Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Tópico iniciado por: Elaine Ramos em 17 de Outubro de 2010, 20:39

Título: Guerras: como o Espiritismo explica?
Enviado por: Elaine Ramos em 17 de Outubro de 2010, 20:39


Por Sérgio dos Santos Rodrigues/Equipe CVDEE

Guerra, o Espiritismo explicaUma vez mais a humanidade se vê sob a tensão de um novo conflito mundial. Ameaças proliferam a toda hora. O fio da racionalidade se estica a cada dia e pode se  romper  a  qualquer  momento. A tensão aumenta, fazendo com que muitos, à essa altura, cheguem a duvidar de uma solução obtida por meios diplomáticos. Um novo conflito de proporções e conseqüências imprevisíveis se desenha no cenário sombrio do Planeta, atemorizando a todos. E o Espiritismo, o que pode nos dizer a respeito? Como Doutrina filosófica, de bases científicas e conseqüências morais, o Espiritismo se relaciona com tudo o que diz respeito ao nosso processo existencial, pois objetiva contribuir para o progresso da humanidade, tornando-a melhor.

Allan Kardec tratou do tema na parte terceira do Livro dos Espíritos, que reservou para o ensinamento dos Espíritos a respeito das Leis Morais. No capítulo referente à Lei de Destruição, a guerra foi arrolada pelos Espíritos como um de seus agentes. Indagados sobre a sua causa, os orientadores espirituais afirmaram que é conseqüência da predominância da natureza animal do homem sobre a espiritual e do transbordamento de suas paixões. Esclarecem, ainda, que Deus permite que assim aconteça para propiciar ao homem a oportunidade de uma evolução mais rápida, no sentido de atingir a liberdade e o progresso.

Temos aí, portanto, pelo ensinamento da Espiritualidade, um diagnóstico das causas desse mal. Ensinam, também, os benfeitores espirituais que, no estado de barbaria, os povos somente conhecem o direito dos mais fortes, daí vivenciarem um estado de guerra permanente, que vai se modificando à medida que o homem progride. Fica-nos, então, um questionamento: da época da revelação dos Espíritos até os dias de hoje, decorridos quase cento e cinquenta anos, não  terá a humanidade progredido o suficiente para evitá-la?

A explicação vamos encontrar mais adiante, no capítulo que estuda a Lei do Progresso. Lá encontramos que o progresso possui duas vertentes: a moral e a intelectual. Vemos mais: que o progresso moral decorre do intelectual, que faz o homem compreender a diferença entre o bem e o mal. Enquanto não desenvolve o senso moral, o progresso intelectual é utilizado para a prática do mal, servindo-lhe de instrumento.

Não há como deixar de reconhecer o quanto a humanidade progrediu em termos científicos e tecnológicos, trazendo condições de vida mais seguras e confortáveis a muitos. Todavia, o progresso moral, como disseram os Espíritos, é sempre mais demorado e não consegue acompanhar o avanço da inteligência. Se compararmos com a situação vivenciada há alguns milênios, é claro que a humanidade progrediu também moralmente. Naquelas priscas eras, uma verdadeira selva reinava na face do planeta. O estado de barbaria então vigente é testemunhado em várias obras psicografadas pelos que o viveram, dentre quais podemos destacar as que compõem a chamada “série histórica[bb]” de Emmanuel. Naquela época, o direito à vida não era minimamente respeitado e matava-se por tudo e por qualquer coisa.

Hoje, a sociedade se humanizou um pouco mais, embora em diferentes graus, que variam conforme a evolução já alcançada pelos diversos povos que a compõem. Mas ainda nos encontramos moralmente atrasados em comparação com a evolução intelectual alcançada. Assim, a predominância do mal, que caracteriza um mundo de provas e de expiações, impele os mais desenvolvidos intelectualmente e, em conseqüência mais fortes, a buscarem, cada vez mais, ampliar seus poderes em detrimento dos mais fracos.

As conseqüências de uma guerra somente são avaliadas em termos materiais. Estima-se o seu custo econômico e quantas vidas físicas serão ceifadas. Mas as  conseqüências espirituais sequer são mencionadas, permanecendo ignoradas pela imensa maioria. O Espiritismo esclarece o quanto os danos materiais, que são passageiros, são ínfimos, se comparados ao custo espiritual que o indesejado acontecimento acarreta. Os seus responsáveis terão de suportar, no mundo espiritual e em encarnações futuras, os efeitos da lei de ação e reação que rege o Universo. Na questão 745 do Livro dos Espíritos, respondendo a Kardec sobre a responsabilidade daquele que suscita a guerra para proveito seu, os Espíritos ensinam que “grande culpado é esse e muitas existências lhe serão necessárias para expiar todos os assassínios de que haja sido causa, porquanto responderá por todos os homens cuja morte tenha causado para satisfazer à sua ambição“.

No livro “Nosso Lar“, André Luiz relata a repercussão, na Colônia do mesmo nome, dos momentos que antecederam a eclosão da segunda guerra mundial. Toda a Colônia se mobilizou em preparativos para receber os espíritos que deixariam a carne em conseqüência do conflito, que, certamente, seriam em grande número, como de fato aconteceu.

Do plano espiritual nos vem também a notícia de que muitos dos protagonistas daquele episódio, responsáveis por tantos sofrimentos, expiam suas faltas em regiões da África de absoluta miséria, onde têm de suportar uma existência penosa, sem nenhum tipo de facilidade, como forma de se reequilibrarem perante a Lei.

Portanto, segundo o Espiritismo, a guerra, longe de ser uma situação irreversível, é resultado de um estado passageiro da humanidade. À medida que o homem progride moralmente, ainda que de maneira lenta, pois a Natureza não dá saltos, as guerras tendem a se tornar menos freqüentes, porque ele passa a evitar as suas causas. Dia virá, certamente, em que ela estará totalmente banida do nosso meio, pois a humanidade se elevará e aprenderá a conviver com seus semelhantes, respeitando a Lei de Igualdade.

O ensinamento do Cristo, revivido e esclarecido pelo Espiritismo, é a bússula que nos levará a esse porto seguro. Quando todos conhecerem a imortalidade do espírito, a realidade da vida futura, o processo da reencarnação e a justiça da lei de causa e efeito, o homem não mais provocará a guerra. Se os governantes já estivessem de posse do conhecimento dessas verdades, por certo agiriam de maneira diferente, pois temeriam as conseqüências de seus atos. Enquanto isso não acontece, continuemos fazendo a nossa parte, orando e trabalhando pela paz, rogando todos os dias à Espiritualidade Superior para que ilumine e apascente os homens, fazendo-os moderar suas ambições.
Título: Re: Guerras: como o Espiritismo explica?
Enviado por: belina em 19 de Outubro de 2010, 00:30
Elaine, muito bom o texto.
Tenho Fé que num tempo não muito longinquo deixaremos de ter guerras e viveremos em paz.

Paz e Luz
Belina
Título: Re: Guerras: como o Espiritismo explica?
Enviado por: Elaine Ramos em 19 de Outubro de 2010, 01:41
Obrigada, Belina.

Que os Anjos digam Amém às suas palavras! :D

Com afeto,
Elaine 8)
Título: Re: Guerras: como o Espiritismo explica?
Enviado por: Mariazinha C.Valenti em 19 de Outubro de 2010, 14:34
                      GUERRA!!!                                                                 
                                         
         Podemos observar, com que facilidade um povo se revela favorável  à  declaração de uma guerra.                                                                                         
         Estarão conscientes da desumanidade que partilham ao fazerem suas opções?
         É importante observarmos os motivos, que no caso atual são dois:-
1º)- Um pais revoltado pelo ataque inesperado, provocando perdas de vidas  humanas, perdas de valores, com isso sentindo-se com o amor próprio ferido.
2º)-  A certeza, a convicção da sua posição superior, orgulho pela própria força e poder. – Por que calar perante esta humilhação se podemos atacar e vencer? --  Somos mais fortes e poderosos!                                                                                                                                       
          Quem está com a razão?
          Aquele que  se  deixa levar  pelo  fanatismo  doentio,   que  se   entrega  ao idealismo  desenfreado,  matando,  ferindo,  destruindo,  chegando  ao  ponto  de sacrificar a própria vida?                                                                                           
          Ou aquele que, “pacificamente” age  de  maneira a  provocar  tantas revoltas e ódios?                                                                                                           
          De que lado estará Deus?
          Quem deverá ser vencido e destruído?
          Aquele que tem ideais, ou aquele que tem poderes?
          Vamos analisar com imparcialidade, e veremos que:  O que precisa ser eliminado de vez do nosso planeta é a ignorância que gera a insensatez e a sede de poder.
          Falta Evangelho nos corações, e consequentemente, falta humildade e fidelidade a Deus. Dentro da ignorância e insensibilidade, cegos de ódio, os dois avançam sem pensar nas consequências e nem no próximo.
          Jesus nos ensina, que só o amor cobrirá a multidão de pecados, e vencerá a tudo.  Pede para que lutemos pela paz. Se nem um lado, nem o outro acreditar na verdade de Jesus, a única que nos libertará. Podemos ter certeza.   A violência e a ignorância imperará. Os resultados serão altamente desastrosos                                                                       
         Convém lembrar que este clima de tensão e expectativa que vivemos no momento, certamente, está alimentando e reforçando as forças negativas que envolve  todo planeta. A nossa invigilância, pode facilitar e ampliar a sua atuação 
         Por isso, o convite fraterno:- Companheiros, seja qual for sua crença. Se temos Deus como guia, unamo-nos, imparcialmente, projetemos através da prece a luz do esclarecimento e da fé, nas mentes do povo em geral, para que assim, a compreensão e o amor, possam dominar. 
          Quem sabe conseguiremos suavizar os sentimentos e fazer com que, muitas desgraças e sofrimentos possam ser poupados.
                                                                                             Mariazinha