Forum Espirita

GERAL => O que é o espiritismo => Tópico iniciado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 16:51

Título: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 16:51

Olá, amigos  :)

Houve uma troca de opiniões, noutro topico, sobre um determinado centro, o que não apenas o mero respeito pelo esforço alheio não permite, nem as regras do forum que pedem não se critique pessoas, nem centros em concreto, mas ideias, ou comportamentos em abstracto..

Alguns ficaram ofendidos com a atitude damoderação que apagou os posts, num total desrespeito agora com o sforço daqueles que em prejudicio de suas vidas pessoais deram seu tempo para constiyuir este forum.. sabemos como os portugueses gostam de ser treinador de bancada..

Como não há censura aqui, mas regras de boa convivência social, tomei a liberdade de extrair o conteudo desses posts, mas e apenas tirando nomes que identificassem centros ou pessoas..

Penso que seria útil debatermos este assunto, mas sem pessoalizar..

Espero que participem e demonstrem assim que não queriam apenas criticar pessoas em particular mas sim debater utilmente o estado actual da pratica espirita institucional..

Espero que agora não critiquem por estar a colocar palavras alheias, depois de antes terem criticado outro moderador por terem sido retiradas noutro local...  ;)

E já agora uma dessas citações: «a palavra "critica" não é necessáriamente "reclamação" e sim incentivo para que as pessoas "exijam", no bom sentido, a melhoria das coisas a sua volta.» Porém, no caso em que a moderação teve que intervir, «pura e simplesmente estavam  a cair na crítica, neste caso de associações que certamente têm muitos defeitos mas, fazem o seu melhor para ajudar.»

Abraços a todos

Pg.
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 16:55

Continuando..

Alguns que chegam ao Espiritismo, ao buscarem um primeiro centro espírita, ou num centro mais próximo de nova residencia, depois se mudarem, se sentem «decepcionados», tal como aconteceu com um dos membros do Forum que escreveu o seguinte:

«Encontrei lá de tudo menos aquilo que procurava. Senti que não tem nada a haver com a forma como sinto o Espiritismo. Em tempos frequentei um (outro) Centro Espirita e aí sim, senti-me em casa, apesar de não concordar com tudo o que lá era dito. Regra geral tento manter o espírito aberto a outros horizontes do conhecimento mas afasto-me naturalmente de todos os ambientes onde sinta existir fanatismo.»

«O Espiritismo é para mim tão natural como a minha existência; é acreditar no que sinto, no que a minha voz interior me dita; é acreditar que sou mais que um simples corpo que um dia nasceu e cresceu apenas para morrer e tudo ali se acabar; é ter tido a consciência de que trouxe para esta etapa os conhecimentos adquiridos em existências anteriores e aumenta-los para deles usufruir na seguinte; é portanto, acreditar que a vida é eterna e que estou aqui para aprender e me tornar numa pessoa melhor...» … «nessa Casa em particular (centro Z), encontrei um ambiente em tudo idêntico aos rituais usados por algumas religiões, as paredes repletas de "santinhos", até um altar. Não vi grande diferença relativamente a uma "missa" de igreja paroquiana e à excepção de que não é costume ver nas igrejas um recanto destinado ao comércio, também lá havia uma "caixa de esmolas". Respeito a fé de cada um mas não era esse ambiente que procurava nem ao qual estava habituada no (outro) Centro que frequentei, daí ter-me sentido de certo modo defraudada por ter sido atraída pelo nome do Centro Z e que na minha humilde opinião (mas que é minha) se encontrar em dissonância com o que o Espiritismo nos diz…»

«A minha verdade encontrei-a no Espiritismo. Aceito a forma como a doutrina é estudada e seguida, por isso digo-me sua aprendiza. À procura dum local onde pudesse dar continuidade a essa aprendizagem dirigi-me ao centro Z atraída apenas pela sua denominação e como não gostei, não voltei lá. Os "santinhos", o "altar", o "recanto comercial" (não apenas de livros) e a "caixa das esmolas" fazem parte dum cenário que pela minha experiência não terá muito a ver com o que se pressupõe encontrar num Centro Espírita, em toda a sua legitimidade. No (outro) Centro que frequentei, pelo contrário, as despesas eram discutidas na presença de todos e todos contribuíam de acordo com as suas disponibilidades.. a isso eu chamo de realidade e transparência - não são esmolas...»

Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 17:00

Citando as várias respostas:

«os ambientes que descreves não têm nada há ver com Casas Espíritas, quando mundo podem se chamar de Espiritualistas, mas não Espíritas.» … «Aprendi a não criticar nada nessa linha pois, muitos que não se adaptariam a uma Casa Espírita, acabam aprendendo algo de positivo nesses locais, mesmo que mal administrados, porém cabe a cada um de nos esclarecer sempre a diferença de tais locais com as Casas onde é estudada a Doutrina Espírita e todos são convidado a não serem meros espectadores/frequentadores, para participarem de estudos e chegarem por si as conclusões que os estudos nos levam.»

«Os Centros Espíritas, todos serão diferentes, e por esse motivo, sempre sentiremos diferenças de uns e noutros...» … «Um Centro espírita é constituído em primeiro por pessoas, pessoas essas que terão personalidades e caracteres bem diferenciadas de umas e outras...»
 
«tenho uma amiga que compara o Espiritismo (e os próprios centros espíritas) a um livro de culinária: todos nós temos o mesmo livro de culinária (hipoteticamente), mas damos o toque pessoal ao cozinhado. Daí que encontremos em cada centro pequenas diferenças de "tempero" que vão mais, ou menos, com o nosso gosto pessoal.»

«O Centro X, é feito um pouco à imagem da directora Y......a sua personalidade está bem vincada lá. Mas isso acontece por todo o País..... Não raro acontece as pessoas dizerem "o centro de fulano" em vez do nome do centro....»


Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 17:04

Mas o mais interessante foi a questão dos rituais ou o elemento financeiro..

«Um "Centro" em que as paredes estão repletas de "santinhos", tem até um altar, e também uma "caixa de esmolas" não tem nada haver com a Doutrina Espírita, e acredito que todos aqui sabem disso! e isso não tem nada de cada dirigente dar o seu toque pessoal, fazendo o que "ele" dirigente acha que é melhor.»

«A caixa das esmolas, poderá ter a ver com a forçosa realidade, de de ter de pagar o espaço (local), a luz o telefone, a agua, pois como deve saber, pela vontade de servir a quem pelas portas entre, e a estes amigos quem entram, que chegam aos centros, não lhes é exigido, qualquer pagamento, vem como, nos centros que conheço, existir em todos eles, um localzinho, para a aquisição de livros… Se em alguns centros, existem l4, 15, colaboradores direitos, e se entre eles na boa vontade de cada um recolhem o suficiente para que se cumpram os encargos mínimos, noutros, poderão serem  menos os colaboradores, e assim na realidade concreta, poderá existir mais dificuldades.»

«Compreendo que determinados "Centros" sejam até obrigados a angariar fundos de uma forma mais ostensiva, mas isso deve ser preocupação de seus dirigentes de ter em mente e trabalhar para que um dia essa manutenção seja feita menos aparente, na mesma linha que acredito eu a grande maioria das Casas já devem fazer.»

«Porém o facto de ter "altar" e "santinhos" nas paredes todos aqui do forum reconhecem que não tem nada a ver com a Doutrina.»

«Aproveito para exemplificar com uma situação que vivenciei; Conheço várias Casas em minha cidade e em uma delas que ia a miude, me chamou a atenção que não era distribuída ao final do passe a água fluídica como na maioria das Casas que conhecia. Me dirigi ao seu director e perguntei o porque disso e o mesmo me informou que antigamente era data a água, mas que ele percebeu que isso estava se transformando em um "ritual" e como a Doutrina Espírita não tem "rituais" eles acharam por bem não distribuir mais a água, que agora fica em um local separado, a saída do passe, na forma de um garrafão que quem deseja bebe e nem todos o fazem.»

«Quanto a caixa de esmolas ou de recolha de ajudas, não vejo porquê colocar essa questão. Cobram-lhe algo para poder entrar e assistir? Cobraram-lhe algo pela eventual ajuda que possa ter-lhe sido concedida? Se não, e estou certo que foi o que aconteceu, só deixou “esmola” se de livre e espontânea vontade … custos de funcionamento nada têm a ver com a filosofia doutrinária e terão que suportados por alguém. Normalmente pelos sócios da associação pagando as suas cotas com regularidade e se outros que não associados frequentam e não contribuem (voluntariamente e dentro das suas possibilidades) será que estão tendo uma atitude de partilha e de ajuda? Há aqueles que indo ao centro necessitam de ajuda espiritual e por qual razão que a nós não interessa de momento necessitam de receber em vez de dar e só será possível se outros podendo tiverem contribuído. A isso eu chamo caridade, partilha, fraternidade.»

Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 17:08

Mas o mais interessante ainda, com o devido respeito por todas as intervenções, foi o seguinte comentário:

«Grande parte dos Centros Espiritas do País, possuem fotos que estão em molduras e colocadas nas paredes, de figuras de destaque do movimento espírita: Allan Kardec, Chico Xavier, Bezerra de Menezes, etc… são os "santinhos" que se podem encontrar. Por norma todas as casas espíritas têm um estrado, por forma a que quem está a falar fique num plano mais elevado, facilitando assim a visualização por parte de toda a gente: este é o "altar" que por norma se pode encontrar nas casas espíritas.
Por norma, as casas espíritas tem os seus custos fixos: estes são cobertos por cotizações dos associados das casas espíritas, venda de jornais e livros (…) com contributos dos seus próprios associados, e em especial dos seus dirigentes, contando ainda com a organização de eventos, como seminários ao fim de semana, para recolha de fundos. Quem quiser contribuir, contribui......sem quaisquer pressões ou constrangimentos. Este é o meu comentário relativamente aos Centros Espíritas portugueses nos quais está o centro Z, que aliás aprecio pelo trabalho desenvolvido em prole do da divulgação do Espiritismo em Portugal, e para a qual deixo aqui de forma inequívoca o meu aplauso.»


Meus amigos, está assim reaberto, em termos mais fraternos, sem critica a ng em concreto, o tema que tanta participação registou, espero que o interesse continuo agora no tema e não no apedrejamento do centro Z ou Y em particular..

Participem!

Abraços a todos e bom fim de semana e feriado...

Pg.
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 17:10

 ... esquecia: foi tb referido um tópico interessante para o tema:

http://www.forumespirita.net/forum/index.php?topic=683.0 (http://www.forumespirita.net/forum/index.php?topic=683.0)

eu acrescento outro:

http://www.forumespirita.net/forum/index.php?topic=1699.0 (http://www.forumespirita.net/forum/index.php?topic=1699.0)

 :)
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Le em 29 de Abril de 2006, 18:11
Olá Peregrino

Boa tarde

Os meus cumprimentos pelo resumo que fez das intervenções sobre o tema.

Fica assim aberto, ou antes raberto, para quem queira participar nos esclarecimento.

Só pesso que não coloque a questão de não se produzir crítica pois que é exactamente esta que promove o debate de ideias(não pessoas ou instituições).
É que crítica não é dizer mal ou coisa pior. Crítica não é maledicência e a maledicência essa sim deve ser combatida por todas as formas e meios possíveis.

Uma vez maois os neus cumprimentos e desjos de muita luz e muita paz
Leão
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Peregrino em 29 de Abril de 2006, 18:54

ola, leao

é mesmo isso: criticar habitos e condutas mas nao dizer q é a pessoa A, B ou C, ou o centro X, Y, ou Z.. nao acresce nada identificar as pessoas, apenas as desmoraliza e a situação fica bem pior, por nossa culpa..

um abraço.
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Light_pt em 29 de Abril de 2006, 19:38
Olá a todos,

vamos ver se desta vez o meu computador me deixa responder.. eheheheh

Peregrino (David),
antes de mais quero felicitar-te pela "reabertura" do tema, que tanta polémica gerou graças à minha quiçá infeliz intervenção.
Desta vez trouxe "capacete" eheheheheh

Tal como tive oportunidade de referir anteriormente, não foi e jamais seria minha intenção criticar segundo a arte de maldizer. Mais uma vez peço desculpa por não ter sabido expressar-me com lucidez (a idade também já não ajuda e tal...)  ;)

A questão que se me colocou e que levou ao meu comentário inicial, é a seguinte:

- Não duvido das boas intenções que, todos quantos de uma forma ou de outra, têm ao levar "a palavra" esclarecedora aos demais, e não estou aqui para os julgar tal como não gosto que me julguem. Mas sei também que há milhares de formas de entender e praticar essa mensagem de amor e de esclarecimento das Leis do Universo, o que justifica as diversas religiões e doutrinas existentes. Claro que, caberá a cada um escolher ou não, aquela em que melhor de identifica e reencontra.

- Assim, ao escolhermos determinada religião, doutrina ou convicção se torne legítimo esperar encontrar as mesmas orientações nas respectivas "Casas" ou "Delegações", gozem ou não de autonomia administrativa, estejam no Minho ou no Algarve, em Portugal ou na China ou então, seria a "república das bananas" e ninguem saberia ao certo o que anda a fazer ou em quê acreditar. A minha questão é tão simples quanto isto!

Na minha experiência pessoal, é verdade que me "reencontrei" com o que vivenciei no 1º Centro onde me dirigi e que me despertou para o interesse de querer saber mais, de querer homenagear as minhas convicções mais íntimas conferindo-lhes finalmente a idoneidade que lhes recusava por ausência de provas ou fundamento.
Essa vivencia entrou em conflito com o que fui encontrar no outro Centro e daí afirmar ter-me sentido decepcionada, uma vez que esperava encontrar um ambiente identico tratando-se da mesma doutrina.
Para mim torna-se óbvio que, se eu tivesse encontrado apenas o 2º Centro no inicio da minha aprendizagem de auto-conhecimento, ainda hoje andaria "à deriva". Temo que isso se possa passar com outras pessoas que ao sentirem-se atraídas pelo denominação dos Centros não conseguem depois identificarem-se com as suas práticas.

Da mesma forma que somos "marcados" pela vivencia do 1º ano escolar (escola, professor, colegas, métodos de ensino) podendo nos anos seguintes encontrar professores de quem gostemos mais ou menos, a 1ª experiência será sempre uma referência e um termo de comparação. O mesmo se repete noutras etapas na nossa vida e todas elas a par com o discernimento e personalidade de cada um, vão influenciar a nossa forma de estar, de sentir a vida e tudo o que nos rodeia.

A minha questão:

- é legítimo que os Centros Espíritas não se rejam todos pelos mesmos princípios e orientações?
- se sim, qual a lógica?
- se não, porque têm a mesma denominação?

É que, por mais que me esforce não consigo encontrar lógica em "faz o que digo e não olhes para o que faço". Por uma razão muito simples: estou convicta de que os nossos actos são a consequência das nossas convicções mais íntimas e são eles (os actos) que ditam àcerca da nossa dignidade e orientação interior.

Errar é humano e as minhas convicções podem estar intrínsecamente ligadas ao meu grau de ignorância. Tenho o espírito suficientemente aberto a todos os esclarecimentos. Claro que como vós, também disponho de um "crivo"  ;) mas aceito de bom grado todas as opiniões.

Bem Hajam

Amélia

Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Le em 30 de Abril de 2006, 11:50
Bom dia Light_pt

O que refere na sua explicação é perfeitamente normal.
Não há duas coisas iguais no universo e isso hoje está provado científicamente.
Na doutrina que nos foi legada pelo codificador lá está escrito que a entre muitas outrs coisas a lei da afinidade é uma delas e, por este facto, a sua vibração própria pode perfeitamente sintonizar-se perfeitamente num determinado ambiente e não noutro.
Se tomar como adquirido que uma determinada orientação é a certa será dificil sintonizar-se com outra mesma que essa outra seja eventualmente mais certa.Entenda estas palavras como análise de larga abrangência e não como redutoras,dando o si própria a possibilade de ,liberta das suas actuais convicções, poder reanalisar o conjunto dos ensinamentos insertos nos livros da doutrina e alargar assim a sua mente a novos conhecimentos.
Kardec quando questionado pelo visitante que lhe afirmava que a sua convicção religiosa era sólida lhe respondeu que a seguisse e o deixasse ter tempo para esclarecer os que ainda estavam na ignorância e ansiavam esclarecimento.
O mesmo texto, o mesmo conteúdo, temos visto ao longo dos tempos que têm interpretaçãoes nem sempre iguais.
Logo, ao entrar num qualquer centro espírita penso que nos devemos desligar de quem,encarnado, está orintando os trabalhos e sintonizarmo-nos o mais possível com aqueles que,desencarnados, vêm a esse centro dar o seu melhor procurando com as suas vibrações e emissões energéticas dar ajuda (a necessária e de acordo com os seus merecimentos) àqueles que livre e voluntàriamente lá vão procurar essa ajuda que deve, em meu modesto entender, ser pedida no sentido do que necessário fôr e não ajuda no sentido do pessoalmente entende como necessária.
Tenha um bom fim fim de semana e que o nosso grande mestre Jesus lhe dê muita paz e muita luz para que possa ter sempre o melhor discernimento para a tomadas de decisões na sua vida
Leão
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Light_pt em 30 de Abril de 2006, 14:48
Maria C e Leão

Obrigada por responderem.

Maria C, óbvio que tem razão, mas não respondeu à questão que coloquei. E repare que não faço qualquer crítica ao trabalho lá desenvolvido. Limitei-me a falar do que senti.

Leão, tb tem razão mas parece que não me fiz entender, de facto.
As questões que coloquei continuam sem resposta.


A minha intuição e o meu sentir são a minha bússola!

Fiquem bem
Amélia
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: SB em 30 de Abril de 2006, 15:17
A minha questão:

- é legítimo que os Centros Espíritas não se rejam todos pelos mesmos princípios e orientações?
- se sim, qual a lógica?
- se não, porque têm a mesma denominação?


Em respostas anteriores num anterior Topico a que deu origem a este, eu respondi-lhe a essas questões que coloca, e onde concordou na integra...passo a citar então minhs explicação ao qual vi sua concordância posteriomente:

"Os Centros Espiritas, todos serão diferentes, e por esse motivo, sempre sentiremos diferenças de uns e noutros...

Gostava que pudessem pensar que tudo é energia, e que tudo se move atraves das afinidades e adversidades...

Um Centro espirita é constituido em primeiro por pessoas, pessoas essas que terão personalidades e caracteres bem diferenciadas de umas e outras...
São essas pessoas que emanam energia, e que constituiram esse Centro, logo, essas afinidades, mais ou menos, serão a que vamos sentindo, mas não terão a ver com o Centro ou tão pouco com o Espiritismo em si, mas aquando da cuadunação dessas energias por quem o constitui, que pudemos repulsar sem querer, imperceptivelmente, pq não nos afinizamos...

A sintonia num Centro Espirita é importante, mas não podemos descrer do Espiritismo, nem fazer descrer os outros, pq a causa nao é o Espiritismo... deveremos pensar que ali não nos enquandramos pq talvez nao estejamos com afinidade possivel com as pessoas que o administram...nada mais."

 
Light,

Os Centros Espíritas servem como "educandário de luz", abrindo portas para a libertação de consciências presas à inércia espiritual. Ficando, assim, mais bem próximo da mensagem do Cristo, através do Evangelho. Quando se afirma que um Centro Espírita é uma escola de almas, entendemos que não se faz referência apenas ao estudo da Doutrina dentro dele, mas que é um centro de instrução, onde a teoria se materializa na prática, onde há oportunidade de se vivenciar a ética doutrinária.
Ganhamos todos em aprendizagem pelas experiencias boas ou não, a instituição e o Movimento Espírita, ficando a Terceira Revelação protegida daqueles que pretendem lhe denegrir pelos erros dos seus administradores.

Tudo em si é uma aprendizagem, e eis a humildade de um ser humano, espirita!

Bem haja

Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: andreia em 30 de Abril de 2006, 15:21

Olá Amélia!

Compreendo os seus sentimentos em relação às casas espíritas por onde passou, porque também já me aconteceu o mesmo de me identificar mais com uns de que com outros, no entanto acho que a ideia que a Maria e o Leão tentaram passar foi a seguinte:

É legítimo que os Centros Espíritas não se rejam todos pelos mesmos princípios e orientações?

Em meu entender e pela minha experiencia todos se regem pelos mesmo principios, em nenhum dos centros que conheci vi ou ouvi algo contrário ao que a doutrina espírita nos indica. No entanto a forma como o fazem é que pode ser diferente.

Veja outro exemplo onde acontece exactamente a mesma coisa... há católicos que vão a uma igreija numa paróquia mais longe da que vivem porque se identificam mais com o padre dessa paróquia, e ele na realidade professa o mesmo que os outros somente de forma diferente.

Nos centros espíritas acontece o mesmo, e aquilo que lhe quiseram passar foi que a decisão de qual o melhor centro era sua, de forma a se sentir mais em "casa".

Espero ter ajudado um bocadito.

Beijinhos com carinho  :D

Andreia



Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Light_pt em 30 de Abril de 2006, 15:53
Andreia,

obrigada pela resposta.
Entendi na íntegra tudo quanto aqui foi dito.

Mas não era bem aí que eu queria chegar...  ;)
Sei que por vezes sou um pouco severa, não gosto de chamar "pau" a "pedra".
Apesar de não concordar, aceito à luz do que li num texto que penso ter sido a Andreia a postar, que o mais importante é levar as pessoas a despertarem para o verdadeiro sentido da existência.
Tudo tem que ter um começo, as arestas vão-se limando com o tempo e com as necessidades evolutivas inerentes a cada um.
Não se podem mudar mentalidades de um dia para o outro.
Sei que alguns de vós, mais atentos, compreendem que "discordar" é uma tarefa árdua, pouco gratificante mas necessária.

Beijinho
Amélia
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Amigo em 05 de Maio de 2006, 05:16
O QUE PENSAR DAS CASAS ESPIRITAS SEM ESTUDOS DE TODAS AS OBRAS DA CODIFICAÇÃO E DA REVISTA ESPIRITA  QUE ALLAN KARDEC NOS BRINDOU?

O QUE PENSAR DO MÉDIUM,QUE TEM MEDO DE VER ESPIRITOS?

O QUE PENSAR DE UM DIRIGENTE,QUE NÃO ESTÁ DISPOSTO Á OUVIR NOVAS IDÉIAS?

O QUE PENSAR DO ATENTIMENTO FRATERNO QUE AS VEZES SÃO MAL CONDUZIDAS?

O QUE PENSAR DE UMA POSTURA ARROGANTE DE ALGUNS PRESIDENTES DE CASAS ESPIRITAS QUE ALGUMAS VEZES TEM MEDO DE PERDER SUA POSIÇÃO ATUAL?

O QUE VOCÊS PENSAM SOBRE ESSES ASSUNTOS ABORDADOS?

MUITA PAZ Á TODOS.
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: M em 05 de Maio de 2006, 11:27
Olá Amigo,
Pessoalmente, penso que errar é humano. Penso que tais situações se devem a falta de estudo, de oração e de vigilância sobre os nossos próprios comportamentos e pensamentos.
Penso que um centro que esteja a funcionar mal, naturalmente acaba por sentir o refluxo da onda, e, mais tarde ou mais cedo, ver-se-á obrigado a mudar.
Também penso, em conformidade com o meu lema, que, se não nos ouvirem as sugestões para melhorar, somos livres de fundar núcleos espíritas e fazê-los funcionar bem. Vários grupos espíritas pequenos são preferíveis que um grande. Grande a nau, maior a tormenta...
Abraço,
Mário
Título: Re: Centros Espiritas e o Espiritismo.
Enviado por: Le em 05 de Maio de 2006, 16:52
Olá Amélia

Nesta sua colocação tem toda a razão.
Pessoalmente nem sequer acreditava nem queria acredita nestas coisa( como se dizia e parece que ainda se diz, pelo desconhecimento) de haver a possibiulidade de comunicações com quem já tinha morrido.
Um dia,e há sempre o dia, fui assistir a uma reunião( ainda no tempo das clandestinas porque proíbido era), e o seguimento começou,aos poucos é certo mas a verdade é que a semente germinou cresceu se faz grande e hoje a árvore dá sombra aos que dela necessitam.
Um bem haja para si como para todos os do Fórum
Lao