Forum Espirita

GERAL => Psicologia & Espiritismo => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 10 de Julho de 2018, 10:27

Título: Fazer, ou deixar de fazer...
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Julho de 2018, 10:27
                                                              VIVA JESUS!




            Bom-dia! queridos irmãos.



                   
Fazer, ou deixar de fazer...


“... Quantas vezes o fizestes a um destes meus irmãos mais pequeninos, a mim o fizestes!”(Mateus, 25:40.)


Vivemos em Planeta corpóreo, problemático, ainda com a predominância do mal: aqui é nosso teatro de operações; das nossas batalhas.

Nós, pressupostos pequeninos de toda a sorte, por aqui convivemos, nos movemos, manobramos e interagimos: implícito está que devamos assistir-nos mutuamente.

Pequeninos, ainda, tudo o que de bom realizarmos uns pelos outros, a Ele o faremos. Ou deixaremos de fazer.

Tais assistências se realizam, por enquanto, aqui...

... Em nosso “céu terreno”, quando assistimos os pequeninos; e em nosso “inferno terreno”, se deixarmos de assisti-los.

E porque o Planeta é de pequeninos, eles abundam em nosso redor, como oportunidades de ações.

Poderá o pequenino ser o nosso cônjuge, que conosco mora e está fragilizado; a ele assistiremos; ou deixaremos de fazê-lo!

Poderá ser o filho problemático, ainda sob nosso teto: a ele atenderemos; ou deixaremos de atender!

Poderá ser aquele vizinho de porta ao qual torcemos o nariz: a ele toleraremos; ou não!

Poderá ser o prestimoso que deixa o hall de entrada de nosso bloco limpinho e cheiroso: a ele seremos reconhecidos; ou não!

Poderá ser o trabalhador e guardador zeloso de nosso carro que não deseja, tão somente, nosso pagamento; requererá também nossa boa palavra: a ele a dirigiremos; ou não!

Poderá ser o trabalhador problemático que conosco ombreia na seara da Boa Nova: a ele compreenderemos; ou não!

Poderá ser um pequenino mais complicado, ainda, fora de diversos padrões de nossa sociedade e que precisará mais do que compreensão: a ele toleraremos; ou não!

Poderá ser o crente que só não acredita na necessidade das boas obras: a ele exemplificaremos; ou não!

Mas poderá ser, também, o que “parece ser grande”, mas atormentado pelas riquezas materiais e apequenado pelas misérias morais: a este, em especial, toda a nossa misericórdia!

* * *

Dá-nos a entender o Mestre amoroso que o fazer, ou deixar de fazer é uma via de duplo sentido; que a escolha é nossa; e as consequências, também!...

(Sintonia: Xavier, Francisco Cândido,Fonte Viva, ditado por Emmanuel, Cap. 137, Atendamos ao bem, 1ª edição da FEB.)



        Claudio Viana Silveira









                                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!