Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Poesia => Tópico iniciado por: Lima_Gil em 19 de Junho de 2010, 05:07

Título: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 19 de Junho de 2010, 05:07

JESUS

Quanta vez, neste mundo, em rumo escuro e incerto,
O homem vive a tatear na treva em que se cria!
Em torno, tudo é vão, sobre a estrada sombria,
No pavor de esperar a angústia que vem perto!...
 
Entre as vascas da morte, o peito exangue e aberto,
Desgraçado viajor rebelado ao seu guia,
Desespera, soluça, anseia e balbucia
A suprema oração da dor do seu deserto.
 
Nessa grande amargura, a alma pobre, entre escombros,
Sente o Mestre do Amor que lhe mostra nos ombros
A grandeza da cruz que ilumina e socorre;

Do mundo é a escuridão, que sepulta a quimera...
E no escuro bulcão só Jesus persevera,
Como a luz imortal do amor que nunca morre.
                                                             
                                        Alberto de Oliveira
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 20 de Junho de 2010, 05:05

IDE E PREGAI

Vós que tendes as rosas da bonança
Enlaçadas na fé mais doce e pura,
Ide e pregai na noite da amargura,
O evangelho do amor e da esperança.

Toda luz da verdade que se alcança
É um reduto de paz firme e segura;
Daí dessa paz a toda criatura,
Sobre a qual vossa vida já descansa.

Espalhai os clarões da vossa crença
Na pedregosa estrada dessa imensa
Turba de irmãos famintos, torturados!

Conduzi a mensagem luminosa
Da caridade lúcida e piedosa,
Redentora de todos os pecados.
            
                              Cruz e Souza

Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 20 de Junho de 2010, 22:09
Querido irmão Lima Gil

Agradeço pelas mensagens. Envio uma de autoria desconhecida.Um grande abraço!

              Deus preferiu contar com você

Só Deus pode criar
Mas você pode valorizar
o que ele criou...
Só Deus pode dar a vida
Mas você pode multiplicar
e respeitá-la
Só Deus pode dar a fe
Mas você pode dar o seu testemunho...
Só Deus pode dar a paz
Mas você pode dar a união...
Só Deus pode dar a força
Mas você pode apoiar quem desanima...
So Deus pode dar esperanças
Mas você pode ensinar o seu irmão a amar...
Só Deus pode dar alegrias
Mas você pode sorrir a todos...
Só Deus é o caminho
Mas você pode indicar aos outros
a alegria de viver...
So Deus pode fazer o impossível
Mas você sempre poderá fazer o possivel...
Só Deus pode fazer milagres
Mas você pode fazer sacrifícios...
Só Deus pode fazer a semente do bem germinar
Mas você pode plantar no coração humano...
Só Deus se basta a si mesmo
Mas ele preferiu contar com você...
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 20 de Junho de 2010, 22:24
Querida irmã Katiatog:
Sinto-me feliz por compatrilhar essa belíssima mensagem poética, plena de estímulos com vistas a nos amparar a todos em nossa jornada evolutiva.
Seja feliz, otimista, corajosa e verdadeira, que que não lhe faltará o amparo do Céu!
Jamais desista! Paz! Fraternalmente,
Teu amigo e irmão em Jesus, Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 20 de Junho de 2010, 22:35

DEUS

Quem, senão Deus, criou obra tamanha,
O espaço e o tempo, as amplidões e as eras,
Onde se agitam turbilhões de esferas,
Que a luz, a excelsa luz, aquece e banha?

Quem, senão ELE, fez a esfinge estranha
No segredo inviolável das moneras,
No coração dos homens e das feras,
No coração do mar e da montanha?!

Deus!...somente o Eterno, o Impenetrável,
Poderia criar o imensurável
E o Universo Infinito criaria!...

Suprema paz, intérmina piedade,
E que habita na eterna claridade
Das torrentes da luz e da harmonia!

                               Antero de Quental

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 21 de Junho de 2010, 23:01

ANTE O CALVÁRIO

Da terra do Calvário ardente e adusta,
Entre prantos pungentes, o Cordeiro
Da Verdade e da Luz do mundo inteiro
Vive o martírio de sua alma augusta.

Sobre a cruz infamérrima se ajusta
A crueldade do espírito rasteiro
Do homem, que é sempre o tigre carniceiro,
Enquanto grita a turba ignara e injusta.

Depois de vinte séculos ingratos,
Multiplicando Herodes e Pilatos,
Correm de novo as lágrimas divinas;

Pois, embora o Direito, o Livro e a Toga,
A humanidade triste inda se afoga
No sangue escuro das carnificinas.

                                    Augusto dos Anjos

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 22 de Junho de 2010, 06:26
Querido amigo Lima Gil

Agradeço muitíssimo pelas poesias que tem compartilhado comigo.Como é bela e consoladora a Doutrina espírita!

 Gostaria de saber se conhece a finalidade da prática da Apometria em alguns centros espíritas e se poderia me explicar o que seria a Apometria?

 Ofereço-lhe essa poesia de Emmanuel, psicografada pelo nosso querido e inesquecível Chico Xavier-livro Tocando o barco:

             Isso  é da Lei de Deus

Tolera, construindo
Todo o bem que puderes.

Não exijas dos outros
Dons que ainda te faltam.

Erros nos companheiros
Poderiam ser nossos.

Aceitas as provações
Por exames de fé

Trará contigo a paz
Que fizeres nos outros.

Temos sempre o que damos.
Isso é da Lei de Deus.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 23 de Junho de 2010, 08:06

Querida amiga Katiatog:
Muito grato por vê-la acompanhando nossos tópicos neste Fórum.
É bom que saibas que sou detentor de conhecimentos profundos sobre a Apometria. Mas, dentro das nossas limitações, vou procurar te passar algumas idéias, resumidamente.
A Apometria é um conjunto de técnicas científicas, criada por médicos, em meados do século passado, com o objetivo de cuidar da saúde mental e espiritual de irmãos geralmente envolvidos em problemas obsessivos. Ela tem bases um tanto semelhantes à TVP (Terapias de Vidas Passadas), com a diferença fundamental que nela não se aplica a técnica de regressão da memória, e sim o desdobramento dos nossos veículos interiores que são cinco, formando uma unidade que Kardec chamou perispírito, já conhecido por Paulo pelo nome de corpo espiritual (2 Cor 15:44). Em resumo, podemos dizer, quanto à aplicação da Apometria no tratamento espiritual:
1) surgiu a partir de um longo trabalho com pacientes, que lhe proporcionaram uma excelente base experimental, sob a direção superior de Mestres orientais;
2) vem se ampliando, por representar uma valiosíssima ferramenta para o tratamento, sobretudo da obsessão;
3) busca realizar o que chama de alinhamento das personalidades múltiplas, que todos nós trazemos das várias passagens pelo plano de matéria mais densa e, frequentemente, uma ou mais dessas personalidades tenta se impor á nossa vida atual, causando uma espécie de auto-obsessão;
4) é estudada como ferramenta do Espiritismo Evangélico, mas despido de qualquer sentimento ortodoxo, pois, além do estudo das obras da Codificação, valoriza também as obras do Mestre Ramatis e atua sob a direção dos Mestres orientais que, como todos sabemos, são Espíritos missionários a serviço do Senhor Jesus;
5) permite o tratamento de casos gravíssimos de obsessão, com o auxílio de especialistas chamados médiuns apômetras que, nas Casas mais sérias, são selecionados com muito rigor;
6) os adeptos passam por três fases de tratamento, cada uma delas com um determinado número de sessões: o estudo, a desobsessão, a cura e, no final, pode-se escrever uma carta ao Plano Espiritual, solicitando a realização da Apometria que, muitas vezes, requer várias aplicações, sempre com retorno à fase inicial de estudo;
7) todas as sessões são precedidas de um maravilhoso passe preparatório, visando ao alinhamento dos nossos chacras ou centros vitais, com um toque oriental do uso de incenso e suaves músicas para a melhoria do ambiente;
8) com o indispensável apoio de médiuns clarividentes, durante a realização da apometria, diversos dos chamados Magos negros são capturados, por meio de redes magnéticas, e conduzidos para tratamento ou aprisionados no Plano Astral, quando forem mais rebeldes ou endurecidos;
9) as grandes ferramentas da Apometria são a fé espírita não ortodoxa, o estudo especializado, o preparo técnico com base em centenas de casos experimentais, o abandono da alimentação com proteínas animais de qualquer espécie e o emprego, importantíssimo, do poder da imaginação pelos médiuns apômetras;
10) após cerca de dois anos de tratamento, nos quais realizei duas Apometrias, recebi alta e, por motivo de saúde, não mais pude comparecer ao Centro que me acolheu com muito carinho.
Guardo um grande sentimento de gratidão a Deus e à FEAP, por tudo que pude aprender, doar e receber daquela excelente instituição. Mais ainda porque consegui, em carta ao Plano Espiritual, realizar uma Apometria para um irmão de família, esquizofrênico, que reside em João Pessoa e que nunca mais, graças a Deus, entrou em crise.
Espero ter contribuído para atender ao teu questionamento. Só conheço esta Casa, aqui no Rio de Janeiro, para indicar a ti e às demais pessoas interessadas no assunto. Fratrenalmente, teu amigo e irmão em Jesus,
Gil

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 23 de Junho de 2010, 08:10
Querida amiga Katiatog:
Perdoe-me o terrível engano. Eu quis dizer "É bom que saibas que não sou detentor de conhecimentos profundos sobre a Apometria."
Com mil desculpas, teu irmão Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 23 de Junho de 2010, 08:14

MÃE

Procurei ansiosamente
Um símbolo do amor de Deus no mundo,
Carinho permanente,
Amor que nada mais pedisse à vida,
A fim de estar contente,
Que o dom de ser amor sublimado e profundo.

Vi o Sol trabalhando sem cansaço,
Doando-se sem pausa, alto e bendito,
O astro imenso, porém, pedia espaço,
De maneira a brilhar nas telas do Infinito.
Julguei achar na fonte esse traço perfeito,
Fitando-lhe a corrente a servir sem parar,
Mas a fonte exigia a hospedagem do leito
A fim de prosseguir à procura do mar.
Fui à árvore amiga e anotei-lhe a lição:
Conquanto a se entregar tanto aos bons quanto aos brutos,
Precisava defesa e vínculos no chão
Ao fornecer, sem paga, a riqueza dos frutos.
Vi a abelha no favo a pedir mel às flores,
Nuvens para servir solicitando alturas,
Escolas sem função buscando professores
E o lar para ser lar exigindo estruturas.

Toda força do bem que ao bem se entregue
Em bondade constante e em contínua grandeza,
Assegura-se, vive, auxilia e prossegue,
Algo requisitando ao Mundo e à Natureza.

Em ti, unicamente, Mãe querida,
Encontro o amor que nasce e cresce, em suma,
No sacrifício puro, acalentando a vida,
Sem reclamar da Terra cousa alguma.

Eis porque sobre todo amor que existe
As mães são guias, anjos, cireneus,
Cujo brilho por si nos protege e persiste
Em ser somente amor, no excelso Amor de Deus.

Estrela, Deus te guarde em teu fulgor celeste!...
Agradeço-te a luz, o carinho e o perdão...,
Bendita sejas, Mãe, porque me deste
A presença de Deus no coração!

                                              Maria Dolores

Do livro:
Somente Amor (Maria Dolores e Meimei)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 24 de Junho de 2010, 16:53

SUPREMACIA DA CARIDADE

A fé é a força potente
Que desponta na alma crente,
Elevando-a aos Céus;
Ela é chama abrasadora,
Reluzente, redentora,
Que nos eleva até Deus.

A esperança é flor virente,
Alva estrela resplendente,
Que ilumina os corações,
Que conduz as criaturas
Às almejadas venturas
Entre célicos clarões.

A caridade é o amor,
É o sol que Nosso Senhor
Fez raiar claro e fecundo;
Alegrando nesta vida
A existência dolorida
Dos que sofrem neste mundo!

A fé é um clarão divino,
Refulgente, peregrino,
Que irrompe, trazendo a luz;
A caridade é a expressão
Da personificação
Do Mestre Amado - Jesus!

A esperança é qual lume,
Ou capitoso perfume
Que nos alenta na dor;
A caridade é uma aurora
Que resplandece a toda hora,
Nada empana o seu fulgor.

Seja, pois, abençoada,
Essa fúlgida alvorada
A raiar eternamente!
Caridade salvadora,
Pura bênção redentora
Do Senhor Onipotente.

                                    Casimiro Cunha

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 25 de Junho de 2010, 23:25

NÃO TEMAS

Somente com Jesus a alma cansada
Volve à praia do amor no mar da vida,
O viajor errante encontra a estrada,
Que o reconduz à terra estremecida.
 
A esperança, adiada e emurchecida,
Refloresce ao clarão de outra alvorada;
Todo o trabalho e dor da humana lida
São luzes da vitória desejada.
 
Sem Jesus, cresce a treva entre os escombros;
Ama a cruz que te pesa sobre os ombros,
Vence o deserto áspero e inclemente.
 
A aflição inda é grande em cada dia?
Não desprezes a Doce Companhia,
Vai com Jesus! não temas! crê somente!

                                        Cornélio Bastos

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 26 de Junho de 2010, 03:24
           




           

            Auto-realização é luz; auto-satisfação, treva.
                                    (jcl-01/88)

     

            Da alma, corpo e mente
            Busca a Perfeição,
            Limpa teu ser pra receber a Luz,
            Purifica teu interior e o coração.
           
            Renuncia aos prazeres ociosos;
            Com determinação, afasta a mente da carne
            E a aproxima do Espírito
            Fazendo, em teu interior, luz e amor.

            Aquele que somente os desejos satisfaz
            Se fecha em sombras densas
            E, do Divino, se afasta mais e mais.

            O mundano deixa para trás.
            Olha, em frente, o alvo chamejante,
            Mundo feliz, Reino de Deus, cheio de Paz.
            ......................................
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 26 de Junho de 2010, 03:30
O CHAMADO INTERIOR                                             
(jcl, ribeirão preto, mar 2006)

Senhor,
Inspira-me, todos os instantes, a procurar-Te,
      Na melodia,
             Na flor,
                     No ramo oscilando ao vento,
No pássaro que canta alegremente,
Na cor da nuvem tocada pelo sol poente,
No murmúrio das águas buliçosas,
No sorriso da criança inocente,
No olhar da mãe para o filhinho que dorme,
Na ternura dos enamorados,
Na pele enrugada da mulher sofrida,
No suor da testa do doente, que teima em sorver o ar precioso,
No olhar triste do pobre, cobiçando, pregado à vitrine,
                O brinquedo impossível para o filho...

Senhor,
Parece que mais Te recordo naquelas coisas
       Tristes,
             Melancólicas,
                     Singelas.
Talvez porque nos toquem mais agudamente o coração,
E nos comovam
E levem a meditar na solução
Que não é nossa,
Mas que virá quando o homem se despir
De seu manto de ambição,
         Desamor,
                 Malícia,
                         Egoísmo,
                                 Ignorância,
E perceber que somos todos irmãos,
Semelhantes ou iguais,
Viajores do mesmo barco,
Atrás, sem o saber, das mesmas experiências,
Buscando, inconscientemente,
             O mesmo objetivo,
                           Que és Tu.

E, como a mim, inspiras a todos,
Mas não Te ouvimos o chamado.
Nossa mente está sempre cheia de outros apelos,
E não há, quase nunca, lugar para o Teu.
São apelos tentadores,
        Com vestes coloridas,
                Odores embriagantes,
                        Sons sedutores,
                                Roçares suaves e doces,
Mas que, após o atendimento,
Despem suas máscaras
Mostrando-nos a queda,
       A cilada,
             A decadência,
                     A escuridão.

Ó, Divino Inspirador,
Continua Teu trabalho
De nos chamar sutilmente,
       De longe e de perto,
               De fora e de dentro.
Aos poucos, nos voltaremos a Ti
Quando houver cansaço dos convites
         Das sereias do poder,
                  Da beleza,
                           Da embriaguez dos sentidos.
Das ilusões que cercam nossos dias,
         Com molduras tentadoras
                   E tentadoras circunstâncias.
Inspira-nos, Senhor, pois permanecemos nas trevas,
Ferindo pés e mãos nas quedas do caminho
E não percebemos que Tu
És a própria força que nos leva a procurar-Te,
E, de olhos mentais
        Fechados,
              Preconceituosos,
                     Iludidos,
Não percebemos que Te buscamos
Onde não podemos Te encontrar
Pois que Tu estás tão perto,
           Junto de nós,
                  Bem aqui,
                          No coração.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 26 de Junho de 2010, 03:35
ESPERANÇA                                                         (Jan 2008)
(jcl, Campinas, 74)

Gente, veículos, buzinas, guardas apitando.
Bancos, negócios, câmbio, venda e compra.
Sol forte, no alto, iluminando a cidade.

Repentinamente,
No meio da tarde ruidosa e quente,
Sem qualquer espera,
Aquela sensação nunca sentida,
Que cresce dentro do peito,
Toma conta da razão,
Abafa a estridente vida lá de fora,
E inunda de êxtase o coração.

Uma presença indescritível de vitalidade,
De saúde, alegria, de felicidade,
Aumentando,
Dominando o ser,
Subjugando-o.
Uma sensação de bem estar íntimo, de euforia,
Sem ligação com fatos do passado, do presente,
E as mil coisas de todo dia-a-dia.

Sentimento tão bom e de tal suavidade,
Tão firme, poderoso, de tamanha intensidade...
Que, impotente,
Ou o ser explodirá, de tanta felicidade,
Ou, sem forças, quedará inconsciente,
Em meio ao movimento externo da cidade.

A pequena porta lateral do templo convida
E, fugindo da rua e seu ruidoso vai-e-vem,
Ajoelho-me na capela do Santíssimo,
A mais escura, cheia de sombras, sem ninguém.

Enquanto cresce, a beleza inexplicável interior
Faz desaparecer o rumor da vida da cidade,
E, ali, ajoelhado física e espiritualmente,
Espero o quê, a coisa, que não conheço,
Que deve estar para nascer, brotar, acontecer...

Tudo está apagado.
Não mais sei onde estou, quem sou, o que faço...
Tudo que existe, agora, é só felicidade...
Não mais preocupações, problemas, esforços, cansaços;
Os desejos, as necessidades, tudo se foi, nada ficou;
Só aquele vivo sentimento de felicidade,
Que anula até o pensamento
E que só e unicamente percebo com intensidade...
O ser já não é separado ou independente
E só daquela sensação está consciente.
É como se houvessem luzes, sem luzes,
Perfumes, sem perfumes,
Música, sem música...

E, extasiado, aguarda sem querer, e sem poder não querer,
Aquilo que, parece, se avizinha,
De dentro ou de fora, não advinha...
..................................................................................
Aos poucos, a consciência volta...
Um arrepio toma conta do corpo, delicadamente.
Depois, os ruídos da rua se aproximam
E penetram a capela escura, lentamente.
Vejo as sombras, o genuflexório, o altar;
Sinto os joelhos, o calor, a vida de fora, todo o corpo vibrar.
Dentro, no íntimo, a maravilhosa sensação perdura,
Mas, agora, mais fraca, leve, obscura.

Deixo o templo;
A vida chama; há compromissos.
Mas preciso analisar, lembrar aqueles momentos,
Gravar, entender tão belos sentimentos...
Parece que, lá dentro, dentro de mim, alguém tem as respostas...
...
Hoje, só restam lembranças e saudades,
Resíduos que ficaram na mente e no coração.
A esperança, avivo-a sempre e sempre,
Nos momentos de relaxamento e de meditação.
Sopro as cinzas no desejo de que, ali, oculta,
Se inflame a brasa que restou,
E me incendeie, de novo, todo o ser,
E me faça de tudo esquecer
Com a recordação da felicidade que então me visitou.

Quando se repetirá?
Virá com mais força, com mais intensidade?   
Fará que o ser todo derreta, exploda, flutue,
Definitivamente, de felicidade?...

Hoje, apenas recordações e esforços
Que me façam andar pela mesma estrada
E me levem àquele ponto singular
Que não sei mais achar na minha caminhada...

Esperança...

....................................................

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 26 de Junho de 2010, 03:40


FALA-ME,  SENHOR!                                            (Dez 2007)
 (jcl, ribpreto, 12/05/90)

Fala-me, Senhor!
Com Tua voz silenciosa, fala-me!
Ensina-me o próximo passodocaminho.                                                                    Ao Ao longe, as luzes prometidas me atraem
E, sem forças para resistir, avanço.

Os precursores nos informaram maravilhas,
As quais aumentam o clarão distante.
Vencida uma etapa, inconscientemente percorrida,
A seguinte se apresenta exigindo consciência,
Atenção e serviço, desempenho e esforço,
Muitas vezes embaraços, bloqueios, obstáculos.

Agora, parece, nada mais a fazer; tudo já foi tentado.
Aguardo Tua voz, que me ensine o próximo passo.
Espero impaciente, mas de mente aberta,
A manifestação divina que me oriente
Qual bússola apontando o norte.
Como deixar crescer o ímpeto da marcha,
Sem saber fazer ampliar o ímpeto da alma?

É isso que peço a ti: devoção, mar imenso
De ondas que arrebatem o pequeno barco que eu sou
E me lancem às praias de Teus braços.

Fazer chorar, se preciso, todo meu ser;
Tremer, se necessário, o coração.
Abalar a mente, a razão inquietar.
Mas, ao final, mostrar-me a claridade
Da luz matinal, do áureo alvorecer.

Tu estás aí, iluminando, com chamas inextinguíveis,
O universo todo, toda a criação.
E, aí, nesse fogo divino,
Nessa luz, procuro adentrar.

Senhor, ensina-me a sentir-te e a chorar.
...............................................................
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 26 de Junho de 2010, 03:44

INTEGRAÇÃO       (jcl, campinas, 74)            (Jan2008)

A Rosa desabrocha; termina o longo sonho;
É o fim de uma etapa, dum trecho do caminho.
Adão desperta e vive, liberto finalmente.
Está vencida a senda, de buscas e de trevas,
Da consciência simples, da mais simples criatura,
À Consciência Maior, ao Superconsciente.

Eras, milênios após a sementeira,   
Os hábitos nocivos, as falhas derradeiras,
O mal em seu interior, o homem aniquilou.
Do jogo de espelhos, do Mal e da Bondade,
Na trilha de receios, em busca da Verdade,
Do Amor sem preconceitos, o tempo terminou.

A Cruz perdeu seu peso no curso dessa lida,
Nos mil degraus das vidas, que fazem a Grande Vida,
O homem aprendeu a Lei: se fez sofrer, sofreu.
Erguendo-se, aprumou-se, tornou-se um Novo Ser
De Consciência Plena, em Áureo Alvorecer;
Vitória merecida: um novo “Eu” encontrou.

Pra traz dores, sofreres, limitações sem fim! 
Não mais finita vida, miséria, morte, enfim.
Não mais questões, mistérios nos mundos e nos céus.
Os imos dos porquês, eventos, ilusões,
Do ser o sofrimento, as últimas razões,
Numa palavra - a Esfinge -, deixa cair seus véus.

Tudo valeu seu preço e nada foi demais,
Na Obscura Noite, antes trevas totais,
Intensos raios descem, levando à Ascensão.
O homem participa agora do movimento eterno,
Vê o girar das rodas do Micro ao Macrocosmo,
E já não é mais homem, conhece a Perfeição.

No tom que agora emite o seu novo vibrar,
Sua nota complementa a música sem par
Que Deus comanda e rege em escala universal.
E em meio à Harmonia, enceta nova senda
De mente unida à Mente, de vida unida á Vida,
Rumo ao Centro do Círculo, à Integração Final.
.........................................................................
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 26 de Junho de 2010, 20:13
Querido amigo Lima Gil
Agradeço imensamente os seus esclarecimentos!
O motivo da pergunta é porque ouvi falar da Apometria no tratamento de doenças mentais.Tenho um filhinho de 6 anos que é autista e creio que esse tratamento deva trazer melhoras em relação ao seu comportamento.
Que Deus o abençoe e o mantenha sempre a chama do amor fraterno em seu coração
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 27 de Junho de 2010, 07:44
Querida amiga e irmã Katiatog:
A irmã há de saber que nem todos os casos de doença podem ser resolvidos, muito embora para Deus nada seja impossível. Deve seguir o teu coração e a tua intuição. Sei de vários casos de obsessão, doenças mentais, personalidades múltiplas, agressividades violentíssimas e outros, que foram tratados na Apometria com resultados surpreendemente positivos, a exemplo do meu irmão esquizofrênico, para quem consegui uma Apometria à distãncia, pois moro no Rio e ele em João Pessoa. Vá na fé, mas procure uma instituição confiável, e não desapareça, pois já estava com saudades...Um abraço fraternal do teu amigo e irmão Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 27 de Junho de 2010, 18:27
Prezado irmão Coronel:

Po um lapso de nossa parte e talvez uma falha no sistema, lhe enviamos uma resposta às suas belíssimas mensagens poéticas, que acabou aparecendo duas vezes, em outro espaço, que não o adequado. Por via das dúvidas, vamos grafá-la novamente aqui, para ficar correlacionada a esses lindos e profundos poemas de sua autoria. Um abraço fraternal do irmão Gil.
--------------------------------------------------------------------------
Caro irmão Coronel:

Muito grato por vê-lo aqui, prestigiando este tópico com belíssimos e profundos poemas.  Sou bastante novo neste espaço virtual, mas, cada dia que passa, fazendo novas amizades, vou-me deixando apaixonar por tantas mensagens valiosas pela beleza do conteúdo, como vêm a ser estes seus belíssimos poemas, de admirável cunho espiritualista. Estamos nos conhecendo agora, ou nos reencontrando, nessa ilimitada teia energética – o Universo de Deus –, mas já nos deu para perceber que o distinto companheiro de jornada evolutiva, não dispõe apenas de um imenso cabedal de conhecimento intelectual. Pela profundidade de seus poemas, sobretudo o segundo (ESPERANÇA), seríamos capaz de afirmar que o querido irmão já teve uma (ou mais) experiência mística, daquelas que nos deixa uma saudade imorredoura e que, quando tentamos transmitir por palavras, é como se gritássemos para o Universo sem fim, tendo como resposta apenas o silêncio, uma treva luminosa, incompreensível para quem não viveu algo semelhante. Que nos preparemos, cada vez mais, para perceber as permanentes bênçãos que o Senhor derrama sobre tudo e sobre todos nós, particularmente essas que brotam, inexplicavelmente, das entranhas de nossas almas. Estamos no caminho certo, o do “conhece-te a ti mesmo”, nessa jornada  cheia de véus, vestes, aparências que, quando vão sendo retiradas, como cascas de cebola, restará apenas a Essência da Realidade Suprema. Com absoluta certeza, no final, nos espera o Centro Divino e que, em verdade, não demos nenhum passo, pois ele estava bem aqui, no fundo de nossos corações, por enquanto ainda muito atormentados. Que devo mais dizer ao querido irmão!? Parabéns, amigo! pois a Graça Divina já lhe fez alcança uma pura percepção não-dual, sentindo a imarcescível Paz em Deus, o objetivo sagrado da Vida para todas as criaturas. Meu abraço, meu carinho, meu afeto. Seja bem-vindo ao coração deste incansável buscador e, se for de sua vontade, pode contar com nossa amizade leal e sincera. Fraternalmente, seu irmão em Jesus, Gil.
Namasté
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 27 de Junho de 2010, 19:12


          Olá, Lima_Gil, companheiro de jornada.

          Sinceramente, fiquei feliz de ver que o amigo foi atento às minhas mensagens.
          Pelo que posso perceber (particularmente por suas palavras: percepção “não-dual”), é um estudioso buscador que abriu o leque de suas buscas, não permitindo que seus olhos ficassem voltados apenas para uma direção.
          Gostaria que o amigo visitasse o Blog de endereço abaixo:

                  http:/www.obuscadordedeus.blogspot.com 

          Um abraço.



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 27 de Junho de 2010, 21:45
Prezado irmão Coronel:
Muito grato pela dica. Já andei dando uma olhada e, graças a Deus, senti-me em casa, perfeitamente sintonizado e familiarizado com as aparentemente diversas colocações que ali se encontram. Tudo ali se pode resumir em uma só coisa: a inolvidável experiência de Deus, sem a qual o Espírito Imperecível não pode ter nem mesmo uma pálida idéia do que se considera Felicidade Eterna, como já se  pode aprender nos ensinos bíblicos, em várias passagens, dentre as quais destacamos: Jr 9:24, Jo 17:3 e, principalmente, a experiência mística do apóstolo Paulo, descrita de forma um tanto velada em 2 Cor 12:1 a 6. Um abraço fraterno do seu irmão Gil.
Namasté
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 27 de Junho de 2010, 22:30

O SENHOR VEM

E eis que Ele chega de mansinho,
Haja sol, faça frio ou tempestade,
Veste o manto do amor e da verdade,
E percorre o silêncio do caminho.

Vem ao nosso amargoso torvelinho,
Traz às sombras da vida a claridade,
E os próprios sofrimentos da impiedade
São as bênçãos de luz do seu caminho.

Como o Sol que dá vida sem alarde,
Vem o Senhor, que nunca chega tarde,
E protege a miséria mais sombria.

Ele chega. E o amor se perpetua...
É por isso que o homem continua
Ressurgindo da treva a cada dia.

                                 Auta de Souza

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 28 de Junho de 2010, 01:01
Olá, Lima_Gil

Se o amigo diz que se "sentiu em casa" então podemos conversar. Vc citou Jer 9:24, mas deve ter havido engano nessa citação. Não encontrei.

Um abraço.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 28 de Junho de 2010, 03:22
Caro irmão Coronel:

Somente Paulo, em sua segunda Epístola aos Coríntios (2 Cor: 12:1 a 6), faz alusão direta a uma experiência mística que – muito embora implícito e reconhecido que falava do próprio Eu Divino, por diversos autores –, ele, Paulo, atribui a outro homem, por uma questão de exercício de humildade. Assim me expresso por acreditar que ambos já temos certeza absoluta de que as virtudes são divinas, podendo o homem apenas manifestá-las como reflexo do Eu Superior, mediante qualidades boas ou más (com referência às Entidades Pensantes de mediana evolução). Nas demais passagens citadas, apenas podemos deduzir alusões indiretas nesse sentido, por enfatizarem a relevância do conhecimento de Deus, novamente acreditando que ambos já concluímos que não há outra forma de alcançar tal estado de bem-aventurança, senão pelo despertar da Kundalini ou pelo desabrochar da Flor da Alma , de que trata Mabel Collins, em “Luz no Caminho”. Vejamos:
- na passagem do profeta Jeremias, é dito que a glória do homem é conhecer o Senhor;
- na oração sacerdotal do Cristo é Ele que afirma que a vida eterna está no conhecimento do Pai.
Como pode ver, ambas são alusões indiretas à imprescindibilidade da experiência mística, já que pelo calidoscópio intelecto-mental que, por enquanto nos carteriza, não nos é possível alcançar a perfeita integração dos pares de opostos, somente compreensível pela percepção não-dual, que envolve a alma na excelsa beatitude da Unidade e Paz, à qual o nosso Amado Mestre Jesus se referiu, ao dizer: “Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou, não vo-la dou como a dá o mundo” (João 14:27), porque ambos compreendemos que essa é a Paz que excede todo o entendimento, inerente ao Centro Divino, onde se manifesta a Voz do Silêncio do EU SOU. A palavra está com o prezado companheiro de jornada. Um fraternal abraço do seu amigo e irmão Gil
Namasté
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Conforti em 28 de Junho de 2010, 19:09

          Olá, Lima,
     
          Você se referiu à alusão direta que  Paulo fez de sua experiência e que é difícil encontrar outras referências; porém essa dificuldade reside na bíblia. Fora desta há numerosas referências e, mesmo, depoimentos esclarecedores. Você deve saber; estou apenas lembrando.

          Até mais.



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 30 de Junho de 2010, 03:40

INCOGNOSCÍVEL

Para o Infinito, Deus não representa
A personalidade humanizada,
Pelos seres terrenos inventada,
Cheia, às vezes, de cólera violenta.

Deus não castiga o ser e não o isenta
Da dor, que traz a alma lacerada
Nos pelourinhos negros de uma estrada
De provação, de angústia e de tormenta.

Tudo fala de Deus neste desterro
Da Terra, orbe de lágrima e de erro,
Que entre anseios e angústias conheci!

Mas, quanto o vão mortal inda se engana,
Que em sua triste condição humana
Faz a essência de Deus igual a si!

                                      Antero de Quental
Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 30 de Junho de 2010, 04:32

Prezado irmão de jornada Coronel:

Evidente que conheço vários casos verdadeiros de experiência mística. Posteriormente, vou encontrar um tempinho para voltarmos a esse tema. O querido irmão já deve ter observado que, mesmo tendo transcendido o Kardecismo, nunca, em verdade, me desliguei do movimento espírita, porque a opção de permanecer em constante meditação não me envolveu a contento. Tenho uma família numerosa, com 6 filhos e 9 netos e venho atravessando outros problemas que não me permitem essa decisão. A inesquecível experiência de iluminação me foi fascinante, mas depois de muito refletir, considerei que deveria continuar trabalhando pela doutrina que tanto me ensinou e, de certa forma, me deu condições para passar por aquela inolvidável, longa e pura percepção não-dual, de forma totalmente consciente e lúcida, sem maiores problemas.  Claro que, depois do ocorrido, a certeza absoluta de Deus ficou em nossa alma como uma semente de Luz Crística, que ainda agaurda maior fertilização do terreno, para a frutificação permanente. Um fraternal abraço do irmão Gil
Namasté

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 03 de Julho de 2010, 19:56

RENÚNCIA

Renuncia a ti mesmo! Renuncia
À mundana e efêmera vaidade:
Que em ti sintas a dúlcida piedade
Que as desgraças alheias alivia.

Do homem, esquece a lúrida maldade,
Prosseguindo na estrada luzidia.
E denodadamente engendra e cria
Teu próprio mundo de felicidade!

Parte o teu coração em mil fragmentos,
Ofertando-os ao mundo que te odeia,
Com a bondade mais pródiga e mais pura.

Não olvides em meio dos tormentos:
- Renunciar em bem da dor alheia
É ter no Além castelos de ventura.

                                   Cruz e Souza

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 04 de Julho de 2010, 06:15

AMPARO OCULTO

Não lamentes, alma boa,
Contratempo que aconteça,
Que a luta não te esmoreça,
Nada existe sem valor;
Aquilo que te parece
Um desencanto de vulto
É sempre socorro oculto
Que desponta em teu favor.

Uma viagem frustrada,
Uma festa que se adia,
Uma palavra sombria
Que encerra uma diversão;
O desajuste no carro,
Um desgosto pequenino,
Alteram qualquer destino
Em forma de salvação.

Não chores por bagatelas,
Guarda a fé por agasalho,
Deus te defende o trabalho,
Atuando em derredor;
Contrariedades no tempo,
Quase sempre, em maioria,
É amparo que o Céu te envia
Por bênção do mal menor.
                             
                          Maria Dolores
Do livro:
Somente Amor
Maria Dolores e Meimei
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 04 de Julho de 2010, 21:42
   Querido amigo e irmão Lima Gil

   Parabéns pela linda mensagem que nos leva a refletir sobre o desperdício  gasto em lamentações inúteis frente aos problemas que nos afligem no dia a dia.
   Que Deus o proteja e abençoe sempre.
   Abraços da amiga Katia.

                                Crê


   Há na crença uma luz radiosa e pura,
   Que transfigura os prantos em prazeres,
   Que transforma os amargos padeceres
   Em momentos de mística ventura.

   Confia, espera e crê.Quando sofreres,
   Sob os guantes da ríspida amargura,
   Nas tormentas acerbas dos deveres
   Esquecerás a dor e a desventura.

   É que em meio das mágoas mais atrozes,
   Sentirá dentro em ti estranhas vozes
   Repletas de doçura indefinida:
   São os seres ditosos, superiores,
   Que nos impelem a nós os sofredores,
   Aos luminosos planos da outra vida.

                                                    Anthero de Quental
                                             (do livro Assembléia de luz)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 05 de Julho de 2010, 01:27
Cara irmã e amiga Katia:

Muito grato e feliz, não apenas pelo constante incentivo, mas, sobretudo por sua valiosa contribuição para o enriquecimento deste tópico que criamos neste importante espaço virtual. Agora, sentimo-nos cada dia mais fortalecido por saber que nada, absolutamente nada vai nos impedir de perseverar no bem até o fim, conforme a divina recomendação do nosso Amado Mestre Jesus. Parabéns por esse belíssimo soneto que nos trouxe para o valoroso compartilhamento neste abençoado Fórum! Paz! Fraternalmente, seu amigo e irmão Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 07 de Julho de 2010, 06:57
FELIZES OS QUE TÊM DEUS

Entre esse mundo de apodrecimento
E a vida de alma livre, de alma pura,
Ainda se encontra a imensidade escura
Das fronteiras de cinza e esquecimento.

Só o pensador, que sofre e anda à procura
Da verdade e da luz no sofrimento,
Pode guardar esse deslumbramento
Da Fé – fonte de mística ventura.

Feliz o que tem Deus nessa batalha
Da miséria terrena que estraçalha
Todo o anseio de amor ou de bonança!...

Venturoso o que vai por entre as dores
Atravessando o oceano de amargores,
No bergatim sagrado da Esperança.
                                            
                                     Cruz e Souza

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 08 de Julho de 2010, 07:41
   Querido amigo Lima Gil

   Ofereço-lhe essa poesia de Maria Dolores (livro homônimo).
   Abraço carinhoso da amiga e irmã Katia


                            Palavras da fé

   Não esmoreças no mundo,
   Trabalha, ajuda, esclarece,
   Tens o verbo, a voz, a prece,
   São sem conta os dotes teus;
   Ampara, acalma e perdoa,
   Qualquer migalha do bem
   Na Terra e no Mais Além,
   È benção do amor de Deus.



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 08 de Julho de 2010, 15:21

Estimada amiga Kátia:

Que beleza! Presentaço!  Simples, pequenina e emocionante. Valeu! É isso aí; sinto que cada vez mais podemos contar com sua valiosa colaboração para a crescente ampliação do movimento espírita, nesta forma moderna e virtual. Persevere sempre, com otimismo, alegria, bom ânimo, vigilância e fé! Paz! Um fraternal abraço do seu amigo e irmão Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 09 de Julho de 2010, 08:32

                                        



                  BANDEIRA DO BRASIL

Bandeira do Brasil, símbolo da bonança,
Enquanto a guerra estruje indômita e sombria,
Sê nos planos de luta o sinal de harmonia,
Espalhando no mundo as bênçãos da Esperança.

Assinalas, na Terra, o país da Alegria,
Onde toda a existência é um hino de abastança,
Guardas contigo a luz da bem-aventurança,
És o florão da Paz, marcando um novo dia.

Nasceste sob a luz de um bem, alto e fecundo,
Nunca te conspurcaste aos embates do mundo,
Buscando iluminar as lutas, ao vivê—las...

É por isso que Deus, que te ampara e equilibra,
Deu-te um corpo auriverde onde a paz canta e vibra,
E um coração azul, esmaltado de estrelas.

                                                  Pedro de Alcântara

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 13 de Julho de 2010, 01:17

NORMA DE VENCER

Em muitas ocasiões,
Sofres ante os próprios gritos,
Abafados nos conflitos
Das tentações a transpor...
É o fel do orgulho ferido,
A rebeldia, a tristeza,
As lutas da natureza,
Agindo em nome do amor.

Queres seguir nos princípios
Que a Lei Divina te aponta,
Mas as sombras são sem conta
Que o desânimo produz...
Cais, reergue-te e caminhas,
Às vezes, cambaleando,
E, em preces, perguntas quando
Chegarás à Grande Luz.

Entretanto, alma querida,
Deus nos conhece os problemas,
Cala-te, serve e não temas
Treva, amargura ou pesar...
O erro é sinal de escola,
A dor é ensino amigo
E Jesus segue contigo.
Não pares de trabalhar.

                                 Maria Dolores
Do livro:
Somente Amor
Maria Dolores e Meimei
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 15 de Julho de 2010, 00:32

O TEMPO

O tempo é o campo eterno em que a vida enxameia
Sabedoria e amor na estrada meritória.
Nele o bem cedo atinge a colheita da glória
E o mal desce ao Paul da lama, cinza e areia.

Esquece a mágoa hostil que te oprime e alanceia.
Toda a amargura é sombra enfermiça e ilusória...
Trabalha, espera e crê... O serviço é vitória
E cada coração recolhe o que semeia.

Dor e luta na Terra – A Celeste Oficina –
São portas aurorais para a Mansão Divina,
Purifica-te e cresce, amando por vencê-las...

Serve sem perguntar por “onde”, “como” e “quando”,
E, nos braços do Tempo, ascenderás cantando
Aos Píncaros da Luz, no País das Estrelas!

                                     Amaral Ornellas
Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 15 de Julho de 2010, 13:31
Querido amigo Lima Gil

Parabéns pelas belas mensagens! Que Deus o proteja e ilumine os seus caminhos! Abraço carinhoso da amiga Katia

Quero compartilhar contigo e com os nossos amigos desse Fórum essa poesia:


                                Espera coração

   Sombra e desolação...Foge a promessa
   Do último sonho, sob o céu nevoento...
   Trazes agora a dor do pensamento,
   Em que a noite de lágrimas começa.

   O fel no peito é qual vulcão violento,
   Cujo rugido lúgubre atravessa
   A natureza que se processa
   À custa de aflição, granizo e vento!...

   Se a provação te envolve em desventura,
   Não te amedronte a imensa estrada escura,
   Acende a fé no amor que te alumia...

   E, embora a angústia da alma atormentada,
   Espera, coração, que a madrugada
   Fará nascer o sol do novo dia!...

                      Gustavo Teixeira
                  (do livro Vereda de Luz)

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 16 de Julho de 2010, 03:50
Olá, estimada amiga Kátia:

Que beleza de soneto! Já peguei logo uma cópia para mim, antes que não consiga mais visualizá-lo neste espaço. Parabéns por ter captado o espírito deste tópico, destinado, não a qualquer poesia, mas, principalmente, àquelas que nos venham do Alto — a poesia mediúnica — ou qualquer outra que tenha um sentido mais elevado ou profundo; que traga realmente uma mensagem digna da reflexão para todos os irmãos e irmãs que acessam este abençoado Fórum. Paz! Um fraternal abraço do seu amigo e irmão Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 17 de Julho de 2010, 05:01

AÇÃO DE GRAÇAS

No tempo que se desdobra,
Sem um minuto de sobra
No dia a se recompor,
Entendendo o tempo agora,
Pelos bens de toda hora,
Muito obrigado, Senhor!...

Pelo Sol que envolve o mundo,
Pelo pão vivo e fecundo,
Pela fonte, pela flor,
Por toda a amplidão que vejo
Do trabalho benfazejo,
Muito obrigado, Senhor! 

Pela fé que me descansa
No regaço da esperança,
Pelas promessas de amor,
Pelo caminho risonho
Do ideal a que me exponho,
Muito obrigado, Senhor!...

Por todas as alegrias,
Ante as bênçãos que me envias
Do Plano Superior,
Pelos problemas e provas
Da senda em que me renovas,
Muito obrigado, Senhor!...
                             
                         Maria Dolores
Do livro:
Somente Amor
Maria Dolores e Meimei
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 17 de Julho de 2010, 16:37
   Querido amigo Lima Gil

   Fiquei feliz em saber que gostou desse soneto!
   Estou realmente muito satisfeita em participar e compartilhar poesias,
   mensagens e pensamentos.É muito bom verificar o esforço de cada um dos  irmãos e amigos em tornar esse espaço virtual um cantinho agradável para a
   reflexão diária.
   Muito grata por compartilhar essa poesia de Maria Dolores, uma das minhas
   autoras prediletas!
   Que Jesus te abençoe, te ilumine e o mantenha com muita saúde e paz!
   Ofereço uma poesia para ti e todos os nossos amigos virtuais


                                        Anseio

    Admiro, Senhor,
    As cataratas imponentes
    Acionando turbinas,
    De cuja força e majestade
    O progresso desponta;
    Se permites, porém,
    Que algo te rogue a mais no que me concedeste,
    Dê-me a simplicidade
    Que puseste na fonte.

    Admiro, Senhor,
    O tronco alto e robusto
    Que domina a montanha
    E enfrenta sem receio
    A tempestade, face a face;
    Mas, se posso escolher,
    Viveria feliz, anônima no vale,
    Na condição da erva que se inclina
    Para que o vento passe.

    Admiro, Senhor,
    A seara no campo,
    Em plena afirmação de vitória e fartura,
    Recordando um céu verde
    Que em pepitas douradas se constela;
    No entanto, se consentes
    Que me externe, mostrando o meu desejo,
    Quisera ter o encargo pequenino
    Da semente singela.

    Admiro, Senhor,
    Todas as maravilhas que criaste,
    O firmamento, os sóis, os continentes,
    As rochas entre as quais talhaste a Terra
    Sobre imenso maciço;
    Dá-me, porém, a graça da humildade,
    Que eu venha a ser, no mar de Tua Glória,
    Uma gota sem nome,
    Ocupada em serviço.

                          Iveta Ribeiro
                   (do livro Vereda de luz)

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 18 de Julho de 2010, 02:41
Querida amiga Kátia:

É motivo de grande alegria quando a vejo acessar nossos tópicos, sempre trazendo uma nova mensagem, oração ou uma bela poesia como esta. É muito lindo observar que as pessoas vão se soltando à medida que o tempo passa e que sentem a sincera atenção que vimos dando a essa crescente contribuição para o engrandecimento deste valioso espaço. Espero jamais desmerecer a confiança dos irmãos e irmãos que junto conosco buscam dar a sua melhor contribuição para ampliar a divulgação de nossa abençoada doutrina, nessa forma dinâmica e moderna. Paz e Luz para todos os membros deste Fórum. Para você, Kátia, um abraço carinhoso do amigo e irmão que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: yvon em 18 de Julho de 2010, 05:50
amigo ! gostei muito desta poesia SUPREMACIA DA CARIDADE é realmente linda

tem uma que acho que é a que mais gosto do livro parnaso que é a poesia chamada A MORTE de castro alves se não me engano !
parabens pela iniciativa linda !
que Jesusu nos abençoe sempre com essas luzes vindas do ceu!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 19 de Julho de 2010, 01:26
Caro irmão Yvon Costa:

Boa noite!
Grato pelo incentivo de prestigiar nossos tópicos com sua presença e comentários. Com a freqüência de três a quatro vezes por semana, estamos sempre postando novas mensagens, orações ou poesias, nos Sub-Quadros: Acção do Dia, Auto-Conhecimento e Outros Temas. Conheça também algumas de nossas idéias e citações favoritas no nosso perfil do Facebook. Sobre o poema “A morte”, de Castro Alves, concordo que é muito lindo, mas inviável para postar no Fórum, pelo estilo épico, grandiloquente, contendo 15 estrofes com um total de 120 versos. Não é impossível, mas teria que ser seccionado e aí, comprometeria a compreensão da mensagem e até mesmo o interesse da maioria dos membros deste abençoado Fórum. Continue a nos acompanhar que sempre verá algo que agrade ao seu coração. Perseveremos no bem até o fim e busquemos a Paz em Deus, o sagrado objetivo da Vida para todas as criaturas. Meu abraço, meu afeto, meu carinho. Fraternalmente, seu irmão Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 29 de Julho de 2010, 06:05
GLÓRIA AOS HUMILDES

Ai da ambição do mundo, ai da vaidade
Que se mergulham sob a noite escura,
Noite de dor que além da sepultura
Nos afasta da vida e da verdade.

Só o caminho divino da humildade
Pode ofertar a luz radiosa e pura,
Que vem salvar a mísera criatura
Confundida no abismo da impiedade.

Pobres da Terra, seres infelizes,
Cheios de prantos e de cicatrizes,
Levantai vosso olhar sereno e forte.

Não maldigais a ulceração da algema,
E esperai a vitória alta e suprema,
Que Jesus vos prepara além da morte.
                                         
                                   Cruz e Souza

Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Julho de 2010, 09:12
                               VIVA  JESUS!

      Bom-dia! queridos irmãos.

          " Tenho uma espécie de dever de sonhar sempre, pois não sendo mais, nem querendo ser mais, que um espectador de mim mesmo, tenho que ter o melhor espetáculo que posso. Assim, me construo a ouro e sedas, em salas supostas, palco falso, cenário antigo, sonho criado entre jogos de luzes brandas e músicas invisíveis. "
 ( do Livro do Desassossego-Fernando Pessoa )

                                PAZ, MUITA PAZ !
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 31 de Julho de 2010, 07:47

Olá, amigo dOM JORGE:

Muito grato por sua decisão de constantemente estar a contribuir para o enriquecimento deste abençoado Fórum, participando, assim, ativamente do movimento espírita virtual. Paz e Luz! Aceite o abraço fraterno do irmão e amigo que muito o estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 31 de Julho de 2010, 08:13
        Afeições

   Se pretendes conquistar
   A benção do amor na vida,
   Não prendas, alma querida,
   O coração de ninguém.
   O amor é assim qual o rio
   Que tanta grandeza encerra,
   Ele o irmão... A irmã é a terra,
   Unidos fazendo o bem.

   Se a terra prendesse o rio,
   Ei-lo pântano perfeito;
   Se o rio largasse o leito,
   Eis o deserto a reinar;
   Mas se um apóia o outro,
   Trabalhando livremente,
   Formam a grande corrente
   Que se renova no mar.

   Nessa linha, as afeições,
   Sob o respeito profundo
   Que devemos dar ao mundo,
   Aos que amamos- teus e meus-
   São sempre o amor sem mudança
   Em constante primavera,
   A luz divina que espera
   Mais luz nas Luzes de Deus.

         Maria Dolores
     (do livro homônimo)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 01 de Agosto de 2010, 03:46
Querida amiga Kátia:
 
Mais uma belíssima poesia que postas nesse tópico, enriquecendo mais ainda este nosso abençoado Fórum. Muito grato por sua perseverança, superando tantas dificuldades familiares, para dedicar seu precioso tempo na divulgação de mensagens espiritistas neste valioso espaço virtual. Deus está contigo e Jesus certamente abençoa todo e qualquer esforço na construção do Seu Reino de Amor, na mediada em que estamos nos ajudando uns aos outros nessa constante troca de mensagens, poesias e orações, que nos mantêm o máximo antenados com o Bem Maior. Paz! Sinta o abraço fraterno do amigo e irmão que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 01 de Agosto de 2010, 12:04
   Querido amigo Lima Gil

Estar aqui nesse espaço virtual é um prazer e uma dádiva divina, pois aqui não há lugar para discussões.É um cantinho de paz, onde faço uma pausa para reflexões diárias.

Obrigada por sua iniciativa e por manter esse espaço tão agradável ao nosso coração sedento de paz!

Um abraço carinhoso da irmã e amiga

Katia
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 01 de Agosto de 2010, 12:12
       Nota íntima


Procuras por segurança
Na luta de cada dia...
Se queres refúgio certo,
Trabalha, serve, confia.

Encontras dificuldades,
Anseias por melhoria;
Em qualquer parte onde estejas,
Trabalha, serve, confia.

Carregas fardo pesado
De angústia e melancolia...
Se buscas libertação,
Trabalha, serve, confia.

Padeces em solidão
Por falta de companhia?
Socorre as dores alheias,
Trabalha, serve, confia.

Ressentimento, azedume,
Tristeza, desarmonia...
Esquece o mal, faze o bem,
Trabalha, serve, confia.

O próprio Deus, por leis justas,
Na Eterna Sabedoria,
Agora e sempre, com todos,
Trabalha, serve, confia

       Casimiro Cunha
(do livro Assembléia de luz)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 02 de Agosto de 2010, 06:35
Querida amiga Katia:

É muito gratificante vê-la sempre por aqui, semeando tantas poesias e demonstrando que as dificuldades e apreensões que atravessa não são capazes de abater o seu bom ânimo. Parabéns pelo esforso constante na divulgação de nossa abençoada douutrina. Sinta o abraço fraternal do irmão e amigo que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 02 de Agosto de 2010, 06:40

VIDA

Nem a paz, nem o fim! A vida, a vida apenas
É tudo que encontrei e é tudo que me espera!
O ouro, a fama, o prazer e as ilusões terrenas
São lodo, fumo e cinza no fundo da cratera.

Esvaiu-se a vaidade!...Os júbilos e as penas,
A alegria que exalta e a dor que regenera,
Em cenário diverso e aprimorando as cenas,
Continuam, porém, vibrando noutra esfera.

Morte, desvenda à Terra os planos que descobres,
Fala de tua luz aos mais vis e aos mais nobres,
Renova o coração do mundo impenitente!

Dize aos homens sem Deus, nos círculos escuros,
Que além do gelo atroz que te reveste os muros,
Há vida... sempre a vida... a vida eternamente...
                                             
                                   Edmundo Xavier de Barros
Do livro:
Parnaso de Além-Túmulo
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Agosto de 2010, 16:48
     Para a frente

Por mais sofras
Jamais desanimes.

O problema aparece
Carregando a lição

Surge a crise
Revelando a verdade.

Provações no caminho
Somam experiência.

Deus sabe o que precisas
Para seres feliz.

Segue à frente e não temas
Escorando-te em Deus.

     Emmamuel
(do livro Busca e acharás)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 02 de Agosto de 2010, 21:12
Querida amiga Katia:

Muito obrigado, irmã, por suas constantes participações neste Fórum, trazendo-nos mensagens, poesias e orações tão edificantes. Prossiga nesse valoroso trabalho de semear na bendita seara de nosso amado Rabi da Galiléia e, com toda a certeza, conseguirá manter a indispensável sintonia com as Forças Superiores do Bem Maior — tão importante para o nosso fortalecimento moral, com vistas a conseguimos a tão sonhada vitória sobre as fraquezas e imperfeições que por enquanto ainda nos caracterizam. Deus está conosco nessa empreitada em dierção ao Centro Divino que, estando em toda parte, se aloja especialmente no fundo de nossos corações. Seja forte e jamais desista da Vida com Jesus, por Jesus e para Jesus que, nos momentos mais difíceis, será Ele sempre a Divina Âncora a nos sustentar na jornada, a caminho da Luz Maior! Paz! Sinta o abraço amigo e fraterno deste irmão que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Agosto de 2010, 21:18
<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/Flor_449052250_003_flores.jpg)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLm5ldA==)[/url]
abraços afetuosos queridos amigos do bem maior!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 02 de Agosto de 2010, 22:30
Querida amiga Dothy:

Que beleza de mensagem! com essa maravilhosa fábula a nos convidar para estreitarmos cada vez mais os laços da amizade leal, sincera e duradora que já estamos construindo, com muito carinho e atenção, neste valioso espaço virtual. É isso aí, minha irmã, tudo o que concorre para a dilatação do Amor é muito conveniente para as nossas almas tão sedentas de um afeto sincero! No Evangelho Segundo o Espiritismo está escrito um belo pensamento oriundo das Instruções dos Espíritos, sob a direção superior do Espírito Verdade: o Amor opera a fusão dos seres! Isto, sim, é a Divina Vontade, refletida pelo nosso amado Mestre Jesus para a nossa humanidade terrestre, quando nos convoca à Divina União, em Sua oração sacerdotal:

"Para que todos sejam um, como tu, ó Pai, és um em mim e eu em ti. Que eles também sejam um em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste. (João, 17:21)".

Perseveremos todos no bem, a serviço da bendita seara do nosso Divino Amigo Jesus de Nazaré! Paz e Luz para todos os membros deste abençoado Fórum. Para você, minha amiga, um fraternal abraço do amigo e irmão que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Agosto de 2010, 22:33
Querido amigo Lima Gil

Obrigada por suas palavras sempre tão generosas e pelo apoio constante!

Daqui a pouco vou levar o Víctor lá no centro espírita.Me sinto muito bem lá e conto os dias para chegar a segunda-feira.

Que Deus o mantenha firme e forte!

Beijos e abraços carinhosos da amiga e irmã que muito o estima

Katia
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 02 de Agosto de 2010, 22:51
Querida irmã e amiga Katia:

Muito grato pelo incentivo constante. Observe que a estimada amiga já faz parte, não apenas do nosso coração, mas também das nossas preocupações da vida prática. Veja, com muita atenção, a mensagem que lhe enviei por E-mail, sobre a existência, em várias cidades, de Hospitais Espíritas, onde o tratamento é realizado com médiuns ou irmãos e irmãs nossos que possuem percepção extra-sensorial! Quem sabe possa a querida irmã, conseguir se conectar como uma dessas instituições mais próximas à sua residência, e tentar um tratamento especial para o nosso pequeno Vistor, paralelamente ao tratamento apométrico que vem realizando?! Tudo é válido quando o Amor está presente. Paz! Sinta o abraço amigo e saudoso deste seu irmão que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 04 de Agosto de 2010, 14:49
Querido amigo Lima Gil

Muito obrigada pelas mensagens enviadas por e-mail. Achei muitíssimo interessante a reportagem sobre o hospital espírita.Vou procurar me informar mais aqui no centro espírita que estou frequentando.

Mais uma vez, obrigada pelo incentivo constante e por sua atençaõ e carinho.

Sinta meu abraço carinhoso.Que Deus te abençoe

Katia
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 04 de Agosto de 2010, 15:04
   Carta do perdão


Alma boa, onde estivers,
Tranquiliza quem te escuta,
Seja na dor ou na luta
Da prova que envolva alguém...
Construindo entendimento,
Eis que a vida te deseja
A palavra benfazeja
Na garantia do bem.

Recorda: às vezes o incêndio
Que se amplia, cesce e arrasa
É uma faísca de casa,
Mantida em desatenção;
Vemos também grandes males,
Surgindo de bagatela
Que a sombra desenovela
Num pingo de irritação.

Fita os céus...De estrela a estrela,
O Universo brilha e avança
Com garbos de segurança
Que não se sabe explicar;
É Deus que nos lembra à vida,
Desde os Páramos Supremos,
O dever que todos temos
De servir e edificar.

Onde estiveres, atende
Ao nosso claro programa:
Desculpa, trabalha e ama
Em qualquer senda a transpor;
Onde a discórdia apareça,
Aí é que Deus te eleva
Por luz que dissipe a treva
Na benção do eterno amor.

      Maria Dolores
    (livro homônimo)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 05 de Agosto de 2010, 06:41

Querida amiga Katia:

Simplesmente marvilhosa essa poesia da nossa amorável Mentora Maria Dolores, a grande poetisa espiritual! Você captou muito bem a nossa idéia, ao criar esse tópico, buscando contribuir para o seu enriquecimento com lindas poesias efetivamente recebidas do Alto; daí o título Poesia do Bem Maior. Muito obrigado por sua persistente colaboração, econtrando sempre um tempo pra nos ajudar nesse valoroso trabalho de divulgação de nossa abençoada Doutrina de Amor e Luz. Parabéns, Katia e que o Senhor te abençoe cada dia mais um pouco! Paz! Sinta o abraço carinhoso deste amigo que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 05 de Agosto de 2010, 12:31
    Perdoa e serve

A mágoa não te aborreça
Nem te conturbe a alma aflita,
A frase que seja dita
Destacando a sombra e o mal
A Terra é uma grande escola
De beleza indefinida,
Mas, por vezes, tem na vida
A importância do hospital.

Quantos amigos encontras
De cabeça erguida à frente,
Sem mostrar a alma doente
Sob a forma juvenil;
As trevas de ódio violento,
Outro guarda o sofrimento
Que vem de amarguras mil.

Aquela mulher vistosa
De porte belo e perfeito
Exibe uma cruz no peito
Por adorno de eleição;
Mas, embora viva em festa,
Carrega junto a quem ama
Uma cruz de pedra e lama
Por dentro do coração.

Alma querida, não deixes
Que a mágoa te busque ou vença,
Perdoa qualquer ofensa,
Seja essa ofensa qual for;
Na luta entre o bem e o mal
Na construção do porvir,
Triunfa quem sabe agir
Usando a benção do amor.

      Maria Dolores
(do livro Alma e vida)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 06 de Agosto de 2010, 06:07

Querida amiga Katia:

Muito grato por essa beleza de poesia de nossa amorável Mentora Maria Dolores, com a qual vem enriquecer este valioso Fórum. Sinto que podemos todos nós contar com o seu bom senso e sua sabedoria na escolha das melhores mensagens, carregadas de ensinamentos morais, tão preciosos para a nossa transformação íntima. Será sempre bem-vinda, irmã querida! Paz! Aceite o abraço carinhoso e amigo do seu irmão Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 06 de Agosto de 2010, 07:03

AD INFINITUM

Na poeira dos tempos milenares,
Tenho vindo, centelha limitada,
Migrando, corpo em corpo, em mesma estrada,
Envolvendo em estranhos avatares!...

De partícula vil, um quase nada,
Fui molusco, fui alga em vastos mares,
Em ninhos de serpentes, tive lares,
Para após ser primata em escalada...

E embora hoje homem, trago em mim
O viscoso do verme em náusea atroz,
Do instinto bestial, algo feroz...

Mas se inda com chacais me sinto afim,
Caminho devagar, sem grande salto,
Inevitavelmente para o alto!

                                Augusto dos Anjos

Do Livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 06 de Agosto de 2010, 11:45
Pegadas Luminosas

Se queres ser feliz, Auxilia!!!
Se desejas que te ouçam, Ouça!!!
Se queres ser amado, Ame!!!
Quando descobrires o caminho, e, ao,
indicá-lo fores desacreditado;
crê em ti e segue, pois
algum dia vislumbrarás bem distante
espontar pequenas luzes na estrada.
Assim é a vida!!!
Um longo caminho!!!
Um grande aprendizado!!!
Onde o correto, o verdadeiro por
vezes começa só, mas um dia
perceberá muitos a seguí-lo.
Portanto: Não te afastes de tuas
verdadeiras convicções!!!
Não questiones se fostes ouvido,
seguido ou amado!!!
Esta estrada a ser achada é individual.
É longa, cheia de percalços e para
muitos ainda está bloqueada!!!
Procura afastar as pedras
de teu caminho e se conseguires
afasta também as do teu próximo.
Sem que ele perceba
propicia-lhe um atalho.
Deixa o caminho pronto e segue!!!
Completa a tua Obra
e Crê naqueles que te enviam Luzes.
"Vive de tal forma, que deixes pegadas
luminosas no caminho percorrido,
como estrelas apontando
o rumo da felicidade"

_Joana de Angelis
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 07 de Agosto de 2010, 17:22
     Vacina

Não esperes por fortuna
Para ajudar a quem chora,
Estende o apoio da hora,
Que possas movimentar;
Para o irmão que necessita
Migalha do que te reste
É benção que se reveste
De regozijo invulgar.

Talvez não saibas ainda
Que a criança desvalida
Sem proteção para a vida
Não conhece estrada sã;
Da cabeça pequenina
Cuja dor ninguém pressente
Pode nascer facilmente
O malfeitor de amanhã.

Muitos amigos alegam,
Seguindo estranha cartilha
Que amparo aos outros humilha
Sem justo apoio a ninguém;
Mas ignoram que olvido
Às dores da vida alheia
É mal que surge e se alteia
Ferindo a força do bem.

Apoia, ajuda, perdoa...
Na Providência Divina,
A caridade é vacina
Contra revolta e rancor;
Uma prece, uma esperança,
Um pão pobre e pequenino
São sempre tijolo e ensino
Erguendo o Reino do Amor.

     Maria Dolores
  (livro homônimo)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 08 de Agosto de 2010, 05:52

Querida amiga Katia:

Muito obrigado por essa belíssima poesia da Grande Poetisa do Além, nossa amada Mentora Maria Dolores. Fico sempre bastante feliz por perceber seu constante interesse por esse abençoado Fórum e peço a Deus que lhe dê muita saúde, inspiração e devotamento, pois Vc que nos comove com sua valiosa participação neste valioso espaço. Paz! Tenha um feliz dia dos pais, abrace seu companheiro em meu nome e dê um beijo especial nos seus amados filhinhos. Sinta mais uma vez o abraço amigo e carinhoso deste irmão que muito a estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 08 de Agosto de 2010, 05:59

Querida irmã Dothy:

Parabéns por mais esta mensagem, plena de ensinamentos valorosos para nos manter de pé nesssa jornada incessante, a caminho da luz! Com certeza, todos nós estamos precisando muito desses constantes pensamentos positivos, incentivadores e otimistas, como os desta linda mensagem da amorável mentora Joanna de ângelis. Obrigado, amiga! Permaneça nessa tarefa tão importante para o engrandecimento do movimento espírita virtual. Paz! Um forte abraço de seu irmão e amigo Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 08 de Agosto de 2010, 06:03
Querido amigo Lima Gil

Desejo um Dia dos Pais repleto de paz, saúde, alegria e felicidade com seus filhos e netos.

Um beijo e abraço carinhoso da amiga e irmã que muito o estima

Katia
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 08 de Agosto de 2010, 07:40

Olá, Katia:

Muito obrigado pelo desejo sincero expresso em suas palavras tão generosas.
Da mesma forma, em outro espaço, já desejei para minha grande amiga, que esse domingo seja de paz e harmonia em seu abençoado lar. Um beijo grande em seu generoso coração. Do irmão e amigo que muito a estima e admira,
Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 10 de Agosto de 2010, 06:24

RECORDAÇÃO DE BARRABÁS

Expirava, por fim, o Mestre Nazareno.
Cessara a gritaria... O Céu, dantes sereno,
De improviso apresenta a sombra que o invade...

Anuncia-se enorme tempestade.
 
Raros amigos
Permanecem no monte.
Cristo agora está morto,
Pendera-se-lhe a fronte
Despegada do lenho...
Tudo ali era pó, tristeza, desconforto...
 
Nisso, um homem tristonho e maltrapilho,
Qual mendigo varando a névoa espessa,
Abeira-se da cruz... É Barrabás
Que exibe extensa chaga na cabeça,
Sanguinolenta nódoa adquirida
Na enfermiça prisão que lhe amargara a vida,
Sem arrimo e sem paz.

O pobre delinquente
Que tivera o favor da multidão
Obtendo perdão,
Em lugar de Jesus,
Parou ali, fitando longamente
O réu crucificado.
 
“Por que motivo fora o Cristo condenado?”
- Em solilóquio amargo, refletia -
“Não era Cristo o Sol do novo dia,
O Grande Prometido anunciado?...”
 
Enquanto se ralava em pensamento,
Pequena gota de suor sangrento
Veio do morto a ele,
Em movimento subitâneo,
Talvez trazida pelo vento
Ao lhe pousar no crânio...

“Oh! prodígio dos Céus!...” - exclamou Barrabás,
E levando à cabeça as mãos inquietas,
Ajuntou assombrado:
- “Que vejo aqui? Estou recuperado!...
Este amigo dos pobres galileus
Terá vindo de Deus?...
A chaga que eu trazia em sangue e lodo
Foi curada de todo...
 
E erguendo mais a voz ao Céu, marcado a trevas,
Exaltou-se fremente:
- “Agradeço-te, oh! Deus Onipotente,
À inesperada graça a que me levas,
Curaste-me ao suor de teu Messias
A ferida cruel que me arrasava os dias,
Não só isto, porém,
Oh! Deus do Eterno Bem!
Não quiseste salvar quem falava em teu nome
E fizeste-me livre novamente,
Ante a comprovação de toda gente...
Não há condenação que me busque ou me tome,
Sinto-me, agora, oh! Deus, em plena luz,
Colocaste-me acima de Jesus!...
Matei, furtei, prejudiquei... No entanto,
Vejo-me sob a força de teu manto...
A ti, Grande Jeovah, o meu louvor sem fim,
Desprezaste a Jesus e libertaste a mim!...”
 
E tomado de orgulho,
Insensível de todo ao crescente barulho
Dos trovões e do vento em derredor,
Com terrível acento,
Ele bradou ao firmamento:
- “Fala, Grande Jeovah, o que já sei...
Abatido Jesus, conforme a Lei,
Livre, tal qual me vejo,
Serei eu o melhor?”

Entretanto, um dos anjos de alto nível
Que velava na tarde inesquecível,
Representando os Céus, ao pé da cruz,
Tomou a forma humana e disse:- “Barrabás,
Não nos roubes a paz,
Nem blasfemes, à frente de Jesus!...
Toda vida é missão perante Deus
Que a Lei de Deus pode alterar,
Reconstruir, mudar ou recompor
Nos princípios do amor!...
Mas ouve, meu irmão,
Entre a tua existência e a senda do Senhor
A diferença é ilimitada,
Aos chamados do Pai, eis que Jesus se eleva
Em liberdade plena, à Vida Soberana,
Quanto a ti, Barrabás, na estrada humana,
Continuas cativo às correntes da treva
Que entreteceste, em torno de ti mesmo...
Jesus resplenderá nos cimos do Universo,
Teu destino, porém, mostra rumo diverso...
No indulto que tiveste, ante aplausos embora,
Guarda a certeza disto:
Não mereces morrer para ser livre agora...
Com o amparo do Cristo,
Seguirás para a frente, a passo tardo,
Suportarás o fardo
Dos remorsos de fel a que te algemas...
O Senhor buscará nas Alturas Supremas
Os sóis livres do Eterno Alvorecer,
A Pátria dos Heróis, ridente e linda...
Quanto a ti, Barrabás, é cedo ainda
Para buscar o Além... O resgate é dever...
Segue, querido irmão,
À procura da própria redenção,
Necessitas da Terra... É preciso aprender!...”
 
Barrabás, assustado, pôs-se em pranto,
E vergado de dor, angústia e espanto,
Viu-se no temporal rude e violento,
Preso às cadeias do arrependimento...
E agora mais em si, mais solitário,
Desceu chorando as pedras do Calvário;
E espancado a granizo, a pensar e a sofrer,
Falava, a sós consigo, alarmado e abatido:
- “Graças de dou, meu Deus, por haver compreendido!...
Necessito da Terra... É preciso aprender!... ”
                                                 
                                                    Maria Dolores
Do livro:
Somente Amor (Maria Dolores e Meimei)
Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 10 de Agosto de 2010, 07:44
   Resposta de amigo

Queres saber no Evangelho
Como agir, como acertar...
A indicação é servir
Sem nunca desanimar.

Espinhos, pedras, ofensas
Com que te busquem marcar...
Perdoa constantemente,
Sem nunca desanimar.

Procuras novo horizonte
Para a harmonia no lar..
Cultiva a benevolência
Sem nunca desanimar.

Desencantos e amarguras
Da senda particular...
Espera melhores dias
Sem nunca desanimar.

Sucumbiste à tentação
No pó da sombra vulgar...
Ergue-te, luta e confia
Sem nunca desanimar.

Suspiras por afeições
Viver, produzir, amar...
Faze o bem, somente o bem,
Sem nunca desanimar.

Anseias trazer a vida
Repleta de bem-estar...
Cumpre o dever que assumiste
Sem nunca desanimar

Se sonhas vencer no mundo,
Ascender, edificar...
Atende às lições do Cristo,
Sem nunca desanimar.

     Casimiro Cunha
(do livro Assembléia de luz)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 10 de Agosto de 2010, 23:38

Querida amiga Katia:

Obrigado por compartilhar mais essa bela poesia de Casimiro Cunha, que nos proporciona edificantes ensinamentos para que busquemos vivenciar os momentos mais difíceis com renúncia que nos ajude a todos nós a superar ofensas, amarguras e alfinetadas da vida, sem jamais desanimarmos em nossa jornada evolutiva. Mensagem poética muito construtiva e otimista. Paz! Aceite um carinhoso abraço do seu amigo Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 10 de Agosto de 2010, 23:49
   Dia novo, oportunidade renovada.

                        Cada amanhecer representa divina concessão, que não podes nem deves desconsiderar.

                        Mantém, portanto atitude positiva em relação aos acontecimentos que devem ser enfrentados; otimismo diante das ocorrências que surgirão coragem nos confrontos das lutas naturais; recomeço de tarefa interrompida; ocasião de realizar o programa planejado.

                        Cada amanhecer é convite sereno à conquista de valores que parecem inalcançáveis.

                        À medida que o dia avança, aproveita os minutos, sem pressa nem postergação do dever.

                        Não te aflijas ante o volume de coisas e problemas que tens pela frente.

                        Dirige cada ação à finalidade específica.

                        Após concluir um serviço, inicia outro e, sem mágoa dos acontecimentos desagradáveis, volve à liça com disposição, avançando passo a passo até o momento de conclusão dos deveres planejados.

                        Não tragas do dia precedente o resumo das desditas e dos aborrecimentos.

                        Amanhecendo, começa o teu dia com alegria renovada e sem passado negativo, enriquecido pelas experiências que te constituirão recurso valioso para a vitória que buscas.

Joanna de Ângelis (espírito )/Divaldo Franco (médium), Episódios Diário de Elevação

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Agosto de 2010, 11:41
Não te canses de amar.
É possível q a resposta do amor
não te chegues imediatamente. Talvez
te causem surpresa as reações que
propicia. É possível que  as haja desencorajadoras.
Sucede que, desacostumadas aos sentimentos puros,
as pessoas reajem por mecanismos de auto-defesa.
Insistindo, porém, conseguirás demonstrar a
excelência desse sentimento sem limite e
mimetizarás aqueles a quem amas, recebendo
de volta a benção de que se reveste.
Ama, portanto, sempre.
(Joanas de Ângelis/Divaldo Franco).

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 12 de Agosto de 2010, 11:13
Poema da criança (Infantil)   



Dizes que sou o futuro,
Não me desampares no presente.
Dizes que sou a esperança da paz,
Não me induzas à guerra.
Dizes que sou a promessa do bem,
Não me confies ao mal.
Dizes que sou a luz dos teus olhos,
Não me abandones ás trevas.
Não espero somente o teu pão,
Dá-me luz e entendimento.
Não desejo tão só a festa do teu carinho,
Suplico-te amor com que me eduques.
Não te rogo apenas brinquedos,
Peço-te bons exemplos e boas palavras.
Não sou simples ornamento de teu carinho,
Sou alguém que te bate à porta em nome de Deus.
Ensina-me o trabalho e a humildade, o devotamento e o perdão.
Compadece-te de mim e orienta-me para o que seja bom e justo.
Corrija-me enquanto é tempo, ainda que eu sofra...
Ajude-me hoje para que amanhã eu não te faça chorar.

Autor: (Meimei/ Psicografado por Chico Xavier)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 15 de Agosto de 2010, 04:21
          Inteligência e amor

Agradeço, alma irmã, a indução à bondade
Com que a tua palavra nos alcança,
Porque falas de amor, sem que nos degrade
A força da esperança.

Quem se exprime, exaltando o desalento,
Quem somente à amargura se reporta
Vive de raciocínio desatento,
Na sombra que perturba ou desconforta.

Muitos irmãos conhecem lâminas atrozes,
Projéteis e instrumentos de tortura
E a tirania de sinistras vozes
Com que o delito se emoldura.

Mas não sabem que há gestos escarninhos
E discussões lembrando vendavais,
Afirmações que ferem qual espinhos
E frases semelhantes a punhais.

Quanta desolação por fala sem respeito
Esconde-se no mundo, onde a treva desabe!...
Quantas acusações sem base e sem direito?
Quantas chagas ocultas? Ninguém sabe.

Verbo que eleva, ampara, ama e elucida
Em quaisquer circunstâncias a transpor
É um dom de Deus nos caminhos da vida
E a palavra do bem é a música de amor

                  Maria Dolores
           (do livro Assembléia de Luz)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 16 de Agosto de 2010, 02:12

Querida amiga Katia:

Como é maravilhoso observar as pessoas florescendo ao nosso lado... Ainda ontem a irmã apresentava-se timidamente neste Fórum, embora sempre buscando trazer-nos contribuições positivas para o nosso aprendizado. Mas hoje sentimos que compreende muito melhor o nosso propósito planejado para cada tópico e, asim, a participação da amiga — como a de tantos outros irmãos e irmãs — é tão adequada que nos dispensa de postar com mais freqüência as nossas mensagens e poesias, já que os espaços vão sendo preenchidos naturalmente por todos aqueles que mais se interessem pelos mesmos. Obrigado, querida! Paz! Sinta o abraço carinhoso do seu amigo Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 16 de Agosto de 2010, 02:19

Querida amiga Dotty:

Incansável é essa tua vontade de contribuir para o nosso melhor aprendizado, nas imensas possibilidades que nos oferece a nossa abençoada doutrina. Linda essa poesia da criança — essa semente de luz que o Pai nos confia, para que O ajudemos na educação e no florescimentyo do amor em família. Obrigado, irmã, por sua genrosidade e simplicidade de coração! Paz! Receba os abraços fraternais do seu amigo Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 16 de Agosto de 2010, 07:45

VIDA

Não digas, coração, que a vida é triste,
Porque a vida é grandeza permanente
E a Natureza, em tudo, é um cântico de glória,
Desde o sol à semente.

Mágoas? Dizes que as mágoas lembram trevas,
Que nem de longe sabes entendê-las...
Contempla o céu noturno, revelando
Avalanche de estrelas.

Asseveras que os sonhos são feridas,
Quais picadas de espinhos agressores...
Fita o verde das árvores podadas,
Recobertas de flores.

Nos dias de aflição, ante a força das provas,
Recorda, na amargura que te oprime,
Que a ostra faz nascer do próprio seio em chaga
A pérola sublime.

Assim também, nas trilhas da existência,
Se choras sem apoio e caminhas sem paz,
Não te queixes do mundo... Serve, ama,
Espera e vencerás.

A vida!... Toda vida é luz eterna,
Escalando amplidões e buscando apogeus...
E a presença da dor, em qualquer parte,
É uma bênção de Deus. 

                          Maria Dolores
Do livro:
Antologia da Espiritualidade
Francisco Cândido Xavier
(Publicado na Revista O Reformador, Novembro de 2009).
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 16 de Agosto de 2010, 12:18
Que eu continue com vontade de viver,
mesmo sabendo que a vida é,em muitos momentos,
uma lição difícil de ser aprendida.
Que eu permaneçacom vontade de ter grandes amigos,
mesmo sabendo que,com as voltas do mundo,
eles vão indo embora de nossas vidas.
Que eu realimente sempre a vontade de ajudar as pessoas,
mesmo sabendo que muitas delas são incapazes dever,
sentir,entender ou utilizar essa ajuda.
Que eu mantenha meu equilíbrio,
mesmo sabendo que muitas coisas que vejo no mundo
escurecem meus olhos.
Que eu realimente a minha garra,
mesmo sabendo que a derrota e a perdasão ingredientes
tão fortes quantoo sucesso e a alegria.
Que eu atenda sempre mais à minha intuição,
que sinaliza o que de mais autêntico eu possuo.
Que eu pratique mais o sentimento de justiça,
mesmo em meio à turbulência dos interesses.
Que eu manifeste amor por minha família,
mesmo sabendo que ela muitas vezes
me exige muito para manter sua harmonia.
E,acima de tudo...
Que eu lembre sempre que todos nós
fazemos parte dessa maravilhosa teia chamada vida,
criada por alguém bem superior a todos nós!
E que as grandes mudanças não ocorrem por grandes feitos
de alguns e,sim,nas pequenas parcelas cotidianas
de todos nós!

(Chico Xavier)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 17 de Agosto de 2010, 02:37
    Paciência


Paciência-o olhar de mãe
Velando o filho doente
Que piora, de repente,
Gemendo sem proteção;
Nem ela, porém, nem ele
Mostram qualquer rebeldia,
Eis que a dor os associa
Em fervorosa oração.

Paciência-o lar singelo,
A mesa que se descobre...
Ante a sopa humilde e pobre,
A família se bendiz...
Depois, conversa e proveito
Ao clarão da vela acesa,
Demonstrando que a pobreza
Também pode ser feliz.

Paciência-o dom da calma,
Perante o verbo agressivo,
Mantendo o trabalho ativo,
Sempre a esquecer-se no bem;
É o silêncio generoso
Do coração que se faz
O mensageiro da paz
Que não perturba a ninguém.-o entendimento
Da pessoa que irradia
Tranquilidade e alegria,
Tolerância, amor e luz...
Paciência é a fé que age,
Servindo, embora a sofrer,
Agradecendo o dever
De cooperar com Jesus.

   Iveta Ribeiro
(do livro Assembléia de Luz)<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/Gatinhos_1314609670_0030.gif)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLm5ldA==)[/url]

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 17 de Agosto de 2010, 10:55
Abra teu coração

Letícia Thompson

 

Quando tua alma

Parecer pequena,

Mesmo quando achar

Que amar não mais vale a pena,

Abra teu coração!

E quando a noite chegar

E a solidão te alcançar,

Ainda assim, eu peço,

Abra teu coração!

Vou te contar um segredo:

Um coração

Só abre por dentro

E só o dono tem a chave!

E se ele se fecha ou se abre

Depende unicamente de ti.

Abra!

Tire as mágoas,

Jogue fora as tristezas,

Deixe somente doces lembranças

E faça um lugarzinho

Pra acolher as belezas

Que a vida te reserva.

Tenho certeza

Que a ternura vai fluir.

Teu coração renovado

Será fonte de alegria,

E será maravilhoso te ver sorrir.

 

 



 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: sensitive em 17 de Agosto de 2010, 11:23
Ola!

Nado para ver,
para olhar justado,
consagrado a Torre, O mundo é um agrado!

Olho lá para longe,
vejo aqui pertinho:
A lua, as estrelas,
a mata, o corcinho.

E em todos vejo
o adorno sem fim,
 e como me agradou,
eu me agrado a mim.

Meus felizes olhos,
tudo o que sentistes
fosse como fosse
em beleza o vistes!


Um poema pequeno mas que adoro, do grande escritor e poeta"Goethe"

Abraço

Sensitive


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 18 de Agosto de 2010, 11:59
Querida sensitive

Parabéns por compartilhar esse belo poema!

Que você tenha um dia feliz!

Abraço carinhoso da

Katia


<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/Conselhos_394932650_0042.gif)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLm5ldA==)[/url]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 18 de Agosto de 2010, 12:21
   Família e vida

Família é o ponto de encontro,
Que a vida, em si, nos oferta,
Para a conta viva e certa
Do que se tem a fazer;
Ás vezes indica, indica empresas
De amor, renuncia e talento,
De outras, é o pagamento
De débitos a vencer

No lar, ressurgem afetos,
Dedicações incontidas,
Riqueza em luz de outras vidas
No tempo, a se recompor;
Mas também, dentro de casa,
É que o ódio de outras eras,
Abreferidas austeras,
Reconduzindo ao amor.

Vemos pais largando os filhos
Com desprezo e indiferença,
E os filhos em turba imensa
Combatendo os próprios pais;
Parentes contra parentes,
Lembrando aversões em brasa,
Unidos na mesma casa
Sob direitos iguais.

Se sofrimento em família
É o quadro em que te renovas,
Tolera farpas e provas,
Aceitando-as, tais quais são!...
Não fujas!...Suporta e avança!...
Sê tolerância, onde vás,
Segurança pede paz
E a paz é luz do perdão.

        Maria Dolores
   (do livro Alma e vida)


Querida amiga Dothy e querido amigo Lima Gil

Desejo a vocês um dia cheio de paz e realizações no bem!

<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/Rosas_1090322111_rosa034.gif)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLm5ldA==)[/url]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Agosto de 2010, 14:07
   ***PALAVRAS***
Falamos tanto em tomarmos atitudes positivas, pensarmos positivo, agirmos de maneira positiva. Falamos também em dizermos coisas positivas. Só que poucos pensam no poder que têm todas as palavras na nossa vida e nas dos outros.

As palavras têm poder!
E disse Deus: -Haja luz! E houve luz!
Com palavras Ele criou o mundo.
As palavras têm grande poder em tudo o que fazemos. Tudo o que proferimos vai agir em nos, vai influenciar em toda a nossa vida e na daqueles que convivem conosco. Pouco pensamos ao etiquetarmos os outros. Nao refletimos a nossa falta de cuidado ao etiquetarmos as pessoas de lerdas, bobas, burras, idiotas, sem jeito, retardadas... e tantas coisas que podem sair da nossa boca. Entao pensamos isso sao apenas palavras e nao aquilo que desejamos para as pessoas.
Mas...
Palavras cortam, ferem, curam, consolam, maldizem, bendizem, abençoam, amaldiçoam, constroem, destroem. E uma vez ditas, nao ha como voltar atras.
Quem diz que morre de saudade, de sede, de fome, de odio e até de amor, vai morrendo aos pouquinhos de verdade, porque é isso o que disse e as palavras pesam.
Jesus disse à figueira para que secasse e esta secou; disse ao mar que se acalmasse e este se acalmou; disse "-levanta-te e anda" e o deficiente andou... Quanto poder nas palavras do Mestre!!!
A nos foi dado também o poder, mesmo se nossa fé é menorzinha que um grão de mostarda.
Não pensamos muito quando falamos. Quando irados, nem mesmo pensamos. Portanto... quao bom seria refletíssemos antes de dizer um ai.
Falamos por falar, porque todo mundo fala e que é assim mesmo. Mas nos surpreendemos quando as coisas começam a acontecer. Entao dizemos que parece até que estávamos adivinhando... ou o clássico: "eu nao disse?" Claro, disse sim, adivinhamos sim... nada mais natural que os desejos do nosso coração se realizem.
É possível mudar a consequência dos fatos na nossa vida, mudando nosso modo de expressão. E possível trazer bênçãos e saúde, felicidade para nós, nossos filhos, nossos amigos, nossa família.

Letícia Thompson


  Katia,,abraço afetuosos amiga...
  Ótimo dia de paz e Luz p ti!!!

  Amigo lima..abraço fraterno
mta paz em teus dias!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 19 de Agosto de 2010, 05:50

Querida amiga Katia:

Miuito grato por compartilhar essa belíssima poesia de Maria Dolores e por todas as tuas admiráveis contribuições para enriquecer cada vez mais este abençoado espaço. Luz e Paz para minha irma e todos os membros deste abençoado Fórum! Sinta agora o carinhoso abraço do iemão que muito te estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 19 de Agosto de 2010, 05:54

Querida irmã Dothy:

É sempre muito gratificante encontrá-la por aqui, prestigiando nossos tópicos que, cada dia mais, ganham vida própria. Nem mais me preocupo comm eles, pois sinto que nossos irmãos e irmãs já têm suficiente amor e dedicação para tocar esse abençoado barco para frente. Parabéns, amiga! Paz! Sinta agora o abraço afetuoso deste irmão que muito te estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 19 de Agosto de 2010, 05:59

Prezada irmã Sensitive:

Muito bom dia e prazer em conhecê-la! Fico bastante sensibilizado em vê-la por aqui, trazendo sua valiosa contribuição para enriquecer este espaço. Seja bem-vinda e acompanhe nossos outros tópicos, nos Sub-Quadros: Acção do Dia, Auto-Conhecimento e Outros Temas. Volte sempre que quiser ou puder. Seja feliz, alegre, entusiasta e otimista, e nusque a Paz em Deus, o sublime objetivo da Vida para odas as criaturas! Meu abraço, meu carinho, meu afeto. Fraternalmente, seu irmão e amigo Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: sensitive em 19 de Agosto de 2010, 10:58
Olá Lima!

Obrigada pelo seu carinho.
Deixo aqui mais um poema de Goethe, foi o que estudei mais profundo
 e o que eu mais adorei na Literatura.


A alma do homem
é como a água:
do céu vem,
ao céu sobe,
e de novo tem
que descer a Terra,
em mudança eterna.


Corre do alto
rochedo a pino
o veio puro,
então em belo
pó de ondas de névoa desce a rocha liza
e acolhido de manso
vai, tudo velando
em baixo murmúrio,
lá para as profundezas.

Erguem-se penhascos
de encontro a queda,
vai espumando em raiva,
degrau em degrau
para o abismo.


No leito baixo
desliza ao longo do vale relvado,
e no lago manso
passem seu rosto
os astros todos.

Vento é da vaga
o belo amante
vento mistura do fundo ao cimo
ondas espumantes.


Alma do Homem,
és bem como a agua!
Destino do homem,
és bem como o vento!




Abraço


Sensitive










Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 19 de Agosto de 2010, 17:10
Querida amiga Sensitive:

Muito grato e feliz por essa valiosa contribuição com que brinda a todos os membros deste abençoado Fórum. Agora, sei que poderemos sempre contar com mais uma irmã a colaborar para a mais ampla divulgação da doutrina. Observo que ama a poesia. Pois bem: busque trazer também, se possível, poesias, sonetos, quadrinhas mediúnicas, mas sinta-se livre para postar tudo aquilo que seja construtivo, OK? Acompanhe também nossos demais tópicos, nos Sub-Quadros: Acção do Dia, Auto-Conhecimento e Outros Temas. Já incluí seu E-mail em nossa lista pessoal para receber lindas mensagens e vou incluí-la também em nossa relação de amigos. Paz! Sinta, agora, o abraço afetuoso do seu irmão e amigo Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 20 de Agosto de 2010, 07:05

BÁLSAMOS

Vós que vindes das trevas milenares,
Arrastando cadeiras de torturas,
E de olhar projetado nas alturas
Ensaias alcançar puros altares;

Vós que sentis as mais cruéis tonturas,
Atirados no abismo de pesares
E sendo arrebatados nestes mares
Em que vos azorragam ondas duras;
 
Cale-se em prece vosso amargo pranto...
Seja a dor mais soturna o apelo santo
Que a Bondade mais alta vos envia!...
 
Verta de vosso peito apunhalado
O perfume que ampara o desgraçado
E atingireis a Paz do Eterno Dia!

                                    Cruz e Souza
Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 24 de Agosto de 2010, 03:51
       Aos pequenos companheiros

 

Deus fez da vida um jardim,

Fez do mundo o nosso lar,

Onde aprendemos a amar

Sua grandeza sem fim.

 

Em todas as direções,

Nas cidades, nos caminhos,

No campo, no mar, nos ninhos,

Há sempre grandes lições.

 

No prazer, no sofrimento,

Na noite longa e sombria,

Na claridade do dia,

Tudo é flor de ensinamento.

 

Colhamos bênçãos de luz

Nas lutas que a vida encerra ...

O jardim é toda a Terra,

O jardineiro é JESUS.

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido - João de Deus

           
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 24 de Agosto de 2010, 04:03

Querida amiga Katia:

Muito grato pr essa linda poesia que oferces a todos os membros deste valioso Fórum. Prabéns, mais uma vez, por essa garra , esse belo exemplo de perseverança e serenidade, em meio à gama de problemas e dificuldades que vens enfrentando, sem jamais deixar-se abalar. Abençoada sejas pela coragem e equilíbrio diante da dura prova que te foi confiada.  Abraços carinhosos deste irmão e amigo que muito te estima, Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 24 de Agosto de 2010, 17:21
ONDE ENCONTRÁ-LO?
  Procure-o na beleza do amanhecer de um novo dia,
no vôo dos pássaros, na brisa fresca, no cheiro da terra molhada,
no sol que clareia e aquece.

Olhe como são belas as estrelas e uma noite de luar,
lá está Ele, a te observar.

Perceba a chuva refrescando a terra pra ela fertilizar,
é Ele a "comandar".

Veja tudo o que a natureza pode te proporcionar,
e de graça, coisas magníficas, não é?

Olhe agora a sua volta, bem a seu lado, veja o seu "próximo",
nele está Ele a te chamar.

Sinta como Ele está dentro de nós,
e não apenas, no meio de nós,
espalhe sua luz, realize suas Bênçãos.

Ele é a vida "pulsando dentro de você",
é o teu bom astral a alegrar,
a "esmola" que você dá, a fome e a sede que você "mata",
o consolo, de suas palavras a confortar,
a paz que você transmite,
É a felicidade que você proporciona,
tudo de bom que você puder ao mundo dar,
é a energia que em seu corpo está,
fazendo você "lutar", sem jamais desanimar,
está em tudo que dá prazer, é tua vontade de viver,
tua esperança, teu abraço sincero, teu brilho no olhar,
nfim, é a medida de AMOR que você dá.


(Autor Desconhecido)

Abraços fraterno a todos os amigos e irmãos deste espaço...Sejam Bem-Vindos!!!

Abraços afetuoso amigo Lima!!
Abraços afetuoso amigas  Kátia,Sensitive.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 25 de Agosto de 2010, 05:33
    Servir mais


 

Alma querida, não fales

De mágoa e ressentimento,

Ante o impacto violento

Da dor, onde quer que vás;

Esquece-te e prossigamos

No esforço de nosso nível,

Agindo, quanto possível,

Para o sustento da paz.

 

Além das áreas de angústia

Em que a penúria domina,

A prova se descortina

Onde sobram teto e pão:

Muito conforto que anotas

Traz a lágrima escondida

E o ouro que enfeita a vida

Muitas vezes surge em vão.

 

O progresso se agiganta,

Continente a continente,

A cultura exige frente,

Quer o gênio mais lugar;

Levantam-se arranha-céus,

O cérebro ganha altura,

Mas ouve-se a desventura

Do sentimento a chorar.

 

Casas nobres abrem alas

Para a vitória do estudo,

Mostra o povo anseio agudo

De Vida Superior;

Mas o tóxico se espalha,

Sob lances infelizes,

O lar é um campo de crises

À míngua de paz e amor.

 

A guerra que vibra acesa,

De lado a lado do mundo

Feriu, a golpe profundo,

A confiança no bem;

Medo, tensão, amargura

Dos seres incompreendidos

São lágrimas e gemidos

Que atingem o Mais Além.

 

Sigamos, alma querida!...

Em dolorosos enganos,

Nos raciocínios humanos

A sombra alcança apogeus...

Elevemos, ante o Cristo,

As forças do coração...

Toda a Terra em transição

Tem fome da luz de Deus.

 

 

Livro ALMA E VIDA – Psicografia: Francisco Cândido Xavier-Maria Dolores


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 27 de Agosto de 2010, 01:17
    Esperança

 

Repara a luz da esperança

Sempre viva, sempre acesa,

Fulgindo sem descansar

Na bênção da Natureza.

 

A terra aguarda a semente

E a semente a floração.

Para a vitória do fruto

Em graça, beleza e pão.

 

O ninho da tempestade,

Ante a fúria que o balança,

Espera, silencioso,

Que o céu retorne à bonança,

 

Pedras aguardam buril

Para brilharem ditosas,

E o charco espera socorro

Para esmaltar-se de rosas.

 

O inverno rígido e triste,

Embora a engelhar-se, espera

O sol quente e generoso

Que virá na primavera.

 

Assim, também no caminho,

Se o pó da mágoa te alcança,

Não te mergulhes na queixa,

Nem percas a confiança.

 

Há vozes da experiência

Na dor que te dilacera...

Diz a vida: "Ama e confia!"

Diz o tempo: “Espera, espera”.

 

"Para quem cala Deus fala",

Ensina velho rifão.

Espera com Deus, que o tempo

É o mestre do coração.

 

Fonte: Do Livro “Assembléia de Luz” Francisco Cândido Xavier-Casemiro Cunha


<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/Sabedoria_398812870_mensagens077.jpg)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net[/url]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 27 de Agosto de 2010, 01:50

Queridas amigas Katia e Dothy;

Perdoem-me responder em conjunto, mas o volume de respostas que busco sempre atender é tão imenso que não mais estou conseguindo dar conta e, como as amigas sabem, gosto muito de dar uma especial atenção, com vistas a incentivar a mais ampla participação de todos os membros deste Fórum em nossos tópicos, sendo esta uma maneira de nos unirmos cada vez mais nesse belo propósito de aprender a servir na bendita seara do nosso amado Cristo Jesus. Obrigado, irmãs, por essas lindas poesias com que contribuem para o enriquecimento deste valioso espaço. Abraços carinhosos deste irmão e amigo quemuito as estima,
Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 27 de Agosto de 2010, 07:08

ETERNA CANÇÃO

Tomo a lira ressurgida
Nas brandas luzes do Além,
Para cantar com a vida
Louvando a Beleza e o Bem.

Na canção que a Natureza
Por toda parte irradia,
Cada nota que ela reza
É perfume de alegria!

Os sonhos primaveris,
Num orvalho em cada flor,
Num sorriso de petiz,
Sussurram frases de amor!...

A palavra de Perdão
— Raio dourado de paz —
Santifica o coração
De quem no mundo inda jaz...

Cada riacho na terra,
Cada gesto de carinho,
É mistério em que encerra
Um doce alívio ao espinho!

A própria morte, que às vezes,
Parece um gênio cruel
É cessação dos revezes,
É subida à luz do céu!
 
Pego da lira ofuscada
Por claridades do Além,
Para cantar: não há nada
Que vença a Beleza e o Bem!

                         Casimiro de Abreu

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Agosto de 2010, 11:31
Uma questão de tempo...

Sim... as pessoas que amamos são insubstituíveis ao nosso coração. Aquele lugarzinho que elas ocupam fica marcado com a presença delas, com o cheiro, com a forma e até o som do riso.

E quando elas partem forma-se o vácuo. Mas se a presença física se foi, ficam ainda as lembranças de tudo aquilo que foi construído juntos: os momentos vividos, as horas compartilhadas, muitas vezes as partidas e reencontros...

A saudade é tão indizível quanto a dor que ela provoca.

Mas ainda existe uma esperança: quem faz o bem aqui, nunca vai completamente: essa pessoa vive através dos ensinamentos que deixou, vive através das marcas que foi colocando em cada passo, cada acontecimento...

E o que reconforta é a esperança de que esse ponto final colocado é apenas passageiro, pois o Senhor nos prometeu que um dia, no céu, nós nos reconheceríamos.

Então... é apenas uma questão de tempo. Um dia a gente se reencontra fatalmente com aqueles que amamos e nos amaram acima de tudo nessa vida terrena. E enquanto estamos aqui, vamos deixando nossas marcas também, por que há os que precisam de nós e os que um dia irão querer viver com a esperança de nos reencontrar.

Assim, um dia, numa promessa feita por Deus, haverá no céu uma grande festa.

Tudo é uma questão de tempo.

(Letícia Thompson)

Bom dia amigos e irmãos...Sejam Bem-Vindos!!Sintam-se em familia!!
Que a Paz esteja em seus corações...Abraços fraternos!!!

Abraços afetuoso Amigos Lima..Kátia..Sensitive...Paz e Luz em seus corações!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 28 de Agosto de 2010, 15:49

Querida amiga Dothy:

É isso aí, filha minha! Sempre semeando neste espaço lindas e edificantes mensagens, cujo objetivo é nos despertar para as responsabilidades que nos cabem diante da valiosa oportunidade de resgate que nos é concedida aqui na Terra. Que Deus abençoe a tua indiscutível perseverança em seguir, amando e servindo, na bendita seara do nosso amado Cristo Jesus! Paz! Sinta, agora, o abraço carinhoso deste irmão que muito te estima,
Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Agosto de 2010, 15:05
   A COISA MAIS BELA DO MUNDO

Um célebre pintor, que tinha realizado vários trabalhos de grande beleza, convenceu-se, certo dia, de que ainda lhe faltava pintar a sua obra prima.

Em sua procura por um motivo, numa poeirenta estrada, encontrou um idoso sacerdote que lhe perguntou para onde se dirigia.

Não sei, respondeu o pintor.
Quero pintar a coisa mais bela do mundo.
Talvez que o senhor possa me orientar.

É muito simples - disse o sacerdote.
- Em qualquer igreja ou crença você achará o que procura.
A fé é a mais bela coisa do mundo.

Prosseguiu viagem o pintor.

Mais tarde, perguntou a uma jovem noiva se sabia qual a coisa mais bela do mundo.

O amor - respondeu ela.
- O amor torna os pobres em ricos, suaviza as lágrimas, faz muito do pouco.
Sem amor, não há beleza.

Continuou ainda o pintor a sua procura.

Um soldado exausto cruzou o seu caminho, e quando o pintor lhe fez a mesma pergunta, respondeu:
- A Paz é a mais bela coisa do mundo.
A guerra a coisa mais feia.
Onde você encontrar a paz, fique certo de que encontrará a beleza.

- Fé, Amor e Paz.
Como poderei pintá-las? -pensou tristemente o artista.

Meneando a cabeça desanimado, tomou o rumo de casa.
Ao entrar em sua própria casa, deu com a coisa mais bela do mundo.
Nos olhos dos filhos estava a Fé.
O Amor brilhava no sorriso de sua esposa.
E aqui, em seu lar, havia a Paz de que lhe falara o soldado.

Realizou assim o pintor o quadro "A coisa mais bela do mundo".

E, terminando-o, chamou-lhe "LAR".
(Goodwin)

Bom dia amigos e irmãos...Sejam Bem-Vindos!!
Que a Paz os receba neste espaço de Luz....Abraços fraterno a cada um
Sintam-se parte desta grande familia do forum!!

Abraços amigo Lima..Kátia...Vocês são fundamental em minha vida..Amo vocês!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 30 de Agosto de 2010, 23:22
                 Serve e esquece

 

 

Coração, ouve!... Se queres

 

A bênção da paz constante,

Trabalha e segue adiante,

Cumprindo o próprio dever...

Para vencer no caminho

Tristeza, treva e pesar,

Muito mais do que lembrar

A vida roga esquecer.

 

Esquece as mágoas sofridas,

As horas de céu cinzento,

O azedume, o desalento

E os tempos de provação;

Renova-te, dia-a-dia,

Não pares, contando lutas,

Progresso é o lema que escutas

No mundo em transformação.

 

Tudo procura a vanguarda,

A flor converte-se em fruto,

Do cascalho rijo e bruto,

Eis o diamante a surgir...

O fio forma o agasalho,

A própria noite se esquece

Na aurora que resplandece

Buscando a luz do porvir.

 

Da própria queda no erro,

Levanta-te e segue à frente,

Servindo incessantemente,

Tudo podes refazer;

Não te detenhas na angústia,

Ante o mal, prossegue e olvida,

As próprias nódoas da vida

A vida pede esquecer.

 

 

Do livro A Vida Conta. Psicografia de Francisco Cândido Xavier-Maria Dolores

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 31 de Agosto de 2010, 07:05

Queridas amigas Katia e Dothy:

Mais uma vez recebam nossa eterna gratidão pela importante contribuição que ambas vêm dando nestes nossos "subespaços" virtuais. Jamais esquecerei tanta atenção e as crinhosas palavras com que tenho sido tratado por esses corações tão generosos. Fiquem com Deus e com Jesus, sob o amparo da Espiritualidade amiga! Abraços carinhosos deste amigo de sempre que muito as estima,
Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 31 de Agosto de 2010, 08:47

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 31 de Agosto de 2010, 10:52
   CARIDADE

Ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos, se não tiver caridade, sou como bronze que soa ou como o címbalo que retine.


Mesmo que eu tivesse o dom da profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência; mesmo que tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tiver caridade, não sou nada.


Ainda que distribuísse todos os meus bens em sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, se não tiver caridade, de nada valeria!


A caridade é paciente, a caridade é bondosa.


Não tem inveja. A caridade é orgulhosa.


Não é arrogante. Nem escandalosa.

Não busca os seus próprios interesses, não se irrita, não se guarda rancor.


Não se alegra com a injustiça, mas se rejubila com a verdade.


Tudo desculpa, tudo espera, tudo suporta.


A caridade jamais acabará"


(I Cor 13)

Bom dia amigos e irmãos..Sejam todos Bem-Vindos..Sintam-se em familia!!
Que a Paz permaneça sempre em seus corações...Abraços fraterno

Abraços afetuoso amigo e irmão Lima...Amo mtooooo vc!!

Kátia...Tbm amo você amiga!!!Paz e Saude..Tudo vai dar certo!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 01 de Setembro de 2010, 12:43
   Assistência fraternal

 

Deus te compense, alma boa,

A ti, que estendes a mão,

Repartindo alegremente

Carinho, agasalho e pão.

 

Deus te envolva em alegria

Todo esforço de esquecer

A ofensa que se te faça,

Buscando a paz por prazer.

 

Deus te exalte o gesto amigo

Quando levantas alguém

Da tristeza do infortúnio

Para as estradas do bem.

 

Deus te engrandeça o trabalho

Com que te esqueces e vais

Auxiliar e servir

Àqueles que sofrem mais.

 

Por toda a bênção que espalhes

Que o mundo nem sempre diz

Que a Vida te recompense

E Deus te faça feliz.

 

Do livro A Vida Conta. Psicografia de Francisco Cândido Xavier-Maria Dolores

 

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Setembro de 2010, 12:56
QUANTAS VEZES...

Quantas vezes nós pensamos em desistir
deixar de lado o ideal e os sonhos.

Quantas vezes batemos em retirada
com o coração amargurado pela injustiça.

Quantas vezes sentimos o peso da responsabilidade
sem ter com quem dividir.

Quantas vezes sentimos solidão
mesmo cercado de pessoas.

Quantas vezes falamos
sem sermos notados.

Quantas vezes lutamos
por uma causa perdida.

Quantas vezes voltamos para casa
com a sensação de derrota.

Quantas vezes aquela lágrima teima em cair
justamente na hora em que
precisamos ser fortes.

Quantas vezes pedimos a Deus
um pouco de força, um pouco de luz.

E a resposta vem, seja lá como for
um sorriso, um olhar cúmplice,
um cartãozinho um bilhete,
um gesto de amor.

E a gente insiste.
Insiste em prosseguir
em acreditar
em transformar
em dividir
em estar
em ser

E Deus insiste em nos abençoar
em nos mostrar o caminho.
Aquele mais difícil
mais complicado, mais bonito.

E a gente insiste em seguir
porque tem uma missão...

***SER FELIZ***

Bom dia amigos...Sejam Bem-vindos!!!Que a Paz e a Luz do Mestre esteja convosco!!!
Sintam-se parte da nossa familia do forum...tragam mensagens edificantes e colaborem com o Bem maior!!Abraços fraterno!!

Amigo Lima.....Mta Paz.União e Saúde pra ti e familia...Amo você!!!
Amiga Kátia....Paz e Amor ...bjs no coração!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Setembro de 2010, 11:32
  OBSERVE O SOL

Embora a maioria permaneça dormindo, ele proporciona a cada manhã um dos maiores espetáculos da terra...
É a vida que recomeça, dando a cada um a oportunidade de fazê-la melhor a cada instante.

OBSERVE AS FLORES

Amanhecem felizes, não têm nenhum tipo de ansiedade, porque não competem entre si.
Cada uma tem o seu papel e a sua importância na beleza da vida.

Vivem em harmonia e por isso constroem um cenário harmonioso e inesquecível.
Tudo à nossa volta festeja o novo dia que começa.
Tudo é benção!
Tudo é luz!
Tudo é vida!
Torne este momento inesquecível,
Repleto de silêncio e gratidão.
Gratidão à existência que lhe deu esta oporortunidade e gratidão a todos os que o auxiliam nesta jornada.
Estar vivo é o grande milagre!
Você não precisa de mais nada para se sentir a pessoa mais feliz do mundo!

Coração agradecido fala diretamente com Deus.
Nada neste mundo faz sentido se não tocamos
o coração das pessoas.
Se a gente cresce com os
golpes duros da vida, também pode crescer com
os toques suaves na alma.


(Desconheço a Autoria)


Abraços amigos e irmãos...Sejam Bem-vindos!!!!Paz e Luz a todos!!
Sintam-se parte integrante este espaço de Luz e Amor...Colaborem também na edificação do Bem maior...

Abraço afetuoso amigo Lima..Saudades de ti...Luz em teu coração amoroso!!
Kátia...Mta Fé,Luz e Paz em teu coração amiga..Amo você mtooo!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Setembro de 2010, 14:13
    Convite de irmã
 


 

Sofres, de longa data, p rude assédio

De provações, dentro de casa:

É o pai doente, é o filho que se atrasa

Nos deveres do estudo, entre os quais se habilite

Para a vida melhor, mais nobre e mais bonita;

É a filha habituada ao desencanto e ao tédio

Em que parece alienada;

São os amigos e irmãos de palavra dourada

Que te falam de amor e de carinho

E te deixam nas pedras do caminho...

 

Não te entregues, no entanto,

À tristeza vazia.

Sai de ti mesmo e vem conosco à escola

Onde a força do Bem nos reanima e consola,

Doando-nos apoio e companhia.

Comecemos o nosso aprendizado

De aplicação à prática do Bem:

Muito perto de nós, em único recanto,

Com todo o fel que a privação contém

Agoniza um enfermo sem ninguém.

 

Nossa jornada continua...

Estendamos socorro às mãos infortunadas

Que mendigam na rua,

As criancinhas desacompanhadas

Que buscam, por instinto,

Nas sacolas de lixo das calçadas

Um pedaço de pão que lhes acalme o estômago faminto,

E aos doentes sem paz, aqui e além,

Sem choça que os açoite...

Ei-los rogando espaço e pouso, antes que chegue a noite...

 

Vem aprender, antes as lições da prova,

Nas aulas sob pontes esquecidas,

Nos becos, nos porões, nas avenidas

E entenderás que a vida se renova

À frente dos irmãos do pranto e da amargura!...

Então regressarás ao lar que te guarda e te apura,

De coração tomado de alegria,

Notando no trabalho e no esforço dos teus,

Doces obrigações de cada dia,

Dando graças a Deus.

 

 

Livro ALMA E VIDA – Psicografia: Francisco Cândido Xavier- Maria Dolores


   
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 03 de Setembro de 2010, 04:30


Prezados irmãos membros deste Fórum:

Tendo em vista estar enfrentando problemas particulares — que alguns amigos deste Fórum vêm acompanhando —, não tenho mais condições de permanecer longos períodos sentado no computador, razão pela qual doravante apenas acompanharei, esporadicamente, as valiosas orações, poesias e mensagens que os nossos prezados irmãos e irmãs postarem neste Fórum. Buscarei abrir sempre uma exceção quando se tratarem de novos irmãos que nos estiverem visitando ou vierem se juntar a nós, neste valoroso trabalho de divulgação de nossa abençoada Doutrina de Amor e Luz. A nossa querida irmã Dothy continuará com a missão a que ela mesma se entregou: a de incentivar e estimular a mais ampla participação, de todos os irmãos deste valioso espaço, a trazerem também suas contribuições, livremente, apenas buscando postar suas mensagens de acordo com a natureza inerente ao título de cada tópico. A todos os que já participam, especialmente ao estimado irmão dOM JORGE e às queridas irmãs Dothy, Katia, Cris e felicidade 39, a nossa eterna gratidão. Certamente, enquanto Deus me permitir, continuarei a participar, ativamente, neste espaço, alimentando os tópicos que temos coordenado e outros que possamos criar no futuro. Que Deus derrame sobre todos as Suas divinas bênçãos; e que o nosso amado Mestre Jesus seja para sempre o Divino Farol a nos iluminar a jornada incessante, a caminho da Luz e da Paz! Abraços fraternais para todos os membros deste abençoado Fórum Espírita! Esperando a compreensão de todos, o vosso irmão e amigo de sempre,
Lima_Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Setembro de 2010, 19:17
Canção do Perdão

Escuta, meu irmão esta mensagem
que o mestre envia com amor!
É luz iluminando tua ramagem
pelos caminhos da dor.

Perdoa a quem te ofende e calunia
esquece todo o mal
e encontrarás alegria...

Perdoa sem impor humilhação
é ter Jesus no coração!
Perdoa com sinceridade
e encontrarás felicidade.

Transforma o ódio em amor,
o espinho em perfumada flor...
Segue na vida sempre amando
e ao inimigo perdoando.

Autor:(João Cabete)

Amigos...Paz e Luz a todos..Sintam-se parte da nossa familia do Forum....Colabore também na edifcação do bem maior..
Trazendo mensagens edificantes de acordo com o tema!!!Abraços fraterno!!!

Amigos queridos do meu coração...Mto obrigada por existirem em minha vida,..Amo vocês..Lima..Kátia
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 04 de Setembro de 2010, 19:26

CARTA AO MEU PAI

Ninguém te ouviu a prece de esperança,
Quando entregaste ao berço, de mansinho,
Meu pobre coração de passarinho
Engastado no corpo de criança.

Calado herói do bem que não descanaa,
Tanta vez a lutar, mudo e sozinho,
Ninguém te enxerga o pranto de carinho
Com que me guardas vivo na lembrança.

E’ por isso, meu Pai, que dia a dia
Varo a senda da névoa espessa e fria,
Que o sepulcro de lágrimas nos junca,
 
Para ofertar-te, ao peito brando e forte,
A certeza da vida além da morte,
Na luz do Amor que não se apaga nunca.

                                       Paulo Sérgio Milliet Duarte da Costa

Do livro:
Antologia dos Imortais
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier
Waldo Vieira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 04 de Setembro de 2010, 23:42
  Pegadas Luminosas

Se queres ser feliz, Auxilia!!!
Se desejas que te ouçam, Ouça!!!
Se queres ser amado, Ame!!!
Quando descobrires o caminho, e, ao,
indicá-lo fores desacreditado;
crê em ti e segue, pois
algum dia vislumbrarás bem distante
espontar pequenas luzes na estrada.
Assim é a vida!!!
Um longo caminho!!!
Um grande aprendizado!!!
Onde o correto, o verdadeiro por
vezes começa só, mas um dia
perceberá muitos a seguí-lo.
Portanto: Não te afastes de tuas
verdadeiras convicções!!!
Não questiones se fostes ouvido,
seguido ou amado!!!
Esta estrada a ser achada é individual.
É longa, cheia de percalços e para
muitos ainda está bloqueada!!!
Procura afastar as pedras
de teu caminho e se conseguires
afasta também as do teu próximo.
Sem que ele perceba
propicia-lhe um atalho.
Deixa o caminho pronto e segue!!!
Completa a tua Obra
e Crê naqueles que te enviam Luzes.
"Vive de tal forma, que deixes pegadas
luminosas no caminho percorrido,
como estrelas apontando
o rumo da felicidade"

_(Joana de Angelis)

Amigos e irmãos...Sejam Bem-Vindos!!Sintam-se em família...Participem também na edificação do Bem maior...Tragam mensagens edificantes de acordo com o tema!!Abraços fraternos.

Abraços amigo Lima...Felicidades..Saúde e  mta Paz!!!
Abraços Kátia...Saudades amiga..Paz e Luz a ti amiga!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 07 de Setembro de 2010, 07:23

O DESPERTAR DE UM ESPÍRITO


Que bela é a Natureza e como é doce o ar!

Senhor, graças te dou, de joelho a te louvar!

Possa o hino feliz do meu reconhecer

Como o incenso subir ao Supremo Poder;

Assim, ante o olhar das irmãs em aflição,

Fizeste sair Lázaro do seu caixão;

De Jairo consternado a filha bem amada

Foi no leito de morte por ti reanimada.

Também, Deus Poderoso, me estendeste a mão:

Levanta-te! disseste, e não falaste em vão.

Por que ser, ai de mim, de lama um vil arranjo?

Eu queria louvar-te com a voz de um anjo.

Tua obra jamais me pareceu tão pulcra!

Para aquele que sai da noite do sepulcro

É que o dia se mostra puro e a luz brilhante,

O sol é mais radioso e a vida embriagante.

O ar é então mais doce do que o leite e o mel,

Cada som é uma voz entre os coros do Céu.

A voz mansa dos ventos faz uma harmonia

Que se torna infinita e no espaço se amplia.

O que a alma concebe ou fere os olhos seus,

O que se pode ler sobre o livro dos Céus,

Pela extensão dos mares, nos leitos profundos,

Em todos os oceanos, abismos e mundos,

Tudo se curva em esfera e sentimos que dentro

Seus raios convergentes têm Deus como centro.

E tu, que o teu olhar planas sobre as estrelas,

Que te ocultas no Céu como um rei, que te velas,

Qual é a tua grandeza, se o vasto Universo

É a teus olhos um ponto, e o espaço submerso

Dos mares é um espelho da tua esplendência?

Qual, pois, tua grandeza, qual a tua essência?

Que tão vasto palácio construíste, ó Rei!

Os astros não separam a nós de ti, bem sei.

O sol rola a teus pés, poder que não se talha,

Como oônix que um príncipe traz na sandália.

E o que mais admiro em ti, ó Majestade!

Bem menos que a grandeza, é tua imensa bondade.

Que a tudo se revela, luz que resplandece,

E que a um ser impotente escuta e atende a prece.

                                                    JODELLE
Fonte:
Revista Espírita (1858)




Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 07 de Setembro de 2010, 11:57
Alegria

Alegria é o cântico das horas com que Deus te afaga a passagem no mundo.

Em toda parte, desabrocham flores por sorrisos da natureza e o vento penteia a cabeleira do campo com música de ninar.

A água da fonte é o carinho liquefeito no coração da terra e o próprio grão de areia, inundado de sol, é mensagem de alegria a falar-te do chão.

Não permitas , assim, que a tua dificuldade se faça tristeza entorpecente nos outros.

Ainda mesmo que tudo pareça conspirar contra a felicidade que esperas, ergue os olhos para a face risonha da vida que te rodeia e alimenta a alegria por onde passes .

Abençoa e auxilia sempre, mesmo por entre lágrimas.

A rosa oferece perfume sobre a garra do espinho e a alvorada aguarda, generosa, que a noite cesse para renovar-se diariamente, em festa de amor e luz.

(Pelo espírito MEIMEI) - Psicografia de Francisco C. Xavier

Amigos..Sejam Bem-Vindos..Sintam-se em família...Colaborem na divulgação do Bem maior...Trazendo mensagens edificantes de acordo com o tema!!!Abraços fraterno a todos!!!

Abraços amigo lima..Mta Paz e Amor a ti!!
Abraços Kátia..Saudades amiga!!bjs!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 09 de Setembro de 2010, 08:29
NUNCA  ESMOREÇAS

 

Alma fraterna, recorda:

Os momentos infelizes

Parecem noite de crises

Em que o Céu lembra um vulcão;

Rimbombam trovões no espaço,

Coriscos falam da morte,

Passa irado o vento forte,

Tombando troncos no chão...

 

Os animais pequeninos

Gritam pedindo socorro

Descendo de morro em morro,

Cai a enxurrada a correr...

Mas, finda a borrasca enorme,

No escuro da madrugada,

Em riscas de luz dourada,

Vem o novo amanhecer.

 

Assim é também na vida,

Se atravessas grandes provas,

Na estrada em que te renovas,

Guarda a calma ativa e sã;

Sofre, mas serve e caminha,

Vence a sombra que te invade,

Se a hora é de tempestade,

Há novo dia amanhã...

 

 

Do livro A Vida Conta. Psicografia de Francisco Cândido Xavier-Maria Dolores
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Setembro de 2010, 11:48
Presença de Luz

Se puseres amor no tempo que Deus te reserva, nunca te sentirás sob o domínio do tédio ou do desânimo porque
as tuas horas se converterão em prazer de servir.   Se colocares amor nas afeições que o Senhor te permite cultivar, nunca sofrerás ingratidão ou desengano porque transformarás o próprio espírito em vaso de abnegação
e de entendimento, colhendo de ti mesmo a felicidade
de fazer a felicidade dos entes queridos.
Se cultivares amor na execução do dever que a Divina Providência te atribui, nunca experimentarás cansaço
ou desalento porque o trabalho se te fará fonte de alegria
na alegria de ser útil.
Se aplicares amor nos recursos verbais que a sabedoria eterna te confere, nunca te complicarás em manifestações infelizes porque a tua palavra se transubstanciará em clarão e benção, naquilo em que te expresses.
Se espalhares amor num lugar em que as leis da vida
te situam, nunca te observarás na condição de vítima
do desequilíbrio porque a tua influência se tornará serenidade e esperança, garantindo a harmonia e a tranqüilidade onde estejas.
Ah! Se conservares o amor no coração, obra divina do universo, nunca te perderás na sombra, porque terás convertido a própria alma em presença de luz.

Amigos ..Sejam Bem-Vindos..Que o a Amor do mestre esteja com todos..Colabore você também na divulgação do Bem..Estão convidados a enriquecerem este espaço trazendo suas mensagens edificantes de acordo com o tema..Abraços fraterno a todos...

Aos meu amigos queridos que aqui estão juntos num só propósito..O meu abraços afetuoso..Desjo de mto paz e luz em seus corações..Amo mto vocês..

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 10 de Setembro de 2010, 05:40

IRMÃ CARIDADE

Alguém te bate à porta devagar
E te desperta da ilusão que cega,
Toca-te de mansinho e em paz te pega
Para levar-te às dores de outro lar...

Conduz-te ao companheiro que o fel nega
Qualquer consolo à vida de pesar,
Dirige-te às mansões onde o penar
Faz a revolta que até a Deus renega...

Atende este convite carinhoso
Estendendo tua mão benevolente
Amparando e servindo com Bondade!

Quando ouvires o apelo caloroso,
Acolhe-o, pois quem te fala à mente
É aquela irmã chamada caridade!

                                 Auta de Souza

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Doa Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 10 de Setembro de 2010, 11:09
Lírio Branco

Antigamente meu caminho era vazio
Eu não vivia... eu não tinha expressão...
O meu sorriso era triste e muito frio...
A minha vida era um mar de solidão.

Porém, uma felicidade incontida,
Um dia, veio me encher de emoção...
Um lírio branco apareceu na minha vida
E sua fragrância envolveu meu coração

Aqui, encontrei o equilíbrio almejado
E a paz que eu tanto procurei
Hoje, o jardim da minha vida é perfumado,
Quantos amigos, neste lar, eu encontrei

Aqui, aprendi as lições do Evangelho
E estudei a obra do Mestre Jesus
E hoje, nele, me baseio, me espelho,
Seu meigo abraço me orienta, me conduz

E eu convido vocês que estão me ouvindo
A cantarem comigo está canção
O Lírio Branco, ao florir, nasce sorrindo...
O Lírio Branco é minha casa de oração.

-(Roberto Ferreira)

Amigos..Sejam Bem-Vindos..Que a Paz esteja no coração de todos...Sintam-se parte da nossa família..Colabore com o Bem..Estão convidados a enriquecerem este espaço que é de todos...Trazendo mensagens edificantes...Abraços fraterno!!!

Amigos queridos..Que a Luz esteja em seus corações...Abraços afetuoso



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Setembro de 2010, 23:47
 Margem da Estrada

Não passes pelo mundo sem acrescentar o teu tijolo à magnífica construção do bem.
Não permitas que os teus dias se escoem sem que algo
faças de útil em benefício do próximo.
Não deixes que a tua oportunidade de servir se
perca no grande vazio das horas inúteis.
Não consintas em viver exclusivamente para
os interesses pessoais.
Não adotes o comodismo por norma de conduta,
refletindo que Jesus permanece no madeiro,
braços abertos, à nossa espera.
Enquanto tens forças para caminhar, sai de ti
mesmo ao encontro daqueles que choram à
margem da estrada...
Atende-os, como se fossem eles – e realmente o
são – vida de tua própria vida.
Liberta-te dos pesados grilhões da indiferença!
Sê a fonte de água pura para os sedentos, a
côdea de pão para os famintos, a veste aconchegante
para os que sentem frio, o bálsamo para as feridas que sangram, a mão amiga para os que tropeçam, o
consolo para os que sofrem....
Recordando a palavra do Mestre: “Eu vos digo
em verdade, quantas vezes o fizestes com relação
a um desses mais pequenos de meus irmãos,
foi a mim que fizeste”, apressa-te no cumprimento
do dever, porquanto, todas as vezes que te
furtares à prática do bem, estarás, em essência,
negando auxílio Àquele a quem tudo devemos.

Irmão José

Amigos..Sejam Bem-Vindos...Luz e Paz a todos....Sintam-se em familia...Estão convidados a participarem conosco trazendo mensagens edificantes..Abraços fraterno!!!

Amigos queridos que aqui se reunem para auxiliar a todos..Paz e Luz em seus corações ...Abraços afetuoso!!


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 12 de Setembro de 2010, 10:44
Gratidão a Deus

Quando a sombra da tristeza
Cobrir seus olhos de ventura
Quando você quiser chorar
Diante da taça da amargura
Quando a dor bater à porta
Ferindo bem fundo o coração
Quando a esperança é morta
E a vida amarga ilusão
Olhe para trás
Veja quanta dor
Súplica de paz
Clamando amor
Olhos sempre em trevas
Mãos mendigam pão
Bocas que não falam
E risos sem razão
Deixe de chorar, volte a sorrir
Você é tão feliz, volte a cantar
Faça uma prece, seja grato a Deus
Ele sempre abençoa os filhos seus.

Amigos..Paz e Luz em seus corçações..Sitnam se acolhidos pela nossa familia..Estão convidados a participarem trazendo mensagens eificantes de acordo com o tema!!Abraços fraterno!!

Amigos que aqui se unem...Paz e Luz a todos..Abraços afetuoso!!

Kátia....Saudades amiga...Amo mto você!!!



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 12 de Setembro de 2010, 18:59
IMORTALIDADE

"É verdade ou é mentira",
— Pergunta o homem da terra —
¬"Que nossa vida se encerra
Na tumba gélida e dura?
Não mais se ouvirão os cantos
Do passarinho e da lira?!
Cessarão todos os prantos
Em sete palmos de altura?!

"Os ternos sonhos de amor,
A ventura e a dor passada,
Desfacelar-se no nada
O coração que as sentiu?!
Perante o túmulo amado,
Indaga o ser com horror:
"Nunca mais serei beijado
Pela boca que partiu?!"

Mas algo doce e profundo
— Voz de Deus, talvez, não sei —
Responde e dita esta lei:
"Tudo é eterno e imortal:
O amor, a vida, a esperança...
O próprio homem no mundo
Para a Luz Maior avança!...
Somente o que passa é o Mal!"

                        Casimiro de Abreu

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 12 de Setembro de 2010, 21:07
      Sê como o sândalo

Sê como o sândalo!
Tocado pelo machado
perfuma-o!
Lição para ti
que odeias,
que pisas,
que amarguras,
que atormentas...
Sorri, perdoa, ama!
O sorriso prende,
o perdão alivia,
a dor constrói!
Sê como o sãndalo!
ferido, partido, retalhado,
espalha odor delicado,
suave, puro!
Perdão!
Odor que perdura!
Força que sustenta!
Alegria que redime
Perdoa, ama, ampara...

   Beatriz Alves H Barbosa
<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/animais_936828776_animais038.jpg)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net[/url]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 15 de Setembro de 2010, 06:46

ESPIRITA!

Atende à dor maior a bramir quando passas:
Homens na idade anciã gemendo em noite fria.
Infratores da Lei sob as trevas madraças...
Pais a implorar trabalho e pão de cada dia...

Jovens no imenso caos de aventuras devassas..
Anônimos abrindo o corpo à Anatomia...
Mil pedintes sem rumo a esmolar pelas praças...
Mulheres onde o crime, em sombra, assalta e espia...

Petizes a esperar quem os peça primeiro.
Enfermos sem socorro, ao léu da prova escura...
E mães cata-papéis junto ao lixo-celeiro...

A Religião da Luz não se isola no Templo;
Qual pábulo de amor para toda criatura,
A grandeza da Fé fulge e cresce no exemplo!...

Do livro;
Antologia dos Imortais
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Setembro de 2010, 11:04
Vem e ajuda

Repara, além das rosas do teu horto,
Onde a luz do teu sonho brilha e mora,
Os romeiros que seguem, vida afora,
Padecendo aflição e desconforto.

Infortunados náufragos sem porto,
Tristes, rogando a paz de nova aurora,
Levam consigo a dor que clama e chora,
Sob as chagas do peito quase morto...

Não te detenhas!... Vem, socorre e ajuda
A multidão que passa, inquieta e muda,
Implorando-te amor, consolo e abrigo!...

Reparte o pão que te enriquece a mesa,
Estendendo o teu horto de beleza,
E o Mestre Amado habitará contigo.

(Auta de Souza)

Amigos..sejam bem-vindos..Que a paz os fortaleça..Estão convidados a trazerem mensagens edificantes dentro do tema..Abraços fraterno!!

Amigos unidos aqui..Abraços afetuoso..Paz e Luz!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 15 de Setembro de 2010, 19:23
   Esse alguém

 

E suportas, sem pausa, alma querida,

Doença, inquietação, infortúnio, tristeza,

No imenso desencanto da alma presa

No grande espinheiral de ansiedade e de dor...

Ninguém entende as lágrimas que choras,

Pois em tudo de bom que o mundo te oferece,

Retiras tão somente o socorro da prece,

Por doação de paz, no Céu, em teu favor.

 

Na vastidão da noite, entregue ao pensamento,

O silêncio é uma farpa em que te cortas...

Ajuntas esperanças semimortas,

Sem que a memória as possa carregar...

Onde os teus sonhos? Onde os teus projetos?

Todos se foram sob a ventania

Da provação que ruge e rodopia,

Extinguindo o prazer e deixando o pesar.

 

Entretanto, não temas. Luta e segue...

Alguém te escuta e vê a presença sofrida,

Resguardando-te a fé e amparando-te a vida,

Doando-te consolo, paz e luz.

Chora, sem atirar-te ao desespero,

Tolera a própria dor, por mais estranha,

No apoio desse alguém que te acompanha,

Que esse alguém é Jesus.

 

 

 

Livro ALMA E VIDA – Psicografia: Francisco Cândido Xavier-Maria Dolores


<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/veriados_949734193_pt032.gif)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net[/url]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 17 de Setembro de 2010, 11:31
Voz no coração

Alma irmã!...
Não me condenes,
venho ofertar-te
renovação e experiência
e mostrar-te nos outros
os irmãos do caminho
que amam, sofrem e aprendem
qual te acontece,
a fim de que te movas
ao sol da compaixão.
Venho mostrar-te ainda
o peso que há na culpa
e o valor do perdão,
sobretudo, sou eu
quem te revela
a grandeza do amor
na luz da compreensão.
Peço: não me censures.
Venho em nome de Deus,
sou sua dor.

(Meimei)

Amigos sejam bem-vindos..Que a Paz esteja em seus corações..Sintam-se em familia..Estão convidados a trazerem memnsagens dentro do tema..Abraços fraterno!!

Amigos de jornada..paz e Luz em seus corações..Abraços afetuoso!!



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 18 de Setembro de 2010, 22:26
AO TOQUE DO AMOR

Rompendo a bruma, em louca arremetida, avança
No incrível desvario em que se deblatera,
Onde a sombra abismal domina, esfera a esfera,
O triste obsessor, faminto de esperança.

Preso ao mal que atormenta e à dor que não descansa,
O que mais o acabrunha e o que mais o exaspera
E’ sua estranha volta aos instintos da fera,
Na loucura feroz que o propele à vingança.

Espírito infeliz, padece no braseiro
De flagelo mental, gargalhante e escarninho, —
Mil remorsos bramindo em torvo cativeiro...

Mas ao toque do amor, sem que a treva o degrade,
Arrepende-se e clama, ante o novo caminho,
Para nova missão na glória da humildade.

                                           Pedro de Castro Velho

Do livro:
Antologia dos Imortais
Poesias Mediúnicas
Francisco Cândido Xavier
Waldo Vieira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 19 de Setembro de 2010, 07:01
      No correio da luz

 

Uma longa jornada em noite fria

É como se a existência se te fosse...

Segues temendo a sombra... A ventania

É o turbilhão de pó que ela te trouxe...

 

Ampliam-se os calhaus em que tropeças...

O aguaceiro desaba... O granizo te alcança...

Assombram-te os perigos que atravessas,

Arrimando-te à prece em fios de esperança...

 

Ergues-te e cais... Levanta-te, rastejas,

De coração atento aos deveres que levas...

Há quem te aguarde, além do repouso que almejas,

A mensagem da paz, no amor que vence as trevas...

 

Sangrem-te os pés, esforça-te, porfia,

Olvida a própria dor, na estrada austera,

E atingirás, chorando de alegria,

A luz do novo dia que te espera...

 

 

 

Livro ALMA E VIDA – Psicografia: Francisco Cândido Xavier-Maria Dolores

<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/Sabedoria_1127298565_mensagens068.jpg)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net[/url]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 19 de Setembro de 2010, 11:18
 Cristo nos espera

Esforçamos-nos: O Cristo nos espera.
Entendamos-nos: O Cristo nos espera.
Amemo-nos: O Cristo nos espera.
Com o amor na fornalha do trabalho,
o progresso para o espírito se fará,
o Cristo nos espera com as mãos
na charrua da semeadura do bem.
O Cristo nos espera, o seu amor deixou
patente que as suas mãos trabalharam,
a sua voz edificou, a sua coragem
transformou a fé para a jornada do
homem ser agradecido pela alegria
 O Cristo nos espera com as mãos
 estendidas para nos suportar da
queda do orgulho. O Cristo nos espera para
a constatação que o amor vence nas paradas
do bem. O Cristo nos espera pelos caminhos
da caridade. O Cristo nos espera com Deus,
que no regaço divino faculta aos que de
boa vontade cumpriram com os dias
da a concretização do amor.

Amigos...Sejam Bem-Vindos....Mta Paz a todos...Sintam-se em família...Sua presença é muito importante para nós...Estão convidados a trazerem mensagens dentro do tema...Abraços fraterno!!!

Amigos e irmãos em Cristo..Paz e Luz me sues corações...Abraços afetuoso!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 20 de Setembro de 2010, 23:16

DUPLA INDISPENSÁVEL

Se espinhos de provação
Te espancam no próprio lar,
Não olvides esta meta:
Trabalhar e confiar.

Se te perseguem as sombras
A cada instante e lugar,
A paciência te sussurra:
Trabalhar e confiar.

Se a doença torna o corpo
Difícil de carregar,
É a humildade que te ensina:
Trabalhar e confiar.

Se encontras inimizades
Lançando injúrias sem par,
Perdoa, seguindo o lema:
Trabalhar e confiar.

Se às vezes te desanimas
Sem mais forças de lutar,
Na prece ouvirás o aviso:
Trabalhar e confiar.

Nas trevas e desajustes
Que a vida tem a nos dar,
Somente existe um caminho:
Trabalhar e confiar.

                       Casimiro Cunha

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 21 de Setembro de 2010, 11:40
Meimei-

Senhor …

Disseram os homens que me queriam tanto,
mas ao atingir-lhes a casa, não dialogaram
comigo, segundo as minhas necessidades.
Quase todos me ofereceram um berço enfeitado,
mas poucos me deram o coração.
Afirmam que devo procurar a felicidade,
entretanto, não sei como fazer isso,
se os vejo a quase todos sofrendo e rebelando-se
por não aceitarem as disciplinas da vida.

Escuto-lhes as lições de paz, contudo,
acompanho-lhes as rixas em vista de estarem sempre
exigindo o maior quinhão de recursos da Terra.

Recomendam-me buscar a alegria, mas,
muitas vezes, observo que esta misturado de
lágrimas o leite que me estendem.

Erguem palácios para mim, no entanto,
entre as paredes dessas mansões coloridas e belas,
renovam, a cada dia, reclamações e queixas
que não sei compreender, nem registrar.

Explicam que preciso praticar o perdão e ,
ao mesmo tempo, muitos me mostram como
exercitar a vingança.

Senhor !…
Que será de mim, neste grande mundo que
construíste entre as estrelas,
sempre adornado de flores e aquecido pelo Sol,
se os homens me abandonarem ?

Faze que eles reconheçam que dependo deles
como o fruto depende da arvore.
E, tanto quanto seja possível, dizer-lhes, Senhor,
que terei comigo apenas o que me derem
e que posso ser, enquanto estiver aqui,
unicamente o que eles são.

Meimei/ por Chico Xavier

Amigos...Sejam bem-vindos...Que a Paz e a luz faça moradia em seus corações...Sintam-se m familia..Sua presença aqui é muito importante pra todos nós...estão convidados a trazerem mensagens dentro do tema...Abraços fraterno!!

Amigos e irmãos em jornada..Paz e luz ..Abraços afetuosos!!



 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 22 de Setembro de 2010, 11:27
                 O VALOR DO SORRISO

Senhor, não permita jamais que eu me esqueça de sorrir com o coração - e sorrir
muito, todos os dias!
Quando raiar o sol e meus olhos se abrirem para a vida, que o sorríso seja a meu
primeiro louvor, agradecendo o novo dia que amanhece!...
Em meu lar, que seja ele o precursor da palavra serena e do diálogo amistoso,
para que meus familiares, assim como eu, possam iniciar o seu dia entre as
melhores vibrações de paz e bom ânimo!
Sem a claridade do riso, tudo é mais triste, sombrio!...
Sem a bênção da alegria, os semblantes são frios e as palavras rudes, qual que
imensa desolação envolvesse a todos, negando-lhes desenvoltura e euforia -
acompanhantes obrigatórios das determinações felizes!...
Sorrir alivia o coração e desafoga a alma, recolocando harmonia e pacificação no
lugar da irritação e do mau humor. Trazer a luz do sorriso no rosto é iluminar
estradas e transeuntes, fazendo de seu portador um pequenino imã a atrasimpatia e cooperação...
Aquele que sorri sinaliza o Bem, aonde quer que esteja.
Abençoa-me hoje, Senhor, e faz de mim um foco de alegria a espargir o melhor aos
meus companheiros de estrada, para que amanhã, quando eu estiver triste e
desanimado, o sorriso que eu despertei nos outros possa ser o remédio salutar
que me trará de volta a vontade viver e lutar, porque o sorriso é assim como um
raio de luz: embora pequeno transpassa todas as sombras, e onde toca sempre
produz calor, alegria e refazimento...
Assim seja

André Luiz
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 22 de Setembro de 2010, 22:50
          Destino  e  pensamento

 

Eis o princípio ideal

De agir com calma e com zelo:

Não nos basta ver o mal,

É preciso compreendê-lo.

Álvaro Martins

 

Sem alarme e sem reclamos,

O destino, em qualquer crença,

É tudo quanto formamos

De tudo quanto se pensa.

Lourenço Prado

 

Clamando por diretrizes,

Vemos, por todos os lados,

Os que anseiam ser felizes

Mantendo os braços cruzados.

Sylvio Fontoura

 

Nunca reproves ninguém.

Idéia é fala sem voz.

A gente vê no vizinho

Aquilo que vive em nós.

Pedro Silva

 

Pensamento que se irrite

Expressa, em linhas gerais,

Uma força sem limite

Buscando forças iguais.

Múcio Teixeira

 

Nas lutas do dia-a-dia,

Na ação, no lar e no afeto,

O segredo da alegria

É o pensamento correto.

Jovino Guedes

 

Não há quem caminhe a sós,

Trabalha, serve e perdoa,

Pois estamos todos nós

Dentro da mesma canoa.

Jair Presente

 

Eis que a fé nos elucida,

Bradando em seus estatutos:

Do que semeias na vida

Tens na morte os próprios frutos.

Bóris Freire

 

Foi sempre vaga e enfermiça

A idéia de João Moleza;

Se escapava da preguiça,

Descambava na tristeza.

Cornélio Pires

 

Ensinamento sabido:

Destino é ato e proposta.

A idéia faz o pedido,

O tempo traz a resposta.

Marcelo Gama

 

Fonte: Do Livro “Assembléia de Luz” Autores Diversos/Francisco Cândido Xavier


 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 23 de Setembro de 2010, 03:42
MARIA

Mãe bondosa da pobre humanidade
Afogada em delírios milenares,
Aplaca compassiva nossos mares
De tormentosos crimes e maldade!

Somente a tua augusta claridade
Se para nós, divina, te voltares,
Faz da nossa miséria os altares
Mais puros, em louvor da caridade!


Converte, pois, no amor que te sublima
Nossos prantos amargos, nossa treva
Em esplendores de imortais matizes;

Guiando-nos, sem trégua, para cima
Onde Deus reina e com fulgor te eleva
A soberana Mãe dos infelizes!

                              Bittencourt Sampaio

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 23 de Setembro de 2010, 12:57
        Norma de vida

 

Sinto-te o coração dorido em prece

E perguntas, em pranto, alma querida e boa:

- "Como guardar a fé, sem que a prova nos doa

Nos recessos do ser?

Uma norma de paz haverá sobre a Terra,

Que consiga sanar as chagas da alma triste?"

Sem pretensão, respondo que ela existe:

-Trabalhar e esquecer.

 

A própria Natureza é um livro aberto.

Recorda o tronco antigo e a tempestade;

Desçam raios do céu, a nuvem brade,

Sob a crise da noite a estremecer,

Ei-lo, porém, ereto e firme, agüentando a

tormenta...

Quebra-se-lhe quase toda a ramaria,

Ele guarda, no entanto, as instruções da vida:

-Trabalhar e esquecer.

 

Vejo a terra humilhada na lavoura,

Ferida e massacrada

Ao peso do trator e entre golpes de enxada

Tem nos vulcões rugindo o seu bravo gemer...

Mas, mesmo assim, produz o pão do mundo,

Injuriada e revolvida

Atende a ordenação que recebe da vida:

-Trabalhar e esquecer.

 

O fio d'àgua que nasceu na serra,

Pouco a pouco se fez amplo regato,

Percorrendo quilômetros de mato,

A correr e a correr...

Dessedentando pombos e serpentes,

Sofre a baba do lobo que o domina

E segue para o mar, ante a norma divina:

-Trabalhar e esquecer!...

 

Assim também, alma querida e boa,

Se carregas contigo farpas de amargura,

Desencanto, tristeza, desventura,

Chora, mas faze o bem - nosso alto dever...

Quanto às pedras e empeços do caminho,

Desengano e aflição, mágoa e mudança,

Olvida!... E segue as vozes da esperança:

 -Trabalhar e esquecer!...

 

Fonte: Do Livro “Assembléia de Luz” Francisco Cândido Xavier/Maria Dolores
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 23 de Setembro de 2010, 13:34
A RESPOSTA

Tudo é bênção de Deus a  envolver-nos a vida.
Repara em derredor o quadro que respiras...
A Mão Sábia e Divina..Serve-te em toda parte.
É o Sol que te ilumina...O ar que te acalenta,
A terra que te acolhe...A fonte que te acalma,
O pão que te alimenta...É o lar que te abençoa
Aescola que te instrui...O tempo que te amapara
A lição que te educa...A Fé que te levanta...
A dor que te sublima...
Em todos os lugares..Sentirás o Sennhor...
Estendendo-te os braços...E aclarando-te a rota..
Desde a grande alegria..Ao fiél sofrimento..
Desde a glória do cimo...Ao vale imerso em sombra.
Ante, pois, tanta graça...A vibrar sobre nós...
Em tesouros ocultos de harmonia e beleza
Só nos resta na senda...Aceitar no trabalho..
Em que o bem se realiza.A resposta mais bela.
A bondade de Deus..Que transparece pura..
No dever de servir..Sem qualquer recompensa.
Buscando engrandecer..Aqui..Agora e sempre.
A vitória do amor...Que sulcará a Terra...


Autor Emmanuel / Francisco Cândido Xavier

Amigos..Sejam bem-vindos..Que a paz esteja em seus corações..Sintam-se abraçados...Acolhidos...Em família...sua presença aqui enriquece esteespaço que é de todos..estão convidados a trazerm mensagens dentro do tema..Abraços afetuoso!!

Amigos queridos de jornada..paz e luz em seus corações...Abraços..Abraços..
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 24 de Setembro de 2010, 07:26

VALORES DA ORAÇÃO

De manhã, à tarde, à noite,
Feliz ou em provação,
Invoca Deus em tua vida
No cântico da oração.

Nos afazeres de cada,
Na luta de cada hora,
Fortalece a alma em Cristo,
Trabalhando, crê e ora!

Na rua, no lar, na empresa,
Se o adversário te aparece,
Lançando-te o fel da injúria,
Busca a paz e o bem da prece.

Pequenas contrariedades,
Más nuvens, indecisão...
O arrimo certo pra tudo
É na força da oração.

A vida é sempre pra todos
Repleta de dons de Deus,
Seja assim louvor e prece
Cada som dos lábios teus.

Agradece a própria dor 
Que te induz a melhorar,
Agradece o solo e o céu,
As flores, o amor e o lar!

Seja sempre, enfim, a prece
Tua companheira e tua amiga
Em confiança sincera
Na Providência Divina!

                      Casimiro Cunha

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 24 de Setembro de 2010, 11:58
Faça a CARIDADE

Glorificada seja onde fores.
Mãos que te fazes sol, apoio e ninho
Para todos os tristes do caminho.
Mão que recorda um lírio aberto às dores...
Mão generosa, mão em que adivinho
A mensagem de Cristo em resplendores.
Mão que convertes lágrimas em flores.
Deus te abençoe os gestos de carinho.
Nunca enxerguei a forma de teu culto.
Fito-te a luz que passa e enquanto exulto.
Vejo que o mundo se aprimora ao vê-la!
Caridade! És o dom que nos irmana.
Amor de Deus na inteligência humana.
Uma estrela engastada noutra estrela! ...

(AUTA DE SOUZA)

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 25 de Setembro de 2010, 13:32
  Bom dia, queridos amigos



              CERTA  CRIANÇA

 

Falávamos em torno da criança,

Numa reunião de cultura e amizade,

Na infância a flor da Humanidade

Que o Céu envia à Terra, em luzes de esperança,

Quando o Irmão Frederico nos contou

Por nota de serviço:

 

– Meus irmãos, quanto a isso,

Tenho um caso expressivo a relatar:

Sabem que fui pintor com grande clientela;

Certa feita, um garoto abordou-me no lar,

Seis janeiros de idade e presença singela,

Envergando um roupão imundo e roto...

Declarou residir num recanto de esgoto,

Perdera os pais na morte e pedia-me um pão.

Parei tocado de admiração.

 

Doía vê-lo assim, maltratado e sozinho,

Figurava-se um pássaro sem ninho,

Na manhã muito fria, a tremer e a tremer...

Enquanto se servia,

Qual se fosse num sonho de alegria

Da porção de merenda improvisada,

Fitei-lhe a cabeleira despenteada,

Os olhos luminosos de candura,

Os pés descalços com sinais de lama

E, abeirando-me dele, perguntei:

– Como se chama?

Ele me respondeu, como que a medo:

– Meu nome é Alfredo...

 

Uma idéia, de súbito, me veio:

Pintá-lo nuns momentos de recreio.

O pequeno aderiu. Pousou à minha frente,

No grande ateliê a que levei-o.

Após algumas horas, tive o esboço e a base

Para a tela maior que, então, me vinha à mente...

Depois disso, o “até breve” numa frase

E alguns magros tostões na mão pequena.

No entanto, ele indagou

Num tom de voz de fazer pena:

– O senhor não me quer para morar consigo?

– Não, Alfredo, – aduzi, – tenho o meu próprio lar,

Procura um outro amigo,

Alguém há de surgir que te possa ajudar.

 

Olhos em pranto, entre magoado e aflito,

Postou-se à frente do meu cavalete,

Onde me vira trabalhar,

 

E disse: o meu retrato está bonito...

Fm seguida, saiu para não mais voltar.

 

Surge a pausa do amigo. A emoção se lhe aviva,

Logo após, continua a narrativa:

– Dói-me rememorar, porém confesso:

O retrato de Alfredo fez sucesso...

Ganhei muito dinheiro

Em cópias e encomendas

Para festejos e oferendas...

Mas sempre conservei o original;

Várias vezes, mudei de residência,

No entanto, a grande tela

A que emprestei o nome de “Inocência”

Foi sempre, em minha sala de serviço,

O quadro principal.

 

Trinta e cinco janeiros transcorridos,

Com meus filhos casados... Eu doente,

Certa noite, a lembrar os tempos idos,

Observei que alguém, de passo leve,

Penetrara-me a casa, mansamente;

Colocando-me à espreita e firme à escuta,

Vi que esse alguém

Na sala de trabalho, quase à minha frente,

Manejava lanterna diminuta...

Sustentava, porém, junto ao meu leito,

Num disfarce perfeito,

O botão de uma forte campainha,

Cujo toque de alarme

Somente dava som em morada vizinha,

Onde, a qualquer instante de perigo,

Um devotado amigo

 

Estava pronto para auxiliar-me.

Esse amigo que amei qual se fosse meu filho,

Tinha uma chave de meu domicílio...

Fiquei, ansiosamente, a esperar e esperar,

Tremendamente mudo...

O assaltante, contudo,

Rebuscava o meu cofre, devagar...

 

Decorridos minutos,

Um grupo socorrista,

Ante a estranha ocorrência,

Penetrou-me, depressa, a residência,

E pôs-se logo à vista.

Fez-se luz e agitado companheiro

Atirou no infeliz

Que caiu, colocando as mãos no peito.

Ergui-me e vim para o recinto estreito...

O assaltante era um homem bem vestido

Que, a princípio, supus desconhecido;

O sangue a borbotar do peito aberto

Anunciava a morte, ali por perto...

Ele, porém, fitou-me longamente,

Depois de contemplar a tela em frente,

E, em seguida,

Falou-me em voz sumida:

– O senhor

Deve ser o pintor...

Vai lembrar-se de mim...

E como quem se via

No instante amargo e exato

Em que achava no piso o próprio fim,

Disse ainda mais quase que em segredo:

– Eu sou o Alfredo,

O Alfredo do retrato...

 

Sob forte emoção,

O amigo terminou a narração:

– Naquela mesma hora,

Debrucei-me chorando sobre o morto,

Atrelado a terrível desconforto...

E, ainda hoje, penso muitas vezes

Que, na Terra, por mais que se resguarde

A infância, como sendo a aurora da esperança,

O socorro à criança

Quase sempre é uma luz que brilha muito tarde...

 

Do livro A Vida Conta. Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Autora: Maria Dolores

 

 <BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/trechos_542233715_013.jpg)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net[/url]
 
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 27 de Setembro de 2010, 00:53

MENSAGEM CRISTÃ

Coração angustiado que te cansas,
Do cárcere de dores e torturas,
Não te detenhas em tuas provas duras!
Segue em frente, banhado em esperanças!

Pousa os olhos, na estrada em que te avanças,
Nas mais fortes e alheias amarguras,
Consolando outras chagas, com doçuras,
Acharás para ti paz e bonanças!

Esquece-te a ti mesmo, tudo esquece,
Para levar o pão, a luz e a prece
A outras almas que gemem na aflição!

E doando trabalho, fé e amor,
Encontrarás o Cristo Redentor
A falar-te no próprio coração!

                               Auta de Souza

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Setembro de 2010, 19:15
Mãe, não há adeus

Mãe, teu filho não é somente teu...
Deus, que premiou as estrelas, o
firmamento, que encheu de luz a terra.
que abençoou a natureza com
os pássaros canoros,
também fez o teu coração amoroso,
mãezinha querida!!!
Envolveu-me em teu ventre,
numa jornada de experiências inesquecíveis.
Possibilitou-me a ternura dos
teus gestos, a carícia do teu olhar.
Ensinou-me o teu coração,
a amar,a escrever,a sonhar...
Mas a lei, lei bendita que dá
o começo e o fim de etapas,
marcou o meu retorno.
Não compreendeste, querida.
Busca-me tantas vezes nas
coisas que eu gostava,
nas brincadeiras que apreciavas,
nas pequeninas travessuras...
E quando eu cresci, achava-me
distante de ti, como se o
mundo ensaiasse o
treinamento para
a grande e inexorável
separação.
Parti do teu regaço, mas
aqui estou, no regaço amoroso do
Nosso Pai, que me ensina
que a vida é a continuidade
numa nova dimensão,
que o amor continua sendo amor,
e que o entendimento das Leis Benditas é a
única forma de aliviar-te, para vestir de
esperança os teus gestos, aconchegando
ao teu peito outras mães que
ainda não tem a ventura
que tu já tens agora,
de poder guardar nos teus anelos
a certeza de que de cá e de lá, nesta nova
dimensão, nossas mãos podem se estreitar
novamente e dizer:
-Eu amo a Vida!A Vida é Bela!
A vida vivida com Deus
traça caminhos de união e gratidão,
descobrindo que;
Com Jesus não há Adeus

Meimei



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Setembro de 2010, 19:22
Amigos..Sejam bem-vindos..Que a paz e a luz do nosso mestre esteja em seus corações..Sintam-se em familia,...Sua presença é muito importante pro enriquecimento deste espaço de Luz e Amor. que é de todos...Ela é que faz tudo por aqui florescer e multiplicar...
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: ana23 em 27 de Setembro de 2010, 19:38
Boa tarde, meus amigos

"Guarde o coração em paz, à frente de todas as situações e de todas as cousas. Todos os patrimônios da vida pertencem a Deus."      Regras de Saúde - André Luiz/C. Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Setembro de 2010, 11:51
   Corra ao alcance da sua alegria.

Procure a alegria.

A alegria está latente, palpitante
e dinâmica no seu Íntimo.

Quando você a localiza, ela vem à tona e transparece
na sua face, na fala, no olhar, no riso.

Você apresenta o que tem de melhor, pois foi
buscá-la no mais fundo de si mesmo.

Lá aonde está o seu EU.

Corra ao alcance dessa alegria íntima.

Ela será sua companheira de sempre.

Descobrir a verdadeira alegria é fortificar a paz.
 
Lourival Lopes

Amigos queridos...Sejam bem-vindos..Que a Paz e o Amor esteja presente em seus corações...Sua presença é muito importante pr todos nós..Estão convidados a trazerem mensagens dentro do tema..Abraços afetuoso!!

Amigos queridos de jornada Paz e luz em seus corações..Abraços afetuoso!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 28 de Setembro de 2010, 12:00
Bom dia, queridos amigos!



      Falando ao coração

 

Coração fatigado, enfermo e aflito

Na noite espessa que te envolve a estrada,

Contempla a imensa abóbada estrelada,

Cintilando na glória do infinito!...

 

Emudece a amargura de teu grito

E, ante as dores da longa caminhada,

Busca o fulgor distante da alvorada

E sorri para o amor puro e bendito.

 

Segue olvidando pântanos e espinhos,

Pedras, nuvens e serros escarninhos,

Sem que o fel de teu pranto sobrenade...

 

E, sobranceiro à treva que te espia,

Chegarás soluçando de alegria

Ao Divino País da Eternidade.

 

Fonte: Do Livro “Assembléia de Luz” . Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Autor: Cruz e Souza

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 29 de Setembro de 2010, 12:45
             AJUDA, MEU FILHO

Nesses semblantes que o sofrimento descoloriu e nessas vozes fatigadas em que a tortura plasmou a escala de todos os gemidos, Jesus, o nosso Mestre Crucificado, continua incompreendido e desfalecente.
Nessas longas multidões de aflitos e infortunados, encontrarás a nossa própria família.
Quantos deles albergaram esperanças iguais àquelas que nos alimentam os sonhos, sem qualquer oportunidade de realização?

Quantos tentaram atingir a presença da luz, incapazes de vencer a opressão das trevas?
Essas crianças caídas no berço da angústia, esses enrugados velhinhos sem ninguém, essas criaturas que a ignorância e a provação mergulharam no poço da enfermidade ou no espinheiro do crime, são nossos irmãos, à frente do Eterno Pai.
Estende-lhes tua alma na dádiva que possas oferecer, guardando a certeza de que amanhã, provavelmente, estarás também suspirando pelo bálsamo do socorro na bênção de um pão ou na luz de uma prece amiga.
Recorda que as mãos hoje por ti libertadas dos grilhões do infortúnio, podem ser aquelas que, amanhã, chegarão livres e luminosas, em teu auxílio.
Ao pé de cada coração desventurado, Jesus nos espera em silêncio.
Auxilia, meu filho, e na doce melodia do bem, ainda mesmo que dificuldades e sombras te ameacem a luta, ouvirás, no imo do coração, a voz do Divino Mestre a encorajar-te, paciente e amoroso:

"Tem bom ânimo! Eu estou aqui".
Dispõe-te a compreender, a fim de que possas auxiliar.
Compadece-te de teus pais, de teus filhos, de teus irmãos, de teus amigos e adversários.
Os golpes sublimes da Vontade Superior sobre os nossos desejos serão recursos do máximo proveito para o nosso próprio futuro.

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 30 de Setembro de 2010, 05:31

SUBLIME SENTENÇA

Ao pé de templo enorme, a praça tumultua.
Ansiosa expectação na calçada poeirenta...
A massa encontra o Cristo e, trágica, apresenta
Consternada mulher a chorar seminua...

— “Adúltera, Senhor!” — velho escriba insinua.
— “Que dizes, Mestre?” — insiste a multidão violenta
“Somos o tribunal que a tradição sustenta,
A lei é apedrejar nos libelos da rua!”

Fita o Mestre a infeliz que a miséria alanceia:
Inclina-se, em seguida, e escreve sobre a areia,
Como quem grava o sonho onde a vida não medra.

Depois, contempla em torno a malícia, o veneno,
E exclama para a turba, entre nobre e sereno:
— “Quem for puro entré vós, lance a primeira pedra!”

                                      Francisco Antônio da Carvalho Júnior

Do livro:
Antologia dos Imortais
(Poesias Mediúnicas)
Petas Diversos
Francisco Cândico Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Setembro de 2010, 11:23
Fidelidade

Sem dúvida, não nos pede o Senhor
votos reluzentes na boca,
nem promessas brilhantes.
Jesus não necessita nem mesmo das
 nossas afirmações labiais de fé,
nem tampouco
de manifestações adorativas.
Conta, sim, com a nossa fidelidade,
sejam quais forem as circunstâncias.
Se o dia resplende o céu azul, tenhamos
 a coragem de romper com todas as sugestões
de conforto próprio, avançando à frente...
Se a tempestade relampeja no teto do mundo,
cultivemos bastante abnegação para sofrer
 o granizo e o vento, demandando o horizonte
que nos cabe atingir.
De todos os lados, invariavelmente, chegarão
 apelos que nos convidam à deserção. Elogios
 e injúrias, pedrada e incenso aparecerão,
 decerto, como procurando entorpecer-nos
a consciência, no entanto, a cavaleiro de
 uns e de outros, é imperioso recordar o
 Divino Mestre, na pessoa do próximo, e
 busca-lo
sem pausa, através do bem incessante.
Somos poucos; no entanto, com Ele no coração,
 teremos o suficiente para executar
as obrigações com que fomos honrados.
Saibamos conservar a fidelidade, como quem
 alça ininterruptamente a luz nas trevas,
pois que, em muitos lances da vida, precisamos
muito mais de lealdade no espírito que de pão
para o corpo.
Para que semelhante vitória nos coroe o caminho,
tanta vez solitário e espinhoso,
o segredo é suportar, e o lema é servir.

Batuíra


 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2010, 12:02
Licões para viver

Se a desilusão atingir sua alma, devastando
seus sonhos e ofuscando novas
possibilidades. Pense na infinidade de
caminhos que podem se abrir para
você em apenas um dia, uma hora, um minuto...
Se a frustração acariciar friamente sua face,
fazendo você cair diante dos obstáculos,
olhe para trás e veja o quanto você já caminhou.
E o quanto cresceu colhendo em cada trilha amigos sinceros, amores, experiências inesquecíveis...
Se as palavras de insulto
e humilhação agredirem a sua integridade,
lembre-se de que elas são frutos putrefatos
da maldade e da inveja. Vire-se e continue
a caminhar sem dar ouvidos aos fracos de
alma que as pronunciam: um dia
eles entenderão porque são completamente sós...
Se a preocupação com os encargos do dia-a-dia
tomar sua mente e enfraquecer o seu corpo.
Despertando o nervosismo e o estresse,
olhe o horizonte e tente descobrir
as saídas Para os problemas ao invés de
lamentar e achar que eles são
piores do que realmente são... Se o vazio e a
insegurança invadirem o seu peito, abra os braços,
feche os olhos e repita para si mesmo:
"eu posso voar..." Você é capaz de tudo desde
que acredite em si mesmo. Saiba
enxergar a felicidade nas pequenas coisas
da vida, numa conversa com os
amigos, na brincadeira com o cachorro,
numa paquera em barzinho ou no jogo
de damas com seu avô... Rotina é uma palavra
que não existe, pois cada dia
traz consigo pequenas surpresas e cada
pequeno gesto guarda uma imensa
felicidade... E depois de tudo isso,
olhe para si mesmo e veja o quanto
você é especial! Imagine o quanto pode fazer
pelo mundo e pelas pessoas.
Valorize as suas qualidades e tente corrigir
seus defeitos (o que é realmente difícil) e saiba o
quanto é privilegiado por poder caminhar,
cair e aprender com os erros, por ser capaz de
escrever uma história única, como nenhuma outra...
Pense nisso! Ouse sonhar, pois os sonhadores
vêem o amanhã. ouse fazer um desejo, Pois
desejar abre caminhos para a esperança
e ela é o que nos mantém vivos. Ouse buscar
as coisas que ninguém mais pode ver, acredite
na magia, pois a vida é cheia dela, mas,
acima de tudo, acredite em si mesmo... Porque
dentro de você reside toda a magia da
esperança, do amor e dos sonhos de amanhã.








Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Outubro de 2010, 05:35
  RESSURREIÇÃO

 

Triste viajante da floresta escura,

Tateando na estrada erma e sombria,

Alcancei a aflição do último dia,

Esmagado na sombra da amargura.,.

 

Mas, além do favor da sepultura,

Eis que a paz novamente me sorria...

E, ave exalçando a graça da alegria,

Embriaga-me a luz vibrante e pura!

 

Glória às dores da vida transitória!...

Não traduzo o meu grito de vitória,

Por mais que a minha fé se estenda e brade;

 

Cego que torna a ver, além do mundo,

Canto somente a luz de que me inundo,

Nos caminhos de sol da eternidade.

 

Fonte: Do Livro “Assembléia de Luz” Autor:Leôncio Correia.Psicografia de Francisco Cândido Xavier


 
 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 02 de Outubro de 2010, 06:50


CONSELHOS SIMPLES

Viajante em plena ascensão
Pelo rumo que enveredas,
Guarda esta simples lição:
Feliz quem devolve flores
Aos obstáculos e pedras
Que a vida nos dá por dores.

Revolta é lama que vem
Em tempestade voraz
Empanando todo o bem.
Apenas na fé em Jesus
Encontra a fonte de paz
O que sofre e busca a luz.

Sofrimento é o pai bendito
Que nos corrige e transforma
Dando força ao nosso espírito.
É o freio dos desatinos
Que nos induz à reforma
Para melhores destinos!

Viajante em evolução,
Se onde pisas há só espinhos
Ouve esta simples lição:
Transforma em flores de amor
Nos tortuosos caminhos
Todas as nesgas de dor!

                        Carmem Cinira

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Outubro de 2010, 00:50
Espiritismo

O espiritismo é a ilha da bonanza,
No oceano de lágrima e dor,
Onde o homem cansado e sofredor
Encontra o porto amigo da Esperança.

Porto claro e feliz, onde a alma alcança
Os tesouros de fé, de crença e amor,
Sob as bênçãos divinas do Senhor,
E onde a vida decorre calma e mansa.

É na doutrina da Fraternidade,
Que o coração de toda a Humanidade
Há de alcançar mais vida, paz e luz.

Somente o seu ensino verdadeiro,
Pode reunir, na Terra, o mundo inteiro
No Evangelho sublime de Jesus.

João de Deus




Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 04 de Outubro de 2010, 14:18
Se a tua fé não vê ou ainda não viu

A presença da lágrima ou do espinho

Para vencer nos lances do caminho,

Os perigos da marcha e as surpresas da treva.

Se a tua fé não ouve ou ainda não ouviu,

Entre as flores que leva

Desde o berço da crença até agora,

O insulto em que a maldade se avigora,

A fim de que lhe dês,

Outra vez e outra vez,

O apoio da paciência e a lição da bondade...

Se a tua fé não encontrou ainda

Algo que a desagrade,

Na tarefa bem-vinda

Que te impele a servir ao amor e á verdade.

Se a tua fé não teve ou ainda não tem

Ofensas a perdoar e injúrias a esquecer,

No sublime dever

De amparar, socorrer ou levantar alguém...

 


Se enfim, a tua fé não conheceu

Angústia ou desabrigo,

Se ela não sofre ou ainda não sofreu

Golpes do orgulho vão,

Escárnio, desafio, tentação,

Para que aprendas, coração amigo,

Resistência e humildade,

A tua fé, portanto,

Não passa, por enquanto,

De um sonho que não veio à realidade!...

Porque a fé verdadeira

Que redime e renova a Humanidade,

E vale, em tudo para a vida inteira,

A fé que tanto ama e anda de rastros

Quanto vibra e se eleva para os astros,

Fé valente e profunda,

Que inspira, exemplifica, ergue e fecunda,

Será sempre obtida na batalha,

Na Terra ou Mais Além,

No coração que luta ou se estraçalha

Para a glória do Bem.



(Francisco Cândido Xavier por Maria Dolores. In: Coração e Vida)



Amigos..Sejam bem-vindos..Que a paz esteja em seus corações..Sua presença é fundamentla pro enriquecimento deste espaço que é de vocês..Abraços afetuoso!!


Desejamos a todos uma semana repleta de Felicidades..(Lima-Gil..Ana23..Coronel..dOM Jorge..Dothy..Katiatog..Sensitive)

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 04 de Outubro de 2010, 23:56
  Indicações



Depois do prazer, a dor,

Depois da dor, o prazer.

Por estas regras da vida,

É que se aprende a viver.

 

Lição de sabedoria,

Em qualquer tempo e lugar:

Coração que não perdoa

Está mais perto de errar.

 

Trabalha sempre. Não vivas

De espírito desatento.

A folha solta no ar

Segue os caprichos do vento.

 

Qualquer pessoa vê fatos,

Julgando, a senso comum,

No entanto, só Deus enxerga

Por dentro de cada um.

 

Ilusão, - mel em vinagre, -

Remédio que o céu nos fez

Para que a gente na terra

Não morra de uma só vez.

 

Livro Encontro de Paz - Psicografia Chico Xavier. Autor:Souza Lobo
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Outubro de 2010, 21:57
 Ouve, Coração

                                                                                                                                                       Maria Dolores

Perguntas, coração,

Como sanar as dores sem medida,

De que modo enxugar a lágrima incontida

Sob nuvens de fel e de pesar!...

Recordemos o chão...

Quando o lodo ameaça uma estrada indefesa,

Em cada canto roga a Natureza:

Trabalhar, trabalhar.

 

Fita o aguaceiro que se fez tormenta.

Ao granizo que estala, o vento insulta;

Seio de mágoas que se desoculta,

A terra, em torno, geme a desvairar...

Mas, finda a longa crise turbulenta,

Sobre teto quebrado, pedra e lama,

Renasce a paz do céu que vibra e chama:

Trabalhar, trabalhar.

 

Ressurge, inalterado, o sol risonho,

Não pergunta se o mal ganhou no mundo

A tudo abraça em seu amor profundo,

A criar e a brilhar!

Recebe cada flor um novo sonho,

Cada tronco uma bênção, cada ninho

Canta para quem passa no caminho:

Trabalhar, trabalhar.

 

Assim também, nas horas de amargura,

Enquanto a sombra ruge ou desgoverna,

Pensa na glória da Bondade Eterna,

Acende a luz da prece tutelar!

E vencerás tristeza e desventura,

Obedecendo à voz de Deus na vida

Que te pede em silêncio, à alma ferida:

Trabalhar, trabalhar.

 

 

(Versos recebidos pelo médium Francisco Cândido Xavier, em reunião pública da
Comunhão Espírita Cristã, na noite de 20-11-65, em Uberaba, Minas.)

 
Fonte: Reformador – março, 1966

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 06 de Outubro de 2010, 03:10
Alma minha gentil, que te partiste

Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida, descontente,
Repousa lá no Céu eternamente
E viva eu cá na terra sempre triste.

Se lá no assento etéreo, onde subiste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele amor ardente
Que já nos olhos meus tão puro viste.

E se vires que pode merecer-te
Algu~a cousa a dor que me ficou
Da mágoa, sem remédio, de perder-te,

Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
Quão cedo de meus olhos te levou.

                        Luís de Camões
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 06 de Outubro de 2010, 03:23
Tanto de meu estado me acho incerto

Tanto de meu estado me acho incerto,
Que em vivo ardor tremendo estou de frio;
Sem causa, juntamente choro e rio;
O mundo todo abarco e nada aperto.

É tudo quanto sinto um desconcerto;
Da alma um fogo me sai, da vista um rio;
Agora espero, agora desconfio,
Agora desvario, agora acerto.

Estando em terra, chego ao Céu voando;
Nu~a hora acho mil anos, e é de jeito
Que em mil anos não posso achar u~a hora.

Se me pergunta alguém porque assim ando,
Respondo que não sei; porém suspeito
Que só porque vos vi, minha Senhora.

                               Luís de Camões

Paz e Luz
Belina
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 06 de Outubro de 2010, 23:06
 PAZ E AMOR

 

Escuta coração!!
Se buscas atingir a vitória do bem,
Se desejas que a paz se te instale nas horas,
Oprograma é servir sem desprezar ninguém...
Contempla a terra em derredor
E reconhecerás com nitidez
Que sem base de ação e tolerância
Nada de bom se fez!...
O chão que suportou enxada e golpe
É sempre aquele chão
Onde a vida se dá e depois se retoma,
Em láureas de verdura e tesouros de pão...
A fonte que te ampara não se oculta,
Em descanso vulgar,
É aquela que não teme pedra e lodo
E cede apoio ao rio à procura do mar.
Observa mais longe:
No anseio de progresso a que o tempo te induz,
Sem força ou combustível que se gastam,
Pereceria a Terra, ante a morte da luz.
Se sonhas com mundo novo, serve e segue,
Não pares, nem te deixes combalir,
O trabalho presente aproveita o passado
Para tornar mais alta a bênção do porvir!...
Não te prendas à sombra da tristeza,
Nem te entregues à queixa amarga e vã,
Auxilia, perdoa e eleva hoje
E encontrarás mais bela a vida de amanhã!...
Examina conosco, alma querida!
Seja onde seja e seja com quem for,
Deus, em tudo, é a presença da bondade
Que a tudo envolve e guarda, em cascatas de amor!...

Chico Xavier - Livro – Estrelas no Chão

Sejam bem-vindos..Amigos e irmãos..Juntos estamos em um só coração..Sua presença aqui é primordial..Sem ela tudo fica igual..Estão todos convidados...A trazerem suas mensagens..Postagens..Aqui recebemos tudo com Amor..Que louvor..Abraços de todos nós deste espaço prazeroso..Que gostoso!!

 
   

 

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 07 de Outubro de 2010, 04:16

LÁGRIMAS

Quando a luta te deixe em plena estrada,
Qual tronco a sós, sem flores e sem frondes,
Na secreta renúncia a que te arrimas,
Bendita seja a lágrima que escondes!

Quando a amargura te converta a vida
Em rede estranha de sinistras horas,
Mesmo nas raias do suplício extremo,
Bendita seja a lágrima que choras!

Quando a prova te assalte os semelhantes
Na dor de sendas ásperas e incertas,
Na simpatia que te inflama o peito,
Bendita seja a lágrima que ofertas!

Quando, porém, caminhas na bondade
A que nobre e sereno te conjugas,
Muito acima das lágrimas que vertes,
Bendita seja a lágrima que enxugas!

                                         Francisco Lobo da Costa

Do Livro:
Antologia dos Imortais
(Poesias Mediúnicas)
Poetas Diversos
Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 07 de Outubro de 2010, 18:25
                         ***AMA  E  ESPERA***

 
Emudece o teu pranto. Cala o grito

De revolta na dor que te encarcera,

Por mais negra, mais rude, mais sincera,

A mágoa estranha de teu peito aflito.

 

Em toda a Terra há lagrimas e conflito,

Ruínas do mundo que se desespera...

Ama e sofre, trabalha e persevera

Na esperança de paz e de infinito.

 

Peregrino do campo atormentado,

Rompe os elos e as trevas do passado,

Fita a luz do porvir resplandecente.

 

Muito além do terrível sorvedouro,

Nas estradas liriais de acanto e louro,

O sol do amor refulge eternamente.

 

 

Psicografia em Reunião Publica  Data – 4-9-1946

Local – Centro Espírita de Lavras, na cidade de Lavras, Minas

 

 

Do Livro  "Através do Tempo", de Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos(Cruz Souza)


Amigos sejam bem-vindos..Que a paz esteja em seus corações.Sua presença íé fundamental pra este espaço que é de todos..Ela é que nem flores..Alegrando e perfumando o jardim de nossas vidas!!Abraços afetuoso!!


Amigos e irmãos de jornada..Paz e Luz em seus corações..Abraços afetuosos!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lourdilena em 07 de Outubro de 2010, 19:06
Todas as mensagens postadas aqui são lindas e ajudam muito à todos nós!

Obrigada à todos.

Abraços Fraternos.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: mecame em 07 de Outubro de 2010, 19:13
Vocês são maravilhosos com estas mensagens deste tópico. Quisera eu saber escrever poesia para também abrilhantar este cantinho sagrado de sensibilidade que os irmãos criaram. A paz de Cristo a todos.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 07 de Outubro de 2010, 19:18
Amigo mecame..Somos todos inspirados a servir no bem..Feliz é aquele que reconhece a grandeza de uma mensagem  maior através da Poesia..Não se faça de rogado..Colabore também..Inspiração é o que não te falta..Abraços cheios de Paz!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 07 de Outubro de 2010, 19:21
Amiga Lourdilena..Que valiosa sua visita e sua contribuição através do reconhecimento que a mesma se enquadra..Este espaço é seu também..`E de todos...Está convidada a colaborar com o bem..Abraços afetuoso!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 08 de Outubro de 2010, 16:09
  CARIDADE

                                Auta de Souza

 

Glorificada sejas onde fores,

Mão que te fazes sol, apoio e ninho

Para todos os tristes do caminho,

Mão que recorda um lírio aberto às dores!...

 
Mão generosa, mão em que adivinho

A mensagem de Cristo em resplendores,

Mão que converte lágrimas em flores,

DEUS te abençoe os gestos de carinho.

 
Nunca enxerguei a forma de teu culto;

Fito-te a luz que passa e enquanto exulto

Vejo que o mundo se aprimora ao vê-la !

 
Caridade ! És o Dom que nos irmana,

Amor de DEUS na inteligência humana,

Uma estrela engastada noutra estrela !...

 
 Soneto recebido pelo médium Francisco Cândido Xavier
na sessão pública do lar Espírita de Lázaro na noite de 09.08.1966 – em Uberaba/MG.
    
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Outubro de 2010, 19:50
  EM  PAZ

 

Auta de Souza

 

Tanto roguei a paz consoladora
Durante os meus amargos sofrimentos,
Elevando a Jesus meus pensamentos,
Que recebi a paz confortadora!

Sentindo-me feliz, ditosa agora,
Nestas paragens de deslumbramentos
Onde terminam todos os sofrimentos
Que inundam de amargor a alma que chora.

 

Jesus! Doce Jesus meigo e bondoso,

Quanto agradeço a paz que concedestes

Ao meu viver tristonho e doloroso!

 

E desse lindo oásis encantado,

Canto de lua dos páramos celestes

Bendigo o vosso amor ilimitado!

 

 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

 

 
   
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 09 de Outubro de 2010, 20:14
Queridas amigas Lordilena e mecame:

Boa tarde! Somos muito gratos por sua constante presença em nossos "subespaços" e queremos contar com suas valiosas contribuições para enriquecê-los cada dia mais. Como vocês podem observar, em todos eles, todos os irmãos e irmãs que fazem suas postagens, geralmente, as copiam da imensa literatura espírita, apenas tendo o cuidado de selecioná-las dentro do assunto ou dos objetivos indicados no próprio título de cada tópico. Estimada amiga mecame, se se interessa mais por poesias mediúnicas — o tema deste tópico —, deve adquirir qualquer das obras que as contenham, a exemplo do Parnaso de Além-Túmulo, que a nossa amiga Dothy utilizou nesta página. Queremos sempre que se sintam bem acolhidas e realizadas em participar junto conosco desse importante trabalho espiritual. Participem, tragam suas mensagens, orações, pensamentos e poesias mediúnicas, sem medo de ser feliz. Abraços afetuosos do irmão e amigo de sempre,
Lima_Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 09 de Outubro de 2010, 20:26
Amada amiga Dothy:

Parabéns por esses belíssimos sonetos de Auta de Souza com que a querida irmã nos brindou, enriquecendo mais ainda este tópico pelo qual nutrimos um carinho muito especial. Observe bem, filha minha, como estão caminhando com tanta vida todos os "subespaços" que temos criado, e esse resultado devemos, sobretudo, à tua galhardia em estimular e acolher com inexcedível carinho os nossos irmãos e irmãs que nos visitam. Muito obrigado, irmã querida, e continue perseverando nessa tarefa a que espontaneamente se entregou, pois sabes, como já manifestei em várias oportunidades, que tenho extrema confiança em tua alma nobre e devotada a serviço do nosso amado Cristo Jesus. Que a Sua Doce Paz te envolva, aqui e agora, e para todo o sempre. Beijos e abraços carinhosos deste irmão e amigo que muito te estima,
Gil.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 09 de Outubro de 2010, 20:28

DOENÇA E PROVAÇÃO

N a provação que te ataca
Em forma de enfermidade,
Não te amargures, prossegue,
Construindo caridade!

A doença, muitas vezes,
A mensageira da dor,
É aquela amiga capaz
De despertar-nos no amor.

Na verdade, a causa certa
Da mazela em nossa vida,
Se encontra na imperfeição
De nossa alma corrompida.

Melhoremos nosso ser
Em busca da perfeição
E teremos após este
Um corpo feliz e são!

A enfermidade pior
Que vemos aí na terra
É a do espírito sem fé
Que caído em lama, erra.

Cegueira, idiotismo, lepra,
Cirrose ou paralisia
São as bênçãos de progresso
Que Deus com amor envia.

Não desfaleças, portanto,
Apóia-te à paz da fé.
A melhor prova é aquela
Que suportamos de pé!

           Casimiro Cunha

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 10 de Outubro de 2010, 07:36
       QUEM ...

 

Estrelas, quem vos fez por deslumbrante frota

De excelsos bergantins em chamas de ouro e prata?

Céus, quem nos desdobrou, por milênios sem data,

Nos distritos sem fim da vastidão remota?!...

 

Luzes da imensidão, quem vos alenta e dota

De celeste esplendor e força intimorata?

Mares, quem vos mantém?... Fontes, quem vos desata?

Aves, quem vos compôs a cantiga devota?

 

Flores, quem vos desvela a doce maravilha?

Troncos, quem vos criou?... Pedras, quem vos empilha

Dando ao mundo, no espaço, apoio incontroverso?!

 

...E eis que serena voz, sem que se saiba de onde,

Do sol ao verme canta, estremece e responde, - Deus!...

Tudo vem de Deus, na pompa do Universo!...

 

Fonte: Do Livro “Assembléia de Luz” Autor: Tobias Barreto. Psicografia de Francisco Cândido Xavier


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 10 de Outubro de 2010, 13:06
Olá a todos

Que teu coração voe contente nas asas da Espiritualidade consciente, para que percebas a ternura invisível tocando o centro do teu ser eterno.
Que teus pensamentos, teus amores, teu viver, e tua passagem pela vida sejam sempre abençoados por aquele amor que ama sem nome.

Que esse amor seja teu rumo secreto, viajando eternamente dentro de teu ser.
Que esse amor transforme os teus dramas em luz, tua tristeza em celebração, e teus passos cansados em alegres passos de dança renovada.
Que teu viver seja pleno de PAZ e LUZ!

                            (desconheço o autor)

Paz e Luz
Belina
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Outubro de 2010, 23:15
  ***Pão Nosso***                                                   Auta de Souza

Harpas de amor tangendo de mansinho

A música do bem ditosa e bela,

As mãos guardam a luz que te revela

A mensagem de paz e de carinho.

 

Não te digas inútil ou sozinho...

Na existência mais triste ou mais singela,

Nas mãos todo um tesouro se encastela,

Derramando-se em bênçãos no caminho.

 

Ara, semeia, tece, afaga e ajuda...

Mãos no trabalho são a prece muda

De nosso coração, vencendo espaços...

 

E, aprendendo com Cristo, ante o futuro,

Tuas mãos, como servas do amor puro,

São estrelas fulgindo nos teus braços.

 

Psicografada por Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Outubro de 2010, 23:26
Amigos..Sejam bem-vindos..Que a paz esteja em seus corações..Agradecemos avocês pelas visitas a este espaço que é de todos..Sua presença é valiosa..Ela é que dixa tudo florido..Perfumado e alegre aqui!!Estão convidados a trazerem suas mensagens dentro do tema..Desejamos a todos uma ótima semana repleta de Felcidades..São so sinceros votos de :

(***Lima-Gil..ana23..Belina..Dothy..Katiatog..Sensitive..**)





Aos meus queridos amigos e irmãos de jornada(***Lima-Gil..ana23..Belina..Katiatog..Sensitive..**)Desejo uma ótima semana repleta de realizações no bem e mts Felicidades...Recebam meu abraço afetuoso!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 12 de Outubro de 2010, 00:21
Boa noite, queridos amigos.

Essa poesia dedico à todas às crianças, em homenagem ao seu dia.

 

CARTA  AOS  MENINOS
 

 

Meu amigo pequenino.

Depois de ler e brincar,

Há nos caminhos da Terra

Outra vida a te esperar.

 

É a vida que representa

A tua escola maior,

Onde o livro do trabalho

É sempre muito melhor.

 

Para esse novo caminho,

Seja em qualquer posição,

Faz-se mister acenderes

As luzes do coração.

 

Não te habitues a mandar,

Nem tão-somente a querer,

Mas aprende a trabalhar,

A esperar e obedecer.

 

Nas lutas de cada dia

Aclara o teu coração.

Preguiças e rebeldias

São portas de tentação.

 

Antes de tudo, venera

Teus pais e os conselhos seus.

Sem que ames a teus pais

Não podes amar a Deus.

 

Se tens tudo hoje, recorda

Que nesse grande caminho

Pode faltar-te o conforto,

Pode faltar-te o carinho.

 

Não desperdices, meu filho,

No mundo há muita criança,

Que embora irmã de teus anos,

Não tem pão, nem esperança ...

 

Dá sempre. Quem dá recebe

As grandes luzes do Bem.

Deus nos deu tudo na vida.

Se puderes, dá também.

 

Mas se és pobre, não te esqueças

Da vida resignada.

“ O pouco com Deus é muito

E o muito sem Deus é nada”.

 

Se és órfão e desvalido,

Se te falta o livro e o pão,

Trabalha e conta com Deus

Que ouve o teu coração.

 

Deus é tudo em nossa vida.

Sem Ele tudo nos cai.

Aprende a guardar na Terra

A sua bênção de Pai.

 

Faze da luz da humildade

A força de teu escudo.

Esforço e boa vontade

Na vida conseguem tudo.

 

Não olvides que o trabalho

É fonte de paz e luz.

Jamais te esqueças, meu filho,

Que teu modelo é Jesus.

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier  -  Autor: Casimiro Cunha
 

 

 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 12 de Outubro de 2010, 09:54

MENSAGEM DE COMPANHEIRO

Se a treva te envolve a estrada
E tudo é incerto e sombrio,
Não te revoltes com nada,
Prossegue com fé e brio!

Deixa o mal de lado e pensa
No bem e na caridade.
A melhor resposta à ofensa
É o sorriso da bondade.

Olvida a conversa vã,
Cheia de fel e amargura!
 Colheremos amanhã
Nossa atual semeadura.

Do passado guarda apenas,
Lições que te tragam paz,
Esquece tortura e penas
Do que não retoma mais!

Tenta viver no Evangelho,
Sem se ater na provação,
Matando em ti o homem velho
No arrojo à evolução.

                         Casimiro Cunha

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 12 de Outubro de 2010, 13:04
  NÃO  PERCAS  TEMPO

 

Não deixes para mais tarde

A palavra calma e boa,

Que salva, anima e perdoa

Curando ofensa ou pesar;

Talvez muita gente esteja

Na pauta do que te digo,

Pedindo-te um gesto amigo

Que não se deve adiar.

 

As vezes, num só abraço,

Numa frase ou num sorriso,

Temos nós o que é preciso

Em qualquer reparação.

Faze agora o bem que possas,

Não aguardes outro dia;

Bondade semeia a cria

Vida nova ao coração.

 

Haja o que houver em caminho,

Não guardes ressentimento,

Todo minuto é momento

De ajudar e recompor.

Não apontes, nem lastimes

A incompreensão que te alcança,

Para quem segue a esperança

Deus é a presença do amor.

 
Do livro Momentos de Ouro. Psicografia de Frâncico Cândido Xavier.(Maria Dolores)

 

l
    
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Outubro de 2010, 13:46
Programa para perdoar

Esforce-se para impedir que a ofensa se
converta em mágoa. Silencie o sucesso infeliz em
que se viu envolvido. Acautele-se, face aos
comentários que lhe tragam os maledicentes e os
levianos. Reflita maduramente, valorizando o ensejo
e retirando proveito da lição que o alcança
em forma de sofrimento. Se você é inocente,
exulte. Se é culpado tranqüilize-se diante
do pagamento. Não fique remoendo,
mentalmente o acontecido. Pense na hipótese
de o seu agressor estar enfermo. A posição da vítima
é sempre melhor. Enseje ao desafeto oportunidade
para a reparação e o retorno. Se tudo estiver,
aparentemente, contra você, fiscalizado
por uns, perseguido por outros,
mantenha inalterada sua confiança em Deus,
que tudo sabe. Desgraça verdadeira é perseguir,
inquietar, comprazer-se na dor alheia, envenenar-se
com o azedume e a cólera. Perdoando, você estará
sempre em paz, podendo auferir mais tarde as
vantagens de haver sido enganado,
perseguido ou ultrajado, com o espírito
livre de outros débitos, de que,
então se encontrará liberado.


( Marco Prisco )

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 13 de Outubro de 2010, 23:10
António Gedeão : Aurora boreal

Tenho quarenta janelas
nas paredes do meu quarto.
Sem vidros nem bambidelas
posso ver através delas
o mundo em que me reparto.
Por uma entra a luz do Sol,
por outra a luz do luar,
por outra a luz das estrelas
que andam no céu a rolar.
Por esta entra a Via Láctea
como um vapor de algodão,
por aquela a luz dos homens,
pela outra a escuridão.
Pela maior entra o espanto,
pela menor a certeza,
pela da frente a beleza
que inunda de canto a canto.
Pela quadrada entra a esperança
de quatro lados iguais,
quatro arestas, quatro vértices,
quatro pontos cardeais.
Pela redonda entra o sonho,
que as vigias são redondas
e o sonho afaga e embala
à semelhança das ondas.
Por além entra a tristeza,
por aquela entra a saudade
e o desejo, e a humildade,
e o silêncio, e a surpresa,
e o amor dos homens, e o tédio,
e o medo, e a melancolia,
e essa fonte sem remédio
a que se chama poesia,
e a inocência, e a bondade,
e a dor própria, e a dor alheia,
e a paixão que se incendeia,
e a viuvez e a piedade,
e o grande pássaro branco,
e o grande pássaro negro
que se olham obliquamente,
arrepiados de medo,
todos os risos e choros,
todas as fomes e sedes,
tudo alonga a sua sombra
nas minhas quatro paredes.

Oh janelas do meu quarto,
quem vos pudesse rasgar!
Com tanta janela aberta
falta-me a luz e o ar.

In “Teatro do Mundo”, 1958


**************************************************
Paz e luz
belina

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 13 de Outubro de 2010, 23:12
Carlos Drummond de Andrade : Além da terra. além do céu

Além da Terra, além do Céu,
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!
vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.


Paz e Luz
Belina
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 13 de Outubro de 2010, 23:30

FLORBELA ESPANCA - VERSOS DE ORGULHO - Narração Miguel Falabela (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PW1jYm5pUlgyOUxNIw==)

   
FLORBELA ESPANCA - ALMA PERDIDA - Narração Miguel Falabela (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUxJeFVsc3lHbzFFIw==)

Sara Tavares e Nuno Guerreiro Cantam Florbela Espanca


Ala dos Namorados - Perdidamente (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVNoVWRYbEhhVzJ3Iw==)


paz e luz
belina
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 14 de Outubro de 2010, 18:24
 TODOS  TEMOS UMA CRUZ

 

Todos temos, neste mundo,

Uma cruz a carregar.

Felizes os que a conduzem

Sem do peso se queixar!

 

Esses, porém, são bem poucos...

Ah! Quantos só vão andando

Porque o aguilhão os empurra...

E vão da cruz se queixando.

 

Muitas vezes encontramos

Um que caminha cantando,

Deixando-nos a impressão

Que nada vai carregando.

 

E, não raro, alguém parece

Não ir carregando nada.

É quem transportando vai

Cruz maior e mais pesada!

 

É que, quem vai nas pegadas

Do Excelso Mestre Jesus,

Tem oculto Cirineu,

Que o ajuda a levar a cruz!

ANDRÉ FERNANDES

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 15 de Outubro de 2010, 05:55
Boa noite, queridos amigos!


IRMÃ CORAGEM


Deus te abençoe a Fé por onde fores,
Adornando-te de luzes renascentes,
Nos sonhos e esperanças que acalentes,
A suprimir pesares e amargores.
Deus te engrandeça em tudo quanto intentes.
Embora suportando as próprias dores,
No intuito de amparar os sofredores,
Os cansados, os tristes e os doentes.
Irmão coragem, alma de alegria,
Sempre servindo e amando, dia a dia,
Enaltecendo as provas benfazejas.
Sê grata à vida e à luta, chora e canta,
Jesus te inspira a estrada clara e santa
Mensageira do Amor, Bendita Sejas ! ...


Espírito: JESUS GONÇALVES
Médium: Francisco Cândido Xavier. Livro: "Estradas e Destinos"
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 15 de Outubro de 2010, 06:52

LUTAS

Nas lutas de cada dia
Deixa o amargo desalento
E enfrenta com alegria
A cruz de cada momento.

Dificuldades pequenas
Ou grandes desilusões
São bons remédios apenas
Em forma de provações.

O amparo de nosso Pai
Não está só na Bonança
Mas na dor que vem e vai
Incentivando mudança.

Quanta gente aí na terra
Que após a desesperança
Não mais descrê, não mais erra
E na melhora se amansa!
Porque prova suportada
É como luta vencida,
É como luzente estrada
Que leva à mais alta vida.

Ao invés, revolta é lama
Que atravanca a evolução,
Quem se lamenta e reclama
Torna maior a aflição.

Paciência humilde e constante
É o que nos pede Jesus,    .
A fim de a cada instante
Alcancemos mais a luz.

Encontra forças na prece
Ante feridas e fel
Suporta tudo e agradece
E terás a paz do céu!

                         Casimiro Cunha

Do livro:
Imortais da Poesia
Poetas Diversos
Dora Incontri
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 17 de Outubro de 2010, 00:01
EU ME PERCO...

Eu me perco
do que quero alcançar
e alcanço
o que precisava perder
eu me perco
por tanto esperançar
e desesperanço
de tanto me perder...
Eu busco
no desejo de alcançar
e não alcanço
o que está em algum lugar
a na busca do perdido
eu me perco
e encontro
quando paro de buscar
vejo em mim
o que se perdeu no tempo
e no tempo
o que não via em mim...
Eu me perco
no desejo de encontrar
e me encontro
pois perdi em só desejar...
é por isto que ao parecer perdida
me encontrava
e ao julgar encontro
me perdia...
Mas não há perdas
em buscar
e nem encontros
sem perdas...
Pois tenho aprendido
a prender
no aprendizado de vida
que é viver!

Rita Reikki
27/02/2007

paz e Luz
belina
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 17 de Outubro de 2010, 00:06
ESTA VIDA NÃO VIVI!
ROMASI
(Rogério Martins Simões)
 
Será que na vida não vive
Quem na vida já viveu?
Ou será que terá vida
Quem nesta vida sofreu?
Eu que morri e que vivo
Dentro do mundo que passou:
Nos versos que não morrerão,
Após rasgar a vida,
Irão lembrar quem chorou
E esta vida não viveu.
1971
 
 
 
 
UM SORRISO DE TERNURA
Rogério Martins Simões
 
Um sorriso tanto de candura
Aberto, secreto e luzidio
A beleza que em ti irradia,
Formosa discreta e segura
 
Mas se uma lágrima te cai,
Manhã cedo espreitando o rio…
Leve, leve, como a neve fria,
Tão breve, logo amanhece
Na solidão do dia-a-dia,
Segredos da desventura
Que só a tua alma conhece.
 
Vai! Solta a amarra
Dá liberdade à ousadia
Deixa que ela te traga
De volta a tua alegria.
 
E um sorrir de ternura
Aberto, liberto e atrevido…
A beleza que em ti irradia,
Formosa, discreta e segura.
 
31/08/2004
 

Paz e luz
belina
   

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Outubro de 2010, 14:25
Tuas Flores

Deixa tua dureza derreter-se frente ao novo
que te é dado dia após dia.
Aprende a ouvir as águas rolando nos seixos,
elas trazem uma canção que o teu coração
já conhece... Vê, o vento que balança as folhas
das árvores é o mesmo que toca tua fronte
iluminada. Acompanha o vôo do pássaro
sob o céu e sente, o teu espírito é tão livre
quanto ele.Sente o silêncio abençoado da
natureza e permite a ti comungar com ela a
quietude, a paz que vai em teu ser.
Olha tuas flores, mistura tuas cores e
cria teu próprio arco-íris.
Deixa teu coração presente em tuas palavras,
em tuas decisões, em teus silêncios.
Deixa a saudade vir e te avisar de um
tempo precioso, onde viveste em liberdade,
em alegria e vê, ainda é tempo de ser feliz.
Relembra tua estória, o caminho que fizeste...
Quanto aprendeste, quanto mudaste e,
quanto ainda há por ser feito...
O tempo não para, ele continua fiel a
sua natureza. Sê também fiel a tua e resgata
tuas fontes cristalinas,
tua alegria generosa, tua confiança no agora,
tua dança, tua segurança em ti mesmo.
O mundo não tem outro propósito se não o
de ensinar-te que és a Criança de Deus e para a
criação é presente, todo o amor é dado.
Descansa Criança, teu jardim ainda é mais
bonito e floresce mansamente aos olhos
D´Aquele que tem por alegria olhar,
amar e cuidar de todas as tuas flores.

( autor desconhecido )
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Outubro de 2010, 14:31
Amigos..Sejam bem-vindos...Que a Paz esteja em seus corações...Sua presença é muito importante pra todos nós..Desejamos uma semana repleta de Paz e Amor...Recebam nosso afetuoso abraço..São os sinceros votos de:

(***Lima-Gil..ana23..Belina..Dothy..Katiatog..Sensitive..**)

Amigos querido de jornada..Desejo a todos uma semana repleta de Felicidades e Paz..Abraços afetuoso!!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 19 de Outubro de 2010, 05:46

RECOMEÇO

Fome de perfeição jungindo ao peito
As aflições e as dívidas que arrasto,
Implorei renascer, jurando vasto
Testemunho de amor, no trilho estreito.
 
Mas, de retorno à carne, inquieto, aceito
O orgulho por tutor cego e nefasto.
Quero, domino, exijo, gozo e gasto
Os tesouros da vida, sem proveito.

A morte chega e, trágica, desnuda
Minhalma aparvalhada, triste, muda,
Despertando os remorsos que padeço.

E regressando à sombra, a sós comigo,
E’ a paz de um novo corpo que mendigo,
O berço, a dor, a luta, o recomeço!...

                                  Pedro Carlos da Silva Rabelo

Do livro:
Antologia dos Imortais
Poesias Mediúnicas
Poetas Diversos
Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 19 de Outubro de 2010, 12:01
 ENTENDE  A  JESUS

Adelaide Augusta Câmara (AURA CELESTE)

 

Escuta a voz do amor por onde fores,

Guarda contigo as láureas da ventura,

E esparze por mil gestos redentores

A luz da paz à senda mais obscura,

 

Contempla a Vida em bênçãos multicores

No roteiro da anônima criatura,

A flor, o orvalho, a brisa e os resplendores

Do céu azul na fonte d’água pura...

 

Descobre em tudo as dádivas celestes

Sustendo docemente os passos, prestes

A cair nas abismos da jornada.

 

Fala, sorri, estuda, canta e ora,

Mas entende a Jesus que espera e chora

No triste olhar da infância abandonada!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 20 de Outubro de 2010, 12:19
AJUDA-TE

Casimiro Cunha

 

Se queres conforto e paz

Nunca reproves ninguém.

Se buscas os bens do Céu,

Começa fazendo o bem.

 

No campo da humanidade

Não colherás a alegria,

Sem plantar com toda gente

A graça da simpatia.

 

Ajuda-te! Em toda parte,

Bondade é sol que abençoa.

Planta nobre não prospera

Sem bases na terra boa.

 

Caridade, gentileza,

Auxílio, calma e perdão.

São das preces mais sublimes

Em teu altar de oração

 

Recorda que em toda vida,

Conforme a nossa procura,

O Criador nos responde

Nos gestos da criatura.

 

Livro Relicário de Luz. Psicografia Francisco C. Xavier.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 20 de Outubro de 2010, 20:43

-

DEUS CONTA CONTIGO

Ouço-te, às vezes, coração amigo,
Em torno ao bem, numa questão qualquer:
— “Farei... Conseguirei... Conta comigo...
Se Deus quiser, se Deus quiser. .
Mas não te alteres, a pretexto disso,
De segundo a segundo, estrada a estrada,
Á Vontade de Deus é revelada
Em bondade e serviço.

Fita os quadros da gleba, campo afora;
Tudo o que existe, vibra, luta e sente,
Serve constantemente,
Dia a dia, hora a hora!...
De alvorada a alvorada, o Sol fecundo,
Sem aguardar requerimento,
Garante sem cessar o equilíbrio do mundo
De seu carro de luz no firmamento.
A fonte, a deslizar singela e boa,
Passa fazendo o bem,
Dessedenta, consola, alivia, abençoa
Sem perguntar a quem...
Sem recorrer a humanos estatutos,
Nem a filosofias enganosas,
A laranjeira estende os próprios frutos,
A roseira dá rosas...
O lírio não se ofende, nem reclama:
Sobre a terra onde alguém lhe deitou a raiz,
Seja em vaso de estufa ou num trato de lama,
Desabrocha feliz.
Assim no mundo, coraçõo amigo,
Faze o bem onde for, seja a quem for;
Em toda parte, Deus conta contigo
Na tarefa do amor.
                               
                                 Maria Dolores

(Do livro “Antologia da Espiritualidade”, psicografia de Francisco Cândido Xavier)


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 21 de Outubro de 2010, 14:33
**Alma Renovada**


Nos caminhos da minha vida!!
Em muitas quedas sangrava....
Sempre chorando...Eu blasfemava...
Senhor...Por que tu  não me consolavas??

Senhor..Por que me abandonavas??
Nos desvarios a que eu  me entregava......
As enfermidades por mim mesma alimentada.....
Eu sempre te  suplicava..Enxuga minhas lágrimas.

Cansada dos falsos valores!!!
Que por tantos anos eu  idealizava.....
Amigo Jesus....Eu te suplico novamente...
Eu sofro..Acolhe-me agora na tua morada!!!
 
Hoje de alma tranquila!!!
Limpa de todas feridas e marcas....
Impostas pelas minhas más escolhas...
Enfim..Agora eu sou uma alma renovada!!!

Obrigada senhhor!!!

(Dothy)

Publicado no Recanto das Letras em 15/10/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Luigi em 21 de Outubro de 2010, 16:25
**Alma Renovada** é um POEMA Vindo Mesmo da Alma! Fiquei mesmo sem palavras...
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 21 de Outubro de 2010, 20:35

CANÇÃO DO CÉU

Abri os olhos doloridos
Pelas amargas visões vividas
E o mar salgado dos vendavais idos
Evaporou-se em luzes esvoaçantes e infindas!

Contemplou-me a Verdade infinita
Que me sussurrava tímida
No imo da alma aflita
Quando aí vagava entre paredes lívidas...
Achei-me, achando o todo de tudo
Afago agora a paz, sem rumores de treva
Num cantar puríssimo e vibrante.
E sempre mais me mudo
No eterno e santo instante
Que me exalta e me eleva!

                Cecília Meireles

(Do livro “Imortais da Poesia”, psicografia de Dora Incontri)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 22 de Outubro de 2010, 11:02

      **Canta Coração**                                                                                                             (Francisca Clotilde Barbosa)

Quem espera sempre alcança”,

Afirma velho rifão...

Coração, segue e confia,

Canta a vida, coração!

 

A Terra é escola de luta ;

A luta é a força de escol.

Todo sonho busca a frente,

Tudo espera, sob o Sol.

 

A semente espera a flor,

Que deitará no porvir

Anseia a flor pelo fruto,

O fruto espera servir.

 

A esperança é luz no tempo,

E o próprio tempo a conduz ;

Cada noite espera a aurora

A aurora espera mais luz.

 

Se hoje curtes, de alma aflita,

Provação, névoa,. pesar,

Amanhã é novo dia,

Não te canses de esperar.

 

“Quem espera sempre alcança”,

Afirma velho rifão...

Coração, segue e confia,

Canta a vida, coração!

 


 Livro: “Antologia dos Imortais” - Psicografia de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.


Amigos..Sejam bem-vindos..Que a paz esteja em seus corações..Sintam-se em familia..Sua presença é muito importante pra nós..Estão convidados a trazerem mensagens dentro do tema..Desejamos  a todos um ótimo final de semana repleto de mta Paz e Amor..Recebam nosso afetuoso abraço!!

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 25 de Outubro de 2010, 10:27
Florbela Espanca : O maior bem


Este querer-te bem sem me quereres,
Este sofrer por ti constantemente
Andar atrás de ti sem tu me veres
Faria piedade a toda a gente.

Mesmo a beijar-me a tua boca mente...
Quantos sangrentos beijos de mulheres
Poisa na minha a tua boca ardente,
E quanto engano nos seus vãos dizeres!...

Mas que me importa a mim que me não queiras.
Se esta pena, esta dor, estas canseiras,
Este mísero pungir, árduo e profundo

Do teu frio desamor, dos teus desdéns,
E, na vida, o mais alto dos meus bens?
É tudo quanto eu tenho neste mundo?


Paz e Luz
Belina
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 25 de Outubro de 2010, 10:30
Saudade é solidão acompanhada,
é quando o amor ainda não foi embora,
mas a amada já...
Saudade é amar um passado
que ainda não passou,
é recusar um presente que nos machuca,
é não ver o futuro que nos convida...
Saudade é sentir que existe
o que não existe mais...
Saudade é o inferno dos que perderam,
é a dor dos que ficaram para trás,
é o gosto de morte na boca dos que continuam...
Só uma pessoa no mundo deseja sentir saudade:
aquela que nunca amou.
E esse é o maior dos sofrimentos:
não ter por quem sentir saudade,
passar pela vida e não viver.
O maior dos sofrimentos é nunca ter sofrido.

(Pablo Neruda)

Paz e Luz
Beline
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: belina em 25 de Outubro de 2010, 10:32
Carlos Drummond de Andrade : Além da terra. além do céu

Além da Terra, além do Céu,
no trampolim do sem-fim das estrelas,
no rastro dos astros,
na magnólia das nebulosas.
Além, muito além do sistema solar,
até onde alcançam o pensamento e o coração,
vamos!
vamos conjugar
o verbo fundamental essencial,
o verbo transcendente, acima das gramáticas
e do medo e da moeda e da política,
o verbo sempreamar,
o verbo pluriamar,
razão de ser e de viver.


Paz e Luz
Belina
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 25 de Outubro de 2010, 11:12
SER  CRISTÃO

Evangelho no mundo é o Livro da Alegria,

revelando em Jesus o Coração da História.

Sob a estrela fulgente e em cânticos de glória,

a Manjedoura surge e a Graça principia.

 

Nas Bodas de Cana, o Senhor faz-se o guia

da festa de noivado, em milagre e vitória,

e em toda a Galiléia é a beleza incorpórea,

trazendo amor e sol à Terra escura e fria.

 

 

Converte a própria cruz, que o flagelo e domina,

em mensagem da vida imortal e divina,

doando à fé sublime augusta sementeira.

 

Em júbilo sem par, alcançando o Infinito,

ser cristão é ser luz ao mundo amargo e aflito,

pelo dom de servir à Humanidade inteira.

 

 

LIVRO ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL - Psicografia: Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos(Olavo Bilac)


 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 26 de Outubro de 2010, 14:43
***Grandeza Divina*** 

Em toda grandeza do dia!!
Deus está a nos mostrar
Que tudo na vida acalma
Em cada novo despertar.....

Em toda grandeza do ar!!
Deus nos mostra  sem parar
Por que ficamos a recear??
Se está sempre a nos guiar..

Em toda grandeza da Terra!!
Deus sempre a nos consolar..
Todos os que sofrem dores
Que só sabem murmurar...

Em toda grandeza da vida!!
Deus sempre a nos amparar.
Até quando duvidaremos???
Do eterno poder de  amar....

(Dothy)

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Outubro de 2010, 13:55
..

***Encanto*** 

O Sol...As flores...O mar....
Ha...Como é bom vislumbrar..
Todos estes tesouros temos aqui...
Que Deus criou pra nos ofertar

As árvores...A Lua...As estrelas
Todas em sintonias a brilhar...
Como é bom reverenciar....
Tanta beleza pra admirar...

Os passáros.o vento,a Terra
Todos sempre a voar.Girar...
Numa melodia de encantar....
Sempre eles a se multiplicar....

A água!!As nuvens!!A chuva
Que grandioso despertar....
De todas elas a sintonizar....
Pra nós que fazemos contemplar

O dia...A noite...O tempo...
Todos passando  sem parar....
E nós submetidos a contar...
Fases de nossas vidas a sonhar

(Dothy)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 27 de Outubro de 2010, 23:26
Boa noite, queridos amigos!



CONVERSA EM NOITE FRIA


“O amparo que ofereces aos
recém-nascidos,
É proteção e amor para os
Entes queridos ““.


Sofres por bagatela, alma fraterna e boa,
Qualquer falta de alguém te fere e te atordoa.
Uma colcha rompida, um ônibus que atrasa,
Um menino que reina, uma barata em casa.
Pensa, no entanto, em teu leito macio,
Nos irmãos sem pousada a tremerem de frio.
Olha o filho que tens, sob a lã trabalhada
E recorda a criança na calçada.
Revisa a própria mesa farta, em cada novo dia,
Quando a tanto doente um caldo alegraria.
Vai ver mães sozinhas, rua afora,
Solicitando um pão para o filho que chora.
Anota os pobres mendigos em feridas,
Que oram sob as pontes esquecidas.
Vê a penúria extrema e, depois volta aos teus!...
Sentirás em teu lar um palácio de Deus.



Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES – PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Outubro de 2010, 12:26
***Nova Oportunidade***

Abre a janela!!
Deixa o sol te iluminar..
Aquecer a alma e limpar.
Em tudo se renovar....

Abre o teu coração!!
Ele é .pura emoção..
Para um novo amor..
Nova chance terás....

Abra-se a vida!!
Ela é bem merecida..
Tristezas..Deixe atrás...
Já não te pertecem mais..

Abra sua mente!!
Ofensas.Esqueces..
As pessoas são doentes.
Envolva eles em preces..

Abra sua alegria!!
Deixe ela fazer moradia..
Tu serás só harmonia..
Viva em eterna magia..

Abra um sorriso!!
Que lindo..Luz a iluminar..
Todos que contigo cruzar
Em cada um despertar..

Abra-se ao novo!!
Que maravilhoso..
Sem medos e culpas..
A vida é beleza pura..

(Dothy)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 29 de Outubro de 2010, 04:49
CONFIDÊNCIA

Se eu pudesse, Jesus,
Desejava esquecer
A mitnha própria imperfeição,
A fim de ser contigo,
Onde houvesse aflição,
O suave calor
Do braço terno e amigo
Que derrame esperança em todo sofrimento
De modo a que, na Terra,
Ninguém padeça em vão.

Queria ser
Uma chama de fé, ao longo do caminho, 
Um pingo de bondade a descer persistente
Sobre a rocha do mal em que a treva se fez,
Queria ser migalha de conforto
A todo coração que está sozinho,
Proteção à orfandade,
Companhia à viuvez.

Queria ser a brisa
Que refrigera a mente em cansaço profundo,
Combalicla na prova
Quando a tristeza vem,
Queria ser a escora pequenina,
Que sustentasse os náufragos do mundo,
Para o regresso à vida nova,
Pelas vias do bem.

Queria ser a força do silêncio 
Que verte do sorriso de brandura
A suprimir o incêndio da revolta
De quem se desespera ou se maldiz;
Queria ser o beijo da alma boa
Que seca o pranto de quem se tortura,
Ante os golpes de lama
Da calúnia infeliz.

Queria ser a prece que afervora
E alivia o doente,
Socorro, de algum modo, a retratar-te,
Queria ser, enfim, ao teu lado, Senhor,
Alguém que se olvidasse, inteiramente,
Dia a dia, hora a hora,
A fim de ser contigo, em toda parte,
Uma bênção de amor.
                     
                                          Maria Dolores

(Do livro “Antologia da Espiritualidade”, psicografia de Francisco Cândido Xavier)



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 29 de Outubro de 2010, 05:17
Bom dia, queridos amigos


DEPRESSÃO


Dizes que sofres angústias
Até mesmo quando em casa,
Que a tua dor extravasa
Nas cinzas da depressão.
Que não suportas a vida,
Nem te desgarras do tédio,
O fantasma, em cujo assédio
Afirma que tudo é vão.
Perto da rua em que moras
Há uma viúva esquecida,
Guarda a avó quase sem vida
E três filhinhos no lar;
Doente, serve em hotel,
Trabalha na rouparia,
Busca o pão de cada dia,
Sem tempo para chorar.
Não longe triste mulher,
Num cubículo apertado,
Chora o esposo assassinado
Que era guarda de armazém...
Tem dois filhinhos de colo,
Por enquanto, ainda não sabe
O que deve fazer da existência,
Espera pela assistência
Dos que trabalham no bem.
Um paralítico cego,
Numa esteira de barbante,
Implora mais adiante
Quem lhe dê água a beber...
Ninguém atende... Ele grita,
Na penúria que o consome,
Tem sede e febre, tem fome,
Sobretudo quer morrer.
Depressão? Alma querida,
Se tens apenas tristeza,
Se te sentes indefesa,
Contra mágoa e dissabor,
Saí de ti mesma e auxilia
Aos que mais sofrem na estrada
A depressão é curada
Pelo trabalho do amor.


Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES – PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 29 de Outubro de 2010, 11:28


O Meu Retorno


Nas noites estreladas!!
Fico sempre a meditar...
Sinto o perfume das flores
Me convidando a voltar...

Mas porque tenho que voltar?
Pra novamente enfrentar...
Dores angustias e tristezas
Que eu deixei naquele lugar..

È necessário voltar.!!
Pra com todos recomeçar....
Perdoando,servindo,amando....
Sempre uma luta a travar..

Ajudar.Aprender..Amar!!
È necessário eu  voltar...
Com amigos e inimigos.
Preciso me reconciliar...

Mais uma vez  reencarnar!!.
Precisando desta vez acertar..
Medos,culpas e incertezas...
Das enfermidades!!vou me libertar...

(Dothy)
Publicado no Recanto das Letras em 12/10/2010




Amigos..Sejam bem-vindos..Que a paz esteja em seus corações..Sintam-se abraçados..Em família..Sua presença é fundamental pro enriquecimento deste espaço que é de vocês..Estão convidados a trazerem suas,Poesias,mensagens dentro do tema..Desejamos a todos um ótimo final de semana repelto de Felcidades e muito amor!!!



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 30 de Outubro de 2010, 00:30


CANÇÃO DO LAÇO

Quem me escuta esta canção
Que em vida e em verdade faço,
Não nota nela o meu traço?
Não vê que nela me esgarço 
Toda em alma e em coração
Para mostrar num clarão
Que entre clarões aqui passo
E em glória e luz me refaço
Na eterna essurreição?
Respondei-me a vida é laço
Sem nó de Continuação?
A vida vos segue o passo
E vós, com línguas de aço,
Dizeis à vida: não, não!?
Da morte tereis o abraço
E vereis, queirais ou não,
Os vazios de vosso maço
De teorias de ilusão!
E enquanto o cego embaraço
Vos anuvia a visão,
Vou cantando a cada passo,
Apesar da Incompreensão, 
Que a vida à vida dá a mão
E que tudo é eterno laço
No todo da Criação!

                 Cecília Meureles

(Do livro “Imortais da Poesia”, psicografia de Dora Incontri)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Outubro de 2010, 18:04
O Que Seria De Mim??


Senhor...
Agradeço mais um dia..
Em que acordo na sinfonia..
Dos passárinhos na maior alegria..


Senhor...
Ao acordar encontro os que amo..
Sempre me mimando e cuidando..
Minha mãezinha uma  santa no lar..

Senhor...
Saio a rua..Que maravilha..
O sol a brihar,em tudo a iluminar..
As árvores a balancear ao vento a soprar..

Senhor..
Em tudo vejo beleza e graça....
Por todos que do meu lado passam....
É uma eterna magia que em tudo contagia..

Senhor..
Sempre vou admirar..A natureza a enfeitar.
Ao meu redor tudo é festa..Meu coração agradece..
Tudo perfeito..Flores e amores..Em terra ou no mar..


Senhor...
Pela luz celeste  que existe dentro de mim..
Pelo mundo de paz que me deste..Floresce..
O que seria de mim sem a fé que tenho em ti??



Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 29/10/2010






Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 01 de Novembro de 2010, 01:18
DIANTE DA VIDA

Encarcerado, enfim, nas grades da memória,
Tudo tresanda em mim o sinistro bafio
Da torva escuridão a que me sentencio,
Na câmara de fel da sombra merencória.

Mocidade, ilusão, tudo é lodo e vanglória
Esbarrando na morte — horrendo desafio!
Para a descida ao caos ignoto, imenso, frio,
E ser lama pensante, escória sob a escória.

O’ minhalma infeliz, porque assim te sublevas?
Corvo triste da mágoa a crocitar nas trevas,
Volve em prece a dormir na paz inerme do ovo!

Sepulta, coração, no tremedal medonho,
A aflição derradeira e o derradeiro sonho
Para tudo esquecer e começar de novo!

                                     A. BRANCO

Do livro:
Antologia dos Imortais
(Poesias Mediúnicas)
Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 01 de Novembro de 2010, 01:21
A BUSCA

Fita a subida áspera e empedrada
Que se alteia, maciça, à nossa frente,
Carrega a própria cruz na alma cansada
E guarda o coração feliz e crente.

Nas paisagens da senda, não há flores.
Apenas o cascalho se amontoa,
Mas, em torno de ti, os irmãos sofredores
Lembram a paz da fé que os renova e abençoa.
Segue de passo lento... A turba te acompanha...
Companheiros pararam na montanha,
Recusando o trabalho, a dor e a cruz;
Mas sentindo-te os dons no coração amigo,
Erguer-se-ão do pó e seguirão contigo,
Procurando Jesus.

                                    Maria Dolores

(Do livro “Dádivas de Amor”, psicografia de Francisco Cândido Xavier)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 01 de Novembro de 2010, 03:33
Bom dia, queridos amigos


CONVERSA NO CAMPO SANTO


Sim, alma irmã,
Teremos sempre um Dia de Finados,
Dia de sonhos mortos,
Supostamente mortos, porque todos eles
Ressurgem renovados,
No clima de outros portos,
Onde a vida,
Revelada em beleza indefinida,
É perene manhã.
Agradeço-te as preces,
Recamadas de flores,
E as doces vibrações nas quais me aqueces
Com pensamentos reconfortadores.
Olha, porém, comigo, alma querida e boa,
Este campo de mármores lavrados,
Quantas vezes mais belas
Que a mais formosa porcelana!...
Aqui, em miniaturas de castelos,
Gemem segredos de ternura humana...
Ali, os rendilhados
Criam lauréis no brilho das legendas;
Além, anjos parados de mãos postas,
Em lacrimosas oferendas,
Mostram cruzes depostas,
Vinculadas ao chão...
Ainda, além, primores de escultura,
Em lápides custosas,
São tesouros de amor e desventura,
Orvalhados de pranto e de aflição!...
Na triste majestade que se estampa,
Por traço de amargura, campa em campa,
Não vemos luxo e sim o sofrimento
De quem ficou a sós,
De coração entregue ao desalento...
Entretanto, alma boa,
Este reino de pedras lapidadas,
Quais lâminas de dor,
Quer largar-se da morte,
A fim de partilhar
A construção de um mundo superior...
Estas altas riquezas esquecidas
Ficariam mais nobres
Se pudessem levar sustentação
Às áreas de outras vidas,
As vidas que se vão apagando, ao relento,
Ante a febre, ante a noite e as injúrias do vento,
A sonharem amparo, teto e pão,
Livro, afeto, agasalho,
Proteção e trabalho,
Paz e renovação...
Nesses doces assuntos,
Oremos todos juntos...
E peçamos a Deus
Para que os mortos redivivos
Possam solicitar aos seus entres amados
A desejada alteração.
A fim de que o lugar dos supostos finados
Não precise brilhar entre fortunas mortas,
Pois, todos nós, na vida, em sentido profundo,
Queremos mais conforto e alegria no mundo!...
Para que nos lembremos uns dos outros,
Bastam as nossas dores como são,
Uma pequena cruz, um nome e a relva verde e mansa,
Que nos falem de paz e de esperança
Na saudade sem fim do coração.


Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES –
PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Novembro de 2010, 21:26
Boa tarde, queridos amigos



PÉTALAS DA PRIMAVERA



E as pétalas
Desprendem-se das flores,
Enviam o perfume que distilam
Para o Alto, sempre mais Alto,
Em reverência a Deus...
E depois se espalham pela Terra
Em sinal de agradecimento
Pela cor e beleza, aroma e vida,
Com que o mundo as fez,
Belas e brilhantes.



Espírito: EMMANUEL. Médium: Francisco Cândido Xavier
Livro:  Pétalas da Primavera
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Novembro de 2010, 12:49
***Viiver e Evoluir***

Somos viajores!!
Isso não dá pra negarmos..
Hoje estamos bem por aqui..
Amanhã onde vamos estar??

Vivemos em romagem!!
Onde necessitamos passar..
Muitos devemos nos reconciliar.
Amanhã,vamos todos perdoar..

De vida em vida vamos!!
Degraus de evolução subir..
Precismos com uns redimir..
O mal que deixamos por ai..

Neste senda peregrina!!
Todos nós temos a ganhar..
Deus sempre nos deu e dará.
Nova chance de reencarnar.. 

(Dothy)

Publicado no Recanto das Letras em 03/11/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Novembro de 2010, 13:01
Amigos..Sejam bem-vindos..Que a paz esteja em seus corações...Sintam-se acolhidos..Em família..Sua presença é fundamental prar todos nós e para este espaço que é de vocês..Estão convidados a trazerem suas mensagens..Poesias..Recebam nosso afetuoso abraço!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 04 de Novembro de 2010, 04:00
Bom dia, queridos amigos!



PROSSEGUIR



Escuta, alma querida,
as tragédias do mundo, longe ou perto,
são lâminas ao ar como açoites ao vento...
Lutas entre as nações e outras do sofrimento
dentro do próprio lar,
quais golpes a explodir;
Rugem conflitos, clamam desacertos,
mas enquanto a violência se encastela,
a palavra da fé nos roga clara e bela:
- “Trabalhar e esquecer, prosseguir, prosseguir...”.
Perdes almas queridas pela estrada
que se marginalizam sob a escolta
da tristeza, da mágoa e da revolta,
descrentes do porvir...
quanto a ti, age, lida e continua...
O Tempo há de busca-las no futuro
e a Lei já te alinhou sob o esquema a seguir:
- “Trabalhar e esquecer, prosseguir, prosseguir...”.
Não contes desenganos e pesares.
Consome qualquer dor na chama ardente
da confiança em Deus que te mantém buscando a frente,
para que possas
compreender e elevar...
Mãos na gleba do amor!... Aprende a construir!...
E escutarás, então, de ânimo atento
A mensagem de Luz do próprio firmamento:
- “Trabalhar e esquecer, prosseguir, prosseguir...”.



Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES –
PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 04 de Novembro de 2010, 10:35
  ***Confie*** 

Quando a sombra da tristeza..
Cobrir teus olhos de amargura...
E seu coração se encher de angustia...
Lembre.. Jesus jamais te abandonará..

Quando o desespero,dor vier..
Pense....Jesus é tua companhia..
Com ele nada  mais de  incerteza..
Com ele será  apenas Paz e calmaria..

Quando a solidão  vier te visitar!!
Desperte!Jesus está querendo entrar...
Abra logo a porta do seu eu  interior....
Para o nosso amado mestre morar.....

Quando a calúnia te perseguir!!
Recorde...Jesus também passou..
Ele sofreu perseguição e calúnias. .
Confie nele..E nada te acontecerá..

Quando todos te abandonarem!!
Não ligue...Ele está aqui contigo....
Jesus é seu melhor e maior amigo..
Conselhos e Esperança ele te dará...

Quando a sombra da morte!!
Vier bem pertinho te convidar...
Não temas....Ele está a te esperar..
Ele venceu a morte...Para nos ensinar..



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 04 de Novembro de 2010, 10:40
Bom dia amigos queridos...Desejo a todos um dia repleto de paz e felicidades..Abraços bem gostoso cheinho de carinho e afeto!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Novembro de 2010, 13:22
**Meu Deus**

Deus...Cuida de mim..
Traz a Paz serena para mim...
Preciso de ti senhor..Venha até mim...
Tenha paciência comigo...Esteja aqui...

Deus... Me mostra...
A felcidade em mim..Ainda não vi...
Me ajuda a buscar no  meu interior...
Onde ela está apenas esperando por mim...

Deus meu...
Quanto és bondoso para mim...
Sempre pertinho de mim,sem fugir...
Velando meus dias..Em minhas noites sem fim...

Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 05/11/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 06 de Novembro de 2010, 23:18
Meu Tempo!!

Ha..Que tempo!!
Para lamentos..Eu não tenho mais...
Aprendi com vida bendita que felicidade não tráz...
Sofrer..Chorar..Murmurar...Nossa..Não me serve mais..


Meu tempo..
Hoje eu ajudo os demais e iguais...
Palavras de Esperança e consolo no bolso...
Com todos eu  vou compartilhar...Amizade plantar...

Com o tempo...
Tudo que eu quero é apenas abraçar quem encontrar...
Sorrisos e muitos risos com eles eu quero gargalhar...


Pelo tempo...
Sou uma alma em constante evolução...
Nada mais de prender tristeza no meu coração.


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 06/11/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 07 de Novembro de 2010, 15:51
Boa tarde, queridos amigos!



BENEFÍCIO



Ante a causa do bem,
Não temas empecilhos.
Pelo mal faze o bem
E ajuda sem prender-te.
Poder auxiliar
É um prêmio que reténs.
Não peças gratidão
A quem beneficies.
A árvore não come
Os frutos que produz.
Se já queres servir,
Rende graças a Deus.



Espírito: EMMAUEL. Médium: Francisco Cândido Xavier
Livro: “Recanto de Paz”
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 07 de Novembro de 2010, 20:49
**Combate o Mal***

Se sentes imensa tristeza!!
Sacode logo essa impureza..
Ela na vida não te ajudará...
Deixará sem brilho e alegria...

Se angústia te visitam!!
Espanta.Chama Esperança...
Ela tudo clareia..Asserena...
Sempre ficamos na bonança...

Se lágrimas insistem!!
Ha..Deixa isto!!Tudo é fulgor.
Ao noso lado exala o Amor...
Te deixa contagiar..Sonhar...

Se dores forem constante!!
Não reclames..Seja persistente...
Diga..Sou uma Estrela brilhante...
No universo sou sempre gigante...

Combate essas mazelas!!
Não te acostumes no vazio...
Somos um rio..Sempre a passar...
Bons momentos queremos ficar... 


(Dothy)

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Novembro de 2010, 00:43
**Mesmo Assim**

Mesmo na tristeza!!
Obrigado senhor por estares...
Sempre do meu lado a amparar...
Nunca me deixas só em nehum lugar...

Mesmo sofrendo dores!!
Obrigado senhor por me medicar...
Vós que sois o grande médico das almas...
Nunca me desampares..Venha me acalmar...

Mesmo sem ter ninguém!!
Quando todos me abandonarem...
Sem famílias e sem posses qualquer...
Obrigado senhor... Isto me leva a Fé...

Mesmo  sem amores!!
Tendo todas as dores que passar...
Sentindo amargas decepções no coração...
Obrigado senhor..Tu irás sempre me consolar...

Obrigado senhor!!
Por tudo que eu tenho e perdi...
Por todos os seres amados que eu já tive aqui...
Que em outro lado da vida com eles irei  me reunir...


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 09 de Novembro de 2010, 01:50
Bom dia, queridos amigos!



CARTA  AOS  MENINOS


 

Meu amigo pequenino.

Depois de ler e brincar,

Há nos caminhos da Terra

Outra vida a te esperar.

 

É a vida que representa

A tua escola maior,

Onde o livro do trabalho

É sempre muito melhor.

 

Para esse novo caminho,

Seja em qualquer posição,

Faz-se mister acenderes

As luzes do coração.

 

Não te habitues a mandar,

Nem tão-somente a querer,

Mas aprende a trabalhar,

A esperar e obedecer.

 

Nas lutas de cada dia

Aclara o teu coração.

Preguiças e rebeldias

São portas de tentação.

 

Antes de tudo, venera

Teus pais e os conselhos seus.

Sem que ames a teus pais

Não podes amar a Deus.

 

Se tens tudo hoje, recorda

Que nesse grande caminho

Pode faltar-te o conforto,

Pode faltar-te o carinho.

 

Não desperdices, meu filho,

No mundo há muita criança,

Que embora irmã de teus anos,

Não tem pão, nem esperança ...

 

Dá sempre. Quem dá recebe

As grandes luzes do Bem.

Deus nos deu tudo na vida.

Se puderes, dá também.

 

Mas se és pobre, não te esqueças

Da vida resignada.

“ O pouco com Deus é muito

E o muito sem Deus é nada”.

 

Se és órfão e desvalido,

Se te falta o livro e o pão,

Trabalha e conta com Deus

Que ouve o teu coração.

 

Deus é tudo em nossa vida.

Sem Ele tudo nos cai.

Aprende a guardar na Terra

A sua bênção de Pai.

 

Faze da luz da humildade

A força de teu escudo.

Esforço e boa vontade

Na vida conseguem tudo.

 

Não olvides que o trabalho

É fonte de paz e luz.

Jamais te esqueças, meu filho,

Que teu modelo é Jesus.

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier  -  Autor: Casimiro Cunha
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 10 de Novembro de 2010, 00:27
 Sou Feliz!!

Minha vida...
È uma constante alegria...
Saio a sorrir e cantar todos os dias...
Estou viva...Sinto-me em muita harmonia...

Meus dias...
São eternas melodias..
Eu danço ao som das andorinhas a voar...
Sonhando com os meus amigos a amar...

Sempre tenho...
Uma palavra gentil e amiga para ajudar...
Abraços cheios de laços e afagos eu quero dar...

Meu Deus...
Tu me fazes asssim...Sempre alegre...
Vejo a simplicidade e beleza em cada olhar...
.
(Dothy)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 10 de Novembro de 2010, 11:44
Saber Viver!!


Alegria...
Alegria te rever... Saber viver...
Mesmo com tantos problemas... Sorrir...
Mesmo com dores e lágrimas... Cantar...

Felicidade...
É ver a beleza em toda parte...
Quando a tristeza em ti bater...Saber receber...
Dando a ela a atenção que merece...Sem estresse...

Paz....
Está em saber tudo suportar...Sem se queixar...
Vencendo as lamentações dentro do coração....

Amor...
Este é o nosso bem maior... Onde for...
Amar a todos!Jesus ensinou...Vendo eles com seu valor!!!


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 10/11/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 10 de Novembro de 2010, 11:47
Bom dia queridos amigos e irmãos..Sejam bem-vindos...Que a paz celeste esteja em seus corações...

Sintam-se em familia...Sua presença é muito importante para todos nós... Estão convidados a trazerem suas mensagens...

Poesias dentro do tema...Abraços cheios de laços de afeto e carinho!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 10 de Novembro de 2010, 23:14
Boa noite, queridos amigos


PEREGRINAÇÃO



Sofres, alma querida, os contratempos
Do dever a cumprir... O anseio, a prova,
O medo, a incompreensão, a insegurança...
E solas-te no lar, cuja paz te renova.
Quando a tristeza te procure a vida,
Não te acomodes sob o desalento...
Ouve os irmãos do mundo que te buscam,
Marcados de fadiga e sofrimento.
Venho de minha ronda costumeira...
Numa choça de latas e bagaços,
Vi pobre mãe, a sós, ninando em pranto
Um filho morto nos seus próprios braços.
Num telheiro a cair, encontrei um velhinho...
Ele viu-me e falou em voz sumida e mansa:
- “Moça, eu estou morrendo a pedir quem me faça
Uma prece de paz e de esperança...”“.
Mais adiante, achei um hanseniano amigo
Que, em me vendo, clamou: “Minha irmã, por quem és,
Dá-me água, por Deus! Já não mais me equilibro!...
Quero buscar o poço e caíram-me os pés...”“.
Logo após, descobri triste mulher enferma,
Erguendo, quase morta, a seguinte oração:
- “Meu Deus, além do amparo que me enviar,
se possível, Senhor, dá-me a bênção de um pão...”“.
Por isso, coração, não te dês à amargura,
Esquece-te a servir, sem perguntar a quem...
O Cristo que buscamos nos espera,
Entre leiras de amor, na plantação do bem.


Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES –
PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Novembro de 2010, 21:58
**Felicidade**

No transcurso dos dias
Muitos ficam a procurar...
Onde esta a Felicidade?
Todos querem encontrar...

Nesta busca incessante!
Muitos ficam a questionar...
Onde fica mesmo a Felicidade?
Porque eles querem  encontrar.

Nada dela estar em pessoas!
Ou em posses materiais...
Nem em beleza ou riqueza...
A Felicidade vão encontrar.


Tanto tempo perdem eles!
Sem pararem pra pensar...
Que dentro de cada ser.
È o local que ela está.....
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 12 de Novembro de 2010, 05:22
Bom dia, queridos amigos!


 

LIÇÃO DE FÉ



Coração, não te perturbes,

Se, em torno, há quem se desmande,

Se a luta surge tão grande,

Que tudo é aflição no ar ...

Abraça os próprios deveres,

Acalma-te, serve e lida,

Que Deus, sustentando a vida,

Só nos pede confiar.

 

Olha os exemplos do campo,

Na noite de tempestade,

O solo é treva e ansiedade

Sob o granizo e bater;

Caem troncos, rolam penhas,

O raio quebra a montanha,

O lodo se desentranha,

É a gleba a se desfazer.

 

Escondem-se, furna em furna,

Os peregrinos da estrada,

Passarinhos na ramada

Lançam pios de oração;

Ouvem-se gritos selvagens,

É o vento brandindo o açoite,

Cortando as formas da noite

E uivando desolação.

 

Mas outro dia está pronto ...

A madrugada vem vindo,

Um roseiral no céu lindo

É o jardim que o Sol produz;

O clarão cresce e se espalha,

A brisa afaga os caminhos,

Brilham copas, cantam ninhos,

Toda a Terra é um mar de luz.

 

Coração, assim também,

Depois da estrada de prova,

Eis que a vida se renova

Na esperança a ressurgir;

A bênção do amor renasce,

A alegria se proclama,

É Deus que te busca e chama

A novo e belo porvir.

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier.Autora: Maria Dolores
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Hebe M C em 12 de Novembro de 2010, 09:43
Bom dia,

Desculpe-me por ocupar este espaço, mas acho que é de interesse de todos.

Está sendo combinado o primeiro encontro dos membros do FE, será e SP em fevereiro, quem estiver interessado entre no tópico.

http://www.forumespirita.net/fe/convivio-dos-membros-do-forum/encontro/msg165210/#msg165210

Um abço Hebe

PS: Ajudem a divulgar por e-mail
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 12 de Novembro de 2010, 10:46
Querida amiga Hebe...

Seja sempre bem-vinda...

Que a paz esteja conitgo hoje e sempre...

Agradecemos-te a divulgação de tão importante evento...

Não precisa desculpar-se...Pois este espaço é de todos...

Abraços carinhosos!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 12 de Novembro de 2010, 10:58
Bom Dia !
 

Bom dia...
è sempre assim... O relógio me diz...
Bom dia..se Deus quiser... Serei feliz..
Todas as manhãs... Me levanto a cantar...

Bom dia...
Quanta alegria mais uma vez eu despertar...
Juntos com aqueles que eu amo vou abençoar...
Ao meu Deus que sempre comigo está... Em todo lugar...


Bom dia...
Com muita disposição eu vejo o sol de manhã...
Me aquecendo e iluminado meu alegre coração....

Bom dia...
Se Deus quiser...A  paz, Esperança a todos vou levar...
Quero a todos contagiar... Apenas sorriso eu quero dar...
.


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 12/11/2010
Código do texto:
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Novembro de 2010, 17:27
As Crianças!!

Como os Lírios!!
Assim são as nossas crianças.
Perfumadas em simplicidades.
Pura alegria em seu coração.

Como o céu!!
Elas são lindas e celestes.
Todas elas de Deus recebem.
Um anjo da guarda a lhes velar.

Como o arco-iris!!
São todas multicoloridas.
Variando conforme seu humor.
São azuis ou brancas como a Margarida..

Como Jesus!!
Elas estão sempre a nos ensinar.
Lições de bondade e desprendimento.
As verdades elas tentam nos mostrar..


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 14 de Novembro de 2010, 04:03
Bom dia, queridos amigos!



Anseio  e  prece


 

Senhor!...

Sei que nos deste a todos

Um encargo ou missão.

Nada promoves sem objetivo,

Nada fazes em vão.

 

À estrela conferiste

A benção de agüentar-se e refulgir sem véu,

Tal qual sucede ao Sol que nos conduz

Pelas vias do Céu.

 

Atribuíste à Terra

A função de compor e recompor

A forma em que o trabalho nos confere

A ciência do amor.

 

Colocaste no mar a investidura imensa

De externar-te o poder

E a fonte o privilégio de ensinar-nos

A humildade por norma e o perdão por dever.

 

Comissionaste as árvores amigas,

Em que a lição do bem se exprime e se condensa,

Para a tarefa de guardar-te a vida

E auxiliar sem recompensa.

 

Doaste à flor o dom de perfumar

E puseste na estrada o dom de conduzir,

Deste música às aves, deste ao vento

O doce ministério de servir.

 

Tudo te filtra a glória soberana,

Tudo te exalta a Lei,

Em razão disso, eu própria reconheço

Que quase nada sou e quase nada sei

 

Mas se posso pedir-te alguma coisa,

Converte-me, Senhor, a própria imperfeição

Num canal pequenino que te mostre

A força da bondade e a luz da compaixão.

 

Livro Mãos Marcadas - Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Autora: Maria Dolores
   
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 14 de Novembro de 2010, 23:08
****Não te Desespere***

Alma amiga..Escute..
Não te desespere..Tudo irá melhorar..
Não existe nada sem solução...Não angustie o coração.....
Jesus ensinou..Ao pai ajuda buscar..Quando  aqui nos faltar..
Converse com Deus..Conselhos ele irá te dar..Ajuda ele te enviará...
Seus problemas a ele deves entregar..O tempo aguardar..Nunca se lamentar....
Abra teu coração...Limpe de todas as dores , ressentimentos e mágoas..Deixe lavar..
Se prepare pra sempre cultivar dentro de ti o melhor...Paz e alegria..Isto só te beneficiará....
Aos poucos tu iras te modificar..Aprenderás a ter calma e  te resignar..Verás tudo com outro olhar...
Com o tempo..outra pessoa tu serás..Saberás lidar  com tudo e todos que em tua vida  encontrar....
Palavras de esperança e consolo irás ensinar..Conforto aos que sofrem..Irás tu levar..Serás uma alma a judar..

(Dothy)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 15 de Novembro de 2010, 03:27

Prezada irmã Hebe:

Bom dia e muito prazer em conhecê-la! Estamos muito felizes com sua visita a este tópico. Seja bem-vinda, minha irmã, e saiba que aqui você sempre será muito bem acolhida. Visite também todos os nossos tópicos, nos Sub-Quadros: Acção do Dia (Receitas para a Alma e De Ânimo Firme). Auto-Conhecimento (Coletânea de Bons Pensamentos, Conselhos que ninguém deu, Miscelânea de Otimismo, Vigiai e Orai, Os Caminhos da Paz, Ao Alcance das Mãos, Dias Melhores, Terapia para a Alma e Jesus, Nosso Senhor e Mestre); Outros Temas (Mensagens de Luz, Coletânea de Preces, Veleiro de Luz e Poesia do Bem Maior). A nossa amiga Doyhu confirmou aquilo que é óbvio e que você mesma esccreveu: este abençoado Fórum e todos os seus "subespaços" pertencem a todos. Obrigado por divlugar notícias auspiciosas sobre o primeiro encontro dos membros do Fórum, que já ficamos sabendo através da nossa querida irmã Tamara. Volte, Hebe, quando quiser ou puder, e traga suas mensagens, orações, pensamentos e poesias mediúnicas, que, certamente, nos sentiremos muito honrados com a sua presença e, se possível, com sua valiosa colaboração. Meu abraço, meu carinho, meu afeto. Fraternalmente, seu irmão e amigo
Lima_Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 15 de Novembro de 2010, 03:44

Bom dia, queridos amigos!


ESCUTA, CORAÇÃO

Cansado coração, pélago afora,
No peito infortunado, errante e aflito,
Sofre na carne o estranho sambenito
Das rudes provações de cada hora.
 
Ninguém perceba a mágoa do teu grito;
Persevera no amor, sangrando embora.
Além, no Grande Além, a Eterna Aurora
É o porto de teus sonhos no Infinito.

Escala os topes ásperos da trilha,
Agradecendo o golpe que te humiolha,
Onde vibres, tremendo de ansiedade.

Ama e perdoa, coração, que um dia,
Voltarás chorando de alegria
Na divina ascenção à Imensidade...

                   Mário Veloso Paranhos Pederneiras

(Do livro Antologia dos Imortais, psicografia de Francisco Cândidop Xavier e Waldo Vieira)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Novembro de 2010, 08:20
                                       VIVA JESUS!

    Bom-dia! meus queridos irmãos.


                       VIGIAR E ORAR

    Orar, Senhor, é até fácil, embora
    o sentimento seja imprescindível.
    Se quisermos orar, a toda hora,
    a bondade de Deus torna possível.

    Já vigiar, Senhor, mesmo quem ora
    dificuldade encontra sempre. Incrível
    como pensar e agir no bem demora
    transformar-se em amor imperecível.

    O sofrimento a oração desperta,
    proporcionando uma porta aberta
    para o intercâmbio com o Superior.

    Porém, na invigilância da ilusão,
    profunda e forte, ao nosso coração
    traz o remédio novamente... a dor.


                      ( Corydes Monsores )


                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Novembro de 2010, 11:36
Obrigada Meu Deus!!

Meu Deus!!.
Aqui estou novamente para te dizer...
O quanto sou feliz em mais um dia viver...
Neste dia tão especial...Vou a ti relatar...
Um dia eu não sabia te amar..Vivia e me queixar...
Dores, angústias e sombras..Elas viviam a me acompanhar..
Eu sofria o medo da escuridão... Sempre via  meus enfermos irmãos....
Que se aproximavam dos meus sonhos e me transmitiam apenas a solidão...
Mais um dia senhor....A ti eu encontrei!!Através dos teus ensinamentos eu mudei e curei...
Hoje vivo minha vida em completa harmonia...Sempre embalada na mais doce melodia da minha Poesia....
Meus dias são sempre lindos...Minhas noites maravilhosas e todas formosas...O Sol e a lua...meus grandes amigos!!!
Amo minha família...Com eles quero em muitas vidas voltar...E todos que estão ao meu redor eu procuro me harmonizar..
Hoje sou feliz..Minha vida é para te louvar e agradecer...Tenho pouco a pedir...Apenas muitos sorrisos e alegrias...Quero Com todos distribuir... Levando em meu coração o amor fraterno a meus queridos amigos e irmãos !!!

(Dothy)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Novembro de 2010, 11:42
Bom dia amigos e irmãos...

Sejam todos bem-vindos...Que a paz celeste esteja em seus corações...

Sintam-se em família...Sua presença é como as flores...

Alegram o jardim de nossas vidas...

Desejamos a todos uma ótima sema repleta de muita Felcidades e Amor!!

São nossos sinceros votos:

(Lima_Gil)

(Belina...DOM Jorge...Dothy...Katitog...)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 16 de Novembro de 2010, 10:07
***Pela Paz***

Pela paz
Teremos um mundo bem melhor...
Todos seremos verdadeiros cristão...
Nada mais de tristezas nem dores... Apenas amor...

Pela Paz...
Nada mais de violência e confusão..
Mas muita alegria... Felicidades então...
Juntos seremos apenas uma grande nação...

Pela paz...
Em todos os lugares encontraremos o bem..
Sempre juntos com a mais pura melodia e sintonia...

Pela Paz...
Nos amaremos e respeitaremos num só coração...
Nada mais de abandono, desilusão com nossos irmãos...

Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 16/11/2010

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 16 de Novembro de 2010, 18:34
Boa tarde, queridos amigos!

 

MENSAGEM DA CRIANÇA 



Dizes que sou futuro.

   Não me desampares o presente.

Dizes que sou a esperança da paz.

   Não me induzas à guerra.

Dizes que sou a luz dos teus olhos.

   Não me confies o mal.

Não espero somente o teu pão.

   Dá-me luz e entendimento.

Não desejo tão só a festa de teu carinho.

   Suplico-te amor com que me eduques.

Não te rogo apenas brinquedos.

   Peço te bons exemplos e boas palavras.

Não sou simples ornamento de teu caminho.

   Sou alguém que te bate à porta em nome de Deus.

Ensina-me o trabalho e a humildade, o devotamento e o perdão.

Compadece-te de mim e orienta-me para que seja bom e justo ...

Corrige-me enquanto é tempo, ainda que eu sofra ...

Ajuda-me hoje para que amanhã eu não te faça chorar.

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier  -  Autora: Meimei

 

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 16 de Novembro de 2010, 20:36
*** Jesus Chegando***

Muito em breve uma luz vai surgir
Iluminando os lugares que ele chegar
Agradeça...perceba..É Jesus que está pra chegar
No seu coração ele vai habitar..A tudo irá  mudar
Se prepare..Ele está pra chegar.. O Receba dentro do lar
Amor..paz..fé..perdão.paciência .Muito mais ele vai ensinar
Relembrando os tempos idos..Que aqui esteve a passar
Muito breve uma luz vai brilhar..Ele surgirá..Do alto do céu descerá
Pare ..pense..Em tudo ele vai te amar..Sempre te acompanhará
Receba Jesus..Ele é nosso maior amigo e irmão..Com ele tudo irá solucionar


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 16/11/2010

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 17 de Novembro de 2010, 12:24
**Meu Consolo***

Enquanto eu chorava.....
Minhas lágrimas transbordavam em mim...
A perda da pessoa querida foi para mim suplicio...
Transportando-me depois para a calma do refúgio...

Enquanto eu perguntava...
O que seria de mim sem meu filho que jaz ali??
Minhas dores e profundas tristezas me deixavam assim...
Queria ele de volta, sem lembrar que ele  não vinha de mim...

Mas Deus que tudo sabe..
Mandou a Esperança para meu solitário coração...
Os ensinamentos de que a morte não existe foi emoção...

Hoje eu afirmo...
Sou um pai com saudades sim...Mas sereno e faliz...
Ele hoje revive além das fronteiras da vida... Até outro reencarnar..

(Dothy)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 18 de Novembro de 2010, 05:01
Bom dia. queridos amigos!



ROTINA



Alma querida, às vezes, chora
Na rotina que acolhes por dever
Pelo frio das horas
Que o relógio te aponta
No que tens a fazer.
É a profissão que te reclama tempo,
É o lar, pedindo-te atenção,
Através de pequenos compromissos,
E o tempo voa
Qual dádiva do Céu que passa em vão.
Mas a rotina inclui outros problemas:
É o carinho de alguém que chega de improviso,
É o amigo que vem
Recordar quanto é preciso
Trabalhar para o bem.
É o parente que chega para confidências,
Largou-se do trabalho por minutos,
Num estreito intervalo.
Fala das provações que está sofrendo
E faz-se imprescindível conforta-lo.
E o dia passa nas tarefas
E nos encontros com que não contavas...
O Sol se foi e eis que a sombra se inclina
Por toda a casa e ouço-te o lamento:
- “Como é triste a rotina!”
Entretanto, alma irmã, ainda hoje,
Pude cumprimentar pessoas generosas
Aturdidas por amargura imensa...
Desejam trabalhar mas não conseguem,
Algemadas ao peso da doença.
Acompanhei equipes de visita
Aos irmãos que tateiam livros, vasos, flores,
Segregados em rude solidão...
Anseiam abraçar amigos que aparecem
Mas estão cegos de visão.
Diversos companheiros vi de perto,
Mostrando no silêncio
Raciocínios agudos...
Pretendem dialogar, trocando idéias,
Entretanto, estão mudos.
Abeirei-me de muitas criaturas
Em estradas e ermos esquecidos
Aguardando o socorro que não vem...
Recordam com saudade os entes que mais amam
E não surge ninguém!...
Reflete nos irmãos, em grandes provas,
Que vivem sem a mínima esperanças,
Da esperança que adoça os dias teus...
E, louvando a rotina que te guarda,
Rende graças a Deus!...



Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES –
PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Novembro de 2010, 16:26
Tudo Vem De Ti.


Deus...
Eu reconheço em ti...
Esta fonte inesgotável em mim...
Minha inspiração vem do teu coração...


Deus...
Da tua infinita sabedoria me deste...
Dias apóas dias para escrever minha poesia...
Meus contos infantis e artigos... Para minha alegria...

Deus...
Me deste uma família maravilhosa e amorosa...
Meus filhos.... são anjos revestidos para mim...


Deus...
Me deste o corpo perfeito e mãos assim...
Que  eterna felicidade sem fim... Fazer muitos sorrir...


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 18/11/2010

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 19 de Novembro de 2010, 05:39
Bom dia, queridos amigos!


 

O  IRMÃOZINHO



Quando nasceu Antoninho,

Disse vovó, com carinho:

- Nesta adorável criança,

Temos mais uma esperança!

 

Ganhamos um novo amigo

Que procura nosso abrigo.

É um Espírito que vem

Buscar a verdade e o bem;

 

Crescerá, junto de nós,

Terá força, terá voz ...

Agora, é um bebê risonho,

No berço feito de sonho;

 

Amanhã, que se comporte,

Será homem nobre e forte.

Seu coração está cheio

Da grande luz de onde veio.

 

Ele volta ao nosso nível

Da imensa esfera invisível,

Procurando amor e luz

Para servir a Jesus.

 

Em seguida, vovozinha

Beijou-lhe a face branquinha,

E falou, findo o intervalo:

Deus nos ajude a guardá-lo.

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier  -  Autor: João de Deus
 



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 19 de Novembro de 2010, 10:06
DEIXA EU SER FELIZ!

Deixa eu brincar de ser feliz!!
Todo dia é novidade pra mim...
Eu saio a rua sempre a cantar...
Em lugares bem alto quero chegar...

Deixa  eu tentar viver assim!
A Poesia é minha eterna luz...
Deixa eu gostar de ser criança...
Me faz bem, não faço mal alguém...
 

Mas se a ti vierem perguntar?
De onde veio essa minha felicidade....
Ela nasceu aqui, bem dentro de mim...
Então minha vida é sempre sorrir....

De onde vem a minha calma?
Nos momentos de dificuldades...
Do Deus que habita dentro de mim...
Se queres, pode habitar em ti também...

Vivo ao redor do mundo a cantar!!
O meu, de todos eu só quero alegrar...
Contagiando as pessoas que encontrar....
A vida é um eterno bem-me-quer...

Sofrer... Morrer... Nascer... Entender!
Esta é a lei, com ela eu vou  crescer...
Eu sei... Viver é sempre agradecer.....
Quero em diversas vidas renascer...


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 19/11/2010

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 20 de Novembro de 2010, 03:41
Bom dia, queridos amigos!



VERBOS DE LUZ



Sofreste, de inesperado,
O estranho golpe da ofensa
Que te envolve em dor imensa
No espinheiro de pesar,
Mas o remédio mais puro
Que restaura a alma ferida
Vem da farmácia da vida:
Esquecer e perdoar...
Honrando o cérebro eleito
A Ciência alteia a voz,
Expõe o carro veloz,
A nave aérea, o radar...
Além da luz da ciência,
Pede a dupla providência:
Esquecer e perdoar...
No livro da Natureza,
Solo que aceite o trator,
Garante com mais amor
A semente, o pão e o lar;
Da fornalha desumana,
Vem a fina porcelana...
A ostra desconhecida
Cede ao mundo, sem protesto,
A pérola em plena vida,
Ensinando-nos, vencida:
Esquecer e perdoar...
Assim também, alma irmã,
Nos dias de dor e luta,
Acalma-te, espera, escuta,
Sem tristeza a reclamar
E ouvirás a voz dos Céus,
Em meio da própria ação,
A dizer-te ao coração:
Esquecer e perdoar!...



Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES –
PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 20 de Novembro de 2010, 10:13
[color=orange]Jesus...Minha luz!!

Jesus...
Em minhas preces agradeço a ti...
Tu és a verdade que vive em mim...
Te creio, te louvo, te falo amigo jesus...

Jesus...
Tudo que hoje eu sou, flui da tua luz...
Tua misericórdia que sempre me conduz...
Meu sorriso ilumina meu coração na tua emoção...

Jesus...
Tudo que hoje eu tenho, tu  me deste...
A paz que habita em mim vem da tua paz celeste...

Jesus...
Miha alma vive em sintonia na tua harmonia...
Mesmo que eu sofra, tu estás sempre em minha companhia..


[/color]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 20 de Novembro de 2010, 22:44
***Resultados***

O que esperar?
Da vida ou  do azar?
Sorte  grande vão tirar...
Aqueles que só sabem amar...

O que fazer?
De todos que não sabem ver...
Beleza em cada amanhecer...
Sombra em cada florescer...

O que será?
Daqueles que só sabem reclamar...
Dores, tristezas... Só lamentar...
Infelizes, eles só sabem chorar...

O  que mudar?
No mundo transformar....
Pessoas da natureza  cuidar...
Aquecimento global  não virá...

O que vão ter?
Aos que não sabem perdoar...
Maldades saem a espalhar...
Pobre deles...Tristeza virá...


O que pedir?
Deus... Envia ajuda aqui...
Tenha piedade de todos nós...
Ensina a todos evoluir...

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 21 de Novembro de 2010, 22:21
Boa noite, queridos amigos!



VILA ESPERANÇA



Alegas, muita vez, alma querida:
-O tédio me entorpece e me consome a vida!...
Um erro na poltrona te desgosta,
Apaga-te o sorriso e deixa-te indisposta...
O marido, preso, por natureza,
Era um médico amigo da pobreza.
Houvesse algum enfermo em pequena palhoça...
Ei-lo, junto ao doente em plena roça...
Ele sofre e adoece, certo dia,
E roga à esposa, amparo e companhia.
Ela atende ao insólito pedido,
Enquanto ele se mostra surpreendido.
De um carro velho e forte, sem tardança,
Descem os dois ao chão, ante a Vila Esperança.
Ali, toda morada, é formada de zinco,
Alinhando-se em grupo, cinco a cinco.
Disse o esposo a ela:
- “Hoje, o trabalho aqui é teu recado...
os doentes são teus...Ando muito cansado...”“.
Do casebre primeiro saem gemidos dos loucos...
Eis que o esposo explica:
- “É a Dona Flora, exaurindo-se aos poucos...”.
Não mais resiste a pobre ao câncer que a devora
Mas, para aliviar a angústia que a domina,
Temos na pasta que eu trouxe a injeção de morfina ““.
Aplicada a injeção, ela vê três crianças
Junto à mulher sofrida, em choro continuado...
Ela fala ao marido, acerca de mudanças,
E acaba perguntando ao esposo intrigado:
-“O que comem aqui estas crianças nuas””
O médico responde: “O pão dado nas ruas”.
Ela aciona o carro e adquire cem pães,
Que distribui na praça, entre os filhos e as mães.
-“Moça, grita uma voz
De uma das casinholas escondidas,
Venha nos ver
Somos pobres doentes desvalidas!...”
A dama entra no quarto
E lavam-lhe as manchas e as feridas...
Anda de casa em casa.
Dá remédio às crianças com bronquite
E socorre aos enfermos,
Vítimas de hepatite...
De sentimento preso
Às dores que detinham no lugar,
Oito horas gastou a lavar e a limpar.
De volta, eis que ela sente
O marido mais forte e mais contente...
Notou que o Cristo Amado estaria mais perto
E admitiu que a vida
Nunca mais lhe seria
Desencanto e deserto...
Adentrou-se no lar, recordando a excursão
Que lhe alterara a mente, o caminho e a visão...
Ajoelhou-se em prece,
Pensando na penúria que encontrara.
Contemplou de uma fímbria da janela
A noite linda e clara...
Imaginou Jesus
Caminhando ao encontro da pobreza
E quase sem querer
Exclamou para os Céus:
- “Obrigada, Jesus, pela Vila Esperança
que me falou do amor que não se cansa...
agora, estou na paz que eu sempre quis.
A qualquer hora posso ser feliz!...
Obrigada, Jesus, por me ensinar
Que a Caridade é Luz e a Luz é trabalhar!...”.



Livro “DÁDIVAS DE AMOR” – MARIA DOLORES –
PSICOGRAFIA: FRANCISCO CÂNDIDO XAVIER
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 22 de Novembro de 2010, 00:15
Falando com Deus!!

Deus...
Quando eu quero falar contigo...
Eu apenas dou um simples sorriso....
Que aos poucos sinto tua presença no coração...

Deus...
Quando eu preciso de ti...
Saio logo a rua e percebo tua presença...
Na natureza, animias, no amanhecer do sol  cheio de luz...

Deus....
Qunado dá  vontade de a tudo desistir....
Lembro que teu único filho de mim não desistiu...

Deus...
Ajuda-me sempre, não me abandones...
Preciso muito de ti, Contigo  eu sou muito  feliz...


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 23 de Novembro de 2010, 06:56
Bom dia, queridos amigos!



RESPOSTA  DE  MÃE   

 

- Minha mãe, onde está Deus?

- Ora esta, minha filha,

Deus está na luz que brilha

Sobre a Terra, pelos Céus.

 

Permanece na alvorada,

No vento que embala os ninhos,

No canto dos passarinhos,

Na meiga rosa orvalhada.

 

Respira na água cantante

Da fonte que se desata,

No luar de leite e prata,

Está na estrela distante ...

 

Vive no vale e na serra,

Onde mais? Como explicar-te?

Deus existe em toda a parte,

Em todo lugar da Terra ...

 

Ó mamãe! Como senti-lo,

Bondoso, sublime e forte?

Será preciso que a morte

Nos conduza ao céu tranqüilo?

 

Não, filhinha! Ouve a lição,

guarda a fé com que te falo,

só podemos encontrá-lo

no templo do coração.

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier  -  Autor: João de Deus
 

 

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 25 de Novembro de 2010, 10:11
                                        VIVA JESUS!


      Bom-dia! queridos irmãos.


               IRMANDADE


       Sou homem: duro pouco

       e é enorme a noite.

       Mas olho para cima:

       as estrelas escrevem.

       Sem entender compreendo:

       Também sou escritura

       e neste mesmo instante

       alguém me soletra.


                       ( Octavio Paz )


                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 25 de Novembro de 2010, 11:07
***Busca a Esperança***

Quando as dores, tristezas, sofrimentos, vierem te visitar...
Quando teus dias parecem noites sombrias, sem luz, sem direção...
Busca a Esperança...

Quando, o medo, a revolta, a solidão fria e vazia, querer entrar...
Mesmo que todos os teus amores, familiares, entes queridos, não te ligarem mais...
Busca a Esperança...

Quando as posses materias tiverem de tuas mãos se esvaido, sem nada poderes fazer..
E todos os credores, atrás de ti estiverm, sem dar-te uma trégua, sem querer esperar...
Busca a Esperança...

Quando a imagem da morte na tua mente chegar, quando pensares em deserdar, fugir, abandonar...
E todas as soluções, tu pensares que não terás mais, nem tempo para pensar..
Busca assim mesmo a Esperança....

Com ela teus dias serão iluminados, tuas noites tranquilas, teu céu será sereno...
Com a Eseprança, terás fé que dias melhores virão, que os sofrimentos tem curta duração...
Através da Esperança, Deus te dá consolo, apoio, paz para recomeçar...
Não te esqueças... A Esperança é um sol interior que a tudo contagia, hoje e sempre!

Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 25/11/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 25 de Novembro de 2010, 16:48
O Meu Eu!!

Hoje...
Me encontro calma e serena...
Sem maiores dores ou problemas..
Pronta para escrever todos os poemas...

Hoje...
A felicidade dentro de mim reside..
Em cores cristalinas, em perfeita harmonia..
Estou pronta para tudo enfrentar, meus medos acabar...

Hoje...
As intrigas para mim não fazem mais sentidos...
Tudo que a mim chega, eu calo, e faço que não é comigo...

Hoje...
A paz interior á a minha segurança...
Entro e saio em todas as portas da minha Eseprança...


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 26 de Novembro de 2010, 03:18

Bom dia, queridos amigos!



Erros de amor



Erros de amor - Maria Dolores - Chico Xavier (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWFkc1ZQaWJLSkVBJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)



Do livro Mãos marcadas. Autora Maria Dolores. Psicografado por Chico Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 26 de Novembro de 2010, 08:12
                                     VIVA JESUS!


     Bom-dia! meus irmãos.


         " Há tres coisas para as quais eu nasci e para as

           quais eu dou minha vida. Nasci para amar os

           outros, nasci para escrever, e nasci para criar

           meus filhos. O amar dos outros é tão vasto que

           inclui até perdão para mim mesma, com o que

           sobra. As tres coisas são tão importantes que

           minha vida é curta para tanto. Tenho que me

           apressar, o tempo urge. Não posso perder um

           minuto do tempo que faz minha vida. Amar os

           outros é a única salvação individual que

           conheço: ninguém estará perdido se der amor e

           as vezes receber amor em troca... "


                                  ( Clarice Lispector )







                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 26 de Novembro de 2010, 10:43
Os Caminhos da Paz!!

Querido Deus....

Queremos hoje  te pedir...

Derrramai a paz sobre todos nós...

Principalmente ao coração daqueles que estão mergulhados...

Em climas de guerra, maldade e violência... Tem piedade Pai...

Tem compaixão destas criaturas que ainda se comprazem em espalhar a dor...

O terrorismo em todos os lugares que vão, deixando pelo chão, restos de barbariedade...

Senhor, mandai para estes nossos irmãos, auxilio, Aujuda-nos a vermos estas pessoas os verem como enfermos...

Que também são nossos irmãos, no caminho da evolução, mas que por sua rebeldia permanecem atrasados...

Pai, socorre as vitímas destas violências, destes atos insanos, desta trilha de terrorismo, guerra, controle de poder...

Deus, todos nós queremos paz, precisamos vivenciar ela, em todos os lugares, onde formos, rogamos a ti... Espalha a paz!

Ajuda a todos compreenderem, que a paz não está no exterior... Mas sim no coração de cada um, dormindo no momento. Quando isto ocorrer, todos encontrarão  a paz... Por que ela dorme ainda no ser de cada criatura, que espera apenas o tempo certo, para vir a tona... Eclodir... Ajuda-nos senhor, a encontrarmos este caminho,  o caminho da verdadeira paz!!!


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 26/11/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 28 de Novembro de 2010, 02:58
Bom dia, queridos amigos!

 

ESSA  VELHINHA


 

Essa velhinha que vês,

Passando sempre ao sol-posto,

Todo dia, todo mês,

Penosamente a esmolar,

 

Também foi criança, um dia,

Não conhecia o desgosto,

Brincava, jogava e ria,

Era o anjo de seu lar! ...

 

Depois vieram mudanças,

Trabalhou, sofreu na vida,

Morreram-lhe as esperanças,

Cansou-se-lhe o coração.

 

Hoje, triste, quase morta,

Sozinha, desiludida,

Esmola, de porta em porta,

A fim de ganhar o pão.

 

Não te esqueças, meu filhinho,

Que um velhinho abandonado

Tem sede de teu carinho,

De tua doce afeição ...

 

Aprende a viver mais cedo,

Não fujas amedrontado,

Aproxima-te, sem medo,

Anda cá! Beija-lhe a mão!

 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier  -  Autor: João de Deus

 

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 28 de Novembro de 2010, 19:34
AGAPANTOS

Enfim vencido... Na última canseira,
Cimo espinhoso de suplícios tantos,
Busquei, ansioso, a estrada de agapantos,
Que me fora visão da vida inteira.

Tudo, porém, era neblina e poeira,
Misturadas de preces e acalantos,
Nênias da morte, hinários sacrossantos,
E a noite, a imensa noite derradeira...

Nos auges da aflição que me constringe,
Cai, entretanto, a máscara da esfinge...
Oh! sepulcro, onde a sombra em que te cevas?.

Refaz-se a luz que em lágrimas transponho,
E vejo, além, as flores do meu sonho,
Como estrelas radiando sobre as trevas...

Gastão de Deus Vitor Rodrigues

Do Livro:
Antologia dos Imortais
(Poesias Mediúnicas)
Poetas Diversos
Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Novembro de 2010, 20:32
Meu Universo!!

Meu universo é...
Com Deus todo dia acordar...
Agradecendo mais uma opotunidade...
De aprender, recomeçar, sempre a cantar...

Meu universo é...
Ouvir bem cedinho todos os risos..
Me aquecer com os raios do Sol que vem despontar...
Iluminando todos os caminhos para nos ajudar...

Meu universo é...
Sentir o cheiro da natureza com toda a beleza...
Encontrar a poesia, em cada lugar onde eu passar...

Meu universo é...
Vivenciar a paz, distribuir sempre sorrisos...
Amanhã terei outra chance de recomeçar...

(Dothy)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 29 de Novembro de 2010, 06:01
Bom dia, queridos amigos!


                                               TRABALHANDO


 

                                      Se erraste em alguma ofensa

                                      Sem o perdão do ofendido,

                                      Foge às mágoas sem sentido,

                                      Não percas tempo chorando...

                                      Dá novo proveito às horas,

                                      Não discutas, nem descanses,

                                      Para sanar esses lances

                                      Pede perdão, trabalhando...

 

                                      Se alguém te armou “mau olhar”,

                                      Induzindo-te à tristeza,

                                      Dando-te angústia e incerteza,

                                      Apesar do gesto brando,

                                      Recorda que, neste mundo,

                                      É fácil achar pessoa

                                      De alma rude e fala boa

                                      E prossegue trabalhando...

 

                                      Se alguém que amas te deixa,

                                      Sem pensar no compromisso

                                      De fé, amor e serviço

                                      Vendo-te a dor aumentando

                                      Não reclames, nem reproves;

                                      Acende-lhe a luz da prece,

                                      Serve mais! ...Desculpa e esquece,

                                      Mas esquece , trabalhando...

 

                                      Sobre a Terra, tudo passa,

                                      Não só o fel que te enlaça,

                                      Outros sorvem fel na taça

                                      Da prova em que estão lutando...

                                      Jesus nos guarda e nos guia...

                                      Alma irmã, alma sincera,

                                      Jesus também nos espera,

                                      Mas espera trabalhando!...

 

Extraído do livro Bênçãos de Amor. Autora: Maria Dolores
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
 
 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Novembro de 2010, 08:43
                                             VIVA JESUS!


  Bom-dia! caros irmãos.



           " ... Mas que não haja

                        balança

                 que pese o vosso tesouro

                        desconhecido;

                 e não procureis explorar 

                os abismos de vosso saber

                    com a vara ou com a

                              sonda.

                     pois o eu é um mar sem

                       limites e sem medida.

                     Não digais: " Encontrei a

                               verdade. "

                     mas antes: " Encontrei

                           uma verdade. "

                     Não digais: " Encontrei o

                           caminho da alma. "

                     Mas antes. " Cruzei-me

                   com a alma que seguia

                     pelo meu caminho. "

                   Pois a alma percorre

                     todos os caminhos.

                   A alma não caminha

                      sobre uma linha

                nem se alonga como uma

                            vara.

                      A alma abre-se a si

                                própria

                como se abre um lótus de

                       inúmeras pétalas... "


                                ( Kahlil Gibran )


                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 29 de Novembro de 2010, 11:33
Queridos amigos e irmãos...

Sejam todos bem-vindos...

Sua presença é muito importante para nós...

Estão convidados a trazerem suas Poesias...

Desejamos a todos uma ótima semana repleta de paz, saúde, e muitas felicidades...

São nossos sinceros votos...
De:

(Lima-Gil)

(dOM Jorge...Dotjy...Katiatog...)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Novembro de 2010, 11:17
Nos Ensina!!

Senhor...
Aqui eu estou, para ti eu quero pedir...
Ensina as pessoas a respeitarem...
Tuas grandiosas obras, que criaste para nos ajudar..

Senhor...
Derrama sobre o homem amor e sabedoria...
Lições de fraternidade e igualdade sempre...
Para que possam ver a todos como grandes irmãos...

Senhor...
Espalha aos quatro cantos do nosso mundo...
Sementes d esperança, paz e liberdade...

Senhor...
Perdoi-nos pelos nossos erros cometidos...
Ajuda-nos a contribuirmos com o amor universal...

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Novembro de 2010, 23:09
Senhor...

Hoje em minha caminhada diária...
Quero a ti informar, tudo que eu vi ali...
Muita tristeza, eu encontrei nos semblantes
Das pessoas que moram por lá, sempre a chorar...
Senhor...
Todos eles estão mergulhados em escuridão...
Ninguém mais se encherga como irmãos, que confusão...
Envia socorro para eles, precisam contigo aprender...
Que tuas leis, precisam conhecer, e depois obedecer...
Senhor...
Encontrei tantas crianças, sem infâncias, a jogar...
Elas, não tem mãe, nem família, sem pão, elas dormem no chão...
Senhor...
Muitos idosos eu vi, sofrendo e chorando escondidos...
Em algum lugar na sua casa, já despercebidos por todos...
Outros deles, encontrei em alguns abrigos e asilos...
Tem piedade, senhor... Essas almas, muito já trabalharam...
Senhor...
Vi tantas cenas infelizes, repletas de violências,
Homens sem nehuma educação, lutam por posição...
Senhor...
Sei que o bem existe, embora seja timído e reservado...
Mas ajuda-os senhor, para que eles lutem pela luz...

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 01 de Dezembro de 2010, 04:52
Bom dia, queridos amigos!



                                               ELA  PASSA


                                     Ela passa e o consolo se irradia

                                      Qual a brisa de essência misteriosa,

                                      A esperança aparece com a rosa

                                      No espinheiro da sombra e da agonia...

 

                                      Ela passa e um sussurro de alegria

                                      Sobe em prece na noite tenebrosa,

                                      Traz em torno sublime nebulosa,

                                      Onde a vida celeste principia!   

 

                                      Ela passa e ninguém lhe sabe a crença,

                                      É tão-só Caridade... Luz suspensa

                                      Sobre as dores que a lágrima descerra!

 

                                      Ei-la divina! E vê-la onde passa,

                                      Sem distinção de credo, nome e raça,

                                      A presença do Cristo sobre a Terra!...

 

Extraído do livro Bênçãos de Amor. Autora: Auta de Souza
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
 
 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 01 de Dezembro de 2010, 09:05
                                       VIVA jESUS!


    Bom-dia! queridos irmãos.


                               ABENÇOA  SENHOR

 
                Abençoa Senhor esta Casa singela,
    Onde a luz do Evangelho esplende, soberana,
     E onde encontra guarida a imensa caravana
    Dos tristes corações que a prova desmantela.

      Neste pouso de paz onde a fé nos irmana,
    Em torno do ideal que ao mundo se revela,
         A caridade é sempre atenta sentinela,
    Estendendo seus braços à penúria humana.

    Neste recanto amigo, à margem do caminho,
    Ninguém procura em vão o conforto e o carinho,
      Cansado de bater, chorando, porta em porta...

    Porquanto a Tua voz na voz de quem ensina,
      A mensagem de amor da Celeste Doutrina,
          A renovar no bem a vida nos exorta!...


                             ( Auta de Souza )



                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Dezembro de 2010, 11:23
HOJE!!

Hoje eu acordei..
Perdida dentro de mim...
Tive a sensação e emoção...
Que já não era eu que habitava aqui...

Hoje eu acordei...
Querendo fazer tudo diferente do que eu fiz...
Não cometer os mesmos atos errôneos a todos...
Preciso me retificar, não posso me acomodar...

Hoje eu acordei...
Meu céu estava rico e imenso...
Não comportava apenas a cor lilás... Eu quero muito mais...

Hoje eu acordei...
Querendo a todos alegrar, amar...
A fraternidade... Preciso nela me enquadrar...


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 02/12/2010

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Dezembro de 2010, 23:24
Boa noite, queridos amigos!


     VINDE,  IRMÃOS



 

                                      Frente a noite de dor à procela,

                                      Em que o homem do mundo luta e chora.

                                      O espiritismo acende a nova aurora

                                      Na luz da crença promissora e bela.

 

                                      Oh! Doutrina bendita que revela

                                      A Verdade Divina que se enflora,

                                      Da esperança vibrando mundo afora,

                                      Desde a vida mais alta a mais singela.

 

                                      Espiritismo em Cristo é a grande escola,

                                      A generosa fonte que consola

                                      No caminho de dor da humanidade.

 

                                      Venham irmãos ao banquete da esperança,

                                      Espiritismo é o campo da bonança

                                      Frutificando para a eternidade,

 

Extraído do livro Bênçãos de Amor. Autor:A bel Gomes
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
 
 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Dezembro de 2010, 10:24
***Tua Presença***

Jesus...
Em tua presença  eu preciso ficar...
Sei que tu nunca me abandonas..
Eu que de ti me afasto, sigo para outro lado...

Jesus...
Minhas lágrimas em meu rosto são tristes..
Mas... Em minha teimosia eu sempre  persisto...
E a cada manhã... Eu preciso recomeçar...

Jesus...
Tu que sempre me mostraste...
Todas as virtudes, tu exemplificastes...

Jesus...
Teus ensinamentos eu preciso...
Colocar em prática no meu dia a dia...



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 04 de Dezembro de 2010, 02:14
Bom dia, queridos amigos!


  INVOCAÇÃO

 
                                     
Anjos da Paz da Espiritualidade,
                                     
Desdobrai vossas asas luminosas,
                                     
Sobre este altar de lírios e rosas
                                     
Florindo às luzes da imortalidade.
                                     
Gênios de Luz, de Amor e de Bondade
                                     
Almas divinas, almas carinhosas,
                                     
Descei das amplidões da Eternidade
                                     
A esse banquete da fraternidade!
                                     
Vinde da claridade pura e imensa!
                                     
Trazei a este cenáculo da crença
                                     
Da Justiça de Deus, o Amor e a Luz!
                                       
Derramai neste Templo da Esperança,
                                     
As flores da Verdade e da Bonança
                                     
Do Jardim claro e eterno de Jesus!...

 

(Soneto recebido na “União Espírita Mineira”, por ocasião da conferência ali pronunciada pelo prof. Leopoldo Machado, subordinada ao tema “das responsabilidades dos Espíritas do Brasil”).

 

Extraído do livro Bênçãos de Amor. Autor: João de Deus
Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
 
 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Dezembro de 2010, 11:18
Novo Caminho!!

Busquei-te os passos...
Cansada de sofrer eu estava,mudar precisava...
Minha alma anseia por amor, para onde eu for...
Queria-te comigo, ouve o meu grito no infinito...
Minha vida sempre foi um vazio, agora que eu te encontrei... Me reconduz...
Luz em meu coração eu anseio, com apreço, apenas tua presença minha alma serena...
Jesus, quero do teu lado melhorar, me curar... Me aceita em tua caminhada, me ilumina nesta nova estrada.

Dothy...
..
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 05 de Dezembro de 2010, 23:23
Boa noitee, queridos amigos!


LEMBRANÇA.



Duas crianças, a irmã e o irmão,
Entraram juntos na cabana
Numa noite de verão. Já a noite,
Em passo lento, avançava sem ruído,
Atrás deles, branca e vaporosa
Como uma sombra misteriosa.
O pássaro dormia no fundo das florestas,
E o vento norte deslizava sem voz;
Tudo sonhava num doce mistério.
A irmã disse, baixinho, ao seu irmão:
Irmão, tenho medo; não ouves
Um sino chorar lá embaixo?
É o lúgubre e triste dobrar
De um defunto. - Não tremas,
Irmã, disse o irmão, é uma alma
Que foge da Terra e que reclama
Uma prece, para pagar
Seu lugar no eterno lar.
Vamos, irmã, orar na Igreja
Sobre a laje empoeirada e sombria
Onde se nos viu, um dia de luto,
Ambos de trás de um longo caixão
Onde dormia nossa pobre mãe.
Vamos orar pelos mortos, irmã;
Isto nos trará felicidade.
Vamos, vamos! - E irmã e irmão,
Uma lágrima sobre a pálpebra,
Ambos se dando as mãos,
Tomam o estreito e verde caminho
Que leva à velha igreja.
Uma segunda vez o vento norte
Trouxe-lhes o triste adeus
Do defunto procurando seu Deus,
E o sino cessou o seu lamento;
E mudos e trementes de medo
Nossas duas crianças silenciosas
Caminham olhando os céus.
Chegados ao limiar da igreja
Viram uma mulher sentada
À sombra da triste coluna
Que mantinha a grande pia.
Os pés nus, a face velada,
Pálida, louca e descabelada,
Ela exclamava: Ó meu Deus!
Ó vós a quem se adora em todo lugar.
Em todos os tempos, por toda a parte, na Terra
Como no céu, uma pobre mãe
Tremente, aos pés de vosso altar,
Diante de vossos desígnios eternos,
Ousa apenas, em vossa presença,
Se lamentar e narrar seu sofrimento.
Senhor! Eu não tinha senão um filho,
Um só; era róseo e branco
Como um branco raio que colore
Uma fresca manhã em sua aurora.
O espelho de seus grandes olhos azuis
Refletia o azul de vossos céus,
E em sua boca um doce sorriso
Parecia se colocar e me dizer:
Não chores mais em teu lar;
É que Deus vem de me enviar.
Vê, a tempestade está dissipada, mãe;
O céu está sem nuvem; espera!
E eu esperei. Mas, pobre criança,
Tu te enganavas em me enganando.
Quando o vento sopra sobre a praia
E destrói tudo em sua passagem,
Não deixando senão alguns caniços
Para chorar nas margens de suas águas...
E quando a morte bate à porta
De um lar, ela entra e leva
Tudo! tudo!... Não deixando em seu limiar
Senão um lençol negro para esconder seu luto.
Eu sabia, no entanto, que um belo sonho,
Se começa na manhã, termina
Uma noite neste mundo; que a noite,
Ciumenta do sol que brilha,
E que faz empalidecer sua triste sombra
Estende logo um véu sombrio
Para obscurecer seus mil fogos
E velá-lo a todos os olhos.
Sim, eu o sabia; mas a mãe
Ignora tudo; quando ela espera,
A pobre mãe crê em tudo;
Por um filho, na felicidade, sobretudo.
Eu tinha sofrido toda a minha vida,
Não podia sem loucura
Esperar um dia de felicidade?
E o foi de outro modo! Senhor,
Que a vossa vontade seja feita!
Só, neste humilde refúgio,
Onde vi morrer um esposo,
Onde, pálida e tremente, de joelhos,
Recebo o adeus de um pai,
Onde retirais à mãe
Sua última esperança, seu filho.
Diante de seu carrasco triunfante,
A morte que contempla sua presa
Com um sorriso de alegria,
Senhor! peço à mão
Que fere todos os meus, amanhã
De não poupar a mãe
Pedindo seu filho à terra.
O sino, uma última vez,
A estas palavras, fez falar sua voz.
A alma da criança sobre a terra
Voltava para consolar a mãe
Em lhe dizendo: Eu estou nos céus!
Quando irmã e irmão, preocupados
Saíram da velha igreja,
A mulher estava ainda sentada


Extraído da Revista Espírita de 1867.
Autor: Jean
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 07 de Dezembro de 2010, 01:02
Enquanto!!

Enquanto o sonho não morre...
Eu sonho...
E tento realizar todos os objetivos que espero...
Enquanto existir vida...
Eu vivo em constante alegria e harmonia...
Enquanto existir dias..
Eu  aproveito as horas para sorrir e cantar...
Enquanto eu tiver esperança, eu saio derramando a confiança...
Enquanto existir emoção...
Abraço, beijos e acalentos todos os meus irmãos...
Se a fé continuar habintando o meu ser...
As dificuldades irão se resolver, em tudo eu vou crer...
Enquanto houver amor... Seja onde eu for, palavras de ajuda irei levvar...
Em minhas exisitencias eterna, onde eu estiver, estarei lutando para levar...
Os ensinmento do nosso grande amigo jesus..

Dothy



Queridos amigos e irmãos... Sejam todos bem-vindos...

Sua presença é muito importante para nós... Estão convidados a trazerem suas mensagens, Poesias...

Desejamos a todos uma ótima semana repleta de paz, saúde, e muitas felicidades...

São nossos sinceros votos...
De:

(Lima-Gil)

(dOM Jorge...Dotjy...Katiatog...)

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Dezembro de 2010, 21:35
Janela da Alma!!

Da janela de minha alma
Eu vejo todo um trajeto de erros e acertos...
Nos caminhos do erros, eu sempre achava um acerto..
Em cada acerto meu, mais um motivo para recomeçar..

Da janela de minha alma...
Fiz um percurso do meu livro...
Várias páginas já escritas, mas que precisava ser corrigidas...
Aos poucos eu fui relembrando, onde eu tinha me equivocado...

Da janela de minha alma...
Encontrei várias páginas de esperanças...
Dos triste momentos sofridos, mas logo por mim esquecidos...

Da janela de minha alma...
Eu aprendi... Que ao tempo eu devo entregar...
Minha vida de evolução... Cabe somente a mim trilhar...



Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 10 de Dezembro de 2010, 00:00
Boa noite, queridos amigos!


Poema         

 

Meimei


Desejava, Jesus,
Ter um grande armazém
De bondade constante
Maior do que os maiores que conheço
Para entregar sem preço
As criaturas de qualquer idade
As encomendas de felicidade
Sem perguntar a quem.

Eu desejava ter um braço mágico
Que afagasse os doentes
Sem qualquer distinção
E um lar onde coubesse
Todas as criancinhas
Para que não sentissem solidão.
Desejava, Senhor,
Todo um parque de amor
Com flores que cantassem,
Embalando os pequeninos
Que se encontram no leito
Sem poderem sair,
E uma loja de esperança
Para todas as mães.

Eu queria ter comigo
Uma estrela em cuja luz
Nunca pudesse ver
Os defeitos do próximo
E dispor de uma fonte cristalina
De água suave e doce
Que pudesse apagar
Toda palavra que não fosse
Vida e felicidade.

Eu queria plantar
Um jardim de união
Junto de cada moradia
Para que as criaturas se inspirassem
No perfume da paz e da alegria.
Eu queria, Jesus,
Ter os teus olhos
Retratados nos meus
A fim de achar nos outros,
Nos outros que me cercam,
Filhos de Deus
E meus irmãos que devo compreender e respeitar.

Desejava, Senhor, que a bênção do Natal
Estivesse entre nós, dia por dia,
E queria ter sido
Uma gota de orvalho
Na noite em que nasceste
A refletir,
Na pequenez de minha condição,
A luz que vinha da canção Entoada nos Céus:
 - “Glória a Deus nas Alturas,
Paz na Terra, Boa Vontade em tudo,
Agora e para sempre!...

Mensagem recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Dezembro de 2010, 09:12
                                         VIVA JESUS!


  Bom-dia! caros irmãos.


                            Minha Vela


          A minha vela arde nas duas pontas;

                  não vai durar a noite inteira;

  mas ah!, meus inimigos e, oh!, meus amigos-

                A sua luz é tão prazenteira.


                       ( Edna St. Vincent Millay )


                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 11 de Dezembro de 2010, 15:09
Boa tarde, queridos amigos!


Peregrinações da alma



Do mesmo modo que do sangue a menor partícula,
Jorrando do coração, em nossas veias circula,
Nossa vida, emanando da Divindade,
Gravita o infinito durante a eternidade.

Nosso globo é um lugar de prova, de sofrimento;
É aí que estão os choros, os ranger de dentes;
Sim, é aí que está o inferno do qual nossa libertação
Prende-se ao grau do mal de nossos antecedentes.

É assim que cada um, deixando este baixo mundo,
Se eleva mais ou menos para um mundo etéreo.
Segundo seja mais puro ou mais ou menos imundo,
Seu ser se liberta ou se acha atraído.

Ninguém pode dos eleitos alcançar a carreira
Sem ter por inteiro expiado as suas faltas,
Se o cruciante remorso, o lamento, a prece,
Não lançaram sobre seus erros um véu de benefícios.

Assim o Espírito errante, ou antes a alma em pena,
Vem tomar um novo corpo neste mundo para sofrer,
Renascer para a virtude na família humana,
Depurar-se pelo bem, e de novo morrer.

Sua santa missão uma vez terminada,
Súbito Deus os retira para a celeste morada,
E progressivamente sua alma é elevada
Ao foco infinito do oceano de amor,

Ao nosso turno, também, nossa prova termina,
Pelo amor elevado às santas regiões,
Triunfantes iremos, no seio da harmonia,
Desses felizes eleitos aumentar as legiões.

Lá, para maior felicidade e por cúmulo de embriaguez,
Àqueles que nos são caros Deus nos reunirá;
Confundidos no impulso de uma santa carícia,
Sob um céu sempre puro sua mão nos abençoará.

No bem, no belo, mudando de modo de ser,
Elevar-nos-emos na santa cidade,
Onde veremos sem fim aumentar o nosso bem-estar
Pelo infinito tesouro da felicidade.

Dos mundos graduados subindo a escala imensa,
Sempre mais depurados mudando de confins,
Iremos, radiosos, acabar onde tudo começa,
Renascer cheios de amor, e brilhantes serafins.

Seremos os primogênitos de uma raça nova,
Os anjos guardiães de homens a chegar;
Celestes mensageiros do bem que Deus revela,
Dos mundos nós iremos enriquecer o futuro.

De Deus tal é, creio, a vontade verdadeira,
No imenso percurso de nossa humanidade,
Humanos, inclinemo-nos, sua ordem é imutável;
Cantemos todos: "Glória a ele, durante a eternidade!"



Revista espírita, setembro de 1862
Autor: B. JOLLY
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Dezembro de 2010, 17:43
                                         VIVA JESUS!


   Boa-tarde! queridos irmãos.


                             EU

   Eu sou a que no mundo anda perdida,
   Eu sou a que na vida não tem norte,
   Sou a irmã do Sonho, e desta sorte
   Sou a crucificada, ... a dolorida...

   Sombra de névoa tênue e esvaecida,
   E que o destino amargo, triste e forte,
   Impele brutalmente para a morte!
   Alma de luto sempre incompreendida!

   Sou aquela que passa e ninguém vê...
   Sou a que chamam triste sem o ser...
   Sou a que chora sem saber porquê...

   Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
   Alguém que veio ao mundo pra me ver,
   E que nunca na vida me encontrou!


                ( Florbela Espanca )



                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Dezembro de 2010, 17:49
Foi Jesus!!

Antes, meu caminho era de lamentos...
Sem fé, eu via em tudo muito tormento...
Esperança, para mim era uma palvra vã..
As tristezas eram infinitas... Moravam no meu coração...
Da vida eu só fazia me queixar.. Não via saída, para mim ara só horas vazias...
Sendo assim, minhas dores, elas não tinham fim... Eu só fazia a elas alimentar...
Mas u dia, cansda desta situação... Escutei uma palavra que me fez sentir uma nova emoção...
A alegria, entrou em minha porta da vida... Momentos feliz eu passei a desfrutar... Não sentia mais sosinha...
Esta palavra me fez renascer.. Dentro de mim mesma, eu encontrei, forças e motivos para em tudo sorrir... Esta palavra fez em mim uma revolução... Com ela encontrei uma nova direção... Foi Jesus que me deu sua mão...



Queridos amigos e irmãos... Sejam bem-vindos... Desejamos um ótima final de semana repleto de felicidades e paz a todos vocês!!

Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 09/12/2010

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Dezembro de 2010, 18:02
                                          VIVA JESUS!


  Olá, caros irmãos.



                      " Muitas coisas se diz calado,

                        pois o silêncio não tem fisionomia,

                        mas as palavras sim muitas faces. "


                                ( Machado de Assis )



                                              PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 13 de Dezembro de 2010, 04:28

REDENÇÃO

Acusado sem culpa ante a calúnia infrene,
Explico-me a chorar, no entanto é assim que eu morro.
“Deus! Ampara-me, ó Deus!” — exoro por socorro,
Sem que a força do Céu me responda ou me acene.

N’alma, remorso algum... Nada que me condene...
Nas raias da agonia, em pranto jorro a jorro,
A bênção da oração é o teto a que recorro,
A render-me, sem mágoa, ao minuto solene.

Mas quando o corpo tomba exânime, cansado,
Vejo-me, austero algoz, a rugir no passado,
Em vômitos de lama e cólera assassina...

O lobo então que eu fora, o suplício desterra!
Glória à reencarna’ão! Glória às dores da Terra,
Em que se cumpre a Lei da Justiça Divina!...

                                   Antero Costa Carvalho
(Do livro “Antologioa dos Imortais”, psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 13 de Dezembro de 2010, 09:39
                                     VIVA JESUS!



    Bom-dia! caros irmãos.



                               " Uma palavra morre

                                 Quando é dita -

                                 Dir-se-ia -

                                 Pois eu digo

                                 Que ela nasce

                                 nesse dia. "


                         
                                 ( Emily Dickinson )


 
                                                    PAZ, MUITA PAZ!

                                 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Dezembro de 2010, 09:53
  Me ensina Jesus!!



Senhor...
Contigo eu quero conversar...
Preciso que tu me ensines... A ser indulgente e perdoar...
Contra as minhas faltas comentadas... Mágoas eu não quero guardar..
Ajuda-me a não procurar as fraquezas dos outros...  Eu não quero apontar...
Eu preciso ser indulgente ... Não julgar e nem condenar... Esta foi a virtude por ti  ensinada e vivenciada...
Se alguém vier, e para mim a maledicência trouxer... Eu não quero participar... Ajuda-me apenas escutar, e nãosair a  divulgar...

Senhor....
Sei que esta lição... Não é facil de assimilar...
Mas que eu possa hoje ... Começar a praticar... Que eu lute comigo mesma... Para esta caridade exercitar..
Mesmo quando eu receba ofensas... Me ensina a perdoar... Mesmo sendo ela frequente... Me ajude a relevar..
Se meus erros forem apontados... Eu tenho sempre que lembrar... Tu mesmo nos disseste ... Perdoar e perdoar..

Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 12/12/2010





Queridos amigos...

Sejam todos bem-vindos... Muita paz...
Sua presença é fundamental para enriquecer este espaço que é de vocês...
Desejamos a todos uma ótima semana de muitas felicidades e amor...
São os sinceros votos de
:

(Lima-Gil)

(dom Jorge... Dothy... Katiatog)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 13 de Dezembro de 2010, 10:02
                                     VIVA JESUS!



   Olá, caros irmãos.



         " Tive uma jóia nos meus dedos -
            E adormeci -
            Quente era o dia, tédio os
            ventos -
            É minha, eu disse -

            Acordo - e os meus honestos
            dedos
            ( foi-se a gema ) censuro -
            Uma saudade de ametista
            É o que eu possuo. "



                    ( Emily Dickinson )




                                     PAZ, MUITA PAZ!
           
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 14 de Dezembro de 2010, 06:21
Bom dia, queridos amigos!



Poema da gratidão



Senhor Jesus, muito obrigada!
Pelo ar que nos dás,
Pelo pão que nos deste,
Pela roupa que nos veste,
Pela alegria que possuímos,
Por tudo de que nos nutrimos.

Muito obrigada, pela beleza da paisagem,
Pelas aves que voam no céu de anil,
Pelas Tuas dádivas mil!

Muito obrigada, Senhor!
Pelos olhos que temos...
Olhos que vêm o céu, que vêm a terra e o mar,
Que contemplam toda beleza!
Olhos que se iluminam de amor
Ante o majestoso festival de cor
Da generosa Natureza!

E os que perderam a visão?
Deixa-me rogar por eles
Ao Teu nobre Coração!
Eu sei que depois desta vida,
Além da morte,
Voltarão a ver com alegria incontida...

Muito obrigada pelos ouvidos meus,
Pelos ouvidos que me foram dados por Deus.
Obrigada, Senhor, porque posso escutar
O Teu nome sublime, e, assim, posso amar.
Obrigada pelos ouvidos que registam:
A sinfonia da vida,
No trabalho, na dor, na lida...
O gemido e o canto do vento nos galhos do olmeiro,
As lágrimas doridas do mundo inteiro
E a voz longínqua do cancioneiro...

E os que perderam a faculdade de escutar?
Deixa-me por eles rogar...
Eu sei que no Teu Reino voltarão a sonhar.

Obrigada, Senhor, pela minha voz.
Mas também pela voz que ama,
Pela voz que canta,
Pela voz que ajuda,
Pela voz que socorre,
Pela voz que ensina,
Pela voz que ilumina...
E pela voz que fala de amor,
Obrigada, Senhor!

Recordo-me, sofrendo, daqueles
Que perderam o dom de falar
E o teu nome sequer podem pronunciar!...
Os que vivem atormentados na afasia
E não podem cantar nem à noite, nem ao dia...
Eu suplico por eles
Sabendo que mais tarde,
No Teu Reino, voltarão a falar.

Obrigada, Senhor, por estas mãos, que são minhas
Alavancas da ação, do progresso, da redenção.
Agradeço pelas mãos que acenam adeuses,
Pelas mãos que fazem ternura,
E que socorrem na amargura;
Pelas mãos que acarinham,
Pelas mãos que elaboram as leis
E pelas que as feridas cicatrizam
Retificando as carnes partidas,
A fim de diminuírem as dores de muitas vidas!
Pelas mãos que trabalham o solo,
Que amparam o sofrimento estancam lágrimas,
Pelas mãos que ajudam os que sofrem,
Os que padecem...
Pelas mãos que brilham nestes traços,
Como estrelas sublimes fulgindo nos meus braços!

...E pelos pés que me levam a marchar,
Erecto, firme a caminhar,
Pés da renúncia que seguem
Humildes e nobres sem reclamar.

E os que estão amputados, os aleijados,
Os feridos e os deformados,
Os que estão retidos na expiação
Por crimes praticados noutra encarnação,
Eu rogo por eles e posso afirmar
Que no Teu Reino, após a lida
Desta dolorosa vida,
Poderão bailar
E em transportes sublimes com os seus braços também afagar.
Sei que lá tudo é possível
Quando Tu queres ofertar,
Mesmo o que na Terra parece incrível!

Obrigada, Senhor, pelo meu lar,
O recanto de paz ou escola de amor,
A mansão de glória
Ou pequeno quartinho,
O palácio ou tapera, o tugúrio ou a casa de miséria!
Obrigada, Senhor, pelo amor que eu tenho e
Pelo lar que é meu...
Mas, se eu sequer
Nem um lar tiver
Ou teto amigo para me abrigar
Nem outra coisa para me confortar,
Se eu não possuir nada,
Senão as estradas e as estrelas do céu,
Como sendo o leito de repouso e o suave lençol,
E ao meu lado ninguém existir, vivendo e chorando sozinho ao léu...
Sem um alguém para me consolar
Direi, cantarei, ainda:
Obrigada, Senhor, porque te amo e sei que me amas,
Porque me deste a vida
Jovial, alegre, por Teu amor favorecida...
Obrigada, Senhor, porque nasci,
Obrigada, porque creio em Ti.
...E porque me socorres com amor,
Hoje e sempre,
Obrigada, Senhor!


do livro Sol de esperança. Psicografado por Divaldo Franco. Autora: Amélia Rodrigues

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Dezembro de 2010, 00:56
Saudades!!

Chorando...
Eu escrevo estes versos...
Sofro a perda de mais um afeto...
Que para o outro lado foi morar...
Chorando...
Eu lembro de cada momento por nós vividos..
Tantas alegrias compartilhadas... Agora ficaram lá atrás...
Chorando...
Eu sinto muitas saudades... Penso cada fase e frase por nós ditas..
Chorando...
Eu me consolo... Sei que é uma separação, cheia de emoção...
Mas, tudo continua,... Para nós, outra chance virá...


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Dezembro de 2010, 00:59
Todos Comemoram!!


Todos comemoram
O natal da fraternidade....
Mas onde está a igualdade??
Ensinada por Jesus...
Todos cantam e brindam...
Cheios de muitos sorrisos...
Mas onde esta a felicidade??
Dos que não tem nem um abrigo...
Todos comemoram...
Em meios de muitos presentes...
Mas onde está o teto dos nossos indigentes??
Todos comemoram...
Entre muitas festas e recepções...
Onde nós estaremos, em cada uma destas situações??


Publicado no Recanto das Letras em 13/12/2010


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Mizica em 15 de Dezembro de 2010, 01:11
Saudades!!

Chorando...
Eu escrevo estes versos...
Sofro a perda de mais um afeto...
Que para o outro lado foi morar...
Chorando...
Eu lembro de cada momento por nós vividos..
Tantas alegrias compartilhadas... Agora ficaram lá atrás...
Chorando...
Eu sinto muitas saudades... Penso cada fase e frase por nós ditas..
Chorando...
Eu me consolo... Sei que é uma separação, cheia de emoção...
Mas, tudo continua,... Para nós, outra chance virá...




Obrigada Dothy....que lindo!
Choro de emoção.... meu coração agradece seu carinho
Mizica
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Dezembro de 2010, 01:21
Olá amiga Mizica...

Seja sempre bem-vinda a este espaço que é teu também...
Brigada amiga pelo carinho e por teres gostado de meus versos..
Bjs e abraços carinhosos
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 15 de Dezembro de 2010, 04:50
Bom dia, queridos amigos!



O Viajor e a Fé
 

- “Donde vens, viajor triste e cansado?”
- “Venho da terra estéril da ilusão.”
- “Que trazes?”
- “A miséria do pecado,

De alma ferida e morto o coração.
Ah! Quem me dera a benção da esperança,
Quem me dera o consolo à desventura! ”

Mas a fé generosa, humilde e mansa,
Deu-lhe o braço e falou-lhe com doçura:
- “Vem ao Mestre que ampara os pobrezinhos,

Que esclarece e conforta os sofredores!...
Pois com o mundo uma flor tem mil espinhos,
Mas com Jesus um espinho tem mil flores!”
 

Psicografado por Chico Xavier. Autora: Carmen Cinira


<BR><a href="http://www.recados.net" >(http://images.paraorkut.com/img/recados/Flor_738662740_076_flores.jpg)[/url]

Recados Para Orkut - Click Aqui! http://www.recados.net[/url]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 16 de Dezembro de 2010, 21:07
AMIGO
Amigo...
Tu que sempre estiveste ao meu lado...
Por quase toda minha longa e  curta vida...
Compartilhando inúmeros belos dias vividos...
Andando, correndo, dormindo, e vivendo comigo...
Me socorrendo nos piores momentos sofridos...
Confesso... Foste um herói nestas horas a me amparar...
Palavras de esperança... Sempre tiveste para me ofertar...
Nunca esquecerei... Estes gestos teu.. Comigo levarei em qualquer mundo meu..
Nas dificuldades por mim  encontradas... Foste meu pilar... A me sustentar...
Em cada sorriso meu, tinha umpouco do teu... Felizes tu ficavas, em cada vitória minha alcançada...
Amigo...
Nada tinhas a me censurar... Com palavras brandas e serenas, tu tentavas me alertar...
Em cada doença por mim sentida... Ao meu lado me velavas, com preces e remédios, tu te doavas..
Sei que muitas vezes, contigo eu me zanguei, gritei, descontei... Mas tu sabias sempre  me perdoar
Motivos contínuos eu te dei para me abandonar... Mas, tu sabias que de ti eu precisava e não te afastava...
Esta nossa amizade será eterna, sobreviverá a todas as intempéries... Iremos de novo vivenciar..
Se eu morrer antes de ti... Me disseram que em outro espaço eu vou morar, um local parecido com o céu eu vou ficar... Saudades irão me visitar... De ti muitas vezes eu irei lembrar... Nossa trajetória de vida me fará chorar... E também me consolará... Meu coração irá te guardar
Por ti eu vou esperar... Para em mais uma vida, nossa linda amizade continuar..


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 16/12/2010


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 17 de Dezembro de 2010, 11:16
MEU ANJO DE LUZ!!


Amigo Jesus...
Meu anjo de luz...
Minha alma quando em ti pensa...
Sempre alcança paz e esperança...
A felicidade aos poucos me contagia...
Me libertando da tristeza e horas vazias...
A solidão, aos poucos abandona o meu coração...
Meus dias se transformam na mais perfeita sintonia..
Preciso contigo ficar... Seja aqui, ou em qulaquer lugar..
De ti, eu não quero mais me afastar... Tua companhia é a minha maior alegria...
Com todas as dificuldade que eu encontro... Contigo, eu sempre soluciono...
Medos e incertezas, eu á não tenho mais..... Pela porta da segurança, contigo, eu quero entrar..
Obrigada senhor jesus...
Que para nos mostrar que há tudo é possivel perdoar,... Tu nasceste para nos ensinar

Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 17/12/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Dezembro de 2010, 12:13
                                        VIVA JESUS!



   Bom-dia! queridos irmãos.



                À medida que o nosso amor progride,

                mais nos convencemos que Deus existe

                e de que a alma é imortal.



                          ( Fedor Dostoievski )



                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 17 de Dezembro de 2010, 23:01
Ele Nasceu!!

Ele nasceu...
O mundo todo o conheceu...
A alegria se contagiou no ar... As estrelas não pararam de piscar...
Os animais todos fizeram muita festa...Os três reis se apressaram logo para chegar...
As pessoas todas sorriram... Tudo se transformou... A noite se iluminou... É tempo de comemorar..
Seus pais José e Maria. na estrebaria ela ficou... Por ele ela aguardou.. Envolvendo ele em seu manto de amor
Os sinos todos anunciaram, Muitas pessoas cantaram... Hinos de louvor para ele foram criado...
Nasceu o menino jesus... O universo todo ele conduz...E nosso amigo e irmão, enchendo de emoção nosso coração
!!

Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 17/12/2010

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 18 de Dezembro de 2010, 02:28
Bom dia, queridos amigos!


Ampara  sempre

 

Se a treva do mal procura

Mergulhar-te na amargura,

Não te aflijas, meu irmão!...

Olvida o fel que te invade

E acende a luz da bondade

No templo do coração.

 

Muitas vezes a ironia,

Sob a cólera sombria,

É grito de angústia e dor.

Alma revolta na vida

É como a terra ferida,

Necessita de amor.

 

Ampara sempre... O Caminho

Nem sempre será de arminho

Que te convide a cantar.

Terás, igualmente, um dia,

A luta, o pranto e a agonia

Por viver e atravessar.

 

Alguém clama ou desespera?

Silêncio! Trabalho e espera

Na alegria calma e sã...

Sobre a noite brilha a aurora

E, além das sombras de agora,

O dia volta amanhã.

 

Livro: “Cartas do Coração” – Psicografia Francisco Cândido Xavier – Autor: João de Deus
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Dezembro de 2010, 16:27
Vamos Festejar..

Vamos festejar...
O natal comemorar..
É tempo de renascer no amor..
Jesus nos ensinou, a todos perdoou...
Sempre temos que nos libertar...
Mágoas, não devemos guardar..
Esquecer todas as ofensas..
Deixando tudo para trás..


Vamos festejar...


A vinda do nosso amigo e irmãos....
Ele que sempre nos dá a mão...
E nos acolhe em seu coração...
Do nosso lado, ele sempre está...
Nas horas dificeis e de alegria...
Ele é e sempre será nossa maior companhia..


Vamos fetejar..

É natal em cada um de nós...
Vamos renascer dentro de nosso interior...
Para uma nova vida de muita paz e amor...
Com todos vamos distribuir... Felicidades sem fim...
Palavras de esperança vamos levar, lembrando que é tempo de fetejar..



Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 19 de Dezembro de 2010, 04:28
Bom dia, queridos amigos!


Alguém



Alguém te bate à porta, dia a dia,

Esmolando-te amor, oculto embora

Nas agruras e chagas de quem chora

Entre a grande aflição e a noite fria...

 

Medita e ouvi-lo-ás chamando agora

Na miséria cansada que te espia,

Nos herdeiros da sombra e da agonia,

Que se arrastam gemendo estrada afora...

 

Alguém te segue os passos, de mansinho,

Junto às trevas e às dores do caminho,

Anotando o que fazes por vence-las;

 

Esse Alguém é Jesus que, em toda idade,

Arrecada os teus gestos de bondade

No Tesouro Divino das Estrelas.

 

Psicografia Chico Xavier - Livro: Poetas Redivivos  -  Autora: Auta de Souza
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 24 de Dezembro de 2010, 08:01
Bom dia, queridos amigos!


 
Carta de Natal
Médium: Chico Xavier
Espírito:  Casimiro Cunha



   Meu amigo. Não te esqueças.
   Pelo Natal do Senhor,
   Abre as portas da bondade
   Ao chamamento do Amor.

   Reparte os bens que puderes
   Às luzes da devoção.
   Veste os nus. Consola os tristes,
   Na festa do coração.

   Mas, não te esqueças de ti,
   No banquete de Jesus:
   Segue-lhe o exemplo divino
   De paz, de verdade e luz.

   Toma um novo compromisso
   Na alegria do Natal,
   Pois o esforço de si mesmo
   É a senda de cada qual.

   Sofres? Espera e confia.
   Não te furtes de lembrar
   Que somente a dor do mundo
   Nos pode regenerar.

   Foste traído? Perdoa.
   Esquece o mal pelo bem.
   Deus é a Suprema Justiça.
   Não deves julgar ninguém.

   Esperas bens neste mundo?
   Acalma o teu coração.
   Às vezes, ao fim da estrada,
   Há fel e desilusão.

   Não tiveste recompensas?
   Guarda este ensino de cor:
   Ter dons de fazer o bem
   É a recompensa melhor.

   Queres esmolas do Céu?
   Não te fartes de saber  teus,
   Que o Senhor guarda o quinhão
   Que venhas a merecer.

   Desesperaste? Recorda,
   Nas sombras dos dias teus,
   Que não puseste a esperança
   Nas luzes do amor de Deus.

   Natal!... Lembrança divina
   Sobre o terreno escarcéu...
   Conchega-te aos pobrezinhos
   Que são eleitos do Céu.

- Mas, ouve, irmão! Vai mais longe
    Na exaltação do Senhor:
   Vê se já tens a humildade,
   A seiva eterna do amor.

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 24 de Dezembro de 2010, 10:02
Queridos amigos e irmãos...

Desejamos a todos um feliz natal repleto de felicidades, saúde, união, paz e amor (Lima-Gil...dOM Jorge...Dothy...Katiatog)



[/b][/color]
   ***Deus***

Deus...Que habita tudo e todos
Vem habitar no meu interior
Para que do meu coração transborde
O mais  puro e intenso Amor

Deus...Que  é sábio com tudo e com todos
Vem limpar minha alma. curando as mazelas
Para que possa resplandecer, a tua luz...


Deus...Olha para mim
Deus...Olha para nós
Não nos abandone nunca
Pois precisamos de ti.
E nada somos sem teu Amor
!!!


Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 26 de Dezembro de 2010, 05:32
Bom dia, queridos amigos!


Lágrimas


Médium: Chico Xavier
Espírito: Francisco Lobo da Costa
Antologia dos Imortais
 
           

Quando a luta te deixe em plena estrada,
Qual tronco a sós, sem flores e sem frondes,
Na secreta renúncia a que te arrimas,
Bendita seja a lágrima que escondes!

Quando a amargura te converta a vida
Em rede estranha de sinistras horas,
Mesmo nas raias do suplício extremo,
Bendita seja a lágrima que choras!

Quando a prova te assalte os semelhantes
Na dor de sendas ásperas e incertas,
Na simpatia que te inflama o peito,
Bendita seja á lagrima que ofertas!

Quando, porém, caminhas na bondade
A que nobre e sereno te conjugas,
Muito acima das lágrimas que vertes,
Bendita seja a lágrima que enxugas!

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Dezembro de 2010, 11:13
A Procura

Onde mora a Esperança??
O Amor e o Perdão??
Todos que a elas  procuram...
Sempre voltam com um não!!

Alguns dizem que está ali..
Muitos dizem que nem existem..
Poucos já encontraram..
Outros ainda nem começaram.

Os que dizem que está ali
Dizem por não saberem...
Por muito que já  procuraram
Sem ainda enconrarem.

Os que dizem que nem existem
Pobres incrédulos do Bem
Já nem exisem em si...
De tão vazios que são.

Para aqueles que já encontraram
Grande tesouro que tem...
Mas que não façam uso
Apenas para o seu Bem.

Para os que ainda nem começaram
Vamos acordar e ir além
Por que a Esperança
O Amor e o Perdão
Estão sempre  guardados
Dentro  do seu  coração.


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Dezembro de 2010, 11:18
Queridos amigos...

Sejam todos bem-vindos... Muita paz...
Sua presença é fundamental para enriquecer este espaço que é de vocês...
Desejamos a todos uma ótima semana de muitas felicidades e amor...
São os sinceros votos de:


(Lima-Gil)

(dom Jorge... Dothy... Katiatog)


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 29 de Dezembro de 2010, 14:27
**Minhas Diretrizez**

O tempo vai dizer..
Não posso perder..
Hoje eu  estou aqui.
Amanhã vou  saber??
Do outo lado vou viver.
Eu quero lá me adequar.
Aqui tudo é passagem..
Preciso saber aproveitar
Meu tempo vou valorizar..
Se eu errar..Vou consertar..
Vitórias eu vou conquistar
Derrotas saber aceitar....
Com outros me reconciliar..
Vou tentar não prejudicar.
A todos eu  quero ajudar....
Palavras de paz vou falar..
Perdão vou  tentar ensinar..
Que bom que todos temos..
Muitas Chances de reencarnar..


Dothy

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 31 de Dezembro de 2010, 04:00
Bom dia, queridos amigos!


A  CRIANÇA

 

O coração da criança

E como um lírio de luz.

Cultiva essa flor sagrada

Para o jardim de Jesus.

 

No recomeço da vida

O amor pode trabalhar,

Renovancìo os sentimentos

No tempìo de luz do lar.

 

Dispensa à infância o carinho

Da tua compreensão,

Concìuzindo-a para o Cristo

Modelo do coração.

 

Cessada a infância, que é dia

De luz e espontaneidade,

As almas voltam, de novo,

Às lutas da humanidade.

 

Educa os teus pequeninos.

Quem não aprende do amor

Recebe a lição amarga

DA experiência da dor.

 

 

Livro Cartas do Evangelho - Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Autor: Casemiro Cunha
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 31 de Dezembro de 2010, 14:18
O Que Esperar??

O que esperar??
Do ano novo que vai chegar...
Felicidades, terei se eu acreditar e sorrir..
Esperança, se eu tiver fé e sempre perseverança...
Alegria, seu eu prencher com trabalho as horas vazias...
Abraços, seu eu cutivar amizade em todos que cruzam o espaço...
Saúde... Se cuidar muito bem de mim.. Enfermidades, quero todas distante daqui...
Amor, se cultivar em todos os meus irmãos, a doação, as melhores emoção...
Riqueza... Se eu trabalhar minha melhora espiritual, paciência, indulgência e perdão...
Vida... Sei que no calendário é apenas uma passage, que existe muito mais.. Do outro lado da eternidade..


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 31 de Dezembro de 2010, 14:23
Queridos amigos e irmãos...  Sejam sempre bem-vindo...

Sua presença é fundamental para enriquecer este espaço que é de vocês...
Estão convidados a trazerem suas mensagens... Desejamos uma ótima semana repleta de felicidades e amor...
Desejamos a todos um feliz ano nov, rico em felicidades, aúde, paz, união, sucesso e muito amor...
São os nossos sinceros votos de:


(Lima-Gil... dOM Jorge...Dothy....Katiatog)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Janeiro de 2011, 14:47
Bom dia, queridos amigos!


A  FAXINA



De manhã, em toda casa,

Ar puro, janela aberta,

A higiene determina

O movimento de alerta.

 

É o asseio proveitoso

Que começa com presteza,

Expulsando o pó de ontem

Nos serviços de limpeza.

 

A vassoura range, range,

No polimento ao soalho,

Sem desprezar coisa alguma

Na expressão do seu trabalho.

 

Vem escovas cuidadosas

Ao lado de espanadores

E renova-se a paisagem

Dos quadros interiores.

 

A água cariciosa

Que se mistura ao sabão,

Carreia o lixo, a excrecência,

Enche baldes, lava o chão.

 

Os livros desafogados

Mostram ordem nas fileiras,

Convidando ao pensamento

Do cimo das prateleiras.

 

Os móveis descansam calmos,

De novo brilha o verniz.

Toda a casa fica leve,

Mais confortada e feliz.

 

A limpeza efetuada

É novo impulso à energia,

Multiplicando as estradas

De esforço e sabedoria.

 

A faxina, qual se chama,

Na linguagem da caserna,

Tem seu símbolo profundo

Nos campos de vida eterna.

 

Muita gente sofre e chora,

Na dor e na inquietação.

Por nunca fazer faxina

Nas salas do coração.

 

Livro: Cartilha da Natureza. Psicografado por Chico Xavier. Autor: Casemiro Cunha

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 07 de Janeiro de 2011, 03:54
Bom dia, queridos amigos!



AGRADECER  PARA  SERVIR

                                                       

Certamente, alma boa,

Deus, o Dispensador dos Recursos Supremos,

Não tem culpa do pranto que há na estrada

Que nós mesmos fazemos.

 

Saibamos, entretanto, agradecer

Os tesouros e dons de que nos faz dispor,

A fim de que saibamos levantar

A grandeza da Vida e a redenção do Amor.

 

Agradece, alma querida e boa,

Ao Doador das Luzes e dos Bens

Os dotes naturais que te amparam a vida

E as concessões que tens.

 

Observa a palavra

Em que a força do verbo se te fez,

Quando existe no mundo tanta gente

Em penosa mudez.

 

Contempla as próprias mãos que podem trabalhar

Em toda atividade nobre e amiga,

Quando se enxerga, em toda parte,

Tanta mão que mendiga.

 

Reflete nos teus olhos,

Dos quais a luz é a doce companheira,

Quando tantos irmãos vemos na Terra

Suportando a cegueira.

 

Toca o cérebro claro

Em que o discernimento se te apura

E lembra a multidão dos companheiros

Nos desvãos da loucura

 

Livro “Chico Xavier pede licença” Psicografia Francisco C. Xavier Autora: Maria Dolores

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 07 de Janeiro de 2011, 05:19
Bom dia, irmãos queridos!


DESENCARNAÇÃO

Dorme a ninfa obscura em desvão da floresta...
Tênue réstia solar dissolve a névoa fina.
Agita-se o casulo. A múmia pequenina
É féretro mirim que, súbito, se enfresta.

A borboleta em luz, como alguém que protesta
Contra o sono letal sob a folha mofina,
Desdobra as asas de ouro e, leve bailarina,
Sobe à grimpas do azul em delírio de festa...

A morte é assim também... No corpo inerte, langue,
Silêncio e rigidez trabalham de partilha,
Tentando nova forma em que a vida se engrade!...

Mas do estojo larval, sem o lume do sangue,
A alma ressurge e voa, ascende, canta e brilha,
Ave do Grande Além, galgando a imensidade...

                            Álvaro Sá de Castro Menezes
(Do livro “Antologia dos Imortais”, psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 08 de Janeiro de 2011, 04:27
Bom dia, queridos amigos!



Somente hoje



Hoje – a luz do presente!...
Dia como este dia, em toda a vida
Terás este somente.
Recorda isso
E atende a todo bem
Que desejes fazer;
Prestação de serviço
Em socorro de alguém,
Atenção no dever,
Felicidade e paz, esperança e carinho
Que aspires a plantar em lances do caminho,
Alegria, favor,
Dádiva que pretendas ofertar,
Relações que precises recompor,
Gentilezas no lar,
Trabalho, o mais singelo e aquele que mais custe,
Revisão, reajuste,
Corrigenda, perdão,
Provas de estima e consideração,
Apoio espiritual em simples frases
Nas tarefas que abraces e abençoes...
Que nada disso atrases,
Nem deixes que fazer para depois;
Porque o tempo não volta,
Contando sempre aquilo que se fez...
E dia igual a hoje
Só terás esta vez.


Autor:Manoel Monteiro
XAVIER, Francisco Cândido. Correio Fraterno,
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Janeiro de 2011, 13:47
***Pela Paz***

Pela paz
Teremos um mundo bem melhor...
Todos seremos verdadeiros cristão...
Nada mais de tristezas nem dores... Apenas amor...

Pela Paz...
Nada mais de violência e confusão..
Mas muita alegria... Felicidades então...
Juntos seremos apenas uma grande nação...

Pela paz...
Em todos os lugares encontraremos o bem..
Sempre juntos com a mais pura melodia e sintonia...

Pela Paz...
Nos amaremos e respeitaremos num só coração...
Nada mais de abandono, desilusão com nossos irmãos.


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 19 de Janeiro de 2011, 08:25
Tudo em Harmonia!


As flores,  a perfumar.
O Sol  está a iluminar,
O ar sempre a arejar,
E todos sempre a  te louvar.

As estrelas sempre a brilhar.
As ondas, estão a movimentar,
A vida sempre com seu tempo a passar,
E todos, em tua lei,  estamos a meditar a pensar...

A rua sempre a indicar.
As pessoas estão a andar,
A natureza a nos ofertarenfeitar,
E todos, estão sempre  a ajudar.

Os anos, sempre a mudar.
Os meses,dias  estão a passar,
As horas, giram sempre a contar,
E todos, estão a se  transformar.

Deus sempre a nos amar
As leis, não cansam de ensinar,
Que possamos assimilar.
E com elas,  nosso coração possa mudar
.

Dothy

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 24 de Janeiro de 2011, 04:37
Bom dia, queridos amigos!


A  LENDA  DA  ROSA



Dizem que quando a Terra começava

A ser habitação de forças vivas,

Nas telas primitivas,

Tudo passara a ser agitação de festa;

As cidades nasciam

Em singelas aldeias na floresta...

A beleza imperava,

O verde resplendia,

Toda a vegetação se espalhava e crescia,

Dando refúgio e proteção

Aos animais,

Do mais fraco ao mais forte...

O progresso ganhava as marcas de alto porte.

 

No campo, as plantas todas

Respiravam felizes,

Da folhagem no vento à calma das raízes;

Era um mundo de belos resplendores,

Adornado de flores,

Com uma estranha exceção.

Tão-somente, o espinheiro,

Era triste e sozinho

Uma espécie de monstro no caminho,

De que ninguém se aproximava,

Todo feito de pontas agressivas,

Recordando punhais de traiçoeiro corte,

Que anunciavam dor e feridas de morte.

 

De tanto padecer desprezo e solidão,

Um dia, o espinheiral

Fitou o Azul Imenso e disse em oração:

- Senhor, que fiz de mal

Para ser espancado e escarnecido,

Todos me evitam cautelosamente

Como se eu não devesse haver nascido...

Compadece-te, oh! Pai, da penúria que trago,

Terei culpa das garras que me deste?

Acendes astros mil para a noite celeste,

Vestes a madrugada em mantilhas vermelhas,

Dás lã para as ovelhas,

Inteligência aos cães, cântico às neves,

Estendeste no chão a bondade das fontes

Que deslizam suaves

Na força universal com que desdobras,

A amplitude sem fim dos horizontes,

Em cujo místico esplendor

Falas de majestade, paz e amor...

Não me abandones, Pai, às pedras dos caminhos,

Se posso, não desejo

Oferecer somente espinhos...

Quero servir-te à obra, aspiro a ser perfume,

Inspiração e cor, harmonia e beleza,

Para falar de ti nas leis da Natureza.

 

Dizem que Deus ouviu a inesperada prece

E notando a humildade e a contrição do espinheiral,

Mandou que, à noite, o orvalho lhe trouxesse

Um prodígio imortal.

Na seguinte manhã, logo após a alvorada,

Por entre exalações maravilhosas,

O homem descobriu, de alma encantada,

Que Deus para mostrar-se o Pai e o Companheiro,

Atendendo a oração pusera no espinheiro

A primeira das rosas.

 

 FONTE: Livro: “Maria Dolores” – Psicografia: Francisco C. Xavier – Espírito: Maria Dolores

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Elizabeth Caires em 27 de Janeiro de 2011, 19:02
Para Evoluir

Despertar a consciência para as realidades da Vida.
É trabalho árduo, para todo índivíduo,
pois carece de esforço a compreensão,
das palavras benditas no Evangelho contido.

Todos nós podemos mudar os destinos do nosso ser,
desde que estejamos dispostos a compreender,
que a Bondade Divina nos Rege nos Guarda e Ilumina,
tudo o que precisamos é nossos dons desenvolver.

Com vistas para o progresso de toda humanidade,
sabemos que a única saída, é a suprema Verdade,
amarmo-nos uns aos outros como Jesus nos amou,
trabalhando para o próximo e desenvolvendo a Caridade

Com Amor

Elizabeth caires
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 27 de Janeiro de 2011, 20:25
Querida Elizabeth


Seja muito bem vinda à esse espaço de luz onde amamos a poesia.

Volte sempre!

Abraços carinhosos da Katia
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 27 de Janeiro de 2011, 20:32
Boa tarde, queridos amigos


 Acorda  e  Ajuda



Não olvides, cada hora

Na luz de Deus a buscar-te,

Que a nossa grande família

Luta e sofre em toda a parte.

 

Isolamento e egoísmo

São meros caprichos vãos.

No universo ilimitado

Todos nós somos irmãos.

 

Respira ao sol da verdade.

Ilusão é sombra e pó.

Ontem, agora e amanhã

São frases de um tempo só.

 

Qual tronco que se equilibra

Fortemente enraizado,

Nosso presente obedece

À formação do passado.

 

Não te ensurdeças, portanto,

À voz do bem que te enxorta.

Recebe fraternalmente

A dor que te bate à porta.

 

Mendigos que vês ao longe,

Chorando ao vento escarninho,

Já beberam, quase sempre

Na taça do teu caminho.

 

Velhos tristes sob a noite,

Em desencanto e doença,

Muitas vezes são credores

De tua afeição imensa.

 

Crianças ao desabrigo

Em pranto desolador,

Comumente foram rosas

E bênçãos de teu amor.

 

Amanhã despertarás

Nas luzes do grande além. . .

Consagra-te, desde agora,

Ao campo do eterno bem.

 

Descerra às chagas da vida

O templo do coração.

Os braços da caridade

São chaves de redenção.

 

Livro Encontro de Paz - Psicografia Chico Xavier.Autor:Casemiro Cunha
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Janeiro de 2011, 21:01
Alguém Chorou...

Hoje alguém chorou...
Bem pertinho de mim, eu ouvi....
Lágrimas e soluços sem fim, mais ali...
Qual o triste motivo,, eu nem percebi, só senti...

Hoje alguém chorou...
Um idoso abandonado, em qualquer canto..
Quando ele queria apenas, um afago e encanto...
Mãos carinhosas e quentinhas para lhe acalmar...

Hoje alguém chorou...
Ouvi longe, um choro de criança...
Ela ressentia da mãe a ausência, que foi caminhar...
Sentada quietinha, ele tinha que esperar ela voltar...

Hoe alguém chorou...
Quem foi? como posso precisar??
Talvez uma jovem namorada que foi trocada...
Ou quem sabe não foi o inverso?quem chora é o belo rapaz...


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 28/01/2011

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 30 de Janeiro de 2011, 03:35
Bom dia, queridos amigos!


Nosso  Irmão

 

Se alguém te fala na rua,

deitando lamentação,

não passes despercebido.

Escute, que é nosso irmão...

 

Ouviste o parente em casa,

gritando em voz de trovão?

Não te aborreças com isso.

Tolera, que é nosso irmão...

 

Transformou-se o companheiro...

Agora, rixa, brigão.

Não te afastes, nem censures.

Suporta, que é nosso irmão...

 

O amigo a quem mais estimas

ofendeu-te sem razão?

Não te dês ao derrotismo.

Perdoa, que é nosso irmão...

 

Tiveste do adversário

pedradas de ingratidão?

Calando, segue servindo.

Desculpa, que é nosso irmão...

 

A quem te peça um favor,

embora dizendo "não",

sem grito ou aspereza,

atende, que é nosso irmão...

 

Diante de todo aquele

que sofre na provação,

o Cristo pede em silêncio:

- AMPARA, QUE É NOSSO IRMÃO...



Autora:Joanna de Ângelis. Médium:Divaldo Franco,
Livro: Episódios Diários
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 04 de Fevereiro de 2011, 11:57
Bom dia, queridos amigos!


PERDOA

 

Recebe a provação de alma serena.

Desculpa todo golpe que te doa.

Guarda contigo a paz singela e boa,

Inda mesmo ante a voz que te condena.

 

Tudo no mundo é caridade plena.

A fonte beija a pedra que a magoa

A estrela mostra o brilho na lagoa.

A rosa enfeita o acúleo que envenena.

 

A árvore esquece o vento que a desnuda.

A Terra inteira serve, humilde e muda.

A chuva desce ao bojo da cisterna...

 

Perdoa e quebrarás grilhões e algemas,

Buscando, enfim, as vastidões supremas

Para a glória do amor na vida eterna.

 

Livro: “Antologia dos Imortais” - Psicografia de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira. Autora: Irene Ferreira de Souza Pinto

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Lima_Gil em 07 de Fevereiro de 2011, 05:18
Bom dia, irmãos queridos!


A PRIMEIRA PEDRA

A multidão tumultua
Em cada canto da praça.
Algemado, em plena rua,
E’ um homem triste que passa...

Há gritos no Sol a pino...
São vozes a descompor:
— “Donde vieste, assassino?
Celerado! Matador!...”

— “Fera solta! Condenado!
Gatuno! Monstro! Quem és?”
E o infeliz disse, cansado,
Mal se aguentando nos pés:

— “Por Deus, poupai-me a lembrança!
Basta a aflição que me corta.
Eu fui aquela criança
A quem cerrastes a porta.”

“Fui o pequeno mendigo
Que todos vistes passar!
Vêde a miséria em que sigo,
Sem a esperança de um lar!...”

“Faminto, descalço e roto,
A minha vida era assim...
Cresci na lama do esgoto,
Nunca tive alguém por mim...”

Bebendo o pranto que rola,
Suspirou, em conclusão:
— “Debalde pedia escola,
Debalde pedia pão.”

Toda a praça silencia.
Somente vibram no ar
Os soluços da agonia
De pobre mãe a chorar.

                                     Francisca Clotilde Barbosa Lima
(Do livro “Antologia dos Imortais”, psicografia de Chico Xavier e Waldo Vieira)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 08 de Fevereiro de 2011, 00:55
TER AMIGO É...

Ter amigo é... Ter Amor
Com eles por perto, não enfrentamos sozinhos nenhuma dor...

Ter amigo é... Ter Compreensão.
Eles nos ajudam a entender e exercer o perdão...

Ter amigo é... Ter Felicidade.
Eles nos transmitem esta doce realidade...

Ter amigo é... Ter Paz.
Seu apoio é infinitol, se choramos por alguma moça ou algum rapaz...

Ter amigo é... Ter o céu.
Nunca nos desmparam, não nos deixam ao léu...

Ter amigo é... Ter sabedoria.
Eles nos transmitem sempre uma doce alegria...

Ter amigo é... Ter todo o mundo.
Com eles ao nosso lado, nada mais de escuro profundo...

Ter amigo é.. Ter poesia...
Eles são sempre nossa doce e inspirada companhia


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 05/02/2011

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 09 de Fevereiro de 2011, 03:59
Bom dia, queridos amigos!


Consolai


 
Se eu pudesse, diria eternamente,

Aos flagelados e desiludidos,

Que sobre a Terra os grandes bens perdidos

São a posse da luz resplandecente.

 

A dor mais rude, a mágoa mais pungente,

Os soluços, os prantos, os gemidos,

Entre as almas são louros repartidos

Muito longe da Terra impenitente.

 

Oh! Se eu pudesse, iria em altos brados

Libertar corações escravizados

Sob o guante de enigmas profundos!

 

Mas, dizei-lhes, ó vós que estais na Terra,

Que a luz espiritual da dor encerra

A ventura imortal dos outros mundos!

 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Autor: Antero de Quental
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Fevereiro de 2011, 08:25
Bom dia queridos amigos.. Muita paz a todos!!

AMIZADE!!


Ter amizade.. É minha maior felicidade...
Guardo no meu coração... Esta doce realidade...
Quem tem amigo por perto... Nunca está sosinho em nenhum deserto...
Eles tornam nossa vida maravilhosa... Enfeitam e perfumam tudo a nossa volta...
Sempre tem pAmizade...
alavras de carinho e conforto... Só pensam em nos alegrar...
Quando estamos triste... São nosso seguros portos...

Amizade...

Que doce palavra, aqui por mim expressada...
São anjos de luz, tudo ao nosso lado, com eles reluz..
Nunca estamos em crises, eles não nos deixam ficar triste...
Tornam nosso mar sempre rosa... Estão conosco sempre em qualqer roda...
Que presente Deus nos concedeu... Escolheu do céu  seus melhores representante... E chamou a todo eles de ... Amigos!!


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 08/02/201
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 11 de Fevereiro de 2011, 03:41
Bom dia, queridos amigos!


 HARMONIA

 

O caminho da prece está florido.

As rosas da harmonia desabrocham olorosas!

Subi comigo, espaço em fora...

Que luz dulcificante!

 

Divisai o reino da alegria,

Onde uma eterna aurora

Embala os seres e embala os roserais

Que florescem para a luz

 

Vinde! Existem nas alturas,

Regiões de paz, remansos de ventura

Que sonhais jamais!...

 

Deus  pôs em cada canto

Uma pérola divina

Da sua luz. Tesouro sacrossanto,

Patrimônio de todos seus filhos

 

Por aqui não há dores, não há prantos!...

Eis que nos abraçamos...

Filhos que esperamos

E mães que nos esperam...

 

Noivos idolatrados,

Afetos aguardados.

Com excelsas esperanças...

Eis que agora a saudade

 

É uma recordação fugidia,

Um misto de amargura,

De ventura e alegria.

Subi comigo! Aqui há pássaros trinando

 

Por sobre fronde luminosas,

Entre as almas fraternas...

Ó paragens eternas!

Onde a luz nunca morre em seus cambiantes,

 

Os quais a todo o instante

Se intensificam, se esmaecem,

Entre cores e sons que não se esquecem.

Atravessai a noite de amarguras

 

Pelas portas da dor,

E recordai que nas alturas

Vos esperam as luzes da alegria

E os prazeres do amor.

 

Livro: LIRA IMORTAL   -  Francisco Cândido Xavier  - Espírito: Marta
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Fevereiro de 2011, 08:26
O MUNDO SEM AMIGOS!!!

O mundo sem amigos...

Seria uma completa melancolica..
Nosso mundo seria apenas de dias frios e noites vazias,
A felicidade... Nem passaria neste lugar... Encontraria outro lugar para morar,

O mundo sem amigos...

Seria apenas desilusão... Nada mais de uma rica emoção,
Não teríamos mais quem nos tirasse da solidão... Nosso coração sofreria até secar,
Nada mais de risos e alegrias.. Tudo seria repleto de horas vazias,
Tudo ficaria em preto e branco... As rosas.. Perderiam seu encanto,

O mundo sem amigo...

Jamais teria proteção... Pois eles são nosso anjo guardião,
Não conheceríamos o arco- íris... Eles tornam nossos dias sempre coloridos,
Ficaríamos sem companhia... Eles se tranformam em nossas sombras e guias..
Seríamos que nem almas a vagar... Pois eles vivem apenas para nos amar...



Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 10/02/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 15 de Fevereiro de 2011, 22:10
NATUREZA!!

Natureza.

Natureza...
Criação divina e palavra tão bela...
Tu enfeitas o céu, E toda a terra...
Que felicidade tu me deste... Estás sempre a brilhar...

Natureza...
Tu deixas meus dias mais coloridos...
Onde eu passo, tudo está semptre tão bonito...
Ah... Como é bom te admriar...

Natureza...
Tu nos aferta as quatro estações..
Todas elas repletas do mais lindo verão...
Ah... Como é bom te amar...

Natureza..
Deus te fez tão  linda e perfeitinha...
Tu criaste todas as rosas meninas...
Ah como é bom te preservar...

Natureza...
Por que os homens, querem contigo acabar?
Se tu estás sempre a nos proteger e ofertar...
Tudo o que nós precisamos, para continuarmos aqui, na Terra morar...


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 15/02/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 16 de Fevereiro de 2011, 13:16
Bom dia, queridos amigos!


Rosas

 

Cultivei no jardim cravos e rosas
Margaridas, trifólios, bogaris;
Toda a espécie de flores, caprichosas
Na forma, no perfume, no matíz.

Quão diversas, meu Deus, das viciosas
Emanações do pântano infeliz!
O mundo, que planejas e que entrosas
A guilhotina com a flor-de-lis!

No aguaçal das paixões quanto destino
Se retarda a si próprio, em desatino
Da falena a atirar-se contra a luz!

Mas a rosa ideal que se cultive
É a rosa do Amor, em que se vive
Para Deus, para o união, para Jesus!

 

Médium: Porto Carreiro Neto. Autora: Maria Angélica

Revista Reformador
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 19 de Fevereiro de 2011, 20:57

         
              (http://i355.photobucket.com/albums/r470/monica-gifs/FLORES/MONICAflores-23.jpg)

Boa tarde, queridos amigos!


A  SEMENTE


 

Nos quadros vivos da roça,

A semente pequenina

E’ página aberta aos homens,

Mostrando lição divina.

 

E’ minúscula, e somente

À luz de grande atenção

Pode ser reconhecida

No campo de plantação.

 

Quanto pesa? Quase nada:

Coisa muito inferior,

Calcada aos pés, sem cuidado,

Nas lutas do lavrador.

 

No entanto, grãozinho humilde,

Que pouca gente repara,

Tem tarefas e caminhos,

Lições de beleza rara.

 

Humilde, pequena e pobre,

Abandonada ao monturo,

A semente é a garantia

Do edifício do futuro.

 

Coisa mínima lançada

Ao vasto lençol do chão,

Vai ser árvore, celeiro,

Remédio, alimentação.

 

Mas é justo ponderar,

Ao senso da criatura,

Que a espécie de produção

Responde à semeadura.

 

Laranjeira dá laranja,

Macieira dá maçã,

Planta rude do espinheiro

E’ mais espinho amanhã.

 

As sementes ignoradas,

Da roça desconhecida,

São iguais às bagatelas

Do quadro de nossa vida.

 

*

Uma palavra, um conselho,

Um gesto, uma vibração,

Vão crescer e produzir

Conforme nossa intenção.



Livro: Cartilha da Natureza – Espírito Casemiro Cunha – Psicografia Chico Xavier 
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 20 de Fevereiro de 2011, 09:32
***Bom Dia ***


Bom dia, é sempre assim.. O relógio me diz,
Bom dia, see Deus quiser... Serei feliz,
Todas as manhãs, me levanto a cantar...

Bom dia...
Quanta alegria, mais uma vez eu despertar,
Juntos com aqueles que eu amo, vou abençoar,
Ao meu Deus que sempre comigo está... Em todo lugar...


Bom dia...
Com muita disposição eu vejo o sol de manhã,
Me aquecendo e iluminado, meu alegre coração...

Bom dia...
Se Deus quiser...A   paz, Esperança, a todos vou levar...
Quero sempre contagiar... Apenas sorrisos, eu quero dar...
.


Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 22 de Fevereiro de 2011, 03:58
***Tristeza e Dor***

Meu amor..Que dor..
Dor da saudade que em mim ficou...
Somente lágrimas incosoláveis restou...
Te espero...Não voltarás..O vazio apoderou...

Só por hoje...
Eu queria tanto te ver... Ter você...
Mas estás  muito distante... Em outro mundo....
Não sei o que fazer....Não tenho como transpor....

Meu amor...
Minhas alegrias contigo todas elas foram..
O solidão se acomodou...Não te esqueço amor...

Só por hoje..
Eu queria que o tempo no tempo voltasse...
A morte não tivesse te levado..Para estares do meu lado...


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 25 de Fevereiro de 2011, 08:52
UM AMIGO!!


Meu amigo sempre me ajudou,
Lágrimas e dores... comigo passou,
Felicidades para minhas noites... Realidade do meu dia,
Na saúde ou doença... Sempre me dá esperança,
Em minha juventude e mocidade... Com ele eu não tenho nenhuma idade,
No inverno ou primavera... Na praça, ele sempre está á minha espera,
No outono ou verão... Ao lado dele tudo é diversão,
Nada de sombras na imensidão... Ele sempre é mimha proteção,
Fazendo  sol ou chuva... Ele sempre  é a estação da ternura,

Obrigada Deus...

Por ter criado no céu, o amigo...
Por ele sempre andar comigo...
Ao lado dele... Eu quero sempre viver...
Junto com ele, eu quero envelhecer...
Em muitas outras vidas... Nós dois vamos renascer.


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 22/02/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 25 de Fevereiro de 2011, 22:08
(http://i122.photobucket.com/albums/o240/msc710/gifs/image188.gif)


Boa noite, queridos amigos!


CORAGEM


 
Se o desânimo procura

Mergulhar-te na amargura.

Não olvides, meu irmão,

Que a vida por toda parte

É nova luz a buscar-te

Em doce renovação.

 

Na mágoa que te domina,

Repara a Bênção Divina

A brilhar, aqui e além...

Tudo é esperança e beleza

No trono da Natureza

Na glória do Eterno Bem...

 

Da noite estranha e sombria,

Assoma, envolvente, o dia

E a treva faz-se esplendor.

Do Inverno que dilacera,

Vem o Sol da Primavera

E o espinho revela a flor.

 

Da serra empedrada e feia,

Desce o regato que ondeia

Em generosa canção.

Do charco de baixo nível,

Desditoso e desprezível,

Ressurge o calor do pão.

 

Coragem! – recorda o ninho,

Suportando, de mansinho,

Toda a fúria do escarcéu;

E do além, tranqüila ao vê-la,

Coragem! – repete a estrela,

Sorrindo no azul do Céu.

 

Assim também, cada hora,

Trabalha, porfia e chora

Guardando a fé clara e sã!...

Padece mas busca a frente,

Lembrando constantemente

Que o dia volta amanhã.



Do livro Poetas Redivivos. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.Autor: João de Deus

   
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Fevereiro de 2011, 08:09
AH... QUE FELICIDADE!!

Ah... Que felicidade...
Acordar cedo todas as tardes,
Ver o sol sumindo bem de mansinho,
Dando lugar a lua, com seu terno olhar apaixonado...

Ah... Que felicidade...
Sentir o aroma de amizade por toda parte,
Encontrar os amigos e familiares, sempre do meu lado,
Ter alegria... Tudo ao meu redor tem cor e aparência de poesia...

Ah... Que felicidade...
Sentir a natureza, sempre que saio pela minha porta,
Nada de solidão... Apenas risos  e paz no meu coração,
Não tenho pressa de chegar... A vida, a todos os lugares me levará...

Ah... Que felicidade...
Perceber que o mundo é uma maravilha,
Somentes beijos e abraços... Todos se tratando com afeto e laços,
O tempo ensinando, na escola que se chama...Uma vida de encanto

Dothy


Publicado no Recanto das Letras em 27/02/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Março de 2011, 21:28
Viver Feliz



Ser feliz...Como explicar??
Ser feliz é escrever poesias,
Quando meu mundo desabar,
Estarei firme!! Sem deseperar.

Ser feliz é...Eu criar, inovar.!!
Vendo apenas a  beleza...
No cantar de um  sabiá....
Na hora que eu despertar....

Ser feliz é vivenciar a Paz!!
Vendo em todos um amigo...
Não prejudicar.apenas ajudar..
Sem pressas..Nem estressar...

Ser feliz é sentir a magia!!
Da noite indo logo embora..
Pra de novo ela recomeçar...
E com sua majestade iluminar...

Ser feliz..Depende de nós!!
Está no coração e na razão...
Espalhando sempre  o bem....
A tudo e a todos apenas amar..

Ser feliz é iluminar o interior!!
Envolvendo sempre em calor..
Aqueles que ainda não sabem..
Onde sua Felcidade  econtrar...



Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 13/10/2010
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Março de 2011, 21:57
**O Que Devemos Fazer**

Veja você..
O que precisamos pra ser felizes,
Nada de facilidades... Pois é uma construção a acabar,
Começa pelos valores que nos mesmos importância vamos dar,
Sempre nos amando... Antes de outro amarmos.. Devemos nos respeitar,
Não deixar as pessoas nos humilharem... Somos importantes... Saibamos valorizar,
Nunca buscarmos felicidades passageiras..Elas vem mas logo vão..Devemos ver os bens do coração...
Eternizarmos os principios renovadores..Dores e desamores..Deixemos o tempo levar..Em tudo passar....
Trocarmos pensamentos negativos por positivos..Formula mágica que só beneficios nos trará..A alma vai limpar....
Acreditarmos que tudo de ruim vai passar...Só o Amor é eterno..O mal por si só cairá..Forças ele não terá..Quando voce confiar... Enfim..Em tudo devemos a Deus agradecer... Dele nunca esquecermos...
Guardamos os ensinos dele  pra onde nos formos... Vivendo e aprendendo... Assim vamos nos aperfeiçoar...
Até a próxima chance... Até outra vida... Até outro acordar


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Março de 2011, 00:07
***Tudo Passa***

Depois do temporal
Sempre há uma solução..
Uma cura pra o coração..
Depois de sofrer desilusão..

É tempo de recomeçar!!
Lágrimas já não cabem mais.
Todos nós já passamos isso..
Uns mais tarde outros cedo..

Nosso erro é colocar!!
Nossa felicidades no altar..
Quando vem a tempestade..
Tudo começa a desabar....

Nem tudo são flores!!
Alguém ja disse isso por ai.
Mas teimamos em não ouvir.
E sofremos sempre a insistir..

Um dia tudo passa!!
A dor segue outro rumo..
Acordamos e já esquecemos.
Prontos pra ir a luta no mundo


Dothy

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Março de 2011, 00:21
**Viiver e Evoluir***

Somos viajores!!
Isso não dá pra negarmos..
Hoje estamos  bem aqui..
Amanhã onde vamos estar??

Vivemos em romagem!!
Onde necessitamos passar..
Nos reunimos e amamos uns.
Amanhã..Estamos a perdoar..

De vida em vida vamos!!
Degraus de evolução subir..
Precismos com uns redimir
O mal que deixamos atrás..

Neste senda peregrina!!
Todos nós temos a ganhar..
Deus sempre nos deu e dará
Um nova chance de reencarnar.



Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 03 de Março de 2011, 23:43
(http://i669.photobucket.com/albums/vv60/delbosco/c311b.gif)


Boa noite, queridos amigos!


CERTEZA
 


“Deus é Amor”- João
 

A morte não existe. Existe a flor,

Que colore e fecunda a Natureza,

Esparzindo, as mancheias, seu olor,

Encantando-nos com sua beleza.

 

A morte não existe. Existe o amor,

Que envolve o Universo na nobreza

Do seu carisma, graça e singeleza,

Purificando o Ser em esplendor.

 

A morte não existe. E, se existisse,

Seria a negação do que persiste

No Homem – Obra maior do Criador!

 

Existe a Vida! E ela consiste

No Espírito Imortal que a tudo assiste.

Criando sempre e sempre, sem temor!



Elizabeth Montenari


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 04 de Março de 2011, 00:18
(http://www.recadodeorkut.com/121/130.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)

 Para curtir os melhores recados de Boa Noite!, clique aqui. (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)


Boa noite queridos amigos e irmãos.... Sejam bem-vindos

SONHO FELIZ !


Eu sonhei...
Que o mundo todo... Eu modifiquei,
Nada mais de violência... Apenas sorrisos e esperanças,
Sem dores ou lágrimas... Todos ficarão sorrindo na praça,
Sem miséria ou tristeza... Muito alimento em toda mesa,
A amizade vai irradiar, em todos os corações... Ela irá morar,
O amor vai se estabelecer... Ele ensinará como se deve viver,
A alegria será nosso eterno sonho... Vivermos na terra de muitos encantos


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 02/03/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Março de 2011, 10:27
EM TODA PARTE!


Deus Está em Toda Parte!!
Na terra ou em marte...
Deus está em toda a parte,
Sempre pronto para receber,
Nossos pedidos ou o agradecer.

Oh.. Que Deus maravilhoso,

Criou todos os alimentos e os frutos tão gostoso,
Pintou uma aquarela no fundo mar,
Encheu a natureza de flores e estrelas a brilhar,
Em todos os lugares que eu ando... Sempre encontro os meus sonhos,
Muitos amigos e familiares... A todos ele me ensinou a amar,
Uma rua sempre cheia de um cravo em  flor, uma borboleta e um amor
Mil e um motivos para comemorar... Muita inspiração para poetizar.


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 05/03/2011

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 06 de Março de 2011, 19:24
Nas provas

Amigo Jesus
Preciso te pedir,
Forças... Para continuar a seguir,
Toda a minha vida... Sempre na tua sabedoria,
Das lutas, eu não quero desistir... Tenho as tuas leis, dentro de mim,
Quero teu carinho e amparo... Sempre do meu lado,
As dificuldades por mim vividas... Quero estar em tua companhia
As lágrimas que me aparecerem... Com elas me ensina a aprender,
Os receios do meu coração... Que eu encontre sempre uma boa solução,
Nas provas e expiações... Que eu aceite ajuda do meu amigo ou irmão,
Sei que as dores por mim sofridas... É sinônimo de erros de minha outra vida,
Senhor... Esteja sempre comigo, mesmo quando eu não esteja contigo




Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 08 de Março de 2011, 04:24
FELICIDADE É...


Felicidade é...
Sentir a paz nascer e crescer no  meu coração,
Enxergar a todos como amigo e irmão,
Distribuir muitos abraços  e andar sempre com um sorriso,
Espalhar a esperança em cada estação, no inverno ou verão
Sentir a alegria em qualquer lugar... Na terra, em marte  ou no mar,
Acordar e dormir com um novo sol a brilhar, ver estrelas gravitando no ar,
Ter sempre um sonho em poesias... Criar o amor com toda a melodia.


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 07/03/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 12 de Março de 2011, 04:07
            (http://i1213.photobucket.com/albums/cc461/Amin555/album2/7f15fa2e4e245cc07de217e7cd86f419_we.gif)


      Boa noite, queridos amigos!


   
       AMAR  PARA  SEMPRE

 

      A senhora viúva, dia a dia,

      Sob os efeitos de uma hemiplegia,

      Trazia a própria vida concentrada

      Na cadeira de rodas, manejada

      Por amiga enfermeira.

 

      Dos parentes mais íntimos

      Um filho lhe restava, um filho só, 

      O filho que ela amava enternecidamente...

      Marido, pais, irmãos, chamados pela morte,

      Deixaram-lhe na vida

      Muita emoção frustrada

      E aquele moço forte

      Que não lhe confortava a existência dorida,

      Muito embora abastada.

 

      Achando-nos na véspera do dia

      Que marcaria o enlace do rapaz,

      E a mãezinha doente

      Num misto de alegria,

      De esperança e de paz

      Entregou-lhe, feliz, tudo quanto possuía:

      A fazenda, as ações de grande companhia,

      Os créditos de banco e a linda moradia,

      Os créditos de banco e a linda moradia,

      A dizer-lhe, contente:

      - Filho, tudo o que tenho é seu...

      De amanhã para a frente,

      Passo a morar no estreito pavilhão

      Que seu pai construiu ao fundo da mansão.

      Desejo ver você e a jovem companheira

      Sempre felizes, sem cuidados...

      Toda alegria agora para mim

      Será sabê-los sossegados,

      Ante a bênção de Deus, na visão do futuro...

     

      O filho comovido

      Beijou-lhe as mãos num gesto de amor puro

      E agradeceu a doação materna,

      Prometendo-lhe em voz macia e terna,

      Pela jovem com quem se casaria

      Segurança, carinho, convivência

      Para todas as horas da existência

      Que desejava fossem

      Adornadas de paz e de alegria.

 

      Depois do enlace, a enferma recebia

      Cartões lindos da Europa...O casal de viajores

      Via a lua-de-mel por um mundo de flores...

      Ambos davam noticias da beleza

      De Lisboa e Paris, de Florença e Veneza...

 

      Mas de retorno ao lar, após a festa

      De comemoração do regresso feliz

      A dama recebeu na vivenda modesta

      O jovem par... E a nora exigente lhe diz:

      - Minha sogra, ouça bem!...

      Seu filho e eu

      Pensando em seu descanso,

      Resolvemos agora transferi-la

      Para um lar de repouso, um abrigo claro e manso

      Onde a senhora viva mais tranqüila.

      Precisamos aqui viver a sós,

      Não pretendemos tê-la junto a nós.

 

      Porque a pobre espantada procurasse

      O olhar do filho amado para ver

      A atitude interior que lhe viesse à face,

      Ele mesmo aduziu:

      É um pouso geriátrico, mãezinha,

      A senhora, por lá, não estará sozinha.

      Nada disse a velhinha, posta a um canto,

     Tão somente mostrou silêncio e pranto...

     

      No dia imediato,

      Mudara-se-lhe o trato...

      Internada num belo casarão,

      Apesar da gentil acompanhante, 

      Eis que saudade enorme a domina e consome...

      O recinto de luxo para ela,

      Alma nobre e singela,

      Tinha apenas um nome:

      "Exílio e solidão".

 

     Seis meses transcorreram, lentamente,

     Não mais tornou a ver o filho ausente

     E sem que a pompa, em torno, a reconforte,

      A velhinha mais triste e mais doente,

     De mágoa em mágoa, vagarosamente,

     Entregou-se, de todo, às mãos da morte...

     Ante as indagações do verniz social,

     Deu-se-lhe sobre a Terra um lindo funeral...

 

     A pobre repousou num sono longo e raro;

     Mais tarde, despertou solicitando amparo.

     Junto dela, um Emissário de Vigia,

     Descortinou-lhe os Céus, comentando a alegria

     Que a esperava na Altura...

     A pobre mãe, porém, perguntou com ternura:

     - E meu filho onde está?

     - Sem dúvidas quaisquer – falou-lhe o mensageiro –

      Tanto quanto ficou, seu filho ficará

      Por muito tempo ainda em franco cativeiro,

     Tem muito que lutar, nos encargos que leva,

     Entre as forças da Luz e as tentações da treva...

     Mas você, minha irmã, pode elevar-se agora,

     Pelo sacrifício e devoção ao Bem,

     Mundos da Eterna Aurora

     Esperam-na no Além...

     A senhora, porém,

     Expressando respeito àquelas diretrizes,

     Disse, calma e sincera:

     - Não aspiro a viver entre os mundos felizes!...

     Voltar a ver e acompanhar meu filho,

     Sem qualquer empecilho,

     É todo o Céu de minha longa espera.

 

     O Mensageiro que lhe conhecia

     Os tempos de doença e de agonia

     Anotou com brandura:

     - Irmã, descer da Altura Imensa

     A fim de trabalhar sem recompensa

     Em favor dessa ou daquela criatura

      É conquistar maior merecimento...

     Para estar com seu filho, em constante união,

     Precisará viver

     Sob o regime da reencarnação...

     E, acaso, aceitará, por mãe a própria nora?

     - Como não, anjo bom? – replicou a senhora –

     Se Deus me consentir, assim regressarei,

     Creio que a luz do amor é o princípio da Lei;

     Se tenho no meu filho a bênção que procuro,

     Como menosprezar a jovem que ele adora?

     Amá-lo-ei melhor por minha nora

     De quem devo ser filha no futuro...

     Hei de amá-la também, voltando a ser criança,

     Sempre encontrei no amor divina maravilha,

     Minha nora no lar me acolherá por filha,

     Serei nos braços dela uma nova esperança...

     Envolverei meu filho e ela em meu sorriso,

     Todo berço na Terra aponta o Paraíso...

 

     Cinco anos passaram sobre o Tempo...

     Hoje anotei um trio encantador:

     Ante a filhinha: - luz recém-nascida –

     Disse o pai ao beijá-la: "minha vida!"...

     A criança sorriu no berço cor-de-rosa

     E a mãezinha, a enfeitar-lhe o corpinho de flor,

     Exclamou comovida e venturosa:

     - "Deus te abençoe, meu anjo, meu amor!..."

 

 Livro: Somente Amor – Psicografia: Francisco C. Xavier – Espíritos: Maria Dolores.

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 16 de Março de 2011, 19:22
Amanheceu...

O sol outra vez apareceu,
A natureza está em festa a cantar
Minha familia que eu amo... Todo, dia eu vou valorizar
Felicidade... Dentro de  mim, para sempre irá habitar,
Meus amigos, ah.. Todo dia irei abraçar,
Os amores.... No meu coração irão morar.


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 20 de Março de 2011, 11:24
POR TUDO QUE TEREI!!


Deus,
Aqui eu estou, para te agradecer,
Por todas as coisas boas, que neste dia eu irei  viver,
Receberei  muita proteção, tudo vinda das tuas mãos,
Ganharei muitos sorrisos... Todos,  vindo do paraíso,
Conquistarei muitos amigos... Eles são os teus favoritos,
Abraçarei muita gente... Sempre incentivando a irem em frente,
Minha saúde está perfeita... Muito alimento em minha mesa,
Terei meu trabalho todo dia... Sem tempo, para as horas vazias
De ti receberei muitos presentes... Como é bom tu estares com a gente.
Eu só tenho que te agradecer... Mas ...Um pedido eu vou fazer,
Nunca me  abandones e desampares... Esteja comigo em toda parte.



Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 19/03/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 20 de Março de 2011, 11:30
Queridos amigos e irmãos... Sejam bem-vindos... Muita paz a todos
Sua presença é muito importante para enriquecer este espaço que é de vocês
Estão convidados a trazerem suas mensages e poesias, de sua autoria ou de seus poetas preferidos
Desejamos que voltem sempre... Abraços afetuosos dos amigos:

Lima-Gil e equipe

(http://www.recadodeorkut.com/313/014.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZXNjcmFwcy5jb20=)

 As mais lindas imagens de Domingo; clique aqui! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZXNjcmFwcy5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 23 de Março de 2011, 23:55
Boa noite, queridos amigos!


NOSSO  FILHO

 

Guarda o tenro menino nascituro

Qual se trouxesses brando sol contigo.

Oferece-lhe os braços por abrigo,

O coração por lar ridente e puro.

 

Anjo frágil e pássaro inseguro,

Busca-te o pão de amor, radiante e amigo.

Corrige amando... Acampara sem castigo...

Vê na criança a aurora do futuro.

 

Não lhe firas os sonhos! Não lhe torças

A santa direção das novas forças

A caminho de flóreas primaveras!...

     

Dá-lhe o teu próprio exemplo por escudo ;

Tens no filho querido, antes de tudo,

O teu credor volvendo de outras eras.

 

Livro: “Antologia dos Imortais” - Psicografia de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.
Autora: Narcisa Mmália de Campos.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 25 de Março de 2011, 16:33
(http://i216.photobucket.com/albums/cc224/biastone48/FadaBruna5.jpg)



Boa tarde, queridos amigos!


As Vozes do Céu


As vozes do céu suspiram na brisa,
Resmungam no ar, rugem nas ondas;
Nas florestas, sobre a montanha cinzenta,
De seus suspiros escutais os ecos.
As vozes do céu murmuram sob a folha,
Nos prados verdes, nos bosques, nos campos,
Junto da fonte onde chora e se recolhe
O humilde poeta aos tímidos acentos.
As vozes do céu cantam no bosquete,
Nos trigos maduros, nos jardins em flores,
No céu azul que ri na nuvem,
No arco-íris em esplêndidas cores.
As vozes do céu choram no silêncio;
Recolhei-vos, elas falam ao coração;
E os Espíritos, cujo reino começa,
Vos conduzirão ao vosso Criador.


ELISA MERCOEUR.
Revista Espírita 1862
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 26 de Março de 2011, 09:54
Ah... Ser criança!!

Ah... Eu queria ser criança
Sem tempo pras lembranças
Apenas viver, sonhar e brincar
Deitada na areia de frente pro mar
Meu rio seria apenas de felicidades
Viveria cercada de anjos da guarda da amizade
A alegria tomaria conta do meu coração

Ah... Eu queria ser criança
Eu criaria vários  arco-iris, no meu mundo a fantasiar
Não teria motivos pra chorar... Seria um caminho de amar
Declamaria várias poesias... Contarias muitos histórias de emocionar

Ah... Eu queria ser criança
Não teria pressa pra chegar
Iria por qualquer ar... Sem encontrar maldade no lugar
Viveria feliz com meus pais.. Sairia sempre pra passear
Meu universo seria apenas azul e rosa... Minha vida seria sempre formosa
Nada de tristeza ou dores... Mandaria todas elas passear
Em meus pensamentos eu veria a Deus... Que estaria lá em cima a me abençoar.


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 26/03/201
1
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 26 de Março de 2011, 09:55
(http://www.recadodeorkut.com/145/020.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nZXJhZG9yZXNhbmltYWRvcy5jb20=)

 Para mandar recados de Volte Sempre!, clique aqui. (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nZXJhZG9yZXNhbmltYWRvcy5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 26 de Março de 2011, 09:57
(http://www.recadodeorkut.com/105/161.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)

 Veja mais gifs de Bom Dia! em Recados Online. Clique aqui. (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)<br
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 26 de Março de 2011, 10:00
Eu quero te levar


Para outro lugar... Lá em cima no luar,
Onde tudo é diversão... Nos amamos como verdadeiros irmãos,
Nada de tristeza ou maldades... As esperança e o amor são a realidade,
É um maravilhoso lugar... Com muitas flores a perfumar... Peixes multicoloridos no fundo do mar,
Sempre estamos em festa... Tudo ali não tem pressa... Todos os dias são um eterno acordar,
Vem pra cá, que eu vou te mostrar... Como é bom morar nas colônias espirituais.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 26 de Março de 2011, 10:01
(http://www.recadodeorkut.com/255/092.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZXNjcmFwcy5jb20=)

 Envie mensagens de Fim de Semana para seus Amigos! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZXNjcmFwcy5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 31 de Março de 2011, 17:07
   (http://i329.photobucket.com/albums/l381/heatherjeneSTATIC/Flowers/6y.jpg)



Boa tarde, queridos amigos!

   

SE  TE  DIZES

 

Se te dizes tão pobre, alma querida,

Que nada tens a dar

Para contribuir na construção do Amor,

Oferece no prato da humildade

A tua dor

Nos tropeços da vida,

Em favor dos irmãos de nossa própria estrada,

Recordando esta mesa,

Terna e sacrificada,

Que foi árvore em flor, brilho da natureza,

E se deixou serrar para servir

De apoio às novas preces,

Sofrendo humilhações que desconheces,

Nobre e formoso lenho,

Cuja bondade não mereço,

De maneira a expressar-te o meu apreço,

Nas palavras humílimas que tenho...

 

Se te dizes com tanta imperfeição

Que não consegues trabalhar

Em nossa própria redenção,

Olvidando o teu dom de agir

No socorro a quem chora,

Fita uma das lâmpadas, à frente,

Fabricada sem pompa e sem grandeza,

Que, aceitando viver em disciplina,

Vive ligada à usina,

Faz-se flâmula acesa,

Estrela maternal,

Que nos serve e ilumina,

A fim de que vejamos

Toda e qualquer lição que nos eleva,

Procurando mais luz que nos livre da treva.

 

Se te dizes no tempo, em tamanho cansaço

Que não podes ser útil a ninguém,

Contempla o chão que nos mantém

E se deixou cercar

Para que a nossa idéia tenha um lar.

Chão é que faixa de terra em estreito pedaço,

Que suportou enxadas e tratores,

Lamentando perder o seus lauréis de flores

E a música dos ninhos

Que lhe vinha da voz dos passarinhos,

Em troca de verdura e acolhimento,

Chão que prossegue sempre esquecido e pisado,

Prestimoso e calado,

Qual benfeitor sem voz,

Que nunca reclamou salário junto a nós.

 

Nunca digas “não posso”, “eu não tenho”, “é impossível”.

Seja qual for o nível

Que a existência te dá,

Alma querida, vem!...

Vem estender conosco a Seara do Bem,

Deus te utilizará.

 

 

Livro: “Caminhos do Amor” – Psicografia de Francisco Cândido Xavier – Espírito Maria Dolores
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 02 de Abril de 2011, 11:29
                                   VIVA JESUS!


      Bom-dia! queridos irmãos.
 
               Procurando a verdade

Casimiro Cunha

 

Se buscas os bens do céu,

Leva o amor por companhia.

Sem amor, ninguém consegue

A luz da sabedoria.

Dirás: – “E a razão do mundo?”

E eu te digo, em pensamento:

– "É nula se não possui

As luzes do sentimento”.

Se procuras no invisível

Soluções ao teu estudo,

O amigo desencarnado

Não sabe, nem pode tudo.

Muita gente busca o Além,

No instante da experiência,

Com receio de escutar

As vozes da consciência.

Vens procurar a Verdade?

Ouve a minh’alma de irmão:

A verdade é Jesus Cristo.

A chave é o teu coração.

 

Do cap. 75 do livro Cartas do Evangelho, ditado pelo Espírito de Casimiro Cunha e psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.
 

                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Abril de 2011, 11:39
ONDE ENCONTRAR?

Felicidade..
Onde tu estás?
Já rodei os quatro mundos,
Sem nunca te encontrar,
Perguntei ao homem do tempo,
O que fazer pra te alcançar,
Ele apenas me respondeu,
Sem rodeios... Sem pensar,
Que a verdadeira felicidade,
Está dentro de mim a morar...


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 29/03/2011


(http://img1.recadosonline.com/105/176.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nZXJhZG9yZXNhbmltYWRvcy5jb20=)

 Clique e confira tudo sobre Bom Dia (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nZXJhZG9yZXNhbmltYWRvcy5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Abril de 2011, 11:51
Ah...
Que maravilha...
Mais um fim de semana a chegar
Aproveitemos o melhor de cada hora
Não esquecendo de amar a todos que em nosso caminho cruzar..


(http://img1.recadosonline.com/255/027.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)

 L&iacute;der em gifs de Fim de Semana!. Clique e confira! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 02 de Abril de 2011, 11:53
Que maravilha

A vida é uma eterno conto de magia
Nosso coração está em constante harmonia
Temos uma natureza rica e colorida
Borboletas e  flores, a perfumar
Passáros a voar, por todo lugar
Rios, mares e oceanos... Tudo em um lindo encanto
Lugares maravilhosos... Sol e lua sempre bem vistosos
Ah...Que felicidade... Encontrar amigo em toda parte


(http://img1.recadosonline.com/560/008.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzZm9mb3MuY29t)

 Clique e acompanhe os mais lindos gifs de Ursinho Pooh! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzZm9mb3MuY29t)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Abril de 2011, 10:07
                                      VIVA JESUS!


      Bom-dia! queridos irmãos.

             Desobsessão

Vertendo suor em baga

No médium que o entretém,

Ei-lo que chega do além,

O Espírito em sombra e chaga.

 

Desfaz-se em revolta e praga,

Condena, fere, porém

Escuta o verbo de alguém,

Que ajuda, enternece e afaga.

 

Na palavra que renova,

O fogo revel da prova

Agora é bálsamo de luz.

 

E o pobre, ante a paz bem-vinda,

Embora chorando ainda,

Bendiz o amor de Jesus.

 
Alfredo Nora nasceu em Piraí-RJ em 18/11/1881 e desencarnou em 13/11/1948. Funcionário da Central do Brasil, foi poeta e jornalista brilhante, havendo colaborado em várias revistas e jornais. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, psicografia de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.



                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 05 de Abril de 2011, 04:11
(http://i190.photobucket.com/albums/z156/Kelenn/Amizade/Amor20e20Amizade5B15D.jpg)



Boa noite, queridos amigos!


PALAVRAS AOS AMIGOS



Vinde, amigos, ao Cristo, enquanto o dia

Fulgura ao sol de doce primavera!...

A multidão cansada vive à espera

Da mensagem da paz e da alegria.

 

Vinde ao tronco robusto da verdade,

Buscar-lhe a seiva dos celestes ramos,

Cultivando na estrada em que marchamos

As flores da união e da amizade.

 

A Terra é o campo dadivoso e lindo,

Onde o trabalho é o dom consolador

E onde as mãos do Divino Semeador

Continuam plantando e redimindo...

 

Mas o Excelso Pastor que nos governa

Pede concurso amigo que lhe estenda

A milagrosa e fúlgida oferenda

Do amor que brilha para a Vida Eterna.

 

Vinde, pois, ao serviço em plena aurora!...

Na alma do mundo, há treva e sofrimento,

Reclamando o divino entendimento

Da bondade que auxilia e aprimora.

 

Trazei convosco o júbilo sublime

Da ação que regenera e aperfeiçoa,

Conduzindo a esperança humilde e boa

Onde a amargura em lágrimas se exprime.

 

Construir entendendo é o nosso lema

Pela bondade generosa e franca...

A caridade é a mística alavanca

Que eleva o mundo inteiro à paz suprema.

 

Estendamos a fé que nos socorre

De alma feliz, esperançosa e crente!...

No serviço do amor a toda gente,

Jesus conosco é a luz que nunca morre.

 

Psicografia de Chico Xavier - Livro – Estrelas no Chão
Autora:Carmen Cinira
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Abril de 2011, 17:59
                                     VIVA JESUS!


       Boa-tarde! queridos irmãos.

O Livro

O livro com Jesus é sempre:

Na vida, o mestre silencioso.

Na fé, o templo da alma.

Na luta, o observador sereno.

Na dificuldade, o amigo vigilante.

No caminho, o companheiro sábio.

Na dor, a fonte do reconforto.

Na dúvida, a luz do conhecimento.

Na jornada, a árvore benfeitora.

Na construção espiritual, o tijolo incorruptível.

Na enfermidade, o remédio oportuno.

No lar, o bom conselheiro.

No trabalho, a coragem constante.

Na terra do espírito, a semente da santidade.

Na imaginação, o incentivo fertilizante.

Na aflição, o bálsamo salutar.

Na alegria, o impulso de auxiliar a todos.

Na fartura, o controle benéfico.

Na escassez, a graça Celestial.

O livro cristão é alimento da vida eterna.

Espalha-lo é servir com Jesus.


Da Obra “A Verdade Responde”
Espíritos: Emmanuel e André Luiz. Psicografado por: Francisco Cândido Xavier



                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Abril de 2011, 10:17
                                     VIVA JESUS!


      Bom-dia! queridos irmãos.

             Felicidade

Antônio Roberto Fernandes
 

Quando “eu era feliz e não sabia”,

- como diz o poeta, na canção –

aos meus desejos, sempre com ironia,

o meu destino respondia: Não.

 

E tudo o que eu sonhava, a cada dia,

sempre ficava além da minha mão.

Se era feliz quem tinha o que queria

eu nunca pude ser feliz, então.

 

Hoje, afogado na realidade,

relembro a minha infância, com saudade,

não por ter sido um tempo em que eu sonhei,

 

mas porque, ainda envolto em fantasia,

eu não era feliz e não sabia,

como hoje não sou... mas hoje eu sei.


 

Antônio Roberto Fernandes, notável poeta fidelense (São Fidélis, RJ) radicado na cidade de Campos dos Goytacazes (RJ), é autor de três livros, todos esgotados: "Poesia, doce poesia", "Substantivo Abstrato" e "Os pratos de Vovó", de onde extraímos o soneto acima.



                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Abril de 2011, 09:27
VIDA MARAVILHOSA

Vida...
Tu és bela e formosa
Meu coração está repleto de jasmim e rosa
Tenho dias e noites de paz e alegria
Uma familia para amar... Amigos e irmãos para abraçar
A prece da serenidade é minha maior realidade
Em cada situação... Eu encontro rica inspiração cheias emoção
Minha maior felicidade é poEtizar aqui e em toda parte


Dothy
Publicado no Recanto das Letras em 13/04/2011
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Abril de 2011, 09:34
(http://img1.recadosonline.com/241/097.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zY29tZ2xpdHRlci5jb20=)

 Confira os melhores Recados de Quarta-feira na Internet! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zY29tZ2xpdHRlci5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Abril de 2011, 09:35
(http://img1.recadosonline.com/145/024.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)

 Voc&ecirc; sabia que gifs de Volte Sempre est&atilde;o super na moda! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)<br
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 14 de Abril de 2011, 09:48

(http://img1.recadosonline.com/105/152.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZGluaG9zcGFyYW9ya3V0LmNvbQ==)

 Bom Dia &eacute; o que h&aacute; de melhor! Confira! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZGluaG9zcGFyYW9ya3V0LmNvbQ==)


A PAZ QUE TRAGO EM MEU PEITO

A paz que trago hoje em meu peito é diferente da paz que eu sonhei um dia…
Quando se é jovem ou imaturo, imagina-se que ter paz é poder fazer o que se
quer, repousar, ficar em silêncio e jamais enfrentar uma contradição ou uma
decepção.
Todavia, o tempo vai nos mostrando que a paz é resultado do entendimento de
algumas lições importantes que a vida nos oferece.
A paz está no dinamismo da vida, no trabalho, na esperança, na confiança, na
fé…
Ter paz é ter a consciência tranqüila, é ter certeza de que se fez o melhor
ou, pelo menos, tentou…
Ter paz é assumir responsabilidades e cumpri-las, é ter serenidade nos
momentos mais difíceis da vida.
Ter paz é ter ouvidos que ouvem, olhos que vêem e boca que diz palavras que
constroem.
Ter paz é ter um coração que ama…
Ter paz é brincar com as crianças, voar com os passarinhos, ouvir o riacho
que desliza sobre as pedras e embala os ramos verdes que em suas água se
espreguiçam…
Ter paz é não querer que os outros se modifiquem para nos agradar, é
respeitar as opiniões contrárias, é esquecer as ofensas.
Ter paz é aprender com os próprios erros, é dizer não quando é não que se
quer dizer…
Ter paz é ter coragem de chorar ou de sorrir quando se tem vontade…
É ter forças para voltar atrás, pedir perdão, refazer o caminho,
agradecer…
Ter paz é admitir a própria imperfeição e reconhecer os medos, as fraquezas,
as carências…
A paz que hoje trago em meu peito é a tranqüilidade de aceitar os outros
como são, e a disposição para mudar as próprias imperfeições.
É a humildade para reconhecer que não sei tudo e aprender até com os
insetos…
É a vontade de dividir o pouco que tenho e não me aprisionar ao que não
possuo.
É melhorar o que está ao meu alcance, aceitar o que não pode ser mudado e
ter lucidez para distinguir uma coisa da outra.
É admitir que nem sempre tenho razão e, mesmo que tenha, não brigar por ela.
A paz que hoje trago em meu peito é a confiança naquele que criou e governa
o mundo…
A certeza da vida futura e a convicção de que receberei, das leis soberanas
da vida, o que a elas tiver oferecido.
Pense nisso!
Às vezes, para manter a paz que hoje mora em teu peito, é preciso usar um
poderoso aliado chamado silêncio.
Lembra-te de usar o silêncio quando ouvir palavras infelizes.
Quando alguém está irritado.
Quando a maledicência te procura.
Quando a ofensa te golpeia.
Quando alguém se encoleriza.
Quando a crítica te fere.
Quando escutas uma calúnia.
Quando a ignorância te acusa.
Quando o orgulho te humilha.
Quando a vaidade te provoca.
O silêncio é a gentileza do perdão que se cala e espera o tempo, por isso é
uma poderosa ferramenta para construir e manter a paz.
Pense nisso!


Chico Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 14 de Abril de 2011, 09:49
SORRIR SEMPRE!!


Sorrir...
Em qualquer situação
Traz sempre paz e alegria ao coração
Nos faz cantar e sentir a mais doce emoção

Sorrir...
Nos momento de dificuldades..
Nos deixa a na maior felicidade
Sentimos calma, equilibrio e serenidade

Sorrir...
Em cada hora do dia ou da noite
Nos deixa sempre mais leve e persistente
Estamos prontos para mais um problema frequente

Sorrir...
Espanta a tristeza e solidão
É e será a nossa melhor solução
Aquecendo a nossa mente, expulsando a solidão

Sorrir...
Para mim mesma e pra ti
Espalhando a  paz e esperança a todos que encontrarmos
Deixando em nossa caminhada, marcas de afeto e amizade



Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 14 de Abril de 2011, 09:52
Para compreender o amor é preciso amar…

Nada se perde em doar!
Doar é ter e não ter
Doar é sempre ganhar
O que se perde em rico ser

- Quem tudo quer, nada tem
- Quem tudo tem, nada quer

Bem aventurado aquele que dá
Dar é maior que receber
Quem dá pode esperar,
Feliz por se desprender
E paz, por se encontrar !!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 14 de Abril de 2011, 09:53
(http://img1.recadosonline.com/285/018.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zYW1vci5jb20=)

 Para curtir os melhores recados de Quinta-feira!, clique aqui. (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zYW1vci5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 14 de Abril de 2011, 09:55
VEM TE ALEGRAR...

Ah tristeza...
Deixa a alegria te contagiar
Com ela... Tu viverás sempre a gargalhar
Nada mais de dor, solidão e lágrimas
Terás apenas esperança em toda parte
Não percas teu tempo assim... Vem logo ser feliz.


Dothy


(http://img1.recadosonline.com/145/004.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)

 Para gifs de Volte Sempre, o melhor &eacute; aqui! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 17 de Abril de 2011, 06:17

(http://i1008.photobucket.com/albums/af208/12lindaterry/Roses%20and%20Flowers/f-15.jpg)


Bom dia, queridos amigos!



Perdoa, trabalha e ama
 


 
Meu filho: achaste na estrada

Angustia, miséria e lama?

Esquece o espinho e a pedrada

Na doce paz de quem ama.

 

A jornada transformou-se

Em verdadeira batalha?

Conserva a terna alegria

De quem espera e trabalha.

 

Teus amados esqueceram

A vida singela e boa?

Guarda a atitude amorosa

Do coração que perdoa.

 

Se buscas a Luz Divina

A que o Mestre nos conclama,

A todo o instante do dia,

Perdoa, trabalha e ama.

 

 
Livro “Relicário de Luz” - Psicografia de Francisco C. Xavier - Autor: João de Deus
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Victor Passos em 23 de Abril de 2011, 00:07
Ola muita apz e harmonia
Bons Amigos e Amigas

(http://2.bp.blogspot.com/_GLlyazk1bvE/TIUhqy2PKTI/AAAAAAAABXw/qW_1OmQykd8/s1600/Fe-no-desconhecido.jpg)

FÉ EM DEUS SEMPRE

 
Por mais cruel que seja a dor que te amargura

O sofrido viver, em lágrimas banhadas,

Jamais te julgues só, na triste senda escura

Sem o amparo de Deus, o Criador Amado!

 

Aquilo que supões não ter alívio ou cura,

Se transforma em saúde, em dia inesperado

Se souberes lutar, vencendo a desventura

Na oficina do Bem de um sonho alcanforado!

 

Que tu choras, eu sei... Eu sempre te acompanho

E se mesmo com fé junto a ti não me vejas,

És do meu coração vivendo em meu rebanho!

 

Não descreias jamais!... Prossegue esperançoso

Estribado na prece onde quer que estejas

Pois te reserva o Pai um porvir venturoso!

(Soneto alexandrino escrito dentro de um ônibus em 18/9/95)

Celso Martins
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 25 de Abril de 2011, 21:47
(http://i93.photobucket.com/albums/l54/solange_014/Animation25gifboatarde.gif)


Boa tarde, queridos amigos!


Divina presença


Deus sempre está presente em nossa vida,
Nas mínimas ações de cada dia,
Nas expressões de amor e de alegria,
Que dão sentido e graça à humana lida.
Quando a criatura sente-se abatida,
Desarvorada, trôpega e vazia,
Somente em Deus encontra uma guarida,
Haurindo em seu amor nova energia.
Pensando em Deus, o ser se fortalece,
Interioriza-se através da prece
E tudo encara com serenidade.
Pois quando Deus fulgura em nossa mente,
A vida se encaminha, de repente,
No rumo claro da felicidade.


José Soares Cardoso
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Victor Passos em 27 de Abril de 2011, 00:04
Ola muita paz e harmonia
Bons amigos e Amigas

    Sempre vale!

   
Citar
Se sei o que é bom, porque perco a razão'
 Tantas portas fechadas, tantas lutas, inércia , vazio ,
  Mas de que reclamo, se nada tem sentido , ou o nada é irrefletido,
  Será razoavel desistir, pedir ,amealhar ou alienar,
  Mas que ganhos teremos , se os outros não querem, não procuram, nem se preocupam,
  que sou eu, que será o outro, valerá a pena...
  Sabem , sempre vale o sentido da vida, do amor, da razão ,
  porque sendo o que sou , sempre saberei quem quero ser, porém de mim se resgata, de mim se liberta, e o alcance é entre mim e o pensamento daquilo que quero e não quero..

  É Amigos, o pensamneto emerge pela vontade , pelo amor e pela emoção , aproveitemos...
O alcance é o espaço entre a verdade e o amor ...ele está em nós, ama ...sorri luta...

bem-haja

Cravo


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 29 de Abril de 2011, 06:15
Bom dia queridos amigos!



Poema "Melodia" ditado pelo espírito de Amélia Rodrigues e psicografado por Divaldo Franco



MELODIA DA NATUREZA_Vídeo musical relaxante (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PTZWd2tlc09Vc2tzIw==)


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Victor Passos em 29 de Abril de 2011, 11:19
Ola Amigos e Amigas
Muita paz e harmonia

(http://amadeo.blog.com/repository/00/00/30/60/306019/2672386.jpg)

 (http://[center]VISÃO  DOS  ESPAÇOS Vastidões de beleza intraduzível,Fulgurações entre cósmicos flagelos,Ideações de fúlgidos castelosOnde mora a beleza indefinível. Ansiedades trágicas, supremas,Na formação das grandes nebulosas...Transubstanciações misteriosasGerando os organismos dos sistemas. Focos de potentíssima atraçãoAs moléculas e átomos dispersos,Nos elementos de elaboraçãoDe grandiosos e lindos universos. Luminosas esteiras de cometas,Formosos em elipses prolongadas,Graciosas figuras de planetasEmergindo das cósmicas camadas. Meteoros celestes, deslumbrantes,Nas excelsas alturas transcendentes,Onde vibram os sóis incandescentes,Asteróides e estrelas fulgurantes. Intensidade bela de harmoniaQue agora sinto, vejo e que percebo,Grandiosidades do que não conceboNos apogeus das hiperestesias. E, sobretudo, emanam das esferasOs equilíbrios das imensidades,O eterno canto de sublimidades,Clarões de luzes nas atmosferas... Sobre todas as coisas assombrosas,Fluídos e criações de pensamentos,Todas as maravilhas e portentos,Há uma luz entre as luzes mais radiosas. É o clarão poderoso, indestrutível,Que vem das profundezas do passadoA luz de Deus, à força do incriadoNa exteriorização indescritível. Augusto Dos AnjosLivro: LIRA IMORTAL   -  Francisco Cândido Xavier  - Espíritos Diversos)[/center])
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Abril de 2011, 10:57
Queridos amigos... Sejam bem-vindos...

(http://img1.recadosonline.com/105/134.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)

 Seja educado(a) e responda enviando outro recado de Bom Dia! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Abril de 2011, 11:01
Chico Xavier

Chico Xavier, que fé!!
Exemplos diversos, ele nos deu..
Ao castigo, a tristeza... Ele venceu..
Quero ver florir, o que ele plantou

Longe da mãe, ele ficou!!
Com a madrinha, ele morou.
Paciência, obediência, perdão.
Sua mãe sempre lhe ensinou..


Seguidor de Jesus!!
Se vestia com muita simplicidde.
Caridade sua vida sempre  foi..
A todos ele serviu, se doou....

Por muitos... Foi procurado!!
Palavras de conforto e paz.
Quando saia do trabalho.
Em fila todos, esperavam.

Mensageiro do além!!
Trazia consolo a todas as mães
Conselhos sempre tinha, notícias..
Aos que já não estavam entre nós..

Por muitos foi perseguido!!
Mas também, foi muito amado.
Sempre seguido... Ele andava.
De Emmanuel seu anjo da guarda.

Livros, poemas.e sonetos!!
A tudo ele escrevia, recebia.
De poetas, escritores  do além..
A renda ele distribuia com amor

O que você plantou com amor!!
Para sempre em nós... Ficou, guardou..
Jamais esqueceremos de ti..
Contigo relembramos que nada acabou..


Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Abril de 2011, 11:16
       


[size=10pt]
Minha mãe


Desejava, Jesus,
Ter um grande armazém
De bondade constante
Maior do que os maiores que conheço
Para entregar sem preço
As criaturas de qualquer idade
As encomendas de felicidade
Sem perguntar a quem.

Eu desejava ter um braço mágico
Que afagasse os doentes
Sem qualquer distinção
E um lar onde coubesse
Todas as criancinhas
Para que não sentissem solidão.
Desejava, Senhor,
Todo um parque de amor
Com flores que cantassem,
Embalando os pequeninos
Que se encontram no leito
Sem poderem sair,
E uma loja de esperança
Para todas as mães.

Eu queria ter comigo
Uma estrela em cuja luz
Nunca pudesse ver
Os defeitos do próximo
E dispor de uma fonte cristalina
De água suave e doce
Que pudesse apagar
Toda palavra que não fosse
Vida e felicidade.

Eu queria plantar
Um jardim de união
Junto de cada moradia
Para que as criaturas se inspirassem
No perfume da paz e da alegria.
Eu queria, Jesus,
Ter os teus olhos
Retratados nos meus
A fim de achar nos outros,
Nos outros que me cercam,
Filhos de Deus
E meus irmãos que devo compreender e respeitar.

Desejava, Senhor, que a bênção do Natal
Estivesse entre nós, dia por dia,
E queria ter sido
Uma gota de orvalho
Na noite em que nasceste
A refletir,
Na pequenez de minha condição,
A luz que vinha da canção Entoada nos Céus:
 - “Glória a Deus nas Alturas,
Paz na Terra, Boa Vontade em tudo,
Agora e para sempre!

Mensagem recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Abril de 2011, 11:20
Reflexão

Maria Angélica

 

Oh! Meu grande e bom Pai das alturas,

Fazei-me melhor o mundo entender,

Que eu bem saiba suportar as agruras,

Que eu saiba realmente bem viver.

 

OH! meu Pai de amor misericordioso,

Ajudai-me neste meu caminhar,

Que não seja um caminho pedregoso

A trilha a qual eu devo palmilhar.

 

Oh! Pai que tanto carinho irradia,

Tanta luz, tanta paz tanta alegria

Neste mundo que para nós criou.

 

Mundo onde até o amor se eternizou

Naqueles, que puro têm o coração

E que sabem valorizar a oração.

 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Abril de 2011, 11:23
PALAVRA E VIDA

 Maria Dolores

Não desprimores, nem firas

O coração que te escuta,

Às vezes, em febre e luta,

Na provação em que jaz;

Pelo recurso da voz

Que instrui, conforta e elucida,

Deus te deu, na luz da vida,

O Dom de fazer a paz.

 

Se contratempos te afligem

Entre as lembranças que deixas,

Evita sombras e queixas,

Não menosprezes ninguém;

A ofensa que nos procura,

Mesmo de modo impreciso,

Dissolve-se, de improviso,

Na fonte viva do bem.

 

Se a caridade te guia

Vencendo espinhos e males,

Não te revoltes, nem fales,

Agravando a treva e a dor;

Toda palavra de auxílio,

No bem espontâneo e puro,

É tijolo do futuro

Erguendo o Reino do Amor.

 

Quando falas e onde falas,

Traças caminhos e normas

Pelas imagens que formas

Nas palavras tais quais são;

Como dizes no que diga,

Constróis jardins e moradas,

Emendas pontes e escadas

De queda ou de elevação.

 

À frente de quem te humilha,

Não devolvas pedra e lama,

Cala, serve, ampara e ama

Na expressão que se traduz;

Eis que o Céu se manifesta

Na bondade que irradia...

Contempla o sol cada dia:

É bênção falando em luz.

 

(Psicografia de Francisco Cândido Xavier)

 Alvorada Cristã – Nov./Dez. 2000
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 30 de Abril de 2011, 11:24
Queridos amigos, desejo a todos um:

(http://img1.recadosonline.com/255/012.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)

 Recados de Fim de Semana desse naipe, s&oacute; em Recados Online! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Maio de 2011, 10:07
Queridos amigos, sejam bem-vindos...

Alma Dilacerada


Minha alma está dilacerada!!
Por dores imensa, fiquei balada..
Sofro horrores da saudades..
Que tenho dos seres amados.

Deixando este mundo aqui!!
Partir, foi algo terrivel pra mim.
Dificil será aguentar, suportar..
Aos meus que vão ficar no lar..

Ah..Quanta tristeza me assola!!
Por uma  separação dolorosa..
Eu  que ainda não queria ir..
A vida é assim... Inicio meio e fim..

Peço auxilio aos céus!!
Me ajudem, a tudo superar..
Preciso aceitar, que tudo passa..
Do outro lado... Eu vou continuar..


Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Maio de 2011, 10:12
Luz Sublime         

 

Auta de Souza

Guarda contigo a fé por luz sublime,

constantemente acesa trilha afora,

que nada te detenha ou desanime,

no esforço de servir que te aprimora.

 

O sofrimento é benção que redime,

Valoroso cinzel ferindo embora,

E fardo que sustentas, se te oprime,

É o generoso apoio que te escora.

 

Recorda o Mestre Amado e continua

Plantando amor na gleba triste e nua,

Dos corações crivados de amargores...

 

E encontrarás ao termo dos teus passos

O Cristo que, a sorrir, te estende os braços,

Do seu Reino de excelsos resplendores!

Mensagem recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier




 


Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Maio de 2011, 10:15
(http://img1.recadosonline.com/313/125.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zYW1vci5jb20=)

 Mande tamb&eacute;m mensagens de Domingo para seus Amigos (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zYW1vci5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Maio de 2011, 09:24
(http://img1.recadosonline.com/105/126.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)

 L&iacute;der em gifs de Bom Dia!. Clique e confira! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)<br

  Poema   

 

Meimei

Desejava, Jesus,
Ter um grande armazém
De bondade constante
Maior do que os maiores que conheço
Para entregar sem preço
As criaturas de qualquer idade
As encomendas de felicidade
Sem perguntar a quem.

Eu desejava ter um braço mágico
Que afagasse os doentes
Sem qualquer distinção
E um lar onde coubesse
Todas as criancinhas
Para que não sentissem solidão.
Desejava, Senhor,
Todo um parque de amor
Com flores que cantassem,
Embalando os pequeninos
Que se encontram no leito
Sem poderem sair,
E uma loja de esperança
Para todas as mães.

Eu queria ter comigo
Uma estrela em cuja luz
Nunca pudesse ver
Os defeitos do próximo
E dispor de uma fonte cristalina
De água suave e doce
Que pudesse apagar
Toda palavra que não fosse
Vida e felicidade.

Eu queria plantar
Um jardim de união
Junto de cada moradia
Para que as criaturas se inspirassem
No perfume da paz e da alegria.
Eu queria, Jesus,
Ter os teus olhos
Retratados nos meus
A fim de achar nos outros,
Nos outros que me cercam,
Filhos de Deus
E meus irmãos que devo compreender e respeitar.

Desejava, Senhor, que a bênção do Natal
Estivesse entre nós, dia por dia,
E queria ter sido
Uma gota de orvalho
Na noite em que nasceste
A refletir,
Na pequenez de minha condição,
A luz que vinha da canção Entoada nos Céus:
 - “Glória a Deus nas Alturas,
Paz na Terra, Boa Vontade em tudo,
Agora e para sempre!...


Mensagem recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier




 
..
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 03 de Maio de 2011, 09:25
Queridos amigos... Sejam bemvindos., desejo a todos:

(http://img1.recadosonline.com/284/043.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)

 Os melhores recados de Ter&ccedil;a-feira! Envie tamb&eacute;m para seus Amigos! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)<br
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 08 de Maio de 2011, 04:36
Queridos amigos, sejam bem vindos... Desejo a todos um

 (http://img1.recadosonline.com/744/004.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nZXJhZG9yZXNvbmxpbmUuY29t)

 Figuras, imagens, gifs sobre Dia das M&atilde;es voc&ecirc; encontra aqui (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nZXJhZG9yZXNvbmxpbmUuY29t)


Cartas às Mães

Minha irmã
Se Deus te deu
A luz da maternidade
Deu-te a tarefa Divina
Da renúncia e da bondade.

Busca imitar no caminho
A rosa de Nazaré
Irradiando o perfume
De amor, de humildade e fé.

Lembra sempre
Em tua estrada,
Que a paz de tua missão
É feita dessa ternura
Que nasce do coração.

Contempla
Em cada filhinho
Um luminoso sorriso da
Alegria dolorosa
Que te leva ao paraíso

Porque, ser mãe,
Minha irmã,
É ser prazer sobre as dores,
É ser luz,
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Maio de 2011, 09:30
**Busque O Melhor***

Se queres conforto e paz!!
Busque realizar todo  o bem..
Espalhe noticias boas ao redor....
Plante somente em todos o melhor..

Se queres felicidade!!
Cultive amizade..Bondade e luz....
Caridade a todos..Sem nada esperar..
Sempre é dia de aprender..Recomeçar..

Se queres vencer desafios!!
Lute consigo mesmo,vitóras virão..
Nosso maior inimigo está escondido..
Dentro de cada um..Combater é preciso..

Se queres viver bem!!!
Não existe melhor receita..Reflita....
Troque pensamentos negativos por positivos..
Este é o caminho..Não existe melhor solução..




Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Maio de 2011, 09:37
ETERNO ABRIGO

 

João De Deus

 
Quando o Sol da verdade acaricia

O coração dos crentes em Jesus,

Há sempre a luminosa eucaristia

Do pão da vida, transformado em luz.

 

Não existem mais lágrimas, nem cruz,

Nesse eterno banquete de alegrias,

Onde tudo é o amor que nos seduz

Em vibrações de paz e de harmonia.

 

Derramando-se as luzes da verdade,

No coração de toda a humanidade,

Virá o amor que salva e que conduz.

 

E é dando o nosso braço irmão e amigo

Que faremos da Terra o eterno abrigo

Da bondade infinita de Jesus.


 

Livro: LIRA IMORTAL   -  Francisco Cândido Xavier  - Espíritos Diversos

(http://img1.recadosonline.com/277/096.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLWVzcGVjaWFpcy5jb20=)

 Encontre muito mais Segunda-feira em nosso site. Confira! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLWVzcGVjaWFpcy5jb20=)

 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 09 de Maio de 2011, 09:38
Queridos amigos, sejam bem vindos, estão  todos convidados a participarem trazendo seus poemas e poesias

(http://img1.recadosonline.com/136/003.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)

 Mande tamb&eacute;m mensagens de Obrigado pela Visita para seus Amigos (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Maio de 2011, 09:28
EM  PAZ

 

Auta de Souza

 

Tanto roguei a paz consoladora
Durante os meus amargos sofrimentos,
Elevando a Jesus meus pensamentos,
Que recebi a paz confortadora!

Sentindo-me feliz, ditosa agora,
Nestas paragens de deslumbramentos
Onde terminam todos os sofrimentos
Que inundam de amargor a alma que chora.

 

Jesus! Doce Jesus meigo e bondoso,

Quanto agradeço a paz que concedestes

Ao meu viver tristonho e doloroso!

 

E desse lindo oásis encantado,

Canto de lua dos páramos celestes

Bendigo o vosso amor ilimitado!

 

 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

(http://img1.recadosonline.com/105/177.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zY29tZm90b3MuY29t)

 Gostou? Ent&atilde;o envie uma Mensagem de Bom Dia tamb&eacute;m! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zY29tZm90b3MuY29t)


 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 11 de Maio de 2011, 09:30
MAIS  ALÉM

 

Auta de Souza



A sombra, em torno à estrada,

Não te importe,

Segue varando injurias e ameaças

E estende os dons do amor

No bem que faças,

Sem que o frio a vencer te desconforte.

 

Se, ante o mundo, o amparo

Humilde e forte,

Levanta corações na luz que abraças,

Distribuindo graças sobre graças

Na fé que varre a dor, a treva e a morte.

 

Por mais pedras à frente, ajuda e avança

Por facho de bondade e de esperança,

Que o dever de servir jamais te doa...

 

Alguém te apoiará, dia por dia,

A envolver-te de paz e de alegria,

Esse alguém é Jesus que te abençoa.


 

Grupo  Espírita da Prece

Uberaba - MG 14.08.1976

 

Fonte:  livro “Marcas do Caminho”

Psicográfia: Francisco Cândido Xavier

Espíritos diversos

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Maio de 2011, 00:04
Queridos amigos, sejam bem vindos,

(http://img1.recadosonline.com/121/067.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLWVzcGVjaWFpcy5jb20=)

 Clique e confira novidades de Boa Noite! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zLWVzcGVjaWFpcy5jb20=)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Maio de 2011, 00:07
Lírio Branco


Antigamente meu caminho era vazio
Eu não vivia... eu não tinha expressão...
O meu sorriso era triste e muito frio...
A minha vida era um mar de solidão.

Porém, uma felicidade incontida,
Um dia, veio me encher de emoção...
Um lírio branco apareceu na minha vida
E sua fragrância envolveu meu coração

Aqui, encontrei o equilíbrio almejado
E a paz que eu tanto procurei
Hoje, o jardim da minha vida é perfumado,
Quantos amigos, neste lar, eu encontrei

Aqui, aprendi as lições do Evangelho
E estudei a obra do Mestre Jesus
E hoje, nele, me baseio, me espelho,
Seu meigo abraço me orienta, me conduz

E eu convido vocês que estão me ouvindo
A cantarem comigo está canção
O Lírio Branco, ao florir, nasce sorrindo...
O Lírio Branco é minha casa de oração.

- Roberto Ferreira -
Grupo Vocal “União e Harmonia”

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Maio de 2011, 00:17
Gratidão a Deus

Quando a sombra da tristeza
Cobrir seus olhos de ventura
Quando você quiser chorar
Diante da taça da amargura
Quando a dor bater à porta
Ferindo bem fundo o coração
Quando a esperança é morta
E a vida amarga ilusão
Olhe para trás
Veja quanta dor
Súplica de paz
Clamando amor
Olhos sempre em trevas
Mãos mendigam pão
Bocas que não falam
E risos sem razão
Deixe de chorar, volte a sorrir
Você é tão feliz, volte a cantar
Faça uma prece, seja grato a Deus
Ele sempre abençoa os filhos seus.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Maio de 2011, 00:20
Queridos Amigos...

(http://img1.recadosonline.com/136/011.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)

 Divirta-se com os geradores de scraps Obrigado pela Visita (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5wb2VtYXNwYXJhb3JrdXQuY29t)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Maio de 2011, 00:23
FELICIDADE É...


Felicidade é...
Sentir a paz nascer e crescer no  meu coração,
Enxergar a todos como amigo e irmão,
Distribuir muitos abraços  e andar sempre com um sorriso,
Espalhar a esperança em cada estação, no inverno ou verão
Sentir a alegria em qualquer lugar... Na terra, em marte  ou no mar,
Acordar e dormir com um novo sol a brilhar, ver estrelas gravitando no ar,
Ter sempre um sonho em poesias... Criar o amor com toda a melodia.


Dothy
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Maio de 2011, 00:32
    Esclrecimento sobre a ausencia do do querido amigo Lima



Prezados irmãos membros deste Fórum:

Tendo em vista estar enfrentando problemas particulares — que alguns amigos deste Fórum vêm acompanhando —, não tenho mais condições de permanecer longos períodos sentado no computador, razão pela qual doravante apenas acompanharei, esporadicamente, as valiosas orações, poesias e mensagens que os nossos prezados irmãos e irmãs postarem neste Fórum. Buscarei abrir sempre uma exceção quando se tratarem de novos irmãos que nos estiverem visitando ou vierem se juntar a nós, neste valoroso trabalho de divulgação de nossa abençoada Doutrina de Amor e Luz. A nossa querida irmã Dothy continuará com a missão a que ela mesma se entregou: a de incentivar e estimular a mais ampla participação, de todos os irmãos deste valioso espaço, a trazerem também suas contribuições, livremente, apenas buscando postar suas mensagens de acordo com a natureza inerente ao título de cada tópico. A todos os que já participam, especialmente ao estimado irmão dOM JORGE e às queridas irmãs Dothy, Katia, Cris e felicidade 39, a nossa eterna gratidão. Certamente, enquanto Deus me permitir, continuarei a participar, ativamente, neste espaço, alimentando os tópicos que temos coordenado e outros que possamos criar no futuro. Que Deus derrame sobre todos as Suas divinas bênçãos; e que o nosso amado Mestre Jesus seja para sempre o Divino Farol a nos iluminar a jornada incessante, a caminho da Luz e da Paz! Abraços fraternais para todos os membros deste abençoado Fórum Espírita! Esperando a compreensão de todos, o vosso irmão e amigo de sempre,
Lima_Gil
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 22 de Maio de 2011, 11:13
AMOR - CASAMENTO - DIVÓRCIO
   
     

O amor a tudo resiste:
Treva, espinho, pedra e lama.
O divórcio não existe.
No coração de quem ama.
Lívio Barreto
      
Casamento, muitas vezes,
É um rol de penas sofridas
Em que os cônjuges se pagam
Por débitos de outras vidas.
Ulysses Bezerra

Felicidade no amor?
Não me perguntes qual é.
Quando fiel a si mesmo
Todo amor merece fé.
Casimiro Cunha
      
O divórcio nunca erra
No par em distância inglória,
Certas dívidas na Terra
Precisam de moratória.
José Albano

Casamento é um céu a dois
Por entre sombras contrárias.
Laços, que venham depois,
São provações voluntárias.
Irene de Souza Pinto
      
Amor que vive no lar
Nunca lida ou sofre em vão.
Todo amor de sacrifício
É luz de sublimação
Antônio de Castro

Bendita a mão que escreveu
Essa sentença que dou:
"Quem amou nunca esqueceu,
Quem esqueceu nunca amou".
Augusto Coelho
      
Caridade lembra um mar,
Imenso, renovador,
Que acolhe sem transbordar
Todas as fontes do amor.
Auta de Souza

O amor aos outros, no fundo,
É a luz que encontro por fim,
Com que me livre no mundo
Da sombra que trago em mim.
Eugênio Rubião
        
Divórcio não tem censura,
Mas se o fazes... Desde agora,
Atrasas conta madura
Pagando juros de mora.

Deraldo Neville


Espíritos Diversos
Psicografia: Francisco Cândido Xavier
Livro: Chico Xavier Pede Licença - pág. 163 - cap. 36.

(http://img1.recadosonline.com/214/098.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)

 Seus amigos adorariam receber recados de Boa Semana! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zZ2xpdHRlci5jb20=)

   
     
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 22 de Maio de 2011, 11:23
PRECE  A  JESUS

 

Auta de Souza

 

Sê louvado, Senhor, pela bendita escola

Da verdade, em que Fé por sol se descortina,

Restaurando de novo a Celeste Doutrina

Em que o Mundo se eleva e a Vida se acrisola.

 

Templo, celeiro, lar, aconchego, oficina,

Revelação, apoio, entendimento, esmola,

Tudo que ampara, educa, alivia ou consola

Em tudo aqui te exalta a Presença Divina!...

 

Enquanto o Mundo chora, anseia, luta e avança,

Faze de nossa casa um pouco de Esperança

Na construção do Bem à luz que te descerra...

 

Aspiramos contigo a ser, dia por dia,

Uma forja de paz que trabalha e confia,

Uma fonte de Amor na aspereza da Terra.

 

 

Psicografia em Reunião Pública.Data – 18-4-1972.

Local – Centro Espírita Manoel Felipe Santiago, na cidade de Belo Horizonte, Minas.

 

 

(De: “Taça de Luz” (Espíritos Diversos), de Francisco Cândido Xavier)



 (http://img1.recadosonline.com/136/012.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zYW1vci5jb20=)

 Novidades sobre Obrigado pela Visita voc&ecirc; encontra em nosso site! (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5yZWNhZG9zYW1vci5jb20=)

   

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Maio de 2011, 22:33
ESTRELAS

Emmanuel

 

Senhor:

ante o céu estrelado,

que nos revela a tua grandeza,

deixa que nossos corações se unam

à prece das coisas simples...

 

Concede-nos, Pai,

A compaixão das árvores,

a espontaneidade das flores,

a fidelidade da erva tenra,

a perseverança das águas que

procuram o repouso nas profundezas,

 

a serenidade do campo,

a brandura do vento leve,

a harmonia do outeiro,

a música do vale,

a confiança do inseto humilde,

 

o Espírito de serviço da Terra benfazeja,

para que não estejamos recebendo,

em vão, Tuas dádivas, e para que o

Teu Amor resplandeça no centro de

nossas vidas, agora e sempre.

Assim seja

 


Do livro: Antologia da Criança. Psicografia: Francisco Cândido Xavier

 

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Maio de 2011, 22:35
!Queridos amigos e irmãos... Sejam bem-vindos

(http://img1.recadosonline.com/121/130.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)

 Mande tamb&eacute;m mensagens de Boa Noite para seus Amigos (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzcGlxdWlzLmNvbQ==)


NUNCA  ESMOREÇAS

 

Emmanuel


Alma fraterna, recorda:
Os momentos infelizes
parecem noites de crises
Em que o céu lembra um vulcão;


Ribombam trovões no espaço,
Coriscos falam da morte,
Passa irado o vento forte,
Tombando troncos no chão...


Os animais pequeninos
Gritam pedindo socorro
Descendo de morro em morro,
Cai a enxurrada a correr...


Mas finda a borrasca enorme,
No escuro da madrugada,
Em riscas de luz dourada,
Vem o novo amanhecer.


Assim também na vida,
Se atravessas grandes provas,
Na estrada em que te renovas,
Guarda a calma ativa e sã;


Sofre, mas serve e caminha,
Vence a sombra que te invade,
Se a hora é de tempestade,
Há novo dia amanhã...




Emmanuel (Poema psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier,
publicado no "Jornal Município de Pitangui, no. 25, setembro de 1991)
   

 

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Maio de 2011, 22:37
HARMONIA

Marta

 

O caminho da prece está florido.

As rosas da harmonia desabrocham olorosas!

Subi comigo, espaço em fora...

Que luz dulcificante!

 

Divisai o reino da alegria,

Onde uma eterna aurora

Embala os seres e embala os roserais

Que florescem para a luz

 

Vinde! Existem nas alturas,

Regiões de paz, remansos de ventura

Que sonhais jamais!...

 

Deus em pôs em cada canto

Uma pérola divina

Da sua luz. Tesouro sacrossanto,

Patrimônio de todos seus filhos

 

Por aqui não há dores, não há prantos!...

Eis que nos abraçamos...

Filhos que esperamos

E mães que nos esperam...

 

Noivos idolatrado,

Afetos aguardados.

Com excelsas esperanças...

Eis que agora a saudade

 

É uma recordação fugidia,

Um misto de amargura,

De ventura e alegria.

Subi comigo! Aqui há pássaros trinando

 

Por sobre fronde luminosas,

Entre as almas fraternas...

Ó paragens eternas!

Onde a luz nunca morre em seus cambiantes,

 

Os quais a todo o instante

Se intensificam, se esmaecem,

Entre cores e sons que não se esquecem.

Atravessai a noite de amarguras

 

Pelas portas da dor,

E recordai que nas alturas

Vos esperam as luzes da alegria

E os prazeres do amor.

 


Livro: LIRA IMORTAL   -  Francisco Cândido Xavier  - Espíritos Diversos)

(http://img1.recadosonline.com/145/005.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzZm9mb3MuY29t)

 Gifs e Glitter de Volte Sempre (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5naWZzZm9mb3MuY29t)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Julho de 2011, 23:02
Queridos amigos.. Sejam bem-vindos

AGORA



Eis o tempo que passa... Um juiz onde fores,

Espírito da Lei que a tudo envolve e doma.

Ontem, do Nilo em festa à grandeza de Roma,

Era a glória do mundo em cinzas e esplendores.

 

Hoje, carro triunfal dos sonhos redentores,

Em que a bênção do dia é celeste redoma,

Onde a vida se alteia e, pura, se retoma

Para erguer-te a alegria e suprimir-te as dores.

Amanhã será sol em pleno trilho escuro,

Almenara de amor a indicar-te o futuro

No horizonte da paz, onde a esperança mora.

 

Mas do tempo que é sombra, anseio, plano e anelo,

Nos caminhos do Tempo, eis que o Tempo mais belo

É o momento imortal que chamamos “agora”
.


Livro: “Antologia dos Imortais” - Psicografia de Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Julho de 2011, 23:04
DO  MEU  PORTO

 



 

Viajor vacilante e extenuado,

Depois de atravessar a sombra imensa,

Encontrei o país abençoado

Onde vive a celeste recompensa.

 

Adeus mágoas da noite estranha e densa,

Das angústias e sonhos do passado,

Não conservo senão o Amor e a Crença,

Ante o novo caminho ilimitado.

 

É doce descansar após a lida,

Banhar o coração na luz da vida,

Rememorando as dores que passaram...

 

E dos quadros risonhos do meu porto,

Rogo a Jesus conceda reconforto

Aos corações amados que ficaram!

 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xav
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Julho de 2011, 23:08
PRISÃO  SEM  GRADES

 



 

Vejo-te, nobre amigo, a despontar da bruma.

Castelão sedutor, de conquista a conquista,

Não achas coração de mulher que resista...

Segues... E no teu passo a treva se avoluma...

 

Noivas, esposas, mães... Das vítimas, em suma,

Onde falas de amor, aumenta-se-te a lista...

Mas chega a morte e vais por estrada imprevista,

Em que sombra te espera e a dor te desapruma.

 

Quis ver-te reencarnando e encontrei-te, inda há pouco...

Vagueias, mundo afora, abandonado e louco,

Espolinhas-te em lama e choras no monturo!...

 

Mas, agradece a Lei que segrega em prova:

Na cela de aflição que te apura e renova,

Descobrirás, de novo, as fontes do amor puro.

 


 

Livro: “Vida em Vida” Psicografia: “Francisco Cândido Xavier” Espíritos Diversos
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 05 de Julho de 2011, 23:10
NA  TERRA

 

 

Raul de Leoni

 

Renascendo no mundo da Quimera,

Ao colhermos a flor da juventude,

É quando o nosso Espírito se ilude,

Julgando-se na eterna primavera.

 

Mas o tempo na sua mansuetude,

Pelas sendas da vida nos espera,

Unto à dor que esclarece e regenera,

Dentro da expiação estranha e rude.

 

E ao tombarmos no ocaso da existência,

Nós revemos do livro da consciência

Os caracteres grandes, luminosos!...

 

Se vivemos no mal, quanta agonia!

Mas se o bem praticamos todo o dia

Como somos felizes, venturosos!...

 

 


Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Julho de 2011, 22:22
                                         VIVA JESUS!


          Boa-noite! queridos irmãos.

                Sonetos


Tudo passa no mundo. O homem passa
Atrás dos anos sem compreendê-los;
O tempo e a dor alvejam-lhe os cabelos,
À frouxa luz de uma ventura escassa.

Sob o infortúnio, sob os atropelos
Da dor que lhe envenena o sonho e a graça,
Rasga-se a fantasia que o enlaça,
E vê morrer seus ideais mais belos!...

Longe, porém, das ilusões desfeitas,
Mostra-lhe a morte vidas mais perfeitas,
Depois do pesadelo das mãos frias...

E como o anjinho débil que renasce,
Chora, chora e sorri, qual se encontrasse
A luz primeira dos primeiros dias.

Ah!... se a Terra tivesse o amor, se cada
Homem pensasse no tormento alheio,
Se tudo fosse amor, se cada seio
De mãe nutrisse os órfãos... Se na estrada

Do contraste e da dor houvesse o anseio
Do bem, que ampara a vida torturada,
Que jamais viu um raio de alvorada
Dentro da noite eterna que lhe veio

Do sofrimento que ninguém conhece...
Ah! se os homens se amassem nessa estância
A dor então desapareceria...

A existência seria a ardente prece
Erguida a Deus do seio da abundância,
Entre os hinos da paz e da alegria.


Raimundo Correia (Espírito)


                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Julho de 2011, 11:52
Amigos, sejam bem-vindos

VI-TE,  SENHOR

 

Rodrigues de Abreu

 

Eu não pude ver-Te, meu Senhor,

Nos bem-aventurados do mundo,

Como aquele homem humilde e crente do conto de Tolstoi.

Nunca pude enxergar                       

As Tuas mãos suaves e misericordiosas,

Onde gemiam as dores e as misérias da Terra!

E a verdade, Senhor,

É que Te achavas, como ainda Te encontras,

Nos caminhos mais rudes e espinhosos,

Consolando os aflitos e os desesperados. . .

Estás no templo de todas as religiões,

Onde busquem Teus carinhos

As almas sofredoras,

Confundindo os que lançam o veneno do ódio em Teu nome,

Trazendo a visão doce do Céu

Para o olhar angustioso de todas as esperanças. . .

Estás na direção dos homens,

Em todos os caminhos de suas atividades terrestres,

Sem que eles se apercebam

De Tua palavra silenciosa e renovadora,

De Tua assistência invisível e poderosa,

Cheia de piedade para com as suas fraquezas.

Entretanto,

Eu era também cego no meio dos vermes vibráteis que são os homens,

E não Te encontrava pelos caminhos ásperos. . .

Mocidade, alegria, sonho e amor,

Inquietação ambiciosa de vencer,

E minha vida rolava no declive de todas as ânsias. . .

Chamaste-me, porém,

Com a mansidão de Tua misericórdia infinita.

Não disseste o meu nome para não me ofender;

Chamaste-me sem exclamações lamentosas,

Com o verbo silencioso do Teu amor,

E antes que a morte coroasse a Tua magnanimida­de para comigo,

Vi que chegavas devagarzinho,

Iluminando o santuário do meu pensamento

Com a Tua luz de todos os séculos!

Falaste-me com a Tua linguagem do Sermão da Montanha,

Multiplicaste o pão das minhas alegrias

E abriste-me o Céu, que a Terra fechara dentro de minha alma.. .

E entendi-Te, Senhor,

Nas Tuas maravilhas de beleza

Quando Te vi na paz da Natureza,

Curando-me com a Dor.

 


Livro A Luz da Oração. Psicografia de Francisco Candido Xavier - Espíritos Diversos.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 13 de Julho de 2011, 12:09
RESPOSTA

Tobias Barreto

 

 

Céus, quem vos desdobrou no tempo sem memória?

Flâmeas constelações, quem vos lança e aglutina?

Astros, quem vos dirige a excelsa disciplina?

Luzes, quem vos acende a beleza incorpórea?

 

Terra, quem vos gerou? Mares, quem vos domina?

Flores, quem vos estende a gentileza e a glória?

Aves, quem vos inspira a marcha migratória?

Fontes, quem vos impele a cantar em surdina?

 

Desertos, quem vos fez na imensidão de areia?

Vales, quem vos mantém'? Rochas, quem vos alteia?

Vermes, quem vos criou no abismo estranho e mudo?!...

 

De esfera a esfera, ser a ser e vida em vida,

Surge por toda a parte a resposta incontida:

- "Deus! ... Tudo vem de Deus na grandeza de tudo! ..."

 

 


Fonte: Do Livro “Seguindo Juntos”  Francisco Cândido Xavier/Espíritos Diversos

Digitalizado por: Cleusa Marcusso
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Julho de 2011, 10:41
                                      VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

               Brasil
Desde o Nilo famoso, aberto ao sol da graça,
Da virtude ateniense à grandeza espartana,
O anjo triste da paz chora e se desengana,
Em vão plantando o amor que o ódio despedaça,

Tribos, tronos, nações... tudo se esfuma e passa.
Mas o torvo dragão da guerra soberana
Ruge, fere, destrói e se alteia e se ufana,
Disputando o poder e denegrindo a raça.

Eis, porém, que o Senhor, na América nascente,
Acende nova luz em novo continente
Para a restauração do homem exausto e velho.

E aparece o Brasil que, valoroso, avança,
Encerrando consigo, em láureas de esperança,
O Coração do Mundo e a Pátria do Evangelho.

Olavo Bilac


Do livro "Parnaso de Além Túmulo", de Francisco Cândido Xavier, por Espíritos Diversos.



                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 23 de Julho de 2011, 11:21
                                       VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

               Orvalho

Se a chuva pode tardar,
Há sempre a bênção do orvalho,
Sustentando a Natureza
No campo do seu trabalho.

Ao termo de cada noite,
Nas auroras coloridas,
Podemos felicitá-lo
Nas ervas agradecidas.

A planta nunca descrê;
Espera, trabalha e dá.
Na luta jamais se esquece
Que o Pai não a esquecerá.

Se o ano é de chuva escassa
Para o bem das produções,
Muitas vezes basta o orvalho
Na força das estações.

Ao seu beijo a terra espera,
A folha volta ao verdor,
A flor ostenta-se em festa,
O dia é renovador.

Nas forças da Natureza,
O orvalho é como o sorriso
Que desce diariamente
Das bênçãos do paraíso.

Seu hálito carinhoso
Ameniza a atmosfera;
No verão mais sufocante
É filho da primavera.

É sempre um fraterno amigo,
Um símbolo de defesa,
Do bem entre as forças várias
Que oprimem a Natureza.

A nós outros, ele ensina,
No efeito de sua ação,
Quanto pode conseguir
A boa disposição.

Sorrisos, calma, bondade,
Prudência, paz, bom humor,
São em tudo o brando orvalho
Da altura do nosso amor.


Casemiro Cunha

Do livro "Cartilha da Natureza", Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Casemiro Cunha



                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Julho de 2011, 15:02
                                    VIVA JESUS!


      Bom-dia! queridos irmãos.

              Carta aos tristes

Casimiro Cunha
 

Alma irmã de nossas almas,

Por que vives triste assim?

Todos os males da Terra

Chegarão, um dia, ao fim.

Se tens o teu pensamento

Na ideia da salvação,

Já deves compreender

Que o mundo é de provação.

É justo que sintas muito

As lágrimas da saudade,

Que chores um ente amigo

Na senda da iniquidade.

É certo que neste mundo,

Onde há espinho em toda a estrada

Não há lugar para o excesso

Do riso ou da gargalhada.

Mas, ouve. O amor de Jesus

É como um sol de harmonia.

Quem se banha em Sua luz

Vive em perene alegria.

Demasia de tristeza

É sinal de isolamento.

Quem foge à fraternidade

Busca a sombra e o desalento.

Guarda o bem de teus esforços

Num plano superior,

Não há tristeza amargosa

Para quem ama o labor.

Transforma as experiências

Pelas quais hajas passado,

Num livro fraterno e santo

Que ampare o mais desgraçado.

O serviço de Jesus

É tão grande, meu irmão,

Que não oferece ensejo

A qualquer lamentação.

O senso de utilidade

Deve sempre andar contigo.

Transforma em vaso de amor

Teu coração brando e amigo.

Dá sorrisos, esperanças,

Ensinos, consolação.

Espalha o bem que puderes

Na senda da redenção.

Enche a tua alma de fé,

De paz, de amor, de humildade.

Não há tristeza excessiva

Onde exista a Caridade.

Quando, de fato, entenderes

A caridade divina,

Tua dor será no mundo

Como fonte cristalina.

Dá sempre. Trabalha. Crê.

E a tua fonte de luz

Há de cantar sobre a Terra

Os júbilos de Jesus.

 

Poema extraído do livro Cartas do Evangelho, de Casimiro Cunha, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier



                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Julho de 2011, 14:32
Amigos e irmãos, sejam bem-vindos

PERDOE SEMPRE

 

Se alguém o prejudica, prontamente

Procure perdoar aquela ofensa...

Fácil não é, porém, será imensa

A paz no coração se for paciente,

 

Talvez seu agressor seja um doente

Que, ao falar, no agir sequer não pensa...

Talvez em seu espírito a descrença

Impere atroz, infrene, acerbamente...

 

Aprenda a desculpar para o seu bem...

Não traga mágoas nunca contra alguém

Que, porventura, pise no seu calo!

 

Exercite com fé a tolerância,

E vencerá, por fim, na sua instância

De entender seu algoz e, um dia, até amá-lo...

 

Celso Martin
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Julho de 2011, 14:33
ANGÚSTIA

 

Em versejar consiste o meu tormento

Pois canto, dos meus versos através,

Da existência o sublime encantamento

À maneira dos velhos menestréis...

 

Das musas sempre tive o doce alento

Dispensado aos poetas que, fiéis,

O que se passa n'alma em tal momento

Vão grafando em centenas de papéis!...

 

Das rimas pobre arauto tenho sido

Para mostrar à louca Humanidade

Que, de amor, tudo deve ser tecido...

 

Mas dor cruel me rasga o peito vendo

Entre os homens o império da maldade,

Razão do seu sofrer, intenso e horrendo!


Celso Martins
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 27 de Julho de 2011, 14:35
FÉ EM DEUS SEMPRE

 

Por mais cruel que seja a dor que te amargura

O sofrido viver, em lágrimas banhadas,

Jamais te julgues só, na triste senda escura

Sem o amparo de Deus, o Criador Amado!

 

Aquilo que supões não ter alívio ou cura,

Se transforma em saúde, em dia inesperado

Se souberes lutar, vencendo a desventura

Na oficina do Bem de um sonho alcanforado!

 

Que tu choras, eu sei... Eu sempre te acompanho

E se mesmo com fé junto a ti não me vejas,

És do meu coração vivendo em meu rebanho!

 

Não descreias jamais!... Prossegue esperançoso

Estribado na prece onde quer que estejas

Pois te reserva o Pai um porvir venturoso!

 


(Soneto alexandrino escrito dentro de um ônibus em 18/9/95)

 

Celso Martins
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Agosto de 2011, 11:35
                                        VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

               Beleza e paixão

Cornélio Pires  
 

Eis aqui nossa resposta,

Prezada Nina Tereza,

Em torno à sua consulta

Sobre as questões de beleza...

 

Você diz: —”Não sei por que

Tanta gente tem por norma

Trocar amor por desprezo,

Quando a vida muda a forma”.

 

Você quer saber, a fundo,

Se é luxo perante o Além,

Apresentar-se a pessoa

Na melhor forma que tem...

 

Muita gente deita idéias,

Ao redor desta questão,

Entretanto, a Natureza

É sempre o Belo em ação.

 

Cada manhã, fite a Terra,

Tudo é som, grandeza e cor,

O sol é ouro no azul,

O chão é verdura e flor.

 

Contemple o fulgor do monte,

Quando o monte se ilumina..

O mar é a beleza imensa

Na força da disciplina.

 

A árvore é um lar de ninhos,

A relva é finura e graça,

A fonte é a presença viva

Da melodia que passa...

 

Note o maciço de lodo

Em que o charco se resume:

Dele nasce o lírio alvo,

Irradiando perfume...

 

Em todo abuso de amor,

Nos dramas que vêm e vão,

O delito vem de nós

Quando nos cega a razão.

 

Recorde o caso de Júlio,

Era louco por Maria,

Quando a pobre ficou surda,

Recusou-lhe a companhia.

 

Luiz adorava Aurora

No Sítio de João Fontana,

No entanto, ao vê-la doente,

Luiz trocou-a por Joana.

 

Foi operada na face

A noiva do Clarimundo,

Bastou vê-la mutilada

E o moço sumiu no mundo.

 

Romance dos mais bonitos,

O de Antônia com Dirceu,

Dirceu foi acidentado,

O amor de Antônia morreu.

 

Gabriela com Talico,

Noivado e linda novela...

Talico faliu na praça,

Lá se foi a Gabriela.

 

Encontrando a noiva enferma

No Roçado da Matriz,

Juquinha não mais quis vê-la

Declarando-se infeliz.

 

Joel dizia adorar

Marina de Dona Andréia,

Marina caiu de cama,

O rapaz mudou de idéia.

 

Joaquim prometeu casar-se

Com Nhánha do Clodoveu,

Ao vê-la de pés inchados,

Joaquim desapareceu.

 

Como vê, prezada amiga,

Nos domínios da afeição,

Amor detido na forma

Não é amor, é paixão.

 

Beleza vestindo a vida,

Por princípio incontroverso,

É sempre a marca de Deus

Na luz de todo Universo.

 

Quem ama acima da forma,

Quem se eleva amando assim,

Em tudo encontra a beleza

Brilhando no amor sem fim.


 
Poema psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, constante do cap. 12 do livro Retratos da Vida.
 


                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Agosto de 2011, 15:32
                                        VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 
Adoro-TE  

Adoro-te, recôndito Eu do universo, alma do Todo,
Meu Pai e Pai de todas as coisas;
Minha respiração e respiração de todas as coisas.

Adoro-te, indestrutível essência,
sempre presente no espaço, no tempo e além, no infinito.
Pai, amo-Te, mesmo quando Tua respiração é dor, porque Tua dor é amor;
mesmo quando Tua Lei é esforço,
porque o esforço que tua Lei impõe é o caminho das ascensões humanas.

Pai, mergulho em tua potência, nela repouso e me abandono,
peço à fonte o alimento que me sustente.

Procuro-te no âmago onde Tu estás, de onde me atrais.
Sinto-Te no infinito que não atinjo e donde me chamas.
Não Te vejo e, no entanto, ofuscas-me com Tua luz;
Não Te ouço, mas sinto o tom de Tua Voz;
Não sei onde estás, mas encontro-Te a cada passo,
Esqueço-Te e Te ignoro, no entanto, ouço-Te em toda a minha palpitação.

Não sei individuar-Te, mas gravito em torno de Ti, como gravitam todas as coisas, em busca de Ti, centro do universo.

Potência invisível que diriges os mundos e as vidas,
Tu estás em Tua essência acima de toda a minha concepção.

Que serás Tu, que não sei descrever nem definir, se apenas o reflexo de Tuas obras me enceguece?

Que serás Tu, se já me assombra a incomensurável complexidade desta Tua emanação, pequena centelha espiritual que me anima integralmente?

O homem Te busca na Ciência, invoca-Te na dor, Te bendiz na alegria.
Mas, na grandiosidade de Tua potência, como na bondade de Teu amor, estás sempre além, além de todo o pensamento humano, acima das formas e do devenir, um lampejo do infinito.


Pietro Ubaldi


                                                           PAZ, MUITA PAZ!

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: O FIDALGO em 26 de Agosto de 2011, 15:23


             Essa Velhinha

Essa velhinha que vês,
Passando sempre ao sol-posto,
Todo dia, todo mês,
Penosamente a esmolar,
Também foi criança, um dia,
Não conhecia o desgosto,
Brincava, jogava e ria,
Era o anjo de seu lar!...

Depois vieram mudanças,
Trabalhou, sofreu na vida,
Morreram-lhe as esperanças,
Cansou-se –lhe o coração,
Hoje, triste, quase morta,
Sozinha, desiludida,
Esmola, de porta em porta
A fim de ganhar o pão.

Não te esqueças, meu filhinho,
Que um velhinho abandonado
Tem sede de teu carinho,
De tua doce afeição...
Aprende a viver mais cedo,
Não fujas amedrontado,
Aproxima-te, sem medo,
Anda cá! Beija-lhe a mão!


João de Deus

Do livro "Jardim de Infância", de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito João de Deus



                                                         
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Agosto de 2011, 15:56
                                           VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Degredados

 Cruz e Souza

As desditosas almas desterradas

Choram de angústia no caminho estreito

Onde o homem – misérrimo e imperfeito –

Palmilha escabrosíssimas estradas...

 

E recordam radiosas alvoradas,

Deslumbramentos no infinito eleito,

Onde a luz da justiça e do direito

É a alma das leis na Terra desprezadas!

 

Ó vós que andais idealizando o brilho

Da luz celeste sobre o vosso exílio,

Que é um deserto de sombra merencória!

 

Para que esplenda a luz da nova era,

Lutai! Porque a ventura vos espera

Na eternidade lúcida da glória!

 

Soneto psicografado pelo médium Francisco Candido Xavier, constante do livro Lira Imortal, obra ditada por Espíritos Diversos.




                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 31 de Agosto de 2011, 12:01
                                      VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Viver, Agora  

Agora,
Viver é refletir
no que foi bom ou ruim,
mas passou:
Para sonhar de novo
com o que pode ser bonito
e mais forte,
porque bem enraigado
num solo que conheça
limites e escoamentos.
Viver é arriscar
Passos Novos,
onde haja a luz
do entendimento,
da paciência,
da consideração,
da ajuda,
do auto-respeito!
Viver é acreditar
na poesia e realidade
da ternura,
na energia de um sorriso calmo,
no poder da reconstrução
perene,
de cada dia.
Viver é até tremular
como lágrima que brilha,
porque vem do coração
que aprendeu
a suportar o inevitável,
sem jamais desistir.

Antonieta de Castro Sá



                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Setembro de 2011, 01:29
Amigos e irmãos, sejam bem-vindos

Destino   e   Vida

Chiquito de Morais

 

Caridade não se altera,

É a mesma por onde vá,

Trabalha mais do que espera,

Dá tudo sem ver que dá.

 

Sentença que a vida escreve

E a lógica não desdiz:

Quem se ri do infortunato

É muito mais infeliz.

 

Escândalo é com freqüência

Lama que surge e se alteia,

Mas que vejo tão somente

No carro da vida alheia.

 

Destino é a porta da sorte,

Tanto clara quanto escura,

Cada qual guarda consigo

A chave da fechadura.

 

Espiritismo e Unificação - Dezembro de 1970
   
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Setembro de 2011, 01:31
POSTAIS FRATERNOS

Chiquito de Moraes

 

Para ajudar a quem sofre,

Diz você que nada tem ...

Não digas, porém: “não posso”,

Na sementeira do bem.

 

Se você tudo perdeu

E crê não poder servir,

Escute:  recomecemos,

Você consegue sorrir.


 

ANTOLOGIA DA CRIANÇA - Francisco Cândido Xavier  -  Autores Diversos
   

 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Setembro de 2011, 01:34
TEMOS  JESUS

 

Abel Gomes

 

 

Desaba o Velho Mundo em treva densa

E a guerra, como lobo carniceiro,

Ameaça a verdade e humilha a crença,

Nas torturas de um novo cativeiro.

 

Mas vós, no turbilhão da sombra imensa,

Tendes convosco o Excelso Companheiro,

Que ama o trabalho e esquece a recompensa

No serviço do bem ao mundo inteiro.

 

Eis que a Terra tem crimes e tiranos,

Ambições, desvarios, desenganos,

Asperezas dos homens da caverna;

 

Mas vós tendes Jesus em cada dia.

Trabalhemos na dor ou na alegria,

Na conquista de luz da Vida Eterna.

 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.

 

   
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Setembro de 2011, 12:17
                                           VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                 Mediunidade

Sebastião Lasneau
 

Mediunidade é o novo sol nascente

No horizonte de dor da Humanidade;

Alvorada de amor e de saudade,

Erguendo a fé no coração descrente.

 

Raio de luz que toda a Terra invade

Transmitindo esperança à alma doente,

Revigorando o coração e a mente

Para a ascese do bem pela humildade.

 

Arado sobre serros infecundos,

Venábulo de luz rasgando o véu

Dos mistérios mais altos e profundos;

 

É a mão de Deus pairando sobre o incréu;

É traço de união entre dois mundos,

Elo de amor ligando a Terra ao Céu.

 

Sebastião Lasneau nasceu em Barra do Piraí, em 1900, lá desencarnando em 1969. Deixou-nos, entre outras, Eva Musa, Versos  para a Mocidade, Almas que cantam.
 



                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Setembro de 2011, 22:25
                                         VIVA JESUS!


         Boa-noite! queridos irmãos.

                  Agora

Auta de Souza
 

Agora, enquanto é hoje, eis que fulgura

O teu santo momento de ajudar!...

Derrama, em torno, compassivo olhar

Estende as mãos aos filhos da amargura...

 

Repara!... Aqui e além, a desventura

Caminha ao léu, sem pão, sem luz, sem lar,

Acende o próprio amor! Faze brilhar

A tua fé tranquila, doce e pura.

 

Agora! eis o minuto decisivo! ...

Abre o teu coração ao Cristo Vivo,

Não permitas que o tempo marche em vão.

 

E ajudando e servindo sem cansaço,

Alcançarás, subindo passo a passo,

A glória eterna da Ressurreição.

 

Soneto extraído do livro Auta de Souza, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier e publicado pela Editora IDEAL
 



                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 14 de Setembro de 2011, 04:48
(http://i634.photobucket.com/albums/uu61/ajrossi_2009/Campo.jpg)



Boa noite queridos amigos!


A BOA ÁRVORE


Nos quadros vivos da Terra,
Desde a sua formação,
A árvore generosa
É imagem da Criação.
É a vida em Deus que nos ama,
Que nos protege e nos cria,
Que fez a bênção da noite,
E a bênção da luz do dia.
Seus ramos são como a infância,
As flores, a adolescência,
Seu fruto, a velhice amiga
Repleta de experiência.
Seu trono transforma sempre
Toda a lama da raiz,
No pomo caricioso,
Alegre, doce e feliz.
As sementes que renascem,
Com método e perfeição,
São nossas almas na lei
De vida e reencarnação.
Silenciosa na estrada,
Seu exemplo nos ensina
A refletir sobre a Terra
Na Providência Divina.
Se a poda foi rude e forte
Ao rigor do braço humano,
Sua resposta mais bela
É mais frutos no outro ano.
Se tomba desamparada
Ao pulso do lenhador,
Faz-lhe a casa, dá-lhe a mesa,
Aquece-o com mais amor.
Dá sombra a todos que passam,
Sem jamais saber a quem,
Colocada no caminho,
Seu programa é sempre o bem.
*
É santa irmã de Jesus
Essa árvore estremecida:
Se vive, palpita em Deus,
Se morre, transmite a vida.


Do livro Cartilha da natureza. Autor: Casemiro Cunha
Psicografia de Francisco Cãndido Xavier
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 14 de Setembro de 2011, 14:53
                                            VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Eco lógico

Se aos pássaros perguntares.
Quem polui os nossos ares,
onde os pulmões se consomem,
o eco, lógico, responde:

... homem... homem... homem...


E o húmus de nosso chão,
que resta pro nosso pão
logo após uma queimada?
O eco, lógico, responde:

... quase nada... quase nada...


O que era o Saara?
A Amazônia o que será?
Um futuro muito incerto?
O eco, lógico, responde:

... só deserto... só deserto...


O que reta, desmatando,
o que sobra, devastando,
ao homem depredador?
O eco, lógico, responde:

... só a dor... a dor... a dor...


Que precisa a natureza
pra manter sua beleza
e amainar a sua dor?
O eco, lógico, responde:

... mais amor... amor... amor..


Autor desconhecido



                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Setembro de 2011, 11:26
                                      VIVA JESUS!


           Bom-dia! queridos irmãos.

                   Reticências

Martha Rios Guimarães
 

Trago um sorriso no rosto
E a mente livre,
Percebi que nessa vida
O que mais vale
É o que nada vale materialmente.

Meu desgosto morreu calado
Meu medo morreu cedo
Sem mentiras, sem propaganda,
Num gesto sem tradução.

As pedras que recebi
Serviram de alicerce
Para reconstruir dentro de mim
Um mundo novo
Que tem o amor como regra
E onde não há preconceitos
E nessa doce ciranda
Sobrevivo... vivo...

Meu ponto não é final
É uma reticência
Que mistura passado
Presente e futuro
Em um único tempo.

 

Poema contemplado com o 1o lugar no concurso “Sementes de Amor” promovido pela USE Vila Maria e na 3a FEICULTE – Feira Cultural Espírita 2005, promovida pela mesma instituição, nos dias 22 e 23 de outubro de 2005, na Biblioteca Pública da Vila Maria, em São Paulo (SP). Martha Rios Guimarães reside na capital paulista.



                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Setembro de 2011, 11:27
                                       VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                  Nel mezzo del camin...

Olavo Bilac
 

Cheguei. Chegaste.  Vinhas fatigada

E triste, e triste e fatigado eu vinha.

Tinhas a alma de sonhos povoada

E a alma de sonhos povoada eu tinha.

 

E paramos, de súbito, na estrada

Da vida:  longos anos, presa à minha

A tua mão, a vista deslumbrada

Tive da luz que teu olhar continha.

 

Hoje, segues de novo... Na partida

Nem o pranto os teus olhos umedece,

Nem te comove a dor da despedida.

 

E eu. Solitário, volto a face, e tremo,

Vendo teu vulto que desaparece

Na extrema curva do caminho extremo.

 

Olavo Bilac, o príncipe dos poetas parnasianos, nascido no Rio de Janeiro, num de seus momentos de extremo lirismo.
 



                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Setembro de 2011, 10:53
                                         VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Espiritismo

João de Deus
 

Na dolorosa e escura travessia

Do encapelado mar da provação

Na mais amarga desesperação,

Debatem-se os escravos da agonia.

 

Nas correntes pesadas da aflição,

Na paisagem sem sol, erma e sombria,

Lá vai a humanidade na porfia

Da paz que é toda a luz do coração.

 

Saibam, porém, as pobres criaturas,

Atoladas no mar das desventuras,

Sem o rumo de Deus, vogando ao léu,

 

Que o Espiritismo é o porto da verdade,

Para onde navega a humanidade,

Buscando a estrada de ouro para o céu!...

 

Do livro Lira Imortal, obra ditada ao médium Francisco Candido Xavier por Espíritos Diversos.



                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Setembro de 2011, 19:12
jesus

 
Quanta vez, neste mundo em rumo escuro e incerto,

O homem vive a tatear na treva em que se cria!

Em torno, tudo é vão, sobre a estrada sombria,

No pavor de esperar a angústia que vem perto!...

 

Entre as vascas da morte, o peito exangue e aberto,

Desgraçado viajor rebelado ao seu guia,

Desespera, soluça, anseia e balbucia

A suprema oração da dor do seu deserto.

 

Nessa grande amargura, a alma pobre, entre escombros

Sente o Mestre do Amor que lhe mostra nos ombros

A grandeza da cruz que ilumina e socorre;

 

Do mundo é a escuridão, que sepulta a quimera...

E no escuro bulcão só Jesus persevera,

Como a luz imortal do amor que nunca morre.

 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Alberto de Oliveira
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Setembro de 2011, 19:20
RIMAS  DO  OUTRO  MUNDO

 

Cheguei feliz ao meu porto,

Estou mais moço e mais forte,

Encontrei paz e conforto

Na vida, depois da morte.

Eis as rimas de outro norte,

Que escreve o poeta morto.

 

II

 

Com a ignorância proterva,

Que a morte é o fim, o homem pensa,

Julgando no talo de erva

A paisagem linda e imensa.

Ah! feliz o que conserva

As luzes doces da crença.

 

III

 

Quanta gente corre, corre,

Ansiosa atrás do prazer,

Sonha e chora, luta e morre

Sem jamais o conhecer.

Não há ninguém que se forre,

Sobre a Terra, ao padecer.

 

IV

 

Fecha a bolsa da ambição,

Não corras atrás da sorte,

Venera a mão que te exorte

Nos dias de provação.

Tem coragem, meu irmão,

Ninguém se acaba com a morte.

 

V

 

No mundo vale quem tem

Um cifrão de prata ou de ouro;

Mas, da morte ao sorvedouro,

Jamais escapa ninguém!

No Céu só vale o tesouro

Daquele que fez o bem.

 

 

VI

 

Que tua alma em preces arda

No fogo da devoção.

Deus é Pai que nunca tarda

No caminho da aflição.

Nas mágoas do mundo, guarda

A fé do teu coração.

 

VII

 

Entre a fé e o fanatismo,

Muito espírito se engana:

A primeira ampara e irmana,

O segundo é o dogmatismo,

Goela aberta de um abismo

Na estrada da vida humana.

 

YIII

 

A Terra, para quem sente,

Inda é torre de Babel,

Onde a prática desmente

As ilusões do papel:

Muita boca sorridente,

Corações de lodo e fel.

 

IX

 

Suporta a dor que te cobre

Na estrada espinhosa e má,

Quem é rico, quem é nobre,

A essa estrada voltará.

É uma ventura ser pobre,

Com a bênção que Deus nos dá.

 

X

 

Na vida sempre supus,

Sem muita filosofia,

Que, em prol do Reino da Luz,

Basta, na Terra sombria,

Que o homem siga a Jesus,

Que a mulher siga a Maria.


 

 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo. Psicografia de Francisco Cândido Xavier.
Belmiro Braga
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: valdete wagner em 18 de Setembro de 2011, 19:42
 :D  muito  Linda !!!!!!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 18 de Setembro de 2011, 19:54
Querida amiga Valdete.. Muita paz

Agradecenos a presença ao poesia do bem maior
A amiga está convidada a participar trazendo poesias e poemas de sua autoria ou de seus autores preferidos

Desejamos que volte sempre. Abraços fraterno
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Setembro de 2011, 10:54
                                        VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                   Brasil

Olavo  Bilac
 

Desde o Nilo famoso, aberto ao sol da graça,

Da virtude ateniense à grandeza espartana,

O anjo triste da paz chora e se desengana,

Em vão, plantando o amor que o ódio despedaça.

 

Tribos, tronos, nações... Tudo se esfuma e passa.

Mas o torvo dragão da guerra soberana

Ruge,  fere,  destrói e se alteia e se ufana,

Disputando o poder e denegrindo a raça.

 

Eis, porém, que o Senhor, na  América nascente,

Acende nova luz em novo continente,

Para a restauração do homem exausto e velho.

 

E aparece o Brasil que, valoroso, avança,

Encerrando consigo, em láureas de esperança,

O Coração do Mundo e a Pátria do Evangelho.

 
 

Soneto recebido por Francisco Cândido Xavier, na noite de 18 de abril de 1950, em Belo Horizonte, MG
 


                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Setembro de 2011, 11:38
                                       VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Presença do amor

Auta de Souza
 

Deus abençoe o pão que dás à porta

Aos romeiros cansados da Agonia,

O teto aos que se vão em noite fria

Na dor em que a nudez se desconforta.

 

Deus te abençoe o raio de alegria

Com que a força da fé se te transporta,

No rumo da esperança semimorta

Para trazê-la à glória de outro dia.

 

Deus te abençoe por tudo quanto fales

Para extinguir tristezas, dores, males,

Que se amontoam na penúria imensa...


Deus te abençoe, porém, com mais ternura

A presença da Paz e da Aventura

De todo Amor que dês sem recompensa...

 
Do livro Auta de Souza, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.



                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Setembro de 2011, 13:45
                                           VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

               Filho de Deus


Jesus também era filho do Dono do Mundo,
e entretanto, veja como foi sua vida...

A manjedoura onde nasceu era emprestada.

O burrinho que ele montou era emprestado.

O barco em que muitas vezes viajou era emprestado.

Os pães e peixes que multiplicou eram emprestados.

A sala em que fez a ceia e lavou os pés dos discípulos era emprestada.

O túmulo onde foi sepultado era emprestado.

O que era do filho do Dono do Mundo?...

Só a cruz era dele.

Você é uma luz de Deus no mundo...

Para seu irmão, seu filho, seu cônjuge, seus pais, seus amigos.

Uma vela não perde sua luz por compartilhar sua luz com outras.

Pense nisto.

Tenha fé e acredite...

Você é filho do Dono... do Universo.


Autor desconhecido



                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Setembro de 2011, 12:20
                                          VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Cego

Bastos Tigre
 

Sempre que nega o ateu que Deus exista,

Contra a blasfêmia se revolta o crente.

Mostra-lhe  a “obra” que requer o “Artista”,

Mundos e sóis onde o Criador se sente!

 

– Fita o mar! Para o céu estende a vista!

Olha em ti! Não descobres Deus presente?...

Mas o ateu nada vê: materialista,

Com a matéria se afaz e está contente.

 

Não me revolta o ateu. Se ele diz: – Nego!

Lamento-o como se lamenta a um cego

Que nem sabe para onde se conduz.

 

Nasceu sem vista: é justa essa descrença,

Não tem, acaso, o cego de nascença

Direito de negar que exista a luz?

 
Bastos Tigre nasceu em Recife, no ano de 1882. Este soneto, ele improvisou-o em homenagem a Frederico Figner e foi publicado na revista Reformador, em 1933.



                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 30 de Setembro de 2011, 09:55
                                           VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Única

Nilo Bruzzi
 

No turbilhão da vida cotidiana,

Há sempre um rosto oculto de mulher;

Há no tumulto da existência humana

Alguém que a gente quis e ainda quer.

 

E numa sede de paixão insana

Cego e humilhado, aceita outra qualquer,

Mas, sem íntimo ardor, de alma profana,

Porque a alma nem acordará sequer.

 

E vão passando, assim, uma por uma,

Mulheres e mulheres, como vieram,

Sem depois despertar saudade alguma...

 

Pobre de quem, como eu, vê que, infeliz.

Teve  todas aquelas que o quiseram,

Mas nunca teve aquela que ele quis!...


Soneto de Nilo Bruzzi, que nasceu em Minas Gerais, em 1879, e deixou-nos “Luar de Verona” e “Dona Lua”.



                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 01 de Outubro de 2011, 10:00
                                          VIVA JESUS!


          Bom-dia! queridos irmãos.

                     Espírito

Antero de Quental
 

Sobre o mundo de dor e de incerteza

Procurei na ciência, em toda hora,

Descobrir e tocar a sutileza

Do espírito que luta, sonha e chora;

 

Mas só encontrei a trágica surpresa

Da negação da luta atordoadora

Da ciência do mundo que anda presa

Sob a descrença desalentadora...

 

Alma cega de louco então eu era,

Que não via dos astros à monera

A mão de Deus na paz, na luz, no amor!...

 

E paguei caro a minha fantasia,

Escalando um calvário de agonia

Na visão desse nada enganador.

 


Do livro Lira Imortal, obra ditada por Espíritos Diversos por intermédio do médium Francisco Candido Xavier.

 


                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2011, 11:19
Rosas

 
Cultivei no jardim cravos e rosas
Margaridas, trifólios, bogaris;
Toda a espécie de flores, caprichosas
Na forma, no perfume, no matíz.

Quão diversas, meu Deus, das viciosas
Emanações do pântano infeliz!
O mundo, que planejas e que entrosas
A guilhotina com a flor-de-lis!

No aguaçal das paixões quanto destino
Se retarda a si próprio, em desatino
Da falena a atirar-se contra a luz!

Mas a rosa ideal que se cultive
É a rosa do Amor, em que se vive
Para Deus, para o união, para Jesus!


 

Maria Angélica

Médium: Porto Carreiro Neto

Reformador – Março de 1964.
   
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 01 de Outubro de 2011, 11:22
Bom dia queridos amigos e irmãos, sejam bem-vindos
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Outubro de 2011, 02:36

                                  (http://i229.photobucket.com/albums/ee261/universonc/Boa%20Noite/BN18.gif)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 02 de Outubro de 2011, 02:40

          (http://i177.photobucket.com/albums/w205/tayi_2007/Flowers/flmg.gif)



ACORDA  E  LUTA

 

Acorda, enquanto é tempo, e atende à vida,

Levante-te e prossegue, de alma erguida

A celeste visão!

Foge à escura mentira do repouso;

Ninguém nasce na Terra para o gozo

Nem para a quietação

 

Tudo se move pelos céus profundos:

Observa a dinâmica dos mundos,

Do terrestre portal.

Constelações e sóis no Lar Suspenso,

Falam de Deus, no espaço excelso e imenso,

Sob a vida mortal.

 

Contenha em torno do teu passo lento,

Tudo é luta, batalha e movimento...

Serve o mar, serve a flor.

Tudo é supremo canto da beleza,

Na evolução de toda a natureza,

Inflamada de amor.

 

Acorda e traze o coração robusto

Para o banquete sublimado e augusto

Da bondade e da ação.

E, desde a carne estranha e transitória,

Ascenderás, feliz, de glória em glória,

Ao templo vivo da Ressurreição.

 

Livro “Cartas do Coração”  -Psicografia Francisco Candido Xavier - Espírito: Carmem Cinira

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Outubro de 2011, 10:59
                                           VIVA JESUS!


           Bom-dia! queridos irmãos.

                   Velho tema

Vicente de Carvalho
 

Só a leve esperança, em toda a vida,

Disfarça a pena de viver; mais nada.

Nem é mais a existência, resumida,

Que uma grande esperança malograda.

 

  O eterno sonho da alma desterrada,

Sonho que a traz ansiosa e embevecida,

É uma hora feliz, sempre adiada

E que não chega nunca em toda a vida.

 

Essa felicidade que supomos

Árvore milagrosa que sonhamos

Toda arreada de dourados pomos,

 

Existe sim, mas nós não a alcançamos,

Porque está sempre apenas onde a pomos

E nunca a pomos onde nós estamos.

 

 

Vicente de Carvalho nasceu em Santos (SP) no dia 6 de abril de 1866 e faleceu na mesma cidade em 1924. Deixou-nos belas obras como “Ardentias”, “Versos da Mocidade”, “Poemas e Canções” etc.




                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Outubro de 2011, 12:21
                                            VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Luta

Raul de Leoni
 

Aí na Terra, as bem-aventuranças

São o sonho que o Espírito agasalha,

Mas, mesmo após a morte, a alma trabalha

Buscando o céu das suas esperanças.

 

Muita vez, quando pensas que descansas,

Além te espera indômita batalha,

Onde o suposto gozo se estraçalha

Sob o guante acerado das provanças.

 

Para cá do sepulcro a dor antiga,

Que nos traz o desânimo, a fadiga,

Sob a luz da verdade se atenua;

 

A febre das paixões desaparece,

O Espírito a si mesmo reconhece,

Mas a luta infinita continua.
 

 

Soneto psicografado por Francisco Cândido Xavier, constante do livro Parnaso de Além-Túmulo. Raul de Leoni nasceu em Petrópolis em 1895 e desencarnou em Itaipava com apenas 31 anos de idade. Foi bacharel em Direito, deputado estadual e posteriormente Secretário de Legação. Além de Ode a um Poeta Morto, dedicada a Olavo Bilac, de quem foi amigo dileto, deixou Luz Mediterrânea, considerada como seu livro de ouro.



                                                        PAZ, MUITA PAZ!               
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 08 de Outubro de 2011, 09:41
                                         VIVA JESUS!


          Bom-dia! queridos irmãos.

                  Jesus

Alberto de Oliveira  
 

Quanta vez, neste mundo, em rumo escuro e incerto,

O homem vive a tatear na treva em que se cria!

Em torno, tudo é vão, sobre a estrada sombria,

No pavor de esperar a angústia que vem perto!...

 

Entre as vascas da morte, o peito exangue e aberto,

Desgraçado viajor rebelado, ao seu guia,

Desespera, soluça, anseia e balbucia

A suprema oração da dor do seu deserto.

 

Nessa grande amargura, a alma pobre, entre escombros,

Sente o Mestre do Amor que lhe mostra nos ombros

A grandeza da cruz que ilumina e socorre;

 

Do mundo é a escuridão, que sepulta a quimera...

E no escuro bulcão só Jesus persevera,

Como a luz imortal do amor que nunca morre.
 

Alberto de Oliveira, poeta fluminense nascido em Palmital de Saqüare­ma, em 1859, e falecido em Niterói, em 1937, além de farmacêutico, dedicou-se ao magistério e foi membro fundador da Academia Brasileira de Letras. Psicografado por Francisco Cândido Xavier, o soneto acima integra o livro Parnaso de Além Túmulo.



                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 09 de Outubro de 2011, 09:50
                                           VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Seu Cristo

Guaraci de Lima Silveira
 

Este Cristo, que traz escondido dentro do peito,

não é de barro, nem jarro que quebra.

É um ser verdadeiro,

concreto, real, vertido de Deus,

querendo nascer e fazer de você

pessoa feliz,

ovelha, cordeiro,

tão manso e de luz.

 

Luz que conduz neste mundo insano,

de dores e prantos,

ladeiras e caos.

 

Este Cristo, que traz escondido

dentro do peito,

é a herança divina, desejo sentido

de andar feito sol, clarão majestoso,

farol a guiar.

 

Guiar segurança com fé e fervor,

abastança de paz e o que for amor.

 

Ei, este Cristo, que traz escondido

dentro do peito,

é você lá no futuro, distante era,

ser tão maduro, belos tempos,

tempos de amor.

 

E tão sábios e puros os feitos seus

que será, com certeza,

construtor de estrelas, jardineiro de Deus!

 

Deus de amor, luz e esplendor,

que fez você feito Cristo de luz.

 

Não deixe de ir, não atrase a jornada,

ouça Jesus.

Ele é o seu Cristo, Modelo Perfeito

oferecido por Deus para espelhar-se e seguir.

 

Sem Ele o seu Cristo é triste, adormecido,

quem sabe, até ferido, e isto é tão mal!

 

Desperte o seu Cristo e dê vida a seus passos.

Não tema, conserte tudo o que o tempo errou,

pois o futuro é de luz,

a estrada é muito longa

e o Condutor é Jesus.



Poema extraído do livro Navegador Racional, de Guaraci de Lima Silveira, de Juiz de Fora-MG, publicado pela Minas Editora, de Araguari-MG.




                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Outubro de 2011, 10:45
                                            VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                  Laços redentores

Cornélio Pires
 
Ressentimento não vale.

A justiça não se atrasa

E a lei da Reencarnação

Atua dentro de casa.

 

Olhe o caso de Cristina,

Envenenou João Gamela,

Mas João, depois de algum tempo,

Renasceu... E é filho dela.

 

Embora a morrer em sangue,

Neca abateu Genserico;

Hoje são gêmeos em luta

Na roça do Tico-Tico.

 

Furtando-lhe sítio e casa,

Quinquim matou Rui da Venda,

Mas Rui nasceu neto dele,

A fim de herdar-lhe a fazenda.

 

Quintino arrasou Gregório

Com bebida numa festa...

Gregório voltou a ele,

É o caçula que o detesta.

 

Em não querê-la por nora,

Teotônio acabou com Lica,

Vejo a moça reencarnada:

É a neta que o prejudica.

 

Nina induziu Vaz à morte,

Suicídio triste sem causa,

Hoje ele é o filho doente

Que ela carrega sem pausa.

 

Lula matou Antônio,

Simples paixão de mulher...

Mas Antônio renasceu...

É o filho que não a quer.

 

Téo levou Juca ao suicídio.

Eis que o tempo vem e vai.

Juca hoje é o filho dele,

Um filho que odeia o pai.

 

A Terra lembra hospital

Se a vemos de ânimo atento,

Levantam-se muitos lares

Por celas de tratamento.

 

Ressentimento, desforra,

Não adiantam, rapaz,

A vida cobra com juros

As contas que a gente faz.

 
Poema psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, constante do cap. 8 do livro Retratos da Vida.




                                                           PAZ, MUITA PAZ!
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Outubro de 2011, 10:35
                                           VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                 Soneto

Antero de Quental
 

Quisera crer, na Terra, que existisse

Esta vida que agora estou vivendo,

E nunca encontraria abismo horrendo,

De amargoso penar que se me abrisse.

 

Andei cego, porém, e sem que visse

Meu próprio bem na dor que ia sofrendo;

Desvairado, ao sepulcro fui descendo,

Sem que a Paz almejada conseguisse.

 

Da morte a Paz busquei, como se fora

Apossar-me do eterno esquecimento,

Ao viver da minhalma sofredora;

 

E em vez de imperturbáveis quietitudes,

Encontrei os Remorsos e o Tormento,

Recrudescendo as minhas dores rudes.
 

 

Antero de Quental, poeta português, nasceu na ilha de São Miguel, nos Açores, em 1842, e desencarnou por suicídio em 1891. É vulto eminente e destacado nas letras portuguesas, caracterizando-se pelo seu espírito filosófico. O soneto acima, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, integra o Parnaso de Além-Túmulo.




                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 13 de Outubro de 2011, 10:28
                                       VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Do meu porto

Ao caro amigo M. Quintão

 
Albérico Lobo
 

Viajor vacilante e extenuado,

Depois de atravessar a sombra imensa,

Encontrei o país abençoado

Onde vive a celeste recompensa.

 

Adeus mágoas da noite estranha e densa,

Das angústias e sonhos do passado,

Não conservo senão o Amor e a Crença,

Ante o novo caminho ilimitado.

 

É doce descansar após a lida,

Banhar o coração na luz da vida,

Rememorando as dores que passaram...

 

E dos quadros risonhos do meu porto,

Rogo a Jesus conceda reconforto

Aos corações amados que ficaram!

 

Albérico Lobo nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1865 e desencarnou em fevereiro de 1942. Funcionário público, colaborou ativamente na im­prensa e deixou opulenta obra esparsa, em prosa e em verso. O soneto acima, psicografado por Chico Xavier, integra o livro Parnaso de Além-Túmulo.




                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Outubro de 2011, 11:00
                                           VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

               Vinculação redentora

Silva Ramos
 

O fidalgo, ao partir, diz à jovem senhora:

“Eu sou teu, tu és minha!… Espera-me, querida!…”

Longe, ergue outro lar… Vence, altera-se, olvida…

Ela afoga em suicídio a mágoa que a devora.

 

Falece o castelão… Vê a noiva esquecida…

Desencarnada e aflita, é uma sombra que chora…

Ele pede outro berço e quer trazê-la agora

Em braços paternais ao campo de outra vida!…

 

O século avançou… Ei-los de novo em cena…

Ele o progenitor; ela, a filha pequena

A crescer retardada, abatida, insegura…

 

Hoje, ele, em tudo, é sempre o doce pajem dela

E a noiva de outro tempo é a filha triste e bela

Agarrando-se ao pai nos traumas da loucura.

 

Do cap. 8 do livro Astronautas do Além, autoria de J. Herculano Pires, Chico Xavier e Espíritos Diversos.




                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Outubro de 2011, 10:32
                                          VIVA JESS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

                 Minha vida

Hermes Fontes
 

Não pude compreender o meu destino

Na amargura invencível do passado,

Que amortalhou meu sonho peregrino

Nas trevas de um martírio irrevelado.

 

Do sofrimento fiz o apostolado,

Como fizera de minha arte um hino,

Procurando o país indevassado

Do ideal luminoso de Aladino.

 

E fui de vale em vale, serra em serra,

Buscando a imagem fúlgida, incorpórea,

Do que chamamos — a felicidade.

 

Mas só colhi os frutos maus da Terra,

As promessas pueris da falsa glória,

E o triste engano da celebridade.
 

 

 

Hermes Fontes nasceu em Sergipe, na Vila de Boquim, em 1888, e suicidou-se no Rio de Janeiro em 26/12/1930. O soneto acima, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, cap. 33.
 



                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Outubro de 2011, 18:51
                                          VIVA JESUS!


        Boa-tarde! queridos irmãos.

              Não temas

Cornélio Bastos
 

Somente com Jesus a alma cansada

Volve à praia do amor no mar da vida,

O viajor errante encontra a estrada,

Que o reconduz à terra estremecida.

 

A esperança, adiada e emurchecida,

Refloresce ao clarão de outra alvorada;

Todo o trabalho e dor da humana lida

São luzes da vitória desejada.

 

Sem Jesus, cresce a treva entre os escombros;

Ama a cruz que te pesa sobre os ombros,

Vence o deserto áspero e inclemente.

 

A aflição inda é grande em cada dia?

Não desprezes a Doce Companhia,

Vai com Jesus! não temas! crê somente!



Professor, poeta e jornalista, Cornélio Bastos nasceu na capital de São Paulo em 26 de setembro de 1844 e desencarnou em Campos em 31 de janeiro de 1909. Foi grande abolicionista e espírita militante. O soneto acima, psicografado por Francisco Cândido Xavier, compõe o livro Parnaso de Além-Túmulo.





                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Outubro de 2011, 09:39
                                          VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                    Lágrimas

Auta de Souza
 

Benditas sejam, torturando embora,

As lágrimas que a vida transfigura

Na fonte generosa, viva e pura

De perfeição e luz para quem chora.

 

Lírios e estrelas de celeste alvura,

Entre as sombras da mágoa que aprimora,

Rolam do coração, lembrando a aurora

No imenso caos da imensa noite escura!...

 

Benditas sejam! Lágrimas divinas

Como flores brilhando sobre as ruínas,

Que a provação estende, véspera e franca...

 

Mas, acima da bênção que as alveja,

Ante a glória do amor, bendita seja

A mão da caridade que as estanca!

 

Do livro Auta de Souza, ditado pelo Espírito Auta de Souza, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.

 


                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 24 de Outubro de 2011, 08:38
   
CANTA,  CORAÇÃO

                                                                                                       ]
 
“Quem espera sempre alcança”,
Afirma velho rifão...
Coração, segue e confia,
Canta a vida, coração!
 
A Terra é escola de luta ;
A luta é a força de escol.
Todo sonho busca a frente,
Tudo espera, sob o Sol.
 
A semente espera a flor,
Que deitará no porvir
Anseia a flor pelo fruto,
O fruto espera servir.
 
A esperança é luz no tempo,
E o próprio tempo a conduz ;
Cada noite espera a aurora
A aurora espera mais luz.
 
Se hoje curtes, de alma aflita,
Provação, névoa,. pesar,
Amanhã é novo dia,
Não te canses de esperar.
 
“Quem espera sempre alcança”,
Afirma velho rifão...
Coração, segue e confia,
Canta a vida, coração!
 

 
(*) Poetisa, contista e romancista, exerceu o magistério até os últimos dias de sua existência terrena, tendo sido a primeira mulher a lecionar na
primeira Escola Normal do Estado do Ceará (Cf. Jangada, revista da Ala Feminina da casa de Juvenal Galeno, 1º trimestre de 1953, conferência de
de Maria Stella Barbosa de Araújo sobre Francisca Clotilde).Foi figura importante do “Clube Literário” do Ceará, em cujo órgão “A Quinzena” publicou vários sonetos «repassados de lirismo e cheios de beleza>>.colaborou ainda em diversos periódicos cearenses, e fundou a revista mensal A Estrela, de larga e brilhante existência. Como jornalista, a sua pena era das mais inflamadas, especialmente quando se tratava das questões de caráter nacional. Raimundo Magalhães e Mário Linhares referiram-se elogiosamente à «distinta patrícia», que foi grande amiga da juventude, sobretudo das crianças. (S. João de Inhamuns, hoje Tauá, Ceará, 19 de Outubro de 1862 – Aracati, Ceará, 8 de Dezembro de 1935.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 24 de Outubro de 2011, 08:40
Queridos amigos...

Bom dia, sejam bem-vindos a este espaço que é de vocês
Estão convidados a trazerem, seus poemas e poesias  de sua autoria ou de seus poetas preferidos

Abraços afetuoso
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 24 de Outubro de 2011, 08:41
CANÇÃO  DO  TEMPO

 
Ouve a esperança que te fala ao peito :
– “Hoje é o dia
De lavrar o coração
E plantar a alegria.”
     
No relógio da Terra, o tempo é curto...
Estende, agora, as mãos, enquanto é cedo.   
Sê mais feliz, fazendo almas felizes,   
Sem repouso e sem medo.       
 
Assevera o minuto: “faze logo.”
Diz a vida : “não temas.”
À plena luta, a chave da bondade
É solução em todos os problemas.       
 
Não mostres rosto triste.
Toda mágoa entorpece...
Conserva no semblante o riso que há no sol
E o louvor que há na prece.
 
Se podes trabalhar,
Reflete na semente
Que, lançada no solo,   
É o pão de tanta gente!...
 
Procura no perdão a paz de novo,
Não te abandones à ilusão da ira.       
Desculpa, de alma limpa, tantas vezes
Quantas vezes alguém te bata ou fira.
 
Não te prendas a dores de passagem,
Nem a posses terrenas...
Demoras-te no mundo
Por instantes apenas.
Todo mal que pratiques
É sombra a segregar-te em cativeiro; 
Mas todo bem que faças
É amor vibrando no Universo inteiro... 
 
Hoje é o dia de ajudar e abençoar, de entender e construir,
Segundo a fé que, em ti, refulge e arde.
Amanhã, outro dia talvez diga :
– “Não prossigas além, que é muito tarde...”

 
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Outubro de 2011, 13:26
                                      VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                 Despedida de Vital

Cornélio Pires
 

Lua cheia... Na choça a que se apega,

Morre Vital, velhinho, olhando o morro...

Por prece, escuta a arenga do cachorro,

Ganindo nas touceiras da macega.

 

Pobre amigo!... Agoniza sem socorro,

Chora lembrando o milho na moega...

Oitenta anos de lágrimas carrega

Na carcaça jogada ao chão sem forro.

 

Suando, enxerga um moço na soleira.

- “Eu sou leproso...” – avisa em voz rasteira,

Mas diz o moço, envolto em luz dourada:

 

- “Vital, eu sou Jesus! Venha comigo!...”

E o velho sai das chagas de mendigo

Para um carro de estrelas da alvorada.

 

Do livro O Espírito de Cornélio Pires, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.
 


         
                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 31 de Outubro de 2011, 09:20
                                           VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                À Maria
Bittencourt Sampaio
 

Eis-nos, Senhora, a pobre caravana

Em fervorosas súplicas, reunida,

Implorando a piedade, a paz e a vida,

De vossa caridade soberana.

 

Fortalecei-nos a alma dolorida

Na redenção da iniqüidade humana,

Com o bálsamo da crença que promana

Das luzes da bondade esclarecida.

 

Providência de todos os aflitos,

Ouvi dos Céus, ditosos e infinitos,

Nossas sinceras preces ao Senhor...

 

Que a nossa caravana da Verdade

Colabore no Bem da Humanidade,

Neste banquete místico do amor.

 

 

Sergipano, nascido na cidade de Laranjeiras, em 19 de fevereiro de 1834, Bittencourt Sampaio desencarnou no Rio de Janeiro em 10 de outubro de 1895. Foi político ativo, deputado por sua província em duas legislaturas, presidente do Espírito Santo, diretor da Biblioteca Nacional e jornalista de mérito. O soneto acima, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, integra o livro Parnaso de Além-Túmulo.




                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Novembro de 2011, 08:14
                                          VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                 Nova Abolição
 José do Patrocínio
 

Prossegue a escravidão implacável e crua...

Não mais senzala hostil, escura e desumana.

A incompreensão do amor, no entanto, continua

Em domínio cruel de que a treva se ufana.

 

Mas a luz do Senhor não teme, nem recua,

Na ansiedade e na dor, sublime, se engalana,

E, das graças do templo aos sarcasmos da rua,

Erige a liberdade augusta e soberana...

 

Irmãos do meu Brasil, encantado e divino,

Do Amazonas ao Prata ergue-se a Deus um hino

Que exalça no Evangelho a grandeza de um povo!

 

Fustiguemos o mal, combatendo a descrença,

Descortinando, além da noite que se adensa,

A alvorada feliz de um mundo livre e novo.

 

 

 

José do Patrocínio nasceu em Campos, Estado do Rio de Janeiro, em 9 de outubro de 1853 e desencarnou a 29 de janeiro de 1905. Farma­cêutico, jornalista, romancista, poeta, impetuoso político e grande orador, membro fundador da Academia Brasileira de Letras, foi uma das figuras máximas na campanha abolicionista, e todo o seu pensamento convergia para o bem da Humanidade. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, psicografado por Francisco Cândido Xavier.
 



                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 06 de Novembro de 2011, 07:36
                                           VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Agradeço, Senhor

Maria Dolores
 

Agradeço, Senhor,

Quando me dizes “não”

Às súplicas indébitas que faço,

Através da oração.

Muitas daquelas dádivas que peço,

Estima, concessão, posse, prazer,

Em meu caso talvez fossem espinhos,

Na senda que me deste a percorrer.

De outras vezes, imploro-te favores,

Entre lamentação, choro, barulho,

Mero capricho, simples algazarra,

Que me escapam do orgulho...

Existem privilégios que desejo,

Reclamando-te o “sim”,

Que, se me florescem na existência,

Seriam desvantagens contra mim.

Em muitas circunstâncias, rogo afeto,

Sem achar companhia em qualquer parte,

Quando me dás a solidão por guia

Que me inspire a buscar-te.

Ensina-me que estou no lugar certo,

Que a ninguém me ligaste de improviso,

E que desfruto agora o melhor tempo

De melhorar-me em tudo o que preciso.

Não me escutes as exigências loucas,

Faze-me perceber

Que alcançarei além do necessário,

Se cumprir o meu dever.

Agradeço, meu Deus,

Quando me dizes “não” com teu amor,

E sempre que te rogue o que não deva,

Não me atendas, Senhor!...

 

Do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.




                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 08 de Novembro de 2011, 09:02
                                          VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                  O beijo de Judas
 Olavo Bilac
 

Ouve-se a voz do Mestre ungida de ternura:

– “Amados, eu vos dou meus últimos ensinos;

Na doce mansidão dos seres pequeninos,

Trazei a vossa vida imaculada e pura!

 

O Amor há de vos dar todos os dons divinos;

Eterna irradiação que atinge a mais escura

Estrada de aflição, de dor e desventura,

Raio de eterno sol na senda dos destinos.

 

Derramai com piedade a lágrima terrestre!”

Mas eis que Judas chega e lhe diz: — “Salve, Mestre!”

E toma-lhe das mãos, osculando-lhe a fronte...

 

E Jesus abençoando aquelas almas cegas,

Responde humildemente: — “É assim que tu me entregas?”

Vendo as coortes do Céu nas fímbrias do horizonte...

 

 
 

Natural do Rio de Janeiro, o poeta Olavo Bilac nasceu em 16 de dezembro de 1865 e ali faleceu em 1918. Considerado, ao seu tempo, o Príncipe dos poetas brasileiros, foi sócio fundador da Academia Brasileira de Letras. O soneto acima, psicografado por Francisco Cândido Xavier, faz parte do Parnaso de Além-Túmulo.
 




                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: HelenaBeatriz em 08 de Novembro de 2011, 09:45
[attachimg=1 align=right width=350]Se você quer conhecer seu passado,
olhe para suas circunstâncias atuais.
Se quer conhecer seu futuro,
 olhe para o que está em sua mente.
 Se sabemos que nosso destino está em nossas mãos,
 então a qualidade de nossas ações se torna um ponto central.
(DA)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: HelenaBeatriz em 08 de Novembro de 2011, 09:52
Desejo a todos uma terça feliz, com muita paz!
-----------------------------------------------------------------------------------
[attachimg=1 align=right width=250]Nem nos céus,
nem no meio do oceano,
 nem se refugiando no antro d’uma montanha,
Não se conhece lugar nenhum nesta terra onde,
permanecendo, possa um homem escapar (das consequências) de sua má ação.
(DA)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Novembro de 2011, 18:35
                                         VIVA JESUS!


        Boa-tarde! queridos irmãos.

               Do último dia
 Alberto de Oliveira
 

O homem, no último dia, abatido em seu horto,

Sente o extremo pavor que a morte lhe revela;

Seu coração é um mar que se apruma e encapela,

No pungente estertor do peito quase morto.

 

Tudo o que era vaidade, agora é desconforto.

Toda a nau da ilusão se destroça e esfacela

Sob as ondas fatais da indômita procela,

Do pobre coração, que é náufrago sem porto.

 

Somente o que venceu nesse mundo mesquinho,

Conservando Jesus por verdade e caminho,

Rompe a treva do abismo enganoso e perverso!

 

Onde vais, homem vão? Cala em ti todo alarde,

Foge dessa tormenta antes que seja tarde:

Só Jesus tem nas mãos o farol do Universo.

 

 

Fluminente, nascido em Palmital de Saquarema em 1859, e falecido em Niterói, em 1937, Alberto de Oliveira foi farmacêutico, mas dedicou-se principalmente ao Magistério. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, parnasiano de escol, foi tido como Príncipe dos Poetas de sua geração. O soneto acima, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, faz parte do livro Parnaso de Além-Túmulo.




                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Novembro de 2011, 08:41
                                      VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                 Ricos, ouvi

 Emílio de Menezes
 

Aflito peregrim, que na carne conservas

Cofre, arca, tesouro e riquezas humanas,

Converte em pão e luz pecúlios e reservas

Em prol de quem padece à míngua nas choupanas.

 

Criaturas, na Terra, existem como servas

Atadas ao grilhão da posse, em feras ganas,

No sinistro prazer das mentiras protervas (1),

Aos priscos sonhos vis das ilusões vesanas. (2)

 

Ao homem que se esquece e jamais se vigia,

A fortuna mais alta é cárcere e desdouro...

Enriquece de amor a existência vazia.

 

Destruirás, desde agora, o ergástulo vindouro

Que encerra a alma infeliz nas raias da agonia,

Qual soterrado vivo em mausoléu de ouro.

 


(1) Proterva - impudente, petulante, insolente, descarada. 

(2)  Vesana - demente, insensata, delirante; que revela vesânia.


Emílio de Menezes nasceu em Curitiba-PR em 4 de julho de 1866 e faleceu no Rio de Janeiro-RJ em 6 de junho de 1918. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada por Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.





                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 14 de Novembro de 2011, 01:24

                         (http://i241.photobucket.com/albums/ff238/arte_bucket_2007/Semttulobemvindos.jpg)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 14 de Novembro de 2011, 01:30

(http://i1032.photobucket.com/albums/a405/ellak01/fairy%20love%203/Fantacy-Pictures-fantasy-art-893166.jpg)



SILÊNCIO

 

Quando a palavra não seja

Estrutura definida

De luz, esperança e vida,

Nas falas que vêm e vão...

Modifica o assunto em pauta,

Guardando-a no grande arquivo

Do silêncio claro e vivo

Em que pulsa o coração.

 

É na escola social

Que a vida se aperfeiçoa;

Mesmo que a prova doa,

Nunca censures ninguém...

Se falas, fala evitando

Conflito, maldade e luta;

Auxilia a que te escuta

Para o cultivo do bem.

 

As frases de sombra e lama,

Quando a queixa nos procura,

São lâminas de loucura,

Lembrando finos punhais...

São armas das mais estranhas

Nos mais estranhos perigos,

Matando grupos amigos

Ou abrindo chagas mortais.

 

Ninguém existe sem erros...

Se alguém te ofende ou injuria,

Perdoa!...O tempo em vigia

Corrige crentes e ateus.

Se alguém te fere, silêncio!...

Segue a luz em que te elevas;

o poder que vence as trevas

É a força do amor de Deus.

 

Do livro Momentos de Ouro. Psicografia de Frâncico Cândido Xavier.
Espírito: Maria Dolores


 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Novembro de 2011, 08:12
                                       VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Assunto de morrer
 
 
Quer você saber em carta,

Meu caro Joaquim Mamede,

Depois da morte do corpo

Aquilo que nos sucede.

 

A resposta necessária

Pede à gente tanto estudo,

Que muito desencarnado,

Neste ponto, fica mudo.

Digo, porém, a você

Sem a menor pretensão

Tanto a morte, quanto a vida

Exigem preparação.

 

Você sabe: sempre erramos,

Conforme o senso comum

Mas guarde a paz em si mesmo,

Não guarde remorso algum.

 

Trate o corpo com cuidado,

Imite o zelo de alguém

Que tendo uma enxada só,

Protege a enxada que tem.

 

Não chore as crises da Terra,

Que a própria vida se arruma,

Dos problemas que carregue

Não faça queixa nenhuma.

 

A favor da paz dos outros,

Ante a fé na qual se ampara,

Perdoe qualquer prejuízo,

Agüente tapa na cara.

 

Merece muito de Deus,

Quem poda sombra ou pesar,

Ajudando aos companheiros

Lutando sem reclamar.

 

Trabalhe quanto puder,

Quanto puder faça o bem,

Não há ninguém sem valor

Não pense mal de ninguém.

 

Julgar os outros? Desista,

É questão em que não entro,

Cada qual mostra por fora

Aquilo que traz por dentro.

 

As vezes vemos na Terra

O crime ou a perturbação,

Mas lembre: vemos o mal,

Deus considera a intenção.

 

Fale menos, pense mais,

Cultive a comida pouca

Muita gente lembra peixe

Que se perde pela boca.

 

No copo muita atenção,

Naquilo que se recebe,

Em qualquer tempo, não tome

Água que gato não bebe.

 

Quanto ao mais cumpra o dever,

Recordando com juízo,

Que a morte é assim como a lei:

Chega sempre que é preciso.


 
Poema psicografado por Francisco Cândido Xavier, extraído do livro “Retratos da Vida", cap. 16, de Cornélio Pires.
 



                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Novembro de 2011, 11:00
                                         VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Sinos

Escuto ainda a voz dos campanários

Entre aromas de rosas e açucenas,

Vozes de sinos pelos santuários,

Enchendo as grandes vastidões serenas...

 

E seguindo outros seres solitários,

Retomo velhos quadros, velhas cenas,

Rezando as orações dos Septenários,

Dos Ofícios, dos Terços, das Novenas...

 

A morte que nos salva não nos priva

De ir ao pé de um sacrário abandonado,

Chorar, como inda faz a alma cativa!

 

Ó sinos dolorosos e plangentes,

Cantai, como cantáveis no passado,

Dizendo a mesma Fé que salva os crentes!

 

 

Afonso Henrique da Costa Guimarães, poeta mineiro, natural de Ouro Preto, nasceu em 24 de julho de 1870 e desencarnou em 15 de julho de 1921. Magistrado, jornalista e poeta, notabilizou-se principalmente pela tonalidade mística de sua poesia, como se observa em suas obras: Dona Mística, Septe­nário das Dores, Kiriale, Escada de Jacob, etc. O soneto acima faz parte do livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.
 



                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Novembro de 2011, 07:45
                                       VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Meditando


Ao fitar a noite com sua magnitude,
Do povoado céu de luzes estelares,
Ou do cinzento e escuro anoitecer.

Meus olhos vêem estrelas infindáveis
E ao mesmo tempo um vazio sem fim
Como se eu fosse uma semente
Abandonada no jardim.

Em minha mente vejo com curiosidade
A vastidão do espaço infinito
E vejo a pequenez que em mim se funde.
Mas na noite ou no dia mais brilhante,
Nada seria tão interessante
Não fosse eu essa semente tosca.

Porque em meu bojo carrego a força,
Força maior que o Pai me deu.
Sou semente do amor de Deus,
Que me criou para a eternidade
Embora milênios fossem precisos
Para eu em fim desabrochar.

Sou semente.
Carrego em mim o que preciso
Para aprender e evoluir
E agradeço ao nosso Pai
Porque só Ele me fez assim.

 

Poema classificado em 2º lugar no concurso “Sementes de Amor”, promovido pela USE Vila Maria, de São Paulo (SP), em 2005.




                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 20 de Novembro de 2011, 08:12
                                        VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Confissão e prece

Maria Dolores
 

Senhor Jesus!...

Enquanto orava, ainda hoje,

Pedindo auxílio e inspiração,

Uma voz que vertia do Mais Alto

Disse-me ao coração:

– Deus nos criou a fim de que sejamos

Um templo vivo para o amor sem fim,

Um pouso sempre assim

De portas para a luz e abertas para o bem,

Que, momento a momento, lhe arrecade

Os tesouros de paz e de bondade

Para servir sem perguntar a quem...


É por isto, Jesus, que te venho rogar:

Reconstrói a minh’alma pequenina...

Entre a luta que vem e as lutas que se vão,

Assemelho-me à estreita construção

Que o caruncho arruína.

Tão pobre qual me encontro e qual me aceitas,

Apresento-te o piso esburacado,

As brechas do telhado,

As paredes lodosas e imperfeitas...

 

Contempla em mim as cargas do recinto

Atulhado de erros e de enganos,

Na sucata infeliz de meus dias insanos

Sobre o imenso pesar dos remorsos que sinto.

Deixa que a dor me alije o peso da amargura

E ensina-me, Senhor, a recebê-la,

Qual a noite nublada acolhendo uma estrela

Para fugir da treva em que se desfigura.

 

Não importa minh’alma a ralar-se esquecida

Aos golpes da aflição em que me vejo.

Poda-me o coração, alimpa-me o desejo,

Anseio renovar-me ao ar puro da vida.

Que me atribule e sofra, ante a luz que me alcança,

Mas que eu seja contigo e sempre em ti, Senhor,

Um canteiro de paz no campo da esperança,

Um refúgio de fé e uma bênção de amor.

 

Do cap. 15 do livro Diálogo dos Vivos, obra de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos.




                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Novembro de 2011, 15:56
                                         VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.


               Óh abelhinha feliz
Que vai voando,
Ziguezagueando,
Como a luz diretriz

Pelos jardins do mundo,
Poliniza as flores,
P’ra acabar com as dores,
Brotando amor fecundo.

Ela segue cantando,
Sem ferrão, sem veneno,
Flor d’um sorriso ameno,
N’alma qu’está vagando.

Se enche d’harmonia
Transportando o mel,
Como a nuvem no céu,
Chove gotas d’alegria.

É pois, muito gentil
Insetinho obreiro,
Trabalha por inteiro,
A paz tão sutil.

Seja você abelha,
Um ponto de luz,
Que no coração reluz
O clarão da Centelha.

E faz da sua parte,
Uma bela arte
P’ra renovar o velho.
Pois és tu abelhinha,
Uma só palavrinha
do nosso Evangelho.

       Arthur da Paz



                                                              PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Novembro de 2011, 08:19
                                         VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                Deus está em tudo
 

Percebo Deus em toda a Natureza:
 

No mar, no céu, nas matas, na alegria
 

de ser Poeta, e digo com certeza
 

que Dele a Paz me vem na Poesia.

 

 Também eu sinto Deus no ar dos campos,
 

No Sol do amanhecer, com seu brilhar,
 

e até mesmo na luz dos pirilampos
 

Ele aparece para iluminar.

 
 

Em tudo o Criador está presente,
 

seja na planta ou mesmo na semente
 

e em todas expressões que tem a Arte.

 
 

E, finalmente, no meu coração,
 

Acelerado de tanta emoção,
 

Encontro Deus, que dele já faz parte!

O poeta José Viana Gonçalves reside em Campos dos Goytacazes (RJ).




                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Novembro de 2011, 08:39
                                       VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

              Nada...
Antônio Torres
 

Nada! ... Filosofia rude e amara,

Na qual acreditei, com pena embora

De abandonar a Crença que esposara,

— A minha aspiração de cada hora.

 

Crença é o perfume dalma que se enflora

Com a luz divina, resplendente e rara

Da Fé, única Luz da única Aurora,

Que as trevas mais compactas aclara.

 

Revendo os dias tristes do Passado,

Vi que troquei a Fé pela Ironia,

Nos desvios e excessos da Razão;

 

Antes, porém, não fosse tão ousado,

Pois nem sempre a Razão profunda e fria

Alivia ou consola o Coração.

 
Antônio Torres nasceu em Diamantina (MG) em 1885, falecendo em 1934 na cidade de Hamburgo, como cônsul adjunto do Brasil. Ordenou-se sacerdote, mas abandonou mais tarde a profissão ecle­siástica. Foi poeta e escritor. O soneto acima, psicografado por Francisco Cândido Xavier, integra o Parnaso de Além-Túmulo.




                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Novembro de 2011, 08:16
                                         VIVA JESUS!


          Bom-dia! queridos irmãos.

                  Dois de Novembro

Alphonsus de Guimarães
 

A alma presa das lágrimas terrenas,

Lembrando a alma que busca o mundo etéreo,

Hoje espalha na paz do cemitério

Um dilúvio de rosas e açucenas...

 

Mas das luzes puríssimas do império

Das plagas bonançosas e serenas,

Vimos nós mitigar as vossas penas,

Na divina jornada do mistério.

 

O nosso imensurável campo-santo

É toda a Terra, imersa em mágoa e pranto,

Onde estão nossos mortos soterrados

 

No sepulcro da carne apodrecida,

No turbilhão de lágrimas da vida,

Entre as sombras da dor e dos pecados!...

Soneto psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, do livro Lira Imortal, obra ditada por Espíritos Diversos.





                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 01 de Dezembro de 2011, 07:58
                                         VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

              Alma do Amor

Cruz e Souza
 
Alma do Amor, cansada, erma e fremente,

 

Arrastando o grilhão das próprias dores,

 

Sustenta a luz da fé por onde fores,

 

Torturada, ferida, descontente...

 


 

Nebulosas, estrelas, mundos, flores

 

Rasgam, vibrando, excelso trilho à frente...

 

Tudo sonha, buscando o lume ardente

 

Do eterno amor de todos os amores!

 
 

 

Alma, de pés sangrando senda afora,

 

Humilha-te, padece, chora, chora,

 

Mas bendize o teu santo cativeiro...

 
 

 

Não esperes ninguém para ajudar-te,

 

Ama apenas, que Deus, em toda a parte,

 

É o sol do amor para o Universo inteiro.

 

 

Filho de pais escravos, Cruz e Souza é a figura mais expressiva do Simbolismo no Brasil e, ao lado de Mallarmé e Stefan George, um dos grandes nomes do movimento simbolista no mundo. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.




                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 02 de Dezembro de 2011, 14:15
                                        VIVA JESUS!


        Boa-tarde! queridos irmãos.

              Versos a meu corpo

Tombaste, enfim, cansado, vaso amigo,

Já não posso dizer-te: “luta e ama!”

Companheiro sereno de meu drama,

Não sofreste no mundo, em vão, comigo.

 

Lâmpada que guardaste a etérea chama

Das dores que vivi... Roupa e jazigo...

Unindo as nossas lágrimas, prossigo

Ante o porvir que a morte me reclama.

 

Parto agora, buscando novo ninho...

Não te deixo, porém, triste ou sozinho,

Nas surpresas que o túmulo descerra...

 

Mesmo atirado à sombra que se espalma,

Terás contigo os sonhos de minhalma,

Nas flores que te cobrem sobre a terra.

 
 

João Ferreira LEITE JÚNIOR, poeta e jornalista, usou vários pseudônimos. Funcionário da Fazenda, serviu na Delegacia Fiscal de Curitiba e do Rio de Janeiro. Foi autor de “Ritual” e numerosas poesias esparsas. O soneto acima consta do livro “Antologia dos Imortais” – psicografado por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.




                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Dezembro de 2011, 06:54
                                         VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                   Mensagem de companheiro  


A ti, meu irmão, que assumiste comigo os pesados encargos da existência num sanatório de hansenianos, sem possibilidades de cura física; a ti, para quem a ciência da Terra não conseguiu trazer, tanto quanto a mim, o medicamento salvador; a ti, que não tiveste, qual me ocorreu, a consolação dos egressos; a ti, que sofres entre a fé viva e a dúvida inquietante, entre a tentação à revolta e a aceitação da prova, acreditando-te frequentemente esquecido pelas forças do céu, ofereço a lembrança fraternal destes versos:

Não te admitas réu de afrontosa sentença,

Largado de hora em hora à sombra em que te esmagas,

Varando tanta vez humilhações e pragas

À feição de calhaus da humana indiferença.

 

Crueldade, paixão, injúria, crime, ofensa

Criaram-nos, um dia, a estamenha de chagas!…

No pretérito abriste o espinheiro em que vagas

E, embora a provação, trabalha, serve e pensa.

 

Ânsia, tribulação, abandono, amargura

São recursos da lei com que a lei nos depura

O coração trancado em nódoas escondidas…

 

Bendize, amado irmão, as feridas que levas,

A dor extingue o mal e o pranto lava as trevas

Que trazemos em nós dos erros de outras vidas.


Do cap. 5 do livro Na Era do Espírito, obra de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.





                                                          PAZ, MUITA PAZ!
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: HelenaBeatriz em 06 de Dezembro de 2011, 15:25
Uma terça de paz para todos!
---------------------------------------------------------------------------------------
[attachimg=1 align=left width=300]As vezes construímos sonhos em cima de grandes pessoas.
O tempo passa...
e descobrimos que grandes mesmo eram os sonhos
e as pessoas pequenas demais para torná-los reais...
(Bob Marley)
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 08 de Dezembro de 2011, 11:40
                                             VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Versos a meu corpo

Tombaste, enfim, cansado, vaso amigo,

Já não posso dizer-te: “luta e ama!”

Companheiro sereno de meu drama,

Não sofreste no mundo, em vão, comigo.

 

Lâmpada que guardaste a etérea chama

Das dores que vivi... Roupa e jazigo...

Unindo as nossas lágrimas, prossigo

Ante o porvir que a morte me reclama.

 

Parto agora, buscando novo ninho...

Não te deixo, porém, triste ou sozinho,

Nas surpresas que o túmulo descerra...

 

Mesmo atirado à sombra que se espalma,

Terás contigo os sonhos de minhalma,

Nas flores que te cobrem sobre a terra.

 
 

João Ferreira LEITE JÚNIOR, poeta e jornalista, usou vários pseudônimos. Funcionário da Fazenda, serviu na Delegacia Fiscal de Curitiba e do Rio de Janeiro. Foi autor de “Ritual” e numerosas poesias esparsas. O soneto acima consta do livro “Antologia dos Imortais” – psicografado por Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.




                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 09 de Dezembro de 2011, 20:30
                                         VIVA JESUS!


        Boa-noite! queridos irmãos.

                Morte
 

Silenciosa madona da tristeza,

A morte abriu-me as catedrais radiosas,

Onde pairam as formas vaporosas

Do país ignorado da Beleza.

 

Num dilúvio de lírios e de rosas,

Filhos da luz de uma outra Natureza,

Que entornavam no espaço a sutileza

Dos incensos das naves harmoniosas!

 

Monja de olhar piedoso, calmo e austero,

Que traz à Terra um tênue reverbero

Da mansão das estrelas erradias...

 

Irmã da paz e da serenidade,

Que abriu meus olhos na Imortalidade,

À esperança de todos os meus dias!

 

 

Abel Gomes foi escritor, poeta e professor, nascido em Minas Gerais a 30 de dezembro de 1877 e falecido a 16 de agosto de 1934. Espírito dinâmico, deixou alguns livros inéditos, dos quais dois já editados pela Federação, além de copiosa obra esparsa. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, psicografado por Francisco Cândido Xavier.

 


                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Dezembro de 2011, 09:00
                                           VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

               No Horto

 

Tristemente, Jesus fitando os céus, em prece,

Vê descer da amplidão o Arcanjo da Agonia,

Cuja mão luminosa e terna lhe trazia

O cálix do amargor, duríssimo e refece. (1)

 

— “Se puderdes, meu Pai, afastai-o!...” — dizia,

Mas eis que todo o Azul celígeno (2) estremece;

E do céu se desprende uma doirada messe (3)

De bênçãos aurorais, de Paz e de Alegria.

 

Paira em todo o recanto a vibração sonora

Do Amor e o Mestre já na sede que o devora,

De imolar-se por fim nas aras (4) desse Amor,

 

Sente a Mão Paternal que o guia na amargura,

E sublime na fé mais vívida, murmura:

— “Que se cumpra no mundo o arbítrio do Senhor!...”

 
 

(1) Refece -  de maus sentimentos; miserável, infame, ordinário.
(2) Celígeno -  procedente do céu.
(3) Messe - ceifa, colheita.
(4) Aras  - plural de ara: altar. Ara da cruz: a cruz em que foi crucificado Jesus Cristo.


Natural do Rio de Janeiro, Olavo Bilac nasceu em 16 de dezembro de 1865 e faleceu em 1918. Considerado, ao seu tempo, o Príncipe dos Poetas Brasileiros, foi Sócio fundador da Academia Brasileira de Letras. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.




                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Dezembro de 2011, 08:51
                                        VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 Evolução

A evolução é tema complexo. A compreensão integral da marcha evolutiva do Espírito é coisa que nos escapa, na fase em que nos encontramos. Sabemos que ela se dá e é conquista de cada ser, mas nossa percepção dessa jornada é fragmentária.

Desconhecemos nosso início, desde a mônada fundamental, e os passos dados por esse princípio inteligente, na esteira dos séculos, até o estágio atual. É trajetória fascinante que um dia haveremos de compreender na sua plenitude.

Sobre o assunto, encantam-nos os sonetos abaixo transcritos, nos quais os poetas, realizando sínteses admiráveis, expressam com beleza e rara felicidade os passos dessa caminhada do Espírito.

JORNADA (1)

Adelino da Fontoura Chaves
 

Fui átomo, vibrando entre as forças do Espaço,

Devorando amplidões, em longa e ansiosa espera...

Partícula, pousei... Encarcerado, eu era

Infusório do mar em montões de sargaço.
 

Por séculos fui planta em movimento escasso,

Sofri no inverno rude e amei na primavera;

Depois, fui animal, e no instinto da fera

Achei a inteligência e avancei passo a passo...


Guardei por muito tempo a expressão dos gorilas,

Pondo mais fé nas mãos e mais luz nas pupilas,

A lutar e chorar para, então, compreendê-las!...


Agora, homem que sou, pelo Foro Divino,

Vivo de corpo em corpo a forjar o destino

Que me leve a transpor o clarão das estrelas!...


EVOLUÇÃO (2)

Antero de Quental (1842-1891)

Fui rocha, em tempo, e fui, no mundo antigo,

Tronco ou ramo na incógnita floresta...

Onda, espumei, quebrando-me na aresta

Do granito, antiquíssimo inimigo...

 

Rugi, fera talvez, buscando abrigo

Na caverna que ensombra urze e giesta;

Ou, monstro primitivo, ergui a testa

No limoso paul, glauco pascigo...

 

Hoje sou homem — e na sombra enorme

Vejo, a meus pés, a escada multiforme,

Que desce, em espirais, na imensidade...

 

Interrogo o infinito e às vezes choro...

Mas, estendendo as mãos no vácuo, adoro

E aspiro unicamente à liberdade.


EVOLUÇÃO (3)

Rubens C. Romanelli

De muito longe venho, em surtos milenários;

Vivi na luz dos sóis, vaguei por mil esferas

E, preso ao turbilhão dos motos planetários,

Fui lodo e fui cristal, no alvor de priscas eras.

 

Mil formas animei, nos reinos multifários:

Fui planta no verdor de frescas primaveras

E, após sombrio estágio entre os protozoários,

Galguei novos degraus: fui fera dentre as feras.

 

Depois que em mim brilhou o facho da razão,

Fui o íncola feroz das tribos primitivas

E como tal vivi, por vidas sucessivas.

 

E sempre na espiral da eterna evolução,

Um dia eu transporei os círculos do mal

E brilharei na luz da Essência Universal.


A síntese, em tema complexo e de forma tão abrangente, sobretudo vazada em soneto, é admirável. Partem do princípio ao puro Espírito!

ADELINO da FONTOURA Chaves nasceu em Axixá, Maranhão, em 30.03.1855 e desencarnou em Lisboa, Portugal, em 02.05.1884.

Foi, portanto, contemporâneo do poeta português, ANTERO Tarquínio de QUENTAL, que viveu de 1842 a 1891; contudo, o soneto de sua lavra foi psicografado neste século, pelo médium Francisco C. Xavier, e publicado em 1962.

Teria o Espírito conhecimento dos textos do vate lusitano e do Professor Romanelli? E este último conheceu os outros dois sonetos? Afinal, são especulações irrelevantes, uma vez que são criações distintas, enfocando o mesmo assunto.

Quanto ao Professor Rubens Romanelli, a segunda edição de "O Primado do Espírito" não oferece seus dados biográficos. Indica apenas datas de publicações de livros e discursos de sua autoria, no período que vai de 1940 a 1960, em Belo Horizonte, MG.

Sentimo-nos no dever de divulgar as três peças literárias, para compartilhar esses preciosos tesouros com aqueles que sabem apreciar o belo e reconhecem a evolução como dádiva celeste!

 

Referências bibliográficas:

1. XAVIER, Francisco C. Antologia dos Imortais. 2ª. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1983. 345p. p. 33/4;

2. MESQUITA, Ary (org.). O Livro de Ouro da Poesia Universal. Rio de Janeiro: Ediouro, 1988. 533p. p. 490;

3. ROMANELLI, Rubens C. O Primado do Espírito. 2ª. ed. Belo Horizonte - 1960 (Não menciona Editora). O livro "O Primado do Espírito" foi reeditado por "Publicações Lachâtre".


       Gebaldo José de Sousa





                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Dezembro de 2011, 08:39
                                         VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Ante o Natal
 

Lembrando-te, Senhor,

A glória ao desabrigo,

Aspiramos a ser

Migalha do Natal permanente contigo!...

Faze-nos esquecer

As fraquezas e os erros que trazemos

E acolhe-nos na luz,

Na luz eterna dos teus dons supremos. . .

Deixa que nós sejamos,

Na exaltação do bem que a tua vida encerra,

Inda que seja um traço pequenino

Do amor com que iluminas toda a Terra!...

Concede-nos a bênção de espalhar,

Junto daqueles que a penúria alcança,

O pão que supre a mesa

E o verbo da esperança!

Onde a tristeza surja e a revolta se expanda

Em tormenta sombria,

Queremos ser contigo

A semente da paz e o toque de alegria.

Onde o infortúnio chore

Um sonho semimorto

Anelamos doar, na força de teu nome,

A palavra de vida e reconforto!

Ante o natal de volta às províncias do Mundo

Na doce comoção que nos invade

Transforma-nos por fim, em parcela bendita

Da Celeste Bondade!

Ampara-nos, Senhor, até que um dia,

Além de nossas trilhas inseguras

Possamos nós também cantar, na harmonia dos Anjos:

- Glória a Deus nas Alturas!...

 

Do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.





                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Dezembro de 2011, 09:11
                                          VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

                Missiva  ao  companheiro

Toda vitória insensata,

Além, na Luz Infinita,

Tem gosto de patarata (1)

Que não sofre contradita.

 

O orgulho é a velha bravata

Que a morte desfaz sem grita,

Deixando mofo e sucata,

Revolta, choro, desdita...

 

Somente a vida correta,

Guardando Jesus por meta,

Faz a estrada livre e enxuta.

 

Se não queres a derrota

Da ilusão que abraça e enxota,

Trabalha, edifica e luta.

 

 

(1) Patarata é o mesmo que ostentação ridícula; mentira jactanciosa; patacoada.

 

Alfredo Nora foi funcionário da Central do Brasil. Poeta e jornalista brilhante, colaborou em várias revistas e jornais. Natural de Piraí-RJ, onde nasceu em 18/11/1881, desencarnou em 13/11/1948. O soneto acima integra o livro “Antologia dos Imortais”, psicografado pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.




                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Dezembro de 2011, 18:50
                                         VIVA JESUS!


        Boa-tarde! queridos irmãos.

               Estrelas  

Estrelas de belezas sem fim,

Pobre de mim...

Que as vejo tão distante,

Enquanto eu aqui, tão arrogante...

Pensando controlar e dominar o Mundo...

Ora, estrelas do Infinito!

Onde repousam na imensidão dos Céus.

Sei que vigiam para o Senhor,

Os nossos passos,

Mas, cuidem,

Queridas filhas do Cosmo.

Desse peregrino que segue,

A mercê de si e de suas dores,

Exilado de seus amores.

Eternizem estrelas do Firmamento,

O Aprisco de  Jesus,

O Pastor que as tangem, 

Em cada entardecer,

Para povoar os Céus de Luz, Alegria e Amor. 

 

Um Espírito peregrino

 

(Psicografia recebida durante a reunião de fluidoterapia e apresentação musical de Evelyn Spínola, na Casa do Caminho Ave Cristo, em 17.12.2011, Birigui)

Médium Dr. Vilson Disposti





                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Dezembro de 2011, 16:44
                                        VIVA JESUS!


         Boa-tarde! queridos irmãos.

               DESEJOS

Desejo primeiro que você ame,
E que amando, também seja amado.
E que se não for, seja breve em esquecer.
E que esquecendo, não guarde mágoa.
Desejo, pois, que não seja assim,
Mas se for, saiba ser sem desesperar.

Desejo também que tenha amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Você possa confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que você tenha inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Você se interpele a respeito
De suas próprias certezas.
E que entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que você não se sinta demasiado seguro.

Desejo depois que você seja útil,
Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para manter você de pé.


Desejo ainda que você seja tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Você sirva de exemplo aos outros.

Desejo que você, sendo jovem,
Não amadureça depressa demais,
E que sendo maduro, não insista em rejuvenescer
E que sendo velho, não se dedique ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.

Desejo por sinal que você seja triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubra
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.

Desejo que você descubra ,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes, e que estão à sua volta.

Desejo ainda que você afague um gato,
Alimente um cuco e ouça o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, você se sentirá bem por nada.

Desejo também que você plante uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhe o seu crescimento,
Para que você saiba de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.

Desejo, outrossim, que você tenha dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloque um pouco dele
Na sua frente e diga “Isso é meu”,
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.

Desejo também que nenhum de seus afetos morra,
Por ele e por você,
Mas que se morrer, você possa chorar
Sem se lamentar e sofrer sem se culpar.

Desejo por fim que você sendo homem,
Tenha uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenha um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a te desejar

        Victor Hugo



                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 23 de Dezembro de 2011, 10:42
                                         VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                O Amor Não Amado...  

Eis que lá das estrelas, Ó Rei celeste,
tu vens nascer na gruta, num frio agreste.
Ó Menino, meu divino,
eu te vejo aqui tremer.
Ó Verbo Encarnado,
oh quanto te custou ter-me amado.

Eis faltam ao Senhor Deus das alturas
os panos e o calor das criaturas.
Meu divino Pequenino,
tal pobreza grande assim
mais me enternece
se penso que é o amor que te empobrece!

Gozando lá no céu toda a ventura,
tu sofres nessas palhas tantas agruras.
Doce eleito do meu peito,
aonde vais em teu amor?
Jesus, eu penso:
por que sofrer assim? – Ó amor imenso!

Mas se é tua vontade sofrer tanto,
por que chorar assim sentido pranto?
Terno Esposo, Deus ditoso,
meu Jesus, compreendo, sim,
Senhor querido:
tu choras, não de dor... – de amor ferido!

Tu choras porque sabes o meu pecado:
depois de tanto amor não ser amado...
Ó eleito de meu peito,
se o passado foi assim,
eu só reclamo
que tu não chores mais, porque já te amo!

E quando estás assim adormecido
teu coração não dorme, enternecido!
Deus amado, imaculado!
Em que pensas tu então?
"Penso na morte,
que hei de sofrer por ti!" – Que amor tão forte!

Morrer por mim, meu Deus, é teu anseio!
E que outro amor hei de eu trazer no seio?
Ó Maria, minha guia:
se não sei amar Jesus,
a ti eu chamo.
Amá-lo vem por mim, pouco o amo...

Santo Afonso Maria de Ligório
(Tradução de Caio Siqueira de Toledo)



                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 25 de Dezembro de 2011, 13:17
                                            VIVA JESUS!


       Bom-dia! queridos irmãos.

                
Na noite de Natal
 
Noite de Paz e amor! Repicam sinos,

Doces, harmoniosos, cristalinos,

Cantando a excelsitude do Natal!...

A estrela de Belém volta, de novo,

A brilhar, ante os júbilos do povo,

Sob a crença imortal.

De cada lar ditoso se irradia

A glória da amizade e da harmonia,

Em festiva oração;

Une-se o noivo à noiva bem-amada,

Beija o filho a mãezinha idolatrada,

O irmão abraça o irmão.

 

Dentro da noite, há corações ao lume

E há sempre um bolo, em vagas de perfume,

Sob claro dossel...

Em edens fechados de carinho,

De esperança e de mel.

Mas, lá fora, a tristeza continua...

Há quem chora sozinho, em plena rua,

Ao pé da multidão;

Há quem clama piedade e passa ao vento,

Ralado de tortura e sofrimento,

Sem a graça de um pão.

 

Há quem contempla o céu maravilhoso,

Rogando à morte a bênção do repouso

Em terrível pesar!

Ah! Como é triste a imensa caravana,

Que segue, aflita, sob a treva humana

Sem consolo e sem lar...

Tu, que aceitaste a luz renovadora

Do Rei que se humilhou na manjedoura

Para amar e servir,

Volve o olhar compassivo à senda escura,

Vem amparar os filhos da amargura,

Que não podem sorrir.

 

Desce do pedestal que te levanta

E estende a mão miraculosa e santa

Ao desalento atroz;

Para unir-nos no Amor, fraternalmente,

Desceu Jesus do Céu Resplandecente

E imolou-se por nós.

Vem medicar quem geme na calçada!...

Oferece à criança abandonada

Um velho cobertor;

Traze a quem sofre a lúcida fatia

Do teu prato de sonho e de alegria,

Temperado de amor.

 

Visita as chagas negras da mansarda

Onde a miséria súplice te aguarda

Em nome de Jesus,

Há muita criança enferma, quase morta,

Que só pede um sorriso brando à porta,

Para tornar à luz.

Natal!... Prossegue o Mestre, de viagem,

Em vão buscando um quarto de estalagem,

Um ninho pobre, em vão!...

E encontra sempre a cruz, ao fim da estrada,

Por não achar socorro, nem pousada

Em nosso coração.

 
Z
Do livro Antologia Mediúnica do Natal, por Espíritos Diversos, psicografado
por Francisco Cândido Xavier.

 

                                                               PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Dezembro de 2011, 08:59
O  ATEU
 

Sujeito que clama e berra
Contra a vida a que se agarra,
Vive em perene algazarra
Colado aos brejais da terra.
 
Do raciocínio faz garra
Com que à verdade faz guerra,
Na desdita em que se aferra,
À ilusão em que se amarra.
 
De mente sempre na birra
Ouve a ambição que lhe acirra
A paixão que o liga à burra.
 
Mas a luz divina jorra
E a vida ganha a desforra
Na morte que o pega e surra.
 

 
[/i]

Alfredo Nora – Francisco Cândido Xavier)
 
Brilhe Vossa Luz - Francisco Cândido Xavier  - Carlos  A. Baccelli - Espíritos Diverso
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Dezembro de 2011, 09:02
DOR

Alfredo Nora
 
A dor que a todos esbarra
Na luta que o mundo acirra,
Às vezes, provoca birra,
Tristeza, choro, algazarra...
 
No entanto, é a mestra bizarra,
Ante a qual a sombra espirra
E, embora grite “arre!” ou “irra!”,
Da vida se desgarra.
 
Se o fel se te fez masmorra,
Pede a Deus que te socorra,
Na angústia que se te aferra...
 
Mas não te faças caturra,
A dor que nos segue e surra
É a benção maior da Terra.
[/i]
 
Psicografia Chico Xavier - Livro: Poetas Redivivos  -  Espíritos Diversos
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Dezembro de 2011, 09:03
EVOCAÇÃO  DE  NATAL
 
Emmanuel
                 
Noite... Natal!... Na hora derradeira,
Sozinha num brejão, com sede e fome,
Morre jogada à febre que a consome
A velhinha Maria Cozinheira...
 
Lembra o Natal dos tempos de solteira,
Olha a esteira enrolada e o chão sem nome,
Mas, de repente, vê que tudo some,
Está livre do corpo e da canseira!...
 
Ouve cantos no céu que se descerra:
- “Glória a Deus nas Alturas!... Paz na Terra...”.
Maria, sem querer, sobre espantada...
 
Nisso, irrompe do Azul divina estrela...
Alguém surge!... É Jesus a recebe-la
No sublime clarão da madrugada.
 
[/i]
LIVRO ANTOLOGIA MEDIÚNICA DO NATAL - Psicografia: Francisco Cândido Xavier - Espíritos Diversos
Digitado por: Lúcia Aydir – SP/08/2005.
 
    
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Dothy em 28 de Dezembro de 2011, 09:07
A todos que entrarem aqui...
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: HelenaBeatriz em 28 de Dezembro de 2011, 11:23
Dothy, obrigada amiga querida por sua presença sempre benfazeja!
Desejo-lhe saúde, força espiritual e muita alegria de viver...sempre!
Um mundo mágico, onde os seres elementais brindem seus caminhos com ternura e muito amor! Porque vc também é uma fadinha, levando ternura e amor por onde passa...sempre!
Bjs e carinhos,
Helena(http://lh6.ggpht.com/_Xe_LwfMvlQg/TQQGBRMY1vI/AAAAAAAAEO4/f2qAyT-vm_E/s400/MAGIC%20FAIRIE%203D.png)
--------------------------------------------------------------------------------------------------------
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: HelenaBeatriz em 28 de Dezembro de 2011, 11:30
Amigos e visitantes do Fórum espírita, deixo aqui um pensamento de paz.
Com muito carinho desejo-lhes um 2012 de amor e paz!
Helena

[attachimg=1 align=right width=350]------------------------------------------------------------------------------------------
O Bosque de Berkana
Paz

A primeira paz, que é a mais importante, é aquela que vem de dentro das almas das pessoas quando elas percebem seu relacionamento, sua unidade com o universo e todos os seus poderes, e quando elas percebem que no centro do universo habita o Grande Espírito, e que este centro está realmente em todos os lugares, e está dentro de cada um de nós.

Alce negro
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 02 de Janeiro de 2012, 08:09
                                             VIVA JESUS!


          Bom-dia! queridos irmãos.

                      Refazimento  

 

Vejo-te, soberana, aos painéis da memória!

O trono te emoldura a face de outras eras…

Oprimes sem temor, espancas onde imperas,

Fulges no fausto vão de vaidade ilusória!…

 

A paixão te esfogueia a fome de vanglória,

Exilas e destróis, humilhas e encarceras…

Vem a morte, no entanto, entre forças austeras,

E largas sob a cinza a pompa transitória!

 

Foi-se o tempo… Hoje achei-te em catre duro e estreito,

Paralítica e só, parafusada ao leito!…

Chorei ao ver-te a choça e o triste quarto em ruínas!

 

Mas louvo o fel de agora ante o sol do futuro…

Pela dor subirás ao reino do amor puro

Em teu carro estelar de açucenas divinas!

 

 

Do cap. 10 do livro Astronautas do Além, obra de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos. Segundo o autor do soneto, ele o dedicou a uma venerável irmã que conheceu na realeza terrestre há quatro séculos. Culta, não espalhou os benefícios da inteligência; amiga incondicional dos amigos e inimiga implacável dos adversários; generosa para com os áulicos abastados e indiferente às vítimas da penúria. Embora destacasse as vantagens da paz, incentivou, quanto pôde, as guerras de conquista e ambição. Agradecida aos vassalos obedientes, perseguia até à morte quantos não lhe observassem as diretrizes. Amada e odiada, alcançou o Mais Além e, à frente da verdade, preocupou-se com a redenção própria. Regressou à Terra, várias vezes, apagando-se devagar TAquanto ao brilho terreno que ostentava, até que rogou a prova final, habilitando-se no corpo enfermo e disforme, em acentuada penúria, para a ascensão próxima à Espiritualidade Superior.

 
 
                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 07 de Janeiro de 2012, 09:11
                                         VIVA JESUS!


        Bom-dia! queridos irmãos.

               Sem sombras

 Lucindo Filho
 

Junto ao sepulcro onde a saudade chora

E onde o sonho das lágrimas termina,

Abre-se a porta da mansão divina

Entalhada em reflexos de aurora.

 

Não mais a noite; vive em tudo, agora,

A beleza profunda e peregrina,

Envolvida na luz esmeraldina

Da esperança que vibra e resplendora.

 

Sem as sombras das lutas desumanas,

A alma vitoriosa entoa hosanas,

Ébria de paz e de imortalidade.

 

Não lamenteis quem parta ao fim do dia,

Que a sepultura em cinza escura e fria

É a nova porta para a eternidade.

 

 

Lucindo Filho nasceu em Minas Gerais em 16 de agosto de 1847 e faleceu em Vassouras (RJ) em 10 de junho de 1896. Médico, jornalista, compositor musicista e tradutor renomado, foi também latinista de prol. O soneto acima, que consta do livro Parnaso de Além-Túmulo, foi psicografado por Francisco Cândido Xavier no curso de uma reunião familiar em que se não cogitava de assuntos espíritas. Ninguém ali o conhecera nem dele se lembraria, exceto uma senhora que, em menina, lhe assistira aos funerais em Vassouras, onde ele tem precioso jazigo, oferecido pela população local.





                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Janeiro de 2012, 08:17
                                            VIVA JESUS!



             Bom-dia! queridos irmãos.

                     
Poema da amargura e da esperança  

 
Falar-vos de martírios e tormentos,

É perpetrar amargas redundâncias,

Redizer minhas mágoas, minhas ânsias,

Renovar minhas síncopes de dor...

Não sorvo mais os tóxicos violentos

Do desespero e da melancolia,

Após a derrocada

Das construções de um sonho superior.

 

Tudo outrora, Senhor,

Na minha pobre vida abandonada,

Era o tédio cruel que me impedia

De vislumbrar a claridade intensa

Da luz do sol puríssimo da crença,

Tudo em volta de mim era a cegueira.

Que torturou a minha vida inteira,

Que me seguiu o espírito ambicioso!

 

A carne é pobre e é cheia de fraqueza,

Simbolizando o ciclo tenebroso

Das sínteses de dor da Natureza.

E a carne subjugou-me inteiramente,

Fez-me fraco e descrente,

E transformou a minha mocidade

Num montéo de ambições, de fama e glória,

Adormeceu-me aos cantos da vaidade

E me afastou da estrada meritória

Da crença e da bondade...

 

Misericordiosíssimo Senhor!

De tortura em tortura amargurado,

O meu frágil espírito inferior

Viu-se presa de trevas, no passado,

E a desgraça suprema o amortalhou.

 

Tudo sofri, de dor e de miséria,

Mas a tua bondade me levou

A esquecer a influência deletéria

Da carne passageira...

Rompeste a minha venda de cegueira

E divisei o excelso panorama

Do Universo infinito, que Te aclama

Como a fonte do amor ilimitado!

 

Relevaste, meu Deus, o meu pecado

E pude ouvir as harmonias puras

Que equilibram os mundos nas alturas!...

 

Cheio de amaridúlcida ansiedade,

A esperança o espírito me invade

Aguardando das lágrimas futuras

A minha redenção...

 

Que a confiança, pois, em Ti me anime,

Que no porvir a dor bela e sublime

Jorre em minhalma a luz da perfeição.

 

 

Hermes Fontes nasceu em 1888 na Vila de Boquim, em Sergipe, e suicidou-se no Rio de Janeiro em 26 de dezembro de 1930. Poeta de grande relevo emocional, deixou firmada sua personalidade literária, tendo publicado Apoteoses, Gênese, Lâmpada Velada e Fonte da Mata, seu último livro. O poema acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.





                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 16 de Janeiro de 2012, 21:21
                                                                             VIVA JESUS!



              Boa-noite ! queridos irmãos.



                       
Colombina

 

Mascarada mulher o rabecão trouxera.

 

Morrera em pleno baile a frágil Colombina

 

E, no egrégio salão de culto à Medicina,

 

O professor leciona, em voz veemente e austera:

 

 

 

-"Rapazes, contemplai! É rameira e menina.

 

Tombou ébria no vício e com certeza era

 

Devassa meretriz, mistura de anjo e fera,

 

Flor de lama e prazer, Vênus e Messalina.”

 

 

 

Em seguida, a cortar, rompe a seda sem custo,

 

Desnuda-lhe, solene, a alva pele do busto,

 

Afasta, indiferente, as flores de rendilha...

 

 

 

No entanto, ao descobrir-lhe a face triste e bela,

 

O mestre cambaleia e chora junto dela...

 

Encontrara na morta a sua própria filha.

 

Júlia Cortines Laxe nasceu em Rio Bonito, estado do Rio, em 12 de dezembro de 1868, e desencarnou em 19 de março de 1948. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.






                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Janeiro de 2012, 08:37
                                                         VIVA JESUS!



               Bom-dia! queridos irmãos.


                       
                      Redivivo


 

Sou o cantor das místicas baladas

Que, em volutas de flores e de incenso,

Achou, no Espaço luminoso e imenso,

O perfume das hóstias consagradas.

 

Almas que andais gemendo nas estradas

Da amargura e da dor, eu vos pertenço,

Atravessai o nevoeiro denso

Em que viveis no mundo, amortalhadas.

 

Almas tristes de freiras e sorores,

Sobre quem a saudade despetala

Os seus lírios de pálidos fulgores;

 

Eu ressurjo nos místicos prazeres,

De vos cantar, na sombra onde se exala

Um perfume de altar e misereres...

 

 

Afonso Henrique da Costa Guimarães, poeta mineiro, natural de Ouro Preto, nasceu em 24 de julho de 1870 e desencarnou em 15 de julho de 1921. Foi magistrado, jornalista e poeta. O soneto acima integra a obra Parnaso de Além-Túmulo, psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.






                                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 20 de Janeiro de 2012, 21:18
                                                              VIVA JESUS!



               Boa-noite! queridos irmãos.

   
                      Carta aos enfermos
 

Meu amigo, eu te desejo

Aquela paz do Senhor

Que transforma as amarguras

Em santas preces de amor.

Nosso Pai ouve a oração

De tua grande ansiedade,

Como te vê no caminho

De dor e dificuldade.

Espera serenamente,

Não obstante a aflição;

Deus é um Pai que não dá pedras

Ao filho que pede pão.

Nos dias angustiados,

De desencanto e doença,

O homem deve apurar

As luzes de sua crença.

Às vezes, dizes, chorando:

- Socorrei-me, meu Senhor!...

Ai! como tarda o consolo

No dia de minha dor!...

Mas, não lembraste a oração

Com tanta solicitude,

Nas horas irrefletidas

Em que arruinaste a saúde.

A incontinência teimosa

Na rebeldia e no gozo,

Pode ter vindo de outrora,

Do passado tenebroso.

Porque esta vida de agora

É somente uma fração

De teu trabalho à procura

Dos mundos da perfeição.

Nos teus ais, nos teus soluços,

Do corpo dilacerado,

Recorda que a dor existe

Para a luz de um fim sagrado.

Se teu mal é longo e rude,

Renovando-te aflições,

Ele é a válvula divina

Que escoa as imperfeições.

Se a moléstia é passageira,

Tem cuidado na existência;

A dor física, por vezes,

Não passa de advertência.

De qualquer forma, porém,

Sê paciente e sê forte,

Inda que sintas contigo

O augúrio triste da morte.

Acima dos preparados

Que visam a tua cura,

Põe o remédio divino

Da fé milagrosa e pura.

Abençoa, meu irmão,

Essa dor que te conduz

Da sombra espessa da Terra

Para as bênçãos de Jesus.

 

Do livro Cartas do Evangelho, de Casimiro Cunha, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.




                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 27 de Janeiro de 2012, 08:00
                                                                    VIVA JESUS!


             Bom-dia! queridos irmãos.


                      Obsessor
 

- “Misericórdia, irmãos!...” – Em súplica na praça,

O condenado à forca estorcega-se e geme.

A turba aos empuxões – enorme nau sem leme –

Abisma-se no mar da violência devassa.

 

 O réu chora, maldiz a sentença e ameaça...

O carrasco desdobra espessa corda creme.

Tomba a cabeça irada, o torso rola, treme,

  Bamboleando ao clamor da imensa populaça.

 

Mas do corpo suspenso, agora inerte e quedo,

Sai o Espírito em sombra – um salteador sem medo-,

De olhar a reluzir, em lúgubre transporte...

 

 Qual fantasma do crime a destilar vingança,

Segue em revolta extrema, e intimorato alcança

O implacável juiz que o condenara à morte.

 

 

Galdino de Castro nasceu em Salvador, Bahia, em 18 de abril de 1882 e faleceu em S. Paulo, em 23 de agosto de 1939. Destacado poeta do grupo da Nova Cruzada e jornalista precoce, formou-se em Medicina e, depois de desistir do curso jurídico, foi clínico e político. Colaborou em vários periódicos da Bahia, fundando alguns até mesmo nos tempos colegiais. Dedicou-se ao magistério anos antes de transferir-se para S. Paulo, depois de abandonar a literatura. O soneto acima faz parte do livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.





                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Janeiro de 2012, 08:10
                                                               VIVA JESUS!



               Bom-dia! queridos irmãos.

                          Fascinação
 

Atravessara, aflito, os umbrais do outro mundo

E, ao erguer-se da lousa, exânime, febrento,

No sepulcro imagina o suntuoso aposento

Onde, a sós, afagava o tesouro infecundo.

 

– “Meu dinheiro!” – reclama, exasperado e atento.

– "Ouro! Meu ouro só! Por nada me confundo!

Ladrões! Quem me furtou?” – esbraveja iracundo,

Em largo desafio aos sarcasmos do vento.

 

Ouve o silêncio em torno e ruge: – “Agora, agora!

Achei meu cofre! Achei!... ” – gargalha, grita, chora,

Na homérica ilusão que ele mesmo proclama...

 

Inclina-se. Algo colhe e, em delírio perfeito,

Investe contra a sombra e aperta contra o peito

Velha tampa de esquife empastada de lama.

 
Do livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.






                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
 

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 31 de Janeiro de 2012, 08:15
                                                                  VIVA JESUS!



            Bom-dia! queridos irmãos.

                      
Rainha do Céu


Excelsa e sereníssima Senhora,

Que sois toda Bondade e Complacência,

Que espalhais os eflúvios da Clemência

Em caminhos liriais feitos de aurora!...

 

Amparai o que anseia, luta e chora,

No labirinto amargo da existência.

Sede a nossa divina providência

E a nossa proteção de cada hora.

 

Oh! Anjo Tutelar da Humanidade.

Que espargis alegria e claridade

Sobre o mundo de trevas e gemidos;

 

Vosso amor, que enche os céus ilimitados,

É a luz dos tristes e dos desterrados,

Esperança dos pobres desvalidos!...

 
Nascido na ilha de São Miguel, nos Açores, em 1842, e desencarnado por suicídio, em 1891, Antero de Quental foi um vulto eminente e destacado nas letras portuguesas, em que se notabilizou por seu espírito filosófico. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.






                                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 02 de Fevereiro de 2012, 13:46
                                                               VIVA JESU

            Bom-dia! queridos irmãos.

                    Humildade  

"Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.

Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.

Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.

Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.”

Cora Coralina





                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Fevereiro de 2012, 07:49
                                                           VIVA JESUS!



            Bom-dia! queridos irmãos.

                    Mãos benditas

 
Escuta-nos, Senhor,

Na luz do Lar Celeste!

Desejamos, Jesus, agradecer-te

As mãos benditas que nos deste!

Aquelas mãos sublimes

Que nos entreteceram o berço

Entre as forças do mundo,

Que fizeram escolas,

Aquelas que tomaram nossos dedos,

Revestidas por ti de amor terno e profundo

A fim de penetrarmos nos segredos

Das palavras e letras da instrução...

As que encontramos no caminho,

Quando a sombra da mágoa nos alcança

E acendem para nós com simpatia

O facho da esperança.

Aquelas que nos trazem,

Ao sol do dia-a-dia,

Exemplos de trabalho.

As que cavam a terra,

Muita vez suportando espinhos agressores

E vibram de alegria

Ao vê-la transformar-se em celeiro de flores!

As que fazem o pão,

As que costuram vestes multiformes,

Cobertura e agasalho,

Aquelas que nos dão

A bênção da limpeza,

As que buscam nos dons da Natureza,

Quantas vezes, cansadas de lutar,

Os recursos da vida

Que nos erguem o lar...

As que socorrem os doentes,

As que se inclinam para os sofredores,

Em recintos de angústia, lares e hospitais,

Que afagam companheiros indigentes

Ou que protegem pobres pequeninos

Revelando desvelos maternais!

As que orientam para a ordem,

Garantindo a justiça e a segurança,

As que escrevem bondade, educação, beleza,

Em que a estrada se eleva e a mente se aprimora,

Criando, mundo afora,

Ideias de otimismo, reconforto,

Das quais se estende a luz de surpresa em surpresa...

Aquelas que se humilham quais violetas

E, revolvendo o pó,

Levantam nosso irmão ou nossa irmã

Caídos nas sarjetas

Ou no esgoto comum,

De coração dizendo a cada um:

– “Você não está só”.

As que foram batidas

Por críticas mordazes

E prosseguem agindo como fazes,

Retribuindo o mal com o bem;

As que ajudam e passam

Sem ferir a ninguém...

Benditas sejam elas

Todas as mãos, Senhor, que procuram servir,

– Exército de estrelas a buscar-te,

Edificando, em toda parte,

O Reino do Porvir.

E agradecendo-as, rogo-te, Jesus:

Toma-me as mãos vazias,

Faze-me trabalhar

Em todos os meus dias!

E porque me conheça

Tão pobre quanto sou,

De revés em revés,

Sem nem mesmo poder

Aspirar, ante os séculos futuros,

À sublime ventura,

Anseio conquistar a posição

Da serva que se esqueça

Nas tarefas de amor que o teu amor reparte.

E, a despeito de minha imperfeição,

Frágil, errada e inculta, quero dar-te

Meu próprio coração.

 

Do cap. 5 do livro Diálogo dos Vivos, obra de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.





                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 08 de Fevereiro de 2012, 09:00
                                                                VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                 
Ajuda e passa


Estende a mão fraterna ao que ri e ao que chora:

O palácio e a choupana, o ninho e a sepultura,

Tudo o que vibra espera a luz que resplendora,

Na eterna lei de amor que consagra a criatura.

 

Planta a bênção da paz, como raios de aurora,

Nas trevas do ladrão, na dor da alma perjura;

Irradia o perdão e atende, mundo afora,

Onde clame a revolta e onde exista a amargura.

 

Agora, hoje e amanhã, compreende, ajuda e passa;

Esclarece a alegria e consola a desgraça,

Guarda o anseio do bem que é lume peregrino...

 

Não troques mal por mal, foge à sombra e à vingança,

Não te aflija a miséria, arrima-te à esperança.

Seja a bênção de amor a luz do teu destino.

 
Alberto de Oliveira, nasceu em Palmital de Saquare­ma (RJ) em 1859, e faleceu em Niterói, em 1937. Farmacêutico, dedicou-se principalmente ao Magistério. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, parnasiano de escol, foi tido como Príncipe dos Poetas de sua geração. O soneto acima integra o Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.





                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 09 de Fevereiro de 2012, 10:13
                                                                  VIVA JESUS!



                Bom-dia! queridos irmãos.

                        A brandura
 
 
Asserena-te e vara a desventura

No caminho de dor, áspero e azedo;

Serenidade – o lúcido segredo

Em que a vida se eleva e transfigura.

 

Tudo cresce na força da brandura.

A água desgasta os punhos do rochedo;

Olha a chuva cantando no arvoredo,

A transfundir-se em pão, bondosa e pura.

 

De coração batido e lodo à face,

Inda que o fel da injúria te traspasse,

Semeia o bem que as mágoas alivia...

 

Mesmo trazendo o peito por cratera,

Suporta, ampara e crê, ajuda e espera,

Que amanhã será sempre novo dia.

 
 

Andradina América de Andrada e Oliveira, poetisa, contista e romancista, nasceu em Porto Alegre-RS em 12 de junho de 1878 e desencarnou em São Paulo-SP em 19 de junho de 1935. Foi também teatróloga e aplaudida conferencista. Professora pela Escola Normal de Porto Alegre, em várias cidades gaúchas, depois de nove anos dedicados ao magistério público. Fundou um jornal literário feminino, O Escrínio, mais tarde transformado em revista ilustrada, e formou, segundo Antônio Carlos Machado, entre as maiores feministas brasileiras de sua época. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.

 




                                                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Fevereiro de 2012, 08:16
                                                                   VIVA JESUS!


          Bom-dia! queridos irmãos.

                    Eterno abrigo

João de Deus
 

Quando o Sol da verdade acaricia

O coração dos crentes em Jesus,

Há sempre a luminosa eucaristia

Do pão da vida, transformado em luz.

 

Não existem mais lágrimas, nem cruz,

Nesse eterno banquete de alegrias,

Onde tudo é o amor que nos seduz

Em vibrações de paz e de harmonia.

 

Derramando-se as luzes da verdade,

No coração de toda a humanidade,

Virá o amor que salva e que conduz.

 

E é dando o nosso braço irmão e amigo

Que faremos da Terra o eterno abrigo

Da bondade infinita de Jesus.

 

Soneto extraído do livro Lira Imortal, obra de Francisco Cândido Xavier e Espíritos Diversos.

 



                                                                                                PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Fevereiro de 2012, 21:58
                                                                   VIVA JESUS!


          Boa-noite! queridos irmãos.

                  Romance na vida
 

No campo, em que o luar engrinalda a escumilha (1),

O par freme de amor, a noite dorme e brilha.

Ele, o poeta aldeão, era humilde pastor;

Ela, a fidalga, expunha a mocidade em flor.

Ao longe da mansão, quantos beijos ao vento!…

Quantas juras de afeto à luz do firmamento!

Em certa noite, a eleita envia antigo pajem

Que entrega ao moço ansioso imprevista mensagem.

“Perdoe – a carta diz – se não lhe fui sincera

Desposarei agora o homem que me espera.

Nunca deslustrarei o nome de meus pais.

Nosso amor foi um sonho… Um sonho. Nada mais.”

Chora o moço infeliz, sem ninguém que o conforte,

Surdo à razão, anseia arrojar-se na morte.

Corre à choça de taipa. A gesto subitâneo,

Arma-se em desespero e arrasa o próprio crânio.

Foi-se o tempo… E, no Além, o menestrel suicida

Era um louco implorando um novo corpo à vida.

Um dia, a castelã, no refúgio dourado,

Morre amargando, aflita, as lições do passado.

Pendem alvos jasmins do féretro suspenso,

Filhos clamam adeus em volutas de incenso.

Largando-se, por fim, dos enfeites de prata,

Sente-se agora a dama envilecida e ingrata.

Lembra o campo de outrora e o pobre moço aldeão,

Pede para revê-lo e rogar-lhe perdão.

Encontra-o, finalmente, em vasta enfermaria,

Demente, cego e mudo em angústia sombria.

Ela suporta em pranto a culpa que a reprova,

Quer voltar para a Terra e dar-lhe vida nova.

A eterna Lei de Amor no amor se lhe revela,

Retorna ao corpo denso em aldeia singela.

Hoje, mãe a sofrer, fina-se, pouco a pouco,

Carregando no colo um filho mudo e louco…

E enquanto o enfermo espraia o olhar triste e sem brilho,

Ela vive a rogar: “Não me deixes, meu filho!…”

O romance prossegue e os momentos se vão…

Bendita seja a dor que talha a perfeição.

 
 

(1) Engrinalda significa: adorna, enfeita, alinda, atavia. Escumilha quer dizer: tecido muito fino e transparente, de lã ou de seda; gaza, gaze.


Do livro Na Era do Espírito, obra de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.

 




                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Fevereiro de 2012, 14:01
                                                                  VIVA JESUS!


           Boa-tarde! queridos irmãos.

                  O Remorso
 

Quando fugi da dor, fugindo ao mundo,

Divisei aos meus pés, de mim diante,

A medonha figura de gigante

Do Remorso, de olhar grave e profundo.

 

Era de ouvir-lhe o grito gemebundo,

Sua voz cavernosa e soluçante!...

Aproximei-me dele, suplicante,

Dizendo-lhe, cansado e moribundo:

 

— “Que fazes ao meu lado, corvo horrendo,

Se enlouqueci no meu degredo estranho,

Acordando-me em lágrimas, gemendo?”

 

Ele riu-se e clamou para meus ais:

“Companheiro na dor, eu te acompanho,

Nunca mais te abandono! Nunca mais!”

 

Nascido na ilha de São Miguel, nos Açores, em 1842, Antero de Quental desencarnou por meio do suicídio, em 1891. Foi um vulto eminente e destacado nas letras por­tuguesas, caracterizando-se por seu espírito filosófico. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.





                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Fevereiro de 2012, 09:50
                                                               VIVA JESUS!



          Bom-dia! queridos irmãos.

                  Ciência admirável
 

Qual potente farol varando a noite escura

Em que a sombra do mal reinava soberana,

Fulge o sol da verdade eterna que promana
Da mensagem do Cristo, restaurada e pura.

 

É o fulgor celestial da obra kardequiana

Cujas bases factuais, em lógica estrutura,

Vêm revelar a vida além da sepultura

E as vidas sucessivas na experiência humana.

 

Corolário moral da messe iluminista,

Eis a Ciência Admirável com seu facho forte,

Tal qual no cartesiano êxtase prevista.

 

Sob a luz da razão, a fé se fez mais forte

E o homem pôde ver, além da própria vista,

A vida espiritual que esplende além da morte.

 
   
Aureci Figueiredo Martins, colaborador de nossa revista, reside em Porto Alegre (RS).






                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 27 de Fevereiro de 2012, 12:57
                                                                 VIVA JESUS!



           Bom-dia! queridos irmãos.

Deus é amor   

Efetivamente, podes mobilizar as palavras que desejes, sacando-as, indiscriminadamente, da terminologia criada pelos homens, entretanto, em favor da própria felicidade, escolhe para teu uso pessoal, no cotidiano, aquelas que se fazem aceitáveis perante Deus.

Fácil a seleção.

Deus é Luz.

Não enfatizemos a força das trevas, empregando frases que lhes salientem o jogo infeliz, e sim encareceremos o valor da educação que acabará por dissolver todas as cristalizações de sombras, nos domínios da ignorância.

Deus é Harmonia.

Abster-nos-emos de exaltar a discórdia, fugindo de exteriorizar recursos verbais que operem desequilíbrio e separação entre os companheiros da Humanidade, e, sem deixarmos de cultivadores da verdade, trabalharemos, quanto nos seja possível, na preservação da própria paz, no campo de relações uns com os outros.

Deus é Bondade.

Compreenderemos que a justiça é benemerência da vida, no entanto, reconheceremos que a justiça não atua sem misericórdia em nome da Providência Divina, e, por isso mesmo, faremos do entendimento e da compaixão nosso ambiente de cada dia.

Deus é Perdão.

Evitaremos condenar seja a quem for e, consequentemente, não nos valeremos do dicionário para engenhar mecanismos de censura ou sarcasmo e, sim, ao invés disso, articularemos imagens de fraternidade e de bênção em auxílio ao próximo, não apenas porque sejamos ainda suscetíveis ao erro, mas também porque a Sabedoria do Senhor nos transforma todos os males em valores de experiência.

Seja qual a forma pela qual se te apresentem as dificuldades do cotidiano, pensa no bem e faze o bem, esquecendo o mal, porque Deus é amor e em tudo quanto dissermos ou fizermos contra o amor, tentando subverter as leis do Universo e da Vida Deus, através do tempo, dar-nos-á formal desmentido.

 

Do livro Mais Luz, de Batuíra, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.







                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Março de 2012, 08:50
                                                             VIVA JESUS!


         Bom-dia! queridos irmãos.

                    Sempre coração

Maria Dolores
 

Para exaltar a glória da bondade,

Não digas, alma irmã, que nada tens.

De gota a gota, o mar se consolida

E, migalha em migalha, a grandeza da vida

É um mar excelso de infinitos bens.

Caridade recordar a natureza

Que na bênção de Deus se concebe e aglutina,

Revelando no todo,

Da cúpula do Céu às entranhas do Lodo,

Que a presença do amor é sempre luz divina.

A bolsa generosa em socorro fraterno

Lembra o Sol a servir, tanto quanto fulgura,

Mas o vintém doado em auxílio a quem chora

É o copo de água pura à sede que devora,

A solidariedade em forma de ternura.

A fortuna em serviço é a usina poderosa

Da civilização na força que lhe empresta,

Garantindo o progresso, a cultura e a beleza,

Mas da espiga singela é que o pão vem à mesa

E da semente humilde é que nasce a floresta.

O prato, o cobertor, a roupa restaurada,

Um traço de carinho em amparo de alguém

Pode ser, alma irmã, o complemento justo,

Para que se nos faça o regresso sem custo

Ao campo de trabalho e a integração no bem.

Nunca fales “não tenho” e nem digas “não posso”,

Traze louvor do bem o braço amigo e irmão,

Um sorriso a quem passa ao vento e ao desalinho,

Flor de esperança às pedras do caminho,

Que a caridade, em tudo, é sempre coração.

 

 

Do livro Antologia da Espiritualidade, obra de Maria Dolores, psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier
 





                                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 13 de Março de 2012, 08:30
                                                               VIVA JESUS!


            Bom-dia! queridos irmãos.


                    Ódio e vida


 

Recebi o seu bilhete,

Meu caro Joaquim Lorena.

Respondo: – Ódio é loucura

Que nunca valeu a pena.

Sei que você tem sofrido

Muita pedrada encoberta…

Mas não se vingue. Perdoe.

O tempo tudo conserta.

Quem apanha aguenta feras,

Assim qual você me diz,

Mas quem ofende ou maltrata

É muito mais infeliz.

Para quantos nos imponham

Golpe, injustiça, pesar,

Injúria ou perseguição,

A desforra é perdoar.

Assim é, porquanto a vida

Não faz princípios em vão.

E a vida extingue as discórdias

Na Lei da Reencarnação.

Veja o problema de Amélia:

Por ódio arrasou com Benta,

Mas Benta nasceu de novo,

É a filha que ela amamenta.

Numa aversão prolongada,

Ninica matou Concheta…

E eis que a vítima voltou,

São agora avó e neta.

Numa briga provocada

Cristino apagou Léo Gama…

Léo, porém, tornou à Terra,

É o filho que ele mais ama.

Prejudicavam-se em ódio

Rosendo e Janjão de Tuta…

Morreram e renasceram

Dois irmãos gêmeos em luta.

Lalau em longa demanda

Matou Quincas da Moenda…

Quincas voltou, é o netinho

Que vai herdar-lhe a fazenda.

Por ódio ao genro, o Trajano

Caminha de mal em mal,

Sempre esgotado e nervoso,

De hospital para hospital.

Se você quer ser feliz

Nunca se arrede do bem,

Auxiliando e servindo,

Não pense mal de ninguém.

Perante a Bênção da Vida

Perdão é saúde e fé,

Ame e perdoe, caro amigo,

Deus é Amor, isso é que é.

 

Do cap. 23 do livro Astronautas do Além, obra de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.






                                                                                                                                                                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!  
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Março de 2012, 13:38
                                                             VIVA JESUS!


           Bom-dia! queridos irmãos.

                    União sem adeus  

 

Converte o pranto em que te dilaceras

Em fonte de bondade, alma querida,

Transfigura em trabalho, paz e vida

A saudade que trazes de outras eras...

 

Espalha o bem, por mais que a dor coincida

Com teu sonho de novas primaveras,

Eleva-te a caminho, enquanto esperas,

Quanto mais alto, tanto mais subida.

 

Segue e serve, de pés sangrando embora,

Esquece-te, perdoa, lida, chora,

Luta, vence-te, sofre mas porfia!...

 

E encontrarás o reino do amor puro

Da união sem adeus ante o futuro

Na beleza perpétua da alegria.

 

Do livro Auta de Souza, ditado pelo Espírito de Auta de Souza por intermédio do médium Francisco Cândido Xavier





                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: katiatog em 19 de Março de 2012, 04:13
                                 (http://img197.imageshack.us/img197/3918/a5a910e965a70667a32481a.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2ltYWdlc2hhY2sudXMvcGhvdG8vbXktaW1hZ2VzLzE5Ny9hNWE5MTBlOTY1YTcwNjY3YTMyNDgxYS5qcGcv)


Boa noite queridos amigos


Poesia do Além



Sombra e Luz
Vem a noite, volta o dia,
Cresce o broto, nasce a flor,
Vai a dor, surge a alegria
Dourando a manhã do Amor.
Assim, depois da amargura
Que a vida terrena traz,
A alma encontra na Altura
A luz, a ventura e a paz.



Pelo Espírito Casimiro Cunha
Psicografia de Francisco Cândido Xavier. Livro: Parnaso de Além-Túmulo.
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Março de 2012, 15:48
                                                                VIVA JESUS!



          Boa-tarde! queridos irmãos.


                 Nhá Bela
 

Nhá Bela jaz ferida na barraca.

Em vão fora pedir gotas de arnica,

Pois o moço dissera na botica:

- “Não atendo gamboa de ressaca.”

 

Tem febre alta... O corpo tremelica...

Sozinha, encontra o chão como leito e maca...

Perde sangue... Delira... Está mais fraca...

Lavadeira de tanta gente rica!...

 

Chora na noite escura que a regela,

Mas alguém rompe a sombra e diz: “Nhá Bela!”

E a pobre clama: “Oh! Filho, dá-me luz!...”

 

Brilha o zinco da choça de repente

E na morte que a beija, docemente,

Deslumbrada, Nhá Bela vê Jesus!

 


Do livro O Espírito de Cornélio Pires, de autoria de Cornélio Pires por intermédio dos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.






                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Março de 2012, 19:57
                                                          VIVA JESUS!


            Boa-tarde! queridos irmãos.

                   

Aos homens

 
Volta ao pó dos mortais, homem que vens, depressa,

A chave procurar do enigma que encerra

A paragem da morte, o mais além da Terra,

Onde o sonho termina e a vida recomeça.

 

Volve ao sono cruel da tua carne obscura,

Amassa com o teu pranto o pão de cada dia,

Vai com o teu padecer sobre a estrada sombria,

Para depois ouvir a voz da sepultura.

 

Tomé, coloca as mãos na tua própria chaga,

Perambula na dor da tua noite aziaga,

Porque a treva e o sofrer sempre hão de acompanhar-te!

 

Reconhece o quanto és ignorante ainda.

A vida é vibração ilimitada, infinda,

E o seu grande mistério existe em toda parte...

 
Poeta português,  José Duro nasceu em 1875 e desencarnou em 1899. Musa amargurada, deixou um livro — Fel — que apareceu poucos dias antes da sua morte e foi prefaciado por Forjaz de Sampaio. Henrique Perdigão classifica-o como o “Cantor da Tristeza”. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.






                                                                                PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 30 de Março de 2012, 15:11
                                                                  VIVA JESUS!


          Bom-dia! queridos irmãos.


                  Painel  do  Umbral
 

Minha alma ardendo em febre ante o espaço sombrio,

Sob espessa ilusão torna-se idiota.

Qual duende do horror, contornando o vazio,

Ia e vinha a penar sem luz, sem paz, sem rota...

 

O ponteiro do tempo errava em desvario...

E eis que horrendo tremor lambe a terra ignota...

Na tortura do assombro, agoniado, espio

A tormenta abismal na vastidão remota...

 

Fogaréu a verter de sinistras montanhas...

O fumo a espiralar mil sensações estranhas...

Lagos de lodo e fel em lava incandescente...

 

Agora, mais feliz, sem que o verbo me exprima,

Sei que no Umbral de angústia aos Páramos de Cima,

Ninguém padece, dorme ou sonha eternamente!...

 

 

Antonio Félix de Bulhões Jardim nasceu em 28/8/1845 e faleceu em 29/3/1887, em Goiás, Estado de Goiás. Poeta, jornalista e político, fundou várias publicações, a exemplo de Goiaz, Província de Goiaz e  Tribuna Livre, onde expôs suas ideias de liberal e autêntico antiescravagista. Membro da magistratura goiana, chegou a desembargador. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.






                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 01 de Abril de 2012, 20:34
                                                                 VIVA JESUS!


            Boa-tarde! queridos irmãos.

                   Carta aos Pais
 

Não podes viver a esmo,

Numa estrada indefinida.

Um pai tem obrigações

Das mais nobres que há na vida.

Meu irmão, em tua casa,

Nas ternuras dos filhinhos,

Personifica o bom senso

Entre os beijos e os carinhos.

Por enquanto, a Terra inteira

Inda é um mar encapelado.

Se não dominas a onda

Virás a ser dominado.

Entende a luz do caminho.

A tua finalidade

Não é somente a da espécie

Nas lutas da humanidade.

Exige-se muito mais

Dos teus esforços no mundo,

Recebeste de Jesus

Um dom sagrado e profundo.

Se a missão das mães terrestres

É conduzir e ensinar,

O teu trabalho é de agir.

No esforço de transformar.

Não olvides teus deveres

Na esfera da educação,

Fazendo de tua casa

A escola de redenção.

Um pai que deixa os filhinhos

Abandonados ao léu

Não corresponde no mundo

À confiança do céu.

Cuida bem dos pequeninos.

A educação tem segredos

Que devem ser estudados

Desde os tempos dos brinquedos.

A tua função no lar

Não é somente prover,

Mas adotar providências,

Procurando esclarecer.

Ensina os teus a gastar.

Quem vive muito à vontade

Pode encontrar a miséria

No fim da ociosidade.

Gastar somente o que é justo

É ser prudente e cristão.

Quem gasta o que não é seu

Faz dívidas de aflição.

Luta sempre, mas se os teus

Não te seguirem os trilhos,

Esperemos nesse Pai

De que todos somos filhos.

Na pobreza ou na fortuna,

Esforça-te, meu amigo.

Exemplifica o trabalho

E Deus estará contigo.

 

Do livro Cartas do Evangelho, de Casimiro Cunha, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.





                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 09 de Abril de 2012, 17:45
                                                                      VIVA JESUS!



          Boa-tarde! queridos irmãos.


                   Bagatela

 
O vento corre uivante e desempedra

Alvo seixo engastado na montanha

A pedra solta cai sobre outra pedra,

Brotam faíscas de uma luz castanha...

 

Novo golpe do vento e o fogo medra

Na alfombra ressequida, em doida sanha...

Há luta que se alteia e se desmedra

No incêndio arrasador em fúria estranha..

 

Mais forte zune o vento e a tudo encrispa,

Sobem chamas cruéis de chispa em chispa...

O homem chora a perdida sementeira...

 

Também no mundo é assim... Por bagatela

Surge a paixão que se desencastela,

Queimando a safra de uma vida inteira.
 

 

Raimundo Correia exerceu cargos de magistratura, administração e diplomacia, e foi professor da Faculdade de Direito de Ouro Preto. Membro fundador da Academia Brasileira de Letras, nasceu no município de Cururupu, Maranhão, em 13/5/1859 e faleceu em Paris, em 13/9/1911. O soneto acima faz parte de Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.

 




                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Abril de 2012, 16:39
                                                                        VIVA JESUS!



         Boa-tarde! queridos irmãos.


                  Consulente difícil  
 

Veio à sessão Nhô João do Rio Raso

Curar a obsessão que o perseguia.

Rogou cansado a irmão José Maria:

– Socorro, irmão, na luta em que me arraso!

 

O guia disse: “João, qualquer atraso,

Doença, provação, melancolia,

São curados na prece dia a dia.

Mas ouça, ninguém vive por acaso.”

 

E prosseguiu: “Embora a fé nos guarde,

Trabalhe e sirva, antes que seja tarde.

Mais trabalho no bem, mais alegria!”

 

Mas Nhô João replicou, rude e vermelho:

– Não vim pedir serviço nem conselho,

Larva do Astral, você nunca foi guia!

 

Do cap. 31 do livro Diálogo dos Vivos, obra de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.







                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Abril de 2012, 00:14
                                                                    VIVA JESUS!



          Boa-noite! queridos irmãos.

                    Lira do Além  

 

Lira que tanges para as grandes dores

Da humanidade que se desespera,

Espalha pelo mundo a primavera

Da esperança nos peitos sofredores.

 

As tuas melodias interiores

Descem das claridades de outra esfera,

Onde a alegria pura, alta e sincera,

Canta os hinos de eternos esplendores...

 

Viajor da terra: aguça os teus ouvidos,

Descansa sobre a estrada os pés feridos

E ouve os acentos ternos e profundos

 

Dessa lira do além que tange aos ventos

Da eternidade de deslumbramentos,

Nos acordes de paz dos outros mundos!

 


Do livro Lira Imortal, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier, ditada por Espíritos diversos.

 
 




                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 25 de Abril de 2012, 23:38
                                                                    VIVA JESUS!



           Boa-noite! queridos irmãos.
                   

Pensamentos espíritas
 

 

Dobram sinos a finados,

Com mágoa e desolação...

Porque não sabem que a morte

É a nossa libertação.

 

Toda a esperança da fé,

Que vive com a caridade,

É realizada no mundo

Da eterna felicidade.

 

A palavra que reténs

É tua serva querida,

Mas aquela que te foge

É dona da tua vida.

 

Todo suicida presume

Que a morte é o fim do amargor,

Sem saber que o desespero

É porta para outra dor.

 

Quem sofre resignado,

Após a morte descansa.

Quem luta, sem naufragar,

Verá decerto a bonança.

 

Quem tem a flor da humildade,

Medrando no coração,

Tem o jardim das virtudes

Da suprema perfeição.

 

Volve ao Céu todo piedoso,

Coração que andas ferido!.

Deus cura todas as chagas

Do mal que tens padecido.

 

 
Casimiro Cunha, poeta vassourense, nasceu em 14 de abril de 1880 e desencarnou em 1914. Pobre e espírita confesso, não teve maior projeção no cenáculo literário do seu tempo, mau grado à suavidade da sua musa e seus inatos talentos literários. Cego aos 16 anos de idade e órfão de pai aos 7, apenas frequentou escolas primárias. O poema acima integra o Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.








                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 27 de Abril de 2012, 10:27
                                                                     VIVA JESUS!



              Bom-dia! queridos irmãos.


                       

Ao toque do amor


 

Rompendo a bruma, em louca arremetida, avança

No incrível desvario em que se deblatera,

Onde a sombra abismal domina, esfera a esfera,

O triste obsessor, faminto de esperança.

 

Preso ao mal que atormenta e à dor que não descansa,

O que mais o acabrunha e o que mais o exaspera

É sua estranha volta aos instintos da fera,

Na loucura feroz que o propele à vingança.

 

Espírito infeliz, padece no braseiro

De flagelo mental, gargalhante e escarninho, -

Mil remorsos bramindo em torvo cativeiro...

 

Mas ao toque do amor, sem que a treva o degrade,

Arrepende-se e clama, ante o novo caminho,

Para nova missão na glória da humildade.

 
Patrono, na Academia Sul-Riograndense de Letras, da cadeira nº 32, e colaborador de diversos jornais e periódicos de sua terra natal, dentre outros, O Diário, O Pampa, A Revista do Sul, Pedro Velho nasceu em Porto Alegre (RS) em 29 de junho de 1882 e desencarnou na mesma cidade em 7 de setembro de 1919. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns  Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.







                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Abril de 2012, 15:39
                                                                      VIVA JESUS!


          Bom-dia! queridos irmãos.

                     Pai sempre


 

Alguém te disse, alma querida e boa,

Que os Espíritos Nobres

Nunca se valem de pessoa

Claramente imperfeita

Em tarefas de amor à Humanidade…

Por isso mesmo o escrúpulo te invade

E, receando a própria imperfeição,

Foges do privilégio de servir

Em que o Senhor te pede trabalhar

A fim de conquistar

O Celeste Porvir…

Reflitamos, no entanto,

Entre simples lições da Natureza:

A semente germina em lauréis de esperança,

Muita vez sob a lama ascorosa (1) e indefesa.

A fonte não seria exemplo de bondade

Em que a vida enxameia,

Se recusasse deslizar

Sobre tratos de terra e lâminas de areia…

Olha as flores do charco

Embalsamando campos e caminhos,

A rosa não desdenha florescer

Entre punhais de espinhos…

Pensa ainda conosco

Nas fraquezas e lágrimas que levas.

O Sol seria o Sol

Se fugisse das trevas?

Esquece pessimismo, acusação, censura,

Nada te desanime, ergue-te e vem…

Conquanto enferma e rude, mesmo assim,

Se te encontras na sombra, avança para a luz,

Sem desertar, porém, de servir com Jesus!

Vem cooperar no amor que devemos ao mundo

E entenderás, por fim,

Que só se vence o mal pelo serviço ao bem

E que a bênção de Deus jamais nos desampara

Nem despreza a ninguém.

 

(1) Ascorosa significa: que causa asco; repelente, nauseabunda, ascosa, asquerosa.


Do cap. 9 do livro Na Era do Espírito, obra de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.
 






                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 02 de Maio de 2012, 15:28
                                                                     VIVA JESUS!




         Bom-dia! queridos irmãos.


                   

O viajor e a Fé
 

 

— “Donde vens, viajor triste e cansado?”

— “Venho da terra estéril da ilusão.”

— “Que trazes?”

— “A miséria do pecado,

De alma ferida e morto o coração.

Ah! quem me dera a bênção da esperança,

Quem me dera consolo à desventura!”

 

Mas a fé generosa, humilde e mansa,

Deu-lhe o braço e falou-lhe com doçura:

— “Vem ao Mestre que ampara os pobrezinhos,

Que esclarece e conforta os sofredores!...

Pois com o mundo uma flor tem mil espinhos,

Mas com Jesus um espinho tem mil flores!”

 
Cármen Cinira, nome literário de Cinira do Carmo Bordini Cardoso, nasceu no Rio de Janeiro em 1902 e faleceu em 30 de agosto de 1933. Sua espontaneidade poética era tão grande que ela própria acreditava serem seus versos de origem mediúnica. O poema acima integra o Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.







                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
 
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Maio de 2012, 14:19
                                                                     VIVA JESUS!



          Bom-dia! queridos irmãos.


                  Carta íntima

Auta de Souza

Escuta, meu irmão! Pelo caminho

Da miséria terrestre, há muitas dores;

Muito fel, muita sombra, muito espinho,

Entre falsos prazeres tentadores.

 

Há feridas que sangram... Há pavores

De órfãos sem lar, sem pão e sem carinho:

Confortemos os pobres sofredores,

Almas saudosas do Celeste Ninho!

 

Jesus há de sorrir com o teu sorriso,

Quando faças no mundo o bem preciso,

Pelo que sofre em desesperação.

 

Todo o bem que plantares nessa vida,

Há de esperar tua alma redimida

Nos caminhos de luz e redenção!


 

Do livro Parnaso de Além-Túmulo, obra ditada por Espíritos Diversos, por intermédio do médium Francisco Cândido Xavier






                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 09 de Maio de 2012, 15:03
                                                                     VIVA JESUS!



           Bom-dia! queridos irmãos.

 
Cantiga das Palavras



Quando escutes na estrada, alma querida e boa.
A palavra que fira.
Recordando a pedrada que se atira
Quando alguém se conturba e amaldiçoa,
Coloca-te em lugar da pessoa acusada
E, se na luz da fé que te inspira e sustém
Nada possas fazer, não diga nada,
Nem censures ninguém.


Pelos caminhos do cotidiano,
Quem se afeiçoa à queixa renitente
É igual a nós: um coração humano,
Às vezes enganado, outras vezes doente!. . .


Muita afeição que cai ou se arroja, de todo,
No azedume infeliz,
Não sabe que remexe uma furna de lodo,
Nem pondera o que diz. . .


Injúria, humilhação, sarcasmo, treva
Na comunicação verbal que te procura
São canais de mais dor, quando a dor se subleva
E cria delinquência, expiação, loucura!. . .


Ante as palavras rudes ou sombrias,
Considera, também, por outro lado,
De quanta compreensão precisarias
Se tivesses errado!. . .


Palavras de ferir, palavras de humilhar,
Mágoas de quem falhou, reclamações de alguém,
Violência, agressão, amargura, pesar,
Entrega tudo a Deus nas vibrações do bem!. . .


Nunca leves adiante a sombra que te prova;
Lembra a lição do sol, sereno e superior,
Que, abrindo cada dia em luz de vida nova,
Tudo cobre de amor.




Maria Dolores






                                                                                            PAZ, MUITA PAZ!





                                     
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Maio de 2012, 12:28
                                                                     VIVA JESUS!



           Bom-dia! queridos irmãos.

                   Ave Maria

 Amaral Ornellas

Ave Maria! Senhora

Do Amor que ampara e redime,

Ai do mundo se não fora

A vossa missão sublime!

 

Cheia de graça e bondade,

É por vós que conhecemos

A eterna revelação

Da vida em seus dons supremos.

 

O Senhor sempre é convosco,

Mensageira da ternura,

Providência dos que choram

Nas sombras da desventura.

 

Bendita sois vós, Rainha!

Estrela da Humanidade,

Rosa mística da fé,

Lírio puro da humildade!

 

Entre as mulheres sois vós

A Mãe das mães desvalidas,

Nossa porta de esperança,

E Anjo de nossas vidas!

 

Bendito o fruto imortal

Da vossa missão de luz,

Desde a paz da Manjedoura,

As dores, além da Cruz.

 

Assim seja para sempre,

Oh! Divina Soberana,

Refúgio dos que padecem

Nas dores da luta humana.

 

Ave Maria! Senhora

Do Amor que ampara e redime,

Ai do mundo se não fora

A vossa missão sublime!

 

Amaral Ornellas nasceu no Rio de Janeiro em 20 de outubro de 1885 e desencarnou em 5 de janeiro de 1923. Talento brilhante, deixou dois volumes de Poesia, consagrados pela crítica coeva, além de copiosa literatura teatral e doutri­nária. O poema acima faz parte do livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.







                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Maio de 2012, 18:15
                                                                     VIVA JESUS!



         Boa-tarde! queridos irmãos.


                  Colheita



Se consegues guardar o coração

Sem queixumes em vão,

Além das nuvens densas,

Feitas em vibrações de sarcasmos e ofensas,

Sem que a força da fé se te degrade,

Quando rugem, lembrando tempestade...

Se olhas para o mal que te rodeia,

Respeitando, em silêncio, a luta alheia,

Se não te fere ouvir

A expressão que te espanca ou te censura,

No verbo avinagrado da amargura,

Sem alterar teu sonho de servir...

Se logras conservar a luz no pensamento,

Ante os assaltos do tufão violento,

Que se forma da injúria que atraiçoa,

E trabalhas sem mágoa e ajudas sem tristeza,

Plantando o reconforto, a bondade e a beleza,

Sem perder a esperança na alma boa...

Se já podes, enfim,

Converter toda lama em trato de jardim

E criar alegria em tua própria dor,

Para auxílio a quem chora ou socorro de alguém,

Então terás chegado à compreensão do bem,

Para viver em paz, na vitória do amor!...

 

Do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.
 






                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Maio de 2012, 10:35
                                                                     VIVA JESUS!



           Bom-dia! queridos irmãos.


                   

Alma
 Augusto dos Anjos
 

Nos combates ciclópicos, titânicos,

Que eu às vezes na Terra empreendia,

Nos vastos campos da Psicologia,

Buscava as almas, seres inorgânicos;

 

Nas lágrimas, nos risos e nos pânicos,

Nos distúrbios sutis da hipocondria,

Nas defectividades da estesia,

Nos instintos soezes e tirânicos,

 

Somente achava corpos na existência,

E o sangue em continuada efervescência

Com impulsos terríficos e tredos.

 

Enceguecido e louco então que eu era,

Que não via, dos astros à monera,

As luzes dalma em trágicos segredos.

 
Augusto dos Anjos nasceu na Paraíba em 1884 e desencarnou em 1914 na cidade de Leopoldina (MG). Foi professor no Colégio Pedro II. Inconfundível pela bizarria da técnica bem como dos assuntos de sua predileção, deixou um só livro — Eu — que foi, aliás, suficiente para lhe dar personalidade original. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.






                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Maio de 2012, 14:21
                                                                     VIVA JESUS!



           Bom-dia! queridos irmãos.


                    Ouça, mãezinha

Maria Dolores
 

Quero lembrar, mamãe, a vida de criança

quando você me punha de mãos postas

e ensinava-me a oração:

– “Pai nosso, que estais no Céu,

santificado seja o vosso nome…”

Depois da prece, ao desunir-me as mãos,

você me esclarecia:

– “Todos somos irmãos,

a lei de Deus é praticar o bem,

perdoar e servir sem perguntar a quem.”

 No entanto, logo após, se alguém

me molestava, você perdia o rosto amigo

e protestava incontinenti:

– “Quem ferir a você há de se haver comigo!”

 

Se me entregava à rebeldia,

quebrando o prato ou rasgando a lição,

você me recolhia junto ao peito,

e se os vizinhos nos aconselhavam

a fugir da superproteção,

você justificava com seu jeito:

– “Ninguém nasce perfeito,

eu só sei que sou mãe…”

 

Se parentes e amigos me acusavam

pelos erros que fiz,

você me defendia revoltada,

mostrando-se infeliz…

E depois, a fitar-me enternecidamente,

você falava assim:

– “Não creia nas intrigas dessa gente

que nada vale para mim.

Tenho em você um anjo que não erra,

que apareceu na Terra

para grande missão…

Será você em nossa casa

o nosso apoio e a nossa salvação!”

 

Eu tudo ouvia num deslumbramento…

Depois, mamãe, o tempo, igual ao vento,

veio e varreu as suas profecias.

Quando cresci, cheguei a acreditar

que você fosse

egoísta e antiquada, de ânimo violento.

E, acalentando estranhas fantasias,

troquei o nosso lar por estradas sombrias…

Tudo o que então sofri não sei contar.

Muitas vezes chorei

meditando em você, triste sozinha,

nas aflições e mágoas que lhe dei,

a humilhar-se e lutar por culpa minha!

 

Um dia regressei

sobre os meus próprios passos.

Tive saudade de você…

Você me abriu os braços…

Não quis saber o que eu fizera,

nem como nem por quê…

E ao relatar meus grandes infortúnios,

vi pranto nos seus olhos.

Seu carinho enlaçou-me e você me falou,

cariciosamente,

no mesmo antigo e doce tom de voz:

– “Nunca perca a esperança, meu tesouro!

Deus terá novo rumo para nós.”

 

Hoje, passado tanto tempo,

venho vê-la e beijá-la, mãe querida!

Não preciso explicar que não fui anjo,

nem gênio salvador.

Quero apenas dizer que o seu imenso amor

fortaleceu-me a fé e iluminou-me a vida!

E se posso pedir algo de novo,

embora não mereça,

abrace-me e perdoe… perdoe e esqueça

as lâminas e espinhos

que lhe finquei no peito

em forma de aflição.

E depois da oração

que você me ensinava,

diga, mamãe, enquanto estamos sós:

– “Nunca perca a esperança, meu tesouro!

Deus terá novo rumo para nós.”

 

Do cap. 18 do livro Astronautas do Além, de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.
 






                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Maio de 2012, 17:28
                                                                     VIVA JESUS!



          Boa-tarde! queridos irmãos.


                 Fim dos Tempos

Vem Jesus!
Divino Amigo...
Vem trazer a Tua Paz,
Só Tu és o nosso abrigo,
Que venturas mil nos traz!


Vem, oh meigo Nazareno,
Este mundo consolar...
Vem, com o Teu olhar sereno,
Toda terra iluminar.


Afasta do mundo a guerra,
O chacal devorador,
Que destrói tudo na terra
Espalhando luto e dor.


Há gemidos de aflição,
Já não há mais primavera,
Criancinhas pedem pão,
Homens lutam como feras.


Vem Senhor!
Vem reflorir os caminhos,
Vem Senhor!
Vem perfumar corações...
Exterminar a dor
E fazer calar os canhões.


Vem Senhor!
Com Teu amor tão profundo,
Iluminar consciências
E fazer feliz o mundo.


João Cabete (Espírito)






                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 26 de Maio de 2012, 00:10
                                                                       VIVA JESUS!



        Boa-noite! queridos irmãos.


                 

Ternura maternal

Carlos Dias Fernandes
 

As paredes da casa em vão procuro,

Quero dizer adeus e não consigo...

Vejo apenas o vulto amargo e amigo

Da morte que me estende o manto escuro.

 

Choro a estirar-me, trêmulo, inseguro;

O leito ensaia a pedra do jazigo...

Padeço, clamo e indago a sós comigo,

Qual pássaro que tomba contra um muro.

 

A névoa espessa enreda o corpo langue.

É o terrível crepúsculo de sangue

Que me tinge de sombra os olhos baços;

 

Mas surge alguém, no caos que me entontece,

É a minha mãe, que alonga as mãos em prece,

Doce estrela brilhando nos meus braços!...

 

II

 

Ave que torna, em chaga, ao brando ninho,

Ouço divina música na sala,

É a sua voz celeste que me embala,

Motes do lar que tornam de mansinho.

 

Ergo-me agora... O corpo é o pelourinho

De que me desvencilho por beijá-la...

“Mãe! Minha Mãe!...” – suspiro, erguendo a fala,

A soluçar de júbilo e carinho.

 

- “Dorme, filho querido! Dorme e sonha!...”

Nossa velha canção terna e risonha

Regressa com beleza indefinida...

 

Tomo-lhe os braços em que me acrisolo

E durmo novamente no seu colo

Para acordar no berço de outra vida.

 

 

Carlos Dias Fernandes nasceu na Paraíba em 20 de setembro de 1875 e faleceu no Rio de Janeiro em 9 de dezembro de 1942. Foi jornalista, romancista, poeta, crítico e autor dramático. Os sonetos acima integram o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.

 






                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Maio de 2012, 13:05
                                                                      VIVA JESUS!



             Bom-dia! queridos irmãos.


                       Louvada sejas

Auta de Souza
 

Louvada sejas, mão que a penúria suprimes

E espalhas sem cessar a Divina Presença!

És caridade - a luz em que o Céu se condensa,

Entre bênçãos de paz e júbilos sublimes!...

 

Mão que socorres, dás, amparas, desoprimes,

Afagas, curas, crês, serves sem recompensa.

Fazes-te sol de amor na escuridão mais densa!...

Incontáveis na estrada as dores que redimes!...

 

Mão que constróis, apoias, iluminas.

Em ti a Terra sobe às amplidões divinas.

Por ti Deus fala ao mundo em todas as igrejas!...

 

Inda que o mal te zurre, escarneça ou degrade,

Seja onde seja, em tudo, és sempre caridade!...

Mão que lembras Jesus, engrandecida sejas!...

 

Do livro Auta de Souza, ditado pelo Espírito de Auta de Souza, psicografia de Francisco Cândido Xavier.
 






                                                                                      PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 02 de Junho de 2012, 15:29
                                                                     VIVA JESUS!



          Bom-dia! queridos irmãos.


                 Paixão de “Sá” Biluva

Cornélio Pires
 

João da Mata espichou no boqueirão.

Tirava pau no Morro do Esqueleto

Para o serviço novo do coreto,

Caiu, gritou... Morreu de supetão.

 

“Sá” Biluva na Roça do Pilão,

Magrela de paixão que nem graveto,

Vivia de clamar, toda de preto:

- “Quero ver João, meu Deus! Quero ver João!..”

 

O Espírito de João, com dó da viúva,

Veio uma noite e disse: - “Sá” Biluva,

Não chore, minha velha! Eu não morri!...”

 

Mas Biluva, assungando a cruz de ferro,

Rebolou no colchão, soltando um berro:

- “Te arrenego, capeta! Sai daqui!...”

 

 

Do livro O Espírito de Cornélio Pires, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier






                                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 06 de Junho de 2012, 10:54
                                                                      VIVA JESUS!




           Bom-dia! queridos irmãos.

                   

Aves e anjos

 Júlio Diniz

Passarinhos... passarinhos...

Aconchegados nos ninhos,

Lares de amor doce e brando,

Pequeninos trovadores

Entre as árvores e as flores,

Cantando...

Cantando...

 

Crianças, anjos suaves,

Mimosas quais bandos de aves

Cortando um céu claro e lindo,

Açucenas perfumadas,

Com as pétalas orvalhadas,

Sorrindo....

Sorrindo...

 

Hino terno de esperanças

Das aves e das crianças,

Vai-se com a luz misturando,

Tecendo as horas serenas

Das alegrias terrenas,

Sorrindo...

Cantando...


 
 

Júlio Diniz nasceu em 1839 e desencarnou na cidade do Porto, Portugal, em 1871. Com este pseudônimo, pois seu nome era Joaquim Guilherme Gomes Coelho, notabilizou-se mais como romancista, principalmente com As Pupilas do Senhor Reitor. O poema acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier






                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 08 de Junho de 2012, 21:57
                                                                      VIVA JESUS!



           Boa-noite! queridos irmãos.



                     Carta aos discípulos

 Casimiro Cunha
 

Se és discípulo sincero

Do Evangelho de Jesus,

Não deponhas no caminho

O peso de tua cruz.

Pelo fato de estudares

Nesse roteiro de amor,

Encontrarás na tarefa

O cálice de amargor.

É que quanto mais te eduques

Nos esforços da ascensão,

Mais sofrerás com o duelo

Do egoísmo e da ambição.

Pensando no Amado Mestre,

Ponderando-Lhe a bondade,

Hás de chorar, vendo o mundo

No abismo da iniquidade.

Terás dor, porquanto, em paz,

Nunca feres, nem odeias.

Sentindo contigo próprio

As amarguras alheias

Vai com fé pelo caminho,

Leva a charrua na mão,

Trabalha, aguardando o Cristo

No fundo do coração.

Desconfia da lisonja.

Esquece o que te ofender.

Coloca, acima dos homens,

O que te cumpre fazer.

Sê modesto. Há sempre últimos

Que no céu serão primeiros.

Conta sempre com Jesus

Acima dos companheiros.

Um amigo terrestre pode

Ir com tua alma ao porvir,

Mas inda é o homem do mundo

Sempre disposto a cair.

Recebe com precaução

Quem te venha agradecer.

Por muita coisa que faças

Não fazes mais que o dever.

A palavra sem os atos

É um cofre sonoro e oco.

Evita o que fala muito

E edifica muito pouco.

Sê desprendido da posse,

Mas conserva os bens da luz.

O discípulo conhece

Que ele próprio é de Jesus.

Nunca sirvas às discórdias,

Ao despeito, à confusão.

Deves ser, por onde passes,

Ensino e consolação.

Sabendo que nada vales

Sem o amparo do Senhor,

Conquistarás no futuro

O seu Reinado de Amor.

 

Do livro Cartas do Evangelho, de Casimiro Cunha, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier
 





                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 16 de Junho de 2012, 05:29
                                                                       VIVA JESUS!




                Bom-dia! queridos irmãos.



                          Velho João

Cornélio Pires
 

Velho João, agonizas triste e pobre,

Sem que o mundo, sequer, a mão te estenda;

Ninguém te oferta um caldo por merenda,

Nem um trapo de pano que lhe sobre...

 

Ah! ninguém te agradece ao peito nobre

O cansaço na roça e na moenda;

Morres, lembrando as pompas da fazenda,

No seboso molambo que te encobre.

 

Percebes, pelos vãos da própria furna,

Flores aos borbotões, na paz noturna,

E abandonas o corpo, a fim de vê-las...

 

Fitas, em prece, a noite calma e santa

E sobes, velho João, como quem canta

Nos milharais do Céu, plantando estrelas!
 

 

Do livro Antologia dos Imortais, obra ditada por Espíritos diversos, psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.

 




                                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Junho de 2012, 21:12
                                                                     VIVA JESUS!



           Boa-tarde! queridos irmãos.


                  Mortos? Não



Nós não somos os mortos condenados

Aos sepulcros de treva e cinzas frias,

Tristes evocações das agonias,

Sob os dobres dos sinos de finados...

 

Não estamos nas lápides sombrias

Dos cemitérios ermos e isolados,

Somos somente amigos apartados

Pelo... espaço das horas fugidias.

 

Crede que a luta é a nossa eterna herança,

Com a qual marchamos plenos da esperança

Que une os mundos e os seres nos seus laços.

 

Depois da morte, a luz de um novo dia

Resplende, transbordante de harmonia

Pela serenidade dos espaços.

 

 

Do livro Lira Imortal, obra psicografada pelo médium Francisco Candido Xavier.






                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 07 de Julho de 2012, 22:19
                                                                     VIVA JESUS!




            Boa-noite! queridos irmãos.



                 Sonetos - 2

 

Ah!... se a Terra tivesse o amor, se cada

Homem pensasse no tormento alheio,

Se tudo fosse amor, se cada seio

De mãe nutrisse os órfãos... Se na estrada

 

Do contraste e da dor houvesse o anseio

Do bem, que ampara a vida torturada,

Que jamais viu um raio de alvorada

Dentro da noite eterna que lhe veio

 

Do sofrimento que ninguém conhece...

Ah! se os homens se amassem nessa estância

A dor então desapareceria...

 

A existência seria a ardente prece

Erguida a Deus do seio da abundância,

Entre os hinos da paz e da alegria.

 

 

Raimundo Correia nasceu em 13-5-1859 a bordo do vapor São Luiz, na baía de Mangunça, litoral do Maranhão, e desencarnou em Paris a 13-9-1911. Magistrado e membro da Academia Brasileira de Letras, é considerado um dos maiores poetas de sua geração. O soneto acima, psicografado por Chico Xavier, foi extraído do livro Parnaso de Além-Túmulo.







                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 14 de Julho de 2012, 19:26
                                                                     VIVA JESUS!





        Boa-tarde! queridos irmãos.




              De alma para alma  

 

Escuta, alma querida!

Ante as perturbações e os empeços da vida,

Onde não possas ajudar

A dissipar a treva e extinguir o pesar,

Nada fales, em vão!...

Uma palavra, às vezes, tão-somente,

Na moldura de um gesto irreverente,

Basta para espancar o coração.

Se anotas sombra e dor, por onde jornadeias

Dá consolo e respeito às aflições alheias...

Tempo vai, tempo vem...

E assim como o carvão se faz diamante puro,

Na forja do destino, em louvor do futuro,

Todo o mal se converte em coluna do bem.

Usa o verbo, esparzindo novas luzes,

Não condenes, não firas, não acuses!...

Onde enxergares pedra, lodo, espinho,

Cobre de paz e amor as lutas do caminho.

Lembremos nossos erros, teus e meus!...

Todos sofremos provas, alma boa,

Trabalha, serve, ajuda, ama e abençoa

E encontrarás contigo a presença de Deus.

 

Do cap. 19 do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.







                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Julho de 2012, 23:17
                                                                      VIVA JESUS!




           Boa-noite! queridos irmãos.

                   
                  Onde estiveres


                  Enquanto o dia canta, enquanto o dia
Esperanças e flores te revela,
Segue na estrada primorosa e bela
Da bondade que atende, ampara e cria.

Não desprezes o tempo que te espia
Por santa e infatigável sentinela...
E, alma do amor que se desencastela,
Perdoa, alenta e crê, serve e confia.

Lembra-te, enquanto é cedo! Tudo, tudo
O tempo extingue generoso e mudo,
Menos o Eterno Bem que, excelso, arde...

E onde estiveres, torturado embora,
Faze o bem a luz de cada hora,
Antes que a dor te ajude, triste e tarde!


        Auta de Souza





                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 23 de Julho de 2012, 16:11
                                                                     VIVA JESUS!




         Boa-tarde! queridos irmãos.



                   Que será de nós?  

 

Que será de nós se não sobrevivermos em Cristo tanto quanto o Cristo busca sobreviver em nós?

Não passaremos de símios acorrentados à teia dos cromossomos,

Nascendo,

Morrendo

E renascendo

A fim de aprender a edificar a vida pelo amor,

Mas acabando por ceder às tentações do ódio para destruí-la

Qual vem acontecendo

Na sucessão dos evos.

Que será de nós sem a sobrevivência em Cristo?

Quem livrará os povos superdesenvolvidos dos polvos da ambição e dos cogumelos do extermínio?

Time Square, Piccadilly, Champs Elysées,

Festivais de Cannes, Passarelas de Roma, Carnavais do Rio,

Quem vos garantirá, na retorta da existência, a transformação gradativa convertendo-vos o brilho exterior em felicidade real?

Sociedades de Nações, Academias de Ciências, Institutos de Pesquisas e Organizações Culturais,

Quem vos assegurará a subida em demanda do sol do sentimento,

Para que os vossos raciocínios brilhem de sublimação à plena luz?

Companheiros que vos ocultais sob a névoa grossa da anfetamina

Ou que transitais nas alucinações do ácido lisérgico,

Quem vos soerguerá com paciência, restituindo-vos o equilíbrio nas trilhas naturais?

Que será de nós se não sobrevivermos em Cristo?

Sem Ele, ai de vós entregues às mandíbulas das máquinas,

Semelhantes a Moloques insaciáveis do sangue das vítimas!

E ai de nós no plano espiritual da Terra,

Que não podemos rogar piedade aos computadores nem pedir vida nova aos foguetes espaciais!

Que será de nós se não sobrevivermos em Cristo?

Homens, comunidades e nações conhecem a resposta…

Sem sobrevivermos em Cristo, na marcha em direção à solidariedade isenta das pedras do sarcasmo e livre dos punhos e golpes da violência, não passaremos de animais amando e odiando, edificando e arrasando, nas viagens de ida e volta berço-túmulo e túmulo-berço, embora refulgindo no ápice das conquistas biológicas, transistorizadas em nossas lembranças ancestrais a rebentarem através de guerras e mais guerras, conforme a filosofia do imanente e segundo o registro do imemorial.


Do cap. 15 do livro Astronautas do Além, obra de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos Diversos.
 






                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Julho de 2012, 13:53
                                                                      VIVA JESUS!




          Bom-dia! queridos irmãos.



                   Vamos  
 

Não te detenhas... Crê, ajuda e avança!...

Seja dia brilhante ou noite escura,

Nos momentos de paz ou de amargura,

Busca o Mestre da Luz e da Esperança.

 

No caminho do bem que não descansa,

Agradece ao trabalho que te apura,

E sigamos, felizes, à procura

Da imperecível bem-aventurança!...

 

Não repouses na estrada... Segue à frente,

Ontem, hoje, amanhã... Constantemente,

Marcha ao doce clarão que te ilumina...

 

Jesus é o Sol de Amor que nos espera

Em resplendente e excelsa primavera

No lar eterno da União Divina.
 

 

Do livro Auta de Souza, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier








                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Agosto de 2012, 14:51
                                                                     VIVA JESUS!




         Bom-dia! queridos irmãos.




                  A enxada  
 

Com febre alta, o velho Zé da Hora

Limpa a roça no Sítio da Chapada,

Treme, cai... De repente não vê nada,

Tudo escuro no campo, terra afora.

 

Tanto tempo serviu. Mas Zé agora

Tem cabeça branca e fatigada;

Morre o sol, vem a noite, e ao pé da enxada,

De mão no peito aflito, reza e chora.

 

Zé larga o corpo e, Espírito liberto,

Pede luz e eis que a luz surge de perto;

Tropeçando, levanta-se... Quer vê-la...

 

Mas cai de novo em pranto de alegria:

A enxada do seu pão de cada dia

Brilhava convertida numa estrela.

 

 

Do livro O Espírito de Cornélio Pires, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.
 






                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Agosto de 2012, 15:21
                                                                     VIVA JESUS!




            Bom-dia! queridos irmãos.



                    Ouve



Escuta! Enquanto a paz da oração te domina,
Qual melodia excelsa, a fremir, doce e mansa,
Há quem padeça e morra à míngua de esperança,
Rogando amparo, em vão, no lençol de neblina.


Ouve! A sombra tem voz que clama e desatina...
É a provação que ruge... A dor que não descansa...
Desce do pedestal da fria segurança,
Transfigura a bondade em fonte cristalina.


Estende o coração!... Serve, instrui, alivia...
Das sementes sutis de ternura e alegria
Prepararás, agora, o jardim do futuro...


Um dia, voltarás à pátria de onde vieste
E apenas colherás na luz do Lar Celeste
O que dás de ti mesmo ao solo do amor puro.




Amaral Ornellas


Do livro Antologia dos Imortais, de Francisco Cândido Xavier, por Espíritos diversos.







                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 11 de Agosto de 2012, 20:57
                                                                      VIVA JESUS!




           Boa-tarde! queridos irmãos.



                       Respostas de amigo



Jamais te digas inútil

E deixa a ideia do azar,

Cada pessoa no mundo

Tem um dom a partilhar.

Escuta!... O Céu nota e vê

O teu passo hora por hora...

Deus necessita de ti

Onde te encontras agora.

Prova na escola da vida,

Ensino que vai e vem...

Desânimo não resolve,

Nem auxilia a ninguém.

Felicidade, a rigor,

Tal qual se busca entender,

É a gente dar-se, de todo,

Ao que se deve fazer.

Se queres paz e alegria

Ouve este aviso comum:

- Não desistas do trabalho,

Nem guardes remorso algum.

O que tens, seja alegria,

Saúde, corpo doente,

Encargo, inércia, penúria,

Tudo começa na mente.

Qualquer recurso no tempo,

Alegria, luz e paz,

Treva, aflição, amargura,

Vem daquilo que se faz.

Trabalha. Nada reclames.

Desajustes passarão.

Serviço silencioso

É base de promoção.

 

Do cap. 17 do livro Diálogo dos Vivos, de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos
 
 




                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Agosto de 2012, 14:52
                                                                      VIVA JESUS!




           Bom-dia! queridos irmãos.



                   Divina Sílaba



Sempre o Nome Sagrado – a Sílaba Divina –
Dos astros recordando alígeras galeras,
Nas correntes do Azul, às supremas esferas
Onde o jorro da luz se represa e esborcina...


Das alturas do Céu ao bojo das crateras,
Do mar em vagalhões à fonte pequenina,
Dos cimos da montanha às entranhas da mina,
Do clarão do presente à sombra de outras eras...


Da relva pisoteada ao tronco erguido a prumo,
Da brisa bonançosa ao furacão sem rumo,
Da leveza da palha ao peso do granito...


Do gênio angelical à bactéria no solo,
De vida em vida, passo a passo, polo a polo,
Tudo fala de Deus na glória do Infinito!...




Americano do Brasil


XAVIER, Francisco Cândido. Do livro Poetas Redivivos.






                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Agosto de 2012, 13:37
                                                                      VIVA JESUS!




          Bom-dia! queridos irmãos.



                  Canção do Ontem

     
Que estranho, o ontem e o hoje sendo.

Depois, vem o amanhã que será;

O que passou é nostalgia que estamos vivendo,

No vagar das espumas, do tempo que virá.

 

E o velho fica moço,

O moço fica velho.

Talvez o tempo seja um laço

   De lembranças, de moço e de velho.

 

 

Quando olho o passada, veja a janela fechada.

Na vivência do presente, sinto a vibração da consciência,

Entre o ontem, o hoje e o amanhã, o nexo da fachada,

A luz, a sombra, o amor, as lágrimas, toda a existência.

 

Como são coloridos, belos, os dias, as flores.

O véu da noite traz suspiros e devaneios;

O sol descortina o coração, os amores.

Todos os dias a vida corre, como em passeios.

 

Poema de Maury Rodrigues da Cruz, retirado da obra: Canções.

 




                                                                                              PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Agosto de 2012, 15:24
                                                                     VIVA JESUS!




          Bom-dia! queridos irmãos.



                     Expiação


 

Enterro de outro corpo. Abrindo a campa fria,

Ocorreu a imprevista exumação... O achado

Do cadáver de borco, horrível, macerado,

No pavor da aflição, recordando a agonia...

 

Torva interrogação pairou, rude e sombria:

– Fora enterrado vivo o inditoso finado?...

Mas, no Espaço, o problema era já superado:

Caso triste e invulgar de catalepsia...

 

Alguém pagou à Lei o ceitil derradeiro,

No sofrimento atroz dos minutos da morte,

De um crime feito atrás quando fora coveiro.

 

E a alma foi demandando as esferas da Altura,

Exultante de amor, resplandecente e forte,

Mais livre e mais feliz, mais serena e mais pura!...

 

O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada por Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier, ditada por Espíritos diversos. Seu autor, Lafayette Melo, natural de Uberaba-MG, foi professor, poliglota e jornalista e um dos fundadores e diretores de O Garoto, em sua terra natal
 





                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 26 de Agosto de 2012, 18:08
                                                                     VIVA JESUS!




          Boa-tarde! queridos irmãos.



                     Carta às famílias

 

É certo que sobre a Terra,

Nas lutas de expiação,

Muita vez o lar se forma

Para a dor da redenção.

Por vezes, os inimigos

Das existências passadas

Recebem o mesmo sangue

Em lutas amarguradas.

É o resgate doloroso,

A algema que, no futuro,

Transforma o ódio tigrino

Em tesouros do amor puro.

Eis aí por que, não raro,

Nessa prova que redime,

Irmãos surgem contra irmãos,

Raiando até pelo crime.

Mas a dor, a grande dor

Que reforma toda a gente,

Recolhe-os no seu regaço,

Fraterniza-os novamente.

Por essa razão, amigos,

Todo o ensino em substância

É que a paz do lar terrestre

Depende da tolerância.

Falando em particular,

Peço-te, pois, meu irmão,

Que faças de tua casa

O instituto da afeição.

Não te esqueças que em família

A mais santa autoridade

É a que nasce da energia

Que não desdenha a bondade.

A fim de seres ouvido,

Recorda que o verbo dar

Na caravana efetiva

Precede o verbo ensinar.

Jamais te queixes dos teus,

Seja em qualquer confidência.

Muita vez, nos desabafos,

Há muita maledicência.

Sem que repartas no mundo

A fé e o amor com os teus,

Não pode dar no caminho

Os sublimes dons de Deus.

Há lutas em tua casa,

Atritos e desavenças?

Isso é a sombra em que se prova

A claridade da crença.

Na noite de cada dia,

Nas luzes das orações,

Envia a Deus os apelos

De tuas inquietações.

Quanto ao mais, teu sacrifício

É a santa expressão de dor,

Purificando a família

No plano eterno do Amor.

 

Do livro Cartas do Evangelho, de Casimiro Cunha, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.
 
 




                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Setembro de 2012, 10:45
                                                                     VIVA JESUS!




           Bom-dia! queridos irmãos.



                     Morte
 

Longe do sentimento limitado

Da matéria em seus átomos finitos,

No limite de um mundo ignorado,

Celebra a morte seus estranhos ritos.

 

Hinos e vozes, lágrimas e gritos

Do Espírito que, outrora encarcerado,

Contempla a luz dos orbes infinitos

Bendizendo a amargura do passado!

 

Ó morte, a tua espada luminosa,

Formada de uma luz maravilhosa

É invencível em todas as pelejas!...

 

És no universo estranha divindade.

Ó, operária divina da verdade,

Bendita sejas tu! Bendita sejas!...

 

Do livro Lira Imortal, psicografado por Francisco Cândido Xavier por Espíritos diversos.
 





                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Setembro de 2012, 17:08
                                                               VIVA JESUS!




          Boa-tarde! queridos irmãos.


                  O Livro

Ei-lo! Facho de amor que, redivivo, assoma
Desde a taba feroz em folhas de granito,
Da Índia misteriosa e dos louros do Egito
Ao fausto senhoril de Cartago e de Roma!


Vaso revelador retendo o excelso aroma
Do pensamento a erguer-se esplêndido e bendito,
O Livro é o coração do tempo no Infinito,
Em que a ideia imortal se renova e retoma.


Companheiro fiel da virtude e da História,
Guia das gerações na vida transitória,
É o nume apostolar que governa o destino;


Com Hermes e Moisés, com Zoroastro e Buda,
Pensa, corrige, ensina, experimenta, estuda,
E brilha com Jesus no Evangelho Divino.


Olavo Bilac




                                                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Setembro de 2012, 17:46
                                                                 VIVA JESUS!




            Boa-tarde! queridos irmãos.




                  “A vida, na sua expressão terrestre, é como uma árvore grandiosa. A infância é a sua ramagem verdejante. A mocidade se constitui de suas flores perfumadas e formosas. A velhice é o fruto da experiência e da sabedoria. Há ramagens que morrem depois do primeiro beijo do Sol, e flores que caem ao primeiro sopro da Primavera. O fruto, porém, é sempre uma bênção do Todo-Poderoso. A ramagem é uma esperança; a flor uma promessa; o fruto é realização. Só ele contém o doce mistério da vida, cuja fonte se perde no infinito da divindade!...”(Jesus)
(Livro Boa Nova de Humberto de Campos,
psicografado por Chico Xavier)






                                                                              PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Setembro de 2012, 12:00
                                                                VIVA JESUS!




            Bom-dia! queridos irmãos.



                  Rota Espírita



Erguer-se de manhã e bendizer a vida.


Espalhar ao redor a presença do bem.


Escutar calmamente as notícias da hora.


Dar a palavra amiga. Ajudar conversando.


Dispor o coração a servir sem perguntas.


Fazer mais que o dever na tarefa em que esteja.


Suportar sem revolta as provações em curso.


Apagar a discórdia e liquidar problemas.


Estudar e entender. Discernir e elevar.


Render culto à Verdade entre bênçãos de amor.


Ver o direito alheio e respeitá-lo em tudo.


Ser fiel ao trabalho e esquecer as ofensas.


Amar fraternalmente a todas as criaturas.


Acender cada noite as estrelas da paz no abrigo da consciência em preces de alegria.


- Eis a rota ideal na jornada constante do espírita-cristão, à luz de cada dia.


Albino Teixeira


De Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Albino Teixeira.






                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 24 de Setembro de 2012, 20:43
                                                                 VIVA JESUS!




            Boa-tarde! queridos irmãos.



                      Velhice e mocidade

 

Não tenhas medo da velhice. Os planos

Nem sempre são melhores no começo,

E o vinho bom tem mais sabor, mais preço

Quando envelhece no barril dos anos.

 

Menos sujeito à trama dos enganos,

O velho tem por tudo mais apreço;

É mais prudente, calmo e mais avesso

Aos conselhos dos cépticos humanos.

 

Não vês o tronco velho na floresta?

Que proteção ao tronco novo empresta

Para que a copa ascenda à claridade!

 

Da mesma forma o tronco humano aduba

O tronco novo para que ele suba,

A fim de que floresça a mocidade!
 

 

Wanderley Pereira é jornalista, poeta e expositor espírita. Foi repórter da revista Veja e hoje trabalha na TV Jangadeiro, em Fortaleza-CE.
 






                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 25 de Setembro de 2012, 22:16
                                                                 VIVA JESUS!




           Boa-noite! queridos irmãos.




                  Primavera



Coro das quatro estações:
Cantemos! Fora a tristeza !
Saudemos a luz do dia:
Saudemos a Natureza !
Já nos voltou a alegria !
A Primavera:
Eu sou a Primavera !
Está limpa a atmosfera,
E o sol brilha sem véu !
Todos os passarinhos
Já saem dos seus ninhos,
Voando pelo céu.
Há risos na cascata,
Nos lagos e na mata,
Na serra e no vergel:
Andam os beija-flores
Pousando sobre as flores,
Sugando-lhes o mel.
Dou vida aos verdes ramos,
Dou voz aos gaturamos
E paz aos corações;
Cubro as paredes de hera;
Eu sou a Primavera,
A flor das estações !
Coro das quatro estações:
Cantemos! Fora a tristeza !
Saudemos a luz do dia:
Saudemos a Natureza !
Já nos voltou a alegria


Olavo Bilac


Uma homenagem ao início da nova estação






                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 30 de Setembro de 2012, 19:44
                                                                   VIVA JESUS!




             Boa-tarde! queridos irmãos.



                    Vida
 

 

Não digas, coração, que a vida é triste,

Porque a vida é grandeza permanente

E a Natureza, em tudo, é um cântico de glória,

Desde o sol à semente.

Mágoas? Dizes que as mágoas lembram trevas,

Que nem de longe sabes entendê-las...

Contempla o céu noturno, revelando

Avalanches de estrelas.

Asseveras que os sonhos são feridas,

Quais picadas de espinhos agressores...

Fita o verde das árvores podadas,

Recobertas de flores.

Nos dias de aflição, ante a força das provas,

Recorda, na amargura que te oprime,

Que a ostra faz nascer do próprio seio em chaga

A pérola sublime.

Assim também, nas trilhas da existência,

Se choras sem apoio e caminhas sem paz,

Não te queixes do mundo... Serve, ama,

Espera e vencerás.

A vida!... Toda vida é luz eterna,

Escalando amplidões e buscando apogeus...

E a presença da dor, em qualquer parte,

É uma bênção de Deus.

 

Do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.






                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 07 de Outubro de 2012, 03:39
                                                                    VIVA JESUS!




             Boa-noite! queridos irmãos.



                    O amor! Fogo invencível...



     “Eu sempre penso que se o ladrão do Calvário tivesse tido um pedaço de pão quando teve fome pela primeira vez, uma túnica de lã quando teve frio, ou um amigo cordial quando teve tentação, nunca teria cometido o que o levou a cruz.
     Todos os justiçados sentiram a falta de uma mãe em sua vida. Quem é que sabe o que está por trás de cada coisa? Quantas vezes é a aurora que está escondida atrás da montanha? Ninguém é mau. No máximo, é fraco. E o certo até seria dizer doente.
     Nós prometemos observar o santo Evangelho. E o Evangelho diz que fomos enviados para servir os doentes, não os sãos. Doentes de quê? De amor. Esse é o segredo: o bandoleiro é um doente de amor. Distribuam um pouco de pão e um pouco de carinho pelo mundo e vão poder fechar todas as cadeias. Oh! O amor! Fogo invencível, labareda divina, filho imortal do Deus imortal! Quem pode resistir ao amor? Quais as barreiras que o amor não pode saltar e quais os males que não pode remediar?
     Agora eu mesmo vou sair por aí para procurar os bandoleiros, pedir-lhes perdão e leva-los pão e carinho.”
São Francisco de Assis






                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 13 de Outubro de 2012, 11:20
                                                                   VIVA JESUS!





           Bom-dia! queridos irmãos.




                      Na luz perene


 

Não te rendas aos golpes da amargura,

Nem conserves a mágoa no teu ninho;

A dor que atinge extremos de tortura

É refúgio real no torvelinho.

 

Colhe as flores da estrada com brandura,

E planta novos sonhos de carinho;

Socorre a inquietação que te procura,

E eis que a paz te enobrece no caminho.

 

Se te escasseia o amor à própria vida,

Descerás para a sombra, instante a instante,

Ao tributo fatal da morte infrene.

 

Mas se buscas sorrir e dar guarida

Ao cansado viajor de passo errante,

Renascerás, feliz, na Luz Perene!...

 

 

Do livro Auta de Souza, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.
 







                                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Outubro de 2012, 17:55
                                                                   VIVA JESUS!




           Boa-tarde! queridos irmãos.


                  Receita de acertar  
 

Recebi o seu bilhete,

Meu prezado Felisberto.

Você nos pede um roteiro,

A maneira de andar certo.

Difícil a indicação

De como pensar e agir.

Sabe você: cada um

Tem uma estrada a seguir.

Toda pessoa na vida

Caminha tal qual se vê;

Aquilo que me auxilia

Talvez não sirva a você.

Posso afirmar-lhe no entanto,

Pelo "sim" ou pelo "não":

Tranquilidade por dentro

Decorre de aceitação.

Não a inércia que enregela

O que encontra em derredor,

Mas sempre a conformação

De quem procura o melhor.

Em corpo são ou doente,

Não adote fantasia;

Trabalhe quanto puder,

Não faça hora vazia.

Se você tolera provas

Nas lutas de parentela,

Em qualquer dificuldade,

Mais vale aguentar com ela

Pais e mães, esposo e esposa,

Afeições, almas queridas,

São provas renovadoras

Que trazemos de outras vidas.

Encargo suposto humilde?

Não se importe, nem de leve...

Seu esforço é nobre e grande

Se você faz o que deve.

Varando os mares da vida,

Amigos são nossos remos;

Se são bons ou se são falhos,

São sempre os que merecemos.

Esqueça qualquer ofensa,

Não guarde mágoa ou pesar;

Trabalhe, sirva e prossiga,

Deixe o barco navegar...

Eis a receita correta

De acertar, seja onde for:

Mais amor e paciência,

Paciência e mais amor.

 

Do livro Diálogo dos Vivos, de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e diversos Espíritos







                                                                              PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: charks rob nov em 28 de Outubro de 2012, 18:00
LEIA SOZINHO porque no passado eu também não acreditava que ia dar certo, mas… funciona mesmo!!! Entrei neste site e fiz esta prece. Fiz para ver se ia dar certo e deu, assim que acabei meu amor ligou. A pessoa que eu copiei também não acreditava mas para ela também funcionou! AGORA VEREMOS…Diga para você mesmo o nome do único rapaz ou moça com quem você gostaria de estar (três vezes)…Pense em algo que queira realizar na próxima semana e repita para você mesmo (seis vezes).Se você tem um desejo, repita-o para você mesmo (Venha cá ANJO DE LUZ eu te INVOCO para que Desenterre rcr de onde estiver ou com quem estiver e faça ele ME telefonar ainda hoje, Apaixonado e Arrependido, desenterre tudo que esta impedindo que rcr venha para MIM , afaste todas aquelas que tem contribuído para o nosso afastamento e que ele rcr não pense mais nas outras… mas somente em MIM. Que ele ME telefone e ME AME. Agradeço por este seu misterioso poder que sempre dá certo. Amém…).Publique esta simpatia por três vezes , basta copiar e colar por três vezes em in forum diferente esta simpatia abaixo e logo em 48hs você terá uma linda surpresa, beijos Ainda esta noite de madrugada o TEU amor dará conta de que TE ama, algo assim acontecerá entre 1 e 4 horas da manhã esteja preparada para o maior choque de sua vida! Se romper esta corrente terá má sorte no amor. Deus vai lhe abençoar e sua vida não será mais a mesma Escrito por: MVL | 18/10 11:07
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Novembro de 2012, 17:51
                                                                   VIVA JESUS!




           Boa-tarde! queridos irmãos.



                    Culpa e resgate

Antônio Valentim da Costa Magalhães
 

– Senhora, compaixão! – a moça triste implora.

– Não merece perdão a mulher que se aluga!...

Acabarei contigo, infame sanguessuga!... –

Grita no espancamento a impassível senhora.

 

A vítima doente anseia, tomba e chora,

Tremendo, a soluçar, sob o pé que a subjuga...

Rompe-se um grande vaso... E o sangue rola em fuga.

A morte arranja o fim... Tudo é silêncio agora...

 

A ré que ninguém viu, como se nada houvera,

Continua a viver qual flor na primavera,

Mas a Lei vigilante assinala-lhe a trilha.

 

E antes que a dama nobre em remorsos se adentre,

A alma da moça triste acolhe-se-lhe ao ventre

E ela estende-lhe o seio, enlaçando-a por filha...
 

 

Diretor-fundador do celebre jornal literário A Semana e membro fundador da Academia Brasileira de Letras, Valentim Magalhães foi romancista, poeta, crítico literário, teatrólogo, contista e jornalista. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.
 






                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!         
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 09 de Novembro de 2012, 22:53
                                                                   VIVA JESUS!




            Boa-noite! queridos irmãos.



                   A jovem de riso triste


Castro Alves, através da psicografia de Jorge Rizzini, ditou uma poesia à Terra, intitulada: “Prostituição”, onde aborda o problema de forma bastante humana, denominando a moça que é forçada a prostituir-se de “jovem de riso triste”. A referida poesia está inserida no livro Sexo e Verdade,  com poemas ditados por Castro Alves, Guerra Junqueiro e Casemiro de Abreu, edição da Editora Espírita Correio Fraterno. O livro que temos em mãos é de setembro de 1988, 4ª. Edição.

Inicialmente, Castro Alves fala sobre a prostituição através dos tempos:

“Ó jovem de riso triste, / Entregue à prostituição, / Teu drama tem mil raízes, / Que antecedem a Platão... / Já na História Religiosa, / Tu surges, voluptuosa, / Frente aos deuses de granito... / Desde o culto de Astarté, / Tu bailavas nua, até, / Na Fenícia e lá no Egito!

Na Índia – o culto do Falo, / De Siva – o deus dos dois sexos, / Nos grandes ritos eróticos / Deixavas deuses perplexos... / Na imensa Mesopotâmia, / Rolavas na mesma infâmia, / - Em tempos de Babilônia! / Estás no culto a Milita... / E nos ritos de Afrodita, / Deusa lúbrica da insônia!

Também nos templos de Baco, / E outros deuses imorais, / - Mercúrio, Vênus ou Lesbos, / Dançavas nas saturnais! / Eras então a deidade / Da eterna fecundidade... / A prostituta sagrada! / Alugavas os teus dotes / Por ordem dos sacerdotes, / -  Nos templos, não na calçada!

Depois os cínicos bonzos, / De um modo um tanto poltrão, / Mandaram fosses às ruas / Fazer a prostituição... / E as casas de tolerância / São erguidas com abundância / No vasto Império de Roma! / Mulher, prazeres, bebida! / Eis a bandeira da Vida / - A ruína de Sodoma...”

Veja o leitor que a mulher foi praticamente jogada na prostituição. Isto é: não foi ela que se fez prostituta. Fizeram-na.

As estrofes seguintes são mais contundentes:

“E as moças de pele branca / São vendidas no mercado; / Todas menores de idade, / Como rebanhos de gado! / Muitas são filhas de escravos, / As outras, de pais ignavos; / Enchem-se mil lupanares! / Surge Calígula, então, / E explora a prostituição / Com taxas bem singulares!

Ó jovem de riso triste, / Teu romance é bem complexo; /  Vem de longe a grande rede, / Que explora os vícios do sexo! / Passa o tempo, ano após ano, / E cai o Império  Romano! / Estamos na Idade Média... / Sangrando em terríveis noites, / Terás torturas e açoites / Em satânica tragédia!...”

O poeta faz referência à Lei de Causa e Efeito:

“E em caso de reincidência, / Terás a mutilação / Do nariz e das orelhas! / - Eis a Lei de Repressão! / Fizeram-te de ti um rato / Fugindo às garras do gato / No esterqueiro medieval... / prisão – em meio ao excremento! / Açoite – ao invés de argumento! / Abuso – ao invés de Moral!”

O círculo vicioso continua:

“Mas o comércio não para? / Problema sem solução? / A fome enfrenta o pudor? / Aumenta a prostituição? /  E o Governo, teu parceiro, / Enche os cofres de dinheiro, / Com o Ministro da Fazenda... / Não combate teu comércio, / Mas pagarás o sestércio! / - Quer teu imposto de renda!”

O poeta fala da podridão da sociedade, da exploração de meninas e lança mais uma vez o seu olhar amoroso à jovem de riso triste:

“Alicerces estão podres / Da sociedade atual... / Tornou-se ridículo o Homem / Quando fala contra o Mal... / Olhai a culta Paris! / Exploram a meretriz / Mais de trezentos hotéis! / E há casas clandestinas / Que recebem só meninas! / Multiplicam-se os bordéis...”

A mão que afaga – como no dizer de Augusto dos Anjos, no soneto Versos Íntimos – é a mesma que apedreja:

“Ó jovem de riso triste, / Já enferma e sem ilusão, / Lamento ver-te a vagar / No lodo da perdição... / Nasceste em um ambiente / Pobre, cruel, negligente, / Onde faltava ternura... / E veio o primeiro engano! / Então, traçaste o teu plano! / Dinheiro! Amor! / Aventura!

Mas eras inda criança! E vivias na penúria... / Quem te trouxe às ruas, praças, / Não foi jamais a luxúria! / Não tinhas educação! / Não te deram profissão! / E o mundo a te cobiçar... / E hoje o mundo critica, / O Brasil, a Martinica, / Quando vais pro lupanar!”

Como nos tempos de Jesus, os críticos ainda continuam. Como naqueles tempos, são os mesmos que procuram o leito da jovem de riso triste, na calada da noite:

“Mas muitos que te criticam, / Procuram teu leito imundo, / E dizem-te belas frases, / Como qualquer vagabundo... / Talvez o próprio Juiz / Procure uma meretriz / Nas horas mortas da noite... / E depois proclama as penas / Para as murchas açucenas: / Dá-lhes três dúzias de açoite!

“Pobre jovem de olhar triste, / Presa no mundo dos vícios, / Quantas de tuas amigas / Hoje dormem nos hospícios! / Exploram-nas vadios, / Homens com falta de brios, / Traficantes, jogadores! / Vida tranquila? – Quimeras, / Que nesse mundo de feras, / Há olhos aterradores!...”

Por fim, o poeta dá um conselho fraterno:

“Ó moças agrilhoadas / No duro viver malquisto, / Lembrai-vos de Madalena / Libertada pelo Cristo! / Há Espíritos burlescos / Envolvendo-vos, grotescos, / E o jogo não percebeis! / Que desça do Céu a Luz! Socorrei-vos de Jesus! / - E honrai a Tábua das Leis!”






   
                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Novembro de 2012, 10:53
                                                                   VIVA JESUS!





               Bom-dia! queridos irmãos.



                         Mortos verdadeiros


 

Vós que guardais dos mortos a lembrança,

Sois, também, nos espaços recordados,

Nos eternos caminhos aureolados

Pelos clarões da bem-aventurança

 

No país da verdade e da bonança

Nós ouvimos as súplicas e os brados

De pobres corações despedaçados,

No cadinho da mágoa ou da esperança

 

Das vibrações ignotas das esferas,

Nós que fomos os homens de outras eras

Queremos mitigar a vossa dor.

 

Sois os mortos nos círculos da vida,

Nos sepulcros de carne apodrecida,

Desejosos de paz, de luz, de amor.

 

Do livro Lira Imortal, obra ditada por Espíritos diversos por intermédio do médium Francisco Candido Xavier.
 







                                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: Oliveira Freire em 20 de Novembro de 2012, 00:15
Chamo-me "carioca"

Uma breve distribuição de mensagens confortantes
Levou-me a conhecer Giovanni
Trabalhador escravizado pelo álcool e o cigarro
Que não foram capazes de impedir esse pobre coitado
A abdicar do trabalho voluntário que exerce a dez longos anos

E faço uma distinção entre ele e os instruídos e educados
Que batem no peito e dizem ser humanizados
Mas que com o olhar torto e desconfiado
Expressam a discriminação velada por meio de vazias palavras
Aos sujos e esfarrapados
Tornando-se assim cúmplices da tragédia alheia

E com um olhar mais intenso e aprofundado
Vi em mim um ser bom sendo desperdiçado
Pois eu também não passava de um falso e hipócrita
Atordoando-me profundamente a partir de então
Por um sentimento hostil
Em face do homem que averiguará quase ter me tornado

Eis que me ponho face a face com a verdade
De que os que se dizem santos fazem é muito alarde
E que os maltrapilhos e desajustados
É que são os verdadeiros salvadores
Que livres dessa cadeia imoral e de falsos valores
Põem-se a mercê dos abismos e dores da vida
Para serem resgatados quem sabe um dia
Por aqueles que discretamente se extasiam
Em levar conforto e um pouco de alegria
Aqueles que são dia a dia considerados estorvos

Enquanto a Giovanni, aquele por quem algum dia
Eu pudera ter apresentado algum sinal de desprezo
Possui humildemente apenas um simples desejo:
Não ser chamado por seu nome.

E assim presto minha homenagem a ele, Giovanni,
O herói verdadeiro que é este homem
Que gosta mesmo é de ser chamado de Carioca


[Oliveira Freire]
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 08 de Dezembro de 2012, 16:31
                                                                   VIVA JESUS!




           Boa-tarde! queridos irmãos.



                   Suicídio


 

Suicídio, não pense nisso

Nem mesmo por brincadeira…

Um ato desses resulta

Na dor de uma vida inteira.

Por paixão, Quim afogou-se

Num poço de Guararema.

Renasceu em provação

Atolado no enfisema.

Matou-se com tiro certo

A menina Dilermanda.

Voltou em corpo doente,

Não fala, não vê nem anda.

Pôs fogo nas próprias vestes

Dona Cesária da Estiva…

Está de novo na Terra

Num corpo que é chaga viva.

Suicidou-se à formicida

Maricota da Trindade…

Voltou… Mas morreu de câncer

Aos quatro meses de idade.

Enforcou-se o Columbano

para mostrar rebeldia…

De volta, trouxe a doença,

Chamada paraplegia.

Queimou-se com gasolina

Dona Lília Dagele.

Noutro corpo sofre sarna

Lembrando fogo na pele.

Tolera com paciência

Qualquer problema ou pesar;

Não adianta morrer,

Adianta é se melhorar.

 

Do livro Astronautas do Além, obra de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos







                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Dezembro de 2012, 19:07
                                                                  VIVA JESUS!




               Boa-tarde! queridos irmãos.



                        Mensagem do coração

 

Chamas por Cristo em rogativa ardente

E, não longe, a servir, brando e discreto,

Acenando-te ao ninho predileto,

Eis o Mestre a chamar-te docemente...

 

Enquanto choras em repouso, à frente

Ele sangra de dor, no imenso afeto

Aos que vivem sem luz, sem pão, sem teto,

Na longa retaguarda padecente.

 

Se procuras ouvir o Grande Apelo,

Para exaltar-lhe as bênçãos e estendê-lo,

Vem e ajuda a aflição gritante e nua...

 

E encontrarás em Cristo, que te espera,

A alegria da Eterna Primavera,

Reconfortando a dor maior que a tua...

 

Do livro Auta de Souza, ditado pelo Espírito de Auta de Souza, pelo médium Francisco Cândido Xavier.
 






                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Dezembro de 2012, 20:32
                                                                   VIVA JESUS!




          Boa-noite! queridos irmãos.



                 Poema das Curvas



Não é o ângulo reto que me atrai.
Nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem.
O que me atrai é a curva livre e sensual.
A curva que encontro nas montanhas do meu País,
no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar,
nas nuvens do céu, no corpo da mulher preferida.
De curvas é feito todo o Universo,
o Universo curvo de Einstein.


Oscar Niemeyer





                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 20 de Dezembro de 2012, 17:21
                                                                   VIVA JESUS!




             Boa-tarde! queridos irmãos.



                    A sublime sentença


 

Ao pé de templo enorme, a praça tumultua.

Ansiosa expectação na calçada poeirenta...

A massa encontra o Cristo e, trágica, apresenta

Consternada mulher a chorar seminua...

 

– “Adúltera, Senhor!” – velho escriba insinua.

– “Que dizes, Mestre?” – insiste a multidão violenta

– “Somos o tribunal que a tradição sustenta,

A lei é apedrejar nos libelos da rua!”

 

Fita o Mestre a infeliz que a miséria alanceia;

Inclina-se, em seguida, e escreve sobre a areia,

Como quem grava o sonho onde a vida não medra.

 

Depois, contempla em torno a malícia, o veneno,

E exclama para a turba, entre nobre e sereno:

– “Quem for puro entre vós, lance a primeira pedra!”

     

     

Francisco Antônio de Carvalho Júnior nasceu no Rio de Janeiro em 6 de maio de 1855 e desencarnou na mesma cidade em 3 de maio de 1879. Poeta, folhetinista, crítico literário, dramaturgo, foi nomeado promotor de Angra dos Reis em 1878, transferindo-se depois para o Rio, onde viria a desencarnar no ano seguinte, como juiz municipal. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.






                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Dezembro de 2012, 13:32
                                                                   VIVA JESUS!





                  Bom-dia! queridos irmãos.


                          Conto de Natal  

 

A noite é quase gelada.

Contudo, Mariazinha

É a menina de outras noites

Que treme, tosse e caminha...

Guizos longe, guizos perto...

É Natal de paz e amor.

Há muitas vozes cantando:

– “Louvado seja o Senhor!”

A rua parece nova

Qual jardim que floresceu.

Cada vitrina enfeitada

Repete: “Jesus nasceu!”

Descalça, vestido roto,

Mariazinha lá vai...

Sozinha, sem mãe que a beije,

Menina triste sem pai.

Aqui e ali, pede um pão...

Está faminta e doente.

– “Vadia, saia depressa!”

É o grito de muita gente.

– “Menina ladra!” – outros dizem.

– “Fuja daqui, pata feia!

Toda criança perdida

Deve dormir na cadeia.”

Mariazinha tem fome

E chora, sentindo em torno

O vento que traz o aroma

Do pão aquecido ao forno.

Abatida, fatigada,

Depois de percurso enorme,

Estira-se na calçada...

Tenta o sono, mas não dorme.

Nisso, um moço calmo e belo

Surge e fala, doce e brando:

– Mariazinha, você está dormindo

ou pensando?

A pequenina responde,

Erguendo os bracinhos nus:

– Hoje é noite de Natal,

Estou pensando em Jesus.

– Não lhe lembra mais alguém?

Ela, em lágrimas, disse:

– Eu penso também, com saudade,

Em minha mãe que morreu...

– Se Jesus aparecesse,

Que é que você queria?

– Queria que ele me desse

Um bolo da padaria...

Depois de comer, então –

e a pobre sorriu contente –

Queria um par de sapatos

E uma blusa grande e quente.

Depois... queria uma casa,

Assim como todos têm...

Depois de tudo... eu queria

Uma boneca também...

– Pois saiba, Mariazinha,

Eu lhe digo que assim seja!

Você hoje terá tudo

Aquilo que mais deseja.

– Mas, o senhor quem é mesmo!

E ele afirma, olhos em luz:

– Sou seu amigo de sempre,

Minha filha, eu sou Jesus!...

Mariazinha, encantada,

Tonta de imensa alegria,

Pôs a cabeça cansada

Nos braços que ele estendia...

E dormiu, vendo-se outra,

Em santo deslumbramento,

Aconchegada a Jesus,

Na glória do firmamento.

No outro dia, muito cedo,

Quando o lojista abriu a porta,

Um corpo caiu, de leve...

A menina estava morta.
 

Do livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira, de autoria de Espíritos diversos.






                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 28 de Dezembro de 2012, 18:51
                                                                   VIVA JESUS!





            Boa-tarde! queridos irmãos.



                  Louvado sejas, meu Senhor
Com todas as tuas criaturas,
Especialmente o senhor irmão Sol,
Que clareia o dia
E com sua luz nos alumia.
E ele é belo e radiante
Com grande esplendor:
De ti, Altíssimo, é a imagem.
Louvado sejas, meu Senhor,
Pela irmã Lua e as Estrelas,
Que no céu formaste as claras
E preciosas e belas.



                             ( autor desconhecido )





                                                                                               PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 30 de Dezembro de 2012, 17:21
                                                                   VIVA JESUS!




              Boa-tarde! queridos irmãos.



                     Ouvir Estrelas


"Ora (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las, muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto...


E conversamos toda a noite, enquanto
A Via Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir do sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.


Direis agora: "Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizem, quando estão contigo?"


E eu vos direi: "Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.”


             ( Olavo Bilac )






                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Janeiro de 2013, 14:02
                                                                    VIVA JESUS!




             Boa-tarde! queridos irmãos.



                     Depressão?


Dizes que sofres angústias
Até mesmo quando em casa,
Que a tua dor extravasa
Nas cinzas da depressão.
Que não suportas a vida,
Nem te desgarras do tédio,
O fantasma, em cujo assédio
Afirma que tudo é vão.

Perto da rua em que moras
Há uma viúva esquecida,
Guarda o avô quase sem vida
E três filhinhos no lar;
Doente, serve em hotel,
Trabalha na rouparia.
Busca o pão de cada dia,
Sem tempo para chorar.




Não longe triste mulher,
Num cubículo apertado,
Chora o esposo assassinado
Que era guarda de armazém...
Tem dois filhinhos de colo.
Por enquanto, ainda não sabe
O que deve fazer da existência.
Espera pela assistência
Dos que trabalham no bem.




Um paralítico cego,
Numa esteira de barbante,
Implora mais adiante
Quem lhe dê água a beber...
Ninguém atende...
Ele grita,
Na penúria que o consome,
Tem sede e febre, tem fome,
Sobretudo quer morrer.


Depressão? Alma querida,
Se tens apenas tristeza,
Se te sentes indefesa,
Contra a mágoa e dissabor,
Sai de ti mesma e auxilia
Aos que mais sofrem na estrada.
A depressão é curada
Pelo trabalho do amor.


Maria Dolores
(Do livro "Dádivas de Amor"
Psicografado por Francisco Cândido Xavier)






                                                                                                   PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 06 de Janeiro de 2013, 21:57
                                                                   VIVA JESUS!




              Boa-noite! queridos irmãos.



                      Na mesma moeda  

 

O coronel Tutuca Sapecado,

A cada petitório de mendigo,

Falava: - “Deus é grande, meu amigo!”

Mas não dava um vintém de mel coado.

 

Se um doente gemendo afadigado

Vinha pedir perdão de juro antigo,

Louvava: - “Deus é grande! Deus consigo!”

E recebia o cobre assossegado.

 

Quando morreu ficou na caixa-forte

E gritava mudado pela morte:

- “Quero o auxílio do Céu! Que Deus me mande!”

 

Mas trancado no escuro, em agonia,

Só escutava alguém que lhe dizia:

- “Fique firme, Tutuca, Deus é grande”.

 

Do livro O Espírito de Cornélio Pires, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier, de autoria de Cornélio Pires
 






                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Janeiro de 2013, 12:41
                                                              VIVA JESUS!





                Bom-dia! queridos irmãos.



                          Multiplicação


 

Na possibilidade de servir,

Sempre nos tolhe a impossibilidade,

Porque não damos nunca sem pedir

O necessário sem necessidade.

 

Se tantos nos apoiam sem medir

Nem pesar a farinha da bondade,

Por que não entregar sem exigir

Os nossos pães às mãos da caridade?

 

Que o Senhor da fartura sem limites

Consiga abrir-nos os ouvidos moucos,

Pondo limite aos nossos apetites.

 

Se pudermos abrir nossos bornais

À multiplicação dos pães (tão poucos!)

Já estaremos fazendo muito mais!

 

Do cap. 8 do livro Diálogo dos Vivos, de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos.
 






                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Janeiro de 2013, 08:59
                                                                   VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.



                      Culto doméstico



 

Quando o culto do Evangelho

Brilha no centro do lar,

A luta de cada dia

Começa a santificar.

Onde a língua tresloucada

Dilacera e calunia,

Brotam flores luminosas

De sacrossanta alegria.

No lugar em que a mentira

Faz guerra de incompreensão,

A verdade estabelece

O império de amor cristão.

Onde a ira ruge e morde,

Qual rude e invisível fera,

Surge o silêncio amoroso

Que entende, respeita e espera.

A mente dos aprendizes

Bebe luz, em pleno ar.

Todos disputam contentes

A glória de auxiliar.

A bênção do culto aberto,

Na divina diretriz,

Conversa Jesus com todos

E a casa vive feliz.

Quem traz a igreja consigo,

Combatendo a treva e o mal,

Encontra a porta sublime

Do Reino Celestial.

 

Do livro Gotas de Luz, de Casimiro Cunha, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.
 






                                                                                       PAZ. MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 26 de Janeiro de 2013, 17:25
                                                                   VIVA JESUS!




               Boa-tarde! queridos irmãos.



                        Nossos mortos


 

Os que se vão nas mágoas e na poeira

Dos caminhos da morte soterrados,

Levam consigo a imagem derradeira,

A visão dos seus mortos bem amados.

 

Mortos que aí ficaram na canseira,

Nos trabalhos do mundo acorrentados,

Padecentes de dor e de cegueira

Nos maiores tormentos flagelados...

 

Aqueles que amei nunca os esqueço,

É por eles que sofro e que padeço

Numa longa saudade introduzida;

 

Eu os espero na luz da eternidade,

Mas, ó seres que eu  amo, esta saudade

É o cinamomo (1) em flor desta outra vida!...

 

(1) Cinamomo refere-se a um gênero de árvores e arbustos aromáticos, da família das lauráceas.

Do livro Lira Imortal, obra de autoria de Espíritos diversos, por intermédio de Francisco Cândido Xavier.
 







                                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Fevereiro de 2013, 00:08
                                                                    VIVA JESUS!




             Boa-noite! queridos irmãos.



                   Luz nas chamas


 

Fogo!... Amplia-se a voz no assombro em que se espalha.

Gritos, alterações... O tumulto domina.

No templo do progresso, em garbos de oficina,

O coração se agita, a vida se estraçalha.

 

Tanto fogo a luzir é mística fornalha

E a presença da dor reflete a lei divina.

Onde a fé se mantém, a prece descortina

O passado remoto em longínqua batalha...

 

Varrem com fogo e pranto as sombras de outras eras

Combatentes da Cruz em provações austeras,

Conquanto heróis do mundo, honrando os tempos idos.

 

Na Terra o sofrimento, a angústia, a cinza, a escória...

Mas ouvem-se no Além os hinos de vitória

Das Milícias do Céu saudando os redimidos.

 


Lembrando o incêndio ocorrido no dia 27 de janeiro em Santa Maria-RS, publicamos o soneto acima, em que o poeta se reporta aos companheiros desencarnados no incêndio do edifício Joelma, ocorrido no dia 1º de fevereiro de 1974. Do cap. 26 do livro Diálogo dos Vivos, obra de autoria de Chico Xavier, J. Herculano Pires e diversos Espíritos.







                                                                                  PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Fevereiro de 2013, 13:06
                                                                   VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.



                       Noutras eras

Cruz e Souza

Também marchei pelas estradas flóreas,

Cheias de risos e de pedrarias;

Onde todas as horas dos meus dias

Eram hinos de esplêndidas vitórias.

 

Tive um passado fúlgido de glórias,

De maravilhas de ouro e de alegrias,

Sem reparar, porém, noutras sombrias

Sendas tristes, das dores meritórias.

 

E abusei dos deveres soberanos

Sucumbindo aos terríveis desenganos

Do destino cruel, fatal e avaro;

 

Para encontrar-me a sós no mesmo horto

Que deixara, sem luz e sem conforto,

Sentindo as dores desse desamparo.

 

O soneto acima integra a obra Parnaso de Além-Túmulo, psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier. Catarinense, o poeta Cruz e Souza








                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 20 de Fevereiro de 2013, 13:33
                                                                   VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.


                        Bendito sejas

Maria Dolores
 

Bendito sejas, coração amigo,

Pelo pão que dás, à porta,

Ao companheiro que se desconforta,

Na aflição da penúria sem abrigo.

Deus te faça feliz pela roupa que ofertas

Aos torturados do caminho,

Que tanta vez se vão ao desalinho

Das feridas que trazem descobertas...

Deus te conceda o prêmio da ventura

Pela ternura sorridente

Com que levas ao doente

O amparo do remédio e a esperança da cura.

Deus te guarde na fonte da alegria,

Para lenir, no esforço a que te dês,

A orfandade e a viuvez

Que vivem para a dor de cada dia.

Deus, porém, te abençoe, coração brando e pasmo,

Com a mais sublime recompensa,

Quando olvidas a intromissão da ofensa,

O golpe da injustiça e a pedra do sarcasmo.

Deus te exalte no santo esquecimento

Do mal que te golpeia,

Reduzindo a extensão da chaga alheia

Sem cogitar do pronto sofrimento.

Bendito sejas, coração submisso,

Embora sábio entre os mais sábios,

No exemplo da bondade e do serviço,

Porque o amor transforma a sombra em luz

E o perdão, onde ampare, nunca erra,

Auxiliando a vida em toda a Terra

Para o reino Divino de Jesus.

 

 

Do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.








                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 25 de Fevereiro de 2013, 09:09
                                                                  VIVA JESUS!





               Bom-dia! queridos irmãos.




                        A quem?


 

Céus cuja imensidão ninguém doma ou traduz,

Impérios imortais de flamas estelares,

Sírius, Vega, Altair, Canopus, Lira, Antares,

Astros vivos do azul – para quem vossa luz?

 

Terra, a quem procurais no giro que produz

A estranha orquestração surgida em vossos mares?

Aves, a quem falais por notas milenares?

Flores, a quem vos dais? Quem vos guarda e conduz?

 

Revelações de sonho estéril ou fecundo,

Melodias de amor que sustentais o mundo,

A quem vos dirigis em vossos apogeus?

 

Do píncaro mais alto às entranhas do solo

Toda a vida terrestre indaga, polo a polo,

E uma palavra só tudo responde – Deus!

 

Do cap. 14 do livro Astronautas do Além, de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos.
 




                                 


                                                                                               PAZ, MUITA PAZ!

                                         
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Março de 2013, 00:15
                                                                   VIVA JESUS!




               Boa-noite! queridos irmãos.



                        Do píncaro ao lodo



 

Caridade – o clarão de uma palavra boa,

No calor da esperança a quem se desconsola,

A ternura no lar, a sacrossanta escola

Do perdão que suprime a injúria que atraiçoa.

 

Caridade – a oração que ilumina e abençoa,

O poder da afeição que a lágrima acrisola,

Fraternidade e luz renascentes da esmola

Da prática do bem, de pessoa a pessoa!...

 

Caridade – o sorriso, a paz, o teto e a mesa

Tudo o que purifica e exalta a Natureza

Nas fontes da bondade a que a vida recorre...

 

Caridade é servir desde o píncaro ao lodo,

Caminhar com Jesus e esquecer-se de todo

Para estender no mundo o amor que nunca morre.

 

Do livro Auta de Souza, ditado pelo Espírito de Auta de Souza por intermédio de Francisco Cândido Xavier.
 






                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!

Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Março de 2013, 12:37
                                                         VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.



                         E foi-se embora...


 

Caiu na obsessão Nico Raimundo,

Mediunidade nele era um problema;

Forte e feliz, queixava de eczema,

Tinha medo das almas de outro mundo!

 

Tanto sofreu por doido vagabundo,

Que foi levado a um passe em Saquarema;

O Espírito da Irmã Clara Moema

Disse-lhe pelo médium Clarimundo:

 

- “Meu amigo, isso é só mediunidade,

Você sara, ajudando a Humanidade,

Estudando e servindo desde agora!...”

 

Mas Nico, viciado à boa vida,

Recuou para a porta de saída,

Gritou que era livre e foi-se embora...

 

 

Soneto extraído da obra O Espírito de Cornélio Pires, de autoria de Cornélio Pires, psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.
 







                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Março de 2013, 22:22
                                                                   VIVA JESUS!




             Boa-noite!queridos irmãos.



                      Confidência mais íntima


 

Senhor!...

Quantos te deram

A vida de uma vez!...

Bendito o santo que se fez

Na virtude integral!...

Louvado seja o apóstolo da fé

Que viveu e sofreu, padecendo de pé,

dando-te o coração para vencer o mal!...

Glorificados sejam para sempre

Os mártires e heróis

Que te seguiram sem vacilações

Para o Reino do Amor onde te pões,

À maneira de sol refulgindo entre os sóis!...

Ampara-me, porém,

Compassivo Senhor do Eterno Bem,

A mim - pobre de mim - que só te posso dar

Meus frágeis sentimentos como são,

Consagrando-te a vida, gota a gota,

Dentro de minha própria imperfeição!...

Quando me chamas para a caridade

Ante os encargos de que me encarrego,

Perdoa se te entrego

Apenas um vintém

No socorro de alguém.

Quando me sabes de mãos ricas...

Tão logo me assinalas e edificas.

Pedindo-me concurso em favor de um doente,

Desculpa se te dou tão-somente um minuto

De todo o largo tempo que desfruto,

A fim de repousar indefinidamente.

Quando me buscas para ser

A intervenção do amor,

Segundo o meu dever,

Onde o ódio campeia

E a discórdia domina,

Perdoa se te oferto simplesmente,

Em frase pequenina,

Breve conceito superficial,

Que fale de harmonia e conserve tal qual

O problema que aflige a vida alheia

Fugindo de espalhar a paz a que me elevas

Deixando em fogo e pranto as vítimas das trevas...

Quando me indicas à piedade

Por aqueles que a crítica condena,

Perdoa se te trago,

De sentimento indefinido,

Curto gesto de pena,

Qual se colaborasse,

Na indecisão de minha própria face,

Para que o bem seja esquecido...

Releva-me, Senhor,

A doação escassa

Nos imensos recursos que me deste

Do Tesouro Celeste!...

Do teu rio gigante de ternura

Recebo, dia a dia,

Carinho, bênção, graça,

Providência e alegria

Em manifestações da luz que nunca falha;

Mas de tudo o que dou, cedo apenas migalha...

Leve nota de amor, incrustada de ciúme,

Um pingo de paciência em caudais de azedume,

Uma palavra de esperança

Entre laudas de queixa desatada,

Leve nota de paz

Em tom distante e indiferente,

Eis o que dou somente...

Tantos me amparam tanto e auxilio a tão poucos!...

Senhor!...

Abre-me o coração,

Dá força nova aos meus ouvidos moucos,

Prende-me os braços ao serviço,

Cura-me o pensamento ocioso e enfermiço!...

E, por agora,

Se te dou minha vida, gota a gota,

Nas sombras do egoísmo em que me vejo,

Entre rosas de sonho e espinhos de desejo,

Lavrando contra mim

Exigências fatais

Que somarão mais tarde prova e dor,

Perdoa-me, Senhor,

Se nada posso fazer mais...

 

Do cap. 8 do livro Diálogo dos Vivos, obra de autoria de Chico Xavier, J. Herculano Pires e diversos Espíritos.
 








                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 31 de Março de 2013, 14:58
                                                                    VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.



                         Painel de luz  


 

Do pensamento nas douradas flamas

Busco a luz dos espaços constelados

Extasiando-me ante os panoramas

De divinas belezas recamados.

 

Num mar de cor de ilimitadas gamas

Perpassam mundos quintessenciados,

Lúcidas pérolas a pender das ramas

Da árvore azul dos páramos sagrados.

 

E nesse ambiente de sublimidades,

Vibram de vida outras humanidades,

Mais luz buscando na amplidão dos céus.

 

São as almas ditosas, superiores,

Que derramam nos seres inferiores

Os eflúvios do excelso amor de Deus.

 

Soneto publicado no livro Lira Imortal, de autoria de Francisco Cândido Xavier e Espíritos diversos.
 








                                                                                                PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 08 de Abril de 2013, 11:58
                                                                   VIVA JESUS!




            Bom-dia! queridos irmãos.




                      Se queres

 

 

Se queres a ventura doce, etérea,

De outro mundo de luz, indefinido,

Serás na Terra o filho incompreendido

Do Tormento casado com a Miséria.

 

Viverás na mansão triste, funérea,

Do Soluço, do Pranto, do Gemido;

Dos prazeres mundanos esquecido,

Outro Job pelas chagas da matéria.

 

Serás em toda a Terra o feio aborto

Das amarguras e do desconforto,

Encarcerado nas sinistras grades;

 

Mas um dia abrirás as portas de ouro

E encontrarás o fúlgido tesouro,

De benditas e eternas claridades.

 

 

Cruz e Souza nasceu em Santa Catarina no ano de 1861 e desencarnou em Minas Gerais, em 1898. O soneto acima integra o livro Parnaso de Além-Túmulo, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.
 







                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Abril de 2013, 12:07
                                                                   VIVA JESUS!



              Bom-dia! queridos irmãos.




                     Anseio de amor


 

Quando me vi, depois da morte,

Em sublime transporte,

E reclamei contra a fogueira

Que me havia calcinado a vida inteira

Pela sede de amor ...

Quando aleguei que fora, em toda estrada,

Folha ao vento,

Andorinha esmagada

Sob o trator do sofrimento...

Quando exaltei a minha dor,

Mágoa de quem amara sempre em vão,

Farta de incompreensão...

Alguém chegou junto de mim,

E disse assim:

— Maria Dolores,

Você que vem do mundo

E se diz

Tão cansada e infeliz,

Que notícias me dá do vale fundo

De provação,

Onde a criatura de tanto padecer

Não consegue saber

Se sofre ou não?

Você que diz trazer o seio morto,

Que me pode falar

Dos meninos sem pão e sem conforto,

Das mulheres sem lar,

Dos enfermos sozinhos,

Que a febre e a fome esmagam nos caminhos,

Sem sequer um lençol ou a bênção de uma prece,

Dando graças a Deus, quando a morte aparece?!

Você, Maria Dolores,

Que afirma haver amado tanto

E que deve ter visto

O sacrifício e o pranto

De quem clama por Cristo,

Suplicando o carinho que não tem,

Que me pode contar daquelas outras dores,

Daquelas outras aflições

Dos que choram trancados em manicômios e prisões,

Buscando amor, pedindo amor,

Exaustos de tristeza e de amargura,

Como feras na grade,

Morrendo de secura,

De solidão, de angústia e de saudade?!

Bem-querer!... Bem-querer!...

Ai de mim, que nada pude responder!

Que tortura, meu Deus, a verdade, no Além!...

Calei-me, envergonhada...

Eu apenas quisera ser amada,

Não amara a ninguém...

 

Do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.








                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 27 de Abril de 2013, 22:10
                                                                  VIVA JESUS!




           Boa-noite! queridos irmãos.




                   

Trova do tempo


 

Ensino que a vida insiste

Em compor e recompor:

– O tempo que faz o ódio

É o mesmo que faz o amor.

 

A criatura sem tempo,

Que não gasta o tempo em vão,

Em tempo algum acha tempo

Para ouvir a tentação.

 

Há quem não roube dinheiro,

Nem vantagem parecida,

Mas furta o valor do tempo

Necessário à luz da vida.

 

Filosofia do tempo

Em qualquer tempo e lugar:

– Infeliz do coração

Que não consegue esperar.

 

O tempo recorda a gleba

Onde a mata se agiganta,

Recebe qualquer semente,

Dá tudo do que se planta.

 

Bondade, apoio, serviço,

Resgate, atenção, dever…

Nota que o tempo não para,

Não há momento a perder.

 

Ação é a mente por fora

Que nos põe a vida em tela,

Os outros nos fotografam,

Depois o tempo revela.

 

Para encontrar a justiça

Reflete no Eterno Bem…

Deus dá tempo igual a todos,

Não menospreza ninguém.

 

Do cap. 2 do livro Astronautas do Além, obra de autoria de Chico Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos.








                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 30 de Abril de 2013, 10:53
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                     
Amor ao Planeta Terra...




Amar a Deus sobre todas as coisas,
e amar também, a sua Criação:
Amar a nossa moradia, o nosso planeta Terra!
Amar o Sol, tão necessário à vida!
Este Sol que todas as manhãs te sorri, aquece teu corpo,
e que também testemunha a tua existência.


Amar a Deus sobre todas as coisas,
e amar também, cuidando com muito carinho,
de nossa natureza verde e bela.
Amar as árvores tão necessárias à vida!
Amar o doce aroma de florestas, numa manhã de abril,
Amar esta natureza que hoje clama por esperanças, nunca tardias.


Amar a Deus sobre todas as coisas,
e amar também, cuidando com muito carinho,
dos nossos rios, da nossa água, tão necessária à vida!
Amar a água que desenha no leito dos rios, as páginas do nosso destino.
Água antes alegre e abundante, agora triste, caminha poluída,
passando por baixo da ponte, rumo às terras do sem-fim.


Amar a Deus sobre todas as coisas,
e amar também, cuidando com muito carinho,
do nosso ar, tão necessário à vida!
Amar o ar, que nos foi dado gratuitamente, e em abundância,
e nada nos cobra por respirá-lo.
Esse ar que nos faz suspirar, ao avistar longínquas estrelas.


Amar a Deus sobre todas as coisas,
e depois, amar de paixão, as estrelas... enquanto for possível vê-las,
estrelas que bordam de luz, os mais escuros de teus céus.
Estrelas que brilham na imensidão, enchem de paz teu coração,
e calam as inquietações de tua alma.


Amar a Deus sobre todas as coisas,
e amar também, cuidando com muito carinho, do nosso solo.
que seja limpa e fértil, a terra de onde tiras o teu sustento.
Amar o chão que sustenta os teus passos, e te abre novos caminhos.
Amar as areias das praias, onde os poetas esculpem poemas,
e os apaixonados desenham corações.


Amar a Deus sobre todas as coisas,
e amar o teu próximo como a ti mesmo!
Está escrito nas linhas sinuosas do tempo, que ainda há tempo,
de plantar uma semente para o amanhã.
Não é tarde, para que declares com amor,
o teu Amor a Deus, e ao Planeta Terra!


Autoria: Lisiê Silva









                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Maio de 2013, 15:56
                                                                  VIVA JESUS!




             Boa-tarde! queridos irmãos.




                    Perdoa

 

 

Repara a fonte diligente e boa

Escravizada ao solo em que destila.

Acolhendo, a cantar, doce e tranquila,

A saliva do charco que a magoa.

 

Envolvente e translúcida coroa

Que afaga e nutre o coração de argila,

Passa ajudando ao chão em que se asila,

Tanto mais pura, quanto mais perdoa...

 

Como a fonte que olvida toda a ofensa,

Abraça na bondade a luz imensa

Que te guarda, no mundo, a alma sincera.

 

E, estendendo o perdão por onde fores,

Encontrarás na cruz das próprias dores

A Alegria Divina que te espera...

 

Do livro Auta de Souza, ditado por Auta de Souza por intermédio de Francisco Cândido Xavier.







         
                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 06 de Maio de 2013, 18:22
                                                                  VIVA JESUS!




               Boa-tarde! queridos irmãos.




                      Cinco anos de Manancial de Luz
 



Uns e Outros




Uns jornadeiam em claridades,
Outros permeiam as trevas,
Uns proferem palavras,
Outros ferem com elas,
Uns permanecem na paz,
Outros fomentam a guerra;


Uns fortalecem a esperança,
Outros desfazem-se dela,
Uns catalisam o amor,
Outros armam procelas,
Uns doam o perdão,
Outros lecionam a intolerância.


Na trajetória ascensional de cada ser espiritual,
Enquanto uns esforçam-se nos enfrentamentos
Das provações que lhes cabem,
Quais plântulas enclausuradas,
Rompem a casca das sementes e rumam intimoratos
na direção do sol da plenificação anelada,
Outros ainda preguiçosos vislumbram ao longe os altiplanos e
Dormitam, retendo-se nos hibernáculos criados por si próprios
retardando a sua marcha.


Glauco (Espírito)
Mensagem recebida por Carlos Pereira em claraudiencia em 04.05.13.


O meu sincero agradecimento e votos de muita paz aos nossos visitantes e leitores que nos acompanham ao longo dessa trajetória de cinco anos da divulgação do ideal espírita.

Abraços fratenos!
Carlos Pereira







                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Maio de 2013, 22:04
                                                                   VIVA JESUS!




               Boa-noite! queridos irmãos.




                     Precisão
Clarice Lispector



O que me tranquiliza
é que tudo o que existe, existe com uma precisão absoluta.
O que for do tamanho de uma cabeça de alfinete
não transborda nem uma fração de milímetro
além do tamanho de uma cabeça de alfinete.
Tudo o que existe é de uma grande exatidão.
Pena é que a maior parte do que existe
com essa exatidão nos é tecnicamente invisível.
O bom é que a verdade chega a nós
como um sentido secreto das coisas.
Nós terminamos adivinhando,
confusos, a perfeição.






                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 14 de Maio de 2013, 14:38
                                                                   VIVA JESUS!





              Bom-dia! queridos irmãos.




                       Filho que não nasceu

 

 

Fui trazido ao teu colo e sussurro, baixinho:

– “Mãe, eu serei na carne o sonho de teu sonho!...”

Depois, em prece ardente, em ti meus olhos ponho,

Pássaro fatigado ante a úsnea do ninho.(1)

 

Abraço-te. És comigo a esperança e o caminho...

Em seguida – oh! irrisão! –, eis que, num caos medonho,

Expulsas-me a veneno, e, bruto, me empeçonho,

Serpe oculta a ferir-te em silêncio escarninho.

 

Já me dispunha a dar o golpe extremo, quando

Surge alguém que me obriga a deixar-te dançando

Em formoso salão onde o prazer fulgura.

 

Passa o tempo. Hoje volto... É o amor que em mim arde.

Mas encontro-te, oh! mãe, a gemer, triste e tarde,

Sombra que foi mulher, enjaulada à loucura...

 

(1) Úsnea: gênero de liquens da família das usneáceas, dotadas de talos livremente ramificados; qualquer espécie desse gênero, como, p. ex., a Usnea barbata, popularmente denominada barba-de-velho, que cresce em árvores.


Do livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.








                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 20 de Maio de 2013, 12:34
                                                                VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.




 

Noventa cruzeiros



 

Toc, toc... vai lá Adão Passoca

- Coronel da fazenda enorme e rica -,

Vai cobrar uma conta da botica

À pobre cozinheira Nhá Candoca.

 

A velhinha, deitada na maloca,

Pede prazo mais longo... Chora e explica.

Sente febre, tem fome, sua em bica,

Almoça e janta milho de pipoca...

 

O Coronel nervoso ergue o cajado,

Esbraveja mostrando o punho irado

E, a expulsá-la da choça, espuma e berra...

 

Mas de tanto gritar, rude e mordente,

Por noventa cruzeiros simplesmente,

Cai fulminado e roxo sobre a terra.

 

Do livro O Espírito de Cornélio Pires, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.








 
                                                                                                 PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 29 de Maio de 2013, 13:15
                                                                  VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.




                     O livro espírita
 

 

Como foi bom o livro que comprei

Em uma dessas crises que transpus

Nos dias mais escuros que passei,

Para encontrar a estrada de Emaús.

 

Era um resumo, a síntese da Lei

De Deus e do Evangelho de Jesus;

Com dois reais, o preço que paguei,

Pude levar, em frente, a minha cruz.

 

Li e reli nas páginas singelas

Daquela joia a reluzir nos olhos

Suas mensagens lúcidas e belas.

 

Foi u’a mão ao náufrago estendida

Que me guiou no meio dos escolhos

Da vida insana para a nova vida!

 

 

Wanderley Pereira é jornalista, poeta e expositor espírita radicado na cidade de Fortaleza-CE.








                                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 05 de Junho de 2013, 15:15
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.





                       Aos espíritas



 
Vós que buscais Jesus, sob a procela,
Toda feita de lágrimas e dores.
Deveis ser os humildes seguidores
Da luz do mundo, primorosa e bela.

Deveis ser a renúncia que revela
O grande amor de todos os amores,
Que perdoa e redime os pecadores,
Na palavra mais terna e mais singela.

Guardai Jesus no mundo de aspereza,
Dentro da mesma luz e da grandeza
Que consola e que eleva o coração...

Sede o bem, sede amor e tolerância,
Que a caridade é toda substância
Da lei que nos conduz à perfeição.


Do livro Lira Imortal, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier, de autoria de Espíritos diversos.








                                                                                               PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 18 de Junho de 2013, 15:02
                                                                   VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.




                       

                Informações do Além



 

Recebi o seu bilhete,

Meu amigo João da Graça,

Você deseja do Além

Notícias sobre a cachaça.

O assunto não é difícil.

Cachaça, meu caro João,

Recorda simples tomada

Que liga na obsessão.

Você sabe. Aí na Terra,

Nas mais diversas estradas,

Todos temos inimigos

Das existências passadas.

Muitos deles se aproximam

E usando a ideia sem voz

Propõem cousas malucas

Escarnecendo de nós.

Nas tentações manejamos

Nossa fé por luz acesa,

Mas se tornamos cachaça

Lá se vai nossa firmeza.

Olhe o caso de Antoninha.

Não queria desertar,

Encafuou-se na pinga,

Hoje é mulher sem lar.

Titino, homem honesto,

Servidor de tempo curto,

Passou a viver no copo,

Agora vive de furto.

Rapaz de brio e saúde

Era Juca de João Dório,

Enveredou na garrafa,

Passou para o sanatório.

Era amigo dos mais sérios

Silorico da Água Rasa,

Começou de pinga em pinga,

Acabou largando a casa.

Companheiro certo e bom

Era Neco de Tião,

Afundou-se na garrafa,

Aleijou o próprio irmão.

Cachaça será remédio,

É o que tanta gente ensina...

Mas álcool, para ajudar,

É cousa de Medicina.

Eis no Além o que se vê.

Seja a pinga como for,

Enfeitada ou caipira,

É laço de obsessor.

Nas velhas perturbações,

Das que vejo e que já vi,

Fuja sempre da cachaça,

Que cachaça é isso aí.

 

Do cap. 1 do livro Diálogo dos Vivos, de autoria de Chico Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos.








                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 30 de Junho de 2013, 15:47
                                                                   VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.




                         

                   Aviso fraternal

 

 

Meu irmão, se tu já sabes

Que a vida nunca termina,

Renova-te, enquanto é tempo,

À bênção da Luz Divina.

 

Ninguém renasce na Terra

Para dar-se ao gozo vão.

Mas para multiplicar-se

Em obra de perfeição.

 

Aquele que foge à luta,

Temendo a infelicidade,

Despreza, sem perceber,

O dom da oportunidade.

 

A dor, o charco, o espinheiro,

O dissabor e a ferida

Expressam, em toda parte,

Sagradas lições da vida.

 

Os desafios da sorte

E as dolorosas contendas

Trazem sempre ao nosso meio

Avisos e corrigendas.

 

Nas flores envenenadas,

No afeto que desilude,

Podemos consolidar

A plantação da virtude.

 

Junto à boca enegrecida

Que nos condena ou magoa,

Seremos iluminados

Na glória de quem perdoa.

 

Na cruz de sarcasmo e fel,

De desencanto e aflição,

Ditosos encontraremos

A paz e a ressurreição.

 

Melhora-te, pois, e esquece

A senda resvaladiça.

Ninguém escapa ao rigor

Dos tribunais de justiça.

 

Do livro Gotas de Luz, de Casimiro Cunha, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.








                                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 14 de Julho de 2013, 09:26
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                        Auxilia



 

Ouve!... Ruge, lá fora, a ventania...

E enquanto o lar ditoso te acalenta,

Há quem padece os golpes da tormenta

Suportando a ansiedade e a noite fria.

 

Repara a estrada longa, erma e sombria...

Eis que a dor te acompanha, amarga e atenta.

Desce do altar de luz que te apascenta

E socorre a miséria que te espia.

 

Ajuda e sentirás em resplendores

Luzes e auroras, júbilos e flores

A brotar dos charcos em que pises!...

 

Estrelas fulgirão sobre os teus passos...

É que o Cristo do amor te estende os braços

Junto às chagas dos grandes infelizes!...

 

Do livro Auta de Souza, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.








                                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Julho de 2013, 10:01
                                                                   VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.




                     Do Píncaro ao Lodo
 


Caridade – o clarão de uma palavra boa,
No calor da esperança a quem se desconsola,
A ternura no lar, a sacrossanta escola
Do perdão que suprime a injúria que atraiçoa.

Caridade – a oração que ilumina e abençoa,
O poder da afeição que a lágrima acrisola,
Fraternidade e luz renascentes da esmola
Da prática do bem, de pessoa a pessoa!...

Caridade – o sorriso, a paz, o teto e a mesa
Tudo o que purifica e exalta a Natureza
Nas fontes da bondade a que a vida recorre...

Caridade é servir desde o píncaro ao lodo,
Caminhar com Jesus e esquecer-se de todo
Para estender no mundo o amor que nunca morre.


Auta de Souza

Do livro Auta de Souza, ditado pelo Espírito de Auta de Souza por intermédio de Francisco Cândido Xavier.









                                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Julho de 2013, 14:06
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.

                       

Desertor



 

Silêncio... Inércia... Morte, o fim de tudo...

Era o estranho ideal que acalentara

Quando vivi qual cego, surdo, mudo,

Ou sonâmbulo em crise longa e rara.

 

Covarde e tresloucado, em transe agudo,

De súbito fugi à vida amara

E marchei, constrangido, para o estudo

Do enigma que, em vão, me acabrunhara.

 

Mas não morri... Morreu-me o vaso impuro...

E, distante da carne transitória,

Colho o passado e planto o meu futuro.

 

Nem mistério, nem cinza à nossa frente...

Apenas o homem louco de vanglória

Procurando enganar-se inutilmente.

 

Nascido em Uruguaiana-RS em 26 de setembro de 1893, o poeta Galba de Paiva faleceu no Rio de Janeiro-RJ em 1º de julho de 1938. O soneto acima integra o livro Antologia dos Imortais, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.










                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 27 de Julho de 2013, 11:27
                                                                  VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.




Esconjuro



 

Depois de morto, o Tonho Fazendeiro,

Ricaço do Varjão de Tapiruva,

Deu de morar num galho de criúva

E assombrar as galinhas do terreiro.

 

Roncava ser grandão e manda-chuva,

Xingava e gargalhava o dia inteiro.

Queria terra e sacos de dinheiro,

A debochar das preces da viúva.

 

Certa noite surgiu sobre o sarilho

O espírito do pai que disse: - “Filho,

Deus te abençoe, meu filho, meu Antônio!”

 

Mas Nhô Tonho correu pulando um muro,

Berrou que nem cabrito: - “Te esconjuro!”

Pensando que o pai dele era o demônio...

 

Do cap. XX do livro O Espírito de Cornélio Pires, obra psicografada pelos médiuns Waldo Vieira e Francisco Cândido Xavier.









                                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Agosto de 2013, 18:29
                                                                 VIVA JESUS!




            Boa-tarde! queridos irmãos.



                   Sonha!



 

Vive, como quem sonha a vida inteira,

Uma paisagem primorosa e bela,

Como um céu safirino que se estrela

De luz e que essa luz toda te queira.

 

Vive como quem sonha, rindo à beira

De um lago azul, mirando a caravela

Da esperança, suavíssima e singela,

Nosso amparo na mágoa derradeira.

 

Converte em canto as tuas agonias,

Pois que outra vida além da morte espera

Todos os seres, todas as criaturas!

 

A fé clareia as noites mais sombrias,

Fazendo-te entrever a primavera

Que despetala flores nas alturas.

 

Soneto psicografado por Francisco Cândido Xavier e publicado no livro Lira Imortal, de autoria de Espíritos diversos.









                                                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 12 de Agosto de 2013, 11:44
                                                                VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.



                     
“Gloria victis”



 

Glória a todas as almas obscuras

Que caíram exânimes na estrada,

Onde a pobre esperança abandonada

Morre chorando sob as desventuras.

 

Glória à pobre criatura desprezada,

Glória aos milhões de todas as criaturas,

Sob a noite das grandes amarguras,

Sem conhecer a luz de uma alvorada.

 

Glória Victis! Hosana aos desgraçados

Que tombaram sem vida, aniquilados,

Nos sofrimentos purificadores;

 

Que o Céu é a pátria eterna dos vencidos,

Onde aportam ditosos, redimidos,

Como heróis dos deveres e das dores!

 

Catarinense, funcionário público e poeta de emotividade delicada, Cruz e Souza encarnou em 1861 e desencarnou em 1898, em Minas Gerais. O soneto acima integra o Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier.









                                                                                              PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Agosto de 2013, 09:24
                                                                  VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                        Lição da vida



 

Veio o mestre à prisão para encargos de ensino,

Guiava jovem turma às lições do Direito;

Junto dele estacou, de chofre, um carro estreito

A transportar um morto – um malfeitor menino.

 

Fala à equipe curiosa um guarda em desatino:

– “Matei-o!... Era ladrão e matador perfeito!...”

O corpo envolto em pano é visto com respeito...

Solene, o mestre exclama: “Infeliz assassino!...”

 

E prosseguiu: “Já sei... O morto não me ilude,

Para ser um bandido assim na juventude,

Certo, nasceu da lama agarrado ao gatilho...”

 

Depois, descobre o corpo... Em todos, vibra o espanto.

O professor tombara a desfazer-se em pranto.

E gritava: “Oh! meu Deus! Ah! meu filho... Meu filho!...”

 

Soneto psicografado pelo médium Chico Xavier, extraído do cap. 30 do livro Diálogo dos Vivos, de autoria de Francisco Cândido Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos.









                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 26 de Agosto de 2013, 09:29
                                                                   VIVA JESUS!



             Bom-dia! queridos irmãos.




                     

           Ilha de paz



 

No oceano trevoso e desvairado

De provações da Terra de amargura,

O Espiritismo é o porto abençoado

De alegria, de amor e de ventura...

 

Ilha calma de luz tranquila e pura,

Onde há pão para todo esfomeado,

Consolação a toda a criatura,

Conforto e paz ao pobre deserdado.

 

Praia de sacrossanta claridade,

Em que os raios divinos da Verdade

Brilham sem fantasias e sem véus!

 

Caminho de esperança e de esplendor,

Por onde o coração do pecador

Deixa a treva do mundo e sobe aos céus!...

 

Do livro Coletânea do Além, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, de autoria de Espíritos diversos.









                                                                                                               PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 03 de Setembro de 2013, 10:18
                                                                  VIVA JESUS!




               Bom-dia! queridos irmãos.


 

Através dos séculos



 

Inda chora o Senhor nas horas mudas,

Na cruz de vinte séculos ingratos,

Contemplando a progênie de Pilatos

E a descendência exótica de Judas.

 

Examina os Herodes insensatos,

Os novos Barrabás, de mãos sanhudas (1),

E as multidões misérrimas, desnudas,

Que lhe cospem no ensino a pugilatos.

 

Chora Jesus! Amargamente chora,

E clama a sede imensa que o devora,

Buscando gerações, enchendo espaços!

 

Em toda a Terra há lívidos incêndios...

Entre as humilhações e os vilipêndios,

Contempla o mundo que lhe foge aos braços.

 
 

(1) Sanhuda: que tem sanha; irascível; sanhosa; (fig.) que causa medo, terrível.


Do livro Ação, Vida e Luz, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier, ditada por Espíritos diversos.









                                                                                                           PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 06 de Setembro de 2013, 22:03
                                                               VIVA JESUS!




            Boa-noite! queridos irmãos.




                    SUBLIMAÇÃO



Não te digas sem paz, sem esperança…
Nem afirmes que o mundo é triste e vão…
A existência na Terra é ascensão incontida
E a própria Natureza é um hino à luz da vida,
Promovendo alegria e elevação.

Olha a foice cortando o mato inculto…
Depois, rasga-se a gleba, a golpes de trator.
Logo após, eis o exílio da semente;
Depois ainda, é o quadro viridente
Do solo aprimorado a esmaltar-se de flor.

A dinamite explode, a pleno campo,
Estremece a pedreira a gritar, a rugir…
Desunem-se calhaus, fugindo, salto em salto.
Surge, porém, depois, o caminho de asfalto,
Apontando a beleza e o fulgor do porvir.

Cai o tronco a gemer no próprio berço,
Parecendo um gigante a protestar;
Em seguida, levado ao corte em que se apura,
Faz-se viga, portal, segurança e estrutura,
Oferecendo à vida a proteção do lar.

O trigo baila ao sol, em cachos de ouro,
Alteando o valor do solo que o bendiz,
Mas vem o segador que o deixa em queda e chaga…
Depois, ei-lo na mesa… É o pão em que se apaga
Para que a refeição seja farta e feliz.

Assim também, alma querida e boa,
Sofrimento é poder renovador…
Sacrifício, aflição, angústia, disciplina
São Processos de Deus com que Deus nos ensina
A conquista da Luz e a construção do Amor.

Maria Dolores
(Psicografado por Chico Xavier)









                                                                                                             PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 10 de Setembro de 2013, 09:09
                                                                   VIVA JESUS!




            Bom-dia! queridos irmãos.




                     Na última hora


 

O anjo da morte entrara, belo e puro...

E, ostentando nas mãos um facho aceso,

Disse-me ao coração triste e surpreso:

— Pobre amigo! é a ti mesmo que eu procuro!...

 

A memória rompera estranho muro.

A sós comigo, exânime e indefeso,

Regressei ao passado e vi-me preso

Às ansiedades do caminho escuro.

 

Amores e ambições... penas e abrolhos...

E o pranto que jorrava de meus olhos

Banhou-me a fria máscara de cera.

 

Mas na sombra abismal do último dia,

Não chorava a existência que fugia;

Em vão, chorava o tempo que perdera...

 


Soneto transmitido por via psicofônica constante do livro Instruções Psicofônicas, recebido por Francisco Cândido Xavier, de autoria de Espíritos diversos.









                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 13 de Setembro de 2013, 13:04
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.



                      Consolo Supremo



Os tristes dizem que a vidaÉ feita de dissaboresE a alma verga abatidaAo peso das grandes dores.

Não acredito que sejaAssim como dizem, não...Ai daquele que desejaViver sem uma ilusão!

Se há noites frias, escuras,Também há noites formosas;Há risos nas amarguras;Entre espinhos nascem rosas.

E rosas também cobriramO lenho santo da Cruz,Quando os espinhos cingiramA cabeça de Jesus.

Rosas do sangue adorado- Fonte de graça e de fé –Brotando do rosto amadoDo Filho de Nazaré.

Ó alma triste, chorosaComo uma dália no inverno,Despe da mágoa trevosaO negro cilício eterno!

Enquanto vires estrelasDo Céu no imenso sacrário,Na terra flores singelasE uma Cruz sobre o Calvário;

Enquanto, mansa, pousarA prece nos lábios teus,E souberes murmurarCom as mãos unidas: meu Deus!

Não digas que à luz viestePara chorar e sofrer,E como a plantinha agresteSonhar um dia e... morrer...

Não digas, pobre querida!Mesmo se a dor te magoa;É sempre feliz na vidaA alma que é pura e boa.

Auta de Souza
(Livro: “Horto”)









                                                                                                    PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Setembro de 2013, 10:07
                                                                   VIVA JESUS!




             Bom-dia! queridos irmãos.




                      Confidência

Maria Dolores

 

Se eu pudesse, Jesus,

Desejava esquecer

A minha imperfeição,

A fim de ser contigo,

Onde houvesse aflição,

O suave calor

Do braço terno e amigo

Que derrame esperança em todo o sofrimento

De modo que, na Terra,

Ninguém padeça em vão.

 

Queria ser

Uma chama de fé, ao longo do caminho,

Um pingo de bondade a descer persistente

Sobre a rocha do mal em que a treva se fez,

Queria ser migalha de conforto

A todo o coração que está sozinho,

Proteção à orfandade,

Companhia à viuvez.

 

Queria ser a brisa

Que refrigera a mente em cansaço profundo,

Combalida na prova

Quando a tristeza vem,

Queria ser a escora pequenina,

Que sustentasse os náufragos do mundo,

Para regresso à vida nova,

Pelas vias do bem.

 

Queria ser a força do silêncio

Que verte do sorriso de brandura

A suprimir o incêndio da revolta

De quem desespera ou se maldiz;

Queria ser o beijo da alma boa

Que seca o pranto de quem se tortura,

Ante os golpes de lama

Da calúnia infeliz.

 

Queria ser a prece que afervora

E alivia o doente,

Socorro, de algum modo, a retratar-se,

Queria ser, enfim, ao teu lado, Senhor,

Alguém que se olvidasse, inteiramente,

Dia a dia, hora a hora,

A fim de ser contigo, em toda parte,

Uma bênção de amor. 

 

Do cap. 15 do livro Antologia da Espiritualidade, de Maria Dolores, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.









                                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 30 de Setembro de 2013, 14:20
                                                                   VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                       

Essa migalha



 

No reino de teu lar em paz celeste,

Repara quantas sobras de fartura!...

O pão dormido que ninguém procura,

O trapo humilde que não mais se veste...

 

Do que gastaste, tudo quanto reste,

Arrebata o melhor à varredura

E socorre a aflição e a desventura

Que respiram gemendo em noite agreste!...

 

Teu gesto amigo florirá perfume,

Bênção, consolo, providência e lume

Na multidão que segue ao desalinho...

 

E quando o mundo te não mais conforte,

Essa leve migalha, além da morte,

Fulgirá como estrela em teu caminho.

 

Do livro Auta de Souza, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier.









                                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 15 de Outubro de 2013, 09:41
                                                                   VIVA JESUS!





               Bom-dia! queridos irmãos.




                         

No rio das lágrimas



 

No casarão do sítio da Mutuca,

O velho pede pouso e alguém chasqueia:

- “Saia, tratante, e durma na cadeia!

Ponha a cabeça tonta na cumbuca!”

 

O mendigo cansado não retruca,

Enfrenta a noite e a chuva... Cambaleia...

Mais além rola o rio entregue à cheia...

E, exposto à sombra, afoga-se Nhô Juca...

 

Ante a morte, o passado se desvenda...

Sente-se outro... É o dono da fazenda...

Nhô Juca, leve e moço, chora e fala...

 

Mas, súbito, no chão molhado e frio,

Repara o rio e vê que é o mesmo rio

Onde afogava os velhos da senzala...

 

Soneto constante do livro O Espírito de Cornélio Pires, obra psicografada pelos médiuns Francisco Cândido Xavier e Waldo Vieira.









                                                                                                         PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 22 de Outubro de 2013, 15:23
                                                                   VIVA JESUS!




             Boa-tarde! queridos irmãos.




                     Ide e pregai



 

Vós que tendes as rosas da bonança

Enlaçadas na fé mais doce e pura,

Ide e pregai, na noite da amargura,

O evangelho do amor e da esperança.

 

Toda luz da verdade que se alcança

É um reduto de paz firme e segura.

Dai dessa paz a toda criatura,

Sobre a qual vossa vida já descansa.

 

Espalhai os clarões da vossa crença

Na pedregosa estrada dessa imensa

Turba de irmãos famintos, torturados!

 

Conduzi a mensagem luminosa

Da caridade, lúcida e piedosa,

Redentora de todos os pecados.

 


Cruz e Souza, natural de Santa Catarina, onde nasceu em 1861, faleceu em Minas Gerais em 1898. O soneto acima integra o Parnaso de Além-Túmulo, obra psicografada pelo médium Francisco Cândido Xavier.









                                                                                                            PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 27 de Outubro de 2013, 17:00
                                                                   VIVA JESUS!




               Boa-tarde! queridos irmãos.




                       

Culpas



 

A Natureza aponta a culpa que começa:

Em cidade praiana, a legião pirata

Desembarca, saqueia, humilha, fere, mata...

Por nada se detém, por mais que se lhe peça..

 

Quantas vidas ao mar sob golpes à pressa!...

Incêndios e orações no horror que se desata...

Depois, vinho e prazer, os butins de ouro e prata

E as horas avançando ao tempo que não cessa...

 

Os séculos se vão marchando em luz e treva...

Um dia, em mar aéreo, enorme nave leva

Os piratas de outrora e a Justiça Divina...

 

Surge a morte no ar... A aflição se renova...

Preces, gemidos e ais de corações em prova...

E a Natureza apaga a culpa que termina. 

 

Do cap. 29 do livro Diálogo dos Vivos, obra de autoria de Chico Xavier, J. Herculano Pires e Espíritos diversos. No soneto o poeta se refere à explosão ocorrida em 3 de março de 1974 de uma aeronave brasileira – um DC-10 – quando sobrevoava a cidade de Paris, França.









                                                                                          PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 04 de Novembro de 2013, 12:45
                                                                   VIVA JESUS!




                Bom-dia! queridos irmãos.



                         

O homem e a dor



 

O homem de concepções indefinidas,

Que tateia nas trevas da ignorância,

Nada registra além da substância

Da carne estranha que sufoca vidas.

 

Faminto nos celeiros da abundância,

É o herdeiro da lágrima, em feridas,

Sepultado em micróbios homicidas,

Outro Job, pela chaga e mendicância.

 

É esse homem que, cego à luz divina,

Arma os canhões para a carnificina,

Sonâmbulo sem luz, sem paz, sem norte;

 

Mas a dor que lhe assiste as derrocadas,

Modifica-lhe as míseras estradas,

Nas expressões irônicas da morte.

 

Soneto publicado no livro Coletânea do Além, obra psicografada por Francisco Cândido Xavier, de autoria de Espíritos diversos.









                                                                                                        PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Poesia do Bem Maior
Enviado por: dOM JORGE em 17 de Novembro de 2013, 14:40
                                                       VIVA JESUS!




            Boa-tarde! queridos irmãos.




                 



    O filho do coração

 

Bentinho estava andando pelo bairro quando, ao passar por uma pracinha, viu um garoto dormindo, escondido no meio de algumas folhagens, debaixo de uma árvore.
 

Curioso, Bentinho aproximou-se e ficou olhando o menino que dormia.

O garoto acordou, espreguiçou-se e olhou em volta. Ao ver o outro menino que o observava, disse com cara de bravo:

— Se também quer dormir, tem outros lugares aqui mesmo. É só procurar!

Bentinho sorriu e explicou:
 
   
— Não preciso de um lugar para dormir. Tenho minha casa!

— Ah!... — exclamou o menino — Bom pra você. E tem uma família também?

— Tenho, sim. E meus pais me amam muito!

 O outro ficou com os olhinhos cheios d´água e, baixando a cabeça, murmurou:

— Infelizmente, eu não tenho ninguém. Sou sozinho no mundo.

— Mas todas as pessoas têm uma família! Onde está a sua? — Bentinho quis saber.

Então, João, esse era o nome do menino, explicou, sentando-se:

— Lembro vagamente da mãe e do pai. Acordei um dia e vi que estava sozinho em casa. Procurei na vizinhança, mas não os encontrei. Chorei bastante. Procurei meus pais por todo lado, mas ninguém os tinha visto. Então, com fome, comecei a pedir.

Bentinho estava com muita pena de João, que continuou contando:

— Depois de alguns dias, não me deixaram mais entrar na casa. Havia outras pessoas morando lá. Assim, me acostumei a viver na rua. Fiz amigos, que dividem comigo a comida que conseguem ganhar. E durmo aqui nesta praça, como você pode ver.

— João, gostaria de ter uma casa?

— Claro! Quem não gostaria? — respondeu o menino com os olhos brilhando.

— Então, venha comigo!

Decidido, Bentinho levou o novo amigo para sua casa. Era hora do almoço. Ao vê-lo chegar com um menino esfarrapado, o pai perguntou:

-— Quem é seu novo amigo, meu filho?

— Ele chama-se João e eu o encontrei na rua, papai. Ele não tem família. O