Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => O Livro dos Espíritos => Tópico iniciado por: Anton Kiudero em 21 de Maio de 2009, 12:17

Título: O Livre Arbítrio segundo “O Livro dos Espíritos”
Enviado por: Anton Kiudero em 21 de Maio de 2009, 12:17
O Livre Arbítrio segundo “O Livro dos Espíritos”

Dentre os ensinamentos transmitidos pela espiritualidade através de Allan Kardec no “Livro dos Espíritos”, existe a afirmação de que o espírito possui o livre arbítrio. Este ensinamento ficou entendido como a capacidade que possui o ser encarnado de decidir o que deseja praticar.

Pela compreensão que foi dada a este ensinamento pelos seres humanos, o homem possui o direito de praticar o ato que bem entender. Na verdade, este entendimento deu ao ser encarnado o papel de “senhor do seu destino”. Esta visão, no entanto, conflita com a realidade do Universo e, principalmente, com os atributos de Deus, como descrito no mesmo livro.

No primeiro capítulo de “O Livro dos Espíritos”, o próprio Allan Kardec, analisando as informações trazidas pela espiritualidade, afirma que Deus é “Todo-Poderoso” e que este poder é um atributo Seu porque “se não tivesse o soberano poder, haveria alguma coisa mais poderosa ou tão poderosa como Ele; não teria feito todas as coisas e as que não tivesse feito seriam obras de um outro deus”.

Portanto, se o ser humano possui o livre arbítrio para executar os atos que quiser, é tão poderoso quanto Deus e se trata de um novo “deus”…

Pelo próprio conhecimento trazido por Kardec, isto não seria possível, pois outro dos atributos de Deus é ser “único”, para que possa haver “unidade de vistas” e “unidade de poder” no Universo.

Além do mais, se o ser humano possuísse realmente o livre arbítrio de praticar o ato que quisesse, jamais seria contrariado. Todos teriam que ter sua vontade imposta sobre os demais e o caos existiria, pois jamais todos poderiam ser contemplados ao mesmo tempo. Teríamos um planeta como nos termos da “Torre de Babel” da Gênesis, onde ninguém se entenderia.

Para que não houvesse o caos, seria necessário que cada um tivesse a consciência do ferimento que poderia causar ao outro ao impor a sua vontade o que, convenhamos, ainda não é deste mundo. Para que este fosse um planeta organizado e servisse ao seu propósito (campo para evolução dos seres) seria preciso, dentro do conceito atual de livre arbítrio, que todos os seres fossem evoluídos. Aí, para que serviria o planeta de provas e expiações?

Quando um ser humano consegue colocar fim à encarnação de outro ser (assassinato), alguns espíritas afirmam que ele assim agiu porque fez mau uso do seu livre arbítrio. Porém pergunto: onde ficou o livre arbítrio de quem morreu? O ser estava levando a sua vida e não desejava morrer (livre arbítrio), mas viu o seu direito ferido por outro…

O que aconteceu neste momento? Pode existir um livre arbítrio mais forte do que outro, ou seja, que seja capaz de impor-se? Neste caso, quem deu este poder para o assassino, se Deus criou todos os seres iguais, com os mesmos direitos?

Quando uma história se forma antes do ato (motivos que levam ao assassinato), pode-se até afirmar que aquele que desencarnou teria dado motivos para que houvesse o assassinato. Mas e quando o assassinato ocorre sem que a vítima sequer conheça o agressor?

Como pode um elemento negativo (bandido) conseguir ferir mortalmente uma criança? O ser encarnado em corpo infantil pode ainda não estar de posse de todos os direitos materiais que a idade lhe traz, mas já possui todos os seus direitos espirituais. Assim, esta “criança” (espírito encarnado) também possui o livre arbítrio como espírito que é e este direito não poderá ser menosprezado por outra pessoa.

Será que Deus, apesar de toda sua Onipotência não poderia zelar pela integridade da encarnação que foi criada sob Seus auspícios? Nada poderia fazer para impedir que o ser que habita o corpo infantil não perdesse sua encarnação? São muitas perguntas que não poderiam ser respondias da forma que o são atualmente, sem se ferir o próprio “O Livro dos Espíritos”.

Alguns espíritas acham que para todas estas perguntas só existe uma resposta: mau uso do livre arbítrio. No entanto, existem duas questões em “O Livro dos Espíritos” que podem trazer alguma luz sobre o assunto.

[Continua...]
Título: Re: O Livre Arbítrio segundo “O Livro dos Espíritos”
Enviado por: Anton Kiudero em 21 de Maio de 2009, 12:18
[Continuação]

Continuemos com o exemplo da criança que teve seu desencarne realizado através do livre arbítrio de outro ser humano (assassinato). Sobre o tema “morte fatal” (sem motivo aparente), a pergunta 853 de “O Livro dos Espíritos” é perfeita. Existem duas informações na resposta: há um momento pré-determinado e um gênero programado para a morte e os dois são de conhecimento de Deus.

A criança que foi “vítima” da agressão de outro ser humano, não “morreu” em um momento diferente, nem de forma diferente do que Deus tinha conhecimento. Isto jamais poderia ocorrer senão feriria a Onipotência de Deus. Assim, se o Pai sabia que aquela criança teria que morrer através de uma agressão teria que providenciar um agressor e colocar os dois no mesmo momento, no mesmo lugar, dando ao agressor o pensamento de agir de forma a levá-lo ao ato do assassinato.

 Foi exatamente esta a compreensão que o próprio Allan Kardec chegou e estampou como comentário à pergunta 525:

Imaginamos injustamente que a ação dos espíritos não deve se manifestar senão por fenômenos extraordinários. Quiséramos que nos viessem ajudar por meio de milagres e nós os representamos sempre armados de uma varinha mágica. Não é assim; eis porque sua intervenção nos parece oculta e o que se faz com seu concurso nos parece muito natural. Assim, por exemplo, eles provocarão a reunião de duas pessoas que parecerão se reencontrar por acaso; eles inspirarão a alguém o pensamento de passar por tal lugar; eles chamarão a atenção sobre tal ponto, se isso deve causar o resultado que querem obter; de tal sorte que o homem, não crendo senão seguir seu próprio impulso, conserva seu livre arbítrio”.

No exemplo que estamos utilizando, dentro das palavras de Allan Kardec, os espíritos auxiliaram aquela criança e ao bandido inspirando o pensamento de se encontrarem no mesmo lugar, chamando atenção do bandido sobre alguma coisa que o levaria a cometer o que era necessário: o assassinato. Tudo isto por ordem de Deus, utilizando a sua Onipotência.

Se o livre arbítrio do ato que foi praticado pelos dois (matar e morrer) existisse, teria Deus que esperar a criança desejar passar por aquele lugar, que o bandido tivesse o desejo de alguma coisa e que, por algum motivo, cometesse o crime. Tudo obra do acaso, ou melhor, obra do desejo soberano do ser encarnado? Teria surgido, então, pelas próprias palavras de Kardec nos atributos de Deus (capítulo 1), um novo “deus”.

Mas, se Deus não quisesse que a criança desencarnasse, teria como evitar? A resposta também está em “O Livro dos Espíritos” (pergunta 528), onde a espiritualidade afirma que um espírito benevolente pode inspirar o pensamento de quem está sendo alvo de um projétil para que ele se desvie. Pode ainda, para este fim, ofuscar o bandido para que ele aponte não mirando bem. O que nunca poderia ser feito é alterar-se o caminho da bala, pois, depois de disparada, ela o seguiria inexoravelmente.

Deus pode agir de diversas formas, mas todas elas operam sobre o espírito e não sobre as coisas materiais. A Sua ação sempre é uma interferência no comando do ato (pensamento) de cada um e não uma “mágica” que Ele realiza sobre as coisas. Deus não salvaria a criança alterando o traçado do projétil, mas determinando a cada um o ato que deveria realizar. Esta é a Onipotência de Deus: não se subordina ao desejo do ser, mas submete-o ao Seu desejo.

Foi a compreensão do livre arbítrio como independente da vontade de Deus que levou alguns espíritas a mal compreender a informação passada pela espiritualidade na pergunta 001 do Livro dos Espíritos: “Deus é a causa primeira de todas as coisas”. Foi aceita esta informação para as “coisas”, mas julgaram que entre estas não estivesse incluído o próprio ser humano.

O ser encarnado, portanto, tem todos os seus atos causados por Deus para que a Justiça e o Amor permaneçam no planeta. Quando Deus comanda um ato de um ser encarnado Ele se preocupa em “dar a cada um segundo suas obras” e não o faz como castigo ou pena, mas como uma oportunidade para que esse ser evolua espiritualmente.

Assim, a criança morreu porque merecia (positiva ou negativamente) e o bandido também se tornou um assassino pelo mesmo motivo. Para os dois isto foi um ato de amor, ou seja, um ensinamento que Deus deu a cada um para que pudessem evoluir.

Mas, como um ser merece se transformar em um assassino? Será que Deus “escolhe” ao acaso alguém para ser o “bandido” e outro para ser “mocinho”?

“O Livro dos Espíritos” (pergunta 851) explica esta situação perfeitamente.

A fatalidade não existe senão por escolha que fez o espírito, em se encarnando, de suportar tal ou tal prova. Escolhendo, ele se faz uma espécie de destino que é a conseqüência mesma da posição em que se encontra”.

O destino de cada um está escrito antes da encarnação, pelo próprio ser, de acordo com as provas que quer fazer para a sua evolução, ou seja, para alterar a sua situação espiritual. Assim, a criança foi assassinada porque pediu para que isto acontecesse como uma prova que a elevasse espiritualmente.

Deus comandou todos os acontecimentos do planeta para que a própria escolha do espírito acontecesse. Não poderia Deus deixar nas mãos do espírito a capacidade de decidir se provocaria ou não a situação depois de encarnado, pois o véu do esquecimento obscureceria seus valores espirituais influenciando negativamente na prova que teria que passar para a sua elevação.

[Continua...]

Título: Re: O Livre Arbítrio segundo “O Livro dos Espíritos”
Enviado por: Anton Kiudero em 21 de Maio de 2009, 12:19
[Continuação]

Desta forma, Deus assume o comando dos atos e promove todos os acontecimentos para que o desejo do espírito seja atendido. Ele “dirige” os atos do ser humano dando-lhe o pensamento de agir de determinada forma, guiando-se pelo planejamento da encarnação feito anteriormente pelo espírito. Sua ação é sempre no sentido do desejo soberano do espírito não ser afetado pelo “querer” material do ser humano. Deus causa os acontecimentos para que a felicidade eterna seja alcançada e não para que haja uma satisfação momentânea e fugaz.

Quanto ao assassino, será que ele também pediu para se tornar um criminoso? Entre os objetivos da reencarnação citados na pergunta 132 do mesmo livro, Allan Kardec cita a expiação, ou seja, remir a culpa, sofrer conseqüências de atos anteriores. Deus deu àquele espírito o “papel” de assassino para expiar faltas anteriores. Mas, se todos cumprem apenas o pré-determinado sob o comando de Deus, de onde virão as culpas?

De volta à pergunta 851, depois da informação de que o destino é escrito por cada espírito antes da encarnação, encontramos o seguinte texto:

Falo das provas físicas, porque o que é prova moral e tentações, o espírito, conservando o seu livre arbítrio sobre o bem e o mal, é sempre senhor de ceder ou resistir”.

Além do livre arbítrio de escrever o seu destino, Deus dá a cada um o direito de reagir sentimentalmente (bem ou mal) às tentações, ou seja, às provas que se submete. Como “bem”, entendemos o ensinamento de Cristo (o amor) que chamaremos de sentimento positivo. Como “mal”, entendemos todos os sentimentos que possam ferir os outros, ou seja, que objetivem a felicidade individual. A estes chamamos de negativos.

Assim, quando uma situação ocorre na vida de uma pessoa (prova comandada por Deus) o espírito tem o livre arbítrio de amá-la ou de rejeitá-la utilizando-se de sentimentos que privilegiem seus conceitos. A este processo, chamamos de “livre arbítrio sentimental”.

Cada vez que o espírito cede a uma tentação (utiliza sentimentos negativos), Deus providencia outra prova para que ele “aprenda” a amar. Esta nova prova também terá o caráter de expiação, pois quando um ser busca apenas a sua satisfação individual fere a felicidade do próximo.

No entanto, ninguém se torna um bandido de um dia para o outro. Na verdade, o ser vai se “afundando” paulatinamente no crime ao longo de suas existências, até que um dia, se torna um assassino. Transformar-se em um assassino é conseqüência de ter cedido a primeira tentação que o tornou talvez num ladrão.

Desta forma não existe vítima ou criminoso, mas seres guiados por Deus dentro do livre arbítrio de cada um como espíritos que são e não como seres humanos, que nada mais são do que seres universais obscurecidos pelo véu do esquecimento do mundo espiritual.

O livre arbítrio do ato quebraria toda esta interação dos elementos do universo e colocaria Deus na situação de espectador dos acontecimentos, “torcendo” para que cada um mantivesse a sua escolha para que a evolução do Universo acontecesse…

Todo espírito tem o livre arbítrio como ensinado, mas este é exercido de duas formas: a primeira, na hora da montagem do planejamento da encarnação e a segunda já na carne, quando o ser escolherá ceder ou não às tentações materiais.

Que me desculpem os adeptos do acaso, mas não estou ensinando nada novo, pois nem poderia agir desta forma. Todas as afirmações que fiz neste trabalho foram baseadas em respostas dadas pelo Espírito da Verdade a Allan Kardec e constam de “O Livro dos Espíritos”.

Só o que fiz foi retirar da interpretação do mesmo texto a soberba do ser humano, que não podendo ser Deus quer exercer a Sua função de ser causador dos acontecimentos, como por diversas vezes alertado também em “O Livro dos Espíritos”

Extraido de meeu.com.br

Título: Re: O Livre Arbítrio segundo “O Livro dos Espíritos”
Enviado por: Atlante em 21 de Maio de 2009, 17:22
Olá Anton

Cá estamos. Não contesto o que escreves, simplesmente não concordo.
Até porque nem sequer dá para tirar uma conclusão.
Afinal o homem tem ou não livre arbítrio?

Tudo começou, em relação ao debate sobre livre arbítrio, porque eu coloquei um post afirmando que o livre arbítrio, do homem, é absoluto nos limites da creação.
O meu amigo, agora, coloca isto

Portanto, se o ser humano possui o livre arbítrio para executar os atos que quiser, é tão poderoso quanto Deus e se trata de um novo “deus”…

Em que ficamos? Há alguma diferença?



 
Título: Re: O Livre Arbítrio segundo “O Livro dos Espíritos”
Enviado por: António Luís em 21 de Maio de 2009, 18:37
Olá Anton.

Respeito essa sua exposição. No entanto não concordo com ela.
Não sei se há continuação no texto ou se fica por aqui. De qualquer forma, não havendo uma conclusão sobre o tema, o que se pode tirar, à primeira vista, é que Deus é um tirano. Põe e dispõe de tudo e nós [humanos] somos como máquinas que executamos ordens.
A ser verdade então este não será um Deus justo e bom.
Na minha imensa pequenez de entendimento, apesar de saber que Deus é causa primária de tudo, não acredito que Ele ande preocupado com o que fazemos ou com o que deixamos de fazer. A nossa consciência sim, essa preocupa-se, e ela regula todos os nosso actos.

Todos temos o livre-arbitrio, isso é inegável, mas não o podemos supor à altura do Criador.

Quando afirma: Todos teriam que ter sua vontade imposta sobre os demais e o caos existiria, então não é isso mesmo que impera em muito lado? Vemos isso todo o dia na sociedade. Felizmente que somos, hoje, mais evoluídos e já sabemos utilizar o livre-arbitrio de forma diferente [para melhor], mas irmãos há que ainda não o fazem.

O destino de cada um está escrito antes da encarnação, nós reencarnamos para sermos felizes, não para a fatalidade. Claro que o planeamento é feito tendo em consideração as necessidades do Espírito, mas a sua finalidade é sempre para a melhoria. E depois, nada garante que, por exemplo, um Espírito que tenha planeado desencarnar após uma situação qualquer, que isso se cumpra religiosamente. Poderá haver, pelo livre-arbitrio e forças das circunstâncias, alterações. Se assim não fosse, acredito que seríamos simples máquinas e que de nada valeria o esforço de mudança. Seria o olho por olho, dente por dente.
Temos sempre 2 maneiras de repararmos as nossas falhas: pela dor ou pelo amor. Nós escolhemos, de acordo com as nossas capacidades de decisão.

Quanto aos “acasos” de encontros para determinadas fatalidades, se os Espíritos Superiores disseram que tudo se enquadra na justiça da Providência Divina, eu acredito. Faz sentido que assim seja. No entanto como os Espíritos dizem, mesmo aí existem sempre as intuições que nos guiam.
De qualquer forma, esta é uma matéria que daria para um seminário, e não para ser tratada de forma rápida, pois muito haverá para discutir.

Abraço
Título: Re: O Livre Arbítrio segundo “O Livro dos Espíritos”
Enviado por: dust_in_the_wind em 21 de Maio de 2009, 19:23
Seus atos serão sempre justos
 Adilson Marques
 
 Vamos continuar abordando a falsa questão: livre-arbítrio e fatalidade. Como costumamos dizer, os dois fenômenos acontecem simultaneamente. Em outras palavras, são a mesma coisa, apesar de nossa mente nos mostrar como coisas distintas e contraditórias.

Enfim, como dizia um antigo adesivo usado por taxistas: "dirigido por mim, guiado por Deus".

E é isso mesmo o que sempre aconteceu, acontece e acontecerá. Nossos atos serão, exatamente, aquele que o outro merece receber. A justiça divina acontece a cada segundo. Portanto, ninguém recebe o que não merece ou não necessita. Isso, porém, não significa que não sejamos responsáveis por nossos atos, ainda mais se houve a intenção de cometê-lo.

É por isso que a fatalidade e o livre-arbítrio são um único fenômeno, regido pela lei do Carma (ação). Isso fica bem evidente também em O livro dos espíritos, apesar da maioria dos que se dizem espiritistas acreditar que aquele que recebeu uma ação negativa em sua vida, ou que foi a vítima em um determinado fato, ter sido injustiçado.

Assim, se entendermos e aceitarmos que a justiça divina se faz a cada segundo, não existe vítimas e algozes, já que seremos sempre o instrumento para a provação que o outro necessita vivenciar, mas, ainda assim, somos os responsáveis pelos nossos atos.

Vou exemplificar. Se eu sou um espírito que ainda tenho o desejo de roubar e escolho como provação vencer essa tentação, posso encarnar em um personagem que pode ou não vencer essa prova. Porém, antecipadamente, Deus já sabe se eu vou vencer ou não essa prova e, se vencer, quando eu vou vencê-la. Assim, se eu, hipoteticamente, só vou conseguir vencer a tentação de roubar daqui a 20 anos, eu vou durante parte da minha vida ser um instrumento para aquele que precisa passar pela prova de ser roubado, de se desapegar da matéria etc. Se Deus permitir que eu assalte quem eu quiser, aí sim haveria injustiça, mas a força do carma fará com que eu, com o meu desejo de assaltar, me aproxime daquele que merece ou necessita ser assaltado.

Nesse caso, ao mesmo tempo que sou instrumento para a prova daquele outro espírito humanizado (fatalidade), estou exercendo o meu livre-arbítrio e vou colher os frutos dessa ação.
E isso vale para todas as ações. Até aquele que só deseja conquistar será instrumento para as provas de quem necessita ser conquistado. O mentiroso vai mentir e enganar aquele que merece ser enganado. É por isso que Jesus também dizia para respeitar os governantes, pois cada povo tem também o governo que merece. E até aquele que destrói a natureza ou age para a extinção de um determinado animal está sendo um instrumento da justiça divina. Possivelmente, a alma daquele animal extinto vai passar a encarnar em um outro corpo físico, mas adequado aos novos aprendizados que necessita. O que se extingue é a forma material e não o espírito que ali evolui.

Em suma, apesar de termos livre-arbítrio para escolher entre o "bem" e o "mal"(bem e mal não são atos fisicos mas atos morais,os sentimentos - o amor ou egoísmo), nossos atos serão sempre justos, e o único que pode ser prejudicado por eles somos nós mesmos, pois vamos colher o que semearmos. Como já dizia madre Teresa de Calcutá, na essência, tudo é sempre entre cada um de nós e Deus. 

Luz e Paz