Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Pedagogia Espírita => Tópico iniciado por: Regina Prins em 01 de Julho de 2009, 23:39

Título: Na educação de nossos filhos
Enviado por: Regina Prins em 01 de Julho de 2009, 23:39
[size=10pt]MENSAGEM À FAMÍLIA.[/size]

Na educação de nossos filhos
Todo exagero é negativo.
Responda-lhe, não o instrua.
Proteja-o, não o cubra.
Ajude-o, não o substitua.
Abrigue-o, não o esconda.
Ame-o, não o idolatre.
Acompanhe-o, não o leve.
Mostre-lhe o perigo, não o atemorize.
Inclua-o, não o isole.
Alimente suas esperanças, não as descarte.
Não exija que seja o melhor, peça-lhe para ser bom e dê exemplo.
Não o mime em demasia, rodeie-o de amor.
Não o mande estudar, prepare-lhe um clima de estudo.
Não fabrique um castelo para ele, vivam todos com naturalidade.
Não lhe ensine a ser, seja você como quer que ele seja.
Não lhe dedique a vida, vivam todos.
Lembre-se de que seu filho não o escuta, ele o olha.
E, finalmente, quando a gaiola do canário se quebrar, não compre outra...
Ensina-lhe a viver sem portas.

Eugênia Puebla
Título: Re: NA EDUCAÇÃO DE NOSSOS FILHOS.
Enviado por: jocellito em 24 de Maio de 2014, 21:28
Educar é saber dizer sim e saber dizer não:
é saber ser racional e emotivo sem demasia;
é ser responsável sem ser possessivo;
é ser assistente e não condutor;
Sabemos pela literatura espírita, que em mundos físicos pouco mais melhorados que o nosso, as crianças são acolhidas no seio da família por ocasião do seu reencarne e cientes de que em pouquíssimos anos, cerca de 5 a 7 anos depois, os filhos sairão de casa em busca de novos horizontes, porém com plena consciência espiritual de suas ações.
Não somos iguais, mas caminhamos para esse objetivo; não permitiremos que nossos filhos saiam de casa com tao tenra idade, mas não somos proprietários dos mesmos; simplesmente temos a função de amá-los, orientá-los e conduzí-los pelos caminhos por eles traçados.
Exercer a função de família terrena é exercer a função de participante do crescimento dos membros da mesma; jamais sentir-nos donos de alguém, até mesmo porque devemos nos conscientizar de que nossas alegrias e tristezas devem ser frutos somente de nossas ações, jamais das ações alheias; não podemos depositar nos outros, a condição de nossa felicidade; não podemos determinar se um pássaro pousará em nossa cabeça, mas somente nós determinaremos se ele fará um ninho sobre ela ou não.
Somos autores de nosso destino, jamais do destino alheio; ame, cuide, instrua, oriente, eduque, alerte, aceite, negue, mas saiba que você é mero assistente da vida dos pequeninos presentes em seu lar; toda pedagogia utilizada por nós, não será capaz de desorientar o espírito em evolução, o qual está na condição de filho, quando esse decidir criar asas e voar; todos os bons modos, todos os alertas, todos os sins e nãos, servirão muito na construção da personalidade dessa criança, mas não determinará o destino dos nossos filhos.
Paz e luz á todos nós !!!