Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Reencarnação => Tópico iniciado por: Miriam Coelho em 21 de Dezembro de 2012, 00:30

Título: Pais que perdem seus filhos
Enviado por: Miriam Coelho em 21 de Dezembro de 2012, 00:30
Alguém conseguiria me explicar porque tais coisas acontecem? E quando elas  acontecem porque as pessoas olham para esses pais com ar de dó, compaixão? Sim, eu sei que deve ser uma dor imensurável. Pelo que tenho lido isso pode se tratar de uma expiação, uma prova. Expiação é mais do que castigo? É uma vingança? E prova é o quê? Porque todo esse sofrimento para os pais? Esse tipo de acontecimento muitas vezes separa uma família inteira. E os irmãos? Precisavam sofrer uma perda dessas também? E os avós? E os tios? Todos são merecedores desse sofrimento? Conclui-se portanto que se trata de uma família amaldiçoada? Me orientem por favor.
Título: Re: Pais que perdem seus filhos
Enviado por: Kazaoka em 21 de Dezembro de 2012, 01:45
A verdadeira família é aquela que se forma na espiritualidade.

Os seres que aqui se agrupam formando as famílias consanguíneas, agrupam-se por vários fatores. O principal deles é a similitude das necessidades morais que aqueles Espíritos têm em relação à natureza das provas a serem vivenciadas por estes seres que formam as famílias terrestres cuja finalidade é dar um fim útil comum a todos os Espíritos envolvidos.

Quando um Espírito chega a desencarnar é porque a sua experiência na existência física teve seu término. É claro que a dor da separação física que um pai ou uma mãe experimentam em virtude da morte de um filho é um sentimento natural e que deve ser respeitado. Devemos sempre ter a postura de buscar a dar a estes pais e demais familiares o refrigério de nossas mais sinceras considerações e respeito aos seus sentimentos emanantes de corações naturalmente inflamados.

A vida eterna é a espiritual e é nela que os seres unidos pelos laços espirituais se reunirão e louvarão a Deus por todas as oportunidades de estarem juntos. Assim como, também, renderão graças por compreenderem que os afastamentos momentâneos proporcionados pela morte serve apenas para deixar mais vivo do que nunca os laços de sentimento que os une. Sentimento este que deve levar em consideração que dar àquele o gozo da liberdade infinita é prova mais confiável do verdadeiro amor do que o sentimento egoista de querer mantê-los eternamente presos ao mundo físico privando-os do merecido voo nas esferas superiores de suas vidas.

 
Título: Re: Pais que perdem seus filhos
Enviado por: Vitor Santos em 21 de Dezembro de 2012, 12:25
Olá Miriam

Do ponto de vista da doutrina espirita, os pais não perdem os seus filhos. Cada um de nós é um único espírito imortal, provisoriamente associado a um corpo de carne mortal. Quando desencarnamos (morremos, segundo a carne), continuamos a existir, noutras circunstâncias.

Assim, a morte não é uma perda, mas um afastamento provisório, para o encarnado. Seria uma perda se não fosse possível o reencontro, mas é, segundo a doutrina espirita e outras tradições espiritualistas. Para o desencarnado poderá não existir sequer esse afastamento, pois o filho pode vir visitar os pais, ainda que estes últimos não o percepcionem.

Nós tendemos a ver os nossos filhos como nossos, aqui na Terra, mas eles são apenas um empréstimo provisório. Todavia eu acredito que o amor que nos liga a eles, esse continua, mesmo após a morte da carne. Os nossos corpos de carne não têm futuro. Mais ano, menos ano, todos partimos. Os dos nosso filhos não são excepção. Era apenas uma questão de tempo.

A perda de um filho é uma prova pela qual temos de passar. Acreditando que Deus concebeu as leis da natureza e que Deus é bom, o Pai Nosso, como Jesus nos ensinou a dizer, essa prova deverá ter utilidade, para quem passa por ela. E é nessa utilidade que poderá estar a justificação.

Se aprendermos o que devemos aprender com essa lição prática, em principio ela não se terá de repetir. Encarnados aqui na Terra a memória a que temos acesso, normalmente, é a cerebral, e parece que esquecemos as coisas, mas a nossa memória de espíritos imortais jamais se apaga, ao que sei. O suicídio seria desistir da lição, o que é o mesmo que dizer que ela teria de se ser repetida noutra encarnação, provavelmente. E limitaria a possibilidade de um reencontro breve com o filho que desencarnou.

Algumas lições são extremamente duras, mas a vida é um instante, perante a imortalidade da alma. A morte de um filho é uma lição difícil de aprender, é mesmo horrível, mas é por pouco tempo. E o diploma da passagem nessa difícil  prova é válido para a eternidade. Repeti-la, noutra encarnação, é que imagino que, quem esteja a passar por isso, queira. Por isso o mais sensato é tentar aprender o máximo com ela.

bem hajam
Título: Re: Pais que perdem seus filhos
Enviado por: filhodobino em 21 de Dezembro de 2012, 16:24
Reflitamos amados,

em outro idioma melhor para instar nosso pensar...

dedico também a todos os afortunados pais de autistas...

Saúde e Paz!

http://youtu.be/scJfPazTdy8