Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Tópico iniciado por: Zefiro em 09 de Dezembro de 2009, 11:25

Título: Criticas contra o Espiritismo.
Enviado por: Zefiro em 09 de Dezembro de 2009, 11:25

 Olá meus caros amigos, não tenho nenhuma aversão às pessoas que criticam o espiritismo, mas trago para a luz de vossas consciências estas criticas de Alamar Régis Carvalho.:


Só para espíritas que raciocinam
 

Assim como ocorre na sociedade em geral, no nosso movimento espírita há muita gente que adora falar coisas, só porque ouve todo o mundo dizer. Coloco aqui algumas pérolas destas, para que você as analise e,  conforme o nível da sua inteligência, diga se tem cabimento:


Sobre a tal senha deixada pelo Chico Xavier

Muitas pessoas, em nosso movimento, andam repetindo por aí, que existe uma tal senha que o Chico Xavier havia deixado, para identificar as suas comunicações mediúnicas, obviamente após a sua desencarnação, a fim de que os médiuns que, tudo indica ele “não daria ousadia” de utilizar para se comunicar, recebessem alguma comunicação e dissessem que era de autoria dele.
Consta que a tal senha fora dada a apenas três pessoas, inclusive a uma que por muito tempo viveu muito próxima dele (próxima, do ponto de vista material, apenas), embora sabia ele que, por mais amor que tivesse por essa criatura, não era das mais preparadas, em termos de qualidade, como espírita.

Agora eu lhe pergunto:

Você acha que o Chico Xavier, aquele que passou a vida inteira dando exemplo de humildade autêntica, comparando-se simplesmente com um cisco, achando-se inclusive uma besta espírita ou um pé de grama que, a qualquer momento, poderia ser consumida por um burro qualquer, seria capaz de uma coisa desta?

Ele criaria a tal senha para dar a três privilegiadas pessoas, com que objetivos?

Para que elas patrulhassem todos os médiuns que, porventura, se atrevessem a apresentar alguma mensagem assinada como de sua autoria, a fim de que eles dessem o veredicto: “Não é do Chico, não tem a senha!!!”?

Ele achar-se-ia, enquanto desencarnado, um espírito tão especial que, para um médium qualquer poder recebê-lo teria que, necessariamente, ter a tal senha, sem a qual não teria comunicação nenhuma?

Imagine, você:

O bom senso aponta que um espírito como o Chico, que nunca deixou de trabalhar durante todo o tempo em que esteve encarnado, certamente não deve estar em berço esplêndido e muito menos sentado à direita de Deus Pai, na mais absoluta ociosidade.

Tudo indica que ele continua trabalhando intensamente, como sempre trabalhou.

A coerência sugere que, obviamente, ele deve estar trabalhando em casas espíritas, não é verdade? Claro.  Se a vida dele sempre foi dedicada, integralmente, a centros espíritas, por quais razões ele estaria trabalhando em outras áreas, ou não estaria trabalhando, depois de desencarnado?

De repente, com a facilidade do deslocamento sem o corpo físico e sem o incômodo da angina, ele visita um centro espírita numa pequena cidade do interior do Ceará, do Rio Grande do Sul, de Rondônia ou qualquer outra do Brasil ou do exterior, já que passou a vida inteira sabendo que desencarnados podem se comunicar com encarnados, através da mediunidade. Será que ele, diante da oportunidade de dar uma contribuição ao trabalho mediúnico desse centro espírita, não se comunicaria, pelo fato de ninguém ali ter conhecimento da tal senha?

Não quero influenciar o seu ponto de vista, embora eu tenha o meu; mas, o que você acha disto?

 

Chico Xavier comeu uma barata na sopa


Existe aquela estória, onde consta que uma família amiga convidara o Chico para tomar uma sopa em sua casa, o que foi aceito, com muito gosto.

 Quando na mesa, o Chico percebe uma barata morta, mergulhada na sua sopa, posta em prato fundo, o que o deixou, obviamente, em situação bastante constrangedora e desconfortável, sem saber o que dizer aos seus anfitriões e sem saber o que fazer, quando…

 

(Falar em barata morta, eu gostaria de saber: Por que as baratas só morrem com a barriga virada pra cima? Não poderiam morrer com as perninhas no chão?).

Pois bem. De repente surge o Emmanuel que determina: “Coma a barata”.

Consta que o Chico comeu a barata, caladinho, e tomou toda a sopa normalmente, tudo sem problema nenhum.

Vários expositores, na necessidade de ilustrarem as suas palestras, costumam contar este caso em centros espíritas, e muita gente acredita.

Eu já vi um, que decidiu usar o seu tempo de palestra integralmente a contar “lindos” casos de Chico Xavier e colocar este com um dos lindos casos.

 Já que esta matéria aqui se propõe a falar apenas para espíritas que raciocinam, eu quero perguntar, mais uma vez:

Você acha que um espírito, do nível do Emmanuel, seria capaz de submeter o Chico a uma situação tão, como esta?

Que objetivos teria aquele Benfeitor, com tal determinação?

Será que a relação do Emmanuel com o Chico, era de dar ordens, e ele obedecer tudo, cegamente, sem levar nada ao crivo da razão e do bom senso?

Será que o Chico foi, realmente, um espírita tão idiota como muitos espíritas, mesmo com amor a ele, tentam qualificá-lo?

É bom lembrarmos que o velho mineiro, de fato, havia dito: – “Eu sou uma besta espírita, mas não sou um espírita besta”.

Agora eu pergunto a você: Se fosse você, que estivesse na situação do Chico, e, de repente, um espírito que você considera como evoluído, seu amigo e até seu anjo de guarda ou mentor espiritual, lhe mandasse comer a barata, você comeria?

 

Se fosse eu, sabe o que eu faria?

- “Emmanuel, meu irmão. Vá caçar o que fazer e mande a sua avó comer barata, porque eu não vou comer. Quero outro prato e uma nova porção de sopa, porém, se tiver certeza de que a barata já não estava na panela”.

Repito o que já disse em outras matérias: Espiritismo é doutrina de racionais, não de pessoas bestas e, muito menos, masoquistas. 

 

Eu estou melhor do que mereço
Já que o Espiritismo nos ensina que Deus é extremamente Bom, Justo, Misericordioso e Perfeição Absoluta, eu quero lhe perguntar:
Partindo do princípio que a reencarnação é um processo educativo e ao mesmo tempo de correção das nossas imperfeições de vidas pretéritas, você acha que Deus seria tão insensato a ponto de proporcionar uma qualidade de vida a uma pessoa, melhor do que aquilo que ela merece? Sendo assim, obviamente ele proporcionaria, também, a outras pessoas, qualidade de vida pior do que merecem, não é mesmo?

Analise bem esta citação, muito comum na boca de muitos espíritas, pra ver se tem cabimento.

 
 

Eu só cometi atrocidades em vidas passadas
É muito comum, também, ouvirmos espíritas dizerem coisas, mais ou menos assim:

- “Eu não fui nada que presta em vidas passadas”.
- “Eu fui um perseguidor do Espiritismo na encarnação passada”.
- “Eu levei muitos espíritas para a fogueira”.

Será que todos os espíritas foram, necessariamente, monstros, bandidos e inquisidores na encarnação passada? Será que nenhum espírita foi nada que presta na encarnação anterior?

Faça uma análise na vida como você vive hoje: Você não rouba, não mata, não comete crimes, não faz perseguição religiosa nenhuma. De repente você desencarna, passa alguns anos, reencarna novamente, cresce e vira espírita de novo.

Teria sentido sair dizendo que nesta encarnação, agora, você foi bandido e que colocou espíritas na fogueira? Qual fogueira? Onde é que, nos dias de hoje, alguém anda colocando espíritas em fogueiras?

Em outro exemplo, suponhamos que você, que está vivendo hoje, tenha vivido, por exemplo, nas décadas de dez e de vinte, do século passada, em outro corpo. Uai, relate aí algum registro histórico de fatos que constam de assassinatos de pessoas sendo colocadas em fogueiras, mesmo que fossem de autoria de padres intolerantes inquisidores. Pra começar, nem inquisição existia mais, no início do século 20.

Deu pra perceber, agora, quanta bobagem muita gente anda dizendo?

Pois é. Ainda há quem diga que o Alamar adora criar casos, é polêmico e vive a implicar com o movimento espírita. Me diga, pelo amor de Deus, se diante de fatos como estes, temos ou não temos razão em contribuir para que espíritas não sejam bobos. Isto é implicar com o movimento espírita? Foi por isto que dei o nome à matéria: “Só para espíritas que raciocinam”.

Em outra matéria colocarei mais coisas.

 

Abração a todos.

Alamar Régis Carvalho