Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: Viana em 26 de Abril de 2009, 14:24

Título: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 26 de Abril de 2009, 14:24
 ???
A terrível Ausência de UM DEUS
Onde está DEUS? Porque precisamos de um “deus”

A todos os meus semelhantes (iguais) que me lêem:
- Se ainda existem algumas duvidas quanto à veracidade, autenticidade e esse tão apregoado “amor de deus”? - Por favor, queiram arrazoar...

Amigos, por favor, queiram; basta olharem para o os Serrados Nordestinos?
Vejam lá, quantas misérias, mortandades, por doenças causadas por inanição; são seres humanos e animais esqueléticos morrendo de fome e sede, tão somente pela falta da tão preciosa água, por se passarem anos sem chover.
Mas bastaria que esse “deus de amor”, apenas se voltasse para aquele território e se comovesse, e apenas lembrasse de vez em quando, mandando um pouquinho de chuva, ainda que fosse uma vez por ano; para que aquele deserto de pó se transforme em um enorme celeiro de fartura, com todas as variedades de colheitas de todos os tipos de alimentos necessários para aquelas gentes tão sofridas, e não somente para aquelas gentes, mas para que aquele enorme deserto se transformasse em um enorme celeiro de alimentos, que muito bem pode até mesmo exportar alimentos para todo o resto do mundo, o que faria do deserto Nordestino, o maior celeiro mundial.
Vejam pela TV, que basta um dia de chuvas, para que como num passe de mágica o deserto, Nordestino se transforme num campo verdejante e os rios já secos voltem a correr.
Pra mim, isso é uma convincente prova de que esse “deus de amor”, não existe!
Notem que eu não estou a dizer que não exista algo criador!  :)


Viana


Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: ca em 26 de Abril de 2009, 15:19
Ola Viana.

Percebo que a sua descrença no amor de Deus é tamanha que vc quis separar um "deus criador" e um "deus amoroso".Pois todos sabemos que Deus só existe um.
Vc sitou situações do nordeste do Brasil, como que se Deus tivesse esquecido daqueles povos...mas certamente não deve ter conhecimento da lei do livre-arbitrio que o próprio Deus nos dá, para nós escolhermos por quais provas queremos passar antes de mesmo reencarnarmos.Se aquelas pessoas se encontram em situação de miséria, de sofrimento, sem perspectiva de vida alguma naquela região, então é porque pediram para passar por aquilo, para evoluir seu espirito.Estão lá, seja por uma expiação, seja por missão, basta resistir ate o fim do prazo sem perder a fé em Deus.
Mas vc acha mesmo que por essas pessoas estarem sofrendo, sem o que comer, sem o que viver, sem aonde cair morto...Deus esqueceu delas???
não, meu amigo, pd ter certeza que Deus e seus guias espirituais estarão olhando e torcendo por elas para que cumpram seus deveres com sucesso.sem perder a fé!
Aconselho vc a ler o livro dos espíritos...la compreenderá muitas coisas a respeito da criação além de ser uma leitura muito agradável.
Bom amigo, é isso o que eu tenho a te dizer...espero ter ajudado um pouco.Procure pensar um pouco mais, refletir sobre a razão das coisas, pois sua dúvida de hoje um dia ja foi minha e graças a minha busca por informações sobre a razão de tudo hoje eu tenho um pensamento racional sobre o que devo acreditar.

ABRAÇOS E FIQUE COM DEUS!
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: MarcoALSilva em 26 de Abril de 2009, 17:04
???
A terrível Ausência de UM DEUS
Onde está DEUS? Porque precisamos de um “deus”
A todos os meus semelhantes (iguais) que me lêem:
- Se ainda existem algumas duvidas quanto à veracidade, autenticidade e esse tão apregoado “amor de deus”? - Por favor, queiram arrazoar...
Amigos, por favor, queiram; basta olharem para o os Serrados Nordestinos?
Vejam lá, quantas misérias, mortandades, por doenças causadas por inanição; são seres humanos e animais esqueléticos morrendo de fome e sede, tão somente pela falta da tão preciosa água, por se passarem anos sem chover.
Mas bastaria que esse “deus de amor”, apenas se voltasse para aquele território e se comovesse, e apenas lembrasse de vez em quando, mandando um pouquinho de chuva, ainda que fosse uma vez por ano; para que aquele deserto de pó se transforme em um enorme celeiro de fartura, com todas as variedades de colheitas de todos os tipos de alimentos necessários para aquelas gentes tão sofridas, e não somente para aquelas gentes, mas para que aquele enorme deserto se transformasse em um enorme celeiro de alimentos, que muito bem pode até mesmo exportar alimentos para todo o resto do mundo, o que faria do deserto Nordestino, o maior celeiro mundial.
Vejam pela TV, que basta um dia de chuvas, para que como num passe de mágica o deserto, Nordestino se transforme num campo verdejante e os rios já secos voltem a correr.
Pra mim, isso é uma convincente prova de que esse “deus de amor”, não existe!
Notem que eu não estou a dizer que não exista algo criador!  :)
Viana


Olá amigo Viana.

De minha parte considero que o Amor (com "a" maiúsculo") é apenas um nome poético para a onipresença e onipotência desse processo complexo que chamamos "evolução". Deus é o único que não evolui porque a evolução, em si, não evolui, apenas é.

Mas creio, sim, que da Natureza, enquanto corpo de manifestação de Deus, florescem (outro termo poético, mas sincero) individualizações que a literatura espírita denomina "acréscimo de misericórdia".

Exemplifico.

Há imagens gravadas de uma situação muito, mas muito curiosa mesmo (veiculada na TV brasileira em um programa popular da "Rede TV", por um repórter especializado em aventuras e selvas etc). Uma onça matou um babuíno. Aproximou-se e percebeu que uma hiena também ficava no cerco. Nas proximidades da macaca, deparou-se com um filhote ainda bem pequeno. Impressionante. A onça pôs a hiena para correr, tomou o filhote de babuíno com muito cuidado na boca e levou-o para o alto de uma árvore, tendo simplesmente "adotado" o animalzinho... Detalhe: não comeu a macaca que havia abatido e passou a cuidar do filhote.

Claro que temos amplas possibilidades de estudo e teses sobre isso. Uma delas é o Amor que começa a florescer em seres já suficientemente adiantados para o início de experiências emocionais aparentemente contrárias àquilo que seria de se esperar.

Outro exemplo.

No livro (que eu recomendo) "A Grande Síntese", de Pietro Ubaldi, há uma concisa descrição da formação de uma nebulosa. O texto flui acerca de pontos gravitacionais cujos campos atraem matéria etc etc etc... Ao final o autor conclui: Deus criou.

Enfim, tudo é uma questão de abordagem.

Honestamente, não me condôo de utilizar, como faço muitas vezes, a abordagem poética.

Um grande abraço!

Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 26 de Abril de 2009, 19:17
 :)
Olá amigos, Caelo e MarcoALSilva...Prazer em estar com vocês!
Deixem-me ver se consigo explicar o que entendo:
Permitam-me fazer uma comparação

Um engenheiro, um arquiteto e um pedreiro; juntos eles constroem uma mansão; com todo o carinho e perfeição, completamente ornamentada, com tudo o que se possa imaginar, para oferecer todo conforto aos seus novos proprietários que a ocuparão.
Tão logo este monumental projeto seja concluído; tanto o engenheiro, o arquiteto e o pedreiro recolhem suas ferramentas de construção, e se retiram do local, para ali nunca mais voltarem, e certamente que eles não irão ficar atrelados àquela obra, demonstrando preocupação, cuidados, acompanhamento, visitas, sustento, e muito menos uma eterna dedicação de amor pela aquela mansão que construíram...
Deu pra entender?  ;)

A propósito:... http://www.geocities.com/realidadebr/ (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5nZW9jaXRpZXMuY29tL3JlYWxpZGFkZWJyLw==)

Viana





Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Vitor Santos em 26 de Abril de 2009, 20:00
Olá Viana

Tudo depende do que chamamos Deus:

- Para a doutrina espirita Deus é a Inteligência Suprema, Causa primária de todas as coisas.

- Para Deus, o homem não é apenas um corpo fisico. É um ser integral (corpo fisico+perispirito+espirito). A morte do espirito não existe, apenas a morte do corpo fisico. Logo o homem é eterno.

- Nós somos crianças espirituais em evolução. Para evoluirmos necessitamos de alguma liberdade, nós não somos máquinas. Tal como uma criança não aprende a andar se os seus país não a soltarem nunca, assim Deus nos dá a liberdade. E mais: coloca-nos ou permite que sejamos colocados num mundo adequado para as experiências que temos de viver para aprender.

- Deus destinou-nos a evoluir até espiritos puros. Maior amor não consigo vislumbrar.

Conclusão:

- O que você chama Deus nada tem a haver com a definição espirita de Deus, que é tb a minha definição de Deus. Você esté a falar de concepções de Deus muito diversas das espiritas.

- O amor de Deus existe, não duvide, mas Deus não é um velhinho de barbas que está "lá em cima" a tomar conta dos "netos", que andam aqui a brincar na terra, tanto com pás e baldinhos, como com misseis intercontinentais. Não imagine Deus como se fosse um homem terreno, porque nenhum homem terreno seria capaz estar na origem, directa ou indirecta,  de todas as coisas.

- Acreditar em Deus é coerente com o que diz a ciência. A ciência diz que houve criação (Big Bang), nós espiritas dizemos que Deus é o Criador. As duas crenças complementam-se.

bem haja
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: MarcoALSilva em 26 de Abril de 2009, 20:29
Olá Viana!

Existe uma diferença entre Deísmo e Teísmo, segundo um amigo teólogo me disse. Deísmo se amolda perfeitamente com o seu exemplo da mansão; já Teísmo, parte do princípio de que Deus não só é a causa da criação como é a própria criação em manifestação. É como um "continuum".

Eu, particularmente, sou teísta conquanto não seja religioso.

Não me considero panteísta. Um verso de Raul Seixas, enraizado no Gita, dá uma aproximação do que pode ser conceituado: "Saiba que estou em você mas você não está em mim".

"A inteligência que a tudo permeia". É um excelente conceito, mas não me basta. Fica-me a sensação de que advém ainda da necessidade de conceituar Deus como um Ser aos nossos moldes. A religião criou Deus à imagem e semelhança do homem.

Esse tema dificilmente levará a um consenso... Mas eu considero ótimo que pensemos mesmo a esse respeito.
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: ca em 26 de Abril de 2009, 23:33
Sim Viana...eu entendi sua versão
acontece que eu penso da seguinte maneira:
Deus não é humano como nós, Deus é perfeito e nosso criador
Há coisas na vida que ainda não podemos compreender por sermos ainda "atrasados" moralmente aos seres "divinos" de todo universo (aqui eu me refiro aos espiritos evoluídos). Não é atoa que habitamos ainda uma esfera limitada aonde muitos vem para cumprir expiações e restabelecer erros passados, de acordo com a Doutrina.
Portanto como ainda não podemos compreender, Deus com toda sua bondade permitiu que seu filho Jesus pudesse encarnar na terra para nos dar um caminho, uma luz da sua verdade para que um dia tenhamos fé.E se vc for ver ele não pediu muito a nós...apenas que não matassemos e nos amassem uns aos outros que encontraremos a "salvação", ou seja, o obstaculo para elevar nosso espirito para que um dia sejamos dignos de compreender a verdade.E tudo depende da sua vontade própria de entender

Eu penso dessa maneira e fico feliz por ser assim.Pq assim eu vejo que tudo tem um porque em nossas vidas e que Deus não atribui nada nem ninguém ao acaso.

ABRAÇOS AMIGO...E FIQUE COM DEUS
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 27 de Abril de 2009, 00:27
 :)
MarcoALSilva, Caelo e Vitor Santos...
Agradeço a todos vocês, por vossas gentilezas em me responder, e pela tentativa de me auxiliar com suas explicações.

Muito grato mesmo!  ;D


Viana
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 29 de Abril de 2009, 00:04
 >:(
Respeitando a opinião e a cresça de todos... Mas a meu ver, por mais que eu me esforce, não consigo me convencer de que fazemos parte de um plano divino bem sucedido:
Não é preciso ser um expert em qualquer assunto, não é necessário ser um Doutor em ciências biológicas, nem mesmo um bacharel em ciências teológicas; basta ser um simples servente de pedreiro, ou até mesmo apenas um gari recolhedor de lixo, para que constate e se convença de que o ser humano é um projeto que não deu certo, um plano fracassado; daí o porquê nossos inventores (criadores), terem abortado a missão, nos abandonando as nossas próprias sortes.
Para que isso seja constatado, basta que se observe o rumo da humanidade, que marcha rumo a sua auto-extinção; observe-se a criminalidade galopantemente incontrolável, ainda mais as novas doenças que surgem a cada dia... No momento a gripe suína. :o


Viana
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: MarcoALSilva em 29 de Abril de 2009, 00:15
>:(
Respeitando a opinião e a cresça de todos... Mas a meu ver, por mais que eu me esforce, não consigo me convencer de que fazemos parte de um plano divino bem sucedido:
Não é preciso ser um expert em qualquer assunto, não é necessário ser um Doutor em ciências biológicas, nem mesmo um bacharel em ciências teologias; basta ser um simples servente de pedreiro, ou até mesmo apenas um gari recolhedor de lixo, para que constate e se convença de que o ser humano é um projeto que não deu certo, um plano fracassado; daí o porquê nossos inventores (criadores), terem abortado a missão, nos abandonando as nossas próprias sortes.
Para que isso seja constatado, basta que se observe o rumo da humanidade, que marcha rumo a sua auto-extinção; observe-se a criminalidade galopantemente incontrolável, ainda mais as novas doenças que surgem a cada dia... No momento a gripe suína. :o
Viana


"... trazendo as cinzas do velho Aeon..." - Trem das Sete (Raul Seixas)

Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 29 de Abril de 2009, 14:28
 :(
Como eu já disse outras vezes; eu fui crente, evangélico por 42 anos, dois quais, 24, eu me dediquei à missão de evangelista itinerante; nesse período eu percorri 101 cidades aqui no Rio Grande do Sul.
Eu tinha equipamentos de serviços de auto-falantes, com os quais eu anunciava o evangelho pelas ruas das grandes e pequenas cidades, bairros e favelas, pelas ruas, vias arruelas; enquanto que meus familiares (esposa e filhos) iam de casa em casa distribuindo panfletos com a “palavra”, eu por minha vez, no automóvel equipado, anunciava o evangelho.
Eu nem conseguiria precisar quantas milhares de vezes eu falei essas palavras:
- Deus ama você... Deus é amor... Jesus ti ama... Jesus cura, Jesus salva, Jesus liberta, Jesus vem, ele é o Senhor, ele é o salvador; há poder no sangue de Jesus; poder para curar, poder para salvar, poder para libertar; deixa Jesus entrar em seu coração, ele vai mudar a sua vida...!
Notem que isso eu fazia até a uns 10 anos atrás; mas confesso que hoje eu não mais me atreveria a sair pelas ruas anunciando todas essas promessas, que qualquer um constataria estarem totalmente fora da grande realidade em que vivemos; eu estaria a anunciar uma grande inverdade (ou uma grande mentira).
Mesmo porque se eu hoje fosse fazer isso, certamente que eu seria apedrejado pelas multidões sofredoras, desiludidas e enfurecidas por uma insegurança, desprezo e abandono total.  >:(


Viana
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Vitor Santos em 29 de Abril de 2009, 16:31
Olá amigo Viana

Julgo que todos nós pensamos nas tragédias comunicadas pela comunicação social diáriamente, neste mundo precário onde vivemos.

Todos aqueles que são minimamente sensiveis sentem um vazio na boca do estomago, quando são divulgadas as estatisticas das pessoas que sofrem de fome, que não têm nada e que sucubem pela falta de medicamentos vulgares para combater doenças que estão extintas noutros lugares do mundo.

Contudo, a vida não é só tragédias, também há muitos factos positivos, menos conhecidos, que normalmente não são noticia.

Para todo aquele que acredita que o ser humano se resume a um corpo fisico, que perece, a vida é sempre uma tragédia. Até aos os que têm mais meios e a quem nada falta, a doença e a morte batem à porta. Não há salvação para o nosso corpo fisico.

A vida só faz sentido, se acreditarmos que estamos apenas a atravessar um pequeno pesadelo, e que vamos acordar um dia desse pesadelo. Que o homem não morre. Que o corpo fisico é apenas uma roupa que vamos despir qualquer dia. Mas esta crença não se pode impor a ninguém. Cada um tem procurar a fé por si mesmo. Pedir a Deus que não nos deixe desanimar e nos ajude a manter acesa a luz da esperança é o único conselho que sei dar.

A boa nova de Jesus foi a mensagem de que a vida é eterna. Ele não prometeu a ninguém a felicidade material neste mundo. Pelo contrário, disse que quanto mais agarrados a este mundo, mais iludidos estamos e mais sofreremos. Só se desilude quem se ilude. Contudo ele também não profetizou a desgraça para a terra. pelo contrário, a terra, um dia será um planeta mais perfeito do que é hoje.

Na mensagem de alguns, que dizem que o sofrimento deste mundo é uma expiação do passado, como se as leis de Deus que regem a vida, no campo da justiça, fossem tipo pena de Talião, olho por olho, dente por dente, eu não acredito.

Eu acredito que é necessário passar por esta experiência, para aprender determinadas coisas, que temos necessidade de aprender. O que uns estão a passar hoje, nós já passámos e/ou ainda vamos passar, se for necessário/ útil ter essa experiência. Enfim, a terra é uma escola, como outras escolas do universo. Todos nós passamos por todas as classes nesta ou naquela escola. Vamos progredindo e sendo cada vez mais felizes.

Deus não nos abandonou, amigo Viana. Do outro lado da vida estão seres, como o seu anjo guardião, a torcer por si. talvez a pensar: vá lá, anda, aprende a lição para te livrares desse planeta manhoso, para melhor. Vá lá, não desanimes, senão terás de voltar a repetir esta lição que te está a custar passar.

Agora digo eu: Vá lá Viana, amanhã o sol vai nascer de novo e você vai estar mais positivo, a ouvir o canto dos passarinhos a enfeitar a manhã, os gritinhos das crianças a brincar, a sentir o amor de quem o ama e a aquecer o seu coração, a apreciar a beleza do mar ou de uma grande arvore que se impõem no horizonte.

Normalmente os portugueses gostam da nostalgia, de cantar a tristeza, na música que se chama fado. Os brasileiros costumam semear a alegria, o movimento, no famoso samba. Dance um samba interior e acorde amanhã mais bem disposto. Faça lá esse favor a este seu amigo...

bem haja
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 29 de Abril de 2009, 16:54
 :D
Pôxa, amigo Vitor... Que belas e maravilhosas palavras!
Agradeço-o, por sua gentil amizade, e dou-lhe meus parabéns por sua avançada sapiência.
Grato, um abraço.  :)


Viana
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Glauber20 em 29 de Abril de 2009, 18:59
Olá amigo, este pensamento é abstrato, gostaria de ressaltar algumas coisas para que você avalie melhor a situação que propõem.
Não sei se você acredita em julgamento, exemplo, eles estão sendo punidos por algo que tenha feito em outra vida, mas vou te propor uma melhor reflexão sobre o tema apliando horizontes. Eu acredito que tudo que vivemos na vida é fruto do que acreditamos, ou escolhemos não acreditar. Neste caso, como diz, Deus ir lá e arrumar a bagunça das pessoas sugere que Deus não é exatamente um Deus, e sim, uma pessoa que arruma nossa "burriçes" no mundo. Cara, seria legal, agora eu pedir para que chovesse dinheiro para todo mundo e der repente todo mundo fica-se rico, nadando em dinheiro entre outras coisas, veja, no nordeste as pessoas estão acostumadas a ter milhares de filhos, e mesmo assim não se lamentam por isto, eles mesmo não culpam Deus nem um dia se quer porque não choveu. pelo contrario, vejo que são mais proximo Dele que eu e vc pode imaginar. Aliás, tome cuidado para não tomar conclusões precipitadas. Foi de lá que sai as maiores obras, pessoas simples que mudaram o mundo.
Não acredito que Deus não os ajudem, pelo contrário, acho que Ele passa mais tempo lá que aqui, rs, Culpar Deus pelos nossos erros ou dos outros não é uma boa forma de ver a vida, aposto que isto assola sua mente constantemente, deve sentir raiva e ódio, e para que sentir estas coisas? Só se for produtivo, esta sendo para você? Espero que sim.
Mas sobre a seca, a imensa quantidade de filhos, CONSCIENTES feitos por lá pode gerar isto, as pessoas tem que se conscientizar, e não culpar Deus, Governo ou a mãe ou pai por isto, não seja radical, gera ditadura este tipo de reação, vigie os pensamentos, Jesus não nasceu nos EUA, nem mesmo filho de Cesar. Muitas coisas acontece, mas não vamos julgar com pensamentos cruéis. Ou mesmo retribuindo a culpa a qualquer pessoa, seja sereno e tenho certeza que vai entender, pensava assim antes até conhecer algumas pessoas valiosas que saiam de lá e se tornaram pessoas magníficas.
Tome cuidado com os noticiários eles mais prejudicam que ajudam sobre a questão. Mais logo logo vc vai entender, eu pensava da mesma maneira. Deus é culpado de tudo, mas na verdade, graças a Deus, Ele escreve certo por linhas tortas

???
A terrível Ausência de UM DEUS
Onde está DEUS? Porque precisamos de um “deus”

A todos os meus semelhantes (iguais) que me lêem:
- Se ainda existem algumas duvidas quanto à veracidade, autenticidade e esse tão apregoado “amor de deus”? - Por favor, queiram arrazoar...

Amigos, por favor, queiram; basta olharem para o os Serrados Nordestinos?
Vejam lá, quantas misérias, mortandades, por doenças causadas por inanição; são seres humanos e animais esqueléticos morrendo de fome e sede, tão somente pela falta da tão preciosa água, por se passarem anos sem chover.
Mas bastaria que esse “deus de amor”, apenas se voltasse para aquele território e se comovesse, e apenas lembrasse de vez em quando, mandando um pouquinho de chuva, ainda que fosse uma vez por ano; para que aquele deserto de pó se transforme em um enorme celeiro de fartura, com todas as variedades de colheitas de todos os tipos de alimentos necessários para aquelas gentes tão sofridas, e não somente para aquelas gentes, mas para que aquele enorme deserto se transformasse em um enorme celeiro de alimentos, que muito bem pode até mesmo exportar alimentos para todo o resto do mundo, o que faria do deserto Nordestino, o maior celeiro mundial.
Vejam pela TV, que basta um dia de chuvas, para que como num passe de mágica o deserto, Nordestino se transforme num campo verdejante e os rios já secos voltem a correr.
Pra mim, isso é uma convincente prova de que esse “deus de amor”, não existe!
Notem que eu não estou a dizer que não exista algo criador!  :)


Viana



Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 30 de Abril de 2009, 14:38
 :)
Vou lhes dizer uma coisa...
Eu quando professava a minha fé na minha religião; deus, Jesus, Espírito Santo, Anjos, diabos, demônios, fogo eterno, condenação eterna, salvação pela fé, vida eterna e etc....
Assim como vocês; eu defendia minhas crenças com unhas e dentes, eu seria capaz de morrer por ela; eu jamais admitia que outros pudessem estar com a ração em suas outras crenças; embora eu nunca tivesse tido uma experiência real, digna de credibilidade, sem jamais ter visto, ou ouvido coisa nenhuma; eu apenas cria, por ouvir os outros dizerem, e por ler em algum livro, mas de concreto; coisa nenhuma!
- Assim é com todos, o que é normal, pois nunca vi ninguém admitir que sua crença pudesse estar equivocada; todos sem distinção, cegamente defendem suas crenças, sem pelo menos analisar e avaliar se as outras pessoas possam ter um pouquinho de razão; daí o porquê de quase todas as guerras serem provenientes de divergências religiosas.
Mas hoje (graças não a deus), pude abrir os olhos, e me libertar das amarras religiosas!
E confesso; sou muito mais feliz, sou livre, sem preconceitos, sou o senhor da minha vontade e ações, não tenho mais medo de deus, diabo nem do inferno.
Mas reconheço que é muito natural que os amigos se comportem assim, sempre na defensiva das suas concepções religiosas. – imaginem se em pleno Morumbi, num clássico entre o Palmeiras e o São Paulo, alguém começasse a gritar “o palmeiras não joga nada, são uns pernas de pau”?
Tentem tirar um osso seco de um cachorro, pra ver no que dá?  :o


Viana
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Ivi em 30 de Abril de 2009, 20:53
Olá Viana

Pode 'matar' uma curiosidade feminina ?  :D

"Você acredita que DEUS existe, mas 'não confia' (por não achar um termo melhor) mais nEle, ou você sequer acredita na existência de DEUS" ?

Abraço fraterno !
Ivi
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 30 de Abril de 2009, 21:29
 :D
Ivi, muito prazer em estar com você!

Respondendo a sua pergunta:
Bem, a principio, “deus”, não é uma pessoa, ou algo, ou alguma coisa conhecida, palpável, notória, tocável, audível ou mesmo visível; o termo “deus” é simplesmente um adjetivo, um título.
Veja que os povos antigos (e ainda hoje) cada um tinham o seu “deus”; os Judeus tem Jeováh - os Romanos têm Júpiter - os Gregos tem o Zeus - os Japoneses e acho que também os Chineses, tem Buda - os Indianos tem Chiva, Krichnas, e alguns outros – os Índios tem Tupã... E assim por diante.
Veja que até mesmo o dinheiro é considerado um “deus”!
E não para por aí; pois até mesmo o “satanás”, seria um “deus”, para isso basta lembrar que o próprio Jesus teria dito: “Satanás é o príncipe desse mundo, o “deus” desse século”.
Porquanto eu não consigo mais entender esse negócio de “deus”!

Agora, se você está querendo saber se eu acredito que alguma coisa criou tudo isso que há e que existe?... Bem, quanto a isso eu teria que ser muito louco, para não acreditar em alguma coisa geradora que teria dado início a todo esse fenomenal e monumental universo salpicado de inumeráveis planetas e estrelas...
Há, desculpe; creio que você está curiosa para saber se eu acredito num Papai do céu, bonzinho, é isso? – Bem, quanto a isso; eu diria que por 42 anos eu me esforcei muito em acreditar, porém vendo tudo o que está se passando a minha volta nesse mundão do “diabo”? – sinto muito, mas não dá não, pra continuar acreditando!  ;D

Viana
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Vitor Santos em 01 de Maio de 2009, 18:18
Olá Viana

Será que um habitante de uma esferazita tão pequena, no intervalo de tempo de apenas 42 anos, num universo tão grande, que se crê existir há tantos milhões de anos, consegue ter uma visão objectiva e clara da realidade?

As religiões ao longo da história tem dado uma imagem de Deus cruel, embora por outro lado digam que o Papai do Céu, como você diz, é bonzinho. Eles até imaginaram que Deus nos condenava a penas eternas por erros que nós cometemos ao longo de uma vida de umas dezenas de anos, como você bem sabe - e nem sei se até apregoou...

A diferença do espiritismo em relação a outras crenças, é precisamente explicar que Deus é a Inteligência Suprema, Causa Primária de todas as coisas. E explica porque é que Deus é infinitamente bom e não um criador que nos abandonou para sempre à nossa sorte. E explica porque razão passamos por mundos precários como este.

O nosso tempo de vida aqui na terra, é um instante imperceptivel na eternidade. O nosso corpo uma roupa que se gasta, como muitos outros corpos fisicos que já tivémos. A morte não existe. As desgraças não matam ninguém, apenas nos levam uma roupa provisória.

Porquê é que esse Criador em que você acredita, criou um universo que incluiu máquinas biológicas mortais e conscientes de que existem? Não seria mais simples criar máquinas sem consciência, capazes de servir rigorosamente os objectivos sem questionar nada?

Que você não faça uma imagem de um Criador bom, face ao que os representantes de muitas religiões para aí dizem, até é normal, mas repare bem que isso é um preconceito.

Se não há razão para você acreditar num Criador bom, também não há razão para acreditar num Criador mau. O Criador que cria máquinas biológicas mortais, conscientes de que existem, não só não seria bom, como seria mau e sádico. Então só há duas hipóteses:

- Ou o Criador não é mau e nós somos seres imortais, e não meras máquinas biológicas mortais,
- Ou o Criador é mau e sádico.

Qual a hipótese em que faz mais sentido acreditar? Para mim é a primeira. Deus é bom, a nossa alma/ consciência é imortal e só o corpo fisico morre e as desgraças do mundo fazem parte de experiências pelas quais temos de passar, num pequeno instante face à eternidade. Só compreenderemos integralmente a verdadeira extensão da vida e seremos capazes de avaliar da bondade ou não bondade do que nos aconteceu, depois de "despirmos" este corpo fisico.

Para si faz sentido imaginar que Deus, com uma inteligência tão grande, que foi capaz de construir o universo, permitiu a nossa criação como seres mortais, conscientes da morte certa, por erro, indiferença ou por sadismo?  Eu imagino Deus grande demais para brincadeiras ou erros tão infantis. E o meu coração diz-me que ele é bom. Mas infelizmente não tenho forma de lhe provar nada, apenas de falar no que acredito.

E será que Deus, na sua bondade, não permitiu a quem O serve, que você viesse aqui a este fórum, ou a outros, e se cruzasse com o espiritismo, para responder à sua questão ("A terrivel ausência de UM DEUS"), usando o fórum e os seus participantes como instrumentos? Isso será impossivel da parte de um Deus que foi capaz de criar o universo?

Pode acontecer que, por vezes, Deus, através dos seus servidores, nos esteja a dar as respostas que procuramos e nós é que não as queremos ver, mesmo à nossa frente. Nao sei se será agora o caso, mas não lhe fará mal reflectir sobre isso, se assim entender.

bem haja
Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: Viana em 01 de Maio de 2009, 18:54
 :)
Valeu amigão Vitor; sua explanação tem lógica, eu sou quem me tornei turrão, de tanto apanhar.
Já diz um velho jargão: “cachorro mordido por cobra, tem medo de lingüiça”...
Mas queira DEUS, que isso que me dizes, seja mesmo uma realidade; estou pronto para este DEUS amoroso, tão logo eu possa ter uma experiência real com ele, ou quem sabe eu venha a merecer deste DEUS, a benesse de assim como você, receber esse divino conhecimento.


Viana

Título: Re: A terrível Ausência de UM DEUS
Enviado por: MarcoALSilva em 22 de Maio de 2009, 00:48

Viana! Tudo bem?

Permita-me apresentar-lhe um texto que, humildemente, expus em outro lugar:


Como Buscar a Felicidade?

O tema é de todo movediço... Tão difícil quanto entender o que é "felicidade", é entender como devemos buscá-la. Mesmo sem nos atermos a definições ou conceitos, carregamos em nosso âmago a noção de que almejamos um estado de alma pleno, em que as inquietudes não mais existam. As inquietudes, enraízem-se em necessidades físicas ou espirituais, são o contraponto da Paz a que a alma eterna anseia. Vemos que a felicidade, mesmo não sabendo exatamente o que seja, é a água que sabemos existir ante a presença de uma sede constante que nada consegue aquietar completamente.

Buscar a felicidade depende de nossa atitude diante da Vida.

Meditemos.

Quando nos referimos ao amor da mãe por seus filhos, é certo que temos em mente um sentimento elevado, absorvente, incondicional, um sentimento de grande pureza e que vibra no tom fundamental da proteção plena à prole. Nesse contexto, quando dizemos "Mãe Natureza", creio, buscamos ver na Vida a presença desse mesmo amor protetivo. Afinal, quem não desejaria estar eternamente no colo de uma mãe tão carinhosa quanto protetiva?

Mas as coisas não acontecem na Natureza exatamente desse modo...

Todas as formas de vida estão em constante luta por sua sobrevivência. A Natureza, aliás, tem efetivos mecanismos de preservação da espécie, em si, e não do espécime, individualmente considerado. Equivale a dizer que o ser não é importante mas sim o ente coletivo. A Natureza é uma mãe que se preocupa em fazer com que os seus filhos, esses entes coletivos, ganhem mais e mais caracteres de maior adaptação ao meio e, portanto, maiores chances de sobrevivência.

Para que os filhos da Mãe Natureza possam evoluir, pequenas porções de seres são expostos à experimentação das mutações genéticas. De fato,o eventual sacrifício de alguns indivíduos, caso a mutação resulte em adaptabilidade menor, vale o risco de beneficiar-se a espécie com uma modificação que venha a torná-la mais eficaz na busca de alimento e reprodução.

Bem, mas então, a bem da verdade, a Mãe Natureza não tem aquele "amor" materno nem mesmo por seus "filhos coletivos". Se um espécime modificado mostrar-se mais adaptado, é bem provável que todo o ente coletivo estará fadado a ser substituído em sua composição individual por espécimes gerados pelo ser modificado e mais adaptado.

Os ocultistas costumam saber que a Mãe Natureza é "fria como uma tábua de mármore".

Pois bem.

Antes de nos lançarmos a um indignado repúdio a essa concepção devemos pensar no quanto realmente desejamos que a Mãe Natureza seja "boazinha" e nos proteja. Mais do que isso, desejamos ardentemente que Deus seja, de fato, bondoso e misericordioso. Porque sabemo-nos imperfeitos e com falhas decorrentes, muitas vezes, de nossa livre opção.

Mas considerar a existência de um Deus de infinita bondade e misericórdia costuma confundir as pessoas. O ideal de Justiça Divina tem que se amoldar ao pressuposto de uma misericórdia infinita. Rapidamente o conceito de "bondade" torna-se o mesmo, ou muito próximo, do conceito de piedade.

Como haver plena e absoluta justiça se deve haver infinita piedade e misericórdia? Como podemos imaginar uma condenação, resultado legítimo de um Julgamento Divino, se a "bondade", atributo essencial ao Criador, exige a equidade sublime do perdão incondicional?

Ora, talvez a nossa noção de Deus esteja mais próxima da idéia que fazemos de uma bondosa "Mãe Natureza".

Segundo Pascal a Natureza tem perfeições para mostrar que é a imagem de Deus; e tem imperfeições para indicar que é somente sua imagem.

Como a Natureza tem mecanismos nem um pouco misericordiosos, por certo a imagem de Deus, com as imperfeições da Natureza, não implica na concepção de que esses mesmos mecanismos sejam contrários à Bondade do Criador. Pelo contrário, pode-se dizer que as confirmam. A confusão advém do fato de que, nos processos naturais, o "Bem" é alcançado através de processos e fenômenos que a razão imatura do homem teima em classificar como o "Mal".

Quase toda a base das concepções místicas do mundo ocidental partem da premissa de que existe um Deus de Bondade e Amor e um ser tenebroso cuja natureza é essencialmente maligna, o Diabo. A partir dessa dualidade absoluta, o homem passou a considerar tudo sob a ótica de um Deus de Amor a que se antepõe o Adversário, o Mal, o Príncipe das Trevas, cognominado Impostor, Pai da Mentira etc.

As tradições milenares dos povos, à exceção do mundo religioso cristão, não colocam o "Mal" como um opositor independente do Criador. O "Mal", da mesma forma que os mecanismos da Natureza, não é fruto de um "Anjo Decaído" e devotado eternamente à perseguição dos homens e combate à Obra de Deus. Lúcifer não aparece, seja qual for o nome conforme a cultura, senão como um símbolo para as conseqüências naturais que os processos e mecanismos de evolução comportam, quase sempre concebidos sob a ótica assustadora da violência, da morte, da luta incessante e estafante pela sobrevivência, da angústia que acompanha os desejos, enfim, do medo.

O homem ocidental é que julgou inconcebível tais aspectos da Natureza como parte de Deus. O Deus "bonzinho" e superprotetor é concepção humana. O homem criou sua religião e seu Deus à sua imagem e semelhança, com suas limitações e, principalmente, com sua visão acerca das dores do mundo.

Vale insistir, para o homem tornou-se inconcebível que as dores do mundo adviessem do mesmo Criador a quem rotulava como "infinitamente misericordioso e bondoso". Enquanto na simbologia arcaica do oriente era comum a identidade de aspectos "bons" e "maus" na mesma divindade, para o ocidental isso tornou-se uma hedionda heresia.

A Queda, esse fenômeno que o ocidental simboliza em um Anjo, o mais iluminado de todos, que se precipitou no pecado por desejar ser Deus, não foi concebida considerando a essência e a origem do próprio Anjo, filho do mesmo Pai Eterno e ao qual estaria, de qualquer forma, eternamente vinculado, sob pena de não existir o caráter absoluto do Criador. O homem ocidental passou a acreditar que há um Deus Absoluto, mas que há também um Adversário Absoluto. Admite o Diabo como um Anjo que, por ter-se tocado de vaidade, devotou-se à mais absoluta e irremediável maldade, sem quaisquer finalidades senão guerrear pelo domínio das Trevas.

Não é um símbolo consistente.

A Queda, com muito mais propriedade, é vista, seja qual for a designação, por culturas antigas como a entrada do sopro de Vida do Criador no mundo material. A Luz Sublime do Pai Eterno vem ao barro e amolda o homem. O pecado original do homem, diga-se, foi desejar o conhecimento. Pecado? Bem, essa é apenas uma palavra. Se nos afastarmos ao menos um pouco da dualidade absoluta do homem ocidental acerca do Bem e do Mal, veremos que não houve propriamente um crime, um pecado, ou ato ilícito. Da mesma forma que um tigre não comete crime ao devorar uma presa, o homem desejou conhecer. A Serpente que inoculou o "veneno" do "pecado" original, tão-somente é um mecanismo da natureza que despertou no homem a capacidade de aprender.

Novamente a Mãe Natureza. Seus mecanismos. Deus em atuação.

Então, qual deve ser nossa atitude diante da Vida para buscar a felicidade?

Se tirarmos o Diabo de nossas considerações, devemos entender que toda a maldade que reina no mundo sejam mecanismos da Natureza?

Sim. Devemos aceitar rapidamente que todos nós somos, sempre e sempre, irrestritamente responsáveis por tudo o que fazemos e deixamos de fazer. Tudo de ruim que aconteça é fruto das ações nossas e dos que estão à nossa volta.

Não cogitamos de "culpa", mas sim de responsabilidade. Responsabilidade no sentido de haver respostas a tudo o que fazemos ou deixamos de fazer, em relação a nós e a todos os que estão conosco, do mesmo modo em relação a eles entre si e em face de outrem.

De tempos em tempos, para que o homem possa continuar sua jornada perante a Mãe Natureza, é posto à experimentação de mudanças que o Pai Eterno imprime na Vida de todos.O eventual sacrifício de alguns confortos e conveniências do homem vale o acerto das rotas evolutivas. É o Pai Eterno, em sua efetiva e real bondade e misericórdia, atuando na Vida de todos como a Providência Divina.

É necessário algum Diabo? Duvido muito.

Creio que a melhor atitude de busca da felicidade é estarmos cientes de que somos senhores de nossos destinos.


Originalmente: http://www.webartigos.com/articles/18253/1/como-buscar-a-felicidade/pagina1.html (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy53ZWJhcnRpZ29zLmNvbS9hcnRpY2xlcy8xODI1My8xL2NvbW8tYnVzY2FyLWEtZmVsaWNpZGFkZS9wYWdpbmExLmh0bWw=)  (dentre outros sites)

É apenas para dar mais alguns elementos de meditação.

Um grande abraço!!!