Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Tópico iniciado por: Gigii em 09 de Julho de 2009, 19:41

Título: Relações amorosas
Enviado por: Gigii em 09 de Julho de 2009, 19:41

Tenho percebido em alguns comentários em vários tópicos, as dúvidas no que respeita não só ao sexo, como ao relacionamento amoroso.
Resolvi partilhar convosco uma pequena reflexão pessoal sobre o tema.

Este forum é um espaço virtual, cujos objectivos fundamentais é o estudo e a partilha de conhecimentos espíritas. No entanto, como acontece em todos os lugares virtuais e reais, ele é também um lugar de confraternização, de possibilidades de fazer novas amizades, de (re)encontros de almas amigas, ou de almas conflituosas.

Daí que muitas vezes lemos comentários de companheiros que se mostram ansiosos por esses reencontros, outros que se julgam infelizes por serem solitários, ou até que sofrem com perdas recentes, etc.

Todos neste planeta passamos pelas mesmas necessidades, todos buscamos o Amor. E toda a mensagem do cristo se resume nesta assertiva, que não nos cansamos de apregoar: Amai-vos uns aos outros!

Eu diria até mais, que a de Kardec  resume-se: para sermos amorosos precisamos de eliminar o egoísmo dentro de nós!

Como fazê-lo? O primeiro passo é compreender que amar significa dar…
Aquele que está triste porque ninguém o ama, não sofre porque ama, mas porque deseja ser amado. Deseja ser visto, idolatrado, acarinhado, ser especial na vida de alguém. Mas quantas vezes ele conseguiu sorrir, presentear, abraçar, beijar, ser atencioso para outrem?
Conseguindo isto, vem de imediato a contrariedade: eu dou, eu amo, mas ele(a) não me devolve a mesma afeição. Eu quero receber o troco do que dei! Eu mereço, porque eu dei tudo o que tinha…

O segundo passo surge assim pela necessidade de sermos felizes: eu amo, e não preciso de ser amado. Eu distribuo um olhar doce e terno com quem me afinizo, eu distribuo compreensão com quem não me harmonizo, mas estou feliz apenas com a possibilidade de demonstrar todos esses sentimentos. Não me importa se ele(a) sente o mesmo por mim.
Deste passo a alcançar o amor universal são segundos…

Por norma, quando falamos de relação amorosa pensamos em sexo. Em dois tópicos o tema é debatido. Diz-nos o espírito Miramez :

“ O sexo é o santuário de vidas do reino animal, é laboratório divino, pelo qual duas almas se unem, descobrindo o lar, reencontrando antigos companheiros de lutas evolutivas. Eis por que a sua presença na Terra, na gradação em que se encontra a humanidade, é uma das mais expressivas, senão a maior. Ele também é o canal do amor.”

Já li sobre a sublimaçao do sexo e como o espiritismo o encara, mas não deixa de ser um atributo da fase evolutiva em que estamos, não é por isso atributo do espírito.
Aqueles que vivem sem companheiro(a) durante muito tempo, quando questionados sobre a falta do sexo, eles dirão que nem pensam nisso, mas por outro lado sentem a falta d’um abraço carinhoso, ou uma carícia na face, que são expressões amorosas. No fundo a falta de sintonia afectiva, de afinidade espiritual.
Assim, eu diria que não existe sexo com amor ou sem amor, mas sim sexo com paixão ou sem paixão. Se amar é atributo do espírito, ele não pode estar associado a um desejo carnal (carnal e não carnívoro  :)).
No entanto, continua Miramez:

“O sexo é o alicerce constituido pela vida e para a vida, é uma fonte inesgotável de energia criadora, que merece respeito e veneração de todos os seres.Esse mundo de sensações, que chamamos de santuário, e por vezes de prostituição, é o brotar energético da mais intensa aglutinação de valores, onde o bom senso deve estar activo para o seu devido uso, sem perversão, porquanto é o campo genético responsável pelas reencarnações dos Espíritos na arena física.
O acto sexual entre casais que se amam profundamente, em que a sintonia dos sentimentos ultrapassa todos os problemas da vida, em que a amizade está completamente envernizada na moral e na honestidade, se dá como uma transfusão de energias de vida de um para o outro, uma lubrificação nas engrenagens morfológicas, um acalmar do sistema neuro-vegetativo e um ritmar das forças cerebrais.”


Em conclusão: Crescemos criando ilusões idílicas de que só somos felizes na troca de afeiçao amorosa; ter namorado, constituir família, viver felizes e juntos para sempre.
Mas o que a vida nos mostra é que só é eterno o verdadeiro amor, logo tudo o mais é efémero e passageiro.
As relações que chamamos de amorosas, são experiências da vida corporal, que podem esvair com o vento logo que o espirito regressa á vida espiritual.
E perguntam: mas então vamos viver isolados? Absolutamente..não! Mas podemos dar aqueles dois passos para que existindo ou não relacionamentos continuemos a sentir-nos cheios desse imenso amor que o Criador nos oferta e que ainda desprezamos.
Se conseguirmos ser honestos e sinceros nessa doação, (re)encontraremos mais tarde outros tantos a senti-lo por nós.

Amemos então!

Beijitos


Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: SB em 09 de Julho de 2009, 21:23


Como fazê-lo? O primeiro passo é compreender que amar significa dar…



giggi,

Não posso concordar contigo.

Não pode ser o primeiro passo, dar aquilo que não temos.

Amar é amar-se a si mesmo.

O que quererá dizer Amai os outros como a si mesmo?

Amar, não é facil, porque precisamente queremos sempre dar aquilo que ainda nao exercitamos em nós. Logo nunca vamos saber amar nem dar.

Por isso acontece o que dizes:


Aquele que está triste porque ninguém o ama, não sofre porque ama, mas porque deseja ser amado. Deseja ser visto, idolatrado, acarinhado, ser especial na vida de alguém. Mas quantas vezes ele conseguiu sorrir, presentear, abraçar, beijar, ser atencioso para outrem?
Conseguindo isto, vem de imediato a contrariedade: eu dou, eu amo, mas ele(a) não me devolve a mesma afeição. Eu quero receber o troco do que dei! Eu mereço, porque eu dei tudo o que tinha…

Depois diz:

O segundo passo surge assim pela necessidade de sermos felizes: eu amo, e não preciso de ser amado. Eu distribuo um olhar doce e terno com quem me afinizo, eu distribuo compreensão com quem não me harmonizo, mas estou feliz apenas com a possibilidade de demonstrar todos esses sentimentos. Não me importa se ele(a) sente o mesmo por mim.
Deste passo a alcançar o amor universal são segundos……

Somo felizes quando nos tornamos conscientes de nós mesmos.
Quando nos aceitamos.
Quando nos sentimos preenchidos e isso só acontece quando sabemos nos amar, sem repressões, sem preconceitos, só assim aprendemos a não exigir dos outros, porque ja temos.
Quando compreendemos que somos constituidos por falhas, por egoismo, por tristeza, por acertos, por altruismo, por alegria. Quando percebemos que somos dois em um. Quando percebemos que so deixamos de viver a dualidade, quando a aceitamos. Quando compreendemos e aceitamos que somos o vazio e o cheio, que sem sombra nao saberiamos ver a luz que somos.


Pois...
A forma como ainda falamos do amor, é ainda muito vinculada no dar, quando ainda nao percebemos que somos existencia, e que o que consideramos mau é necessário e que se aceitarmos com naturalidade o mau se torna em bom, e que as nossas atitudes se alteram para melhor porque nos sentimos melhor ao aceitar que erramos, e que so assim se reconhece o erro, e o podemos depurar...e que tb fazemos coisas cheias de acertos.

A carência que existe dentro de cada um, faz despertar o querer, mas quando se aprende a ser, tudo se altera e torna o significado das coisas insignificante.

Porque o amor vibra, e sejamos nós amor e ja estaremos a amar.

No amor nao existe troca, o dar e o receber, é expontaneadade na partilha (sem troca) desse amor, que é amor.

Quanto ao relacionarmos o amor com sexo, isso tem a ver ainda com a forma como não sabemos amar-nos.

Porque não é o sexo que continua a estar em causa, mas o orgasmo.

O sexo é o corpo todo, todo ele é sexo.

E quem sublima o amor, num toque na pele pode sentir prazer, vou mais longe, quem sabe amar consegue ter orgasmos so num olhar ;)

Na contemplação do amor entre duas almas, podemos encontrar afinidades, e neste momento isso é que importante viver e explorar, seja com muito ou pouco sexo ou sem sexo ;)

Abraços




Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Gigii em 09 de Julho de 2009, 21:35

Porque o amor vibra, e sejamos nós amor e ja estaremos a amar.

No amor nao existe troca, o dar e o receber, é expontaneadade na partilha (sem troca) desse amor, que é amor.


Olá amiga...mas foi isso mesmo que eu quis dizer... :)

Beijitos
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Anton Kiudero em 09 de Julho de 2009, 21:38
O que é o amor?

Dizem muitos: amo “porque”, amo “quando”, amo “se” e isto não é amor...
Dizem outros: amo com paixão, faço o possivel para satisfazer o objeto da paixão, e isto tampouco é o amor ainda...

O amor independe de porque"s", quando"s" e se"s", o amor tampouco é paixão. Quem ama, ama e é só.... O amor não é possessivo, o amor libera e é explosivo. O amor pode mudar o curso de acontecimentos e ideias de uma multidão.

Os amores descritos acima são apenas algumas das formas assumidas pelo egoismo. A paixão é o egoismo em ação enquanto o amor é o sentimento mais universalista que um espirito pode expressar. É pelo amor que o espírito abre mão de sua individualidade, de si mesmo, em favor de outro ou outros.

Como dizia Francisco: amar mais que ser amado, compreender mais que ser compeendido...


Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Atlante em 10 de Julho de 2009, 02:27
Pois. Enfim

Considero o texto, duma for geral correcto e perfeitamente entendível. Claro que ele deve ser entendido dentro dum contexto, ou estágio, do crescimento espiritual. Se entrarmos no aspecto platónico daquilo que achamos ser o amor, teremos que eliminar muitos dos conceitos transmitidos neste tópico. E isso não é bom para a compreensão do todo, que é a vivência da Alma.

Toda a evolução é feita por fases. Para melhor caracterizar isto podemos dizer que a evolução é uma escada enorme  e que cada fase é um degrau dessa mesma escada.
Em cada um dos degraus que subimos encontramos rigorosamente as mesmas coisas. Porque tudo já está em nós. Aquilo que faz com que essas ditas coisas pareçam diferentes é a nossa capacidade de descernir e avaliar, nesse estágio. Em cada degrau, a nossa visão de sintese e capacidade de avaliação, é a apropriada ao mesmo. E quanto mais baixo é o degrau menor é a nossa visão e compreensão de cada coisa.
Conforme vamos subindo cada degrau, pela vivência da vida, a nossa visão e capacidade vão aumentando. Como tal a compreensão das coisas vai tomando formas diferentes, porque mais abrangente.
Infelizmente, ganhamos o péssimo hábito de afirmar que a visão das coisas, que é característica dos degraus inferiores áquele em que nos encontramos, não é verdadeira, e pior ainda, que é negativa. Ainda não percebemos que, sem compreendermos a forma como cada coisa é entendida nos degraus inferiores, não teriamos atingido aquele em que nos encontramos.
Como se pode verificar, ainda enfermamos de outro erro, que é o de afirmar que agora é que está certo, isto é, a visão e compreensão das coisas referentes ao degrau em que nos encontramos é que é, como se não existissem mais degraus para subir.

No caso concreto do amor, meus amigos, apenas vos quero dizer que o amor é sempre o amor, grande arcano do universo, que tudo faz mover em direcção ao Pai. Ele é visto e manifesta-se de formas diferentes em cada estágio, mas ele é rigorosamente igual em todos eles.
E não esqueçam que ele é a base de todos os outros sentimentos, pela presença ou pela ausência.

Em relação a alguns dos conceitos que aqui estão expressos também poderia apresentar discordâncias ( não sei se será uma questão de degrau  ;D )mas não me parece que seja o mais importante, apenas dou um exemplo: 
Porque o amor vibra, e sejamos nós amor e ja estaremos a amar.
Susana e GiGii, não concordo convosco neste ponto. Temos que perceber que quando se é já não se age no sentido de dirigir seja o que for. Se somos, somos apenas. Por isso retirem daí o estaremos a.
Verifiquem Jesus.
Será que Ele amou alguém na sua missão? Com excepção de Madalena, mas aqui na sua condição de homem ;), Ele não amou mais ninguém ( lá vem heresia ).
Ele é amor e, todo o amor que Ele é, está disponível para quem o queira recolher, ainda hoje e para sempre. Ele não faz depender de Si mesmo o acto de amar, faz depender de nós o acto de sermos amados, porque Ele pura e simplesmente é. Fiz-me compreender?

Verifiquem que aquele mandamento que nos deixou " Amai Deus acima de todas as coisas e aos outros como a vós mesmos " ainda não é a condição final, mas é uma condição própria de um estágio que a nossa humanidade necessita urgentemente de atingir.

Atlante

Agora vou brincar ::) 
Se amar é atributo do espírito, ele não pode estar associado a um desejo carnal (carnal e não carnívoro  ).

Desculpa lá GiGii, mas que uma dentadinha dá um certo gozo lá isso dá.

O sexo é o corpo todo, todo ele é sexo.

Susana deve ser daqui que surgiu o método do limpa-chaminés
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: SB em 10 de Julho de 2009, 09:10
O sexo é o corpo todo, todo ele é sexo.

Susana deve ser daqui que surgiu o método do limpa-chaminés

Também, mas não só.  :)

E frisaste bem esta frase "Claro que ele deve ser entendido dentro dum contexto, ou estágio, do crescimento espiritual.", não deveremos esquecer que em relação ao amor e a forma de se ser, estamos todos aqui a dar um bitates ;)

É importante mais que tudo, isto: o momento actual.
Não queiramos viver o que pensamos que poderá ser. As vezes podemos saber o que quer dizer as coisas, mas ainda não temos capacidades para as vivenciar plenamente...assim...Vivam com intensidade seja bom ou mau aos olhos dos outros, mas vivam intensamente aquilo que são, hoje, e vivam plenamente o amor que conhecem se possivel com muito ou pouco sexo, e nao se punam por tantos moralismos, façam um favor a vc's mesmos, vivam esta oportunidade com tudo o que tem ao vosso dispor, tudo esta preparado como deve ser, para ser vivenciado e exprimentado! ;)

Abraços amigo e a todos, desejo a todos um excelente fim de semana, ja nao virei aqui senao lá para 3feira  :-*
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: brunolas em 10 de Julho de 2009, 12:43
bom topico gigi, obrigado pelo trabalho  :)
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: demis em 10 de Julho de 2009, 13:38
olá,
mas hoje em dia há amor?
os casais só se interessam pelo fisico nada mais!
sinceramente não acredito que hoje em dia haja amor na maior parte dos casais.
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Gigii em 10 de Julho de 2009, 14:38
Boas, meus amigos, obrigada por reflectirem comigo...

Atlante, com toda a estima, gostaria de comentar algumas coisas que disse:


Infelizmente, ganhamos o péssimo hábito de afirmar que a visão das coisas, que é característica dos degraus inferiores áquele em que nos encontramos, não é verdadeira, e pior ainda, que é negativa. Ainda não percebemos que, sem compreendermos a forma como cada coisa é entendida nos degraus inferiores, não teriamos atingido aquele em que nos encontramos.

Não sei se passei esta mensagem, mas desde já digo que não foi essa a intenção. Sem pretender me comparar aos excelsos benfeitores, devo no entanto relembrar, que mesmo sabendo da nossa dificuldade em subir certos degraus, eles não deixaram de nos mostrar o caminho, na maioria das vezes dificil e que raramente conseguimos vislumbrar.
Isto faz todo o educador, que depois de, usando a sua metáfora, subir mais um degrau da escada da evolução, não deixa de olhar para quem o segue na intenção de auxiliar, sem impor...
Tudo é bom e verdadeiro enquanto vivenciamos cada etapa, o que não invalida que quem já ultrapassou certas ilusões da alma, não olhe para trás dizendo a si mesmo...Meu Deus, se eu soubesse que era assim...

Se apenas aguardassemos por encontrar cada obstaculo e deixassemo-nos ficar no buraco á espera de conseguir sair dele, que diriamos sobre a utilidade, por exemplo, dos trabalhos mediunicos de desobssessão no centro espírita?
O que fazemos senão mostrar metas, demonstrar que o nosso amor pode ajuda-los, que certos perigos e dificuldades podem ser ultrapassadas?



Como se pode verificar, ainda enfermamos de outro erro, que é o de afirmar que agora é que está certo, isto é, a visão e compreensão das coisas referentes ao degrau em que nos encontramos é que é, como se não existissem mais degraus para subir.

Sente assim o materialista, visão com a qual eu não partilho, tal como você Atlante, pois espera-nos o infinito e não sabemos o que há de vir...mas...vamos nos regojizando com os momentos de felicidade que a ascenção nos proporciona.
Na verdade o nosso desejo, é que TODOS possam gozar desses momentos a toda a hora.



Em relação a alguns dos conceitos que aqui estão expressos também poderia apresentar discordâncias ( não sei se será uma questão de degrau  ;D )mas não me parece que seja o mais importante, apenas dou um exemplo: 
Porque o amor vibra, e sejamos nós amor e ja estaremos a amar.
Susana e GiGii, não concordo convosco neste ponto. Temos que perceber que quando se é já não se age no sentido de dirigir seja o que for. Se somos, somos apenas. Por isso retirem daí o estaremos a.

Faz todo o sentido a sua observação...reflectindo melhor, o importante não é ter, estar ou fazer, mas simplesmente ser...

Fiz-me compreender?

Fez sim...só não me parece que Jesus tivesse um desejo amoroso em particular por alguém...mesmo sendo Madalena um espírito afim... mas é a minha opinião.



Desculpa lá GiGii, mas que uma dentadinha dá um certo gozo lá isso dá.

Eu também adoro dar dentadinhas..em gelados e chocolati... ihihih

Obrigada pela boa disposição!

Beijitos

Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Gigii em 10 de Julho de 2009, 14:41
bom topico gigi, obrigado pelo trabalho  :)

Brunolas, fico agradecida pela simpatia...é apenas uma reflexão para todos nós.

Beijitos
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Gigii em 10 de Julho de 2009, 14:52
olá,
mas hoje em dia há amor?
os casais só se interessam pelo fisico nada mais!
sinceramente não acredito que hoje em dia haja amor na maior parte dos casais.

Amigo Demis, se há amor...? Mas ele está em toda a parte...

Eu não pretendia falar de Amor na acepção universal, para não teorizarmos demais e fugirmos ao tema, mas o que aprendemos é que este Amor ocupa todo o lugar,existe em tudo, é ar, mar, sol, terra, vida, cores, sentimentos... Cada ser pode encontrá-lo a cada momento dentro e fora de si.

Mas quanto aos casais Demis...não é bom generalizar...existem muitos casais que verdadeiramente se amam, sem que a atração fisica esteja sequer em causa.

Não vamos encontrar muitos, dada a própria evolução do planeta, que como sabemos é de provas e expiações, logo, a grande maioria dos relacionamentos ainda estão comprometidos com a superação de conflitos entre almas pouco simpáticas.
No entanto, esquecemos que não existe nenhum espirito que não tenha almas que se afinizam com ele. Podem não estar aqui e agora, fazendo parte do nosso circulo de amizades ou familiar, mas elas estão sempre próximas, pois nos une o amor.

Nunca estamos sós! O espiritismo veio demonstrar esta certeza, trazendo a esperança no reencontro.

Espero ter ajudado Demis.

Beijitos
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Solimar em 10 de Julho de 2009, 15:21
Um dia de paz e muito amor para todos!

Que lindo esse sentimento quando bem sentido.
Cada gesto, cada palavra, notícias é um bom motivo para ser feliz.
O amor é sobre tudo ação, demonstrar a todos os seres, sejam, pessoas ou natureza, o quanto é importante a vida.
Começa de dentro para fora, embora muitos ainda acreditam que seja ao contrário.
Que importa?
O importante é que tudo evolui, e para melhor.
Amor é sinônimo de vida.
Ama muito, quem ama a vida.
Título: Re: Relações amorosas
Enviado por: Atlante em 10 de Julho de 2009, 18:59
Olá Gigii

Aquela primeira parte não se aplica, em concreto, ao teu post, daí a tua dúvida. Essa parte é generalista e visa um chamado de atenção para todos aqueles que, por aqui têm, quanto a mim o mau hábito de olharem de cima, ou de baixo, comentando os tópicos ou os posts duma forma que os tornam incompreensíveis. Como notei logo alguma tendência para isso e porque entendi ser este um tópico de grande oportunadade para debate, fiz aquela introdução no sentido de evitar derivações no debate. Desculpa se meti a foice em seara alheia mas a intenção foi boa, garanto. 

Sobre a parte seguinte, sente assim o materialista, era bom que assim fosse. Mas minha amiga se correres os diversos tópicos deste forum vais encontrar muitos irmãos nossos enfermando do mesmo problema.
Sobre o amor de Jesus para com Madalena, do homem para com a mulher, não tenhas muita certeza, porque as possibilidades são enormes. As dúvidas são maiores pelo desconhecimento que temos do Ser que é Madalena, mas um dia também conversaremos sobre isto.

Demis, amigo
Todos os teus posts, relacionados com o tema, demonstram uma frustração enorme por não te relacionares com uma mulher. Não estou errado nesta opinião pois não?
Já procuraste a razão para tal facto? Que pensas da lei de causa e efeito? Já imaginaste o que tu terás feito às mulheres, em tempos idos, para elas agora fugirem de ti a sete pés?
Depois não consegues aceitar o problma o que ainda dificulta mais a sua solução. Enquanto não aceitares e te aceitares, irás ter grandes dificuldades em resolver. A solução de todo o problema começa pela aceitaçao do mesmo. Só depois será possível a compreensão, do mesmo, e a sua solução.

Se eu fosse mulher, num acto de compaixão, atirava-me já para os teus braços, só para te consolar, mas não sou nem tenho qualquer outra possibilidade de te ajudar na solução desse teu problema. :D :D :D.

Atlante