Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => O Livro dos Espíritos => Tópico iniciado por: Dami em 11 de Outubro de 2009, 22:39

Título: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Dami em 11 de Outubro de 2009, 22:39
Saudações a todos!

282. Como se comunicam entre si os Espíritos? ???

“Eles se vêem e se compreendem. A palavra é material: é o reflexo do Espírito. O fluido universal estabelece entre eles constante comunicação; é o veículo da transmissão de seus pensamentos, como, para vós, o ar o é do som. É uma espécie de telégrafo universal, que liga todos os mundos e permite que os Espíritos se correspondam de um mundo a outro.”

Caros amigos, gostaria de compreender melhor esta questão e quem puder me ajudar agradeço.
Algumas questões a serem levantadas, como é essa historia de a palavra ser material?
Para nos comunicarmos aqui na Terra, precisamos do nosso aparelho fonador, creio que no mundo espiritual não existe este tal aparelho fonador, então como se dá a emissão do som?
Outra questão, como é possível espíritos se comunicarem estado a distancia que entre nós aqui na Terra parecem ser impossíveis de serem medidas? Como seria essa especie de Telegrafo Universal?

Quem puder me ajudar, incluindo fontes, agradeço, pois preciso apresentar um trabalho sobre esse assunto. Só uma ressalva, o assunto é comunicação ENTRE ESPIRITOS DESENCARNADOS

Muita paz

Dami

Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Dami em 17 de Novembro de 2009, 12:36
Saudações!
Gostaria de agradecer aos companheiros que me deram algumas dicas sobre esta pesquisa.
Gostaria de saber se alguém sabe em que freqüência se comunicam os espíritos desencarnados ?
Grato pela atenção.
Muita paz
Dami
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Orom em 17 de Novembro de 2009, 12:54
É um tanto complexo o assunto, devido a não conhecermos a física do mundo espiritual.

Analise que o som se propaga pelo ar no nosso mundo, mas o espírito não necessita de ar, pode estar na água no fogo.

Na verdade Dami, audição, visão enfim os sentidos são criados pelo nosso ego, é uma forma de percebermos o ambiente externo (ou seja, o mundo dos encarnados).

Na verdade isso é legal, mas na real não é importante. Deve ter ficado chocado pela minha suposição?

Não fica amigo! Relaxa, o importante é o fato que Jesus fala na parabóla do samaritano, para encontrar a chaves dos céus basta amar a Deus e ao próximo, lembra-te do que o samaritano fez na parabola e encontrará a chave para boa parte das tuas perguntas, coisas importantes deixam de ser e a vida segue com um fardo mais leve.

Abraço, boa sorte na jornada e no que puder ajudar..
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Dami em 17 de Novembro de 2009, 13:13
Obrigado amigo, pela sua colaboração.
É realmente complexa a questão, mas independente da forma como o "som" (vamos chamar assim) se propaga entre os espíritos desencarnados, eu na minha ignorância física acredito que deva haver um limite, uma faixa, faixa essa, que na minha teoria não pode ser entre 20hz e 20000hz ( faixa onde o ouvido humano consegue perceber o som ).
Pelo que pude perceber, também não pode ser inferior a 20hz, André Luiz em seu livro Mecanismos da Mediunidade, nos fala sobre isso. Lá também André Luiz nos fala que os Espíritos de Luz se comunicam em altíssimas freqüências, ondas muito, muito curtas.
Minha questão principal era tentar descobrir em que freqüência os espíritos desencarnados mais atrasados, se comunicam.
Não é nenhuma questão importantíssima, na qual não eu não possa sobreviver, mesmo que não seja um numero exato, confiável, mesmo que fique na faixa da especulação, gostaria de ter uma noção.
Muita paz
Dami

Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Orom em 17 de Novembro de 2009, 13:24
Bem eu encontrei uma tabela de física.

Talvez te ajude. O que muda nisso tudo é o comprimento da onda.

http://docs.google.com/gview?a=v&q=cache%3AdXT9PwBhrdAJ%3Awww.projetofundao.ufrj.br%2Fbiologia%2Fimages%2Fmateriais%2Fos_sons_e_as_cores_juliana_americo.pdf+frequencias+som+infra+som+ultra+som+luz+infra+vermelho&hl=pt-BR&gl=br&sig=AFQjCNHde9iuPpBv0Sco6rgLiElJYgIqUQ&pli=1 (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2RvY3MuZ29vZ2xlLmNvbS9ndmlldz9hPXYmYW1wO3E9Y2FjaGUlM0FkWFQ5UHdCaHJkQUolM0F3d3cucHJvamV0b2Z1bmRhby51ZnJqLmJyJTJGYmlvbG9naWElMkZpbWFnZXMlMkZtYXRlcmlhaXMlMkZvc19zb25zX2VfYXNfY29yZXNfanVsaWFuYV9hbWVyaWNvLnBkZitmcmVxdWVuY2lhcytzb20raW5mcmErc29tK3VsdHJhK3NvbStsdXoraW5mcmErdmVybWVsaG8mYW1wO2hsPXB0LUJSJmFtcDtnbD1iciZhbXA7c2lnPUFGUWpDTkhkZTlpdVBwQnYwU2NvNnJnTGlFbEpZZ0lxVVEmYW1wO3BsaT0x)

Na primeira folha tem ali naquele infograma.

Até se tiver dúvida, entre em contato me mande teu msn que a gente discute sobre isso, eu tenho uma pequena noção de física.
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Vitor Santos em 17 de Novembro de 2009, 15:36
Olá


A morte descrita pelos mortos segundo a carne:

Citar
"O céu e o Inferno", de Kardec

SAMUEL FILIPE

...

- P. Tendes uma recordação nítida dos últimos instantes da vida na Terra?
- R. Perfeitamente, conquanto essa recordação reaparecesse gradualmente. No instante
preciso do desprendimento eram confusas as minhas idéias.
- P. Quereríeis, a bem da nossa instrução e do interesse que nos mereceis pela vossa vida exemplar, descrever como ocorreu o vosso trespasse da vida corporal para a espiritual?
- R. De bom grado, tanto mais quanto a narrativa não aproveitará somente a vós, mas a mim próprio, por isso que, dirigindo o meu pensamento para a Terra, a comparação faz-me apreciar melhor a bondade do Criador. Sabeis que de tribulações provei na vida; entretanto, jamais me faltou coragem na adversidade, graças a Deus! E hoje, felicito-me! E ainda tremo ao pensar que tudo quanto sofri se anularia caso desfalecesse, tendo de recomeçar novamente as provações! Oh! meus amigos, compenetrai-vos firmemente desta verdade, pois nela reside a felicidade do vosso futuro. Não é, por certo, comprar muito caro essa felicidade por alguns anos de sofrimento! Ah! Se soubésseis o que são alguns anos comparados ao infinito! Se de fato a minha última existência teve algum mérito aos vossos olhos, outro tanto não diríeis das que a precederam. E não foi senão à força de trabalho sobre mim mesmo, que me tornei o que ora sou. Para apagar os últimos traços das faltas anteriores, era-me preciso sofrer as últimas provas que voluntariamente aceitei. Foi na firmeza das minhas resoluções que escudei a resignação, a fim de sofrer sem me queixar. Hoje abençôo essas provações, pois a elas devo o ter rompido com o passado - simples recordação agora que me permite contemplar com legitima alegria o caminho percorrido.
"Oh! vós que me fizestes padecer na Terra; que fostes cruéis e malévolos para comigo, que me humilhastes e afligistes; vós, cuja má-fé tantas vezes me acarretou duras privações, não somente vos perdôo mas até vos agradeço. Intentando fazer mal, não suspeitáveis do bem que esse mal me proporcionaria. É verdade, portanto, que a vós devo grande parte da
felicidade de que gozo, uma vez que me facultastes ocasião para perdoar e pagar o mal
com o bem. Deus colocou-vos em meu caminho para aferir a minha paciência, exercitando-me igualmente na prática da mais difícil caridade: a de amar os inimigos.

"Não vos impacienteis com esta divagação, porquanto vou responder agora à vossa pergunta. Conquanto sofresse cruelmente com a moléstia que me acometeu, quase não tive agonia: a morte sobreveio-me como um sono, sem lutas nem abalos. Sem temor pelo futuro, não me apeguei à vida e não tive, por conseguinte, de me debater nos últimos momentos. A separação completou-se sem dor, nem esforço, sem que eu mesmo de tal me apercebesse. Ignoro que tempo durou o sono, que foi curto aliás. Meu calmo despertar contrastava com o estado precedente: não sentia mais dores e exultava de alegria; queria erguer-me, caminhar, mas um torpor nada desagradável, antes deleitoso, me prendia, e eu me abandonava a ele prazerosamente, sem compreender a minha situação, conquanto não duvidasse ter já deixado a Terra.

Tudo que me cercava era como se fora um sonho. Vi minha mulher e alguns amigos ajoelhados no meu quarto, chorando, e considerei de mim para mim que me julgavam morto. Quis então desenganá-los de tal idéia, mas não pude articular uma palavra, e daí concluí que sonhava. O fato de me ver cercado de pessoas caras, de há muito falecidas, e ainda de outras que à primeira vista não podia reconhecer, fortalecia em mim essa idéia de um sonho, em que tais seres por mim velassem.

Esse estado foi alternado de momentos de lucidez e de sonolência, durante os
quais eu recobrava e perdia a consciência do meu "eu". Pouco a pouco as minhas idéias adquiriram mais lucidez, a luz que entrevia, por denso nevoeiro, fez-se brilhante; e eu comecei a compreender-me, a reconhecer-me, compreendendo e reconhecendo que não mais pertencia a esse mundo. Certamente, se eu não conhecesse o Espiritismo, a ilusão
perduraria por muito mais tempo. O meu invólucro material não estava ainda inumado e eu o olhava com piedade, felicitando-me pela separação, pela liberdade. Pois se eu era tão feliz por me haver enfim desembaraçado! Respirava livremente como quem sai de uma atmosfera nauseante; indizível sensação de bem-estar penetrava todo o meu ser, a presença dos que amara alegrava-me sem me surpreender, antes parecendo-me natural, como se os encontrasse depois de longa viagem. Uma coisa me admirou logo: o compreendermo-nos sem articular uma palavra! Os nossos pensamentos transmitiam-se pelo olhar somente, como que por efeito de uma penetração fluídica. Eu não estava, no entanto, completamente livre das preocupações terrenas, e, como para realçar mais a nova situação, a lembrança do que padecera me ocorria de vez em quando à memória.
Sofrera corporal e moralmente, sobretudo moralmente, como alvo que fui da maledicência, dessas infinitas preocupações mais acerbas talvez que as desgraças reais, quando degeneraram em perpétua ansiedade.

E ainda bem não se desvaneciam tais impressões, já eu interrogava a mim mesmo se de fato delas me libertara, parecendo-me ouvir ainda umas tantas vozes desagradáveis.
Reconsiderando as dificuldades que tanto e tantas vezes me atormentavam, tremia; e procurava, por assim dizer, reconhecer-me, assegurar-me que tudo aquilo não passava de fantástico sonho. E quando cheguei à conclusão, à realidade dessa nova situação, foi como se me aliviasse de um peso enorme. É bem verdade, dizia, que estou isento desses cuidados que fazem o tormento da vida! Graças a Deus! Também o pobre, repentinamente enriquecido, duvida da realidade da sua fortuna e alimenta por algum tempo as apreensões da pobreza. Assim era eu.

....

bem hajam
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 17 de Novembro de 2009, 16:00
A própria questão resolve a dúvida quando ensina: "O fluido universal estabelece entre eles constante comunicação; é o veículo da transmissão de seus pensamentos, como, para vós, o ar o é do som".
Abraços,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mr.Kite em 25 de Novembro de 2009, 15:58
Confesso, caros amigos, que a mim essa questão é bem vaga.

Para mim que, ainda, sou um mero espírito terráqueo, a falta de palavras, e outras formas de expressão, são demasiadamente mais interessantes. Um sorriso, uma conversa, é a graça da vida para mim. Se for esse ostracismo que eu penso, não me parece interessante assim. Mas claro, que isso denota a minha condição espiritual. Que graça tem, olhar todo mundo, ficar calado e entender? SE FOR COMO PENSO, o que é provável que não o seja, prefiro articular meus proseados...rsrs

abraços.
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 25 de Novembro de 2009, 16:05
Mas Kite,
você fala em encarnados quando a questão aborda os desencarnados.
Abraços,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mr.Kite em 25 de Novembro de 2009, 16:42
Mesmo desencarnados, mano Moura...

PARA MIM, seria um salto muito grande. Quero chegar lá e conversar com todo mundo...rsrs

Embora eu pense que isso vai da evolução do espírito.

Abraços.
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 25 de Novembro de 2009, 16:49
Eu também sou chegado num bom papo mano Kite, mas lá por cima, se puder falar pelo pensamento, vou usar minha boca pra comer mais churrasco, mesmo os fluidicos hehehe.
abraços,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: EsoEstudos em 25 de Novembro de 2009, 17:00

Saudações a todos!

Para compreender a resposta dada à questão 282 de O Livro dos Espíritos é preciso atentar para todo um tópico destacado nessa obra: Ensaio teórico da sensação nos Espíritos (itens 257 e seguintes).

Basicamente:

[...]
No corpo, os órgãos, servindo- lhes de condutos, localizam essas sensações. Destruído o corpo, elas se tornam gerais. Daí o Espírito não dizer que sofre mais da cabeça do que dos pés, ou vice-versa. Não se confundam, porém, as sensações do perispírito, que se tornou independente, com as do corpo.
[...]
O som dos nossos instrumentos, o
perfume das nossas flores nenhuma impressão lhe causam. Entretanto, ele experimenta
sensações íntimas, de um encanto indefinível, das quais idéia alguma podemos formar,
porque, a esse respeito, somos quais cegos de nascença diante a luz. Sabemos que isso é
real; mas, por que meio se produz? Até lá não vai a nossa ciência. Sabemos que no Espírito
há percepção, sensação, audição, visão; que essas faculdades são atributos do ser todo e
não, como no homem, de uma parte apenas do ser; mas, de que modo ele as tem? Ignoramo-lo. Os próprios Espíritos nada nos podem informar sobre isso, por inadequada a nossa linguagem a exprimir idéias que não possuímos, precisamente como o é, por falta de termos próprios, a dos selvagens, para traduzir idéias referentes às nossas artes, ciências e doutrinas filosóficas.
Dizendo que os Espíritos são inacessíveis às impressões da matéria que conhecemos, referimo-nos aos Espíritos muito elevados, cujo envoltório etéreo não encontra analogia neste mundo. Outro tanto não acontece com os de perispírito mais denso, os quais percebem os nossos sons e odores, não, porém, apenas por uma parte limitada de suas individualidades, conforme lhes sucedia quando vivos. Pode-se dizer que, neles, as vibrações moleculares se fazem sentir em todo o ser e lhes chegam assim ao sensorium commune, que é o próprio Espírito, embora de modo diverso e talvez, também, dando uma impressão diferente, o que modifica a percepção. Eles ouvem o som da nossa voz,
entretanto nos compreendem sem o auxílio da palavra, somente pela transmissão do
pensamento
.


Entre desencarnados, a vibração do pensamento imprime ondas no fluido universal, atingindo o foco de consciência do outro Espírito por esse meio; nos encarnados há o reflexo material no meio físico, vibrando em perfeito eco do plano etério a articulação dos sons no méio gasoso.


Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Vitor Santos em 25 de Novembro de 2009, 17:21
Olá

E entre os encarnados, julgo que a comunicação não será apenas verbal. Quantas vezes simpatizamos com uma pessoa, ou não simpatizamos com uma pessoa sem ter uma base racional para chegarmos a uma conclusão dessas. Serão sinais que fazemos sem querer, captados pelos sentidos, ou serão repercussões da interacção entre perispiritos?

bem hajam
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: dim-dim em 25 de Novembro de 2009, 17:51

Olá!

E quando entre encarnados, dois ou mais, se deparam com situações inesperadas, aflitivas ou não; o saber, para reagir, é instantâneo e transmite-se pelo olhar apenas. Só há lugar a palavras ou conversa se não estiver em risco a vida.

"O estar entre a espada e a parede" é esclarecedor e revela facetas desconhecidas!


Namasté
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mr.Kite em 25 de Novembro de 2009, 18:09
Não vou nem dizer nada que é para não quebrar o encanto...rsrs ;D

Abraços!
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: EsoEstudos em 25 de Novembro de 2009, 19:30
Olá
E entre os encarnados, julgo que a comunicação não será apenas verbal. Quantas vezes simpatizamos com uma pessoa, ou não simpatizamos com uma pessoa sem ter uma base racional para chegarmos a uma conclusão dessas. Serão sinais que fazemos sem querer, captados pelos sentidos, ou serão repercussões da interacção entre perispiritos?
bem hajam

Saudações Vitor Santos!

Eles ouvem o som da nossa voz, entretanto nos compreendem sem o auxílio da palavra, somente pela transmissão do pensamento.

Sem arriscar-me em desbordo da Codificação, creio seja-nos lícito entender como parte da transmissão da idéia (não do pensamento em si) a leitura mais ou menos acurada dos sinais referidos. É a chamada "hiperestesia direta", no linguajar de Oscar Gonzales Quevedo  ("A Face Oculta da Mente", obra que ouso não recomendar).

À epiderme de um fenômeno, fenômenos menores conjugam-se.

De qualquer modo, consoante a Doutrina dos Espíritos, mesmo ouvindo sons o pensamento é transmitido na via própria.

- O Livro dos Espíritos

249. Percebe os sons?
“Sim, percebe mesmo sons imperceptíveis para os vossos sentidos obtusos.”

a) - No Espírito, a faculdade de ouvir está em todo ele, como a de ver?

“Todas as percepções constituem atributos do Espírito e lhe são inerentes ao ser.
Quando o reveste um corpo material, elas só lhe chegam pelo conduto dos órgãos. Deixam,
porém, de estar localizadas, em se achando ele na condição de Espírito livre.”
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 25 de Novembro de 2009, 21:35
Amigos, tenho carradas de provas para aceitar que minha esposa e eu sejamos Espíritos afins.
Já passamos por poucas e boas, tudo que um cara pode fazer de ruim para outra pessoa já fiz a ela, e ela sempre acaba me perdoando  mesmo que anote meus erros.
No campo do pensamento então dá-se quase sempre de eu pensar, "caracas, a Lili poderia me trazer um copo de água" e logo ela aparece com o dito cujo.
Assim também e foi bem ontem que aconteceu isso. Acordei e corri ao banco, pensava em desbloquear meu cartão porque ela estava na rua e poderia querer usá-lo.
Ele não estava bloqueado, mas, ao errar uma vez a senha bloqueou na mão dela e então como que "por encanto", mano Kite, apareci no banco e desbloqueei a tempo dela poder efetuar o pagamento.
Quando chegava em cassa ela me ligava para contar sobre o bloqueio do cartão e eu lhe disse, pode pagar com ela que já desbloqueei..
A coisa acontece assim mano, e não tem mágica nenhuma mas sintonia profunda.
Abração,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mr.Kite em 26 de Novembro de 2009, 09:58
Eu tenho um amigo que era interessante. Ás vezes eu falava, " Minha avó me disse..." e ele falava logo de cara " Não é loucura não, aconteceu de fato." Sem eu nem dizer que suspeitava da sanidade da minha avó, católica " roxa", que me disse que tinha uma carta do Chico...rsrs Aconteciam coisas desse tipo, e nós começávamos a rir. Essas sintonias são super interessantes, mano Moura. Também aconteceu com minha noiva e minha sogra. No dia que as conheci, me veio uma felicidade inexprimível e uma sensação de que eu já conhecia que não tem como descrever. Minha sogra já me disse abertamente que sente que já foi minha mãe, e eu também sinto isso.

Ainda não sabemos de nada sobre as leis que movem o Universo...rsrs

Abraços!
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Dami em 27 de Novembro de 2009, 01:42
Boa noite caro amigos.
Mais uma vez muito obrigado pela contribuição e ajuda de todos.

Gostaria de fazer uma indagação, porque Kardec, não se utilizou do termo onda nas sua obras. Corrijam me se estiver errado, apenas em um artigo, Fotografia e Telegrafia do Pensamento, publicado em Obras Póstumas, Kardec usa o termo onda.

Camille Flammarion ( O Desconhecido e os Problemas Psíquicos ), Leon Denis ( As Forças Radiantes ) André Luiz ( Mecanismos da Mediunidade ) entre outros usam bastante este termo, dando lhe um adjetivo, onda mental.

Creio que a razão esta em o estudo sobre as ondas, aprofundado com Heinrich Rudolf Hertz só veio a acontecer cerca de 14 anos depois do desencarne de Kardec. Heinrich Rudolf Hertz "demonstrou a existência da radiação eletromagnética criando aparelhos emissores e detectores de ondas de rádio". A sigla Hz, medida de freqüência de ondas veio em homenagem a ele.

Estarei certo nas minhas afirmativas!? ???

Muita paz
Dami
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 27 de Novembro de 2009, 14:17
Por certo que estás amigo Dami.
Ao tempo de Kardec o termo era fluido.
Abraços,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: EsoEstudos em 27 de Novembro de 2009, 20:27

Saudações a todos!

Até onde sei (que não é muito, e sempre sujeito a equívocos involuntários):

Einstein concebeu a teoria dos campos. Um "campo", grosso modo, é a zona em que uma determinada força (uma fonte de energia) tem eficácia. Como as ondas eletromagnéticas se propagam no vácuo, essa foi uma forma de entender o Universo --- "onda" é uma agitação que se propaga em um meio --- como não há meio (vácuo), o meio até então considerado (o éter) foi substituído pela idéia de "campo".



Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Vitor Santos em 28 de Novembro de 2009, 17:09
Olá ESTOCE

Concordo amigo.

Mas a noção de campo de forças é anterior a Einstein. A investigação de ponta, mesmo perto do tempo de Kardec, já conhecia os campos eléctricos e magnéticos. Newton descobriu pela primeira vez a noção de campo gravitico.

O que se chamava fluido eléctrico podia ser o campo eléctrico (campo de forças numa determinada região do espaço, que afecta as cargas eléctricas que se encontrem nessa região). Ou podia ser a corrente eléctrica (fluxo electrões).

O que Kardec chamava de fluido magnético é outra coisa que não o campo de forças a que chamamos magnético. É mais próximo do que os orientais chamam Chi, ou Prana. E do que Wilheim Reich chamou orgon, imagino eu.

Uma onda electromagnética é um campo eléctrico e um campo magnético variável no tempo e no espaço, que se comporta como se tratasse de uma onda em movimento no espaço. Com uma determinada velocidade e frequência.

Para o fluido cósmico universal, por exemplo, a ideia de "campo de forças" parece-me mais apropriada, embora, segundo Reich, possa ser uma campo de forças pulsante.

A onda tem energia associada, bem como o campo de forças.

Para o perispirito trata-se, ao que parece, mais de uma substância vaporosa, e o fluido parece-me uma palavra adequada. Pois fluido é uma precisamente uma substância sem forma, vaporosa.

Mas tudo são palavras. Como disseram os espiritos, o que interessa é que todos lhe demos o mesmo significado.

bem hajam

Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: EsoEstudos em 28 de Novembro de 2009, 19:59

Saudações Vitor!

Muito bem colocado.

Entender ou tentar descrever fenômenos como fluidos, campos e ondas, principalmente depois que a ciência percebeu que um fluxo de elétrons pode ser um fluxo de partículas ou uma onda, chega a ser um exercício de abstração transcendental... Alguns pretendem que uma partícula subatômica deva ser concebida como uma curvatura extrema do espaço.

Você já percebeu que em várias passagens das Obras da Codificação (eventualmente podemos transcrever, se for o caso), quando o assunto é "fluidos", há referência a "eletricidade"?

Não deve ser coincidência... Um elétron é um construto, um conceito com o qual a ciência trabalha. Sua natureza de partícula-onda se amolda perfeitamente à extrema capacidade de modificações descritas para os fluidos... Mesmo do ponto de vista de matéria etérea, lembremo-nos que a eletrosfera é a própria solidez de uma estrutura.

Enfim... Isso poderia ser discutido com base nos estudos doutrinários e, com muito esforço e pesquisa, buscando-se a integração com os conceitos da física contemporânea.

Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: psi em 28 de Novembro de 2009, 21:24
Amigo Vitor,

No seu post n.5 o amigo transcreve um texto do livro "O céu e o inferno" onde o espírito Samuel Philipe alega não precisar articular palavras para se comunicar no mundo espiritual.
A comunicação então se daria pela via do pensamento.
Se o amigo reparar, o espírito de Samuel Philipe está no livro entre os espíritos felizes, isto é, entre aqueles que já se encontram de uma certa forma desapegados da matéria. Para espíritos desse nível, a comunicação realmente se dá através do pensamento. Mas isso não é o que se verifica para os espíritos de natureza inferior, ainda muito apegados a matéria. Esses ainda comunicam-se através de seus órgãos fonadores perispirituais, ou seja, falam como nós, mas numa frequência de vibração condizente com o adensamento de seus perispíritos. Tanto é verdade que os espíritos podem se comunicar entre si através da voz no plano espiritual, que isso pode ser constatado através de sessões de materialização de espíritos, como a de Katie King , ocorrida no século passado em Londres, onde o espírito materializado conversava com os participantes verbalmente, através da voz direta e por intermédio dos seus órgãos fonadores materializados com o auxílio do ectoplasma da médium.
Vejamos o que nos diz Kardec no Livro dos Médiuns, ao falar sobre pneumatofonia ou voz direta:
Os sons espíritas ou pneumatofônicos manifestam-se por duas maneiras:
é às vêzes uma voz interna que ressoa em nosso foro íntimo, e embora as palavras sejam claras e distintas, nada têm de material; de outras vezes AS PALAVRAS SÃO EXTERIORES E TÃO DISTINTAMENTE ARTICULADAS COMO SE PROVIESSEM DE UMA PESSOA AO NOSSO LADO.

Aqui não se trata de psicofonia, os espíritos não se utilizam das cordas vocais do médium. Eles falam através de seu próprio perispírito, utilizando-se do ectoplasma do médium para poder fazer com que suas vozes se tornem audíveis para nós no plano físico.
No livro Nosso Lar , há espíritos que lá trabalham como os mentores ou instrutores que conseguiam ler o pensamento de André Luiz. Esse, no entanto, apenas se comunicava com os outros através da fala, dada a sua condição de espírito ainda apegado a matéria.

Um abraço

PSI.
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 28 de Novembro de 2009, 21:43
Numa analogia, mano PSI,
o a eletricidade, transporta-se pelos fios do telégrafo, trazendo dos estalidos, as palavras que o código morse indica.
Assim também se dá com os Espíritos, e digo, todos e em qualquer dos graus da Escala Espírita. Esta a resposta que anotamos em OLE, "Os Espíritos comunicam-se pelo pensamento". Observe que não diz os Espíritos mais adiantados, mas sim "os Espíritos" o que quer indicar que qualquer Espírito pode assim o fazer.
No mesmo sentido outra questão que os Espíritos Superiores assim a respondem:
"conhecem-te até os mais escondidos pensamentos". Outra vez a resposta atende a todo e qualquer Espírito.
Acontece que quem pode o mais assim o faz e nesse sentido, aquele Espírito que está em classe mais alteada, terá maior poder de expansão perispiritual, e assim pode fazer com que mais facilmente e mesmo sem auxílio senão da emanação perispiritual do encarnado, possa fazer, se quiser, retumbar sua voz num ambiente que contenha, também, as condições necessárias ao feito.
Abração,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: psi em 28 de Novembro de 2009, 22:00
Amigo Moura

Como então o amigo explica o fenômeno de materialização de Katie King , estudado pelo grande cientista inglês William Crookes, onde o espírito materializado conversavacom os presentes à sessão? Tudo está documentado, mano. Entre no google e dê uma pesquisada.
Como o amigo explica o fenômeno EVP ( abreviatura em inglês de fenômeno da voz eletrônica), fenômeno esse pesquisado no mundo inteiro, até por grandes universidades americanas, onde a voz dos espíritos é gravada?
Como o amigo explica o fenômeno da voz direta ou pneumatofonia?
Como o amigo explica o trecho do Livro dos Médiuns, onde Kardec afirma que os espíritos podem articular palavras como as pessoas encarnadas?
O amigo pode me dar essas respostas?

Um abraço

PSI
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 28 de Novembro de 2009, 22:25
Mas mano,
pelo mesmo princípio de expansão perispiritual em conjunto com a qualidade anímica de certos médiuns.
Por esta capacidade, anímica e não mediúnica, o sujet, pode expungir de si grandes quantidades de fluido animalizado, na qualidade que o Espírito possa manipular para fazer até palpável uma materialização visto que no caso da Katie não se trata de aparição, mas sim de materialização.
Veja até, que numa analogia, para que uma experiência junto a transcomunicação, a quantidade desse fluido e da expansão perispiritual utilizada é muito maior que no caso das materializações.
São dois elementos que se utiliza, e que devem estar amalgamados e sem jaça. Estes, em contato com a qualidade do Espírito, as características do meio e da comunhão de pensamentos que haja no local, é que serão os veículos que possibilitará, não só um fenômeno tal como o da Katie, mas muitos outros, sob a mesma bandeira.
Mas tudo isso não é o mesmo que a comunicação no chamado mundo espiritual,lá, os espíritos comunicam-se através do pensamento. Podem fazê-lo, entre si, mesmo aqui, estando desencarnados.fico apenas no rol dos desencarnados porque entre nós, encarnados, há muita mistificação. Não descarto, contudo, que não possa haver esse fenômeno em nosso meio.
abração,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: psi em 29 de Novembro de 2009, 02:44
Caro Moura,

O espírito de Katie materializado, ao falar com as pessoas presentes à sessão, o fez através de seu corpo perispiritual materializado. E se o seu perispírito materializado se comunicou através da voz, que se tornou sensível à audição dos presentes, isso quer dizer que os seus órgãos fonadores existem, e também poderiam ser utilizados na dimensão extrafísica, através de seus perispíritos sutilizados e num outro padrão de vibração.
Estranho o amigo nada comentar sobre o fenômeno da voz direta ou pneumatofonia que consta no Livro dos Médiuns e cujo trecho eu reproduzi no meu outro post.
Existem também estudos sérios sobre o EVP. O amigo considera todos uma fraude?

Um abraço

PSI.    
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 29 de Novembro de 2009, 14:25
Mano PSI, expliquei tudo isso no post que enviei.
abraços,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: psi em 30 de Novembro de 2009, 01:00
Mano PSI, expliquei tudo isso no post que enviei.
abraços,
Moura
Mano Moura, o amigo fala de animismo. Kardec não fala em atividade anímica. São os próprios espíritos desencarnados que se manifestam através do fenômeno da voz direta ou pneumatofonia.
No cap XII , item 150 do Livro dos Médiuns, está assim escrito:
Os espíritos podem muito bem fazer ouvir gritos de toda natureza e sons vocais, imitando a voz humana ao nosso lado ou no vago do ar.

Mais claro do que isso, mano, é impossível.
Se um espírito pode falar e ser ouvido por nós sem que isso se dê através da boca de um médium ( fenômeno da psicofonia ), está claro que ele tem a capacidade de falar por si próprio, através de seu perispírito. É claro que para que a sua voz se torne audível em nossa dimensão física, ele necessita do ectoplasma do médium, para que o efeito físico se realize.
O ectoplasma, então, adensaria os seus órgãos fonadores para que sua voz se tornasse audível para nós encarnados. O próprio Kardec nos diz que esse é um fenômeno raro, mas possível. Creio que não fica nenhuma dúvida de que se o espírito pode se manifestar através da voz em nossa dimensão, ele também pode fazê-lo na sua, ou seja, na dimensão espiritual.
Num dos livros de André Luiz, ele utiliza o termo "gargantas ectoplasmáticas" para expressar como pode se dar o fenômeno da voz direta.

Um abraço

PSI.    
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Dami em 01 de Dezembro de 2009, 22:34
Saudações.
Ola Psi!
Antes de mais nada obrigado pelas suas dica de leitura.
Permita-me discordar de você!
Será que no mundo espiritual temos realmente estes órgãos?
Conheci um autor, cearense com eu, chamado Luiz Gonzaga. No seu Livro sobre Perispírito ele defende essa idéia.
Eu me acho a quilômetro de distancia dele em termo de conhecimento , mas também não concordo com ele, embora a sua obra traga muitos esclarecimentos.
Mas voltando ao assunto, os espíritos não precisam criar todo o aparelho fonador para ressoar o "som" no mundo espiritual. Tudo não passa de uma ilusão da parte daqueles que ainda não conhecem as verdades do mundo espiritual, como não conhecem o que se dá por lá imaginam estar "falando com a boca" e "escutando com os ouvidos". A questão 257 de OLE, nos fala um pouco sobre isso.
Quanto a Kate King, ela criou toda a aparelhagem necessária para o fenômeno, mais para isso se utilizou de fluido animal dos encarnados, ela necessitava construir todo o aparelho fonador, para fazer ressoar o som, e lembre-se,ela fez isso aqui no plano físico. Entre os desencarnados ela não precisa usar desse artifício. O mesmo se dá nos fenômenos de pneumatofonia, os órgãos também são criados, com a mesma intenção, mas são criados somente aqui, no mundo físico, as próprias "gargantas ectoplasmáticas" também, como você mesmo relata, são fenômenos físicos. Será que nas obras onde você viu esta referência de gargantas ectoplasmáticas, o autor não falava que isso acontecia no plano físico?
Muita paz
Dami
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 01 de Dezembro de 2009, 22:45
Posso assinar contigo mano Dami?
abraços,
Moura
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: psi em 02 de Dezembro de 2009, 00:40
Será que no mundo espiritual temos realmente estes órgãos?

Olá, amigo Dami

A resposta a essa pergunta poderia esclarecer a dúvida desse e de outros tópicos referentes a vida no mundo espiritual.
A obra de André Luiz não deixa nenhuma dúvida de que esses órgãos existem, é claro que num padrão de vibração compatível com o nível de adensamento do perispírito. Aliás o nosso corpo físico foi "modelado" durante a embriogênese por esse corpo espiritual.
Essa é uma área onde a nossa medicina convencional não consegue dar respostas, ou seja, como se dá o processo de migração e a diferenciação celular a partir de células indiferenciadas. Ninguém ainda conseguiu dar uma resposta para isso dentro da nossa ciência física. A resposta para essa questão está na matriz biológica de nosso perispírito, chamada por alguns pesquisadores de modelo organizador biológico (MOB). Eu criei um tópico para discutir sobre ele mas, além do Renato, ninguém se interessou pelo assunto.
Apesar do ceticismo de nossa ciência física sobre a existência e as propriedades do perispírito, a cada dia aumenta o número de médicos e cientistas adeptos da chamada medicina holística que aceitam a tese da existência do MOB não só no Brasil mas em todo o planeta.
O amigo poderia dizer que Kardec nada falou sobre isso. Eu complementaria, dizendo que Kardec não falou sobre isso e sobre muitas outras coisas. Num tratado onde a intenção era dar as linhas gerais da doutrina, seria impossível aprofundar-se em todos os temas.
Mas o amigo fique a vontade para discordar.
Eu particularmente estou entre aqueles que respeito muito a obra científica de André Luiz, e os estudos da AME(Associação Médica Espírita)- Brasil e Internacional.
Se o amigo puder, não deixe de ler o livro do dr. Richard Gerber intitulado "Medicina Vibracional" que é bastante completo e esclarecedor.

Um abraço

PSI     
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Diegas em 02 de Dezembro de 2009, 02:06
'...Será que no mundo espiritual temos realmente estes órgãos?'...

Olá, Dami

Apesar de, um modo geral, a linguagem dos espiritos desencarnados dar-se pelo pensamento, há aqueles desencarnados que vivem em pior condição do que quando encarnados. E, natural que a esses seja dado a possibilidade de articular a voz. Nada se faz de abrupto, tudo uma questão de adaptação quando se acessa o novo plano (que de novo não há nada, pois estamos em constante contato ou retornamos a ele após cada desencarne). Não seria possivel exigir-se que todos os espiritos se comunicassem da mesma forma, em virtude da diferença vibratoria - condição moral, intelectual e espiritual - que os separam.

Aqui mesmo em nosso planeta há uma distancia enorme entre a linguagem de um europeu e daquele que pratica o totemismo. Imagine a dificuldade de entendimento quando se encontram.



Abç
Título: Re: Comunicação entre os espiritos desencarnados.
Enviado por: Mourarego em 02 de Dezembro de 2009, 15:33
Amigo diegas,
aqui vai só a doutrina:
após ao trorpor que nos acomete depois de chegarmos de novo ao éter (não confundir como formol tá? risos), o Espírito em sua real condição, a errância, tem todas as características dos que ali estão, seja a classe ou ordem em que estiver.
Assim, a resposta é clara: "Os Espíritos comunicam-se pelo pensamento. Veja que ela não trás óbice a classe nenhuma.
Abração,
Moura