Forum Espirita

GERAL => Outros Temas => Tópico iniciado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:02

Título: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:02
Alô, amiguinhos,

Eis uma longa discussão que surgiu no blog "Alimentação no Mundo Espiritual".  Os comentários foram fugindo do tema e perderam-se no horizonte filosófico. Aqui, têm tudo a ver com o título.

Abraços, RW


http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/alimentacao-no-mundo-espiritual/msg157933/#msg157933



..toda e qualquer mensagem, todo e qualquer escrito, toda e qualquer obra que não tiver passado pelo CUEE não é por isso mesmo considerada senão como opinião pessoal pois é este método, o CUEE que dá e trás o criterium de verdade nas obras codificadas.

Olá Moura

Parece-me que alguns espíritos da codificação também têm as suas opiniões pessoais sujeitas a comprovação da ciência, cujos relatos hoje passam  longe do criterium de verdade. Vejamos o que nos diz o espírito Galileu, em mensagens psicografadas na sociedade parisiense através do astrônomo Camille Flamarion:


Há questões que nós mesmos, espíritos amantes da ciência, não podemos aprofundar e sobre as quais não podemos emitir senão opiniões pessoais, mais ou menos hipotéticas.



Segue abaixo algumas das opiniões pessoais de Galileu, hoje considerados verdadeiros absurdos pela nossa ciência. E olha que essas pérolas passaram pelo CUEE  :o


As condições pelas quais se efetuou a desagregação da Lua lhe permitiram pouco afastar-se da Terra, e a constringeram a permanecer perpetuamente suspensa em seu céu, como uma figura ovóide, cujas partes mais pesadas formaram a face anterior voltada em direção à Terra, e cujas partes menos densas ocuparam o ponto mais alto, designando por esse nome o lado oposto à Terra, que assim se conserva saliente, voltado para o céu. Isto é o que causa o fato de que este astro conserve sempre a mesma face voltada para nós.

Quanto aos cometas, hoje estamos plenamente tranquilos sobre a sua influência, mais salutar que nociva, pois eles parecem destinados a revitalizar os mundos, trazendo-lhes os princípios vitais que armazenaram durante sua trajetória através do espaço. Por sua natureza fluídica, hoje bem constatada, não é de se temer um choque violento, pois, no caso em que um deles encontrasse a Terra, seria esta que passaria através do cometa, como através de um nevoeiro.


Um abraço


PSI


 

Mano PSI,....

Posso estar enganado, o Mano Moura pode nos dar um parecer, mas parece-me que somente o Livro dos Espíritos, Médiuns e ESE passaram pelo critério rigoroso do CUEE.

A ciência sempre dará a palavra final.

Na introdução da Gênese:

"Os mesmos escrúpulos havendo presidido à redação das nossas outras obras, pudemos, com toda verdade, dizê-las: segundo o Espiritismo, porque estávamos certo da conformidade delas com o ensino geral dos Espíritos. O mesmo sucede com esta, que podemos, por motivos semelhantes, apresentar como complemento das que a precederam, com exceção, todavia, de algumas teorias ainda hipotéticas, que tivemos o cuidado de indicar como tais e que devem ser consideradas simples opiniões pessoais, enquanto não forem confirmadas ou contraditadas, a fim de que não pese sobre a doutrina a responsabilidade delas."

6. - Há questões que nós mesmos, Espíritos amantes da Ciência, não podemos aprofundar e sobre as quais não poderemos emitir senão opiniões pessoais, mais ou menos hipotéticas. Sobre essas questões, calar-me-ei, ou
justificarei a minha maneira de ver. A com que nos ocupamos, porém, não pertence a esse numero. Àqueles, portanto, que fossem tentados a enxergar nas minhas palavras unicamente uma teoria ousada, direi: abarcai, se for
possível, com olhar investigador, a multiplicidade das operações da Natureza e reconhecereis que, se se não admitir a unidade da matéria, impossível será explicar, já não direi somente os sóis e as esferas, mas, sem ir tão longe, a
germinação de uma semente na terra, ou a produção dum inseto.
Galileu

Abração.

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:04
Ei Silvio,

O controle de universal dos ensinamentos espiritas, foi delegada para a posteridade, e não para aquilo que ja estava codificado, aquilo que fora codificado é parametro imediato para o que haveria de vir. Foi realizado sob a tutela dos espiritos de mais alto escol, e só foi reunido e CODIFICADO  em um livro após a contestação de os ensinamentos eram verdade.

O CUEE é delegado a posteridade afim de que não haja mistificações. E Kardec não voltará para bater um carimbo que isso é verdade espirita isso não é. Memso porque não vivenciamos um kardecismo, apesar de toda referencia da mais alta dignidade e notória grandeza que é o mestre frances. Kardec foi bem especifico, nao perca tempo combantendo o verdades infundadas, perseguidores e todas as variantes de adversidades que o espiritismo teria,  OS SISTEMAS FALSOS CAIRAO POR SI. Veja bem não estou pregando a inação, porque o silencio é uma oração, mas o silencio constante beira a omissão. Defenda suas ideias, mas se voce quer plantar uma arvore onde só há pedregulhos, é jogar perolas aos porcos, o tempo sempre removerá o solo e o tornará fertil em um momento oportuno.

Aquele que estabelece o que é verdade espirita e o que não é chama para sim uma tarefa muito ingentil, além de se colocar acima do bem e do mal, para julgar-se insento de falencias. Sigamos a racionalidade coroada por Kardec, sua coerencia, de não refutar aquilo que não se pode provar.Imagina se Kardec houvesse riducularizado as mesas girantes numa primeiro momento e o classificasse arbitrariamente como divertimento de tolos e banais.

Não é essa a postura do codificador, mas vejo muitas pessoas ridicularizando ensinamentos refutando por refutar. Isso sim é total ignorancia. Todos os ensinamentos nunca são plenamente compreendidos quando o Véu de Isis se levanta. Vai uma lista Jesus, Kardec, quantos foram queimados nas fogueiras da inquisição, outros como Galileu tiveram que negar a existencia da verdade, tudo para não ofender os brios daqueles que se enclausuram nos pedetais das verdades pessoais tomadas a cota como absolutas. Isso é ridiculo. Eu não me dirijo ao senhor, ja tivemos oportunidade de conversar antes e sei que sua postura é modelar quanto ao um estudioso espirita.

Eu vi uma entrevista do Amit Goswami que justamente ele diz isso, o ceticismo, a refutação pura. O presente se dirige sempre a posterioridade.  E como Modelo, e paradigma que temos em Kardec, estudemos sem ideias pre-concebidas. Montemos a nossa conclusão, mas sempre vamos tendo em mente que ela é a cota de opniao pessoal, se acharmos que estamos tão certos escrevemos um livro, porque aí nosso pensamento poderá ser analisado sob o crivo do CUEE. Caso contrario será apenas uma interpretação de uma obra. Carl Sagan diz A ausencia de evidencia não é evidencia de ausencia.

O tempo que é senhor soberano a fazer a separação do joio e do trigo e isso se processo em nível intelectivo também.

abraços

..toda e qualquer mensagem, todo e qualquer escrito, toda e qualquer obra que não tiver passado pelo CUEE não é por isso mesmo considerada senão como opinião pessoal pois é este método, o CUEE que dá e trás o criterium de verdade nas obras codificadas.

Sim mano PSI, concordo.
mas note, eles mesmo dizem que são apenas opiniiões pessoais, logo, não doutrina.
abraços,
Moura

Olá Moura

Parece-me que alguns espíritos da codificação também têm as suas opiniões pessoais sujeitas a comprovação da ciência, cujos relatos hoje passam  longe do criterium de verdade. Vejamos o que nos diz o espírito Galileu, em mensagens psicografadas na sociedade parisiense através do astrônomo Camille Flamarion:


Há questões que nós mesmos, espíritos amantes da ciência, não podemos aprofundar e sobre as quais não podemos emitir senão opiniões pessoais, mais ou menos hipotéticas.



Segue abaixo algumas das opiniões pessoais de Galileu, hoje considerados verdadeiros absurdos pela nossa ciência. E olha que essas pérolas passaram pelo CUEE  :o


As condições pelas quais se efetuou a desagregação da Lua lhe permitiram pouco afastar-se da Terra, e a constringeram a permanecer perpetuamente suspensa em seu céu, como uma figura ovóide, cujas partes mais pesadas formaram a face anterior voltada em direção à Terra, e cujas partes menos densas ocuparam o ponto mais alto, designando por esse nome o lado oposto à Terra, que assim se conserva saliente, voltado para o céu. Isto é o que causa o fato de que este astro conserve sempre a mesma face voltada para nós.

Quanto aos cometas, hoje estamos plenamente tranquilos sobre a sua influência, mais salutar que nociva, pois eles parecem destinados a revitalizar os mundos, trazendo-lhes os princípios vitais que armazenaram durante sua trajetória através do espaço. Por sua natureza fluídica, hoje bem constatada, não é de se temer um choque violento, pois, no caso em que um deles encontrasse a Terra, seria esta que passaria através do cometa, como através de um nevoeiro.


Um abraço


PSI


 

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:11
Ei Silvio,

Oi Amiga Laísa, bom bater papo contigo! :D

O controle de universal dos ensinamentos espiritas, foi delegada para a posteridade, e não para aquilo que ja estava codificado, aquilo que fora codificado é parametro imediato para o que haveria de vir. Foi realizado sob a tutela dos espiritos de mais alto escol, e só foi reunido e CODIFICADO  em um livro após a contestação de os ensinamentos eram verdade.

Ok. Nada a contestar!

O CUEE é delegado a posteridade afim de que não haja mistificações. E Kardec não voltará para bater um carimbo que isso é verdade espirita isso não é. Memso porque não vivenciamos um kardecismo, apesar de toda referencia da mais alta dignidade e notória grandeza que é o mestre frances. Kardec foi bem especifico, nao perca tempo combantendo o verdades infundadas, perseguidores e todas as variantes de adversidades que o espiritismo teria,  OS SISTEMAS FALSOS CAIRAO POR SI. Veja bem não estou pregando a inação, porque o silencio é uma oração, mas o silencio constante beira a omissão. Defenda suas ideias, mas se voce quer plantar uma arvore onde só há pedregulhos, é jogar perolas aos porcos, o tempo sempre removerá o solo e o tornará fertil em um momento oportuno.

Aquele que estabelece o que é verdade espirita e o que não é chama para sim uma tarefa muito ingentil, além de se colocar acima do bem e do mal, para julgar-se insento de falencias. Sigamos a racionalidade coroada por Kardec, sua coerencia, de não refutar aquilo que não se pode provar.Imagina se Kardec houvesse riducularizado as mesas girantes numa primeiro momento e o classificasse arbitrariamente como divertimento de tolos e banais.

Discordo. Entendo que analisar uma mensagem, livro ou tudo que venha do mundo espiritual não é colocar acima do bem e do mal, mas, simplesmente utilizar a razão, desprovida de achismos e idolatria à médiuns, detalhe esse que é uma erva daninha no movimento.


Não é essa a postura do codificador, mas vejo muitas pessoas ridicularizando ensinamentos refutando por refutar. Isso sim é total ignorancia. Todos os ensinamentos nunca são plenamente compreendidos quando o Véu de Isis se levanta. Vai uma lista Jesus, Kardec, quantos foram queimados nas fogueiras da inquisição, outros como Galileu tiveram que negar a existencia da verdade, tudo para não ofender os brios daqueles que se enclausuram nos pedetais das verdades pessoais tomadas a cota como absolutas. Isso é ridiculo. Eu não me dirijo ao senhor, ja tivemos oportunidade de conversar antes e sei que sua postura é modelar quanto ao um estudioso espirita.

Bom, não conheço as pessoas que refutam por refutar. Pelo menos aqui nesse forum, quem refuta está baseado na Codificação e coloca as informações objetivando o debate, aprendizado, conhecimento e quebrando paradigmas. Em outros ambientes pode ser.
O grande problema que observo é que os defensores das obras de André Luiz, Emmanuel, Divaldo é que se melindram e partem para ignorância quando coloca-se em discussão  informações que são ensinadas e divulgadas como verdadeiras. Não entendem que Chico e Divaldo são apenas instrumentos dos Espíritos, as obras são dos espíritos que não são superiores. Aliás, o repórter André estava sob influência da matéria.

Eu vi uma entrevista do Amit Goswami que justamente ele diz isso, o ceticismo, a refutação pura. O presente se dirige sempre a posterioridade.  E como Modelo, e paradigma que temos em Kardec, estudemos sem ideias pre-concebidas. Montemos a nossa conclusão, mas sempre vamos tendo em mente que ela é a cota de opniao pessoal, se acharmos que estamos tão certos escrevemos um livro, porque aí nosso pensamento poderá ser analisado sob o crivo do CUEE. Caso contrario será apenas uma interpretação de uma obra. Carl Sagan diz A ausencia de evidencia não é evidencia de ausencia.

O tempo que é senhor soberano a fazer a separação do joio e do trigo e isso se processo em nível intelectivo também.

Concordo que o tempo é senhor soberano. Mas também penso que temos responsabilidades perante a doutrina, dever de divulgar incoerências e equivocos, sem ter a pretensão de ofender, humilhar ou impor opiniões, cada um tem o direito de acreditar no que lhe convém, mas por uma questão de bom senso tanto utilizado por Kardec temos que ser coerentes com os professores e com escola que escolhemos para estudar. Questão de respeito, ou mudamos de escola. Jesus quando cá esteve poderia ter ido ao templo e escutado os doutores da lei, ficando quieto e se omitindo, mas não, apresentou as incoerências e debateu, o mesmo fez com os fariseus. Kardec também trabalhou com os espíritos superiores de igual para igual, sem deixar uma vírgula para trás.

Também não é nada direcionado a sua pessoa, pois sei que utiliza o bom senso, educação e coloca suas idéias de forma inteligente. :)

Abração!

abraços

Bom senhor Silvio mas la responde-lo,


Primeiramente o senhor me interpretou mal, eu não disse que  devemos abandormamos a emissão de juizo de valor, porque isso seria abdicarmos da racionalidade, o que por si só é totalmente ilógico. Eu disse que aquele que se julga dono da verdade, e capaz de chamar para si a rotulagem do que é verdade espirita e o que não, a esse que eu me referia.

Obviamente, devemos deixar bem claro que qualquer obra que por simples razão ofenda algum principio baluarte da codificação realmente a essa não devemos levar a credito. Minha indagação é justamente de como poderemos classificar as verdades há não ser pelos parametros estabelecidos, de racionalidade, de generalidade de informações provindas de diversas fontes dignas. E como estabelecemos isso se não somente com o estudo ao longo de um tempo. O senhor compreende o que eu quis dizer agora?

Senhor Silvio e qual de nós não estamos sob a influencia da matéria. A materia, o fluido universal e Deus não os tres elementos do universo. A materia deixará de existir em algo estagio, alguem por ventura se arrisca a fazer tão assertativo com plena convicção. O quarks a particula elementar tambem não seria materia? Ate que nivel de quintessenssividade poderemos delimitar entre energia e matéria. È uma fronteira muito tenue, e isso não depende de um referencial. O que para você é energia, para Jesus pode ser matéria. Andre Luiz está sobre a influencia da matéria, é um ser comum como eu e o senhor sim, e será que o Espirito de Fraternidade não conta? O mesmo espirito que imbui Fenelon, Emmanuel, Joana de Angelis, Aristoteles, Erasto, Socrates, Platão, Santo Agostinho na codificação. Porque se você é grande ou pequeno, o importante é o tanto de amor que voce pode dar. Se Andre Luiz, Manoel Philomeno, Neio Lucio, Humberto de Campos, Meimei, Auto de Souza estão certos ou errados, como poderei saber se não atraves do crivo da racionalidade, que é pessoal. Mas se eles são verdades ou não verdades espiritas, ai sim não serei eu a rotula-los O senhor por ventura se aventuraria a tal? Creio que não ne.

Senhor Silvio eu já mais preguei a inação, aquele que é espirita de verdade arregaça as mangas e defende seu ideal. Mas tudo com podenração, ele sabe que o todo é regido pela Vontade Suprema e por isso, sabe respeitar a consciencia alheia em sua opniao, bem como sabe reconhecer a sua pequeninez e lhe ater que deve cumprir a sua parte, porque quanto ao destino que cerca a coletividade este está sob o auspicio do Criador.

Abraços!!!!

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:14
O que para você é energia, para Jesus pode ser matéria. Andre Luiz está sobre a influencia da matéria, é um ser comum como eu e o senhor sim, e será que o Espirito de Fraternidade não conta? O mesmo espirito que imbui Fenelon, Emmanuel, Joana de Angelis, Aristoteles, Erasto, Socrates, Platão, Santo Agostinho na codificação. Porque se você é grande ou pequeno, o importante é o tanto de amor que voce pode dar. Se Andre Luiz, Manoel Philomeno, Neio Lucio, Humberto de Campos, Meimei, Auto de Souza estão certos ou errados, como poderei saber se não atraves do crivo da racionalidade, que é pessoal. Mas se eles são verdades ou não verdades espiritas, ai sim não serei eu a rotula-los O senhor por ventura se aventuraria a tal? Creio que não ne.

Amiga Laísa,...

A questão não é o nome do espírito, mas o conteúdo da mensagem e ensinamento. Se é uma poesia, paródia, verso ou qualquer mensagem que fala de amor, carinho e que propicia bons sentimentos, harmonia, paz, alegria, secando lágrimas, tudo bem, ótimo, no entanto o grande problema é quando apresenta-se novos conceitos e ensinamentos, aí minha amiga, podemos sim, rotular que opiniões individuais, conjecturas sem confirmação. E esse tipo de análise não tem nada haver com o "tanto de amor que se pode dar", esse é outro departamento, sendo de foro intimo de cada um.

Vejamos a preocupação com as novas informações ou principios.

ESE

Estai certos, igualmente, de que quando uma verdade tem de ser revelada aos homens, é, por assim dizer, comunicada instantaneamente a todos os grupos sérios, que dispõem de médiuns também sérios, e não a tais ou quais, com exclusão dos outros. Nenhum médium é perfeito, se está obsidiado; e há manifesta obsessão quando um médium só é apto a receber comunicações de determinado Espírito, por mais alto que este procure colocar-se. Conseguintemente, todo médium e todo grupo que considerem privilégio seu receber as comunicações que obtêm e que, por outro lado, se submetem a práticas que tendem para a superstição, indubitavelmente se acham presas de uma obsessão bem caracterizada, sobretudo quando o Espírito dominador se pavoneia com um nome que todos, encarnados e desencarnados, devem honrar e respeitar e não permitir seja declinado a todo propósito. É incontestável que, submetendo ao crivo da razão e da lógica todos os dados e todas as comunicações dos Espíritos, fácil se torna rejeitar a absurdidade e o erro, Pode um médium ser fascinado, e iludido um grupo; mas, a verificação severa a que procedam os outros grupos, a ciência adquirida, a alta autoridade moral dos diretores de grupos, as comunicações que os principais médiuns recebam, com um cunho de lógica e de autenticidade dos melhores Espíritos, justiçarão rapidamente esses ditados mentirosos e astuciosos, emanados de uma turba de Espíritos mistificadores ou maus.
Erasto, discípulo de São Paulo. (Paris, 1862)

Uma só garantia séria existe para o ensino dos Espíritos: a concordância que haja entre as revelações que eles façam espontaneamente, servindo-se de grande número de médiuns estranhos uns aos outros e em vários lugares.
Vê-se bem que não se trata aqui das comunicações referentes a interesses secundários, mas do que respeita aos princípios mesmos da doutrina. Prova a experiência que, quando um principio novo tem de ser enunciado, isso se dá espontaneamente em diversos pontos ao mesmo tempo e de modo idêntico, senão quanto à forma, quanto ao fundo.

Abração.

Mano Silvio

Eu não tenho idolatria por nenhum  espírito comunicante, apenas gosto de estudar as suas opiniões pessoais, desde que estas não sejam contrárias ao que diz a doutrina, e sejam escritas por médiuns sérios.

A Gênese faz parte das obras codificadas, e mesmo que as opiniões de Galileu sejam dadas como à guisa dos textos doutrinários, estão lá para serem lidas e influenciar os leitores, mesmo que  algumas dessas opiniões já tenham sido comprovadas como inverossímeis.       

A materialidade do mundo espiritual tem sido o foco principal de nossas divergências. O amigo tem todo o direito de não acreditar no que dizem André Luiz, Manoel Philomeno, Miramez, Emmanuel, Joana, Victor Hugo, etc.etc.,
todavia, o amigo não tem o direito de afirmar que esta realidade material é anti-doutrinária,  pois o amigo estará  a contradizer a própria doutrina, que nos esclarece que esta realidade é possível, e, dado o pensamento desses espíritos ainda apegados a matéria, bastante provável.

Acho um despropósito ter que ficar citando a todo o momento trechos da codificação que dão embasamento a essa possibilidade.

Um abraço


PSI   

Senhor Silvio,

Eu ainda me encontro atonita, porque quantas mensagens foram proferidas a todos os cantos, de tantos mediuns e em tantos lugares sobre a realidade do mundo espiritual.


Estai certos, igualmente, de que quando uma verdade tem de ser revelada aos homens, é, por assim dizer, comunicada instantaneamente a todos os grupos sérios,  

O senhor por ventura subestima tanto o amor dos grandes que rege os destinos da humanidade, que por ventura acha que permitiriam que em todos os cantos fossem proferidas inverdades? Falam-se muito das obras de Andre Luiz, mas ele foi apenas o pioneiros de milhares de livros que já foram escritos em todos os cantos.

Seres humanos são faliveis, Kardec mesmo perguntou ao Espirito de Verdade, e se eu falhar? Outro o substituirá. Porque a verdade quando é difundida ela não é centrada em pessoas, apesar de precisar do esforço, da renuncia pessoal desses vanguardeiros do amor, para que elas se propage. Chico Xavier, Divaldo Pereira, Ivone Amaral, são humanos e por isso só falíveis, mas quem se aventuraria a desqualificar a conduta desses seres paradigmaticos de conduta cristã? Kardec também disse que a seriedade da instrumentabilidade mediunica é referencia a ser relevada em uma comunicação. 

Se o que Andre Luiz falou em 1930 era uma opniao pessoal, o que hoje milhares de espiritos relatam, em livros, mensagens, em reuniões mediunica os pontos em comum podemos levar a cota de verdade. Milhões espalhadas por milhoes de mediuns, seria uma mega fascinação não é?

Mas apesar do debate senhor Silvio, e da nossa alegria em poder defender a doutrina espirita, isso em realidade, é so importante para o senhor classificar como pessoal opniao pessoal, e para mim, encarar como verdade pelos fatos anteriormente citados, porque em realidade, o importante não é o que nós fazemos pela doutrina, mas sim o que a Doutrina é capaz de realizar dentro de nós.  Lembrando sempre que a Doutrina Espirita veio na qualidade de transformação da humanidade, mas opera particularmente em cada homem e na sua transcendia interior.

abraços!
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:20
Senhor Silvio,

Eu ainda me encontro atonita, porque quantas mensagens foram proferidas a todos os cantos, de tantos mediuns e em tantos lugares sobre a realidade do mundo espiritual.

abraços!

Esse ponto  destacado pela irmã  , finaliza toda a discusão...

São VÁRIOS livros de autores(inclusive de outros paises) respeitaveis trazendo informações muito semelhantes sobre o mundo espiritual , André Luiz ( por Chico) foi apenas o primeiro.São obras  que não fogem a lógica e a coerência  e trazem conteudo  edificante e esclarecedor.

Não acredito que essas obras  devem ser consideradas irrelevantes apenas por  terem pontos que não foram citados pela codificação .
Concordo com a irmã Laisa.

Muita paz e alegria!!

Amigos,....

Eu de novo! ;D

Lembrando que estou batendo esse papo somente objetivando trocar idéias e conhecimento com pessoas inteligentes, respeitando seus pensamentos e atitudes frente a doutrina. ;)

Volto a comentar que Chico e Divaldo não estão em debate, eles já afirmaram que as obras não são deles, mas sim, dos espíritos. Seus trabalhos e dedicação a humanidade só temos a elogiar e parabenizar.

Quando comenta-se que existem diversas obras que comprovam a existência de colônias, alimentação, meios de transporte, etc...no mundo espiritual, não foi feito por médiuns que não se conheciam e ao mesmo tempo. Tudo começou após Nosso Lar, entre Kardec e Chico, passaram-se muitos anos sem nenhum médium comentar sobre colônias. Estranho né? Quantos milhões de médiuns têm no mundo? Após a construção de Nosso Lar, parece que liberou-se financiamentos do minha casa minha vida e dá-lhe construções.  ;D. Rsrs,... brincadeira, apenas para descontrair.

Swenderberg, enquanto vivo, antes de Kardec escreveu livros sobre cidades espirituais, no mundo espiritual, através de mensagem mediúnica que está na RE, não confirmou e reconheceu equívocos.

E analisando livros de Emmanuel, Philomeno, Bezerra, Joana, já perceberam as diferenças e formas de linguagem? Será que o Philomeno de Divaldo é o mesmo do Bacelli? Como bem colocou o Mano Moura em outro tópico a linguagem de Emmanuel como tribuno romano é muito diferente do extremamente católico. E por aí vai.

Amigo PSI,...se tem uma coisa que tenho direito perante a doutrina e ter opiniões, da mesma forma que você. Mas, sempre será a nossa opinião, como as de André Luiz será as dele. Daí, formar uma nova doutrina inserindo conceitos não aferidos é outa história.

Amigo Fernando, ninguém afirmou que as obras de André Luiz ou outras são irrelevantes, óbvio que têm seu valor, são opiniões individuais baseadas em conjecturas, aguardando confirmação. E a discussão pode estar encerrada para você, mas para aceitação de novos conceitos na doutrina só com metodologia.

Esperar da FEB um trabalho de análise, estudo e conscientização do que está conforme as obras básicas ou não, se tornou muito difícil devido ao retorno financeiro das obras. E quando mexe no bolso,... ::)

Em tempo, a quantidade de espíritas estudiosos e pesquisadores que considerama as obras de André e outras sujeitas a equivocos ou com erros doutrinários é grande e bem antiga, desde que o espiritismo entrou no Brasil através das obras de Roustaing.

Abração.

Ei Senhor Silvio,

Eu não coloquei Divaldo e Chico em debate, eu disse que por orientação de Kardec nos Livros do Médiuns, a de se releva a conduta de seriedade, nas palavras do Codificador, dos médiuns e dos centros espiritas. Medius sérios, atraem espiritos superiores, nas palavras sempre do codificador, centros espiritas sérios também são denotos da atençao dos espiritos maiores. Apesar de mera instrumentabilidade a participação do médium e sua vivência cotidiana é fundamental em uma boa comunicação, já que sabemos que os espiritos trabalham diretamente com as possibilidades intelectiva do médium.

Lembro ao senhor que nos romance de Victor Hugo através da psicofragia de Zilda Gama, anterior aos livros de André Luiz já havia referencias ao mundo espiritual. E o amigo me desculpe o juizo que vou emitir, mas está subestimandoa motivos muito pequenos, que o dinheiro, a vontade de espiritos de escol. Quanto a FEB, ela é uma instituição humana, apesar de toda proteçao espirital que ela é alvo, e ela não é um novo Vatico, e não cabe a ela estabelecer um novo INDEX de livros permitidos e livros proibidos.

Estou um tanto quanto estupefata com as declarações do amigo, e realmente é meio de admirar, mas como sua opnião a respeito.

A origem do espiritismo é espiritual. Seus alicerces se encontram naquele mundo não nesse, e os interesses que o propulsiona são de lá, não de cá. Onde houver homens haverá a suceptividade de ser falivel, mas aquilo que está sob a egide de Jesus e de seus prepostos, não se corromperá tão facilmente, pelo menos é o que eu acredito.

Abraços!

Só um pequeno OBS:

Quanto ao seu julgamento sobre Emmanuel eu tenho duas palavras FALA SÉRIO rsrsrsrs Desculpe eu nao me contive.

O senhor sabia que os espiritos de Emmanuel e Joana de Angelis contribuiram na codificação. È facilmente identificavel os textos deles no ESE.

abraços

laisa,
Joanna nunca disse nada na codificação. Está é uma das pegadinhas em que muito incauto cai.
Emmanuel, teve, colocada por Kardec uma página numa das revistas espíritas. Ora, foi o codificador  que teve a vontade de ali colocar uma mensagem do tribuno romano, feita bem antes de que Este Emmanuel jesuíta existisse.
Maninha nem sempre as coisas são como se pensa.
Quando se fala em ter trabalhado na codificação,  se fala porque tal Espírito ditou por vontade própria, quer dizer, ditou a mensagem em caráter expontâneo e não foi este o caso da mensagem de Emmanuel.
Abração,
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:26
Divaldo é um incauto? rsrsrs

A página de Emmanuel está no Evagelho Segundo o Espiritismo, infelizmente eu não vi todas a Revue, não sabia que lá também figurava mensagens de Emmanuel.

E só uma outra pergunta como o senhor tem tanto absoluta e inexoravel convicção da nao participação de Joana de Angelis?

abraços

Olá amigos,
Com relação de as obras após a Doutrina não passarem pelo CUEE, um fato importante me chamou atenção no tópico “Os Messias do Espiritismo”, lá temos um post 1 do irmão Moura, informando serem “um cortejo de informações sob o aval do CUEE, logo são obras básicas”.

Sobre essas mensagens Allan Kardec na revista seguinte, escreveu sobre as mesmas em “comentários sobre os messias do espiritismo”, e corrobora todo o seu teor, trago abaixo um ponto(ler os comentários na íntegra RE março/1868), para afirmar serem as obras após a codificação, continuação dos ensinos da Doutrina, vamos a ela:
“Pouco importa, pois, o número dos messias, só Deus sabe o que é necessário; mas o que é indubitável, é que ao lado do messias propriamente ditos, os Espíritos superiores, em número ilimitado se encarnarão, ou já estão encarnados, com missões especiais para secundá-los. Ele surgirá em todas as classes, em todas as posições sociais, em todas as seitas e entre todos os povos; haverá deles nas ciências; nas artes; na literatura na política; nos chefes de estado, enfim, por toda a parte onde sua influência poderá ser útil para a difusão das idéias novas, e às reformas que lhes serão conseqüência. A autoridade de sua palavra será tanto maior quanto ela estiver fundada sobre a estima e a consideração das quais estiverem cercados”.
 “Assim, eles virão mais utilmente quando a obra estiver elaborada e o terreno preparado; a eles, então, incumbirá pôr a última demão ao edifício e o consolidar; numa palavra, fazer frutificar a árvore que tiver sido plantada. Mas, enquanto esperam, não estão inativos: dirigem os trabalhadores. A encarnação não será, pois, senão uma fase de sua missão. Só o Espiritismo podia fazer compreender a cooperação dos Espíritos da erraticidade numa obra terrestre”.
Logo Kardec está informando que os messias se servirão dos ensinamentos da doutrina e de Jesus.
Quem são estes a quem Kardec se referia, senão: Gandhi (1869), Albert (Schwaitzer 1875); Madre Teresa de Calcutá (1910; Martin Luther King (1929); Dr. Bezerra de Meneses (1831); Eurípedes Barsanulfo (1880), Divaldo Franco (1927); Yvone A. Pereira (1900) e Francisco Cândido Xavier (1910), etc...
Temos duas situações:
- Ou aceitamos a informação de Kardec comentando as mensagens em seus comentários que: “... é que ao lado do messias propriamente ditos, os Espíritos superiores, em número ilimitado se encarnarão, ou já estão encarnados, com missões especiais para secundá-los". São estes citados acima e muitos outros”;
- Ou não aceitamos, e achamos que eles ainda não vieram, e as mensagens que passaram pelo aval do CUEE não procedem, pois informam o século XX.
Fico com a primeira.
Muita paz
Luiz Vera

Em tempo:
Eu me baseio também, no pensamento de que todas as obras de André Luiz foram prefaciadas por Emmanuel, e como este foi um dos Espíritos da codificação não atestaria mensagem que fosse de entendimento restrito de um Espírito. (Ver tópico Leituras Espíritas recomendadas).
Joana de Angelis aparece na codificação com o pseudônimo "Um Espírito Amigo".

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:27
Amiga Laísa,...

Entendo que o Emmanuel Tribuno Romano, defenderia apenas uma tese nesses casos e não entraria em contradição.

Abração!

Emmanuel e Pietro Ubaldi

O espírito Emmanuel, pela pena de F. C. Xavier, faz alguns comentários sobre a obra de Pietro Ubaldi:

- Quando todos os valores da civilização ocidental desfalecem numa decadência dolorosa, é justo que saudemos uma luz como esta, que se desprende da grande voz silenciosa da "Grande Síntese"
- A "Grande Síntese" é o Evangelho da Ciência, renovando todas as capacidades da religião e da filosofia, reunindo-as à revelação espiritual e restaurando o messianismo do Cristo em todos os institutos da evolução terrestre.

- Enquanto o mundo velho se prepara para as grandes provações coletivas, sugere que meditemos sobre o campo infinito da Providência Divina, que enaltece a glória sublime e imperecível do Espírito imortal."

Vimos aí o apoio de Emmanuel à obra de Ubaldi, o que até se justifica pela similitude entre os princípios rustenistas e ubaldistas em certos pontos importantes, como o da queda angélica, por exemplo, que afronta um princípio básico e elementar da DE que é o da não-retrogradação.

Dentro desta mesma tendência de apoiar tudo e todos, Emmanuel afirma ser Herculano Pires "o metro que melhor mediu Kardec".
Mesmo reconhecendo que o espírito foi justo na sua consideração deta feita, mais uma vez vemos o pensamento contraditório de Emmanuel, já que Herculano foi um defensor da coerência doutrinária, e sempre alertou quanto aos perigos do Rustenismo, do Ubaldismo e do Ramatisismo.
Em relação a Pietro Ubaldi, Herculano responde a mensagem que Pietro Ubaldi enviou ao VI Congresso Espírita Pan-Americano, realizado no mês de outubro de 1963, em Buenos Aires, e que causou estranheza nos meios doutrinários.
Depois de discorrer sobre a estagnação das religiões, o autor de A Grande Síntese chega às seguintes conclusões:

1 - O Espiritismo estacionou na teoria da reencarnação e na prática mediúnica;
2 - Não possuindo “um sistema conceptual completo”, não pode ele ser levado a sério pela cultura atual;
3 - A filosofia espírita é limitada, não oferece uma visão completa do Todo e “não abrange todos os momentos da lei de Deus;
4 – O Espiritismo não construiu uma “teologia espírito-científica, que explique o que a católica não explica”;
5 - O Espiritismo “corre o perigo de ficar parado no nível Allan Kardec, como o catolicismo ficou no nível São Tomás e o protestantismo no nível Bíblia”.

Diante dessa situação, propõe Ubaldi a adoção, pelo Espiritismo, dos livros de sua autoria, abrangendo a “série italiana” e a “série brasileira”.
E explica: “Trata-se de um produto realizado de uma forma que permite que ele caiba dentro do Espiritismo, porque atingido por inspiração, que é por ele julgada a mais alta forma de mediunidade, aquela consciente, controlada pela razão”.

E logo mais afirma:
“Só assim o Espiritismo poderá avançar paralelo à ciência e exigir atenção de parte dos materialistas, porque usa a forma mental e os métodos racionais dele. Só assim o Espiritismo poderá sair do trilho dos costumeiros conceitos que se repetem nas sessões rnediúnicas e colocar-se no nível do mais adiantado pensamento moderno, penetrando no terreno da filosofia e da ciência e situando-se na sua altura”.

Ao que Herculano responde:

"A redação e a tradução dessa mensagem de Ubaldi, como se vê, por estes pequenos trechos, estão muito abaixo do texto de suas obras mais inspiradas, que pertencem à “série italiana”.
Por outro lado, verifica-se que faltou a Ubaldi a percepção necessária para captar o processo espírita em suas verdadeiras dimensões. O admirável médium de A Grande Síntese revela absoluta falta de acuidade e de compreensão da realidade espírita no mundo de hoje, onde o Espiritismo vem cumprindo serenamente a sua finalidade. A sua crítica ao Espiritismo, resumida nos cinco pontos acima, coincide com a dos adeptos menos instruídos na doutrina, e pode ser respondida, ponto por ponto, por qualquer adepto de inteligência e cultura medianas, que conheça a Doutrina Espírita. Por outro lado, o oferecimento de suas obras ao Espiritismo revela desconhecimento da natureza da nossa doutrina e das exigências metodológicas para a aceitação da proposta, que não cobre essas exigências. Ubaldi desenvolveu suas faculdades mediúnicas à margem do Espiritismo. Seu primeiro livro, A Grande Síntese, apresenta curioso paralelismo com o Espiritismo, o que lhe valeu a simpatia e a amizade dos espíritas brasileiros. Na Itália ou no Brasil, porém, Ubaldi recusou-se sempre a integrar-se no movimento espírita, filiando-se na península à corrente da Ultrafânia, do prof. Trespioli, que pretende haver superado a concepção espírita.

Evolução de Jesus em linha reta?

Emmanuel: "O Consolador", perg. 243, 277, 283 e 287, afirma, em defesa da evolução de Jesus em linha reta, isto é, sem reencarnar, exatamente como encontramos em Roustaing:

"Todas as entidades espirituais encarnadas no orbe terrestre são Espíritos que resgatam ou aprendem nas experiências humanas, após as quedas do passado, com exceção de Jesus-Cristo, fundamento de toda a verdade neste mundo, cuja evolução se verificou em linha reta para Deus, e em cujas mãos angélicas repousa o governo espiritual do planeta, desde os seus primórdios."

"O Eleito, porém, é aquele que se elevou para Deus em linha reta, sem as quedas que nos são comuns, sendo justo afirmar que o orbe terrestre só viu um eleito, que é Jesus-Cristo."

"Antes de tudo, precisamos compreender que Jesus não foi um filósofo e nem poderá ser classificado entre os valores propriamente humanos, tendo-se em conta os valores divinos de sua hierarquia espiritual, na direção das coletividades terrícolas."

"A dor material é um fenômeno como o dos fogos de artifício, em face dos legítimos valores espirituais."

"Homens do mundo, que morreram por uma idéia, muitas vezes não chegaram a experimentar a dor física, sentindo apenas a amargura da incompreensão do seu ideal."

"Imaginai, pois, o Cristo, que se sacrificou pela Humanidade inteira, e chegareis a contemplá-Lo na imensidão da sua dor espiritual, augusta e indelével para a nossa apreciação restrita e singela."

"De modo algum poderíamos fazer um estudo psicológico de Jesus, estabelecendo dados comparativos entre o Senhor e o homem."

"Examinados esses fatores, a dor material teria significação especial para que a obra cristã ficasse consagrada? A dor espiritual, grande demais para ser compreendida, não constitui o ponto essencial da sua perfeita renúncia pelos homens?"

Luiz,você continua não dando atenção a detalhes e isso o faz não perceber nem compreender esta parte da doutrina...
Repare que é o codificador quem diz e sob o aval do CUEE: "... é que ao lado do messias propriamente ditos, os Espíritos superiores, em número ilimitado se encarnarão, ou já estão encarnados, com missões especiais para secundá-los"
Logo, isso explica o que ensina o item da escala espírita que afiurma que os superiores, diante da escala espírita, encarnam apenas por exceção.
contudo não dá nem um indício de que Emmanuel, o fosse nem que estivesse ou esteja sendo e tendo secundadas as suas opiniões pelos Espíritos Superiores.
Repare que quando tratamos de Espíritos Superiores, os vocábulos são sempre grafados com as iniciais em maiúsculas, para que não se faça confusão com uma superioridade relativa, mas sim que se indique uma classe de Espíritos.
Também outra coisa que já expliquei em outro post é quanto a atuação de Emmanuel nas obras Básicas. Não houve.
O que se tem tanto na RE quanto numa das outra obras básicas é um excerto de Kardec que tras uma mensagem não do jesuíta Emmanuel, que tinha por nome Hermano Manuel,  pois o Nome Emmanuel tomado ao Espírito Jesuíta nasceu da composição desses dois nomes, Hermano e Manuel.
O Emmanuel da RE, é o tribuno romano meu mano, e não um jesuíta que ainda nem tinha encarnado naquele tempo que é bem anterior à ordem.
tudo isso lhe passou desapercebido meu amigo.
Quanto a Joanna, bem, essa é facinha demais, nada há de Joanna na codificação, e por favor é obra de adivinhação de incauto ou ignorante na doutrina atribuir à uma assinatura "um amigo", a autoria a este outro Espírito. não há provas disso, não há indícios logo, melhor não fazer afirmações inverídicas. Senão cabe ao amigo provas a veracidade da afirmação com base na doutrina.
Abraços,
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:31
Olá, Moura,
Então para que possa compreender direito, quem seriam estes Espíritos Superiores que haveriam de encarnar, ou naquela época já estavam encarnados? Pois no final de seus comentários Kardec cita o século 20.
Abraços,
Luiz Vera

Amigo Luiz, notou bem a pergunta que o amigo me faz?
Quem sou eu, algum adivinho?
Eu costumo brincar dizendo. olha só eu sou Espíritos e não adivinho e a umbanda não me deu essa característica de adivinhar o futuro e nem mesmo a doutrina.
Acredito piamente, contudo e baseado no próprio codificador noque ele explana sob o consenso dos Espíritos Superiores no LÇE, na Revista Espírita e em qualquer das outras obras, que apenas ele, kardec fosse o indicado a por evocação responder á sua dúvida.
Relembro que a lição sobre a evocação diz o seguinte: " Sendo de natureza séria e grave o caráter da evocação os Espíritos sérios e os superiores acorrem de bom grado e respondem dentro do que possam aclarar segundo o estado de compreensão de quem os evocou".
Sendo assim amigo e estando a sua questão fundada em seriedade e gravidade, e não em mera curiosidade evoque-os que eles lhe responderão, todavia, se for fundada em outras proposições, relembro também o LE que nos responde, "Evoca a uma montanha que ela te responderá".
abração
Moura

Olá, Moura,
Novamente, estou aqui, já que você gosta de fazer graças, se você verificar o capítulo XXI do ESE, ali, podemos reconhecer a árvore pelo fruto, pois o amigo no alto de sua soberba informou-me em outro tópico já ter 18 anos de estudos pela internet, então pelos frutos, poderia me responder, mas a sua resposta iria contra o vosso pensamento, por isso ficou mais fácil o gracejo, eu o entendo.
Agora fiquei mais cismado ainda, pelo que eu entendo: umbanda é uma coisa, Doutrina Espírita é outra, não é?
Aos amigos deste tópico me desculpem ter saído deste importante tema
Muita paz,
Luiz Vera

Não fiz graça meu amigo, fiz uma constatação. Não sou adivinho você é?
Desde 1992 estou exatamente a trabalhar na divulgação Espírita na Internet, ou seja desde o tempo das BBS.
Onsde a soberba? Há apenas uma datação de um trabalho meu amigo pois longevidade num meio  e num trabalho não demonstra obrigaroriedade no conhecimento, e nem faz com que se adquira uma coisa que a nenhum Espírito é dada, ou seja a adivinhação.
Amigo Luiz, se o amigo quer continuar na linha puramente doutrinária tudo bem senão  por favor siga as regras e não tente desqualificar ou  julgar pessoas, e mesmo para poder julgar em caráter de doutrina muna-se do que ensina a obra específica ou qualquer uma obra codificada por kardec que traga o assunto.
Se lhe digo isso é para que este tipo de insuinuação na tenha prosseguimento e o faço dentro das atribuições de moderador deste fórum.
Ninguém há, perante o que ensina qualquer das obras que lhe possa responder a questão suscitada por você.
Se encontrares resposta estará no cunho de conjectura e essas eu não as cometo, o amigo deveria por bom senso imitar, não a mim mas ao que indica o ensino prestado no ESE, no LE e na Revue, todas obras básicas.
eu também não comecei sabendo ou conhecendo amigo mas antes de estar na Internet, nesses 18 anos já estava dentro da casa espírita há mais outros 6 anos. na Internet, contudo meu trabalho me vale tantas apontes no google, por exemplo. Se bem que este não era o laurel esperado já que nunca tive qualquer intenção em aparecer, todavia é um justo contributo dado por aqueles que co0nsideram corretas as minhas assertivas.
Se quisesse3 aparecer estaria a fazer palestras em outros Estados pois tenho convites para tal,  o que não aceito senão quando já tenha de estar em tal localidade com outro fim. Logo aparecer não é o meu querer, se lhe´assim a vontade siga-a.Se o amigo não compreendeu eu lhe explico, as duas trabalham mediunicamente,  essa a proximidade entre as duas, para não se falar no bem que fazem cada um dessas visões.
Quanto a Umbanda nem isso o amigo conseguiu entender por que? Simples, porque se acometei do assodamento já anotado a querer desqualificar-me  contudo a fraqueza de suas palavras contrastando com o meu trabalho  dizem por si mesmas.
Por favor continuemos no tema e dentro de exposições puramente doutrinárias.
abraços,
Moura

Ei senhor Silvio,

Com todo perdao da palavra, seu argumento é meio infundando. Por exemplo eu claramente digo que vou votar no Serra, se o senhor me diz que vai votar na Dilma, e eu como simpatizante de suas colocações aqui no fórum, não o deixarei de ser simplesmente por sua divergencia politico, isso não pode ser tomado a cota de contradição.

Será que vamos desqualificar os livros de Waldo Vieira a època que escrevia em conjunto com o Chico, porque ele desqualifica e pejorativamente o espiritismos de todas as formas possiveis e inimagináveis.

O senhor tem uma intepretação diferente do que seja LINHA RETA. Quando se fala em uma caminhada linear, é quando o espirito ciente de sua destinação caminha sem hesitação, sem falências, para seu destino. Paulo por exemplo perseguindo os cristãos, ao cair em si, nas palavras de Emmanuel no Fonte Viva, caminhou sem pestanejar diante de sua nova visão de vida. È possivel que Emmanuel, quando refira a evolução de Jesus, diz que Ele a prossessou de forma, a aprender as lições quando elas forem apresentadas. Não como nós repetentes e repetentes. E essa é uma das duvidas que apoquenta o nosso irmão Coronel, a possibilidade de uns caminharem retamente a sua destinação e outros fazerem algumas curvas. Preste bem atençao senhor Silvio, JAMAIS, houve referencia que Jesus não processou sua evolução sem passar pelas fieiras da materalidade. Mesmo porque o que entendemos por processo evolutivo, ele necessariamente se processo em dualidade realidade material/espiritual. E o proprio Jesus disse antes desse mundo ser Eu já ERA. Antes desse mundo ser o que é, ele já era um iluminado.

Senhor Moura,

Como se reconhece um espirito superior segundo as orientações de Kardec, pela elevada linguagem no qual se expressa, pela seriedade de assuntos que o versa. Que eu saiba essa foi a formula nos dada por Kardec. E segundo ele, pouco importa as assinaturas, o que realmente é levado a cota de validade é a relevancia moral de seus ensinamentos.

Eu acho mais interessante e util lavar uma mala de roupas na mão e passa-las do que ficar discutindo superioridade de espirito. Não se discute superioridade de espirito, discute-se relevancia moral de seus ensinamentos aurelados sempre pela egide da racionalidade.

Mas primeiro, o senhor não tem como saber quantas reencarnações efetivas Emmanuel teve em um intervalo de 2 mil anos, tem noticia 3 só?  Bom essa assunto irrelevante, se antenha ao que Kardec disse Moura, seriedade dos ensinamentos e dignidade da linguagem. Assinaturas são apenas assinaturas, são egos, hehehehe na linguagem de muitos irmãos.

Abraços!
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:35
Olá, amigos,
Já ouvi criticas a Bezerra de Meneses (Não ser Espírito não ser Espírito Superior (reúne a ciência; a sabedoria e a bondade); Divaldo Franco é um médium incauto e Joanna de Angelis também o deve ser por se utilizar do mesmo. Já ouvi falar que as mensagens trazidas por André Luiz são criações mentais suas; que Emmanuel não é um Espírito Superior e que não participou da Doutrina; que Chico Xavier, Yvone Pereira, e outros estão delirando e que são médiuns imprudentes, por ficarem trazendo mensagens de Espíritos que dizem ser o que não é, não sei o que falta mais....
Ou seja, aqui tem muito "Cardeias do Espiritismo", não acredita nos Espíritos, fechou-se na redoma da codificação, estacionou e pronto., dizem serem Espíritas, estudam as obras espíritas, mas menosprezam as mesmas.
Me desculpem os irmãos sérios que usam este Fórum para um debate para o aprendizado,  parei.
Muita paz a todos
Luiz Vera

Mana Laísa,....Parabéns! Lavar uma mala de roupas à mão e depois passá-la, não é mole não! ;D

Jesus sofreu muito quando esteve encarnado na Terra e conforme as Leis de Deus, todo sofrimento decorre de uma causa, conclui-se então que ele tinha alguma coisa para expiar, então errou em alguma coisa em outras encarnações.
Neste assunto Emmanuel não está conforme a Codificação.

Quero que saiba que também sou fã de Emmanuel, principalmente os livros da série romana, Paulo e Estevão, devorei em dois dias, muito bom.
Entendo que são romances mediúnicos que têm fatos históricos verdadeiros como também têm equívocos, já existem pesquisas sérias que demonstraram isso. Mas fato relevante é o tipo de linguagem utilizada nos romances romanos em comparação com O Consolador e na defesa de Ubaldi, são muito diferentes.

Amigos,... não tenham receio em analisar friamente uma obra, não importa se é do "Kiko ou da Keka", nome famoso ou não, quando se trata de novos conceitos os Espíritos Superiores ensinaram os procedimentos e não é conforme à moda brasileira, onde nem o original de um livro de um médium do nível de Chico é guardado e muito menos devolvido. :o

Abração!

Amigos.

Os Espíritos Superiores foram claros, objetivos e sem conjecturas nessa resposta.


1017. Alguns Espíritos disseram estar habitando o quarto, o quinto céus, etc. Que querem dizer com isso?

“Perguntando-lhes que céu habitam, é que formais idéia de muitos céus dispostos como os andares de uma casa. Eles, então, respondem de acordo com a vossa linguagem. Mas, por estas palavras - quarto e quinto céus - exprimem diferentes graus de purificação e, por conseguinte, de felicidade. É exatamente como quando se pergunta a um Espírito se está no inferno. Se for desgraçado, dirá - sim, porque, para ele, inferno é sinônimo de sofrimento. Sabe, porém, muito bem que não é uma fornalha. Um pagão diria estar no  O mesmo ocorre com outras expressões análogas, tais como: cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira, segunda ou terceira esfera, etc., que apenas são alegorias usadas por alguns Espíritos, quer como figuras, quer, algumas vezes, por ignorância da realidade das coisas, e até das mais simples noções científicas. De acordo com a idéia restrita que se fazia outrora dos lugares das penas e das recompensas e, sobretudo, de acordo com a opinião de que a Terra era o centro do Universo, de que o firmamento formava uma abóbada e que havia uma região das estrelas, o céu era situado no alto e o inferno em baixo. Daí as expressões: subir ao céu, estar no mais alto dos céus, ser precipitado nos infernos. Hoje, que a Ciência demonstrou ser a Terra
apenas, entre tantos milhões de outros, uns dos menores mundos, sem importância especial; que traçou a história da sua formação e lhe descreveu a constituição; que provou ser infinito o espaço, não haver alto nem baixo no Universo, teve-se que renunciar a situar o céu acima das nuvens e o inferno nos lugares inferiores. Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe fora designado. Estava reservado ao Espiritismo dar de tudo isso a explicação mais racional, mais grandiosa e, ao mesmo tempo, mais consoladora para a humanidade. Pode-se assim dizer que trazemos em nós mesmos o nosso inferno e o nosso paraíso. O purgatório, achamo-lo na encarnação, nas vidas corporais ou físicas.


Nessa resposta poderiam explicar sobre zonas umbralinas, colônias ou lugares circunscritos. ???

Grande abraço.

Amigos,...

Os espíritos até podem formar objetos, mas a pergunta que não quer calar.
Qual a maior caridade:

1. Ensinar que o espírito não tem perna, boca, estômago, sendo assim, não necessita de um implante de perna, de um churrasco gaúcho,..opsss, ou comida vegetariana ;D?

2. Ou ficar criando tudo isso para satisfazer uma necessidade ilusória do espírito e com isso perder tempo desnecessário? ???

Ei Mano PSI,....pior cego não é o que não que ver,.......mas sim, o que pensa que está cego, mas pásmem, nem olhos têm, está desencarnado. ;D

Na introdução da Gênese:


"Os mesmos escrúpulos havendo presidido à redação das nossas outras obras, pudemos, com toda verdade, dizê-las: segundo o Espiritismo, porque estávamos certo da conformidade delas com o ensino geral dos Espíritos. O mesmo sucede com esta, que podemos, por motivos semelhantes, apresentar como complemento das que a precederam, com exceção, todavia, de algumas teorias ainda hipotéticas, que tivemos o cuidado de indicar como tais e que devem ser consideradas simples opiniões pessoais, enquanto não forem confirmadas ou contraditadas, a fim de que não pese sobre a doutrina a responsabilidade delas."

6. - Há questões que nós mesmos, Espíritos amantes da Ciência, não podemos aprofundar e sobre as quais não poderemos emitir senão opiniões pessoais, mais ou menos hipotéticas. Sobre essas questões, calar-me-ei, ou
justificarei a minha maneira de ver. A com que nos ocupamos, porém, não pertence a esse numero. Àqueles, portanto, que fossem tentados a enxergar nas minhas palavras unicamente uma teoria ousada, direi: abarcai, se for
possível, com olhar investigador, a multiplicidade das operações da Natureza e reconhecereis que, se se não admitir a unidade da matéria, impossível será explicar, já não direi somente os sóis e as esferas, mas, sem ir tão longe, a
germinação de uma semente na terra, ou a produção dum inseto.
Galileu

Abração.
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:40
1- Os Espíritos Superiores foram claros, objetivos e sem conjecturas nessa resposta.

2-Nessa resposta poderiam explicar sobre zonas umbralinas, colônias ou lugares circunscritos. ???


OLá. Silvio

1- Por acaso nessa resposta não foram claros e objetivos?


A Gênese- cap. XIV- Criações fluídicas-
...O pensamento do espírito cria fluidicamente os objetos dos quais têm o hábito de se servir... Esses objetos fluídicos são tão reais para o espírito, o qual é fluídico também, como o eram no estado material para o homem vivente.


Aliás não entendi o post do amigo. O que foi dito aí contradiz o que foi dito no trecho acima de A Gênese?



2-Segue abaixo um debate interessante em outro tópico:

 
Amigos,

Relendo o LE, me atentei para o seguinte trecho (Prolegômenos):

"Entre os ensinos que te são dados, alguns há que deves guardar para ti somente, até nova ordem. Quando chegar o momento de os publicares, nós to diremos. Enquanto esperas, medita sobre eles, a fim de estares pronto quando te dissermos"

 O que poderia ser novo a fim de os espíritos pedirem para que Kardec aguardasse?


Tratam-se de informações que Kardec não chegou a divulgar .


Fica claro que houveram informações dos espíritos, as quais foram solicitadas a Kardec sigilo e não chegaram a ser publicadas em razão dos espíritos superiores não acharem ser ainda o momento propício para tal.

De resto, a pior cegueira não está nos olhos, e sim na mente.

Um abraço

PSI

Pois é Silvio,

È melhor do que ficar discutindo sexo dos anjos.

Jesus sofreu muito quando esteve encarnado na Terra e conforme as Leis de Deus, todo sofrimento decorre de uma causa, conclui-se então que ele tinha alguma coisa para expiar, então errou em alguma coisa em outras encarnações.

Sinceramente, o senhor acabou de queimar toda a parte moral do Espiritismo. Juntou tudo num montinho e colocou fogo. Estarrecida e abismada!!!

Jesus disse antes desse mundo ser o que é, eu já era!

Se o senhor pegar a questão 625 do LE, e juntar com um dose de incomensurável de amor incondicional, aí teriamos uma idéia do que poderia ser Jesus.

Ei senhor Silvio,
Eu dentro da miséria e pequenez da minha evolução não me arvorarei a discutir sobre como se processou a evolução de Jesus, o senhor interprete como quiser o termo linha reta.
O Espiritismo possui três aspectos, ciencia,filosofia, moral ou religião como queiram. E o senhor deve se ater que se Kardec elegeu a moral cristã como a que norteariam o comportamento dos espíritos no ESE, e essa eleição  foi por uma finalidade ; apesar do senhor está correto que as verdades são proferidas em todos os lugares por diversos emissários. Seria muitíssimo interessante se os espíritas fossem espiritistas universalista, e não espiritismo cristão, contudo não seria conveniente, tudo tem um fim especifico dentro daquele espaço-tempo em que se processa.
Como eu disse é impossível a nós sabermos como se processou a evolução de Jesus, inclusive para emitir um juízo de valor sobre a opinião de Emmanuel.  Porque o dado que ele apresenta é insuscetível de averiguação por nossa parte. Então é opniao pessoal, crer ou não.
Só não esqueça senhor que o Evangelho Segundo o Espiritismo é obra presente na codificação.

Senhor Pretoriano,
No mundo espiritual vai haver o que o senhor quiser. Porque homens não se transformam em santos ou demônios por morrerem. Onde está seu tesouro ai estará seu coração.

Muita luz!

Os espíritos até podem formar objetos...

Não só formar objetos, mas também entrar em relação com eles, pois estes ser-lhe-ão reais e tangíveis. É o que diz a doutrina.


 
o espírito não tem perna, boca...
 

O espírito tem um perispírito ou corpo espiritual, que reflete tal qual um espelho a imagem de como ele se vê (geralmente a imagem da sua última reencarnação), pois já sabemos que a mente é criadora ou plasmadora ao interagir sobre os  fluidos da dimensão espiritual. Isto está na codificação.

Dessa forma, para a grande maioria dos espíritos que ainda necessitam da bênção da reencarnação, o perispírito sempre se manifestará através de um perispírito com pernas, braços, olhos, mãos, além de todas as matrizes dos órgãos internos.

Sugiro ao amigo que leia o tópico sobre a materialização completa e tangível de Katie King nos artigos espíritas, fenômeno estudado e pesquisado pelo cientista William Crooks.
O espírito materializou até a tangibilidade o seu perispírito. Falou através de sua boca e órgãos fonadores perispirituais.
Deixou que auscultassem o seu coração e pulmões. Cumprimentou e conversou com todos os presentes.
O que ocorreu então foi um processo de adensamento do perispírito com o auxílio do ectoplasma do médium, e da permissão da espiritualidade superior para que o estudo fosse desenvolvido durante três anos. Ou seja, materializou-se em nossa dimensão física o que já existia na dimensão espiritual.

Bom, mas se o amigo não acredita na existência da matéria astral, não deve dar credibilidade  aos cientistas William Crooks, Alexandre Aksakof, médicos e personalidades que participaram das sessões.

Um abraço

PSI
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:45
Os espíritos até podem formar objetos...

Não só formar objetos, mas também entrar em relação com eles, pois estes ser-lhe-ão reais e tangíveis. É o que diz a doutrina.

 
o espírito não tem perna, boca...
 

O espírito tem um perispírito ou corpo espiritual, que reflete tal qual um espelho a imagem de como ele se vê (geralmente a imagem da sua última reencarnação), pois já sabemos que a mente é criadora ou plasmadora ao interagir sobre os  fluidos da dimensão espiritual. Isto está na codificação.

Dessa forma, para a grande maioria dos espíritos que ainda necessitam da bênção da reencarnação, o perispírito sempre se manifestará através de um perispírito com pernas, braços, olhos, mãos, além de todas as matrizes dos órgãos internos.

Sugiro ao amigo que leia o tópico sobre a materialização completa e tangível de Katie King nos artigos espíritas, fenômeno estudado e pesquisado pelo cientista William Crooks.
O espírito materializou até a tangibilidade o seu perispírito. Falou através de sua boca e órgãos fonadores perispirituais.
Deixou que auscultassem o seu coração e pulmões. Cumprimentou e conversou com todos os presentes.
O que ocorreu então foi um processo de adensamento do perispírito com o auxílio do ectoplasma do médium, e da permissão da espiritualidade superior para que o estudo fosse desenvolvido durante três anos. Ou seja, materializou-se em nossa dimensão física o que já existia na dimensão espiritual.

Bom, mas se o amigo não acredita na existência da matéria astral, não deve dar credibilidade  aos cientistas William Crooks, Alexandre Aksakof, médicos e personalidades que participaram das sessões.

Um abraço

PSI


PSI,....

Se o períspirito reflete o pensamento do espírito e este molda conforme queira, conclui-se:

1. Quem manda e tem controle total da situação é o Espírito.

2. Se ele tem necessidade de comer, pode imaginar uma bom churrasco, aliás, pode ficar comendo alguns séculos. Ops,..antes que os vegetarianos fiquem bravos,... ;D; também pode imaginar pratos de saladas,..rsrs.

3. Conclui-se então que ele vai ficar perdendo tempo e não desenvolvendo  durante séculos.

4.Qual a maior caridade, deixar o indivíduo nessa situação ou ensinar, explicar que é ESPÍRITO, e têm muitas coisas mais interessantes no mundo espiritual do que ficar comendo, andando de aeróbus, fumando, consumindo alcool e outras coisitas mais? ???

O problema Mano PSI,...é que partir de uma ilusão para explicar uma ilusão, com certeza,...o resultado só pode ser uma ilusão.

Abraço.

Perispírito

93. O Espírito, propriamente dito, nenhuma cobertura tem, ou, como pretendem alguns, está sempre envolto numa substância qualquer?
“Envolve-o uma substância, vaporosa para os teus olhos, mas ainda bastante grosseira para nós; assaz vaporosa, entretanto, para poder elevar-se na atmosfera e transportar-se aonde queira.” Envolvendo o gérmen de um fruto, há o perisperma; do mesmo modo, uma
substância que, por comparação, se pode chamar perispírito, serve de envoltório ao Espírito propriamente dito.

94. D e onde tira o Espírito o seu invólucro semimaterial?
“Do fluido universal de cada globo, razão por que não é idêntico em todos os mundos. Passando de um mundo a outro, o Espírito muda de envoltório, como mudais de roupa.”

a) - Assim, quando os Espíritos que habitam mundos superiores vêm ao nosso meio,
tomam um perispírito mais grosseiro?
“É necessário que se revistam da vossa matéria, já o dissemos.”

95. O invólucro semimaterial do Espírito tem formas determinadas e pode ser perceptível?

“Tem a forma que o Espírito queira. É assim que este vos aparece algumas vezes, quer em sonho, quer no estado de vigília, e que pode tomar forma visível, mesmo palpável.”

Amigos,...

Essa explicação sobre sensações sentidas pelo espírito suícida é bem elucidativa.
Peripírito= Agente de transmissão (diferente de criador de orgãos, objetos ou ilusões).


Livro dos Espíritos

Ensina-nos a experiência que, por ocasião da morte, o perispírito se desprende mais ou menos lentamente do corpo; que, durante os primeiros minutos depois da desencarnação, o Espírito não encontra explicação para a situação em que se acha. Crê não estar morto, por isso que se sente vivo; vê a um lado o corpo, sabe que lhe pertence, mas não compreende que esteja separado dele. Essa situação dura enquanto haja qualquer ligação entre o corpo e
o perispírito. Disse-nos, certa vez, um suicida: “Não, não estou morto.” E acrescentava: No entanto, sinto os vermes a me roerem. Ora, indubitavelmente, os vermes não lhe roíam o perispírito e ainda menos o Espírito; roíam-lhe apenas o corpo. Como, porém, não era completa a separação do corpo e do perispírito, uma espécie de repercussão moral se produzia, transmitindo ao Espírito o que estava ocorrendo no corpo. Repercussão talvez não seja o termo próprio, porque pode induzir à suposição de um efeito muito material. Era antes a visão do que se passava com o corpo, ao qual ainda o conservava ligado o perispírito, o que lhe causava a ilusão, que ele tomava por realidade. Assim, pois não haveria no caso uma reminiscência, porquanto ele não fora, em vida, ruído pelos vermes: havia o sentimento de um fato da atualidade. Isto mostra que deduções se podem tirar dos fatos, quando atentamente observados.
Durante a vida, o corpo recebe impressões exteriores e as transmite ao Espírito por intermédio do perispírito, que constitui, provavelmente, o que se chama fluido nervoso. Uma vez morto, o corpo nada mais sente, por já não haver nele Espírito, nem perispírito. Este, desprendido do corpo, experimenta a sensação, porém, como já não lhe chega por um conduto limitado, ela se lhe torna geral. Ora, não sendo o perispírito, realmente, mais do que simples agente de transmissão, pois que no Espírito é que está a consciência, lógico será deduzir-se que, se pudesse existir perispírito sem Espírito, aquele nada sentiria, exatamente como um corpo que morreu. Do mesmo modo, se o Espírito não tivesse perispírito, seria inacessível a toda e qualquer sensação dolorosa. É o que se dá com os Espíritos completamente purificados. Sabemos que quanto mais eles se purificam, tanto mais etérea se torna a essência do perispírito, donde se segue que a influência material diminui à medida que o Espírito progride, isto é, à medida que o próprio perispírito se torna menos grosseiro.

Grifo meu.

Abração!


Olá, Silvio,
Depois que você informou que:
"Jesus sofreu muito quando esteve encarnado na Terra e conforme as Leis de Deus, todo sofrimento decorre de uma causa, conclui-se então que ele tinha alguma coisa para expiar, então errou em alguma coisa em outras encarnações".

Pois neste seu entendimento não dá para debater mais nada.

Sou um aprendiz imperfeito sim, mas até agora não passei tamanha insanidade, de onde você tirou isso??? das obras básicas eu sei que não foi.
O meu argumento foi apenas copiar o que Kardec disse após analisar todas as mensagens futuristica  durante mais ou menos 06 anos, e colocar o seu aval e indo mais além( RE 1868-fev/março), afirmando, que; "É, sobretudo o século vinte que verá florescerem os grandes apóstolos do Espiritismo, e que poderá ser chamado o século dos messias".

Eu apenas por ter vivenciado este século e verificado que se não fosse Francisco Cândido Xavier a Doutrina Espírita estaria no estágio igual a de outro países, por isso citei somente o seu nome, pois há muitos outros,  como disse Kardec.

Muita paz,
Luiz Vera
PS:
Há tempo de rever o que escreveu, abraços
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:48
Olá, Luiz,...

Todos somos aprendizes e quanto mais pacientes formos, melhor será os resultados. Principalmente,...se não for a santa paciência! ;D

Eu nunca disse que sou o dono da verdade e saberei reconhecer erros ou equivocos que possa ter cometido, tanto aqui, como em minha vida.

Jesus quando cá esteve em missão sofreu muito. Era um Espírito Superior, pois os puros não reencarnam, nem em missão.

Primeira ordem. - Espíritos puros

112. CARACTERES GERAIS. - Nenhuma influência da matéria. Superioridade intelectual e moral absoluta, com relação aos Espíritos das outras ordens.
113. Primeira classe. Classe única. - Os Espíritos que a compõem percorreram todos os graus da escala e se despojaram de todas as impurezas da matéria. Tendo alcançado a soma de perfeição de que é suscetível a criatura, não têm mais que sofrer provas, nem expiações. Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna no seio de Deus.


ESE e LE.

9. Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado neste mundo denote a existência de uma determinada falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu progresso. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas nem sempre a prova é uma expiação. Provas e expiações, todavia, são sempre
sinais de relativa inferioridade, porquanto o que é perfeito não precisa ser provado. Pode, pois, um Espírito haver chegado a certo grau de elevação e, nada obstante, desejoso de adiantar-se mais, solicitar uma missão, uma tarefa a executar, pela qual tanto mais recompensado será, se sair vitorioso, quanto mais rude haja sido a luta. Tais são, especialmente, essas pessoas de instintos naturalmente bons, de alma elevada, de nobres sentimentos inatos, que parece nada de mau haverem trazido de suas precedentes existências e que sofrem, com resignação toda cristã, as maiores dores, somente pedindo a Deus que as possam suportar sem murmurar. Pode-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam queixas e impelem o homem à revolta contra Deus.
Sem dúvida, o sofrimento que não provoca queixumes pode ser uma expiação; mas, é indício de que foi buscada voluntariamente, antes que imposta, e constitui prova de forte resolução, o que é sinal de progresso.

10. Os Espíritos não podem aspirar à completa felicidade, enquanto não se tenham tornado puros: qualquer mácula lhes interdita a entrada nos mundos ditosos.
São como os passageiros de um navio onde há pestosos, aos quais se veda o acesso à cidade a que aportem, até que se hajam expurgado. Mediante as diversas existências corpóreas é que os Espíritos se vão expungindo, pouco a pouco, de suas imperfeições. As provações da vida os fazem adiantar-se, quando bem suportadas. Como expiações, elas apagam as faltas e purificam. São o remédio que limpa as chagas e cura o doente. Quanto mais grave é o mal, tanto mais enérgico deve ser o remédio. Aquele, pois, que muito sofre deve reconhecer que muito tinha a expiar e deve regozijar-se à idéia da sua próxima cura. Dele depende, pela resignação, tornar proveitoso o seu sofrimento e não lhe estragar o fruto com as suas impaciências, visto que, do contrário, terá de recomeçar.

132. Qual o objetivo da encarnação dos Espíritos?

“Deus lhes impõe a encarnação com o fim de fazê-los chegar à perfeição. Para uns, é expiação; para outros, missão. Mas, para alcançarem essa perfeição, têm que sofrer todas as vicissitudes da existência corporal: nisso é que está a expiação. Visa ainda outro fim a encarnação: o de pôr o Espírito em condições de suportar a parte que lhe toca na obra da criação. Para executá-la é que, em cada mundo, toma o Espírito um instrumento, de harmonia com a matéria essencial desse mundo, a fim de aí cumprir, daquele ponto de vista, as ordens de Deus. É assim que, concorrendo para a obra geral, ele próprio se adianta.”

192. Pode alguém, por um proceder impecável na vida atual, transpor todos os graus da escala do aperfeiçoamento e tornar-se Espírito puro, sem passar por outros graus intermédios?

“Não, pois o que o homem julga perfeito longe está da perfeição. Há qualidades que lhe são desconhecidas e incompreensíveis. Poderá ser tão perfeito quanto o comporte a sua natureza terrena, mas isso não é a perfeição absoluta. Dá-se com o Espírito o que se verifica com a criança que, por mais precoce que seja, tem de passar pela juventude, antes de chegar à idade da madureza; e também com o enfermo que, para recobrar a saúde, tem que passar
pela convalescença. Demais, ao Espírito cumpre progredir em ciência e em moral. Se somente se adiantou num sentido, importa se adiante no outro, para atingir o extremo superior da escala.

Abração

Olá amigo Silvio,
Fique em paz,
Luiz Vera
Olá meus amigos,
Pensei que era brincadeira do amigo Silvio Matos ao dizer:"Jesus quando cá esteve em missão sofreu muito. Era um Espírito Superior, pois os puros não reencarnam, nem em missão".
Ora, se assim o foi, como se explica a resposta da pergunta 625?
- Se assim o foi, a Doutrina Espírita não foi ensinada pelos Espíritos Superiores?;
- Se a resposta for sim, foi trazida por Espíritos Superiores, logo estes insígnes Espíritos da Revelação tem a mesma evolução de Jesus?;
- Para mim, Kardec tem uma elevada condição espiritual, então Kardec é também da mesma condição Espiritual de Jesus?;
- Se somente Jesus era um Espírito Superior e os outros Espíritos da codificação eram abaixo Dele, como você diz, logo a DE, no seus ensinamentos pode haver erros? Eu não acredito, logo, este seu pensamento é errôneo.
É importante a Fé raciocinada!
Abraços
Luiz Vera
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:52
Olá

Sobre Jesus ser um espírito puro, segue um trecho interessante do Livro dos Médius, cap XXXI item IX - Dissertações espíritas:

(Segue abaixo a comunicação do espírito e logo abaixo a nota de Kardec):

Sou eu que venho, o teu salvador e o teu juiz. Venho como outrora entre os filhos transviados de Israel. Venho trazer a verdade e dissipar as trevas. Ouvi-me. O Espiritismo, como outrora a minha palavra, deve lembrar aos materialistas que acima deles reina a verdade imutável: o Deus Bom, o Deus Poderoso que faz germinar as plantas e levanta as ondas. Revelei a divina doutrina. Como um ceifeiro liguei em feixes o bem esparso pela humanidade e disse: Vinde a mim, vos todos que sofreis!

Mas os homens ingratos se desviaram do caminho reto e largo que conduz ao reino de meu Pai e se perderam nos ásperos atalhos da impiedade. Meu Pai não quer aniquilar a raça humana. Quer, não mais através dos profetas, não mais por meio dos apóstolos, mas que vos ajudeis uns aos outros, mortos e vivos, ou seja, mortos segundo a carne, porque a morte não existe, que vos socorrais mutuamente e que a voz dos que não mais existem se faça ouvir ainda para aclamar: Orai e crede! Porque a morte é a ressurreição, e a vida a prova escolhida, durante a qual as vossas virtudes cultivadas devem crescer e se desenvolver como o cedro.

Crede nas vozes que vos respondem: São as próprias almas daqueles que evocais. Só raramente me comunico. Meus amigos, os que assistiram à minha morte são os intérpretes divinos dos desígnios de meu Pai.

Homens fracos, que acrediteis no engano de vossas inteligências obscuras, não apagueis a chama que a clemência divina colocou em vossas mãos para clarear o caminho e vos levar, filhos extraviados ao regaço de vosso Pai.

Eu vos digo, em verdade, crede na diversidade, na multiplicidade dos Espíritos. Estou bastante tocado de compaixão pelas vossas misérias, pela vossa imensa fraqueza , para não estender a mão protetora aos infelizes transviados que, vendo o céu, caem no abismo do erro. Crede, amai, compreendei as verdades que vos são reveladas. Não misturem o joio com o bom trigo, os sistemas com as verdades.

Espírita! amai-vos, eis o primeiro ensinamento; instruí-vos, eis o segundo. Todas as verdades se encontram no Cristianismo. Os erros que nele se enraizaram são de origem humana. E eis que do além-túmulo, que julgais vazio, as vozes clamam: Irmãos! Nada perece, Jesus Cristo é o vencedor do mal, sede os vencedores da impiedade.

Observação de Kardec- Esta comunicação, obtida por um dos melhores médiuns da Sociedade Espírita de Paris, foi assinada por um nome que o respeito só nos permitiria reproduzir com absoluta reserva, tão grande seria a insigne graça de sua autenticidade, e porque já muito se abusou desse nome em comunicações evidentemente apócrifas. Esse nome é o de Jesus de Nazaré. Não duvidamos absolutamente que ele possa manifestar-se. Mas se os Espíritos verdadeiramente superiores só o fazem em circunstância excepcionais, a razão nos impede aceitar que o Espírito puro por excelência responda a qualquer apelo. Haveria pelo menos profanação em lhe atribuirmos uma linguagem indigna dele.

É por essas considerações que temos sempre evitado publicar tudo o que traz o seu nome. Acreditamos que nunca seríamos demasiado cuidadosos no tocante a publicações dessa espécie, que só têm autenticidade para o amor-próprio dos interessados e cujo menor inconveniente é o de fornecer armas aos adversários do Espiritismo.

Como temos dito, quanto mais elevados os Espíritos mais desconfiança se deve ter da assinatura dos seus nomes. Seria necessária uma grande dose de orgulho para alguém se vangloriar de ter o privilégio de suas comunicações, julgando-se digno de conversar com ele como se fosse com os seus iguais. Na comunicação acima constatamos apenas a incontestável superioridade da linguagem e dos pensamentos, deixando a cada um o cuidado de apreciar se aquele de quem ela traz o nome a rejeitaria ou não.


Um abraço

PSI

Boa tarde a todos,
Muitas das vezes, no afã, alguns colaboradores neste Fórum, defendem causas que contrariam até o entendimento de Allan Kardec.
Verifico neste tópico e em outros que, alguns foristas, terem o entendimento através da escala Espírita que Jesus, não era quando encarnado um Espírito Puro e sim um Espírito Superior.
Mas verifico que no post = 76, do Sr . PSI, que cita (rebatendo este entendimento errôneo de ser Jesus de Nazaré apenas um Espírito Superior) o Livro dos Médiuns, cap XXXI item IX - Dissertações espíritas: Kardec fica com um pé atrás em colocar um nome, no seu dizer um Espírito Puro por excelência. Nota-se que em nenhuma mensagem de um Espírito Superior da codificação, houve tanto cuidado.
Será que Allan Kardec que nos trouxe a escala espírita, não compreendeu e erroneamente, colocou Nosso Mestre Jesus como Espírito de 1ª Ordem? Creio que não, ele sabia ser Jesus um Espírito Puro um Messias "que o vocábulo messias implica mais particularmente a idéia de uma missão direta da Divindade",
Abraços.

Luiz francisco,
Será que o mano PSI disse esse "apenas"?
Falamos de uma classe de Espíritos presente no LE meu amigo, e não de um estado, ou vontade. Espírito Superior é a classe de Espíritos que está mais perto de outra classe, a dos Puros Espíritos.
O fato de Jesus ser , porque é, um Espírito Superior, o deixa ainda mais importante, do que fosse puro Espírito.
Se fosse puro Espírito não reencarnaria mais. Logo, já daí sobra a classe dos Superiores mas repare, estes, também não reencarnam por rega, mas sim por exceção. Ou seja, para cumprir missão de progresso da humanidade em mundos como o nosso, veja que tal missão não seria dada a um Espírito qualquer.
Só mais uma coisa, Espíritos puros, os há em todas as classes da Escala Espírita, aliás, mesmo na nossa, pois não somos iguais, estamos uns mais moralizados do que outros e cada um que assome ao grau máximo de cada classe é, por isso mesmo, puro, naquela classe de Espíritos, mas tratamos aqui de pureza não absoluta, pois esta, que identifica uma perfeição só Deus a tem.
Sendo assim que fico claro o seguinte, em cada classe de Espírito há uma pirâmide que tem na base os menos evoluídos e no vértice os mais, estes os puros naquela Classe.
mesmo na classe dos superiores existe esta pirâmide e jesus estaria no grau de maior pureza dela por isso a citação do LM.
É por isso também que sempre recomendo o estudo em conjunto das obras pois retirar-se de uma parágrafo apenas um trecho faz com que geralmente se perca o foco do todo e se conclua em erro, meu amigo.
A palavra "puro" escrita em letras minúsculas serve e identifica a pureza relativa à qual todos estamos relacionados, mas a mesma palavra escrita com a inicial em maiúscula mostra que se trata de um Espírito da Classe dos Puros, logo, o última grau constante na Escala Espírita.
abraços,
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 18:56
Prezado Mano Moura,....

Me permite um desabafo. :'(

Já pensei várias vezes em sair desse fórum devido a predominância de opinões espiritólicas, idolatrias, atavismos religiosos, despreocupação com os ensinamentos básicos da doutrina e culto exacerbado a Chico, Emmanuel, André Luiz, etc...O que me impede, dá esperança, confiança, alento, aprendizado e fé no futuro do espiritismo, que nem tudo está perdido e ainda tem um "Moura no fim do tunel"  ;D, são suas participações e de mais alguns poucos confrades.

Obrigado amigo, que tenhas muita saúde, muitos anos de vida para poder continuar levando e ensinando a Doutrina Espírita Codificada por Kardec e que nos brindou os Espíritos Superiores, aliás, a maioria dos espíritas não têm noção do que seja um ESPÍRITO SUPERIOR. :D


Grande abraço.

Olá

A maior parte dos espiritas são por natureza ignorantes, como poderão saber as coisas que alguns poucos sabem?
Não tem forma de atingir esse conhecimento, mas com o tempo lá chegarão.

Uma outra coisa que se fala, porque está na classificação doutrinária, é dos Espiritos Puros. Mas sobre isto tudo é subjectivo.
A humanidade terrestre não tem forma de saber o que é um espirito Puro. Jamais um espirito Puro reencarnou na Terra, penso eu de que, por isso como poderemos saber?

Só há uma coisa que me intriga.
Pelo facto dos espiritos Puros não estarem sujeitos à reencarnação significa que não possam reencarnar?

Atlante
Olá,


O que diz a escala espírita no Livro dos Espíritos, é que espíritos puros já atingiram a soma de perfeições, e não têm mais provas e expiações a sofrer, não necessitando mais reencarnar. Agora, daí a dizer que não o podem fazer, há uma distância bem grande.

Quanto ao meu post que consta a nota de Kardec, lá está bem claro:

Não duvidamos absolutamente que ele possa manifestar-se. Mas se os Espíritos verdadeiramente superiores só o fazem em circunstância excepcionais, a razão nos impede aceitar que o Espírito puro por excelência responda a qualquer apelo.

É óbvio que Kardec está se referindo a classe dos espíritos, não havendo nenhuma dúvida, pelo menos para ele, que Jesus pertencia a classe dos puros.
Agora, se vamos ficar no campo das opiniões pessoais, com todo o respeito aos demais foristas, eu fico do lado de Kardec.

Um abraço

PSI   


De resto, a pior cegueira não está nos olhos, e sim na mente.

Um abraço

PSI

Então dá na mesma, porque tanto os olhos quanto a mente são do domínio do corpo e não do Espírito  ;D

Abçs

Amigos,...

A Gênese,...

2. - Sem nada prejulgar quanto à natureza do Cristo, natureza cujo exame não entra no quadro desta obra, considerando-o apenas um Espírito superior, não podemos deixar de reconhecê-lo um dos de ordem mais elevada e colocado, por suas virtudes, muitíssimo acima da humanidade terrestre. Pelos imensos resultados que produziu, a sua encarnação neste mundo forçosamente há ter sido uma dessas missões que a Divindade somente a seus mensageiros diretos confia, para cumprimento de seus desígnios. Mesmo sem supor que ele fosse o próprio Deus, mas unicamente um enviado de Deus para transmitir sua palavra aos homens, seria mais do que um profeta, porquanto seria um Messias divino.

LE,..

625. Qual o tipo mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo?
“Jesus.”

Para o homem, Jesus constitui o tipo da perfeição moral a que a Humanidade pode aspirar na Terra.

Na Gênese, Kardec comenta que Jesus é um Espírito Superior da ordem mais elevada.

No Livro dos Espíritos está especificado que Jesus constitui o tipo de perfeição que podemos aspirar na Terra.

Se considerarmos Jesus um espírito puro quando esteve na Terra, conclui-se então, que podemos chegar à Espírito Puro neste planeta de provas e expiação? Será que na história da humanidade teve encarnados que conseguiram entrar no rol da Classe dos Puros Espíritos?

Abração!

Monstrinho deixa eu te explicasr:
Para tal vou me utilizar de uma resposta do LE, portanto da doutrina pura ok?
Diz a resposta: "Teu Espírito é tudo, e o corpo nada."
Logo, todo o domínio é do Espírito e não do corpo.
O corpo é finito, e o Espírito não.
Um corpo sem Espírito é apenas uma massa de carne, diz o LE.
abraços,
Moura

De resto, a pior cegueira não está nos olhos, e sim na mente.

Um abraço

PSI

Então dá na mesma, porque tanto os olhos quanto a mente são do domínio do corpo e não do Espírito  ;D

Abçs
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 19:01
Sr. Silvio Matos, boa noite,
Se descesse um pouquinho mais a leitura verificaria que: "Como homem, tinha a organização dos seres carnais; porém, como Espírito puro, desprendido da matéria, havia de viver mais da vida espiritual, do que da vida corporal, de cujas fraquezas não era passível. Quanto a este assunto verifiquei na Revista Espírita histórica e filosófica um artigo, da qual trago a parte que fala também do assunto para poder melhor nos situarmos:
 
Jesus
Uma mudança muito interessante nas obras de Allan Kardec foi a localização de Jesus da escala espírita.
A escala espírita é fundamental na construção metodológica de Allan Kardec. Ele a chama de "a chave da ciência espírita".
Primeiramente Jesus está alocado na segunda ordem da escala. Ele é caracterizado como espíritos superior.
Ao longo das obras percebemos que o tratamento dispensado a Jesus pelos Espíritos e pelo próprio Kardec vai ganhando outra conotação. Chamam-no de puro.
Aqui teremos uma aparente anomalia no sistema que produzirá alguns problemas históricos.
Na escala, os espíritos superiores "quando, por exceção, encarnam na Terra, é para cumprir missão de progresso e então nos oferecem o tipo da perfeição a que a Humanidade pode aspirar neste mundo."
Já os puros "se despojaram de todas as impurezas da matéria (...). Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna no seio de Deus.
Visto que Jesus era tido como puro, e, segundo a escala kardequiana puros não reencarnam (somente os superiores e em caráter de exceção) tentou-se solucionar o problema da seguinte forma: Jesus não reencarnou, somente esteve no mundo em aparência, em corpo espiritual.
Salvaguardar-se-ia a escala e a pureza de Jesus.
Allan Kardec não aprovou esta tese e, na sua última grande obra, elaborou uma explicação inicial para solucionar o problema ao tratar da Superioridade da natureza de Jesus. (Gênese cap.XV)
Pelo que deduzimos, neste item 2 do capítulo XV, no texto que o Sr., colocou, entendemos que Kardec quis dizer: para não avaliar com antecipação, considerando-o, ou seja, na hipótese de ser Jesus um Espírito Superior, O mesmo estaria numa das ordens mais elevadas. (o que estaria de acordo com o pensamento do codificador).
Continuando com o texto
 " teria sido uma dessas missões que a Divindade somente a seus mensageiros diretos confia, para cumprimento de seus desígnios. Mesmo sem supor que ele fosse o próprio Deus, mas unicamente um enviado de Deus para transmitir sua palavra aos homens, seria mais do que um profeta, porquanto seria um Messias divino". Kardec informa que que a missão de Jesus seria de um Messias Divino, que a Divindade entrega a seus mensageiros diretos. E os mensageiros diretos de Deus São os Espíritos puros.
 
E para completar:
"Que Espírito, ao demais, ousaria insuflar-lhe seus próprios pensamentos e encarregá-lo de os transmitir?
Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir. Segundo definição dada por um Espírito, ele era médium de Deus".
Se Kardec não tivesse a certeza de ser Jesus um Espírito puro, e ser somente um Espírito superior, lógicamente um Espírito puro ousaria e teria a moral de insuflar-lhe os pensamentos, e assim o colocaria, mas o entendimento de Kardec era a certeza de Jesus ser sim um Espírito puro e assim receber as ordens diretamente da Divindade.
 
Por isso fico com o entendimento de Allan Kardec
Abraços

Amigo Luiz,....

Concordo. Ficamos com Kardec.  ;)

Para Kardec Jesus é um Espírito puro, dentro da escala de Superiores, que com exceção encarnam na Terra em missão.

Detalhe importante, pois "puro espírito" existe até mesmo em mundos primitivos. Puro em relação aos demais inseridos dentro de um contexto.

Todos estamos envolvidos dentro de um sistema que é regido pelas Leis de Deus, principalmente os Espíritos Puros, pois se chegaram lá é porque foram ótimos alunos. Por que então quando já estão com diplomas certificados irão no mínimo contrariar uma lei? Qual objetivo pode fazer um espírito puro reencarnar na terra em missão, se esse trabalho já é executado, em regima de exceção, pelos superiores?
Ahh, mas nada impede, se eles, querem?
Mas, não estarão agindo assim, tirando a possibilidade de um superior executar a missão? Ou seja, passando por cima de quantos superiores?
E outra, Espírito Puro já não têm seus trabalhos perante os espíritos que lhe são inferiores? Ou seja, sem precisar reencarnar, pois isso só os superiores, quando em exceção já o fazem, os Puros já trabalham, apoiam, ensinam, ajudam todos espíritos encarnados ou não. Para que ele vai reencarnar num mundo de provas e expiação se já trabalham incessantemente para todos, tanto no mundo físico como espiritual? Porque um professor Phd vai dar aula para o primário se têm os outros professores com bacharel, especializados, mestres e doutorados (em exceção) para fazer o trabalho. Não será aí uma atitude de soberba sobre os outros?

Portanto amigo Luiz, também fecho com Kardec.

Grande abraço!

Eles são os mensageiros e os ministros de Deus, cujas ordens executam para manutenção da harmonia universal. Comandam a todos os Espíritos que lhes são inferiores, auxiliam-nos na obra de seu aperfeiçoamento e lhes
designam as suas missões. Assistir os homens nas suas aflições, concitá-los ao bem ou à expiação das faltas que os conservem distanciados da suprema felicidade, constitui para eles ocupação gratíssima. São designados às vezes pelos nomes de anjos, arcanjos ou serafins.

Olá Sr. Silvio, boa tarde,
Não foi assim que o Sr, Allan Kardec compreendeu, Jesus estava em contato direto com a Divindade, não haviam intermediário, se Jesus, fosse como vós tenha entendido, logo Ele poderia sim receber pensamentos dos Espíritos acima D'Ele (mas Kardec questiona quem ousaria!).
Já que o Sr., fez uma analogia, farei uma também, em uma hierarquia idustrial, o Presidente (Divindade), ao designar uma ação, transmite ao Superintendente (Espírito puro), para que este repasse aos seus gerentes (Espíritos superiores), orientarem ao seus funcionários (Espíritos imperfeitos).
Logo, conforme Kardec: "Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir". Jesus era sim um Espírito puro.
Abraços
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 19:03
Luiz Fernando,
antes de continuar nesse embate onde o ego faz correr a razão, pediria ao amigo que parasse um cadinho, esfriasse a cabeça e estudasse sem tendencia a Escala Espírita.
O amigo irá ver que existe uma escala, ou seja um variado número de graus de aprendizado em todas as classes e ordens de Espíritos perante a Escala Espírita.
O mais ínfimo no saber e moralidade, hoje, amanhã vai estar no grau maior de sabedoria e moralidade naquela classe de Espíritos logo, ali ele será puro. Falamos de pureza relativa amigo, não de classe Espiritual, pois esta é a em que o Espírito em questão esteja, seja Jesus ou o  João das Couves.
Logo, quando se estuda a Escala Espírita e se chega ao tem que mostra os Espíritos Superiores, também aquele que estuda com perseverança e seriedade, que creio ser o seu caso, irá ver que ali também existe essa pirâmide de ascensão.
Por isso a nota do codificador aprovada pelo CUEEm diz que "por exceção e para cumprir missão de progresso" é que estes reencarnam. Este o caso de Jesus
Por isso e para atestar sem margem a dúvidas quano o LE fala sobre o modêlo de perfeição moral indica a Jesus vejamos:
"625. Qual o tipo mais perfeito que Deus ofereceu ao homem, para lhe servir de guia e modelo?
– Vede Jesus.
Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar a Humanidade na Terra. Deus no-lo oferece como o mais perfeito modelo e a doutrina que ele ensinou é a mais pura expressão de sua lei, porque ele estava animado do Espírito divino e foi o ser mais puro que apareceu na Terra."

Repare bem, aqui falamos em perfeição moral, e nesse campo jesus foi o mais puro que apareceu na Terra.
É natural que o amigo relute em aceitar esta verdade quanto a classe na qual Jesus estava, contudo é o que a doutrina prescreve e que contém o consenso universal dos Espíritos, logo, não pode ser tido em outra categoria ou classe de Espíritos perante a Escala Espírita.
Eu digo que é natural esta sua visão porque já vi e tive vários debates em algumas casas espíritas que ensinam errado.
O amigo não é "vaquinha de presépio", logo, terá mesmo essa dificuldade em rever seus aprendizado, e por isso lhe indico, depois de toda esta explanação o reestudo, sério, grave e perseverante, como assinala a mesma obra para o estudo da doutrina.
O porque de eu ter tanta certeza, é que também aprendi errado e passei muito tempo, devido a minha cabeça dura, para compreender a verdade neste caso.
Sei que o amigo vai chegar às mesma conclusões, tenho certeza disso.
Abraços,
Moura

Boa tarde, Sr., Moura,
Verifiquei aqui neste FE, que já houve um debate sobre o assunto no tópico "Jesus era um Espírito puro", visualizei que no post#57, encontramos um resposta sua para o Sr.Carlos., que copio uma parte dela: "Ora, se, segundo a mesma Escala, são os Espíritos Puros ou Puros Espíritos , os Ministros de Deus, e aqueles que repassam as ordens Dele, a todas as classes de Espíritos que lhes estejam abaixo, a primeira classe que se nota será a dos Espíritos Superiores, e como estes são chamados?". o que vem colaborar com meu entendimento e q

Boa tarde, Sr. Moura,
Verifiquei, que este assunto já foi debatido em outro tópico "Jesus era um Espírito puro", e visualizei que há uma resposta sua endereçada ao Sr.Carlos (post#57), que que copio uma parte: "Ora, se, segundo a mesma Escala, são os Espíritos Puros ou Puros Espíritos , os Ministros de Deus, e aqueles que repassam as ordens Dele, a todas as classes de Espíritos que lhes estejam abaixo, a primeira classe que se nota será a dos Espíritos Superiores, e como estes são chamados?", o que vem colaborar com o meu entendimento, e que o Sr.Allan Kardec, também inseriu na Gênese cap.XV, quando afirma que Jesus; "Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir".
Este mesmo entendimento está colocado em um artigo de nome"A ciência Espírita no tempo", da Revista Espírita histórica e filosófica, da qual já copiei num post acima.
Sabemos nós, que a escala espírita foi realizada por Kardec, que com suas subdivisões, a achava perfeitamente racional, com caracteres bem definido.
O Sr. Allan Kardec conhecedor da escala espírita, reformula o seu entendimento da Superioridade e natureza de Jesus e expões de maneira clara na Gênese - cap.XV. Antes na escala espírita, Ele é caracterizado como Espíritos superior depois reformulando o seu entendimento conclui na Gênese ser Jesus um Espírito puro.
Eu não estou colocando o meu entendimento sobre o assunto.
Estou colocando o entendimento que o codificador nos trouxe na Gênese, a tal ponto de informar o que já coloquei acima: "Que Espírito, ao demais, ousaria insuflar-lhe seus próprios pensamentos e encarregá-lo de os transmitir?" (quem ousaria!).
Por isso Sr. Moura, foi Allan Kardec, o Espírito escolhido devido a seus atributos para esta missão, por isso escrevi acima, que fico com o entendimento do codificador.
Abraços
Amigo Luiz,
a parte que o amigo trás faz referencia a Espíritos no mundo espiritual e não aqui na terra.
Por que?
Simples, Espíritos puros não reencarnam, como diz o item 113 da escala.
Por esta razão, e por estarem no grau que a Escala lhes confere por saber e moralidade, são tidos como os ministros e mensageiros de Deus, e os Espíritos que lhes estão abaixo são os da Classe dos Espíritos Superiores.
diz a Escala sobre os Puros Espíritos: "(...) Havendo atingido a soma de perfeições de que é suscetível a criatura, não têm mais provas nem expiações a sofrer. Não estando mais sujeitos à
reencarnação em corpos perecíveis ."
É este o ensino ministrado pela DE, não outro.
Já, quando a Escala ensina sobre os Espíritos Superiores ela afirma: "Quando, por exceção, se encarnam na Terra, é para cumprir uma
missão de progresso, e então nos oferecem o tipo de perfeição a que a humanidade pode aspirar neste mundo."
No outro post eu coloquei  o ensino sobre perfeição moral atribuída a Jesus não foi? basta agora juntar-se àquele ensino da De, este, que o amigo chegará com sucesso à conclusão verdadeira e correta.
O Estudo da De que deve ser perseverante e sério, não pode ser estanque. O Estudante deve procurar, para cada item, tudo o que todas as obras tenham, e não se fixar apenas no ponto que lhe pareça mais viável e correto.
Abraços,
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 19:09
Sr., Moura, Boa tarde,
Não é este entendimento proposto por vós, que Kardec, conhecedor da escala espírita que foi por ele idealizada, faz.
Mas tudo bem sem mais apontamentos.
Abraços

Mano Moura e Mano Luiz,....

Estava lendo vossos post`s e pensei:

Estamos em 2010 DC, quantos Espíritos Superiores do nível de Jesus (Faixa máxima dos Superiores) estiveram em missão na Terra? Penso que nenhum. Outros tantos em faixas menores.

Quantos espíritos Superiores poderiam encarnar em missão à 2010 anos atrás? Em uma época que a vida e os homens eram muito primitivos. Daí num ambiente primitivo desses, por que um Espírito Puro e não Superior, já que eram tempos de atraso moral e intelectual? Eu diria que um espírito superior do nível que Jesus tinha naquela época,  encarnado hoje, no nosso planeta já está muito além do seu tempo, imaginemos um Puro, naquela época.

"Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir".
Tal sua pureza e amor a humanidade, só de DEUS poderia vir. Pois o influxo, saí de Deus, passando pelos Puros,...chegando aos Superiores.

Amigos, Espírito Superior têm muito "café no bulé", daí os elogios de Kardec a pureza do Mestre.

Abração.

Amigo Luiz, por favor, não fale por kardec apenas temos de nos ater ao que está escrito.
Para falar por Kardec  ou do que ele achava o amigo teria de Evocá-lo e ter dele e por ele a resposta que só a ele pertence.
Afinal é dele pensamento e a este só podemos conjecturar.
Uma prova bem forte que temos e que demonstra o erro de sua conclusão é que o próprio codificador explica logo ao in[ício do LE.
Está nessa obra toda a doutrina "da forma com que foi ditada pelos Espíritos Superiores."
mais a frente ele mesmo diz: "Nada de meu há, exceto algumas opiniões."
Havia, antes, citado  que kardec também falara sobre estudo perseverante e aqui trago para o amigo ver que não foram palavras minhas mas apenas citação a doutrina: "Acrescentemos que o estudo de uma doutrina como a espírita, que nos lança de súbito numa ordem de coisas tão nova e grande, não pode ser feito proveitosamente senão por homens sérios, perseverantes, isentos de prevenções e animados de uma firme e sincera vontade de chegar a um resultado."

Mas ele diz bem mais, avalie: "O que caracteriza um estudo sério é a continuidade. Devemos admirarnos de não obter respostas sensatas a perguntas naturalmente sérias, quando as fazemos ao acaso e de maneira brusca, em meio a perguntas ridículas? Uma questão complexa requer, para ser esclarecida, perguntas preliminares ou complementares. Quem quer adquirir uma Ciência deve estudá-la de maneira metódica, começando pelo começo e seguindo o seu encadeamento de idéias."

Avalie meu amigo, que Kardec e sob o consenso dos Espírios Superiores afirmou: "Se este livro não tivesse por fim mais do que mostrar o lado sério da questão, provocando estudos a respeito, isto já seria bastante e nos felicitaríamos por termos sido escolhidos para realizar uma obra sobre a qual não pretendemos ter nenhum mérito pessoal, pois os princípios aqui expostos não são de nossa criação: o mérito é, portanto, inteiramente dos Espíritos que o ditaram."

Note amigo, estou fazendo essas enxertias para demonstrar que nada de meu foi exposto anteriormente, apenas a doutrina foi elemento da meinha escrita. Essa a maneira com a qual me conduzo aqui ou em qualquer outro fórum.
Se não conheço toda a doutrina, se não tenho procuração de kardec nem dos Espíritos Superiores, para dizer o que algum deles ou o codificador pensava, o que tenho de fazer é apenas repetir o ensino que o LE nos trás.
Abração
Moura

Sim, amigo Silvio,
é exatamente por ai que eu também penso.
Abraços,
Moura

Mano Moura e Mano Luiz,....

Estava lendo vossos post`s e pensei:

Estamos em 2010 DC, quantos Espíritos Superiores do nível de Jesus (Faixa máxima dos Superiores) estiveram em missão na Terra? Penso que nenhum. Outros tantos em faixas menores.

Quantos espíritos Superiores poderiam encarnar em missão à 2010 anos atrás? Em uma época que a vida e os homens eram muito primitivos. Daí num ambiente primitivo desses, por que um Espírito Puro e não Superior, já que eram tempos de atraso moral e intelectual? Eu diria que um espírito superior do nível que Jesus tinha naquela época,  encarnado hoje, no nosso planeta já está muito além do seu tempo, imaginemos um Puro, naquela época.

"Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir".
Tal sua pureza e amor a humanidade, só de DEUS poderia vir. Pois o influxo, saí de Deus, passando pelos Puros,...chegando aos Superiores.

Amigos, Espírito Superior têm muito "café no bulé", daí os elogios de Kardec a pureza do Mestre.

Abração.
Boa tarde,
Sobre este ponto, para não ficar somente sobre o nosso entendimento, postei um comentário na revista igual ao post#97 que coloquei aqui, e a resposta foi de concordar com o mesmo entendimento que tive.
Abaixo segue o link: para que possamos conhecer mais o pensamento de outros estudiosos.
Abraços

http://revista.filosofiaespirita.com/2010/03/ciencia-espirita-no-tempo.html

Luiz, amigo,
entenda que não falamos do nosso entendimento, quer dizer desse entendimento que nos chegue apenas daquilo que achamos que é certo. Todo entendimento deve estar fulcrado no que a De ensina, senão não seguiremos a De mas sim aquilo que nos dê na telha.
Abraços,
Moura

Olá

Vejamos algumas dúvidas:

- Quando, por excepção, encarnam na Terra, é para cumprir missão de progresso...
   Significa isto que os espiritos superiores estão sujeitos à reencarnação?
   Não são as missões opção do próprio espirito?

- Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna no seio de Deus.
  O facto de não estarem sujeitos à reencarnação significa que os espiritos puros, caso pretendam, não possam reencarnar?

Silvio
"Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir".
Tal sua pureza e amor a humanidade, só de DEUS poderia vir. Pois o influxo, saí de Deus, passando pelos Puros,...chegando aos Superiores.

Vindo tudo de Deus, centro, até à periferia, haveria alguma razão para Kardec salientar esta questão se o influxo não viesse directamente de Deus para Jesus?

Atlante 
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 19:16
Olá

Vejamos algumas dúvidas:

- Quando, por excepção, encarnam na Terra, é para cumprir missão de progresso...
   Significa isto que os espiritos superiores estão sujeitos à reencarnação?
   Não são as missões opção do próprio espirito?

EU: Se reencarnam apenas por exceção, amigo Atlante, é que o progrtesso deles já segue outra estrada, sem que, contudo não lhe possam ser dadas as tais missões, que eles as tomam com felicidade e alegria.

- Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna no seio de Deus.
  O facto de não estarem sujeitos à reencarnação significa que os espiritos puros, caso pretendam, não possam reencarnar?

Atlante, segundo a escrita codificada, eles não estão mais sujeitos ao progresso do mesmo modo que nós estamos. "Havendo atingido a soma de perfeições de que é suscetível a criatura, não têm mais provas nem expiações a sofrer. Não estando mais sujeitos à
reencarnação em corpos perecíveis(...)"
A via pela qual fazem, seu progresso, consiste no enunciado previsto no item 113. "(...) São os mensageiros e os ministros de Deus, cujas ordens executam, para a manutenção da harmonia universal. Dirigem a todos os Espíritos que lhes são inferiores, ajudam-nos a se aperfeiçoarem e determinam as suas missões. Assistir os homens nas suas angústias, incitá-los ao bem ou à expiação de faltas que os distanciam da felicidade suprema, é para eles uma ocupação agradável (...)"
Assim é a forma deles continuarem a marcha do progresso.
abraços,
Moura

Silvio
"Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir".
Tal sua pureza e amor a humanidade, só de DEUS poderia vir. Pois o influxo, saí de Deus, passando pelos Puros,...chegando aos Superiores.

Vindo tudo de Deus, centro, até à periferia, haveria alguma razão para Kardec salientar esta questão se o influxo não viesse directamente de Deus para Jesus?

Atlante 

Olá

Vejamos algumas dúvidas:

- Quando, por excepção, encarnam na Terra, é para cumprir missão de progresso...
   Significa isto que os espiritos superiores estão sujeitos à reencarnação?
   Não são as missões opção do próprio espirito?

EU: Se reencarnam apenas por exceção, amigo Atlante, é que o progrtesso deles já segue outra estrada, sem que, contudo não lhe possam ser dadas as tais missões, que eles as tomam com felicidade e alegria.

- Não estando mais sujeitos à reencarnação em corpos perecíveis, realizam a vida eterna no seio de Deus.
  O facto de não estarem sujeitos à reencarnação significa que os espiritos puros, caso pretendam, não possam reencarnar?

Atlante, segundo a escrita codificada, eles não estão mais sujeitos ao progresso do mesmo modo que nós estamos. "Havendo atingido a soma de perfeições de que é suscetível a criatura, não têm mais provas nem expiações a sofrer. Não estando mais sujeitos à
reencarnação em corpos perecíveis(...)"
A via pela qual fazem, seu progresso, consiste no enunciado previsto no item 113. "(...) São os mensageiros e os ministros de Deus, cujas ordens executam, para a manutenção da harmonia universal. Dirigem a todos os Espíritos que lhes são inferiores, ajudam-nos a se aperfeiçoarem e determinam as suas missões. Assistir os homens nas suas angústias, incitá-los ao bem ou à expiação de faltas que os distanciam da felicidade suprema, é para eles uma ocupação agradável (...)"
Assim é a forma deles continuarem a marcha do progresso.
abraços,
Moura

Silvio
"Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir".
Tal sua pureza e amor a humanidade, só de DEUS poderia vir. Pois o influxo, saí de Deus, passando pelos Puros,...chegando aos Superiores.

Vindo tudo de Deus, centro, até à periferia, haveria alguma razão para Kardec salientar esta questão se o influxo não viesse directamente de Deus para Jesus?

Mano Atlante,...os Espíritos Superiores mandavam,...."nos entender com as palavras". Qual a razão de Kardec? É que Jesus era "o cara", para muitos,....Nosso Senhor,...Cordeiro de Deus, Divindade, De Todos os Santos, Mestre, Espírito Divino,...Sendo assim, entendo que Kardec sempre salientou o alto nível de pureza de Jesus, com um pensamento que tinha ligação direta com a harmonia universal, na época de sua encarnação na Terra, Um Puro Espírito Superior.
Abração.
Silvio

Atlante 
eu sou chataaaa. E o senhores me desculpem, cada pessoa é livre para debater o que quiser, mas venho lembrar do infinito respeito que Kardec tinha por Jesus, tanto que elegeu a moral dele como paradigmatica aos espiritas.

No inicio do ESE ele diz:

Podem dividir-se em cinco partes as matérias contidas nos Evangelhos: os atos comuns da vida do Cristo; os milagres; as predições; as palavras que foram tomadas pela Igreja para fundamento de seus dogmas; e o ensino moral. As quatro primeiras têm sido objeto de controvérsias; a última, porém, conservou-se constantemente inatacável. Diante desse código divino, a própria incredulidade se curva. É terreno onde todos os cultos podem reunir-se, estandarte sob o qual podem todos colocar-se, quaisquer que sejam suas crenças, porquanto jamais ele constituiu matéria das disputas religiosas, que sempre e por toda a parte se originaram das questões dogmáticas.  

Os senhores conseguiram elencar mais uma nota de discordancia das doutrinas, a grandeza ou nao de Jesus, espirito puro ou superior. Assemelha-se a Maria concebeu virgem ou nao. Reconhece o verdadeiro espirita pelo esforço que emprega em domar suas mas inclinações. E para isso esta a moral evangelica.

Só para reelembrar a postura de Kardec amigos. E que é para paradigmatica para nós!

abs!
Olá

Eu coloquei apenas algumas questões, que por acaso até são muito simples.
No entanto não obtive qualquer resposta que fosse clara e concisa.

Um outro aspecto prende-se com o facto de, constantemente, nos ser recordado que nos devemos ater aos textos codificados.

Onde Kardec escreveu isto Silvio?

  Um Puro Espírito Superior.

De onde poderemos tirar esta ilação?

Moura

Se os espiritos superiores reencarnam por missão é porque isso é uma decisão deles, não uma necessidade ou uma sujeição.
O mesmo sucede com os espiritos puros, eles não estão sujeitos à reencarnação. Mas isto não invalida que eles não possam reencarnar se esse for o seu desejo.
Nem poderia ser de outra forma pois, caso contrário, os espiritos estariam perdendo sua liberdade ( livre arbitrio ) conforme fossem evoluindo, o que não faz qualquer sentido.

No planeta Terra já reencarnaram muitos espiritos superiores, antes de Jesus e depois de Jesus.
Alguns, reencarnados antes de Jesus, vieram trazer-nos mensagens semelhantes às de Jesus. Simplesmente os homens logo trataram das subverter, precisamente o mesmo que fizeram com a mensagem de Jesus.
Todo o ensinamento já tinha sido transmitido ao homem. Jesus já tinha enviado outros para nos transmitirem esse conhecimento, mas como tudo foi alterado em beneficio do interesse próprio, do homem claro, Jesus decidiu vir Ele próprio.
Por alguma razão Ele nos diz que veio cumprir a lei. Certamente não se estaria referindo à lei do homem mas sim à lei de Deus que já antes outros haviam transmitido.

Não discuto se Jesus, antes de reencarnar, seria um espirito superior ou um espirito puro. Mas considero que hoje Ele é um espirito puro.
Eu e o Pai somos um, mas o Pai é maior do que eu.
Só o puro se pode unir ao puro. Só um espirito puro pode estar unido com Deus.

Atlante
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 19:22
Mano Atlante,....

Como comentei anteriormente,....temos que nos entender com a palavra. :D

Puro Espírito Superior,....quando reencarnou na Terra, Jesus,...o mais Puro dos Superiores.

Tenho uma tendência a acreditar que hoje é Puro, sem uma comprovação definitiva, via Codificação .

Abração!

Mano Atlante,..

ESE

9. Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado neste mundo denote a existência de uma determinada falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu progresso. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas nem sempre a prova é uma expiação. Provas e expiações, todavia, são sempre sinais de relativa inferioridade, porquanto o que é perfeito não precisa ser provado. Pode, pois, um Espírito haver chegado a certo grau de elevação e, nada obstante, desejoso de adiantar-se mais, solicitar uma missão, uma tarefa a executar, pela qual tanto mais recompensado será, se sair vitorioso, quanto mais rude haja sido a luta. Tais são, especialmente, essas pessoas de instintos naturalmente bons, de alma elevada, de nobres sentimentos inatos, que parece nada de mau haverem trazido de suas precedentes existências e que sofrem, com resignação toda cristã, as maiores dores, somente pedindo a Deus que as possam suportar sem murmurar. Pode-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam queixas e impelem o homem à revolta contra Deus.
Sem dúvida, o sofrimento que não provoca queixumes pode ser uma expiação; mas, é indício de que foi buscada voluntariamente, antes que imposta, e constitui prova de forte resolução, o que é sinal de progresso.

LE
192. Pode alguém, por um proceder impecável na vida atual, transpor todos os graus da escala do aperfeiçoamento e tornar-se Espírito puro, sem passar por outros graus intermédios?

“Não, pois o que o homem julga perfeito longe está da perfeição. Há qualidades que lhe são desconhecidas e incompreensíveis. Poderá ser tão perfeito quanto o comporte a sua natureza terrena, mas isso não é a perfeição absoluta. Dá-se com o Espírito o que se verifica com a criança que, por mais precoce que seja, tem de passar pela juventude, antes de chegar à idade da madureza; e também com o enfermo que, para recobrar a saúde, tem que passar pela convalescença. Demais, ao Espírito cumpre progredir em ciência e em moral. Se somente se adiantou num sentido, importa se adiante no outro, para atingir o extremo superior da escala.

Jesus é para o homem o tipo de perfeição moral a que pode aspirar a Humanidade na Terra.

E a parte intelectual?
Onde está na Codificação que os Espíritos Superiores comentaram que Jesus já atingiu a perfeição intelectual de um Espírito Puro?

Abração!

eu sou chataaaa. E o senhores me desculpem, cada pessoa é livre para debater o que quiser, mas venho lembrar do infinito respeito que Kardec tinha por Jesus, tanto que elegeu a moral dele como paradigmatica aos espiritas.

No inicio do ESE ele diz:

Podem dividir-se em cinco partes as matérias contidas nos Evangelhos: os atos comuns da vida do Cristo; os milagres; as predições; as palavras que foram tomadas pela Igreja para fundamento de seus dogmas; e o ensino moral. As quatro primeiras têm sido objeto de controvérsias; a última, porém, conservou-se constantemente inatacável. Diante desse código divino, a própria incredulidade se curva. É terreno onde todos os cultos podem reunir-se, estandarte sob o qual podem todos colocar-se, quaisquer que sejam suas crenças, porquanto jamais ele constituiu matéria das disputas religiosas, que sempre e por toda a parte se originaram das questões dogmáticas.  

Os senhores conseguiram elencar mais uma nota de discordancia das doutrinas, a grandeza ou nao de Jesus, espirito puro ou superior. Assemelha-se a Maria concebeu virgem ou nao. Reconhece o verdadeiro espirita pelo esforço que emprega em domar suas mas inclinações. E para isso esta a moral evangelica.

Só para reelembrar a postura de Kardec amigos. E que é para paradigmatica para nós!

abs!


Oi Laísa,....

Eu não estou preocupado em ser "Um Verdadeiro Espírita", mas sim, Espírita. ;D

Maninha, já fui católico, evangélico (presbiteriano e adventista, onde participei de escola dominical e estudos biblícos), seicho-no-ie, estudei várias corrrentes espiritualistas, sem participar,...até que adotei a DE. Fiquei, porque apresenta um Deus que é uma Inteligência Suprema e é Progressista, caminha junto com a ciência. Enfim, se é para dizer amém prá tudo. Para que discutir isso, aquilo ou acolá? Não devemos perder tempo com isso, não é pertinente ou importante. É o que mais escuto em CE. Desculpe, mas isso não é Doutrina Espírita, mas sim espiritismo à brasileira. Se for assim, nem precisaria de espiritismo, já têm religiões, seitas, filosofias o suficiente para ensinar a dominar as más tendências. Aliás, isso é tarefa básica para todo espirito criado por Deus, espírita ou não.

Espiritismo vai muito além disso,...

O espiritismo é, ao mesmo tempo, uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática, ele consiste nas relações que se estabelecem entre nós e os espíritos; como filosofia, compreende todas as consequências morais que dimanam dessas mesmas relações.

Podemos defini-lo assim: o espiritismo é uma ciência que trata da origem e destino dos espíritos, bem como de suas relações com o mundo corporal». .

Portanto mnha amiga, para ser Espírita, temos que debater, pesquisar, estudar, não ter medo de aplicar a razão e raciocinio lógico, quebrando paradigmas e atavismos religiosos, colaborando para o aspecto Progressista da Doutrina.
Respeitando as pessoas e quem pensa diferente, mas dando-se o direito de defender suas idéias, claro, que também lutando contra suas más tendências.

Em tempo, Maria não concebeu virgem. ;D

Abração!

Atlante,
infelizmnte não é isso que a obra básica diz.
Abraços,
Moura

Olá

Eu coloquei apenas algumas questões, que por acaso até são muito simples.
No entanto não obtive qualquer resposta que fosse clara e concisa.

Um outro aspecto prende-se com o facto de, constantemente, nos ser recordado que nos devemos ater aos textos codificados.

Onde Kardec escreveu isto Silvio?

  Um Puro Espírito Superior.

De onde poderemos tirar esta ilação?

Moura

Se os espiritos superiores reencarnam por missão é porque isso é uma decisão deles, não uma necessidade ou uma sujeição.
O mesmo sucede com os espiritos puros, eles não estão sujeitos à reencarnação. Mas isto não invalida que eles não possam reencarnar se esse for o seu desejo.
Nem poderia ser de outra forma pois, caso contrário, os espiritos estariam perdendo sua liberdade ( livre arbitrio ) conforme fossem evoluindo, o que não faz qualquer sentido.

No planeta Terra já reencarnaram muitos espiritos superiores, antes de Jesus e depois de Jesus.
Alguns, reencarnados antes de Jesus, vieram trazer-nos mensagens semelhantes às de Jesus. Simplesmente os homens logo trataram das subverter, precisamente o mesmo que fizeram com a mensagem de Jesus.
Todo o ensinamento já tinha sido transmitido ao homem. Jesus já tinha enviado outros para nos transmitirem esse conhecimento, mas como tudo foi alterado em beneficio do interesse próprio, do homem claro, Jesus decidiu vir Ele próprio.
Por alguma razão Ele nos diz que veio cumprir a lei. Certamente não se estaria referindo à lei do homem mas sim à lei de Deus que já antes outros haviam transmitido.

Não discuto se Jesus, antes de reencarnar, seria um espirito superior ou um espirito puro. Mas considero que hoje Ele é um espirito puro.
Eu e o Pai somos um, mas o Pai é maior do que eu.
Só o puro se pode unir ao puro. Só um espirito puro pode estar unido com Deus.

Atlante 
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 30 de Outubro de 2010, 19:27
Senhor Silvio,

Se o senhor realmente defende tanto Kardec, deveria saber que quem disse que reconhece o verdadeiro espirita pelo esforço que faz em domar suas mas inclinações, não fui eu foi KARDEC.  Está no evangelho segundo espiritismo. Vai la que o senhor vai encontrar.
A exposição Kardequiana no inicio do Evangelho é clara, a relevancia é apenas a MORAL, porque quanto ao resto ,dogmas, milagres  e predisposições, cada um leva a cota particular, de acordo com um sistema pessoal pre-criado.
A DE veio para transformar moral dos homens, alicerçado em bases racionais.  Se ela não é capaz de fazer uma profunda mundaça em nossa vida, de nada adiantará.
Cada um é livre para debater o quiser, eu só coloquei a Exposição clara de Kardec na introdução do ESE porque ele para nós é um ser paradigmatico.
O senhor errou: não é ciencia de observação esta na introdução do LE : DOUTRINA  ESPIRITUALISTA FILOSOFICA QUE TRATA DO MUNDO ESPIRITUAL E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO MATERIAL. 
Eu não condeno o debate, jamais. Eu peço desculpas se minhas colocaçoes foram impertinentes. Mas eu apenas relembrei a postura de KARDEC.  Kardec era um cientista, um humanista,  de notorio escol. Senhor Silvio, tudo nós é licito, mas nem tudo nos constroi, foi Paulo que disse,  é sempre juizo pessoal. E perdoe-me a  minha impertinencia.

abs!

Senhor Silvio,

Se o senhor realmente defende tanto Kardec, deveria saber que quem disse que reconhece o verdadeiro espirita pelo esforço que faz em domar suas mas inclinações, não fui eu foi KARDEC.  Está no evangelho segundo espiritismo. Vai la que o senhor vai encontrar.
A exposição Kardequiana no inicio do Evangelho é clara, a relevancia é apenas a MORAL, porque quanto ao resto ,dogmas, milagres  e predisposições, cada um leva a cota particular, de acordo com um sistema pessoal pre-criado.
A DE veio para transformar moral dos homens, alicerçado em bases racionais.  Se ela não é capaz de fazer uma profunda mundaça em nossa vida, de nada adiantará.
Cada um é livre para debater o quiser, eu só coloquei a Exposição clara de Kardec na introdução do ESE porque ele para nós é um ser paradigmatico.
O senhor errou: não é ciencia de observação esta na introdução do LE : DOUTRINA  ESPIRITUALISTA FILOSOFICA QUE TRATA DO MUNDO ESPIRITUAL E SUA RELAÇÃO COM O MUNDO MATERIAL. 
Eu não condeno o debate, jamais. Eu peço desculpas se minhas colocaçoes foram impertinentes. Mas eu apenas relembrei a postura de KARDEC.  Kardec era um cientista, um humanista,  de notorio escol. Senhor Silvio, tudo nós é licito, mas nem tudo nos constroi, foi Paulo que disse,  é sempre juizo pessoal. E perdoe-me a  minha impertinencia.

abs!

Oi Laísa,....

Primeiro não tem o que perdoar. Não houve qualquer tipo de ofensa e não considerei impertinente, suas opiniões são sempre objetivando o debate, aprendizado e troca de informações. Tens todo o direito de defendê-las e divulgá-las. :)

Realmente onde escrevi  ciência de observação, é ciência experimental, está no livro "O que é o Espiritismo".

Sei que a frase do Verdadeiro Espírita é de Kardec e não sua. Entendo que essa frase é importante dentro do contexto,....para todos espíritos criados por Deus. Só não me preocupo com o "verdadeiro".

Quanto a essa frase:
A DE veio para transformar moral dos homens, alicerçado em bases racionais.  Se ela não é capaz de fazer uma profunda mundaça em nossa vida, de nada adiantará.

Alicerçado em bases racionais,......só se consegue com muito estudo das obras básicas, razão, fé raciocinada e entendimento da Doutrina.

Interessante como o estudo do espiritismo nos leva automaticamente a entender as Leis e aprender que só temos um caminho,.....Lutar contra a más inclinações, alicerçado em bases racionais.

Amiga Laísa, não se preocupe, continue nos brindando com sua opiniões inteligentes.

Abração.

Laísa e silvio, vocês, meus maninhos, agora me lembraram um personagem cômico criado por Agildo Ribeiro, um que se chamava o senhor explicadinho, que tinha como bordão a frase: "Posso exclalecer? Excalecelei", pois tinha a língua presa, como se diz...
Então vamos lá. Falando sobre a citação contida na doutrina sobre o que é ela em termos de ciência...
"O Espiritismo é ao mesmo tempo uma ciência de observação e uma doutrina filosófica. Como ciência prática, ele consiste nas relações que se podem estabelecer com os Espíritos; como filosofia, ele compreende todas as conseqüências morais que decorrem dessas relações."
Esta a primeira das definições que se encontra ao fim do preâmbulo da obra citada.
Ora, então temos que é uma ci~encia de observação, isso em plano amplo, mas como se vferifica esta observação?
pelo contato com a espiritualidade que trás as instruções.
Para ai? claro que não toda observação deve merecer uma pesquisa metodológica para definir sobre veracidade, usabilidade e natureza dessas observações. Então como procede, no rigor da doutrina o observador?
Experimentando, e isso se dá tanto na área da ciência puramente humana, como na área da ciência espiritual, vemos incontáveis experiências sendo feitas com auxilio dos Espíritos na materialização, transfiguração, e mesmo puramente no terreno madianímico, e , se não houvesse essa experimentação não se teria com atestar a veracidade das observações preliminares.
Então meus manos, "exclalecido", ninguém escreveu errado ou certo, todos está dentro do patamar assinalado pela obra.
abração,
Moura




Aqui terminam os 70 comentários extraídos de "Alimentação no Mundo Espiritual".

Abraços, RW



http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/alimentacao-no-mundo-espiritual/msg157933/#msg157933
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 30 de Outubro de 2010, 22:04
Boa noite a todos,
Sr. Ram-Wer, congratulo pela sua observância, pois as mensagens vão se modificando, perdendo a essência da idéia do tópico que foi criado, para outra proposta.
Verifiquei também essas mudanças de opinião e também abri um tópico: "Superioriodade da natureza de Jesus, para que pudéssemos debater o item 2 da Gênese capítulo XV. Abaixo trago informações do post#14: sobre a item 2 na Gênese cap.XV.

" teria sido uma dessas missões que a Divindade somente a seus mensageiros diretos confia, para cumprimento de seus desígnios. Mesmo sem supor que ele fosse o próprio Deus, mas unicamente um enviado de Deus para transmitir sua palavra aos homens, seria mais do que um profeta, porquanto seria um Messias divino". Kardec informa que que a missão de Jesus seria de um Messias Divino, que a Divindade entrega a seus mensageiros diretos. E os mensageiros diretos de Deus São os Espíritos puros.
 E mais abaixo
"Que Espírito, ao demais, ousaria insuflar-lhe seus próprios pensamentos e encarregá-lo de os transmitir?
Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir. Segundo definição dada por um Espírito, ele era médium de Deus".

A resposta que recebi do amigo Moura:
"antes de continuar nesse embate onde o ego faz correr a razão, pediria ao amigo que parasse um cadinho, esfriasse a cabeça e estudasse sem tendencia a Escala Espírita.
O amigo irá ver que existe uma escala, ou seja um variado número de graus de aprendizado em todas as classes e ordens de Espíritos perante a Escala Espírita".
 
Mas se verificamos o capítulo Xv item 2, verificamos a mudança e Alllan Kardec conhece a escala espírita.
 
Concordo que inicialmente o codifiacador entendia que Jesus era um Espírito superior, mas com o andar dos ensinamentos o tratamento dispensado a Jesus pelos Espíritos e pelo próprio Kardec vai ganhando outra conotação. Chamam-no de puro.
Se fizermos uma leitura atenta no capítulo XV da Gênese item verificamos essa mudança de opinião.
No tópico criado pedi para que fizéssemos uma análise crítica e não obtive resposta.
Houve respostas trocas de pdf no qual agradeço ao amigo Moura, mas nada de análise crítica do item 2. Porque será?
Abraços 






Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 31 de Outubro de 2010, 01:28
Boa noite a todos,
Continuando a leitura deste post, verifico que uma das resposta do Sr.Silvio Matos foi, como segue abaixo:
"Dentro desta mesma tendência de apoiar a tudo e todos, Emmanuel afirma ser Herculano Pires "o metro que melhor mediu Kardec". Mesmo reconhecendo que o espírito foi justo na sua consideração deta feita, mais uma vez vemos o pensamento contraditório de Emmanuel, já que Herculano foi um defensor da coerência doutrinária, e sempre alertou quanto aos perigos do Rustenismo, do Ubaldismo e do Ramatismo". (No ponto de vista do Sr. Silvio ele aceita que o Sr.José Herculano Pires era "o metro que melhor mediu Kardec").

É muito importante esta informação, algumas das vezes o Sr.Herculano Pires também teceu comentários críticos com relação ao Sr.Francisco Cândido Xavier.

Mas nunca, nunca duvidou da autenticidade da mediunidade do médium e dos Espíritos que psicografaram por ele, e também jamais teceu nenhum comentários contrários à cidades no além, a alimentação, vestes perispírito no plano espiritual e outros temas trazidos por André Luiz e outros Espíritos. Alguns temas deixou em quarentena para que a ciência pudesse dar seu parecer, mas nunca escreveu (pelo meu conhecimento), que essas obras não passaram pelo CUEE.

Abraços,



Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 01 de Novembro de 2010, 00:31
Boa noite,
Continuando os questionamentos:
1 - o que é o "CUEE"?
2 - Porque nenhum autor ou estudioso espírita em qualquer tempo combateu as mensagens trazidas por André Luiz, Emmanuel, Joana de Angelis, questionando que as mesmas não haviam passados pelo CUEE e portanto não são obras subsidiárias da DE?

Peguei esta resposta em outro tópico para que possamos compreender o que é CUEE:

 Kardec sempre deixou claro que a Doutrina é dos Espíritos. Mas que garantia podemos ter de que a Doutrina é mesmo deles? Como assegurar-se cientificamente de que os ensinos não são oriundos da mente dos médiuns ou do codificador? Kardec tratou disso ao propor o Método do Controle Universal do Ensino dos Espíritos (CUEE), que pode ser encontrado no 9º parágrafo do ítem II da Introdução do Evangelho Segundo o Espiritismo1 (ESE), e na parte final do ítem XXVIII do cap. XXXI do Livro dos Médiuns2 (LM). Transcrevemos abaixo:
 “Uma só garantia séria existe para o ensino dos Espíritos: a concordância que haja entre as revelações que eles façam espontaneamente, servindo-se de grande número de médiuns estranhos uns aos outros.” (definição contida no ESE).

 “A melhor garantia de que um princípio é a expressão da verdade se encontra em ser ensinado e revelado por diferentes Espíritos, com o concurso de médiuns diversos, desconhecidos uns dos outros e em lugares vários, e em ser, ao demais, confirmado pela razão e sancionado pela adesão do maior número.” (definição contida no LM).

  Duas grandes razões de Kardec para sua existência: i) “garantia para a unidade futura do Espiritismo” e anulação de “todas as teorias contraditórias”; e ii) “garantia contra as alterações que poderiam sujeitar o Espiritismo às seitas que se propusessem apoderar-se dele em proveito próprio ou acomodá-lo à vontade” (parágrafos 14 e 16 do ítem II da Introdução do ESE).

 O método CUEE garante que o conteúdo das mensagens em comum, ou em consenso, são dos Espíritos e não fruto da mente dos médiuns.

Se a definição resumida de CUEE, e  no dizer de Kardec: “eles não abordam as grandes questões da doutrina senão gradualmente, à medida que a inteligência está apta a compreender verdades de uma ordem mais elevada, e que as circunstâncias são propícias para a emissão de uma idéia nova.É por isso que, desde o princípio, não disseram tudo, e não disseram tudo ainda hoje, não cedendo jamais à impaciência de pessoa apressadas que querem colher os frutos antes de amadurecido”.

Logo as mensagens trazidas por Voltaire, e por outros Espíritos através de: Akiane, Divaldo Franco, Yvone A. Pereira e Francisco Cândido Xavier( para somente ficar nos mais conhecidos), sobre cidades no além, no mínimo refletem o resumo acima citado.

Abraços

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 01 de Novembro de 2010, 17:29
Se a definição resumida de CUEE, e  no dizer de Kardec: “eles não abordam as grandes questões da doutrina senão gradualmente, à medida que a inteligência está apta a compreender verdades de uma ordem mais elevada, e que as circunstâncias são propícias para a emissão de uma idéia nova.É por isso que, desde o princípio, não disseram tudo, e não disseram tudo ainda hoje, não cedendo jamais à impaciência de pessoa apressadas que querem colher os frutos antes de amadurecido”.

Amigo Luiz,....

1. Swenderberg, antes de Kardec, lançou livros sobre cidades espirituais ou do além. Como espírito, enviou mensagens na Codificação, reconhecendo erros ou equivocos e não confirmou os conteúdos de suas obras.

2. Emissão de novas idéias?
    Se Kardec e a humanidade já conheciam o conteúdo de cidades espirituais, inferno, céu, purgatório, o bom senso nos leva a pensar que Colônias, comidas, hospitais, camas, etc....não seriam novas idéias. Conclui-se então, que milhares de espíritos de várias escalas e que desencarnaram de formas diferentes, acompanhados de Espíritos Superiores e que explicaram sua real situação após desencarne, não estavam em Colônias sobre Lyon, Paris, Londres, etc....isto está no livro O Céu e Inferno. Entendo que na época da Codificação um livro como Nosso Lar, ou as informações contidas seria de fácil aceitação e entendimento, pois são poucas as diferenças com o mundo físico. Todos espíritos dizem que o sofrimento é moral e que as penas se baseiam "no querer e não poder".


3. Sinceramente, não sei se o Mano Herculano, deixou registrado alguma critica a existência de Colônias, talvez o Mano Moura possa nos ajudar, mesmo se não o fez, será também a opinião de um Mestre, que também pode estar equivocado ou não debateu esse tema. E isso não muda em nada sua grande colaboração para Doutrina, validando as opiniões de que foi o metro que melhor mediu Kardec.

Abração.
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 01 de Novembro de 2010, 18:51
Amigos,....

Encontrei essas informações baseadas em pesquisa. Vale à pena analisar, livre de idolatrias ou atavismo.
Razão, bom senso e Fé Raciocinada é um bálsamo reconfortante para o espírito e intelecto. ;)

Abração!


Herculano Pires, pensador espírita altamente respeitado por Chico Xavier – que o considerava “o homem que melhor compreendeu Kardec” -, sendo que chegaram a escrever um livro em parceria, preferia manter-se mais fiel à visão anterior, herdada de Allan Kardec, e criticar os que chamou de “chiquistas”. De seu “Chico Xavier: o homem, o médium e o mito”, texto de 1975 que infelizmente não encontrei online:
“…Tomam por realidades espirituais as alegorias e analogias das obras de André Luiz, esquecidos do exemplo citado pelo próprio Emmanuel, num de seus prefácios para essa obra, do macaco que voltasse da cidade para o mato e quisesse explicar aos companheiros como vivem os homens: em florestas de cimento, com pelos postiços que os homens podem vestir e desvestir e assim por diante”.
Mesmo há mais de 3 décadas esse aviso de Herculano Pires veio tarde demais, pois tais descrições já haviam sido incorporadas pelo imaginário espírita local, e foram aparecendo também nas “comunicações” recebidas pelos médiuns que liam suas obras. Depois da versão cinematográfica de “Nosso Lar”, Herculano Pires será voz mais vencida do que já é (se é que tal coisa é possível).

http://www.evanessencias.com/2010/04/04/reflexoes-ectoplasmicas-2/
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 02 de Novembro de 2010, 21:51
Encontrei essas informações baseadas em pesquisa. Vale à pena analisar, livre de idolatrias ou atavismo.
Razão, bom senso e Fé Raciocinada é um bálsamo reconfortante para o espírito e intelecto.

Olá a todos boa noite,
Sr. Silvio Matos,
Fui ler o artigo no site indicado e verifiquei que é uma reportagem de uma antropóloga sobre o seu livro, que se coloca contrária as obras de André Luiz.
Diz uma parte da reportagem:
"... é que a primeira reação contra seus livros veio de dentro do próprio meio espírita. O que mais dificultou a aceitação de suas obras entre os espíritas no passado foram as descrições do “mundo espiritual” como algo muito próximo do que temos na Terra, fugindo muito do que estava explícito ou implícito nos livros de Allan Kardec. É esse “mundo espiritual super-materializado” que verão no filme “Nosso Lar” (curiosidade: esse seria o nome de uma colônia dentro do “Umbral”, termo que o médium introduziu para se referir a um tipo de “inferno” espírita. Teria sido fundada por descendentes dos primeiros portugueses em uma região do Umbral que ocuparia alguma parte do céu do Rio de Janeiro. Eram espíritos de “cristãos novos” degredados para o Novo Mundo. Por isso, essa colônia teria o formato da Estrela de David.
A autora coloca a opinião do Sr. Herculuano Pires para dar apoio a sua entrevista, mas a opinião do Sr. Herculano não é contrário quanto as descrições de André Luiz sobre o mundo espiritual, Abaixo segue, artigo inserido no livro: "Jorge Rizzini - J. Herculano Pires o Apóstolo de Kardec o Homem, a Vida, a Obra, onde trás artigo do Sr,J.Herculano Pires tecendo crítica ao comentário de outro confrade, no artigo "Há uma revelação luisina".
"O que mais impressionou a Gentile foi a “revelação” de cidades espirituais no espaço. Mas a Bíblia já nos falava da Jerusalém Celeste e as revelações antigas estão cheias de ideias semelhantes. Tratam-se de planos ainda materializados da vida espiritual e não dos planos superiores. A Revista Espírita apresenta numerosos relatos dessa vida que se assemelha à terrena".Resumindo: o Sr.Salvador Gentile, ficou impressionado com a "revelação" de cidades espirituais, sendo que o Sr. Herculano Pires, informa que estes relatos (sobre cidades no além), estão na Biblia e também há inúmeros casos relatados na Revista Espírita. Após ele tece críticas contra o pensamento do Sr.Gentile em querer idolatrar as obras de André Luiz.

Abraços
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 10 de Novembro de 2010, 20:04
Amigos,....

Para refletir,...
Abração!


Perguntado se as trevas, onde se encontravam mergulhadas certas almas "sofredoras", eram as mesmas apontadas nas Escrituras, São Luis, respondeu:

"Sim, efetivamente, as designadas por Jesus e pelos profetas em referências ao castigo dos maus.
Mas isso não passava de alegoria destinada a ferir os sentidos materializados dos seus contemporâneos, os quais jamais poderiam compreender a punição de maneira espiritual.
Certos Espíritos estão imersos em trevas, mas deve-se depreender dai uma verdadeira noite da alma comparável à obscuridade intelectual do idiota. Não é uma loucura da alma, porém uma inconsciência daquele e do que o rodeia, a qual se produz quer na presença, quer na ausência da luz material.
É, principalmente, a punição dos que duvidaram do seu destino. Pois que acreditaram em o nada, as aparências desse nada os supliciam, até que a alma, caindo em si, quebra as malhas de enervamento que a prostrava e envolvia, tal qual o homem oprimido por penoso sonhar luta em dado momento, com todo o vigor das suas faculdades, contra os terrores que de começo o dominaram.
Esta momentânea redução da alma a um nada fictício e consciente de sua existência é sentimento mais cruel do que se pode imaginar, em razão da aparência de repouso que a acomete: - é esse repouso forçado, essa nulidade de ser, essa incerteza que lhe fazem o suplício.
O aborrecimento que a invade é o mais terrível dos castigos, visto como coisa alguma percebe em torno nem coisas, nem seres; somente trevas, em verdade, representa isso tudo para ela."

Fonte: O Céu e Inferno.

Uma das conseqüências de se estudar o Espiritismo é aque aprendemos a trabalhar a subjetividade.
O ser humano está habituado para entender algo criar uma imagem, e nela consegue se posicionar.Então o nosso cérebro é como um álbum de fotos, toda vez que pensamos em algo que passou, está distante no tempo mas vivo em nossa mente, puxamos uma foto desse álbum e começamos a rememorar.

Para os Espíritos, libertos da prisão física, as faculdades estão todas em evidência, e a sua pátria passa ser o espaço.
É difícil entender porque estamos sempre envolvidos com formas, precisamos de casa, comida, sono, sentimos frio ou calor.Quando deixamos o corpo físico, as necessidades sociais ficam com o corpo físico. Então o Espírito que não tendo as necessidades do corpo físico, não dorme, não precisa comer, não precisa morar,não adoece, se reúnem de acordo com as afinidades, formam grupos, e os mais inferiores tem suas limitações devido não poderem estar entre os mais elevados , o que proporcionaria desordem. Os mais adiantados se reúnem onde querem, o espaço é o lugar onde se reúnem, devido não terem mais as necessidades sociais.Se acotovelam entre nós os mais atrasados vivendo ainda em busca de arrastar suas vitimas às paixões materiais.

Como tudo está em perfeita harmonia devido a bondade e sabedoria divina, os Espíritos tem os mundos transitórios.São mundos em formação onde a Terra já foi um local onde podem se reunir também para descansar de longas e penosas erraticidade.Vão onde querem e quando querem, o livre arbítrio é o mesmo que aqui na Terra.São uma espécie de acampamentos onde buscam também o conhecimento das coisas que ajudam a compor a sua próxima encarnação.

Progridem pelo exercício do intelecto, revendo todas as posições na última existência e somos trazidos aqui na Terra para ouvir falar os homens superiores, mais adiantados. Se ocupam e têm lembranças somente das coisas que tem relação com a situação em que o Espírito se encontra, isso quer dizer condições morais.
Essas lembranças de outras encarnações são chamadas lacunas terrestres, devido necessitarem, diante de uma lei natural, examinar posições que trouxeram o estado moral em que se encontram. Par aos mais adiantados que acabaram de reparar os traços das faltas humanas das últimas , podem rever todo o conjunto das encarnações e verem , como mérito, o quanto melhoraram.
Fica agora um pouco mais fácil entendermos as posições que os Espíritos ocupam.
Vimos aqui algumas das leis que são diferenciadas das que regem o mundo físico, e de posse delas, melhor se compreende o mundo dos Espíritos chamado de mundo moral.
Essa necessidade que temos ainda de circunscrever e dar forma a tudo , devido desconhecer as leis que regem o mundo dos Espíritos, é que nos proporcionou aceitar a idéia de colônias, de lugares circunscritos, idéias vindo de um Espírito certamente materializado também.

O estudo do Espiritismo nos ajuda a nos livrarmos dessas formas e trabalharmos a subjetividade o que favorecerá no nosso desencarne e em nossa vida futura.Ferramenta que é deixada de lado devido a nossa materialidade ainda.

Fonte: Roberto (Orkut - Comunidade ESE-E )


 



Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: JT em 10 de Novembro de 2010, 20:43
Eu li muito pouco do que postaram neste tópico, mas logo que tenha oportunidade vou fazê-lo. Contudo, conheço de gingeira a vossa forma de pensar. Queria agradecer a todos, em especial ao mano Mourarego, a oportunidade que me deu em conhecer o Espiritismo, o único espiritismo.
No entanto, foi mais ou menos a partir do momento que comecei a ter paciência com o Moura, que comecei a perceber em mim, que eu não era espírita. Lamento, meus amigos. Isto não obsta, que eu não possa vir aqui questionar-vos.

Para quem não vive em Portugal, sabe que nós temos cá um partido político com o nome Bloco de Esquerda (BE); eu podia recorrer a outro qualquer, mas escolhi este, porque ele é minoritário. Ora, os deputados que o representam, sendo de regiões distintas do país pensam exatamente, ou melhor dão-nos a entender que pensam da mesma forma.
O CUEE é como o BE. Estes espíritos pertencendo a uma mesma ordem, comunicaram-se e transmitiram-nos o conhecimento no qual estavam de acordo. Emitiram a opinião dessa ordem.
Mas quantos, meus amigos, quantos pertencendo a outras ordens, não estão minimamente interessados em transmitir desta forma o que pensam?
Sim, estes dizem que são espíritos superiores! Serão?
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: MarcoALSilva em 10 de Novembro de 2010, 21:39
Eu li muito pouco do que postaram neste tópico, mas logo que tenha oportunidade vou fazê-lo. Contudo, conheço de gingeira a vossa forma de pensar. Queria agradecer a todos, em especial ao mano Mourarego, a oportunidade que me deu em conhecer o Espiritismo, o único espiritismo.
No entanto, foi mais ou menos a partir do momento que comecei a ter paciência com o Moura, que comecei a perceber em mim, que eu não era espírita. Lamento, meus amigos. Isto não obsta, que eu não possa vir aqui questionar-vos.

Para quem não vive em Portugal, sabe que nós temos cá um partido político com o nome Bloco de Esquerda (BE); eu podia recorrer a outro qualquer, mas escolhi este, porque ele é minoritário. Ora, os deputados que o representam, sendo de regiões distintas do país pensam exatamente, ou melhor dão-nos a entender que pensam da mesma forma.
O CUEE é como o BE. Estes espíritos pertencendo a uma mesma ordem, comunicaram-se e transmitiram-nos o conhecimento no qual estavam de acordo. Emitiram a opinião dessa ordem.
Mas quantos, meus amigos, quantos pertencendo a outras ordens, não estão minimamente interessados em transmitir desta forma o que pensam?
Sim, estes dizem que são espíritos superiores! Serão?


Os Espíritos da Codificação são Superiores, sim, consoante a escala espírita. Poderiam ter outra designação, o que não faria nenhuma diferença, já que rótulos são quase nada quanto ao conteúdo.

São Espíritos que estiveram neste planeta. Foram homens. Pertencem a esta humanidade. Logo, a condição de "Superiores" não deve ser confundida com "Espíritos Puros", como bem consta da mesma escala espírita...

O que importa é que a Verdade é universal e não se dobra a rigorosamente nada...

Um lei universal não merece crédito pela notoriedade de quem a pronuncia, senão por ser inquebrantável...

O partido minoritário, perdôe-me, não é uma analogia válida. O CUEE não seria um partido minoritário, mas sim uma "bancada de líderes partidários" que, a despeito de suas diferenças, manifestaram suas concordâncias...

Apenas uma ponderação.

Marco
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: hcancela em 10 de Novembro de 2010, 22:02
Olá amigos(as)



Não passa de mais uma pequena contribuição para o tema .Espero que gostem ;) ;) ;)


Saudações fraternas
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 15 de Novembro de 2010, 21:13
Olá a todos,
Segue texto do Sr. Jorge Jensen, sobre o CUEE. Longo mas, muito bom:
CONTROLE UNIVERSAL DOS ENSINAMENTOS DOS ESPÍRITOS, UMA REFLEXÃO SOBRE JESUS E O ESPIRITISMO

Escrevi há cinco anos sobre o Espiritismo religioso. Citei à época O Controle Universal dos Ensinamentos dos Espiritos – CUEE que foi um método científico empregado pelo Codificador na consolidação da estrutura da Doutrina nascente e na implementação de seus pilotis. Kardec, sabendo que a morte não tornava mais sábio ou mais ignorante o espírito desencarnado, precisava de um critério seguro para poder compilar as diversas informações trazidas pela espiritualidade. Sabendo que havia espíritos mistificadores, brincalhões e pseudo-sábios, Kardec fez com que todo o conteúdo doutrinário passasse pela filtragem do CUEE, ou seja, toda mensagem ditada pelos espíritos tinha que ser confirmada por diversos médiuns, preferencialmente, sem que tivessem qualquer contato entre si, e que ocorressem quase que simultaneamente. Na Revista Espírita, em abril de 1864, o mestre lionês explica que um homem pode ser enganado, ou mesmo enganar-se. Contudo, tal fato não se dá, quando milhões de homens vêem e ouvem a mesma coisa: é uma garantia para cada um e para todos. Sabemos que essa universalidade do ensino dos Espíritos constitui o baluarte do Espiritismo.
O primeiro controle das mensagens é o da razão, à qual é preciso submeter, sem exceção, tudo quanto vem dos Espíritos. Segue-se, ao supremo controle da razão, a opinião da maioria. Compreende-se que, aqui, não se trata de comunicações relativas a interesses secundários. O controle universal é uma garantia para a futura unidade do Espiritismo e tende a anular todas as teorias contraditórias. Por essa razão, o que torna o Espírito André Luiz  ou Emmanuel cridos é que, por toda parte, observamos a confirmação das suas mensagens, através do testemunho de líderes sérios e consagrados no mundo inteiro. Que influências poderiam exercer André Luiz ou Emmanuel, com suas mensagens, se elas fossem desmentidas, tanto pelos Espíritos, quanto pela liderança espírita mundial? Se um Espírito afirma uma coisa de um lado, enquanto milhões de pessoas dizem o contrário alhures, a presunção da verdade não pode estar com aquele, cuja opinião é única, contrariando as demais.
Há pessoas, nos píncaros do delírio, acreditem!!! Recriando o “Controle Universal dos Espíritos” e, para tais indivíduos, essa é a única forma de se aceitar, com boa margem de segurança, os ensinamentos provenientes, sobretudo, das obras de Chico Xavier. (!!??) Por que essa prevenção contra o médium de Uberaba? Há os que afirmam que Kardec, o Codificador, era o coordenador do Controle Universal. Depois de sua desencarnação, não houve quem desse seguimento à condição de controlador. Em verdade, esses confrades se apresentam eivados de despeito contra a FEB, informando, com desdém, que os grupos de pessoas, que deram origem à Federação Espírita Brasileira – FEB, criaram um sistema espírita muito diferente daquele idealizado por Allan Kardec e nele nunca esteve presente o Controle Universal dos Espíritos, o que se constituiu numa grave falha Febiana. (sic)
Atestam, os “kardequeólogos” contemporãneos, que apesar de o Espiritismo Ter sido introduzido no Brasil por membros da “aristocracia dominante”, no século XIX, houve, desde o início, forte junção da Doutrina com as religiões, principalmente, a umbanda e o catolicismo, ou seja ocorreu o surgimento de um Espiritismo à brasileira, ou à moda da casa. Para esses incautos detratores da Casa-Mater do Espiritismo no Brasil, pretensos “sábios” , tanto os livros de Chico, quanto os do Divaldo apresentam mensagens que nada acrescentam e, até, contrariam a Doutrina . Acreditem, se quiserem..(!?)
Encharcados de fértil imaginação e intoxicados de raciocínio, reverberam que o jovem “católico”, Chico Xavier, quando teve a visão mediúnica daquele que teria sido o Padre Manoel da Nóbrega, em pretérita encarnação, e que passou a ser identificado como Emmanuel, certificou-se de que este seria o seu Mentor Espiritual. Com isso, todo o processo mediúnico do extraordinário médium mineiro foi plasmado por um “misticismo católico”, que, imediatamente, os diretores da Federação Espírita Brasileira (FEB) entronizaram. Com tal misticismo, vislumbraram um meio de divulgar um Espiritismo que fosse aceito pela sociedade brasileira que, então, era católica em sua esmagadora maioria.
Meu Deus!!! Nunca vimos tão incomensurável  parvoíce!!
Para tais kardequeólogos, (repito) muitos livros de mensagens psicografadas por Chico Xavier, nada possuem de “específico”, no que se refere à Codificação. São opiniões de Espíritos que têm seu valor, como opinião pessoal (sic), mas não podem ser incorporadas como parte da doutrina básica, pois não se submeteram à chancela da paixão do momento, - o Controle Universal dos Espíritos.
Isso equivale afirmar que, as teses abordadas pelo Espírito André Luiz não receberam a chancela do filão da discórdia (Controle Universal dos Espíritos) e, por isso, as mensagens de André Luiz, de Emmanuel e outros só devem ser admitidas como hipóteses de estudos, até que possam ser submetidas ao “Controle Universal dos Espíritos”, através do aval supremo dessa facção tangida pela histeria.
A rigor o que está escamoteado na retórica desses andróides da ilusão, sob o tema, é, nada mais, nada menos, o aspecto religioso da Doutrina Espírita sustentado dignamente no Brasil pela FEB e abrilhantado por Chico Xavier na prática mediúnica. Isso que estamos chamando de “questão religiosa“ refere-se, obviamente, à discussão que já tem se tornado psicopatológica: saber se o Espiritismo é ou não é religião. A freqüência com que tal discussão tem acontecido, no âmbito do Espiritismo, é tão grande que já se tornou, há muito, cansativa , estéril e obsessiva. Para tais hermanos, a postura religiosa , Xavieriana, tem um caráter cerceador sobre o crescimento do Espiritismo, enquanto filosofia.(!?) Acredite de puder!!!
Esses kardequeólogos, longe do uso do bom senso, insistem em divulgar a “progressista” tese de que se é preciso fugir do “Cristo Católico”, do religiosismo, do igrejismo no Espiritismo e transformá-lo numa academia de expoentes do “saber”, sob a batuta deles,obviamente!
Sob o império dessa compulsiva tendência filosófica, vão para a internet, redigem livrescos, artiguelhos, promovem palestras inócuas, aguilhoados às diretivas telepáticas dos “sabichões das sombras”.
Queiram ou não, o Cristo é o modelo de virtudes para todos os homens . E mais ainda. Jesus Cristo e incomparável em face da dedicação e a santidade que Ele dispensa à Humanidade. Nós, que ainda estamos mergulhados nos pântanos das questiúnculas teológicas , não temos parâmetros para avaliarmos a Sua magna importância para o Espiritismo, isto porque a Sua excelsitude se perde na escura bruma indevassável dos milênios. Digo mais. O Espiritismo sem Evangelho pode alcançar as brilhantes expressões acadêmicas, mas não passará de atividade fadada a modificar-se ou desintegrar-se, como todas as conquistas perfunctórias da Terra. E o espírita cristão, que não cogitou da sua iluminação com o Evangelho do Mestre, pode ser virtuose da inteligência, Phd de qualquer coisa e filósofo, com as mais subidas aquisições científicas, mas estará sem bússola e sem norte no momento do “furacão” inevitável da dor moral.

Jorge Hessen
http://jorgehessen.net

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: JT em 16 de Novembro de 2010, 09:01
Olá,

A internet veio revolucionar a comunicação, ou não?

E as salas de chat, que permitem que eu diga alguma coisa, sendo essa coisa recebida por imensas pessoas ao mesmo tempo e no tempodum clic?

Posto isto, reflitam comigo p.f. , com mente aberta:

1- o tempo, no tempo de Kardec, media-se com relógios de corda e não eram suíços;
2- tudo podia ser feito por um único espírito;
3- a razão tanta vez nos engana, no lo diz a ciência;
4- a maioria nem sempre tem razão;
5- ...

Abraço,
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 16 de Novembro de 2010, 21:46
Amigos,...

No meu entender o artigo do Sr. Jorge Jensen demonstrou:

Idolatria à médiuns, a FEB e pasmém, aos Espíritos André Luiz e Emmanuel.

Ao aceitar tudo que vêm desses espíritos como verdades absolutas e que estão de acordo com a Codificação, não está sendo aplicada a razão.

Quem analisou a obra Nosso Lar?
Um grupo ligado a FEB?

Ok. Análise realizada conforme seus conhecimentos, que poderia não ser conforme à de todos espíritas da época.
Utilizaram somente um médium, editaram afirmando estar totalmente de acordo com a Codificação. À partir de então, após algum tempo, outra obras similares foram lançadas.

Portanto, o Sr. Jorge tem todo o direito de aceitar as obras de André Luiz e Emmanuel como espíritas. Mas, Kardec não aceitaria. Ele utilizaria a excelente mediunidade de Chico e escolheria outros médiuns para aplicação do CUEE, aí sim, teríamos as informações confirmadas ou não. Devido a esse início equivocado, as obras subsequentes às de Chico, são comparadas com suas obras e não às básicas.

Quem defende o CUEE, não está desrespeitando Chico, Divaldo, André Luiz, Emmanuel ou outros, pelo contrário, busca-se a confirmação das verdades e a separação da realidade e da ilusão, propiciando a doutrina seu caráter progressista.

Antes de ser uma afronta à FEB, médiuns ou espíritos é aplicar a razão, fé raciocinada e pincipalmente respeito a Kardec e Espíritos Superiores, mantendo a qualidade e principios básicos.

Abração!

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 18 de Novembro de 2010, 14:59
"Esses kardequeólogos, longe do uso do bom senso, insistem em divulgar a “progressista” tese de que se é preciso fugir do “Cristo Católico”, do religiosismo, do igrejismo no Espiritismo e transformá-lo numa academia de expoentes do “saber”, sob a batuta deles,obviamente!
Sob o império dessa compulsiva tendência filosófica, vão para a internet, redigem livrescos, artiguelhos, promovem palestras inócuas, aguilhoados às diretivas telepáticas dos “sabichões das sombras”.
Jorge Hessen

O Sr. Jorge, só pode estar de brincadeira.
Com esse artigo ele simplesmente, aplaude, segue, adota e entrega de "mão beijada" a doutrina aos espiritólicos, engessando-a e transformando na Igreja Espírita Apostólica Cristã,.....à brasileira.

Quem está realmente aguilhoado aos “sabichões das sombras”??

Abração!

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Mourarego em 18 de Novembro de 2010, 16:16
Silvio mano meu,
o Jorge, sabemos nós e a torcida do Flamengo, se pensa um ser acima de todos, e por isso não vê, mesmo nesse excerto que você trás, a sua pena torta a mostrar indelevelmente a qualidade de Espírito que ainda é.
Se houvesse escrito neste artigo muita coisa boa, o mesmo viraria, tomando empresta as palavras dele mesmo, um "artiguelho", só pelo preconceito que suas palavras trazem.
Sabe por que muitos não têm esta visão mano? porque ficam apenas no ôba, ôba... Quer dizer, ficam apenas no "Que lindo", no "adorei", sem observarem o que ensina a codificação para que se faça com toda e qualquer mensagem.
Você mandou bem quando trouxe esse excerto.
abração ,
Mano.
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 27 de Novembro de 2010, 19:26
Amigos,...
Portanto, o Sr. Jorge tem todo o direito de aceitar as obras de André Luiz e Emmanuel como espíritas. Mas, Kardec não aceitaria. Ele utilizaria a excelente mediunidade de Chico e escolheria outros médiuns para aplicação do CUEE, aí sim, teríamos as informações confirmadas ou não. Devido a esse início equivocado, as obras subsequentes às de Chico, são comparadas com suas obras e não às básicas.

Quem defende o CUEE, não está desrespeitando Chico, Divaldo, André Luiz, Emmanuel ou outros, pelo contrário, busca-se a confirmação das verdades e a separação da realidade e da ilusão, propiciando a doutrina seu caráter progressista.

Antes de ser uma afronta à FEB, médiuns ou espíritos é aplicar a razão, fé raciocinada e pincipalmente respeito a Kardec e Espíritos Superiores, mantendo a qualidade e principios básicos.

Abração!

Olá a todos,
Boa tarde Sr. Silvio Matos,
Gostei da sua postagem, principalmente na qual grifei em negrito.
Será que já não foi feito isto? Pois, citações de cidades espirituais, já vieram através de diversos médiuns, não somente do Brasil, e a mais recente de uma menina chamada AKIANI KRAMARIK, que desde os 04 anos, exerce a sua arte, será que também a embuste?
 
Abraços,
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: rwer em 27 de Novembro de 2010, 20:30
Salve, pessoal,

Ô, Luiz Francisco,

Fico imaginando como será, daqui a algumas décadas (?), quando a gente retornar ao Astral.
Eis duas hipóteses:



1 - O pessoal anticolônias é recebido carinhosamente em sua Colônia de origem, a despeito do espanto com que perceberão:

 - "Não passou pelo CUEE e, no entanto, existe!"

2 - Ou os que aceitam o mundo astral objetivo, incluindo cidades - ao serem recebidos no éter, por almas em corpos de "fumacinha":

- "Parecia tão lógico, real... Mas agora vejo que me enganei!"



Ok, se a última hipótese me acontecer, em nada vai alterar meu amor por Deus, minha alegria de viver e o convívio feliz com a vida que me cerca.

Agora, se um adepto da fumacinha acordar num leito "colonial",  só terá de esperar plena recuperação pra ter de aguentar alguns amigos gozadores dizendo:

- "Eu não disse?" rsrsrs


Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 28 de Novembro de 2010, 12:41
Caros,....

"Conhecereis a VERDADE e ela vos LIBERTARÁ.

Quanto a menina AKIANI, só tenho a elogiar suas obras, tanto quanto a qualidade e beleza, mas daí, quere provar a existência de colônias, tem uma grande distância.
Na Gênese, temos uma explicação pra todos que têm visões e divulgam conforme seus talentos, pinturas em telas ou igrejas, livros, músicas, etc....
Abração!

27. – A visão espiritual é necessariamente incompleta e imperfeita entre os Espíritos encarnados e por conseqüência, sujeita a aberrações. Tendo seu centro na própria alma, o estado da alma deve influir sobre as percepções que propicia. Conforme o grau de seu desenvolvimento, as circunstâncias e o estado moral do indivíduo, ela pode dar, seja no
sono, seja no estado de vigília: 1° a percepção de certos fatos materiais reais, como o conhecimento de ocorrências que se passam ao longe, os pormenores descritivos de uma localidade, as causas de uma doença e os remédios convenientes; 2° a percepção de coisas igualmente reais do mundo espiritual, como a visão dos Espíritos; 3° imagens fantásticas criadas pela imaginação, análogas às criações fluídicas do pensamento. (Veja acima n° 14)
Estas criações estão sempre correlatas com as disposições morais do Espírito que as produza. É assim que o pensamento de pessoas fortemente imbuídas e preocupadas com certas crenças religiosas lhes apresenta o inferno, suas caldeiras, suas torturas e seus demônios, tais quais se as afiguram: é por vezes, toda uma epopéia; os pagãos viam o Olimpo e o Tártaro como os cristãos vêem o inferno e o paraíso. Se, ao despertar ao sair do êxtase, estas pessoas conservam uma lembrança precisa de suas visões, estas se tornam realidades e confirmações de sua crença, embora isto seja apenas o produto de seus próprios pensamentos. (1) Há, pois, uma escolha muito rigorosa a fazer nas visões estáticas antes de aceitá-las. O remédio à excessiva credulidade, sob estas relações, é o estudo das
leis que regem o mundo espiritual.
____
(1) É assim que se pode explicar as visões da Irmã Elmerich, que se reportando ao tempo da Paixão de Cristo, disse que viu coisas materiais que nunca existiram senão nos livros que lera; aquela da senhora Cantanille (5HYXH6SLULWH, ago. 1866, pág. 240) e uma parte daquelas de Swedenborg.

28. – Os sonhos propriamente ditos apresentam as três naturezas de visões descritas anteriormente. É às duas primeiras que cabem os sonhos de previsão, pressentimentos e advertências; é na terceira isto é, nas criações fluídicas do pensamento que se pode encontrar a causa de certas imagens fantásticas que nada têm de real em relação à vida
material, mas que têm para o Espírito uma realidade por vezes tais, que o corpo suporta o contragolpe e que se tem visto os cabelos embranquecerem sob a impressão de um sonho.
Estas criações podem ser provocadas: pelas crenças exaltadas; por lembranças retrospectivas, pelos gostos, os desejos, as paixões, o medo, os remorsos, pelas preocupações habituais; pelas necessidades do corpo, ou um incômodo nas funções do organismo; enfim, por outros Espíritos, com um objetivo benévolo ou malévolo, conforme sua natureza. (1)
____
(1) 5HYXH6SLULWH – jun. 1866, p. 172 – set. 1866, p. 184. – Livro dos Espíritos, cap. VIII, n° 400)

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 28 de Novembro de 2010, 13:00
Salve, pessoal,

Ô, Luiz Francisco,

Fico imaginando como será, daqui a algumas décadas (?), quando a gente retornar ao Astral.
Eis duas hipóteses:



1 - O pessoal anticolônias é recebido carinhosamente em sua Colônia de origem, a despeito do espanto com que perceberão:

 - "Não passou pelo CUEE e, no entanto, existe!"


2 - Ou os que aceitam o mundo astral objetivo, incluindo cidades - ao serem recebidos no éter, por almas em corpos de "fumacinha":

- "Parecia tão lógico, real... Mas agora vejo que me enganei!"



Ok, se a última hipótese me acontecer, em nada vai alterar meu amor por Deus, minha alegria de viver e o convívio feliz com a vida que me cerca.

Agora, se um adepto da fumacinha acordar num leito "colonial",  só terá de esperar plena recuperação pra ter de aguentar alguns amigos gozadores dizendo:

- "Eu não disse?" rsrsrs

Parabéns pelo bom humor Ram-Wer. ;D

Se eu descobrir a existências de colônias também em nada vai alterar meu amor por Deus, minha alegria de viver e o convívio feliz com a vida que me cerca. Os ortodoxos também amam e são felizes, te garanto.  ;D

Importante observar que se não existem tais colônias, zonas umbralinas, vale dos suicidas, dos tatuados, larvas espirituais, vampirismo, crianças índigo, ovóides, etc.....não ficarei com a consciência pesada de ter ensinado e divulgado esses equivocos ou conjecturas e ter levado milhões de pessoas a acreditar nisso e pior,.....desencarnar  e procurar ou vivenciar essas "realidades". :'(

Pessoal,..não esqueçamos a missão dos Espíritos Superiores,.....

627. Desde que Jesus ensinou as verdadeiras leis de Deus, qual é a utilidade do ensinamento dado pelos Espíritos? Têm eles mais alguma
coisa para nos ensinar?


– O ensino de Jesus era freqüentemente alegórico e em forma de parábolas, porque ele falava de acordo com a época e os lugares. Fazse
hoje necessário que a verdade seja inteligível para todos. É preciso, pois, explicar e desenvolver essas leis, tão poucos são os que as
compreendem e ainda menos os que as praticam. Nossa missão é a de despertar os olhos e os ouvidos, para confundir os orgulhosos e
desmascarar os hipócritas: os que afetam exteriormente a virtude e a religião para ocultar as suas torpezas. O ensinamento dos Espíritos
deve ser claro e sem equívocos, a fim de que ninguém possa pretextar ignorância e cada um possa julgá-la e apreciá-lo com a sua própria
razão. Estamos encarregados de preparar o Reino de Deus anunciado por Jesus, e por isso é necessário que ninguém venha a interpretar a lei
de Deus ao sabor das suas paixões, nem falsear o sentido de uma lei que é toda amor e caridade 41.


Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: psi em 28 de Novembro de 2010, 17:52
Olá Raw e amigos.

Assim tive oportunidade de me manifestar em outro tópico:

 
Segundo o ESE, o mundo onde ora estagiamos é de provas e expiações. Os espíritos que aqui vivem, em sua  maioria são espíritos inferiorizados, e ainda apegados à materialidade. Basta darmos uma olhada a nossa volta. Quantos de nós, espíritos encarnados, podem se considerar desapegados da matéria, com os seus pensamentos no dia a dia voltados para a espiritualidade, e não para a materialidade da vida?

Ora, e o que esperaríamos encontrar em nosso mundo espiritual?
Vamos esperar que essa maioria de espíritos materializados, apenas por mudar de dimensão, mude a sua forma de pensar? Como sabemos, o pensamento é criador. E o que esperar dessa imensa quantidade de espíritos materializados, senão o convívio com  a matéria que criam?

Ninguém aqui está preconizando que a vida em uma colônia é o ideal para nós. Somos espíritos, seres imateriais, em busca da angelitude, mas ainda temos muito o que evoluir. À medida que evoluimos, nos desmaterializamos e nos aproximamos de nossa essência, que é divina.

Eu vejo aqui vários amigos se comportando como se já vivêssemos em um mundo superior, onde já não existe a influência da matéria. Ninguém vai encontrar colônias e vida material em mundos divinos, onde vivem espíritos puros e cujos pensamentos não trazem mais a materialidade da vida, e sim a nossa essência divina, em comunhão com Deus.
Até chegarmos lá, vamos conviver com maiores ou menores graus de materialidade, de acordo com nossa evolução espiritual. 

O mais importante, creio eu, não é ficarmos discutindo a materialidade do mundo espiritual, que no estágio evolutivo do nosso planeta, é inevitável; mas sim buscarmos a todo o custo a nossa evolução moral, e a nossa ascensão a um mundo mais evoluído e mais feliz.


Um abraço


PSI

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 29 de Novembro de 2010, 15:27
O mais importante, creio eu, não é ficarmos discutindo a materialidade do mundo espiritual, que no estágio evolutivo do nosso planeta, é inevitável; mas sim buscarmos a todo o custo a nossa evolução moral, e a nossa ascensão a um mundo mais evoluído e mais feliz.

Entendo sua preocupação, que aliás, é de todos nós, com os aspectos Morais e ascensão a um mundo mais evoluído, amigo PSI, mas lembro, que o objevo da Codificação vai muito além disso e o desenvolvimento intelectual precede o moral.

Abração!

780. O progresso moral segue sempre o progresso intelectual?

– É a sua conseqüência, mas não o segue sempre imediatamente. (Ver itens 192-365).

780-a. Como o progresso intelectual pode conduzir ao progresso moral?
– Dando a compreensão do bem e do mal, pois então o homem pode escolher. O desenvolvimento do livre arbítrio segue-se ao desenvolvimento da inteligência e aumenta a responsabilidade do homem pelos seus atos.

Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Mourarego em 29 de Novembro de 2010, 15:39
Isso ai Silvio, mas deixa eu dar um exemplo ligado aos aficcionados do automobilismo.
Vemos quando algum piloto mais antigo fala em giclês, difusores e injetores, que muitos mecân icos já com mjuita estrada ainda usam de nomes diferentes ou englobam tudo num só nome.
São coisas diferentes.
No caso espec[ífico dos injetores, estes são compostos por dois tipos de pequenas perfurações, no caso dos carros ainda aspirados (com carburadores), mas estes mecânicos dizem apenas injetor.
Na verdade um injetor, tem essas duas classes de pequenos orifícios e estes são conhecidos pelo nome técnico de orifícios de by pass. cada classe é produzida em especificação diferente, quer dizer estes buracos são uns maiores que os outros. Se estes mecânicos tivessem feito algum curso, por certo diriam a informação correta.
Mas o que tem isso com o resposta acertada do Silvio? Eu digo: Tudo a ver!!!
O Estudo conferiria a eles um conhecimento que os afastaria das respostas eivadas de vício do saber e é ai que o estudo, alargando o intelecto dá e trás a ele informações seguras.
Em se tratando da doutrina o mesmo estudo, também alarga o contingente intelectual trazendo ao estudante não só informações acertadas e dentro dos pormenores doutrinários, mas, o faz compreender que o uso destas informações no seu dia a dia, repercutirá nas ações cometidas com maior contingente de moralidade e assim, a parte moral também há de seguir ao intelecto.
abraços,
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Silvio Matos em 30 de Novembro de 2010, 14:49
Mandou bem Mano Moura,....sou fã de automobilismo e o exemplo caiu bem no tema, possibilitando um correto entendimento.

Abração!
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 02 de Dezembro de 2010, 10:44
Olá a todos,
Estou trazendo para este tópico, uma citação do Sr. Moura em outro tópico, de que: "O método do CUEE, não foi uma criação de Kardec e sim que: foram os Espíritos Superiores que passaram a Kardec e este somente fez uso deste.

Trago algumas citações:
A doutrina, diz Kardec, está toda em O Livro dos Espíritos, na forma como lhe foi passada pelos Espíritos Superiores.
abração,
Moura


No caso, da doutrina, foram os Espíritos superiores, que passaram o método a kardec e podemos ter esta convicção reforçada quando lemos logo ao início da obra esta parte:
"Ocupa-te, com zelo e perseverança, do trabalho que empreendeste com o nosso concurso, porque esse trabalho é nosso. Nele pusemos as bases do novo edifício que se eleva e que um dia deverá reunir todos os homens num mesmo sentimento de amor e caridade; mas, antes de o divulgares, revê-lo-emos juntos, a fim de controlar todos os detalhes.(...).

Ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/artigos-espiritas/pseudo-verdades-espiritas/60/#ixzz16woheEyj

Se fosse verdade este entendimento, não haveria um entendimento ambíguo por parte do codificador, pois logo seria conforme inserção trazida pelo Sr. Moura: “mas, antes de o divulgares, revê-lo-emos juntos, a fim de controlar todos os detalhes.(...).

Qual seria este entendimento ambíguo?


Refere-se ao caso de possessão questão 473 LE, e na obra LM, quando o codificador nega a possibilidade de um Espírito usar o corpo de um Espírito encarnado. Após o caso dos “possessos de Morzini”, retorna atrás e declara ter sido demonstrada a possessão.

Dentro do CUEE mesmo, o Sr. Allan Kardec explica como coloca em ação o método da concordância:
"Na nossa posição, recebendo as comunicações de perto de mil centros espíritas sérios, disseminados sobre os diversos ponto do globo, estamos em condições de ver os princípios sobre os quais essa concordância se estabelece; é esta observação que nos tem guiado até hoje, e é, igualmente a que nos guiará nos novos campos a que o Espiritismo está chamado a explorar".
Mais a frente.
"É este o movimento geral que observamos, que estudamos, com a assistência dos nossos guias espirituais, e que nos ajuda a julgar da oportunidade para fazermos uma coisa ou dela nos abstermos".
 
Eis aí, o codificador explicando o motivo de aplicar o método da concordância dos ensinos e que os seus guias espirituais dão a assistência.
 
Ou seja, o método de controle foi criado por Allan Kardec, com a assitência dos seus guias.
 
Senão fosse assim, seria diminuir o grande trabalho do Sr. Allan Kardec.

Abraços,
 
 





Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Mourarego em 02 de Dezembro de 2010, 15:03
Amigo Luiz,
se o amigo não fosse tão apressado e se desse ao pequeno  trabalho de vistoriar a obra indicada, por certo encontraria no título "Prolegômenos", a íntegra da minha citação.
Logo, não é mera suposição ou opinião minha mas sim doutrina clara e isenta de interpolações.

E faz ainda pior e demonstra assim, sem contradita o seu imenso desconhecimento da doutrina:
Atrela a uma coisa ou um ponto doutrinário passado tal como está em profegômenos, na forma como foi  pelos Espíritos Superiores ( esta informação também não é minha mas da doutrina e se a pode encontrar no LE), outro fato, este bem posterior como o aludido e referenciado na Revista Espírita de 1862 no mes de dezembro sob o título de Estudo sobre os possessos de Morsines".
Ora se um fato é posterior logo não cabe identificar numa aferição conferida ao codificador, nenhuma jaça.
Primeiro porque ao que ele explica não há de forma alguma a intrusão de um Espírito outro num corpo já adotado e utilizado por outro Espírito.
Segundo porque explica Kardec que sobre a possessão esta não existe sob o caráter que a igreja a tem, ou seja, como possessão demoníaca e isso se explica pelo fato de não existirem os tais demônios. claro!
Como se vê o amigo ao invés de procurar estudar, priva-se deste progresso intelectual e frustra a si mesmo de em obtendo tal progresso, poder alastrar, depois e a seu tempo, o outro progresso, este o moral.
Mas qual, fixa-se em minudências não verdadeiras, parte de suposições sem lastro na doutrina e se perde, fazendo com isso com o que todos nós, também percamos o nosso tempo observando uma crítica falsa e sem abraço naquilo que deva nos ser sempre o fiel da balança, a doutrina Espírita.
Mas ainda há tempo meu amigo, estude, largue de querer achar chifres em cabeças de burros, pois que estes não existem.
Antes de postar abra os compêndios doutrinários e procure bem ver se está certa ou errada a sua postagem.
Para combater doutrina amigo use apenas a doutrina e não se deixe levar pela falsa apreensão de que já detenha mesmo a parte inicial na mente.
Aqui, meu mano, como diz o personagem da TV o Ratinho, "tem café no bule".
Abraços,
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 02 de Dezembro de 2010, 15:34
Olá a todos,
Boa tarde, Sr. Moura,

Novamente tentando desviar do assunto principal, que é o método CUEE foi inventado pelo Sr. Allan Kardec para ter uma concordância dos ensinos dos Espíritos.
 
Que não seria necessário buscar em outra fonte (prolegâmenos), para sustentar o seu entendimento.
Pois o codificador se explicou ali mesmo quando falou do CUEE. Já coloquei na postagem anterior.
 
Quanto citei a ambiguidade, foi porque existiu. Ora se o método é dos Espíritos Superiores, que se antes de divulgar seria feito uma revisão em conjunto. Porque o Sr. Allan Kardec passou o entendimento de que não havia possessão. Cadê a revisão?
 
Que o codificador mudou de opinião, lá isso mudou e não há como contestar, como segue abaixo, o que está escrito na Gênese capítulo XIV:
 
Na possessão, em lugar de agir exteriormente, o Espírito livre se substitui, por assim dizer, ao Espírito encarnado; faz eleição de domicílio em seu corpo sem que, contudo este o deixe definitivamente, o que não pode ter lugar senão com a morte. A possessão é, pois, sempre temporária e intermitente porque um Espírito desencarnado não pode tomar definitivamente o lugar e dignidade de um Espírito encarnado, atentando que a união molecular do perispírito e do corpo só pode se operar no momento da concepção. (Cap. XI, n° 18)
 
O Espírito, na posse momentânea do corpo, serve-se dele como do seu próprio; fala por sua boca, vê pelos seus olhos, atua com seus braços como se tivesse feito de sua vivência. Não o é mais como na mediunidade psicofônica onde o Espírito encarnado fala transmitindo o pensamento de um Espírito desencarnado; é este último ele próprio que fala e que atua e se o tiver conhecido em vida, reconhecê-lo-á pela sua linguagem, sua voz, pelos seus gestos e até pela expressão de sua fisionomia.
 
48. – A obsessão é sempre uma ocorrência de um Espírito malfeitor. A possessão pode ser a atuação de um bom Espírito que quer falar e, para causar maior impressão em seu ouvinte, toma emprestado o corpo de um encarnado que este lhe empresta voluntariamente como se emprestasse sua veste. Isso se faz sem nenhuma perturbação nem mal estar, e durante este tempo o Espírito se encontra em liberdade como no estado de emancipação, e, mais freqüentemente ele se coloca ao lado de seu reintegrante para escutá-lo.
 
Quando o Espírito possessor é mau, as coisas se passam diferentemente; ele não toma emprestado o corpo; ele se apodera, se o titular não possuir força moral a lhe resistir. Ele o faz por maldade para com o dito, a quem tortura e martiriza de todas as maneiras, até querer fazer com que pereça, seja pelo estrangulamento, seja colocando-o no fogo ou em outros lugares perigosos. Servindo-se dos membros e dos órgãos do desditoso paciente, blasfemeia; injuria e maltrata os que o cercam; libera-se a estas excentricidades e a atos que tenham todas as características de loucura furiosa.
 
Se, assim o for, teremos, uma ambiguidade de ensinamento do LE, LM, RE e Gênese.
 
Não adianta vir com chacotas, pois o pensamento correto é que o método da concordância dos ensinos dos Espíritos é de Allan Kardec, com assistência dos seus guias.
 
Abraços,
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Mourarego em 02 de Dezembro de 2010, 15:56
Luiz,
repito:
Estude mais a doutrina!
Kardec nunca disse que a possessão seria em caráter senão inconstante, posto que se fosse direta e constante mataria ao encarnado.
No caso que o você trás está evidenciada a possessão maléfica ou seja a produzida por um mau Espírito. Logo há tamb´pem e explicada tanto no LE quandpo na RE a possessão benígna, leia sobre antes de ficar forçando barra em ambiguidade inexistente
Primeiro porque este caso em espécie o dos Possessos de Morzines, cidade Francesa, é posterior a edição da segunda edição do LE, logo, não pode estar configurado como amostra de ambiguidade.
Segundo, porque São mesmo os Espíritos superiores quem o afirmam e não eu: "OS Espíritos superiores NUNCA se contradizem", logo decai qualquer afirmativa fraca e desconectada da doutrina que o amigo possa fazer.
A não ser, para aludir a chacota da qual o amigo diz, outra vez inverídicamente que eu a tenha feito antes, que o amigo tenha se tornado um Puro Espírito, e assim, acima dos Superiores pudesse fazer doutrina, mas... ledo engano, nem os Puros Espíritos poderiam, visto que a doutrina ensina, caro mancebo, que toda a doutrina é Emanação Divina, logo do próprio Deus.
Estude Kardec, aprenda com Kardec, mas sem querer achar em Kardec apoio para as suas vãs suposições.
Termino aqui esse papo brabo.
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: LuizFrancisco em 02 de Dezembro de 2010, 17:07
Olá a todos,
Boa tarde Sr. Moura,

Trago para refrescar a sua memória uma postagem sua em outro tópico:

Sim mano Luiz, Kardec começou não aceitando a possessão, chegou mesmo a desvincula-la da possessão demoníaca pregada pelo catolicismo, no que acertou em cheio, mas ainda não tinha a possessão tal como ela o é, já que a enquadrava numa forma forte de subjugação.
após os casos da Srta. Julie, dos Possessos de Morzines e de muitos outros que ele relata na Revista Espírita inclusive contando as causas de alivio a este estado, ele aceitou o termo possessão tal com é, como uma ação mais forte e direta sobre um Espírito já enfraquecido pela subjugação.
abração,
Moura
Ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-livro-dos-mediuns/possessao-subjugacao-ou-incorporacao/msg153878/#msg153878#ixzz16yT3vTWD

E novamente desvirtua do assunto principal:
 (Moura) - Primeiro porque este caso em espécie o dos Possessos de Morzines, cidade Francesa, é posterior a edição da segunda edição do LE, logo, não pode estar configurado como amostra de ambiguidade
 
Para o codificador é acertado esta afirmativa, mas para os Espíritos Superiores não era, pois eles sabiam, e se sabiam, torna-se ambíguo sim.
 
E novamente coloco: Dentro do CUEE mesmo, o Sr. Allan Kardec explica como coloca em ação o método da concordância:
"Na nossa posição, recebendo as comunicações de perto de mil centros espíritas sérios, disseminados sobre os diversos ponto do globo, estamos em condições de ver os princípios sobre os quais essa concordância se estabelece; é esta observação que nos tem guiado até hoje, e é, igualmente a que nos guiará nos novos campos a que o Espiritismo está chamado a explorar".
 
Abraços,
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Mourarego em 02 de Dezembro de 2010, 19:22
Luiz meu amigo,
estude no LE o capítulo IX, Intervenção dos Espíritos No Mundo Corpóreo, notadamente as questões 473 e 474.
ali está a palavra do codificador.
Mas para aprender po todo sobre o que entende a doutrina por possessão avalie as mensagens da Revista Espírita. Não se frustre em procurar só na de 1862, pois estas começaram no ano de 1858 e tiveram término em 1868.
Para acabar de vez com esta que se transforma cada vez mais numa lenga lenga sem valor eu apreciaria que o amigo se detivesse nessa colocação dos Espíritos Superiores:
"Os Espíritos Superiores procedem, nas suas revelações, com extrema prudência. Só abordam as grandes questões da doutrina de maneira gradual, à medida que a inteligência se torna apta a compreenderas verdades de uma ordem mais elevada, e que as circunstâncias são propícias para a emissão de uma idéia nova. Eis porque, desde o começo, eles não disseram tudo, e nem o disseram até agora, não cedendo jamais à impaciência de pessoas muito apressadas, que desejam colher os frutos antes de amadurecerem. Seria, pois, inútil, querer antecipar o tempo marcado pela Providência para cada coisa, porque então os Espíritos verdadeiramente sérios recusam-se positivamente a ajudar."

A julgarmos por este excerto que se pode encontrar no ESE item II  da introdução, sob o título de "Autoridade da Doutrina Espírita", podemos compreender melhor o que já disse e repeti.
Para a doutrina um fato posterior há de ser estudado em sua posterioridade.
Trazê-lo a frente do seu tempo, é antes de tudo falta de discernimento lúcido pois grita a razão que ao tempo no qual se o quer colocar como prova ou indício de ambiguidade, configura erro pueril, já que ele não tinha ainda acontecido.
é por isso que convido ao amigo o estudo dos tomos da Revista Espírita pois não é só o caso dos Possessos de Morzines que lá existe, como exemplo de que me lembro de outro deles citaria  o que leva o título de " A Possessão da Srta. Julie".
Como já lhe adverti, anteriormente, "aqui tem café no bule", mano Luiz.
Abraços,
Moura
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Meiga em 02 de Dezembro de 2010, 22:37
Boa Noite,

Sou visitante que gosta muito deste Fórum.
Quanto a este tema, qual o entendimento de Kardec quanto a possessão. Pelo que o Luiz Francisco informou o Mourarego trouxe duas opiniões conflitantes. Qual era o verdadeiro entendimento de Kardec, ele mudou de opinião mesmo?

Deus abençoe a todos,
Gab
Título: Re: Debate sobre o CUEE, a Escala Espírita, etc.
Enviado por: Mourarego em 03 de Dezembro de 2010, 15:14
Não há nenhum conflito meus amigos.
Novamente esclareço: KARDEC  a co0meço de seus estudos (notem eu disse Kardec), emitiu sua opinião dentro do lhe fora passado pelos Espíritos. anos após, observando uma quantidade de casos de possessão  acontecido em diversas cidades, veio a concluir que esta existia sim, não sob a roupagem de simples subjugação mas sim numa esfera de subjugação física e psíquica muito superior ao que pensava ser antes.
é que meus amigos, os Espíritos não estão a nossa volta para nos resolverem problemas que a nós mesmos é dado ciência para resolvê-los.
eles mesmos dizem isso querem ver?
"É preciso não perder de vista que a missão dos Espíritos é de nos instruir, de nos melhorar, mas não de se substituir à iniciativa de nosso livre arbítrio; eles nos sugerem pensamentos, nos ajudam com os seus conselhos, sobretudo no que toca às questões morais, mas deixam ao nosso julgamento o cuidado da execução das coisas materiais que não  têm por missão nos poupar. Que os homens se  contentem por serem assistidos e protegidos pelos bons Espíritos, mas que não descarreguem neles a  responsabilidade que incumbe ao papel do encarnado."
Esta a fala dos Espíritos Superiores, que pensava que todos a tivessem em mente.
O Estudo é a nós conferido como via de auferirmos o conhecimento, este é que nos leva ao progresso, quer material (intelectual), quer moral.
Se deixamoas aos Espíritos esta quest~]ao, podemos arranjar tamb´-em uma cadeira bem confortável pois iremos esperar muito e que, então, seja sentado, não? :)
Com a perseverança no estudo da possessão, observando o caso dos Possessos de Morzines, uma onda de possessões que se alastrou sobre tal cidade, Kardec verificou que tudo o que dissera antes estava correto sob certa vertente, ou seja, que a possessão não tem caráter permanente, não´tem o caráter e a vestimenta que a igreja lhe confere ou seja a de ser demoníaca, mas que se opera frustrando ao encarnado qualquer condição de defesa.
Daí sim, incluiu o item das possessões com se pode ret4er de um estudo feito nos 12 tomos da Revista Espírita.
Este estudo não cabe só a mim, posto que já o fiz e refiz algumas vezes, mas sim a todos nós que nos dizemos Espíritas, mas qual, lemos aqui uma pequena pincelada, e pronto, já sabemos tudo "estamos por cima da carne seca", ouro de tolos meus amigos.
Perseverança e seriedade estas as condições indicadas pelos Espíritos Superiores logo ao início do LE e para que não me venham desacreditar, e já me desculpando por outra "colagem" aqui vai a parte indicada:
"Acrescentemos que o estudo de uma doutrina como a espírita, que nos lança de súbito numa ordem de coisas tão nova e grande, não pode ser feito proveitosamente senão por homens sérios, perseverantes, isentos de prevenções e animados de uma firme e sincera vontade de chegar a um resultado. Não podemos classificar assim aos que julgam a priori, levianamente, sem terem visto tudo: que não imprimem aos seus estudos nem a continuidade, nem a regularidade e a recolhimento necessários; e menos ainda aos que para não diminuírem a sua reputação de homens de espírito, esforçam-se por encontrar um lado burlesco nas coisas mais verdadeiras ou assim consideradas por pessoas cujo saber, caráter e convicções merecem a consideração dos que se prezam de urbanidade.
Que se abstenham, portanto, os que não julgam os fatos dignos de sua
atenção; ninguém pretende violentar-lhes a crença, – mas que eles também saibam respeitar as dos outros.
O que caracteriza um estudo sério é a continuidade. Devemos admirarnos de não obter respostas sensatas a perguntas naturalmente sérias, quando as fazemos ao acaso e de maneira brusca, em meio a perguntas ridículas? Uma questão complexa requer, para ser esclarecida, perguntas preliminares ou complementares. Quem quer adquirir uma Ciência deve estudá-la de maneira metódica, começando pelo começo e seguindo o seu encadeamento de idéias." Allan Kardec sob o abraço do CUEE
Abraços,
Moura