Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Artigos Espíritas => Tópico iniciado por: mcvd em 18 de Agosto de 2012, 01:13

Título: Reunir-se em nome de Jesus
Enviado por: mcvd em 18 de Agosto de 2012, 01:13
Ditado de um espírito protetor

Jesus disse: "Onde estiverem duas ou três pessoas reunidas em meu nome, aí estarei eu."
Mas, é preciso que saibais o que quer dizer estarem reunidas em nome de Jesus. É estarem congregadas para praticar unicamente o bem, seja por obras, palavras, ou pensamentos. Desde o momento em que deixeis que o mal penetre em vosso pensamento, podeis estar certo de que Jesus se afastou do vosso ajuntamento. Como vêdes, não é tão fácil, como pensais, reunirem-se em nome de Jesus. Quantos por aí não se iludem a esse respeito?! Pensam estar agradando a Jesus e realmente estão profanando a reunião, profanando o nome de Deus!
Nas "macumbas" é muito comum esse mau procedimento, sendo também muito comum em muitas das reuniões chamadas espiritistas. Reúnem-se para trabalhos que vão afetar a paz e a felicidade de outras pessoas, reúnem-se para trabalhos de caráter profundamente contrário à caridade cristã!
Imaginam, inventam perseguições de espíritos, com o fim de extorquir dinheiro aos consulentes. Ora, isto é um falseamento da Doutrina, condenado por Moisés, por Jesus e por Deus.
O mandamento de Deus é: "Amai o vosso próximo como a vós mesmos". Ora, ninguém deseja o mal para si mesmo. Como podem reunir-se pessoas em nome de Deus para praticar o mal?
Deveis limpar-vos corporal e espiritualmente; deveis fugir ao contacto de todos os roubadores da vossa bolsa, da vossa honra e do vosso bem-estar.
Como pode um espírita, que se diz possuidor de uma crença espiritualizada, reunir-se a feiticeiros para perturbar o bem-estar do seu próximo?
O espírita, o protestante e o católico se dizem cristãos, mas resta conhecer quais deles os que se reúnem em nome de Jesus. Pela árvore é que se conhece o fruto, ou é pelo fruto que se conhece a árvore?
Fugi, pois, irmãos, de toda reunião donde haja desaparecido o espírito da fraternidade e caridade cristã". - Hélio Gusmão

Fonte: Livro Sessões práticas do espiritismo - Spártaco Banal
Título: Re: Reunir-se em nome de Jesus
Enviado por: Mourarego em 19 de Agosto de 2012, 16:18
Mano MCVD,
é muito comum, embora hoje estas práticas venham em menor número que antes, encontrarmos em uma obra, este tipo de mensagem, sempre atribuídas a um Espírito.
O do caso, Helio Gusmão, comete duas asperezas que um Espírito protetor, ou seja, um Espírito que por norma deve estar incluído na classe dos Bons Espíritos, não cometeria.
A primeira dela é misturar credos, sem levar em conta de que se tratam de coisas díspares mesmo que amparadas pela mediunidade.
Uma coisa é ser Espírita, outra um Espiritualista, seja na Umbanda, seja no candomblé ou mesmo nas igrejas formais.
Cada uma dessas crenças tem métodos de trabalho  diferentes e se encontram amparadas por leis diferentes.
Um Espírito da classe dos Bos,  ou melhor explicando, um Espírito protetor, como é o caso, não as cometeria, pois, já havendo progredido bem em intelecto e moral, não avaliaria coisas diferentes sob o mesmo padrão.
 Em segundo lugar mas não menos importante, vem a prova de que não seja este um Espírito Protetor,ou pelo menos, daqueles que se encontram nos píncaros desta classe, que como sabemos abriga uma quantidade de Espíritos que não estão todos no mesmo grau de conhecimento.
Assim, já começa a soar mal, o fato deste Espírito não conhecer oque seja a Umbanda, candomblé ou crenças neste patamar, Lá, todos sabem e conhecem que não existam macumbas, sabe por que?
Ora porque macumba, não tem o significado de culto, para o Bem ou para o Mal e isso ele deveria saber, se estivesse mesmo no ponto inicial na classe dos Espíritos protetores.
Macumba é um instrumento de percussão muito parecido com a nossa cuíca, das Escolas de Samba, que era utilizado não em seções espirituais mas sim em festa africanas.
Se ao Espírito não fosse dado este conhecimento, em virtude de haverem duas correntes que trazem explicações diferentes para a mesma coisa, o termo macumba, deveria ele conhecer que a segunda corrente empresta a sua explicação dentro do cenário mais conhecidos pelos Xamãs e pelos pagés, que retratam o termo como sendo um abrasileiramento, do vocábulo Makoomba, do dialeto Bantu, mas que encontra a mesma significação tanto em Nago como em Yoruba, significando o nome genérico de uma plantinha muito usada nas grandes cidades de vários países e mesmo no nosso Brasil.
Seu nome científico é Cannabis Sativa, donde se extrai, nas plantas femininas desta espécie, o THC, e é este extrato que produz a "doideira" que os nossos patrícios procuram.
As plantas masculinas desta espécie não têm qualquer poder alucinógeno e disso sabem muito bem os pagés e por isso não as usam.
Como vemos meu caro, trata-se de um erro que qualquer Espírito na classe dos protetores sabem com certeza maior que a minha o que nos leva a concluir que julgando-se apenas por estas duas bobagens apregoadas pelo texto atribuído ao Espírito Helio Gusmão, de quem nunca ouvi falar, pode-se deduzir que seja o texto produto apenas de seu autor humano.
mas o pior vem quando o dito Espírito, afirma: "(...) Nas "macumbas" é muito comum esse mau procedimento, sendo também muito comum em muitas das reuniões chamadas espiritistas. Reúnem-se para trabalhos que vão afetar a paz e a felicidade de outras pessoas, reúnem-se para trabalhos de caráter profundamente contrário à caridade cristã!
Imaginam, inventam perseguições de espíritos, com o fim de extorquir dinheiro aos consulentes.
Ora, isto é um falseamento da Doutrina, condenado por Moisés, por Jesus e por Deus.(...)"
Aqui então o erro é de maior e mais forte calibre o que nos demonstra sem sombra de dúvidas de que não é um Espírito senão no rol dos ignorantes, poi que, algum de vocês já viu, soube ou esteve numa reunião espiritista, que se faça com o fim que indica a parte em vermelho que grifei?
Meus amigos, o codificador nos pediu para que se quiséssemos conhecer de tudo, que lêssemos de tudo para podermos ao final, julgar por conhecimento.
Explicou outrossim, que não se deveria dar crédito à forma mas sim ao fundo, ou seja ao pensamento que uma página indica.
Neste caso em especial, se ao estudarmos a mensagem atribuída a este Espírito, encontrando essa ruma de erros tão básicos mas que determinam tanta ignorância não só das correntes Espiritualista, mas também do que seja a nossa doutrina, fica fácil notar-se de que se trata ou de mistificação ou engodo, não do Espírito se tiver se originado de um Espírito, mas sim e vejo com mais ênfase, de um ser humano, que julgando aos outros por si mesmo,"achou-se" superior a estes e por isso pensou ser fácil enganá-los com sugestão que remetesse ao ensino de Jesus
É como diz certo personagem das histórias em quadrinhos, das crianças, "Olho vivo e faro fino" gente!.
Abraços,
Moura.
Título: Re: Reunir-se em nome de Jesus
Enviado por: mcvd em 21 de Agosto de 2012, 18:09
Caro Moura,

Lendo o texto novamente está bem clara as aspas que o autor fez questão de frisar em "macumba". O significado da palavra é esse mesmo que você fez questão de falar, mas sabemos bem que essa palavra também é utilizada para designar certos tipos de trabalhos feitos para o bem ou não, alguns a utilizam para fazer a vida ir pra frente, outros para que a vida de seus desafetos vá para trás. Não sejamos ingênuos em achar que esse tipo de coisa não existe. Já ouvi pessoas dizerem que em um Centro que se dizia espírita pediu para que ela levasse velas, a Doutrina é clara não existe dentro do espiritismo esse misticismo. Não precisamos usar branco, acender velas ou incensos.

O autor se intitulou espírito protetor, não espírito superior. Talvez esteja em nós a má interpretação do texto. Temos sim que ler com bastante atenção todo e qualquer teor da comunicação espírita, nesse texto não vejo fugir em nada da Doutrina de Kardec. Muito pelo contrário, ele deixa claro que aqueles que não seguem os ensinamentos do Cristo, estes sim, não podem se dizer Cristãos. Reunir-se em nome de Jesus é praticarmos o bem  e seguirmos o seu exemplo, qualquer tipo de reunião que fuja disso, aí sim temos que questionar.
Querido irmão, estamos todos no mesmo barco buscando nosso aprimoramento e reforma íntima, talvez a voce esse texto não tenha tocado. Mas esclarece e muito aqueles que não tem discernimento ainda da nossa Doutrina, que não exige vestimentas ou dinheiro daqueles que desejem segui-la, apenas humildade, fé, resignação, amor, caridade. Sim, ser espírita vai muito além de ler os livros doutrinários ou romances, temos que ser a prática desses ensinamentos.

Fique em paz!

Um forte abraço, Mana Michelle
Título: Re: Reunir-se em nome de Jesus
Enviado por: Mourarego em 21 de Agosto de 2012, 19:27
Caro mcvd,
o fato de o movimento espírita sempre estar a invencionar, não faz de uma colocação tipo desdobramento, uma verdade Espírita, pois em termos de doutrina o que se evidencia é a emancipação da alma que não condiz com qualquer coisa nem de perto parecida com desdobramentos ou redobramentos.
]O codificador foi enfático porque assim o foram para com ele os Espíritos superiores:
Disse Kardec : "para coisas novas palavras novas" assim todo o corpo doutrinário foi erigido acima desta máxima e não sendo nenhum dos integrantes do MEB, Espíritos
Superiores, seus "neologismos muderninhos" fazem o mesmo barulho de um instrumento desafinado a meio de uma orquestra".
Assim, quando se usa um termo que não pertence senão ao movimento que deveria estar estudando tal doutrina, erra-se no quesito divulgação interpolada conduzindo ao erro os novos integrantes da doutrina que se estuda.
Abração
Moura