Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Espiritualismo => Tópico iniciado por: Conforti em 18 de Janeiro de 2011, 00:55

Título: Todos os problemas são um só problema.
Enviado por: Conforti em 18 de Janeiro de 2011, 00:55
           Cito palavras de amiga:
           “Vejo que você persegue essa resposta, sobre o porquê das desigualdades entre seres criados iguais, há bastante tempo. Sei que a pergunta é importante, mas se não há nenhuma religião ou doutrina que dê a resposta, como você mesmo disse, essa perseguição não terá fim”.
          Resp: minha amiga, não perseguimos a resposta; perseguimos conseguir mais alguém, dentro das doutrinas, que compreenda, pelo refletir sobre a questão, que a resposta está noutra direção. A intenção desta perseguição é fazer refletir, fazer abrir os olhos; as pessoas aceitam facilmente o que lhes vem às mãos desde que confiem nas fontes; se questionassem, muitos não teriam seus olhos voltados só para aquilo em que crêem e, com certeza, decidiriam abrir seu leque de buscas, como a própria DE recomenda. Não estamos buscando a resposta àquela questão; estamos buscando que alguém mais reflita a respeito. Há resposta e explicação, sim. Por isso é que  temos de olhar para outros lados, se não ficaremos na ignorância sobre muitas coisas que nos auxiliam na compreensão da vida. Se as pessoas encontrassem e acreditassem na resposta, coisa somente possível com o abandono de todos os preconceitos, muitos não estariam sofrendo tanto pelos males que “julgam” estão praticando; não sofreriam por remorsos, culpas, medos por não terem obedecido aos mandamentos ou ética de sua crença, pelo medo de não estar protegido, o medo de não agradar ou de ofender a Deus; medo de não cumprir os mandamentos de sua crença particular e vir a ser, como conseqüência, sentenciado, num hipotético juízo, que se dará num hipotético final dos tempos, a sofrer os castigos de um purgatório, inferno ou umbral; ou de reencarnações dolorosas ou em seres inferiores da escala evolutiva... Veja  se não é assim: talvez a maioria daqueles que seguem, mais ou menos, sua religião, numa análise mais profunda, obedecem aos mandamentos de Deus e de suas igrejas, por medo do que poderá acontecer se não obedecerem, pois todas as religiões infundem medo a seus seguidores. 
          Muitos sofrem, também, por se sentirem indignos por não terem pedido perdão por suas faltas, por não terem feito sacrifícios; pelo medo de ficar sujeito a castigos pelos “pecados” cometidos, medo dos desejos escusos, das ações de desamor etc.
          O medo é produto da ignorância e é a causa de “todos” os sofrimentos do mundo. Devido ao medo nos agarramos a promessas, ilusões e esperanças que as crenças nos dão, e ficamos cheios de remorsos e culpas, pois vivemos dentro dessa tremenda ilusão de que somos culpados ou responsáveis pelos males do mundo e por nosso próprio sofrimento, e medo de que haja uma lei que nos fará expiar, talvez por séculos, pelos erros cometidos.
          O que acontece é que o ser humano está fechado na escuridão de sua enorme ignorância e nada vê, nada percebe, nada interpreta corretamente. Ele está com os olhos “cheios de terra”, como disse Teresa de Ávila; com os olhos “cheios de espessas trevas”, como disse Jesus. Essa é toda a causa do sofrimento que existe no mundo: os olhos “tapados”, a ignorância que só pode ser dissipada com o conhecimento da verdade que liberta. 
          Todos esses “remédios” que a ciência, a medicina, a psicologia apontam para os traumas, para os sofrimentos, de quaisquer espécies que sejam, são apenas paliativos; podem servir por certo tempo, mas os problemas sempre voltarão. Contudo, todos esses problemas são “um só” problema; não há diferentes problemas: todos se resumem num só; assim, se um é resolvido completamente, todos estarão resolvidos...
         


Ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/profile/?area=showposts;u=26313#ixzz1BKs21ojm
Título: Re: Todos os problemas são um só problema.
Enviado por: HelenaBeatriz em 18 de Janeiro de 2011, 12:52
Citar
Cel: pois é esse exatamente o ponto aonde quero chegar: que o “certinho” e o “exato” não existem nem mesmo na criação. E, se os espíritos no princípio são iguais, são as circunstancias da vida que os tornam gigantescamente desiguais, concordo com você. Mas, conforme as doutrinas, o Criador é um Pai de infinitos amor e justiça; no entanto, cabendo a responsabilidade, pelas desigualdades, às vicissitudes ou circunstâncias da vida, onde estarão a justiça e o amor que deixa que criaturas divinas permaneçam séculos de séculos no lodaçal enquanto outros se aproximam da luz? Elas não são responsáveis nem culpadas; a vida, com seus milhões de experiências, as fez assim, como você disse, “preguiçosas e viciadas às emoções” que as detêm e lhes fazem até as eternidades mais longas; não se tornaram como são por vontade própria. (Veja que minha argumentação se baseia no que as doutrinas cristãs afirmam: igualdade no princípio e um Deus ao qual conferimos atributos de infinitamente bom e justo).

Coronel, acredito que suas dúvidas pertençam ao grande enigma da humanidade.
Jamais entenderei o "todos criados iguais, simples e ignorantes", associados a "nem um fio de cabelo cai de sua cabeça sem que Ele saiba ou permita".
Fica tudo muito confuso... O livre-arbítrio jamais será livre, pois se atrela às leis de causa e efeito. De onde surgiu a desigualdade entre os "criados iguais"?

Um abraço, amigo!
Helena


Título: Re: Todos os problemas são um só problema.
Enviado por: Conforti em 18 de Janeiro de 2011, 14:22
          Helena Beatriz   (ref #1)

          Cito a amiga Helena:
          “... acredito que suas dúvidas pertençam ao grande enigma da humanidade”.
          Cel: não, minha amiga, com mais tempo, você vai perceber que apenas são perguntas/dúvidas que as religiões não respondem, ou respondem de modo estranho e que não satisfaz; não são dúvidas para aqueles que buscam a compreensão da vida, que buscam a verdade, que buscam Deus, além de onde as religiões alcançam, noutras direções. Em geral, nos agarramos àquilo que nossa crença ensina e, satisfeitos, por confiar nas fontes de onde os ensinamentos vieram, não olhamos para os lados, não abrimos nosso leque de buscas e ficamos naquilo que achamos que é o melhor, que possui toda a verdade (e pode nem ser o melhor e nem possuir a verdade integral); com isso, podemos estar deixando de conhecer coisas importantes que nos poderão auxiliar na compreensão do caminho que leva a Deus. 
          Helena:
          “Jamais entenderei o "todos criados iguais, simples e ignorantes", associados a "nem um fio de cabelo cai de sua cabeça sem que Ele saiba ou permita". Fica tudo muito confuso... O livre-arbítrio jamais será livre, pois se atrela às leis de causa e efeito. De onde surgiu a desigualdade entre os "criados iguais"?”
          Cel: é isso mesmo; não existe aquilo que chamamos de “livre-arbítrio”; nenhuma de nossas escolhas ou decisões é “livre”; todas estão inteiramente “presas” ao passado, às experiências que já tivemos nesta escola do bem e do mal, que é a vida, e às quais você chamou de “causa e efeito”.
          Fique em Deus.