Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: MarcoALSilva em 25 de Abril de 2009, 20:54

Título: Concílio de Nicéia
Enviado por: MarcoALSilva em 25 de Abril de 2009, 20:54
Para evitar o problema inicial de se estar ou não em um tópico próprio do Espiritismo, achei conveniente inaugurar este no "Off-topic".

Tenho visto, com muito bons olhos, alguma discussão acerca de religiosidade e religiões em geral. Tenho certeza de que vou inaugurar uma polêmica muito interessante sobre um tema que raramente levará a um consenso pleno. Ou então nada ocorrerá e cada um exercerá o lídimo direito de manter para si suas convicções...

Proponho discutirmos sobre o Concílio de Nicéia.

Desde logo alerto que esse não é um tema católico. É um tema que interessa a todo o Cristianismo, portanto também ao Espiritismo.

O ponto mais importante e que eu sugiro tenha a nossa atenção é: até que ponto o concílio niceno influiu e influi nos conceitos cristãos que informam o Espiritismo?

Tomo a liberdade de sugerir a seguinte leitura (do ótimo site Biosofia - http://biosofia.net/ (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2Jpb3NvZmlhLm5ldC8=)):

http://biosofia.net/2005/09/21/o-concilio-de-niceia/

Título: Re: Concílio de Nicéia
Enviado por: Vitor Santos em 25 de Abril de 2009, 22:10
Olá Marco

A forma de olhar para Jesus da igreja católica romana e do espiritismo, não são coincidentes.

1) Para os espiritas Jesus não é Deus, nem um filho especial de Deus, é um espirito, tal como nós, só que moralmente mais evoluido (é um espirito muito mais antigo do que nos).

2) Para os espiritas nem Jesus nem ninguém faz milagres. Todos os fenómenos são fenómenos naturais, uns explicados outros por explicar, mas não há fenómenos sobrenaturais.

3) Para os espiritas a moral de Jesus de Nazaré é a moral a seguir, bem interpretada. Ela Aponta para a igualdade dos homens perante Deus e aconselha que nos amemos uns aos outros. Jesus é para nós um modelo moral e não um Deus. Acreditamos que é o espirito mais evoluido que pisou a terra.

4) Para os espiritas Deus é a Inteligência Suprema, causa primária de todas as coisas. para a igreja católica não sei muito bem o que é, para dizer a verdade.

5) para os espiritas existe reencarnação, para os católicos existirá ressureição do corpo um dia (não sabemos quando).

6) para os espiritas existem os espiritos, a morte não existe, apenas o corpo fisico morre. os espiritos são homens como nós provisóriamente sem corpo. Para alguns católicos os espiritos são o diabo.

Enfim, poderia ficar aqui muito tempo a descrever diferenças entre a doutrina católica e a espirita.

A forma como a doutrina espirita decreve a realidade e as leis da vida, nada têm em comum com a forma com a igreja católica as descreve.

Contudo a doutrina espirita não critica, não condena nem julga a igreja católica nem nenhuma outra religião ou crença. cada um tem direito á liberdade de pensamento e expressão das suas crenças. Há centenas de anos os homens que habitavam a terra ainda eram provavelmente mais imaturos que nós, era normal que fizessem disparates (se hoje em dia continuamos a fazê-los).

No passado, nós que agora somos adeptos do espiritismo, fomos provavelmente católicos e até responsáveis pelo que é hoje o mundo e em particular a igreja católica. Não nos consideramos nem mais nem menos do que as outras pessoas.

A palavra Cristianismo, para os espiritas significa apenas tentar seguir o nosso modelo, Jesus, no que diz respeito à prática da nossa vida. Infelizmente ainda estamos longe de ser capazes de aproximar a prática da nossa vida à do nosso modelo moral.

bem haja
Título: Re: Concílio de Nicéia
Enviado por: Viana em 26 de Abril de 2009, 02:14
 :)
Olá amigo MarcoALSilva...
Admiro o seu interesse pela cosa chamada religião; isso me leva a entender que você é uma pessoa inteligente, prudente e autêntica (o que é raríssimo).
Já estudei muito sobre o concílio de Nicéia, onde descobri toda essa manipulação e enganação religiosa, e confesso que foi justamente ali que eu me desiludi de vez, com tudo isso que se diz religião.

POIS É, AÍ VOCÊ PODE BEM VER EM QUE BALAIO DE GATOS; ESTAMOS TODOS METIDOS; CADA UM DIZ O QUE BEM ENTENDE, E OS CORDEIRINHOS CURVAM-SE DIANTE DOS MAIS ESPERTOS.
NA VERDADE, NA VERDADE, NINGUEM SABE COISA NENHUMA; ESTAMOS MAIS CONFUSOS DO QUE UM CEGO EM MEIO A UM TIROTEIO...
COMO BEM JÁ DIZ UM JARGÃO: “CEGOS GUIANDO OUTROS CEGOS”...
Já dizia o Napoleão Bonaparte: “Religião é a boa invenção para manter o povo comum quieto”.
  :D

Viana

Título: Re: Concílio de Nicéia
Enviado por: MarcoALSilva em 26 de Abril de 2009, 02:44
POIS É, AÍ VOCÊ PODE BEM VER EM QUE BALAIO DE GATOS; ESTAMOS TODOS METIDOS; CADA UM DIZ O QUE BEM ENTENDE, E OS CORDEIRINHOS CURVAM-SE DIANTE DOS MAIS ESPERTOS.
NA VERDADE, NA VERDADE, NINGUEM SABE COISA NENHUMA; ESTAMOS MAIS CONFUSOS DO QUE UM CEGO EM MEIO A UM TIROTEIO...
COMO BEM JÁ DIZ UM JARGÃO: “CEGOS GUIANDO OUTROS CEGOS”...
Já dizia o Napoleão Bonaparte: “Religião é a boa invenção para manter o povo comum quieto”.[/b][/color]  :D
Viana

Olá!

Concordo com as ponderações de Vitor (sobre os conceitos de Deus e do Cristo, dentre outros aspectos) e também com a agudeza de Viana (neste caso, atento aos efeitos nos dias atuais do concílio niceno).

A dualidade Bem e Mal é um dos pontos mais importantes a se considerar. Depois de Nicéia houve um processo histórico que jogou o mundo ocidental em um horrível oceano de crime e castigo, feio e bonito, bom e mau, virtude e pecado.

Se, por um lado, devemos todos estar atentos à nossa conduta, exercendo o que André Luiz aponta como condicionamento moral (Evolução em Dois Mundos), por outro lado desde o concílio fomos deserdados de uma visão alegre e festiva da Vida, extirpando matizes da cultura pagã como se adviessem de um demônio chifrudo num inferno de enxofre.

Não defendo o retorno aos moldes de culturas que o processo histórico cuidou de apagar, mas creio que devemos repensar a visão catastrófica e castrante que a religiosidade fez e ainda faz impregnar na cultura vigente até mesmo no espiritualismo do Ocidente.

O Espiritismo exprime uma revelação de inédita magnitude para a humanidade. Por isso mesmo teve que ser exposto de modo a atingir o senso do maior número possível de convocados ao esclarecimento. Equivale a dizer que o Espiritismo, como qualquer outra doutrina que busque a elevação espiritual do homem, teve que amoldar-se à cultura deturpada que o atentado de Nicéia produziu.

Há estudiosos (bem entendido: os isentos de religiosidade) que põem em dúvida a existência dos bacanais desseminados por toda a Europa, como se o mundo estivesse na podridão moral absoluta. Houve, sem dúvida, excessos, como de resto há muito mais numerosos hoje em dia. No entanto, Nicéia fez o mundo adotar, depois de alguns séculos, um padrão de moralismo que castrou o ser humano dos tesouros abençoados da liberdade de pensamento, mutilando cientistas e filósofos, condenando miríades ao medo envenenante das chamas do inferno em razão de cada senão inerente à condição humana.

O salvacionismo, tão desejável para a Igreja e para o Império, ainda pune o homem com ameaças absurdas de punição a cada natural desatino que deveria ser corrigido sem a oferta de um diabo criado para atemorizar incautos.

Enfim, há muito a se dizer. Como não sou, nem pretendo ser, dono da verdade, suplico a todos: por favor, opinem!

Um enorme abraço.


Título: Re: Concílio de Nicéia
Enviado por: Viana em 26 de Abril de 2009, 14:17
 ::) :o

Os oito Concílios e as Revisões da Bíblia

http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=concilio+de+nic%C3%A9ia+como+a+b%C3%ADblia+foi+formada&btnG=Pesquisar&meta= (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nb29nbGUuY29tLmJyL3NlYXJjaD9obD1wdC1CUiZhbXA7cT1jb25jaWxpbytkZStuaWMlQzMlQTlpYStjb21vK2ErYiVDMyVBRGJsaWErZm9pK2Zvcm1hZGEmYW1wO2J0bkc9UGVzcXVpc2FyJmFtcDttZXRhPQ==)

http://www.ocultura.org.br/index.php/Conc%C3%ADlios_ecum%C3%A9nicos (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5vY3VsdHVyYS5vcmcuYnIvaW5kZXgucGhwL0NvbmMlQzMlQURsaW9zX2VjdW0lQzMlQTluaWNvcw==)

http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=Os+oito+conc%C3%ADlios+%3F&btnG=Pesquisar&meta= (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nb29nbGUuY29tLmJyL3NlYXJjaD9obD1wdC1CUiZhbXA7cT1PcytvaXRvK2NvbmMlQzMlQURsaW9zKyUzRiZhbXA7YnRuRz1QZXNxdWlzYXImYW1wO21ldGE9)

http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=As+altera%C3%A7%C3%B5es+na+b%C3%ADblia&btnG=Pesquisar&meta= (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nb29nbGUuY29tLmJyL3NlYXJjaD9obD1wdC1CUiZhbXA7cT1BcythbHRlcmElQzMlQTclQzMlQjVlcytuYStiJUMzJUFEYmxpYSZhbXA7YnRuRz1QZXNxdWlzYXImYW1wO21ldGE9)

http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=Quantas+vezes+a+b%C3%ADblia+foi+alterada+%3F&btnG=Pesquisar&meta= (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nb29nbGUuY29tLmJyL3NlYXJjaD9obD1wdC1CUiZhbXA7cT1RdWFudGFzK3ZlemVzK2ErYiVDMyVBRGJsaWErZm9pK2FsdGVyYWRhKyUzRiZhbXA7YnRuRz1QZXNxdWlzYXImYW1wO21ldGE9)

http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=As+revis%C3%B5es+da+b%C3%ADblia+%3F&btnG=Pesquisar&meta= (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nb29nbGUuY29tLmJyL3NlYXJjaD9obD1wdC1CUiZhbXA7cT1BcytyZXZpcyVDMyVCNWVzK2RhK2IlQzMlQURibGlhKyUzRiZhbXA7YnRuRz1QZXNxdWlzYXImYW1wO21ldGE9)


 :-[ 8) ???

Viana
Título: Re: Concílio de Nicéia
Enviado por: MarcoALSilva em 03 de Maio de 2009, 01:48

Caros amigos!

Até que ponto o concílio niceno influiu e influi nos conceitos cristãos que informam o Espiritismo?

Não me refiro ao conceito que tenhamos sobre o Grande Mestre Jesus apenas... A questão é profunda e, creio, demanda uma análise importante para a visão que temos do fenômeno "evolução", conceito ímpar dentro do Espiritismo.

A maioria das pessoas, mesmo as bem instruídas inclusive no Espiritismo, se amolda ao modelo "crime e castigo", "céu e inferno", pecado, purgatório (zonas umbralinas) etc.

Há uma imensa rede de formas-pensamento reiteradamente sendo geradas há séculos acerca das descrições e temores introjetados desde Nicéia. As zonas umbralinas e mesmo as regiões abissais representam o somatório de edificações astrais em que até mesmo a Besta acorrentada é, aqui e acolá (na literatura), descrita...

Pântanos lodosos, vales escuros e formas atormentadas confirmam os temores que os noviços dos planos mais densos do Astral divisavam ainda na carne. Na verdade, contribuíram para que esse mundo etéreo fosse assim amoldado.

Até mesmo magos negros crêem-se legítimos detentores de "poderes" trevosos que veiculam aos moldes de um filme de terror com efeitos especiais computadorizados...

E no Astral, vale relembrar, tudo o que é reiteradamente pensado tem efetiva existência, por assim dizer, tangível e eficaz.

O credo niceno nos legou introjeções que, creio, merecem repulsa. Diabo com chifres e cascos... Tridentes... Anjos com asas flutuando em núvens... Se fossem apenas construtos da forma, vá lá... Mas instituiu-se uma cultura de medo e horror que só colaboram para os desequilíbrios com que ainda se cogitam acerca de tudo o que pareça "pecaminoso"...

Alguém aceita o meu convite? Meditemos?




Título: Re: Concílio de Nicéia
Enviado por: MarcoALSilva em 05 de Julho de 2009, 00:36

Caros amigos do FE,

Gostaria de trazer novamente este tópico à sua consideração.

Permitam-me expor as seguintes cogitações:

Uma doutrina horrível nasceu da comunhão dos interesses de Constantino e de vários Bispos da então iniciante fé cristã. No começo do século IV o Imperador Constantino autorizou os cristãos à profissão de sua fé, realizando poucos anos depois um concílio na cidade de Nicéia em que, ao pretexto da discussão de divergências teológicas, cunhou uma doutrina bem delineada aos seus interesses e sob os contornos de suas próprias convicções. Buscando massificar sua influência e dominação através da fé cristã, retirou os cristãos das catacumbas em que se reuniam e deu-lhes templos e liturgia. Já aí desestruturou um dos fundamentos do cristianismo primitivo, promovendo a edificação de igrejas para quem, até então, livremente adorava seu Deus nas reuniões livres e na concepção de ter no coração o templo sagrado da fé. Adotou o mito solar dos egípcios e as datas pagãs, demarcando no calendário eventos como solstícios e equinócios sob designações outras.

O próprio Cristo teve sua história recontada ao preço da destruição de centenas de escritos, restando apenas quatro evangelhos que rascunham o mito solar sob a trindade que a cultura dos faraós narrava desde a antiguidade, ecoando com a trindade dos indianos e de outras tradições inclusive do médio oriente.

O maior dos Mestres que esteve entre nós teve sua vida recontada sob eventos e narrativas que se repetem nos evangelhos canônicos em detrimento de centenas de outros evangelhos, por assim dizer, cassados. Jesus, o grande Avatar da Era de Peixes, que nos ensinou a Lei do Amor, reuniu os seus seguidores e os identificou por dois peixes. A doutrina de Constantino instituiu o culto à cruz, venerando um instrumento de tortura e morte.

Aprendemos a ver no sofrimento de Jesus a prova de seu Amor pelos homens, subvertendo o conteúdo de seu ensinamento à conta de uma discutível homenagem à dor, ao assassínio, venerando pelo sofrimento aquele que nos veio trazer a noção de elevação do espírito a Deus, de incondicional amor ao semelhante, de merecimento por sublimação da conduta e, fundamentalmente, de um viver de alegria, paz e comunhão com o Alto.

Aprendemos a ter em mente a imagem de um mártir ensangüentado, humilhado, ferido, torturado e traído, mantendo esquecido o homem que brincava com as crianças, que sorria, que ensinava por parábolas e caminhava com seus discípulos, livre e feliz por trazer a boa nova de amor e de libertação para todos sem distinção.

O concílio asseverou que o Mestre era o próprio Deus encarnado. Trouxe o Criador à Terra, confundindo-O com Seu nobre filho, para confundir o homem na crença de que, tendo sido Jesus morto na cruz, o próprio Deus assim foi ofendido.

O cristão foi condenado a ser o profitente de uma fé erguida sobre o assassinato de seu Deus enquanto homem. Eis aí o veneno mortal inoculado em séculos dessa monstruosa doutrina: o homem tomou o próprio Deus em suas mãos e o "matou numa cruz".

A maior das ironias: tomou a cruz como símbolo de sua fé.

A Besta está na Terra há muito tempo. Campeia no sentimento devastador de culpa e castigo que a idéia de redenção oculta na ironia suprema de que o "assassinato de Deus" seria a nossa absolvição...

Reitero o tópico propondo que meditemos sobre a noção de que os ensinamentos do Cristo nos chegam pelos mesmos textos que herdamos do concílio de nicéia.