Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Acção do Dia => Tópico iniciado por: Claudia Affonso em 22 de Maio de 2013, 17:40

Título: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Claudia Affonso em 22 de Maio de 2013, 17:40
Agradeçamos à Deus todos os dias pela oportunidade de estarmos encarnados lutando para a nossa evolução espiritual. Sejamos, a cada dia, menos devedores da Lei Divina, retirando de  nós o orgulho e o egoísmo, chagas que atrapalham a nossa caminhada. Que possamos ver dentro de nós os nossos defeitos, refletindo em como poderemos ser pessoas melhores. O mundo está mudando, a cada dia vemos essa mudança. Será que também estamos acompanhando essa mudança? Será que estamos sendo somente telespectadores do que a vida nos oferece ou será que estamos também ajudando a melhoria do mundo?
 As vicissitudes nos chegam para nos mostrar algo que estava errado ou faltando em nossas vidas. Que possamos ver com os olhos da alma os problemas que nos chegam, ter uma visão acima da matéria para compreendermos aqueles que nos agridem. Não temos que perguntar por que eu? por que comigo? e sim: para que isso? O que isso vai mudar na minha vida? Isso é muito difícil, eu sei, muito, mas temos que começar agora, já; temos que acelerar nossos passos, arregaçar as mangas e trabalhar para a nossa evolução.

Pensemos nisso!

Muita paz!
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Rogerio Candotti em 08 de Julho de 2013, 01:41
Existe sorte e azar? – Livro o Consolador
215  –  Os  chamados  “homens  de  sorte”  são  guiados  pelos  Espíritos  amigos? –  Aquilo que convencionastes apelidar “sorte” representa uma situação  natural no mapa de serviços do Espírito reencarnado, sem que haja necessidade de admitirdes a intervenção do plano invisível na execução das experiências pessoais. A “Sorte” é também uma prova de responsabilidade no mecanismo da vida, exigindo muita compreensão da criatura que a recebe, no que se refere à misericórdia divina, a fim de não desbaratar o patrimônio de possibilidades sagradas que lhe foi conferido.
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Vitor Santos em 08 de Julho de 2013, 13:55
Olá Cláudia

Estou de acordo consigo. Na minha limitada compreensão a Deus tudo devemos, logo, a Deus devemos agradecer por tudo. E quando agradecemos a Deus agradecemos a todas as entidades de boa vontade e boas intenções, que se constituem voluntariamente servidores de Deus, ou seja, servidores de toda a humanidade. E quando agradecemos a essas entidades também agradecemos indirectamente a Deus.

Uma das coisas mais interessantes que notei nos exemplos de passagens, de espíritos felizes, do livro "O céu e o inferno, de Allan kardec", é que eles mostram agradecimento aos que lhes fizeram bem, obviamente, começando por Deus, Jesus de Nazaré, os Anjos Guardiões e todos os espíritos amigos, de boa vontade e boas intenções que os ajudaram, mas agradecem também aos que lhes criaram dificuldades e obstáculos, com ou sem intenção, consciência ou vontade disso. Porque é através do desafio de vencer as dificuldades, de superar os sofrimentos, que mais aprendemos e mais evoluímos.

Nos meios espíritas é usual até a afirmação: "o mal que me faz mal, é aquele que faço, não é aquele que me fazem".

O poeta popular português, António Aleixo, sem qualquer referência a religiões, confirma-nos também que é com as dificuldades que mais se aprende:

"Eu não tenho vistas largas,
Nem grande sabedoria,
Mas dão-me as horas amargas,
Lições de filosofia."

Todavia não é fácil, para nós, deixarmos de nos sentirmos vitimas, tal qual crianças tolas. Pois comparamo-nos permanentemente com os outros. Vemos quase sempre as vantagens que julgamos que os outros têm, em relação a nós, mas não vemos as dificuldades, as infelicidades e os sofrimentos deles. Muitas vezes, se soubéssemos, não queríamos trocar a nossa posição com a deles.

Toda a comparação que fazemos com os outros, propicia-nos com grande probabilidade pensamentos nocivos e inadequados. Gera em nós o medo, a inveja, a revolta, etc.

Só devemos compararmo-nos connosco próprios. Tentar o auto-conhecimento, comparar o nosso estado de hoje com o nosso estado de ontem, a ver se evoluímos ou estagnámos.

Falar é fácil. Eu sei, ou penso que sei, teoricamente estas coisas, mas a vida não é fácil. Para ninguém. A prática é que interessa mais. A teoria serve para nos guiar, mas de nada serve saber sem agir de acordo com o que sabemos ser o mais correcto. Assim, não estou a querer ensinar nada a ninguém, apenas a partilhar fraternalmente os meus pensamentos e sentimentos.  :)

bem hajam

               
 
       
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: SimonB em 14 de Setembro de 2013, 16:40
Eu também gostaria de saber melhor enfrentar conflitos e entender melhor a linha que separa a resignação da covardia. Por exemplo, como devo me comportar diante de uma pessoa que iria me prejudicar se eu lhe-desse a oportunidade?
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: amazona em 16 de Fevereiro de 2014, 22:53
Sim, eu nao reagi, porem a vontade de arranhar o carro do vizinho se manteve comigo por alguns meses.


Tenho outra pergunta em relacao a como encaramos nossos problemas, que , provavelmente sao provas: ha pessoas que se metem em determinadas situacoes e por incrivel que pareca, sempre conseguem se safar. Li no Evangelho a Prece "Ao Escapar de Um Perigo" em que diz que quando escapamos um perigo, Deus esta nos mostrando que pode nos chamar a qualquer momento, e com isso nos adverte a "examinar-nos e emendar-nos".

Pois bem, se a pessoa compreende que as provas sao importantes para sua evolucao espiritual, e decide ser uma pessoa boa, porem as provas continuam a aparecer e enfraquecer sua alma (porque nao sabe como se livrar dos problemas), a pessoa teria o direito de pedir a Deus para abrandar suas provas/expiacoes?

Acredito que a anulação das provas nao existe, ja que as escolhemos antes de encarnarmos, porem eh correto pedir o abrandamento das provas? Rezar pelo perdao dos inimigos encarnados ou desencarnados aniquilaria o problema?
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Brenno Stoklos em 17 de Fevereiro de 2014, 03:54

Acredito que a anulação das provas nao existe, ja que as escolhemos antes de encarnarmos, porem eh correto pedir o abrandamento das provas? Rezar pelo perdao dos inimigos encarnados ou desencarnados aniquilaria o problema?



663. Podem as preces, que por nós mesmos fizermos, mudar a natureza das nossas provas e desviar-lhes o curso?

“As vossas provas estão nas mãos de Deus e algumas há que têm de ser suportadas até ao fim; mas, Deus sempre leva em conta a resignação. A prece traz para junto de vós os bons Espíritos e, dando-vos estes a força de suportá-las corajosamente, menos rudes elas vos parecem. Hemos dito que a prece nunca é inútil, quando bem feita, porque fortalece aquele que ora, o que já constitui grande resultado. Ajuda-te a ti mesmo e o céu te ajudará, bem o sabes. Demais, não é possível que Deus mude a ordem da Natureza ao sabor de cada um, porquanto o que, do vosso ponto de vista mesquinho e do da vossa vida efêmera, vos parece um grande mal é quase sempre um grande bem na ordem geral do Universo. Além disso, de quantos males não se constitui o homem o próprio autor, pela sua imprevidência ou pelas suas faltas? Ele é punido naquilo em que pecou. Todavia, as súplicas justas são atendidas mais vezes do que supondes. Julgais, de ordinário, que Deus não vos ouviu, porque não fez a vosso favor um milagre, enquanto que vos assiste por meios tão naturais que vos parecem obra do acaso ou da força das coisas. Muitas vezes também, as mais das vezes mesmo, ele vos sugere a idéia que vos fará sair da dificuldade pelo vosso próprio esforço.”

664. Será útil que oremos pelos mortos e pelos Espíritos sofredores? E, neste caso, como lhes podem as nossas preces proporcionar alívio e abreviar os sofrimentos? Têm elas o poder de abrandar a justiça de Deus?

“A prece não pode ter por efeito mudar os desígnios de Deus, mas a alma por quem se ora experimenta alívio, porque recebe assim um testemunho do interesse que inspira àquele que por ela pede e também porque o desgraçado sente sempre um refrigério, quando encontra almas caridosas que se compadecem de suas dores. Por outro lado, mediante a prece, aquele que ora concita o desgraçado ao arrependimento e ao desejo de fazer o que é necessário para ser feliz. Neste sentido é que se lhe pode abreviar a pena, se, por sua parte, ele secunda a prece com a boa-vontade. O desejo de melhorar-se, despertado pela prece, atrai para junto do Espírito sofredor Espíritos melhores, que o vão esclarecer, consolar e dar-lhe esperanças. Jesus orava pelas ovelhas desgarradas, mostrando-vos, desse modo, que culpados vos tornaríeis, se não fizésseis o mesmo pelos que mais necessitam das vossas preces".

                                                               O Livro dos Espíritos


,
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: amazona em 17 de Fevereiro de 2014, 18:49
Obrigada pelas respostas!
"Nao julguei" tem um novo significado para mim; nunca havia pensado dessa maneira a respeito desta frase.
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Brenno Stoklos em 24 de Fevereiro de 2014, 08:02

"Não julgueis"



"Atire-lhe a primeira pedra aquele que estiver isento de pecado", disse Jesus. Essa sentença faz da indulgência um dever para nós outros, porque ninguém há que não necessite, para si próprio, de indulgência. Ela nos ensina que não devemos julgar com mais severidade os outros, do que nos julgamos a nós mesmos, nem condenar em outrem aquilo de que nos absolvemos. Antes de profligarmos a alguém uma falta, vejamos se a mesma censura não nos pode ser feita.

O reproche lançado à conduta de outrem pode obedecer a dois móveis: reprimir o mal, ou desacreditar a pessoa cujos atos se criticam. Não tem escusa nunca este último propósito, porquanto, no caso, então, só há maledicência e maldade. O primeiro pode ser louvável e constitui mesmo, em certas ocasiões, um dever, porque um bem deverá daí resultar, e porque, a não ser assim, jamais, na sociedade, se reprimiria o mal. Não cumpre, aliás, ao homem auxiliar o progresso do seu semelhante? Importa, pois, não se tome em sentido absoluto este princípio: "Não julgueis se não quiserdes ser julgado", porquanto a letra mata e o espírito vivifica.

Não é possível que Jesus haja proibido se profligue o mal, uma vez que ele próprio nos deu o exemplo, tendo-o feito, até, em termos enérgicos. O que quis significar é que a autoridade para censurar está na razão direta da autoridade moral daquele que censura.
Tornar-se alguém culpado daquilo que condena noutrem é abdicar dessa autoridade, é privar-se do direito de repressão. A consciência íntima, ao demais, nega respeito e submissão voluntária àquele que, investido de um poder qualquer, viola as leis e os princípios de cuja aplicação lhe cabe o encargo. Aos olhos de Deus, uma única autoridade legítima existe: a que se apóia no exemplo que dá do bem. E o que, igualmente, ressalta das palavras de Jesus".

                                                   O Evangelho Segundo o Espiritismo


Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Wilsonmoreno em 24 de Fevereiro de 2014, 23:23
Uma Doutrinação dada pelo Mestre Luiz de Mattos sobre as questões da vida.

Aconselhamos que pensem bem antes de tomar qualquer atitude em suas vidas. Os atos a serem praticados, por mais insignificantes que possam parecer, devem ser analisados com muita calma. Nada deve ser avaliado de maneira atabalhoada ou realizado de qualquer jeito.

Muitas pessoas não sabem por que vivem angustiadas, sempre aflitas, se nada de ruim acontece em suas vidas. E se perguntam: por que não se sentem bem, uma vez que filhos, maridos, esposas ou parentes estão todos com saúde? Essas pessoas normalmente se preocupam com a vida alheia, se envolvem com problemas que não lhes pertencem, tomam atitudes impensadas. Ao invés de elevarem o pensamento quando há uma discussão acalorada, para que os envolvidos cheguem ao entendimento através da palavra conciliadora e tudo se normalize, preferem se envolver no conflito, preocupam-se com o que não lhes cabe resolver.

Quantos indivíduos agem assim e não param para pensar! Acham que essas coisas caem no esquecimento, mas não caem. Elas ficam gravadas no campo áurico de cada um e só trazem mais dissabores, em razão da má assistência espiritual que cultivam todos os dias. Se mantiverem atitudes boas, bem pensadas, terão dias tranquilos, harmoniosos. Familiares ficam contentes ao lado de pessoas em sintonia com as forças do bem.

É preciso voltar a mente no sentido do viver mais amplo, porque os seres humanos não estão neste mundo para se ocupar com problemas que se situam de antemão fora de sua alçada, salvo elevar o pensamento para que sejam bem resolvidos. Intromissões, julgamentos ou críticas são atitudes indevidas. Muitas pessoas vivem a criticar a vida alheia, mas se esquecem da própria. Com as ações incorretas que praticam, atraem forças negativas, espíritos do astral inferior que se aproximam porque pensam e agem da mesma forma. Assim se perturbam e depois reclamam da vida.

As pessoas não têm nada do que reclamar, se olharem a vida conforme ela se mostra. Para umas, os problemas viram oportunidades que aprimoram a personalidade, e essas crescem espiritualmente. Mas, para outras, uma adversidade é motivo para se entregarem ao desânimo, à depressão, ao se deixarem envolver por fluidos negativos e pesados. Como podem melhorar o viver agindo dessa forma?

A Terra é um mundo-escola onde se encontram diversidades espirituais, pois cada espírito encarnado tem seu grau de evolução. Sendo assim, cada ser é uma individualidade e resolve os problemas à sua maneira, quase sempre de forma diferente dos demais. Para as pessoas terem uma vida relativamente feliz é preciso que se analisem, deixem as coisas banais de lado, não alimentem discussões nem deem guarida a pensamentos negativos, que as façam incapazes de resolver situações difíceis.

Reflitam sobre nossas palavras e, com certeza, terão suas vidas modificadas para melhor.

Paira uma dúvida na mente da maioria das pessoas sobre se, na realidade, a vida individual humana   prossegue, depois do fenômeno da chamada morte. As crenças religiosas estabeleceram um formulário de fé baseado em escritos vetustos, que asseveram ser a vida eterna. Este ponto fundamental e verdadeiro, mantém de pé as mais variadas seitas e religiões.

Acontece, porém, que, para colorir o painel desconhecido dos sectaristas a respeito do que se passa do outro lado da vida terrena, criaram lendas e fantasias, especulando sobre um céu e um inferno alegóricos.

A vida faz parte integrante da estrutura espiritual de cada ser e, por isso, dele não pode ser retirada. Ninguém, nem mesmo a Inteligência Universal, pode matar, anular, destruir o espírito.

OS SERES HUMANOS SÃO ESPÍRITOS ENCARNADOS, E A CARNE NADA MAIS É DO QUE UM INVÓLUCRO PROVISÓRIO DO ESPÍRITO. A VIDA DO CORPO FÍSICO LHE É TRANSMITIDA PELO ESPÍRITO. LOGO, SE O CORPO FÍSICO DEIXAR DE RECEBER A VIDA QUE O ESPÍRITO LHE TRANSMITE, DESINTEGRA-SE, MAS O ESPÍRITO CONTINUA ÍNTEGRO E, POIS, IMORTAL.

O espírito encarnado ou desencarnado faz parte da contextura da Força Criadora, da qual, em nenhuma hipótese, pode separar-se. Ele evolui com o desabrochar, pelo próprio esforço, dos poderes latentes, intrínsecos e inerentes que possui, e o estágio neste planeta-escola, em corpo astral, lhe oferece os meios apropriados para promover a sua evolução.

Para a conclusão do curso evolucionário neste mundo Terra, são necessárias muitas e muitas encarnações. Sem essas constantes idas e vindas, não ficará o espírito habituado a ascender a mundos de evolução mais adiantada, nos quais terá ao seu dispor os recursos adquiridos nas vidas terrenas, para aplicá-los em campos de ação de maior amplitude.

Assim se vê que a morte não interrompe a vida. Aquilo a que chamamos morte, não passa de um acontecimento comum na rotina da vida eterna. O indivíduo, depois da morte, continua a ser o que era, com mais alguma evolução, se algo fez em favor dessa conquista.

Por isso é que se deve aproveitar a encarnação, ao máximo, não só vivendo o maior tempo possível na Terra, como colhendo os bons ensinamentos que ela pode dar, associados à espiritualidade.


O espírito, enquanto estiver acorrentado à matéria, com a obrigação de reencarnar, para progredir, deve conscientizar-se de sua verdadeira situação, como maneira útil de alçar-se acima das reduzidas limitações terrenas. Quanto maior foi o aproveitamento na Terra, menor será o número de encarnações a realizar e, conseqüentemente, menor também o número de mortes ou desencarnações a suportar.

A verdade resplandece na afirmativa de que a morte marca o término de uma jornada para
dar início a outra, mas nunca o fim do que é imortal – a vida.


Texto de Luiz de Mattos.

Wilson buscando a Verdade.
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: lconforjr em 25 de Fevereiro de 2014, 15:54
Re: Como encaramos nossos problemas

      Amazona  « ref #3 em: 01.09.13, 21:20 »

      Olá, nova amiga.

      Amazona escreveu: "Eu tenho uma pergunta relacionada a isso; o Espiritismo prega que devemos dar a outra face, mas como fazer isso quando você sabe que o outro está errado?"
...

      Conf: nova amiga, vamos raciocinar, como a doutrina manda. Quem é que efetivamente sabe que o outro está errado? Porq teria Jesus aconselhado: “não julgueis”?

      Absolutamente ninguém tem condições de julgar ninguém. Absolutamente todos os julgamentos que fazemos nada mais são que pseudo-julgamentos. Ninguém pode julgar devido a não conseguir conhecer quais são as verdadeiras causas que têm o efeito que agora sentimos ou vemos, possa ele, o efeito, nos favorecer ou não, ou a outrem. Ninguém! Os efeitos que vemos agora, resultam de, talvez, infinita sequencia de causas e efeitos, que ocorrem desde remoto passado.

      Vc pode até acreditar que seu julgamento está correto, mas só estará correto “por uma feliz coincidência”. Acreditamos que alguém está certo ou errado em suas atitudes, devido a só vermos pequena parte do problema e dos eventos a ele relacionados e, com essa parte, devido a nossa ignorância, nos contentamos. Mas, todos os nossos julgamentos, sem exceção de nenhum, são falsos julgamentos.

       Amaz: Como lidar com ofensas em geral?

       Conf: Só aprendemos a lidar com as ofensas por dois caminhos: o do esforço produzido pela forte vontade de não reagir; ou o de colocar amor em nosso coração.

      No entanto, não reagir por esforço, não elimina o sentimento de ofendidos que temos no peito; apenas pode evitar a manifestação de ações exteriores contra o ofensor; o ínterior continuará ofendido.

      E o colocar amor no coração, ou a perdoar, ou a amar, ninguém sabe ensinar como fazer isso, e ninguém aprende a amar ou a ter amor nem com ensinamentos, nem com exemplos de quem quer que sejam.

      E, qto àquelas palavras de Jesus: "oferece a outra face"; "perdoe, não sete vezes, mas setenta e sete vezes sete vezes... sempre"; "abençoe os que lhe querem fazer o mal, a vc e aos seus" etc etc, nós seres humanos comuns, por uma série de razões, não temos nem mesmo condições de entender qto mais de executar.

      Não devemos esquecer que aquelas palavras representam o “ponto de vista” de Jesus, são a sabedoria daquele que conheceu a verdade, daquele que percebeu que “eu e o Pai somos um!”. Devido a isso, sua visão ampliada sobre a vida lhe permite ver o que realmente é o correto a fazer, mas que nós, com nossa enorme miopia sobre as coisas do mundo, achamos que é até mesmo loucura fazer.

      Por isso, outro sábio disse: “a sabedoria de Deus é ‘loucura’ para os homens, do mesmo modo que a sabedoria dos homens é loucura para Deus!”

...........
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: amazona em 18 de Março de 2014, 04:41

       Amaz: Como lidar com ofensas em geral?

       Conf: Só aprendemos a lidar com as ofensas por dois caminhos: o do esforço produzido pela forte vontade de não reagir; ou o de colocar amor em nosso coração.

      No entanto, não reagir por esforço, não elimina o sentimento de ofendidos que temos no peito; apenas pode evitar a manifestação de ações exteriores contra o ofensor; o ínterior continuará ofendido.

     


E a escolha deve ser sempre colocando amor em nosso coracao porque Deus eh amor.. obrigada
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Vitor Santos em 18 de Março de 2014, 18:23
Olá Amiga Amazona

O ideal é não nos ofendermos, ou se nos ofendemos perdoar, mas o esforço de não se vingar, estando ofendidos, sobretudo se temos oportunidade de vingança, é meritório. A pessoa tem ressentimento, que não consegue evitar, provavelmente, mas não se deixa levar pelos maus sentimentos que nutre, apesar de tudo age o melhor possível, ante as circunstâncias. Mostra auto-controle.

bem haja
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Brenno Stoklos em 19 de Março de 2014, 02:14



887. Jesus também disse: Amai mesmo os vossos inimigos. Ora, o amor aos inimigos não será contrário às nossas tendências naturais e a inimizade não provirá de uma falta de simpatia entre os Espíritos?

“Certo ninguém pode votar aos seus inimigos um amor terno e apaixonado. Não foi isso o que Jesus entendeu de dizer. Amar os inimigos é perdoar-lhes e lhes retribuir o mal com o bem. O que assim procede se torna superior aos seus inimigos, ao passo que abaixo deles se coloca , se procura tomar vingança".

                                               O Livro dos Espiritos


"A vingança é um dos últimos remanescentes dos costumes bárbaros que tendem a desaparecer dentre os homens. E, como o duelo, um dos derradeiros vestígios dos hábitos selvagens sob cujos guantes se debatia a Humanidade, no começo da era cristã, razão por que a vingança constitui indício certo do estado de atraso dos homens que a ela se dão e dos Espíritos que ainda as inspirem. Portanto, meus amigos, nunca esse sentimento deve fazer vibrar o coração de quem quer que se diga e proclame espírita.

Vingar-se é, bem o sabeis, tão contrário àquela prescrição do Cristo: "Perdoai aos vossos inimigos", que aquele que se nega a perdoar não somente não é espírita como também não é cristão. A vingança é uma inspiração tanto mais funesta, quanto tem por companheiras assíduas a falsidade e a baixeza.

Com efeito, aquele que se entrega a essa fatal e cega paixão quase nunca se vinga a céu aberto. Quando é ele o mais forte, cai qual fera sobre o outro a quem chama seu inimigo, desde que a presença deste último lhe inflame a paixão, a cólera, o ódio. Porém, as mais das vezes assume aparências hipócritas, ocultando nas profundezas do coração os maus
sentimentos que o animam.

Toma caminhos escusos, segue na sombra o inimigo, que de nada desconfia, e espera o momento azado para sem perigo feri-lo. Esconde-se do outro, espreitando-o de contínuo, prepara-lhe odiosas armadilhas e, em sendo propícia a ocasião, derrama-lhe no copo o veneno, Quando seu ódio não chega a tais extremos, ataca-o então na honra e nas afeições; não recua diante da calúnia, e suas pérfidas insinuações, habilmente espalhadas a todos os ventos, se vão avolumando pelo caminho.

Em conseqüência, quando o perseguido se apresenta nos lugares por onde passou o sopro do perseguidor, espanta-se de dar com semblantes frios, em vez de fisionomias amigas e benevolentes que outrora o acolhiam. Fica estupefato quando mãos que se lhe estendiam, agora se recusam a apertar as suas. Enfim, sente-se aniquilado, ao verificar que os seus mais caros amigos e parentes se afastam e o evitam, Ah! o covarde que se vinga assim é cem vezes mais culpado do que o que enfrenta o seu inimigo e o insulta em plena face".

                                         O Evangelho Segundo o Espiritismo


Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Antonio Renato em 20 de Março de 2014, 14:41
"Eu não te agadeço pelo bem que me fizeste,eu não te perdoo pelo mal que me causastes,eu
 não te amarei por julgar que não mereces"...Seria pela nossa vontade e não pela vontade de
 Deus,pois dentro de nós existe uma batalha que se trava entre o bem e o mal.São essas duas
 vertentes que nos acompanham e que nos colocam a prova da nossa capacidade de evoluir e
 ter progresso moral.Fazer o bem,amar a todos e agradecer,será dessa forma que podemos
 atender a vontade de Deus.
 Fiquem na paz.
Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Março de 2014, 15:50


Para encararmos nossos problemas de forma correta é necessário auto-conhecimento:


“Fazei o que eu fazia, quando vivi na Terra: ao fim do dia, interrogava a minha consciência, passava revista ao que fizera e perguntava a mim mesmo se não faltara a algum dever, se ninguém tivera motivo para de mim se queixar. Foi assim que cheguei a me conhecer e a ver o que em mim precisava de reforma. Aquele que, todas as noites, evocasse todas as ações que praticara durante o dia e inquirisse de si mesmo o bem ou o mal que houvera feito, rogando a Deus e ao seu anjo de guarda que o esclarecessem, grande força adquiriria para se aperfeiçoar, porque, crede-me, Deus o assistiria. Dirigi, pois, a vós mesmos perguntas, interrogai-vos sobre o que tendes feito e com que objetivo procedestes em tal ou tal circunstância, sobre se fizestes alguma coisa que, feita por outrem, censuraríeis, sobre se obrastes alguma ação que não ousaríeis confessar. Perguntai ainda mais: “Se aprouvesse a Deus chamar-me neste momento, teria que temer o olhar de alguém, ao entrar de novo no mundo dos Espíritos, onde nada pode ser ocultado?"

Examinai o que pudestes ter obrado contra Deus, depois contra o vosso próximo e, finalmente, contra vós mesmos. As respostas vos darão, ou o descanso para a vossa consciência, ou a indicação de um mal que precise ser curado.

O conhecimento de si mesmo é, portanto, a chave do progresso individual. Mas, direis, como há de alguém julgar-se a si mesmo? Não está aí a ilusão do amor-próprio para atenuar as faltas e torná-las desculpáveis? O avarento se considera apenas econômico e previdente; o orgulhosos julga que em si só há dignidade. Isto é muito real, mas tendes um meio de verificação que não pode iludir-vos. Quando estiverdes indecisos sobre o valor de uma de vossas ações, inquiri como a qualificaríeis, se praticada por outra pessoa. Se a censurais noutrem, não na poderia ter por legítima quando fordes o seu autor, pois que Deus não usa de duas medidas na aplicação de Sua justiça. Procurai também saber o que dela pensam os vossos semelhantes e não desprezeis a opinião dos vossos inimigos, porquanto esses nenhum interesse têm em mascarar a verdade e Deus muitas vezes os coloca ao vosso lado como um espelho, a fim de que sejais advertidos com mais franqueza do que o faria um amigo. Perscrute, conseguintemente, a sua consciência aquele que se sinta possuído do desejo sério de melhorar-se, a fim de extirpar de si os maus pendores, como do seu jardim arranca as ervas daninhas; dê balanço no seu dia moral para, a exemplo do comerciante, avaliar suas perdas e seus lucros e eu vos asseguro que a conta destes será mais avultada que a daquelas. Se puder dizer que foi bom o seu dia, poderá dormir em paz e aguardar sem receio o despertar na outra vida.

Formulai, pois, de vós para convosco, questões nítidas e precisas e não temais multiplicá-las. Justo é que se gastem alguns minutos para conquistar uma felicidade eterna. Não trabalhais todos os dias com o fito de juntar haveres que vos garantam repouso na velhice? Não constitui esse repouso o objeto de todos os vossos desejos, o fim que vos faz suportar fadigas e privações temporárias? Pois bem! Que é esse descanso de alguns dias, turbado sempre pelas enfermidades do corpo, em comparação com o que espera o homem de bem? Não valerá este outro a pena de alguns esforços? Sei haver muitos que dizem ser positivo o presente e incerto o futuro. Ora, esta exatamente a idéia que estamos encarregados de eliminar do vosso íntimo, visto desejarmos fazer que compreendais esse futuro, de modo a não restar nenhuma dúvida em vossa alma. Por isso foi que primeiro chamamos a vossa atenção por meio de fenômenos capazes de ferir-vos os sentidos e que agora vos damos instruções, que cada um de vós se acha encarregado de espalhar. Com este objetivo é que ditamos O Livro dos Espíritos".
                                                                                                     Santo Agostinho

                                                     O Livro dos Espíritos


Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: lconforjr em 21 de Março de 2014, 20:41
      Amazona  « ref #11 em: 180314, 04:41 »

...
      Em msg anterior:

      Amaz pergunta: Como lidar com ofensas em geral?

      Conf responde: Só aprendemos a lidar com as ofensas por dois caminhos: o do esforço produzido pela forte vontade de não reagir; ou o de colocar amor em nosso coração.

      No entanto, não reagir por esforço, não elimina o sentimento de ofendidos que temos no peito; apenas pode evitar a manifestação de ações exteriores contra o ofensor; o
ínterior continuará ofendido.
...
   
      Agora, continuando:
 
      Conf: mas, se não sabemos como fazer para eliminar o sentimento de ofendido, só com o tempo, embora nem sempre, vamos conseguir eliminá-lo e lá, por anos e anos, continuará ele nos perturbando e prejudicando a nós e ao próximo. Então, a única solução é amar, ter amor, que o amor perdoa e esquec.

      Mas, quem , qual religião, qual ciência, filosofia, psicologia ensina a ter amor ou a amar? Todos dizem "o que fazer": ame! Mas quem é que diz o "como fazer" para aprender   como fazer para ter amor no coração, para aprender a amar? Pois amor não é manifestação exterior, mas sentimento interior! E absolutamente ninguém sabe ensinar a amar como absolutamente ninguém aprende a amar por conselhos, ensinamentos, ou exemplos de quem quer que sejam, mesmo que sejam de Jesus.
     
      No entanto, não estamos abandonados, à deriva. Existe como aprender a amar e o início desse ensinamento, para mim, está próximo de nós, ali no LM, cap 3, item 35, um conselho semelhante ao de Paulo que disse: “Estudai de tudo e guardai o que for bom!”.
     
.................

Título: Re: Ver os problemas com os olhos da Alma
Enviado por: wender100%espirita em 22 de Março de 2014, 16:24
como encaramos nossos problemas? com fé, com coragem, sem murmurar, resignados , confiantes, usando os exemplos de Jesus nos nossos dias, estudando, mas antes de tudo praticando, não adianta saber muito se não vivenciamos aquilo que aprendemos. paz e luz