Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Sexualidade => Tópico iniciado por: Peregrino em 17 de Junho de 2005, 22:09

Título: Adultério e prostituição - do livro Vida e sexo / Emmanuel / FCXavier
Enviado por: Peregrino em 17 de Junho de 2005, 22:09

Adultério e prostituição


   do livro "Vida e Sexo" / Emmanuel / Francisco Cândido Xavier



«Atire-lhe a primeira pedra aquele que estiver sem pecado» disse Jesus. Esta sentença faz da indulgência um dever para nós outros, porque ninguém há que não necessite, para si próprio, de indulgência. Ela nos ensina que não devemos julgar com mais severidade os outros, do que nos julgamos a nós mesmos, nem condenar em outrem aquilo de que nos absolvemos. Antes de condenarmos a alguém uma “falta”, vejamos se a mesma censura não nos pode ser feita.

Evangelho segundo o Espiritismo, Allan Kardec, Capitulo X, item 13.


   É curioso notar que Jesus, em se tratando de “faltas e quedas”, nos domínios do espírito, haja escolhido aquela mulher, em “faltas” do sexo, para pronunciar a sua inolvidável sentença: «aquele que estiver sem pecado atire a primeira pedra.»

   Dir-se-ia que no rol das defecções, deserções, fraquezas e delitos do mundo, os problemas afectivos se mostram de tal modo encravados no ser humano que pessoa alguma da Terra haja escapado, no cardume das existências consecutivas, aos chamados “erros do amor”.

   Penetre cada um de nós os recessos e, se consegue apresentar comportamento irrepreensível, no imediatismo da vida prática, ante os dias que correm, indague-se, com sinceridade, quanto às próprias tendências.

   Quem não haja varado transes difíceis, nas áreas do coração, no período da reencarnação em que se encontra, investigue as próprias inclinações e anseios no campo intimo, e, em sã consciência, verificará que não se acha ausente do emaranhado de conflitos, que remanescem do acervo de lutas sexuais da Humanidade. Desses embates multimilenários restam ainda, por feridas sangrentas no organismo da colectividade, o adultério que, de futuro, será classificado na patologia das doenças da alma, extinguindo-se por fim com remédio adequado, e a prostituição que reúne em si homens e mulheres que se entregam às relações sexuais, mediante pagamento, estabelecendo mercados afectivos.

   Qual ocorre aos flagelos da guerra, da pirataria, da violência e da escravidão que acompanham a comunidade terrestre, há milénios, diluindo-se, muito pouco a pouco, o adultério e a prostituição ainda permanecem, na Terra, por instrumentos de prova e expiação, destinados naturalmente a desaparecer, na equação dos direitos do homem e da mulher, que se harmonizarão pelo mesmo peso, na balança do progresso e da vida.

   Note-se que o lenocínio de hoje, conquanto situado fora da lei, é o herdeiro dos bordéis autorizados por regulamentação oficial, em muitas regiões, como sucedia notadamente na Grécia e na Roma antigas, em que os estabelecimentos dessa natureza eram constantemente nutridos de levas de jovens mulheres orientais, directa ou indirectamente adquiridas, à feição de alimárias, para misteres de aluguer.

   Tantos foram os desvarios dos Espíritos em evolução no planeta – espíritos entre os quais muitos raros de nós, companheiros da Terra, não nos achamos incluídos – que decerto Jesus, personalizando na mulher sofredora a família humana, pronunciou a inesquecível sentença, convocando os homens, supostamente puros em matéria de sexualidade, a lançarem sobre a companheira infeliz a primeira pedra.

   Evidentemente o mundo avança para mais elevadas condições de existência. Fenómenos de transição explodem aqui e ali, comunicando renovação. E, com semelhantes ocorrências, surge para as nações o problema da educação espiritual, para que a educação do sexo não se faça irrisão com palavras brilhantes mascarando a licenciosidade.

   Quando cada criatura for respeitada em seu foro íntimo, para que o amor se consagre por vínculo divino, muito mais de alma para alma que de corpo para corpo, com a dignidade do trabalho e do aperfeiçoamento moral luzindo na presença de cada uma, então os conceitos de adultério e prostituição se farão distanciados do quotidiano, de vez que se apaziguará o coração humano e a chamada desventura afectiva não terá mais razão de ser.


**************


   Ainda em seguimento do texto anterior que nos impele à introspecção e consciência da indulgência e compreensão que nos foi concedida continuamente em vidas passadas e na presente, queria juntar algumas referências kardecistas que reforçam a boa compreensão do texto de Chico Xavier e Emmanuel:


   Livro dos Espíritos – capitulo XI, I, item 886 – em especial, na resposta, o que se transcreve: a caridade «nos manda ser indulgentes porque temos necessidade de indulgência...» e no final do item 888-a: «Não olvideis jamais que o Espírito, qualquer que seja o seu grau de adiantamento, sua situação como reencarnado ou na erraticidade, está sempre colocado entre um superior que o guia e aperfeiçoa e um inferior perante o qual tem deveres idênticos a cumprir.»


   Evangelho segundo o Espiritismo, capitulo X, itens 1 e 16 a 21, e capitulo XV, itens 1 a 10.


***********


   Como refere Emmanuel no texto «Adultério e Prostituição», todos nós na bagagem da aprendizagem milenária temos de certeza os «pecados» que hoje vemos nos outros e porventura nos afastam do próximo, quiçá com medo de «contagio» e da própria recaída, quando na verdade, o amor fraterno quantas vezes seria quanto baste para auxiliar o próximo a vencer no caminho da sua própria aprendizagem espiritual, pois é tão só disto que se trata: o «pecado» ainda é um conceito herdado da ignorância religiosa de séculos passados, muitas vezes tão enraizado em nós apesar de nos considerarmos com uma fé e consciência espiritual mais lógica e aprumada à luz do Espiritismo, quando, na verdade apenas existem duas grandes realidades: aprendizagem, pois somos espíritos em aprendizagem tão só, e amor que é o mecanismo divino da evolução e progresso do universo (até a lei de causa e efeito, o “carma” É AMOR).

   Essencial será não ignorar o facto de Kardec e os Espíritos que o auxiliaram na Codificação, terem escrito para as mentes do século XIX, ainda assim utilizando conceitos de culpa, pecado, expiação que eram familiares ao nosso entendimento da época, no rescaldo de séculos de terror religioso e fé cega nas labaredas do inferno. Há pois que entender hoje a verdade espiritual descortinada pelo Espiritismo como desvinculada desses conceitos, preferindo lhes, de acordo com a sabedoria e o amor divino, que tão só somos espíritos ainda em aprendizagem, e que o amor é o melhor caminho, para a verdade e a vida, como no-lo anunciou Jesus, e para bem exemplificar esta verdade, que o amor é o medicamento divino, no auxilio ao próximo, transcrevo «A pecadora arrependida», do Evangelho de Lucas, VII – 36 a 50.

   «Um fariseu convidou Jesus para comer consigo. Entrou em casa do fariseu e pôs-se à mesa. Ora, uma mulher, conhecida como pecadora naquela cidade, ao saber que Jesus estava à mesa em casa do fariseu, trouxe um vaso de alabastro com perfume; colocando-se põe detrás de Jesus e chorando, começou a banhar-lhe os pés com lágrimas; enxugava-os com os cabelos e beijava-os, ungindo-os com o perfume. Vendo isso o fariseu que o convidara disse consigo: «se este homem fosse profeta, saberia quem e de que espécie é a mulher que Lhe está a tocar, porque é uma pecadora!» Então, Jesus, adivinhando lhe os pensamentos, disse-lhe: «tenho uma coisa para te dizer, Simão». «Fala Mestre», respondeu ele. «Um prestamista tinha dois devedores: um devia-lhe quinhentos denários e o outro cinquenta. Não tendo eles com que pagar, perdoou aos dois. Qual deles o amará mais?» Simão respondeu: «aquele a quem perdoou mais, creio eu». Jesus disse-lhe: «julgaste bem». E, voltando-se para a mulher, disse a Simão: «Vês esta mulher? Entrei em tua casa e não me deste água para os pés; ele, no entanto, banhou-me os pés com suas lágrimas e enxugou-os com seus cabelos. Não me beijaste; mas ela, desde que entrei aqui, não deixou de me beijar os pés. Não me ungiste a cabeça com óleo, mas ela ungiu-me os pés com perfume. Por isso, digo-te eu, que lhe são perdoados seus muitos pecados, porque muito amou. Mas aquele a quem pouco se perdoa, pouco ama.». Disse depois à mulher: «Os teus pecados estão perdoados». Começaram então os convivas a dizer entre si: «Quem é este que até perdoa os pecados?». E Jesus disse à mulher: «Salvou-te a tua fé: vai em paz».

   Na verdade, quem a salvou, mais que sua fé, foi o amor. Por vezes é preciso tão pouco para devolver o respeito e amor-próprio a quem perdeu a fé na vida...

   Assim, também nós: se queremos realmente auxiliar o próximo na senda da perfeição, entreguemos lhe antes de mais nossa compreensão e amor, não olvidando contudo de o esclarecer fraternalmente. E nunca esqueçamos que já trilhamos os mesmos caminhos, e também houve (e há quem o faça ainda hoje, mesmo invisível) quem nos reerguesse e auxiliasse em nossa caminhada de aprendizagem com amor e paciência, e quem sabe, naquele que hoje condenamos e do qual nos desviamos, não esteja reencarnado alguém que amamos, de seculares laços afectivos, ou até alguém que prejudicamos em remotas eras, empurrando-o, por ferida afectiva ainda aberta, para os trilhos que agora lhe censuramos...

   Pg  :)
Título: Re: Adultério e prostituição - do livro Vida e sexo / Emmanuel / FCXavier
Enviado por: Ann@ em 18 de Junho de 2005, 01:14
Olá amigo Pg,

é um texto muito correto e nos faz pensar nas situações que vivemos hoje que, como no próprio texto diz, vários hábitos e situações que existiram ao longo da evolução humana, o adultério e a prostituição continuam e sem sinais de que estão no fim. Apenas a transformação moral do planeta poderá acabar com isso de uma vez.

Em algum momento da história, existia as "desculpas" para o adultério - casamentos sem amor, uniões arranjadas ainda no berço, enlaçes de família, soma de fortunas, enfim vários motivos justificavam as ações inpensadas cometidas por todos. Num outro momento o adultério passou a ser, digamos, permitido ao homem e novas desculpas como por exemplo: homem é assim mesmo, faz parte da natureza masculina e novamente todos nós nos desculpamos, amenizamos os erros cometidos. Hoje, infelizmente a mulher anda pela mesma estrada, alguns índices indicam que o adultério feminino ultrapassou a marca masculina, ou seja, hoje tanto homens como mulheres cometem adultério sem nenhum trauma, nenhum drama de consciência. E hoje também nos defendemos com mais e mais desculpas em admitir um erro moral, como todos os outros que cometemos. É melhor um casal se separar do que viver uma mentira e dar esse exemplo aos filhos.

Na prostituição, ainda mais grave nos dias de hoje com a prostituição infantil, não é muito diferente. O incentivo a prostituição é absurdo. Conheci várias pessoas que passaram por esta vida e nenhuma traz recordações agradáveis. Homens ou mulheres vendendo-se nas avenidas de forma "alegre" e "divertida", choram o vazio que sentem por viverem à margem da sociedade.

Não somos ninguém para julgar este ou aquele que comete qualquer erro moral, mesmo porque com certeza já estivemos nos dois lados da moeda, mas já está no momento de colocarmos nossos pouco conhecimento em prática. Vivenciar o espiritismo fora dos Centros Espíritas. Ensinar nossos filhos a responsabilidade de uma união. A responsabilidade do ato sexual. O respeito pelo outro. Respeito por ele próprio.

Talvez ainda passe muitos anos, ou centenas de anos para que isso acabe, mas neste momento podemos começar a plantar as sementes da evolução moral de nosso planeta.

Um abraço

Ana :D
Título: Re: Adultério e prostituição - do livro Vida e sexo / Emmanuel / FCXavier
Enviado por: rita em 18 de Junho de 2005, 09:37


   Bom dia Ann@


   deixe-me que a felicite pela excelente resposta,concordo em absoluto.


                                  Bem haja.
Título: Re: Adultério e prostituição - do livro Vida e sexo / Emmanuel / FCXavier
Enviado por: Zuleica em 19 de Novembro de 2008, 19:16
Ninguém abusa de alguém sem carrear prejuízo a si mesmo.


  A energia sexual, como recurso da lei de atração, é inerente à própria vida, gerando cargas magnéticas em todos os seres, à face das potencialidades criativas de que se reveste.
   
Nos seres primitivos, e em todas as criaturas que se demoram voluntariamente no nível dos brutos, a descarga de semelhante energia opera-se inconsideradamente, fato que lhes custa resultados angustiosos a lhes lastrearem longo tempo de fixação em existências menos felizes, para que todos aprendamos que ninguém abusa de alguém sem carrear prejuízo a si mesmo.


Abç