Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: demis em 04 de Agosto de 2007, 11:54

Título: solidão
Enviado por: demis em 04 de Agosto de 2007, 11:54
que podemos fazer quando nos sentimos numa solidão imensa e quando procuramos fazer amizades,não nos aceitam?

demis
Título: Re: solidão
Enviado por: Victor Passos em 04 de Agosto de 2007, 21:58
Ola Demis
Muita Paz

       Você deve ser muito tocado pela solidão pois ,tem colocado algumas vezes esse tema, vou tentar ajudar com um artigo ,que é óptimo e para ajudar o indicativo de números de ajuda...

Solidão - O desespero de nossa época.

Dr. Antonio Carlos Alves de Araújo
E-mensagens para:antoniopsico1@hotmail.com

 

Abordagem das causas da solidão em nossos dias, bem como o impacto da mesma nas pessoas e a forma como cada um tenta lidar com esse fenómeno causador de boa parte da angústia nas pessoas.

“O solitário é aquele que tem tempo de sobra para pensar em sua total insatisfação, o infeliz é aquele que jamais terá essa oportunidade”.

“Solidão a dois não é tanto saber que o outro jamais lhe completará, mas principalmente o total desprezo e indiferença em relação aos nossos anseios e expectativas, é ser constantemente ignorado e abandonado na presença de alguém”.

“A solidão suprema não é a incapacidade actual de viver uma experiência de real prazer, mas tão somente o temor de experenciá-lo ao encontrarmos, ou seja, o irmão predilecto da solidão chama-se desperdício ou talvez o medo do amor”.

“Solidão é o terrível desespero da espera por alguém que nos traga aquilo que mais necessitamos”.

“Quando o sofrimento nos derrota, somos aniquilados, quando o aceitamos nos transformamos num ser maior”.

“Muito pior do que o adeus é a certeza do nunca mais”.

A solidão é como uma ressaca do mar, trazendo ou nos dando uma dimensão de todos os nossos atos e pensamentos, ela nos mostra todo um histórico e estilo de vida, sendo na maioria das vezes uma prova indesejada da nossa falta de responsabilidade pelo ente humano, é ainda o produto de tudo aquilo que sempre tentamos fugir,o desespero.
Sua imperativa presença não dá espaço para fugas ou escapismos como quando estamos absortos em algo, mas revela cruelmente nossos mais remotos hábitos, medos, temores e anseios, sendo que este último é uma tentativa desesperada da mente para se proteger dos primeiros, pois o desejo na solidão tem a função vital de protecção da saúde psíquica, pois caso contrário, nosso inconsciente é literalmente invadido pelas mais temidas ideias destrutivas e persecutórias.

O verdadeiro pânico é o sentimento não apenas de estar só, mas a sensação terrificante de desamparo pessoal e social, principalmente dentro de um contexto que apregoa a equação:“solitário é igual a fracassado”. O impacto desse lema nas pessoas é extremamente avassalador, querendo todos fugir desse estigma ou cicatriz de inépcia social, produzindo maiores danos ainda, como a baixa qualidade das escolhas ou extrema ansiedade. Obviamente, podemos deduzir que a procura por relações de certa forma é um alívio ou fuga daquilo que realmente somos ou tememos em nós mesmos, sendo a ansiedade uma vacina eficaz e preferível ao profundo autoconhecimento.
As razões dessa conduta são mais do que históricas, pois séculos de cristianismo, forçaram a todos a ocultar partes indesejáveis e ameaçadoras da personalidade, imputando apenas aos desajustados e psicopatas os elementos destrutivos do ser humano. O ponto central desse presente estudo é o fato da solidão revelar até que ponto verdadeiramente desejamos a troca e contacto humano, nesse caso a solidão passa a ser um estímulo e até um objecto de reflexão apurada para uma futura busca, seleccionando melhor as escolhas, dando inclusive uma dimensão do que realmente gostamos ou daquilo que profundamente sentimos saudades. Diria que esse seria o lado positivo da solidão, uma dissecação de nosso estilo de vida como descrito anteriormente, pesando-se todas as vantagens e desvantagens de nossa conduta, neste caso a solidão seria um intervalo para que pudéssemos reavaliar nossas experiências de vida, e o que realmente estamos buscando, e a maneira pela qual estamos fazendo isso.

É fundamental sentirmos essa solidão para que possamos reflectir e ajustar padrões viciados de conduta e comportamento. Fugir da solidão constantemente significa abafar essa oportunidade de crescimento interior. Infelizmente isso ocorre devido à insegurança, e temor de que a solidão se torne uma constante na vida da pessoa, achando que não terá forças para sair desse quadro devido a um forte complexo de inferioridade pessoal. A solidão está intrinsecamente relacionada com o passado, pois todo ser humano em estado de solidão pensa no mesmo, seja em termos de arrependimento, prazer pretérito perdido, mágoa, raiva, ódio, angústia, saudades, etc. Mas é justamente nesse ponto que reside um factor central, pois o temor à solidão passa a ser o medo da memória, de nossa história pessoal, da avaliação ou prova sobre o grau de prazer e felicidade do eu.

Continua
Título: Re: solidão
Enviado por: Victor Passos em 04 de Agosto de 2007, 22:01
continua

No próprio processo de terapia temos um exemplo vivo do medo à solidão, Freud chamou de “resistência”, quando um determinado paciente não conseguia se libertar de um determinado conteúdo neurótico, apelando ou para o silêncio na hora terapêutica, ou até mesmo para a sedução do analista com o propósito de anular sua actuação.
Alfred Adler foi o primeiro a perceber que a resistência tinha um fundo de solidão, sendo que o intuito do paciente era criar um “combate” com o analista para desmoraliza-lo, dado o ódio do paciente por estar em análise, sendo que isso na cabeça do mesmo era uma prova de seu fracasso em desenvolver o que ele chamava de “sentimento de comunidade”, relações sociais que visassem a cooperação e solidariedade entre as pessoas, assim sendo a resistência era contra o sentimento de se envolver e se doar para algo ou alguém. Sem sombra de dúvida este foi o século onde o ser humano mais se sentiu solitário e desamparado, seja por problemas relacionados à estrutura político-social-económica ou por neuroses pessoais.

O fato é que solidão também está relacionada à questão do poder em nossa era, pois toda estrutura de poder teme uma maior troca e aproximação das pessoas, devendo imputar na cabeça do indivíduo que sua solidão não é fruto de um sistema, mas tão somente de sua incompetência pessoal. Deveríamos reflectir bastante sobre isso, para que possamos isolar as verdadeiras causas do problema. Apostar sempre no privado e individual é acelerar o mecanismo da solidão, não que se esteja pregando a anulação pessoal, pelo contrário, estar integrado consigo mesmo é lutar para que o outro também realize seu potencial, porém em nossos tempos apenas assistimos a devoção ao estritamente pessoal.
A verdade é que estamos absolutamente indolentes e apreensivos para buscarmos novas relações, volto a insistir no medo da memória, pois esta encerra o temor ou uma negativa ao novo, dizendo-nos constantemente que se nos arriscarmos novamente, todo o sofrimento que vivemos no passado poderá se repetir.Freud chamava esse mecanismo psíquico de “compulsão à repetição”, uma tentativa neurótica de reviver constantemente um trauma, até que a pessoa se torna cônscia do processo que havia direccionado principalmente seus afectos.
Adler achava que tal mecanismo se devia ao fato da pessoa insistir sempre em ser amparada pelo seu meio, pois o sofrimento seria uma espécie de escudo para nunca se atingir a independência, forçando um cuidado e atenção especial para a pessoa acometida pela neurose, o que ele chamava de “pessoa mimada”, o protótipo de ser humano incapaz de troca, mas tão somente direccionado para os benefícios que possa obter através de seu distúrbio. A solidão no psiquismo humano é sentida como um processo doloroso de exclusão na obtenção ou participação de experiências afectivas de troca ou prazer, é sentir que todos os demais tem um direito que nos é negado.

continua
Título: Re: solidão
Enviado por: Victor Passos em 04 de Agosto de 2007, 22:02
continuação

Segundo a teoria psicanalítica, a fantasia que a criança desenvolve acerca da sexualidade dos pais, é que “há uma espécie de festa na qual ela está excluída”, sendo este exactamente o sentimento do solitário acerca de sua real condição humana, sua crença na incapacidade de obter semelhante satisfação. Adler acreditava que a criança percebia tal acontecimento não como um prazer de natureza sexual negado, mas principalmente o ódio da mesma em relação à pessoa que detinha o poder sobre sua inclusão ou exclusão de determinados eventos, ou seja, uma luta contra a suposta tirania e dominação dos pais, traçando um paralelo entre a luta de classes no modelo económico que vivemos.

Outro ponto muito interessante acerca da psicologia do solitário, observado em terapia é o de que determinado indivíduo parece ter criado historicamente todo um “projecto” voltado à solidão. Citarei a seguir alguns elementos que contribuem para tal finalidade, embora muitos deles sejam preconceitos ditados pela sociedade, mas que acabam sendo incorporados pela pessoa, visando evitar uma experiência de aproximação, alguns exemplos: neuroses em geral, onde a pessoa acaba por ficar debilitada, dificultando uma real experiência de prazer com o outro, sendo que a relação se torna de extrema dependência, por exemplo, a síndrome do pânico, onde o medo e pavor forçam uma atuação excessiva e desgastante sobre o indivíduo, e o mesmo é incapaz de prosseguir suas tarefas profissionais ou sociais, o mais interessante é que determinadas crises de pânico sempre ocorrem quando o sujeito se encontra numa situação social ou simplesmente saiu de casa, revelando que o único ambiente seguro é seu lar, rejeitando por completo a aproximação com outras pessoas.
 ( Solidão - Um paralelo entre as teorias de Freud e Adler )

Nota espero que tenha ajudado...

Lista das linhas de apoio à solidão / amizade:
Linha SOS Palavra Amiga - Viseu: 232 424 282
Linha SOS Voz Amiga - Lisboa: 213 544 545
Linha Telefone amigo - Coimbra: 239 721 010
Linha Telefone Amizade: 800 205 535
Associação Portuguesa de Apoio à Vítima: 707 200 077
Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (Porto): 225 502 957
Victor Passos