Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => O Livro dos Espíritos => Tópico iniciado por: Aneman em 11 de Agosto de 2010, 15:31

Título: Livre-arbítrio
Enviado por: Aneman em 11 de Agosto de 2010, 15:31
Quando nós tomamos uma decisão difícil ou pretendemos resolver um problema grave, muitas vezes necessitamos estar devidamente informados e doumentados, pois sem isso não encontramos as devidas soluções ou então erramos.
Ora há pessoas com conhecimentos que lhes permitem tomar decisões correctas, ao invés há pessoas ignorantes que não estão preparadas para tomar decisões certas. Em face do exposto, parece que o livre-arbítrio não é igual para todos?!
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Adriane.10 em 11 de Agosto de 2010, 18:29
Eu tenho a impressão que o livre -arbítrio não deve ser igual para todos, eu preciso muito tomar uma decisão muito importante na minha vida, onde envolve filhos, sentimentos, amor, mas estou fugindo dessa decisão a meses, por medo de tomar a decisão errada e magoar mais pessoas do que já magooei..Me sinto precionada a decidir mais não consigo, pois já tomei uma decisão errada uma vez, onde me causou muita dor por muito tempo..
Eu não sei mais o que fazer, para onde ir, preciso de orientação espiritual, preciso de ajuda.

Adriane
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: filhodobino em 11 de Agosto de 2010, 19:20
Amados Irmãos,
Aqui em Belo Horizonte-MG, havia um palestrante que me foge o nome, que dizia:
Ninguém pode lhe fazer infeliz, sem o seu consentimento.
Estudando o Espiritismo, e buscando entender como se dá a nossa evolução, hoje tenho como artigo de fé em meu coração o seguinte: A evolução de cada um de nós é assistida, (anjo de guarda-protetor-seja qual nome se lhe dê sempre é um ser superior a mim em inteligência e de moral mais ilibada que a minha), essa evolução é individualíssima, posto que todos somos irmãos, filhos de um mesmo Pai.
Meu filho não é meu filho, é meu irmão, sou pai da carne, mas meu filho não é aquele corpo de carne. Quem habita a carne do meu filho é um Espírito, quem sabe até mais sábio e mais esperto que eu mesmo.
Meu irmão Zé Grosso, me disse assim: o que não tem conserto, consertado está!
Então antes de qualquer decisão uso prece e travesseiro, serenamente durmo, e quando acordo, o que resolver na primeira hora, está resolvido. Caso encerrado!
Entrego todos os adventos ulteriores nas mãos de Deus, e a cada novidade penso como um novo caso. Ajo igual.
Não tenho experiência suficiente para ensinar nada a ninguem, logo não ensino, falo do que penso e deixo que cada um até minha esposa decida o que quiser.
Decisão dela, passa a ser minha decisão, e caso encerrado!
Se minha consciência me diz pra contrariá-la, muno-me de argumentos caridosos e esclarecedores, sentamos-nos e eu explico, se minha rejeição ao assunto não for aceita, coloco nas mãos de Deus e confio!. Caso encerrado. Um caso de cada vez!
De uns dez anos para cá, tenho conseguido ser feliz, antes minha vida era um tormento. Um infarto, 2 tromboses, diabetes, hipertensão, hernia de disco que praticamente me impede de caminhar, senão com uso de bengala, foi o resultado de lutar para resolver problemas familiares e dos outros... Não culpo ninguém tudo fiz por que quiz fazê-lo... O preço é meu, assumo, alegre e feliz.
Saúde e Paz!
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Antonio Renato em 12 de Agosto de 2010, 03:13
Caro irmão Aneman,o peso da responssabilidade do livre arbitrio é igual para ingnorante e o mais esclarecido,no impto de tomar a decisão de fazer ou não, compete a cada um fazer uso deste direito de uma maneira racional e pensada,embora que muitas das vezes quando se faz uso do livre arbitrio traz consequências que desagradam ou prejudicam outros.
Fique na paz e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
              Antonio Renato
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: dim-dim em 12 de Agosto de 2010, 13:19

Olá!

O livre arbítrio não existe nas percepções condicionadas dos homens que se julgam separados de Deus, e por isso pensam, erradamente, que têm vontade própria.

O único e verdadeiro livre arbítrio é submeter-se, ser submisso à vontade de Deus.


Namasté
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Anton Kiudero em 12 de Agosto de 2010, 13:49
Seja o que for que fizeres, sera sempre o que deveria ser feito, ja que Deus da a cada um segundo o seu merecimento.
Seja quem for quem encontres, sera sempre quem deverias encontrar naquele instante.
Seja o que for que penses, sera sempre o pensamento que Deus te dá.
Portanto viva o mometo de agora amando a Deus do fundo de tual alma e faras sempre a Sua vontade.
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Antonio Renato em 13 de Agosto de 2010, 03:21
Seja feito sempre a vontade de Deus,mais o livre pensar e ajir nos foi dado por ele,eis a razão do livre arbitrio.
 fiquem na paz e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
           Antonio
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: dim-dim em 13 de Agosto de 2010, 13:26
Seja feito sempre a vontade de Deus,mais o livre pensar e ajir nos foi dado por ele,eis a razão do livre arbitrio.

Se o pensamento e, por consequência, o agir são apenas baseados na história pessoal e colectiva, cheia de condicionamentos, expectativas e frustrações baseadas no passado à espera que aconteça no futuro, como há aí liberdade? Não há.

Aliás o pensamento nada mais é que isso. É necessário deixá-lo de lado para se ter a percepção de Deus.

Deus está momento a momento à espera que os seus filhos se libertem, para o percepcionarem.


Namasté
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Zefiro em 13 de Agosto de 2010, 13:49


     Sim Dim-Dim, o pensamento nos aprisiona num inferno psiquico.

     Contudo, para todo mal tem seu remédio.

     Sendo um trabalho longo e ardua para silenciar o pensamento, nos é dada a liberdade de pensar o pensamento, assim, questionando o que penso, o que sinto nos conhecemos cada vez mais e apercebemos o quanto somos guiados pelos nossos medos, ora, Sócrates não disse em vão:

Conhece-te a ti mesmo e conhecerás o Universo e os Deuses.

   Esta auto-interrogação acerca do que nos impulsiona, do que nos envolve estamos abrindo terreno em nosso espirito para a meditação, pois conhecendo-nos o necessário nos faz sentir-se seguros e saudáveis.

                 Para todos muita Luz, felicidades!!!!
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Kenia Fidalgo em 13 de Agosto de 2010, 13:56
Bom dia nobres amigos,

Temos o livre - arbitrio , todavia o mesmo é relativo, visto que a evolução, alem de necessaria é fática, de acordo com as escolhas que fizemos ao longo do caminho.
Evoluir é fato. Iremos todos. Uns mais outrnos menos depressa. Mas todos iremos. O caminho é JESUS, a forma que optamos por chegar a ele que nos é opcional, e este paradigma de caminho que chamaos livre - arbitrio. Atraves de nossas atitudes, vamos retardar nossa caminhada ou nao.

Sigam sempre com JESUS
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Anton Kiudero em 13 de Agosto de 2010, 14:21
Citar
Temos o livre - arbitrio , todavia o mesmo é relativo, visto que a evolução, alem de necessaria é fática, de acordo com as escolhas que fizemos ao longo do caminho.

Se é relativo, não pode ser livre e portanto não existe. O que existe é a ilusão de que existe o livre arbitrio. Mas isto é outra coisa.
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: filhodobino em 13 de Agosto de 2010, 14:31
Caros Irmãos,
Eu louvo os sofistas, os pessimistas, posto que me ensinam onde alocar no espaço do meu raciocínio um ponto... por exemplo (x)...
Eu louvo os otimistas, posto que me ensinam onde alocar no espaço do meu raciocínio outro ponto... por exemplo(y)...
Então traço uma reta e surfo garimpando... de tudo aproveito o que me parece bom e observo...
Quando eu me der pela coisa, estarei lá...
Saúde e Paz!
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Kenia Fidalgo em 14 de Agosto de 2010, 01:58
Citar
Temos o livre - arbitrio , todavia o mesmo é relativo, visto que a evolução, alem de necessaria é fática, de acordo com as escolhas que fizemos ao longo do caminho.

Se é relativo, não pode ser livre e portanto não existe. O que existe é a ilusão de que existe o livre arbitrio. Mas isto é outra coisa.

BOA NOITE MEU QUERIDO IRMAO,

De fato visto por este prisma, ele NAO existe, todavia, se prosseguir na leitura do meu post consegue visualizar meu pensamento,

Acredito, que o cada espirito tem o livre arbitrio de ações, de pensamentos, e optar por qual caminho quer seguir, o da dor, ou o do amor.
Esta escolha só cabe a ele, embora nossos anjos guardioes, espiritos amigos tentem nos intuir na pratica do bem, eles nao nos tolem o livre arbitrio.
Mas que evoluiremos, é fato, só nos cabe escolher, entre o caminho mais estreito e o mais largo.

Siga sempre com JESUS!
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Antonio Renato em 14 de Agosto de 2010, 03:59
Caro irmão Din-Din,é permitido a mim não aceitar o seu questionamento com relação ao que eu entendo por livre arbitrío,uma vez que eu fui muito claro na colocação das palavras:a vontade de Deus é soberana quanto a sua obdiência,mais ao mesmo tempo, deixou aos seus filhos o livre arbitrio,assumindo eles os riscos e peso da responsabilidade quanto ao uso deste.
fique na paz e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: dim-dim em 14 de Agosto de 2010, 20:19
Caro irmão Din-Din,é permitido a mim não aceitar o seu questionamento com relação ao que eu entendo por livre arbitrío,uma vez que eu fui muito claro na colocação das palavras:a vontade de Deus é soberana quanto a sua obdiência,mais ao mesmo tempo, deixou aos seus filhos o livre arbitrio,assumindo eles os riscos e peso da responsabilidade quanto ao uso deste.
fique na paz e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.

Sim, amigo Barbosa. Compreendi a primeira parte da sua mensagem, "seja feita a vontade de Deus", quanto ao livre arbítrio não concordei nem concordo.

Se desde que nascemos nos ensinam a pensar e a agir, impregnando-nos com um montão de condicionamentos e preconceitos, como vai existir livre arbítrio, amigo Barbosa? Nunca somos livres para decidir. A nossa decisão é sempre baseada no que nos ensinaram.


Namasté
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: hcancela em 14 de Agosto de 2010, 23:16
Olá amigos(as)

Perdoem entrar no vosso diálogo, e neste caso um assunto muito interessante, mas que nem sempre bem compreendido. :)

Lembro se colocarmos tudo só nesta vida, de facto não iriamos ver muita bondade em Deus, mas!...Há sempre um mas. :-*

Como sabem a vida é um continuo, como tal convido a ler um pequeno texto.



Considerando a Lei de Causa e Efeito, é uma Lei Divina, e que as Leis Divinas foram escritas por Deus, conclui-se que: "Na natureza não há prêmios ou castigos. Há consequências"!

A falsa noção de (carma) inflexível, nos conduz a dois grandes erros. Um é que o Espiritismo prega ou endossa a necessidade da dor, isto não é verdade.

A dor só seria uma necessidade, se o Espiritismo pregasse que todos deveríamos ser um grupo de masoquistas! O que a Doutrina dos Espíritos demonstra com clareza, é a utilidade da dor, quando persistirmos no egoísmo, no orgulho, na vaidade e demais defeitos lesivos à comunhão de solidariedade com os semelhantes. A dor não é uma criação divina. A dor é criação de quem sofre!

O outro erro é a crença de que a Doutrina Espírita, aconselha o conformismo diante da "má sorte"; isto também não é correto; o que ela ensina é a resignação, atitude bastante diferente, adequada para nos fazer aceitar sem desespero aquilo que não podemos mudar.

Compreendamos, o (carma), como espécie de conta corrente das ações que praticamos no Banco deste mundo, onde há séculos caminhamos endividados, cadastrados no SPC da vida, pela constante emissão de cheques sem os necessários fundos de bondade, caridade, amor, etc...

Resgatemos nosso débito, limpemos o nosso nome no SPC, emitindo cheques com a devida provisão de fundos e isso é possível, através da prestação de serviços de caridade ao próximo, e estejamos convencidos de que, dessa forma, tanto economizaremos lágrimas, como conquistaremos um bom saldo de felicidade!

"Aquele que muito amou foi perdoado, não aquele que muito sofreu". O amor é que cobriu, isto é, resgatou a multidão de pecados, não a punição ou o castigo.

Transformar ações, amando, é alterar nosso (carma) para melhor, atraindo pessoas e situações harmoniosas para junto da gente. É, em última instância, a nossa indispensável e indelegável reforma íntima!

Nós decidimos, nós plantamos e nós colhemos!

Nossa vida é simplesmente o reflexo das nossas ações.

Se, queremos mais amor no mundo, criemos mais amor no nosso coração.

Se, queremos mais tolerância das pessoas, sejamos mais tolerantes.

Se, queremos mais alegria no mundo, sejamos mais alegres.

Nossa vida não é uma sucessão de coincidências, de acasos, nossa vida é a simples consequência de nós mesmos!!!

Muita paz para todos, e fiquem com Deus.


SAUDAÇÕES FRATERNAS

Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Antonio Renato em 15 de Agosto de 2010, 03:05
Caro irmão Din-Din,se me permite um replica,eu não concordo com a sua tese de afirmar que nunca somos livres para decidir,somos seres dotados de inteligência,o condicionamento nos é imposto no inicio do nosso aprendizado,a medida que vamos nos esclarecendo vamos tendo a liberdade de tomamos nossas proprias decisões,podendo elas serem certas ou erradas,eis a razão do livre arbitrio.
  Fique na paz.
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Aneman em 15 de Agosto de 2010, 03:07
Adriane,
Por vezes é dificílimo tomar decisões quando envolvam terceiros, com receio de ferir susceptibilidades; mas por vezes torna-se necessário. A ajuda espiritual pode vir de um Centro Espirita ou se fizer uma prece, como já foi referido, pode acontecer que tenha um insight, isto é que a solução do problema lhe ocorra de maneira clara e concisa. Se tal não acontecer procure um profissional que pode ser um psicólogo ou um advogado ou uma pessoa de bom porte moral, nunca astrólogos, videntes ou bruxos, desses que põe anúncios nos jornais para esfolar o próximo!
Espero que tudo se resolva da melhor maneira e que encontre a paz que tanto anseia.
Força
Aneman
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: psi em 15 de Agosto de 2010, 03:56
Quando nós tomamos uma decisão difícil ou pretendemos resolver um problema grave, muitas vezes necessitamos estar devidamente informados e doumentados, pois sem isso não encontramos as devidas soluções ou então erramos.
Ora há pessoas com conhecimentos que lhes permitem tomar decisões correctas, ao invés há pessoas ignorantes que não estão preparadas para tomar decisões certas. Em face do exposto, parece que o livre-arbítrio não é igual para todos?!
 

Olá Aneman

Os espíritos foram criados por Deus simples e ignorantes. Isso quer dizer que no princípio não tinham nenhum discernimento do que era certo ou errado no que diz respeito às Leis de Deus. Agiam de acordo com a sua consciência e o seu livre-arbítrio para tomar as decisões diante das circunstâncias e adversidades da vida.
Digo isso porque em nossas primeiras encarnações no reino hominal não existiam leis ou códigos sociais que pautassem a conduta ética dos indivíduos em uma época remotíssima em que sequer havia sociedade. Assim, o que era correto ou normal para uns, seria um crime ou uma conduta condenável para outros.
E neste contexto, como o espírito encarnado saberia diferenciar os atos dignos dos indignos? Simplesmente, por tentativa e erro. Agora, a consciência do erro só vai ser percebida quando o espírito sofrer de outrem o mesmo ato indigno que causou ao semelhante. Aí ele terá parâmetros para saber diferenciar o que é bom do que é ruim. Tudo vai funcionar tomando-se como base aquela máxima cristã:
" Faça aos outros aquilo que gostaria que os outros lhe fizessem", ou vice-versa: " Não faça aos outros aquilo que não gostaria que os outros lhe fizessem". Agora, se o espírito mesmo consciente dessa máxima, continua a persistir no erro, a infringir as leis divinas, haverá de carregar consigo os débitos que deverá pagar pela Lei da causa e efeito, através da dor expiatória e reparadora.

Um abraço

PSI     
 
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Aneman em 15 de Agosto de 2010, 15:39
Amigo PSI,
O livre-arbítrio pressupõe uma escolha consciente, senão não é livre. É claro que a maioria das vezes, temos a noção do que estamos a fazer e, nestas circunstâncias, o livre-arbítrio funciona - pois podemos escolher entre o bem e o mal. Todavia se nos encontrarmos numa encruzilhada, sem qualquer indicação para a localidade onde querermos ir (Quem é que já não se perdeu...) temos n possibilidades de errar e errando, não podemos simplesmente culpar o livre-arbítrio. Há muitas situações cuja imagem é semelhante a esta, no campo moral, em que verdadeiramente não sabemos como agir e assim sendo aonde é que podemos encontrar o livre-arbítrio? A não ser que definamos o livre-arbítrio como a possilidade de escolher entre o bem e o mal quando estes estejam completamente definidos num determinado momento...
Muita paz.
José
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: psi em 15 de Agosto de 2010, 16:18
Caro amigo José,

Se nos primórdios da humanidade onde o espírito ainda não tem a consciência entre o que é o bem e o mal, agindo ainda muito mais pelo instinto do que pela razão, ele não tiver a liberdade de decidir(o livre arbítrio), quem é que vai decidir por ele?

Um abraço

PSI
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: MarcoALSilva em 15 de Agosto de 2010, 17:36

É impossível cogitar do livre-arbítrio sem atentar para a onipresente fábula do anjo decaído.

Filtrando o simbolismo, somos nós os anjos decaídos... A "queda" não é tão-somente, exclusivamente, a descida à matéria... Seja livre ou não, o fato é que, conquanto ainda rico em instintos e submetido em grande parte a eles, o ser passou a decidir dentro de seus limites. A "queda" é, em boa parte, a decisão de fazer consoante a busca do que traz maior prazer aos sentidos (independentemente disso ser chamado de "pecado" por várias religiões). Não é um mal em si. É apenas uma fase evolutiva em que o apelo sensorial ainda predomina. A dualidade bem/mal é uma fórmula teológica primária de um modelo fundado nos ensinos antigos deturpados ao sabor do interesse de conduzir o ente coletivo.

Colocada assim a questão parece destoar do ensino dos Espíritos, como codificado; mas não creio que haja contradição alguma. Paixões e vícios estão na raiz do chamado "mal", que, por sua vez, decorre do instinto de conservação.

Marco

Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Aneman em 15 de Agosto de 2010, 21:19
Caro PSI,
Se se pensa que o livre arbítrio é uma escolha entre o que é agradável e o que é desagradável, então você tem razão!
Eu, porém, parece-me, que é mais do que isso. Para mim o livre-arbítrio é uma escolha entre o bem e o mal, sendo que esta definição peca por ser demasiado curta e necessita de ser ampliada.
O homem primitivo enquanto seguir os seus instintos, tal como os animais, não tem, na minha opinião, livre-arbítrio nem responsabilidade moral; pode ser que, por essa via, tenha a aptidão de adquirir conhecimentos, mas isso é outra história... Só quando a consciência moral desperta é que pode ser responsabilizado e, então é que tem livre arbítrio para optar pelo que é bom ou pelo que é mau, conforme a sua capacidade.
O que defendo  é uma definição, em sentido restrito, do livre-arbítrio, tendo em conta o grau de responsabilidade de cada um, conforme os seus conhecimentos e a capacidade de discernimento.
Evidentemente o assunto não se esgota aqui, outras opiniões serem bem-vindas para melhor esclarecimento
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: psi em 15 de Agosto de 2010, 22:00
Olá José,

cito o amigo: O que defendo  é uma definição, em sentido restrito, do livre-arbítrio, tendo em conta o grau de responsabilidade de cada um, conforme os seus conhecimentos e a capacidade de discernimento.


Mas é exatamente o que Kardec nos diz na questão 849 do L.E.

849-Qual é, no homem em estado selvagem, a faculdade dominante: o instinto ou o livre-arbítrio?
_ O instinto, o que não o impede de agir com inteira liberdade em certas coisas. Mas, como a criança, ele aplica essa liberdade às suas necessidades e ela se desenvolve com a inteligência. Por conseguinte, tu, que és mais esclarecido que um selvagem, és também mais responsável que ele pelo que fazes.      


Veja o amigo que Kardec relaciona o espírito cujos atos ainda estão mais pautados pela consciência instintiva, a um menor grau de responsabilidade no que diz respeito aos erros eventualmente decorrentes desses atos. Da mesma forma, conforme o espírito passa a agir mais pela consciência racional e menos pela instintiva e vai tendo mais compreensão das consequências dos seus atos, ele vai também passando a ser mais responsabilizado pelos mesmos. Veja que Kardec não diz que o selvagem não tem livre-arbítrio, mas sim que a maioria dos seus atos estão condicionados aos instintos de preservação. Deus é justo e tudo leva em conta.

Um abraço


PSI


Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: dim-dim em 16 de Agosto de 2010, 13:49

Olá!

O livre arbítrio não tem nada a ver com o ter, nem existe nessas percepções condicionadas e iludidas do bem e do mal, nessas percepções dualistas.

Livre arbítrio tem a ver com liberdade, com o ser.


Namasté
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: mecame em 16 de Agosto de 2010, 18:56
O que é o livre- arbítrio, irmãozinhos, senão apenas a sua própria liberdade. Não se consumam pelas filosofias que criam dicotomias. Visitem-se por dentro, reconheçam a ignorancia e limpem-se. Reguem o amor e a paz. Se encontrarem o amor, não se preocupem com o livre- arbítrio, pois sempre farão o que é justo. Que o amor de Cristo esteja no interior de todos vocês, irmãozinhos. A paz de Cristo.
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Antonio Renato em 17 de Agosto de 2010, 03:12
Caro irmão Din-Dim,não há visão dualista ou seja não há dois principios.Baseado no moral do individuo ele pode,deve e tem o direito de tomar decisões no livre pensar e agir, sem que isto seja uma rebelião contra Deus,pois foi o próprio que nos deu esta liberdade,concordando com o nosso irmão Mecame,sem que seja necessário criar dicotomias,não seja pois dono da verdade ou se plante na arrogância do saber.
 Fique na paz e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
           Antonio Renato
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: dim-dim em 17 de Agosto de 2010, 14:36
Caro irmão Din-Dim,não há visão dualista ou seja não há dois principios.Baseado no moral do individuo ele pode,deve e tem o direito de tomar decisões no livre pensar e agir, sem que isto seja uma rebelião contra Deus,pois foi o próprio que nos deu esta liberdade,concordando com o nosso irmão Mecame,sem que seja necessário criar dicotomias,não seja pois dono da verdade ou se plante na arrogância do saber.
 Fique na paz e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
           Antonio Renato

Igualmente para si amigo.

Fique na sua.


Namasté
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: psi em 17 de Agosto de 2010, 15:20
Para a reflexão:

Há dois tipos de sabedoria:
 a inferior e a superior.

 A sabedoria inferior é dada pelo quanto uma pessoa sabe
 e a superior é dada pelo quanto ela tem consciência de que não sabe.
 Tenha a sabedoria superior.
 Seja um eterno aprendiz na escola da vida.

 A sabedoria superior tolera;
 a inferior, julga;
 a superior, alivia;
 a inferior, culpa;
 a superior, perdoa; a inferior, condena.
 Tem coisas que o coração só fala
 para quem sabe escutar!

 (Chico Xavier)


Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Diegas em 17 de Agosto de 2010, 16:59
'...eu preciso muito tomar uma decisão muito importante na minha vida, onde envolve filhos, sentimentos, amor, mas estou fugindo dessa decisão a meses, por medo de tomar a decisão errada e magoar mais pessoas do que já magooei...'

Olá, Adriane

Pelo visto voce já decidiu, só aguarda uma oportunidade.

Importante saber que lado pesa a balança, o maior beneficiario dessa sua decisão. Preferivel sacrificar-se por alguem, ou em favor da maioria.

Qual o melhor: colher alguns momentos felizes; ou investir a longo prazo na busca da plena felicidade ?


Abç
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Antonio Renato em 18 de Agosto de 2010, 01:12
Caro irmão Diegas,a felicidade plena não existe ,existe sim momentos felizes para aqueles que buscam a felicidade.
fique na paz
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Haga em 18 de Agosto de 2010, 16:43
Interligação universal
(Ou “De como comprar um pão pode afetar a Plutão”)
 
Para demonstramos a interligação de todo Universo e poder deixar bem claro a necessidade de Deus interferir em todos os atos dos espíritos na carne, dando a decisão final de cada um deles por menor que seja, vamos contar a história de como o ato de comprar um pão em uma padaria pode ter reflexos em Plutão, planeta do sistema solar que chamamos Terra.
Quando um espírito na carne vai comprar pão, está entregando ao dono da padaria o dinheiro para pagamento dele. Este dinheiro interferirá na vida do dono da padaria e de todos os seus dependentes, pois poderá servir para auxiliar ou atrasar as provas que estes espíritos tenham que fazer, bem como a de cada empregado e sua família...
Além de influenciar nas provas individuais destes seres, se pudessem comprar o pão onde quisessem, os seres humanizados poderiam afetar o equilíbrio da cidade onde moram.
Se todos resolvessem comprar o pão em uma única padaria, outros seres na carne enfrentariam a falência, seus empregados, o desemprego, e seus fornecedores problemas monetários. Além disso, todos os outros comércios da cidade ficariam afetados com a concentração da riqueza de uma cidade apenas nas mãos de um só ser humano.
Por isto Deus precisa determinar quem vai comprar o pão e em qual padaria, quem poderá ser admitido ou demitido do seu emprego, quem precisa ganhar dinheiro ou não. Todo o equilíbrio da cidade depende do pão e onde ele será comprado...
Do dinheiro utilizado para comprar o pão, parte será destinada ao governo do país. Será distribuído entre o município, o estado e a federação. Se todos comprassem mais pão e menos feijão, a diferença do valor do imposto afetaria não só o município, mas todo o estado e até a nação.
Todos receberão parte do dinheiro que aquele espírito na carne gastou na padaria para comprar um pãozinho. Assim, todo o funcionamento da máquina estatal de um país depende também do número de pães que será consumido.
Além de tudo, Deus precisa determinar o que cada um deve comer para que os governos possam praticar a caridade pública.
Contudo, se todos resolvessem comer mais pães que o normal, o consumo de trigo aumentaria e teria que haver mais plantio deste grão. Para se aumentar essa produção, mais matas teriam que ser devastadas.
O equilíbrio ecológico do planeta Terra também depende da quantidade de pão consumido por cada um e é por isso que Deus precisa dizer a cada um quantos pães deve comer por dia, e quando comer...
Com o dinheiro arrecadado por impostos o governo faz o comércio externo. Desta forma, o dinheiro do pãozinho serve para que o país se relacione com os irmãos mais longínquos que dividem o planeta com ele.
O dinheiro do pão comprado aqui no Brasil pode ajudar a manter o emprego de alguém nascido no Japão e, conseqüentemente, estará influenciando também a família deste. Assim, até um desemprego mundial pode nascer pelo fato de muitas pessoas decidirem não comprar mais pão.
Para que todo o planeta tenha condições de vida dentro do previsto pelo Pai é que Ele precisa determinar onde e quantos pães cada um deve comprar.
O dinheiro recebido pelo pão comprado no Brasil poderá servir também para colaborar para que um outro país desenvolva tecnologias que permitam a construção de naves espaciais capazes de chegar até Plutão!

Chegamos no destino de nossa viagem: saímos da padaria do bairro de qualquer cidade do Brasil e chegamos ao planeta Plutão, com o dinheiro do pão.
Esta é a interação de todo o planeta: de um pão chegamos a Plutão. Se isso pode acontecer, se o equilíbrio de todo o Universo depende da compra de um pão, como entregar o comando deste ato a um espírito que se encontra insensível a todas estas repercussões universais pela sua visão estritamente material? Como deixar a decisão que afeta a todo Universo a um ser que está apenas preocupado em matar a sua própria fome?
Tudo o que se executa no Universo repercute como as ondas formadas na água quando uma pedra é jogada nela. Mesmo aqueles espíritos que se encontram fora da carne, em qualquer grau de evolução, não conseguem ainda ver até onde e como essas ondas afetarão o equilíbrio universal. Apenas Deus, Todo Poderoso, Onisciente e Onipresente tem a visão para comandar os “reflexos da onda”.
Este é o poder de Deus, esta é a responsabilidade do Pai.
Pense nisso!
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Antonio Renato em 19 de Agosto de 2010, 02:50
Caro irmão Haga,o seu ponto de vista eu entendi, quanto a questão do desequilibrio até do universo fica um pouco sem nexo e até retórico,a questão da escolha da padaria onde vou comprar o pão depende mais da qualidade deste,apesar de ambos terem sido feito com a mesma matéria prima,nesta escolha fiz uso do meu direito de livre arbítrio sem que eu tenha com isto desobedecido a Deus,ele vai continuar a nos comandar,pois é o centro do universo,não se deve colocar o peso da responsabilidade somente em quem escolheu só comprar naquela padaria mais tambem no dono desta que não deu uma melhor qualidade ao seu produto,o resto é bla bla bla.
fique na paz e que Deus na sua infinita grandeza nos abençoe sempre.
Título: Re: Livre-arbítrio
Enviado por: Mirina em 30 de Agosto de 2010, 02:20
Aneman e todos os irmãos,
lendo as respostas propostas tirei algumas conclusões pessoais que quero partilhar com vcs!
Creio que o entendimento do livre arbitrio encontra-se aqui equivocado. É dado sim, a todo espirito encarnado ou não, o direito divino do livre arbitrio e a este não se pode contrapor nem mesmo nossos guias e mentores espirituais.
Todo espirito(encarnado ou não) tem que ter absoluta consciencia da lei de causa e efeito, isto é, ao tomar uma decisão arcará com todas as consequencias deste ato, que podem ser boas ou ruins.
Agora a dúvida sua é quanto a capacidade de cada um tomar a decisão correta de acordo com seu grau de evolução e conhecimento, certo?
Aqui, sinto um veio de orgulho  e vaidade a cerca da questão, pois cre nosso amigo que sendo o ser de um de evolução ou conhecimento inferior não será capaz de usufruir de seus processos de decisão?
Saiba que está no ESE e no LE, que quanto maior sua evolução e consciencia maior a sua responsabilidade.
Tomar uma decisão é fundamental no caminho da evolução, e querer poupar outros de sofrimento é uma forma de impedir que estes evoluam.  Lembre-se para que o mal triunfe, basta que não se faça nada, nem o bem.
Ficar paralisados ante uma questão, não só prolonga uma situação como, pode sim, acarretar maior responsabilidade para o ser, pois havendo condições de fazê-lo não o fez, por medo ou por desinteresse.
Reflitam, aguardo suas repostas,
Abs,