. Somos seres humanos com desejos e necessidades sexuais e é perfeitamente normal que qualquer um, dentro de um relacionamento afetivo, sinta vontade de ter relações sexuais com outras pessoas. O que acontece é que algumas pessoas conseguem, com o tempo, sublimar este desejo (naturalmente ou através da masturbação), porém outras não e essas são as que cometem adultério ou que, possuindo uma mente mais aberta, entram em acordo com o(a) parceiro(a) definindo regras e limites, se assim acharem conveniente, para relações extra-conjugais.
No caso de quem comete o adultério em si, mais irá sofrer nesta ou numa próxima vida aquele que mais acreditar ser este um grande crime ou ato ilícito. Por exemplo, aquele que genuinamente não acredita que fazer sexo com pessoas fora da relação seja um problema e que não se sentiria ofendido, magoado ou traído se seu parceiro ou parceira assim procedesse não irá sofrer ou ter que expiar qualquer coisa.
Abs!
~Dhan

Respeito o seu ponto de vista, Dhan.

Apenas pondero que (sem pieguisse alguma) um relacionamento deveria sempre pressupor a eleição de um(a) companheiro(a) ad integrum para a vida em comum.

Mas se um casal tem experiências extra-conjugais sob a anuência de ambos, não se vendo aí qualquer ilícito ou dano moral, ninguém mais tem rigorosamente nada a ver com isso. É verdade...

No entanto, o que a experiência da vida vem demonstrando desde sempre é que as coisas até podem iniciar-se dessa forma, mas não costumam manter-se assim --- sempre alguém sai ferido. Na prática ninguém consegue relacionar-se com outrem sem comprometimento, pelo menos não por muito tempo.

A liberdade pode ser exercida, com consciência por ambas as partes. Mas a Vida tem demonstrado que a partir de um certo ponto a liberdade trilha por caminhos minados, através dos quais ninguém tem conseguido seguir sem machucar-se, ou sem machucar mais alguém.

Sem julgamentos moralistas! Apenas pondero com base no que a Vida costuma evidenciar... Acho que estou ficando velho...  ;)

Um grande abraço!
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: B... em 11 de Setembro de 2009, 03:07
Aprendi, recentemente, com a dor que a monogamia foi uma evolução para a humanidade. Bem como que as relações "abertas" não dão certo por muito tempo.

Minha mãe e meu pai sempre foram exemplos para mim, mas ao invés de aprender com o Amor que eles sempre me demonstraram, tive que aprender com a dor, mas não me arrependo não.

Cada um pode achar o que quiser, a vida sempre nos ensina o que devemos aprender.

Nem li o tópico todo não, só estou expondo o que comigo aconteceu.

Abraços. Paz profunda
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Diegas em 11 de Setembro de 2009, 04:07
O que dizer quando num casal um dos membros procura relações extra-conjugais para satisfazer seus caprichos? Será que em algum caso é licito a prática do adultério? Em que casos? E que consequências espirituais irá ter aquele que pratica o adultério?
Um caso para discutir e reflectir...

Olá, Carlos Ribeiro

Gostaria de somar mais uns questionamentos:

- Uma relação extra-conjugal não embute a condição da existencia da traição ?

- Não seria muito mais simples e correto da parte que se propõem a uma traição, que antes de dedicar-se com carinho a esse gesto, procurasse consultar o coração, que demonstrasse honestidade àquele a quem quer trair, mostrando-lhe os motivos da má querencia, de não mais querer compartilhar de seus sentimentos ?

- Ou dever-se-ia fingir que no adulterio não há um componente egoista, que ao invés disso, trata-se de um ato de muita generosidade, premiado de angelitude ?

- Não é muito radical taxarmos de criminosos àqueles que não conseguem se controlar sexualmente ?  Não seria mais adequado que os rotulassemos de forma mais light ou diet, do tipo 'individuos espiritualmente imaturos' ?


 
Abç


Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Jorge em 11 de Setembro de 2009, 10:02
Citação de: Carlos Ribeiro em Ontem às 19:21
"O que dizer quando num casal um dos membros procura relações extra-conjugais para satisfazer seus caprichos? Será que em algum caso é licito a prática do adultério? Em que casos? E que consequências espirituais irá ter aquele que pratica o adultério?
Um caso para discutir e reflectir..."


Olá,

Eu respondo assim: A semeadura é livre mas a colheita é obrigatória!
                           Acção = Reacção

Que acontece ao aluno que devido à sua imaturidade não se aplica no estudo?
Reprova, naturalmente!

Vamos condená-lo?
Não! Vamos ajudá-lo a compreender que se esforçar por cumprir as suas obrigações conseguirá ter o êxito almejado!

O que nos diferencia dos animais?
A capacidade intelectiva! Capacidade para discernir o que é o bem e o mal!

Jesus nos alertou:
"Não faças aos outros aquilo que não querias que te fizessem a ti"

Esta é a verdadeira chave que abrirá as portas da felicidade para a humanidade!
O problema aqui é que nós voltamos costas a esta máxima e a esquecemos de a colocar em práctica.

Abraços.
Jorge
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 11 de Setembro de 2009, 10:48
Citar
O que dizer quando num casal um dos membros procura relações extra-conjugais para satisfazer seus caprichos? Será que em algum caso é licito a prática do adultério? Em que casos? E que consequências espirituais irá ter aquele que pratica o adultério?
Um caso para discutir e reflectir...

Bom dia.

Observando esta questão de forma externa ao ego espiritual, facilmente se conclui que o adultério é uma acção tal normal e banal como uma qualquer outra característica do Homem.

Quando o espírito se encontra nesta fase de vida, tem como sabemos de conviver com uma infinidade de seres vivos constituintes do seu próprio corpo e cuja identidade é para nós um mistério. Refiro-me às células que constituem os órgãos e que conjuntamente formam um corpo que tende no meio espiritual a ser encarado como uma vestimenta sem identidade vital o que é manifestamente falso.

O corpo tem de facto vontade própria e essa vontade submete a vontade do espírito em aspectos óbvios como as necessidades fisiológicas são um exemplo entre muitos mais que aqui não é próprio ser reflectido.

Assim, a actividade humana é um conjunto complexo de vontades que são geridas em parte pelo princípio inteligente que é a alma, ou seja o “EU”.

A actividade sexual é uma das funções na qual a vontade se manifesta no corpo e como tal o espírito a vai ou não consumar em acção.

Porque motivo, e observando esta questão de forma externa ao EGO, portanto observando esta questão de forma não egoísta, uma vontade deverá ser castrada quando o espírito a recebe e manifesta vontade de a consumar? Que consequências isso pode ter na própria evolução espiritual? Indo mais longe… até que ponto isso é possível?

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 10:53
Olá Companheiros

Por vezes temos uma facilidade em transversar que me confunde. Normalmente começamos a falar em alhos, não tarda nada e já estamos a debater bogalhos.

Adultério significa violação da fidelidade conjugal, logo implica traição ao outro. Tudo o que se quiser considerar para além disto não é adultério. Será outra coisa qualquer, Mas adultério não é.
Portanto, não entendo como poderemos considerar que, uma traição, não é crime moral.
Normalmente procuramos encontrar justificações, nas coisas, para os nossos comportamentos, desvalorizando-as de qualquer forma, mas cada coisa tem o valor que tem.

Se um casal acorda entre si relações extra conjugais, seja de que tipo for, não há prática de adultério, pois um tem o consentimento do outro para essa acção. Trata-se apenas dum modo de vida, que mais tarde ou mais cedo deverá ter as suas consequências, penso eu de que!..

Também existem casais que participam em festas de troca de chaves.
Também existem casais que mantêm contas separadas em que cada um participa nas despesas gerais e o restante dinheiro ( quando sobra ) é administrado por si próprio e em seu exclusivo proveito.
Também existem casais em que cada um participa com 50% do valor da aquisição de bens ( quando se separarem vão ter que serrar os móveis ).
Depois.
Isto apenas reflecte o elevado nível moral e espiritual de cada a um e a confiança depositada no outro. Já estão separadas antes de começarem.

Atlante

  
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 11 de Setembro de 2009, 11:17
Bom dia.

A fidelidade conjugal é um valor de DEUS ou do HOMEM?

A fidelidade conjugal é um valor do AMOR ou do EGO?

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 12:44
Olá Taprobana

Normalmente entendo-te. algumas vezes nem por isso.

Não sei que importância têm as perguntas que colocas para o tópico, nem entendo o alcance do que pretendes.

Atlante
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 11 de Setembro de 2009, 13:26
Olá Atlante.

As respostas a estas questões são as mesmas que respondem à questão colocada na proposta de reflexão do tópico, ou seja, se adultério será crime moral.

Nesse caso, sendo a moral inscrita na consciência individual do espírito, em nada está dependente das leis dos estados que punem de forma diferente e arbitraria o adultério, não sendo portanto esta visão que aqui debatemos.

Entendo que a exigência da fidelidade conjugal é uma consequência da acção do EGO sobre a acção, ou seja, exigimos que o nosso parceiro que dizemos amar, nos seja fiel e é então elaborado em acordo no sentido que ambos os EGOS não sejam feridos em consequência da carga culturalmente ofensiva que a infidelidade detém. A prova do que aqui se diz em termos empíricos, ou seja, experimentais, é que habitualmente a mulher ainda encara este tipo de ofensa ao seu EGO de forma menos radical e isso acontece por motivos civilizacionais pois a carga emotiva que é exercida sobre o EGO dos espíritos encarnados em corpos masculinos é normalmente maior em termos de aceitação social, como o prova a figura do “cornudo”, ferida dolorosa na dignidade egoísta masculina.

Levando a cabo um exercício especulativo e figurativo, como encararia DEUS o adultério cometido sobre o seu EGO?

Tendemos a intuir que tal seria impossível acontecer pois DEUS terá de estar acima deste tipo de questões. DEUS é intuitivamente AMOR. E se assim é a infidelidade conjugal não tem significado nem sentido no universo do AMOR.

Partindo destes pressupostos, será interessante reflectir acerca do que são os valores, as leis morais que transportamos inscritas por DEUS e aquelas que nos foram impostas pelo HOMEM.

Será interessante reflectir acerca da castração da vontade, da liberdade da acção que subjuga e atrofia a alma na sua experimentação com a matéria, reduzindo-a à sua mais ínfima expressão.

É este o sentido das minhas anteriores reflexões.

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 16:12
Olá Taprobana

Pois não chegaria lá, pela simples razão de que não me atenho às leis dos homens nestas coisas.
Para mim a questão da infedilidade, seja de que tipo for, é sempre uma questão moral e faz parte das leis morais. Mas não é a moral dos homens, é a moral da Alma.
Considero todo o tipo de infidelidade uma traição. O problema é que a maior traição é a nós mesmos.

Ainda mais quando temos sempre forma de fazer as coisas sem trair. Ninguém está preso a ninguém nem a coisa nenhuma por tempo infinito. Quando a situação não nos agrada e desejamos coisas diferentes, devemos assumir tal facto e tomar as medidas necessárias, para que tudo se processe no respeito pelos outros e por nós mesmos.
É apenas o meu pensamento e o meu procedimento.

Atlante
Título: "
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 17:17
Olá!

Não vejo nada de errado nas relações extra-conjugais contanto que ambas as partes estejam cientes e em pleno acordo. Somos seres humanos com desejos e necessidades sexuais e é perfeitamente normal que qualquer um, dentro de um relacionamento afetivo, sinta vontade de ter relações sexuais com outras pessoas. O que acontece é que algumas pessoas conseguem, com o tempo, sublimar este desejo (naturalmente ou através da masturbação), porém outras não e essas são as que cometem adultério ou que, possuindo uma mente mais aberta, entram em acordo com o(a) parceiro(a) definindo regras e limites, se assim acharem conveniente, para relações extra-conjugais.

No caso de quem comete o adultério em si, mais irá sofrer nesta ou numa próxima vida aquele que mais acreditar ser este um grande crime ou ato ilícito. Por exemplo, aquele que genuinamente não acredita que fazer sexo com pessoas fora da relação seja um problema e que não se sentiria ofendido, magoado ou traído se seu parceiro ou parceira assim procedesse não irá sofrer ou ter que expiar qualquer coisa.

Abs!

~Dhan

Mano Dhan, ouso discordar.
As Leis morais existem  e são para serem seguidas. entre nós, cidadãos encarnados, a moral se mostra pela legislação que o homem  fez nascer, e ela é fatalmente contrária, logo, há sim muito de erro, pelo menos, no que diz respeito à vida em comum. Não basta que os dois aceitem, a sociedade há de ter referendado, e para isso o legislador trabalhou antes.
que família pode existir, á vista de seus filhos, quando estes vêem a mãe sair com um "ficante", ou o pai apresentar uma "mina da hora"?
Que valores estes pais apresentam a seus filhos?
Mano falamo no geral, assim é a doutrina, de aspecto consagrado ao bem geral.
abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 17:29
Olá Moura.
O tema agora lembra-me algo que na sociedade actual se verifica com mais frequência: o swing.
O swing ou troca de casais é um relacionamento sexual entre dois casais estáveis que praticam sexo grupal. Existem correntes que consideram o swing quando um casal adiciona um ou mais elementos numa relação sexual.
Existem casais que consideram esta prática como uma forma de fugir á rotina e á consequente monotonia, dizendo até mesmo que a relação entre o casal acaba por ficar mais forte.
Estranho, não?

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: demis em 11 de Setembro de 2009, 17:37
 quem comete adultério não pensa naquelas pessoas que querem uma companheira e não têm!é tremendamente injusto uns terem mulher e trairem-na ao passo que outros davam quase tudo para ter uma companheira e não conseguirem ter.É um crime...

abraços

demis
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 11 de Setembro de 2009, 17:55
A dificuldade em transmitir ideias das coisas em si e não daquilo que são para cada um é premente no discurso entre nós.

Realmente nunca está em questão no debate filosófico aquilo que cada um é mas sim aquilo que as coisas são.

Do ponto de vista social e cultural é perfeitamente aceitável e compreensível que a conduta seja ditada de acordo com a realidade que caracteriza o nosso padrão evolutivo.

A família como aqui muito bem foi dito, é um valor de DEUS ou seja do AMOR. Mas esse AMOR não é aquele que caracteriza a palavra “amor” vulgarmente usada para definir aquilo que exigimos do próximo a quem dizemos amar pois AMOR não é de um ponto de vista exterior ao EGO uma característica do mesmo.

A fidelidade conjugal só é possível quando o AMOR se instala no seio da família e é extensível a todos os seus elementos e não como mais comummente acontece somente de mãe ou pai para filho um exemplo em que felizmente é comum assistir ao anular do EGO em prol do AMOR. Quando assim não é, ou seja, quando a fidelidade é imposta como uma condição não natura e que vai contra a vontade do indivíduo esta pura e simplesmente não existe, podendo ser que a acção propriamente dita não se concretize por motivos da razão ponderada. No entanto, de facto a convivência entre este tipo de casal não pode ser nuca dentro da esfera do AMOR.

Gostava de concluir sublinhando que este tipo de abordagem a esta questão que aqui desenvolvo se enquadra na esfera filosófica, na apreciação das coisas em si mesmo e não naquilo que do ponto de vista político deveria ser levado a cabo, ou seja, tendo em conta a realidade social que nos caracteriza, esse valor da fidelidade conjugal deverá ser de todo preservado como um garante da estabilidade familiar neste momento o alicerce de toda a nossa organização. No entanto tal acontece da mesma forma que é necessária a utilização da polícia para evitar os roubos, ou seja, a prova da utilidade da moral construída pelos Homens que garantem a sustentabilidade da vida como ela é neste momento.

No entanto nada pode indicar o caminho do inferno para aqueles que cometem adultério. Esse pecado é da esfera do mundo do HOMEM (EGO) e não da esfera de DEUS (AMOR).

Nota: Eu sou ciumento.  >:(

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Dhan em 11 de Setembro de 2009, 18:15
Apenas pondero que (sem pieguisse alguma) um relacionamento deveria sempre pressupor a eleição de um(a) companheiro(a) ad integrum para a vida em comum.

Mas se um casal tem experiências extra-conjugais sob a anuência de ambos, não se vendo aí qualquer ilícito ou dano moral, ninguém mais tem rigorosamente nada a ver com isso. É verdade...

No entanto, o que a experiência da vida vem demonstrando desde sempre é que as coisas até podem iniciar-se dessa forma, mas não costumam manter-se assim --- sempre alguém sai ferido. Na prática ninguém consegue relacionar-se com outrem sem comprometimento, pelo menos não por muito tempo.

Olá, Marco

Seu ponto de vista também é respeitável, amigo! O que acontece é que a grande maioria dos relacionamentos e casamentos se desfaz é por causa do ciúme ou da infedelidade. Assim, em mútuo acordo, abrir as portas para relações sexuais fora do relacionamento seria um meio, no meu modo de ver, de o casal evitar desgostos com relação a infedelidade, isto é, para aqueles casais que não conseguem sublimar suas fantasias e desejos sexuais "excedentes", porém naturais. E não vejo nada de errado nisso, pois ninguém sairá enganado ou injustiçado. Agora, isso não é para qualquer um, não. É preciso estar muito seguro de si e desapegado das posses afetivas.

Ao demais, estar em mais de um relacionamento afetivo ao mesmo tempo é tarefa quase que impossível. Não sei como alguns "maridos" conseguem fazer isso, criar uma família com a esposa e outra com a amante por anos! Quando a verdade vem à tona sabemos dos estragos. Aí concodo com você: estar em mais de um relacionamento, às escondidas ou abertamente (com ciência da parceira ou parceiro) trará inevitavelmente dúvidas, ciúmes, mágoas... Não sei como os povos poligâmicos conseguem, mas geralmente quem sofre são as mulheres pois são as mais subjulgadas nesse tipo de sociedade (mais ainda que na nossa).

No entanto, o que quis dizer lá na primeira postagem era sobre a abertura para relações sexuais com outras pessoas, e não relações afetivas. Por isso falei sobre regras e limites. Enquanto que relações afetivas fora do relacionamento oficial eventualmente levarão o casal (casais) e se machucarem, as relações sexuais one-night stand extra-oficiais, no meu modo de ver, não, pelo contrário, abrem portas para um relacionamento mais duradouro e assim o homem ou a mulher não ficará por vezes pensando em outra pessoa quando estiver fazendo sexo com seu parceiro ou parceira. Mas repito que são poucos os que conseguirão isso (eu conheço casais que conseguem e são felizes).

Abs!
Título: Re: "
Enviado por: Dhan em 11 de Setembro de 2009, 18:34
Mano Dhan, ouso discordar.
As Leis morais existem  e são para serem seguidas. entre nós, cidadãos encarnados, a moral se mostra pela legislação que o homem  fez nascer, e ela é fatalmente contrária, logo, há sim muito de erro, pelo menos, no que diz respeito à vida em comum. Não basta que os dois aceitem, a sociedade há de ter referendado, e para isso o legislador trabalhou antes.
que família pode existir, á vista de seus filhos, quando estes vêem a mãe sair com um "ficante", ou o pai apresentar uma "mina da hora"?
Que valores estes pais apresentam a seus filhos?
Mano falamo no geral, assim é a doutrina, de aspecto consagrado ao bem geral.
abração,
Moura

Oi, Moura!

Mas muita coisa que a sociedade diz como certo, reto e moral hoje é uma grande inversão dos valores nobres do passado, e o filósofo Nietzsche é um dos que demonstram isso com maestria. Por outro lado, concordo que num casamento, especialmente com família constituída, dar abertura para relacionamentos extra-conjugais é muito complicado - especialmente por causa dos filhos. No entanto, precisam os filhos sabarem dos acordos íntimos de seus pais? Acredito que não. Precisam os pais levarem seus "ficantes da hora" para dentro de suas casas e apresentarem aos filhos? Não. Por isso falei em regras e limites, para o bem-estar mútuo do casal e da família.

Não estou buscando que concordem comigo. Apenas acredito ser esta uma solução, que pode ser por tempo determinado ou, por exemplo, o casal pode concordar em permitir, digamos, um número definido de relacionamentos extra-conjugais (sexuais, digo - one-night stand) por ano, etc, etc, etc. Acredito sim que este tipo de acordo ou solução para uns irá servir muito bem, para outro irá fracassar absolutamente.

Abs!
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Dhan em 11 de Setembro de 2009, 18:44
Entendo que a exigência da fidelidade conjugal é uma consequência da acção do EGO sobre a acção, ou seja, exigimos que o nosso parceiro que dizemos amar, nos seja fiel e é então elaborado em acordo no sentido que ambos os EGOS não sejam feridos em consequência da carga culturalmente ofensiva que a infidelidade detém. A prova do que aqui se diz em termos empíricos, ou seja, experimentais, é que habitualmente a mulher ainda encara este tipo de ofensa ao seu EGO de forma menos radical e isso acontece por motivos civilizacionais pois a carga emotiva que é exercida sobre o EGO dos espíritos encarnados em corpos masculinos é normalmente maior em termos de aceitação social, como o prova a figura do “cornudo”, ferida dolorosa na dignidade egoísta masculina.

O amigo Taprobana sintetisou bem a questão do adultério!

Abs!

~Dhan
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 18:45
Citar
Não estou buscando que concordem comigo. Apenas acredito ser esta uma solução, que pode ser por tempo determinado ou, por exemplo, o casal pode concordar em permitir, digamos, um número definido de relacionamentos extra-conjugais (sexuais, digo - one-night stand) por ano, etc, etc, etc. Acredito sim que este tipo de acordo ou solução para uns irão servir muito bem, para outro irá fracassar absolutamente.
- Dhan
Sem duvida, Dhan. Aquilo que é bom para um casal pode não ser bom para outro. Assim como não existem pessoas iguais, também não existem casais iguais
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 18:47
Ao mano Carlos:
Já pensates em alguma outra coisa mais vil do que o swing?
Estamos mesmo envolvidos num tema moral. A amoralidade do swing repercute de frente neste capítulo.
Qual a moral que estes casais empreendem? Que noção têm de fidelidade ou de animalidade?
Não sei mesmo amigo Carlos, mas das duas uma: ou parei no tempo e a velhice senil me alcançou sem me dar oportunidade de defesa ou, a Moral que fez de Jesus nosso guia e modelo é falsa.
Como fico com a moral pregada pelo Rabi  e por ela me pauto, vejo com grande tristeza esse fenômenos que de Espiritual demonstra apenas a impureza destes Espíritos adoentados.
Isso para não falar no perigo do contágio venéreo ou da transmissão das DST.
Fico a cismar: como uma mulher (vivemos hoje numa sociedade machista), há de se olhar frente ao espelho de sua moral?
Falar em liberação da mulher é jogar areia nos olhos da verdade. Isso não libera senão a bestialidade do Espírito que usa o traje feminino neste agora.
Contundentemente, mostra bem a face tipificada como animalizada dos homens que assim também agem.
Se podemos hoje, terminar um romance onde não haja mais um sentimento a ser vivido, e depois passamos a outro relacionamento, a prática do swing, ou mais verdadeiramente, o sexo grupal, mostra a animalização da conduta viciada, e um retrocesso aos tempos de Sodoma e Gomorra.
Este um dos aspectos de mundos como o nosso e por isso a instrução de que aqui ainda o mal se sobressai ao bem.
Mano Traprobana:
dizes: "(...)A fidelidade conjugal só é possível quando o AMOR se instala(...)"
Mas amigo se a moral não for o fiel da balança, mesmo com amor, não haverá fidelidade.
Uma coisa é o padrão do sentimento, mas este não influi beneplácitamemente nos atos de pouca ou de moral ilibada. Complementa, agiganta e faz florir o porvir, mas não é condição  obrigatória para que a moral seja um conduto verificado.
Sobre o ciume: sou daqueles que pensam que o ciume, tal como o orgulho, pode ser fator de impulsão a momentos melhores. Não sou ciumento, contudo tenho hoje um padrão de conduta que me permite ser um juiz mais equânime dos atos familiares e para tal julgo-me a mim, primeiro.
Ontem mesmo falava num CE sobre o personagem Norminha, da novela Caminho das Índias.
Vive uma vida devassa, amoral, e sem conteúdo. Abel, todavia, por falta de pulso firme, dá-lhe azo às conduta amoral. Voltaram e contam os especialistas que ela continuará a dar-lhe o leitinho "premiado", e ele voltará a dormir, agora comum sorriso a mostrar-se em seus lábios. Pergunto: ri de que?
Algumas senhoras estranharam a piada que relembrei, na palestra: O juca chaves conta que no tempo em que os bichos falavam (notem o cenário). um leão e uma hiena se encontraram na selva.
O leão, rei magnânimo, antes de tentar matar a hiena, paralizada de medo, comenta: não tens medo de mim? ficas paradinha a espera do meu bote? E a hiena, tentando encvolver o rei dos animais num papo para tentar fugir na hora certa, comenta sobre a vida de glórias do leão. Tens de tudo, muitas leoas fogosas, comida farta, vives bem, meu rei. enquanto eu, me alimente de excrenmentos putrefatos, nãotenho companheira a me seguir pela vida, e por isso faço sexo apenas uma vez por ano... Notas a diferença?, sêde misericordioso e deixa-me me ir.
E o leão, enxugando a baba dos beiços responde-lhe:
Hiena, hiena, se bem eu posso ter essa vida, éporque sou o rei, e não se fazem mais reis como antigamente. Tu, entretanto, dizes que passas mal mas andas a rir a bandeiras despregadas, isso me deixa perturbado e então te pergunto: Comes mal, alimenta-te de matéria podre, fazes sexo apenas uma vez por ano... Ris de que?
E papou a hiena, entristecido hehehe.
Uma das senhoras, levantando a mão me perguntou, Moura, o que a piada ensina? E eu disse-lhe: Tudo. Mostra a moral dos dos lados da moeda, ensina uma conduta que a nós humanos e homens não devemos cumprir, senão a mostrar a nossa pequenez.
As honrarias monárquicas, devemos as procurar nos atos onde a moral for a alteada, sublimando instintos inferiores, que nos deixariam cristalizados na esfera animalizada.
Sexo se faz quando e como a necessidade se agigante, para a satisfação não só do organismo, mas sim e também para fecundar uma união que tem seu vínculo na carne e não nos podemos eximir desse teor.
Qualquer forma de sexo que exceda aos limites da moral, mostra as hienas em que ainda nos queremos parecer, e ai, a carne não alimenta a carne e passamos de uma a outra carne, como nos alimentando, qual a hiena de matéria morta, não temos prazer mas sensualidade mal resolvida, não vivemos amor, falta-nos a compreensão que nos ditaria o caminho da razão lúcida e então, seremos apenas bichos, hhienas, não um rei, mesmo que apenas animal. Fazendo minhas as palavras do rei leão,pergunto: riremos, depois, de que?
abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: hcancela em 11 de Setembro de 2009, 18:52
Olá amigos(as)

O princípio fundamental ético está na conduta de cada um e isso foi o centro dos ensinamentos de Jesus: a prática do bem e a observância rigorosa das leis ditas naturais para cumpri-las como obrigação e respeito à existência universal, ou seja, à Criação. Não se precisa de cópias nem de estereótipo porque o espírita conhece, pelos ensinamentos que lhe são transmitidos em toda parte, pela Espiritualidade, que a boa conduta é aquela que constrói em vez de ferir, que não faz distinções nem privilégios, que integra a criatura na sociedade para ser mais um elemento capaz de torná-la melhor e apta ao progresso; que caminha junto com seu semelhante na ascensão, que repudia o erro e que não titubeia em condenar os maus exemplos.

A perfeição não se limita à prática do bem; inclui o repúdio ao mal, (condena o erro e pune os que o cometem). Essa perfeição compete ao homem, está em cada um e se rege pelas leis imutáveis da Criação. Não podemos interferir nela nem dela fugir.

A cada um segundo suas práticas, eis a grande máxima da moral.


SAUDAÇÕES FRATERNAS



Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 19:06
Citar
Ao mano Carlos:
Já pensates em alguma outra coisa mais vil do que o swing?
Estamos mesmo envolvidos num tema moral. A amoralidade do swing repercute de frente neste capítulo.
Qual a moral que estes casais empreendem? Que noção têm de fidelidade ou de animalidade?
Não sei mesmo amigo Carlos, mas das duas uma: ou parei no tempo e a velhice senil me alcançou sem me dar oportunidade de defesa ou, a Moral que fez de Jesus nosso guia e modelo é falsa.
Moura, eu não defendi de forma alguma a pratica de swing, apenas estranho que estando nós num mundo que tende a evoluir tanto intelectual como moralmente, existam cada vez mais adeptos destas práticas que também considero imorais e reprováveis.
Se a sociedade está ou deveria estar a evoluir, seria de esperar que essas práticas "animalescas" viessem a diminuir progressivamente. Tal não é o caso, daí meu espanto...
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 19:09
Citar
Ao mano Carlos:
Já pensates em alguma outra coisa mais vil do que o swing?
Estamos mesmo envolvidos num tema moral. A amoralidade do swing repercute de frente neste capítulo.
Qual a moral que estes casais empreendem? Que noção têm de fidelidade ou de animalidade?
Não sei mesmo amigo Carlos, mas das duas uma: ou parei no tempo e a velhice senil me alcançou sem me dar oportunidade de defesa ou, a Moral que fez de Jesus nosso guia e modelo é falsa.
Moura, eu não defendi de forma alguma a pratica de swing, apenas estranho que estando nós num mundo que tende a evoluir tanto intelectual como moralmente, existam cada vez mais adeptos destas práticas que também considero imorais e reprováveis.
Se a sociedade está ou deveria estar a evoluir, seria de esperar que essas práticas "animalescas" viessem a diminuir progressivamente. Tal não é o caso, daí meu espanto...
Sei bem disso mano Carlos e também eu não fui em contradita ao que lembrastes e muito bem.
abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Niriellen em 11 de Setembro de 2009, 19:22
O que sofreremos as consequencias de violação da Lei e talvez no futuro teremos que reparar o mal feito,talvez vivendo com a pessoa que traimos outrora e que possivelmente sofreremos o que fizemos sofrer....

Caros amigos...
concordo quase que plenamente com a maioria das questões
tudo prova a imaturidade do espírito o qual pratica o ato e consequente
vira fatos em pró da evolução de quem sofre.


Citei a opinião do amigo pelo seguinte motivo: de que forma esta pessoa
poderia sofrer em outra vida? Sendo traída por quem traiu? Será mesmo
que o grande pai seria capaz de definir que fulano vira novamente casado
com cicrano a fim de que passe por tudo o que fez o outro passar, ou
será que ele realmente definiria que o casal viesse novamente junto mas
realmente para aparar as arestas que ficaram na vida anterior para
se perdoarem de fato, e nesta "nova" vida não cometerm os atos que atrasaram
sua vida na vida anterior não permitindo sua evolução completa.

Seria muito simples se assim fosse, todos os homens e mulheres que traissem
a partir de agora justificariam que estão dando o troco de vidas passadas!
A vingança até onde sei não é algo compativel com os ensinamentos do
senhor. Gostaria que também me esclarecessem sobre essas duvidas....

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: sensitive em 11 de Setembro de 2009, 19:35
Olá carlos!

Eu sou de opinião um pouco mais radical.
A tua única obrigação em qualquer circunstancia é seres verdadeiro para contigo próprio.
Se procuras algo que não tens é porque não estas satisfeito.
Se nao estas satisfeito é porque não es feliz, logo segue o teu coração.
Caso contrario a tua vida é um fantoche.

Abraço

sensitive  
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 19:40
Olá Sensitive.
Eu não estava obviamente a falar de mim, até porque não exponho minha vida particular e privada no fórum.
Estou a falar de forma geral.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mind em 11 de Setembro de 2009, 20:16
Olá amigos…
na minha opinião de animal embora racional, o adultério não é crime moral pois a moralidade só se dá a conhecer com os conhecimentos que adquirimos das mais variáveis formas.
     Na poligamia e monogamia, a forma de pensarmos que estamos a errar na moralidade só se dá neste caso pelos nossos conhecimentos doutrinários neste caso pela nossa Doutrina, que nos ensina determinadas formas de agir e pensar, com livre-árbitro .
     Tenho a certeza que homens e mulheres agem por impulsividade talvez pelo instinto reprodutor que usufruímos ou simplesmente por vício do sexo!

      Para posicionar este meu raciocínio falo por exemplo do povo Árabe que pode um homem ter mais de uma mulher e no entanto, na crença deles eles estão correctos.
      Ora se nós tivéssemos nascido num país dessa natureza, eu tenho a certeza que nossa mentalidade seria diferente da actual. (adultério e poligamia não tem nada a ver foi só uma forma de buscarmos respostas).Minha opinião face ao adultério é que não é aceitável Meramente por minha moralidade não aceitar actos dessa natureza e pelos ensinamentos morais que me instruíram e que hoje ciente do que sou e do que quero  a nível de progresso moral, não concordo com essa prática leviana.

Abraço Fraterno.
.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 11 de Setembro de 2009, 20:25
Olá Moura.

Lindo o texto que escreve que me tocou particularmente. É desse AMOR que falamos.

Penso que tem toda a razão quando utiliza as noções da moral interpretadas e reformuladas na memória de Jesus como sendo de vital importância para a manutenção das circunstâncias que permitem que valores como a paternidade que é inscrita por Deus na nossa consciência como prova o facto de ser contraponto e inibidora do EGO.

No entanto e na verdade parece desviar-se do objecto em análise, ou seja, se o adultério será crime, ou seja pecado, ou seja, se infringe as leis do AMOR, as leis de DEUS.

Tendo em conta a contextualização global do conjunto de reflexões argumentadas anteriormente por mim editadas, penso que não.

Vou acrescentar algumas mais. Pela teoria de reencarnação (pedindo perdão a todos os que a têm como uma lei), o adultério é inevitável e universalmente praticado por todos os indivíduos, se alargarmos a definição da palavra para além da “traição” consciente.

Assim sendo, se as leis de DEUS proibissem o adultério, ou a promiscuidade, a doutrina espírita estava mal interpretada e entendida em alguns aspectos e seria falsa em muitos outros. Consequentemente, as noções de fidelidade estão circunscritas à moral dos Homens, que e muito bem a meu ver, tiveram inevitavelmente e fruto da experiencia que as sucessivas reencarnações nos vão proporcionando, de enquadrar este aspecto da moral nas suas leis sob pena de toda a estrutura social falir.

Quando estamos na esfera do AMOR, ou seja, quando anulamos a nossa vontade em prol da felicidade do próximo, ou seja, quando uma mãe sente pelo marido o mesmo AMOR que sente pelo filho que carrega no ventre, ou seja, quando um pai sente pela esposa o mesmo AMOR que sente pelo filho quando o recebe no colo pela primeira vez na sala de parto… faz sentido falar agora aqui de infidelidade conjugal? Que importância isso tem agora neste instante para alguns de nós, aqueles que conseguiram anular por um momento o seu EGO?

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 20:30
Amigo Nelson,
considero e compreendo a sua opinião mas vale perguntar:
Se temos, como homens, e esse "homens" no sentido genérico, um compêndio que nos convida a seguirmos um determinado padrão de conduta, se há penas que este compêndio capitula, para atos transviados, se, em final, estes atos derivam de conduta não afeita aos padrões de moral capitulados nesse mesmo compêndio, se não vivemos senão sob o amplexo das leis sociais, e diante delas e de todo o exposto, o adultério ou as relações extraconjugais, bem como as diversas formas de sexo grupal, são tidas como afrontas à moral, sabendo, acima de tudo que todo vício abrange um contingente de acrisolamentos ou de certidões negativas à moral, como, pergunto eu ao amigo, alijarmos da conduta erradiça, no patamar moral em que nos encontramos, bigamia, swing, e tantas outras condutas que as vemos por ai em nosso dia a dia?
Nota o amigo que não toquei na esfera da doutrina, partindo e terminando o pensamento apenas na esfera da moralidade tida como correta no nosso código Civil vigente hoje.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 20:38
Oh Pá

Nelson

Por essa ordem de ideias nossos irmãos da religião Muçulmana podem continuar sua Jiahd que não tem problema.

Taprobana, meu amigo

Não te iludas. O adultério infrige as leis da moral.
E também a do Amor.
A não ser que entendas que, o marido, ao dar uma facadinha no casamento, esteja manifestando todo o Amor ( de AMOR ) que sente pela esposa. O contrário também é verdade.

Atlante
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 20:45
Citar
Por essa ordem de ideias nossos irmãos da religião Muçulmana podem continuar sua Jiahd que não tem problema.
- Atlante
Aqui entra o problema da consciência, Atlante.
Na nossa sociedade o adultério é condenável e quem o pratica fica sempre com o tal "peso na consciência" que em ultima análise será seu castigo.
Em sociedades onde se permite o adultério, quem o pratica não se sente culpado de coisa alguma, logo não se sente ferido na sua consciência. E se sua consciência não o condena, quem o irá condenar? Deus?
Não nos ensina a doutrina espírita que após a "morte" somos julgados no tribunal da nossa própria consciência? Se essa consciência se julga isenta de erros, onde o castigo?
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 20:54
Pois

Parece-me que há coisas na doutrina que ainda não entendemos.

Então eu só vou ter que redimir os erros que cometo em consciência?
De todos aqueles que cometi, e que a minha consciência não me pesa, estou isento de remissão?
Muito bem.

Atlante
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 11 de Setembro de 2009, 20:59
Citar
Por essa ordem de ideias nossos irmãos da religião Muçulmana podem continuar sua Jiahd que não tem problema.
- Atlante
Aqui entra o problema da consciência, Atlante.
Na nossa sociedade o adultério é condenável e quem o pratica fica sempre com o tal "peso na consciência" que em ultima análise será seu castigo.
Em sociedades onde se permite o adultério, quem o pratica não se sente culpado de coisa alguma, logo não se sente ferido na sua consciência. E se sua consciência não o condena, quem o irá condenar? Deus?
Não nos ensina a doutrina espírita que após a "morte" somos julgados no tribunal da nossa própria consciência? Se essa consciência se julga isenta de erros, onde o castigo?

Pois!!!!  :D

Assim sendo não há "castigo" nenhum... Somente acontece quando a própria consciência esta ferida. Como tal, o adultério pode ser completamente impune ou não consoante o nível de consciência em que se encontra o espírito.

Assim sendo de que servem as juras de fidelidade se aquilo que determina a acção é a verdade?

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 21:00
como falamos agora em consciência, crime e castigo vale lembrar um brocardo do "juridiquês": "A ignorância da lei não exime a culpa"
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 21:08
Citar
como falamos agora em consciência, crime e castigo vale lembrar um brocardo do "juridiquês": "A ignorância da lei não exime a culpa"
Abração,
Moura
Penso que a chave da questão está na pergunta 621 do Livro dos Espíritos:
621. Onde está escrita a lei de Deus?
“Na consciência.”

Se a lei de Deus está escrita na consciência de todos os homens então não existe ignorância da lei para homem nenhum seja de que sociedade for. Era aqui que eu queria chegar...
Mas agora poderiamos também perguntar: a lei da fidelidade ao casamento é uma lei divina ou humana?
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Dhan em 11 de Setembro de 2009, 21:20
E se sua consciência não o condena, quem o irá condenar? Deus?
Não nos ensina a doutrina espírita que após a "morte" somos julgados no tribunal da nossa própria consciência? Se essa consciência se julga isenta de erros, onde o castigo?

Exato, amigo Carlos. Desta maneira é também como entendo a Doutrina. Foi o que eu quis dizer com: "No caso de quem comete o adultério em si, mais irá sofrer nesta ou numa próxima vida aquele que mais acreditar ser este um grande crime ou ato ilícito. Por exemplo, aquele que genuinamente não acredita que fazer sexo com pessoas fora da relação seja um problema e que não se sentiria ofendido, magoado ou traído se seu parceiro ou parceira assim procedesse não irá sofrer ou ter que expiar qualquer coisa."

Abs!

~Dhan
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 21:47
621. Onde está escrita a lei de Deus?
“Na consciência.”

Se a lei de Deus está escrita na consciência de todos os homens então não existe ignorância da lei para homem nenhum seja de que sociedade for. Era aqui que eu queria chegar...
Mas agora poderiamos também perguntar: a lei da fidelidade ao casamento é uma lei divina ou humana?
[/quote]

Vamos ver se nos entendemos

Carlos este post é contraditório com o anterior, penso eu de que!..
Por outro lado não será suposto que as leis dos homens tenham por base as leis de Deus?

Continuando
O casamento é para todo o efeito um contrato civil. De acordo com os princípios da honestidade todos os contratos deverão ser cumpridos. Caso contrário entra-se em incumprimento e lá virão as leis dos homens e as leis de Deus.

No caso em questão, o adultério, nem sequer se coloca a questão de casamento ou ajuntamento. Quando assumimos um compromisso devemos cumpri-lo. Se não queremos rescindimos o acto. Tão simples como isso.

Na questão do adultério, o que devemos levar em consideração são os interesses do adultero.
O adultero não rompe o compromisso, normalmente, por comodidade ou oportunismo. Sabe bem estar com a outra parte ou porque é rica, ou porque lava bem a roupa e faz boa comida, enfim. Mas como esta parte não dá o prazer sexual que supostamente se deveria ter, o adultero, vai trabalhar por fora.
Mas isto não é traição, portanto não há sujeição à lei de causa e efeito, porque a consciência não pesa. Mas a outra parte, coitada, mal pode levantar a cabeça.

Atlante    

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 22:00
Citar
Carlos este post é contraditório com o anterior, penso eu de que!..
A ideia era colocar as pessoas a raciocinar, amigo atlante.

Citar
Mas como esta parte não dá o prazer sexual que supostamente se deveria ter, o adultero, vai trabalhar por fora.
Mas isto não é traição, portanto não há sujeição à lei de causa e efeito, porque a consciência não pesa. Mas a outra parte, coitada, mal pode levantar a cabeça.
Quem sabe se a outra parte não se importa ou até não faz o mesmo? E se for esse o caso, também estaremos diante de algo imoral?
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 11 de Setembro de 2009, 22:06
Citar
como falamos agora em consciência, crime e castigo vale lembrar um brocardo do "juridiquês": "A ignorância da lei não exime a culpa"

Voltando ao assunto da consciência:

A questão é nesse caso saber se quando o espírito é gerado simples e ignorante, já vem dotado da capacidade de percepcionar as leis inscritas na sua consciência ou se esse processo é a sua própria existência que vai desencadear, tal como acontece com os espíritos que encarnam num corpo, que detêm a priori o potencial de conhecimento adquirido que se vai manifestando na medida em que experimenta a vida encarnada.

A ignorância da lei não exime a culpa, no tribunal de direito civil ou criminal mas não no seio familiar, não na relação de PAI para FILHO.

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 22:28

A ignorância da lei não exime a culpa, no tribunal de direito civil ou criminal mas não no seio familiar, não na relação de PAI para FILHO.


Claro como o tinto. E assim numa penada lá foi a lei de causa e efeito às ortigas.

Carlos

Então devemos entender que um erro elimina o outro?

Atlante
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 22:41
Atlante, eu não disse que um erro justifica outro. Apenas acho que neste caso os dois erros se anulam um ao outro, uma vez que homem e mulher estão a par do que se passa.
A máxima, não faças ao outro o que não gostarias que te fizessem a ti, não é aplicável nesta situação. Porquê? Porque alguém está a fazer ao outro algo que não se importa que o outro também lhe faça.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 22:53
Atlante e Carlos,
sabem oi que mais gosto na lei de Deus?
É que ela não contém o artificio da delação premiada. Assim se há um erro há a pena cominada e o pau canta e ninguém vê...mas sente !
Vejamos o caso no piloto Nelsinho Piquet.
ele bateu para ajudar ao Alonso (que nem sabia da tramóia, penso eu), depois quando o lance vazou, foi à FIA e depois de receber  dela a posição de que não seria julgado, delatou o ocorrido por ordem do dono da equipe.
O cara é podre, falo do dono, claro, mas houve erro das duas partes. Nelsinho se quisesse poderia desobedecer a ordem e alegar falha do rádio etc... Rubinho também no episódio com o Shummi.
Ora, então se pela delação ele ganha o prêmio de não ser julgado pelo ato anti-desportivo, para que as leis da F1?
Assim também para com o adultério. Se há erros vamos ver a culpabilidade e a intencionalidade das ações. Deus julga, diz a doutrina,. pela intenção.
Assim, não há delação premiada, ninguém também pode arguir em proveito próprio que desconheça a lei, mormente a de Deus que nos está insculpida em nossa mente.
O fato de marido e mulher(?!), estarem de acordo com os relacionamentos extraconjugais, não anula o erro moral dos dois, pois a lei é uma só, adultério é ato abominável e não é a anuência e aceite do casal que o torna menos errado.
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 11 de Setembro de 2009, 23:09
Atlante, eu não disse que um erro justifica outro. Apenas acho que neste caso os dois erros se anulam um ao outro, uma vez que homem e mulher estão a par do que se passa.
A máxima, não faças ao outro o que não gostarias que te fizessem a ti, não é aplicável nesta situação. Porquê? Porque alguém está a fazer ao outro algo que não se importa que o outro também lhe faça.


Eu não perguntei se um erro justifica o outro. Perguntei se um erro elimina o outro, ao que o meu amigo já respondeu que sim.
Sucede que não tenho essa visão das coisas nem iremos encontrar na doutrina Espírita suporte para tal conceito.
Por outro lado se o outro sabe ( e gosta ) então não existe adultério. Não vale a pena misturar as coisas.

Um erro é sempre um erro. Todo o erro resulta duma acção que por sua vez determina uma reacção.
O problema é que se coloca tudo em termos de julgamento, castigo e não sei quantos mais.
Mas o que está em jogo é apenas o aprendizado. Todos temos que viver o outro lado de cada coisa para aprendermos a diferenciar. Apenas isto.

Atlante
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mind em 11 de Setembro de 2009, 23:09
Olá amigos...

...(...)sociais, e diante delas e de todo o exposto, o adultério ou as relações extraconjugais, bem como as diversas formas de sexo grupal, são tidas como afrontas à moral, sabendo, acima de tudo que todo vício abrange um contingente de acrisolamentos ou de certidões negativas à moral, como, pergunto eu ao amigo, alijarmos da conduta erradiça, no patamar moral em que nos encontramos, bigamia, swing, e tantas outras condutas que as vemos por ai em nosso dia a dia?
Nota o amigo que não toquei na esfera da doutrina, partindo e terminando o pensamento apenas na esfera da moralidade tida como correta no nosso código Civil vigente hoje(...)....



      Estive ausente pelo motivo que só agora estou a voltar ao Tópico.
      Amigo Moura, nós sabemos que tocando na Doutrina, em nada que o adultério, a poligamia ou outras praticas extra-monogâmicas, ajudam na moralidade ou melhor dizendo no progresso moral.
      Se pertencêssemos a um mundo Primitivo com certeza que nem licença pediríamos para traição, aliás o nosso lado animal através da impulsividade do instinto reprodutivo nem licença para copular pediríamos á fêmea.

      Peço desculpa como expresso meus pensamentos, mas tenho um gato que ele não é em nada monogâmico nem se preocupa com isso. ;D
      Talvez fossemos assim nesse mundo retrógrado.

Abraço Fraterno
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 23:15
Amigo Nelson, deixe-me lembra-lo de uma lição do começo do L.E.
Perguntado os Espíritos Reveladores responderam, A Terra, entre os mundos habitados, o é dos mais atrasados.
Logo, vivemos sim num mundo bastante primitivo, moralmente falando ( ou fisicaquanticamente falando com quer a esposa do Ramiro da novela Caminho das Índias), hehehe.
O nosso trabalho meu mano, que nos é dever de todos, é fazer por onde essa vibração densa venha a se desvanecer diante de nossas boas obras.
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mind em 11 de Setembro de 2009, 23:23
Sim amigo Moura, através da nossa consciência do que é certo ou errado devemos nos esforçar para vencer o nosso lado animal que em muito é propenso para a imoralidade!
    Mas ai encontramos resposta para as nossas dúvidas, ou não !? ???
Não será por ainda estarmos muito ligados á matéria que estes actos imorais ainda nos fazem sucumbir na imoralidade?

Não será meramente uma culpa do corpo fisico interagindo com a imoralidade de quem as pratica?

Abraço Fraterno
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 23:29
Amigo Nelson,
anda a ver: Quem pensa e age, é sempre o Espírito.
por isso mesmo anda de rastos e quase sempre mete as quatro patas na lama. O corpo apenas é castigado pelos erros do Espírito já que é ela a roupa que este usa em orbes como o nosso.
Se pendemos para a amoralidade, (vê bem , uso o termo amoral porque a conduta é assim tipificada. Seria imoral, além de amoral, se fosse mostrada a todos, sem pudor ou respeito), o corpo, que não pensa, nada tem a ver com a ação do Espírito.
Contudo, muitas vezes repercute em suas dores e doenças a resposta triste à esses descaminhos morais.
abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 23:33
Citar
Amigo Nelson,
anda a ver: Quem pensa e age, é sempre o Espírito.
por isso mesmo anda de rastos e quase sempre mete as quatro patas na lama. O corpo apenas é castigado pelos erros do Espírito já que é ela a roupa que este usa em orbes como o nosso.
Se pendemos para a amoralidade, (vê bem , uso o termo amoral porque a conduta é assim tipificada. Seria imoral, além de amoral, se fosse mostrada a todos, sem pudor ou respeito), o corpo, que não pensa, nada tem a ver com a ação do Espírito.
Contudo, muitas vezes repercute em suas dores e doenças a resposta triste à esses descaminhos morais.
abraços,
Moura
Aqui em portugal existe uma canção de um cantor já falecido (António Variações) que diz:"quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga". Isto vem a propósito do que disse nosso amigo Moura.  ;D
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 23:36
Eu conhecia esta citação mano Carlos.
É Portugal a ensinar aos Brazucas!
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mind em 11 de Setembro de 2009, 23:41
Amigo Moura, é certo que toda a imoralidade provém do espírito; mas então porque dizemos que a carne é fraca?
Uma série desencadeamentos faz surgir a excitação, por exemplo, roupa apertada, frio, etc… faz surgir excitação que em nada é comandada pelo espírito e sim pelo tacto.
Penso que apesar de ser um corpo comandado pelo espírito também é sem dúvida um meio de nos por à prova.

Amigo Carlos se calhar, por vezes sentimos gosto pela tentação, eu como solteiro sinceramente não sou o melhor exemplo  :D
Abraço Fraterno.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 11 de Setembro de 2009, 23:48
Posso até forçar a mente e concordar com os teus termos, amigo Nelson,
contudo falamos de uma excitação proveniente do desejo carnal. Este é sempre, comandado pelo Espírito e suas inclinações sensualistas com diz Kardec.
abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 11 de Setembro de 2009, 23:52
Citar
contudo falamos de uma excitação proveniente do desejo carnal. Este é sempre, comandado pelo Espírito e suas inclinações sensualistas com diz Kardec.
abração,
Moura
Sendo assim mano Moura, se é o espírito que comanda o corpo e está na origem das inclinações sensualistas, como explicar que a toma de um medicamento tipo Viagra (que apenas actua no fisico) aumente essas mesmas inclinações?   ???
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mind em 11 de Setembro de 2009, 23:59
Concordo consigo amigo Moura, pois seja como for somos nós que comandamos o nosso corpo e por isso somos responsáveis pelos nossos actos, sejam eles fisicos ou morais.

Coloco estas questões aos homens que acompanham o topico:

     Será que nós no fundo nos camuflamos com uma imagem de fieis e na realidade somos adúlteros por natureza ?
       Será que o nosso papel não será de apenas vencer nossas tendências?

Abraço Fraterno
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 12 de Setembro de 2009, 00:01
Citar
Será que o nosso papel não será de apenas vencer nossas tendências?
Não diria de vencer nossas tendências Nelson, mas de vencer nossas más tendências. Pois que também temos tendências boas.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mind em 12 de Setembro de 2009, 00:09
Sim amigo Carlos, isso mesmo que me queria referir; mas sendo assim, isto não quer dizer que nós homens somos impulsivos e nem que seja pelo pensamento estamos a agir erradamente...
Porém somos chamados à atenção pela nossa companheira:

M - Amor pára de olhar para o decote daquela jovem.

H-Quem?! Eu ? amor nem se quer estava a ver que estava ali aquela jovem!...

isto já se passou comigo e sei que sou malandreco pois sabia que estava errar, mas achava piada  :)
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 12 de Setembro de 2009, 00:13
Nelson, diz-nos o Livro dos Espíritos que se há algo em que o homem goze de total liberdade, esse algo é o pensamento.
Pensar, podemos pensar o quisermos. Quanto a fazer, isso já é outra história. Aí a nossa liberdade termina onde começa a liberdade dos outros.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 12 de Setembro de 2009, 00:17
Não pequeis por actos nem pensamentos ;D

Atlante
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: MarcoALSilva em 12 de Setembro de 2009, 02:00

Os fluxos de energia no corpo espiritual são veiculados (salvo equívoco da fonte consultada) através de fluidos (que, de resto, constituem o veículo de todos os fenômenos que circundam o homem no espectro espiritual). A contrapartida desses fluxos na fisiologia física são os hormônios.

Ora, um hormônio é uma secreção bioquímica destinada a deflagrar ou a diminuir certos processos do funcionamento orgânico. Mas é sempre (por óbvio) o cérebro (veículo físico do espírito no que toca à mente) que comanda os fluxos. Assim para cada reação fisiológica há uma raiz espiritual. Como os resultados fisiológicos são estruturados diretamente na matéria, há uma grande "inércia" sensorial - daí a dificuldade de controlar as sensações físicas (não só no sexo, como também no paladar, por exemplo).

Resumindo: não podemos creditar à carne os defeitos de conduta que nossa alma engendra no concerto de sensações fisiológicas da vida no plano físico.

Somos todos 100% responsáveis por tudo o que fazemos, deixamos de fazer ou pensamos.

Carne é só veículo... Você culparia o seu carro por ser deliciosamente bom ao ser conduzido em alta velocidade?

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Haga em 12 de Setembro de 2009, 09:53
O fato de marido e mulher(?!), estarem de acordo com os relacionamentos extraconjugais, não anula o erro moral dos dois, pois a lei é uma só, adultério é ato abominável e não é a anuência e aceite do casal que o torna menos errado.
Abração,
Moura

 Onde você vê aío erro moral e ato abdominavel se o ato é consentido? Adultério só existe onde há falta da verdade, onde há a mentira.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Gigii em 12 de Setembro de 2009, 10:17
Citar
O bom senso, em todas as hostes dos prazeres, é o mais acertado caminho dos que já despertaram para a verdade.
Espirito Miramez

Bom dia amigos!

Dirijo-me em especial a ti, amigo Carlos, pois foi quem iniciou o tópico.

A questão que levantaste é interessante, e um bom motivo para debater. Gostaria de te dar a minha opinião sobre o assunto.

Não existem “crimes” nas leis universais, pois ninguém é punido. Deus é misericordioso e justo, logo ninguém é castigado. Este é um dos princípios que Jesus nos deixou com a sua mensagem de há 2000 anos, e que o espiritismo veio esclarecer: não existem penas eternas!

Na base, o que é o adultério? É a quebra de um compromisso de fidelidade.

Na sociedade do presente, em que cada vez mais tudo é permitido, confunde-se muito liberdade de sentimentos, com o assumir deveres e responsabilidades. Os seres orientam-se pelas emoções a ponto de nunca hesitarem perante as tentações, sempre com a desculpa de que o que importa é a busca da felicidade.

E os compromissos assumidos com o Alto, causa da presente encarnação, onde ficam?
Porque nasce uma criança num lar onde o sexo é desiquilibrante? Para resistir, lutar contra esses desiquilibrios. Porque se unem duas pessoas num casamento, com dificuldade em manter-se fiéis? Para superarem os seus débitos, e combaterem as tentações constantes de fugir á responsabilidade.

Olhar para o adultério, como algo normal e temporário, é acreditar que o espirito apenas se movimenta no reino das paixões!
Será que o que une dois seres é apenas atracção e prazer fisico? E onde fica o amor que confia, alegra, sem apegos,  sem ligação ao egoísmo e ao ciúme?
Não é isto que deveriamos cultivar?
Pode este amor ser como o vento, um dia passa num lar, outro noutro, sem encontrar pouso certo?

Mas dirão, Gi, mas isso implica ficar junto de pessoas que não amamos, e além disso, podem passar tantas pelo caminho tão mais interessantes, como predispor-nos a ser infelizes o resto de uma vida?

Meus amigos, dizem-nos os espiritos benfeitores, que muito temos de renunciar nesta vida, para podermos conquistar em ganhos espirituais.

Se cultivarmos o Amor, aquele que brota da alma e une os seres na eternidade, ao invés de buscarmos a satisfação efémera do prazer carnal, qualquer relacionamento sustentado por uma amizade verdadeira e sincera se mantém longe de qualquer tentação.

Beijitos
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: hcancela em 12 de Setembro de 2009, 11:10
Olá amigos(as)

Por vezes nos esquecemos(ou sempre)que somos criaturas espirituais e que o adultério é apenas um estado de alma, que é uma quebra de um compromisso com nós mesmo, independentemente do acto que praticarmos. Só nós assumirmos um compromisso quer seja na casa espirita,uma promessa a um amigo,fugir á nossa responsabilidade no casamento, no acto sexual no casamento(sim no acto sexual, porque, se no casamento um dia sem mais nem menos nos lembrarmos que iremos fazer abstinência sem diálogo com o conjugue) também é falta de compromisso, etc,etc,etc.
Tudo que prometermos e não cumprirmos,faz desiquilibrios,e, mais cedo ou mais tarde, teremos que forçosamente equilibrar, quer gostemos ou não, é a lei da causa e efeito.
Na questão do adultério e em relação aos relacionamentos entre homem e mulher, o nosso problema é que nos atraímos pela paixão e que o Amor é uma conquista diária depois do casamento ultrapassando as dificuldades que dai vêm. Salvo raras excepções a criatura ainda não tem maturidade mental para perceber que o casamento é um projecto de vida que de inicio são dois e que no futuro serão mais(filhos). Essa será a grande conquista do ser humano.
Amigos quando o homem e a mulher decidem viver juntos têm que perceber que é como se fosse um projecto de uma casa, que começa pela planta da casa até ao seu final, e, que para vivermos nela temos de levá-la até ao fim. Quantos problemas irão surgir?não sabemos, mas o que sabemos é que haverá com certeza alguns , por vezes muitos e daí! Se não levarmos o nosso projecto de vida até ao fim, vamos um dia voltar a fazer o mesmo(OH.,meus amigos quantas vezes repetimos).Quantos compromissos espirituais assumimos e quantos repetimos;Paciência uns com os outros, não é fazer masoquismo, mas também não fugir á primeira dificuldade , se casamos com alguém , antes deveremos ponderar e assim termos a certeza do passo a dar.Como disse amiga GiGI e bem; os filhos como ficam? Quantos problemas se existem na nossa sociedade, por causa dos comportamentos menos adequados dentro das paredes de nossa casa. Quantas vezes os nosso filhos são colocados no infantário(educandário) por causa dos problemas existenciais dos pais, cujo futuro é profundamente preocupante para nós.
A felicidade é uma conquista diária ultrapassando dificuldades, ela não nos foi oferecida de mão beijada. Vamos ser mais uns para os outros, tende bom ânimo disse-nos JESUS; aparentemente podemos perder hoje, mas vamos ganhar no tempo, que é este o ensinamento cristão(espirita).

Perdoem amigos, se fosse pessoalmente tenho certeza que me exprimiria melhor assim tenho limitações, no entanto espero que compreendam este meu desabafo sem qualquer tipo de sisânia.

Não fujamos á responsabilidade de nossos actos, nem procuremos desculpá-los para justificá-los.

SAUDAÇÕES FRATERNAS
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 12 de Setembro de 2009, 14:20

A ignorância da lei não exime a culpa, no tribunal de direito civil ou criminal mas não no seio familiar, não na relação de PAI para FILHO.


Claro como o tinto. E assim numa penada lá foi a lei de causa e efeito às ortigas.

Boa tarde.

Esta afirmação é contraria à verdade e comete um erro de raciocínio elementar, sendo isto sim claro como a água.  ;)

A regra de que a um efeito corresponde sempre uma causa encerra-se sobre si mesma ou seja, uma mesma causa pode provocar uma variedade indeterminada e diversa de efeitos e um efeito pode ser determinado por um número indeterminado e diversos de causas.

Fico disponível para explicar melhor se tal for necessário.

Taprobana.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 12 de Setembro de 2009, 16:19
O fato de marido e mulher(?!), estarem de acordo com os relacionamentos extraconjugais, não anula o erro moral dos dois, pois a lei é uma só, adultério é ato abominável e não é a anuência e aceite do casal que o torna menos errado.
Abração,
Moura

 Onde você vê aío erro moral e ato abdominavel se o ato é consentido? Adultério só existe onde há falta da verdade, onde há a mentira.
haga meu amigo,
a sociedade rege-se por leis gerais e para todos.
Logo, não é o consentimento do casal que faz a moral mudar e só para eles.
Há erro sempre já que uma conduta está fora do padrão estabelecido pela regra geral.
É assim em qualquer lugar e mais ainda quando se toca nas leis de Deus.
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Atlante em 12 de Setembro de 2009, 16:35

A ignorância da lei não exime a culpa, no tribunal de direito civil ou criminal mas não no seio familiar, não na relação de PAI para FILHO.


Claro como o tinto. E assim numa penada lá foi a lei de causa e efeito às ortigas.

Boa tarde.

Esta afirmação é contraria à verdade e comete um erro de raciocínio elementar, sendo isto sim claro como a água.  ;)

A regra de que a um efeito corresponde sempre uma causa encerra-se sobre si mesma ou seja, uma mesma causa pode provocar uma variedade indeterminada e diversa de efeitos e um efeito pode ser determinado por um número indeterminado e diversos de causas.

Fico disponível para explicar melhor se tal for necessário.

Taprobana.


Explicar o quê companheiro?
Uma conduta incorrecta? Um valor que não temos?

Ou que a lei de causa e efeito não é uma lei divina, pelo que não se aplica às relações PAI para FILHO?

Podemos pensar de forma diferente, e estamos todos no nosso direito, mas daí a chamarmos mentirosos uns aos outros.

Atlante
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: shirlei em 12 de Setembro de 2009, 16:38
A lei divina é imutável,como todas as leis de Deus,n adulterar é um mandamento, uma lei,exclusivamente moral e q é a lei de amor,o mais frequente porém é a a satisfação do coração,do orgulho e da vaidade;o egoísmo. O adultério no meu ponto de vista é sim um crime moral. Mas n devemos julgar quem o pratica e sim ajudar mostrando q é possível sim deixar o orgulho e o egoísmo falar mais alto, q acredito serem as atitudes predominantes no adúltero. Acredito q se houvesse um diálogo aberto e amoroso ,tudo seria mais fácil e esta atitude evitada,q teria demais se o(a) amigo(a) nesta situação conversasse c o cônjuge sobre suas necessidade, desejos,carências afetivas? Mas já ouvi muitas pessoas acharem mais fácil se entregar a essa prática q se expor p seu(a) companheiro(a)...lamentável, mas optam por adulterar q acharem uma saída mais amorosa e menos egoísta...talvez o(a) companheira tbm desejem uma conversa assim! E tem vontades e desejos q o outro desconhece! Por timidez ou medo de ser mal interpretado(principalmente no caso das mulheres) n os confessa e n pratica...Tentemos nos ajudar , e nos amar mais, e relação satisfatória pode ser a q se tem, n a q encontrará...Abçs fraternos.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 12 de Setembro de 2009, 16:44
Citar
contudo falamos de uma excitação proveniente do desejo carnal. Este é sempre, comandado pelo Espírito e suas inclinações sensualistas com diz Kardec.
abração,
Moura
Sendo assim mano Moura, se é o espírito que comanda o corpo e está na origem das inclinações sensualistas, como explicar que a toma de um medicamento tipo Viagra (que apenas actua no fisico) aumente essas mesmas inclinações?   ???

Opa, epa!!!
Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa! hehehe
Um medicamento atua no corpo, é correto, e para por ai.
Confundir sua acção com a vontade do Espírito é outra, e nota, só se toma tal medicamento, para que se possa exacerbar uma vontade oriunda do Espírito sensualista.
O corpo não me reclama viagra ou vick vaporub, contudo se o Espírito sensualista necessita das revoluções da carne, por certo ele fará com que eu, use o viagra já que só não conseguiria. Assim, ajo por vontade não do corpo mas do Espírito.
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 12 de Setembro de 2009, 18:23
Citar
como falamos agora em consciência, crime e castigo vale lembrar um brocardo do "juridiquês": "A ignorância da lei não exime a culpa"

Voltando ao assunto da consciência:

A questão é nesse caso saber se quando o espírito é gerado simples e ignorante, já vem dotado da capacidade de percepcionar as leis inscritas na sua consciência ou se esse processo é a sua própria existência que vai desencadear, tal como acontece com os espíritos que encarnam num corpo, que detêm a priori o potencial de conhecimento adquirido que se vai manifestando na medida em que experimenta a vida encarnada.

A ignorância da lei não exime a culpa, no tribunal de direito civil ou criminal mas não no seio familiar, não na relação de PAI para FILHO.

Taprobana


Retomando esta linha de observação.

Não havendo nas relações de causalidade uma lei que estabelece uma relação de efeito-causa, ou de causa-efeito definida por consequências iguais ou semelhantes, o que se verifica é que para uma mesma causa e apontando agora a atenção ao foco do debate, os efeitos que são afectos ao individuo que provoca adultério são sempre diferentes consoante a sentença que a sua consciência dita e que parece estar relacionada com a caracterização do nível evolutivo de cada individuo.

O que acontece é que num determinado momento do seu percurso de vida um espírito pode sofrer consequência por este acto e num outro momento diferente que não necessariamente futuro (assumindo aqui o tempo como valor absoluto que sabemos não ser) pode não ter qualquer tipo de consequência.

A avaliação do bem e do mal e feita individualmente por cada individuo no que respeita ao bem estar da sua consciência. E essas noções também elas não são de todo absolutas... são relativas e circunstanciais e portanto necessariamente falsas.

Consoante a circunstancia em que se encontra, uma mesma acção pode provocar efeitos distintos em termos de bem esta, de paz ou sensação de felicidade num individuo, do mesma forma que essa mesma acção pode desencadear um percurso "infernal".

Nada pode provar que o percurso evolutivo é rectilíneo em termos temporais, pois a medida do tempo é uma sensação interna ao indivíduo vivenciada de forma não pura, ou seja sem ter a percepção da coisa em si.

A complexidade deste tipo de raciocínio envolve um manancial de matérias a ter em conta que vão muito para além daquilo que é possível fazer neste espaço de debate virtual, no qual nunca se assiste a uma osmose de conhecimentos entre as partes envolvidas, mas sim numa procura de certeza das convicções pessoais e egocêntricas de cada um.

O desconhecimento da lei dos Homens não é desculpa para a sua infracção, pois estas são absolutas quando vivenciadas dentro deste minúsculo aquário que é a vida. Mas essa noção não tem sentido numa relação de PAI para FILHO.

Taprobana


 
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 12 de Setembro de 2009, 19:39
O caso é: quando o Espírito foi criado, saiu da casca tal qual um animal, observem que estamos no Reino animal e não num outro reino qualquer.
Pouco raciocinava e quando o fazia atendia apenas aos seus reclamos básicos de defesa, alimentação e moradia. sobrevieram N encarnações até que chegou na terra.
Aqui e desde que desembarcou ou do aeróbus ou do trem bala ou do autocarro, já tinha bagagem adquirida para reformular pela razão e mesmoque esta fosse pouca ainda assim era um progresso adquirido a ferro e fogo.
Hoje em dia mais ainda e por isso o correto quer na moral ou quer na intelectualidade deve começar em casa. e por isso a ignorância da lei não exime a culpa.
São variadas e de diversas causas as reacções que as recebemos nos influxos do dia a dia, e por isso e ainda por sabermos que ainda nem arranhamos a casaca do ovo do saber espírita, ainda debatemos pontos básicos, reparam os amigos?
Tem razão o amigoTraprobana.
Só não concordo com a excludente que ele cria à culpabilidade no lar.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Haga em 16 de Setembro de 2009, 20:26
Diálogo sobre Poligamia, Promiscuidade, Infidelidade Consentida, Sexo Casual, Erotismo Doméstico e no Ambiente Profissional.

Benjamin Teixeira
pelo espírito Eugênia.


(Benjamin Teixeira) – Eugênia, há aproximadamente 10 anos, recebi, em consultório, um homem muito decente, no meu ponto de vista, que revelou a estranha fraqueza de manter vínculos com mais de uma mulher ao mesmo tempo. Isso me fez, pela primeira vez, provocá-la quanto ao assunto, embora você haja se mantido à época enigmática, em certa medida, e não me tenha autorizado manifestar nada em público.

A posteriori, tive contato com a autobiografia de Jung, em que o mestre se declarava polígamo. Interpreto Jung como um dos maiores gênios do século XX, e um mestre da Espiritualidade Sublime que reencarnou em importante missão em nosso orbe. Este era o ponto fraco dele? ou foi corajoso, de sua parte, admitir publicamente algo que não é propriamente uma falha psicológica ou moral? O que você teria a dizer sobre isso?

(Espírito Eugênia) – Primeiramente, gostaria que se fizesse uma distinção muito clara entre promiscuidade e poligamia, entre “sexo livre” e “infidelidade consentida”, entre o sexo casual assumido (que é um vício como qualquer outro) e a experiência-tendência da poligamia. Segundo, a vivência da poligamia sempre existiu na espécie humana e sempre existirá, enquanto houver vínculos sexuais entre pessoas. Explicando-me: as regras de relacionamento sexual foram cunhadas em função da reprodução humana e da constituição de família, para o zelo com a prole. Na medida em que a espécie humana adentra uma era civilizatória em que os aspectos meramente reprodutivos da sexualidade perdem progressivamente importância, elementos antes considerados heréticos, na conduta sexual – como a emancipação feminina (que fazia o homem se sentir desobrigado de prover seus rebentos), a homossexualidade (porque, em tese, impediria a reprodução: asseverei “em tese”, visto que muitos gays se casaram e deixaram descendência), a virgindade obrigatória antes do casamento (que garantia a não-fertilização por outro homem, antes que alguém assumisse uma parceira como consorte), o divórcio (que podia lançar toda uma família na penúria extrema) –, vão se tornando situações sociais aceitáveis e mesmo indicativas de modernidade aprofundada, aplicada e vivida, em diversos segmentos das comunidades humanas, sobremaneira as mais cultas e desenvolvidas tecnologicamente, conforme se pode observar nitidamente – notem-se, em especial, os índices de prosperidade econômica e política, que conferem, nas democracias pós-industriais, um coeficiente de liberdade ao indivíduo sem precedentes, na História da Humanidade.

A religião e seus estatutos, em verdade, tão-só exaravam, dando-lhes uma aura de obrigatoriedade inquestionável, as necessidades de interesse coletivo, que, por isso mesmo, foram bem-vindas ao tempo certo, nas sociedades apropriadas. Não mais hoje, todavia.

(BT) – Nossa, Eugênia, isso é extremamente polêmico…

(EE) – Não tanto. Observe que André Luiz, no clássico Nosso Lar, de autoria mediúnica do inolvidável Chico Xavier, referiu-se a um caso curioso em que um homem coabitava com duas esposas de sua pregressa existência. Deixou claro que não aludia, ali, à bigamia, nos dizeres terrenos, mas lembrava a constituição das famílias do orbe, em que antigos relacionamentos sexuais de ambos os pais renascem como filhos do casal, para darem continuidade ao aprendizado reciprocamente partilhado, século sobre século.

(BT) – Então, não havia sexo, como você mesma disse.

(EE) – Nunca há, meu filho, mesmo com a esposa com quem a personagem entretecia laços mais profundos de afinidade, e que ocupava, com mais “legitimidade”, a função de consorte espiritual. Na Espiritualidade Sublime, como se sabe, não há a fricção de corpos, na cópula animal indispensável à procriação. A mera aproximação psíquica, com permuta de forças mentais, é suficiente para que a satisfação profunda de alma a alma possa acontecer.

(BT) – Você quer dizer, portanto, que pode existir, no plano físico, a necessidade de sexo com mais de uma pessoa, em laços dessa natureza?

(EE) – Sim. Mas não se trata de algo imperioso. Pode ocorrer ou não. É muito comum, nas relações humanas, percebermos vínculos esponsalícios entre pessoas que não mantêm intimidade física, de caráter sexual. Por exemplo, sócios de um empreendimento profissional, parceiros de trabalho muito harmônicos, amigos bastante afinados, familiares sinérgicos: vivem formas dissimuladas de poligamia, em que o consórcio dos espíritos envolvidos favorece a troca de elementos fertilizadores entre os psiquismos, a fim de que a produtividade, a criatividade, a motivação, a fraternidade, a felicidade possam se estabelecer de múltiplas, concomitantes, progressivas formas de satisfação partilhada. Todos sempre ganham com isso… É o egoísmo humano, em seu exclusivismo possessivo e controlador que urde as teias mefistofélicas da castração a dois, em que, amiúde, inimigos se intoxicam mutuamente, adoecendo corpo e espírito, em antipatia correspondida e retroalimentada, década sobre década. Muitos matrimônios de fachada, assim, são mantidos por mero interesse patrimonial ou social, na preservação das aparências, quando não existe mesmo, a motivar a perpetuidade dos laços corrompidos, o mero medo da solidão, do abandono, da rejeição.

(BT) – Nossa!… Eugênia… Tem certeza de que você quer que eu publique isso?

(EE) – Sim.

(BT) – Muitos se chocarão.

(EE) – Sei disso. Mas nos agradecerão no futuro. Atualmente, os polígamos vivem na clandestinidade, quais os homossexuais de outro tempo e de hoje mesmo, em vários rincões retrógrados do planeta. Por sinal, quantos homossexuais se declaram, no presente, mesmo em ambientes ultracivilizados? Ainda constituem uma minoria. Estarão, tanto homossexuais como polígamos, liberados, nas sociedades do futuro, a viverem seus elos de felicidade e criação, sem vulgaridade, promiscuidade ou apego a viciações de ordem sexual, que nada têm a ver com o que aqui estudamos.

(BT) – Curiosamente, quando fez referência à não-obrigatoriedade do conúbio sexual, lembrei-me de que, há poucos meses, acordei-me muito grave, para conversar com meu companheiro, Delano Mothé, revelando-lhe que me encontrava numa relação a três e lhe perguntando se não se incomodaria com isso. Meu pobre consorte fez uma expressão de espanto e angústia, a princípio, mas abriu enorme sorriso quando lhe esclareci que estava me sentindo casado com você, adorável Eugênia…

(EE) – Exatamente. A sinergia psíquica profunda é o que caracteriza a relação esponsalícia. Observe que isso deixa espaço a múltiplas interpretações, e muitos discordarão, provavelmente com razão em vários aspectos, desta nossa conceituação de poligamia. Mas cada qual, na câmara secreta da própria consciência, pode averiguar se se sente casado com alguém que não seja seu parceiro sexual. A identificação desses laços facilita a administração da própria existência, porque os “cordões de bronze” (leia-se, neste mesmo sítio eletrônico, estudo de Eugênia a respeito) que se estabelecem entre esses “esposos do espírito” são profundamente poderosos, e devem ser considerados em toda ordem de tomada de decisão séria na vida de um indivíduo, para que as compensações ou descompensações energéticas, oriundas da contemplação ou negligência dessa realidade psíquica subjacente, não venham a favorecer o que não se queira ou frustrar o que se pretenda materializar no próprio caminho de vida. Há pais de família casados com uma filha ou um filho(!), e nenhuma decisão é sustentada sem a anuência do consorte da alma, não importando o quanto o cônjuge do corpo se oponha ou não. CEO’s de grandes corporações entretecem visíveis elos eróticos (sem sexo) com determinados assessores, ainda que do mesmo sexo (sendo ambos heterossexuais), e a fermentação recíproca de idéias é óbvia para qualquer observador que se permita estudar, com mais cuidado, o profundo processo de “fertilização” psíquica que realizam, para promover as obras por que são responsáveis.

Vemos aqui, inequivocamente, a “libido” da terminologia freudiana, que não é outra coisa senão isto: a energia para a vida, que o bebê projeta no seio materno, sugando-lhe a linfa salvadora, necessidade esta que, mais tarde, a criatura redimida volta para a Transcendência, nutrindo-se das Vibrações Sublimes que dimanam dos Representantes de Deus, num fenômeno bem denominado de “teotropismo”, por um mestre de nosso Plano, quando encarnado (*).

Lembremo-nos de como os preconceitos são cancros persistentes na psique humana, tanto de indivíduos, quanto de coletividades inteiras, e de que somente pela libertação de atavismos primários lograr-se-á ascender para as excelsitudes da vida angelical, em que o sexo terá sido de todo abolido, da perspectiva humana (que o entende como encontro físico-afetivo íntimo entre criaturas), mas em que o amor, pujante, livre de peias ou qualquer tipo de castração aviltante, manifesta-se de toda forma e em todas as direções possíveis, sem distinção de pessoas, situação ou classe social. Medite-se nisso.

Na dúvida, prezado amigo – e isso gostaria de explicitar ao leitor que se sinta um pouco mais confuso (o que é natural) –, siga cada um a bússola infalível da própria consciência, fazendo uso da ferramenta básica para a solução de pendências complexas, proposta por Nosso Senhor Jesus: “Conhece-se a árvore pelos frutos.”

(BT) – Eugênia, posso fazer uma última provocação sobre a temática?

(EE) – À vontade.

(BT) – Allan Kardec, abordando o assunto, obteve dos Espíritos de Escol que o inspiravam a resposta de que a monogamia e o casamento constituíam índices de progresso e de afastamento da selvageria animal. Isso não entra em contradição com suas assertivas?

(EE) – Não. O próprio Kardec asseverou que as contradições havidas em ditados do Plano Superior são mais aparentes do que profundas. Primeiramente, a época era outra. Assuntos desta envergadura de delicadeza e complexidade não poderiam ser abertamente ventilados por aqueles dias. Os próprios Orientadores Desencarnados do Codificador disseram-lhe que ao futuro estariam reservados relevantes esclarecimentos sobre tópicos ainda proibitivos para aquele momento, asseverando, como base principiológica das mais importantes do Espiritismo, que nossa escola de pensamento cresceria e seria reformulada, à medida que novos conhecimentos e costumes, com a natural evolução dos povos, tivessem oportunidade de acontecer.

Tratava-se sexo, à época, como uma mera necessidade fisiológica. E quem ainda vir a sagrada função desta forma deverá sofrer a regra geral da contenção disciplinar dos impulsos. Todavia, quando um indivíduo adentrou patamares mais altos de sofisticação psicológica, refinamento emocional e complexidade psíquica, terá necessidades correlatamente mais complexas, profundas e – para uma ótica mais estreita, superficial e preconcebida – ambíguas, questionáveis, mas que preferimos dizer, numa linguagem mais filosófica: paradoxais.

Há quem ainda precise compreender Deus como um ministrador de castigos eternos, para abster-se de praticar maldades. Também há quem necessite entender que será punido com o carma, se não ouvir a voz de sua consciência (como se fosse necessário maior punição que o mal-estar consigo mesmo, com a perda da paz). E, muito embora conseqüências desastrosas realmente advenham de má conduta, que podem ser compreendidas como provenientes de um Deus-Justiça ou da Lei-do-Carma, o fato é que cada um deve buscar o quadro de valores de que carece, para seu adiantamento e melhoria das condições de felicidade e paz partilhadas com seus semelhantes.

Importante considerar, entrementes, que, assim como existem os que vivem na linha rasa da moralidade comum, há os que trafegam nos Altiplanos do Poder percebido e utilizado, conscientemente, para o bem comum, e que nunca fraudam, não por medo de ser descobertos ou punidos, e sim porque têm aversão ao mal e atração natural pelo bem. Para estes, a era da obediência findou-se, e vivem um reinado absoluto da consciência, a um ponto tal que, ainda que sofressem amargos resultados por suas escolhas não-convencionais (conquanto não necessariamente contra-convencionais), prosseguiriam, impertérritos, em suas opções extraordinárias, fomentado o progresso das coletividades e favorecendo a aceleração da chegada da era da felicidade comum e da concórdia universal que um dia se estabelecerá sobre o orbe, para nunca mais ter fim. Lembre-se de Joanna d’Arc, queimada viva por não renegar a Voz dos Imortais e por rejeitar roupas femininas; ou de João Huss ou Giordano Bruno, permitindo-se imolar pela fidelidade às suas convicções científico-filosóficas. Há-os ainda hoje, como também as fogueiras, da mesma sorte. As piras ardentes, em que crepita o fogo da intolerância e do ódio a minorias, são mais subjetivas e metafóricas, mas continuam fazendo suas vítimas, com dores provavelmente maiores que as de uma mera morte por combustão viva, porque, amiúde, mais sorrateiras, sutis e demoradas, consumindo, aos poucos, seus mártires, ano sobre ano, década sobre década, para só serem aplacadas quando os ventos da História soprarem sobre comunidades reacionárias, compelindo-as a páramos mais altos de civilidade.

(Diálogo travado em 24 de outubro de 2008. Revisão de Delano Mothé.)

(*) Huberto Rohden. Tem sido citado por outros autores, inclusive co-autores mediúnicos, sem a devida referência ao autor original.

(Nota do Médium)
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 16 de Setembro de 2009, 20:50
Novamente outro Espírito(?!) que diz que kardec errou ou que disse oq ue não se vê em seu escrito.
Lembro que no Livro dos Espíritos respondem apinas e tão somente Espíritos e que Kardec fez apenas notas sem que estas se distanciassem do que já havia merecido o consenso entre os Espíritos Reveladores.
Este o grande problema, dar-se conta de doutrina à uma manifestação apenas oriunda da opinião pessoal deste ou daquele Espírito e é este um dos maiores fomentadores da cizânia e das interpolações que as vemos dentro os do Movimento Espírita.
Uma tristeza.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: hcancela em 17 de Setembro de 2009, 10:23
Olá amigos(as)

Amigo HAGA estas palavras nada tem a ver consigo mas com o texto em questão, porque o mano merece-me o máximo respeito e também pelo direito á sua opinião; mas:

Com um profundo respeito por todos(encarnados e desencarnados) mas há coisas que fogem do nosso bom senso, e para as quais não vale a pena comentar. :o :o :o ::) ::) ::) ::)

Sem comentários :-* :-* :-* :-* :-* :-*
Obs: Espero que compreenda estas minhas palavras.

SAUDAÇÕES FRATERNAS
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Dhan em 17 de Setembro de 2009, 21:13
Muito oportuno o texto, Haga. Obrigado.

Abs!

~Dhan
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 18 de Setembro de 2009, 00:20
Boa noite

Um novo ponto de observação para este debate.

E se as emoção e as sensações forem determinadas, impostas pelo cérebro?

Estudos de António Damásio aproximam-se muito da conclusão de que afinal, atributos como a capacidade da emoção e dos sentimentos que desde sempre foram tidos como pertencem à componente espiritual do indivíduo, afinal estão contidos no seu processo racional, comummente conotado no meio cientifico como um efeito da actividade cerebral.

Esta conclusão deve ter no seio da sociedade efeitos profundos na reavaliação do sujeito em termos de moral, pois se um “deficiente” mental é dado como inimputável quanto à responsabilidade das suas acções, este sentido de justiça terá que abranger também aqueles cujo cérebro perdeu as suas faculdades no uso da emotividade.

Acontece, que este tipo de individuo, vulgarmente é perfeitamente normal e capaz em todos os índices de caracterização capacitaria como a demonstração de um QI elevado é exemplo, mas cuja conduta se apresenta de todo desadequada em termos de moral social.

Foi já verificada, a completa transmutação de valores, cuja vontade e acção determina uma nova e diferente identidade moral em indivíduos, que após passarem por um incidente que atinge uma determinada zona do cérebro, pura e simplesmente se tornam irreconhecíveis em termos de caracterização de personalidade, ou seja, de um momento para outro, e apesar de todas as funções cerebrais relacionadas por exemplo com a capacidade de raciocinar, com a memoria ou com a identidade de si mesmo se mantêm intactas, a conduta prática se transforma de tal forma que a própria família deixa de os reconhecer, como se um novo espírito, completamente diferente em termos de moral se apodera-se dessa identidade.

Penso ser importante entender o significado que pode ter este dado na apreciação deste tema em debate, ou seja, na natureza humana que pode justificar de forma “involuntária” actos como o adultério é exemplo, ou mesmo naquilo que entendemos acerca da natureza dos espíritos e dos seus atributos, das implicações deste entendimento da função cerebral que pode tornar clara a forma como o Karma de uma vida pode ser afinal determinado através da “programação” do cérebro que adquirimos no acto da reencarnação, ou verificar como a avaliação do que significa “livre arbítrio” que assim parece ser reduzido aquilo que a matéria determina para cada um.

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 18 de Setembro de 2009, 16:02
"(...)Esta conclusão deve ter no seio da sociedade efeitos profundos na reavaliação do sujeito em termos de moral, pois se um “deficiente” mental é dado como inimputável quanto à responsabilidade das suas acções, este sentido de justiça terá que abranger também aqueles cujo cérebro perdeu as suas faculdades no uso da emotividade".

Essa parte a lei já protege mano Traprobana. Veja que são inimputáveis estes que você coloca como deficientes mentais. Os outros, como os psicopatas, têm amarração legal que os faz serrem apenados em locais próprios. Pois os psicopatas sabem o que fazem, se dão ao trabalho de calcular tudo para o fim que querem dar, e não sentem senão vontade de fazê-lo.
Se têm conhecimento do que fazem merecem a punição.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Ivi em 18 de Setembro de 2009, 19:18
Crime Moral !

Crime moral é uma expressão muito forte na minha opinião.
Não li todas as intervenções neste tópico, no entanto tenho a impressão de ser uma amoral.
Não vejo assim de forma tão radical o adultério. Não estou a defender, pelo contrário – as minhas raízes católicas de infância e juventude se mostram muito presente em minhas atitudes e valores e, principalmente agora.
Apesar de ter participado do ‘ritual casamento’ dentro do catolicismo, quando eu disse um ‘sim’ – eu o disse olhando nos olhos do meu marido e isso significa, além de tudo que nos é dito naquele momento – a fidelidade sob qualquer situação.
E não precisa ter ritual não: basta que duas pessoas se unam debaixo dos valores de Cristo e dos valores de seus corações que a responsabilidade do 'casal' já está firmada.

Por outro lado, se eu tiver que definir o adultério eu prefiro defini-lo como ‘um erro de conduta moral’, não crime moral. Pode ser a mesma coisa ? Pode ! No entanto o termo fica mais leve. Crime me dá a sensação de atitude cometida sem volta sem perdão, uma situação irreversível, uma sentença. E não é bem assim.

Qualquer uma das partes que comete o adultério por fraqueza de não romper primeiramente com o casamento (atitude digna de qualquer ser racional ou algo que o valha), tem que ter mente que, ainda que haja arrependimento, as conseqüências serão inevitáveis.

Não sei se estou a ser simplista demais com o assunto, mas adultério e só isso e tão somente isso. Se escolheu esse caminho a única maneira de sair dele (se quiser) é através de atitude. Se a atitude de querer levou-o por esse caminho, a mesma atitude de não querer deverá retirá-lo dele.

O ponto crucial que deve ser muito bem pensado é isso: ‘a cada um segundo suas obras’.

Abraço fraterno !
Ivi
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 18 de Setembro de 2009, 19:43
Ivi,
se mato uma pessoa, este fato não tem cura?
Claro!
Sofro as penas da lei e depoi8s estou rehabilitado na sociedade.
Para como crime contra a moral, este o capítulo legal, mas falando para com as leis de Deus, existe, também não o castigo, mas a recondução ao bem. Para isso as diversas reencarnações.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: hcancela em 18 de Setembro de 2009, 20:06
Olá amigos(as)

Encontrei ;) ;) ;)esta pequena história que achei interessante (para conversar) ;D ;D :-* :-* :-* :-* :-* :-* :-* :-* :-* :-* :-* :D :D :D :D :D :D ;) ;) ;) ;) ;) ;)

Conheci no meu primeiro emprego um rapaz que me contou uma situação incrível que acontecera no dia anterior com ele. Era um espírita que tinha por clichê principal o popular “nada acontece por acaso”. Recém enamorado de uma jovem, no auge da paixão, foi conhecer a sogra. A recepção foi ótima e a relação com a mãe de sua amada teria sido perfeita, não fossem os constantes atrasos da namorada. Sempre que o rapaz chegava na casa da amada, ela – só para não perder o costume – não estava pronta. A sogra fazia sala e desde o primeiro dia ofertava ao rapaz um copázio de abacatada. Detalhe: meu colega não suportava abacatada. Mas sabe como é, o que não faz uma paixão. Ele colava o sorriso no rosto e num malabarismo facial tentava não demonstrar nas primeiras goladas o desconforto. Assim que a sogra pedia licença para ir apressar a filha ou fazer algo fora dali, ele jogava todo o restante da abacatada por uma janela que ficava bem atrás do sofá e que dava para um quintal ermo. Era uma atuação perfeita. Agradava a sogra, não perdia a nova namorada e não tinha de tomar a abacatada. A primeira quinzena passou tranqüila. Sogra, abacatada, janela, namorada. Sogra, abacatada, janela, namorada. Que eficiência, que destreza no lançamento do suco. Já fazia sem olhar. Certa noite, porém, tão logo a sogra sumiu no corredor, ele, lépido e seguro, virou o caneco com o mesmo bailado manual de sempre. De repente, ouvi um barulho alto e estranho. Vira-se e os olhos se arregalam perplexos. A janela estava fechada! O estrago na parede era devastador. O verde abacate espalhou-se qual tinta repicada, respingando janela, quadros, sofá, entre outras mobílias. O rapaz sequer teve tempo de recompor-se. Quando virou estava a namorada e a sogra chocadas. Adivinhe qual foi a primeira coisa que lhe veio na cabeça: _ Nada acontece por acaso! O que isso tem haver com a situação? Perguntei. Sei lá. Sempre usei essa frase para justificar o que não sabia explicar. Respondeu o ex-namorado e improvisado decorador. Anos depois quando o reencontrei, obviamente, não deixei de tocar no assunto. Desta vez, perguntei a ele qual foi a lição que ele tirou da situação. Ele sorriu e disse: nem sempre na nossa vida, as janelas estarão abertas. O cara é uma figura.
Realmente, tornou-se modismo dizer: “nada acontece por acaso.” Ô frase repetida. Para todos os males ela é receitada. Se o cachorro morreu, se o copo caiu ou se o casamento acabou, lá está ela explicando. Afinal, se nada acontece por acaso, então há destino? Os fatos tinham que acontecer assim? Os conceitos andam misturados e tem se falado demais o que cabe no de menos.
Então vamos explicar melhor. Sim, não existe acaso. Mas a afirmação “nada acontece por acaso” tem sido usado com um significado distorcido, pois implicitamente está se dizendo que Deus quis e interveio para que aquilo acontecesse, independentemente de nossa ação ou omissão. É um erro. Será que Deus interfere sempre nos rumos de nossa vida? Será que existe destino? Será que cada fato de sua vida já está determinado, até arremessos de abacatada na parede alheia? Será que uma pessoa já nasce condenada a ser de um jeito? Cadê nosso livre-arbítrio? Cadê a responsabilidade por nossos atos e o valor do esforço, da dedicação, da preparação? Vamos explicar alguns aspectos.
Existem várias teorias que tentam explicar o assunto. Vamos conversar sobre as cinco principais. A casualidade; o livre-arbítrio absoluto; o fatalismo; o predestinacionismo e o determinismo. Os que defendem a casualidade, acreditam no poder do acaso, das coincidências, da força cega. Por isso, não acreditam em Deus e na lógica da vida e do universo. Os defensores do livre-arbítrio absoluto acreditam que podem tudo, que o homem é a medida de todas as coisas e o senhor autônomo de seu destino, independentemente de circunstâncias, contexto e condicionamentos. Nada deve cercear sua liberdade. O fatalismo defende que tudo está predeterminado, ou seja, acreditam no destino. Alguns já nascem para brilhar e outros para perder, sendo, de tabela, irrelevante o esforço para mudar o destino. Dentro da corrente fatalista, uma mais moderna chama atenção: são os fatalistas genéticos. Segundo eles, são os genes - nossa herança hereditária -, que definem quem somos, inclusive em relação a nossa personalidade e caráter. Segundo essa corrente filosófica, de muito pouco adianta tentar educar uma pessoa que tem herança genética para ser ignorante ou tentar reintegrar um criminoso que tem em sua herança genética a tendência delinqüente. Os predestinacionistas acreditam não apenas que uns são beneficiados com a sorte e outros com o azar. Separam a criação divina entre escolhidos e os anjos caídos. Os primeiros podem ser salvos, os segundo já nascem condenados ao inferno. Por fim, a mais sensata de todas e a abraçada pela doutrina espírita, é a teoria determinista, que – ao contrário do que se pensa – não prega o destino, mas a programação espiritual, que é resultado da lei de causa e efeito. O destino, no seu conceito clássico, atinge todos os fatos da vida. Tudo que acontece na vida estaria fixado inexoravelmente. A programação espiritual, diferentemente, restringe-se a alguns fatos. Os demais fatos são conseqüências de nossas ações e omissões. Além disso, a teoria determinista concilia-se com perspectivas psicológicas, filosóficas e históricas, pois não nega a influência do meio, do momento social, cultural, histórico e dos demais condicionamentos humanos. Por isso defende que o livre-arbítrio existe, mas não é absoluto, já que a atitude do homem pode sim ser decisiva quanto aos rumos de sua vida, mas não desconsidera os demais fatores que o influenciam no uso do livre-arbítrio. Os espíritos superiores ensinam (Questão 845, do Livro dos Espíritos) que “não há, porém, arrastamento irresistível, uma vez que se tenha a vontade de resistir. Lembrai-vos de que querer é poder.” Portanto, se um copo cai no chão não é errado você dizer: “nada acontece por acaso”, desde que você não esteja querendo insinuar que Deus deu um empurrãozinho na sua mão e foi o responsável pela queda do copo. Ele caiu porque você não o segurou como devia ou porque bateu sem querer nele ou por outros motivos que sogra nenhuma aceitaria... Como se vê não foi por acaso, a queda foi o efeito de uma causa, mas não foi Deus, foi você que o derrubou. Esse exemplo simples, serve para muitas outras tantas situações. O item 4, do capítulo V, do Evangelho Segundo o Espiritismo desmistifica o assunto: “De duas espécies são as vicissitudes da vida, ou se preferirem, promanam de duas fontes bem diferentes, que importa distinguir. Umas têm sua causa na vida presente; outras, fora desta vida. Remontando-se à origem dos males, reconhecer-se-á que muitos são conseqüência natural do caráter e do proceder dos que os suportam. Quantos homens caem por sua própria culpa! Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição! Quantos se arruinaram por falta de ordem, de perseverança, pelo mau proceder, ou por não terem sabido limitar seus desejos! Quantas uniões desgraçadas, porque resultaram de um cálculo de interesse ou de vaidade e nas quais o coração não tomou parte alguma! Quantas dissensões e funestas disputas se teriam evitado com um pouco de moderação e menos suscetibilidades! Quantas doenças e enfermidades decorrem da intemperança e dos excesso de todo gênero! (...) O homem, pois, em grande número de casos, é o causador de seus próprios infortúnios; mas, em vez de reconhecê-los, acha mais simples, menos humilhante para sua vaidade acusar a sorte, a Providência, a má fortuna, a má estrela, ao passo que a má estrela é apenas a sua incúria.”
De tudo quanto foi dito, fica claro que o acaso realmente não existe, mas os acontecimentos de nossa vida são, em sua maioria, resultados diretos de nosso comportamento e da combinação de vários fatores. Deus age sim em nossas vidas e muito, mas não viola nosso livre-arbítrio e também não castiga, apenas permite que recebamos a colheita de acordo com o que plantamos. É isso.
Ainda hoje fico me perguntando. Será que a senhora ainda continuou servindo abacatada para os pretendentes da filha? Terá mudado para água-de-coco para evitar maiores estragos ou só cuidou de deixar a janela aberta em tais ocasiões? Uma coisa é certa, daria tudo pra ter visto a cara do meu colega quando viu a janela fechada.

Do Blog" Visão Espirita" Augusto Comte.

SAUDAÇÕES FRATERNAS

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Ivi em 18 de Setembro de 2009, 20:31
Moura,

se mato uma pessoa, este fato não tem cura ? Claro ! Sofro as penas da lei e depois estou reabilitado na sociedade’.

Correto. E acrescento que o cumprimento das penas sob a lei dos homens é parte do caminho a ser trilhado pelo ‘réu’, pois ainda lhe faltará ‘a recondução ao bem. Para isso as diversas reencarnações’.

O que eu quis dizer no meu tópico é que o crime moral do adultério (que eu prefiro chamar de erro de conduta) é opcional (como tudo em nossas vidas), mas que cabe a cada um saber o peso que é capaz de suportar como consequência por tal ato praticado.

Se eu errei na minha colocação, não foi por discordar de você, mas por não acompanhar seu raciocínio.

Abraço fraterno !
Ivi
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 18 de Setembro de 2009, 21:04
Não mano você não errou, eu apenas quis colocar mais clara a questão.
Veja: Todo crime é um erro de conduta, uma conduta reprochável diante da lei, ou um fato delituoso que excede uma conduta tida como normal e aceita pela sociedade, logo foram apenas palavras que encontram-se sinonimas pela interpretação ao tema.
Note também que um dos intuítos da pena cominada ao crime é a recondução ao Bem ou ao caminho adotado como correto pela lei vigente.
De encontro a lei divina, eterna e imutável porque é perfeita, é que, diante dos progressos das sociedades a lei humana vem se modificando desde há muito tempo.
As leis dos homens derivam dos códigos canônicos mais tarde chamado de direito canônico.
Delas vieram as tantas atitudes a serem coibidas, coercitivamente e coativamente.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 18 de Setembro de 2009, 21:40
Citar
(... )Por fim, a mais sensata de todas e a abraçada pela doutrina espírita, é a teoria determinista, que – ao contrário do que se pensa – não prega o destino, mas a programação espiritual, que é resultado da lei de causa e efeito. O destino, no seu conceito clássico, atinge todos os fatos da vida. Tudo que acontece na vida estaria fixado inexoravelmente. A programação espiritual, diferentemente, restringe-se a alguns fatos. Os demais fatos são conseqüências de nossas ações e omissões. Além disso, a teoria determinista concilia-se com perspectivas psicológicas, filosóficas e históricas, pois não nega a influência do meio, do momento social, cultural, histórico e dos demais condicionamentos humanos. Por isso defende que o livre-arbítrio existe, mas não é absoluto, já que a atitude do homem pode sim ser decisiva quanto aos rumos de sua vida, mas não desconsidera os demais fatores que o influenciam no uso do livre-arbítrio.(...)

Boa noite.

Dando mais um pequeno passo na ultima linha de raciocínio que editei formulando a hipótese seguinte:

Conjugando este ponto de vista citado com aquele que é possível especular acerca das funções do cérebro investigadas por António Damásio, é dedutível que a constituição potencial do cérebro seja o factor determinante onde estaria inscrita a programação a que o espírito estaria sujeito no decurso da sua encarnação e não no espírito definido segundo aquilo que a doutrina espírita preconiza, ou seja no princípio inteligente da matéria. Assim e utilizando uma imagem ilustrativa e explicativa desta hipótese, o corpo seria uma espécie de hardware previamente programado e o espírito o seu utilizador, sendo que assim, seria racionalmente possível entender a forma como esse determinismo é exercido sobre o principio inteligente e dentro da harmonia caracterizada pela vida observável na natureza que integramos.

Taprobana
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: MarcoALSilva em 19 de Setembro de 2009, 01:19

Permitam-me opinar.

Sempre que um tema toca a questão do determinismo em contrapartida ao livre-arbítrio entramos em uma senda relativística, na qual todos estão corretos ou equivocados conforme se adote uma ou outra visão filosófica a respeito.

De minha parte prefiro considerar que seja qual for a base fisiológica ou bioquímica do organismo humano, será sempre o conjunto de comandos que coordena os fenômenos fisiológicos e bioquímicos que deverá ser tido como "responsável" por esses mesmos fenômenos. O sujeito nem precisa ser espiritualista para aceitar que o funcionamento do ser é como um software em operação. Não será esta ou aquela operação que o sistema realiza que determina tais ou quais características desse sistema, mas sim o fato de ter-se tal operação como determinada pelo software.

Sim, é verdade que quando a epinefrina é liberada na circulação o ser põe-se em condições de luta ou de fuga; no entanto o que caracteriza o ser não será a epinefrina, mas sim o que ele faz sob seu efeito.

Então, se a pessoa pratica adultério, poderá esculpir para si a mais linda obra de construto justificativo... nem por isso terá deixado de agir na livre vontade de assumir um relacionamento ou ato isolado (pouco importa) de desafogo sexual.

Não se trata de julgar. Apenas assumir que somos 100% responsáveis por tudo o que fazemos ou deixamos de fazer...

É como penso.

Abraços!
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 19 de Setembro de 2009, 15:29
Acredito que você vai bem no seu pensamento Marcão!

Sobre a questão da reencarnação e os softwares deixo aqui um texto meu escrito já há alguns anos

INFORMÁTICA E REENCARNAÇÃO - ANALOGIA

Moura Rêgo
 
  Em todos os meus comentários ou explicações, tento abordar o tema de maneira mais fácil ao entendimento de todos, este procedimento me levou a buscar na analogia que estudaremos um meio mais interessante de conduzir minhas palavras.
Como a informática e o mundo dos bits e bytes tomou de assalto a todos no Brasil, escolhi esta esfera para concentrar as explicações acerca da reencarnação.
Pois bem, sabemos que os espíritos foram criados puros e ignorantes, tal como um computador novo. É nesse micro, cujo HD espiritual conta com muitos terabytes de espaço, que há de ser colocados os dados referentes a todas as vivências pelas quais tenhamos passado durante os inúmeros périplos já experimentados por todos nós. Tais encarnações,terão o efeito de “UP GRADES”de nosso sistema operacional espiritual, e por via dessas numerosas “atualizações de sistema”, vamos nós “computadores espirituais”, eliminando de nosso sistema os “bugs”(cristalizações) que ainda se encontrem a perturbar o correto funcionar de nosso “sistema operacional”(caminhada do espírito rumo ao progresso).adquiridos pelo mau uso do nosso Livre Arbítrio.
E o que viria a ser Livre Arbítrio senão a sucessão de “comandos”(atos pensamentos e palavras), efetuados por nós, espíritos encarnados, em nossa máquina espiritual? A cada comando corretamente efetuado, adviria uma resposta correta da máquina espiritual, que nos levaria a patamares evolutivos(tipo as fases de um game), superiores e assim por diante. Mas, a cada “bad command”, ou digitação errada, o nosso micro espiritual, adquiriria um novo “bug”(imperfeição), que deveria ser revisto em nova “atualização do sistema”(reencarnação), ou “boot do sistema operacional espiritual”.
Esta ordem de “up grades”espirituais, seguirá até o ponto no qual o sistema operacional espiritual encontre-se livre dos tais “bugs de sistema”(imperfeições), e desta maneira, todo os programas de progresso estejam, por sua vez, instalados e “rodando”natural e sem problemas. Fácil, não?
Não mesmo... não se pode pensar em informática, navegação na Web,  sem se tomar alguns cuidados básicos, como o uso de um bom anti viral e de um atualizado fire wall. Claro minha gente, estes dois programas é que nos dariam maior tranqüilidade na navegação da web espiritual, já que até mesmo nela existem os “Hackers do espírito”, e é isto a que muitos de nós deixam escapar, quer pelos bugs de sistema que ainda se encontrem na máquina espiritual, quer por desconhecimento dos comandos acertados (o Orai e Vigiai por exemplo). Desta maneira, com algumas portas abertas em nosso sistema operacional espiritual, seremos presas fáceis destes Hackers do espírito, sempre dispostos a nos invadirem o sistema e dele surrupiarem o que de mais importante temos dentro de nossos HDs espirituais.
Mas o que seria? A resposta se afigura simples, a qualidade espiritual meus amigos. É por isso que cá estamos, a procurar melhorar nosso sistema operacional cada vez mais, a custa de alguns comandos que efetuamos nos programas da ajuda desinteressada, amor ao próximo, fé raciocinada em Deus e no porvir e trabalho no bem... sem nos esquecermos do programa importantíssimo que é o conhecimento doutrinário. Este comando é o único variável visto que nem todos usam o mesmo tipo de micro, há os que, em maior número, usem plataformas baseadas em “chip set” IBM e os que diferentemente usem os famosos “Macs” espirituais, e todos sabemos que muitos dos programas, a começar pelo sistema operacional do mac, é diferente do usado nos PCs espirituais comuns, mas via de regra o principal é o mesmo por isso, tal como em todas as religiões, a base é boa e impele o espírito à melhora.
Meus irmãos, nosso trabalho na web do espírito é importantíssimo, não só para nós, enquanto espíritos, mas também para todos aqueles que nos permeiem a existência. Uns ao tomarem conhecimento de nossas ações, pela simples imitação começarão a perpetrá-las, depois pelo conhecimento da melhora experimentada, irão se ajuntando na mesma “galera”, buscando sua elevação espiritual. Outros, ainda meio desconfiados, procurarão conhecer melhor o sistema por nós usado e ao verem  da qualidade dos engenheiros espirituais que nele trabalharam, por certo a ele migrarão, e assim todo o projeto do Plano Divino, idealizado por Mais Alto.
Mas, perguntarão muitos, será que a equipe de Tecnologia de Informatica espiritual de mais Alto funciona? Com certeza que sim... E de forma simples,  mas eficaz: Dá-nos, ainda na erraticidade, período em que o espírito se vê despojado de sua veste carnal (mas que não se confunda erraticidade com estado de erro, este conceito é profundamente eivado do vício do desconhecimento. Na erraticidade, o espírito encontra-se totalmente desperto e sabedor de suas potencialidades, podendo fazer ou deixar de fazer isto ou aquilo em razão de seu Livre Arbítrio), a responsabilidade de escolhermos, diante das impurezas a que ainda tenhamos de nos desfazer, ou  mesmo das dívidas que em virtude do mau uso que tenhamos contraído, as provas necessárias para que possamos saldar todos esses débitos pretéritos. De tais provas, quando encarnado, o espírito só se lembra da generalidade, o que empresta maior significado tanto à estadia do espírito na carne, quanto ao uso que vá fazer de sua reencarnação. Por isso, e pela afinidade que ainda mantenha para com tais grilhões, muitos de nós, espíritos encarnados, soçobram no mar agitado que fazem de suas encarnações.
Então meus amigos, que estejamos sempre, a procurar manter nossas máquinas espirituais, sem “bugs” e bem guardadas pelos programas de segurança(fé, conhecimento, amor ao próximo e trabalho no bem), para que possamos usar melhor, para nós e para aos que nos estejam ao lado durante nossa caminhada pela terra, esta dádiva de amor e justiça que se chama REENCARNAÇÃO.

Rio de Janeiro, 02 de maio de 2004.

Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: sensitive em 19 de Setembro de 2009, 19:52
olá !
como já diz um ditado bem velho ;
Compreendemos mal o mundo e depois dizemos que ele nos decepciona. ;)

Na realidade não existe adultério, se a filosofia é vermos como seres individuais.
Ninguém é de ninguém como tal  não há razão do adultério ser um crime moral.
O que pode haver é um peso de consciência  do individuo que o pratica.
Em primeiro lugar está a enganar-se a si proprio e em segundo lugar terá que aceitar as consequências, mas se não tiver nenhum sentimento de culpa, porque a consciencia é que manda, não existe adultério nem crime moral.

não sei se me fiz entender, tudo tem haver com a nossa consciência, da percepção da realidade e o sentido da responsabilidade.


Abraço


Sensitive


 
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carlos Ribeiro em 19 de Setembro de 2009, 20:26
Citar
Ninguém é de ninguém como tal  não há razão do adultério ser um crime moral.
O que pode haver é um peso de consciência  do individuo que o pratica.
Sensitive, de facto ninguém é de ninguém, mas não será verdade que quando casamos (seja pela igreja ou pelo civil) estamos a nos comprometer a sermos fiel ao nosso cônjuge?
E mesmo que alguém cometa adultério e isso não lhe pese na consciência, mesmo assim será que fica livre das funestas consequências que esse acto acarreta?
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Setembro de 2009, 20:53
Na realidade existe adultério sim.

é uma traição.
e grave.

Não por  não sermos dono do outro
isso não somos mesmo
não estamos a falar de possessividade
e sim companheirismo


mas por não ter as qualidades morais do respeito e do cuidado,
e não saber ser honesto a sua capanhia
que foi de livre escolha.
a reciprocidade em todos os aspectos
que a amizade reclama por direito
foi violada.
carregaremos sim pelo ato práticado
não a condenação de que um dia seremos traidos
mas a marca de que não somos alguém de confiança.

O carater também é uma plantinha que se cultiva.


corrijamo-nos enquanto estamos a caminho.
se fazemos
não façamos mais...e isso custe o que custar.



Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 19 de Setembro de 2009, 21:15
Menos que companheirismo, que para mim é mais importante, está na lei civil todo o regulamento que a sociedade aceitou e que tem o dever de seguir.
Ninguém é de ninguém mas a lei prevê que numa união esponsalícia haja a comum vivência e que esta deva se dar em regime de confiança, respeito e fidelidade.
Faltando qualquer um desses itens dá-se azo ao desenlace pelo divórcio.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Setembro de 2009, 22:32
Pois é Moura
boa colocação.

"as leis sociais"

Para mim
um dos maiores crimes que cometemos contra o nosso próximo com esta liberdade que possuimos e não respeitamos;
 é a sedução.

Arquitetar planos de possuir o outro ou a outra a ponto de o dominar e minar-lhes suas forças morais,
as custas de argumentos que penetram-lhe a razão, vicia-lhe o desejo, manipula-lhe  a emoção, alimenta-lhe um suposto prazer e antes de tudo o obscurece o seu equílibrio...
Como o predador invencível e a presa desorientada.

e para o alvo,
ve-se como o centro da atenção.
o alvo natural do sentimentalismo alheio,
não percebe a forja que o produz
e aquele que se aproxima
desde o estranho ao conhecido que a tempo vigiava,
seu egoismo se vê alimentado.

No OESE
nos diz que a infelicidade não é aquilo que assistimos
ou seja, aquele que sofre,
mas a infelicidade é a consequencia já consagrada daquilo que pratico.
no meu momento feliz
ingenuamente com a minha inteligência lanço-me a desgraça amanhã ou daqui a pouco.

Muitos se suicidam em decorrência
do mal que sofre
do despreso que experimenta
do descaso que vive.

O crime pode não ser perpretado nas anáises atuais
mas brota da semente que semeamos
sem analisar-lhe a origem e o futuro fruto
que dela proscedeu e proscederá.

mas somos livres



Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 21 de Setembro de 2009, 16:30
Mano Moisés, não aposso discordar de sua afirmação.
Ainda nos tempos de Umbanda me era ensinado pelas entidades que um dos maiores crimes, é a sedução sem sentimento.
Sendo assim faço minhas as suas palavras.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 21 de Setembro de 2009, 18:23
Não Fernanda.
O certo e o errado são opções que as temos para tomar, de acordo com a nossa inteligência e o patamar moral em que estejamos.
Insculpidos em nosso íntimo estão os ditames de Deus, ou seja a lei Natural.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Niriellen em 21 de Setembro de 2009, 18:36
Concordo plenamente com o Sr. MoureRego, ás vezes o quê é certo
para mim pode ser errado para tantas outras pessoas ou vice e versa.

Como diz uma frase muito conhecida: "Até um relógio parado pode
estar certo duas vezes ao dia."

Sempre existem as duas faces da moeda, ás vezes cometemos erros
que no momento de praticá-los consideravamos ser o certo e com o
passar do tempo com as consequencias que o ato trás, passamos
a mudar a opinião. Não por ser realmente certo ou errado, e sim por
ter trazido consequencias prejudiciais a nós mesmos.

fiquem na paz de deus e uma boa semana!
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Anjo Lunar em 24 de Dezembro de 2010, 02:09
Concordo consigo amigo Moura, pois seja como for somos nós que comandamos o nosso corpo e por isso somos responsáveis pelos nossos actos, sejam eles fisicos ou morais.

Coloco estas questões aos homens que acompanham o topico:

     Será que nós no fundo nos camuflamos com uma imagem de fieis e na realidade somos adúlteros por natureza ?
        Será que o nosso papel não será de apenas vencer nossas tendências?

Abraço Fraterno

Eu não sou infiel... E se o fosse, com toda a certeza iria me sentir cheio de remorsos e cheio de sentimento de culpa...

Se olha para um homem bonito, já sinto que estou traindo meu namorado e me sinto mal com isso, imagino se acontecesse infidelidade fisica... :/...

Por isso digo e afirmo que sou fiel :)
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 24 de Dezembro de 2010, 15:05
Realmente cara Sensitive, Moisés ao trazer do monte, nas lápides de pedra a inscrição "não adulterarás", deve ter tido um ruído na comunicação...
Note que essa ordenação é tida como vinda do próprio Deus e está na bíblia assim como no ESE.
abraços,
Moura
olá !
como já diz um ditado bem velho ;
Compreendemos mal o mundo e depois dizemos que ele nos decepciona. ;)

Na realidade não existe adultério, se a filosofia é vermos como seres individuais.
Ninguém é de ninguém como tal  não há razão do adultério ser um crime moral.
O que pode haver é um peso de consciência  do individuo que o pratica.
Em primeiro lugar está a enganar-se a si proprio e em segundo lugar terá que aceitar as consequências, mas se não tiver nenhum sentimento de culpa, porque a consciencia é que manda, não existe adultério nem crime moral.

não sei se me fiz entender, tudo tem haver com a nossa consciência, da percepção da realidade e o sentido da responsabilidade.


Abraço


Sensitive


 

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Anjo Lunar em 26 de Dezembro de 2010, 15:07
É obvio que sim é um crime moral. Atenta contra o nosso eu Superior, visto que mentimos ao outro e acima de tudo mentimos a nós próprio, indo contra aquilo que prometemos ou seja a fidelidade, e o amor perante aquela pessoa.

Em conversa com a Adep, a associação de espiritismo de Portugal, relativamente a este assunto, fiquei espantado com a tamanha ocorrência de associações Cristãs e algumas espíritas que querem "legalizar" e tornar moralmente aceite a pratica de swing, e a poligamia.

Quando no Livro dos Espiritos de Allen Kardec, a monogâmia é mais um passo na nossa evolução positiva...

Quanto ao adultério, atira a primeira pedra quem nunca pecou (sou o primeiro a atirar rsrsrsrsrsrs), mas que é um crime moral sim é, um crime contra nosso espirito, e contra o de outrem... É quebrar os lacos de "amor", ou antes pseudo amor, visto que quem comete adulterio, com toda a certeza e sem nenhuma prova que me consiga mudar o pensamento, nunca amou a pessoa que traiu.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: davide1 em 26 de Dezembro de 2010, 15:57
hoje em dia nao tenho tanta certeza que seja um crime moral.claro está depende sempre das varias situaçoes,e depois nao somos nós que vamos julgar os outros, cada um julgue seus actos se nao achar culpa em si ,nao vejo onde está o crime moral.é apenas aminha opiniao.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 26 de Dezembro de 2010, 16:11
Mano Davide,
a culpabilidade advém exatamente de um dos dez mandamentos: "Não adulterarás".
Basta?
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: davide1 em 26 de Dezembro de 2010, 16:46
olá mano moura,é a sua opiniao  e eu respeito,  mas como digo por vezes á situaçoes nas quais somos levados a cometer esse acto, e quando o cometemos e nao nos sentimos culpados ,como digo nao vejo onde está a culpa,apesar de eu concordar com a fidelidade.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Anjo Lunar em 26 de Dezembro de 2010, 17:02
olá mano moura,é a sua opiniao  e eu respeito,  mas como digo por vezes á situaçoes nas quais somos levados a cometer esse acto, e quando o cometemos e nao nos sentimos culpados ,como digo nao vejo onde está a culpa,apesar de eu concordar com a fidelidade.

Sei e onde quer chegar, existem situações que retiram a culpabilidade do acto de infidelidade, por exemplo, um marido que maltrate sua companheira, e não lhe tenha amor, é obvio que ela irá procurar esse amor que não tem do marido noutro companheiro.
No entanto penso que aqui neste topico nos referimos, não ao adulterio neste sentido, mas ao adulterio que provem apenas do "tesão", ou seja, dois seres que supostamente se amam e se respeitam um ao outro, e um sai da sua relação por vezes para ir ter sexo com outro/s... Penso que é aí que reside a questão.
Isto é do género, se casam, juram fidelidade na saude e na doenca, etc, bla bla bla, mas depois isso não corresponde à realidade.

Eu aqui em Portugal noto muito falta de fidelidade conjugal, por exemplo por vezes sinto nojo das conversas que assisto na empresa onde trabalho. Homens casados, com filhos, nos eventos públicos aparecem com as famílias, parecem todos felizes e uma família perfeita, mas na realidade, quando se juntam apenas esses homens, começam falando que já foram para a cama com esta e aquela e aculoutra e fizeram isto e aquilo e aculoutro, muitos gostam apenas de se gabar, mas muitos também relatam verdades...

Acho que este tópico se refere a este tipo de adultério...

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 26 de Dezembro de 2010, 17:06
Amigo Davide,  o que você respeita é a opinião da doutrina pois apenas a repeti sob minhas palavras.
Outra coisa:? Nada retira a culpabilidade. se o marido traiu antes, e a esposa respondeu traindo erram os dois moralmente pois um erro não faz da resposta em erro livre da culpa pois esta está no ato e na intenção.
Deus julga pela Intenção diz o ESE.
abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 28 de Dezembro de 2010, 17:20
Proponho que a interacção entre corpo e espírito se processe em dois sentidos, ou seja, o espírito age sobre a matéria, e a matéria induz o espírito.

Essa indução pode provir de estímulos externos ou internos, que desencadeiam emoções e que por sua vez provocam sentimentos. Competirá ao espírito gerir esse universo mental e agir consoante a sua vontade.

O que determina a vontade será um conjunto complexo de factores, alguns deles resolvidos de forma não consciente e outros, em numero substancialmente menor, serão avaliados conscientemente.

A resultante deste processo será aquilo que determina uma acção, que vai caracterizar uma conduta e que por sua vez será avaliada pelo próprio "principio inteligente" em múltiplos aspectos entre os quais se encontra a "consciência moral".

Será esta uma responsável pelo estado emocional em que se encontrará o individuo após a acção, ou seja, em sobressalto se existir um processo de auto-recriminação, ou em paz caso a sua conduta seja absolvida.

Penso ser este aspecto de relevante importância nos processos evolutivos , ou seja, será exactamente para que isto aconteça, para que o espírito experimente a vida, que existe a encarnação.   

Salvaguardando os casos dos locais em que a justiça dos Homens resolve esta situação, ou seja, os casos em que existe legislação de um estado que regula este tipo de conduta, o que aqui se debate é acerca da legitimidade que possa existir e que confere o direito a que "consciências morais" diferentes daquela que praticou a acção, possam avaliar acerca da justiça dos actos por outros praticados.

Assim sendo, quando o observador assume o papel de juiz avaliador e negar a legitimidade da afirmação de uma vontade de poder, se não o poder fazer em nome da "lei dos Homens" terá de o fazer em nome de Deus. Quem se poderá sentar nesta cadeira?

Já no que se refere aqueles que de uma ou outra forma foram envolvidos ou vitimas da acção, ou da conduta, no caso em debate na figura do "traído", recebe do meio uma indução externa que ira provocar um determinado universo mental, onde se desencadeiam processos em tudo similares aos acima expostos, ou seja, compete a este principio inteligente gerir esse universo consoante a sua vontade de poder e agir em conformidade, o que determinará uma acção que por sua vez será ela também auto-avaliada originando sensações e bem estar ou mal estar consoante aquilo que cada um é, consoante aquilo que a sua consciência moral ditar.

Assim a vida se irá desenrolando e o espírito experimentando e evoluindo no contacto com a matéria.

Neste texto somente se encontram sugestões obviamente sujeitas a serem desmentidas.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Edson Abreu em 15 de Janeiro de 2011, 19:13
Bom irmãos, todos estam esquecendo de algo muito importante, somos primtivos seres em evolução aprendendo a nos amar e ao nosso proximo, o debate se torna dificil compreender, quando olhamos para o sexo simplismente baseado na satisfação continuamos pensamento como animais, o que Deus tenta nos mostrar devida a nossa ignorancia é que o amor é o maior dos sentimentos é ele que nos leva a evolução, o sexo faz parte do casamento sim, mais é a pratica do amor, que mantem um casamento vivo e não a quantidade de sexo praticada ou o modo com que ele é praticado, se buscamos isso não é aquilo que Deus espera, por isso sofremos consequencias sobre nossos atos, queridos Deus é amor, nos ensina amar mesmo sem sexo, temos que entender que Deus não cultiva em nós esse sentimento de posse, que nós animalizados buscamos tanto queaprendemos atraves das reincarnações que não temos e não podmeos ter esse sentimento. Temos que aprender a amar irmãos, a olhar nos olhos de quem temos do lado e sofremos que suas dores, de ficarmos felizes com suas conquistas de darmos felicidade, para que a vida ao nosso redor se modifique tambem queridos.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: MarcoALSilva em 31 de Janeiro de 2011, 21:19

A matéria não induz comportamento... O Espírito necessita da matéria para exercer sua inteligência, é o que diz a Doutrina.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: aldoquaresma em 20 de Julho de 2011, 23:08
Olá!

Não vejo nada de errado nas relações extra-conjugais contanto que ambas as partes estejam cientes e em pleno acordo. Somos seres humanos com desejos e necessidades sexuais e é perfeitamente normal que qualquer um, dentro de um relacionamento afetivo, sinta vontade de ter relações sexuais com outras pessoas. O que acontece é que algumas pessoas conseguem, com o tempo, sublimar este desejo (naturalmente ou através da masturbação), porém outras não e essas são as que cometem adultério ou que, possuindo uma mente mais aberta, entram em acordo com o(a) parceiro(a) definindo regras e limites, se assim acharem conveniente, para relações extra-conjugais.

No caso de quem comete o adultério em si, mais irá sofrer nesta ou numa próxima vida aquele que mais acreditar ser este um grande crime ou ato ilícito. Por exemplo, aquele que genuinamente não acredita que fazer sexo com pessoas fora da relação seja um problema e que não se sentiria ofendido, magoado ou traído se seu parceiro ou parceira assim procedesse não irá sofrer ou ter que expiar qualquer coisa.

Abs!

~Dhan

Sobre o tema em questão, deixo o registro de minha concordância com o posicionamento supra, expendido por Dhan.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Conforti em 21 de Julho de 2011, 01:01
      Amigos   (ref #0)

      Cito a msg de referência:
      “O que dizer quando num casal um dos membros procura relações extra-conjugais para satisfazer seus caprichos? Será que em algum caso é licito a prática do adultério? Em que casos? E que conseqüências espirituais irá ter aquele que pratica o adultério?
      Um caso para discutir e reflectir...”

      Cel: à pergunta: “o adultério será um crime moral?”, faço outra pergunta: “haverá algum crime q não seja moral?”.
      E, qto à outra questão “o adultério será crime?”, pergunto: “para as doutrinas cristãs o q é entendido como crime?”. Não é tudo aquilo q cometemos e q cause, de alguma forma, mal ao próximo? Logo, se o adultério causa mal para alguém está aí enquadrado.

      Abraços a todos.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: HerlonDiz em 21 de Julho de 2011, 02:12
Toda ação possui uma reação, esta é a lei universal que todos conhecemos.

Portanto também a ação do adultério caberá uma reação, a qual é impossível ser determinada no momento do ato.

Isto porque o ato envolve um contexto amplo com muitas personagens, além dos próprios adúlteros, sejam seus cônjuges, filhos, amigos, parentes. Encarnados ou não.

Ah sim, nada pode ser escondido!

Embora considere que uma reação ainda desconhecida ocorrerá, também entendo que os motivos são mais relevantes que o ato. Normalmente quando refletimos o que nos impele ao ato temos mais condições de julgar sua permissividade. Se os motivos são materiais, se nos remetem ao nosso vicio, egoísmo, orgulho, vaidade, certamente que nosso ato é moralmente incorreto.

Esta é minha humilde forma de compreensão sobre o assunto.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: filhodobino em 21 de Julho de 2011, 14:36
Amados,

No que se refere à traição aos sagrados compromissos da vida de relação entre um homem e uma mulher, nos costumes monogâmicos, é muito fácil perceber a extensão do dano ao praticante...

Todos nós acostumados às lidas com aconselhamento de casais em crise, somos frequentemente, informados que um dos cônjuges tem repetidamente sonhado que está sendo traído... e como a palavra adultério ficou estigmatizada para definir essas traições, mas que no fundo tudo quanto se modifica sem plena aceitação da outra parte interessada é adultério...

Então, ao invés de diagnosticar para o amado irmão(ã), que frequentemente traz relatos nesse formato, peço, para que essa pessoa, preste bastante atenção, no que sente durante o sonho...
Invariavelmente, essa pessoa me diz que se sentiu muito mal...
Informo-lhe então que antes ele perceber-se traído que se transformar em traidor, posto que a pessoa de sua afeição, será então torturada pelo mesmo sentimento, e que será ele por sua vez o carrasco a proporcionar à pessoa que um dia jurou amor incondicional estará a sofrer...
Quase sempre o impacto é muitíssimo forte...
Há casos que não ocorre nenhum impacto assim de imediato, mas que depois de algum tempo, nota-se mudanças...
Há outros casos em que como que por mágica a pessoa queixosa, se esquece completamente dos fatos e passado algum tempo, retorna indagando a respeito do mesmo assunto, porém usando fatos e palavras diferentes para descrever, numa boa porcentagem falam de um colega de trabalho, escola, da igreja, etc...

Quem tiver percepção deve julgar por si mesmo, se adultério é crime moral ou não.

Saúde e Paz!
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 21 de Julho de 2011, 15:18
A moral não é fruto de concepções de uns poucos, amigos.
Ela é estabelecida e quando está estabelecida é a regra de conduta a ser vivenciada.
Ora, se pela maioria dos países o adultério é infração grave à regra de conduta, não há como se dizer "não vejo nada demais".
Abraços,
Moura

Olá!

Não vejo nada de errado nas relações extra-conjugais contanto que ambas as partes estejam cientes e em pleno acordo. Somos seres humanos com desejos e necessidades sexuais e é perfeitamente normal que qualquer um, dentro de um relacionamento afetivo, sinta vontade de ter relações sexuais com outras pessoas. O que acontece é que algumas pessoas conseguem, com o tempo, sublimar este desejo (naturalmente ou através da masturbação), porém outras não e essas são as que cometem adultério ou que, possuindo uma mente mais aberta, entram em acordo com o(a) parceiro(a) definindo regras e limites, se assim acharem conveniente, para relações extra-conjugais.

No caso de quem comete o adultério em si, mais irá sofrer nesta ou numa próxima vida aquele que mais acreditar ser este um grande crime ou ato ilícito. Por exemplo, aquele que genuinamente não acredita que fazer sexo com pessoas fora da relação seja um problema e que não se sentiria ofendido, magoado ou traído se seu parceiro ou parceira assim procedesse não irá sofrer ou ter que expiar qualquer coisa.

Abs!

~Dhan

Sobre o tema em questão, deixo o registro de minha concordância com o posicionamento supra, expendido por Dhan.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Blog dos Espíritos em 21 de Julho de 2011, 16:10
Caro,

Vamos entender que, para Deus, não há "crime" ou mesmo o "mal". Mas aquilo que devemos fazer (o bem), e aquilo que não convém fazer (o "mal"). Se insisto no que não convém fazer, o Paizão coloca carinhosamente em meu caminho alguma situação que me faça acordar para a verdade. Portanto, se não há crime, também não há castigo —mas sempre correção.

Aproveito para colocar aqui um trecho de um artigo que publicamos em nosso blog sobre um tema mais amplo (Sexualidade e Espiritismo). É um trecho que tenta explicar, a partir de palavras de Jesus e dos conhecimentos que possuímos sobre troca fluídica a partir das obras de Allan Kardec e Chico Xavier.

Quer dizer que o sexo revigora o casal fluidicamente?
a) Sim. É uma troca saudável de fluidos entre duas almas.
b) Em sua época, Jesus não podia explicar com clareza a diferença entre corpo físico e corpo espiritual;
c) Mesmo assim, já deixou claro que tínhamos essas duas essências quando disse a Nicodemos: “O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito” (João, 3:6);
d) Paulo de Tarso também confirma isso ao dizer que: “há corpos celestes e corpos terrestres” (Coríntios, 15:40);
e) Mais claro impossível;
f) Atente ainda para o fato de que Jesus não disse que o casal forma um só espírito, mas uma só carne.
 
E qual é a diferença entre “uma só carne” e “um só espírito”?
a) Um Ego desencarnado não procria;
b) O Ego só pode procriar quando encarnado;
c) Mas para procriar é preciso haver dois sexos;
d) Com “uma só carne” Jesus estava dizendo que o casal se complementa através da comunhão sexual, e também quando acontece a procriação;
e) Daí a necessidade da monogamia.
 
O que você entende por monogamia?
a) É quando o casal só tem relações sexuais entre eles;
b) Nada de atividade sexual com outros parceiros.
 
Mas e se tenho atividade sexual com uma namorada, mas termino com ela, depois arrumo outra namorada e tenho relações com ela? Não posso?

a) Claro que pode;
b) Monogamia é ser fiel ao parceiro enquanto está com ele;
c) Mas não se deve trocar de namorada toda semana.
 
Por que não posso trocar de namorada toda semana?
a) Sob o ponto de vista fluídico, o amor é muito importante para determinar a qualidade da relação sexual;
b) É o amor que determina a qualidade da transformação da força criativa em energia sexual;
c) E é a fidelidade que cria a afinidade vibratória entre os corpos espirituais, para que haja uma troca fluídica completa e equilibrada;
d) “Trocar de amor” toda semana, todo mês, nada tem a ver com amor, mas apenas com paixão e do tipo animalizado;
e) É equivalente a ser poligâmico.
 
E quais as consequências espirituais de manter relações sexuais com diversos parceiros?
a) Quando há amor e fidelidade, há mais alegria, saúde e equilíbrio, mesmo diante das dificuldades da vida;
b) Quando não há pelo menos o bem querer da amizade, e nem fidelidade, ocorre uma forte materialização do corpo físico e do duplo etérico (cola espiritual que liga nosso corpo ao nosso perispírito);
c) Haverá também um desgaste prematuro das células físicas, encurtando o tempo de vida;
d) O chacra genésico também sofre desequilíbrios e perda excessiva de energia quando você mantém relações com diversos parceiros(as);
e) Quando há abuso do sexo desta forma, o espírito poderá ficar imantado ao corpo físico mesmo depois de morto;
f) Quem é muito ligado à atividade sexual com diversos parceiros pode, em alguns casos, ficar ligado ao corpo após a morte e sentir sua decomposição;
g) Muita troca de parceiros sexuais é um grande atraso em nossa evolução."

O artigo na íntegra pode ser lido em: http://blogdosespiritos.com.br/2011/06/21/evolucao-da-sexualidade-e-o-espiritismo/

Abraços!

Equipe do Blog dos Espíritos
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Kazaoka em 21 de Julho de 2011, 17:22
Adulterar é corromper, é alterar a hegemonia, harmonia ou pureza de alguma coisa ou de um sistema. Adultera-se o leite, a água, o ar, o medicamento, etc. E em todos estes casos existe uma culpabilidade e responsabilidade oriundas das consequências de tais atos.
No caso conjugal, o que há é uma violação de um acordo sentimental, onde uma ou outra parte toma a decisão de violentar este acordo. É um impulso da natureza animal, associada aos instintos animalizados e que são, como tantas outras, obstáculos da esteira evolutiva do espírito, com os quais deve lidar e aprender a dominá-los com a força moral do espírito. No animal de classe inferior, nos quais a Alma está dotada apenas de vitalidade e intelectualidade, situações como estas são naturais e aceitáveis. Já, no caso do espírito humano, além da vitalidade e da intelectualidade existe, também, o aspecto moral. E é sobre este senso moral que recai a culpabilidade da transgressão dos princípios que sustentam este atributo da Alma humana,  tornando crime contra si mesmo o desrespeito sobre esta lei Divina. Portanto, o crime é mesmo moral e não está circunscrito ao ato em si, mas na susceptibilidade do espírito em se deixar levar pela força da animalidade que ainda o domina.     
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 21 de Julho de 2011, 19:00
Exato mano Kao, e mais,
numa relação a dois, há regras, que começam no Dto. Civil.
Quem se casa assina um contrato onde uma das normas a serem cumpridas é a da fidelidade.
Na igreja é igual tanto que o padre pergunta se os dois estão dispostos a serem fiéis um ao outro.
Logo, quem adultera infringe a quatro regras que são:
As do Direito;
As da Igreja;
As regras existentes para as sociedades, baseadas na união de fato;
E as regras morais  impostas a todos os Espíritos.
O lance é o seguinte, sem meios termos:
A mulher não se sente mais completa com o homem, ou o homem não se satisfaz com a mulher, em qualquer dos parâmetros da convivência, "sarta fora".
Agindo assim, não há a infringência a nenhuma regra e o papel é o de todo homem ou mulher, de bem.
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: demis em 21 de Julho de 2011, 19:37
 Olá!

 Isto do adultério é uma tremenda falta de respeito ao cônjuge e também àquelas pessoas que gostavam de ter companheiro/a mas que não conseguem encontrar alguém!
 Equivale a dizer: Uns com tantas e outros que apenas querem uma e não têm...

 Abrços,

Demis
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: HamLacerda em 21 de Julho de 2011, 20:07
O adultério é crime moral em si mesmo e de graves consequências morais; é um ato injusto consigo e com o próximo. Consigo, pq ao cometer adultério o indivíduo está se corrompendo e perdendo valores morais, tais como: a honestidade, a lealdade, o senso de justiça, ética, e principalmente perde em amar o próximo; além de vária virtudes relacionadas ao ato injusto em si mesmo, que não me vem à mente. Tais perdas de valores morais é o que forma o carater das pessoas ao longo de várias encarnações, quando elas acumulam atos injustos. Por isso mesmo que cada ato injusto praticado é como ferrugem que vai corrompendo o indivído, pois o espírito, como sabemos, nasce simples e ignorante.

Uma vez que este indivíduo adquire razão e começa a procurar as virtudes e o bem, terá grande dificuldade em formar um caráter conforme o que Jesus nos ensina.

Por isso que Jesus nos disse para não pecar nem mesmo em pensamentos pq estamos nos corrompendo moralmente.

"Eu, porém, vos digo, que qualquer que atentar numa mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. "Mateus 5:28

Aqui fica claro que quando alguém cobiçar uma mulher, em seu coração perde o amor (ao próximoa) toma em seu lugar a paixão.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: HamLacerda em 21 de Julho de 2011, 20:28
Veja o que diz no livro III do livro apócrifo, a Doutrina dos Apóstolos. Estou citando o livro apenas como o fundo, não a forma, ou seja, se o livro merece crédito, ou não.

Percebam como uma coisa injusta conduz a caminhos injustos:

CAPÍTULO III
1 Filho: afasta-te do homem mal e do homem falso. 2 Não sejas irado porque a ira conduz ao homicídio, nem desejes a maldade e a paixão pois disto tudo nasce a ira. 3... 4Não sejas astrólogo, nem purificador, pois estas coisas conduzem à vã superstição; nem sequer desejes ver ou ouvir estas coisas. 5Não sejas mentiroso porque a mentira conduz ao roubo; nem amante do dinheiro, nem da vadiagem, pois de tudo isto nascem os roubos. 6 Não sejas murmurador porque isto conduz à difamação; não sejas temerário, nem penses mal, pois de tudo isto nascem as difamações. 7 Ao contrário, sê manso, porque os mansos possuirão a terra santa. 8 Sê também paciente em teu trabalho; sê bom e temeroso de todas as palavras que escutas. 9 Não te enaltecerás nem te gloriarás perante os homens, nem infundirás a soberba na tua alma; não te unirás em espírito com os orgulhosos, mas te juntarás aos justos e humildes. 10 Receberás como bem as coisas adversas que te ocorrerem, sabendo que nada ocorre sem Deus.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: NickAlves em 24 de Julho de 2011, 15:28
Estava a ler todos os comentários e percebi que ninguém falou sobre um jovem SEM namorada a transar com uma mulher casada. Gostaria de experimentar diversas sensações baseadas nas respostas dos amigos de bem. O que acham disso? Qual é a visão segundo o espiritísmo? Já que o jovem não tem namorada ele está isento de cobranças e dívidas com o plano esíritual? E quanto ao sexo com "profissionais" do ramo? Sendo o jovem solteiro ele sofrerá consequências desses atos?

Fica aqui mais alguns questionamentos acerca do assunto tão bem exposto.

Abraços.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 24 de Julho de 2011, 18:05
Responda você mesmo amigo Alves.
Neste caso, a sua razão lhe gritará a resposta acertada.
Abraços,
Moura

Estava a ler todos os comentários e percebi que ninguém falou sobre um jovem SEM namorada a transar com uma mulher casada. Gostaria de experimentar diversas sensações baseadas nas respostas dos amigos de bem. O que acham disso? Qual é a visão segundo o espiritísmo? Já que o jovem não tem namorada ele está isento de cobranças e dívidas com o plano esíritual? E quanto ao sexo com "profissionais" do ramo? Sendo o jovem solteiro ele sofrerá consequências desses atos?

Fica aqui mais alguns questionamentos acerca do assunto tão bem exposto.

Abraços.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Taprobana em 24 de Julho de 2011, 22:48
Premissa inquestionável (salvo prova contrária): o adultério é do domínio da carne; é incognoscível (impossível de ser conhecido, entendido) naquilo que é a natureza Inteligente da Alma, ou seja, o adultério é uma experiencia emocional banal que o Principio Inteligente Individualizado experimenta na Vida (eventualmente também com influencia na experiencia da Morte) e que é gerido consoante a competência individual.

As suas consequências são, do ponto de vista emocional, a vivencia de experiencias mais ou menos penosas para todos aqueles que intervêm nesta ocorrência (toda a estrutura familiar e social envolvente) consoante o maior ou menor apego ao Ego que a caracteriza.

A adjectivação de "crime moral" (tendo em conta o carácter generalista que apresenta) é uma indicação segura que estamos perante uma sociedade onde o Ego detém uma importância primeira na escala de valores que determina uma vontade de poder (no sentido de dominar) que exige a submissão da vontade de outros a favor do proveito próprio.

Quando um Principio Inteligente Individualizado encarnado ignora, não tem em mínima conta, uma ocorrência deste tipo (referindo-me tão somente a ela mesma e não às eventuais derivadas que possam ser tidas em conta na decisão, na acção) e submete a sua vontade em prol do assegurar das condições evolutivas daqueles que disso mesmo dependem, torna a sua acção num exemplo daquilo que é o Amor.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: EsoEstudos em 24 de Julho de 2011, 23:42

Permitam-me opinar.

O adultério, diga-se o que se disser, é uma conduta que abrange diretamente as convicções e valorações de três pessoas: os dois que traem e o que é traído. O eventual solteiro que se envolve com uma mulher casada, por exemplo, é adúltero como ela, nos termos da lei humana e também do ponto de vista ético. Não temos aí nenhum julgamento; seria hipocrisia defender que não podemos emitir juízos de valor acerca dos temas concernentes ao comportamento humano.

Nesse contexto, seja crime ou não, será sempre a quebra de um compromisso assumido. Se o casal houver de se ajustar com traições bilateralmente permitidas, é problemas dos casados. Ainda assim, estarão desnaturando o vínculo: por que se casar se não houver a intenção de viver como casados?

Ademais, as permissões concedidas em situações como essa costumam quase sempre levar a um progressivo enfraquecimento da relação, haja ou não casamento.

É preciso muito cuidado com o que se deseja. Muitas vezes a Vida nos traz o ensejo de fazermos como queremos para experimentarmos o resultado.

Marco
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: HamLacerda em 25 de Julho de 2011, 02:34
Não precisamos ir muito além... Jesus disse tudo sobre este assunto: "Não faça aos outros o que não gostaria que fizesse a você"

Tanto serve para o homem traido pelo rapaz e a moça, que ninguém queria está no lugar dele, como para a prostituta, ou seja, não importa se é jovem solteiro ou seja lá quem for, o certo é que ninguém queria ver sua mulher, suas filhas etc se prostituindo, muito menos ele próprio.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Hebe M C em 25 de Julho de 2011, 02:50
Quando o casal está satisfeito, com uma relação boa e realizada, a fidelidade é natural, não vejo o menor motivo para praticar o adultério. Aliás penso sinceramente que quando há a vontade de sair em busca de algo fora da relação é porque alguma coisa já vai muito mal.
Neste caso deve existir diálogo, respeito e franqueza entre os parceiros antes que o adultério aconteça.

Um abç
Hebe
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: NickAlves em 25 de Julho de 2011, 04:44
Queridos,

Ainda é um pouco confuso entender como o jovem solteiro teria alguma culpa já que quem está adulterando seria a mulher casada. O jovem não teria que responder pelos atos de adultério da mulher casada simplesmente porque não tem compromisso com ela e nem com ninguém.

Mas de uma coisa estou certo...se todos dizem e o espiritismo diz que é um crime moral, possívelmente esse jovem sabendo de tal informação deverá pensar melhor em seus atos.
Talvez se ele disser não, a mulher casada não cometerá o adultério.

Obrigado pelas explanações.
Que Deus abençoe à todos.

Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Kazaoka em 25 de Julho de 2011, 12:05
Nick,
jovem encarnado não é sinônimo de espírito jovem. Muitas vezes um corpo jovem abriga um espírito milenar.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Carla Fabiane em 25 de Julho de 2011, 13:09
"Cada verso do sermão da montanha é um hino completo de exaltação a quem se entrega a Deus e nele confia, através dele temos muitas resposta.

Bem-aventurados os que têm fome e sede de justiça, não se rebelando ante as condições vergonhosas que lhes são impostas no trânsito carnal.

 Bem-aventurados os simples que se contentam com o ar, a paz e o pão da vida, sem os caprichos das ilusões passageiras que ocultam a realidade e não mudam o panorama íntimo.

 Bem-aventurados os puros de intenções, que não têm maldades, nem desconfianças, e caminham com entrega total a Deus, fiéis para sempre. São bem-aventurados os que choram sem reclamação, os que sofrem sem rebeldia...

Cada verso é um símbolo da vitória do bem no sofrimento e do triunfo da luz na treva da ignorância. Assim o disse Jesus.

Carla.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 25 de Julho de 2011, 16:22
Meus amigos,
gostaria de lembrar algumas passagens da primeira carta de paulo aos coríntios:


14 O homem terreno não aceita o que vem do Espírito de Deus, pois é uma loucura para ele. Não o pode compreender, pois só de modo espiritual pode ser avaliado.
15 Pelo contrário, o homem espiritual julga todas as coisas e a ele ninguém o pode julgar.
16 Pois quem conheceu o pensamento do Senhor, para poder instruí-lo? Mas nós temos o pensamento de Cristo

8  Aos solteiros e às viúvas digo que é bom para eles ficarem como eu.
9  Mas, se não podem guardar continência, casem-se; pois é melhor casar-se do que ficar abrasado.
12 Porventura, compete-me, a mim, julgar os de fora? Não são os de dentro que tendes de julgar?
13 Os de fora, Deus os julgará. Afastai o mau do meio de vós.

Seria interessante que os amigos avaliassem com bastante tranquilidade todos estes pontos que extraio da I aos corintios, pois eles nos dão uma visão ampla do que o apóstolo entendia não só sobre o adultérios mas também sobre o tão repetido "Não julgueis"
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: HamLacerda em 25 de Julho de 2011, 17:02
Muito bem lembrado, Moura.

O problema é que poucas pessoas conseguem entender o que Paulo diz no versiculo 14:  "O homem terreno não aceita o que vem do Espírito de Deus, pois é uma loucura para ele. Não o pode compreender, pois só de modo espiritual pode ser avaliado."

Temos que tirar essa idéa de que somos seres humanos da cabeça. Esse termo nos coloca em uma visão contrária e muito estreita ao que verdadeiramente somos. Passamos a entender as coisas como se fossemos seres humanos em corpos espirituais, e não espíritos em corpos humanos.

Quando passamo a viver como espíritos(o que realmente somos) - não como seres humanos - estamos vendo as coisas de modo muito diferente, passamos a entender o lado moral em tudo e o que realmente importa para nosso melhoramento moral. Casamentos, relacionamentos, compromissos, obrigações, regras, ética etc passa a ter um sentido totalmente diferente. É tão verdade que quando começamos a viver como espíritos, as pessoas que nos conheciam, amigos, familia e até mesmo o mundo, passa a nos ver de modo diferentes, ou seja, como ET's vivendo entre humanos, como Paulo diz aqui: "15 Pelo contrário, o homem espiritual julga todas as coisas e a ele ninguém o pode julgar". É por isso que é tão difícil viver como nós somos, como espíritos, como Jesus viveu neste planeta.



 
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 25 de Julho de 2011, 17:33
Exatamente mano Lacerda, e mais ainda:
Não deixamos de ser Espírito, só pelo fato de estarmos na carne.
Poderia afirma que conquanto estejamos na carne, "estamos humanos", mas que sempre "seremos" Espíritos.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Guadalupe Girassol em 25 de Julho de 2011, 18:56
Estava a ler todos os comentários e percebi que ninguém falou sobre um jovem SEM namorada a transar com uma mulher casada. Gostaria de experimentar diversas sensações baseadas nas respostas dos amigos de bem. O que acham disso? Qual é a visão segundo o espiritísmo? Já que o jovem não tem namorada ele está isento de cobranças e dívidas com o plano esíritual? E quanto ao sexo com "profissionais" do ramo? Sendo o jovem solteiro ele sofrerá consequências desses atos?

Fica aqui mais alguns questionamentos acerca do assunto tão bem exposto.

Abraços.

Caro(a) NickAlves,

Recomendo-lhe a leitura do livro Vida e Sexo pelo espírito Emmanuel.
Não querendo fazer juizos de valor, se encararmos a relação sexual como uma permuta  energética entre dois seres, acha que faz sentido que isso ocorra com uma "profissional", que mal se conhece?...Será que isso não provocará desequilíbrios?...Eu encontrei algumas respostas no livro.

Cumprimentos .
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Maria Gonçalves Santos em 24 de Setembro de 2011, 04:11
 De tudo o que foi dito o que ficou claro é que o adultério é o resultado de uma relação onde não há mais amor, respeito, cumplicidade...e se não há mais essas coisas que cada um encontre um caminho a seguir sem maiores prejuíjos aos sentimentos de ambos.

Ninguém convive em harmonia  com o adultério...se o homem se sente no direito de procurar o sexo fora do casamento, ele não dá esse mesmo direito a companheira, não na prática, talvez no discurso. Por outro lado qual a vantagem para a mulher adulterar? Nenhuma, senão a completa desvalorização que ela relega a se mesma.

O resultado de tudo sempre será o desgaste pra não falar na lei do retorno.

O que quer ou o que procura uma pessoa quando se une a outra? Se soubessem ou valorizassem esse objetivo em comum, não pensariam em adulterar.

Isso é só uma opinião pessoal. Mas no Evangelho Segundo o Espiritismo há passagens que são bem claras sobre o assunto. Deixo como exemplo a seguinte:

Capítulo VIII.5

Aprendestes o que foi dito aos antigos: Não cometereis adultério. Mas eu vos digo que todo aquele que tiver olhado uma mulher com um mau desejo por ela, já cometeu adutério com ela, em seu coração.(São Mateus, cap.V, v27 e 28).
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Wla em 10 de Janeiro de 2012, 13:03
Moral

Adj (lat morale) 1 Relativo à moralidade, aos bons costumes.

2 Que procede conforme à honestidade e à justiça, que tem bons costumes.

3 Favorável aos bons costumes.

4 Que se refere ao procedimento.

5 Que pertence ao domínio do espírito, da inteligência (por oposição a físico ou material).

6 Diz-se da teologia que se ocupa dos casos de consciência.

7 Diz-se da certeza que se baseia em grandes probabilidades, e não em provas absolutas.

8 Diz-se da atitude ou comportamento de quem está perturbado, confuso ou embaraçado por qualquer circunstância.

9 Diz-se de tudo que é decente, educativo e instrutivo. sf 1 Parte da Filosofia que trata dos atos humanos, dos bons costumes e dos deveres do homem em sociedade e perante os de sua classe. 2 Conjunto de preceitos ou regras para dirigir os atos humanos segundo a justiça e a eqüidade natural. 3 Tratado especial de moral. 4 Conclusão moral que se tira de uma fábula, de uma narração etc. 5 Lição de moral. 6 Modo de proceder. 7 As leis da honestidade e do pudor. sm 1 Conjunto das nossas faculdades morais. 2 Disposição do espírito, energia para suportar as dificuldades, os perigos; ânimo: O moral das tropas. Com moral alto. 3 Tudo o que diz respeito ao espírito ou à inteligência (por oposição ao que é material). M. cristã: a moralidade que em si contém os preceitos evangélicos. M. de funil: moral liberal e ampla para uns, mas restrita e apertada para outros. M. em ação: o ensino da moral através de exemplos. M. pública: designativo dos preceitos gerais de moral que devem ser observados por todos os membros da sociedade.

Fonte: Michaelis - Moderno Dicionário da Língua Portuguesa

_______________________________________________________________

Adultério é um dos assuntos que mais me irritam e me causam frustração. O ser humano gosta de justificar as traições que comete usando o(a) parceiro(a), culpando-o. Também se utiliza de argumentos como necessidade física e separando sexo de amor.

Traição é mentira. É covardia. É fraqueza moral, desvio de caráter. É materialismo puro, falta de respeito e de autocontrole. Sexualidade incontrolável é desequilíbrio espiritual. Adultério não é nada mais do que um tiro pelas costas.


Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Janeiro de 2012, 14:04

Capítulo VIII.5

Aprendestes o que foi dito aos antigos: Não cometereis adultério. Mas eu vos digo que todo aquele que tiver olhado uma mulher com um mau desejo por ela, já cometeu adutério com ela, em seu coração.(São Mateus, cap.V, v27 e 28).
Queridos irmãos.
O adultério é como tantos outros delitos, ou crimes se preferirem, nos quais o ser humano coloca as sensações materiais acima dos verdadeiros interessas do espirito.
Paulo de Tarso ja dizia que " por não fazer o bem que quero, faço o mal que não quero".
E um ditado antigo diz que o que um não quer dois não fazem.
Assim sendo sempre que uma pessoa solteira envolver-se com uma pessoa casada esta sendo tão irresponsável quanto ela.
Salientemos ainda que como esta no enunciado que abre essa manifestação, o desejo é apenas carnal, material, reflete de forma precisa a animalidade que ainda nos domina.
Ainda nãoconseguimos chegar na fase evoluida em que teremos apenas sentimentos, pois quem tem sentimentos não trai.
O verdadeiro amor, não abre espaços para traição. Quem trai, não aprendeu a amar nada mais do que seu egoismo e a trabalhar apenas para satisfazer esse egoismo.
Acredito que o sexo foi criado por Deus para efetivar a união de duas almas que se amem, justificando um pouco a teoria biblica do "tornar-se um só". Dentro desse proposito, de complementar a relação e torná-la efetivamente intima, o sexo é divino e abençoado.
Quando levado apenas a satisfação dos sentidos, das sensações, leva ao vazio do erro.
Ate alguns animais conseguem ser fieis aos seus parceiros a vida toda, como os seres abençoados da criação não conseguiriam?
Concordo com a Wla, traição é desvio de carater, causado por egoismo excessivo.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Janeiro de 2012, 14:21
Crime moral da maior monta, acercando-se de pertinho mesmo do crime de morte.
O Adultério é visto muito reducionisticamente mesmo por aqueles que o vêem como um crime moral.
Estão incluídos no adultério a sedução sem sentimentos, ataque vil ao sentimento mais íntimo da mulher ou do homem, ataque de monta ao orgulho próprio, ataque frontal e covarde à prole constituída, isso entre outros gravames.
Abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Janeiro de 2012, 15:14
Caríssimo Moura.
Sua manifestação é muito oportuna.
A mediocridade moral do adultero afronta não apenas quem a pratica, mas como você diz todos os que fazem parte da convivência.
É obviamente relacionamento sem sentimento, o que faz com que certamente os envolvidos diminuam ainda mais a sua capacidade de amar incondicionalmente, através da doação total e irrestrita ao seu companheiro ou companheira.
Adultério é o egoismo levado ao extremo.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Janeiro de 2012, 15:16
Mano Gustavo,
a pouca ou nenhuma moral do adúltero é tamanha, que nem mesmo em amor eles pensam, pois que não sabem nem se amar.
Amor para eles não passa das sensações aviltantes ao Espírito, que lhes formam a condição em que chafurdam.
abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: maria.ma@ em 10 de Janeiro de 2012, 15:42
Muito poucos Espíritos na Terra sabem amar. O verdadeiro amor pertence ao Espírito, que não é pai, nem mãe, nem filho, nem tem sexo.

Na Terra os Espíritos têm paixões, desejos carnais por estarem extremamente ligados ainda ao animal. É devido aos desejos que os Espíritos reencarnam, e os desejos pertencem à personalidade que o Espírito imagina ser.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Janeiro de 2012, 16:10
Bem colocado Maria,
se bem que não dissesse que estariam ligado ao animal mas sim às sensações mais embrutecidas que os achegariam à animalidade, se a olhamos pelo sentido moral.
melhor colocado ainda quando a amiga enfeixa sua postagem  no mundo em que estamos, pois que num mundo onde habitam os espíritos da Ordem dos Bons Espíritos ali já não se estaria em tal posição de percepção em compreensão.
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Conforti em 10 de Janeiro de 2012, 16:40
      Amigos,

      Devo dizer q o tema deste tópico é meio estranho, pois existirá algum crime q não se enquadre na classificação de crime moral?! Talvez, pelas leis dos homens, alguns crimes culposos.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: maria.ma@ em 10 de Janeiro de 2012, 17:26
Isto também nos leva àquela questão dos Espíritos cá da Terra acreditarem que lá do outro lado juntam-se as famílias inteiras, pais, mães, filhos etc etc. Mas, não é bem assim, já que segundo a doutrina, o amor que persiste nos domínios do Espírito é aquele desinteressado, despersonalizado e desmaterializado que não tem nada a ver com as paixões e desejos que as famílias de Espíritos cá na Terra sentem uns pelos outros.

É claro, que as paixões e desejos das sensações corpóreas se mantêm lá do outro lado nos Espíritos que não se libertaram delas. E esses Espíritos sentem-se a viver com todos aqueles que viveram as mesmas paixões... simplesmente imaginando devido ao poder dos desejos. E regressam cá devido ao poder desses desejos.

A Revista tem um estudo interessante e claro quanto a isto, que tem tudo a ver com os fluidos.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Janeiro de 2012, 17:30
Mano coronel, na parte dos crimes famélicos não há descuro quanto a moral, por exemplo.
Aliás, a fome é excludente de culpabilidade. Logo torna ao tal criminoso inimputável.
abraços,
Moura

      Amigos,

      Devo dizer q o tema deste tópico é meio estranho, pois existirá algum crime q não se enquadre na classificação de crime moral?! Talvez, pelas leis dos homens, alguns crimes culposos.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: maria.ma@ em 10 de Janeiro de 2012, 17:40
      Amigos,

      Devo dizer q o tema deste tópico é meio estranho, pois existirá algum crime q não se enquadre na classificação de crime moral?! Talvez, pelas leis dos homens, alguns crimes culposos.

Não. E nesta questão do adultério, basta olhar para os animais que se acasalam livremente, sem crimes e sem expiações.

A diferença está no raciocínio, pelo qual o homem forma o mundo da razão...
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Janeiro de 2012, 18:12
Ja foi dito que no principio da vida o espirito só tem o instinto a lhe guiar os passos. Seja para sobreviver, fugindo do perigo ou mesmo se alimentando, na ausência de consciência, o instinto o leva a matar para se alimentar, matar para se defender, mas tambem a buscar, como alguns animais, o máximo de parceiras possivel, para perpetuar a espécie, com seus genes, muitas vezes as conquistando pela força.
A medida que evolui, passa a ter sensações, começa a equilibrar os instintos com um princípio de racioncinio, o qual aumenta a cada passo na caminhada evolutiva. Sensações essas bem identificadas nas paixões que os espiritos carregam enquanto não se depuram.
A evolução assinala a supremacia do sentimento sobre as sensações o que permite que tenhamos relacionamentos verdadeiramente amorosos, não no sentido material, carnal, mas espiritual, tal como o Mestre nos ensinou e exortou: "Amai-vos uns aos outros como eu vos amei, e todos saberão que sois meus discípulos".
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Sandra Lagreca em 10 de Janeiro de 2012, 18:29
           Somente quem sofreu alguma traição sabe o quanto foi ofendido. Mas , perdoar vale a pena! Porque ficar remoendo e  não perdoar , sentindo-se uma pobre vítima,  nada conquistaremos.  Aquele que trai e se arrepende, já está a caminho da aprendizagem. Somos frágeis e a tentação é grande e a fé pouca. Aquele que prejudicou a confiança de alguém já tem como juiz sua própria consciência. Deus não nos pune. Nós é que colhemos a nossa sementeira. Quando assumimos um compromisso com alguém, devemos   respeitá-lo como queremos  ser respeitado. Mas se o companheiro falhar e se arrepender,mesmo que nos doa o fundo d'alma, se tivermos o verdadeiro amor, perdoar faz um bem enorme, principalmente para aquele que foi prejudicado.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Janeiro de 2012, 18:57
Cara Sandra.
Este tópico fala de adultério e por isso relação extra conjugal.
Mas existem otras formas de traição dentro de um relacionamento, fatos que minam a confiança do parceiro ou parceira.
Acho que perdoar é fundamental, não pelo ofensor, mas por nós mesmos, para não carregar o peso da mágoa que nunca acrescenta nada.
Quanto ao arrependimento, sempre que cometemos um erro certamente nos arrependemos no momento em que percebemos ou sofremos certas consequências.
Entretanto, acredito que o verdadeiro arrependimento se dá quando realmente mudamos de postura, não praticando mais o erro que nos levo ao arrependimento.
Da mesma forma, a reparação tanto quanto possivel se faz necessária, se não para a pessoa que prejudicamos, para nossa consciência poder ficar em paz.
Não foi a toa que o Mestre nos ensinou a "amar os inimigos, orar pelos que vos caluniam".
São irmãos ignorantes, que ainda não conseguiram entender a beleza sublime do verdadeiro amor, que se traduz tambem pelo respeito ao companheiro ou companheira de jornada.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Sandra Lagreca em 10 de Janeiro de 2012, 19:17
  Eu entendi, caro amigo. Sábias palavras.  Apenas comentei, pois passei por isto. Não guardo mágoas.   Vejo por outro ângulo e continuo a dizer: perdoar vale a pena!
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mizica em 10 de Janeiro de 2012, 19:49
 :)  boas tardes queridos e queridas do FE!

Questão delicada essa do adultério.
Fui láaaa atrás os posts, lendo o que deu, para avaliar a pauta da discussão. É um assunto polêmico.
Tenho o adultério como um desvio moral de conduta. Não importa se quem o praticou foi um homem ou uma mulher. O que importa é o tamanho do dano causado a outrem. O que levou essa ou aquela pessoa a chegar nesse ponto. Convém lembrar que toda moeda tem 2 lados...
Adulterar , no Dicionário que eu vi, é corromper, falsificar, contrafazer. Adultério é infidelidade conjugal.
Não há por que cometer adultério em um relacionamento onde não existe mais amor. Pode-se conversar, tentar usar de franqueza, tentar aparar as arestas, ou não, prosseguir ou parar com tudo ou não. Tudo é preferível à traição, ao adultério.
É só por agora.
 
Abço fraterno à todos
Mizica
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Janeiro de 2012, 19:57
É que o adúltero maninha Mizica, é tão escorregadio como  quiabo, tendo na lascívia seu modus operandi, o adúltero faz da falsidade e da enganação a sua fonte de vida.
é um doente, que mesmo podendo se tratar prefere a doença e a estagnação do que seguir em frente.
abraços,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mizica em 10 de Janeiro de 2012, 20:15
 :D Oi mano Moura.

Tentei citar seus posts nº #5 e # 140, mas deu um bugui ugui que tive que modificar meu post. Não sei se o problema é no site, no meu computador, enfim...

Mas concordo com vc. Se o adultério é contra as Leis Morais, e é, então é um crime moral de consequências inimagináveis. Tudo pode acontecer apartir da descoberta de um adultério. Quantos crimes passionais não se originam dessa forma?
 Se transgride as normas de conduta moral é crime passivel de corrigenda que extrapola as leis humanas. A semeadura é livre, mas... a colheita ... não tem erro é obrigatória.
Como sugestão, leiam no ESE, capítulo VII, ítem 5, Pecado por pensamento - Adultério. Garanto meus caros, será muito proveitoso. Certo, Moura? Leiam o capítulo todo, é bem melhor :)

Abço com carinho da
Mizica
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Mourarego em 10 de Janeiro de 2012, 20:24
Mizica maninha,
é tal como diz um dos personagens criados por chico Anízio: mercê tá certa, mercê vai longe!
Abração,
Moura
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: avatar123 em 21 de Março de 2012, 17:34
Depende pra quem você pergunta isso. Se liga!! ÁRVORE BOA NÃO DÁ MAUS FRUTOS, NEM ÁRVORE MÁ DÁ BONS FRUTOS. PELOS FRUTOS CONHECERÁ A ÁRVORE. Uma pessoa que não tem evolução suficiente para respeitar a si mesma, como vai respeitar os demais? Espirrar é crime? Creio que não. Mas você não vai sair por aí espirrando na cara das pessoas. Se você precisa cometer adultério para ser feliz, você não precisa de cadeia e sim de uma chupeta.
Título: Re: Adultério será crime moral?
Enviado por: Conforti em 21 de Março de 2012, 19:04
      Amigos


      Afinal, existe algum crime q não seja mora!?!
................................................