Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: Francisco em 26 de Dezembro de 2008, 12:54

Título: Equivoco num artigo da Super Interessante
Enviado por: Francisco em 26 de Dezembro de 2008, 12:54
Exmo. Sr. Director da Super Interessante,

Na Vossa revista número 129 - Janeiro de 2009, colocaram um artigo (com direito a destaque na primeira página) cujo titulo é "Muita fraude e pouca uva", assinado por M.A.S. e que contém inúmeros erros graves, erros esses que poderiam ter sido evitados, por exemplo com uma simples busca na Internet!

Mas vamos analisar os erros ponto por ponto:

No texto introdutório, onde são anunciadas dez falácias do paranormal, no terceiro parágrafo podemos ler "O medo da morte e de desaparecermos por completo fez surgir o espiritismo moderno".

Uma frase tão pequena que demonstra desde logo um desconhecimento enorme do autor sobre o que se está a escrever! Espiritismo moderno é coisa que pura e simplesmente não existe, talvez o erro seja de tradução, pois nos países Anglófonos o New-Spiritualism fez escola, o curioso é que infelizmente muitas vezes confunde-se (e traduz-se) Novo Espiritualismo por Espiritismo... mas estas são duas filosofias diferentes.

Aproveito para referir que não foi o medo da morte e de desaparecermos por completo que fez surgir o espiritismo (e refiro-me ao espiritismo mesmo, não ao novo espiritualismo)... mas adiante.

Continuando a ler o artigo, chegamos então à falacia número 8, onde podemos ler como titulo "O espiritismo moderno".

Primeira frase do texto:

"Os vivos só começaram a relacionar-se com os mortos quando duas meninas asseguravam que falavam com eles através de pancadas", ora bem, isto é errado e todos sabem disso, não faltam exemplos de (se quiser supostas) comunicações com os "mortos" ao longo da história da humanidade.

Um exemplo entre inúmeros outros, pode encontrar na Bíblia quando se lê em Mateus 17: 1, 3 o seguinte “1 Seis dias depois, Jesus tomou consigo Pedro, Tiago e seu irmão João, e levou-os, só a eles, a um alto monte. 2 Transfigurou-se diante deles: o seu rosto resplandeceu como o Sol, e as suas vestes tornaram-se brancas como a luz. 3 Nisto, apareceram Moisés e Elias a conversar com Ele.”

Bom, Moisés e Elias já tinham morrido à muito tempo, no entanto estavam ali a conversar com Jesus, pode acreditar ou não (isso é outra questão), mas como este exemplo, existem muitíssimos outros, o que torna muito forçada a vossa frase.

Depois então descrevem a história das irmãs Fox, é por demais conhecida toda a história e infelizmente é igualmente conhecida a tendência de alguns contarem a história por metade!

Como sabe, é muito fácil obter confissões ao nosso gosto, recorrendo a ameaças da pior espécie, isso mesmo foi admitido pela Margaret Fox em 1889.

"(...) As minhas acusações eram completamente falsas. A minha crença no Espiritismo continua incólume. Os fenómeno apoiam-se sobre factos incontestáveis. (...)"

Ou ainda:

"(...) Quando fiz aquelas declarações não era responsável pelas minhas palavras. (...)"

E não, ela não escreveu esta segunda comunicação porque os espíritas tenham lançado uma campanha contra ela!

Ao lado do artigo, podemos ver uma fotografia de uma sessão espírita, onde várias pessoas encontram-se na penumbra, com uma vela acesa, mãos dadas de olhos fechados, etc e tal.

Isso é de facto o que a maioria imagina, mas a realidade é muito diferente!

Por esta altura o senhor Carlos Madeira deverá estar a perguntar-se, o que é então o espiritismo?

As palavras Espiritismo, Espírita e Espiritista, não existiam antes de 1857, a primeira vez que foram publicadas foi num livro com o titulo O Livro dos Espíritos, e logo na introdução existiu o cuidado de referir que "para coisas novas necessitamos de palavras novas (...)"... logo de seguida estão as definições de cada uma dessas novas palavras e quais as diferenças para as palavras Espiritualista e Espiritualismo.

Se o autor do artigo tivesse feito o trabalho de casa, poderia constatar que espiritismo é muito diferente do que imagina, poderia por exemplo verificar na página da ADEP (Associação de Divulgadores de Espiritismo de Portugal) em http://adeportugal.org que existem mais de cem centro espíritas espalhados por todo o país e ilhas (podem visitar qualquer um deles e ver o que lá se passa), que também existem duas associações de médicos espíritas, que os espíritas estão na linha da frente no combate às fraudes, às crendices populares... e muito importante, que os espíritas são pessoas como quaisquer outras, com as suas profissões e nos tempos livres dedicam-se a estudar espiritismo e a ajudar quem necessita, sem proselitismo e sem que nenhum deles receba dinheiro ou qualquer tipo de compensação nessas actividades.

É lamentável que se inclua no saco das fraudes do paranormal, uma filosofia que é absolutamente racional, que não admite fé cega, chegando esta filosofia ao ponto de conter a ideia de se algum dia a Ciência contrariar algum dos pontos que o espiritismo defende, abandona-se esse ponto e segue-se a ciência!

Não acha extraordinário?!

Penso que seria importante a uma revista com tanta qualidade como é a Super Interessante, dedicar algumas linhas da próxima edição a corrigir estes erros.

Com toda a certeza que os membros da ADEP estarão à vossa disposição para qualquer esclarecimento necessário, bem como os elementos do blog onde colaboro.

Com os melhores cumprimentos,

Francisco Vazquez Reis
Blog de Espiritismo

Esta foi a carta que enviei ao Sr. Carlos Madeira, Director da revista Super Interessante.

Convidamos todos os espíritas a escrever também uma mensagem e a enviarem para cmadeira@edimpresa.pt