Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: HelenaBeatriz em 10 de Julho de 2012, 00:21

Título: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HelenaBeatriz em 10 de Julho de 2012, 00:21
Animais também têm consciência, dizem neurocientistas

Pesquisadores publicaram manifesto mostrando que, com base na análise de ondas cerebrais, não há como dizer que só seres humanos têm consciência
Marco Túlio Pires


A pesquisa foi realizada na empresa Replacements, Ltd., localizada na cidade de Greensboro, na Carolina do Norte


São Paulo - Um grupo de 13 neurocientistas, incluindo o canadense Philip Low, criador do iBrain, dispositivo que vai ajudar o físico Stephen Hawking a se comunicar usando a mente, assinou uma declaração neste sábado em Cambridge, na Inglaterra, afirmando que alguns animais, como pássaros, macacos, elefantes, golfinhos, polvos, cães e gatos, possuem consciência, assim como os seres humanos.

É a primeira vez que um grupo de especialistas da área se reúne para emitir um comunicado formal admitindo que os seres humanos não são os únicos a gozarem de consciência, segundo apontou Low, que também é professor do MIT (Massachusetts Institute of Technology, nos EUA).

O anúncio foi feito durante a Francis Crick Memorial Conference, na Universidade Cambridge, na Inglaterra. Treze especialistas se reuniram para apresentar os últimos resultados científicos em pesquisas que tentam reinterpretar a consciência. Os cientistas pretendem mostrar que ao analisar o sinal cerebral de humanos e outros animais, é possível encontrar semelhanças básicas.

"A neurociência está evoluindo rapidamente por causa do avanço tecnológico e por isso precisamos tirar novas conclusões", disse Low. "As evidências mostram que os seres humanos não são os únicos a apresentarem estados mentais, sentimentos, ações intencionais e inteligência", afirmou. "Está na hora de tirarmos novas conclusões usando os novos dados a que a ciência tem acesso."

iBrain - O físico Stephen Hawking faria uma aparição durante a conferência para demonstrar a tecnologia do iBrain, um dispositivo que o ajudará a se comunicar utilizando a mente, mas não compareceu. Em comunicado, lamentou sua falta e disse apoiar a iniciativa dos cientistas.

Hawking é vítima de uma doença degenerativa que o deixou completamente paralisado ao longo de seus 70 anos de vida. Ele é o sobrevivente de maior longevidade da Esclerose Lateral Amiotrófica, uma rara doença que acaba com o movimento dos músculos e provoca a morte do paciente alguns anos depois de diagnosticada – e, no entanto, o físico já convive com a doença desde os 21 anos.

Marco Túlio /revista VEJA
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Anton Kiudero em 10 de Julho de 2012, 01:11
Claro que os animais tem um tipo de consciencia. As plantas tambem o tem e mesmo os minerais a possuem.
O espírito não evolui do atomo ao anjo? Portanto o atomo tambem possui uma consciencia, embrionaria sem duvida, mas que faz com que o microuniverso do atomo se mova (tenha vida). Sempre executando a vontade de Deus.


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: ram-wer em 10 de Julho de 2012, 01:48
Oi, Heleninha! 

A ciência oficial é meio hilária, rsrs.  Qualquer criança maior de idade (3 anos) sabe que os bichinhos têm consciência e são diferentes daqueles outros, os peluciosos. :D

Beijão, Ram



Sim, Anton, tudo o que existe deve ter algum tipo de vida e, logo, alguma consciência.

Não importa em que grau.


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Vitor Santos em 10 de Julho de 2012, 12:07
Olá

Para verificar que os animais são inteligentes e têm consciência, basta observá-los. Não é preciso ser cientista. Também é preciso compreender que, embora inteligentes, estão muito longe do homem, mesmo as espécies mais inteligentes. Na minha opinião nós somos da mesma natureza espiritual do que os animais, mas com milhões de anos de evolução espiritual de diferença. O homem pré-histórico era pouco mais inteligente do que os animais mais inteligentes da Terra. Mas já lá vão milhões de anos.

O homem é demasiado orgulhoso, e por isso, não vê o óbvio. Prefere "ter razão", do que  pensar um pouco. Chega ao ponto de pensar que Deus criou o universo apenas para ele. E que criou os animais apenas para servir o homem.  Alguns até pensam que Deus criou o universo apenas para as pessoas do planeta Terra. E outros  pensam que são tão importantes, que Deus é que supervisiona directamente as suas vidas.

Já imaginar que as pedras têm consciência, é passar do 8 ao 80. Não tem base cientifica, nem espiritual. É uma superstição, sem fundamento, em meu entender. Para os espíritas que leiam o Livro dos Espíritos, isto está claro como água (água limpa, claro, eheheheh!):

Citar
Os minerais e as plantas

585. Que pensais da divisão da Natureza em três reinos, ou melhor, em duas
classes: a dos seres orgânicos e a dos inorgânicos? Segundo alguns, a espécie humana
forma uma quarta classe. Qual destas divisões é preferível?

“Todas são boas, conforme o ponto de vista. Do ponto de vista material, apenas há
seres orgânicos e inorgânicos. Do ponto de vista moral, há evidentemente quatro graus.”
Esses quatro graus apresentam, com efeito, caracteres determinados, muito embora
pareçam confundir-se nos seus limites extremos. A matéria inerte, que constitui o reino
mineral, só tem em si uma força mecânica. As plantas, ainda que compostas de matéria
inerte, são dotadas de vitalidade. Os animais, também compostos de matéria inerte e
igualmente dotados de vitalidade, possuem, além disso, uma espécie de inteligência
instintiva, limitada, e a consciência de sua existência e de suas individualidades. O homem, tendo tudo o que há nas plantas e nos animais, domina todas as outras classes por uma inteligência especial, indefinida, que lhe dá a consciência do seu futuro, a percepção das coisas extra-materiais e o conhecimento de Deus.


586. Têm as plantas consciências de que existem?

Não, pois que não pensam; só têm vida orgânica.


Resumindo a parte do LE acima:

- A matéria inerte, que constitui o reino mineral, só tem em si uma força mecânica
- As plantas, ainda que compostas de matéria inerte, são dotadas de vitalidade
- Os animais, também compostos de matéria inerte e igualmente dotados de vitalidade, possuem, além disso, uma espécie de inteligência instintiva, limitada, e a consciência de sua existência e de suas individualidades;
- O homem, tendo tudo o que há nas plantas e nos animais, domina todas as outras classes por uma inteligência especial, indefinida, que lhe dá a consciência do seu futuro, a percepção das coisas extra-materiais e o conhecimento de Deus.

O Livro dos espiritos diz claramente que só os animais e o homem são inteligentes. Ainda assim há uma grande variedade de espécies de animais. Se os cientistas o tivessem lido, poupavam muito trabalho. Ele foi publicado em 1857, pela primeira vez, salvo erro.

Muitos espíritas querem que as pedras sejam inteligentes. Querem, talvez, dizer, que há para aí homens ruins que são uns autênticos calhaus. Digam o que disserem estão no seu direito. Mas eu acho que o que eles dizem não tem jeito nenhum. E também estou no meu direito de emitir a minha opinião pessoal.

Dizem que o arcanjo já foi átomo primitivo. Mas não nos sabem definir o que é um "átomo primitivo". Nem sequer nos sabem dizer se se trata de algo que pertence à matéria bariónica, que é aquela que conhecemos, no fim de contas, ou se é algo que tem a haver com o elemento espiritual. Querem argumentar com uma frase que os transcende e que não entendem, e que pode até ser apenas simbólica.   

Com amigos assim (e são muitos), que dizem que a doutrina espirita diz que as pedras têm consciência, o que é um atributo dos seres inteligentes, logo é o mesmo que dizer que as pedras são inteligentes, o espiritismo não precisa de inimigos! Isto põe a doutrina a par de qualquer corrente supersticiosa, afastando-a da ciência. Será que é tão difícil entender isto?

bem hajam
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 10 de Julho de 2012, 16:10
Pois vamos à citação de OLE:
Lá diz: "Do átomo ao arcanjo, tudo se encadeia."
Observando-se que os "arcanjos" não são mais do que Espíritos que já hão de terem passados por todas as classes e ordens que OLE também conceitua e estuda, não podemos deixar de entender que são, Espíritos, da classe dos Puros.
Assim também o afirma a mesma obra.
Logo, não há que se pensar diferente, a não ser para criar confusão mística.Quanto a consciência dos animais relembrada em OLE eles a têm mas apenas em vida, porém quando desencarnam não têm côbro de si mesmos.
Sendo assim falamos em dois pontos distanciados e diferentes.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HamLacerda em 10 de Julho de 2012, 21:01
Em relação a essa atuação do espírito que começo pelo átomo, a questão 540 instrui alguma coisa:

"os Espíritos mais atrasados são úteis ao conjunto; enquanto ensaiam para a vida e antes de ter plena consciência de seus atos e seu livre-arbítrio, agem sobre alguns fenômenos dos quais são agentes inconscientes. Executam primeiro".


De forma alguma, meu caro, Lá não diz que estes ESPÍRITOS são átomos, diz que são seres primitivos. Ora, se estão falando de espíritos é obvio que já são espíritos muito mais avançados que os animais, e que estão na fase "infantil" da humanidade. São espíritos muito primitivos, não são animais e nem homens, propriamente ditos, mas estão entrando na fase hominal.

Usar desta questão para corroborar com a consciência da pedra, já é de mais, porque esta questão não tem nada a ver com isso.


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 10 de Julho de 2012, 23:08
Não mano, não diz e nem se refere a Espíritos como centro da resposta.
aliás toda a resposta explica sobre tema bem diferente e apenas por ilação, eivada se poderia chegar a tal conclusão.
Veja:
"598. A alma dos animais conserva após a morte s!ia individualidade e a consciência de si mesma?
– Sua individualidade, sim, mas não a consciência de si mesma. A vida
inteligente permanece em estado latente."
Ou ainda:
"600. A alma do animal, sobrevivendo ao corpo, fica num estado errante, como a do homem após a morte?
– Fica numa espécie de erraticidade, pois não está unida a um corpo.
Mas não é um Espírito errante. O Espírito errante é um ser que pensa e age por sua livre vontade; o dos animais não tem a mesma faculdade.
E a consciência de si mesmo que constitui o tributo principal do Espírito.
O Espírito do animal í classificado após a morte, pelos Espíritos incumbidos disso, e utilizado quase imediatamente: não dispõe de tempo para se pôr em relação com outras criaturas"

Acredito que o amigo abarca em sua ilação Espírito e átomo como seres iguais, embora se pararmos para pensar veremos sem dificuldade que o átomo não é um ser, aliás nem chega perto de sê-lo, enquanto que o espírito, ou seja, como dita a codificação:  23. Que é o espírito?
– O princípio inteligente do Universo.
Observe que o espírito aqui tratado vem com a inicial em minusculas, porém quando se quer retratar o "ser inteligente da creação", coloca-se "Espírito" sob inicial maiúscula.
Como vemos não acosto um til n as respostas dos Espíritos Superiores, e nem teço ilações, apenas constato.
Mas o amigo, se quiser, pode continua a pensar como queira.
abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Conforti em 19 de Julho de 2012, 03:25
      Ram-Wer     (ref #2)

      O amigo Ram escreveu:   

      A ciência oficial é meio hilária, rsrs.  Qualquer criança maior de idade (3 anos) sabe que os bichinhos têm consciência e são diferentes daqueles outros, os peluciosos.

        Cel: meu amigo, sinto discordar: a criança sonha q aquilo seja verdadeiro, o leigo imagina q seja, a ciência prova q é.
......................................................................
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 20 de Julho de 2012, 16:28
Resta saber oque se pensa ser "consciência".
abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Lucazan em 20 de Julho de 2012, 16:35
Mano moura,

O que os neurocientistas estão afirmando agora, a DE já afirmou há 150 anos atras.

A DE afirma que eles pensam, que são inteligentes e que não são simples máquinas.

594 Os animais têm uma linguagem?

– Uma linguagem formada de palavras e de sílabas, não; mas de um meio de se comunicarem entre eles, sim. Dizem muito mais coisas do que acreditais; mas sua linguagem é limitada às suas necessidades, como suas idéias.
 
595 Os animais têm o livre-arbítrio de seus atos?

– Eles não são simples máquinas, como se pode supor; mas sua liberdade de ação é limitada às suas necessidades e não se pode comparar à do homem. Sendo muito inferiores ao homem, não têm os mesmos deveres. Sua liberdade é restrita aos atos da vida material.

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 20 de Julho de 2012, 16:42
Exatamente mano Lucazan.
Animais podem mesmo pensar, ma de modo diminuto e restrito como indica a resposta, porém, não arrazoam, sobre o que pensam, vivem uma vida quase que puramente instintiva, que lhes dá esta espécie de inteligência.
E, valendo-me do mesmo OLE, relembro que lá também é ensinado que segundo as próprias palavras dos Espíritos Superiores, entende-se que "tal inteligência não é dotada de razão".
Sem razão não se tem a consciência plena, logo, e para findar com a mesma receita de OLE, devo lembrar que os animais só têm a a consciência de si mesmos e quando estão sobre a Terra.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Conforti em 20 de Julho de 2012, 21:44
 

      Amigos,

      VALE A PENA RELEMBRAR

      Os Animais, aos quais os homens deram a qualificação de irracionais, têm Emoções, Sensações e Sentem como nós, q somos classificados de racionais.

      CANDACE PERT, Chefe de Química do Cérebro, da Divisão de Neurociência Clínica do Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos, afirma que:

      1.° - Os animais têm SENSAÇÕES e SENTEM como nós.
      Suas várias descobertas sobre neurotransmissores, hormônios e sítios receptores mostram a semelhança dessas substâncias e estruturas com as encontradas em formas de vida não-humana. Até um microscópico e primitivo protozoário, o tetraimena, ser monocelular, sintetiza insulina e endorfinas iguais às dos seres humanos, e seu sítio receptor é igual ao nosso. Outros animais estudados (ratos, por exemplo) têm receptores para endorfinas. Isso aponta para a simplicidade e unidade da vida. Cérebros de homens, de ratos e de protozoários microscópicos estão funcionalmente vinculados, com componentes moleculares idênticos, que nos seres humanos influenciam as emoções. E agora? Essas outras formas de vida têm vida emocional, já que apresentam requisitos fisiológicos e químicos para tal? Por que precisam de receptores para endorfinas, substâncias muito mais potentes que a morfina? Terão sentimentos os ratos e protozoários?

      2.º - Descobridora das endorfinas, revolucionou nossas crenças sobre a origem das sensações, bem como sobre a suposição de que a mente está apenas localizada no cérebro. Descobriu que cada sítio receptor presente no cérebro também é encontrado nos monócitos, célula do sangue de papel fundamental no sistema imunológico. Verificou, também, que certas substâncias químicas que afetam a emoção também controlam o trajeto e a migração dos monócitos e que essas células, não só possuem receptores para vários neuropeptídios, iguais aos que controlam o ânimo, no cérebro, mas também sintetizam esses compostos e que todo o revestimento do trato intestinal, do esôfago até o intestino grosso, está forrado de células que contêm neuropeptídios e seus receptores. Talvez por isso, muitas pessoas sintam o efeito das emoções no estômago ou nos intestinos. Isso é tão verdadeiro que, ultimamente, o Tagamet, utilizado no tratamento de hiperacidez e úlceras, tornou-se o medicamento mais receitado nos EU. Gastrite, indigestão, gases, dor e sangramento são o preço que pagamos pelo fato de “canalizarmos” nossos sentimentos para o trato gastrointestinal e, a cada ano, milhares de pessoas morrem de hemorragia por úlceras gástricas e duodenais. Também descobriu que os animais possuem receptores que contêm neuropiptideos e que, portanto, também têm emoções como os seres humanos.

      Em resumo, essas descobertas desafiam a maneira um tanto arrogante com que nós, seres humanos, temos menosprezado o potencial de sentimento de formas de vida inferiores.

....................................................................


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HamLacerda em 23 de Julho de 2012, 14:53
Neurocientistas publicam manifesto afirmando que mamíferos, aves e até polvos têm consciência e esquentam debate sobre direitos dos animais

Marco Túlio Pires

(http://veja0.abrilm.com.br/assets/images/2011/7/44445/chimpanze-tigre-tailandia-20110728-size-598.jpg?1311882380)
Chimpanzé alimenta um filhote de tigre dourado, em mini zoológico na cidade de Samutprakan, Tailândia: percepção de sua própria existência e do mundo ao seu redor (Rungroj Yongrit/EFE)

Os seres humanos não são os únicos animais que têm consciência. A afirmação não é de ativistas radicais defensores dos direitos dos animais. Pelo contrário. Um grupo de neurocientistas — doutores de instituições de renome como Caltech, MIT e Instituto Max Planck — publicou um manifesto asseverando que o estudo da neurociência evoluiu de modo tal que não é mais possível excluir mamíferos, aves e até polvos do grupo de seres vivos que possuem consciência. O documento divulgado no último sábado (7), em Cambridge, esquenta uma discussão que divide cientistas, filósofos e legisladores há séculos sobre a natureza da consciência e sua implicação na vida dos humanos e de outros animais.

Leia mais: A íntegra, em inglês, do manifesto que afirma a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e outras criaturas, como polvos (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2ZjbWNvbmZlcmVuY2Uub3JnL2ltZy9DYW1icmlkZ2VEZWNsYXJhdGlvbk9uQ29uc2Npb3VzbmVzcy5wZGY=)

Apresentado à Nasa nesta quinta-feira, o manifesto não traz novas descobertas da neurociência — é uma compilação das pesquisas da área. Representa, no entanto, um posicionamento inédito sobre a capacidade de outros seres perceberem sua própria existência e o mundo ao seu redor. Em entrevista ao site de VEJA, Philip Low, criador do iBrain, o aparelho que recentemente permitiu a leitura das ondas cerebrais do físico Stephen Hawking, e um dos articuladores do movimento, explica que nos últimos 16 anos a neurociência descobriu que as áreas do cérebro que distinguem seres humanos de outros animais não são as que produzem a consciência. "As estruturas cerebrais responsáveis pelos processos que geram a consciência nos humanos e outros animais são equivalentes", diz. "Concluímos então que esses animais também possuem consciência."

Estudos recentes, como os da pesquisadora Diana Reiss (uma das cientistas que assinaram o manifesto), da Hunter College, nos Estados Unidos, mostram que golfinhos e elefantes também são capazes de se reconhecer no espelho. Essa capacidade é importante para definir se um ser está consciente. O mesmo vale para chimpanzés e pássaros. Outros tipos de comportamento foram analisados pelos neurocientistas. "Quando seu cachorro está sentindo dor ou feliz em vê-lo, há evidências de que no cérebro deles há estruturas semelhantes às que são ativadas quando exibimos medo e dor e prazer", diz Low.

Personalidade animal - Dizer que os animais têm consciência pode trazer várias implicações para a sociedade e o modo como os animais são tratados. Steven Wise, advogado e especialista americano em direito dos animais, diz que o manifesto chega em boa hora. "O papel dos advogados e legisladores é transformar conclusões científicas como essa em legislação que ajudará a organizar a sociedade", diz em entrevista ao site de VEJA. Wise é líder do Projeto dos Direitos de Animais não Humanos. O advogado coordena um grupo de 70 profissionais que organizam informações, casos e jurisprudência para entrar com o primeiro processo em favor de que alguns animais — como grandes primatas, papagaios africanos e golfinhos — tenham seu status equiparado ao dos humanos.

O manifesto de Cambridge dá mais munição ao grupo de Wise para vencer o caso. "Queremos que esses animais recebam direitos fundamentais, que a justiça as enxergue como pessoas, no sentido legal." Isso, de acordo com o advogado, quer dizer que esses animais teriam direito à integridade física e à liberdade, por exemplo. "Temos que parar de pensar que esses animais existem para servir aos seres humanos", defende Wise. "Eles têm um valor intrínseco, independente de como os avaliamos."

Questão moral - O manifesto não decreta o fim dos zoológicos ou das churrascarias, muito menos das pesquisas médicas com animais. Contudo, já foi suficiente para provocar reflexão e mudança de comportamento em cientistas, como o próprio Low. "Estou considerando me tornar vegetariano", diz. "Temos agora que apelar para nossa engenhosidade, para desenvolver tecnologias que nos permitam criar uma sociedade cada vez menos dependente dos animais." Low se refere principalmente à pesquisa médica. Para estudar a vida, a ciência ainda precisa tirar muitas. De acordo com o neurocientista, o mundo gasta 20 bilhões por ano para matar 100 milhões de vertebrados. Das moléculas medicinais produzidas por esse amontoado de dinheiro e mortes, apenas 6% chega a ser testada em seres humanos. "É uma péssima contabilidade", diz Low.

Contudo, a pesquisa com animais ainda é necessária. O endocrinologista americano Michael Conn, autor do livro The Animal Research War, sem edição no Brasil, argumenta que se trata de uma escolha priorizar a espécie humana. "Conceitos como os de consentimento e autonomia só fazem sentido dentro de um código moral que diz respeito aos homens, e não aos animais", disse em entrevista ao site de VEJA. "Nossa obrigação com os animais é fazer com que eles sejam devidamente cuidados, não sofram nem sintam dor — e não tratá-los como se fossem humanos, o que seria uma ficção", argumenta. "Se pudéssemos utilizar apenas um computador para fazer pesquisas médicas seria ótimo. Mas a verdade é que não é possível ainda."

A inteligência dos polvos
Pulpos: suave inteligencia (Octopus intelligence) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD9mZWF0dXJlPXBsYXllcl9lbWJlZGRlZCZhbXA7dj1UOGNmN3RQb041byM=)O vídeo mostra diversas situações em que o polvo consegue resolver problemas. Desde a captura de presas em diferentes tipos de recipientes até escapar de locais extremamente difíceis. As situações mostram que o animal é capaz de formular soluções para problemas específicos, o que denota, na opinião dos neurocientistas, um estado de consciência inteligente.

O corvo que faz ferramentas
Crow Makes Tools (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PU9ZWm5zTzJaZ1dvJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9lbWJlZGRlZCM=)Uma das condições para diferenciar seres humanos de outros animais é a capacidade de produzir ferramentas. Vários animais já demonstraram essa capacidade, como ursos e corvos. No vídeo, o animal entorta um pedaço de arame para formar um gancho. A ferramenta é utilizada para retirar o alimento de dentro do frasco.

Consciência dos elefantes
Female Elephants Rescue A Drowning Baby (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUNkLUx0V3ROdkR3JmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9lbWJlZGRlZCM=)Ao avistar o filhote preso na enorme poça d'água, a mamãe elefante tenta resgatá-lo. Em seguida, outro elefante vem ajudar mãe e filho. A situação demonstra que os elefantes têm capacidade de perceber a necessidade de outros, uma das qualidade levadas em consideração na hora de definir se um ser possui consciência ou não.

Os ratos também dão risadas
Rats Laugh When Tickled, Scientists Say (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PU1fb0tROUR6aXRjJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9lbWJlZGRlZCM=)Pesquisadores descobriram que os ratos também sentem cócegas, assim como os seres humanos. Ao passar os dedos ao longo do corpo dos animais, os cientistas descobriram que eles emitem um som inaudível aos seres humanos (a frequência é alta demais). A análise do áudio, contudo, revelou que os ratinhos morrem de rir. Isso só ocorreria, defendem os pesquisadores, se o animal tivesse algum tipo de consciência. "Não é possível rir inconsciente", argumentam.



O que é consciência?

PARA A FILOSOFIA
Filosoficamente, é o entendimento que uma criatura tem sobre si e seu lugar na natureza. Alguns atributos definem a consciência, como ser senciente, ou seja, sentir o mundo à sua volta e reagir a ele; estar alerta ou acordado ou ter consciência sobre si mesmo (o que, para a filosofia já basta para incluir alguns animais “não-linguísticos” entre os seres com consciência). Fonte: Enciclopédia de Filosofia de Stanford

PARA A CIÊNCIA
A ciência considera como consciência as percepções sobre o mundo e as sensações corporais, junto com os pensamentos, memórias, ações e emoções. Ou seja, tudo o que escapa aos processos cerebrais automáticos e chega à nossa atenção. O conteúdo da consciência geralmente é estudado usando exames de imagens cerebrais para comparar quais estímulos chegam à nossa atenção e quais não. Como resumiu o neurocientista Bernard Baars, em 1987, o cérebro é como um teatro no qual a maioria dos eventos neurais são inconscientes, portanto acontecem “nos bastidores”, enquanto alguns poucos entram no processo consciente, ou seja, chegam ao “palco”.


Fonte: Revista Veja (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3ZlamEuYWJyaWwuY29tLmJyL25vdGljaWEvY2llbmNpYS9xdWFzZS1odW1hbm9z)
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HamLacerda em 23 de Julho de 2012, 15:07
"Não é mais possível dizer que não sabíamos", diz Philip Low

Neurocientista explica por que pesquisadores se uniram para assinar manifesto que admite a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e outras criaturas, como o polvo, e como essa descoberta pode impactar a sociedade

Marco Túlio Pires

(http://veja1.abrilm.com.br/assets/images/2012/3/70222/epilepsia-cerebro-clotrimazol-20120312-size-598.jpg?1331575119)
Estruturas do cérebro responsáveis pela produção da consciência são análogas em humanos e outros animais, dizem neurocientistas (Thinkstock)



O neurocientista canadense Philip Low ganhou destaque no noticiário científico depois de apresentar um projeto em parceria com o físico Stephen Hawking, de 70 anos. Low quer ajudar Hawking, que está completamente paralisado há 40 anos por causa de uma doença degenerativa, a se comunicar com a mente. Os resultados da pesquisa foram revelados no último sábado (7) em uma conferência em Cambridge. Contudo, o principal objetivo do encontro era outro. Nele, neurocientistas de todo o mundo assinaram um manifesto afirmando que todos os mamíferos, aves e outras criaturas, incluindo polvos, têm consciência. Stephen Hawking estava presente no jantar de assinatura do manifesto como convidado de honra.

[attachimg=1 align=left width=250]Low é pesquisador da Universidade Stanford e do MIT (Massachusetts Institute of Technology), ambos nos Estados Unidos. Ele e mais 25 pesquisadores entendem que as estruturas cerebrais que produzem a consciência em humanos também existem nos animais. "As áreas do cérebro que nos distinguem de outros animais não são as que produzem a consciência", diz Low, que concedeu a seguinte entrevista ao site de VEJA:

Estudos sobre o comportamento animal já afirmam que vários animais possuem certo grau de consciência. O que a neurociência diz a respeito? Descobrimos que as estruturas que nos distinguem de outros animais, como o córtex cerebral, não são responsáveis pela manifestação da consciência. Resumidamente, se o restante do cérebro é responsável pela consciência e essas estruturas são semelhantes entre seres humanos e outros animais, como mamíferos e pássaros, concluímos que esses animais também possuem consciência.


Quais animais têm consciência?
Sabemos que todos os mamíferos, todos os pássaros e muitas outras criaturas, como o polvo, possuem as estruturas nervosas que produzem a consciência. Isso quer dizer que esses animais sofrem. É uma verdade inconveniente: sempre foi fácil afirmar que animais não têm consciência. Agora, temos um grupo de neurocientistas respeitados que estudam o fenômeno da consciência, o comportamento dos animais, a rede neural, a anatomia e a genética do cérebro. Não é mais possível dizer que não sabíamos.

É possível medir a similaridade entre a consciência de mamíferos e pássaros e a dos seres humanos?
 Isso foi deixado em aberto pelo manifesto. Não temos uma métrica, dada a natureza da nossa abordagem. Sabemos que há tipos diferentes de consciência. Podemos dizer, contudo, que a habilidade de sentir dor e prazer em mamíferos e seres humanos é muito semelhante.

Que tipo de comportamento animal dá suporte à ideia de que eles têm consciência?
Quando um cachorro está com medo, sentindo dor, ou feliz em ver seu dono, são ativadas em seu cérebro estruturas semelhantes às que são ativadas em humanos quando demonstramos medo, dor e prazer. Um comportamento muito importante é o autorreconhecimento no espelho. Dentre os animais que conseguem fazer isso, além dos seres humanos, estão os golfinhos, chimpanzés, bonobos, cães e uma espécie de pássaro chamada pica-pica.

Quais benefícios poderiam surgir a partir do entendimento da consciência em animais?
 Há um pouco de ironia nisso. Gastamos muito dinheiro tentando encontrar vida inteligente fora do planeta enquanto estamos cercados de inteligência consciente aqui no planeta. Se considerarmos que um polvo — que tem 500 milhões de neurônios (os humanos tem 100 bilhões) — consegue produzir consciência, estamos muito mais próximos de produzir uma consciência sintética do que pensávamos. É muito mais fácil produzir um modelo com 500 milhões de neurônios do que 100 bilhões. Ou seja, fazer esses modelos sintéticos poderá ser mais fácil agora.

Qual é a ambição do manifesto?
 Os neurocientistas se tornaram militantes do movimento sobre o direito dos animais? É uma questão delicada. Nosso papel como cientistas não é dizer o que a sociedade deve fazer, mas tornar público o que enxergamos. A sociedade agora terá uma discussão sobre o que está acontecendo e poderá decidir formular novas leis, realizar mais pesquisas para entender a consciência dos animais ou protegê-los de alguma forma. Nosso papel é reportar os dados.

As conclusões do manifesto tiveram algum impacto sobre o seu comportamento? Acho que vou virar vegetariano. É impossível não se sensibilizar com essa nova percepção sobre os animais, em especial sobre sua experiência do sofrimento. Será difícil, adoro queijo.

O que pode mudar com o impacto dessa descoberta?
 Os dados são perturbadores, mas muito importantes. No longo prazo, penso que a sociedade dependerá menos dos animais. Será melhor para todos. Deixe-me dar um exemplo. O mundo gasta 20 bilhões de dólares por ano matando 100 milhões de vertebrados em pesquisas médicas. A probabilidade de um remédio advindo desses estudos ser testado em humanos (apenas teste, pode ser que nem funcione) é de 6%. É uma péssima contabilidade. Um primeiro passo é desenvolver abordagens não invasivas. Não acho ser necessário tirar vidas para estudar a vida. Penso que precisamos apelar para nossa própria engenhosidade e desenvolver melhores tecnologias para respeitar a vida dos animais. Temos que colocar a tecnologia em uma posição em que ela serve nossos ideais, em vez de competir com eles.

Fonte:  Revista Veja (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3ZlamEuYWJyaWwuY29tLmJyL25vdGljaWEvY2llbmNpYS9uYW8tZS1tYWlzLXBvc3NpdmVsLWRpemVyLXF1ZS1uYW8tc2FiaWFtb3MtZGl6LXBoaWxpcC1sb3c=)
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HelenaBeatriz em 24 de Julho de 2012, 01:30
Olá, amigos!
Desculpem não ter dado retorno até o momento.
Mas não sabia onde estava o tópico. O perdi de vista...rs
Só agora descobri onde estava "Wally"! Obrigada, Ram, por sinalizar.

Pois é, a razão da postagem inicial era fazer valer aquilo que inconscientemente sabemos...
Os animais têm consciência. Consciência da dor, da morte, de se sentir amado ou desprezado etc etc.
Qualquer um de nós que conviva com eles no seu dia-a-dia percebe que pensam, raciocinam e não agem só por instinto. Esta é a sensação que captamos desde a infância, como observou o Ram.
Mas a Ciência agora consegue comprovar, como bem lembrou o Coronel.

Enfim, os amigos já desenvolveram o tema exaustivamente.
Ficam aqui registradas as observações baseadas nos postulados espíritas, na Ciência e na vivência de cada um de nós.
Farto material para análise.

Um abraço,
Helena

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 24 de Julho de 2012, 17:49
É a doutrina o divisor de águas ou não?
neste caso, penso que não haja diferença no pensar científico e o doutrinário.
Posto que é certo que a espécie de inteligência que habita nos animais, dá-lhes a possibilidade de conhecer aos que mais perto deles convivam, quer pelo olhar, quer pelo faro, ou mesmo e em alguns casos pela voz.
Ora, depois deste introito resta perguntar outra vez: Isso é o que se chama de consciência, ou será que por expansão de pensamentos, se quer dizer que conhecimento, ou seja, a possibilidade em divisar pessoas que estes animais tratam com mais frequência, não tenha sido uma colocação forçada?
Dessarte, esta consciência opera apenas em vida, e para os temas de doutrina, que é o nosso caso há de se saber que, animais não têm consciência de si mesmos quando estão desencarnados, aliás este um dos motives de serem quase que automaticamente reencarnados.
Chamo a atenção que o conjunto dos nossos apontamentos, convirjam para a doutrina espírita, pois é dela que desejamos conhecer mais.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Marlenedd em 24 de Julho de 2012, 19:15
Animais, homens, plantas ou árvores são seres sensíveis, por isso têm consciência, formada pelo que sentem.

Mais ainda, excluindo os homens, todos esses seres têm ligação direta a Deus por não pensarem sobre o que sentem... é a tal inteligência que nunca se engana.

O trabalho de purificação dos humanos é adquirir essa consciência, através do não pensar.



 
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 24 de Julho de 2012, 21:49
Marlene,
o que se quer saber, e em nosso caso, espíritas que somos, é se esta consciência exista quando da desencarnação e a reposta é não.
Isso encerra o tema.
A ciência não trata de Espiritismo, relata faltos que podem existir ou que existam mas neste mundo material e só.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Golbery Capistrano em 25 de Julho de 2012, 01:07
A Declaração de Cambridge Sobre Consciência*

Neste dia 7 de julho de 2012, um proeminente grupo internacional de neurocientistas cognitivos, neurofarmacologistas, neurofisiologistas, neuroanatomistas e neurocientistas computacionais reuniram-se na Universidade de Cambridge para reavaliar os substratos neurobiológicos da experiência consciente e comportamentos relaciondos em humanos e em animais não-humanos. Apesar de que a pesquisa comparativa sobre este tópico é naturalmente dificultada pela inabilidade de animais não-humanos, e frequentemente por humanos, para clara e prontamente comunicar sobre seus estados internos, pode-se afirmar inequivocamente as seguintes observações:


- A área da pesquisa da Consciência evolui rapidamente. Novas técnicas e estratégias para a pesquisa animal humana e não-humana foram desenvolvidas abundantemente. Consequentemente, mais dados estão se tornando disponíveis, e isto chama para uma periódica reconsideração de preconceitos anteriormente mantidos nesta área. Estudos de animais não-humanos mostraram que circuitos cerebrais homólogos correlacionados à experiência e à percepção conscientes podem ser seletivamente ativados ou interrompidos para avaliar se eles são de fato necessários para estas experiências. Além disso, em humanos, novas técnicas não-invasivas estão prontamente disponíveis para fazer um levantamento dos correlatos da consciência.

- Os substratos neurais das emoções não parecem ser confinados às estruturas corticais. De fato, redes neurais subcorticais excitadas durante estados afetivos em humanos são também criticamente importantes para a geração de comportamentos emocionais nos animais. A excitação artificial das mesmas regiões cerebrais geram comportamentos correspondentes e estados sentimentais em animais humanos e não humanos. Sempre que no cérebro algo evoca comportamentos emocionais instintivos em animais não humanos, muitos dos comportamentos que se seguem são consistentes com os estados de sentimentos experimentados, incluindo aqueles estados internos que são de reforço e de punição. A estimulação cerebral profunda destes sistemas nos humanos podem também gerar estados afetivos similares. Sistemas associados com afeto estão concentrados nas regiões subcorticais onde homologias neurais abundam. Jovens humanos animais humanos e não humanos sem neocórtices retêm tais funções mentais-cerebrais. Além disso, circuitos neurais que dão suporte a comportamentais/eletrofisiológicos estados de atenção, de sono e de tomada de decisões aparentam ter surgido evolutivamente tão cedo quanto a radiação invertebrada, sendo evidente em insetos e em moluscos cefalópodes (ex: polvo).

- Os pássaros parecem oferecer, no seu comportamento, na sua neurofisiologia e na sua neuroanatomia um surpreendente caso de evolução paralela da consciência. Evidência de níveis de consciência próximos do humano foram mais dramaticamente observados em papagaios cinzentos africanos. A rede emocional e os microcircuitos cognitivos em mamíferos e em aves parecem ser muito mais homólogos do que se pensava previamente. Além disso, em certas espécies de aves foram observados padrões neurais de sono similares ao dos mamíferos, incluindo o sono-REM e, como demonstrado nos mandarins, padrões neurofisiológicos que previamente se pensava requererem um neocórtex mamífero. A pega-rabuda (espécie Pica pica) em particular foi demonstrada uma gritante similaridade com humanos, macacos grandes, golfinhos e elefante no estudo auto-reconhecimento frente ao espelho.

- Em humanos, o efeito de certos alucinógenos parecem estar associados com a alteração no processamento de feedfoward e feedback corticais. Intervenções farmacológicas em animais não-humanos com combinações conhecidas que afetam o comportamento conscinete em humanos podem levar a pertubações similares no comportamento de animais não humanos. Em humanos, há evidências que sugerem que a consciência é correlacionada com a atividade cortical, o que não exclui a possibilidade de contribuições subcorticais ou processamento de áreas corticais mais antigas, como na consciência visual. Evidência de que sentimentos emocionais de animais humanos e não-humanos surgem de redes subcorticais cerebrais homólogas formecem evidências convincentes de uma qualia afetiva primitiva compartilhada.

Nós declaramos o seguinte: "A falta de um neocórtex não parece impedir um organismos de experimentar estados afetivos. A evidência convergente indica que animais não humanos têm neuroanatomicos, neuroquímicos e neurofisiológicos substratos de consciência unidos à capacidade de exibir comportamentos intencionais. Consequentemente, o peso da evidência indica que humanos não são os únicos na posse de substratos neurológicos que geram a consciência. Animais não humanos, incluindo todos os mamíferos e aves, e muitas outras criaturas, incluindo polvos, também possuem estes substratos neurológicos."

* "The Cambridge Declaration on Consciousness" foi escrita por Philip Low e editada por Jaak Panksepp, Diana Reiss, David Edelman, Bruno Van Swinderen, Philp Low e Christof Koch. A Declaração foi publicamente proclamada em Cambridge, no Reino Unido, em 7 de julho de 2012, no [evento] Francis Crick Memorial Conference on Consciousness in Human and non-Human Animals, no Churchill College, Universidade de Cambridge, por Low, Edelman e Koch. A Declaração foi assinada pelos participantes da conferência na mesma noite, na presença de Stephen Hawking, na Balfour Room do Hotel du Vin em Cambridge, Reino Unido. A cerimônia de assinatura foi imortalizada pelo "CBS 60 minutes".

FONTE: http://fcmconference.org/img/CambridgeDeclarationOnConsciousness.pdf
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: EsoEstudos em 25 de Julho de 2012, 02:04

Do site G1-Globo

http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/06/mapa-genetico-do-macaco-bonobo-e-987-igual-ao-humano-diz-nature.html

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Golbery Capistrano em 25 de Julho de 2012, 03:23
É um tema muito interessante.

Este comunicado está inserido em um amplo contexto de pesquisas que vêm sendo desenvolvidas nas últimas décadas. Está baseado não no estudo de um ou outro pesquisador, mas no trabalho de centenas de pesquisadores e no resultado de milhares de estudos, alguns inovadores, outros replicações, mas discutidos à exaustão pela comunidade científica. Alguns dos tópicos da Declaração são específicos para aqueles que se interessam por neurociências, mas no geral a carta é bem compreensível. Os negritos estão presentes no texto original e eu os mantive nessa tradução. Deixei o original porque não sendo tradutor profissional, posso ter cometido alguns erros na tradução ou na boa escrita em língua portuguesa.
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Lucazan em 25 de Julho de 2012, 10:48
Cara amiga,

Não sei qual é a sua crença...

Não pensar para o espírito é o mesmo que não viver....

As plantas tem consciência? Os animais e plantas têm ligação direta a Deus?

Sinceramente, como podem ter consciência formada pelo que sentem e não pensarem sobre o que sentem?????? Só pode ser brincadeira!!!!

Animais, homens, plantas ou árvores são seres sensíveis, por isso têm consciência, formada pelo que sentem.

Mais ainda, excluindo os homens, todos esses seres têm ligação direta a Deus por não pensarem sobre o que sentem... é a tal inteligência que nunca se engana.

O trabalho de purificação dos humanos é adquirir essa consciência, através do não pensar.



 
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Golbery Capistrano em 25 de Julho de 2012, 14:30
Consciência é uma palavra muito controversa. Talvez para nós fosse interessante e esclarecedor fazer um estudo da definição e sentido do termo nas obras básicas.

Na língua inglesa temos pelo menos três palavras ("consciousness", "conscience" e "awareness") que quando traduzidas para o português recebem todas o nome de "consciência" muito embora cada uma delas guarde um sentido diferente.

Isso me lembra do pensamento de Zamenhof, iniciador do esperanto, que dizia que se já é difícil as pessoas se entenderem, falando línguas diferentes é que não vão se entender mesmo!
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 25 de Julho de 2012, 17:14
É verdade mano Golbery e pode estar no entendimento que se dê a tal palavra a raiz de todos os erros de convicção sobre alguns temas.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Marlenedd em 26 de Julho de 2012, 23:01
Golbery: "Isso me lembra do pensamento de Zamenhof, iniciador do esperanto, que dizia que se já é difícil as pessoas se entenderem, falando línguas diferentes é que não vão se entender mesmo!"


São conclusões de quem não conhece a linguagem universal usada por todos os seres e por toda a natureza, sem palavras e sem pensamentos, esquecida completamente pelos seres humanos...

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Marlenedd em 26 de Julho de 2012, 23:12
Lucazan: "Não pensar para o espírito é o mesmo que não viver....

As plantas tem consciência? Os animais e plantas têm ligação direta a Deus?

Sinceramente, como podem ter consciência formada pelo que sentem e não pensarem sobre o que sentem??? Só pode ser brincadeira!!!!"


Só pelo não pensar o espírito se purifica, como diz a doutrina, e acaba com todas os sofrimentos e misérias que nada mais são que ilusões, pelo menos para quem não pensa sobre o que sente.

Pensar sobre o que se sente é viver no mundo secundário, das aparências...

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Golbery Capistrano em 27 de Julho de 2012, 00:23

São conclusões de quem não conhece a linguagem universal usada por todos os seres e por toda a natureza, sem palavras e sem pensamentos, esquecida completamente pelos seres humanos...



Eu não entendi. Você teria a boa vontade de explicar de forma um pouco mais clara, para que eu consiga entender?
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mirina em 27 de Julho de 2012, 00:40
Amigos,

muito confuso este tópico....
Inteligência é igual a consciência?
Átomo é a menor particula da matéria...logo não é o espirito?
Cérebro é igual a consciência?
Onde fica a Sabedoria, no cérebro ou na consciência?
Eu alcanço o progresso quando deixo de pensar?

Tema muito difícil, mas acho que  deveriamos começar pela delimitação do que é consciência, como o querido Moura bem lembrou!

Penso que tudo que o homem não é capaz de criar é obra de Deus!
Logo, se um animal não pode criar o que o homem cria, necessariamente ele tem uma "inteligência" menor que a do Homem e menor que a de Deus, isso me parece uma linha evolutiva, ou não?

Agora minerais, estes não possuem cérebro, ou inteligencia, logo não podem partilhar desta linha evolutiva, ou podem?

Vou acompanhando...

Abraços fraternos,

Mirina
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Golbery Capistrano em 27 de Julho de 2012, 01:32
Amigos,

muito confuso este tópico....
 (...)

Mirina


Mirina,

O resumão da conversa é que A Declaração de Cambridge Sobre a Consciência está inserida num longo contexto de pesquisas que não foi exposto aqui e por isso pode soar um tanto confuso.

Há hoje uma emergente área da ciência chamada "estudos da consciência". Estes estudos estão ligados à revolução neurocientífica que aconteceu a partir da década de 1990 com investimentos pesados no estudo do cérebro humano. Toda ciência tem os suas questões periféricas (softcore) e os suas questões centrais (hardcore).

Como temas periféricos nós encontramos o mapeamento das funções mentais superiores, tais como:
- Atenção
- Memória
- Linguagem
- Funções executivas
- Funções perceptivas, etc

Como problema central temos o estudo da consciênca que é a noção que você tem ao estar aí, você sabe que você é você e está diante da tela, lendo estas minhas linhas. A consciência, aparentemente, é resultado da integração ou interação das funções mentais superiores. É uma espécie de sistema que pode ser observado no cérebro humano e, de certa forma, em alguns animais.

Este tema toca várias áreas diferentes envolvendo a neuroanatomia, a neuropsicologia, a neurofisilogia, a filosofia e vários outros pontos do conhecimento humano fazendo com que seja tema de muita polêmica.

P.S.: Vou preferir nem comentar sobre a consciência das pedras.
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mirina em 27 de Julho de 2012, 01:58
Olá Golbery,

grata pelo resumão.
Tenho estudado este tema também, principalmente no que tange a consciência expandida.
Trago para análise dos amigos trecho do texto do Dr. Sergio Felipe de Oliveira - Sintomas de Mediunidade - IPPB - Mediunidade e Espiritualidade - apostila 07 - 2008.


"SINTOMAS DE MEDIUNIDADE
 Dr. Sérgio Felipe de Oliveira

   Sempre que houver uma carga elétrica, parada ou em movimento, haverá um campo. Se a carga estiver em movimento, esse campo será eletromagnético.
   Trata-se de uma propriedade da carga que modifica o espaço ao se redor, fazendo com que toda a matéria sofra uma ação de aproximação ou de repulsão, dependendo do sinal da carga. Essa interação também altera a matéria que entra no campo: no caso de partículas afins, elas tornam-se imantadas. Num campo eletromagnético, as partículas de ferro, limalhas, ficam grudadas umas nas outras, mesmo após a retirada ou afastamento da fonte do campo.
   O campo, por si só, tem a propriedade de autorregenerar-se. Ele não desaparece de uma hora para outra.
   Todo campo tem uma fonte. O corpo humano é fonte de vários campos eletromagnéticos, segundo o órgão enfocado: coração, cérebro, etc.(Difração da onda)
   A mente humana é fonte de um campo - o campo mental. A razão disso é o fato de a mente humana produzir, irradiar, o pensamento, que é uma onda eletromagnética carregada de informação.
   Nos seres humanos, e apenas neles, o pensamento é contínuo, mas o aparecimento do pensamento contínuo ocorreu gradualmente através das diferentes espécies do reino animal. O pensamento contínuo é a base para o surgimento da consciência.
   Consciência, do latim 'com' (junto, ao lado de ) + 'sciencia' (saber de), significa, a grosso modo, saber de algo. É todo o conhecimento que uma pessoa tem do mundo ao seu redor (coisas, pessoas, acontecimentos), e de seu mundo interior (sua identidade, sua história). Assim, a consciência, nos seres humanos, depende da capacidade de atenção, orientação, percepção e memória.
   Podemos observar nos animais mais primitivos um esboço de consciência que começaria a partir dos anfíbios e, mais particularmente, das tartaruguinhas de aquário. O comportamento de uma tartaruguinha esboça sinais de individualidade, um modo de agir específico perante os acontecimentos diários, que marcam seu jeito de ser, como um estilo.
   Com a aquisição do pensamento contínuo, a espécie humana adquire a capacidade de pensar e refletir sobre os fatos ao seu redor e sobre si mesma - é a consciência reflexiva."


Porém Golbery, a ciencia nos traz outras informações que delimitam o espaço da consciencia,  do ponto de vista cientifico tenho notado que a emissão de ondas eletromagnéticas são determinantes para divisar a consciencia nos seres humanos, pois trata diretamente da atividade cerebral ligada ao pensamento lógico e espiritual, sendo que no estado de raciocinio lógico a frequencia destas ondas gira em torno de 13 a 30 hz,ditas ondas Beta, e no estado de consciencia expandida, dito espiritual , a frequencia fica em torno de 7 a 12 hz, chamada frequencia Alpha.
Há ainda a onda Teta, com frequencia em torno de 4 a 7 hz que é detectada em estados de meditação, oração  e
a frequencia Delta, no estado de sono profundo.

Qual será a frequencia de emissão de ondas que um animal pode alcançar, me parece bem pertinente esta investigação.

Abraços fraternos,

Mirina
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HamLacerda em 27 de Julho de 2012, 02:15
Não me parece que os cientistas estejam confundindo consciência com inteligência, me parece muito claro que estão falando de consciência, isto é, da capacidade de entender que existem, que se conhecem, que pensam e tomam decisões próprias, que ficam tristes, alegres, que confiam nas pessoas (ingenuamente, é claro, mas confiam), ou seja, um ser com "princípios" de consciência iguais a nós.


Que os animais são inteligentes, desde os antigos egípcios já sabiam.


 



Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mirina em 27 de Julho de 2012, 02:37
Neste caso Ham, sendo inteligentes, os animais atingem qual frequencia de ondas eletromagneticas, será que eles chegam até as ondas Alpha ou Teta.

Tenho uma cachorrinha que quando dorme, sonha, corre, chora, late e as vezes até se assusta, isto prova que possuem um estado Alpha, mas será que ultrapassam este nível?

Inteligência necessita de raciocinio lógico, logo qualquer ser dito inteligente emite ondas Beta, e portanto, sob o ponto de vista cientifico, possuem consciencia, concorda?
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HamLacerda em 27 de Julho de 2012, 03:08

Inteligência necessita de raciocinio lógico, logo qualquer ser dito inteligente emite ondas Beta, e portanto, sob o ponto de vista cientifico, possuem consciencia, concorda?

Claro que não. Aliás, Mirina, se você está esperando que a ciência prove cientificamente que os animais possuem consciência, é melhor sentar. Esse fatos são provados pelo bom senso, não por aparelhos. Você sabe que a consciência está fora do cérebro, não dentro dele - o cérebro é somente um agente. A ciência está estudando somente a matéria, logo só encontrarão a inteligência. Pelo estudo das ações inteligentes chegarão a consciência.


Por falar nisso, Mirina - se é que entendi bem o seu post, pois me parece que você está questiondando até mesmo a inteligência dos animais - você deu uma olhada nos vídeos que eu postei algumas páginas atrás? Estes vídeos são somente alguns dos milhares que circulam por ai. Aliás, assistir uma vez, no Discovery, um macaco ( não sei se foi um chipanzé ou um bonobo) que foi treinado para fazer cálculos matemáticos complexos; ele fazia numa rapidez impressionante, muito mais rápido que muitos seres humanos; também assistir uma vez uma cacatua que, se o documentário não fosse tão sério, eu teria desconfiado que ela poderia fazer aquelas coisas. Um corvo que escondia suas nozes, centenas delas, em vários lugares, pra outros não encontrar, e somente ele encontrava. Não me lembro muito bem como se deu este processo, assistir há mais de 4 anos.

São fatos, Mirina, a ciência já sabe disso, só que pra que as pessoas acreditem, é preciso mensurar os resultados e publicar artigos científicos.



O que me diz destes vídeos, e como você classifica, como Instinto, inteligencia ou consciência?

cão salva outro cão (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PV9uZ0FLN096VXNFIw==)


Assista as 8 partes deste vídeo.
Koko: A Talking Gorilla [1/8] (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVBtdXU4VUVpMmtvJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)

corvo inteligente (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWlKNXExdXlCTG9ZJmFtcDtmZWF0dXJlPXJlbGF0ZWQj)

Intelligent Monkeys (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXBFazEzOGxxYUZvIw==)

Orangotango salva bebê pato de afogamento (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXpaYWI2TWxSc2dJIw==)

Gorila salva criança em Zoo de Chicago (1996) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXR0M0FmVW9EMFhNIw==)


Abraço
Ham
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mirina em 27 de Julho de 2012, 03:53
Não Ham, não espero que a ciencia prove a existencia da consciencia, assim como ela não pode provar a existencia da dor, do amor, da tristeza.....

Mas a ciencia pode destacar sintomas físicos que são comuns a todos os seres quando estes sofrem alguma destas emoções, e, através de métodos sistemáticos estabelecer critérios que determinam o estado em que a consciencia funciona em cada uma destas situações.  Neste caso, fiz referencias a impulsos elétromagnéticos que são emitidos pelo cérebro dos seres vivos, mas poderíamos também citar as descargas hormonais que ocorrem de forma sistemática em cada uma destas situações.

Já vi, além destes que postou, diversos artigos sobre o comportamento dos animais, e creia, em muito deles existe sim emoções, é minha impressão.  Mas gostaria de destacar no artigo que postei do Dr. Sérgio Felipe, que, embora mais rudimentar, considera-se a existencia de consciencia em varias espécies de animais, sendo que no homem tem se como diferencial o pensamento contínuo e reflexivo.  Acredito que este pensamento coaduna com a posição da Doutrina Espirita, o que acha Ham?

Mirina
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: HamLacerda em 27 de Julho de 2012, 04:11
Mas gostaria de destacar no artigo que postei do Dr. Sérgio Felipe, que, embora mais rudimentar, considera-se a existencia de consciencia em varias espécies de animais, sendo que no homem tem se como diferencial o pensamento contínuo e reflexivo.  Acredito que este pensamento coaduna com a posição da Doutrina Espirita, o que acha Ham?

Mirina

Mas a própria Doutrina já fala isso. A ciência só está comprovando.


O que acontece, Mirina, é que algumas pessoas acreditam que aceitando que os animais são conscientes, que os animais pensam, que a Doutrina estaria se contradizendo, pois os animais existiriam no mundo espiritual. Ficam numa posição estranha, contra tudo e contra todos, servindo de paradoxos, e mal conseguem sustentar o que defendem,  tudo para mudar os fatos à sua maneira. Mas os fatos estão ai.


A Doutrina é muito clara quanto a isso, não afirmou e nem negou a consciência (ou o pensamento) dos animais, só não colocou ao nível do nosso, claro. Na Revista Espírita de 1868 fica claro que Kardec sabia que através da ciência todos as dúvidas, todas as negações, seriam esclarecidas. É o que estamos vendo.

Mas deixo isso pra outros discutirem.




Um abraço, Mirina.
Fique com Deus
Boa noite.
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Conforti em 31 de Julho de 2012, 22:35
      Lucazan    (ref #335)

      (Como aconselham os homens sensatos, entre eles Kardec: “fé raciocinada”. Vamos, portanto, raciocinar!).

      Lucazan escreveu: Não pensar para o espírito é o mesmo que não viver...

      Cel: olá, amigo; vamos raciocinar: o q vc quer dizer com essas palavras? Quer dizer q a vida do espírito é pensar? Ou que a vida do espírito é sustentada pelo pensamento? O espírito, ou o espírito encarnado, o homem, tem pensamentos próprios, isto é, q sejam verdadeiramente seus?!

      Como podemos concluir q a vida da criação de Deus é pensar, se nem mesmo o criado, isto é, nós, temos domínios ou comandamos nossos pensamentos? Eles, apenas, chegam, permanecem por tempo longo ou curto, e se vão! Nenhum de nós tem domínio ou o controle sobre sua mente; ela é q nos comanda e nos leva daqui para lá e de lá para além! Sinceramente, não consegui entender!

      Lucazan: As plantas tem consciência? Os animais e plantas têm ligação direta a Deus?

      Cel: tudo tem “ligação direta” com Deus, o Criador de todas as coisas; tudo está dentro do domínio de Deus. Lembremos Kardec (outros afirmaram a mesma coisa): “do átomo ao anjo é uma linha reta!”. E é evidente q, hoje, pelo avanço da ciência, q permitiu q conhecêssemos coisas q antes não conhecíamos, podemos dizer: “das mais submicroscópicas partículas do átomo ao anjo, é uma linha reta!”.

      E, qto às plantas, há provas cientificas de q são até mais sensíveis do q animais humanos e não-humanos, sob muitos aspectos; percebem o que vai acontecer antes q aconteça; reagem e, sob determinadas condições, demonstram essa reação.

      A ciência moderna, q tem, de cem anos para cá, pesquisado o transcendental, já demonstra q “tudo” é feito de consciência, q a consciência é q cria o mundo material . Antes, acreditava-se q a consciência era produzida pelo ser e q se manifestava através de seu cérebro; portanto, q a consciência nos seres, era apenas, um subproduto cerebral; hoje, a ciência afirma o oposto disso: q é a consciência q cria a matéria (um modo de dizer q é através da mente e de seus órgãos de relação com o mundo, com a vida, q a matéria é alguma coisa – coisa q muitos chamam de ilusão – provocada por nossos sentidos).

      Aí, é evidente, está incluído tudo, rochas, minerais, animais... tudo!
...................................................
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Lucazan em 01 de Agosto de 2012, 11:51
      Lucazan    (ref #335)

      (Como aconselham os homens sensatos, entre eles Kardec: “fé raciocinada”. Vamos, portanto, raciocinar!).

      Lucazan escreveu: Não pensar para o espírito é o mesmo que não viver...

      Cel: olá, amigo; vamos raciocinar: o q vc quer dizer com essas palavras? Quer dizer q a vida do espírito é pensar? Ou que a vida do espírito é sustentada pelo pensamento? O espírito, ou o espírito encarnado, o homem, tem pensamentos próprios, isto é, q sejam verdadeiramente seus?!

      Como podemos concluir q a vida da criação de Deus é pensar, se nem mesmo o criado, isto é, nós, temos domínios ou comandamos nossos pensamentos? Eles, apenas, chegam, permanecem por tempo longo ou curto, e se vão! Nenhum de nós tem domínio ou o controle sobre sua mente; ela é q nos comanda e nos leva daqui para lá e de lá para além! Sinceramente, não consegui entender!

OLE 254 "...Sua ação é toda intelectual e seu repouso, inteiramente moral; ou seja, há momentos em que seu pensamento deixa de ser tão ativo e não mais se fixa num objetivo determinado...."

Cel, podemos dizer que enquanto encarnado o espírito encontra-se preso e limitado aos órgãos humanos que é muito grosseiro para a sua manifestação. Você afirma que nós não temos o controle sobre a mente e que somos levado daqui para lá. Eu afirmo que somos essas mente que comanda o corpo que é muito grosseiro para a nossa plena manifestação.

      Lucazan    (ref #335)
      Lucazan: As plantas tem consciência? Os animais e plantas têm ligação direta a Deus?

      Cel: tudo tem “ligação direta” com Deus, o Criador de todas as coisas; tudo está dentro do domínio de Deus. Lembremos Kardec (outros afirmaram a mesma coisa): “do átomo ao anjo é uma linha reta!”. E é evidente q, hoje, pelo avanço da ciência, q permitiu q conhecêssemos coisas q antes não conhecíamos, podemos dizer: “das mais submicroscópicas partículas do átomo ao anjo, é uma linha reta!”.

      E, qto às plantas, há provas cientificas de q são até mais sensíveis do q animais humanos e não-humanos, sob muitos aspectos; percebem o que vai acontecer antes q aconteça; reagem e, sob determinadas condições, demonstram essa reação.

      A ciência moderna, q tem, de cem anos para cá, pesquisado o transcendental, já demonstra q “tudo” é feito de consciência, q a consciência é q cria o mundo material . Antes, acreditava-se q a consciência era produzida pelo ser e q se manifestava através de seu cérebro; portanto, q a consciência nos seres, era apenas, um subproduto cerebral; hoje, a ciência afirma o oposto disso: q é a consciência q cria a matéria (um modo de dizer q é através da mente e de seus órgãos de relação com o mundo, com a vida, q a matéria é alguma coisa – coisa q muitos chamam de ilusão – provocada por nossos sentidos).

      Aí, é evidente, está incluído tudo, rochas, minerais, animais... tudo!
...................................................


Todo o universo encontra-se em harmônia e obedecer as leis divina que garante que a vontade de Deus prevaleça no conjunto universal. Se você entende que esta harmônia seja uma ligação direta com Deus, aí tudo bem. Mas se achar que tudo realmente tem ligação direta com Deus, ai já é trocar o efeito pela causa.

"...É assim que tudo serve, tudo se encaixa na natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo que começou pelo átomo; admirável lei de harmonia da qual vosso Espírito limitado ainda não pode entender o conjunto."

Achar que um dia um átomo será um arcanjo, também é trocar o efeito pela causa!

O átomo primitivo é matéria universal e todo espírito começa a sua jornada atuando de forma inconsciente sobre a matéria ou átomo primitivo. Admirável lei de harmonia da qual não podemos entender o conjunto e que contempla tudo, deste o átomo primitivo até o arcanjo.
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 01 de Agosto de 2012, 16:42
"(...) Sua ação é TODA intelectual (...)"Ora se é toda intelectual  é por conseguinte TODA pensamento arrazoado.
Não pode ser o contrário, sem que se queira chamar babata de banana.
Abração,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Conforti em 09 de Setembro de 2012, 00:18
      Lucazan     (ref #50)

     Como aconselham os homens sensatos, os assuntos da fé devem ser raciocinados, profundamente raciocinados!
....................................
      Amigo, por falha minha, só, agora, respondo sua msg.
 
      Lucazan escreveu (msg ant): Não pensar para o espírito é o mesmo que não viver...

      Cel (msg ant): olá, amigo; vamos raciocinar: quer dizer q a vida do espírito é pensar? Ou que a vida do espírito é sustentada pelo pensamento? O espírito, ou o espírito encarnado, o homem, tem pensamentos próprios, isto é, q sejam verdadeiramente seus?!

      Como podemos concluir q a vida da criação de Deus é pensar, se nem mesmo o criado, isto é, nós, temos domínio ou comandamos nossos pensamentos? Eles, apenas, chegam, permanecem por tempo longo ou curto, e se vão! Nenhum de nós tem domínio ou o controle sobre nossa mente; ela é q nos comanda e nos leva daqui para lá e de lá para além!... 

      Lucazan: OLE/254 "... Sua ação (do espírito) é toda intelectual e seu repouso, inteiramente moral; ou seja, há momentos em que seu pensamento deixa de ser tão ativo e não mais se fixa num objetivo determinado..."

      Cel: não entendi o “repouso inteiramente moral”; mas, vamos continuar porq, me parece, essa dúvida, nada tem a ver como nosso assunto, mesmo porq se  desejarmos questionar, o questionamento será impossível, pois não há a quem endereçá-lo e nunca chegaremos a uma conclusão; aqui é: “acreditar ou não acreditar”, como acontece com relação a um dogma. E, observe q, qdo temos confiança nas fontes do conhecimento que vem de nossas crenças, quase sempre aceitamos tudo q ela nos diz, mesmo sem questionar.

      Lucazan: Cel, podemos dizer que enquanto encarnado o espírito encontra-se preso e limitado aos órgãos humanos, que é muito grosseiro para a sua manifestação.

      Cel: foi o q lhe perguntei anteriormente: se o corpo grosseiro impede o espírito de se manifestar plenamente, porq vc nos trouxe essa concepção em msg anterior? O q vc quis dizer com isso? Isso, para vc, o q significa? Que, se não fosse o corpo, as manifestações do espírito seriam, do ponto de vista moral, melhores, não é verdade, isto é, mais conforme a vontade do espírito? Ou seriam piores? As doutrinas e religiões populares nunca nos deram essa resposta! E, penso, nunca darão! 

      Lucazan:Você afirma que nós não temos o controle sobre a mente e que somos levado daqui para lá. Eu afirmo que somos essa mente que comanda o corpo que é muito grosseiro para a nossa plena manifestação.

      Cel: meu amigo, essa é aquela mente a q damos o nome de “eu inferior”; não é o espírito; é resultante da criação do ego; é a mente do ego; melhor ainda, é o ego, o pai do egoismo, Se vc se auto-observar, com certeza vai perceber q essa mente comanda seu corpo, os pensamentos, sentimentos, as ações, procedimentos e atitudes, os desejos, as vontades, as paixões, as emoções, as percepções sobre o mundo, sim, e q nós, vc, eu, e quem mais for, não temos qualquer comando sobre ela. Se o comando sobre a mente é nosso, porq cometemos tantas ações erradas? Por desejo de cometer ações erradas? Porq nossas escolhas são tão erradas? Nós mesmos decidimos fazer escolhas tão absurdas, mesmo sabendo q, com isso, estamos indo contra as leis de Deus?  Será q devemos acreditar q, de livre vontade, em sã consciência, decidimos escolher sofrer, mesmo podendo escolher ser feliz?

      Se tivéssemos comando sobre nossa mente, porq nós, espíritos, pensaríamos de modo tão instável, tão inconstante, e tão imprevisível?

      Para vc comprovar q não comanda sua mente, basta fazer um teste muito simples: tente permanecer com a mente vazia, sem pensamento algum; ou tente afastar um pensamento indesejável (aliás, porq, ou como, haveria em nossa mente pensamentos indesejáveis se a comandássemos?) ou fazer q, em sua mente, permaneça um só pensamento por algum tempo; vc verá que: primeiro: não consegue ficar com a mente vazia; segundo: q pensamentos indesejáveis, ou desejáveis, não obedecem a sua vontade, pois surgem qdo menos esperamos; se vão qdo menos esperamos; voltam qdo menos esperamos, e mesmo q não queiramos q voltem etc; terceiro: vc não consegue q sua mente permaneça pensando sobre uma coisa só. Tente permanecer com um único pensamento em sua mente e, se conseguir fazer isso, por um minuto q seja, já será uma vitória! Faça o teste!

      Lucazan (msg ant): As plantas tem consciência? Os animais e plantas têm ligação direta a Deus?

      Cel (m ant): tudo tem “ligação direta” com Deus, o Criador de todas as coisas; tudo está dentro do domínio de Deus. Lembremos Kardec (outros afirmaram a mesma coisa): “do átomo ao anjo é uma linha reta!”. E é evidente q, hoje, pelo avanço da ciência, q permitiu q conhecêssemos coisas q antes não conhecíamos, podemos dizer: “das mais submicroscópicas partículas do átomo ao anjo, é uma linha reta!”.

      E, qto às plantas, há provas cientificas de q são até mais sensíveis do q animais humanos e não-humanos, sob muitos aspectos; percebem o que vai acontecer antes q aconteça; reagem e, sob determinadas condições, demonstram essa reação.

      A ciência moderna, q tem, de um século para cá, pesquisado o transcendental, já demonstra q “tudo” é feito de consciência, q a consciência é q cria o mundo material. Antes, acreditava-se q a consciência era produzida pelo fato de o ser possuir um cérebro, e q se manifestava através desse cérebro; portanto, q a consciência nos seres, era apenas, um subproduto cerebral; hoje, a ciência afirma o oposto disso: q é a consciência q cria a matéria (um modo de dizer q através da mente e de seus órgãos de relação com o mundo, com a vida, é q a matéria existe e q, assim, a matéria é alguma coisa – coisa q muitos chamam de ilusão – provocada por nossos sentidos).

      Aí, é evidente, está incluído tudo, rochas, minerais, animais... tudo!
      ...................................................
      Lucazan (ant)Todo o universo encontra-se em harmônia e obedecer as leis divina que garante que a vontade de Deus prevaleça no conjunto universal. Se você entende que esta harmônia seja uma ligação direta com Deus, aí tudo bem. Mas se achar que tudo realmente tem ligação direta com Deus, ai já é trocar o efeito pela causa.
      "...É assim que tudo serve, tudo se encaixa na natureza, desde o átomo primitivo até o arcanjo que começou pelo átomo; admirável lei de harmonia da qual vosso Espírito limitado ainda não pode entender o conjunto."

      Achar que um dia um átomo será um arcanjo, também é trocar o efeito pela causa!

      Cel: meu amigo, a frase “do átomo ao anjo é uma linha reta” é da doutrina. Com isso deve estar dizendo q o PI habita e se desenvolve na matéria, desde o átomo, matéria primordial, até o anjo, no qual a matéria, afinal, se quintessencia, se dissolve.
.............................................

     
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: rtt em 20 de Outubro de 2012, 00:42
Boa noite.
Gostaria de sugerir o vídeo a seguir, que mostra um exemplo da solidariedade entre os animais.

Bebê búfalo salvo por manada
national geographic- manada de bufalos enfrenta 6 leões para salvar filhote (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVVMc2dOU1B4VWJJJmFtcDtmZWF0dXJlPXBsYXllcl9lbWJlZGRlZCM=)
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 20 de Outubro de 2012, 17:33
Amigos, os cientistas não erram quando falam da consciência que os animais possam ter, apenas não adentram, no conteúdo da doutrina.
Falam de consciência mas no estado de encarnação, pois que esta consciência e a começar a de si mesmos, esta eles não a têm quando desencarnados.
Nós Espíritas ou melhor dizendo alguns de nós, é que costumamos generalizar e complicar oque é bem simples de ser compreendido.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: EsoEstudos em 21 de Outubro de 2012, 01:14
Após um longo tempo sem participar, peço licença para opinar.

Esse tema já proporcionou várias polêmicas neste Fórum, o que, por si só, já é algo louvável.

Apenas para meditação:

Quem quer que leia sobre bonobos saberá que a vida dos grupos se assenta na plena liberdade sexual. Raramente há conflitos, tudo se resolvendo pela busca constante de prazer sexual. Já houve notícia de bonobos machos que ficam, por assim dizer, excitados na presença de mulheres... A languidez decorrente dos seguidos desafogos pode bem ser observada também.

É o que ocorre com os evolucionários que, atingida a humanidade, optam pela reiteração descriteriosa da busca de prazer sexual. O êxtase sexual compreende movimentação imensa de energias em todos os níveis conscienciais. Se bem dirigida essa energia, desperta, ativa e intensifica os chakras superiores; se desperdiçada nas sensações meramente prazerosas, alimenta apenas os chakras inferiores, o que leva, depois de muito tempo, à reativação dos ciclos que já se havia ultrapassado --- é a degeneração.

Claro que isso não implica em degeneração definitiva... Mas gera atraso e o ser não pode continuar na mesma onda de vida dos que, mal ou bem, conseguem seguir adiante.

Os bonobos são nossos irmãozinhos descuidados de si...


http://esoestudos.blogspot.com.br/2012/07/bonobos-maniacos-sexuais-de-outrora.html

Conquanto todo esse contexto se ache FORA da Doutrina Espírita (se alinhando com o rosacrucianismo de Heindel), parece-me consentâneo com o espírito da codificação. Não imagino viável a tese de que haja raciocínios fragmentários com origem exclusivamente em redes neurais físicas formadas por mero acerto bioquímico. Os espíritos-grupo atuam com um fim bem determinado no contexto evolutivo e não apenas como coadjuvantes da cena planetária.

Apenas uma opinião... Não é Doutrina Espírita. É estudo espiritualista, cuja legitimidade deve ser aferida por quem o leia, livremente, sem condicionamentos pessoais.

Um abraço a todos!

Marco
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Conforti em 11 de Maio de 2013, 19:14
      Consciência e autoconsciência dos animais

      Considerando-se o q vai abaixo, uma questão: os animais foram criados para servirem ao homem, como alimento, diversão, objetos para o descarregamento da raiva embutida, e outros fins?

      (Obs: amigos, infelizmente não cito as fontes; colecionei sempre, estes e outros textos, para meu “consumo próprio e de minha família”; por isso não procurei anotar as fontes. Quem se interessar, encontrará estes trechos e outros mais na internet)

      - Pesquisas realizadas com todo o rigor científico comprovam que os animais são semelhantes a nós humanos, inclusive nas características subjetivas:

      - "... o homem e os animais superiores têm todos os mesmos sentidos, as mesmas intuições e as mesmas sensações; têm paixões, afetos e emoções similares, até mesmo os mais complexos como o ciúme, a suspeita, a emulação, a gratidão e a magnanimidade; eles enganam e se vingam; têm às vezes o senso do ridículo e até um senso de humor; sentem espanto e curiosidade; possuem as mesmas faculdades de imitação, atenção, deliberação, escolha, memória, imaginação, associação de idéias e raciocínio, embora em graus bem diferentes." (p.87)...

      - Renomados neurocientistas, psicólogos, etólogos (cientistas do comportamento das espécies animais), biólogos, entre outros, defendem a existência de processos mentais análogos aos do ser humano, até mesmo nos invertebrados, insetos, moscas, formigas, aranhas e seres monocelulares, e iguais características psicológicas. Negar q os animais têm sensações e sentimentos semelhantes aos dos homens, hoje é absurdo em vista das comprovações científicas...

      - ... animais usam de estratagemas inteligentes, planejamento, malícias em seus  mecanismos de localização de presas, como os morcegos através da produção de vocalizações ultrassônicas ("sonar", dos submarinos), aranhas, através das vibrações das teias...

      - Já existe mesmo entendimento comum a muitos pesquisadores no sentido de que o morcego seja objeto de reflexão tanto para o cientista do comportamento animal (etólogo) quanto para o físico e até para o filósofo.

      - Já se defende a idéia que o conhecimento de um animal é produto de uma construção. A partir da observação de como ele se orienta no ambiente, dos objetos que procura ou que o incomodam e dos quais foge, do modo como lida com animais da mesma espécie (coespecíficos), de sua comunicação, etc., chega-se a uma imagem integrada de seu modo peculiar de ser, enquanto indivíduo e membro de uma espécie. Cria-se empatia e respeito, descobre-se como cuidar dele e, às vezes, como interagir com ele sem que a semelhança com o comportamento ou a consciência do ser humano sirva de critério primordial...

      - Os animais têm lembranças, do passado, e antecipações (expectativas, imaginação) de situações futuras... “Tais características e capacidades (inerentes aos pensamentos, raciocínio etc) levam, freqüentemente, o animal a efetuar comparações entre duas ou mais representações (soluções de problemas) e a escolher e decidir acerca do comportamento que ele acredita capaz de levar aos resultados desejados, ou a evitar resultados negativos." (1991, p.5).

      - O estudo comparativo, com o da evolução da inteligência humana, forneceu evidências de que ‘parece’ haver uma "massa crítica" de neurônios que, alcançada, leva o animal a  conseguir chegar a uma consciência semelhante à dos humanos, incluindo quanto à linguagem e cognição; e estas propriedades da mente, parecem estar ‘já’ presentes em outras espécies com cérebros altamente desenvolvidos, embora em forma mais primitiva ou reduzida, em relação ao homem.

      - Os animais são incapazes de comunicar isso diretamente a nós, porque eles não têm linguagem... mas há espécies que já (gorila Kenzi), demonstraram que são capazes de inventar novas palavras, construir frases abstratas e expressar seus sentimentos através da Linguagem Americana de Sinais (para surdos-mudos) ou linguagens simbólicas baseadas em computadores.

      - ... parecem ter modelos de mente e que são capazes de representações da realidade bastante sofisticadas. Por exemplo, chimpanzés conseguem localizar rapidamente objetos ocultos em ambientes complexos, quando lhes é mostrado, através de uma maquete miniaturizada, onde os objetos estão escondidos.

      - Na natureza, sabe-se que os chimpanzés são capazes de elaborar roteiros e estratégias complicadas com o objetivo de enganar competidores e obter vantagens, mudar de lado (de partido, nos relacionamentos) ou atraiçoar-se mutuamente. Sabe-se, inclusive, que eles são capazes de mentir e dissimular, uma qualidade que é a quintessência (acepção mais importante, o q há de fundamental, de mais complexo) da mente humana, que exige a capacidade de "observar a operação de sua própria mente", e de fazer operações mentais indutivas, dedutivas e abdutivas (estudo de hipóteses para solucionar um problema) com base em informação externa.

      - Chimpanzés reconhecem a si próprios em um espelho, por exemplo, uma proeza de que nenhum outro animal é capaz. Assim, podemos dizer que eles são capazes de auto-percepção!

      - ... são aptos quanto à fabricação de ferramentas e ao seu uso para resolver problemas de forma adaptativa, o que evidencia notáveis habilidades mentais, uma capacidade para invenção e criatividade que anteriormente pensava-se ser uma exclusividade do Homo sapiens.

      - Até mesmo o "campo sagrado" da mais poderosa das operações simbólicas mentais, a aritmética e a matemática, parece não ser mais uma exclusividade do homem (4).

      - Experimentos com macacos rhesus feitos por Herbert Terrace e Elizabeth Brannon demonstraram que os macacos têm status de "conscientes, sencientes (que têm consciência de terem consciência) e pensantes"...  Enquanto a mente de um humano é, como se pressupõe, mais complexa do que as mentes dos outros animais, a verdade é que estas diferenças são apenas de grau e não de género, como defendeu Charles Darwin, o precursor da biologia moderna.2.

      -  neurocientistas  do comportamento, com doutorado em etologia,  mostraram que aos animais também pertencem as faculdades de cognição,  auto-consciência e a senciência... existente até em animais invertebrados, insetos....

      - Essas descobertas nos permite estabelecer argumentos capazes de fazer incluir os invertebrados na esfera da moralidade...

      - ... o animal assimila, processa e armazena informações antes de agir e age de acordo com o que processou (Dawkins 2001). Para a etóloga britânica Marian Stamp Dawkins, a consciência é o maior mistério ainda por desvendar que a biologia enfrenta (Dawkins 2001) e, assim mesmo, são famosos os estudos de neuropsicólogos e etólogos, nas décadas de 70 e 80, do século passado, sobre a linguagem gestual (através de gestos, expressões faciais, movimentos do corpo) e mesmo sobre a linguagem pela emissão de sons, como entre baleias, golfinhos, cães, gatos, pássaros e outros...
........................................... Continua para terminar ............
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Conforti em 11 de Maio de 2013, 22:35
     Consciência e autoconsciência dos animais   ...... continuação e fim............

... entre baleias, golfinhos, cães, gatos, pássaros e outros...

      - A dúvida persiste sobre se os símios antropóides são capazes de verem a si próprios como indivíduos e de pensar em pensamentos[2]; entretanto, em relação a outras espécies animais, já se concluiu que estão nesse caminho,  como golfinhos, elefantes e pegas (espécie de aves).   

      - ... peixes (denominados vertebrados inferiores) são capazes de experimentar dor física e psicológica de modo muito análogo aos mamíferos, inclusive ao homem.  Os animais inferiores, do mesmo modo como o Homem, manifestamente sentem prazer e dor, alegria e tristeza. (...)

      - Até os insectos brincam juntos (- Huber, estudou formigas perseguindo-se umas às outras e fingindo se morderem, como se fossem cachorrinhos ou gatos brincando), como foi descrito pelo excelente observador P, ser humano que vive o princípio da “reverência” pela vida, Schweitzer (1923) escreveu:

      “Se ele sair à rua após uma tempestade e vir uma minhoca que se perdeu, ele compreende que ela secará ao Sol se não alcançar rapidamente terra húmida onde rastejar, e então ele remove-a das pedras mortíferas e a devolve à relva luxuriante. Se ele passar por um insecto que caiu numa piscina, dá-se ao trabalho de lhe fazer chegar uma folha ou galho no qual ele possa trepar e salvar-se”.

      - “... Apesar de afirmar que a consciência não é o principal factor a ter em conta, embora considerado muito importante, nada justifica o sofrimento perpetrado a animais de forma gratuita, injustificada e cruel. Já se abre o benefício da dúvida a todos os animais e não só aos vertebrados acerca de possuírem consciência e autoconsciência semelhantes aos humanos.

      - Após duas décadas de pesquisas, comprova-se que a consciência não é uma característica exclusiva dos seres humanos. Outros animais têm ciência da própria existência e empatia pelo próximo.

      - ... Os seres humanos não são os únicos animais que têm consciência. Um grupo de neurocientistas — doutores de instituições de renome como Caltech, MIT e Instituto Max Planck — publicou um manifesto asseverando que o estudo da neurociência evoluiu de modo tal que não é mais possível excluir mamíferos, aves e até polvos do grupo de seres vivos que possuem consciência. O documento divulgado no último sábado (7), em Cambridge, esquenta uma discussão que divide cientistas, filósofos e legisladores há séculos sobre a natureza da consciência e sua implicação na vida dos humanos e de outros animais.

      - Leia mais: A íntegra, em inglês, do manifesto que afirma a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e outras criaturas, como polvos...

      - ... Apresentado à NASA nesta quinta-feira, o manifesto não traz novas descobertas da neurociência — é uma compilação das pesquisas da área. Representa, no entanto, um posicionamento inédito relativo sobre a capacidade de outros seres perceberem sua própria existência e o mundo ao seu redor.   

      - Em entrevista ao site de VEJA, Philip Low, criador do iBrain, o aparelho que recentemente permitiu a leitura das ondas cerebrais do físico Stephen Hawking, e um dos articuladores do movimento, explica que nos últimos 16 anos a neurociência descobriu que as áreas do cérebro que distinguem seres humanos de outros animais não são as que produzem a consciência. "As estruturas cerebrais responsáveis pelos processos que geram a consciência nos humanos e outros animais são equivalentes; animais também possuem consciência.", afirma Low.

     - Estudos recentes, como os da pesquisadora Diana Reiss (uma das cientistas que assinaram o manifesto), da Hunter College, nos Estados Unidos, mostram que golfinhos e elefantes também são capazes de se reconhecer no espelho. Essa capacidade é importante para definir se um ser está consciente. O mesmo vale para chimpanzés e pássaros. Outros tipos de comportamento foram analisados pelos neurocientistas.
"Quando seu cachorro está sentindo dor ou feliz em vê-lo, há evidências de que no cérebro deles há estruturas semelhantes às que são ativadas quando exibimos medo e dor e prazer", diz Low.

      - Personalidade animal - Dizer que os animais têm consciência pode trazer várias implicações para a sociedade e o modo como os animais são tratados. Steven Wise, advogado e especialista americano em direito dos animais, diz que o manifesto chega em boa hora. "O papel dos advogados e legisladores é transformar conclusões científicas, como essa, em legislação que ajudará a organizar a sociedade", diz em entrevista ao site de VEJA. Wise é líder do Projeto dos Direitos de Animais não Humanos. O advogado coordena um grupo de 70 profissionais que organizam informações, casos e jurisprudência para entrar com o primeiro processo em favor de que alguns animais — como grandes primatas, papagaios africanos e golfinhos — tenham seu status equiparado ao dos humanos.

      - O manifesto de Cambridge dá mais munição ao grupo de Wise para vencer o caso. "Queremos que esses animais recebam direitos fundamentais, que a justiça os enxergue como pessoas, no sentido legal." Isso, de acordo com o advogado, quer dizer que esses animais teriam direito à integridade física e à liberdade, por exemplo. "Temos que parar de pensar que esses animais existem para servir aos seres humanos", defende Wise. "Eles têm um valor intrínseco, independente de como os avaliamos."

      - Questão moral -
      “Ostra feliz não faz pérola” não é mais uma questão de “crença”, dito popular ou de opinião… é um fato observado cientificamente...

      - ... aliás, há muito tempo, em diversos estudos e pesquisas, mas que só agora estão sendo conhecidas pelo mundo não-científico, já se provara q animais têm consciência de si mesmos e do mundo ao seu redor (variando de espécie para espécie, e dentro, é claro, daquilo que podemos MEDIR cientificamente).

      - ... projeto em parceria com o físico Stephen Hawking, de 70 anos. Low quer ajudar Hawking, que está completamente paralisado há 40 anos por causa de uma doença degenerativa, a se comunicar com a mente. Os resultados da pesquisa foram revelados no último sábado (7) em uma conferência em Cambridge. Contudo, o principal objetivo do encontro era outro. Nele, neurocientistas de todo o mundo assinaram um manifesto afirmando que todos os mamíferos, aves e outras criaturas, incluindo polvos, têm consciência. Stephen Hawking estava presente no jantar de assinatura do manifesto como convidado de honra.
...............................
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Conforti em 11 de Maio de 2013, 22:44
      Amigos,

      Nós, os animais racionais, e os chamados, até agora, de irracionais, somos irmãos, dentro do entendimento que procedemos do mesmo pai. Talvez a diferença, a única diferença entre uns e outros, resida no cérebro e nas consequentes diferenças q ele proporciona.
................................
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Brenno Stoklos em 12 de Maio de 2013, 08:24
592. Se, pelo que toca à inteligência, comparamos o homem e os animais, parece difícil estabelecer-se uma linha de demarcação entre aquele e estes, porquanto alguns animais mostram, sob esse aspecto, notória superioridade sobre certos homens. Pode essa linha de demarcação ser estabelecida de modo preciso?

“A este respeito é completo o desacordo entre os vossos filósofos. Querem uns que o homem seja um animal e outros que o animal seja um homem. Estão todos em erro. O homem é um ser à parte, que desce muito baixo algumas vezes e que pode também elevar-se muito alto. Pelo físico, é como os animais e menos bem dotado do que muitos destes. A Natureza lhes deu tudo o que o homem é obrigado a inventar com a sua inteligência, para satisfação de suas necessidades e para sua conservação. Seu corpo se destrói, como o dos animais, é certo, mas ao seu Espírito está assinado um destino que só ele pode compreender, porque só ele é inteiramente livre. Pobres homens, que vos rebaixais mais do que os brutos! Não sabeis distinguir-vos deles? Reconhecei o homem pela faculdade de pensar em Deus.”

593. Poder-se-á dizer que os animais só obram por instinto?

“Ainda aí há um sistema. É verdade que na maioria dos animais domina o instinto. Mas, não vês que muitos obram denotando acentuada vontade? É que têm inteligência, porém limitada.”
Não se poderia negar que, além de possuírem o instinto, alguns animais praticam atos combinados, que denunciam vontade de operar em determinado sentido e de acordo com as circunstâncias. Há, pois, neles, uma espécie de inteligência, mas cujo exercício quase que se circunscreve à utilização dos meios de satisfazerem às suas necessidades físicas e de proverem à conservação própria. Nada, porém, criam, nem melhora alguma realizam. Qualquer que seja a arte com que executem seus trabalhos, fazem hoje o que faziam outrora e o fazem, nem melhor, nem pior, segundo formas e proporções constantes e invariáveis. A cria, separada dos de sua espécie, não deixa por isso de construir o seu ninho de perfeita conformidade com os seus maiores, sem que tenha recebido nenhum ensino. O desenvolvimento intelectual de alguns, que se mostram suscetíveis de certa educação, desenvolvimento, aliás, que não pode ultrapassar acanhados limites, é devido à ação do homem sobre uma natureza maleável, porquanto não há aí progresso que lhe seja próprio.
Mesmo o progresso que realizam pela ação do homem é efêmero e puramente individual, visto que, entregue a si mesmo, não tarda que o animal volte a encerrar-se nos limites que lhe traçou a Natureza.

594. Têm os animais alguma linguagem?

“Se vos referis a uma linguagem formada de sílabas e palavras, não. Meio, porém, de se comunicarem entre si, têm. Dizem uns aos outros muito mais coisas do que imaginais,
Mas, essa mesma linguagem de que dispõem é restrita às necessidades, como restritas também são as idéias que podem ter.”

595. Gozam de livre-arbítrio os animais, para a prática dos seus atos?

“Os animais não são simples máquinas, como supondes. Contudo, a liberdade de ação, de que desfrutam, é limitada pelas suas necessidades e não se pode comparar à do homem. Sendo muitíssimo inferiores a este, não têm os mesmos deveres que ele. A liberdade, possuem-na restrita aos atos da vida material.”

598. Após a morte, conserva a alma dos animais a sua individualidade e a consciência de si mesma?

“Conserva sua individualidade; quanto à consciência do seu eu, não. A vida inteligente lhe permanece em estado latente.”

599. À alma dos animais é dado escolher a espécie de animal em que encarne?

“Não, pois que lhe falta livre-arbítrio.”

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Outubro de 2013, 10:55
Cachorros têm sentimentos como humanos, diz estudo

07/10/2013


São Paulo – É comum ver cachorros serem tratados como crianças por seus donos. Muitos consideram esse tipo de atitude exagerada, mas uma nova pesquisa indica que os apaixonados por cães podem estar no caminho certo: o nível de emoção sentido por um cão é comparável ao de uma criança. As informações são do The New York Times.

Gregory Berns, professor de neuroeconomia da Emory University (Estados Unidos), dedicou dois anos de pesquisa para entender o funcionamento do cérebro dos cães e descobrir o que eles pensam sobre as pessoas. Após vários experimentos, concluiu que os cachorros usam a mesma parte do cérebro humano para sentir.


Para chegar nessa conclusão, Berns usou uma máquina de ressonância magnética, capaz de analisar o cérebro humano. Esse exame é odiado por humanos porque exige que o paciente fique enclausurado e imóvel por um longo período de tempo.

Um veterinário iria recomendar que esse tipo de exame fosse feito com o cachorro sedado. O problema é que com o animal medicado, a máquina de ressonância magnética não consegue ver as atividades cerebrais. Por isso, todos os cães que participaram eram voluntários e podiam desistir de participar da pesquisa quando quisessem.

Para driblar o problema, Berns contou com a ajuda de Mark Spivak, um treinador de cães que o ajudou a ensinar Callie, a cachorra do pesquisador e a primeira voluntária, a ficar imóvel durante todo o procedimento da ressonância magnética.

Callie aprendeu a subir os degraus do tubo construído na sala de estar da casa, colocar a cabeça em um descanso de queixo personalizado e ficar imóvel por períodos de até 30 segundos. Também aprendeu a usar protetores de ouvido para proteger sua audição do  barulho que a máquina faz.

Os mapas cerebrais gerados pela máquina comprovaram que os cães usam a mesma parte do cérebro humano para prever situações prazerosas: o núcleo caudado. Essa área entre o tronco cerebral e o córtex é rica em receptores de dopamina e costuma ficar mais ativa nos humanos diante de situações que envolvam comida, amor e dinheiro. Também foi essa a região estimulada pela cadela quando simularam que ela receberia um petisco ou quando o dono reapareceu após ficar alguns minutos distante. 

Para Berns, a capacidade de experimentar emoções positivas, como o amor e apego, significa que os cães têm um nível de sensibilidade comparável à de uma criança humana. E essa capacidade sugere repensar a forma como tratamos os cães.

Isso porque os cachorros têm sido considerados propriedade dos humanos, como se fossem apenas coisas. Mas as novas evidências sugerem que cães e, provavelmente, muitos outros animais (especialmente os primatas) têm emoções como nós. Um sinal de que é preciso repensar o tratamento de animais como propriedades de uma espécie que se acha superior, a dos humanos.

Fonte: http://info.abril.com.br/noticias/ciencia/2013/10/cachorros-tem-sentimentos-como-os-humanos-diz-estudo.shtml

Mais informações: http://oglobo.globo.com/ciencia/o-melhor-amigo-do-homem-tambem-tem-sentimentos-10283038
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 08 de Outubro de 2013, 12:27
Gente,
vamos ser inteligentes:
Das duas uma, ou temos a DE com a geradora de conhecimentos neste ponto, e ela nos diz que animais podemmesmo ter consciência restrita aos atos para os quais estejam possibilitados, ou vamos continuar a dar uma de entendidos e dar vasão apenas aoque queremos que seja verdade.
Temos, da notícia veiculada apenas op resultado obtido por um apsquisador, mas que, sabemos toidos não teve nem obteve reconhecimento da classe até este momento.
Dessarte, tal co mo no jogo do bicho, vale o escrtito, neste caso na DE.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 08 de Outubro de 2013, 15:01
Frans de Waal: Comportamento moral em animais TED Legendado (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUZEUlgyUVFfWG84Iw==)
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: MarcosBorges em 08 de Outubro de 2013, 17:38
Estudos sobre associação entre centros cerebrais e emoções em animais em comparação aos humanos este existem varios. O diferencial neste estudo foi o uso de RNM para visualizar em tempo real a atividade cerebral.

Associação entre alimento e o dono com emoções positivas relacionados ao que é agradável, segurança e confiança. Mas dizer que cão manifesta amor e apego subentende que o mesmo pode racionalizar sobre o conteudo emocional experienciado. Uma resposta neurofisiologia no sistema limbido e outros nucleos do hipotalamo que funcionalmente processa estados emocionais e memoria, não informa se o comportamento emocional foi racionalizado e portanto percebido como amor e apego ou foi um comportamento emocional que responde ao que é agradavel ou que é desagradavel de forma instintiva sem racionalizar.

Mesmo que a area no hipotalamo, o nucleo caudado, em cães e humanos, responda de forma identica a estimulos agradaveis demonstrado resposta emocionais, a forma com o principio inteligente do cão interpreta em seu estado de consciencia pode ter um significado distinto do que uma criança humana.

A pergunta que deve ser feita é se o cão vivencia em seu estado de consciência, comparado ao de uma criança, amor e apego ou se nos intrepretamos tais reações em animais baseados nas experiencias racionais que experienciamos ou observamos nas relações emtre humanos?

O que este estudo e outros demonstram é que os animais não são maquinas instintivas programadas e capazes de sere programadas, mas que compartilham reações emocionais capazes de sentir prazer e sofrimento. Animais com os cães não são automatos insensiveis pois possuem principio inteligente.
Contudo como todos os comportamentos seu significado para o cão pode ter relação com sua forma de perceber dentro do modo de vida canino.

Um exemplo para ilustrar.... Para um cão é importante a sua conexão com a matilha, a relação social em sua consciência está em viver em matilha. Assim, mesmo que o dono considere proprietario do cão o mesmo vê todos os membros da familia como parte da matilia. Seus sentimento, parzerosos ou não, estão relacionados ao modo vivente de cão em matilha. Dependendo de como o dono se possiciona o cão vai interpretar em sua consciencia baseado no intinto de viver em matilia. Para o cão o dono não é sua propriedade, mas um outro membro da matilha que, dependendo da forma como o cão interpreta as reações comportamentais humana pode considerar como um igual, um mas baixo a ele ou como lider (alfa).

É neste aspecto temos que respeitar e compreender um animal e não tentar humaniza-lo.


Abraços fraternos

Marcos Borges



 
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 08 de Outubro de 2013, 18:17
(...)
O que este estudo e outros demonstram é que os animais não são maquinas instintivas programadas e capazes de sere programadas, mas que compartilham reações emocionais capazes de sentir prazer e sofrimento. Animais com os cães não são automatos insensiveis pois possuem principio inteligente.
Contudo como todos os comportamentos seu significado para o cão pode ter relação com sua forma de perceber dentro do modo de vida canino.
(...)
É neste aspecto temos que respeitar e compreender um animal e não tentar humaniza-lo.
(...)

Algo que os Espíritos superiores já sabiam e tentaram nos ensinar:

Citar
595. Os animais possuem o livre-arbítrio de seus atos?

Eles não são simples máquinas, como o imaginais; a liberdade de ação deles, porém, é limitada às suas necessidades e não pode se comparar à do homem. Sendo muitíssimo inferiores a ele, não têm os mesmos deveres. A liberdade deles está restrita aos atos da vida material.”

(…)

604. Os animais, mesmo os aperfeiçoados, nos mundos superiores, sendo sempre inferiores ao homem, daí resulta que Deus teria criado seres intelectuais perpetuamente destinados à inferioridade, o que parece em desacordo com a uni-dade de vistas e de progresso que se observa em todas as suas obras?

“Tudo se encadeia na Natureza, por elos que não podeis ainda apreender e as coisas mais díspares, aparentemente, têm pontos de contato que o homem nunca chegará a compreender, no seu estado atual. Ele pode entrevê-los, por um esforço de sua inteligência, mas, somente quando essa inteligência tiver adquirido todo o seu desenvolvimento e estiver liberada dos preconceitos do orgulho e da ignorância, é que ela poderá ver claramente na obra de Deus; até lá, suas idéias limitadas fazem-no ver as coisas de um ponto de vista mesquinho e acanhado. Sabei bem que Deus não pode se contradizer, e que tudo, na Natureza, se harmoniza, através das leis gerais que nunca se afastam da sublime sabedoria do Criador.”

(O livro dos Espíritos) (Grifos meus)
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: lconforjr em 08 de Outubro de 2013, 21:36
      Consciência e autoconsciência dos animais

      Animais têm consciência e autoconsciência semelhantes às dos humanos. Diferenças são devidas, provavelmente, à estrutura cerebral, que não permite a formação de órgãos que lhes dê possibilidade de  comunicação entre seres da mesma espécie. Mas muitos têm, sim, uma linguagem própria.

     (Obs: amigos, infelizmente não cito as fontes; colecionei sempre, estes e outros textos, para meu “consumo próprio e de minha família”; por isso não procurei anotar as fontes. Quem se interessar, encontrará estes trechos e outros mais na internet)

      - Pesquisas realizadas por décadas e com todo o rigor científico comprovam que os animais são semelhantes a nós humanos, inclusive nas características subjetivas:

      - "... o homem e os animais superiores têm todos os mesmos sentidos, as mesmas intuições e as mesmas sensações; têm paixões, afetos e emoções similares, até mesmo os mais complexos como o ciúme, a suspeita, a emulação, a gratidão e a magnanimidade; eles enganam e se vingam; têm às vezes o senso do ridículo e até um senso de humor; sentem espanto e curiosidade; possuem as mesmas faculdades de imitação, atenção, deliberação, escolha, memória, imaginação, associação de idéias e raciocínio, embora em graus bem diferentes." (p.87)...

      - Renomados neurocientistas, psicólogos, etólogos (cientistas do comportamento das espécies animais), biólogos, entre outros, defendem a existência de processos mentais análogos aos do ser humano, até mesmo nos invertebrados, insetos, moscas, formigas, aranhas e seres monocelulares, e iguais características psicológicas.
      Negar q os animais têm sensações e sentimentos semelhantes aos dos homens, hoje é absurdo em vista das comprovações científicas...

      - ... animais usam de estratagemas inteligentes, planejamento, malícias em seus  mecanismos de localização de presas, como os morcegos através da produção de vocalizações ultrassônicas ("sonar", dos submarinos), aranhas, através das vibrações das teias...

      - Já existe mesmo entendimento comum a muitos pesquisadores no sentido de que o morcego seja objeto de reflexão tanto para o cientista do comportamento animal (etólogo) quanto para o físico e até para o filósofo.

      - Já se defende a idéia que o conhecimento de um animal é produto de uma construção. A partir da observação de como ele se orienta no ambiente, dos objetos que procura ou que o incomodam e dos quais foge, do modo como lida com animais da mesma espécie (coespecíficos), de sua comunicação, etc., chega-se a uma imagem integrada de seu modo peculiar de ser, enquanto indivíduo e membro de uma espécie. Cria-se empatia e respeito, descobre-se como cuidar dele e, às vezes, como interagir com ele sem que a semelhança com o comportamento ou a consciência do ser humano sirva de critério primordial...

      - Os animais têm lembranças, do passado, e antecipações (expectativas, imaginação) de situações futuras... “Tais características e capacidades (inerentes aos pensamentos, raciocínio etc) levam, freqüentemente, o animal a efetuar comparações entre duas ou mais representações (soluções de problemas) e a escolher e decidir acerca do comportamento que ele acredita capaz de levar aos resultados desejados, ou a evitar resultados negativos." (1991, p.5).

      - O estudo comparativo, com o da evolução da inteligência humana, forneceu evidências de que ‘parece’ haver uma "massa crítica" de neurônios que, alcançada, leva o animal a  conseguir chegar a uma consciência semelhante à dos humanos, incluindo quanto à linguagem e cognição; e estas propriedades da mente, parecem estar ‘já’ presentes em outras espécies com cérebros altamente desenvolvidos, embora em forma mais primitiva ou reduzida, em relação ao homem.

      - Os animais são incapazes de comunicar isso diretamente a nós, porque eles não têm linguagem... mas há espécies que já (gorila Kenzi), demonstraram que são capazes de inventar novas palavras, construir frases abstratas e expressar seus sentimentos através da Linguagem Americana de Sinais (para surdos-mudos) ou linguagens simbólicas baseadas em computadores.

      - ... parecem ter modelos de mente e que são capazes de representações da realidade bastante sofisticadas. Por exemplo, chimpanzés conseguem localizar rapidamente objetos ocultos em ambientes complexos, quando lhes é mostrado, através de uma maquete miniaturizada, onde os objetos estão escondidos.

      - Na natureza, sabe-se que os chimpanzés são capazes de elaborar roteiros e estratégias complicadas com o objetivo de enganar competidores e obter vantagens, mudar de lado (de partido, nos relacionamentos) ou atraiçoar-se mutuamente. Sabe-se, inclusive, que eles são capazes de mentir e dissimular, uma qualidade que é a quintessência (acepção mais importante, o q há de fundamental, de mais complexo) da mente humana, que exige a capacidade de "observar a operação de sua própria mente", e de fazer operações mentais indutivas, dedutivas e abdutivas (estudo de hipóteses para solucionar um problema) com base em informação externa.

      - Chimpanzés reconhecem a si próprios em um espelho, por exemplo, uma proeza de que nenhum outro animal é capaz. Assim, podemos dizer que eles são capazes de auto-percepção!

      - ... são aptos quanto à fabricação de ferramentas e ao seu uso para resolver problemas de forma adaptativa, o que evidencia notáveis habilidades mentais, uma capacidade para invenção e criatividade que anteriormente pensava-se ser uma exclusividade do Homo sapiens.

      - Até mesmo o "campo sagrado" da mais poderosa das operações simbólicas mentais, a aritmética e a matemática, parece não ser mais uma exclusividade do homem (4).

      - Experimentos com macacos rhesus feitos por Herbert Terrace e Elizabeth Brannon demonstraram que os macacos têm status de "conscientes, sencientes (que têm consciência de terem consciência e pensantes"... 

      Enquanto a mente de um humano é, como se pressupõe, mais complexa do que as mentes dos outros animais, a verdade é que estas diferenças são apenas de grau e não de género, como defendeu Charles Darwin, o precursor da biologia moderna.2.

      -  neurocientistas  do comportamento, com doutorado em etologia,  mostraram que aos animais também pertencem as faculdades de cognição,  auto-consciência e a senciência... existente até em animais invertebrados, insetos....

      - Essas descobertas nos permite estabelecer argumentos capazes de fazer incluir os invertebrados na esfera da moralidade...

      - ... o animal assimila, processa e armazena informações antes de agir e age de acordo com o que processou (Dawkins 2001). Para a etóloga britânica Marian Stamp Dawkins, a consciência é o maior mistério ainda por desvendar que a biologia enfrenta (Dawkins 2001) e, assim mesmo, são famosos os estudos de neuropsicólogos e etólogos, nas décadas de 70 e 80, do século passado, sobre a linguagem gestual (através de gestos, expressões faciais, movimentos do corpo) e mesmo sobre a linguagem pela emissão de sons, como entre baleias, golfinhos, cães, gatos, pássaros e outros...
........................................... Continua para terminar ............
 
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: lconforjr em 08 de Outubro de 2013, 22:42

    Consciência e autoconsciência dos animais   ...... continuação e fim............

... entre baleias, golfinhos, cães, gatos, pássaros e outros...

      - A dúvida persiste sobre se os símios antropóides são capazes de verem a si próprios como indivíduos e de pensar em pensamentos[2]; entretanto, em relação a outras espécies animais, já se concluiu que estão nesse caminho,  como golfinhos, elefantes e pegas (espécie de aves).   

      - ... peixes (denominados vertebrados inferiores) são capazes de experimentar dor física e psicológica de modo muito análogo aos mamíferos, inclusive ao homem.  Os animais inferiores, do mesmo modo como o Homem, manifestamente sentem prazer e dor, alegria e tristeza. (...)

      - Até os insectos brincam juntos (- Huber, estudou formigas perseguindo-se umas às outras e fingindo se morderem, como se fossem cachorrinhos ou gatos brincando), como foi descrito pelo excelente observador P, ser humano que vive o princípio da “reverência” pela vida, Schweitzer (1923) escreveu:

      “Se ele sair à rua após uma tempestade e vir uma minhoca que se perdeu, ele compreende que ela secará ao Sol se não alcançar rapidamente terra húmida onde rastejar, e então ele remove-a das pedras mortíferas e a devolve à relva luxuriante. Se ele passar por um insecto que caiu numa piscina, dá-se ao trabalho de lhe fazer chegar uma folha ou galho no qual ele possa trepar e salvar-se”.

      - “... Apesar de afirmar que a consciência não é o principal factor a ter em conta, embora considerado muito importante, nada justifica o sofrimento perpetrado a animais de forma gratuita, injustificada e cruel. Já se abre o benefício da dúvida a todos os animais e não só aos vertebrados acerca de possuírem consciência e autoconsciência semelhantes aos humanos.

      - Após duas décadas de pesquisas, comprova-se que a consciência não é uma característica exclusiva dos seres humanos. Outros animais têm ciência da própria existência e empatia pelo próximo.

      - ... Os seres humanos não são os únicos animais que têm consciência. Um grupo de neurocientistasdoutores de instituições de renome como Caltech, MIT e Instituto Max Planck — publicou um manifesto asseverando que o estudo da neurociência evoluiu de modo tal que não é mais possível excluir mamíferos, aves e até polvos do grupo de seres vivos que possuem consciência. O documento divulgado no último sábado (7), em Cambridge, esquenta uma discussão que divide cientistas, filósofos e legisladores há séculos sobre a natureza da consciência e sua implicação na vida dos humanos e de outros animais.

      - Leia mais: A íntegra, em inglês, do manifesto que afirma a existência da consciência em todos os mamíferos, aves e outras criaturas, como polvos...

      - ... Apresentado à NASA nesta quinta-feira, o manifesto não traz novas descobertas da neurociência — é uma compilação das pesquisas da área. Representa, no entanto, um posicionamento inédito relativo sobre a capacidade de outros seres perceberem sua própria existência e o mundo ao seu redor.   

      - Em entrevista ao site de VEJA, Philip Low, criador do iBrain, o aparelho que recentemente permitiu a leitura das ondas cerebrais do físico Stephen Hawking, e um dos articuladores do movimento, explica que nos últimos 16 anos a neurociência descobriu que as áreas do cérebro que distinguem seres humanos de outros animais não são as que produzem a consciência.
      "As estruturas cerebrais responsáveis pelos processos que geram a consciência nos humanos e outros animais são equivalentes; animais também possuem consciência.", afirma Low.

     - Estudos recentes, como os da pesquisadora Diana Reiss (uma das cientistas que assinaram o manifesto), da Hunter College, nos Estados Unidos, mostram que golfinhos e elefantes também são capazes de se reconhecer no espelho. Essa capacidade é importante para definir se um ser está consciente. O mesmo vale para chimpanzés e pássaros. Outros tipos de comportamento foram analisados pelos neurocientistas.
      "Quando seu cachorro está sentindo dor ou feliz em vê-lo, há evidências de que no cérebro deles há estruturas semelhantes às que são ativadas quando você, ser humano, exibe sensação de prazer ou de dor!"

      - Personalidade animal - Dizer que os animais têm consciência pode trazer várias implicações para a sociedade e o modo como os animais são tratados. Steven Wise, advogado e especialista americano em direito dos animais, diz que o manifesto chega em boa hora.
      "O papel dos advogados e legisladores é transformar conclusões científicas, como essa, em legislação que ajudará a organizar a sociedade", diz em entrevista ao site de VEJA.
      Wise é líder do Projeto dos Direitos de Animais não Humanos. O advogado coordena um grupo de 70 profissionais que organizam informações, casos e jurisprudência para entrar com o primeiro processo em favor de que alguns animais — como grandes primatas, papagaios africanos e golfinhos — tenham seu status equiparado ao dos humanos.

      - O manifesto de Cambridge dá mais munição ao grupo de Wise para vencer o caso. [b/]: "Queremos que esses animais recebam direitos fundamentais, que a justiça os enxergue como pessoas, no sentido legal.[/b]"
      Isso, de acordo com o advogado, quer dizer que esses animais teriam direito à integridade física e à liberdade, por exemplo. "Temos que parar de pensar que esses animais existem para servir aos seres humanos", defende Wise. "Eles têm um valor intrínseco, independente de como os avaliamos."

      - Questão moral -
      “Ostra feliz não faz pérola” não é mais uma questão de “crença”, dito popular ou de opinião… é um fato observado cientificamente...

      - ... aliás, há muito tempo, em diversos estudos e pesquisas, mas que só agora estão sendo conhecidas pelo mundo não-científico, já se provara q animais têm consciência de si mesmos e do mundo ao seu redor (variando de espécie para espécie, e dentro, é claro, daquilo que podemos constatar cientificamente).

      - ... projeto em parceria com o renomado físico Stephen Hawking, de 70 anos, considerado o maior da atualidade e, com Einstein, os dois maiores do século (XX e XXI), e que hoje que ocupa a cadeira antes de Newton, na Universidade de Cambridge.
      Low quer ajudar Hawking, completamente paralisado há 40 anos por causa de uma doença degenerativa, a se comunicar com a mente. Os resultados da pesquisa foram revelados no último sábado (7) em uma conferência realizada num encontro de cientistas na Universidade de Cambridge.   
      Contudo, o principal objetivo do encontro era outro. Nele, neurocientistas de todo o mundo assinaram um manifesto afirmando que todos os mamíferos, aves e outras criaturas, incluindo polvos, têm consciência. Stephen Hawking estava presente no jantar de assinatura do manifesto como convidado de honra.
...............................


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 09 de Outubro de 2013, 00:05
Ratos têm compaixão por seus semelhantes

A pergunta: “Você é um homem ou um rato?” está prestes a ganhar uma nova conotação. Novas experiências mostram ratos demonstrando compaixão e ajudando outros roedores, um traço de comportamento que até agora alguns cientistas achavam que era exclusividade de humanos e primatas superiores, como chimpanzés.

Nas experiências, que foram repetidas à exaustão, ratos libertaram outros ratos presos em jaulas, mesmo quando chocolates foram postos para servir de distração. De 30 animais, 23 abriam a jaula e libertavam o outro animal, empurrando uma portinha. Os ratos poderiam ter simplesmente comido o chocolate antes de libertar seus amigos, mas muitos não fizeram isso, escolhendo ajudar primeiro e depois dividindo a guloseima.

“O que o estudo nos contou é que, para os ratos, libertar um companheiro é tão importante quanto comer chocolate,” diz a autora do estudo Peggy Mason, da Universidade de Chicago. “É algo crucial”.

Em alguns casos, os ratos tiravam antes os pedaços de chocolate de um recipiente, mas não comiam. Prosseguiam abrindo a jaula e depois dividiam o doce, “quase como se estivessem servindo a eles,” descreve Peggy, que relatou suas descobertas na edição desta semana do periódico científico Science. Os animais demoravam alguns dias para aprender como abrir a jaula, mas depois que dominavam a técnica, demoravam menos de um minuto para libertar seus amigos presos. Quando as jaulas estavam vazias ou tinham algum objeto, os ratos não mexiam nelas.

O estudo mostrou fêmeas mostravam mais empatia que machos. Todas as seis fêmeas do estudo libertaram seu companheiro cativo; 17 dos 24 machos fizeram o mesmo. Isso confirma outros estudos em animais que mostram que fêmeas têm comportamentos socialmente mais ativos que machos. Em alguns dias, alguns machos “tiravam folga” da tarefa de libertar os amigos, mas isso nunca aconteceu com as fêmeas, de acordo com Peggy.

Jeff Mogil, da Universidade McGill, do Canadá, não esteve envolvido na pesquisa, mas afirmou que embora um pouco surpreendentes, as provas eram convincentes. “É uma demonstração muito óbvia do fenômeno de empatia e compaixão,” afirmou à AP. Ambos os pesquisadores afirmaram que empatia social deve ter sido uma característica importante na evolução animal. Peggy brincou: “Se ratos podem cuidar e ajudar uns aos outros, dá para ter otimismo que nós também podemos ser assim”.

Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/ratos-tem-compaixao-e-empatia-por-seus-semelhantes-diz-estudo/n1597403481940.html
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: MarcosBorges em 09 de Outubro de 2013, 00:38
"A liberdade deles [dos animais] está restrita aos atos da vida material"

E não podia ser diferente. O cão tem consciência e liberdade de escolha relaciona ao modo de vida dos cães. O mesmo para o gato e outros animais. Pode haver homologias em convergências no comportamento, mas estes comportamentos não se confundem. Se eu colocar alpiste no vasilha de comido de um gato e de um cachorro ambos vão rejeita-lo, manifestando o mesmo comportamento de desinteresse ou repulsa.

O homem também possui consciência e a liberdade de escolha relacionados a seu modo de vida animal - neste caso o instinto da espécie -, mas o diferencial está na capacidade  subverte este condicionamento que uma forma de liberdade e consciência que as outras espécies não possuem.

Mas isso não quer dizer que os animais possuem uma consciência de baixa qualidade ou medíocre. A palavra inferior quando se refere aos animais, não pode se expressa desta forma pois é uma noção contraditória e equivocada. Os atributos do principio inteligente tem qualidades especificas e especializadas para que todas as espécies de animais possam sobreviver e garantir a sustentabilidade do ecossistema em que vive.
No entanto, por inferior deve ser entendido de organização mais simples.

Abraço fraterno

Marcos Borges

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Mourarego em 09 de Outubro de 2013, 15:30
Exato mano Borges.
Abraços,
Moura
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Brenno Stoklos em 09 de Outubro de 2013, 22:36

todos os cães que participaram eram voluntários e podiam desistir de participar da pesquisa quando quisessem.



 ???


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 09 de Outubro de 2013, 22:47

todos os cães que participaram eram voluntários e podiam desistir de participar da pesquisa quando quisessem.



 ???


O jornalista que escreveu a matéria não foi muito feliz ao se expressar ,mas dá para conseguir entender  quê que quis dizer: Ninguém manteve os cachorros amarrados ou dopados. cachorros costumam ser inquietos, portanto quando eles queriam sair e se movimentar interrompiam a pesquisa.
Foi o que consegui entender da leitura das duas matérias que citei que traziam a notícia.
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: EsoEstudos em 10 de Outubro de 2013, 00:59


Nossa... Fiquei uns tempos afastado (pelas velhas circunstâncias da vida) e percebo que, na verdade, continuamos falando das mesmas coisas. Não que isso seja um mal, mas a reiteração dos fundamentos, um a um, a favor e contra a tese de que o homem já foi (ou não) um animal, segue despertando paixões num círculo vicioso que ecoa, ecoa, ecoa...

Para não dizer que não falei de flores, digo que é possível interpretar-se a DE nesse ponto de mais de uma forma. Mas isso tampouco leva a consenso algum...

Andei lendo sobre macacos. O chimpanzé subadulto (o macho que jamais chegará a ser alfa porque tem compleição definitiva bem menor) é o único exemplo de ser (fora o homem, é claro) que comete autênticos estupros. Mas, estupro mesmo. A fêmea é literalmente surrada pelo chimpa e submetida à força ao ato sexual. Se o alfa chegar, mata o subadulto. Se o subadulto tiver oportunidade, mata o filhote do alfa. E ambos, diga-se, na primeira oportunidade vingam-se.

Os chimpanzés, por outro lado, unem-se em coletividades por mera conveniência. Um grupo que até então está em conflito, une-se para destruir um grupo rival.

Acho que ao invés de pensarmos na eventual comunhão do homem com o animal, deveríamos pensar na comunhão do animal com o homem... Mantenho-me na estrita senda dos que não consideram o tema definido, nem para lá, nem para cá.

Apenas uma opinião.

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: MarcosBorges em 10 de Outubro de 2013, 02:35
Oi Brenno

"todos os cães que participaram eram voluntários e podiam desistir de participar da pesquisa quando quisessem."

Também me espantei com este comentário na reportagem. Mas como uma reportagem sobre um estudo cientifico em uma mídia não preparada para divulgação cientifica são passiveis de comentários estranhos sempre busco se existe artigo publicado ou se foi comentado em uma mídia mais preparada para divulgação cientifica.

Encontrei o artigo deste autor. Um estudo bem conduzido e detalhado mas em nenhum momento existe qualquer referencia ao critério supracitado em negrito. Os cães que foram escolhidos para o teste, passaram pelos critérios de inclusão e pelos treinamentos e adaptação a rotina do experimento através de simulação, antes de iniciar o experimento.

Pelo visto foi um raciocínio equivocado de quem escreveu o edital. O que entendi baseado na leitura da parte onde comenta sobre como proceder o treinamento no tópico materiais e métodos foi que, os cães para esta pesquisa não eram animais desenvolvidos para uso experimental pois estes animais não eram apropriados e, portanto, foram feito seleção de cães domésticos que passassem pelos testes de avaliação de temperamento. Assim o cão que não demonstrasse bom temperamento social com outros cães e proprietários demonstravam claramente que não se adaptariam ao treinamento. Ou seja, a desistência não foi escolha do cão.

Sitio com artigo completo (em inglês), em pdf:

http://www.ccnl.emory.edu/greg/journal.pone.0038027.pdf

Este sitio é do Dr. Berns:

http://www.ccnl.emory.edu/greg/

Abraço fraterno

Marcos Borges
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Brenno Stoklos em 10 de Outubro de 2013, 03:32

O grande problema de todos os "estudos científicos" citados até aqui é um só:

Buscar a consciência onde ela não está = no cérebro!

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 10 de Outubro de 2013, 11:28
Ô gente, para que tanto drama?? ???
É tão simples....
How Dogs Love Us (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PWVWdzF6czJYM2lBIw==)

Nem sempre as pessoas são muito felizes ao se expressarem, mas com um pouquinho de esforço dá para entender o que querem dizer. Que o autor da matéria tenha se enrolado ao escrever ficou claro, mas deu para captar a essência.
Os animais não tem como ser voluntários de um estudo conscientemente por razões óbvias; eles nem sabem que um estudo está sendo desenvolvido e muito menos o que é um estudo que é uma concepção humana. ;)
O que se quis dizer é que se queriam sair saíam, e não ficavam amarrados, sedados. Não estavam ali obrigados, ficavam nos equipamentos porque queriam.Na verdade foram treinados para isso e recebiam recompensa, mas mesmo assim era porque queriam ( nem que fosse para ganhar os biscoitos ;D).

É simples, não precisamos complicar.
A mensagem que todos os estes estudos passam não é que animais são humanos, assim como papagaio não é cachorro, mas sim que temos características muito similares( e não podia deixar de ser diferente: em essência o homem também faz parte do reino animal).
E isso serve para começar a repensar a relação de exploração e dominação que temos estabelecido com os animais ao longo da história.
Perceber que um rato é capaz de sentir compaixão nos traz muitas reflexões...

abraços
Susana
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Simone Nardi em 10 de Outubro de 2013, 15:51
Olá Brenno

Boa colocação a sua, sobre consciência e cérebro.
Infelizmente o manifesto de 2001 sobre consciência animal, apesar de claro e conciso não conseguiu despertar as pessoas para a coisa mais importante que se baseou: os animais.

 
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: MarcosBorges em 10 de Outubro de 2013, 17:59
Oi Brenno,

Mas os estudos cientificos citados não poderia ter outra posição se não buscar a consciencia no cérebro. Portanto não é um problema o foco das pesquisas serem desta forma porque não adota o paradgima espiritualista. A ciência reconhece a limitação do estudo da consciência e não afirma que a consciência está ou não no cerebro.

Temos que entender que não há como estudar cientificamente a consciencia sem uma referencia, o cerebro. O cerebro é algo que pode ser analisado diretamente. Entretanto, quando partimos da premissa de que a consciencia não está no cérebro, qualquer estudo cientifico terá um novo foco no caso o espirito. Mas como cientificamente estudar o espirito se não podemos diretamente percebe-lo e analisa-lo? Psicofonias, psicografias, materializações são tão seguras paraser usada como referencia?

Quando a proposta é estudar o espirito encarnado, como determinar onde termina o fisico e começa o espirito? Como discriminar o fisico para estudar espirito, quando encarnado, se é que podemos separar? Se estudar cientificamente o espirito desencarnado como ter acessso direto ao espirito sem ter como intermediario o medium? Há como determinar quando é a consciencia do medium (espirto encarnado) e quando é a consciencia do espirito desencarnado a se manifestar atraves do medium?

A ciência busca respostas atraves dos estudos cientificos antes de formular explicações a prior.
Se admitimos que a ciencia está buscando a consciencia onde não está, somente conseguirá saber atraves de estudos científicos que sejam feitos a patir das resposta as perguntas que citei acima e outras similares. Sem elementos que norteiem estudos cientificos fica a mercer de explicações sem qualquer base em outras citações ou capazes de se autossustentar. Normalmente este ultimo é um dos mais dificeis pois requer reprodução dos estudos empiricos de forma que garanta o maiores chances de não haver qualquer um contradiz os demais resultados.

Mesmo eu tendo convicção de que a consciencia não está no cérebro, está convicção não deve ser tratada como superior as pesquisas cientificas e nem as pesquisas cientificas superior àquela. Uma não exclui a outra. Assim os estudos cientificos que busca os estudo da cosnciencia no cérebro estão corretos em fazer deste modo mesmo que no futuro as nossas convicções atuais sejam confirmadas de forma cientifica. Todo conhecimento cientifico é contruido, destruido e reconstruido, nada é solidamente admitido a saltos largos e precisos. É assim que funciona qualquer forma de pensamento que queira se posicionar como ciência.

Abraço fraterno

Marcos Borges
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Brenno Stoklos em 11 de Outubro de 2013, 06:01

Nem................
........................reflexões...

abraços
Susana


A mensagem que todos os estes estudos passam não é que animais são humanos, assim como papagaio não é cachorro, mas sim que temos características muito similares( e não podia deixar de ser diferente: em essência o homem também faz parte do reino animal).

É evidente que temos características similares, mas apenas no que diz respeito ao corpo material e não quanto  ao que diz respeito ao Espírito.

Lembrando a DE: A diferença que existe entre a alma dos animais e a do homem é a mesma que existe entre a alma humana e Deus!



Perceber que um rato é capaz de sentir compaixão nos traz muitas reflexões...

Ratos não tem compaixão nem nenhum outro sentimento humano.

O que os ratos tem são instintos.

Quando libertam outros de sua espécie são condicionados pelo instinto de preservação da espécie além, é claro, do reflexo condicionado que lhes foi imposto pelos experimentadores.

Mas coloque-se esses mesmos ratos em confinamento, e sem alimentação, e veremos que logo o instinto de auto-preservação falará mais alto e eles se matarão entre si para se alimentar. Acaba aí a "compaixão".

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Brenno Stoklos em 11 de Outubro de 2013, 06:17
Oi Brenno,

Mas os ..................
.........................como ciência.

Abraço fraterno

Marcos Borges


Amigo Marcos Borges,

Eu não discordo de suas colocações mas quero deixar claro que a ciência pode fazer um estudo comparativo entre homens e animais apenas no que diz respeito ao corpo físico.

Assim sendo, é evidente que se encontrará similaridades, pois os órgãos de um e outro não são assim tão diferentes em sua constituição. E também não o serão em suas respostas aos estímulos externos.

Mas não há que se ver aí similaridade de emoções, de sentimentos, pois que estes são atributos exclusivos do Espírito.



Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 11 de Outubro de 2013, 11:52
Animais têm sentimentos?

Quem gosta de bicho não duvida que seus companheiros de estimação sentem simpatia, indignação, ou gratidão; cientistas, porém, fazem distinção entre respostas a estímulos e a interpretação das próprias emoções.


No horizonte surgem duas manadas de elefantes, andando uma ao encontro da outra. As colossais criaturas fazem um barulho ensurdecedor, abanam suas enormes orelhas e dão voltas em torno de si. Elas parecem se conhecer - e o ritual todo lembra uma verdadeira reunião de família.

Qualquer pessoa que tenha viajado pelas savanas africanas pode ter testemunhado um desses eventos. Ao longo de décadas de trabalho de campo, Joyce H. Poole, diretora de pesquisas do Fundo Amboseli para Elefantes do Quênia, presenciou encontros similares muitas e muitas vezes. "Elefantes", diz a bióloga, "ficam felizes por ver seus velhos amigos e conhecidos."

Pesquisadores já presenciaram manadas reunidas ao redor de natimortos. Os elefantes tocam o corpo do filhote repetidamente com as suas trombas, como se tentassem ressuscitá-lo. Passam dias em vigília, derramando lágrimas. Quando um membro da manada está doente ou foi ferido por um caçador, eles acariciam a vítima, reconfortando-a, e cuidam dela até que se recupere.

Outros animais também demonstram emoções. Chimpanzés quando brincam emitem sons característicos de alegria e riem.Cachorros latem de maneira a convidar outros cães a participar de brincadeiras, e pesquisadores que reproduziram esses sons em canis e abrigos para animais abandonados conseguiram provar que o som reduz o nível de stress dos animais. Especialistas dizem que ratos de laboratório, quando acariciados, guincham alegremente em fre-qüências sonoras superiores às que os seres humanos conseguem ouvir.
Pessoas que acreditam nos sentimentos dos animais em geral são acusadas de antropomorfismo - atribuição de características humanas a seres não-humanos. Contudo, após anos ignorando ou desprezando o que os amantes dos animais de estimação sustentam há muito tempo, a ciência finalmente começa a acreditar que, se não todos os bichos, ao menos os mamíferos apresentam alguma forma de emoção.

Ansiedade emocional
Alguns cientistas exploraram corajosamente o mistério das emoções dos animais. O naturalista inglês Charles Darwin, pai da teoria da evolução, escreveu A expressão das emoções no homem e nos animais (1872).

Ninguém pode negar que as reações dos animais têm um lado emocional, ele concluiu, dadas as impressionantes similaridades entre o comportamento humano e o animal. No século passado, porém, consagrou-se a visão reducionista de que abelhas, sapos, vacas, cães, gatos, cobras e lagartos seriam organismos com padrões de comportamento instintivos e rígidos. Os bichos seriam desprovidos de sentimentos.

Recentemente, no entanto, uma visão mais flexível começou a ganhar credibilidade, à medida que se começou a questionar as vantagens evolutivas que os seres humanos, ou os animais, tiram das emoções. Segundo o darwinismo, todo e qualquer organismo tem por objetivo supremo reproduzir-se o mais freqüentemente e da melhor forma possível.
No caso de minhocas, insetos ou águas-vivas, seguir um padrão predeterminado de comportamento para atingir esse objetivo basta. Porém, entre peixes, répteis, aves e vertebrados, o comportamento é menos previsível. Em última análise, o comportamento dos mamíferos é muito maleável e imprevisível, e por isso sua atividade não pode resultar única e exclusivamente de modelos já estabelecidos. Como ratos, bodes, símios, elefantes e seres humanos sabem quais ações favorecem a sobrevivência e a reprodução? Entre outras coisas, eles contam com as emoções.

A afirmação de que um animal pode "utilizar suas emoções" significa que seu cérebro reage a certos eventos de maneira particular - uma rede de neurônios é ativada, dando início a um comportamento previsível. Um animal evitará situações que, anteriormente, o fizeram se sentir ameaçado. Do mesmo modo, animais procuram repetir ações que associem a experiências positivas. Mas a pergunta permanece: será que o animal sente? Nesse ponto, os especialistas divergem.

Boa parte da discussão se dá em torno das definições de emoção e sentimento. Não há acordo entre psicólogos e neurologistas nem mesmo no caso dos seres humanos, quanto mais no dos animais. No livro Em busca de Espinosa, publicado em 2003, António R. Damásio, da Universidade de Iowa, apresenta um esquema que tem aceitação crescente e que distingue emoções primárias, quase instintivas; emoções sociais, que ajudam um indivíduo a conviver em grupo; e sentimentos, que nascem da reflexão autoconsciente.

Emoções primárias incluem medo, raiva, repulsa, surpresa, alegria e tristeza, e Damásio as atribui a vários animais. Até mesmo a Aplysia, um molusco marinho, demonstra medo. Quando suas guelras são tocadas, sua pressão sangüínea e seus batimentos cardíacos aumentam e seu corpo se encolhe. Isso não é reflexo, diz Damásio, mas elementos de uma resposta ao medo, que compreende reações complexas. Ele enfatiza, porém, que organismos tão primitivos não produzem sentimentos. Para Damásio, as emoções são sinais físicos do corpo, em resposta a estímulos, e os sentimentos são sensações que surgem quando o cérebro interpreta essas emoções. Tanto em humanos como nos moluscos marinhos a freqüência cardíaca aumenta e os músculos se contraem, mas um organismo só registra a sensação de medo se o cérebro percebe as alterações físicas.
Entre as emoções sociais, Damásio lista simpatia, constrangimento, vergonha, culpa, orgulho, inveja, admiração, ciúme, gratidão, contentamento e indignação. Essas reações tampouco estão restritas à espécie humana. Gorilas adotam atitude arrogante para ganhar o respeito de outros gorilas. Lobos em posições hierárquicas inferiores na alcatéia demonstram resignação com "gestos" de humildade. Cães que levam broncas de seus donos dão sinais evidentes de constrangimento. Mesmo assim, como no caso das emoções primárias, neurocientistas entendem que essas ações são inatas, automáticas e as colocam entre os mecanismos usuais de que os animais se valem para a sobrevivência.

Continua...
Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 11 de Outubro de 2013, 11:55
Continuação:

Reflexão ancestral
Os sentimentos, ao contrário, surgem da mente analítica. Uma pessoa que se sente bem, que experimenta alegria, está consciente de que seu corpo se encontra num humor específico. A percepção de tal sentimento requer processamento de regiões somatossensoriais do córtex cerebral, que mapeiam as partes do corpo e suas condições além de, simultaneamente, controlar a atividade cerebral que avalia o que essas condições significam. Esse processamento constitui o que se chama de auto-reflexão, e pode ocorrer devagar ou rápido.

É difícil provar que animais possuem capacidade de auto-reflexão. Damásio aventa a possibilidade de que chimpanzés pigmeus, por exemplo, talvez sejam capazes de sentir pena (emoção social) de outros animais, mas eles não teriam "consciência" disso. Em face da impossibilidade de definir o que se passa na mente de um animal, Damásio reluta em afirmar que eles têm sentimentos.

Outros especialistas, no entanto, estão dispostos a aceitar a idéia. Jaak Panksepp, renomado especialista em comportamento da Universidade Estadual de Bowling Green, Ohio, concorda que apenas seres humanos refletem sobre seus sentimentos, graças a seu neocórtex altamente desenvolvido. E apenas humanos podem controlar e fingir sentimentos, como políticos e atores o fazem.
Panksepp não acredita, porém, que sentimentos surjam apenas da reflexão. Ele afirma que a raiz das emoções se encontra em regiões do cérebro tais como o sistema límbico, muito antigo do ponto de vista evolutivo e presente em todos os mamíferos. Ele cita, a esse respeito, uma recente pesquisa liderada por Naomi I. Eisenberger, da Universidade da Califórnia. Eisenberger usou imageamento por ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla em inglês) para monitorar a atividade cerebral de pessoas que se consideravam socialmente excluídas. Pedia-se aos voluntários que participassem de um jogo de computador, em que eram informados de que havia dois outros participantes ocultos. Na verdade, os "outros" eram ícones controlados por um software. Os três participantes deveriam arremessar uma bola virtual uns para os outros, mas as duas "pessoas" controladas pelo computador passavam a bola apenas entre si, ignorando a pessoa real que as observava na tela. Os voluntários sofriam com a experiência, por se sentirem excluídos.

Os resultados do fMRI obtidos durante o experimento mostraram atividade significativa em várias regiões do cérebro, especialmente no córtex cingular anterior. Estudos anteriores indicam que pessoas que se vêem em situações depressivas apresentam atividade incomum no tálamo e no tronco cerebral. Essas regiões desempenham papéis importantes no sistema límbico - área cerebral que produz e regula as emoções.

Alegria e diversão
É interessante notar que porquinhos-da-índia prematuramente separados da mãe apresentam grande atividade no mesmo sistema cerebral. Na visão de Panksepp, a sensação de solidão e vulnerabilidade, e o stress dela decorrente, têm origem em mecanismos arcaicos que são a base do sentimento de tristeza dos humanos. O sistema límbico é uma estrutura cerebral antiga, e o fato de ele desempenhar papel importante indica que a emoção é parte fundamental da vida dos animais.

Biólogos que observam sinais de contentamento em animais concordam. Nas florestas tropicais de Sumatra, orangotangos balançam em galhos de árvores e batem as mãos em poças d\\`água para se divertir. No Alasca, corvos deitam e escorregam sobre telhados cobertos de neve sem motivo aparente. Búfalos da América do Norte berram ao deslizar, de propósito, sobre tufos de grama congelada. Macacos da ilha japonesa de Honshu brincam com bolas de neve.
É largamente aceito que mamíferos possuem tendência inata para brincar, porque a interação os ajuda a descobrir oportunidades sociais e testar limites. Eles aprendem habilidades que mais tarde serão importantes para a sobrevivência. Mas o que os motiva a brincar? Marc Bekoff, biólogo da Universidade do Colorado em Boulder, pesquisou profundamente o tema. Ele afirma que é a necessidade de diversão que leva à brincadeira.

Estudos sobre o metabolismo do cérebro fornecem evidências de que os sentimentos dos animais talvez não sejam muito diferentes dos sentimentos dos seres humanos, pois entre eles há processos cerebrais comuns. Pesquisas mostram que o neurotransmissor dopamina é importante no processamento de emoções como alegria e desejo tanto em humanos como em outros mamíferos.

Ainda não é possível provar, através da observação, se um animal possui sentimentos conscientes, do mesmo modo como não se pode ter certeza sobre o que uma pessoa sente no íntimo. Experimentos de laboratório indicam que pelo menos alguns animais dispõem de capacidade de autoconsciência. Portanto, não é totalmente despropositado supor que talvez tenham consciência de suas emoções. Bekoff lembra que os sentimentos dos animais não precisam ser idênticos aos das pessoas.

Humanos ficam felizes de inúmeras maneiras. Animais talvez fiquem felizes de um jeito diferente daquele dos humanos.

É possível que animais e humanos compartilhem orgulho, alegria, sofrimento e vergonha. O psicólogo Marc Hauser, da Universidade Harvard, observou um macaco reso que, depois de copular, passou a desfilar cheio de si até que tropeçou e caiu. Aflito, olhou ao redor antes de se levantar - aparentemente envergonhado do tombo. Quando teve certeza de que ninguém o vira, ergueu-se, empertigado, como se nada tivesse acontecido.

Para Bekoff, as novas descobertas têm não apenas valor científico, mas também significado social: se os animais são capazes de sentir emoções, então temos uma razão a mais para tratá-los com carinho.

- Tradução de Demétrio Toledo

Fonte: http://www2.uol.com.br/vivermente/reportagens/animais_tem_sentimentos_.html


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Simone Nardi em 11 de Outubro de 2013, 19:24
Olá Breno
Vc coloca que>

Ratos não tem compaixão nem nenhum outro sentimento humano.

A questão é que tomamos para nós tudo que desconhecemos no outro, compaixão não é apenas um sentimento humano e a ciência tem visto sensações que temos, em animais onde acreditávamos que tais sensações não existiam

Daí vc diz:
O que os ratos tem são instintos.

Sim e nós também.

E vc prossegue:
Quando libertam outros de sua espécie são condicionados pelo instinto de preservação da espécie além, é claro, do reflexo condicionado que lhes foi imposto pelos experimentadores.


Ops: cada rato reage de forma diferente, embora possam ser condicionados, assim como nós também somos condicionados a muitas coisas e chamamos de dia a dia:

Mas coloque-se esses mesmos ratos em confinamento, e sem alimentação, e veremos que logo o instinto de auto-preservação falará mais alto e eles se matarão entre si para se alimentar. Acaba aí a "compaixão".[/i]

O que ocorre ao rato ocorre conosco, seres humanos na mesma situação em que vc colocou os ratos, tomam as mesmas atitudes que os ratos quando passam fome. É sabido que quando se perde a tal civilidade, o ser humano realmente se mostra como é. Então restara,m poucas diferenças entre nós humanos e os ratos.

veja que muito etólogos antes contestavam emoções nos animais, acreditando que seria antropomorfismo das pessoas atribuirem sentimentos a eles, porém, inumeros livros de etologos famosos hoje relatam terem estudam essas mesmas emoções e não somente o instinto.

darwin mesmo tem um livro sobre o assunto, e existem centenas deles na livraria, ou seja, negar as emoções nos animais está ficando meio antiquado, já que a cada dia, a ciência mesmo que antes a negava, hoje o descobre e acompanha.

grande abraço
Simone

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Brenno Stoklos em 12 de Outubro de 2013, 05:53
Animais............
...............................sobrevivência.
Continua...

Reflexão ................
.................................carinho.

A questão....................
...............................acompanha.

grande abraço
Simone


Repito mais uma vez:

Não se pode entender as reações do corpo físico (instintos) como aquelas do Espírito (sentimentos).


196 - a) - É o corpo que influi sobre o Espírito para que este se melhore, ou o Espírito que influi sobre o corpo?

“Teu Espírito é tudo; teu corpo é simples veste que apodrece: eis tudo.”

890. Será uma virtude o amor materno, ou um sentimento instintivo, comum aos homens e aos animais?

“Uma e outra coisa. A Natureza deu à mãe o amor a seus filhos no interesse da conservação deles. No animal, porém, esse amor se limita às necessidades materiais; cessa quando desnecessário se tornam os cuidados. No homem, persiste pela vida inteira e comporta um devotamento e uma abnegação que são virtudes. Sobrevive mesmo à morte e acompanha o filho até no além-túmulo. Bem vedes que há nele coisa diversa do que há no amor do animal.”

592. Se, pelo que toca à inteligência, comparamos o homem e os animais, parece difícil estabelecer-se uma linha de demarcação entre aquele e estes, porquanto alguns animais mostram, sob esse aspecto, notória superioridade sobre certos homens. Pode essa linha de demarcação ser estabelecida de modo preciso?

“A este respeito é completo o desacordo entre os vossos filósofos. Querem uns que o homem seja um animal e outros que o animal seja um homem. Estão todos em erro. O homem é um ser à parte, que desce muito baixo algumas vezes e que pode também elevar-se muito alto. Pelo físico, é como os animais e menos bem dotado do que muitos destes. A Natureza lhes deu tudo o que o homem é obrigado a inventar com a sua inteligência, para satisfação de suas necessidades e para sua conservação. Seu corpo se destrói, como o dos animais, é certo, mas ao seu Espírito está assinado um destino que só ele pode compreender, porque só ele é inteiramente livre. Pobres homens, que vos rebaixais mais do que os brutos! Não sabeis distinguir-vos deles? Reconhecei o homem pela faculdade de pensar em Deus.”

593. Poder-se-á dizer que os animais só obram por instinto?

“Ainda aí há um sistema. É verdade que na maioria dos animais domina o instinto. Mas, não vês que muitos obram denotando acentuada vontade? É que têm inteligência, porém limitada.”

Não se poderia negar que, além de possuírem o instinto, alguns animais praticam atos combinados, que denunciam vontade de operar em determinado sentido e de acordo com as circunstâncias. Há, pois, neles, uma espécie de inteligência, mas cujo exercício quase que se circunscreve à utilização dos meios de satisfazerem às suas necessidades físicas e de proverem à conservação própria. Nada, porém, criam, nem melhora alguma realizam. Qualquer que seja a arte com que executem seus trabalhos, fazem hoje o que faziam outrora e o fazem, nem melhor, nem pior, segundo formas e proporções constantes e invariáveis. A cria, separada dos de sua espécie, não deixa por isso de construir o seu ninho de perfeita conformidade com os seus maiores, sem que tenha recebido nenhum ensino. O desenvolvimento intelectual de alguns, que se mostram suscetíveis de certa educação, desenvolvimento, aliás, que não pode ultrapassar acanhados limites, é devido à ação do homem sobre uma natureza maleável, porquanto não há aí progresso que lhe seja próprio. Mesmo o progresso que realizam pela ação do homem é efêmero e puramente individual, visto que, entregue a si mesmo, não tarda que o animal volte a encerrar-se nos limites que lhe traçou a Natureza.

602. Os animais progridem, como o homem, por ato da própria vontade, ou pela força das coisas?

Pela força das coisas, razão por que não estão sujeitos à expiação.”

604 - a) - A inteligência é então uma propriedade comum, um ponto de contacto entre a alma dos animais e a do homem?

“É, porém os animais só possuem a inteligência da vida material. No homem, a inteligência proporciona a vida moral.”

605. Considerando-se todos os pontos de contacto que existem entre o homem e os animais, não seria lícito pensar que o homem possui duas almas: a alma animal e a alma espírita e que, se esta última não existisse, só como o bruto poderia ele viver? Por outra: que o animal é um ser semelhante ao homem, tendo de menos a alma espírita? Dessa maneira de ver resultaria serem os bons e os maus instintos do homem efeito da predominância de uma ou outra dessas almas?

“Não, o homem não tem duas almas. O corpo, porém, tem seus instintos, resultantes da sensação peculiar aos órgãos. Dupla, no homem, só é a Natureza. Há nele a natureza animal e a natureza espiritual. Participa, pelo seu corpo, da natureza dos animais e de seus instintos. Por sua alma, participa da dos Espíritos.”

a) - De modo que, além de suas próprias imperfeições de que cumpre ao Espírito despojar-se, tem ainda o homem que lutar contra a influência da matéria?

“Quanto mais inferior é o Espírito, tanto mais apertados são os laços que o ligam à matéria. Não o vedes? O homem não tem duas almas; a alma é sempre única em cada ser. São distintas uma da outra a alma do animal e a do homem, a tal ponto que a de um não pode animar o corpo criado para o outro. Mas, conquanto não tenha alma animal, que, por suas paixões, o nivele aos animais, o homem tem o corpo que, às vezes, o rebaixa até ao nível deles, por isso que o corpo é um ser dotado de vitalidade e de instintos, porém ininteligentes estes e restritos ao cuidado que a sua conservação requer.”

Encarnado no corpo do homem, o Espírito lhe traz o princípio intelectual e moral, que o torna superior aos animais. As duas naturezas nele existentes dão às suas paixões duas origens diferentes: umas provêm dos instintos da natureza animal, provindo as outras das impurezas do Espírito, de cuja encarnação é ele a imagem e que mais ou menos simpatiza com a grosseria dos apetites animais. Purificando-se, o Espírito se liberta pouco a pouco da influência da matéria. Sob essa influência, aproxima-se do bruto. Isento dela, eleva-se à sua verdadeira destinação.

606. Donde tiram os animais o princípio inteligente que constitui a alma de natureza especial de que são dotados?

“Do elemento inteligente universal.”

a) - Então, emanam de um único princípio a inteligência do homem e a dos animais?

“Sem dúvida alguma, porém, no homem, passou por uma elaboração que a coloca acima da que existe no animal.

a) - Parece que, assim, se pode considerar a alma como tendo sido o princípio inteligente dos seres inferiores da criação, não?

“Já não dissemos que todo em a Natureza se encadeia e tende para a unidade?
Nesses seres, cuja totalidade estais longe de conhecer, é que o princípio inteligente se elabora, se individualiza pouco a pouco e se ensaia para a vida, conforme acabamos de dizer. É, de certo modo, um trabalho preparatório, como o da germinação, por efeito do qual o princípio inteligente sofre uma transformação e se torna Espírito. Entra então no período da humanização, começando a ter consciência do seu futuro, capacidade de distinguir o bem do mal e a responsabilidade dos seus atos.

610. Ter-se-ão enganado os Espíritos que disseram constituir o homem um ser à parte na ordem da criação?

“Não, mas a questão não fora desenvolvida. Demais, há coisas que só a seu tempo podem ser esclarecidas. O homem é, com efeito, um ser à parte, visto possuir faculdades que o distinguem de todos os outros e ter outro destino. A espécie humana é a que Deus escolheu para a encarnação do seres que podem conhecê-Lo.

                                                        O Livro dos Espíritos

Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: MarcosBorges em 16 de Outubro de 2013, 03:44
Oi Brenno e a todos os  colegas

Me desculpe pela demora na participação do debate. Desculpe se não li todos os poste que podem ter comentado sobre o que expuz. No dia a dia fica dificil ler e acompanhar os debates na integra. Por isso desculpe-me se demorar a ler os post ou a responde-los. Muitas das vezes passou tanto tempo que nem vale a pena responder a post de três meses a tras. Mas estou atento e acompanho a medida do possivel o desenrolar dos temas.

"Mas não há que se ver aí similaridade de emoções, de sentimentos, pois que estes são atributos exclusivos do Espírito."

Os estudos sobre emoções e sentimentos, ou em outra palavra os estudos do comportamento, ocorrem atraves das respostas sensoriais a estimulos externos. Resposta estas que são analisadas pelo comportamento e pela atividade de certos centros cerebrais. Existem, portanto, semelhança de comportamento e homologia na atividade dos nucleos cerebrais. Mais existem limites não conceituais mas naturais nas semelhanças e homologias.

O grande problema é quando extrapolamos a vivencia de alguns comportamentos em humanos quando observamos determinados comportamentos em animais. Quando um animal ataca outro animal para preservar seu territorio, garantir o seu direito a copula, para proteger a cria, para proteger sua caça e durante o momento de fome, estão manifestando comportamentos de raiva, odio, rancor e vingança? Se pudessemos analisar o hipotalamo e seus nucleos da base veremos que as áreas e a extensão da atividade neural são as mesmas que ocorrerem nos humanos, mas as semelhanças param por ai pois não são parametros suficientes para identificar homologia de comportamentos que citei acima. O processo de pensar, que é subjetivo, está subjacente a atividade neuronal mas não é o mesmo objeto. Isso também ocorre nas emoções e sentimentos e emoções positivas que observamos em nos humanos e transferimos para comportamentos em animais

Deixamos muitas das vezes nosso lado emocional e racional (inteligencia emocional) tomar conta. E este raciocinio enviessado pode levar a uma explicação distante da realidade do que ocorre na mente do animal.

LE 595. Gozam de livre-arbítrio os animais, para a prática dos
seus atos?
“Os animais não são simples máquinas, como supondes.Contudo, a liberdade de ação, de que desfrutam, é limitada pelas suas necessidades e não se pode comparar à do homem. Sendo muitíssimo inferiores a este, não têm os mesmos deveres que ele. A liberdade, possuem-na restrita
aos atos da vida material.”


Maquinas, mesmos se pensarmos nas formas ciberneticas organicas, não podem manifestar emoções e sentimentos a estimulos sensoriais externos. A caso as maquinas ciberneticas tenham processadores emocionais, eles vão responder a estimulos atraves de algoritmos para emoções e sentimentos implantados ou seja, não estaram manifestando vontade mais reproduzindo um comando para o que foi programado. Entretanto, os animais por possuirem vontade limitada, inteligencia limitada, restrita a seu modo de vida (instintivo) serão superiores aos algoritmos que reproduzem sentimentos e emoções porque possuem liberdade de escolha e capacidade de aprendizado mesmo que limitados as suas necessidades da vida que é suficiente para a sua sobrevivencia como especie. E dentro deste cosmo comportamental há manifestação de sentimentos e emoções na forma de afeto, posse, gosto, desgosto, falta, solidão, aceitação, respeito, prazer, desprezo, preocupação... entre varios animais, mas não todos, com graus variados. 

Portanto, emoções e sentimentos são atributos do principio inteligente e não exlusividade do Espirito. Certamente que no Espirito a sua inteligencia subverte a limitação imposta pelo instinto a vontade, e isso permite ir além de uma manifestação de afeto e posse induzido por hormonios, como vemos nos animais, a inteligencia e vontade no Espirito permiti direcionar o afeto em um nivel da compaixão, que é uma forma de afeto e preocupação que requer alto grau de elaboração racional, uma consciencia de que o outro como você merece ser feliz. Então cuidado em admitir que um dado comportamento de cuidado ou posse e afeto entre animais é compaixão o que na verdade pode ser tanto demostração de preocupação pelo que tem como posse ou uma demostração de afeto pelo que tem como posse.

Alguns podem pensar que estou complicando, mas a analise fria e imparcial, sem o carater de arrogancia, é importante para distinguirmos e discernirmos o que observamos. Como também uma unica observação mesmo que atenta é uma observação como outra qualquer que não deve ser usada como fato consumado. 

Abraço fraterno

Marcos Borges


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Brenno Stoklos em 16 de Outubro de 2013, 04:57
.......................
E dentro deste cosmo comportamental há manifestação de sentimentos e emoções na forma de afeto, posse, gosto, desgosto, falta, solidão, aceitação, respeito, prazer, desprezo, preocupação... entre varios animais, mas não todos, com graus variados. 
.............................

Abraço fraterno

Marcos Borges


Mais uma vez, concordo com o amigo MarcosBorges.

À respeito do trecho que mantive acima, gostaria de colocar que existem diferenças muito grandes, em grau, entre aquilo que os homens e os animais apresentam como respostas.

A principal delas é que os animais não raciocinam sobre aquilo que sentem.


Título: Re: Animais têm consciência, dizem neurocientistas
Enviado por: Zé Ninguém em 16 de Outubro de 2013, 11:41

À respeito do trecho que mantive acima, gostaria de colocar que existem diferenças muito grandes, em grau, entre aquilo que os homens e os animais apresentam como respostas.

A principal delas é que os animais não raciocinam sobre aquilo que sentem.

Carl Sagan - Humility (Humildade) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PUhSbFExX0tSQ0N3Iw==)