Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Sexualidade => Tópico iniciado por: Atma em 01 de Dezembro de 2008, 21:10

Título: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Atma em 01 de Dezembro de 2008, 21:10
- Em preparo espiritual -

Pai Muni - Pergunta: 
Maria que te dizes dos fatos surgidos pelas bençãos de Deus?

Resposta de Maria:
Vejo em tudo a vontade daquele que nos criou. Tudo que sucede são lições que devemos aproveitar com serenidade, paciência, amor e coragem. Deus desconhece o impossível, senão ele não seria Deus de bondade e de amor.

Pai Muni
José, foste escolhido, serás de momento para os outros, agredido nos teus direitos de homem, mas acima deles vibram os direitos divinos. A verdade prevalece enquanto não chega a verdade maior. Educa mais todos os teus sentimentos e todos os teus impulsos que, desta vez não vieste para os prazeres efêmeros.


Não existe nenhum lugar no universo onde não esteja presente a vida. Tudo o que se vê e mesmo o que não se vê, vive obedecendo determinadas leis, criadas por Deus.


O anjo do Senhor disse: (No momento da concepção espiritual.)

Maria, a paz do Senhor esteja contigo! Não deves preocupar-te com os acontecimentos. O espírito quando se veste de carne, embota os seus mais nobres valores, mas sempre tem a proteção dos anjos do Senhor. Não percas tempo desprezando a vida, aproveita-a nas diretrizes estabelecidas por Deus. Todos somos peças de luz para uma claridade maior, eis que és bendita entre todas as mulheres. Serás símbolo para todas as mães da terra e guia de todas elas. O Messias prometido já se encontra nos arraiais da terra, e te olha como pai, antes de ser o filho das tuas entranhas.

Maria nesta noite tranquila após o dia em que os trabalhos davam mostra do dever cumprido, percebeu que os sentimentos estavam alterados. Olhou para o céu, chorou sem saber o porque daquela emoção divina, na plenitude de seus sentimentos.
Foi para seu quarto, colocou seu xale, e perto do catre que lhe servia de leito, fez uma prece e buscou a suprema Inteligência pelos fios de seus pensamentos. E adormeceu. Já fora do corpo carnal, via três estrelas reluzentes, das quais duas a ladearam, enquanto a outra, assumindo forma humana, sorriu para ela, abençoando seus sentimentos, e falou com doçura :

Altas entidades espirituais vieram trazendo com especiais cuidados para a terra, a semente masculina, (no sentido de fecundar Maria,) com extremo respeito e dedicação. Já haviam estudados os efeitos que poderiam causar a simbiose das forças estelar com o óvulo materno e, os agentes de Deus conduziram o microgameta do ambiente estelar para a formação de um corpo dócil. Maria se encontrava no leito onde tudo era harmonia, e dormia serenamente. Nas mãos de um desses vários luminares da eternidade, estava algo que irradiava uma luz intensa, uma micro vida de difícil observação. Com toda ternura de um santo, aproximou-se e colocou no ninho uterino de Maria, pelas portas engenhosas dos recursos divinos, com os quais somente anjos de Deus sabem lidar.

Maria foi envolvida por uma sensação divina. A harmonia de sua mente era uma conquista de sua consciência. Era um espetáculo grandioso esse da natureza ao mesmo tempo humano e divina.

Maria era virgem, e assim permaneceu após o parto de Jesus.


Há enxertos divinos!
Hoje pode-se dizer que não existem equivocos nas teorias - se as podemos chamar de teorias - quanto ao corpo de Jesus, por sabermos, como os próprios homens, que matéria é acumulação de fluidos e que os fluidos são matéria dispersa. Fuidos e matérias se confundem na grande ciência da vida infinita.

As sequências evolutivas das raças depende de enxertos divinos, provindos de fora, de maneira sutil, que os próprios homens não desconfiam. A evolução do espírito requer corpos adequados para a sua ascenção. Almas altamente evoluídas sentirão na sua formação congênita, enxertos admiráveis, concedidas pela natureza, não aceitos pelo homem comum.

A verdade é relativa e se revela de acordo com a evolução dos homens e espíritos.

Quantas páginas é necessário escrever, gastando-se um tempo enorme, afim de levar o leitor a certas conclusões! Isso, quando se leva!
Entretanto como descrever a vida da nossa Mãe Santíssima, da Mãe de Jesus, sem descrever o seu nascimento, a sua formação e seus poderes.

Caros amigos deste fórum, para quem quiser aprofundar, esclarecer e decobrir mais ensinamentos maravilhosos e verdadeiros a cerca desde assunto, poderá encontrar mais revelações belíssimas em : (Maria de Nazaré - João Nunes Maia - Miramez. )
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: hcancela em 02 de Dezembro de 2008, 09:55
- Em preparo espiritual -

Pai Muni - Pergunta: 
Maria que te dizes dos fatos surgidos pelas bençãos de Deus?

Resposta de Maria:
Vejo em tudo a vontade daquele que nos criou. Tudo que sucede são lições que devemos aproveitar com serenidade, paciência, amor e coragem. Deus desconhece o impossível, senão ele não seria Deus de bondade e de amor.

Pai Muni
José, foste escolhido, serás de momento para os outros, agredido nos teus direitos de homem, mas acima deles vibram os direitos divinos. A verdade prevalece enquanto não chega a verdade maior. Educa mais todos os teus sentimentos e todos os teus impulsos que, desta vez não vieste para os prazeres efêmeros.


Não existe nenhum lugar no universo onde não esteja presente a vida. Tudo o que se vê e mesmo o que não se vê, vive obedecendo determinadas leis, criadas por Deus.


O anjo do Senhor disse: (No momento da concepção espiritual.)

Maria, a paz do Senhor esteja contigo! Não deves preocupar-te com os acontecimentos. O espírito quando se veste de carne, embota os seus mais nobres valores, mas sempre tem a proteção dos anjos do Senhor. Não percas tempo desprezando a vida, aproveita-a nas diretrizes estabelecidas por Deus. Todos somos peças de luz para uma claridade maior, eis que és bendita entre todas as mulheres. Serás símbolo para todas as mães da terra e guia de todas elas. O Messias prometido já se encontra nos arraiais da terra, e te olha como pai, antes de ser o filho das tuas entranhas.

Maria nesta noite tranquila após o dia em que os trabalhos davam mostra do dever cumprido, percebeu que os sentimentos estavam alterados. Olhou para o céu, chorou sem saber o porque daquela emoção divina, na plenitude de seus sentimentos.
Foi para seu quarto, colocou seu xale, e perto do catre que lhe servia de leito, fez uma prece e buscou a suprema Inteligência pelos fios de seus pensamentos. E adormeceu. Já fora do corpo carnal, via três estrelas reluzentes, das quais duas a ladearam, enquanto a outra, assumindo forma humana, sorriu para ela, abençoando seus sentimentos, e falou com doçura :

Altas entidades espirituais vieram trazendo com especiais cuidados para a terra, a semente masculina, (no sentido de fecundar Maria,) com extremo respeito e dedicação. Já haviam estudados os efeitos que poderiam causar a simbiose das forças estelar com o óvulo materno e, os agentes de Deus conduziram o microgameta do ambiente estelar para a formação de um corpo dócil. Maria se encontrava no leito onde tudo era harmonia, e dormia serenamente. Nas mãos de um desses vários luminares da eternidade, estava algo que irradiava uma luz intensa, uma micro vida de difícil observação. Com toda ternura de um santo, aproximou-se e colocou no ninho uterino de Maria, pelas portas engenhosas dos recursos divinos, com os quais somente anjos de Deus sabem lidar.

Maria foi envolvida por uma sensação divina. A harmonia de sua mente era uma conquista de sua consciência. Era um espetáculo grandioso esse da natureza ao mesmo tempo humano e divina.

Maria era virgem, e assim permaneceu após o parto de Jesus.


Há enxertos divinos!
Hoje pode-se dizer que não existem equivocos nas teorias - se as podemos chamar de teorias - quanto ao corpo de Jesus, por sabermos, como os próprios homens, que matéria é acumulação de fluidos e que os fluidos são matéria dispersa. Fuidos e matérias se confundem na grande ciência da vida infinita.

As sequências evolutivas das raças depende de enxertos divinos, provindos de fora, de maneira sutil, que os próprios homens não desconfiam. A evolução do espírito requer corpos adequados para a sua ascenção. Almas altamente evoluídas sentirão na sua formação congênita, enxertos admiráveis, concedidas pela natureza, não aceitos pelo homem comum.

A verdade é relativa e se revela de acordo com a evolução dos homens e espíritos.

Quantas páginas é necessário escrever, gastando-se um tempo enorme, afim de levar o leitor a certas conclusões! Isso, quando se leva!
Entretanto como descrever a vida da nossa Mãe Santíssima, da Mãe de Jesus, sem descrever o seu nascimento, a sua formação e seus poderes.

Caros amigos deste fórum, para quem quiser aprofundar, esclarecer e decobrir mais ensinamentos maravilhosos e verdadeiros a cerca desde assunto, poderá encontrar mais revelações belíssimas em : (Maria de Nazaré - João Nunes Maia - Miramez. )
É querida amiga,temos lá inteligência,ou moral,para compreendermos o que foi ou é MARIA, e seu( companheiro José)aqui na terra,quanto mais o que serão como espiritos;que vamos fazer se somos assim!ainda hoje ,depois de tantos anos,tratamos JESUS como se ELE fosse um simples homem(fazendo coisas bonitas e expetaculares);Sabes amiga, por vezes faltam-me as palavras ao tentar descrever tanta ingratidão da nossa parte,pelo favor que o SENHOR nos faz ,em vivermos!A consulação é que ELE espera por nós,mesmo o tratando mal e, um dia quando estiver perto DELE dirlhe-ei(mesmo sabendo que ELE nos entende)Senhor,rogote as desculpas por todos os nossos atos ,e,pensamentos desiquilibrados.
Saudações muito fraternas para todos vós,e,permite-me especialmente para ti! Obrigada...

CANCELA
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Atma em 02 de Dezembro de 2008, 16:06
Oi amigo querido.
Obrigada pela gentileza fraterna.

Sinto-me comovida pela sua sinceridade.
Realmente somos muito pequeninos diante de tantas grandezas celestiais ainda por conhecermos.  Contudo, para aqueles que sentem na alma as vibrações da humildade, como você amigo, já se encontra em crescimento espiritual e moral necessários para assimilar as verdades que estão sendo ditas por misericódia divina, e abençoadas revelações e consolos , prometidos pelo nosso Mestre, neste final de tempo.

Somos mesmo grandes devedores, perdidos nos desequilíbrios de nossos erros e vícios, mas creio, que Jesus nos aguarda, não para nos desculparmos, porque isso ele já fez, mas, para nos receber transformados das imperfeições, e renovados no amor universal e Cristão, conforme Ele sempre quis e espera até hoje, por todos nós.
Ele se encontra em torno de nós em espírito, esperando que deixemos o homem velho morrer, para o novo nascer.

Façamos a nossa parte, renovando os pensamentos, estudando e progredindo para que este encontro celestial, se dê nas bençãos da alegria, da luz, do perfume, e não nas bases do arrependimento.
Cada criatura aprende com Jesus, como se salvar a si mesma e essa é a verdadeira senda.

Que Jesus te abençõe, te guie e te proteja sempre!
Agradeço pelo carinho.

"Nunca devemos baixar a cabeça sem querer olhar para cima ou, por vezes, negar as claridades dos astros, porque não tivemos a coragem de encará-los. No próprio sol, no seu duplo energético há vidas que a todos dirigem, sem que possamos vê-las ou tocá-las por nos faltar evolução espiritual para isso." Miramez.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Espírita brasileiro em 18 de Março de 2013, 21:08
As passagens desse livro de Miramez devem ser consideradas apenas uma opinião desse espírito,e não expressão fiel da verdade.Jesus mesmo disse:Não vim destruir a lei;porque começar a infringir as leis biológicas que asseveram que a reprodução é realizada através da união dos gametas?.Kardec deixa bem claro na Genese,a questão do nascimento de Jesus,que se deu como o de todos nós.Como aceitar que Maria permaneceu virgem após o parto,conforme diz Miramez?Não seria isso uma reedição do dogma católico da imaculada conceição?Somos espíritas e não católicos,digo isso com toda a consideração aos amigos que postaram.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: psi em 18 de Março de 2013, 21:32
As passagens desse livro de Miramez devem ser consideradas apenas uma opinião desse espírito,e não expressão fiel da verdade.Jesus mesmo disse:Não vim destruir a lei;porque começar a infringir as leis biológicas que asseveram que a reprodução é realizada através da união dos gametas?.Kardec deixa bem claro na Genese,a questão do nascimento de Jesus,que se deu como o de todos nós.Como aceitar que Maria permaneceu virgem após o parto,conforme diz Miramez?Não seria isso uma reedição do dogma católico da imaculada conceição?Somos espíritas e não católicos,digo isso com toda a consideração aos amigos que postaram.

Amigo espírita

O livro em referência não diz que não houve a união de gametas. Diz, sim, que Maria engravidara sem ter tido relação sexual, o que é bem diferente. O gameta masculino teria sido inoculado em seu óvulo. Não assevero como incontestável o relato de Miramez, mas não o vejo, doutrinariamente falando, como inverossímel.

Um abraço

PSI     
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: hcancela em 18 de Março de 2013, 21:53
De facto Espirita não devemos nunca levar tudo a sério a opinião pessoal seja de quem for.

Desde 2008 que a minha opinião sobre tudo, e nomeadamente sobre Espiritismo vem se cimentando , como se as coisas aos poucos viessem a se aclarar, no entanto há uma coisa que eu tenho a certeza, é que ainda estamos muito longe de perceber como tudo se passou relativamente ao processo do nascimento de Jesus e qual foi o real contributo de Maria em tudo isto.Há muito a compreender, mesmo eu sabendo que Jesus não veio alterar a lei, mas mesmo aqui há muitas forças que estamos bem longe de perceber.Para mim o nascimento de Jesus está bem longe de tudo aquilo que compreendemos até hoje.
Obs: Só para lembrar, que falei em termos Espirituais, porque fisicamente, corpo é corpo, óbviamente uns melhores que outros.

Saudações fraternas
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 18 de Março de 2013, 21:55
É interessante como palavras bonitas têm o poder camuflar incongruências de doutrina. O Espírito não perde aquilo que já adquiriu como patrimônio moral ao reencarnar – nem mesmo o esquecimento do passado é capaz de retirar isso dele. Um Espírito honesto não o deixa de ser apenas porque se associou à carne. Portanto, “os mais nobres valores” do Espírito não se tornam embotados porque o mesmo reencarnou. O espírita deveria fazer um mínimo esforço por não confundir “faculdades” que necessitam de órgãos para se manifestar com os “mais nobres valores” do Espírito.

A ideia da concepção espiritual de Maria pode ser colocada lado a lado com a do corpo fluídico de Jesus. Ambas constituem uma afronta à razão e rebaixam moralmente dois dos mais elevados espíritos que já reencarnaram entre nós. Aqui, Maria é o exemplo da mãe que não passou por tudo aquilo que é dado a cada mãe suportar, e Jesus é o exemplo de perfeição a que o homem terreno pode aspirar, mas não vivenciou na carne as experiências sobre as quais veio dar o testemunho da vitória. Em outras palavras: Aqui, mãe e filho são duas farsas.

Irresponsável é o Espírito que dá vazão a esse tipo de coisa. Duplamente irresponsáveis são o médium e o leitor que dão concurso a perpetuação da ideia.   
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: psi em 18 de Março de 2013, 22:22
É interessante como palavras bonitas têm o poder camuflar incongruências de doutrina. O Espírito não perde aquilo que já adquiriu como patrimônio moral ao reencarnar – nem mesmo o esquecimento do passado é capaz de retirar isso dele. Um Espírito honesto não o deixa de ser apenas porque se associou à carne. Portanto, “os mais nobres valores” do Espírito não se tornam embotados porque o mesmo reencarnou. O espírita deveria fazer um mínimo esforço por não confundir “faculdades” que necessitam de órgãos para se manifestar com os “mais nobres valores” do Espírito.

A ideia da concepção espiritual de Maria pode ser colocada lado a lado com a do corpo fluídico de Jesus. Ambas constituem uma afronta à razão e rebaixam moralmente dois dos mais elevados espíritos que já reencarnaram entre nós. Aqui, Maria é o exemplo da mãe que não passou por tudo aquilo que é dado a cada mãe suportar, e Jesus é o exemplo de perfeição a que o homem terreno pode aspirar, mas não vivenciou na carne as experiências sobre as quais veio dar o testemunho da vitória. Em outras palavras: Aqui, mãe e filho são duas farsas.

Irresponsável é o Espírito que dá vazão a esse tipo de coisa. Duplamente irresponsáveis são o médium e o leitor que dão concurso a perpetuação da ideia.   

Em relação ao corpo fluídico de Jesus, a própria doutrina já contestou esta possibilidade.
Em relação à gravidez de Maria, eu particularmente não tenho ainda uma opinião formada, mas o relato de Miramez em nada contradiz a doutrina. A concepção de Maria não foi espiritual, mas material, e em nada afrontou as nossas leis biológicas. O gameta masculino teria sido selecionado pela espiritualidade superior para que esse desse origem ao arquétipo físico mais qualificado possível para recepcionar o espírito mais perfeito já encarnado em nosso mundo. Teria esse gameta sido inoculado no óvulo de Maria pela espiritualidade num processo como qualquer outro de inseminação artificial. Maria teria tido uma gravidez e um parto como qualquer outra mãe submetida ao mesmo processo.

Um abraço

PSI   
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 18 de Março de 2013, 23:15
Citação de: edmar f jr
Irresponsável é o Espírito que dá vazão a esse tipo de coisa. Duplamente irresponsáveis são o médium e o leitor que dão concurso a perpetuação da ideia.
   

Observe-se a citação abaixo, extraída da Bíblia on line:

Citação de: Mateus 1:18-20

Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.

Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente.

E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo [...]

Atente-se para as expressões destacadas em negrito.

Admita-se que o evangelista Mateus registrou tal passagem evangélica sob influência espiritual, em transe mediúnico.

Como deve ser interpretada tal passagem evangélica de modo razoável?
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 19 de Março de 2013, 00:10
Por enquanto, permaneço com Kardec:

65. A estada de Jesus na Terra apresenta dois períodos: o que precedeu e o que se seguiu à sua morte. No primeiro período, desde o momento da concepção até o nascimento, tudo se passa, em relação à sua mãe, como nas condições normais da vida. (KARDEC. A Gênese. Capítulo 15: Os milagres do Evangelho) (Grifei)

Condições normais da vida = relação sexual, concepção, gestação e nascimento...


Abraços,


Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 19 de Março de 2013, 00:43
...
Admita-se que o evangelista Mateus registrou tal passagem evangélica sob influência espiritual, em transe mediúnico.

Como deve ser interpretada tal passagem evangélica de modo razoável?

Admitindo-se de tal maneira, Mateus, o evangelista, pode ter sido enganado, mistificado. Para mim, é satisfatoriamente razoável:

9ª) Qual seria o médium que se poderia chamar de perfeito?
“Perfeito, que pena! Sabeis bem que a perfeição não existe na Terra, sem, isto, não estaríeis nela; dize, portanto, bom médium e já é muito, pois eles são raros. O médium perfeito seria aquele sobre o qual os maus Espíritos jamais teriam ousado fazer uma tentativa para enganá-lo; o melhor é aquele que, simpatizando somente com bons Espíritos, tem sido enganado menos frequentemente.” (KARDEC. O livro dos Médiuns. Capítulo 20: Influência moral do médium) (Grifei)

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 19 de Março de 2013, 01:39
Meu caro Edmar, com relação ao seu post #6, me permito discordar de um pequenho aspecto.
Na parte final, o amigo chama de irresponsável o leitor que da curso a essa idéia. Ai é que eu tenho uma leve divergencia com amigo, por uma razão muito simples: é preciso identificar o leitor.
Se tomarmos por informação que, a maioria das pessoas que leem esses livros tem um conhecimento muito limitado da DE, não podemos imputar-lhes uma responsabilidade que cai soberanamente sobre o espirito comunicante e o médium, esses sim, conhecedores da Doutrina.
Portanto, como estudantes da doutrinba que somos, sem ferir suscetibilidades, devemos colocar a questão da forma como ela deve ser colocada: é a opinião pessoal de um espirito imperfeito, repassada a um medium imperfeito.
De minha parte, digo que milagres não existem e que por milagres o senso comum tem qualquer coisa que sua capacidade intelectual não lhe permite compreender.
Nesse caso, como você disse, fico com Kardek, a concepção foi absoutamente natural.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 19 de Março de 2013, 02:06
Citação de: Item 65 do capítulo 15 da Gênese

A estada de Jesus na Terra apresenta dois períodos: o que precedeu e o que se seguiu à sua morte. No primeiro, desde o momento da concepção até o nascimento, tudo se passa, pelo que respeita à sua mãe, como nas condições ordinárias da vida1.

Citação de: Nota de Allan Kardec a respeito da citação acima

1 Não falamos do mistério da encarnação, com o qual não temos que nos ocupar aqui e que será examinado ulteriormente.

Citação de: Nota da Editora a respeito da Nota de Kardec, acima citada

Kardec, em vida, não pôde cumprir esta promessa, visto que, no ano seguinte, ao dar publicação a esta obra, foi chamado à Pátria Espiritual.

Observe-se que Allan Kardec pretendia examinar o tema referente ao mistério da encarnação do Mestre Jesus para publicá-lo ulteriormente...

Mas desencarnou antes de consumar tal pretensão.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: psi em 19 de Março de 2013, 02:25
Por enquanto, permaneço com Kardec:

65. A estada de Jesus na Terra apresenta dois períodos: o que precedeu e o que se seguiu à sua morte. No primeiro período, desde o momento da concepção até o nascimento, tudo se passa, em relação à sua mãe, como nas condições normais da vida. (KARDEC. A Gênese. Capítulo 15: Os milagres do Evangelho) (Grifei)

A divergência é se a gravidez de Maria foi consequência de uma relação sexual ou de uma inseminação.
A partir da concepção até o nascimento, os dois processos seguem o mesmo curso das leis biológicas, não havendo nenhuma divergência entre eles.


Observe-se a citação abaixo, extraída da Bíblia on line:

Citação de: Mateus 1:18-20

Ora, o nascimento de Jesus Cristo foi assim: Estando Maria, sua mãe, desposada com José, antes de se ajuntarem, achou-se ter concebido do Espírito Santo.

Então José, seu marido, como era justo, e a não queria infamar, intentou deixá-la secretamente.

E, projetando ele isto, eis que em sonho lhe apareceu um anjo do Senhor, dizendo: José, filho de Davi, não temas receber a Maria, tua mulher, porque o que nela está gerado é do Espírito Santo [...]

Atente-se para as expressões destacadas em negrito.

Admita-se que o evangelista Mateus registrou tal passagem evangélica sob influência espiritual, em transe mediúnico.

Como deve ser interpretada tal passagem evangélica de modo razoável?



lineu, essas passagens bíblicas são relatadas e explicadas em minúcias na obra de Miramez.


Citação de: Item 65 do capítulo 15 da Gênese

A estada de Jesus na Terra apresenta dois períodos: o que precedeu e o que se seguiu à sua morte. No primeiro, desde o momento da concepção até o nascimento, tudo se passa, pelo que respeita à sua mãe, como nas condições ordinárias da vida1.

Citação de: Nota de Allan Kardec a respeito da citação acima

1 Não falamos do mistério da encarnação, com o qual não temos que nos ocupar aqui e que será examinado ulteriormente.

Citação de: Nota da Editora a respeito da Nota de Kardec, acima citada

Kardec, em vida, não pôde cumprir esta promessa, visto que, no ano seguinte, ao dar publicação a esta obra, foi chamado à Pátria Espiritual.

Observe-se que Allan Kardec pretendia examinar o tema referente ao mistério da encarnação do Mestre Jesus para publicá-lo ulteriormente...

Mas desencarnou antes de consumar tal pretensão.

Qual seria o mistério da encarnação de Jesus aludido por Kardec?  ;)


Um abraço

PSI
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 19 de Março de 2013, 03:57
Meu caro Edmar, com relação ao seu post #6, me permito discordar de um pequenho aspecto.
Na parte final, o amigo chama de irresponsável o leitor que da curso a essa idéia. Ai é que eu tenho uma leve divergencia com amigo, por uma razão muito simples: é preciso identificar o leitor.
Se tomarmos por informação que, a maioria das pessoas que leem esses livros tem um conhecimento muito limitado da DE, não podemos imputar-lhes uma responsabilidade que cai soberanamente sobre o espirito comunicante e o médium, esses sim, conhecedores da Doutrina.
Portanto, como estudantes da doutrinba que somos, sem ferir suscetibilidades, devemos colocar a questão da forma como ela deve ser colocada: é a opinião pessoal de um espirito imperfeito, repassada a um medium imperfeito.
De minha parte, digo que milagres não existem e que por milagres o senso comum tem qualquer coisa que sua capacidade intelectual não lhe permite compreender.
Nesse caso, como você disse, fico com Kardek, a concepção foi absoutamente natural.

Caro Gustavo,

Concordo com sua discordância e aceito de bom grado sua crítica. Eu deveria ter sido mais preciso quanto ao tipo de leitor a que me refiro: trata-se daquele que adota o raciocínio em questão como fato de doutrina e o leva aditante, sem ao menos se dar ao trabalho de observá-lo com mais atenção e compará-lo com o que já nos trouxeram os Espíritos Superiores na obra da codificação. Isso para mim é pura irresponsabilidade. Os Espíritos Superiores não agem em descumprimento das leis naturais. A proposta de Miramez pode fazer sentido no contexto do catolicismo, mas é simplesmente absurda no contexto da doutrina espírita.

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 19 de Março de 2013, 04:34
A divergência é se a gravidez de Maria foi consequência de uma relação sexual ou de uma inseminação.
A partir da concepção até o nascimento, os dois processos seguem o mesmo curso das leis biológicas, não havendo nenhuma divergência entre eles.

Com a sutil diferença de que a inseminação (se estivermos, evidentemente, falando sobre fertilização “in vitru”, que até o momento só se faz por meio de espermatozódes e óvulos “reais”) não era sequer considerada na época de Kardec – o primeiro bebê de proveta é da década de 1980. E mesmo assim, inseminação é algo que ainda hoje está longe de se estabelecer como “condições normais da vida”.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: psi em 19 de Março de 2013, 05:28
A divergência é se a gravidez de Maria foi consequência de uma relação sexual ou de uma inseminação.
A partir da concepção até o nascimento, os dois processos seguem o mesmo curso das leis biológicas, não havendo nenhuma divergência entre eles.

Com a sutil diferença de que a inseminação (se estivermos, evidentemente, falando sobre fertilização “in vitru”, que até o momento só se faz por meio de espermatozódes e óvulos “reais”) não era sequer considerada na época de Kardec – o primeiro bebê de proveta é da década de 1980. E mesmo assim, inseminação é algo que ainda hoje está longe de se estabelecer como “condições normais da vida”.

Amigo, inseminação artificial não tem nada a ver com fertilização "in vitro". Nesse último caso, o óvulo é retirado da mulher e fertilizado com espermatozóides em ambiente laboratorial. Na inseminação artificial os espermatozóides são introduzidos no interior do útero a fim de fecundarem o óvulo, não sendo necessária a sua retirada do corpo materno. A inseminação artificial poderia não ser uma condição normal para os padrões da época, mas nada haveria de se surpreender em se tratando da grandiosidade do espírito reencarnante e da capacidade dos emissários divinos enviados para cumprir tal mister. Agora, gostaria que o amigo respondesse as seguintes perguntas:
1- Como Maria engravidou sem ter tido relação sexual? ( Isso está referenciado na Bíblia )
2- Qual o mistério da encarnação de Jesus aludido por Kardec? ( Se a encarnação se deu em condições tão normais, onde está o mistério? )

Um abraço

PSI


   
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 19 de Março de 2013, 10:26
Citação de: PSI
Qual seria o mistério da encarnação de Jesus aludido por Kardec?

O termo mistério, na língua portuguesa, tem o sentido de conhecimento aprofundado de uma ciência, inacessível aos não iniciados.

Parece ser óbvio que Kardec retinha conhecimentos aprofundados a respeito da encarnação de Jesus, que lhes foram revelados particularmente, ainda desconhecidos pela humanidade, que ele pretendia divulgar em momento oportuno.

Provavelmente, os princípios fundamentais da técnica de inseminação artificial constavam no rol de tais conhecimentos que lhes foram particularmente revelados.

A propósito, convém lembrar-se da seguinte instrução espiritual, transmitida a Kardec, na instituição dos Prolegômenos:

Citação de: Terceiro parágrafo dos Prolegômenos
Entre os ensinamentos que te são dados há alguns que deves guardar somente para ti, até nova ordem; avisar-te-emos quando chegar o momento de publicá-los. Enquanto isso, medita-os a fim de estares pronto quando te avisarmos.


Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 19 de Março de 2013, 14:46
Edmar meu caro, seu post #14 define extamente o que penso e o que postei.
Principalmente a parte final.
Parece-me, que para angariar leitores, tenta-se adaptar a DE as religiões tradicionais, tal como a ICAR fez quando se tornou a igreja oficial do imperio romano.
Ainda que tenhamos em mente uma boa causa, que seja a disseminação do conhecimento espirita, essa so poderá ser realmente boa, se partir de premissas corretas.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Espírita brasileiro em 19 de Março de 2013, 16:16
É interessante como palavras bonitas têm o poder camuflar incongruências de doutrina. O Espírito não perde aquilo que já adquiriu como patrimônio moral ao reencarnar – nem mesmo o esquecimento do passado é capaz de retirar isso dele. Um Espírito honesto não o deixa de ser apenas porque se associou à carne. Portanto, “os mais nobres valores” do Espírito não se tornam embotados porque o mesmo reencarnou. O espírita deveria fazer um mínimo esforço por não confundir “faculdades” que necessitam de órgãos para se manifestar com os “mais nobres valores” do Espírito.

A ideia da concepção espiritual de Maria pode ser colocada lado a lado com a do corpo fluídico de Jesus. Ambas constituem uma afronta à razão e rebaixam moralmente dois dos mais elevados espíritos que já reencarnaram entre nós. Aqui, Maria é o exemplo da mãe que não passou por tudo aquilo que é dado a cada mãe suportar, e Jesus é o exemplo de perfeição a que o homem terreno pode aspirar, mas não vivenciou na carne as experiências sobre as quais veio dar o testemunho da vitória. Em outras palavras: Aqui, mãe e filho são duas farsas.

Irresponsável é o Espírito que dá vazão a esse tipo de coisa. Duplamente irresponsáveis são o médium e o leitor que dão concurso a perpetuação da ideia.   
Falaste de maneira mais clara minha opinião sobre o assunto,penso que a vida conjugal e a maternidade não são demérito nenhum para Maria de nazaré.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Espírita brasileiro em 19 de Março de 2013, 16:28
As passagens desse livro de Miramez devem ser consideradas apenas uma opinião desse espírito,e não expressão fiel da verdade.Jesus mesmo disse:Não vim destruir a lei;porque começar a infringir as leis biológicas que asseveram que a reprodução é realizada através da união dos gametas?.Kardec deixa bem claro na Genese,a questão do nascimento de Jesus,que se deu como o de todos nós.Como aceitar que Maria permaneceu virgem após o parto,conforme diz Miramez?Não seria isso uma reedição do dogma católico da imaculada conceição?Somos espíritas e não católicos,digo isso com toda a consideração aos amigos que postaram.

Amigo espírita

O livro em referência não diz que não houve a união de gametas. Diz, sim, que Maria engravidara sem ter tido relação sexual, o que é bem diferente. O gameta masculino teria sido inoculado em seu óvulo. Não assevero como incontestável o relato de Miramez, mas não o vejo, doutrinariamente falando, como inverossímel.

Um abraço

PSI     
Amigo psi como engravidar no planeta terra naquela época sem ter relação sexual?Por que Jesus não poderia ter sido fruto de relação sexual entre seres humanos equilibrados como seus pais?A impossibiliadde desse fato real,não seria creditada á mitologia,como foi também no caso de Sidarta gautama o Buda,que teria nascido sem a contribuição de seu própio pai?Se fizeres um levantamento da mitologia desde a antiguidade,verás que muitos heróis e grandes homens tiveram seus nascimentos atribuídos á virgens.Muitas obras espíritas insistem na virgindade de Maria,mas na Gênese Kardec afirma o nascimento de Jesus dentro das leis da natureza.Ab e fique na paz!
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Espírita brasileiro em 19 de Março de 2013, 16:38
De facto Espirita não devemos nunca levar tudo a sério a opinião pessoal seja de quem for.

Desde 2008 que a minha opinião sobre tudo, e nomeadamente sobre Espiritismo vem se cimentando , como se as coisas aos poucos viessem a se aclarar, no entanto há uma coisa que eu tenho a certeza, é que ainda estamos muito longe de perceber como tudo se passou relativamente ao processo do nascimento de Jesus e qual foi o real contributo de Maria em tudo isto.Há muito a compreender, mesmo eu sabendo que Jesus não veio alterar a lei, mas mesmo aqui há muitas forças que estamos bem longe de perceber.Para mim o nascimento de Jesus está bem longe de tudo aquilo que compreendemos até hoje.
Obs: Só para lembrar, que falei em termos Espirituais, porque fisicamente, corpo é corpo, óbviamente uns melhores que outros.

Veja amigo h cancela:A informação espírita é bastante clara,o universo e consequentemente nosso planeta são regidos por leis bem claras,por que então haveria Jesus de transgredir essas leis com uma concepção e um nascimento excepcionais?Os mistérios são própios das outras religiões,para tornar o homem dependente de seus prelados e pastores.No Espiritismo não há mistérios,o que existe são parcelas da verdade que adquiriremos com nosso esforço no estudo contínuo  da Codificação.Saudações fraternas
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 19 de Março de 2013, 17:20
1- Como Maria engravidou sem ter tido relação sexual? ( Isso está referenciado na Bíblia )

Sem ter tido relação sexual, somente por meio de inseminação artificial com os espermatozoides de José introduzidos em seu útero. Quanto ao fato disso estar referenciado na Bíblia, entendo que a doutrina espírita no papel de consolador pedido por Jesus a Deus tem como um de seus propósitos nos auxiliar no desenvolvimento da chamada fé raciocinada, para que saibamos levar ao crivo da razão o que nos parece irracional e implausível. Isso inclui abordar as escrituras com um pouco mais de critério, buscando a sensibilidade para compreender que muito do que está ali, está na forma de alegorias e não deve, portanto, ser levado ao pé da letra. Essa foi uma das razões porque Kardec, sabiamente, se restringiu ao domínio do ensino moral do Cristo em O Evangelho segundo o espiritismo, pois além de ser unicamente o que nos interessa como aprendizes em processo de evolução, sobre ele (ensino moral), as divergências se diluem. Mas existem aqueles que, por meio de seus sistemas particulares e preconceitos construídos ao longo de eras, não admitem o homem humano como um ser capaz de vencer suas fraquezas ou exemplificar o amor em sua mais elevada expressão – esquecendo-se que “o que nasceu da carne é carne, e o que nasceu do espírito é espírito.”. É preciso divinizá-lo e afastá-lo das condições naturais que dizem respeito a todos nós para aceitá-lo como um ser superior e dotado dos mais elevados valores a exemplificar. Fica mais fácil assim para todos nós relativizar o papel e a responsabilidade que só cabem a nós mesmos no que diz respeito à nossa evolução. Não há um só dentre os Espíritos Superiores que auxiliaram Kardec no processo de codificação da doutrina que tenham investido tempo no que não interessa ao nosso crescimento espiritual. Mas os que vieram depois, aproveitando a insatisfação dos que se recusam a admitir a simplicidade e racionalidade do ensinamento, assumiram esse compromisso, e o resultado disso é o que temos visto em discussões que se arrastam sem perspectivas de acordo.

2- Qual o mistério da encarnação de Jesus aludido por Kardec? ( Se a encarnação se deu em condições tão normais, onde está o mistério? )

É preciso considerar que a encarnação de um espírito é um processo que vai aquém e além da concepção, considerando-se a a escolha do corpo, dos pais que terão a responsabilidade de guiar o espírito nos primeiros anos, dos que estarão diretamente envolvidos no processo de resgate ou de prova, etc. Se isso é assim para espíritos inferiores como nós, o que dizer de um espírito com a elevação de Jesus. Há muito para ser dissertado nesse sentido - admitindo-se, obviamente, que isso tenha alguma utilidade para nossa evolução. Ainda assim, me parece que o que Kardec está dizendo nessa nota é que ele irá se manisfestar em momento oportuno sobre o “mistério da encarnação”, assim como se manifestou sobre outros "mistérios", tais como o do desaparecimento do corpo de Jesus, citado aqui. Em outras palavras: o "mistério" existe para nós, não para Kardec.

Abraço,

Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Le em 19 de Março de 2013, 20:51
Enviado por: edmar f jr
« em: Hoje às 17:20 » Inserir Citação

Sem ter tido relação sexual, somente por meio de inseminação artificial com os espermatozoides de José introduzidos em seu útero.

Olá Edmar

Quando desconhecemos outras possibilidades é evidente que temos como certos o connecimento que até então adquirimos.

O que refiro pudemos constatar por exemplo no que à tecnologia existente à data da codificação, em uqe o telegrafo estava no início e hoje comunicamos instantâneamente com o outro lado do planeta e mesmo com quem está nos espaço.

Pois também quanto à fecundação, o que era uma dado aquirido que teria que necessariamente teria que haver junção de células masculina(espermatezóide) com a célula feminina(óvulo) para que dessa ligação se gerasse uma célula, a célula ovo, geradora de uma vida humana a ser animada por um espírito pela kigação do periespírito, é hoje, para a ciência dos homens, admissivel porque já comprovado, a fecundação sem copula. Neste caso, o ser gerado é sempre do sexo masculino.

Se assim é como não poderia ser impossível à luz da vontade do Criador de todas as coisas?

Muita paz.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: MarcosBorges em 19 de Março de 2013, 23:33
Me intrometendo :)

"1- Como Maria engravidou sem ter tido relação sexual? ( Isso está referenciado na Bíblia )"

Nascimento virginal de Jesus é mitologia cristã, remendos de vários exemplos mitológicos semelhantes em outras religiões politeístas (o próprio judaísmo teve Influência assíria e Babilônica) baseado no mito da "Virgem Mãe", do que para Jesus histórico. Somente Mateus e Lucas se refere ao nascimento virginal de Jesus. No velho testamento Isaias tem uma profecia que se refere ao nascimento de Emanuel (Jesus) concebido de uma Virgem.
Portanto, isso é uma crença dar a vinda de Jesus, e a pessoa de Jesus, um atmosfera de herói divino.


"2- Qual o mistério da encarnação de Jesus aludido por Kardec? ( Se a encarnação se deu em condições tão normais, onde está o mistério? )"

Certamente que para a qualidade do espirito Jesus é de se esperar que tem ocorrido um preparo e planejamento especial para o seu encarne em um corpo físico, em uma "atmosfera" espiritual que não condizia com sua condição de espirito. Algo similar quando um espirito passa da Terra para outro planeta tem que ajudar-se a condição espiritual do mesmo mudando até a natureza do seu períspirito.

Dentro deste raciocínio construído por nossa limitadíssima concepção da realidade espiritual e da natureza das coisas, vislumbra o encarne de Jesus como mistério.

Se mesmo o encarne dito nas "condições normais", que prefiro encarne comum, é ainda repleto de mistério para imagine para nós o encarne de um espirito superior como Jesus? Certamente é um grande mistério.

Mas não podemos dar a este mistério asas permitindo que devaneiam entre a ficção e a mitologia.

O preparo de Jesus para o seu encarne o processo de encarne em um corpo físico, nas condições naturais (fecundação natural) já por si é um grande mistério. Por isso não precisamos de figuras míticas e ideias que mas parecem sair do livro "Eram os Deuses, astronautas" para crer que o encarne de Jesus dada a importância de seu trabalho para humanidade deve ter sido bastante especial e excepcional.

Abraço fraterno

Marcos Borges



Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: psi em 20 de Março de 2013, 04:16
Pelas respostas dadas pelos amigos edmar e marcos em relação aos meus questionamentos, digo que minha análise não se predispõe apenas a dizer que tal possibilidade se enquadre unicamente no campo das alegorias, da linguagem figurada ou da mitologia.

Do ponto de vista doutrinário é factível  que espíritos, com a permissão divina, possam agir em nosso plano e inseminar artificialmente o óvulo de uma mulher? A resposta é sim.
Dada a grandeza do espírito de Jesus, espera-se que seu corpo físico tenha uma condição genética que lhe permita utilizá-lo em todas as suas possibilidades, sem que esse possa causar qualquer tipo de limitação ou embaraço às enormes potencialidades do espírito que o comande. Seria "viajar" demais imaginar que a espiritualidade superior tenha buscado selecionar geneticamente um corpo físico ideal para um espírito da grandeza de Jesus?

Temos alguns evangelhos que retratam que Maria engravidara sem ter tido relação sexual. Retratam também a indignação de José ao constatar tal gravidez, julgando-se traído. Como trabalho no campo das possibilidades, a inseminação traria luz a essas passagens bíblicas.

E o que dizer sobre o mistério da encarnação de Jesus aludido por Kardec? Sinceramente,
não vi nas respostas dos amigos nada que faça alusão a algo misterioso. Aliás, curiosamente, a nota de Kardec sobre o mistério da encarnação de Jesus vem logo após a alusão ao perído que vai da concepção ao nascimento de Jesus.  Pressupõem-se que Kardec tinha algo a dizer sobre a gravidez de Maria.

Um abraço

PSI         
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 20 de Março de 2013, 10:15
Citação de: PSI
Seria "viajar" demais imaginar que a espiritualidade superior tenha buscado selecionar geneticamente um corpo físico ideal para um espírito da grandeza de Jesus?

Não, absolutamente!

Decerto não é absurda a ideia de que os Espíritos responsáveis pelo progresso da Terra hajam aperfeiçoado geneticamente a célula-ovo implantada ao útero de Maria para garantir a excelência fetal à gestação de uma criança perfeita.

Aliás, tal ideia é verossímil e denota a coerência da determinação que ocasionou o nascimento do Mestre Jesus como o ser humano perfeito e exemplar da dignidade humana.


Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 20 de Março de 2013, 12:39
Solicito aos amigos Lineu e PSI que interpretem, por gentileza, as seguintes palavras do Mestre:

1 - “Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou” (Lucas, 18:42)

2 - “Vós podeis fazer o que eu faço e muito mais” (João, 14:12)

Abraços,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 20 de Março de 2013, 15:17
Citação de: edmar f jr
Solicito aos amigos Lineu e PSI que interpretem, por gentileza, as seguintes palavras do Mestre:
1 - “Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou” (Lucas, 18:42)
2 - “Vós podeis fazer o que eu faço e muito mais” (João, 14:12)

Os textos acima citados não coincidem com os correspondentes da Bíblia on line, conforme as transcrições abaixo:

Citação de: Lucas 18:42
E Jesus lhe disse: Vê; a tua fé te salvou.

Citação de: João 14:12
Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai.

Pede-se confirmação.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 20 de Março de 2013, 15:25
Tomando como referência o post do nosso querido Marcos Borges, acho que a concepção e nascimento de Jesus, pela especificidade e peculiaridade envolvida, é sim um mistério para nossas parcas condições intelectuais.
Da mesma forma fico a me perguntar: Qual a importância disso?
Sabemos que a DE possui como base sólida a ciência, a pesquisa cientifica dos fenômenos, o que faz com que o intelecto se desnvolva.
Tambem sabemos, que a cada pergunta respondida, outras surgem, e surgirão sucessivamente até chegar-se a verdade. Ai esta o ponto.  A verdade é relativa ao tempo e espaço, e esta condicionada a nossa capacidade de entendimento.
Nesse ponto, como em muitos outros, é mportante que se avance, que se pesquise, mas havemos de ter cuidado, para não colocarmos idéias nossas, muitas vezes "viciadas", como sendo conclusões obvias.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 20 de Março de 2013, 16:07
Citação de: edmar f jr
Solicito aos amigos Lineu e PSI que interpretem, por gentileza, as seguintes palavras do Mestre:
1 - “Levanta-te, e vai; a tua fé te salvou” (Lucas, 18:42)
2 - “Vós podeis fazer o que eu faço e muito mais” (João, 14:12)

Os textos acima citados não coincidem com os correspondentes da Bíblia on line, conforme as transcrições abaixo:

Citação de: Lucas 18:42
E Jesus lhe disse: Vê; a tua fé te salvou.

Citação de: João 14:12
Na verdade, na verdade vos digo que aquele que crê em mim também fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas, porque eu vou para meu Pai.

Pede-se confirmação.

Excetuando-se uma pequena diferença de tempo verbal na segunda tradição (de presente do indicativo para futuro do presente do indicativo em “podeis” e “fará”) o sentido de ambas permanece o mesmo.

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: MarcosBorges em 21 de Março de 2013, 02:17
Oi Psi

"Do ponto de vista doutrinário é factível  que espíritos, com a permissão divina, possam agir em nosso plano e inseminar artificialmente o óvulo de uma mulher? A resposta é sim.
Dada a grandeza do espírito de Jesus, espera-se que seu corpo físico tenha uma condição genética que lhe permita utilizá-lo em todas as suas possibilidades, sem que esse possa causar qualquer tipo de limitação ou embaraço às enormes potencialidades do espírito que o comande. Seria "viajar" demais imaginar que a espiritualidade superior tenha buscado selecionar geneticamente um corpo físico ideal para um espírito da grandeza de Jesus?"

Como eu disse antes, é plausível que deve ter ocorrido um planejamento encarnatorio especial e excepcional para o encarne de Jesus. A questão é as asas que dados a este mistério e a altura que levamos nossas ilações em torno deste mistério.

Assim não discordo o seus comentário acima e até acredito ser plausível tal intervenção com apoio da espiritualidade superior. Entretanto, o mito da "Virgem Mãe" e de um nascimento virginal de Jesus por ser comum em muitos mitos religiosos em meu entendimento torna Jesus uma divindade encarnada, provavelmente o motivo para ter feito parte do pensamento do autores reais dos manuscritos do novo testamento. Veja que em João, não comenta de forma breve o nascimento de Jesus como faz em Lucas e Matheus, mas trato como o "verbo encarnado": "E o Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.
João 1:14".

Assim existe uma tendência ao meu ver de divinizar Jesus quando trata seu nascimento o que não é necessário pois, embora ele seja o guia e modelo, veio como um homem - e isso não diminui sua superioridade, e se sujeitou a viver em um ambiente e cultura conturbada para exemplificar as leis de Deus por compaixão amorosa pela humanidade.

Diante disso nada impede aceitar que Jesus tenha encarnado no processo natural de fecundação como todos os humanos. A diferença em relação as demais encarnações pode estar no processo como tal planejamento ocorreu.

Ao aceitar um planejamento no qual ocorreu uma "inseminação artificial" por parte da espiritualidade temos que acrescentar uma outra aceitação que é a criação ou manipulação de um espermatozoide humano, uma biotecnologia que permite criar um perfil genético haploide impar. Bem... Ai podemos argumentar porque não fazer o mesmo com o ovócito? Um ovócito de biotecnologia espiritual. Isso porque metade dos cromossomos do corpo físico de Jesus seriam biotecnologicamente construído pela espiritualidade e a outra metade seria de Maria, filha de pais humanos que poderia influência na qualidade daqueles corpo físico que Jesus viria a encarnar. Ou Maria teria um genoma especial? Teríamos que admitir que o genoma de Maria tinha qualidades superiores e o de José não.

Como você argumenta: "(...) espera-se que seu corpo físico tenha uma condição genética que lhe permita utilizá-lo em todas as suas possibilidades, sem que esse possa causar qualquer tipo de limitação ou embaraço às enormes potencialidades do espírito que o comande.(...)"

A formação de qualquer corpo físico humano necessita da combinação dos cromossomos haploides do espermatozoide e do ovulo. Mas se basearmos no seu argumento, somente a biotecnologia espiritual do espermatozoide seria necessária por que ovócito tinha as qualidades superiores que a espiritualidade precisava. Veja ai nas entrelinhas o mito da "Virgem Mãe" a escolhida por ter um corpo com qualidades superiores para um espirito superior da grandeza de Jesus encarnar, mas que faltava somente do espermatozoide. Jose portanto seria o melhor figurante. Deixando o humor de lado, a visão de que é o homem que produz a semente e nela contem a causa da formação do corpo e a mulher um vaso onde incuba a semente fez parte do senso comum por milênios até o sec XIX. O nascimento virginal, portanto, dá um status divino porque era do entendimento do senso comum que da semente masculina dá origem ao corpo, e não vindo de um homem comum maior seria o status. E mais a gestante teria o também seu status divino, por ser o vaso a conceber a semente que não veio do relacionamento sexual como seria se fosse de um homem comum.

Assim no meu entendimento, para sua argumentação acima ser plausível a intervenção da espiritualidade deveria ocorrer na construção de um espermatozoide como de ovulo, e insemina-los artificialmente no útero de Maria para que o corpo físico de Jesus tivesse as condições genéticas segundo seu argumento. O que é dito mistério se torna um ambiente propicio para vagarmos a imaginação.

Mas esta argumentação torna o raciocínio especulativo um labirinto de ideias no qual sempre surgirá indagações como subproduto do raciocínio e para não ser contraditório teremos que ajusta-la a ideia principal se não queremos abandonar a argumentação.

Apliquemos o principio da "Navalha de Occam"...

Porque fugir do natural, do comum, para o espirito superior como Jesus? Porque não construir uma argumentação dentro das ideia geral que aceitamos sobre o processo encarnatório?

Será que dentre os 20 milhões de gametas de Jose e os milhares de gametas de Maria não teria uma combinação genética que permitiria formar um corpo físico em condições geneticamente saudáveis para que Jesus conduzisse seu trabalho sem interferências causadas pelas limitações físicas? Sabemos da existência de comunicações fora da codificação espirita que relata planejamentos de encarne no qual espíritos previamente escolhiam qual o perfil genômico mais adequado e procura os gametas que se encaixam no mesmo, e ainda supervisionam o desenvolvimento para que o mesmo para evitar surpresas indesejáveis devido aos erros inerentes as contingencias dos processos celulares e assim chegue a termo como planejado? Mesmo com narrativas das comunicações elas são ainda um mistério. O mesmo em linhas gerais pode ter ocorrido no planejamento encarnatorio de Jesus, com a diferença de que o trabalho de escolha e os cuidados durante o desenvolvimentos foram excepcionais utilizando para isso de recursos e conhecimentos tão especiais que toram o processo encarnatorio das narrativas de Andre Luiz um grão de mistério em comparação ao imenso mistério do processo encarnartorio de Jesus.


Abraço fraterno

Marcos Borges
 

 
   
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 03:13
Citar
   “Disso, resulta este fato capital: a constituição íntima do perispírito não é idêntica em todos os espíritos encarnados ou desencarnados que povoam a Terra ou o espaço que a circunda. O mesmo não acontece com o corpo carnal que, como foi demonstrado, é formado dos mesmos elementos, qualquer que seja a superioridade ou a inferioridade do espírito. Por isso, em todos eles, os efeitos produzidos pelo corpo são os mesmos, as necessidades semelhantes, enquanto que diferem em tudo que é inerente ao perispírito. (A Gênese. Cap 14: Os fluidos. Item 10) (Grifei)

De maneira inequívoca no parágrafo acima, o corpo carnal em um mundo é exatamente o mesmo para todos os espíritos que habitam nesse mundo, sejam eles superiores ou inferiores. O que diz respeito ao corpo carnal é exatamente o mesmo para todos os espíritos. O que diz respeito ao perispírito é que não é o mesmo. O magnetismo é de ordem espiritual/perispiritual. As curas de Jesus devem ser atribuídas a seu espírito/perispírito e não a seu corpo carnal.


Citar
Os espíritos superiores, ao contrário, podem vir aos mundos inferiores e neles até encarnar. Eles tiram, dos elementos constitutivos do mundo onde entram, os materiais necessários à formação do envoltório fluídico ou carnal apropriado ao meio em que se encontram. Fazem como o nobre que despe as suas roupas finas para vestir momentaneamente um traje grosseiro, sem por isso deixar de ser nobre.(A Gênese. Cap 14: Os fluidos. Item 9) (Grifei)

O Espírito proveniente de um mundo superior, ao entrar em qualquer outro mundo onde lhe é dado entrar, retira da atmosfera desse mundo onde vai entrar os elementos para a formação de um novo perispírito compatível com a natureza desse mundo. Em outras palavras: é o Espírito que se adapta ao meio e não o meio que se adapta ao Espírito.

Não há razão alguma, portanto, para se perseverar na ideia de que Jesus precisasse de um corpo perfeito, compatível com a natureza de seu espírito e específico para realizar o que realizou, a saber: ensino moral e magnetismo.   

Abraços, 
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: MarcosBorges em 21 de Março de 2013, 03:28
Oi Edmar

"Não há razão alguma, portanto, para se perseverar na ideia de que Jesus precisasse de um corpo perfeito, compatível com a natureza de seu espírito e específico para realizar o que realizou, a saber: ensino moral e magnetismo. "

Bem argumentado! Soube aplicar principio na Navalha de Occam utilizando contexto doutrinário. Nada melhor do que uma explicação simples mas com argumentos que não precisa de mais nada sustenta-lo.


Abraço fraterno

Marcos Borges

Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 04:07
Apliquemos o principio da "Navalha de Occam"...

"entia non sunt multiplicanda praeter necessitatem / as entidades não devem ser multiplicadas além da necessidade”

Marcos, 

Que seja o nosso propósito a cada participação aqui!

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: psi em 21 de Março de 2013, 05:36
Citar
   “Disso, resulta este fato capital: a constituição íntima do perispírito não é idêntica em todos os espíritos encarnados ou desencarnados que povoam a Terra ou o espaço que a circunda. O mesmo não acontece com o corpo carnal que, como foi demonstrado, é formado dos mesmos elementos, qualquer que seja a superioridade ou a inferioridade do espírito. Por isso, em todos eles, os efeitos produzidos pelo corpo são os mesmos, as necessidades semelhantes, enquanto que diferem em tudo que é inerente ao perispírito. (A Gênese. Cap 14: Os fluidos. Item 10) (Grifei)

De maneira inequívoca no parágrafo acima, o corpo carnal em um mundo é exatamente o mesmo para todos os espíritos que habitam nesse mundo, sejam eles superiores ou inferiores. O que diz respeito ao corpo carnal é exatamente o mesmo para todos os espíritos. O que diz respeito ao perispírito é que não é o mesmo. O magnetismo é de ordem espiritual/perispiritual. As curas de Jesus devem ser atribuídas a seu espírito/perispírito e não a seu corpo carnal.

Amigo edmar, que o corpo físico de qualquer espírito encarnado em nosso mundo é formado dos mesmos elementos constituintes qualquer que seja a sua hierarquia, não resta a menor dúvida. Todavia, não existem dois seres humanos que tenham carga genética idêntica. Jesus provavelmente tenha sido favorecido com uma constituição genética que lhe possibilitou desenvolver sua atividade missionária com o menor embaraço possível. Vou lhe dar alguns exemplos: Jesus poderia ter um sistema imunológico altamente desenvolvido, que lhe diminuiria os riscos de adquirir doenças; poderia ter uma elevada capacidade de recuperação orgânica, o que faria com que precisasse de menos descanso e menos horas de sono; poderia ter uma voz potente, que lhe permitisse ser ouvido  nos sermões pelo maior número de pessoas, poderia ter uma maior capacidade de memorização, etc. etc. É disso que estou falando, amigo.


...Não há razão alguma, portanto, para se perseverar na ideia de que Jesus precisasse de um corpo perfeito, compatível com a natureza de seu espírito e específico para realizar o que realizou, a saber: ensino moral e magnetismo.   


A idéia não é que Jesus precisasse de um corpo perfeito, mas sim de um organismo físico que menos o prejudicasse, ou que mais o favorecesse na prática de sua atividade messiânica. E aí entraria a seleção genética por parte da espiritualidade superior.

Um abraço

PSI 
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: psi em 21 de Março de 2013, 05:52
...Como eu disse antes, é plausível que deve ter ocorrido um planejamento encarnatorio especial e excepcional para o encarne de Jesus. A questão é as asas que dados a este mistério e a altura que levamos nossas ilações em torno deste mistério...

Olá Marcos

Eu já disse num post anterior que ainda não tenho uma convicção sobre o tema de nosso debate. Não estou aqui defendendo a tese da inseminação artificial de Maria. Conforme André Luiz narra em uma de suas obras, a seleção dos gametas poderia ter se dado através de uma relação sexual. O que quis demonstrar é que não acho a tese da inseminação tão esdrúxula ou inverossímel assim.

Um abraço

PSI


 
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 21 de Março de 2013, 14:02
Citação de: edmar f jr
Não há razão alguma, portanto, para se perseverar na ideia de que Jesus precisasse de um corpo perfeito, compatível com a natureza de seu espírito e específico para realizar o que realizou, a saber: ensino moral e magnetismo.
   
Decerto, não há razão para discutir a ideia da necessidade de um corpo perfeito para garantir o sucesso da missão do Mestre Jesus.

Porém, parece ser legítimo o esforço da razão no sentido buscar a causa determinante do caráter moral do Mestre Jesus como elemento imprescindível ao empreendimento exitoso da sua missão.

E é absolutamente razoável a hipótese de que o caráter moral de um ser humano depende de propriedades genéticas.

Aliás, os geneticistas atuais estão empenhados no mister de comprovar tal hipótese.

Para conferir, clique aqui. (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5jZXJlYnJvbWVudGUub3JnLmJyL24xNC9tZW50ZS9nZW5ldGljYS1jb21wb3J0YW1lbnRhbDEuaHRtbA==)


Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 17:03
Porém, parece ser legítimo o esforço da razão no sentido buscar a causa determinante do caráter moral do Mestre Jesus como elemento imprescindível ao empreendimento exitoso da sua missão.

Sim. Mas não é algo que exige esforço para se compreender. A causa determinante do “caráter moral” do Mestre “como elemento imprescindível ao empreendimento exitoso da sua missão” é a sua vontade de servir e aceitar as provas que lhe foram impostas ao longo do inimaginável tempo de sua existência até o ponto em que esteve aqui encarnado conosco.

E é absolutamente razoável a hipótese de que o caráter moral de um ser humano depende de propriedades genéticas.
[/url]

Se o amigo estiver dizendo que vê como razoável a hipótese de que o “caráter moral” de um ser humano influencie sua genética, eu estou de acordo contigo. Em verdade, e embora não possa provar, eu realmente acredito nisso. Para mim é uma observação do que decorre das relações diretas e encadeadas entre espírito, perispírito e corpo físico. O corpo carnal manifestaria de alguma forma aquilo que é da vontade consciente ou inconsciente do espírito. Lembro-me de um nota de imprensa recente sobre uma pesquisa feita com camundongos que foram submetidos a um quadro de stress e que em virtude disso tiveram sua programação genética alterada. Acredito que ainda nos próximos anos os geneticistas irão “identificar” e “reconhecer” muitos “efeitos” da vontade do espírito. O que não acredito é que eles possam ceder, reconhecendo como “efeito” aquilo que determinam como “causa”.

Mas se o amigo estiver dizendo o que está escrito na citação acima, ou seja, que vê como “razoável a hipótese de que o caráter moral de um ser humano depende de propriedades genéticas”, irei discordar em gênero, número e grau. Não vejo razoabilidade alguma nisso. O “caráter moral” de um ser humano depende única e exclusivamente de sua vontade e suas ações para empreendê-la. São os espíritos superiores e o próprio Mestre que nos ensinam isso: “estas coisas que faço, vós também podeis fazer, e muito mais”. O que nos falta para isso é vontade e a vontade é do espírito...

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 21 de Março de 2013, 18:36
Citação de: edmar f jr
[...] a sua vontade de servir e aceitar as provas que lhe foram impostas ao longo do inimaginável tempo de sua existência até o ponto em que esteve aqui encarnado conosco.

O Espírito que animou o Mestre Jesus na Terra não encarnou a título de passar por provas impostas. Encarnou exclusive, para cumprir uma missão de progresso...

Com todas as garantias imprescindíveis ao pleno êxito.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 19:00
Lineu,

Leia novamente com mais atenção:

... A causa determinante do “caráter moral” do Mestre “como elemento imprescindível ao empreendimento exitoso da sua missão” é a sua vontade de servir e aceitar as provas que lhe foram impostas ao longo do inimaginável tempo de sua existência até o ponto em que esteve aqui encarnado conosco.

Não disse que ele teve que passar por provas e expiações no planeta terra. Aliás, o termo expiações sequer foi citado. Disse que ele aceitou com vontade as provas que lhe foram impostas ao longo do inimaginável tempo de sua existência até o momento em que que aqui esteve encarnado. Em outras palavras: as provas de seu progresso foram cumpridas por Ele antes de sua encarnação na terra.

Acredita que o Mestre Jesus não cumpriu provas para progredir como qualquer Espírito criado por Deus?

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 21 de Março de 2013, 19:12
Citação de: PSI
Conforme André Luiz narra em uma de suas obras, a seleção dos gametas poderia ter se dado através de uma relação sexual.

Provavelmente era inviável uma seleção de gametas através de relação sexual...

Considerando a inexistência de seres humanos, na Terra, na época, portadores dos gametas adequados à concepção do Mestre Jesus.

Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 21 de Março de 2013, 19:46
Citação de: edmar f jr
Acredita que o Mestre Jesus não cumpriu provas para progredir como qualquer Espírito criado por Deus?

Segundo o Espiritismo, é crível que o Espírito que animou o Mestre Jesus preexiste à existência da Terra, da qual ele é fundador e governante. E também o responsável pelo seu progresso perante o Senhor do Universo.

Consequentemente, pode-se inferir que tal Espírito jamais cumpriu provas impositivas neste planeta.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: S0L em 21 de Março de 2013, 20:01
Como o próprio Jesus disse, não veio derrogar lei nenhuma, veio aplicá-las.
Então, Maria namorou José, 9 meses depois veio Jesus.
Como acontece com todos os espíritos.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 21:19
Como o próprio Jesus disse, não veio derrogar lei nenhuma, veio aplicá-las.
Então, Maria namorou José, 9 meses depois veio Jesus.
Como acontece com todos os espíritos.

E kardec traduziu isso de maneira formal ao dizer em A Gênese: "nas condições normais da vida"

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 21:23
Citação de: edmar f jr
Acredita que o Mestre Jesus não cumpriu provas para progredir como qualquer Espírito criado por Deus?

Segundo o Espiritismo, é crível que o Espírito que animou o Mestre Jesus preexiste à existência da Terra, da qual ele é fundador e governante. E também o responsável pelo seu progresso perante o Senhor do Universo.

Consequentemente, pode-se inferir que tal Espírito jamais cumpriu provas impositivas neste planeta.

Não foi isso que perguntei a você.

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 21 de Março de 2013, 21:42
Citação de: edmar f jr
Não foi isso que perguntei a você.

Ora, Edmar...

A resposta à sua pergunta está implícita na mensagem #42.


Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Gilda M.Antunes em 21 de Março de 2013, 22:42
Olá amigo Edmar.
Vou tentar responder, dando a minha opinião pessoal.
Digo pessoal, pois é derivada de raciocínio, discernimento e entendimento próprios.
Conhecimento é relativo pois é particular e diretamente proporcional ao estágio evolutivo em que cada um nos encontramos.
Desculpe portanto se revelar ignorância.

No comentário à Questão 625 de o LE, Kardec diz:
"Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar a humanidade na Terra. Deus nô-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de Sua lei, porque ele estava animado do espírito divino e foi o ser mais puro que já apareceu na Terra".

Depreendo daí que à época em que reencarnou na Terra, Jesus já era um espírito puro, ou seja, já havia percorrido todos os graus da escala espírita, estando despojado das impurezas da matéria e por esse motivo mesmo é que pôde ser o mais perfeito guia e modelo para a Humanidade.

Minha lógica (relativa) insiste em me dizer que diante disso tudo e ainda sendo ele um espírito criado por Deus, assim como nós, o foi de forma simples e ignorante.

Portanto é claro que sim, passou por todas as provas para progredir.

Caso contrário, onde estariam a Justiça e Suprema Sabedoria do Pai?

Abraços com carinho

Gilda

Citação de: edmar f jr
Acredita que o Mestre Jesus não cumpriu provas para progredir como qualquer Espírito criado por Deus?

Segundo o Espiritismo, é crível que o Espírito que animou o Mestre Jesus preexiste à existência da Terra, da qual ele é fundador e governante. E também o responsável pelo seu progresso perante o Senhor do Universo.

Consequentemente, pode-se inferir que tal Espírito jamais cumpriu provas impositivas neste planeta.

Não foi isso que perguntei a você.

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 22:43
Citação de: edmar f jr
Não foi isso que perguntei a você.

Ora, Edmar...

A resposta à sua pergunta está implícita na mensagem #42.

Lineu,

Me perdoe o incômodo do rigor, mas o que lhe perguntei foi se você acredita que Jesus não tenha cumprido provas para progredir como qualquer outro Espírito. Eu não mencionei provas no planeta terra. Que Jesus preexistia ao planeta terra eu mesmo já havia intuído quando disse “ao longo do tempo inimaginável de sua existência até ter encarnado aqui”.

Eu lhe perguntei isso por pura curiosidade, porque vejo entre muitos adeptos um consenso sobre Jesus não ter passado por provas ou pelas experiências que são comuns a todos os Espíritos criados simples ignorantes. Alguns nem mesmo admitem que Jesus tenha sido criado simples e ignorante. Os adeptos que participam desse raciocínio tendem a se manifestar sobre o Mestre, divinizando-o, transformando-o numa espécie de ser especial da criação. E sobre Ele são frequentes as hipóteses mais criativas, no sentido de afastá-lo da condição humana. Se Jesus é o exemplo de perfeição a que podemos aspirar como homens na terra, precisamos rever esse raciocínio.

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 21 de Março de 2013, 22:58
Olá amigo Edmar.
Vou tentar responder, dando a minha opinião pessoal.
Digo pessoal, pois é derivada de raciocínio, discernimento e entendimento próprios.
Conhecimento é relativo pois é particular e diretamente proporcional ao estágio evolutivo em que cada um nos encontramos.
Desculpe portanto se revelar ignorância.

No comentário à Questão 625 de o LE, Kardec diz:
"Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar a humanidade na Terra. Deus nô-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de Sua lei, porque ele estava animado do espírito divino e foi o ser mais puro que já apareceu na Terra".

Depreendo daí que à época em que reencarnou na Terra, Jesus já era um espírito puro, ou seja, já havia percorrido todos os graus da escala espírita, estando despojado das impurezas da matéria e por esse motivo mesmo é que pôde ser o mais perfeito guia e modelo para a Humanidade.

Minha lógica (relativa) insiste em me dizer que diante disso tudo e ainda sendo ele um espírito criado por Deus, assim como nós, o foi de forma simples e ignorante.

Portanto é claro que sim, passou por todas as provas para progredir.

Caso contrário, onde estariam a Justiça e Suprema Sabedoria do Pai?

Abraços com carinho

Gilda


Gilda,
Penso exatamente como você...
Abraço fraterno,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 22 de Março de 2013, 02:09
Caro Edmar, com relação ao seu post #48, vejo que a grande questão esta nos conceitos das religiões tradicionais.
Para quem entende que o universo foi criado em 6 dias a apenas 6 mil anos, fica dificil entender a logica da criação tal como entendemos e o próprio Jesus deixou claro quando disse que "o Pai obra sempre, e o Filho Tambem.".
A distância de nivel evolutivo entre o padrão da terra, de espiritos muito imperfeitos e animalizados, para os padrões de perfeição e pureza dos espiritos superiores, faz com que seja dificil entender que um dia nós chegaremos lá, e que eles, hoje puros, ja foram, um dia como nós somos hoje.
Principalmente face a dificuldade de se entender o processo reencarnatório, que diga-se de passagem, é uma dificuldade para muitos espiritas tambem.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 22 de Março de 2013, 13:55
Citação de: Edmar
Acredita que o Mestre Jesus não cumpriu provas para progredir como qualquer Espírito criado por Deus?

A Doutrina Espírita constitui uma revelação de partes da realidade. Mas há outras partes da realidade, ainda não reveladas à humanidade encarnada, que não constam na Doutrina Espírita.

Como prova disso, observe-se na citação abaixo a transcrição do terceiro parágrafo dos Prolegômenos que, segundo Allan Kardec, foram ditados pelos Espíritos Superiores como fundamentos doutrinários:

Citação de: Terceiro parágrafo dos Prolegômenos

Entre os ensinamentos que te são dados há alguns que deves guardar somente para ti, até nova ordem; avisar-te-emos quando chegar o momento de os publicar. Enquanto isso, medita-os a fim de estares pronto quando te avisarmos.

A realidade referente à origem do Espírito encarnado na Terra na pessoa do Mestre Jesus figura entre tais ensinamentos, ditados a Allan Kardec, cuja divulgação, ainda, é inoportuna.

Como prova disso, observe-se na citação abaixo a transcrição de uma Nota de Allan Kardec a respeito desse tema:

Citação de: Nota de Allan Kardec sobre o item 65 da Gênese

Não falamos do mistério da encarnação, com o qual não temos que nos ocupar aqui e que será examinado ulteriormente.

Parece, pois, ser inconveniente a expressão qualquer crença a respeito da origem espiritual do Mestre Jesus sem o risco de incorrer numa falácia insensata...

Respeitosamente.

Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Anton Kiudero em 22 de Março de 2013, 15:28
Há uma boa orientação às questões levantadas neste tópico que se encontra na resposta dada à pergunta 14 do Livro dos Espíritos:

“Deixai, conseguintemente, de lado todos esses sistemas; tendes bastante coisas que vos tocam mais de perto, a começar por vós mesmos. Estudai as vossas imperfeições, a fim de vos libertardes delas, o que será mais útil do que pretenderdes penetrar no que é impenetrável”.

Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 22 de Março de 2013, 16:46
Citar
Há uma boa orientação às questões levantadas neste tópico que se encontra na resposta dada à pergunta 14 do Livro dos Espíritos:

De certo há pessoas participantes dos debates focados neste tópico que se incluem na ordem dos espíritos imperfeitos, definidos na conformidade da Escala Espírita.

Porém essas pessoas também têm a liberdade de pensar e de manifestar as suas ideias a respeito das questões levantadas neste tópico, conseguintemente do próprio livre-arbítrio...

Apesar das próprias imperfeições e da intolerância de quem se arvora no direito de censurá-las.


Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: lineu em 23 de Março de 2013, 18:16
Citação de: Edmar
Os adeptos que participam desse raciocínio tendem a se manifestar sobre o Mestre, divinizando-o, transformando-o numa espécie de ser especial da criação.


O Espírito que animou o Mestre Jesus na Terra é um filho de Deus. E esteve encarnado neste planeta, na condição de ser humano, com a anuência do seu pai, para exemplificar o sentido e a importância da dignidade humana.

Como ser humano encarnado, o filho de Deus exemplificou que é importante ser perfeito como ser humano para conquistar a dignidade imprescindível ao aperfeiçoamento espiritual condigno à condição de filho de Deus. E demonstrou, de modo inequívoco, que tal conquista resume o sentido da encarnação do Espírito na condição de ser humano.

Assim, o Espírito somente se completa como filho de Deus quando se faz Espírito Perfeito.

Tal qual um feto somente se completa como ser humano após vir à luz como filho de pais humanos.


Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 24 de Março de 2013, 00:23
Citação de: Edmar
Os adeptos que participam desse raciocínio tendem a se manifestar sobre o Mestre, divinizando-o, transformando-o numa espécie de ser especial da criação.


O Espírito que animou o Mestre Jesus na Terra é um filho de Deus. E esteve encarnado neste planeta, na condição de ser humano, com a anuência do seu pai, para exemplificar o sentido e a importância da dignidade humana.

Como ser humano encarnado, o filho de Deus exemplificou que é importante ser perfeito como ser humano para conquistar a dignidade imprescindível ao aperfeiçoamento espiritual condigno à condição de filho de Deus. E demonstrou, de modo inequívoco, que tal conquista resume o sentido da encarnação do Espírito na condição de ser humano.

Assim, o Espírito somente se completa como filho de Deus quando se faz Espírito Perfeito.

Tal qual um feto somente se completa como ser humano após vir à luz como filho de pais humanos.

Lineu,
Aqui estamos de acordo e faço minhas suas palavras.
Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Le em 25 de Março de 2013, 16:00
*-*-*Como ser humano encarnado*-*-* ?????

Citação de Edmar

/-/-/-/

Pode p.f. esclarecer esta minha dúvida?

Qual a resposta à questão nº 1 do Livro dos Espíritos?

Como enquadrar as respostas que estão insertas nas postagens quanto tema?

É que a minha interpretação é a de que menorizam o conceiro de DEUS.

Mas evidentemente poderá ser, será por certo, insufuciência minha na análise do assunto.

Muita paz para todos.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Espírita brasileiro em 25 de Março de 2013, 16:19
Prezado Companheiro:Jesus não é Deus,portanto foi um espírito encarnado como qualquer um de nós,sendo que já era espírito puro a essa época.Não é opinião própia,todos esses conceitos e encontram na Codificação.
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 25 de Março de 2013, 16:33
*-*-*Como ser humano encarnado*-*-* ?????

Citação de Edmar

/-/-/-/

Pode p.f. esclarecer esta minha dúvida?

Qual a resposta à questão nº 1 do Livro dos Espíritos?

Como enquadrar as respostas que estão insertas nas postagens quanto tema?

É que a minha interpretação é a de que menorizam o conceiro de DEUS.

Mas evidentemente poderá ser, será por certo, insufuciência minha na análise do assunto.

Muita paz para todos.

Caro Le,

A resposta à 1ª pergunta de O livro dos Espíritos é:

Citar
1. Que é Deus?
“Deus é a inteligência suprema, causa primeira de todas as coisas.”

No entanto, não estamos falando sobre Deus. Estamos falando sobre Jesus, o mais puro dentre os Espíritos que já encarnaram como humanos no planeta Terra. E sobre Ele, no mesmo livro, os Espíritos disseram:

Citar
625. Qual é o tipo mais perfeito que Deus tenha oferecido ao homem, para lhe servir de guia e de modelo?
“Vede Jesus.”

(Comentário de Kardec) Jesus é para o homem o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque ele era animado pelo espírito divino e o ser mais puro de todos os que apareceram na Terra.
Se alguns daqueles que pretenderam instruir o homem na lei de Deus, algumas vezes, o têm desviado, através de falsos princípios, foi por se terem deixado dominar, eles próprios, por sentimentos muito terrestres e por terem confundido as leis que regem as condições da vida da alma com as que regem a vida do corpo. Muitos têm apresentado como leis divinas o que eram apenas leis humanas, criadas para servir às paixões e dominar os homens.

Abraço fraterno,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 25 de Março de 2013, 16:42
(...)sendo que já era espírito puro a essa época.Não é opinião própia,todos esses conceitos e encontram na Codificação.

Caro EB,

Não há consenso entre os adeptos sobre Jesus ser um Espírito puro já na época em que aqui esteve encarnado. Eu, particularmente, defendo que já era. Kardec também emite sua opinião positiva em várias passagens da codificação. Mas a própria codificação dá parecer favorável a uma afirmação negativa, e ele está na Escala espírita:

Citar
(…) Quando, por exceção, encarnam na Terra, é para cumprir uma missão de progresso e nos oferecem, então, o tipo da perfeição a que a Humanidade pode aspirar neste mundo.

Como vemos, é uma descrição que se encaixa perfeitamente com a da resposta à questão 625 do LE.

Abraço,
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Andressa Z. em 15 de Agosto de 2013, 15:28
Edmar, concordo com tudo que você disse até então.
Através de tudo que já li na minha vida, considerando é claro as obras de autores mais confiáveis e também através de um pensamento racional, a minha opinião é tal (claro que passível de erro):
Vejo Jesus como um espírito puro, o mais perfeito que veio até hoje na Terra com a missão louvável de servir de modelo para todos nós. Um processo de fecundação realizado como o de toda a humanidade, não iria de forma alguma desmerecê-lo nem à Maria (na minha humilde opinião), iria sim mostrar que como homem igual fisicamente aos outros, tudo o que Ele era capaz de realizar era sim possível para qualquer outro espírito, bastava querer (querer = seguir os passos de Jesus, tornar-se um dia um espírito puro).
O amor de Jesus era o amor maior que tivemos contato até hoje e esse exemplo de amor era o que Ele queria nos ensinar aqui na Terra, queria mostrar que não nos era impossível chegar à sua perfeição. Estamos MUITO longe dela, mas é para onde caminhamos.
Abraços à todos  ;)
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Mourarego em 15 de Agosto de 2013, 16:04
Maninha Andressa, permita-me explicar:
Jesus, segundo a DE é um Espírito Superior. Espíritos Puros, não reencarnam mais. A tradução não nos deixa errar já que no dizer de todas ele é o mais puro que já reencarnou na Terra, logo, esta pureza é em relação a nós que aqui estamos, mas não para com o que o ensino codificado diz.
maninho Espírita, releia a obra básoca.
Abraços,
Moura
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Norizonte da Rosa em 15 de Agosto de 2013, 17:20
Talvez o assunto esteja quase que finalizado, mas vou opinar, pois não consigo entender por que ainda existem ideias de que Maria tenha sido fecundada de forma não natural.

Em que o fato de Maria não ser virgem desabonaria sua vida, sua missão?

Caso fosse alguma mácula, então todas as outras mulheres, incluindo nossas mães seriam maculadas por terem tido relações sexuais?

A natureza física, hereditária, material portanto de Jesus iria alterar sua essência de Espírito Superior?

Caso não tenha sido fecundada por meio natural, considerando que Deus não altere Suas leis, então ainda hoje seria possível por algum fenômeno desconhecido da biologia, que uma virgem desse à luz e de forma espontânea, sem intervenção da ciência?

Abraço.

Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Espírita brasileiro em 15 de Agosto de 2013, 19:10
Caros Edmar e Moura!Realmente a questão da posição de Jesus na escala espírita,pode dar margem a polemica,não sendo consenso entre os adeptos :).Se o espírito puro realmente não pode mais se encarnar então Jesus fica mesmo como espírito superior mais evoluido do orbe terrestre.Pessoalmente penso ser Jesus espírito de primeira ordem.é sempre oportuno estarmos relendo a codificação para aclarar nosso entendimento.Fiquem na paz! :)
Título: Re: A fecundação de Maria de Nazaré. Na concepção Espírita.
Enviado por: Andressa Z. em 15 de Agosto de 2013, 19:18
Obrigada novamente irmão Moura!!
Devo ter me perdido na minha interpretação!De espírito mais puro que nasceu na terra entendi "espírito puro" rs  ;D É importante lermos e relermos, alguma ideia sempre passa batido e após algum tempo começa a fazer sentido.
Norizonte, também não vejo mal em Maria não ter dado à luz virgem. Como Maria também é um modelo de mãe amorosa, logo nenhuma outra mulher teria a chance de chegar à perfeição de Maria como mãe de um filho nas condições que Deus nos oferece (falando de forma mais simples possível).
Bem, penso assim!