Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => O Evangelho Seg. Espiritismo => Tópico iniciado por: Anton Kiudero em 22 de Junho de 2009, 08:54

Título: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: Anton Kiudero em 22 de Junho de 2009, 08:54
Bem Aventurados os Pobres de Espirito

Felizes os que sabem que são espiritualmente pobres, pois o Reino do Céu é deles.

O que será ser pobre espiritualmente? O pobre material é aquele que passa fome, não tem comida, ou seja, que não tem posses. A partir daí podemos dizer que pobreza significa um estado onde existe carência de posses. Qual a posse que um espírito pode ter? Seus sentimentos. Apenas isto é dele, ou seja, possui. Todo resto é de Deus e poderá ser retirado da guarda do espírito a qualquer momento.

Portanto, o pobre de espírito é aquele ser universal que possui carências de sentimentos. No entanto, esta carência não é caracterizada pelo volume de sentimentos, mas por estes não possuirem qualidades diferentes.

Pobre de espírito é aquele que só tem um sentimento para viver: o amor. Ele possui muito amor, mas só tem este tipo de sentimento e nenhum outro.

O pobre de espírito não tem raiva, não tem ganância, não tem ira, não tem contentamento. Quem possui todos estes sentimentos é um rico espiritualmente falando, pois possui diferentes qualidades de sentimentos.

Desta forma, a compreensão exata do ensinamento de Cristo é que aquele que possui apenas o amor chegará a Deus e será feliz.

A partir do momento que compreendemos o ensinamento, podemos mostrar o que Cristo ensinou o que é amar, ou o amor crístico.

Amar é só amar.

O que quer dizer isto? Que o amor ensinado por Cristo é incondicional, ou seja, só existe por ele mesmo. Quem ama universalmente não o faz por causa de nada, para nada, de nenhum jeito específico. Para Cristo, amar é amar e ponto final.

Cristo ensinou a amar a todos independentemente do que lhe façam, do jeito que estejam ou do lugar que eles estiverem. O amor crístico é incondicional, ou seja, existe sem que haja necessidade de condições específicas para existir.

O pobre de espírito só tem amor e para ser assim ele só ama, ou seja, abole toda e qualquer condição para amar. Amar é simplesmente amar e não amar “porque” ou “para que”. Amar é doar-se sem esperar nada em troca, entregar-se profundamente sem impor condição alguma. Sem esperar sequer que o outro lhe ame.

É isto que Cristo ensina quando fala que o bem-aventurado tem que ser pobre de espírito para poder possuir o Reino do céu. Para os seres humanos o amor crístico, no entanto, é muito difícil, pois o seu amor fica subordinado a condições para existir.

Os sentimentos humanos são todos, na verdade, um amor condicionado. Por exemplo: “eu amo se ele fizer isso”. Isto não é amor: é contentamento, prazer. Sempre que se impõe uma condição para amar que é realizada, surge o prazer de ter sua vontade contentada e o ser humano chama de amor.

É isso que Cristo está nos ensinando. O verdadeiro amor não espera nada, não condiciona a sua existência a nada. Eu amo, ponto final. Portanto, amar é amar e nada mais que isso.

Pensando agora em termos de reformar-se, se amar é simplesmente amar, o que temos que fazer para viver este amor crístico? Acabar com as condições para amar. De nada adianta o ser humano querer amar porque não conseguirá enquanto o seu ego estiver criando condições para amar.

http://meeu.com.br/?p=2176

Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: Elsamar em 22 de Junho de 2009, 10:36
Obrigada Anton,

nunca tinha interpretado esse ensinamento dessa maneira.

Então o pobre de espírito é aquele que tem unicamente um sentimento no seu coração: AMOR. :)

Abracinho.
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: Anton Kiudero em 22 de Junho de 2009, 10:59
Isso Elsamar,

Todos nos somos riquissimos de sentimentos e isto nos impediu sempre de compreender esta pequena linha...

Não julgando evitamos o nosso inútil e desnescessário enriquecimento. Quem não julga tampouco cria sentimentos desencontrados.

Anton
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: dOM JORGE em 23 de Junho de 2009, 16:30

                                                     VIVA JESUS !

                     A pobreza, não apresentando-a como uma virtude, como frequentemente

               se costuma fazer na Terra para suscitar admiração. A pobreza não é um exibici-

               onismo para se fazer venerar os santos. Seria pueril antepor como juízo de valor

               absoluto o do mundo, sendo possíveis diversas apreciações em função de    ou-

               tros pontos de referência sem interesse imediato. Todavia, não se pode impedir

               que cada um veja a pobreza a seu modo e que se encontre alguém para julgar a

               quele personagem um louco. Neste caso, temos o fato de que ele tem Cristo ao /

               seu lado.

                     Aos pobres, que acreditam na riqueza, como se ela pudesse ser a solução  /

               para todos os males; e aos ricos, que a ela estão grudados sem poder  resolvê  -

               los, para mostrar quanto ela pode conter de veneno e a que perigos se expõe   /

               quem não sabe fazer dela bom uso; quantos deveres ela implica e que dívida    /

               contral para com a justiça divina, à qual deverá pagar quem não cumpre com os

               deveres. A riqueza é uma arma de dois gumes que pode golpear mesmo quem     /

               é seu dono.É danoso não só ter mais do que o necessário, como também possuir

               muito pouco. Assim, tanto é desgraçado aquele que é excessivamente rico, como

              o muito pobre. Os bens são um meio e não um fim, um instrumento e não um obje-

              tivo de trabalho. Portanto, é por esse motivo que se tem o direito de possui-los   ,

              isto é, para trabalhar, produzir na matéria e no espírito, evoluir em ambos os cam-

              pos, e não para entesourar com avareza ou para desperdiçar no prazer. A riqueza

              que for usada para trair os fins da vida acaba por atraiçoar o incauto que acredita

              ser possível com a sua astúcia violar as leis.

                   Infelizmente, com essa forma mental, ansiosos de possuir e desfrutar a    qual

              quer custo, ricos e pobres frequentemente se equivalem. Muitos pobres, no fundo,

              são apenas ricos frustrados, desejosos, em nome da justiça, de fazer pior do que a

              queles, ou seja, ao tornarem-se ricos, praticarem uma injustiça maior ainda contra

              os desgraçados que ficaram pobres. As posições do satisfeito e do insatisfeito  são

              diferentes, mas a avidez de possuir e de gozar é característica humana. Para o  po

              bre, mesmo as raras renúncias do rico são consideradas loucura; se chegam a veri

              ficar-se, de modo algum lhe interessam, e só as toma a sério, se tiver alguma coi -

              sa a ganhar com elas. O pobre pode ver também naquela renúncia, que segundo  /

              ele é loucura, apenas o insulto que para ele representa o fato de o outro ter nasci

              do rico e, com esta finalidade, poder permitir-se ignorar as dificuldades da vida    ,

              dando-se ao luxo, por esporte, de fazer-se pobre, somente porque ele experimen -

              tou sê-lo de verdade. São heroísmos com os quais o pobre se ofende, porque   não

              o ajudam de forma alguma a salvá-lo da sua pobreza.

                           
                                                                                   dOM JORGE


                                                        PAZ, MUITA PAZ !
                       
           

                               
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: sensitive em 04 de Julho de 2009, 14:32
Olá!
Deixo aqui uma história que encaixa bem no que concerne aos "Bem aventurados os Pobres de Espírito"
Um velho eremita foi certa vez convidado  para ir até a corte do rei mais poderoso daquela época.
-Eu invejo um homem santo que se contenta com tão pouco- disse o rei.
-Eu invejo Vossa Majestade, que se contenta com menos do que eu- respondeu o eremita.
-como é que voçê pode dizer isso, se todo este país me pertence?- disse o rei ofendido.
-Justamente- disse o velho eremita.
-Eu tenho a música das esferas celestes,tenho os rios e as montanhas do mundo inteiro, tenho a Lua e o So, porque tenho Deus na  minha alma.
Vossa Majestade, tem apenas este reino.

Dá para pensar ;)
BjsSensitive
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: Suelen em 27 de Janeiro de 2010, 23:32
Boa noite!

Esse tópico colocado pelo Anton, vale ser lembrado.

Muita paz!
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: Conforti em 28 de Janeiro de 2010, 01:03
AMIGOS,
Peço q percebam uma coisa: tudo o q Jesus falou foi do 'ponto de vista' de um homem q conheceu a verdade, q despertou, q tem a mente clareada pela compreensão, isto é, do ponto de vista de um iluminado. Por isso muito do q Jesus ensinou ou falou, muitas vezes, nos parece até mesmo absurdo como "oferecer a outra face", "perdoar os q nos desejam fazer o mal" etc. Nós ainda não chegamos à 'estatura do Cristo" como Paulo afirmou, mas somos iguais a ele, como tb Paulo ensinou: "Se nós não ressucitarmos, nem Jesus ressucitou" e mais: "Todos somos coerdeiros com ele..." E muitas coisas mais de mesmo sentido. Porq o "pobre de espirito seria bemaventurado"? Na compreensão do ser humano o pobre de espirito, não será, ao contrario do q se afirmou neste tópico, pobre de amor, de humildade etc? O q tem amor, humidade, misericórdia é aquele q tem o espirito enriquecido, não é verdade, o espirito está amadurecendo? Qdo Jesus afirmou q o pobre de espirito é bemaventurado isso não significaria apenas q aquele q se 'esqueceu' do ego, q aniquilou o ego, o 'espirito', (como muitos dizem, ego=espirito) causador de todas nossas ilusões e sofirmentos, é bemaventurado porq chegou ao 'ápice'? Enqto o ego está dominando, o ser humano está sob suas limitações; qdo o ego é esquecido, cessa de operar, as ilusões causadoras dos sofrimentos tb cessam. Então esse homem não sofre mais, é realmente bemaventurado porq, afastando o ego, abre 'espaço' para q a divindade 'entre'. Enqto o ego opera, o cérebro, a mente, estão cheios de 'estática' como radios q não conseguem sintonizar a divindade; esta está sempre aqui, fora e dentro de nós, mas não a podemos perceber devido ao 'ruido' produzido pelas operações do ego. Esse é o verdadeiro  pobre de espirito, ou melhor, pobre do ego, pois o ego agora é zero; esse é o verdadeiro bemaventurado
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: mecame em 28 de Janeiro de 2010, 01:11
Pobres de espíritos são aqueles que estão livres do egoismo. Concordo com o irmão Coronel neste ponto. A paz
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: Anton Kiudero em 28 de Janeiro de 2010, 01:55
Na compreensão do ser humano o pobre de espirito, não será, ao contrario do q se afirmou neste tópico, pobre de amor, de humildade etc? O q tem amor, humidade, misericórdia é aquele q tem o espirito enriquecido, não é verdade, o espirito está amadurecendo? Qdo Jesus afirmou q o pobre de espirito é bemaventurado isso não significaria apenas q aquele q se 'esqueceu' do ego, q aniquilou o ego, o 'espirito', (como muitos dizem, ego=espirito) causador de todas nossas ilusões e sofirmentos, é bemaventurado porq chegou ao 'ápice'?

Estamos falando da mesma coisa. O rico de espirito, o espirito forte é aquele que é dominado pelo ego. E o ego manifesta-se pelos apegos e paixões. Tire isto e o que sobra? A pureza do amor. Ao inves de uma barafunda de sensações, apenas uma, uma pobreza...
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: Conforti em 28 de Janeiro de 2010, 02:02
Amigo ANTON KIUDERO,
Se estamos falando a mesma coisa, ótimo.
Um abraço.
Título: Re: Bem Aventurados os Pobres de Espirito
Enviado por: mecame em 28 de Janeiro de 2010, 16:45
Os pobres de espírito...Que não está sendo guiado pelo interesse do espírito inchado de orgulho próprio, mas sim aquele que as vezes esquece do seu proprio espirito para acalentar o outro,oseu semelhante. Aquele que sem pretensão nenhuma deita-se sob o sol e assiste o dia. Aquele que faz o seu trabalho taõ genrosamente que parece que a empresa que trabalha é sua. É isso. A paz de Cristo