Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: zarthur em 21 de Outubro de 2009, 03:04

Título: FW O espírita na sociedade brasileira de hoje
Enviado por: zarthur em 21 de Outubro de 2009, 03:04
Carta aberta ao Presidente Lula

A Guerra do Rio de Janeiro.

Até a algumas dezenas de anos atrás, Senhor Presidente, nossos cidadãos enfrentavam dificuldades para a sobrevivência, ora pelas doenças ainda incuráveis como a varíola, a malária, a sífilis, a tuberculose, etc, ora pela escassês do alimento que sacrificava vidas nas periferias das cidades maiores ou daqueles moradores distanciados dos grandes centros; o indice de mortalidade infantil era motivo de perplexidade nas nações mais desenvolvidas.
Hoje, no entanto, o Brasil integra o rol das nações industrializadas; as doenças e a desnutrição experimentam combate sem tréguas, nossas crianças crescem sadias e vemos com otimismo um futuro para elas.

Mas novamente o mundo volta seu olhar estarrecido para nosso país pois surge nova e devastadorta ameaça à estabilidade e equilibrio da nação brasileira.
.
Agora nossa sociedade  sofre o assédio da espada homicida, travestida na violencia do tráfico de drogas.
Bombas são arremetidas contra populações indefesas; o pipocar das metralhas e o zunido dos projétis disparados a esmo é o novo sinal de despertar para aquele que se vê na contingencia do trabalho diário.

o profundo desequilíbrio, a desarmonia generalizada, o medo e a insegurança fazem do cidadão um prisioneiro sem as grades do cárcere, mas escoltado pelos criminosos que determinam as novas regras desta imensa prisão chamada Brasil.
.
Atualmente, nossos caminhos não parecem percorridos por seres conscientes, mas semelham-se a estranhas veredas, ao longo das quais tripudiam duendes alucinados a espera da oportunidade do assassinio, do estupro ou do roubo.

Como fruto de eras sombrias, caracterizadas pela omissão das autoridades e pela rapacidade que caracteriza nossa política, vemos o país convertido em campo de quase intérminas hostilidades urbanas.
Bandidos, empresários inescrupulosos e políticos inconscientes, perseguem o mito do ouro fácil numa voragem de perversão moral;  e neste ambiente, cérebros vigorosos perdem a visão interior, enceguecidos pelos enganos da personalidade e do autoritarismo.

Senhor Presidente, o caos foi definitivamente instaurado.
Um governo paralelo está estabelecido e tolerado, pois muitos dos que deveriam combatê-lo dele tiram enormes vantagens.
Possuímos poderosos caças de combate aéreo, a marinha brasileira é respeitada no continente, um exercito numeroso equipado e bem treinado... e para quê?
Acaso a constituiçao impede que todo esse poderio militar seja utilizado a favor da segurança do cidadão?
Ou nossos comandantes militares temem que se coloque à vista de todos sua ineficiencia, preferindo o esconderijo seguro de seus quartéis bem municiados.
Seja como for, por trás de toda essa miséria institucional existe um homem; um responsável, e sobre seus ombros a sociedade depositou suas maiores esperanças; no entanto esse paladino, esse guerreiro valoroso não passa de uma criança de cabelos grisalhos a se envolver em querelas do futebol ou questões políticas de outras nações, desde que seu nome permaneça em evidencia nos tablóides do planeta.
Se uma nação, aos olhos do mundo,  acovarda-se quando a segurança de seu povo está em jogo, cabe uma exortação.
Senhor presidente, não seja mais um dentre tantos covardes que o mundo conhece, acomodado entre tarefas rotineiras do dia-a-dia, pois um ingente desafio está a bater nas portas fechadas da sua consciencia.
Imponha a ordem neste país se quer, de fato, ver o seu progresso, e que sua honestidade jamais seja questionada como se fosse apenas mais um sequaz de poderosa quadrilha de malfeitores arranchados em belos escritórios na capital federal.

Assinado: um brasileiro




Título: Re: FW O espírita na sociedade brasileira de hoje
Enviado por: Diegas em 21 de Outubro de 2009, 04:10
'...Agora nossa sociedade  sofre o assédio da espada homicida, travestida na violencia do tráfico de drogas...'

Olá, zarthur


Se eu fosse o presidente a ler este seu desabafo, responderia que o terror está instalado no país desde o tempo de Cabral, com a prisão e morte dos indios. No caso especifico do Rio de Janeiro, há os que esquecem a Historia. De como os franceses e portugueses a subjugaram. Hoje, os moradores do morro nada mais fazem do que reivindicarem o que perderam no passado.

Ou seja, trata-se de uma população que foi expulsa do seu local de origem, jogada para baixo dos tapetes por grandes grupos empresariais e politicos. A cada nova movimentação imobiliaria, houve a necessidade de se remover os moradores, desapropriá-los como animais fossem, sem que o poder publico se preocupasse em atendê-los nas necessidades mais elementares: educação, saneamento básico e segurança.

Não foi no governo do Lula que houve um plebiscito para decidir sobre o desarmamento de armas ? E a população decidiu, incentivado pela midia, pela continuidade do armamento. É o caso: Um dia o povo abre os olhos e percebe o quanto foi e é manipulado, principalmente por aqueles que deviam protegê-los.


Abç
Título: Re: FW O espírita na sociedade brasileira de hoje
Enviado por: zarthur em 21 de Outubro de 2009, 04:49
Caro Diegas;
em principio, o desabafo não é meu... trata-se de texto colhido na internet.
Mas seu raciocinio, embora bem fundamentado esbarra numa questão de ordem, digamos, doutrinária. A opressão já de longos séculos como vc aponta, desde os colonizadores, faria com que um grande número de revoltados, hoje encarnados em nossa pátria gentil fosse o causador de tanta perturbação, mas não! A grande maioria da população brasileira é ordeira e trabalhadora; o que resta, isso sim, é a escoria, que se mistura com as elites mal formadas e sequiosas de poder, promovendo a violencia.
Concluindo, amigo; não se engane, o problema não se resume a um crónico e secular processo de especulação imobiliária ou algo assim, mas guarda vinculos profundos com um carma coletivo, o qual, a indolência e a omissão do povo e das autoridades faz prolongar indefinidamente.
abraços
Arthur