Forum Espirita

CODIFICAÇÃO => O Céu e o Inferno => Tópico iniciado por: Viana em 07 de Dezembro de 2008, 15:07

Título: O Mal Não Existe?
Enviado por: Viana em 07 de Dezembro de 2008, 15:07
 ::) :o
O mal não existe!...
O mal seria apenas a ausência do bem... ? – Será?
A dor é a ausência do gozo?
O sofrimento é a ausência do prazer?
A tristeza é a ausência da alegria?
A pobreza é a ausência da riqueza?
A velhice é a ausência da juventude?
A doença é a ausência da saúde?
O ódio é a ausência do amor?
O diabo é a ausência de deus?
A morte é a ausência da vida?...

E o que acham se...
Trocasse-mos todos os valores?
Por exemplo...
E se a vida fosse à ausência da morte?
Então em não existindo a morte, logo também não existiria a vida?
Como então poderemos entender essa filosofia?
O mal não existe “é a ausência do bem” logo ele (o mal) só existe por não existir o bem, seria isso?
Bem, então, em não existindo um, surge se então o outro?
Como então entender o surgimento da vida; uma vez que até então ainda não existira a morte? – visto, pois, que a morte só viria a surgir pela a ausência da vida?

Se o diabo é a ausência de deus, logo então, em não existindo o diabo?...
Sem o diabo, o deus também não poderia ter vindo a existir?

Perdoe-me por eu assim pensar, mas esta é a maneira de eu ver as coisas, sem partidarismos, sem pender pra esse, ou para aquele; mas do meu jeito de ver; com lisura, com isenção, com sinceridade e com honestidade!

Na minha insignificância, penso que:
Tanto o mal, quanto o bem? – Ambos; tanto um como o outro, existem sim, e abaixo lhes deixo um bom exemplo...

Para mim o bem e o mal estão bem definidos; exemplo:
- O bem é quando faço algo que venha ser de ajuda, ou qualquer obra de amor.
- O mal; é quando assaltantes adentram a uma casa, rendem toda a família, amarram o pai, e faz com que ele assista sua esposa e filhas serem estupradas, diante dos seus olhos, depois encostam uma pistola na cabeça do mesmo estouram os seus miolos diante de todo o restante dos familiares atônitos e apavorados, sem nada poder fazer, e o pior; estes bandidos acabam por se evadirem sem serem presos e acabam por permanecerem impunes... Isso é para mim, o mal bem definido, não o é?  :-[ >:(



Do Viana, um apenas aprendiz...
  ;D ;)
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Shadowrun em 25 de Setembro de 2011, 03:58
Vou apenas citar uma frase, a qual não é de minha autoria, que ouvi em uma palestra.
Pelo fato de citar não quer dizer que compartilho de sua crença.
Apenas achei interessante como reflexão.
Obs: essa frase encontra embasamento em abordagens psicanalíticas jungianas modernas. Ela(a frase) não foi fundada em cima da doutrina.

"Deus criou o mal para ressaltar o bem."

Fonte: Djalma Argollo(Tema:"Nosso lado sombra")

Quem quizer ouvir a palestra na íntegra, me manda PM que eu passo o link do áudio.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Mourarego em 25 de Setembro de 2011, 17:28
Mano André Luis,
em que pese a citação ao Djalma Argolo ela, dentro do escopo doutrinário, não encontra embasamento.
Deus, é a "causa primária", omnipresente e omniciente,tem como atributos próprios ser Soberanamente Bom e Soberanamente Justo, logo, não crearia o mal.
Se o mal, que existe e é fato, campeando nos mundos mias atrasados, este é criação do homem, dotado ainda de um Espírito ignorante.
Esta a visão que se encontra nos compêndios codificados por Allan Kardec.
Abração,
Moura
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: EsoEstudos em 25 de Setembro de 2011, 17:37

O Mal é apontado na Doutrina Espírita como a ausência do Bem. Em outras filosofias espiritualistas, o Mal é uma das faces da mesma moeda à qual antepõe-se o Bem. Assim, tanto por uma como por outra visão, a dualidade “Bem X Mal” é parte integrante do sistema filosófico adotado.

Ao longo dos séculos que se seguiram ao estabelecimento do Credo de Nicéia, a Igreja instituiu e sedimentou a imagem do Adversário como a personificação do Mal. Lançou-o à consideração de todos como o Diabo, Satã, Mefistófeles, enfim, como um anjo que, tendo sido o mais belo e mais sábio, tomou-se de vaidade e quis ser Deus.

Daí sua designação como “Lúcifer” – o “Portador de Luz”.

Neste mesmo Blog já abordamos algumas vezes a dualidade “Bem X Mal”. Agora, proponho o seguinte aspecto: “Quem” é (ou seria) Lúcifer?

As tradições antigas dos povos, tanto do Ocidente como do Oriente, comungam de uma mesma base mitológica quanto ao surgimento do homem. Variam nomes e aspectos ambientes, mas o mito é sempre mais ou menos o mesmo.

Com uma enorme diferença, todavia.

O Mal não é visto como a ausência do Bem, tampouco como a sua negação ou contraposição. É um aspecto do todo, e, juntamente com o Bem, comungam da essência do próprio Criador Manifesto.

Há um Criador incognoscível, não manifesto, anterior a tudo. Esse Criador não fica no Repouso Absoluto senão até o momento em que, manifestando sua Vontade, faz-se Criador Manifesto através das mônadas que de si emite. Assim da Mônada vêm as mônadas,

Uma longa descrição, em cada cultura dos povos antigos, parte daí até o momento em que deve o homem vir à existência.

Portador de uma mônada individualizada, necessita da matéria para restringir-se à individualização absoluta. Sente-se, assim, separado do todo e passa a reconhecer-se como ser.

Eis aí a sua “revolta”. Eis aí a “rebelião”. O homem sente-se único e identifica-se como um ser à parte. Nesse estrito sentido, “revolta-se” contra o Criador. A noção de si mesmo é o fruto da Árvore do Conhecimento.

Após a plena individualização, de que necessita o homem? Necessita ascender em retorno à Luz Absoluta, na espiral evolutiva que, fechando ciclos, parece retroagir mas continua subindo.

Qual o instrumento necessário para que o homem mude o curso descendente à matéria e retorne, após sua experiência como ser individualizado, à Fonte que o criou?

Esse instrumento é tudo o que o homem aprendeu a chamar de Mal...

É a dor que instrui o ser à manutenção de si mesmo, com os cuidados indispensáveis à própria conservação.

É a perda que obriga o ser à valoração das coisas que lhe vêm ao domínio.

É o medo que impede o ser de lançar-se aos devaneios aventureiros que a vontade traz.

É a humilhação que impele o ser à valoração de si mesmo, extirpando o orgulho que seduz e distorce.

É a violência que nos bate à face cada vez que tentamos burlar nossa consciência com os argumentos personalistas que ofendem nossa natureza espiritual.

E assim por diante...

Lúcifer? É o símbolo do anjo que veio até nós (caiu) para nos ensinar o retorno à Luz...

Não tenha dúvida... Essa história de “Príncipe das Trevas” é apenas para dominar pelo medo. As atrocidades que os homens cometem, cometem-nas por si mesmos, no exercício de sua liberdade de ação que a individualidade propicia.

É preciso acordar para a nossa integral responsabilidade. O Diabo é um pobre coitado que leva a culpa por tudo o que o homem tem vergonha de ter feito.


http://esoestudos.blogspot.com/2011/03/quem-e-lucifer.html?utm_source=BP_recent
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Shadowrun em 25 de Setembro de 2011, 17:39
Concordo, Moura.
Apenas quis apresentar uma visão que, como ressaltei não se embasa em Kardec, nos faz refletir sobre a necessidade de existir o "mal".
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Mourarego em 25 de Setembro de 2011, 17:44
E foi muito justa a sua lembrança mano André,
pois que alguns ainda pensam que o único instrumento de instrução e iluminação seja o bom exemplo, mas esta iluminação e Conhecimento se adquire quando se sabe observar, de fora a tudo que nos cerca.
Abraços,
Moura
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: HamLacerda em 25 de Setembro de 2011, 18:30
Este vídeo é muito didádito para entender o que é o mal. Comumente alguém usa ele aqui no fórum com menssagem de ânimo. É um vídeo que apela à inteligencia por atribuir sua autoria a Einstein, mas isso não é muito relevante. O que importa é o fundo que, além de ter muita lógica, não deixa de levar um pensamente genuinamente Espírita.

Albert Einstein - O mal não existe (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXZVMTRkclJwVi1NIw==)
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Shadowrun em 25 de Setembro de 2011, 18:44
Muito bom e elucidativo o vídeo.
"O Livro dos Espíritos" mesmo mostra uma visão favorável a essa idéia lógica de "ausência".
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Ped a Jesus em 26 de Novembro de 2011, 01:34
e uma logica o que diz nesse video,na visão de quem quer afirmar.
mas de nos neste mundo tem a capacidade avançada e visão para tal acertiva .
vejo que ainda não foi nos cosentido enchergar certas coisas,com o tempo tudo muda!





sem caridade não tem salvação!
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: HealTheWorld em 26 de Novembro de 2011, 09:12
Bom dia,

Concordo com a primeira exposição apresentada, o mal não existe na essência profunda, é apenas a incapacidade do espírito em praticar o bem. Assumir a existência desta característica nos elementos da composição universal, era obrigatoriamente dizer que este atributo é inerente a Deus, facto que contraria a lógica e a doutrina.
Filosoficamente falando, o mal é apenas uma materialização da ignorância do espírito!

Abraços fraternos.

Luís
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: LuizFrancisco em 26 de Novembro de 2011, 11:42
Olá a todos,

Afinal, de onde vem o mal? Essa resposta vamos buscar na questão 120 de “O Livro dos Espíritos”:

“Todos os Espíritos passam pela fieira do mal para chegar ao bem?

- Pela fieira do mal, não; pela fieira da ignorância.”

Aí está a raiz do mal. A ignorância é a causa do mal, ou seja, o mal é conseqüência da ignorância.
Por isso dizem que não existe, pois, a ignorância do Espírito leva-o a praticar o mal.

Por isto que em mundos mais evoluídos não há o mal, pois perde-se na essência do conhecimento e na evolução do Espírito imortal.

Abraços,
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: M.Altino em 26 de Novembro de 2011, 12:10
Um  abraço  a todos  r  meditando sobre  este tema  que me chamou a a tenção, apenas  queria me reportar ao Livro dos Espíritos , o Kardec  muito bem  nos  diz  nas  questões  639 e 640 e 638,  que   por vezes  nós homens  somos  sempre os causadores  do mal e sempre  com o nosso livre arbítrio, sentido que o que chamamos de mal é um desvio do nosso propósito de vida.
 O mal recai sobre quem lhe foi o causador.
 Quando o homem pratica, da posição em que os outros homens o colocam, aquele que é levado a praticar o mal pela posição em que seus semelhantes o colocam tem menos culpa do que os que, assim procedendo, o ocasionaram.
 Porque, cada um será punido, não só pelo mal que haja feito, mas também pelo mal a que tenha dado lugar. 
Aquele que não pratica o mal, mas que se aproveita do mal praticado por outrem, é tão culpado quanto este. 
É como se o houvera praticado.
Aproveitar do mal é participar dele.
Talvez não fosse capaz de praticá-lo;
 mas, desde que, achando-o feito, dele tira partido, é que o aprova;
é que o teria praticado, se pudera, ou se ousara.
Parece, às vezes, que o mal é uma conseqüência da força das coisas.
Tal, por exemplo, a necessidade em que o homem se vê, nalguns casos, de destruir, até mesmo o seu semelhante.
Embora necessário, o mal não deixa de ser o mal.
Essa necessidade desaparece, entretanto, à medida que a alma se depura, passando de uma a outra existência.
 Então, mais culpado é o homem, quando o pratica, porque melhor o compreende.

Me desculpem  esta  pequena  ousadia  mas  espero que tenha ajudado a compreender melhor  .
Um grande abraço de muita paz
Manuel Altino 
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Lucazan em 26 de Novembro de 2011, 12:19
Caros Amigos,

629 Que definição se pode dar à moral?

– A moral é a regra do bem proceder, ou seja, a que permite distinguir entre o bem e o mal. Ela é fundada sobre o cumprimento da lei de Deus. O homem procede bem quando faz tudo para o bem de todos porque, então, cumpre a lei de Deus.

630 Como se pode distinguir o bem e o mal?

– O bem é tudo o que está conforme a lei de Deus; o mal, tudo o que é contrário. Assim, fazer o bem é proceder conforme a lei de Deus; fazer o mal é infringir essa lei.

Acredito que o Bem e o Mal, são apenas o resultados de nossas intensões, atitudes e ações.

Sendo que o que mais pesa e a intensão, se temos a vontade e o desejos de fazer a coisas certa ou o bem a todos.

Se pensarmos bem, as mesmas atitudes e ações que praticamos, muitas vezes acabam provocando o bem para as pessoas que receberam algumas influências desta ação boa, e provocam o mal às pessoas que não foram beneficiadas por esta mesma ação, ou seja, as nossas ações esta diretamente relacionada às atitudes e pensamentos dos demais seres que serão influenciadas por elas.

 
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: fernandes adalberto em 26 de Novembro de 2011, 13:35
o mal existe, o que não existe são seres com conhecimento bastante para reter as má ação proveniente do seu atraso mental.
ele existe, está em todos os lugares, onde não existe paz e harmonia.
Fernandes Adalberto
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Lucazan em 26 de Novembro de 2011, 13:48
Atraso mental de um ser que é criado simples e ignorante, sem conhecimento de si mesmo e de seus atos?
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Lucazan em 26 de Novembro de 2011, 14:00
O problema são as vicissitudes ao qual o espírito se apega por sua inferioridade e não consegue se livrar sem o reconhecimento de seu erros, ou seja, sem o arrependimento sincero.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Mourarego em 26 de Novembro de 2011, 14:05
Avaliando as respostas e as colagens com pontos contidos na DE só tenho de repetir o que já comentei: O mal existe, só não é creação de Deus, mas do homem e de sua ignorância.
Gente são tantas as colocações que indicam a existência do mal pela De, que a resposta ao título seria apenas esta, sim o mal existe.
Abraços,
Moura
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Kazaoka em 26 de Novembro de 2011, 14:41
Sim, o mal existe. Mas, não é criação de Deus. Por que o que entendemos como "mal" nada mais é do que a destoação do bem. O bem sim, é da essência Divina. O mal, por sua vez, é o uso e aplicação do bem, em atitudes que contrariam as Leis de Deus.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: maria.ma@ em 26 de Novembro de 2011, 14:58
Nada acontece sem a permissão de Deus, diz o Livro dos Espíritos em vários pontos. Portanto, o mal, que não existe, mas que é percebido como tal por alguns, nada mais é que a ignorância em relação às intenções e à vontade de Deus.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Lucazan em 26 de Novembro de 2011, 15:59
O que está a acontecer.

Deus, já não é causa primária de tudo?





Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Hebe M C em 26 de Novembro de 2011, 17:43
O que está a acontecer.

Deus, já não é causa primária de tudo?


Pois é, todas as vicissitudes da vida são provas escolhidas pelo Espírito, nisto consiste o nosso livre-arbítrio, está em OLE, assim como os espíritos considerados maus ou ignorantes agem com a permissão de Deus para nos provar, também está em OLE, portanto o que consideramos mau é nosso instrumento de prova para nossa melhoria.
Depende muito de como vamos entender este mau na visão humana, porque na visão do Espírito a escolha do genêro de provas é a mais dificil.

Um abç
Hebe 
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Lucazan em 26 de Novembro de 2011, 17:58
O que está a acontecer.

Deus, já não é causa primária de tudo?


Pois é, todas as vicissitudes da vida são provas escolhidas pelo Espírito, nisto consiste o nosso livre-arbítrio, está em OLE, assim como os espíritos considerados maus ou ignorantes agem com a permissão de Deus para nos provar, também está em OLE, portanto o que consideramos mau é nosso instrumento de prova para nossa melhoria.
Depende muito de como vamos entender este mau na visão humana, porque na visão do Espírito a escolha do genêro de provas é a mais dificil.

Um abç
Hebe 

Sim Hebe, partindo princípio que o bem é estar e conformidade com as leis de Deus, o mau sempre existirá quando a lei de Deus for infringida.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: maria.ma@ em 26 de Novembro de 2011, 19:09
A lei de Deus é amá-Lo acima de todas as coisas. E é o único remédio para acabar com todos os males, mesmo sendo eles imaginários.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Lucazan em 26 de Novembro de 2011, 20:14
Ah tá!!!!
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Lucazan em 26 de Novembro de 2011, 20:18
E eu acredito em Papai Noel e em demônios também, e espero encontrá-la no Reino de Deus, do lado direito do trono. 
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Hebe M C em 26 de Novembro de 2011, 21:22
O que está a acontecer.

Deus, já não é causa primária de tudo?


Pois é, todas as vicissitudes da vida são provas escolhidas pelo Espírito, nisto consiste o nosso livre-arbítrio, está em OLE, assim como os espíritos considerados maus ou ignorantes agem com a permissão de Deus para nos provar, também está em OLE, portanto o que consideramos mau é nosso instrumento de prova para nossa melhoria.
Depende muito de como vamos entender este mau na visão humana, porque na visão do Espírito a escolha do genêro de provas é a mais dificil.

Um abç
Hebe 

Sim Hebe, partindo princípio que o bem é estar e conformidade com as leis de Deus, o mau sempre existirá quando a lei de Deus for infringida.
Oi Lucazan,

Quais o gêneros de provas que o Espírito escolhe no mundo espiritual?
Para que serve, a pobreza a riqueza, corpo físico feio ou bonito, condição social fácil ou dificil, parentes próximos queridos ou inimigos etc e tal?

O Espírto escolhe apenas o genero de provas, o que ocorre durante sua vida terrena seja bem ou mal é exclusivamente para seu aprendizado.

Escolhendo o genero de provas está sujeito a viver na matéria o lado que considera bom e ruim, sucumbe a prova quando não as aceita.

Será que só o Papai Noel é colocado nas nossas vidas por Deus ou temos total confiança em Deus de que aquela situação difícil se apresenta para que possamos aprender a nos livrar do egoísmo, do orgulho, da mágoa etc e tal?

Amar a Deus acima de TODAS AS COISAS ( boas ou ruins) e ao próximo como a ti mesmo.
Essa é a lei maior.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: EsoEstudos em 26 de Novembro de 2011, 23:49
Mal e Bem são valorações de um ato ou fato. O mesmíssimo ato ou fato pode ser considerado bom ou mau, dependendo da abordagem.

Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Hebe M C em 27 de Novembro de 2011, 00:35
Mal e Bem são valorações de um ato ou fato. O mesmíssimo ato ou fato pode ser considerado bom ou mau, dependendo da abordagem.


Deus julga pela intenção, já que as verdades dos homens são relativas.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: EsoEstudos em 27 de Novembro de 2011, 02:01
Mal e Bem são valorações de um ato ou fato. O mesmíssimo ato ou fato pode ser considerado bom ou mau, dependendo da abordagem.


Deus julga pela intenção, já que as verdades dos homens são relativas.

Olá Hebe!

Concordo. Para quem age com pureza de intenção, até uma conduta que a maioria possa considerar vil não será necessariamente um mal.

Um exemplo simples (para facilitar um pouco as coisas...) são os costumes que aprendemos a chamar de "Bárbaros". Uma certa sociedade indígena é famosa por fazer uma iniciação em seus adolescentes com formigas que causam dor lancinante. No Tibete de outros tempos os recem-nascidos eram mergulhados em água gelada, para que só os fortes sobrevivessem.

Uma sociedade bem mais avançada que a nossa certamente nos considerará "bárbaros" por poluirmos o ar, as águas, produzirmos armas de destruição em massa etc etc etc... Mas   o que seria da sociedade sem a revolução industrial e sem a defesa contra grupos tirânicos?

Como bem disse, tudo é relativo para o homem.

Para Deus, tudo flui na mais perfeita Harmonia.




Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Le em 27 de Novembro de 2011, 09:36
O Mal!!!

Ao ser colocada a questão nestes termos necessário seria primeiro definir o que é "Mal".

" Deus, Inteligência Suprema Causa Primária de todasas coisas"
   Todo poder e bondade, não castiga nem premeia nenhuma das suas criaturas.

Nós os humanos, que temos a pretensão de ser a criatura de Deus mais inteligente, queremos ter uma explicaçãp para tudo, o que é uma virtude mas, no nosso egoísmo, normalmente queremos que a explicação vá ao encontro daquilo que consideramos estar e ser o correto.

A partir deste momento consideramos isso o Bem e tudo o que seja o oposto disso nós consideramos o Mal.

Por isso não haja dúvida que o Mal só existe enqunto oposição ao Bem  e nesta dualidade encontramos o ponto de equlíbrio.

Saibamos nós em cada momento tudo analisar à luz da razão, e tomarmos as nossas decisões em consonância com o que somos, o que aqui estamos fazendo para que um dia  retornemops à vida e à continuação da evolução, tendo em conta o que o Mal é o contraponto do Bem que nos conduzirá pelo caminho certo à meta que temos que atingir.

Um bom domingo
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Hebe M C em 27 de Novembro de 2011, 10:14
Sim, analisar a luz da razão, mas será que neste mundo de provas e expiações alguém tem a razão absoluta?

Os condiconamentos são criados socialmente e assim as verdades estabelecidas, porém relativas ao meio e isso segue até a célula social ( família).

Existe um comportamento padrão estabelecido pelos homens e as leis sociais que ajudam a combater o que se chama de mal.

Penso que o homem terá o mal extinto dentro de si quando vencer a dualidade, ou seja, atingir um estado equânime como Jesus, Buda e etc.

Um abç
Hebe
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: maria.ma@ em 27 de Novembro de 2011, 12:21
E eu acredito em Papai Noel e em demônios também, e espero encontrá-la no Reino de Deus, do lado direito do trono. 

O reino de Deus é aqui e agora, e alcança-se instantaneamente quando se abdica da ideia de se ser alguém, entregando-se completamente a Ele.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Hebe M C em 27 de Novembro de 2011, 14:00
Aconselho dar uma lida na questão 754 em OLE.

A semente do bem está latente em todos os seres, não existe um ser totalmente mal.
O que vai libertar o homem da crueldade é o despertar da consciência e o senso moral (latente) que se desenvolve conforme seja mais ou menos a cricunstâncias ao qual o Espírito encarnado está inserido.

Estigmatizar um Espírito encarnado como mal é a pior das crueldades que se pode fazer.
Normalmente é quem precisa de mais socorro e ajuda para despertar e aprender a amar e não é pela punição ou violência igual, que vai fazer com que se modifique e sim o auxílio através do amor, coisa rara num mundo de provas e espiações, porém possível já para alguns.

Portanto se existe o mal neste mundo é pela falta de compreensão dos que se consideram bons em auxiliar. Puro egoísmo.

Em nome de Deus e dos homens que se consideravam eleitos, quanta barbaridade foi feita em defesa de suas crenças e religiões? Muitas, mais até do que o ladrão ou assassino, que nasceram num meio hostil com menos oportunidade.

Óbvio que não se deve deixar correr solto e aceitar tudo, a leis estão aí para auxiliar quem está a margem da sociedade. Mas os processos corretivos são altamente falhos, quem entra num sistema prisional, sai pior do que entrou, pelas condições que são tratados dentro destas instiuições.

O mesmo acontece com um Espírito que tem oportunidade de nascer e crescer dentro de um lar que deveria ser amoroso e é desde a infância hostilizado por quem deveria ser acolhido com punições severas.  Ele veio para aprender a amar , já tras em si virtudes adquiridas e defeitos a serem corrigidos, vai prevalecer diante do medo e dos gatilhos emocionais de defesa o que for mais estimulado. Não é portanto totalmente mal, apenas não recebeu a troca de amor de quem deveria.

Um Abç
Hebe


 

Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: LuizFrancisco em 27 de Novembro de 2011, 17:10
Olá a todos,

Em minha postagem anterior coloquei que:
"Aí está a raiz do mal. A ignorância é a causa do mal, ou seja, o mal é conseqüência da ignorância. Por isso dizem que não existe, pois, a ignorância do Espírito leva-o a praticar o mal. Por isto que em mundos mais evoluídos não há o mal, pois perde-se na essência do conhecimento e na evolução do Espírito imortal.".

A ignorância é a causa dos males", imaginemos agora:

Um País (chamado Universo), com várias cidades (chamadas planetas), e que em algumas destas (em provas e expiações), por ignorância pratica-se o mal.

Logo, no meu entendimento, o mal é a ausência do Bem, devido à ignorância do Bem.

Abraços,




Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Mourarego em 28 de Novembro de 2011, 13:35
Mano Luiz,
o amigo ia bem até que afirmou: "Por isto que em mundos mais evoluídos não há o mal", na verdade apenas a partir dos mundos regenerados é que o mal deixa de existir.
por exemplo, diz OLE que nos mundos de Regeneração, próxima característica a ser encampada pela Terra, ainda haverá o mal.
Abração,
Moura

Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Mega em 21 de Agosto de 2012, 00:49
 Faz-se o mal por ignorar o bem? Sei não. O cara vive roubando em grupo. Um de seus comparsas o rouba, ele, se puder, o mata. Ele sabe que é ruim ser roubado. O que me parece é que o praticante do mal desconhece o prazer que se tem ao praticar o bem e por algum desvio mental ou mesmo algum tipo de demencia, sente prazer com suas maldades. Evocaria aqui a questão evolutiva moral que contém a mais fiel das respostas (suscinto) , mas, será que a evolução intelectual não é suficiente para deixararem de ignorar o bem? Quase sempre para se fazer o mal é preciso ser sagaz, inteligente, o contrário se dá com o bem, os bons as vezes são até tomados por bobões de tão simplistas que são.
Excluídos os doentes, não acho que ignoram o bematé por que o pratica com os seus, acho que desconhecem a verdade sobre si mesmo, que não vislumbram o por que de sua existencia e por isso não almeja uma vida futura e plena, daí o desrespeito, o desamor, a impiedade, o aqui, agora, nunca o amanhã, o futuro de espírito eterno.  Graças a Deus  que é só por um lapso de tempo. Vai passar. Viva!
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Aimoré em 21 de Agosto de 2012, 01:08
Faz-se o mal por ignorar o bem? Sei não. O cara vive roubando em grupo. Um de seus comparsas o rouba, ele, se puder, o mata. Ele sabe que é ruim ser roubado. O que me parece é que o praticante do mal desconhece o prazer que se tem ao praticar o bem e por algum desvio mental ou mesmo algum tipo de demencia, sente prazer com suas maldades. Evocaria aqui a questão evolutiva moral que contém a mais fiel das respostas (suscinto) , mas, será que a evolução intelectual não é suficiente para deixararem de ignorar o bem? Quase sempre para se fazer o mal é preciso ser sagaz, inteligente, o contrário se dá com o bem, os bons as vezes são até tomados por bobões de tão simplistas que são.
Excluídos os doentes, não acho que ignoram o bematé por que o pratica com os seus, acho que desconhecem a verdade sobre si mesmo, que não vislumbram o por que de sua existencia e por isso não almeja uma vida futura e plena, daí o desrespeito, o desamor, a impiedade, o aqui, agora, nunca o amanhã, o futuro de espírito eterno.  Graças a Deus  que é só por um lapso de tempo. Vai passar. Viva!

Quando os conceitos de" evolução" e " causa e efeito" forem melhores entendidos  pela humanidade, o mal sofrerá uma grande derrota.Como o Mega disse, esse estado em que a humanidade vive" vai passar".
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: wender100%espirita em 06 de Outubro de 2012, 14:04
Este vídeo é muito didádito para entender o que é o mal. Comumente alguém usa ele aqui no fórum com menssagem de ânimo. É um vídeo que apela à inteligencia por atribuir sua autoria a Einstein, mas isso não é muito relevante. O que importa é o fundo que, além de ter muita lógica, não deixa de levar um pensamente genuinamente Espírita.

Albert Einstein - O mal não existe (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PXZVMTRkclJwVi1NIw==)
resposta perfeita e isso mesmo não precisa acrescentar mais nada!! paz e luz a todos
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Brenno Stoklos em 07 de Agosto de 2013, 02:05

3. - Entretanto, o mal existe e tem uma causa.
Os males de toda espécie, físicos ou morais, que afligem a Humanidade, formam duas categorias que importa distinguir: a dos males que o homem pode evitar e a dos que lhe independem da vontade. Entre os primeiros, cumpre se incluam os flagelos naturais.

....................................

6. - Porém, os males mais numerosos são os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus excessos em tudo. Aí a causa das guerras e das calamidades que estas acarretam, das dissenções, das injustiças, da opressão do fraco pelo forte, da maior parte, afinal, das enfermidades.
Deus promulgou leis plenas de sabedoria, tendo por único objetivo o bem. Em si mesmo encontra o homem tudo o que lhe é necessário para cumpri-las. A consciência lhe traça a rota, a lei divina lhe está gravada no coração e, ao demais, Deus lha lembra constantemente por intermédio de seus messias e profetas, de todos os Espíritos encarnados que trazem a missão de o esclarecer, moralizar e melhorar e, nestes últimos tempos, pela multidão dos Espíritos desencarnados que se manifestam em toda parte. Se o homem se conformasse rigorosamente com as leis divinas, não há duvidar de que se
pouparia aos mais agudos males e viveria ditoso na Terra. Se assim procede, é por virtude do seu livre-arbítrio: sofre então as conseqüências do seu proceder.

                                                    A Gênese

Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Vitor Santos em 07 de Agosto de 2013, 13:55
Olá amigos

Mal é um adjectivo, não um substantivo. É uma classificação que nós damos a um evento, que depende do ponto de vista de quem a estabelece.

Para a doutrina espirita não existem espíritos maus, em absoluto, mas espíritos ignorantes, aprendizes, incapazes de compreender o que é melhor para si mesmos, que cometem crimes morais, isto é comportam-se estupidamente, ignorando as leis da natureza, neste caso, as leis da natureza espiritual.

As razões pelas quais as pessoas ignoram as leis da natureza espiritual são de diversa ordem. A doutrina espirita refere que essas leis estão escritas na consciência, mas, por outro lado, refere que o espírito encarnado perde temporiamente o acesso à memória espiritual. Se o tivesse lembrar-se-ía das encarnações anteriores. Há aqui uma incoerência a ultrapassar. Mas o que é facto é que, se um espírito se comporta mal, sabendo de antemão que está a contrariar a própria evolução para a felicidade e liberdade, então ou é masoquista, ou fraco (fraco não é sinónimo de mau...) ou é louco.

O que acontece é que o espírito encarnado não está na plenitude da percepção do mundo e de si mesmo. O corpo de carne é algo que interfere profundamente sobre nós, bem como todas as influências externas a que estamos sujeitos. Um pessoa que nasce numa família de mafiosos não recebe uma educação com os mesmos valores morais do que uma pessoa que nasce numa família de gente honesta e trabalhadora. Nós estamos ligados de forma tão forte ao corpo de carne que é muito difícil ver-se ou sentir-se como espírito imortal. 

Jesus dá-nos uma definição de mal e de bem que é relativa, válida para todos, quaisquer que sejam as respectivas origens e tendências culturais e religiosas. Todos somos espíritos igualmente importantes, para Deus e para todos os efeitos. Deus é imparcial. Nas mesmas circunstâncias todos estão sujeitos à mesmas regras. Logo, mal é o que não queremos para nós nem para aqueles que mais amamos. É o que reprovamos outrem (como julgares serás julgado - só há um peso e uma medida para todos). Bem é o oposto de mal.

A definição de mal de Jesus é válida para qualquer mundo, apesar de uma acção que num mundo inferior pode não ser considerado um mal, já pode ser considerado um mal num mundo mais avançado.  Algo que aqui é considerado um bem pode ser considerado um mal num mundo superior, mais exigente.

bem hajam
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Mourarego em 07 de Agosto de 2013, 16:10
Mano Victor, tomando por base o post do mano Brenno, digo-lhe que ele citou o que a DE en sina e se ali está que "entretanto o mal existe",é que este existe.
abração,
Moura
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Brenno Stoklos em 07 de Agosto de 2013, 23:19
Olá amigos

Mal é um ..........................................
......................................................mais exigente.

bem hajam


Concordo, aqui, com o mano Moura,

Seja adjetivo ou substantivo, o fato é que o mal existe e tem uma causa, qual seja: O nosso Livre-Arbítrio!


Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Viana em 12 de Agosto de 2013, 01:13
 ???
Sinceramente? Debater, discutir ou ainda questionar, será que o mal existe, ou não existe???
Nessa circunstância eu perguntaria se o bem existe? Este sim, percebe-se que está quase em extinção!!!
- Para isso, basta olhar os noticiários da televisão!!!

Viana, o bem informado...
  ::)
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Kazaoka em 12 de Agosto de 2013, 01:37
Sim, Viana!

Ao meu modo de ver, você não deixa de ter razão. O bem e o mal só existem à partir do momento que os criamos, portanto são co-criações nossas.
Deus criou o universo físico e o metafísico, a matéria e o espírito. E toda criação está submetida às Leis eternas que regem os diversos planos.
Para os seres com capacidade de sensações e aqueles dotados de consciência de si, o bem e o mal está, justamente, na observância ou na negligência destas Leis.
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Brenno Stoklos em 12 de Agosto de 2013, 06:04
???
Sinceramente? Debater, discutir ou ainda questionar, será que o mal existe, ou não existe???
Nessa circunstância eu perguntaria se o bem existe? Este sim, percebe-se que está quase em extinção!!!
- Para isso, basta olhar os noticiários da televisão!!!

Viana, o bem informado...
  ::)


O mais importante é conhecermos a origem do mal e o como evitá-lo!

É no Livre-Arbítrio que temos para seguir, ou não, o caminho que nos é indicado pelas Leis Divinas.

Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: sensitive em 21 de Agosto de 2013, 00:19
Ola!

Boa pergunta, será que o Mal existe???
Cada um tem uma ideia diferente, claro, mas ao perguntar-me o que é o Mal ...posso chegar a muita conclusão.....será algo personificado será algo mais relativo como pensamento ou será o ato em si....?????
bem pessoalmente penso que o Mal não existe, o que existe é diferentes níveis de aprendizagem ......somos seres em estádio de evolução que aprendemos com os erros...erros esses que temos ter consciencia deles primeiro para os emandar.....mal é nao querer aprender com os erros.....

abraço

 
Título: Re: O Mal Não Existe...?...?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Agosto de 2013, 02:07
Ola!

Boa pergunta, será que o Mal existe???
Cada um tem uma ideia diferente, claro, mas ao perguntar-me o que é o Mal ...posso chegar a muita conclusão.....será algo personificado será algo mais relativo como pensamento ou será o ato em si....?????
bem pessoalmente penso que o Mal não existe, o que existe é diferentes níveis de aprendizagem ......somos seres em estádio de evolução que aprendemos com os erros...erros esses que temos ter consciencia deles primeiro para os emandar.....mal é nao querer aprender com os erros.....

abraço


A Doutrina Espírita não deixa nenhuma dúvida quanto ao assunto:


3. - Entretanto, o mal existe e tem uma causa.
Os males de toda espécie, físicos ou morais, que afligem a Humanidade, formam duas categorias que importa distinguir: a dos males que o homem pode evitar e a dos que lhe independem da vontade. Entre os primeiros, cumpre se incluam os flagelos naturais.

....................................

6. - Porém, os males mais numerosos são os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus excessos em tudo. Aí a causa das guerras e das calamidades que estas acarretam, das dissenções, das injustiças, da opressão do fraco pelo forte, da maior parte, afinal, das enfermidades.
Deus promulgou leis plenas de sabedoria, tendo por único objetivo o bem. Em si mesmo encontra o homem tudo o que lhe é necessário para cumpri-las. A consciência lhe traça a rota, a lei divina lhe está gravada no coração e, ao demais, Deus lha lembra constantemente por intermédio de seus messias e profetas, de todos os Espíritos encarnados que trazem a missão de o esclarecer, moralizar e melhorar e, nestes últimos tempos, pela multidão dos Espíritos desencarnados que se manifestam em toda parte. Se o homem se conformasse rigorosamente com as leis divinas, não há duvidar de que se pouparia aos mais agudos males e viveria ditoso na Terra. Se assim procede, é por virtude do seu livre-arbítrio: sofre então as conseqüências do seu proceder.

                                                                                 A Gênese


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 21 de Agosto de 2013, 11:48
Olá amigo Brenno

Citar
3. - Entretanto, o mal existe e tem uma causa.
Os males de toda espécie, físicos ou morais, que afligem a Humanidade, formam duas categorias que importa distinguir: a dos males que o homem pode evitar e a dos que lhe independem da vontade. Entre os primeiros, cumpre se incluam os flagelos naturais.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/45/?action=post;num_replies=46#ixzz2cbBlPWRL

Concordo com isto. O mal, no sentido de eventos desagradáveis e que conduzem ao sofrimento, existe. Não é preciso estudar espiritismo para concluir isso. Basta viver...

Todavia, quando dizemos que o mal existe, temos de excluir que existem espiritos destinados a fazer o mal para a eternidade. Que as más acções são uma consequência da ignorância espiritual, das circunstâncias em que nos encontramos, pois somos aprendizes. E não o livre-arbítrio. Os espiritos puros também têm livre arbítrio, contudo, segundo a DE, não fazem o mal.

bem hajam
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mourarego em 21 de Agosto de 2013, 12:04
Amiga Sensitive,
repare que o amigo brenno trouxe uma colagem da própria codificação logo, é a doutrina falando e o faz diferentemente do seu pensar.
Abraços,
Moura
Ola!

Boa pergunta, será que o Mal existe???
Cada um tem uma ideia diferente, claro, mas ao perguntar-me o que é o Mal ...posso chegar a muita conclusão.....será algo personificado será algo mais relativo como pensamento ou será o ato em si....?????
bem pessoalmente penso que o Mal não existe, o que existe é diferentes níveis de aprendizagem ......somos seres em estádio de evolução que aprendemos com os erros...erros esses que temos ter consciencia deles primeiro para os emandar.....mal é nao querer aprender com os erros.....

abraço

 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Olé em 21 de Agosto de 2013, 15:52
Bênção e maldição  (Bem e Mal)

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.


Como nos diz Kardec aí, o bem e o mal existem porque temos os dois opostos mas, essa influência acontece apenas pela vontade de Deus.

O homem não tem voto na matéria.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Agosto de 2013, 19:50

Que as más acções são uma consequência da ignorância espiritual, das circunstâncias em que nos encontramos, pois somos aprendizes. E não o livre-arbítrio. Os espiritos puros também têm livre arbítrio, contudo, segundo a DE, não fazem o mal.

bem hajam


É que, sem o Livre-Arbítrio, mesmo sendo ignorantes, não poderíamos cometer ação alguma. Nem boa, nem má.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Agosto de 2013, 19:56
Bênção e maldição  (Bem e Mal)

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.


Como nos diz Kardec aí, o bem e o mal existem porque temos os dois opostos mas, essa influência acontece apenas pela vontade de Deus.

O homem não tem voto na matéria.


Como se vê, a conclusão do amigo está errada.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Olé em 21 de Agosto de 2013, 20:08
Bênção e maldição  (Bem e Mal)

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.


Como nos diz Kardec aí, o bem e o mal existem porque temos os dois opostos mas, essa influência acontece apenas pela vontade de Deus.

O homem não tem voto na matéria.

Como se vê, a conclusão do amigo está errada.

A ignorância é filha da desatenção, esta sustenta o preconceito e a ilusão!

Está aqui o original sem as deturpações

Bênção e maldição  (Bem e Mal)

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.


Como nos diz Kardec aí, o bem e o mal existem porque temos os dois opostos mas, essa influência acontece apenas pela vontade de Deus.

O homem não tem voto na matéria.

...

Descubra as diferenças...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Agosto de 2013, 20:41

Está aqui o original sem as deturpações


                                                                  O Livro dos Espíritos

                                                                     PARTE SEGUNDA

                                                                      CAPÍTULO IX

                                        DA INTERVENÇÃO DOS ESPÍRITOS NO MUNDO CORPORAL

                                                               Bênçãos e maldições

557. Podem a bênção e a maldição atrair o bem e o mal para aquele sobre quem são lançados?

“Deus não escuta a maldição injusta e culpado perante ele se torna o que a profere.
Como temos os dois gênios opostos, o bem e o mal, pode a maldição exercer momentaneamente influência, mesmo sobre a matéria. Tal influência, porém, só se verifica por vontade de Deus como aumento de prova para aquele que é dela objeto. Demais, o que é comum é serem amaldiçoados os maus e abençoados os bons. Jamais a bênção e a maldição podem desviar da senda da justiça a Providência, que nunca fere o maldito, senão quando mau, e cuja proteção não acoberta senão aquele que a merece.”


Realmente!

Pretender-se, como faz o amigo, que bençãos e maldições sejam ações materiais é muita ignorância, desatenção, preconceito e ilusão!




Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Danilo Henrique em 21 de Agosto de 2013, 22:11
Respondendo ao tópico:

Bem e mal não existem da forma que pensamos.
São conceitos relativos a época, cultura e local.
A única coisa que podemos conceber a respeito do que seria o bem ou mal, é que o bem nos leva para perto de Deus, e o mal dele nos mantém afastados.   
Os profetas, os livros sagrados, religiões e doutrinas em geral, ensinam o caminho para Deus, respeitando os conceitos de bem e mal de cada cultura, época e local.
A Doutrina Espírita não oferece o conhecimento máximo a respeito do assunto. Mas sim, conhecimento relativo de acordo com o local que foi codificada (Mundo de provas e expiações, França, século XIX).
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: sensitive em 21 de Agosto de 2013, 23:01


- Entretanto, o mal existe e tem uma causa.
Os males de toda espécie, físicos ou morais, que afligem a Humanidade, formam duas categorias que importa distinguir: a dos males que o homem pode evitar e a dos que lhe independem da vontade. Entre os primeiros, cumpre se incluam os flagelos naturais.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/45/#ixzz2cdwKlcJr

Desculpa Brenno, a doutrina espirita nao diz que o Mal nao existe mas tambem diz que tudo é passageiro....quem praticou Mal ontem amanha pode praticar o Bem....e como tal o verdadeiro Mal nao existe, pelo menos é assim que interpreto....
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mourarego em 21 de Agosto de 2013, 23:20
Mas maninha sensitive voce mesma se contradiz já que começa citando a DE quem informa afirmativamente que o mal existe.
A tremporalidade na qual este mal persevere, não finda no amanhã por regra, este amanhã pode perdurar por séculos e vemos isso na obra que dá lume a este tópico.
Se a DE explicativamente afirma que o mal exista não há quem a possa interpretar diferentemente senão sob a sina do erro.
Abraços,
Moura
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 21 de Agosto de 2013, 23:21
"É preciso que faça o bem no limite de suas forças, pois cada um responderá por todo o mal que haja resultado de não haver praticado o bem." (O Livro dos Espíritos - Questão 642)


Dá-nos, Senhor, a força de resistir às sugestões dos Espíritos Maus, que tentem desviar-nos da senda do Bem, inspirando-nos maus pensamentos" (O Evangelho segundo o Espiritismo cap.XXVIII)


"Amar os inimigos é perdoar-lhes e lhes retribuir o mal com o bem." (O Livro dos Espíritos Questão 887)


A caridade é um exercício espiritual... Quem pratica o bem, coloca em movimento as forças da alma." (Chico Xavier)



Amado, não sigas o mal, mas o bem. Quem faz o bem é de Deus; mas quem faz o mal não tem visto a Deus. 3 João 1:11


O homem bom, do bom tesouro do seu coração tira o bem, e o homem mau, do mau tesouro do seu coração tira o mal, porque da abundância do seu coração fala a boca. Lucas 6:45


Então Jesus lhes disse: Uma coisa vos hei de perguntar: É lícito nos sábados fazer bem, ou fazer mal? salvar a vida, ou matar? Lucas 6:9





Abç
Valter LRC
 ;D
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Agosto de 2013, 23:32
Respondendo ao tópico:

Bem e mal não existem da forma que pensamos.
São conceitos relativos a época, cultura e local.
A única coisa que podemos conceber a respeito do que seria o bem ou mal, é que o bem nos leva para perto de Deus, e o mal dele nos mantém afastados.   
Os profetas, os livros sagrados, religiões e doutrinas em geral, ensinam o caminho para Deus, respeitando os conceitos de bem e mal de cada cultura, época e local.
A Doutrina Espírita não oferece o conhecimento máximo a respeito do assunto. Mas sim, conhecimento relativo de acordo com o local que foi codificada (Mundo de provas e expiações, França, século XIX).


Errado, amigo Danilo Henrique,

O que a Doutrina Espírita nos ensina é que o mal existe e tem uma causa!

Qual seja, as ações materiais e morais que praticamos contra as Leis Divinas, pelo fato de sermos ignorantes, no exercício de nosso Livre-Arbítrio!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: sensitive em 22 de Agosto de 2013, 00:18
ja que todos insistem em afirmar que o Mal existe, peço uma explicaçao:

se fomos criados simples e ignorantes
se fomos criados segundo a imagem de Deus
se temos uma centelha divina dentro de nós
se somos luz

entao quem introduziu a existência do Mal? O Mal por si só não pode existir......

O que pode haver é uma interpretação diferente de um ato ...por exemplo uma pessoa evoluída como ja nao pratica atos violentos é normal que veja ou interpreta isso como o Mal mas para a pessoa que a faz pode nao o ser......
olha nao sei se me fiz entender..... 

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 22 de Agosto de 2013, 01:10
O mal é a ausência de Deus no coração do homem
Deus ama tanto suas creaturas que lhes concedeu o livre-arbitrio, não nos criando como
maquinas, e nos deixa experimentar colhendo o bem e o mal que fizermos, assim nos educando pela experimentação até estarmos em harmonia com suas leis sabias.



Origem do Bem e do Mal gênese Vl Kardec

1. Sendo Deus o princípio de todas as coisas, e sendo tal princípio todo sabedoria, todo bondade, todo justiça, tudo que dele provém deve participar de seus atributos, pois que aquilo que é infinitamente sábio, justo e bom, não pode produzir nada que seja desrazoável, mau e injusto. Portanto, o mal que observamos não pode ter sua origem nele.

2. Se o mal fosse atribuição de um ente especial, chamado Ahriman ou Satanás, de duas coisas uma ou tal entidade seria igual a Deus, e por conseguinte tão poderosa quanto ele e teria existido por toda a eternidade como ele, ou lhe seria inferior.

No primeiro caso, haveria duas potências rivais, lutando sem cessar, cada uma procurando desfazer o que a outra houvesse feito, contrariando-se mutuamente. Esta hipótese é inconciliável com a unidade de visão que se revela na disposição do universo.

No segundo caso, sendo esta entidade inferior a Deus, ser-lhe-ia subordinada; não podendo ter existido, como ele, por toda a eternidade; sem ser seu igual, teria tido um começo; se ele foi criado, não o pode ter sido, senão por Deus; Deus teria assim criado o Espírito do mal, o que seria a negação da infinita bondade. (Vide `O Céu e o Inferno ou a Justiça Divina Segundo o Espiritismo', Cap. X, `Os Demônios'.)

3. Entretanto, o mal existe e tem uma causa.

Os males de toda espécie, físicos ou morais, que afligem a humanidade, apresentam duas categorias que é necessário distinguir: tais são os males que o homem pode evitar, e os que são independentes de sua vontade. Entre estes últimos, colocam-se os flagelos naturais.

O homem, cujas faculdades são limitadas, não pode penetrar nem abarcar o conjunto das finalidades do Criador; julga as coisas do ponto de vista de sua personalidade, dos interesses de grupos e das convenções que para si criaram, as quais não existem na ordem da Natureza; é por isso que ele freqüentemente encontra coisas más e injustas, as quais consideraria justas e admiráveis, se percebesse suas causas, sua finalidade e o resultado final. Procurando a razão de ser e a utilidade de cada coisa, reconhecerá que tudo traz o sinal da sabedoria infinita e ele se inclinará diante de tal sabedoria, mesmo em relação às coisas que não compreende.

4. O homem recebeu como partilha uma inteligência com cujo auxílio pode anular, ou pelo menos em grande parte atenuar, os efeitos de todos os flagelos naturais; quanto mais saber adquire e mais avança em civilização, menos são desastrosos tais flagelos; com uma organização social sabiamente previdente poderá mesmo neutralizar as suas conseqüências, uma vez que não as poderá evitar totalmente. Deus deu ao homem, pelas faculdades de que dotou o seu Espírito, os meios de paralisar no futuro até mesmo os efeitos daqueles flagelos que têm sua utilidade no quadro geral da Natureza, os quais, contudo, atualmente atingem os homens no presente.

É assim que ele saneia os terrenos insalubres, neutraliza os miasmas pestilentos, fertiliza os terrenos incultos e exerce seu engenho na preservação das inundações; edifica para si habitações mais sadias, mais sólidas, a fim de resistir aos ventos tão necessários à purificação da atmosfera e coloca-se ao abrigo das intempéries; é assim, enfim, que pouco a pouco, a necessidade o estimula à criação das ciências, com cujo auxílio melhora as condições de habitabilidade do globo e aumenta a soma do seu bem-estar.

5. Como o homem deve progredir, os males os quais está exposto são um estimulante ao exercício de sua inteligência, de todas as faculdades físicas e morais, mediante o incitamento à pesquisa dos meios de se subtrair aos mesmos males. Se nada receasse, nenhuma necessidade o levaria à busca do que é melhor; seu espírito se entorpeceria na ina tividade; nada inventaria e nada descobriria. A dor é o aguilhão que empurra o homem para a frente na via do progresso.

6. Porém os males mais numerosos são aqueles que o homem criou para si, por seus próprios vícios, aqueles que provêm de seu orgulho, de seu egoísmo, de sua ambição, de sua cobiça, de seus excessos em todas as coisas; aí está a causa das guerras e das calamidades que elas geram, das dissensões, das injustiças, da opressão do fraco pelo mais forte, enfim, da maior parte das moléstias.

Deus estabeleceu leis cheias de sabedoria, as quais não têm outra finalidade senão o bem; o homem encontra em si mesmo tudo o que é necessário para segui-las; seu caminho é traçado por sua consciência; a lei divina está gravada em seu coração; e além disso, Deus as faz lembrar sem cessar, por seus messias e seus profetas, por todos os Espíritos encarnados que receberam a missão de esclarecê-lo, moralizá-lo, aperfeiçoá-lo, e nestes últimos tempos, pela multidão de Espíritos desencarnados que se manifestam em todos os lugares. Se o homem se conformasse rigorosamente com as leis divinas, não é duvidoso que evitaria os males mais amargos, e que viveria feliz sobre a terra. Se não o faz, é em virtude de seu livre-arbítrio, e disso ele sofre as conseqüências. (O Evangelho Segundo o Espiritismo, cap. V, ns. 4, 5, e 6 e seguintes).

7. Deus, porém, cheio de bondade, colocou o remédio ao lado do mal, isto é, do próprio mal faz sair o bem. Chega um momento em que o excesso do mal moral torna-se intolerável e faz com que o homem sinta necessidade de mudar de caminho; instruído pela experiência, é compelido a procurar um remédio no bem, sempre por efeito de seu livre-arbítrio; quando penetra num caminho melhor, o faz por efeito de sua vontade e porque reconheceu os inconvenientes do outro traçado. A necessidade o obriga a se melhorar moralmente pelo desejo de ser mais feliz, assim como esta mesma necessidade o impeliu a melhorar as condições materiais de sua existência (nº 5).

8. Pode-se dizer que o mal é a ausência do bem, como o frio é a falta de calor. O mal não é um atributo distinto, assim como o frio não é um fluido especial; um é a negação do outro. Onde o bem não existe, forçosamente existe o mal; deixar de fazer o mal já é o começo do bem. Deus não quer senão o bem; o mal provém unicamente do homem. Se na criação houvesse um ser predisposto ao mal, ninguém o poderia evitar; porém, tendo o homem a causa do mal em SI MESMO, e tendo ao mesmo tempo seu livre-arbítrio e por guia as leis divinas, evitará o mal quando quiser.

Tomemos para comparação um fato vulgar. Um proprietário sabe que a extremidade de seu campo é um lugar perigoso no qual poderia perecer ou machucar-se quem ali se aventurasse. Que faz ele para evitar os acidentes? Coloca nas proximidades de tal lugar, um aviso proibindo que prossigam os que por ali passem, devido ao perigo. Eis a lei; ela é sábia e previdente. Se, apesar disso, um imprudente não lhe dá atenção e ultrapassa tal lugar, e se assim chega a um mau resultado, a quem poderá ele responsabilizar, senão a si mesmo?

Assim sucede com todo o mal; o homem o evitaria se observasse as leis divinas; para exemplificar, Deus colocou um limite à satisfação de suas necessidades; o homem é advertido à saciedade; se ultrapassa esse limite, o faz voluntariamente. As moléstias, as enfermidades, a morte que delas podem resultar, são o resultado de sua imprevidência, e não de ato de Deus.

9. Sendo o mal o resultado das imperfeições do homem, e sendo o homem criado por Deus, dir-se-ia, ter Deus criado senão o mal, pelo menos a causa do mal; tivesse ele feito o homem perfeito, o mal não existiria.

Se o homem tivesse sido criado perfeito, seria levado fatalmente ao bem; ora, em virtude de seu livre-arbítrio, ele não é fatalmente levado, nem ao bem, nem ao mal. Deus quis que ele fosse submetido à lei do progresso e que esse progresso fosse o fruto de seu próprio trabalho, a fim de que tivesse o mérito desse trabalho, do mesmo modo que carrega a responsabilidade do mal que é feito por sua vontade. Levanta-se, pois, a questão, de saber qual é no homem a fonte da propensão para o mal. (10)



Cont.




Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 22 de Agosto de 2013, 01:11
10. Se estudarmos todas as paixões, e assim também todos os vícios, veremos que ambos têm seu princípio no instinto de conservação. Tal instinto existe com toda sua força, nos animais e nos seres primitivos que se aproximam mais à animalidade; aí ele domina sozinho, porque em tais seres, ainda não tem o contra-peso do senso moral; o ser ainda não nasceu na vida intelectual. Ao contrário, o instinto se enfraquece à medida que a inteligência se desenvolve, pois que a inteligência domina a matéria.

O destino do Espírito é a vida espiritual; porém, nas primeiras fases de sua existência corporal, apenas tem necessidades materiais a satisfazer, e com vistas a esta finalidade o exercício das paixões é uma necessidade para a conservação da espécie e dos indivíduos, materialmente falando. Entretanto, saindo desse período, tem outras necessidades; a princípio, necessidades semimorais e semimateriais, e depois, exclusivamente morais. É então que o Espírito domina a matéria; se ele abala o jugo da matéria, avança em sua estrada providencial, aproxima-se de seu destino final. Se, ao contrário, deixa dominar-se por ela, o Espírito se retarda, assemelhando-se ao bruto. Nesta situação, o que outrora era um bem, porque era uma necessidade de sua natureza, torna-se um mal, não somente porque não é mais uma necessidade, mas porque tal se torna nocivo à espiritualização do ser. De modo semelhante; o que é qualidade na criança torna-se defeito no adulto. Assim, o mal é relativo, e a responsabilidade é proporcional ao grau de progresso.

Logo, todas as paixões têm sua utilidade providencial; sem isso, Deus teria feito algo de inútil e de nocivo. É o abuso que constitui o mal, e o homem abusa em virtude de seu livre-arbítrio. Mais adiante, eslarecido por seu próprio interesse, ele escolhe livremente entre o bem e o mal.

(10) O erro consiste em pretender que a alma saia perfeita das mãos do Criador, enquanto que este, ao contrário, quis que a perfeição fosse o resultado da purificação gradual do Espírito, e sua própria obra. Deus quis que a alma, em virtude de seu livre-arbítrio, pudesse optar entre o bem e o mal e que alcançasse suas finalidades mediante uma vida militante, e em resistência ao mal. Se houvesse criado a alma perfeita como ele, e, ao sair de suas mãos, já lhe houvesse assegurado sua beatitude eterna, ele a teria feito, não à sua imagem, mas sim, semelhante a si próprio (Bonnamy, Juiz de instrução: "A Razão do Espiritismo", cap. VI).

Kardec


 :)
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 22 de Agosto de 2013, 01:53

10. Se estudarmos todas as paixões.......................................
........................................................a si próprio (Bonnamy, Juiz de instrução: "A Razão do Espiritismo", cap. VI).

Kardec
[/color][/font][/size]

 :)


Amigo Valter LRC,

Os ensinamentos contidos em A Gênese são perfeitos!

O problema está na capacidade de entendimento de alguns!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: sensitive em 22 de Agosto de 2013, 10:52
     



   



Citar
Amigo Valter LRC,

Os ensinamentos contidos em A Gênese são perfeitos!

O problema está na capacidade de entendimento de alguns!

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/60/#ixzz2cgptJu9b


O problema nao esta na capacidade de entendimento mas sim na nossa
crença ......somos livres ainda nesse aspecto...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Norizonte da Rosa em 22 de Agosto de 2013, 11:27
Mesmo que deixassemos o que diz a Doutrina de lado, ainda assim a resposta seria, pelo menos para mim, óbvia: é claro que o mal existe, não como personificação, mas como aquilo que nos traz sofrimento e que é gerado pela ignorância, ou falta de volução, dos outros, ou de nós mesmos em muitos casos.

Caso não existisse, não estariamos perguntando se existiria e tudo que vemos acontecer diariamente e que chamamos de mal seria o quê?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mourarego em 22 de Agosto de 2013, 13:41
Amiga Sensitive:
Nãoconsigo entender  o porque da amiga contestar o texto codificado.
ali está bem claro e em exlicação totalmente simples.
Ora, o que faz com que o mal se instala é a fraca moral que tenha um Espírito. Desta forma desde priscas eras e até um futuro longínquo assim o será.
Quem tem fraca ou má formada a moral por certo se acumpliciará ao mal sob a forma que se revestir a sua afinidade.
Apenas isso.
Abraços,
Moura
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 22 de Agosto de 2013, 16:44
      Amigos do estudo da DE  (ref #65, de Mourarego, 22.08.13) 

      Amigos, nosso querido mano Moura escreveu à amiga Sensitive:

      "Não consigo entender o porquê da amiga contestar o texto codificado. Ali está bem claro e em explicação totalmente simples. Ora, o que faz com que o mal se instala é a fraca moral que tenha um Espírito. Desta forma desde priscas eras e até um futuro longínquo assim o será. Quem tem fraca ou má formada a moral por certo se acumpliciará ao mal sob a forma que se revestir a sua afinidade. Apenas isso".

      Conf: meu Deus, mano, sinceramente não entendo; para mim não é nem tão simples, nem bem claro, nem bem explicado e nem entendível, e vou dizer porque.

      Vou deixar apenas uma questão para justificar o que estou
dizendo; espero que, se o amigo Moura, ou um outro estudioso da doutrina, encontrar algo estranho ou incorreto no que vou colocar, por favor, não se omita, me corrija:
 
      Por que se atribui a nós responsabilidade, ou culpa (tanto que, conforme a doutrina, a lei de causa e efeito nos penalizará com sofrimentos, que podem torturantes) pelo fato de termos uma fraca ou mal formada moral?

      Segundo a doutrina, não somos criados assim; a moral fraca ou mal formada vem depois da criação. Mas, e qual é a causa de se tornar fraca ou mal formada? Nós mesmos, que não éramos nem inclinados para o bem, nem para o mal, escolhemos nos tornar inclinados para o mal?!!!

       No princípio, nossa moral não era, nem bem formada, nem mal formada; por que se tornou mal formada? Não era nem fraca, nem forte; por que se tornou fraca?

      O que é que ocorre conosco que faz que nossa moral se torne deficiente, e tão deficiente como podemos ver nos horrores que os homens, continuamente, praticam no mundo?

      Sinceramente não entendo! Todos dizem que o homem é penalizado sempre com justiça (pois pela justiça divina), por agir de modo a causar danos a terceiros, sem dúvida devido a que sua moral é fraca, mal formada.

      E a explicação fica nisso, pois ninguém diz quais são as causas que fazem que nossa moral se deforme?! Ou que não se forme do modo que seria o ideal?
......................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 22 de Agosto de 2013, 18:29
Olá amiga Sensitive

Citar
ja que todos insistem em afirmar que o Mal existe, peço uma explicaçao:

se fomos criados simples e ignorantes
se fomos criados segundo a imagem de Deus
se temos uma centelha divina dentro de nós
se somos luz

entao quem introduziu a existência do Mal? O Mal por si só não pode existir......

O que pode haver é uma interpretação diferente de um ato ...por exemplo uma pessoa evoluída como ja nao pratica atos violentos é normal que veja ou interpreta isso como o Mal mas para a pessoa que a faz pode nao o ser......
olha nao sei se me fiz entender..... 

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/45/#ixzz2ciTgCgKz

Eu penso que entendi, e concordo. Mal e bem são adjectivos usados para classificar eventos e acções, conforme o ponto de vista de cada um, a cada momento. O que é mal para um pode não o ser para o outro, se interpretam a vida de forma radicalmente diferente. É como o amigo Danillo afirmou, se bem entendi.

A grande confusão é entre a existência do mal e a existência de criaturas más. Não existem criaturas más, na minha óptica, e na minha interpretação da doutrina espirita, apenas criaturas espiritualmente ignorantes (quase todos nós, aqui na Terra).

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 22 de Agosto de 2013, 18:47

Eu penso..........................
.......................................... Terra).

bem haja


Mal e bem são adjectivos usados para classificar eventos e acções, conforme o ponto de vista de cada um, a cada momento. O que é mal para um pode não o ser para o outro, se interpretam a vida de forma radicalmente diferente.

Assim seria, amigo Vitor, se não existissem as Leis Divinas!

Pois o mal está na transgressão dessas mesmas Leis!


Não existem criaturas más

O amigo acredita mesmo que não existe quem faça o mal de maneira consciente!?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 22 de Agosto de 2013, 19:34
Olá amigo Brenno

Citar
O amigo acredita mesmo que não existe quem faça o mal de maneira consciente!?

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/60/#ixzz2ciq0mPZy

Se substituir "consciente" por "espiritualmente consciente", eu digo que sim. Senão, eu digo que não.

É evidente que, muitas vezes, nós prejudicamos os outros e sabemos que o estamos a fazer. Sabemos que estamos a beneficiar ilegitimamente do que não é nosso. Outras vezes podemos fazê-lo sem medir ou conseguir prever as consequências. Todavia podemos dizer que um adulto médio normal sabe se o que faz é considerado um mal ou bem pela sociedade e pela própria consciência moral das coisas terrenas.

Mas se uma pessoa está limitada à vida do corpo de carne, e não vê mais além, senão compreende que é um espírito imortal, milenar, e não apenas um corpo de carne (este último é apenas um veiculo provisório, como o nosso automóvel, quando nos deslocamos nele), então não está espiritualizado, diga o que disser.

Está iludido, com a ilusão que é uma máquina de carne mortal. Isso não acontece apenas nos que se dizem ateus materialistas. E até pode nem acontecer em alguns desses e acontecer nos que se dizem espíritas, católicos, muçulmanos, etc. O que interessa não é o que as pessoas dizem, por vezes nem o que pensam. É a forma como as pessoas agem quando os seus interesses materiais estão em jogo que mede a evolução espiritual. Mas mesmo isso é uma medida muito relativa e de pouca fiabilidade. Para avaliar o outro eu tinha de poder colocar-me na pele dele. Pois eu não sei, se, na pele e circunstâncias dele, eu seria melhor ou pior.

Aquele que tem conhecimento espiritual é o que sabe e crê que é um espírito imortal. E isso só se sabe quando os nossos interesses mais caros, e os interesses mais caros das pessoas que mais amamos são colocados à prova.   

Ou o amigo acha que todos têm a consciência espiritual desenvolvida?

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 23 de Agosto de 2013, 01:09
Ignorante=Que ignora


Mal=mal
 (latim male)
s. m.
1. Tudo o que é oposto ao bem.
2. Infelicidade, desgraça.
3. Calamidade.
4. Dano, prejuízo.
5. Inconveniente.
6. Imperfeição.
7. Ofensa.
8. O que desabona.
9. Aflição.
10. Doença.
11. Lesão.
adv.
12. Não bem.
13. Imperfeitamente.
14. Pouco; dificilmente; escassamente; apenas.
15. Severamente.
16. Com rudeza.
conj.
17. Logo que; assim que.
a mal: À força.
do mal, o menos: Expressão que indica que, apesar de se estar numa situação problemática, o facto de haver algo mais positivo ou favorável torna a situação mais suportável ou animadora.
fazer mal a: Danificar; prejudicar.

[/b]

como se ve ignorante e mal são coisas bem

diversar, só de se ver o descaso dos governantes pelo nosso planeta terra, acabando

cada vez mais com a natureza (florestas dizimadas), tudo pelo poder ,pela cobiça de ter

mais e cada vez mais ,tudo pelo vil metal em detrimento do belo e necessario para um bem viver.

E a coisa vai além ainda existem lugares que

"seres humanos"matam para se divertir matam-se os touros com aquelas facas espetando-l
hes por diversas vezes até a morte ,golfinhos em rituais macabros de maturidade ,colocam-se

animais para lutarem ,até um desfalecer de tanto sangrar, ja basta só vou ficar nesses exemplos , agora

só quero que me digam onde isso é ignorar, na maioria dos casos são pessoas bem

instruidas que tem pleno conhecimento

do que fazem,sabem que isso gera sofrimento dor ,mais a sede pelo ouro (ouro de tolo)e

para satisfazer sua crueldade  é maior e isso que lhes interessam.


O fato é que o mal existe sim e é criação do homem e não de Deus,e para se erradicar o mal do mundo
só sorvendo deste mesmo mal e sentindo a dor que isto gera ,dai nasce o discernimento e a  compreensão.
assim penso
Abç

Valter LRC

 :)

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 23 de Agosto de 2013, 03:02

O fato é que o mal existe sim e é criação do homem e não de Deus,e para se erradicar o mal do mundo
só sorvendo deste mesmo mal e sentindo a dor que isto gera ,dai nasce o discernimento e a  compreensão.
assim penso
Abç

Valter LRC

 :)

[/color]


E pensa corretamente, amigo Valter LRC!

Pois a Doutrina Espírita assim nos ensina:

As vicissitudes da vida corpórea constituem expiação das faltas do passado e, simultaneamente, provas com relação ao futuro. Depuram-nos e elevam-nos, se as suportamos resignados e sem murmurar.
A natureza dessas vicissitudes e das provas que sofremos também nos podem esclarecer acerca do que fomos e do que fizemos, do mesmo modo que neste mundo julgamos dos atos de um culpado pelo castigo que lhe inflige a lei.
Assim, o orgulhoso será castigado no seu orgulho, mediante a humilhação de uma existência subalterna; o mau rico, o avarento, pela miséria; o que foi cruel para os outros, pelas crueldades que sofrerá; o tirano, pela escravidão; o mau filho, pela ingratidão de seus filhos; o preguiçoso, por um trabalho forçado, etc.

                                                                  O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 25 de Agosto de 2013, 00:18
   
      Amigos, 

      Sendo a finalidade do FE estudar a DE, o que significa compreendê-la, sempre faço perguntas aos amigos, pois minha intenção é entender conceitos da doutrina, do mesmo modo que os companheiros estão entendendo.

      Mas, apesar de tantas vezes que peço, sempre os amigos se esquivam, não respondem e, assim, não me ajudam a compreender. Mesmo sendo esse o objetivo do fórum!

      Sei que não é má-vontade, é evidente! Será falta de tempo?   
.......
      Vou, novamente, pedir que me ajudem a compreender. Coloco abaixo questões, todas provocadas por conceitos contidos nas respostas deste mesmo que trata da existência do “mal”.

      - primeiro: é claro como a luz do Sol que o mal existe; está aí o mundo para nos provar! Chamamos de mal tudo aquilo que traz sofrimentos ou perturbam os humanos e não-humanos e a natureza.

      - se todo efeito tem sua causa, qual é a causa de nós termos criado o mal, como alguns disseram? Porq alguns afirmam isso, se a própria doutrina diz que o mal foi criado, ou permitido, por Deus, por ser necessário para q aprendamos a destruir o mal! Isto é, que Deus criou, ou permite o mal para que aprendamos a destruí-lo!!

      - se o mal é a ausência de Deus no coração do homem, isso acontece com todos? Se não acontece com todos, porq uns têm Deus no coração e outros não? Porq uns são piores do que os outros? Escolheram ser piores?

      - se Deus ama tanto suas criaturas, que até lhes concede o livre-arbítrio, porq Ele é tão cruel para nos ensinar? Porq nos ensina, impondo sofrimentos terríveis, que podem se estender por multiplicadas encarnações e até por milhões de anos, de tão longos e tão cruéis que são, que parecerão penas eternas, para aquele que sofre?

      - se a causa de todos os sofrimentos do homem está no errado uso do livre-arbítrio, erros que nos levam para mundos de expiações, de ásperas condições de sobreviver, onde imperam a maldade, a perversidade e a perversão, o assassinato, o roubo, a mentira, o desrespeito à vida, estupros, humilhações e explorações dos filhos de Deus por outros filhos de Deus, qual é a causa de o usarmos de modo errado, se é, exatamente pelo seu uso incorreto que nos atingem todos os sofrimentos, por mais cruéis e monstruosos que sejam? Não queremos ou não conseguimos usá-lo de modo correto? Se não queremos, estamos escolhendo sofrer o que significa que possuimos uma mente deformada, incapaz, estúpida que, incontestavelmente, é inimputável perante a Lei. Se não conseguimos, onde estará nossa responsabilidade por não conseguirmos fazer aquilo que queremos fazer? 

      Se alguém disser que isso é causado por usá-lo para o mal e não para o bem, temos de perguntar: e porq fazemos isso? O que temos na cabeça, senão estupidez, se o usamos para o mal já que sabemos que vamos sofrer por isso? E temos culpa se nossa mente for tão estúpida, ao ponto de escolher ser infeliz, podendo escolher ser feliz?

      Se se disser que sofremos porq fazemos mau uso do livre-arbítrio, escolhendo o mal e não mal, pergunto: porq é que escolhemos o mal, se podemos escolher o bem?

      - se sofremos o mal devido a cometermos tantos erros, porq os cometemos?  Alguma coisa nos impede de deixar de cometê-los? Se nos impede, porq temos de sofrer por isso, se não nos cabe responsabilidade por algo nos impedir de fazer o certo?

      - se Deus é Infinita Perfeição, Amor, Justiça e Sabedoria, porq criou para que suas criaturas, criadas simples e ignorantes, evoluam, um plano de ensino onde o método mais eficiente é fazer sofrer?! De não houver sofrimento, não há evolução?!

      Texto:... não nos criando como maquinas... e nos deixa experimentar colhendo o bem e o mal que fizermos, assim nos educando pela experimentação até estarmos em harmonia com suas leis sabias.

      Conf: isso, evidentemente, significa que o Amor Soberano deixa que suas criaturas errem e errem e, em conseqüência, sofram e sofram, para que se tornem educadas e mais em harmonia com Suas leis. Se não nos educamos ainda, isso é transgredir a Lei? E se isso é transgredir a Lei, qual é a causa de ainda não estarmos devidamente educados e em harmonia com Suas sábias leis, ao ponto de as transgredirmos frequentemente o que, forçosamente, nos levará a passar, muitas vezes, por sofrimentos insuportáveis?

      Texto:Se estudarmos todas as paixões, e assim também todos os vícios, veremos que ambos têm seu princípio no instinto de conservação. Tal instinto existe com toda sua força, nos animais e nos seres primitivos que se aproximam mais à animalidade; aí ele domina sozinho, porque em tais seres, ainda não tem o contra-peso do senso moral; o ser ainda não nasceu na vida intelectual. Ao contrário, o instinto se enfraquece à medida que a inteligência se desenvolve, pois que a inteligência domina a matéria.

      Conf: e qual é a causa de, mesmo já tendo nascido em nós o conhecimento(vida intelectual), e já dispondo do contra-peso do senso moral, continuarmos  agindo com se isso não houvesse acontecido?

      Texto: O destino do Espírito é a vida espiritual;

      Conf: este é um ponto para mim muito difícil de compreender: pois, porq é que, sendo o destino do espírito a vida espiritual, ele obrigatoriamente, tem de vir ao mundo material, que não é seu destino, nem sua verdadeira pátria? O espírito necessita das lições do mundo material para aprender a viver no mundo espiritual?! Se não vier à escola no mundo material, não aprenderá a viver no mundo espiritual?

      Texto:... nas primeiras fases de sua existência corporal, apenas tem necessidades materiais a satisfazer, e (por isso) o exercício das paixões é uma necessidade para a conservação da espécie... saindo desse período, tem outras necessidades; a princípio, necessidades semimorais e semimateriais, e depois, somente morais. É então que o Espírito domina a matéria...

      Conf: todos dominam a matéria? Se nem todos, porq nem todos? Se ele não consegue abalar o jugo da matéria, será responsável por não conseguir? Conseguir ou não conseguir é escolha nossa?

      Texto: o que faz com que o mal se instale é a fraca moral que tenha um Espírito. Quem tem fraca ou má formada a moral por certo se acumpliciará ao mal...

      Conf: Já colocamos algo sobre isso em msg anterior, perguntando qual é a causa de a moral ser fraca ou mal formada. A causa está no espírito? O espírito escolhe possuir uma moral fraca e mal formada?

      Texto: a grande confusão é entre a existência do mal e a existência de criaturas más. Não existem criaturas más, na minha óptica, e na minha interpretação da doutrina espirita, apenas criaturas espiritualmente.

      Conf: concordo perfeitamente com essas palavras: não existem criaturas más, apenas ignorantes. Pois se sábios fôssemos não faríamos escolhas erradas e, consequentemente, evitaríamos os sofrimentos. Porém, se não existem criaturas más, porq muitos sofrem se os sofrimentos vêm justamente do fato alguém ser mau?

      Texto:... muitas vezes, nós prejudicamos os outros e sabemos que o estamos a fazer.

      Conf: se sabemos o q estamos a fazer, porq o fazemos? Somente, não há dúvidas, não fazemos o que sabemos que é errado, se formos ignorantes e a Lei não pune o ignorante!

      Por todo esse raciocínio, nunca consigo entender qual é a finalidade da existência da lei de causa e efeito!
..............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 25 de Agosto de 2013, 16:48
nossa o texto e muito grande rsrs, mas vou tentar responder de acordo com que eu entendo,somente esse final ai, somos punidos segundo nossas intencoes, segundo nosso grau de consciencia em fazer o mal que simplesmente a ausencia do bem,um selvagem ignorante as leis de Deus nunca sera julgado igual a nos que ja estamos moralmente mais adiantados, a lei de causa e efeito e justamente o que Jesus disse a cada um segundo suas obras, essa lei e justamente e  reflexo das nossas acoes! e mais ou menos assim que eu entendo! paz e luz a todos!
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Agosto de 2013, 18:28

      Sendo..........................
...............................................efeito!



se todo efeito tem sua causa, qual é a causa de nós termos criado o mal, como alguns disseram?

Ignorância!


Porq alguns afirmam isso, se a própria doutrina diz que o mal foi criado, ou permitido, por Deus, por ser necessário para q aprendamos a destruir o mal! Isto é, que Deus criou, ou permite o mal para que aprendamos a destruí-lo!

Proposição falsa! Em nenhum momento se afirma isso na DE!


se o mal é a ausência de Deus no coração do homem, isso acontece com todos? Se não acontece com todos, porq uns têm Deus no coração e outros não? Porq uns são piores do que os outros? Escolheram ser piores?

O mal é transgressão das Leis Divinas!


se Deus ama tanto suas criaturas, que até lhes concede o livre-arbítrio, porq Ele é tão cruel para nos ensinar?

Deus não nos ensina nada ! Deu-nos suas Perfeitas Leis para que com Elas aprendamos!


Porq nos ensina, impondo sofrimentos terríveis, que podem se estender por multiplicadas encarnações e até por milhões de anos, de tão longos e tão cruéis que são, que parecerão penas eternas, para aquele que sofre?

Os sofrimentos são consequência de nossas faltas e a Reencarnação é a expressão de Sua Justiça!


se a causa de todos os sofrimentos do homem está no errado uso do livre-arbítrio, erros que nos levam para mundos de expiações, de ásperas condições de sobreviver, onde imperam a maldade, a perversidade e a perversão, o assassinato, o roubo, a mentira, o desrespeito à vida, estupros, humilhações e explorações dos filhos de Deus por outros filhos de Deus, qual é a causa de o usarmos de modo errado, se é, exatamente pelo seu uso incorreto que nos atingem todos os sofrimentos, por mais cruéis e monstruosos que sejam? Não queremos ou não conseguimos usá-lo de modo correto?

Ignorância!


Se não queremos, estamos escolhendo sofrer o que significa que possuimos uma mente deformada

Pergunto: O amigo sabe falar chinês?

Se não, o amigo consideraria que tem uma mente deformada? Ou apenas é ignorante?
 

Se alguém disser que isso é causado por usá-lo para o mal e não para o bem, temos de perguntar: e porq fazemos isso?

Ignorância!


O que temos na cabeça, senão estupidez, se o usamos para o mal já que sabemos que vamos sofrer por isso? E temos culpa se nossa mente for tão estúpida, ao ponto de escolher ser infeliz, podendo escolher ser feliz?

Ignorância não é estupidez! Só aprendemos o valor de uma ação após sofrer as consequências de sua prática. Consequências estas que podem ser boas ou más!


Se se disser que sofremos porq fazemos mau uso do livre-arbítrio, escolhendo o mal e não mal, pergunto: porq é que escolhemos o mal, se podemos escolher o bem?

Ignorância!


se sofremos o mal devido a cometermos tantos erros, porq os cometemos?  Alguma coisa nos impede de deixar de cometê-los? Se nos impede, porq temos de sofrer por isso, se não nos cabe responsabilidade por algo nos impedir de fazer o certo?

Ignorância.............................



Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 25 de Agosto de 2013, 19:15
agora e minha vez de assinar em baixo brenno! rsrsr
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 25 de Agosto de 2013, 20:18
Re: O Mal Não Existe?
      Wender    (ref #73, 25.08.13)

      Olá, Wender, vc escreveu:

      Wender: nossa, o texto e muito grande rsrs, mas vou tentar responder de acordo com que eu entendo, somente esse final ai, somos punidos segundo nossas intenções, segundo nosso grau de consciência em fazer o mal que simplesmente a ausência do bem, um selvagem ignorante as leis de Deus nunca será julgado igual a nos que ja estamos moralmente mais adiantados, a lei de causa e efeito e justamente o que Jesus disse a cada um segundo suas obras, essa lei e justamente e reflexo das nossas acoes! e mais ou menos assim que eu entendo! paz e luz a todos!

      Conf: nossa!, amigo Wender! Quer dizer que estou perdendo tempo em colocar textos longos? Sei que não é isso que vc pensa, pois estamos aqui, no FE, para aprender, certo? É verdade, e já reclamaram, que sempre coloco msgs longas; o q acontece é que sempre tento explicar bem o que coloco e, por isso, uso muitas palavras. Há outros que sabem ser concisos, mas eu não consigo ser como eles. Me perdoe.

      Amigo Wender, agradeço suas explicações; mas, se vc ler bem o que coloquei verá que exatamente sobre isso que pergunto. Vou repetir para vc, conforme as palavras que vc usou:

      - todos temos intenções más? Todos temos intenções iguais, qto à gravidade, ou uns as têm mais graves e outros menos graves?

      - se é assim, qual é a causa de as intenções de uns serem mais graves que as de outros?

      - qual é a causa de termos más intenções, se por isso a Lei de Deus nos pune? Escolhemos ter más intenções em vez de escolher ter boas intenções?

      - se sabemos que seremos punidos, e muitas vezes de modo terrível, porq temos intenções más?

      - está em nós a capacidade escolhe as intenções que temos? Se está, porq não escolhemos intenções corretas? Ou queremos escolher ter intenções boas, mas não conseguimos e por isso elas são más?

      - e seremos punidos punidos por não termos capacidade evitar ter más intenções?

      - e, se, como vc diz, seremos punidos segundo o grau de consciência que já temos, vc acha que o grau de consciência maior ou menor, depende de nós, depende de nossa vontade, de nosso querer? É nossa a responsabilidade pelo fato de termos um grau menor de consciencia?

      - se depende de nossa vontade ter grau de consciencia maior ou menor, porq o temos menor ao ponto de sermos punidos porq ele é menor do que deve ser?

      - se a ausencia do bem pode nos trazer punições, porq é que o bem está ausente em nós? Bem ou amor, depende de nós tê-los ou não tê-los? É responsabilidade nossa o fato de em nós estar ausente o bem?

      Meu jovem amigo, é por essas perguntas que minhas mshs são tãolongas. Mas, reflita sobre elas, que vc só tem a ganhar. Só refletindo e raciocinando é que podemos compreender nossas crenças. É a codificação que manda raciocinar, que tenhamos uma “fé raciocinada”.
.............................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 25 de Agosto de 2013, 21:32
Re: O Mal Não Existe?
      Brenno   (ref #58 em: 21 de Agosto de 2013)

      Danilo, em msg anterior: Bem e mal não existem da forma que pensamos. São conceitos relativos a épca, cultura e local...

      Conf: amigo Danilo, porq não simplificar? Bem é aquilo que, torna a vida do homem melhor, mais feliz, sempre num bom sentido; mal é aquilo que, sempre num mau sentido, o faz sofrer, que o perturba de qualquer modo que seja. Assim, o resultado do bem e o do mau tem suas gradações, das mais leves, às mais enormemente pesadas, que podem resultar em felicidades sem mácula ou em infelicidades extremas, que destroem o homem e tudo em que ele crê.

      Será que o mal é somente aquilo que um pode fazer contra o outro? E o que a natureza ou os eventos da vida trazem, nos enchendo de dores e desesperos, como tsunamis, furacões, guerras, epidemias,não mostram a existência do mal nos fazendo sofrer?

      Para mim, é perfeita essa concepção exposta pelo Danilo: o bem nos leva para perto de Deus, e o mal dele nos mantém afastados.   

      Brenno respondeu: Errado, amigo Danilo.O que a Doutrina Espírita nos ensina...

      Conf: perfeita, também, qualquer um pode constatar, a colocação do amigo Brenno (exceto o “errado, Danilo!”). Todos podem ver que tanto o Danilo qto o Breno definem acertadamente o bem e o mal, cada um a sua maneira e com enfoques próprios.

      O Brenno, também, está certo. O mal existe (é o que perturba todos os homens e do qual todos querem se afastar; é o que vemos no mundo) e é causado, exatamente, pelas ações materiais e morais que praticamos contra as Leis Divinas, pelo fato de sermos ignorantes, no exercício de nosso Livre-Arbítrio!

      Apenas faltou, ao amigo Breeno, nos dizer qual é a causa de praticarmos ações morais e materiais contra as Leis Divinas, e qual é a razão de, devido a isso, sofrermos, se essas ações erradas que praticamos, se devem à sermos ignorantes no exercício de nosso livre-arbítrio.
.....................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Agosto de 2013, 22:28

      O Brenno, também, está certo. O mal existe (é o que perturba todos os homens e do qual todos querem se afastar; é o que vemos no mundo) e é causado, exatamente, pelas ações materiais e morais que praticamos contra as Leis Divinas, pelo fato de sermos ignorantes, no exercício de nosso Livre-Arbítrio!

      Apenas faltou, ao amigo Breeno, nos dizer qual é a causa de praticarmos ações morais e materiais contra as Leis Divinas, e qual é a razão de, devido a isso, sofrermos, se essas ações erradas que praticamos, se devem à sermos ignorantes no exercício de nosso livre-arbítrio.



A ausência , aí, da vírgula foi por esquecimento ou proposital?

Pois que muda o sentido da frase!

Corrigindo:

No exercício do nosso Livre-Arbítrio, praticamos ações materiais e morais contrárias às Leis Divinas pelo fato de sermos ignorantes.

Eis, aí, a causa!



Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 25 de Agosto de 2013, 22:57
Re: O Mal Não Existe?
      Wender    (ref #73, 25.08.13)

      Olá, Wender, vc escreveu:

      Wender: nossa, o texto e muito grande rsrs, mas vou tentar responder de acordo com que eu entendo, somente esse final ai, somos punidos segundo nossas intenções, segundo nosso grau de consciência em fazer o mal que simplesmente a ausência do bem, um selvagem ignorante as leis de Deus nunca será julgado igual a nos que ja estamos moralmente mais adiantados, a lei de causa e efeito e justamente o que Jesus disse a cada um segundo suas obras, essa lei e justamente e reflexo das nossas acoes! e mais ou menos assim que eu entendo! paz e luz a todos!

      Conf: nossa!, amigo Wender! Quer dizer que estou perdendo tempo em colocar textos longos? Sei que não é isso que vc pensa, pois estamos aqui, no FE, para aprender, certo? É verdade, e já reclamaram, que sempre coloco msgs longas; o q acontece é que sempre tento explicar bem o que coloco e, por isso, uso muitas palavras. Há outros que sabem ser concisos, mas eu não consigo ser como eles. Me perdoe.

      Amigo Wender, agradeço suas explicações; mas, se vc ler bem o que coloquei verá que exatamente sobre isso que pergunto. Vou repetir para vc, conforme as palavras que vc usou:

      - todos temos intenções más? Todos temos intenções iguais, qto à gravidade, ou uns as têm mais graves e outros menos graves?

      - se é assim, qual é a causa de as intenções de uns serem mais graves que as de outros?

      - qual é a causa de termos más intenções, se por isso a Lei de Deus nos pune? Escolhemos ter más intenções em vez de escolher ter boas intenções?

      - se sabemos que seremos punidos, e muitas vezes de modo terrível, porq temos intenções más?

      - está em nós a capacidade escolhe as intenções que temos? Se está, porq não escolhemos intenções corretas? Ou queremos escolher ter intenções boas, mas não conseguimos e por isso elas são más?

      - e seremos punidos punidos por não termos capacidade evitar ter más intenções?

      - e, se, como vc diz, seremos punidos segundo o grau de consciência que já temos, vc acha que o grau de consciência maior ou menor, depende de nós, depende de nossa vontade, de nosso querer? É nossa a responsabilidade pelo fato de termos um grau menor de consciencia?

      - se depende de nossa vontade ter grau de consciencia maior ou menor, porq o temos menor ao ponto de sermos punidos porq ele é menor do que deve ser?

      - se a ausencia do bem pode nos trazer punições, porq é que o bem está ausente em nós? Bem ou amor, depende de nós tê-los ou não tê-los? É responsabilidade nossa o fato de em nós estar ausente o bem?

      Meu jovem amigo, é por essas perguntas que minhas mshs são tãolongas. Mas, reflita sobre elas, que vc só tem a ganhar. Só refletindo e raciocinando é que podemos compreender nossas crenças. É a codificação que manda raciocinar, que tenhamos uma “fé raciocinada”.
.............................

4 – Evite colocar mensagens com textos demasiado longos, ou repetidas. O fórum destina-se a fomentar a troca de ideias. Este site tem um Sistema de Segurança destinado a impedir a criação de múltiplas contas de utilizador ou envio de mensagens em massa, pelo que actuará automaticamente em conformidade com as directrizes de segurança.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/index.php?page=6#ixzz2d1KdYBcZ e apenas uma das regras do forun so isso.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Olé em 25 de Agosto de 2013, 23:15
O mal, é filho da ignorância, esta da desatenção. Desatenção sustenta  os preconceitos e, obrigatoriamente, a ilusão.

A causa dos males da humanidade é a desatenção. Não há culpados!



Bênção e maldição

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Agosto de 2013, 23:39

Não há culpados!



Bênção e maldição

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os gênios dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.



Não há culpados! ???

Por que o amigo retirou a palavra gênios do texto?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 25 de Agosto de 2013, 23:44
Re: O Mal Não Existe?

      Brenno   (ref #78 em:25.0813)

      Brenno respondeu: A ausência, aí, da vírgula foi por esquecimento ou proposital? Pois que muda o sentido da frase! Corrigindo:
    “No exercício do nosso Livre-Arbítrio, praticamos ações materiais e morais contrárias às Leis Divinas pelo fato de sermos ignorantes. Eis, aí, a causa!”

      Conf: ops! vc percebeu?! Custou para eu perceber a questão da vírgula! De qualquer modo, sinceramente, não percebi em que a falta dela altera o sentido (talvez minha cabeça não seja tão boa como a sua).

      Mas, do que coloquei em msg anterior, com vírgula ou sem vírgula, não consegui saber o que queria. Veja: eu escrevi:

      “Apenas faltou, ao amigo Brenno, nos dizer qual é a causa de praticarmos ações morais e materiais contra as Leis Divinas, e qual é a razão de, devido a isso, sofrermos, se essas ações erradas que praticamos, se devem a sermos ignorantes no exercício de nosso livre-arbítrio”.

      Vc respondeu a primeira parte: “No exercício do nosso Livre-Arbítrio, praticamos ações materiais e morais contrárias às Leis Divinas pelo fato de sermos ignorantes. Eis, aí, a causa!”

     Mas, a mais importante, para mim, vc não respondeu: “...qual é a razão de, se essas ações erradas que praticamos se devem a sermos ignorantes no exercício de nosso-livre-arbítrio, devido a isso, sofrermos?”

      Qual é a causa de sofrermos devido a nossas escolhas erradas, se as erramos justamente pelo fato de sermos ignorantes ao fazer nossas escolhas? Agora ficou mais claro, não?
..............
     
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Olé em 26 de Agosto de 2013, 00:25

Não há culpados!



Bênção e maldição

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os gênios dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.

Não há culpados! ???

Por que o amigo retirou a palavra gênios do texto?


O mal, é filho da ignorância, esta da desatenção. Desatenção sustenta  os preconceitos e, obrigatoriamente, a ilusão.

A causa dos males da humanidade é a desatenção. Não há culpados!



Bênção e maldição

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.

Bênção e maldição

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.

http://www.espirito.org.br/portal/codificacao/le/le-2-09.html#1.13



Descubra as diferenças...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Agosto de 2013, 01:58
......................................


Vou repetir:

Não há culpados!

                                                     Bênção e maldição

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os gênios dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.


Não há culpados! ???

Por que o amigo retirou a palavra gênios do texto?


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 26 de Agosto de 2013, 02:03
nao entendo porque tanta repeticao nessas repostas.paz e  luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Agosto de 2013, 02:11

      Qual é a causa de sofrermos devido a nossas escolhas erradas, se as erramos justamente pelo fato de sermos ignorantes ao fazer nossas escolhas? Agora ficou mais claro, não?
     


Da maneira como o amigo coloca, passa a impressão de que sofrer, no caso, é uma coisa ruim. Quando, na Verdade, significa colher os resultados, pois, que também "sofremos" as consequências de nossos bons atos, ou seja, colhemos os frutos de nossas boas ações!

O Espírito ainda ignorante pode errar na escolha e cometer um ato contra as Leis Divinas, assim como pode também acertar na escolha e agir de acordo com aquelas mesmas Leis!

Em ambos os casos "sofrerá" as consequências, boas ou más, de seus atos, advindo-lhe daí o entendimento!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Agosto de 2013, 02:16
nao entendo porque tanta repeticao nessas repostas.paz e  luz


É que o nosso outro amigo quer, por força, introduzir conceitos esdrúxulo-ilusionísticos na Doutrina Espírita!

O que não se pode admitir sob pena de vermos pervertido todo o Ensino dos Espíritos Superiores!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Viana em 06 de Setembro de 2013, 03:27
Desmontando a maior mentira "religiosa"...
 ???
Olá colegas foristas!
Aqui, pretendo desmontar, destruir e aniquilar a maior mentira de todos os tempos, que enganou toda a humanidade, pelos longos 2000 anos de cristianismo.
Trata-se da mentira da origem do pecado, que teria dado inicio no “jardim do éden, quando Adão e Eva teriam desobedecido a deus, tentados pela serpente, que teria sido incorporada por satanás; comeram do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal”!...
A bíblia ensina que pelo pecado de Adão e Eva, entrou o pecado no mundo, e o pecado gerou a morte.
Mas eu digo que isso não é verdade, pois muito antes de Adão e Eva, o pecado da rebeldia de Lúcifer se deu lá no céu, quando ele e a terça parte dos Anjos que o seguiram, foram expulsos do céu, e lançados para terra.
Isso nos força a enxergar que a origem do pecado, não se deu aqui na terra, tendo como agentes a raça humana, mas sim já bem antes lá no céu, tendo como agente Lúcifer, o maior de todos os Anjos; aonde não havia uma serpente para tentá-lo.
Porquanto, já não dá mais para continuar lançando nas costas dos coitados dos seres humanos, a culpa pela origem do pecado.
A palavra pecado, originária do latim (PECATO), que significa (ERRAR O ALVO) - Com muita justiça se deveria atribuir ao próprio "deus" a culpa da origem do PECATO/ERRAR O ALVO, pois pelo fato de ELE ter criado um ser imperfeito como o Lúcifer... Ele o "deus" então errou sim, o alvo (PECOU)...
Aí agora surge o cristianismo, enganando a humanidade, com essa farsa de que o homem que é o responsável pela origem do pecado; tem que se arrepender e se converter para obter o perdão dos seus pecados!?  ::)

Viana
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 06 de Setembro de 2013, 05:02

Aqui.....................
.....................................pecados!?

Viana
[/b][/color]


Não existem anjos nem demônios.

Lúcifer é apenas uma alegoria!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mega em 06 de Setembro de 2013, 14:05
Por certo não existem demônios, o que existe "somos nós" espíritos em processo evolutivo, e alguns ainda um tanto maus que transformam a vida de outros no que chamam de inferno.

Abraços
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 07 de Setembro de 2013, 03:12
Por certo não existem demônios, o que existe "somos nós" espíritos em processo evolutivo, e alguns ainda um tanto maus que transformam a vida de outros no que chamam de inferno.

Abraços


Os homens fizeram com os demônios o que fizeram com os anjos. Como acreditaram na existência de seres perfeitos desde toda a eternidade, tomaram os Espíritos inferiores por seres perpetuamente maus. Por demônios se devem entender os Espíritos impuros, que muitas vezes não valem mais do que as entidades designadas por esse nome, mas com a diferença de ser transitório o estado deles. São Espíritos imperfeitos, que se rebelam contra as provas que lhes tocam e que, por isso, as sofrem mais longamente, porém que, a seu turno, chegarão a sair daquele estado, quando o quiserem. Poder-se-ia, pois, aceitar o termo demônio com esta restrição. Como o entendem atualmente, dando-se-lhe um sentido exclusivo, ele induziria em erro, com o fazer crer na existência de seres especiais criados para o mal.
Satanás é evidentemente a personificação do mal sob forma alegórica, visto não se poder admitir que exista um ser mau a lutar, como de potência a potência, com a Divindade e cuja única preocupação consistisse em lhe contrariar os desígnios. Como precisa de figuras e imagens que lhe impressionem a imaginação, o homem pintou os seres incorpóreos sob uma forma material, com atributos que lembram as qualidades ou os defeitos humanos. É assim que os antigos, querendo personificar o Tempo, o pintaram com a figura de um velho munido de uma foice e uma ampulheta. Representá-lo pela figura de um mancebo fora contra-senso. O mesmo se verifica com as alegorias da fortuna, da verdade, etc. Os modernos representaram os anjos, os puros Espíritos, por uma figura radiosa, de asas brancas, emblema da pureza; e Satanás com chifres, garras e os atributos da animalidade, emblema das paixões vis. O vulgo, que toma as coisas ao pé da letra, viu nesses emblemas individualidades reais, como vira outrora Saturno na alegoria do Tempo.

                                                                    O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 07 de Setembro de 2013, 13:04
O Bem e o Mal...

Deixando de lado tudo que aprendemos em outras doutrinas, como podemos afirmar que o bem e o mal exitem, se as circunstância negativa ou problemáticas que encontramos são colocadas ou colocamos em nosso cotidiano para o nosso próprio crescimento?



Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 07 de Setembro de 2013, 14:34
O Bem e o Mal...

Deixando de lado tudo que aprendemos em outras doutrinas, como podemos afirmar que o bem e o mal exitem, se as circunstância negativa ou problemáticas que encontramos são colocadas ou colocamos em nosso cotidiano para o nosso próprio crescimento?





Eu concordo que o mal nos leva a evolução, pois tem como função que aprendamos a não semeá-lo mais, para que não nos volte em seus efeitos.

Mas nem todas as situações são inexoráveis, a aquelas que podemos optar ou não em pratica-las, o mal esta na intenção que se tem em pratica-lo,uma pessoa que entra em uma casa e comete latrocínio ou chuta um animal que cruza o seu caminho na rua não  tem  a intenção de lhes propor crescimento espiritual, muito pelo contrario tem intenção de machucar ,causar dor, dano etc.




Assim penso

Abç
Valter LRC
 :)

A candeia do corpo são os olhos; de sorte que, se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo terá luz; Se, porém, os teus olhos forem maus, o teu corpo será tenebroso. Se, portanto, a luz que em ti há são trevas, quão grandes serão tais trevas!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 07 de Setembro de 2013, 16:12


Mas nem todas as situações são inexoráveis, a aquelas que podemos optar ou não em pratica-las, o mal esta na intenção que se tem em pratica-lo,uma pessoa que entra em uma casa e comete latrocínio ou chuta um animal que cruza o seu caminho na rua não  tem  a intenção de lhes propor crescimento espiritual, muito pelo contrario tem intenção de machucar ,causar dor, dano etc.

[/quote]

Estamos falando da existência do Bem e do Mal.

Quanto a intensão de praticar ações que possam ser consideradas boas ou más é mérito ou demérito de cada ser.

 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 07 de Setembro de 2013, 17:14
Em nosso planeta tanto o bem quanto o mal existem,o bem é o caminho traçado por Deus com suas leis justas  já o mal é a inversão destas leis ou seja é criação do homem é temporário, vai findar-se quando seguirmos as leis de Deus.


O bem nos leva a evoluirmos mais rapidamente, o mal também nos leva a evolução mas de maneira mais lenta mais árdua ,por vezes até estacionaria pois teremos que provar deste mal (ação e reação ou seja  o próprio mal vai anular o mal) pois aprenderemos  pela dor e pelo despertamento da inteligencia a não semeá-lo novamente, assim cortando sua atuação e daremos sequencia  em nossa  subida evolutiva.


No final quando atingirmos o estado de espíritos evoluidos estaremos vivendo em plenitude coma as leis de Deus e nenhum resquício de mal restara.

Mas hoje enquanto espíritos involuídos que somos
é fácil sabermos a diferença.


não fazer ao seu próximo aquilo que não gostaria que vos fizessem.


Abç
Valter LRC
  :)
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 07 de Setembro de 2013, 17:16
mal nao existe se existe e apenas transitorio, pois um dia quem esta vai querer mudar, se querer mudar l,ogo nao e uma coisa que nao perpetua ,so o bem e o caminho e o destino ! ponto final, ponto final. paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 08 de Setembro de 2013, 14:10
O Bem e o Mal...

Deixando de lado tudo que aprendemos em outras doutrinas, como podemos afirmar que o bem e o mal exitem, se as circunstância negativa ou problemáticas que encontramos são colocadas ou colocamos em nosso cotidiano para o nosso próprio crescimento?


Eu concordo que o mal nos leva a evolução, pois tem como função que aprendamos a não semeá-lo mais, para que não nos volte em seus efeitos.

Mas nem todas as situações são inexoráveis, a aquelas que podemos optar ou não em pratica-las, o mal esta na intenção que se tem em pratica-lo,uma pessoa que entra em uma casa e comete latrocínio ou chuta um animal que cruza o seu caminho na rua não  tem  a intenção de lhes propor crescimento espiritual, muito pelo contrario tem intenção de machucar ,causar dor, dano etc.

Assim penso

Abç[/color]
Valter LRC
 :)


mal nao existe se existe e apenas transitorio, pois um dia quem esta vai querer mudar, se querer mudar l,ogo nao e uma coisa que nao perpetua ,so o bem e o caminho e o destino ! ponto final, ponto final. paz e luz


"3. - Entretanto, o mal existe e tem uma causa".

"6. - Porém, os males mais numerosos são os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus excessos em tudo".

"Se o homem se conformasse rigorosamente com as leis divinas, não há duvidar de que se pouparia aos mais agudos males e viveria ditoso na Terra. Se assim procede, é por virtude do seu livre-arbítrio: sofre então as conseqüências do seu proceder".

                                                                            A Gênese

               
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mega em 08 de Setembro de 2013, 17:01
Bom dia  Walter! Não seria o mal um parametro para que possamos identicar  o oposto, o bem, que acha?

Abraços
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mega em 08 de Setembro de 2013, 17:04
O Bem e o Mal...

Deixando de lado tudo que aprendemos em outras doutrinas, como podemos afirmar que o bem e o mal exitem, se as circunstância negativa ou problemáticas que encontramos são colocadas ou colocamos em nosso cotidiano para o nosso próprio crescimento?





É como penso que seja. Deus oportunizando estágios para seus filhos.

Boa Tarde!
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 08 de Setembro de 2013, 17:33
Olá amigo Mega

Citar
Bom dia  Walter! Não seria o mal um parametro para que possamos identicar  o oposto, o bem, que acha?

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/90/#ixzz2eJp9PzzX

Na minha opinião, o mal é uma consequência da ignorância e da imaturidade espiritual, tal como os disparates de uma criança são fruto da imaturidade dela.

E, segundo a definição de Jesus de Nazaré, o mal e o bem são conceitos relativos. Dependem da pessoa que está a avaliar:

- Mal é aquilo que não gosto que me façam a mim, ou que reprovo em outrem.
- Bem é o contrario de mal. 

A nossa referência é a nossa própria consciência moral, mesmo que lhe prestemos muita atenção. É por nós que avaliamos os outros.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 08 de Setembro de 2013, 18:03
Olá

4. Onde podemos encontrar a prova da existência de Deus?

— Num axioma que aplicais às vossas ciências: não há efeito sem causa. Procurai a causa de tudo o que não é obra do homem e vossa razão vos responderá.

Comentário de Kardec: Para crer em Deus é suficiente lançar os olhos às obras da criação. O universo existe; ele tem, portanto, uma causa. Duvidar da existência de Deus seria negar que todo efeito tem uma causa, e avançar que o nada pôde fazer alguma coisa.



Me aproveitando desta pergunta de kardec e vendo a situação em que se encontra o nosso planeta ,guerras, fome,miséria,prostituição,egoismo,corrupção etc...etc ...  e tudo isso não sendo criação de Deus pois esse é soberanamente bom e justo, qual seria então sua causa ?

como dizer que o mal não existe ?
não seria negar  que todo efeito tem uma causa?



634. Por que o mal se encontra na natureza das coisas? Falo do mal moral. Deus não poderia criar a Humanidade em melhores condições?

—Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes. (Ver item 115.) Deus deixa ao homem a escolha do caminho: tanto pior para ele se seguir o mal; sua peregrinação será mais longa. Se não existissem montanhas, não poderia o homem compreender que se pode subir e descer; e se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. E necessário que o Espírito adquira a experiência, e para isto é necessário que ele conheça o bem e o mal; eis porque existe a união do Espírito e do corpo. (Ver item 119.)


Abç

Valter LRC

 :)
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 08 de Setembro de 2013, 19:09
Bom dia  Walter! Não seria o mal um parametro para que possamos identicar  o oposto, o bem, que acha?

Abraços


O mal (transgressão da Lei Divina) só serviria de parâmetro para se avaliar do nível evolutivo de um Espírito.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 08 de Setembro de 2013, 19:11
O Bem e o Mal...

Deixando de lado tudo que aprendemos em outras doutrinas, como podemos afirmar que o bem e o mal exitem, se as circunstância negativa ou problemáticas que encontramos são colocadas ou colocamos em nosso cotidiano para o nosso próprio crescimento?


É como penso que seja. Deus oportunizando estágios para seus filhos.

Boa Tarde!


Porém o mal (transgressão das Leis Divinas) é criação do Espírito no exercício do Livre-Arbítrio.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 08 de Setembro de 2013, 19:16

o mal e o bem são conceitos relativos.

bem haja


Sendo o mal uma transgressão das Leis Divinas (Perfeitas e Imutáveis) não pode variar nem com o tempo nem de acordo com pontos-de-vista.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mourarego em 08 de Setembro de 2013, 19:22
Exatamente brenno.
E como a pergunta central é sobre a existência ou não do mal, não se pode estar contra o que é mostrado nas obras básicas e a resposta é sim, o mal existe.
Abraços,
Moura
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 09 de Setembro de 2013, 11:57

o mal e o bem são conceitos relativos.

bem haja


Sendo o mal uma transgressão das Leis Divinas (Perfeitas e Imutáveis) não pode variar nem com o tempo nem de acordo com pontos-de-vista.



Vamos analisar se o mal é uma transgressão das Leis Divinas:

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.

"Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto."

Se a influência do bem e do mal só ocorre pela vontade de Deus (Leis Divinas perfeitas e imutáveis) o mal não pode ser uma transgressão das Leis Divina.

Pelo que entendo da Doutrina Espírita, afirmar que o bem e o mal existem como forças do universo é um erro cometido ao analisarem acontecimentos que ocorrem naturalmente e que são mal observado e mal compreendido.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Kazaoka em 09 de Setembro de 2013, 12:26
Se somos convidados a trabalhar pela edificação do bem que desejamos para sermos realmente felizes, é por que este bem não existe enquanto não o "criamos" para nós. O mesmo raciocínio vale para o mal. O bem e o mal existem como contingências da vida e a vida é a oficina de trabalho onde arquitetamos o nosso próprio destino, fazendo que o bem ou o mal passe a existir em nosso íntimo e, portanto, em nossa vida.
O dia existe porque existe o sol e a noite pela falta deste. Assim é com o bem que existe porque existe o amor e o mal pela sua falta.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 10 de Setembro de 2013, 02:02

Pelo que entendo da Doutrina Espírita, afirmar que o bem e o mal existem como forças do universo é um erro cometido ao analisarem acontecimentos que ocorrem naturalmente e que são mal observado e mal compreendido.



Em nenhum momento afirmei que o mal seja uma "força do Universo".

Sempre que se comete uma ação transgredindo as Leis Divinas o resultado é um mal.

No exemplo que o amigo citou o mal está em maldizer-se alguém.

O maldizer é uma ação contrária às leis Divinas, portanto, um mal.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 10 de Setembro de 2013, 12:40

Pelo que entendo da Doutrina Espírita, afirmar que o bem e o mal existem como forças do universo é um erro cometido ao analisarem acontecimentos que ocorrem naturalmente e que são mal observado e mal compreendido.



Em nenhum momento afirmei que o mal seja uma "força do Universo".

Sempre que se comete uma ação transgredindo as Leis Divinas o resultado é um mal.

No exemplo que o amigo citou o mal está em maldizer-se alguém.

O maldizer é uma ação contrária às leis Divinas, portanto, um mal.



E você acha que alguém ou alguma coisa pode fazer alguma coisa contrária às Leis Divinas? Nada ultrapassa os limites fixados nas Leis Divinas.

Para que possamos ganhar conhecimento e avançar rumo a evolução, Deus nos deixa livres para errarmos e acertarmos em nossas escolhas, quando erramos associamos isto ao mal, quando acertamos ao bem.

 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 10 de Setembro de 2013, 23:07


E você acha que alguém ou alguma coisa pode fazer alguma coisa contrária às Leis Divinas? Nada ultrapassa os limites fixados nas Leis Divinas.



Roubo, assassinato, pedofilia, não são ações contrárias às Leis Divinas?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 11 de Setembro de 2013, 13:13


E você acha que alguém ou alguma coisa pode fazer alguma coisa contrária às Leis Divinas? Nada ultrapassa os limites fixados nas Leis Divinas.



Roubo, assassinato, pedofilia, não são ações contrárias às Leis Divinas?



Qual a Lei Divina ou melhor dizendo, qual a Lei Universal que proíbe o roubo, o assassinato, a pedofilia?

A Lei Universal em questão é a Lei de Causa e Efeito ou Ação e Reação, ou melhor dizendo, você e responsável por todas as suas ações (deste o pensamento até a ação física).

O roubo, o assassinato e a pedofilia são ações negativas, portanto são ações erradas que cometemos pela nossa ignorância, pelo nosso apego excessivo à paixões e instintos inferiores.

Toda ação negativa/errônea nos trava e nossa evolução moral. 

Afirmo mais uma vez, quanto uma ação é contrária à Lei Universal, esta ação não pode ser realizada, pois ninguém, nada pode ultrapassar os limites fixado por ela.

Mas uma coisa, ninguém passa pela infelicidade de ser roubado, assassinado ou abusado, por acaso. Conscientemente ou inconscientemente todos nós, acabamos de uma foma ou outra, permitindo e nos colocando em situações de risco.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 11 de Setembro de 2013, 18:22
Olá amigo Lucazan

Citar
Mas uma coisa, ninguém passa pela infelicidade de ser roubado, assassinado ou abusado, por acaso. Conscientemente ou inconscientemente todos nós, acabamos de uma foma ou outra, permitindo e nos colocando em situações de risco

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/105/#ixzz2eba1hXOL

Esta frase, talvez possa ter lógica, num sentido lato, dependendo de como a interpretamos. Se ela quer dizer que tudo, na nossa vida, na Terra, está predefinido à partida, então não é coerente com a noção de livre-arbítrio.

Também não posso concordar que tudo o que nos acontece é voluntário e consciente. No outro extremo. Isso é verdade dentro do que as leis da natureza e a nossa capacidade permitem. Como o amigo diz, Se tentarmos fazer alguma coisa fora das leis da natureza, não seremos capazes, pois enfrentamos forças maiores do que a nossa própria força.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Arturus em 11 de Setembro de 2013, 18:40

Qual a Lei Divina ou melhor dizendo, qual a Lei Universal que proíbe o roubo, o assassinato, a pedofilia?



Ame o próximo como a ti mesmo. Não faça a outrém o que não quiser que seja feito a ti.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 11 de Setembro de 2013, 18:43
os dez mandamentos, sao leis divinas! paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 11 de Setembro de 2013, 22:13
São leis judaicas/cristã, que sugerem bons comportamentos, apenas isso.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Viana em 11 de Setembro de 2013, 22:52
 :-[
Mas de uma coisa eu sei... Só sei, de que eu nada sei!...
Mas se alguém quiser mesmo saber? - Que tal dar uma olhadinha clicando no sitie abaixo?
 :-X

 http://www.dominiosfantasticos.com.br/id87.htm

Do Viana...
:D
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 11 de Setembro de 2013, 23:08
r
São leis judaicas/cristã, que sugerem bons comportamentos, apenas isso.
amigo os dez mandamentos e uma lei divina vinda de Deus,nao confunda com lei mosaica ou disciplinar, decretada por moises.  e o cap I do ESE item I , 2 .paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 12 de Setembro de 2013, 11:50
r
São leis judaicas/cristã, que sugerem bons comportamentos, apenas isso.
amigo os dez mandamentos e uma lei divina vinda de Deus,nao confunda com lei mosaica ou disciplinar, decretada por moises.  e o cap I do ESE item I , 2 .paz e luz

100%espírita, Moisés ensinou ao seu povo muita coisa boa, mas também ensinou e decretou um Deus vingativo e guerreiro entre outras coisas.

A DE não veio justificar ou afirmar nenhuma doutrina, ela veio dar uma melhor dizendo esclarecer o que foi mal compreendido e mal explicado:

626 As leis divinas e naturais só foram reveladas aos homens por Jesus e, antes dele, tinham conhecimento delas apenas pela intuição?

– Não dissemos que elas foram escritas em todos os lugares? Todos os homens que meditaram sobre a sabedoria puderam compreendê-las e ensiná-las desde os séculos mais remotos. Com os seus ensinamentos, mesmo incompletos, eles prepararam o terreno para receber a semente. Estando as leis divinas escritas no livro da natureza, o homem pôde conhecê-las quando as quis procurar. Eis por que os preceitos que consagram foram proclamados em todos os tempos pelos homens de bem e é por isso, também, que se encontram seus elementos na doutrina moral de todos os povos saídos da barbárie, embora incompletos ou alterados pela ignorância e pela superstição.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Viana em 12 de Setembro de 2013, 15:44
 ::)
Senhores, por favor, me permitam adentrar e participar do vosso democrático e saudável debate?
Então muito bem!...
Quanto ao que está em debate, sobre "as leis de Deus, os dez mandamentos":
Vejo que existe certa duvida quanto a isso, se "os dez mandamentos foram a lei de Deus, ou de Moisés"... Bem, eu diria que não é nem uma coisa, nem a outra; eu diria que essa tal de "lei de Deus ou de Moisés", de fato é uma farsa, pois esses dez mandamentos que consta na bíblia (êxodo 20), nada mais é, do que um plágio (copia) das leis do código do Rei Hamurabi, que contém 280 mandamentos, e existente já há 1800 anos antes de Cristo.
Confiram no endereço abaixo...

http://www.dhnet.org.br/direitos/anthist/hamurabi.htm

Caso queiram, por favor, procurem no Google, por Código de Hamurabi, que encontrarão farta munição sobre o caso.

Grato.

Do Viana, para quem interessar possa... ;D
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 12 de Setembro de 2013, 16:22
r
São leis judaicas/cristã, que sugerem bons comportamentos, apenas isso.
amigo os dez mandamentos e uma lei divina vinda de Deus,nao confunda com lei mosaica ou disciplinar, decretada por moises.  e o cap I do ESE item I , 2 .paz e luz

100%espírita, Moisés ensinou ao seu povo muita coisa boa, mas também ensinou e decretou um Deus vingativo e guerreiro entre outras coisas.

A DE não veio justificar ou afirmar nenhuma doutrina, ela veio dar uma melhor dizendo esclarecer o que foi mal compreendido e mal explicado:

626 As leis divinas e naturais só foram reveladas aos homens por Jesus e, antes dele, tinham conhecimento delas apenas pela intuição?

– Não dissemos que elas foram escritas em todos os lugares? Todos os homens que meditaram sobre a sabedoria puderam compreendê-las e ensiná-las desde os séculos mais remotos. Com os seus ensinamentos, mesmo incompletos, eles prepararam o terreno para receber a semente. Estando as leis divinas escritas no livro da natureza, o homem pôde conhecê-las quando as quis procurar. Eis por que os preceitos que consagram foram proclamados em todos os tempos pelos homens de bem e é por isso, também, que se encontram seus elementos na doutrina moral de todos os povos saídos da barbárie, embora incompletos ou alterados pela ignorância e pela superstição.

lucazam vou repetir novamente leia o cap I do evangelho segundo espiritismo, pra vc saber separa lei divina. da lei civil de moises, a propria pergunta que o amigo colocou ajuda e entender meu ponto de vista. a unica coisa que quero deixar claro que os dez mandamentos sao leis divinas basta ler e compreender ate nos dias atuais.paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 13 de Setembro de 2013, 17:17
Se é assim que você vê e entende, que sou eu para querer mudar a sua visão e entendimento.

Tenho muito amigos que pensam como você e todos são espíritas cristão e colocam/pregam que Jesus realmente era divino e filho de Deus.

Como passei por varias doutrinas antes de chegar à DE, tenho uma visão uma pouco diferenciada da maioria dos espíritas cristão.

Por isso, afirmo, que os dez mandamentos não passar de uma boa instrução para o comportamento humano.

Voltando ao tópico, volto a negar a existência do mal assim como a do bem com princípio ou causa de alguma coisa. Tanto o mal como o bem são efeitos de alguma causa primária e que geralmente é avaliada conforme as nossa convenções, cultura, necessidades, desejos, etc...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 13 de Setembro de 2013, 19:01
amigo, eu tambem jamais quero eu pretendo convencer ninguem, mas dizer que Jesus nao e um ser puro, divino, se a propria doutrina fala de Jesus como modelo de perfeicao .nao tenho mais nada a declarar. apenas te desejar boa sorte! e paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Viana em 13 de Setembro de 2013, 19:18
 ???
Como é que é?... Como é que é???
O mal não existe?  ??? ??? ???
Eu gostaria de convidar aqueles que afirmam, tal absurdo, para que deem uma olhadinha nas noticias de rádios, jornais e TVs; para que se convença de que o mal, não só existe, como ele já se instalou em todas as partes e áreas do nosso maldito planeta.
E mais! - o mal vai sim, levar a cabo uma eminente, e já muito próxima destruição disso que conhecemos como terra!!!  ::)

Do Viana, a quem interessar possa...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 13 de Setembro de 2013, 19:24
ala cidade alerta ne viana kkk.paz  eluz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: VLRC em 13 de Setembro de 2013, 22:20
O mal não existe?

Tanto o bem quanto o mal existem no nosso planeta,não da pra se negar isso, com tantas evidências.

Há males na vida que vem para o bem ,como diz a letra de um samba ,mas mesmo assim não deixa de ser um mal, pois quanto mais conhecedor da leis de Deus e quanto maior a intenção mais culpado é o homem em pratica-lo .

Só o fato de atrasar nossa evolução ,as vezes por seculos, gerando sofrimento para nós e para aqueles que nos querem  bem e por nos fazer recomeçar nossa tarefa de onde sucumbimos, ja é suficiente para saber de sua existência neste planeta.



Livro dos Espiritos

 133. a) Mas então de que serve aos Espíritos seguirem o caminho do bem, se isso não os isenta das penas da vida corporal?

 — Chegam mais depressa ao alvo. Além disso, as penas da vida são freqüentemente a conseqüência da imperfeição do Espírito. Quanto menos imperfeito ele for, menos tormentos sofrerá. Aquele que não for invejoso, nem ciumento, nem avarento ou ambicioso, não passará pelos tormentos que se originam desses defeitos.


636. O bem e o mal são absolutos para todos os homens?

— A lei de Deus é a mesma para todos; mas o mal depende, sobretudo, da vontade que se tenha de fazê-lo. O bem é sempre bem e o mal sempre mal, qualquer que seja a posição do homem; a diferença está no grau de responsabilidade(1)


638. Parece, às vezes, que o mal é uma conseqüência da força das coisas. Tal, por exemplo, a necessidade em que o homem se vê, nalguns casos, de destruir, até mesmo o seu semelhante. Poder-se-á dizer que há, então, infração da lei de Deus?

 Embora necessário, o mal não deixa de ser o mal. Essa necessidade desaparece, entretanto, à medida que a alma se depura, passando de uma a outra existência. Então, mais culpado é o homem, quando o pratica, porque melhor o compreende.


Abç

Valter LRC

[/color]
 :)
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 14 de Setembro de 2013, 03:21
???
Como é que é?... Como é que é???
O mal não existe?  ??? ??? ???
Eu gostaria de convidar aqueles que afirmam, tal absurdo, para que deem uma olhadinha nas noticias de rádios, jornais e TVs; para que se convença de que o mal, não só existe, como ele já se instalou em todas as partes e áreas do nosso maldito planeta.
E mais! - o mal vai sim, levar a cabo uma eminente, e já muito próxima destruição disso que conhecemos como terra!!!  ::)

Do Viana, a quem interessar possa...



Caro Amigo, você acha que o mal já se instalou em todas as partes? Eu te digo que hoje se prática menos mal do que na idade medieval.   
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 14 de Setembro de 2013, 03:39
Meus amigos, alguém é influenciado pelo mal a fazer coisas erradas?

É a falta de conhecimento, a nossa inferioridade, a influência de um corpo cheio de necessidades materiais, que induz e enche o espírito de vícios e paixões, levado-o a cometem ações erradas e más.

Só cometem ações más que realmente as desejas. Até podemos ser intuídos e influenciados por outros, mais estes só se aproximam de nós por afinidades com os mesmos desejos nosso.

A questão do Mal é um verdadeiro paradoxo, o mal até existe pois podemos realizar ações que resultaram em algum mal. Mas, o Mal não é algo que tenha uma existência sobrenatural com força para seduzir ou influenciar. 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 14 de Setembro de 2013, 11:26
Olá amigo Lucazan

Citar
Meus amigos, alguém é influenciado pelo mal a fazer coisas erradas?

É a falta de conhecimento, a nossa inferioridade, a influência de um corpo cheio de necessidades materiais, que induz e enche o espírito de vícios e paixões, levado-o a cometem ações erradas e más.

Só cometem ações más que realmente as desejas. Até podemos ser intuídos e influenciados por outros, mais estes só se aproximam de nós por afinidades com os mesmos desejos nosso.

A questão do Mal é um verdadeiro paradoxo, o mal até existe pois podemos realizar ações que resultaram em algum mal. Mas, o Mal não é algo que tenha uma existência sobrenatural com força para seduzir ou influenciar. 

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/120/#ixzz2erCsUKV8

A questão que o amigo coloca parece-me muito importante. Efectivamente muitas pessoas se deslocam a CE para bloquear as influências negativas. Até prova em contrário, acredito que é possível remover algumas influências espirituais, todavia fico sempre a pensar: De que adianta a remoção de uma influência espiritual para quem se deixa influenciar? Faltarão outros Espíritos para o influenciar negativa e novamente?

Assim, sem desfazer nos trabalhos de desobsessão, que têm a sua utilidade mais ou menos óbvia, para os Espíritos influenciadores, para o influenciado devem ser apenas um cuidado paliativo cujo efeito é muito limitado, no tempo, se o influenciado não entendeu a lição. Rapidamente se deixará subjugar por novas influências negativas, que ninguém garante menos nocivas que as anteriores.

Muitas pessoa não estão à procura da evolução espiritual, mas da resolução dos problemas mundanos pela via espiritual. Ou seja, trata-se de uma postura supersticiosa (remover "o azar", e passar a ter sorte, mas com um enredo mais complicado). Mas, infelizmente, parece-me (embora possa estar errado, é apenas um palpite meu) que é mesmo a maioria das pessoas que procura os CE com esses objectivos. E porquê?

- Se uma pessoa se desloca ao CE com o objectivo de crescer espiritualmente, parece-me (também é um palpite meu, sem forte fundamento) que raras são as pessoas, nesses locais capazes de compreender isso. E tratam a pessoa da mesma forma do que aqueles que lá se dirigem por motivos supersticiosos. Mais ainda, eles estranham que alguém lá se dirija sem ser para fugir de encostos, para se curar de males de saúde e infortúnios da vida, que imaginam ser de causa espiritual. Ou então que sejam pessoas que estão convencidas que são médiuns e que têm de servir por essa via.

Na verdade, ao ouvir falar muitos espíritas, incluindo eu mesmo, muitas vezes, nós acabamos por induzir as pessoas a pensar que podem ir ao CE para "vencer o azar", como quem bate na madeira. Dizemos: vai lá para remover os teus encostos. Com estas ou com outras palavras. Mas as pessoas, na realidade, poderão livrar-se dos encostos apenas indo ao CE, sem alterar a postura delas perante a vida?

Todavia, quando dizemos que as pessoas fazem o mal porque desejam fazer o mal, isso parece-me um pouco exagerado, em muitos casos. As pessoas nem sempre medem à priori o mal que estão a fazer, sobretudo de um ponto de vista espiritual.

Embora as  pessoas possam saber bem que estão a fazer o mal (no sentido de estar a ir contra a lei instituída e contra a moral subjacente à mesma e contra a moral de senso comum). Todavia eles contam com a imperfeição da justiça humana, ou esperam que a justiça divina (as leis da natureza, que regem os corpos materiais e que regem os espiritos) também seja imperfeita, ou mesmo não acreditam que a justiça divina exista, de todo. Ou então acreditam que a misericórdia divina os perdoará, partindo da ideia (quanto a mim errada) de que Deus se ofende (se Deus perdoa, então é porque se ofendeu, não?). A dor não é um castigo, mas um remédio. Uma contribuição para a correcção, para a cura. E seria pior ficar doente para a eternidade do que sofrer uma dor num curto espaço de tempo, até que o espírito entenda a sua situação e que deixe de nadar contra a corrente. A dor é provisória, a cura é eterna, pois o Espírito, segundo a DE, não retrograda jamais.   

Todo aquele encarnado que tem uma fé profunda de que é um espírito imortal, que Deus é Justo e Bom (Ele é imparcial e concebeu a lei do progresso, que diz que todos nós vamos progredir gradualmente, mais dia, menos dia, mais século, menos século, para uma situação mais feliz), não age contra si mesmo, pois sabe que a justiça divina é perfeita, não falha, ao contrário da  justiça terrena. Isto é, se tem conhecimento espiritual, e se já o interiorizou, se já o consolidou dentro de si mesmo, a pessoa terá consciência de que, ao fazer o mal, está a ir contra os seus próprios interesses. E se até o egoísta age a favor do que considera ser o melhor para si mesmo e para os que mais ama, que fará o espírito evoluído, que já tem conhecimento espiritual, que sabe que, para Deus, e, portanto,  para as leis da natureza (material e espiritual), todos os espiritos são igualmente importantes... Ele não só quer o próprio bem, e o bem dos que mais ama, também quer o bem da humanidade inteira...

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 14 de Setembro de 2013, 16:17

Citar
Todavia, quando dizemos que as pessoas fazem o mal porque desejam fazer o mal, isso parece-me um pouco exagerado, em muitos casos. As pessoas nem sempre medem à priori o mal que estão a fazer, sobretudo de um ponto de vista espiritual.

Embora as  pessoas possam saber bem que estão a fazer o mal (no sentido de estar a ir contra a lei instituída e contra a moral subjacente à mesma e contra a moral de senso comum). Todavia eles contam com a imperfeição da justiça humana, ou esperam que a justiça divina (as leis da natureza, que regem os corpos materiais e que regem os espiritos) também seja imperfeita, ou mesmo não acreditam que a justiça divina exista, de todo. Ou então acreditam que a misericórdia divina os perdoará, partindo da ideia (quanto a mim errada) de que Deus se ofende (se Deus perdoa, então é porque se ofendeu, não?). A dor não é um castigo, mas um remédio. Uma contribuição para a correcção, para a cura. E seria pior ficar doente para a eternidade do que sofrer uma dor num curto espaço de tempo, até que o espírito entenda a sua situação e que deixe de nadar contra a corrente. A dor é provisória, a cura é eterna, pois o Espírito, segundo a DE, não retrograda jamais.   

O grande problema humano e que ele justifica seu erro ou ignoram sua falhas e limitações com desculpando-se ou ainda colocando suas ações negativas como se estas ações fossem positivas.

O ser humano engana e tenta se enganam invertendo os valores das coisas. Mas a Lei de causa e efeito é implacável e responderemos por todas as ações que cometemos.

Por mais dor que se possa passar, por maior que seja o sofrimento do encarnado, não acredito que seja uma punição. Acredito que tudo de ruim que possa acontecer, este momentos infelizes não passam de uma oportunidade para um progresso.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 14 de Setembro de 2013, 18:23
Olá

Citar
O ser humano engana e tenta se enganam invertendo os valores das coisas. Mas a Lei de causa e efeito é implacável e responderemos por todas as ações que cometemos.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/120/#ixzz2et6ygT5d

Exacto, não há perdão nas leis da natureza, pois não há acusação, nem condenação nem absolvição. As leis da natureza são cegas. Ninguém se ofende connosco, a não ser os inferiores, como nós, que se consideram nossas vitimas, e se tentam vingar. O amparo que recebemos, imagino, é mais no sentido de nos ajudar a entender a lição, se necessário, estimular a coragem, a paciência e a resignação, para ver se nós não desanimamos, ao ver a tolice que fizemos, talvez.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 14 de Setembro de 2013, 18:46

Qual a Lei Divina ou melhor dizendo, qual a Lei Universal que proíbe o roubo, o assassinato, a pedofilia?



A Lei do Amor e da Caridade.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 14 de Setembro de 2013, 21:57

Qual a Lei Divina ou melhor dizendo, qual a Lei Universal que proíbe o roubo, o assassinato, a pedofilia?



A Lei do Amor e da Caridade.



Será que a Lei do Amor e da Caridade é uma Lei Natural?

No meu entendimento não. O amor e a caridade são virtudes, uma vez que eu posso amar ou odiar, ser caridoso ou ganancioso.

Lei natural no meu entendimento é causa; O amor a caridade assim como o mal ou o bem são efeitos
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 14 de Setembro de 2013, 22:07
Olá

Citar
O ser humano engana e tenta se enganam invertendo os valores das coisas. Mas a Lei de causa e efeito é implacável e responderemos por todas as ações que cometemos.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/120/#ixzz2et6ygT5d

Exacto, não há perdão nas leis da natureza, pois não há acusação, nem condenação nem absolvição. As leis da natureza são cegas. Ninguém se ofende connosco, a não ser os inferiores, como nós, que se consideram nossas vitimas, e se tentam vingar. O amparo que recebemos, imagino, é mais no sentido de nos ajudar a entender a lição, se necessário, estimular a coragem, a paciência e a resignação, para ver se nós não desanimamos, ao ver a tolice que fizemos, talvez.

bem haja

"O amparo que recebemos, imagino, é mais no sentido de nos ajudar a entender a lição, se necessário, estimular a coragem, a paciência e a resignação, para ver se nós não desanimamos, ao ver a tolice que fizemos, talvez.
"

Sim, é o que acontece conforme os nossos verdadeiros desejos. A lei da atração/afinidade nos liga aos demais espíritos afins.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 14 de Setembro de 2013, 22:18

Será que a Lei do Amor e da Caridade é uma Lei Natural?

No meu entendimento não. O amor e a caridade são virtudes, uma vez que eu posso amar ou odiar, ser caridoso ou ganancioso.

Lei natural no meu entendimento é causa; O amor a caridade assim como o mal ou o bem são efeitos


O amigo está a confundir Leis Morais com Leis Físicas (os Leis da física) o que, absolutamente, não são a mesma coisa.

Leis físicas, que regem o funcionamento do Universo, não podem, efetivamente, ser contraditas.

Leis Morais, que regem as relações entre os Espíritos (encarnados e desencarnados), podem, sim, ser contraditas, e o são constantemente!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 15 de Setembro de 2013, 11:49
O amigo esta confundindo regras de bons comportamentos com Lei Natural.


Será que a Lei do Amor e da Caridade é uma Lei Natural?

No meu entendimento não. O amor e a caridade são virtudes, uma vez que eu posso amar ou odiar, ser caridoso ou ganancioso.

Lei natural no meu entendimento é causa; O amor a caridade assim como o mal ou o bem são efeitos


O amigo está a confundir Leis Morais com Leis Físicas (os Leis da física) o que, absolutamente, não são a mesma coisa.

Leis físicas, que regem o funcionamento do Universo, não podem, efetivamente, ser contraditas.

Leis Morais, que regem as relações entre os Espíritos (encarnados e desencarnados), podem, sim, ser contraditas, e o são constantemente!


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 15 de Setembro de 2013, 22:27

O amigo esta confundindo regras de bons comportamentos com Lei Natural.



Se é assim que o amigo vê, então, a Doutrina Espírita, na sua opinião, nada nos trouxe além de "regras de bom comportamento"?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 16 de Setembro de 2013, 13:09
Olá amigo Brenno e amigo Lucazan

Peço desculpa pelo meu atrevimento, uma vez que a questão não me foi dirigida.

Citar
Se é assim que o amigo vê, então, a Doutrina Espírita, na sua opinião, nada nos trouxe além de "regras de bom comportamento"?


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/135/#ixzz2f3Vxjuxs

As regras de bom comportamento, ou leis morais, são fórmulas para nos ajudar a alinhar com as leis da natureza que regem a matéria e os espiritos.

Por exemplo, as leis da natureza dizem que todos somos espiritos igualmente importantes. Por mais que tentemos que assim não seja, não conseguimos evitar esta realidade. Podemos dar cambalhotas, fazer o pino, fazer o que quisermos, que Deus não nos vai considerar superiores nem inferiores aos outros espiritos. 

Assim, as leis do bom comportamento dizem-nos a melhor forma de enfrentar a realidade. Se somos todos espiritos igualmente importantes, não podemos ser egoístas. Ser egoísta vai trazer-nos prejuízo. Tendo em consideração apenas esta encarnação pode não parecer, mas a nossa vida vai para além desta encarnação. E as consequências perseguem-nos, até que mudemos de ideias e abandonemos as ideias erradas, no mínimo. Não há perdão divino, apenas inspiração e motivação para mudarmos de ideias (a bem ou pela força da dor), da parte dos nossos irmãos de ordem superior à nossa e dos que nos querem realmente bem. E, libertos da carne, nós mesmos compreendemos melhor os nossos erros, talvez.
 
A pessoa pode decidir nadar contra a corrente, até se cansar, ou pode optar por ir a favor da corrente. Mas a corrente nunca pára e nem faz excepções para ninguém.
 
bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 16 de Setembro de 2013, 16:10

As regras de bom comportamento, ou leis morais, são fórmulas para nos ajudar a alinhar com as leis da natureza que regem a matéria e os espiritos.

Por exemplo, as leis da natureza dizem que todos somos espiritos igualmente importantes. Por mais que tentemos que assim não seja, não conseguimos evitar esta realidade. Podemos dar cambalhotas, fazer o pino, fazer o que quisermos, que Deus não nos vai considerar superiores nem inferiores aos outros espiritos. 

Assim, as leis do bom comportamento dizem-nos a melhor forma de enfrentar a realidade. Se somos todos espiritos igualmente importantes, não podemos ser egoístas. Ser egoísta vai trazer-nos prejuízo. Tendo em consideração apenas esta encarnação pode não parecer, mas a nossa vida vai para além desta encarnação. E as consequências perseguem-nos, até que mudemos de ideias e abandonemos as ideias erradas, no mínimo. Não há perdão divino, apenas inspiração e motivação para mudarmos de ideias (a bem ou pela força da dor), da parte dos nossos irmãos de ordem superior à nossa e dos que nos querem realmente bem. E, libertos da carne, nós mesmos compreendemos melhor os nossos erros, talvez.
 
A pessoa pode decidir nadar contra a corrente, até se cansar, ou pode optar por ir a favor da corrente. Mas a corrente nunca pára e nem faz excepções para ninguém.
 
bem haja


Pois é, amigo Vitor,

Não se trata apenas de "regras" mas de LEIS!

E Leis criadas por Deus!

O que não quer dizer que não possamos infringi-las, pois que temos Livre-Arbítrio.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Confortipai em 16 de Setembro de 2013, 19:37
Re: O Mal Não Existe?

      Referência: resposta #136, de 150913, do Brenno.

      Brenno escreveu ao Lucazan: Se é assim que o amigo vê, então, a Doutrina Espírita, na sua opinião, nada nos trouxe além de "regras de bom comportamento"?

      Conf: penso que quem bem observar a doutrina verá que nas palavras de Jesus há o que podemos chamar de “regras para bem-conviver” (de “bom comportamento”, como disseram o Lucazan e o Brenno) e “regras para a salvação”.

      Pelo que compreendo, as experiências da vida, nenhuma delas tem qualquer valor para o “crescimento espiritual”. Todas elas, sem exceção, somente têm valor para um melhor relacionamento entre os homens e para melhorar nossa qualidade de vida na matéria; o aprendizado, relativo ao mundo material, somente serve para nos proporcionar uma sobrevivência melhor na carne. Tudo q a vida nos ensina, nada tem a ver com o processo evolutivo espiritual...

      ... senão qto ao fato de q, pela constatação de que não há, nas medicinas, ciências, religiões, enfim de que não há no mundo, solução para o sofrimento de humanos e não humanos, podemos buscar outros caminhos além do das religiões.

      Assim, a obediência aos mandamentos e regras éticas das religiões e o atender aos conselhos e ensinamentos dos Grandes, só objetivam um relacionamento mais harmonioso entre os homens.                                                               

      Observem o quê todos os líderes, em torno de cujas palavras os homens convencionaram religiões, tiveram que fazer inicialmente: organizar e trazer tranqüilidade ao povo, um mais harmonioso relacionamento entre as já tão sofridas criaturas, sobretudo naqueles tempos de injustiças e sem leis.

      Vejam o Decálogo: não matar, não roubar, não cobiçar o que seja do próximo, não desonrar, não dar falso testemunho, não adulterar.

      Observem que, aí, nada tem que signifique “regras para a salvação”. Quanto aos dois primeiros mandamentos, são inócuos, pois apenas visavam a que se respeitasse aquele ser poderoso que o homem tão somente podia “imaginar” o que poderia ser. E não só que se respeitasse, mas que se o temesse e obedecesse, como ainda hoje ocorre com tantas ameaças que todas as religiões apregoam.

      Esse é o exemplo de Moisés, liderando uma fuga pelo deserto, durante 40 anos, de, fora as crianças, animais e tralhas, 600 mil adultos, rebeldes, sofridos, desorganizados, indisciplinados, prontos para desobedecer, reclamar, matar, mentir, roubar, cobiçar etc. 

      Como esse povo o obedeceria, quando não tinha nem mesmo qualquer recurso para comunicar suas ordens? Um povo cansado e em fuga de muitos anos de escravidão no Egito?

      Impondo-lhe regras de bom comportamento e despertando-lhe o medo das consequências que viriam a quem as desrespeitasse, o que fez apresentando-lhe um “Deus poderoso e cruel, impaciente, nervoso, vaidoso, orgulhoso e parcial”, com ordens que, se não obedecidas, resultariam castigos terríveis e assustadores, como ocorreu tantas vezes.   

      As lições de Jesus, em geral, tinham o mesmo objetivo: uma vida menos sofrida alicerçada no fato de todos se respeitarem, pela obediência àquelas imposições dos mandamentos.
 
      Quando o Mestre disse “perdoai, não sete vezes, mas...”,  “... dali não sairás até que tenhas pago o último ceitil...”, “... serás atirado ao fogo da geena...”, “... teu credor te levará ao juiz...”, “oferece a outra face”, “perdoai e abençoai os vossos inimigos”, observem que tudo visava a um relacionamento mais harmonioso com vistas a suavizar a vida daqueles homens já sujeitos a tantas infelicidades, sobretudo em tempos em que os poderosos eram a lei. Como no decálogo, nas palavras de Jesus, “como nos são comunicadas pelas religiões”, não há qualquer “regra de salvação” mas, apenas, “regras de bem-conviver”.

      Os ensinamentos que se destinam àqueles que desejam se aperfeiçoar para se aproximarem de Deus, as “regras para a salvação”, felizmente, ao menos alguns, foram preservados nas escrituras, mesmo depois de séculos de alterações introduzidas, que lhes suprimiram textos e acrescentaram conceitos à conveniência dos poderosos.

      Essas lições estão nas palavras de Jesus, como: “Buscai, em primeiro lugar, o reino de...”, “... a verdade vos libertará”, “não direis: ei-lo aqui, ou ei-lo acolá, pois o reino de Deus está dentro de vós”, “tudo vem do alto”, em muitas parábolas, como a daquele que, encontrando um tesouro num campo, se desfez de tudo para comprar aquele campo; na afirmação de que aquele que não abandonar pai e mãe não é digno de segui-lo; na história do jovem que desejava, primeiro, enterrar seu pai; nas parábolas das virgens insensatas; do servo que, atento, aguardava a chegada do patrão...

      Também, nas afirmações de Paulo: “Vós sois o templo do Altíssimo”, “o Senhor habita em vossos corações”, “É o Senhor que opera em nós o pensar, o querer e o fazer”, “Não sois salvos por vossas obras, mas pela graça de Deus”, “Deus não faz acepção de pessoas...” e em outras passagens.

      Aqui sim, estão as “regras para a salvação”; as outras, anteriormente vistas, são apenas “regras para bem conviver”, ou “de bom comportamento”, como são os mandamentos apresentados por Moisés. E as regras de bem-conviver é o q aprendemos com as experiências da vida, com os erros dos outros mas, de modo algum levam ao aperfeiçoamento espiritual.

      É verdade que sem o amor será impossível o aprimoramento espiritual; daí ser o amor, ao mesmo tempo, uma regra de bom comportamento e uma regra de salvação.

      Daí, também, a sabedoria da doutrina espírita ao levantar sua bandeira de “Fora da caridade não há salvação!”.
..........................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 16 de Setembro de 2013, 23:57

Conf: penso..................
........................... salvação.



O caso é que não existe esse negócio de "salvação"!

Mesmo porque nenhum Espírito está em risco de perder-se.

O que existe é necessidade de Evolução, de aprimoramento, de reforma íntima.

O que só se alcança através de múltiplas encarnações, pela prática do Amor e da Caridade e, é claro, conformando-se com as Leis Divinas e não as transgredindo.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 17 de Setembro de 2013, 00:38
fazer isso que vc falou breno e ser salvo, como ensina no ESE fora da caridade nao a salvacao! paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 17 de Setembro de 2013, 01:01
fazer isso que vc falou breno e ser salvo, como ensina no ESE fora da caridade nao a salvacao! paz e luz


E qual seria esse perigo do qual necessitamos ser salvos?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 17 de Setembro de 2013, 11:57
Olá amigo Brenno

Citar
Pois é, amigo Vitor,

Não se trata apenas de "regras" mas de LEIS!

E Leis criadas por Deus!

O que não quer dizer que não possamos infringi-las, pois que temos Livre-Arbítrio.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/135/#ixzz2f8qSNrLU

Depende do sentido que damos à palavra "lei". Se estamos a falar no sentido de lei cientifica, então não concordo que as "regras morais" possam ser consideradas leis. As leis cientificas não se podem deixar de cumprir. E eu dei um exemplo: os espiritos são igualmente importantes, e isto é uma lei. Se não existisse essa lei teríamos de considerar que Deus era imparcial, perante os espiritos que criou. Favorecia uns em detrimento de outros. Se o espírito tem a ilusão que é mais importante do que os outros, durante algum tempo, da vida milenar de espírito, quando perceber a realidade vai constatar que essa obsessão de se considerar superior (ou inferior...) o está a conduzir a caminhos errados, que lhe impedem o progresso espiritual. Que se está a prejudicar a si mesmo.

Se estamos a falar de lei no sentido legal, estamos a admitir que Deus decretou leis no sentido jurídico, que legisla e governa o universo, como os nossos governantes governam os nossos países e decreta leis, como os parlamentos as decretam. Ora isso não me parece condizente com o que eu vejo aqui neste mundo. Se fosse Deus que o governasse a governação era perfeita (simultaneamente justa e caridosa). Onde é que o amigo vê isso, aqui na Terra?

Para além disso, a lei moral, se fosse decretada por Deus, deveria ser a mesma, em todas as épocas da humanidade. E nós sabemos que assim não é. A moral pregada por Jesus de Nazaré nada tem a haver com a lei religiosa Judaica, anterior a Jesus. Há uma diferença abismal entre o AT e o NT.

Assim, o modelo de Deus, Governante do Universo, não é a forma como imagino Deus. É o modelo que os espiritos nos ensinaram, que me parece mais credível: Deus não é "O Governante", mas "O Criador, a Causa Primeira e a Inteligência Suprema".

O universo (tanto no que diz respeito à matéria, como aos espiritos) é governado pelas leis da natureza, que são automáticas, imparciais e impessoais. Deus é imparcial, não perdoa. Deus ampara, através dos representantes Dele, os Espíritos, no sentido de inspirar os menos esclarecidos, para que eles aprendam a seguir um caminho favorável. Para que eles escolham o melhor caminho para eles mesmo, na fase em que se encontram. Para que eles ganhem conhecimento espiritual e o interiorizem.

Deus proporciona-nos, indirectamente, o conhecimento das ferramentas para nos moldarmos a nós mesmos e nos tornarmos mais felizes. Mas a lei também é que somos nós que temos de querer progredir. Se isso não acontecer ninguém vai trabalhar para nos substituir, nisso.

Assim, eu recuso aquela teoria de que os profetas ou médiuns que serviram de intermediários às revelações espirituais, aqui na Terra, possam receber comunicações mediúnicas directas de Deus. isto porque não acredito que o nível espiritual dos habitantes da mesma, nem dos mais elevados que a pisaram, seja tão alto que eles possam ser médiuns de Deus, ainda por cima, encarnados. A doutrina espirita diz que só os Espíritos Puros têm esse nível, e que eles já não encarnam. Não sou só eu que acredito nisso.

Esse tipo de leis que o amigo fala, não são leis de Deus, mas leis inspiradas por espiritos mais elevados do que nós, depois interpretadas por nós, encarnados. A primeira fonte de erro é o médium, que nem sempre transmite tal qual o que foi inspirado, a segunda fonte de erro é a nossa interpretação, sempre limitada. Mas depois há erros de tradução, de redacção, etc.

As revelações são inspiradas por Espíritos, tanto mais elevados quanto o forem os Espíritos encarnados com essa missão. Mas elas estão limitadas à capacidade de compreensão daqueles que as recebem e/ou daqueles que as registam. A mensagem moral vai evoluindo, ao longo da história, tal como tudo. As leis de Deus são fixas e imutáveis, em principio, não estão a evoluir com o tempo, pois admite-se que Ele não ia criar leis e depois alterá-las. O que é criado por Deus é perfeito, não necessita de alterações posteriormente. A lei do progresso também é uma lei da natureza. Mas Ela refere-se ao Universo Criado, à criação e não a Deus, propriamente dito. Deus já é perfeito, não precisa de evoluir para a perfeição.

Se tivéssemos livre-arbítrio, em sentido lato, nós seriamos criaturas sábias, de um ponto de vista espiritual, que eram capazes de medir todas as consequências das respectivas decisões. Mas, nesse caso, também saberíamos, de certeza, o que é melhor para nós, numa perspectiva espiritual. Uma criatura assim, que se comportasse contra as leis da natureza, tanto as que regem os espiritos, como as que regem a matéria, saberia que enfrentava as consequências. Assim, ou era masoquista, o que é estranho para uma criatura sábia, ou era fraca, e mesmo sabendo o que era o melhor para si mesmo, fazia outra coisa, que lhe parecesse mais fácil, na altura. Seriamos anjos caídos, ou seja, diabos, não propriamente por maldade, mas por fraqueza.

A nossa capacidade de decisão é muito limitada, embora existente. Uma criança não mede as consequências das respectivas acções da mesma forma do que quando for adulto. Todavia, toma decisões. Assim um aprendiz, uma criança espiritual, toma decisões, efectivamente, mas nem sempre lhe mede bem as consequências, sobretudo as espirituais. O sistema de aprendizagem é do tipo erro e acerto. Mas aprendemos mais com os erros do que com os acertos, pois o erro pode fazer doer. E a dor é mais convincente, na fase em que nos encontramos.     

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 17 de Setembro de 2013, 21:58
Amigo Vitor, se você estiver errado, eu também estarei, pois compartilho contigo o mesmo entendimento.

Como o amigo bem disse, somos muito limitados quando encarnados.

A maioria dos espiritas que conheço, não conseguem abandonar as crenças que trouxeram de outra doutrina e acaba por adequar o espiritismo á suas crenças.

A representação do mal por demônios estão em todas as doutrinas. É mais fácil aceitar a existência do mal do que aceitar as maldades que cometemos e corrigirmos os mal que causamos.

Para chegarmos mais rápido a um progresso, devemos ser bons, resignar-se de nosso desejos em favor dos outros. Quando isso acontecer, não seremos invejosos, gananciosos, egoístas, etc.... E o nossa consciência de espírito voltará a se manifestar mais facilmente.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 17 de Setembro de 2013, 22:49
fazer isso que vc falou breno e ser salvo, como ensina no ESE fora da caridade nao a salvacao! paz e luz


E qual seria esse perigo do qual necessitamos ser salvos?


vc entende ao pe da letra ne irmao! rsrs salvacao no meu entender seria a recompensa.a libertacao, a felicidade a consciencia traquila quando voltamos aos planos Espirituais, mais evoluidos moralmente,quando praticamos a caridade e amor que Jesus nos orienta, agora perigo nao sei se e o termo e  desperdicarmos reencarnacao, nao praticando a caridade e ficarmos estacionados, com certeza vai gerar um sofrimento moral muito grande. paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 18 de Setembro de 2013, 05:45
vc entende ao pe da letra ne irmao! rsrs salvacao no meu entender seria a recompensa.a libertacao, a felicidade a consciencia traquila quando voltamos aos planos Espirituais, mais evoluidos moralmente,quando praticamos a caridade e amor que Jesus nos orienta, agora perigo nao sei se e o termo e  desperdicarmos reencarnacao, nao praticando a caridade e ficarmos estacionados, com certeza vai gerar um sofrimento moral muito grande. paz e luz


Se é assim que o amigo entende o termo "salvação", está perfeito! E de acordo com a DE.

Tal não é, porém, o entendimento daquele outro nosso amigo para quem respondi. Aquele não aceita sequer a Reencarnação.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 18 de Setembro de 2013, 06:01

Depende........................
.....................................encontramos.     

bem haja


As leis de Deus são fixas e imutáveis, em principio, não estão a evoluir com o tempo

Assim são as Leis Morais. As Leis do Amor e da Caridade.


Se tivéssemos livre-arbítrio, em sentido lato, nós seriamos criaturas sábias, de um ponto de vista espiritual, que eram capazes de medir todas as consequências das respectivas decisões.

O Livre-Arbítrio não pressupõe sabedoria mas liberdade de pensamento e ação.


Se estamos a falar de lei no sentido legal, estamos a admitir que Deus decretou leis no sentido jurídico, que legisla e governa o universo, como os nossos governantes governam os nossos países e decreta leis, como os parlamentos as decretam. Ora isso não me parece condizente com o que eu vejo aqui neste mundo.

O Mundo é como é porque temos Livre-Arbítrio e podemos infringir as Leis Divinas.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 18 de Setembro de 2013, 06:14

Como ....................
.........................facilmente.



A maioria dos espiritas que conheço, não conseguem abandonar as crenças que trouxeram de outra doutrina e acaba por adequar o espiritismo á suas crenças.

Isso é verdade, mas não é o meu caso.

Sou filho e neto de Espíritas e nunca tive outra "religião".


A representação do mal por demônios estão em todas as doutrinas. É mais fácil aceitar a existência do mal do que aceitar as maldades que cometemos e corrigirmos os mal que causamos.

É evidente que o demônio não existe, mas o que seriam as maldades que cometemos senão um mal?

E o mal que causamos, como o amigo mesmo diz, não existe?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 18 de Setembro de 2013, 11:17
Sim caro amigo, podemos fazer tanto o bem como o mal, mas tanto um como o outro são apenas efeitos de nossas ações.

O bem e mal não são as causas de nossas ações.

Ninguém é infeliz por que existe um mal provocando situações desfavoráveis. As pessoas são infelizes e sofrem por serem vaidosos, arrogantes, egoístas, gananciosos, etc...   
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 18 de Setembro de 2013, 11:59
Olá amigo Lucazan

Citar
Sim caro amigo, podemos fazer tanto o bem como o mal, mas tanto um como o outro são apenas efeitos de nossas ações.

O bem e mal não são as causas de nossas ações.

Ninguém é infeliz por que existe um mal provocando situações desfavoráveis. As pessoas são infelizes e sofrem por serem vaidosos, arrogantes, egoístas, gananciosos, etc...   

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/135/?action=post;num_replies=149#ixzz2fEzRqseq

Em poucas palavras o amigo disse muito, na minha opinião!

Em vez de perseguir os "demónios" exteriores, temos de perseguir essencialmente os interiores.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 18 de Setembro de 2013, 17:16
Sim, é esta a chave para se libertar da matéria enquanto encarnados.

Quando aceitamos que todo o mal que nos afeta ou que cai sobre nós á provocado por nós mesmo, estaremos mais perto de um aperfeiçoamento.

Em todos os trabalhos de orientação a espíritos vingativos, obsessores e sofredores que tive a oportunidade de acompanha, sempre foi o arrependimento e o perdão os motivos que os libertaram de uma mente em colapso e perturbada.

Por tanto afirmo que se não reconhecemos os nossos erros, se não arrependemos deles e perdoar quem nos magoou, não conseguiremos nos livra das pertubações e a nossa consciência de espírito que realmente somos levaram muito tempo para despertar.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 18 de Setembro de 2013, 23:18

O bem e mal ..................
..................... gananciosos, etc...



Voltamos à Doutrina Espírita:

3. - Entretanto, o mal existe e tem uma causa.
....................................

6. - Porém, os males mais numerosos são os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus excessos em tudo. Aí a causa das guerras e das calamidades que estas acarretam, das dissenções, das injustiças, da opressão do fraco pelo forte, da maior parte, afinal, das enfermidades.
Deus promulgou leis plenas de sabedoria, tendo por único objetivo o bem. Em si mesmo encontra o homem tudo o que lhe é necessário para cumpri-las. A consciência lhe traça a rota, a lei divina lhe está gravada no coração e, ao demais, Deus lha lembra constantemente por intermédio de seus messias e profetas, de todos os Espíritos encarnados que trazem a missão de o esclarecer, moralizar e melhorar e, nestes últimos tempos, pela multidão dos Espíritos desencarnados que se manifestam em toda parte. Se o homem se conformasse rigorosamente com as leis divinas, não há duvidar de que se pouparia aos mais agudos males e viveria ditoso na Terra. Se assim procede, é por virtude do seu livre-arbítrio: sofre então as conseqüências do seu proceder.

                                                                      A Gênese

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 19 de Setembro de 2013, 13:06

Voltamos à Doutrina Espírita:


3. - Entretanto, o mal existe e tem uma causa.



Correto, o mal tem uma causa, não é a causa, é um efeito.


6. - Porém, os males mais numerosos são os que o homem cria pelos seus vícios, os que provêm do seu orgulho, do seu egoísmo, da sua ambição, da sua cupidez, de seus excessos em tudo. Aí a causa das guerras e das calamidades que estas acarretam, das dissenções, das injustiças, da opressão do fraco pelo forte, da maior parte, afinal, das enfermidades.
Deus promulgou leis plenas de sabedoria, tendo por único objetivo o bem. Em si mesmo encontra o homem tudo o que lhe é necessário para cumpri-las. A consciência lhe traça a rota, a lei divina lhe está gravada no coração e, ao demais, Deus lha lembra constantemente por intermédio de seus messias e profetas, de todos os Espíritos encarnados que trazem a missão de o esclarecer, moralizar e melhorar e, nestes últimos tempos, pela multidão dos Espíritos desencarnados que se manifestam em toda parte. Se o homem se conformasse rigorosamente com as leis divinas, não há duvidar de que se pouparia aos mais agudos males e viveria ditoso na Terra. Se assim procede, é por virtude do seu livre-arbítrio: sofre então as conseqüências do seu proceder.[/color]

                                                                      A Gênese


Os males são criados pelos vícios do homem, concordo e afirmo isto sempre.

Se mal provem dos vícios, o bem não deveria ser proveniente das virtudes? Será que Deus em sua infinita sabedoria achou que deveria criar leis plenas de sabedoria, tendo como único objetivo o bem?

Caro amigo, a lei divina rege tanto o bem como o mal que fazemos.

Se você presta a tenção a introdução da obra A Gênese, verá nos dois últimos parágrafos o seguinte:

"Os mesmos escrúpulos havendo presidido à redação das nossas outras obras, pudemos, com toda verdade, dizê-las: segundo o Espiritismo, porque estávamos certo da conformidade delas com o ensino geral dos Espíritos. O mesmo sucede com esta, que podemos, por motivos semelhantes, apresentar como complemento das que a precederam, com exceção, todavia, de algumas teorias ainda hipotéticas, que tivemos o cuidado de indicar como tais e que devem ser consideradas simples opiniões pessoais, enquanto não forem confirmadas ou contraditadas, a fim de que não pese sobre a doutrina a responsabilidade delas. (1)"

"Aliás, os leitores assíduos da Revue hão tido ensejo de notar, sem dúvida, em forma de esboços, a maioria das idéias desenvolvidas aqui nesta obra, conforme o fizemos, com relação às anteriores. A Revue, muita vez, representa para nós um terreno de ensaio, destinado a sondar a opinião dos homens e dos Espíritos sobre alguns princípios, antes de os admitir como partes constitutivas da doutrina."

(1) Nota da Editora: Ao leitor cabe, pois, durante a leitura desta obra, distinguir a parte apresentada como complementar da Doutrina, daquela que o próprio Autor considera hipotética e pessoalmente dele.

Kardec as escreve suas obras, inspirou-se nas instruções dos espíritos, mas não podemos esquecer que ao escrever utilizou seus próprios pensamentos, crenças, conhecimentos, estudos, etc.... 


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: hcancela em 19 de Setembro de 2013, 14:06
Olá amigos(as)

 O mal existe, tal e qual o bem, o problema aqui são as consequências destes dois aspectos, e aqui amigos(as), não vá o " Diabo" escolher. ;D ;D ;D :D :D :D :D :) :) :) :-* :-* :-*


Abraços fraternos
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 19 de Setembro de 2013, 14:41
Olá amigo Lucazan

Citar
Caro amigo, a lei divina rege tanto o bem como o mal que fazemos

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/150/#ixzz2fLOZZp00

Concordo, amigo! A possibilidade de fazer o mal não é uma imperfeição das leis de Deus, nem uma imperfeição de Deus. Ele fez o universo assim, porque é, decerto, a melhor solução possível.

As más acções não são uma violação das leis de Deus, mas uma consequência da ignorância espiritual. A incapacidade de se ver como um espírito imortal e, ao contrário, ver-se como uma mera máquina de carne, consciente ou inconscientemente, voluntária ou involuntariamente é que leva a isso. E Deus, quando criou os espiritos, decerto que previu que assim seria. Não se enganou. Se a solução melhor fosse criar os espiritos logo no estado de espiritos puros, Ele assim teria feito, decerto.

Todavia, a lei de Deus não permite que aquele que se comporta a favor das leis da natureza que regem os espiritos possa evoluir espiritualmente da mesma forma do que aquele que não as cumpre (tal como aquele que quer subir um rio a nado contra a corrente jamais consegue alcançar o objectivo dele - chegará o dia em que se cansa e muda de estratégia).

Há uma grande diferença entre o que se comporta e o que se comporta mal. O primeiro tem a "recompensa" de evoluir espiritualmente, o segundo tem "o castigo" de repetir as provas que falhou. E, quanto mais bloqueado psicologicamente, mais a probabilidade de ter que enfrentar a dor, o sofrimento, que é via de progresso alternativa a progredir a bem.

Não vamos a bem vamos a mal, continuando no ciclo de reencarnações complicadas e duras. Deus não deixava que as suas criaturas estagnassem para sempre, numa situação infeliz, de bloqueio psicológico. Isso seria o inferno, e o inferno não existe. A reencarnação dura é um remédio doloroso, não é um castigo, no sentido de se ter ofendido Deus e levar uma retaliação em troca. Deus não se ofende, pois deverá estar acima dos nossos defeitos humanos.   

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 19 de Setembro de 2013, 18:26

O mesmo sucede com esta, que podemos, por motivos semelhantes, apresentar como complemento das que a precederam, com exceção, todavia, de algumas teorias ainda hipotéticas, que tivemos o cuidado de indicar como tais e que devem ser consideradas simples opiniões pessoais, enquanto não forem confirmadas ou contraditadas, a fim de que não pese sobre a doutrina a responsabilidade delas. (1)"



Entenda, o amigo, que Kardec se refere aqui às teorias científicas e não aos ensinamentos Morais.


Será que Deus em sua infinita sabedoria achou que deveria criar leis plenas de sabedoria, tendo como único objetivo o bem?

Não é a mim que o amigo deve dirigir a pergunta , mas, à Doutrina Espírita e aos Espíritos Superiores que a ditaram.

Se o amigo não concorda com o que está na Doutrina Espírita deve dizê-lo com clareza, pois, o que postei não é opinião pessoal minha mas da Doutrina Espírita.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 19 de Setembro de 2013, 22:42
Doutrina Espírita ao meu modo de ver são as instruções contidas no Livro dos Espíritos e no livros do Médiuns. Neles podemos encontrar todas as respostas para nosso aperfeiçoamento.

Os demais livros foram escrito por inspirações e deduções pessoais que transmitem sentimentos e posições pessoais. 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 20 de Setembro de 2013, 05:04
Doutrina Espírita ao meu modo de ver são as instruções contidas no Livro dos Espíritos e no livros do Médiuns. Neles podemos encontrar todas as respostas para nosso aperfeiçoamento.

Os demais livros foram escrito por inspirações e deduções pessoais que transmitem sentimentos e posições pessoais.


Então, que seja:

614. Que se deve entender por lei natural?

“A lei natural é a lei de Deus. É a única verdadeira para a felicidade do homem. Indica-lhe o que deve fazer ou deixar de fazer e ele só é infeliz quando dela se afasta.”

615. É eterna a lei de Deus?

“Eterna e imutável como o próprio Deus.”

616. Será possível que Deus em certa época haja prescrito aos homens o que noutra época lhes proibiu?

“Deus não se engana. Os homens é que são obrigados a modificar suas leis, por imperfeitas. As de Deus, essas são perfeitas. A harmonia que reina no universo material, como no universo moral, se funda em leis estabelecidas por Deus desde toda a eternidade.”

617. As leis divinas, que é o que compreendem no seu âmbito? Concernem a alguma outra coisa, que não somente ao procedimento moral?

“Todas as da Natureza são leis divinas, pois que Deus é o autor de tudo. O sábio estuda as leis da matéria, o homem de bem estuda e pratica as da alma.”

a) - Dado é ao homem aprofundar umas e outras?

“É, mas em uma única existência não lhe basta para isso.”

Efetivamente, que são alguns anos para a aquisição de tudo o de que precisa o ser, a fim de se considerar perfeito, embora apenas se tenha em conta a distância que vai do selvagem ao homem civilizado? Insuficiente seria, para tanto, a existência mais longa que se possa imaginar. Ainda com mais forte razão o será quando curta, como é para a maior parte dos homens.
Entre as leis divinas, umas regulam o movimento e as relações da matéria bruta: as leis físicas, cujo estudo pertence ao domínio da Ciência.
As outras dizem respeito especialmente ao homem considerado em si mesmo e nas suas relações com Deus e com seus semelhantes. Contém as regras da vida do corpo, bem como as da vida da alma: são as leis morais.

619. A todos os homens facultou Deus os meios de conhecerem Sua lei?

“Todos podem conhecê-la, mas nem todos a compreendem. Os homens de bem e os que se decidem a investigá-la são os que melhor a compreendem. Todos, entretanto, a compreenderão um dia, porquanto forçoso é que o progresso se efetue.”

A justiça das diversas encarnações do homem é uma conseqüência deste princípio, pois que, em cada nova existência, sua inteligência se acha mais desenvolvida e ele compreende melhor o que é bem e o que é mal. Se numa só existência tudo lhe devesse ficar ultimado, qual seria a sorte de tantos milhões de seres que morrem todos os dias no embrutecimento da selvageria, ou nas trevas da ignorância, sem que deles tenha dependido o se instruírem?
                                                   
                                                                       O bem e o mal

629. Que definição se pode dar da moral?

“A moral é a regra de bem proceder, isto é, de distinguir o bem do mal. Funda-se na observância da lei de Deus. O homem procede bem quando tudo faz pelo bem de todos, porque então cumpre a lei de Deus.”

630. Como se pode distinguir o bem do mal?

“O bem é tudo o que é conforme à lei de Deus; o mal, tudo o que lhe é contrário. Assim, fazer o bem é proceder de acordo com a lei de Deus. Fazer o mal é infringi-la.”

631. Tem meios o homem de distinguir por si mesmo o que é bem do que é mal?

“Sim, quando crê em Deus e o quer saber. Deus lhe deu inteligência para distinguir um do outro.”

632. Estando sujeito ao erro, não pode o homem enganar-se na apreciação do bem e do mal e crer que pratica o bem quando em realidade pratica o mal?

“Jesus disse: vede o que queríeis que vos fizessem ou não vos fizessem. Tudo se resume nisso. Não vos enganareis.”

633. A regra do bem e do mal, que se poderia chamar de reciprocidade ou de solidariedade, é inaplicável ao proceder pessoal do homem para consigo mesmo. Achará ele, na lei natural, a regra desse proceder e um guia seguro?

“Quando comeis em excesso, verificais que isso vos faz mal. Pois bem, é Deus quem vos dá a medida daquilo de que necessitais. Quando excedeis dessa medida, sois punidos. Em tudo é assim. A lei natural traça para o homem o limite das suas necessidades. Se ele ultrapassa esse limite, é punido pelo sofrimento. Se atendesse sempre à voz que lhe diz - basta, evitaria a maior parte dos males, cuja culpa lança à Natureza.”

634. Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?

“Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação. Se não existissem montanhas, não compreenderia o homem que se pode subir e descer; se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. É preciso que o Espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mal. Eis por que se une ao corpo.”

                                                               O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 20 de Setembro de 2013, 13:28
Caro Brenno,

Tudo se resumi na questão abaixo:

634. Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?

“Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação. Se não existissem montanhas, não compreenderia o homem que se pode subir e descer; se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. É preciso que o Espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mal. Eis por que se une ao corpo.”

Somos espíritos criados simples e ignorantes (sem conhecimento das coisas e nem de si mesmo). para esses espíritos não existem nem o bem nem o mal (certo ou errado) esses espíritos recém criados encontram-se em um estagio inferior ao nosso e são dirigidos (influenciados) por espíritos superiores.

Alei da Evolução permitem a eles adquirirem conhecimento através dos seus trabalhos nos fenômenos da natureza, com isso adquirem também o conhecimento de si mesmo e o livre arbítrio. Com isso entram em um novo estagio, começam a encarnarem em corpo materiais grosseiros. Se tornam espíritos errantes, assim como nós.

No planeta em que vivemos, Deus escolheu o corpo do ser humano para ser utilizado pelos espíritos. Este corpo, esta sujeito a lei que envolve seu orbe, age por instintos naturais (instintos de sobrevivência e procriação), é selvagem por natureza.

A única necessidade do espírito é a de evoluir, e num mundo como o nosso de provas e espiações, a missão é a de dominar este ser e torná-lo melhor, de desenvolver e colocar em pratica o conhecimento adquirido, mas ao se ligar ao corpo, o espírito perde o conhecimento de si mesmo e começa a receber todas as impressões limitadas e cheias de necessidade do corpo.

Devido a perda do conhecimento de si mesmo, o espírito acredita que toda a impressão recebida pertence ao seu ser e começa a conhecer o instintos naturais de um ser selvagem, cheio de instintos naturais. Neste estagio o espírito conhece as paixões, as vicissitudes e a virtude. O bem e o mal (fazer o certo ou o errado) passam a fazer parte de seu cotidiano.

O espírito precisa ganhar experiência (conhecimento) para evoluir e neste estagio em que nos encontramos, é resistindo às vicissitudes, pois ela nos leva a praticar ações erradas, o que no leva a praticar o mal. Devemos nos torna virtuosos, praticando ações correta, é isso nos leva a pratica bem.       

Heis porque o espírito se liga a um corpo. Sem isso o espírito jamais conheceria o mal.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 20 de Setembro de 2013, 20:10
Re: O Mal Não Existe?
     
      Lucazan   (ref #159 em: 20.09.13 às 13:28)

      Lucazan escreveu: Tudo se resume na questão abaixo:
      LE/634. “Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?”
      Resp: “Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação”.

      Conf: amigo Lucazan, se puder me ajude a entender: os sofrimentos nos são impostos devido a transgressões à lei de causa e efeito. Logo, só merecemos sofrer se transgredirmos essa lei, certo?  Então pergunto:

      Primeiro: Se Deus deixa que o espírito escolha seu caminho, qual é a causa de ele escolher o caminho mau, se “tanto pior para ele, pois mais longa será sua peregrinação” e, consequentemente, mais sofrerá por isso? Ignorância, ou desejo de sofrer ou de, com seu inexistente poder, escolher decidir enfrentar o poder Daquele que é Todo Poderoso?

      Se Deus deixa que o espírito escolha seu caminho, porq é que se afirma ser transgressão à lei de Deus o fato de o espirito escolher um caminho que  Deus lhe permite escolher?

      Segundo: qual é a causa de o homem escolher o caminho mau se para ele será mais longa a peregrinação, o que significa que mais sofrerá por isso? Ignorância?

      Quem é que, podendo escolher não sofrer, escolhe sofrer, senão aquele que não tem a consciencia sã, o mentalmente desequilibrado ou ignorante das coisas de Deus? Mas esses, é evidente, não são responsáveis perante a justiça divina. Afinal, quem é que é responsável perante a justiça divina?

      Qual é a causa de mesmo podendo escolher o bom caminho e, conseqüentemente, não sofrer e até ser mais feliz, pois fez a escolha certa, o espírito escolhe o mau caminho, com isso, consequentemente, estando a escolher sofrer as terríveis e torturantes conseqüências daquela lei?

      Aqui está outro ponto que não entendo: “... é preciso, portanto, que o homem conheça o bem e o mal. Eis por que se une ao corpo.”

      Sinceramente, não entendo. Me parece uma resposta muito simplista, sem as explicações necessárias. Deus cria o mal para que o homem aprenda a se livrar do mal?!!

      O mal é criado, é construído por Deus para que o espirito aprenda a desconstruí-lo?!!

      Deus coloca o mal na vida de suas criaturas para que elas aprendam, através de dores sem conta, a colocá-lo fora de sua vida?!!

      Seria até interessante pensar assim, que o mal foi criado para desenvolver potencialidades, as faculdades intelectuais dos espíritos (raciocínio, inteligência, discernimento etc) mas, isso não se harmoniza com Deus, e, é evidente, somente seria compreendido se o mal não comportasse terríveis sofrimentos!

      Harmoniza-se com a concepção de um ser de Infinita Sabedoria, de Soberano Amor e Justiça, fazer que suas criaturas sofram terrivelmente para que desenvolvam tais potencialidades? Pois, se não houvesse o mal, os espíritos não o praticariam e, conseqüente, não sofreriam e não fariam outros sofrerem, como vemos no mundo, e nenhuma necessidade de aprenderem a como se livrar dele!

      Deus “cria” o mal para que o espírito o “descrie”?! Qual é o benefício de o mal ser criado por Deus para que o espirito aprenda a dele se libertar pois, se não tivesse sido criado o mal, o espirito não teria de aprender a se libertar dele?! Vc entende? Pode me ajudar a entender?

      Lucaz: Somos espíritos criados simples e ignorantes (sem conhecimento das coisas e nem de si mesmo), para esses espíritos não existem nem o bem nem o mal (certo ou errado)...

      Conf: até aqui ainda não enxergamos qual é a causa de os espíritos sofrerem; o que é que o espirito faz para que, depois, tenha de sofrer.

      Lucaz: A lei da Evolução permite a eles adquirirem conhecimento através dos seus trabalhos nos fenômenos da natureza, com isso adquirem também o conhecimento de si mesmo e o livre arbítrio.

      Conf: aí está outro ponto a raciocinar: a lei da Evolução, criada pelo Infinito Amor, exige que os espíritos sofram para evoluir?

      Se é por ela que os espíritos adquirem o conhecimento de  si mesmos e a usar o livre-arbítrio, qual é a causa de os espíritos usarem o livre-arbítrio para cometer as atrocidades e os absurdos que vemos no mundo, qual é a causa de escolherem sofrer as conseqüências da lei, e qual é a causa de não conhecerem a si mesmos?
   
      Lucaz: A única necessidade do espírito é a de evoluir, e num mundo como o nosso de provas e expiações...

      Conf: se viemos para um mundo de expiações para resgatar por erros praticados no passado, qual é a causa de os termos praticado, se viríamos a sofrer terrivelmente por os termos praticado? Ignorância ou imbecilidade?

      Lucaz:... a missão é a de dominar este ser e torná-lo melhor, de desenvolver e colocar em pratica o conhecimento adquirido, mas ao se ligar ao corpo, o espírito perde o conhecimento de si mesmo e começa a receber todas as impressões limitadas e cheias de necessidade do corpo.
      Devido a perda do conhecimento de si mesmo, o espírito acredita que toda a impressão recebida pertence ao seu ser e começa a conhecer o instintos naturais de um ser selvagem, cheio de instintos naturais. Neste estagio o espírito conhece as paixões, as vicissitudes e a virtude. O bem e o mal (fazer o certo ou o errado) passam a fazer parte de seu cotidiano.

      Conf: amigo, se, como vc diz, o ser perde o conhecimento de si mesmo acreditando que toda impressão pertence ao seu ser (carnal?), se enche de instintos naturais de um ser selvagem, se enche de paixões etc, porq terá de sofrer por isso, se nada disso é transgressão às leis de Deus? Se tudo isso lhe vem, naturalmente, de sua condição de espírito ainda imperfeito?

      Lucaz: O espírito precisa ganhar experiência (conhecimento) para evoluir e neste estagio em que nos encontramos, é resistindo às vicissitudes, pois ela nos leva a praticar ações erradas, o que no leva a praticar o mal. Devemos nos tornar virtuosos, praticando ações correta, é isso nos leva a pratica bem.       

      Conf: se devemos nos tornar virtuosos, praticando ações corretas, porq é que praticamos tantas ações incorretas? Qual é a causa de escolhermos agir de modo oposto ao em que devemos agir? E isso é escolher sofrer, qdo podemos escolher não sofrer!

      Lucaz: Heis porque o espírito se liga a um corpo. Sem isso o espírito jamais conheceria o mal.

      Conf: já falamos sobre isso mais acima, mas o amigo consegue explicar porq é que o espírito tem de conhecer o mal? Ainda não consigo entender!
....................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 20 de Setembro de 2013, 23:07
Caro Conforti,

Vou tentar passar a minha visão.


Primeiro: Se Deus deixa que o espírito escolha seu caminho, qual é a causa de ele escolher o caminho mau, se “tanto pior para ele, pois mais longa será sua peregrinação” e, consequentemente, mais sofrerá por isso? Ignorância, ou desejo de sofrer ou de, com seu inexistente poder, escolher decidir enfrentar o poder Daquele que é Todo Poderoso?

Se Deus deixa que o espírito escolha seu caminho, porq é que se afirma ser transgressão à lei de Deus o fato de o espirito escolher um caminho que  Deus lhe permite escolher?

Lucazan: Existem coisas mal compreendida e por isso mal explicadas. O espírito escolhe os gêneros das provas a que quer passar e pede para encarnar. Veja bem que a escolha é dos gêneros, o espírito não escolhe mais nada, nem em que corpo encarnará. Ele pode até pedir, mais só será atendido se estiver em conformidade com suas necessidades de aprimoramento.

Não podemos esquecer que o espírito só pede para reencarnar quando readquirir o conhecimento de si mesmo, ou seja, quando já superou a pertubação que acompanha-o após a morte do corpo. Neste estagio o espírito pensa diferente e sua unica preocupação e necessidade é a de evoluir.

Ao reencarnar o espírito perde o conhecimento de si mesmo e passa a receber aos impressões que o corpo lhe transmite.

No próximo post falarei do ser humano e as dificuldade que o espírito tem de domar este ser.   




 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Setembro de 2013, 03:36

No planeta em que vivemos, Deus escolheu o corpo do ser humano para ser utilizado pelos espíritos. Este corpo, esta sujeito a lei que envolve seu orbe, age por instintos naturais (instintos de sobrevivência e procriação), é selvagem por natureza.



Longe disso, amigo Lucazan,

No Planeta em que vivemos já possuímos Livre-Arbítrio e, portanto, somos plenamente responsáveis pelo mal que criamos.

Quanto à influência do corpo:

845. Não constituem obstáculos ao exercício do livre-arbítrio as predisposições instintivas que o homem já traz consigo ao nascer?

“As predisposições instintivas são as do Espírito antes de encarnar. Conforme seja este mais ou menos adiantado, elas podem arrastá-las à prática de atos repreensíveis, no que será secundado pelos Espíritos que simpatizam com essas disposições. Não há, porém, arrastamento irresistível, uma vez que se tenha a vontade de resistir. Lembrai-vos de que querer é poder.” (361)

846. Sobre os atos da vida nenhuma influência exerce o organismo? E, se essa influência existe, não será exercida com prejuízo do livre-arbítrio?

“É inegável que sobre o Espírito exerce influência a matéria, que pode embaraçar-lhe as manifestações. Daí vem que, nos mundos onde os corpos são menos materiais do que na Terra, as faculdades se desdobram mais livremente. Porém, o instrumento não dá a faculdade. Além disso, cumpre se distingam as faculdades morais das intelectuais. Tendo um homem o instinto do assassínio, seu próprio Espírito é, indubitavelmente, quem possui esse instinto e quem lho dá; não são seus órgãos que lho dão. Semelhante ao bruto, e ainda pior do que este, se torna aquele que nulifica o seu pensamento, para só se ocupar com a matéria, pois que não cuida mais de se premunir contra o mal. Nisto é que incorre em falta, porquanto assim procede por vontade sua.”

                                                               O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Setembro de 2013, 03:38

Por que está...................
..................................entender!



É a ignorância, amigo Conforti, sempre a ignorância!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 21 de Setembro de 2013, 12:53
Olá amigo Brenno

Citar
No Planeta em que vivemos já possuímos Livre-Arbítrio e, portanto, somos plenamente responsáveis pelo mal que criamos.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/150/#ixzz2fWbgqPYo

Em primeiro lugar, o facto de dizermos que o mal que criamos tem consequências para nós, nada tem a haver com a responsabilidade. Se eu cair da cama, ainda que esteja a dormir, sem noção do que se está a passar, não deixo de me magoar, tal como se eu tivesse deliberado voluntária e conscientemente que me ía atirar para o chão.

Não existe perdão para as leis da natureza. Sejam as que regem a matéria, sejam as que regem os espiritos. A única possibilidade, para não se magoar, é agir a favor dessas leis. Se eu tentar subir um rio a nado, contra uma forte corrente, vou-me cansar, inevitavelmente. Ninguém me perdoa. E o auxilio, a caridade, é levar a pessoa a não tentar ir contra forças que são maiores do que as dela. No caso do rio, seria convencer a pessoa a nadar para a margem e subir o rio a pé, continuando na margem.

Assim, estou de acordo que as consequências do mal, ou do bem, ou mesmo de outra acção que não tenha muito a haver com as questões morais, com culpas, ou sem elas, são inevitáveis. Mas não estou de acordo que as pessoas tenham a sabedoria espiritual, para antever as consequências espirituais, com a mesma facilidade com que conseguem compreender as consequências materiais das respectivas acções.

Ter a sabedoria espiritual e agir contra ela seria masoquismo. Se eu compreendo, de uma forma que não me deixa dúvidas, que sou um espírito imortal, e que não sou um corpo de carne, que apenas estou associado a esse corpo, de uma forma que não sei explicar, mas que sei que é transitória, eu vou agir tal como a minha compreensão me permite (pensando mais como espírito do que aquele que está convencido que é apenas um corpo de carne). Agora diga-me: quantos é que têm a certeza, tal como os cristãos primitivos, ao ponto de insistir em dizer que são Cristãos e frequentar reuniões de Cristãos, perante a ameaça de morte, numa arena romana, cheia de leões? - São assim tantas as pessoas com uma fé de "mover montanhas", nas associações espíritas, seja a trabalhar seja como público?   

Há uma grande diferença entre dizer que não temos dúvidas, e conseguir manter essa certeza, se tivermos que ser submetidos a provas muito duras capazes de demonstrar essa convicção, como as provas a que os Cristãos primitivos foram submetidos... Convicções de garganta nem sempre são convicções verdadeiras, ainda que estejamos plenamente convencidos disso e que contemos essa história a nós mesmos e/ou aos outros...

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 21 de Setembro de 2013, 14:14

No planeta em que vivemos, Deus escolheu o corpo do ser humano para ser utilizado pelos espíritos. Este corpo, esta sujeito a lei que envolve seu orbe, age por instintos naturais (instintos de sobrevivência e procriação), é selvagem por natureza.


Longe disso, amigo Lucazan,

No Planeta em que vivemos já possuímos Livre-Arbítrio e, portanto, somos plenamente responsáveis pelo mal que criamos.


Quando aleguei o contrário???
Aqui comento que existe dois seres: O Espírito e o Homem!!!


Quanto à influência do corpo:

845. Não constituem obstáculos ao exercício do livre-arbítrio as predisposições instintivas que o homem já traz consigo ao nascer?

“As predisposições instintivas são as do Espírito antes de encarnar. Conforme seja este mais ou menos adiantado, elas podem arrastá-las à prática de atos repreensíveis, no que será secundado pelos Espíritos que simpatizam com essas disposições. Não há, porém, arrastamento irresistível, uma vez que se tenha a vontade de resistir. Lembrai-vos de que querer é poder.” (361)

846. Sobre os atos da vida nenhuma influência exerce o organismo? E, se essa influência existe, não será exercida com prejuízo do livre-arbítrio?

“É inegável que sobre o Espírito exerce influência a matéria, que pode embaraçar-lhe as manifestações. Daí vem que, nos mundos onde os corpos são menos materiais do que na Terra, as faculdades se desdobram mais livremente. Porém, o instrumento não dá a faculdade. Além disso, cumpre se distingam as faculdades morais das intelectuais. Tendo um homem o instinto do assassínio, seu próprio Espírito é, indubitavelmente, quem possui esse instinto e quem lho dá; não são seus órgãos que lho dão. Semelhante ao bruto, e ainda pior do que este, se torna aquele que nulifica o seu pensamento, para só se ocupar com a matéria, pois que não cuida mais de se premunir contra o mal. Nisto é que incorre em falta, porquanto assim procede por vontade sua.”


O ser pensante é o espírito, este tem o livre arbítrio e escolher o certo ou o errado. Os instintos do Homem/corpo,  transmite ao espírito o medo, a fome, a sede, ador, etc.... O Espírito assimila estas sensações e toma a decisão. A decisão e sempre dado pelo espírito.

604 a A inteligência é, assim, uma propriedade comum, um ponto de contato entre a alma dos animais e a do homem?

– Sim, mas os animais têm apenas a inteligência da vida material; para o homem, a inteligência produz a manifestação da vida moral.

605 Se considerássemos todos os pontos de contato entre o homem e os animais, não poderíamos deduzir que o homem possui duas almas: a alma animal e a alma espírita e que, se não tivesse essa última, poderia viver como o animal? De outro modo, pode-se considerar que o animal é um ser semelhante ao homem, tendo menos alma espírita? Isso não significaria que os bons e os maus instintos do homem seriam o efeito da predominância de uma dessas duas almas?

– Não. O homem não tem duas almas; mas os corpos têm instintos que são o resultado da sensação dos órgãos. Há nele apenas uma dupla natureza: a natureza animal e a natureza espiritual. Pelo seu corpo, participa da natureza dos animais e seus instintos; pela sua alma, participa da natureza dos Espíritos.

605 a Assim, além de suas próprias imperfeições, das quais o Espírito deve se despojar, o homem tem ainda que lutar contra a influência da matéria?

– Sim, quanto mais é inferior mais os laços entre o Espírito e a matéria são unidos; não o vedes? O homem não tem duas almas;a alma é sempre única em cada ser. A alma do animal e a do homem são distintas uma da outra, de modo que a alma de um não pode animar o corpo criado para a outra. Mas, ainda que o homem não tenha alma animal que, por suas paixões, o nivele aos animais, tem o corpo que muitas vezes o rebaixa a eles, porque seu corpo é um ser dotado de vitalidade, que tem instintos, porém ininteligentes e limitados ao cuidado de sua conservação.

Como você pode ver, o corpo tem vitalidade, tem instintos próprios e limitados à sua conservação.
São essas sensações que o espírito tem de aprender a dominar, elas transmitem sentimentos que ele não possui. Ao receber estes impulsos o espírito responde com ações virtuosos o não, conforme o seu estado moral.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 21 de Setembro de 2013, 15:23
     Amigos deste estudo  (ref #161, 20.09.13, do Lucazan)

      Conf (msg anterior): Se Deus deixa que escolhamos nosso caminho, qual é a causa de escolhermos o caminho mau se isso é pior para nós? Qual é a causa de se afirmar ser transgressão à lei de Deus o fato de escolhermos um caminho que  Deus deixa que escolhamos?

      Lucazan:... O espírito escolhe os gêneros das provas...

      Conf: olá, amigo Lucazan, percebo que não fui claro pois não afirmei que questionava, não as causas dos sofrimentos referentes a missões aceitas ou a provas solicitadas, mas as causas dos sofrimentos impostos pela lei de causa e efeito.

      É com relação a esses sofrimentos que pergunto qual é a causa de o espírito sofrer desse modo terrível, torturante que vemos no mundo. Qual é a causa de a lei nos aplicar penalidades a se estenderem por multiplicadas encarnações e a durarem por milhões de anos? A DE afirma que as “penalidades expiatórias” são aplicadas, não pelas exceções que a doutrina aponta, mas pelo fato de transgredirmos as leis de Deus, lembra-se? É sobre isso que questiono.

      Peço-lhe que esqueça essa questão de escolha de provas e me ajude a entender a questão de qual é a causa de transgredirmos a Lei mesmo sabendo que isso nos trará sofrimentos insuportáveis. Como diz a doutrina, “o homem sempre será punido naquilo em que pecou”.

      Lucaz:... Neste estagio sua única preocupação e necessidade é a de evoluir.

      Conf: amigo Lucazan, se nossa única preocupação é evoluir, qual é a causa de fazermos justamente as escolhas que dificultam nossa evolução? Qual é a causa de, ao contrário, estarmos sempre fazendo escolhas erradas, perversas e pervertidas, humilhantes aos irmãos, etc etc, como se nossa escolha fosse “não evoluir”?!

      Qual é a causa de estarmos hoje num mundo de expiações se podíamos, no passado, pelo livre-arbítrio, fazer as escolhas corretas? E, se porventura não pudemos no passado fazer as escolhas corretas, qual é a causa de estarmos hoje sofrendo pois que “não poder” fazer escolhas corretas não é transgressão às leis de Deus?

      Assim, limitado nosso assunto a sofrimentos vindos da terrível lei divina de causa e efeito, peço ao amigo que reveja o que expus na msg/resposta anterior. As questões que interessam a esse novo enfoque, vou repeti-las a seguir:

      “ - Os sofrimentos são impostos devido ao fato de  transgredirmos a lei de causa e efeito. Logo, só merecemos sofrer se transgredirmos essa lei, certo?  Então pergunto:

      - Se Deus deixa que escolhamos nosso caminho, qual é a causa de escolhermos o caminho mau, se “tanto pior para nós, pois mais longa será nossa peregrinação” e, conseqüentemente, mais sofreremos por isso? Ignorância, ou desejo de sofrer ou de, com nosso ínfimo poder, desejo de desafiar o poder Daquele que é Todo o Poder?

      - Se Deus deixa que escolhamos nosso caminho, qual é a causa de se afirmar ser transgressão a Sua lei o fato de escolhermos um caminho que  Deus deixa que escolhamos?

      - Quem é que, podendo escolher não sofrer, escolhe sofrer, senão aquele que não tem a consciência sã, o mentalmente desequilibrado ou ignorante das coisas de Deus? Mas esses, é evidente, não são responsáveis perante a justiça divina. E, meu amigo, aqui tenho de perguntar: quem é que é pode ser considerado responsável perante a justiça divina?

      - Qual é a causa de, mesmo podendo escolher o bom caminho e, conseqüentemente, não sofrer e até ser mais felizes, decidimos escolher o mau caminho se, com isso, conseqüentemente, estamos a escolher sofrer as terríveis e torturantes conseqüências daquela lei?

      Lucaz: “... é preciso, portanto, que o homem conheça o bem e o mal. Eis por que se une ao corpo.”

      Conf: Sinceramente, não entendo. Me parece uma colocação muito simplista, pois sem as explicações necessárias. Assim, pergunto:

      - Deus cria o mal moral para que aprendamos a nos livrar do mal moral?!!

      - Deus cria, ou constrói o mal, para que, sofrendo e chorando,  nós o "descriemos", ou o "desconstruamos"?!!

      - Deus coloca o mal em nossas vidas, criaturas que somos de uma Sua criação especial, para que aprendamos, através de dores sem conta, a colocá-lo fora de nossa vida?!!

      Seria até interessante pensar assim, que o mal foi criado para desenvolvermos nossas potencialidades, nossas faculdades intelectuais (raciocínio, inteligência, discernimento etc) mas, isso não se harmoniza com um Deus que é Perfeito, de Amor e Justiça e, é evidente, somente seria compreendido se o mal não trouxesse os terríveis sofrimentos que vemos no mundo!

      - Harmoniza-se com a concepção de um ser de Infinita Sabedoria, de Soberano Amor e Justiça, fazer que suas criaturas sofram terrivelmente para que desenvolvam tais potencialidades? Ainda mais que, se raciocinarmos, vamos compreender que, se não existisse o mal, não o cometeríamos e, conseqüentemente, não sofreríamos e não faríamos outros sofrerem, como vemos no mundo, e nenhuma necessidade haveria de aprender a como nos livrar dele! E aquilo a que a DE chama de “a maior chaga da humanidade” não existiria!

      - Qual é o benefício de o mal ser criado por Deus para que aprendamos a dele nos libertar pois, se Deus não o tivesse criado, não teríamos passar por tantas desgraças e tragédias, nem teríamos de aprender a nos libertar dele?! Vc entende? Pode me ajudar a entender?

      Lucaz: Somos espíritos criados simples e...

      Conf: até aqui ainda não encontramos uma única causa que justifique os nossos sofrimentos; o que é que fazemos de tão gigantescamente errado para que, depois, tenhamos de sofrer essas misérias que o mundo nos mostra?   

      Devemos crer que, frente a um problema para o qual temos de escolher uma solução, refletimos, raciocinamos, pesamos as terríveis conseqüências que nos virão da lei de causa e efeito se fizermos a escolha que causará danos aos semelhantes e, assim mesmo, decidimos fazer a escolha errada?! Novamente a ignorância? Sempre a ignorância, como disse o Brenno?

      Lucaz: A lei da Evolução permite a eles (espíritos) adquirirem conhecimento através dos seus trabalhos nos fenômenos da natureza, com isso adquirem também o conhecimento de si mesmos e o livre arbítrio.

      Conf: aí está outro ponto a raciocinar: a lei da Evolução, criada pelo Infinito Amor, exige que soframos para evoluir? O processo evolutivo criado pela Infinita Sabedoria tem como método mais eficaz o fazer sofrer?! Se não há sofrimento, não há evolução?!

      - Se, como vc diz, é pela evolução que adquirimos o conhecimento de nós mesmos e de como usar o livre-arbítrio, qual é a causa de ainda não sabermos usá-lo pois ainda praticamos as atrocidades e os absurdos que vemos no mundo? Qual é a causa de escolhermos sofrer as conseqüências da lei, e qual é a causa de, ainda não conhecermos a nós mesmos?
   
      Lucaz: A única necessidade do espírito é a de evoluir...

      Conf: se nossa única necessidade é evoluir, qual é a causa de escolhermos fazer exatamente aquilo que dificulta nossa evolução?   

      - se viemos para um mundo de expiações para resgatar erros do passado, qual é a causa de os termos praticado, se teríamos de sofrer terrivelmente pelo fato de os termos praticado?  Ignorância ou imbecilidade? Ignorávamos essa realidade de que seremos punidos naquilo em que pecamos, seja nesta ou em outras existências? Se não conhecíamos, qual é a causa de a lei nos fazer sofrer se ser ignorante não é transgredir a Lei?

      Lucaz:... a missão é a de dominar este ser e torná-lo melhor, de desenvolver e colocar em pratica o conhecimento adquirido, mas ao se ligar ao corpo, o espírito perde o conhecimento de si mesmo e começa a receber todas as impressões limitadas e cheias de necessidade do corpo.
      Devido a isso, o espírito acredita que toda a impressão recebida pertence ao seu ser e começa a conhecer o instintos naturais de um ser selvagem.

      Conf: amigo, se, como vc diz, o ser perde o conhecimento de si mesmo e, devido a isso, se enche de instintos naturais próprios de um ser selvagem, se enche de paixões etc, porq terá de sofrer por isso, se nada disso é transgressão às leis de Deus? Se tudo isso lhe vem, naturalmente, de sua condição de espírito ainda imperfeito?

      Lucaz: O espírito precisa ganhar experiência (conhecimento) para evoluir e neste estagio em que nos encontramos, é resistindo às vicissitudes, pois ela nos leva a praticar ações erradas, o que nos leva a praticar o mal. Devemos nos tornar virtuosos, praticando ações correta, é isso nos leva a pratica bem.       

      Conf: depende de nós a aquisição de experiências, ou depende do tipo de lições que a escola de espíritos, essa escola do bem e do mal, incessantemente nos proporciona?

      - Se devemos nos tornar virtuosos, e se para nós é melhor que pratiquemos ações corretas, qual é a causa de praticamos tantas ações incorretas? Qual é a causa de escolhermos agir de modo oposto ao em que devemos agir? E isso, certamente, é escolher sofrer, qdo podemos escolher não sofrer!

      Lucaz: Heis porque o espírito se liga a um corpo. Sem isso o espírito jamais conheceria o mal.

      Conf: acima já falamos sobre isso, mas o amigo consegue explicar porq é que o mal tem de existir para que o espirito tenha de conhecê-lo? Ainda não consigo entender!
....................


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Conforti em 21 de Setembro de 2013, 15:34
      Amigos do tópico   (ref #163, de 21.09.13, do Brenno)

      O amigo Brenno respondeu: É a ignorância, amigo Conforti, sempre a ignorância!

      Conf: pois é meu amigo, e vc já deu essa mesma resposta várias vezes; e também já lhe disse várias vezes que, nisso, concordo 100% com vc.

      No entanto, essa resposta não é a da doutrina pois, para a DE, só sofre quem merece sofrer, quem transgride a leis divinas (exceção daqueles que pedem provas ou em missão que envolvem sofrimentos) e o fato de ser ignorante não é transgressão à Lei.

      Então, meu jovem, me perdoe tentar novamente: se todo efeito tem sua causa, qual é a causa de nossos sofrimentos?
................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 21 de Setembro de 2013, 19:57
Caro Conforti,

Quem faz e quando se faz as escolhas?

É o espírito quem faz suas escolhas das coisas que quer vivenciar durante a encarnação. Esta escolha acontece quando o espírito recobrou o conhecimento de si mesmo. Neste estagio, o espírito pensa de forma diferente, sua percepção e faculdades lhe permite ver e interpretar melhor tudo ao seu redor. Ele compreende os seus erros e ver oque é necessário para sua evolução. 

Mas em um mundo de provas e expiações, o espírito encontra-se muito próximo da sua criação e seu conhecimento é pouco. Sabendo oque precisa para poder melhorar ele pede nova oportunidade para enfrentar as mesmas dificuldades.

Nenhum espírito pede pra ter uma viva de sofrimento. Ele pede para enfrentar as suas fraquezas.

Quando o espírito reencarna perde a consciência de si mesmo. Ele age sobre o corpo e o corpo sobre ele. Como não lembra de seu passado vive como se fosse sua unica vida e suas escolhas surgem, independente das escolhas, seu corpo reagem a elas.

Não podemos esquecer que o corpo tem instintos próprio. Instintos ininteligentes e limitados a sua conservação, que são passados ao espírito. O espírito ainda longe da perfeição como nós, assimila esses instintos e dependendo de sua evolução moral, mata, odeia, rouba, estrupa, agride, vinga-se, ofende, etc... Se ele for um por evoluído ele perdoa, ama, ajuda, dá, etc...

parece que o sofrimento mexe muito contigo, mas entenda, se uma pessoa sofre muito, não é uma punição ou castigo. Ela sofre porque ainda não aprendeu a lidar com os sentimentos ligados ao seu sofrimento.

A lei de causa e efeito irá nos cobra as nossas ações, isso é inevitável. Mas, apesar do que ouvimos por aí, quando iremos ser cobrado por nossas ações.

Digo que após muito estudar (livros e reuniões mediúnicas) a cobrança acontece após o desencarne e é por isso que passamos pelo período chamado de pertubação.     

Se sofremos hoje é porque cometemos novos erros. 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 21 de Setembro de 2013, 21:21
ai esta o sofrimento! quando nao resiste a tentacoes as sua fraquezas. paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 21 de Setembro de 2013, 22:29
     Amigos deste estudo  (ref #161, 20.09.13, do Lucazan)

      Lucaz: Heis porque o espírito se liga a um corpo. Sem isso o espírito jamais conheceria o mal.

      Conf: acima já falamos sobre isso, mas o amigo consegue explicar porq é que o mal tem de existir para que o espirito tenha de conhecê-lo? Ainda não consigo entender!


Caro Amigo,

Troque o Bem e o Mal por certo e errado.

O espírito sendo criado simples e ignorante, não tem noção do certo ou errado, é preciso vivenciar todas as possibilidade. Tudo é instrumento de aprendizado, nada se perde.

 

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 22 de Setembro de 2013, 03:37
      Amigos do tópico   (ref #163, de 21.09.13, do Brenno)

      O amigo Brenno respondeu: É a ignorância, amigo Conforti, sempre a ignorância!

      Conf: pois é meu amigo, e vc já deu essa mesma resposta várias vezes; e também já lhe disse várias vezes que, nisso, concordo 100% com vc.

      No entanto, essa resposta não é a da doutrina pois, para a DE, só sofre quem merece sofrer, quem transgride a leis divinas (exceção daqueles que pedem provas ou em missão que envolvem sofrimentos) e o fato de ser ignorante não é transgressão à Lei.

      Então, meu jovem, me perdoe tentar novamente: se todo efeito tem sua causa, qual é a causa de nossos sofrimentos?
................


É pela ignorância das consequências que transgredimos as Leis Divinas.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 22 de Setembro de 2013, 03:53

Quem faz e quando se faz as escolhas?



O Espírito goza sempre do livre-arbítrio. Em virtude dessa liberdade é que escolhe, quando desencarnado, as provas da vida corporal e que, quando encarnado, decide fazer ou não uma coisa procede à escolha entre o bem e o mal. Negar ao homem o livre-arbítrio fora reduzi-lo à condição de máquina.

                                                                Livro dos Espíritos



Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 22 de Setembro de 2013, 03:55


Troque o Bem e o Mal por certo e errado.



Certo é o cumprimento das Leis Divinas, logo, é o Bem.

Errado é o transgredi-las, logo, é o Mal.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 22 de Setembro de 2013, 11:57
Olá amigo Brenno

Citar
Certo é o cumprimento das Leis Divinas, logo, é o Bem.

Errado é o transgredi-las, logo, é o Mal.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/165/#ixzz2fcG8ccK1

Só que "bem" e "mal" têm uma componente emocional. As pessoas estão contra quem faz o mal e a favor de quem faz o bem (mal e bem julgados segundo a opinião pessoal delas). Mas a mensagem de Jesus de Nazaré é "amai os inimigos", ou seja, libertem-se da componente emocional, da raiva, do ressentimento, da vingança ou do desejo de vingança.

No sentido espiritual, quem faz o mal, nunca o faz só aos outros. Se faz o mal aos outros está a fazer mal a si mesmo. No sentido mundano, quem faz o mal, apenas faz mal aos outros. E por isso é que na "gíria espirita" se diz: o mal que verdadeiramente me faz mal é o que eu faço e não o que me fazem.

mal e bem, sem mais, podem ser interpretados no sentido espiritual ou no sentido mundano.

No sentido mundano, o suicídio de uma pessoa sem família e sem amigos,  que não prejudique ninguém com o acto, a não ser a si mesmo, não é mal, do ponto de vista ético, embora a lei possa condená-lo, conforme os países. Mas esse mesmo suicídio, no sentido espiritual, é um mal, pois que vai prejudicar a própria pessoa, na medida em que o espírito não morre com o corpo.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 22 de Setembro de 2013, 20:52
Olá amigo Brenno

Citar
Certo é o cumprimento das Leis Divinas, logo, é o Bem.

Errado é o transgredi-las, logo, é o Mal.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/165/#ixzz2fcG8ccK1

Só que "bem" e "mal" têm uma componente emocional. As pessoas estão contra quem faz o mal e a favor de quem faz o bem (mal e bem julgados segundo a opinião pessoal delas). Mas a mensagem de Jesus de Nazaré é "amai os inimigos", ou seja, libertem-se da componente emocional, da raiva, do ressentimento, da vingança ou do desejo de vingança.

No sentido espiritual, quem faz o mal, nunca o faz só aos outros. Se faz o mal aos outros está a fazer mal a si mesmo. No sentido mundano, quem faz o mal, apenas faz mal aos outros. E por isso é que na "gíria espirita" se diz: o mal que verdadeiramente me faz mal é o que eu faço e não o que me fazem.

mal e bem, sem mais, podem ser interpretados no sentido espiritual ou no sentido mundano.

No sentido mundano, o suicídio de uma pessoa sem família e sem amigos,  que não prejudique ninguém com o acto, a não ser a si mesmo, não é mal, do ponto de vista ético, embora a lei possa condená-lo, conforme os países. Mas esse mesmo suicídio, no sentido espiritual, é um mal, pois que vai prejudicar a própria pessoa, na medida em que o espírito não morre com o corpo.

bem haja


Exato, amigo Vitor,

E é por isso que a DE afirma:

"O mal existe e tem uma causa"

O mal existe porque o criamo e sua causa está no exercício do nosso Livre-Arbítrio.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Viana em 24 de Setembro de 2013, 15:58
 :)
Olá colegas... Que a paz seja convosco!
Primeiramente eu peço desculpas por me intrometer nos vossos debates, sobre se existe o mal, ou se não existe o mal.
Mas como não poderia deixar de ser; certas coisas são por demais importantes para se perder uma bela oportunidade de serem esclarecidas em tempo oportuno...
Eu estendo aos colegas uma importante pergunta:
Não seria muito mais interessante e propicio, nos desgastarmos em tentar descobrir quem é esse "deus", que tanto se discute daqui, se discute dali? - e porque ele nos criou (se é que nos criou), e afinal, o que ele pretende fazer com a gente?... E quem sabe tentar fazer com ele mesmo se manifeste de uma forma clara, de modo a acabar com com essa histeria religiosa em "nome dele"?

Deixo-vos essas perguntas:
Quem sou eu, de onde vim, porque vim, o que faço eu aqui...E para onde eu vou?  ???

Do Viana, a quem interessar possa...
;D
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 24 de Setembro de 2013, 17:20
Olá

Citar
O mal existe porque o criamo e sua causa está no exercício do nosso Livre-Arbítrio.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/165/#ixzz2fpHUXH2Q

Não concordo amigo, pois os Espíritos puros, segundo a DE, não fazem o mal, mas, contudo, têm livre-arbítrio. Se o livre-arbítrio fosse a causa, então eles também faziam o mal.

O mal tem causa na ignorância espiritual. Ignorância os Espíritos puros não têm, pois, segundo a DE, são espiritualmente sábios.

Se o homem não tivesse nenhuma capacidade de decisão, poderia fazer o mal, da mesma forma, mas não teria culpa, como um máquina não pode ter culpa. Mas uma máquina pode servir de instrumento para fazer o mal... Todavia, mesmo sem culpa, sofre as consequências, isto é a acção das leis da natureza que regem a matéria e/ou que regem os espiritos. Se uma pessoa não perceber nada de alimentação sofre na mesmas as consequências de comer mal. Pode é não ter culpa disso.

E mesmo com capacidade de decisão, o homem pode ter consciência das consequências materiais, para ele e para os outros homens, mas não ter consciência das consequências espirituais (se é genuinamente ateu materialista, por exemplo). Mas, mesmo sem culpa, sofrerá as consequências.

Um bom exemplo é  S.Paulo (Saulo). Antes de se ter convertido perseguia Cristãos. Depois de se ter convertido, fazia parte dos Cristãos. O mesmo homem tinha o mesmo livre-arbítrio antes e depois. Mas ganhou o conhecimento espiritual que lhe faltava, e depois fazia o bem, quando antes fazia o mal.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Setembro de 2013, 04:41


Não concordo .............................
............................................fazia o mal.

bem haja


O Livre-Arbítrio é a liberdade que se tem para pensar e agir.

Independe da consciência que se tenha de estar praticando o bem ou o mal, seja no Plano material ou Espiritual.

Se não tivéssemos Livre-Arbítrio não teríamos nenhuma responsabilidade sobre nossos atos e não lhes sofreríamos as consequências, pois isso seria contrário à Justiça Divina.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 25 de Setembro de 2013, 12:12
O conhecimento de si mesmo e o livre arbítrio, nos permite pensar e agir de acordo com a nossa vontade. De toda a criação só os espíritos possuem esta faculdade.

A liberdade de pensar e agir nos permite decidir, escolhe, optar e a fazer coisas que podem ser consideração boas ou más.



 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Setembro de 2013, 07:38
O conhecimento de si mesmo e o livre arbítrio, nos permite pensar e agir de acordo com a nossa vontade. De toda a criação só os espíritos possuem esta faculdade.

A liberdade de pensar e agir nos permite decidir, escolhe, optar e a fazer coisas que podem ser consideração boas ou más.


É exatamente o que eu disse.

As coisas que podem ser consideradas boas são um bem.

As coisas que podem ser consideradas más são um mal.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 26 de Setembro de 2013, 11:21
O conhecimento de si mesmo e o livre arbítrio, nos permite pensar e agir de acordo com a nossa vontade. De toda a criação só os espíritos possuem esta faculdade.

A liberdade de pensar e agir nos permite decidir, escolhe, optar e a fazer coisas que podem ser consideração boas ou más.


É exatamente o que eu disse.

As coisas que podem ser consideradas boas são um bem.

As coisas que podem ser consideradas más são um mal.



Sim, acredito que concordamos plenamente neste ponto. O grande problema é o que realmente é bom ou mal? Será que temos condições de avaliar o que é bom  ou mal? Ou avaliamos apenas por influência de crença, cultura, leis/regras, convenções, etc....

Acredito que não. A nossa evolução encontra-se muito perto da selvageria. As paixões falam muito alto em nossa consciência e a nossa avaliação é limitar aos nossos querer e ao que achamos.

Todas as nossas ações possuem os dois lados. Ao ajudar (financeiramente ou com cesta básica) alguém podemos estar condicionando uma pessoa a não procurar melhorar-se por si mesma. Portanto, erramos em ajuda-lá, pois, se esta pessoa recebe a ajuda e luta no seu dia a dia em busca de progresso, estaremos fazer o bem. Mas se esta pessoa ao receber a ajuda, continua acomodada em seu problemas sem o menor interesse, pois sempre tem a ajuda de alguém, estaremos fazendo o mal.

Somos responsáveis até pela caridade que fazemos.









 

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 26 de Setembro de 2013, 16:02
Olá amigo Brenno

Citar
O Livre-Arbítrio é a liberdade que se tem para pensar e agir.

Independe da consciência que se tenha de estar praticando o bem ou o mal, seja no Plano material ou Espiritual.

Se não tivéssemos Livre-Arbítrio não teríamos nenhuma responsabilidade sobre nossos atos e não lhes sofreríamos as consequências, pois isso seria contrário à Justiça Divina.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/165/#ixzz2g0j4GRHx

Então se a pessoa não tem consciência de estar a fazer o mal, ou a fazer o bem, como é que tem livre-arbítrio, de um ponto de vista moral? - não entendo amigo. Eu pensava que livre-arbítrio, no sentido moral, implicava ter a vontade deliberada de fazer o bem ou de fazer o mal. tenho de rever esse conceito.

Os cães, no sentido que o amigo dá ao termos "livre-arbítrio", também têm livre arbítrio. Quando chegam a um cruzamento, eles escolhem livremente a rua para querem ir, pelo menos se não estiverem a ser perseguidos e ninguém os estiver a condicionar.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Setembro de 2013, 04:51
      Amigos Brenno, Lucazan, Vitor... e quem mais for.

      Me desculpem; por falta de tempo, tento responder as últimas msg/respostas dos amigos, pinçando apenas algumas questões provocadas por elas. Após a palavra “Texto” ou “T”, coloco as questões; em seguida, a resposta e/ou trago comentários ou novas questões acerca da que já respondi.

      Também, e novamente (pois sempre repito este pedido) peço me desculpem se minhas colocações parecerem infantis, ou óbvias ou próprias de ignorantes da doutrina. Digo-lhes que só parecerão tolas se permanecermos na superfície das questões, se nelas não nos aprofundarmos (esta é a tendência de muitos, e vem dos condicionamentos que herdamos dos costumes e ensinamentos da vida), se sobre elas não raciocinarmos, como manda a doutrina.
.................
      Texto: O Bem é o cumprimento das Leis Divinas; o Mal é o transgredi-las. A DE afirma: "O mal existe e tem uma causa". O mal existe porque o criamos e sua causa está no exercício indevido do nosso Livre-Arbítrio.

      Conf: aqui, para raciocinarmos, trago uma pergunta cuja resposta pode, como disse acima, parecer óbvia, mas que, na verdade, não é: se o mal é a causa de todos os problemas e sofrimentos do mundo (exceções apontadas pela doutrina) e se todo efeito tem sua causa, qual é a causa de criarmos o mal?

      Se pelo livre-arbítrio temos a liberdade de criar o bem e, conseqüentemente, ser mais felizes e fazermos mais felizes os semelhantes, porq é que criamos o mal? Desejamos ser mais infelizes do que somos?

      Se podemos escolher o bem e a felicidade, qual é a causa de, de livre vontade, escolhermos o mal e a infelicidade?!

      Texto: Brenno: Esse erro é causado por nossa ignorância (espiritual, como diz o Vitor). Por nossa ignorância transgredimos as leis divinas.

      Conf: raciocinando: se o erro é causado por nossa ignorância, e se, pela doutrina, em face da Justiça divina, só sofre quem “merece” sofrer, qual é a causa dos sofrimentos? A ignorância é transgressão à Lei?

      Texto: Se o homem não tivesse nenhuma capacidade de decisão, poderia fazer o mal, da mesma forma, mas não teria culpa, como uma máquina não pode ter culpa.

      Conf: raciocinando: então, qual é a causa de, mesmo tendo “capacidade de decisão” (livre-arbítrio), “nossas” decisões serem tantas vezes erradas, danosas, lesivas ao próximo e, muitas vezes, a nós mesmos e a nossos queridos?

      T: Sem Livre-Arbítrio o Ser humano é inútil!

      Conf: aí vai outra pergunta que parece boba: o que significa "livre-arbítrio"? No índice de o OLE está: “conceito de livre-arbítrio: ver LE/804: “... vontade com que obram os espíritos, vontade que é o livre-arbítrio”. Como todos sempre o conceituam, livre-arbítrio é a liberdade de escolher entre várias ações a realizar, sejam boas ou más.

      Mas, temos, realmente essa liberdade? Se temos, qual é a causa de muitas vezes escolhermos realizar a ação má, aquela que vai também a nós prejudicar?   

      Como diz o Brenno, e com razão, é a ignorância. Mas, se é a ignorância a causadora de todos os erros, porq é que sofremos se a doutrina afirma que só sofre aquele merece sofrer?!...

      Texto: todavia, o homem, mesmo sem culpa, sofre as conseqüências, isto é a acção das leis da natureza que regem a matéria e/ou que regem os espíritos.

      Conf: esse é apenas o entendimento de muitos, mas não é o q a DE ensina; aliás nenhuma doutrina ensina; para a DE, todos os sofrimentos e males a que estão sujeitos os homens (exceções apontadas), vêm do fato de os merecerem, de haverem transgredido as leis de Deus conscientemente; logo de serem culpados ou responsáveis por ações danosas a terceiros (O OLE é bem claro a respeito disso (ver OLE/933 e outros esclarecimentos, no seu índice) e só os merecem aqueles que transgridem as leis divinas. Se não há culpa, não há transgressão às leis.

      Há, também aqui algo a raciocinar: o Deus de Amor ensina os transgressores de Suas leis por meio desses sofrimentos torturantes e desesperadores que vemos no mundo?!

     O processo evolutivo, criado pela Infinita Sabedoria e Infinito Amor, tem como método mais eficiente o fazer que suas criaturas sofram cruelmente? Onde estará aí o Amor, a Misericórdia? Onde estará a Infinita Sabedoria que cria um plano de ensinar a amar, baseado no fazer sofrer e se desesperar? 

      E o que é que Deus ensina? A não mais errarem no uso do livre-arbítrio? E ensina isso fazendo que os espíritos se emendem através de sofrimento e lágrimas? Ou Deus e seus emissários o que querem é ensinar a amar, a que busquemos ter a virtude do amor, tão enaltecida por todos como a mais excelsa das virtudes?

      O fazer sofrer de modo terrível ensina o transgressor a amar alguém, a amar seu algoz? Se uma criatura é submetida a sofrimentos torturantes, essa criatura aprende a amar?

      Ou aprende a, por medo de que lhe venham novos sofrimentos, a não mais errar, a não mais repetir os erros, para que não se repitam seus sofrimentos?

      O amor pode nascer do medo de tornar a sofrer? Isso não é amor; é medo!

      Alguém acredita, ou já teve conhecimento de alguém que aprendeu a amar os semelhantes porq sobre ele a lei de causa e efeito fez caírem cânceres, deformações mentais ou físicas, aleijões, falta de membros, dores sem fim, essas misérias que vemos no mundo?!

      A doutrina ou alguém, um ser elevado, sábio, já afirmou que fazer alguém sofrer, ensina esse alguém a amar?!!!....

      Ou ensina a odiar, a descrer, ou mesmo a odiar e a vituperar, blasfemar, praguejar conta o próprio Criador? Pois é isto o que vemos no mundo; nunca o contrário disso.

      Texto: Uma pessoa pode sofrer mesmo sem culpa.

      Conf: essa é a concepção de certas doutrinas; não é a concepção das doutrinas deístas, teístas e reencarnacionistas.

      T: Mesmo com capacidade de decisão............,
..................................... continua mais um pouco........
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 27 de Setembro de 2013, 05:02

O grande problema é o que realmente é bom ou mal? Será que temos condições de avaliar o que é bom  ou mal? Ou avaliamos apenas por influência de crença, cultura, leis/regras, convenções, etc....

Acredito que não. A nossa evolução encontra-se muito perto da selvageria. As paixões falam muito alto em nossa consciência e a nossa avaliação é limitar aos nossos querer e ao que achamos.

Todas as nossas ações possuem os dois lados. Ao ajudar (financeiramente ou com cesta básica) alguém podemos estar condicionando uma pessoa a não procurar melhorar-se por si mesma. Portanto, erramos em ajuda-lá, pois, se esta pessoa recebe a ajuda e luta no seu dia a dia em busca de progresso, estaremos fazer o bem. Mas se esta pessoa ao receber a ajuda, continua acomodada em seu problemas sem o menor interesse, pois sempre tem a ajuda de alguém, estaremos fazendo o mal.

Somos responsáveis até pela caridade que fazemos.



O parâmetro para se julgar são as Leis Divinas.

Se damos uma cesta básica, praticamos um bem.

Se quem recebe se acomoda, isso é um mal que o recebedor pratica contra si mesmo e  sobre o qual não nos cabe nenhuma responsabilidade.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 27 de Setembro de 2013, 05:16

Então se ...................
..............................condicionar.

bem haja


Então se a pessoa não tem consciência de estar a fazer o mal, ou a fazer o bem, como é que tem livre-arbítrio, de um ponto de vista moral? - não entendo amigo. Eu pensava que livre-arbítrio, no sentido moral, implicava ter a vontade deliberada de fazer o bem ou de fazer o mal. tenho de rever esse conceito.

Livre-Arbítrio é a liberdade que se tem para pensar e obrar.

Podemos praticar o bem ou o mal tendo, ou não, consciência disso. (de que sejam um bem ou um mal).


Os cães, no sentido que o amigo dá ao termos "livre-arbítrio", também têm livre arbítrio. Quando chegam a um cruzamento, eles escolhem livremente a rua para querem ir, pelo menos se não estiverem a ser perseguidos e ninguém os estiver a condicionar.

Os cães, ou outros animais quaisquer, são sempre condicionados pelos instintos.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Setembro de 2013, 05:22
      Amigos Brenno, Lucazan, Vitor... (continuação e fim)

... mesmo com capacidade de decisão, o homem pode ter consciência das conseqüências materiais, para ele e para os outros, mas não ter consciência das consequências espirituais (se é genuinamente ateu materialista, por exemplo). Mas, mesmo sem culpa, sofrerá as consequências.

      Conf: aí está outro ponto discordante do q a doutrina ensina; pela DE, todo e qualquer sofrimento, de q natureza for, é justo e merecido, pois estamos numa escola à qual fomos forçosamente mandados para aprendermos, e as alegrias ou tristezas que aqui passarmos certamente estão, não ao sabor da sorte, mas dentro dos desígnios do Criador.

      Assim, seja o sofrer uma simples dor de dente, ou a preocupação com a saúde dos filhos, ou o sofrer a perda de entes queridos, ou ver sua filhinha, a razão de sua vida, se estuprada e cruelmente morta na sua frente, sofrer os esmigalhamentos de ossos e órgãos etc etc, constituem, conforme a doutrina, sofrimentos sempre merecidos por quem os sofre.

      T: a mensagem de Jesus é "amai os inimigos", ou seja, libertem-se da componente emocional, da raiva, do ressentimento, da vingança ou do desejo de vingança.

      Conf: aí estão lindas e sugestivas palavras, tantas vezes repetidas, mas, como sempre, lhes falta o mais importante; dizem “o que fazer”; nunca “o como fazer!

      Amor não é algo que brota do desejo de possuí-lo. Mais ainda, a amar, ou a ter amor, ninguém ensina e ninguém aprende nem com conselhos, ensinamentos, nem com exemplos de quem forem, mesmo que sejam de Jesus.

      T: O Espírito goza sempre do livre-arbítrio. Em virtude dessa liberdade é que escolhe, quando desencarnado, as provas da vida corporal e que, quando encarnado, decide fazer ou não uma coisa procede à escolha entre o bem e o mal. Negar ao homem o livre-arbítrio fora reduzi-lo à condição de máquina.

      Conf: volto a raciocinar: existe mesmo um arbítrio livre? Ou todas as nossas escolhas estão totalmente presas ao passado, ao que já aprendemos, seja no sentido do bem ou no sentido do mal, nesta escola de espíritos?

      Serão as escolhas livres? Ou são livre apensas na aparência? Não estão todas elas, das mais simples e sem conseqüências a temer, às mais complexas e de conseqüências imprevisíveis e, possivelmente, perigosas, presas a algo mais, ao que já aprendemos na escola da vida?

      Porq é que se dá o nome de “livre” àquilo que está totalmente “preso”?

      T: todo o mal é causado pela ignorância dos homens.

      Conf: essa é, sempre, a resposta do Brenno, mas não é a da doutrina pois, para a DE, só sofre quem merece sofrer, quem transgride a leis divinas (exceção daqueles que não merecem mas sofrem porq pedem provas ou em missão que envolvem sofrimentos, ou sofrem as provas justificadas pela necessidade de se adaptar ao mundo em que reencarnam.), e o fato de ser ignorante não é transgressão à Lei.

      T: se todo efeito tem sua causa, qual é a causa de nossos sofrimentos? É o fato de transgredirmos as leis de Deus por sermos ignorantes. É pela ignorância das consequências que transgredimos as Leis Divinas.

      Conf: como já disse antes, concordo com essas afirmações mas, a respeito da última, temos de entender que nenhum mérito temos se cumprimos as leis de Deus por conhecermos suas conseqüências. Isso é apenas obediência e obediência por medo das conseqüências.

      T: se as causas do mal estão no mau uso do livre-arbítrio... Quem faz e quando se faz as escolhas?

      Conf: aí está uma questão a exigir muito estudo e raciocínio.

      Quem faz as escolhas? Qual é a causa de escolhermos isto e não aquilo? A causa está em nós, ou fora de nós e independente de nós?

      Afinal, qualquer escolha vem da vontade que, por sua vez vem do desejo, que vem do pensamento, que vem de reações interiores, íntimas, provocadas por ações exteriores a nós e que, portanto, independem de nossa vontade.

      Assim, como dizer que a escolha é nossa se sua causa não depende de nossa vontade?   

      Afinal, quem é realmente o “dono”, o controlador de sua vontade e de seus pensamentos? Quem é que comanda sua mente, senão os pensamentos? E de onde vêm estes? De nossa vontade? De nossa escolha de tê-los bons ou maus, elevados ou baixos, edificantes ou degradantes?

      T: Negar ao homem o livre-arbítrio fora reduzi-lo à condição de máquina.

      Conf: amigos, primeiramente temos de saber o que é o livre-arbítrio, como coloquei acima, e se existe, verdadeiramente, uma vontade ou faculdade livre de escolher.

      Segundo, porq dizer q sem livre-arbítrio seremos reduzidos à condição de máquinas? Outros dizem, à condição de marionetes? Conforme a própria doutrina, não somos ferramentas de Deus, ferramentas das quais aquele que é Todo Poderoso “necessita” (Deus necessita de nós!). 

      (Deus, conforme a doutrina, necessita de nós para a boa marcha da criação e do universo e somos, exatamente nós, criados por Ele para a boa marcha da criação, do universo, que desarmonizamos a boa marcha de Seu universo e destruímos seu universo e sua criação!!!). 

      T: O Livre-Arbítrio é a liberdade que se tem para pensar e agir.

      Conf: bem, aqui entendo, como já coloquei acima, que não temos liberdade de pensar, pois nem mesmo temos controle sobre os pensamentos e, também, e muito menos, a liberdade de agir.

      Como podemos dizer que temos liberdade de pensar se nem mesmo temos a liberdade de comandar ou controlar os pensamentos? São eles e, em conseqüência, a mente, que nos comandam e, por isso frequentemente fazemos tantas coisas (escolhas) erradas e das quais, depois, nos arrependemos, e muitas vezes, amargamente.

      T: Se não tivéssemos Livre-Arbítrio não teríamos nenhuma responsabilidade sobre nossos atos e não lhes sofreríamos as conseqüências, pois isso seria contrário à Justiça Divina.

      Conf: acerca dessa afirmação, além das questões sobre o livre-arbítrio constantes desta resposta, há, ainda, muitas dúvidas entre os companheiros do Fórum. Para certas doutrinas não temos livre-arbítrio pois, como colocamos acima, nem temos a liberdade de pensar.

      T: O conhecimento de si mesmo e o livre arbítrio, nos permite pensar e agir de acordo com a nossa vontade. A liberdade de pensar e agir nos permite decidir, escolhe, optar e a fazer coisas que podem ser consideração boas ou más.

      Conf: como coloquei mais acima, como explicar ou entender que temos liberdade de escolher, de decidir, que existe livre-arbítrio, que nossas escolhas sãos livres, se todas elas estão totalmente presas ao passado?

      No entanto, mesmo que tenhamos a liberdade de pensar e daí a de decidir (escolher) fazer algo de bom ou de mau que seja, a liberdade de agir nunca nos pertence; ninguém é livre para agir do modo como escolheu agir, pois o agir não depende só de nós mas, também, das circunstâncias da vida.
..................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 27 de Setembro de 2013, 05:24
     
Me desculpem.........................
.................................. reencarnacionistas.




O amigo poderia, para variar, responder?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 27 de Setembro de 2013, 12:57
      Amigos Brenno, Lucazan, Vitor... (continuação e fim)

      T: O Livre-Arbítrio é a liberdade que se tem para pensar e agir.

      Conf: bem, aqui entendo, como já coloquei acima, que não temos liberdade de pensar, pois nem mesmo temos controle sobre os pensamentos e, também, e muito menos, a liberdade de agir.

      Como podemos dizer que temos liberdade de pensar se nem mesmo temos a liberdade de comandar ou controlar os pensamentos? São eles e, em conseqüência, a mente, que nos comandam e, por isso frequentemente fazemos tantas coisas (escolhas) erradas e das quais, depois, nos arrependemos, e muitas vezes, amargamente.

      T: O conhecimento de si mesmo e o livre arbítrio, nos permite pensar e agir de acordo com a nossa vontade. A liberdade de pensar e agir nos permite decidir, escolhe, optar e a fazer coisas que podem ser consideração boas ou más.

      Conf: como coloquei mais acima, como explicar ou entender que temos liberdade de escolher, de decidir, que existe livre-arbítrio, que nossas escolhas sãos livres, se todas elas estão totalmente presas ao passado?

      No entanto, mesmo que tenhamos a liberdade de pensar e daí a de decidir (escolher) fazer algo de bom ou de mau que seja, a liberdade de agir nunca nos pertence; ninguém é livre para agir do modo como escolheu agir, pois o agir não depende só de nós mas, também, das circunstâncias da vida.
..................

Caro Iconfortjr,

Quem tem a liberdade de pensar e agir é o espírito, que quando encarnado encontra-se liga ao corpo através do perispírito. O espírito, que é o ser pensante, age e comanda o corpo por um laço fluídico, mas em contrapartida o corpo que é um ser vivo que tem instintos e possui necessidades de sobrevivência que estão sujeito as leis naturais que contempla a matéria, reage e transmite suas impressões ao espírito.

Não se esqueça caro amigo, que ainda estão muito perto da ignorância total (sem conhecimento de si mesmo), do esquecimento do passado que o espírito está sujeito ao encarnar e de todas as impressões que o corpo transmite, pois apenas da matéria ser ininteligente, de não pensar elas reagem por instintos a todas ações a que se submete.

Uma parte dos neurocientista negam o livre arbítrio por não encontrar no parte consciente do cérebro humano as ordens ou desejos que comandam as nossas ações. Afirmam que é automático pois é muito rápido a reação aos estímulos ou acontecimentos. Que oque achamos ser pensamentos não passa de uma fantasia para justificar nossas ações.

Como podem estudar no corpo Humano algo que é transmito por um outro ser que nem sequer encontra-se no corpo estudado.   
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 27 de Setembro de 2013, 15:41
Olá amigo IconforJr

Citar
Assim, seja o sofrer uma simples dor de dente, ou a preocupação com a saúde dos filhos, ou o sofrer a perda de entes queridos, ou ver sua filhinha, a razão de sua vida, se estuprada e cruelmente morta na sua frente, sofrer os esmigalhamentos de ossos e órgãos etc etc, constituem, conforme a doutrina, sofrimentos sempre merecidos por quem os sofre.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/180/#ixzz2g6IjcQBP

Se são "merecidos", ou não, não sei, mas que são eventos que sucedem, a muitas pessoas, neste mundo, parece-me um facto inegável. Basta ler as noticias e a ver as desgraças que sucedem, por vezes, no seio das nossas famílias e/ou de famílias que conhecemos. Excluo, contudo, a morte, de entre essas desgraças. A morte é um acontecimento natural e positivo, na medida é em que é a nossa esperança de abandonar, nem que seja provisoriamente, este mundo hostil e cruel. É, no mínimo, um período de férias. 

Acreditando que Deus existe e é Bom, não acredito que seja merecido, porque nem imaginando uma pessoa que me tivesse feito tanto mal, que eu considerasse o meu pior inimigo, eu lhe desejaria a sorte que vejo algumas pessoas ter. E entre essas estão pessoas que conheço intimamente e tiveram sempre um comportamento exemplar, do ponto de vista moral. Deus não iria ser mais cruel do que os seres humanos são. Por isso só me resta uma explicação: estamos num "purgatório", um "hospital psiquiátrico espiritual", que é o tipo de remédio que nos pode tirar da obsessão terrível a que estamos sujeitos, e que, a não ser tratada, nos impediria de prosseguir no caminho do progresso espiritual. Estagnaríamos para sempre como seres ignorantes, infelizes, pouco desenvolvidos (e isso seria o equivalente a dizer que o inferno e os diabos, no sentido católico, existiriam mesmo)   

Citar
T: a mensagem de Jesus é "amai os inimigos", ou seja, libertem-se da componente emocional, da raiva, do ressentimento, da vingança ou do desejo de vingança.

Conf: aí estão lindas e sugestivas palavras, tantas vezes repetidas, mas, como sempre, lhes falta o mais importante; dizem “o que fazer”; nunca “o como fazer!

      Amor não é algo que brota do desejo de possuí-lo. Mais ainda, a amar, ou a ter amor, ninguém ensina e ninguém aprende nem com conselhos, ensinamentos, nem com exemplos de quem forem, mesmo que sejam de Jesus.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/180/?action=post;num_replies=188#ixzz2g6NJYigQ

Este conselho de Jesus ultrapassa o âmbito da espiritualidade. Nas nossas relações humanas, o ódio, o ressentimento, o desejo de vingança são impulsos que nos prejudicam a nós mesmos. Se alguém nos faz mal, nós perpetuamos esse mal, em nós, através desses sentimentos, em vez de nos libertarmos e prosseguirmos as nossas vidas. A doença (depressão), até a prisão, por uma vingança violenta em que fomos apanhados pelas autoridades, não justificam o prazer mórbido de ver a outra pessoa sofrer só porque nos fez mal.

Quem sai a perder somos sempre nós, através dessas atitudes. Penso que a melhor forma de encarar o algoz como um "animal selvagem perigoso". Não o podemos deixar andar à solta, na cidade, sob risco de ele nos agredir, por nos considerar um alimento, ou por ter medo de nós. Se for possível e seguro "domesticá-lo", então podemos deixá-lo conviver connosco, senão devemos considerar as devidas precauções, não cruéis, contra ele. Libertarmos-nos da componente emocional que nos escraviza, e que nos prende a um mal que nos fizeram é extraordinariamente libertador e positivo. O pensamento moralista religioso não ajuda, em regra. Ensina e exemplifica precisamente o contrário: "devemos fazer guerra contra o mal e contra os maus, pois são eles a causa, externa a nós mesmos, de todas as desgraças". Em vez de ensinar que o mal elimina-se, não nos outros, mas em nós mesmos.

   
Citar
No entanto, mesmo que tenhamos a liberdade de pensar e daí a de decidir (escolher) fazer algo de bom ou de mau que seja, a liberdade de agir nunca nos pertence; ninguém é livre para agir do modo como escolheu agir, pois o agir não depende só de nós mas, também, das circunstâncias da vida.

Amigo, há decisão de pensar e agir, mas, como o amigo diz, dentro da "camisa de forças" que o nosso corpo de carne e o mundo onde vivemos nos impõem. Mas há sempre decisões e acções que podíamos fazer ou não. O que nem sempre temos é a consciência das consequências espirituais, e, muitas vezes, nem das materiais, que as nossas decisões envolvem. Mas a decisões mais importantes são tomadas no estado de erraticidade e não no estado de encarnados. A encarnação, em sentido figurado, e não literal, é como uma máquina de realidade virtual. Enquanto lá estamos temos a ilusão de estar a viver uma realidade que o autor do jogo inventou. Mas, quando saímos, vemos que afinal era apenas um jogo de curta duração.     
     
bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Setembro de 2013, 20:05
Re: O Mal Não Existe?

      Lucazan   (ref #127 em: 14 de Setembro de 2013, 03:39)

      Lucazan escreveu: Meus amigos, alguém é influenciado pelo mal a fazer coisas erradas?

      Conf: o tempo todo, como pode também, estar sendo influenciado pelo bem a fazer coisas corretas; e é isso que vemos no mundo; somos todos nós recebedores das influencias de todas as experiências/lições pelas quais passamos na vida; estamos sempre sendo condicionados a acreditar nisto e não naquilo, pelas tradições, costumes, culturas, sociedade, psicologias, filosofias, religiões, política, ensinamentos,... sejam esses itens direcionados para o bem ou para o mal!

      A vida é uma escola de espíritos, escola do bem e do mal. Aprendemos o que a escola nos ensina. Se somos influenciados, são os ensinamentos desta escola que nos levam a ser influenciados, e nada mais. O que mais poderia ser?

      Qual é a causa do porq todos agirmos como agimos?

      É exatamente esta: a vida nos ensinou a agirmos como agimos. Ou quem mais poderia mais facilmente, ou mais dificilmente, nos influenciar?

      E tudo isso acontece sem cessar e durante toda a vida. A vida toda passamos por experiências que, pelas influencias que nos proporcionam, modificam para melhor ou para pior (dentro do entendimento do que é o bem e do que é o mal) nossos pensamentos, sentimentos, desejos, vontades e, consequentemente, escolhas.

      Lucaz: É a falta de conhecimento, a nossa inferioridade, a influência de um corpo cheio de necessidades materiais, que induz e enche o espírito de vícios e paixões, levado-o a cometer ações erradas e más.

      Conf: exatamente, é isso. Mas, onde está nisso tudo a responsabilidade do espírito (ou do homem)?

      E, se o espirito, encarnado ou não, sofre, qual é a causa que justifique esse sofrimento se, pela doutrina só sofre quem merece sofrer?

      Lucaz: Só cometem ações más que realmente as desejas. Até podemos ser intuídos e influenciados por outros, mais estes só se aproximam de nós por afinidades com os mesmos desejos nosso.

      Conf: com isso o amigo está afirmando que está ainda num mundo de expiações porq deseja estar?! Será que, podendo ser mais feliz, deseja ser mais infeliz?!

      Porq é que, no passado vc cometeu tantas ações erradas ou más, se podia não cometê-las? De caso pensado, estudou, refletiu e desejou se colocar contra o Poder daquele que é Todo Poderoso, decidiu sofrer as terríveis conseqüência de Sua lei de causa e efeito?!

      Lucaz: A questão do Mal é um verdadeiro paradoxo, o mal até existe pois podemos realizar ações que resultaram em algum mal. Mas, o Mal não é algo que tenha uma existência sobrenatural com força para seduzir ou influenciar.

      Conf: é evidente que o mal não existe como uma entidade ou ser independente a influenciar as pessoas; o mal é o resultado do que fazemos de errado uns aos outros, aos chamados irracionais e à natureza; é o sentimento que nos leva a fazer o que é nocivo aos semelhantes.

      Logo, o mal na sua acepção de sentimentos e de ações de uns e outros tem força sim, para nos influenciar e está sim nos influenciando o tempo todo, pelas circunstancias da vida.

      Veja o que é o mundo, a casa temporária  que o Criador nos deu! O mal (=maldade) imperando sob todos os aspectos imagináveis.

      E isso vem desde o começo da história conhecida do homem.

      E, agora raciocinando, a questão é: qual é a causa dos sofrimentos se todos eles, pela doutrina, só são impostos para aquele que transgride as leis divinas? Onde, no exposto acima, estão essas transgressões?
...................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Setembro de 2013, 20:43

Re: O Mal Não Existe?

      Vitor   (ref #130 em: 14.09.13, 18:23)

      Um amigo colocou: O ser humano engana e tenta se enganam invertendo os valores das coisas. Mas a Lei de causa e efeito é implacável e responderemos por todas as ações que cometemos.

      Conf: frente a essas afirmações, temos de fazer uma pergunta que, mesmo muitas vezes já repetida, nunca tem resposta definitiva: qual é a causa de o ser humano ser assim? Cada um de nós, mesmo podendo escolher não enganar e não inverter os valores das coisas, escolhemos, de livre vontade e de mente sã, fazer o contrário do que devemos fazer?

      Nós mesmos, conscientes, desejamos ser assim, “o contrário” do que devemos ser? Desejamos escolher sofrer as conseqüências tantas vezes terríveis de nossos erros, mesmo podendo escolher não sofrê-las?

      E o que significa "ser a lei de causa e efeito implacável", se todos os erros que cometemos têm por causa nossa ignorância? Ou qual seria outra causa a apontar?

      Vitor escreveu: não há perdão nas leis da natureza, pois não há acusação, nem condenação, nem absolvição. As leis da natureza são cegas.

      Conf: o amigo se esquece de que as leis da natureza são leis de Deus? Ou a natureza está separada de Deus? Toda nossa vida, tudo que vivemos, tudo que gozamos ou sofremos, tudo que fazemos ou que nos fazem, está dentro dos domínios de Deus, sob sua jurisdição e controle de seu poder.

      Vitor: Ninguém se ofende connosco, a não ser os inferiores, como nós, que se consideram nossas vitimas, e se tentam vingar.

      Conf: é o que vemos no mundo, mas a pergunta é a mesma que foi colocada acima: qual é a causa de ser assim? Quem é responsável por ser ou se considerar inferior, por se considerar vitima e ter o desejo de se vingar?
..............
     
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Setembro de 2013, 22:06
Re: O Mal Não Existe?

      Brenno    (ref #134 em: 14 de Setembro de 2013, 22:18)

      Lucazan (msg anterior): Será que a Lei do Amor e da Caridade é uma Lei Natural?

      Brenno: No meu entendimento não. O amor e a caridade são virtudes, uma vez que eu posso amar ou odiar, ser caridoso ou ganancioso.

      Conf: discordo do amigo; todas as leis, desde que não criadas pelos homens, são leis naturais, ou melhor, são leis divinas.

      Brenno: Lei natural no meu entendimento é causa; o amor a caridade assim como o mal ou o bem são efeitos.

      Conf: toda ação, toda lei, todos os acertos e erros são, exatamente, causas das quais vêm efeitos. Assim, o amor e a caridade são efeitos que também, como todos os efeitos, constituem causas de outros efeitos. A vida é uma seqüência infinita de causas e efeitos, de causas que produzem efeitos, que produzem novas causas...

      Brenno: O amigo está a confundir Leis Morais com Leis Físicas (os Leis da física) o que, absolutamente, não são a mesma coisa.
Leis físicas, que regem o funcionamento do Universo, não podem, efetivamente, ser contraditas.

      Conf: o que o amigo quer dizer com que “as leis físicas não podem ser contraditas” (ou contrariadas, desrespeitadas; é isso que o amigo quer dizer?).

      A diferença entre essas leis não está em poderem ou não ser contraditas, pois ambas podem ser e são frequentemente desrespeitadas. E ambas, se desrespeitadas, sempre reagem.

      A diferença é que, pela ciência, aqueles que transgridem as leis físicas e, muitas vezes, também quem não as transgride, podem ou não virem a sofrer as conseqüências da transgressão.

      Quanto às leis morais, pela DE, e pelas outras doutrinas, somente quem as transgride sofre as conseqüências do ato. Essa é a diferença. 
.............................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Setembro de 2013, 23:27
Re: O Mal Não Existe?

      Brenno   (ref #140 em: 16 de Setembro de 2013, 23:57)

      Brenno escreveu: O caso é que não existe esse negócio de "salvação"!

       Conf: meu amigo, tome, por favor, a palavra “salvação” em sua acepção de fuga, de fugir, de se esquivar, de se poupar; no caso, de se poupar de ser infeliz, de ter um futuro cheio de dívidas ou resgates a saldar, da prática de escolhas erradas, de se salvar das ações que podem nos trazer as terríveis conseqüências da lei de causa e efeito, de se salvar das condições adversas do mundo e das conseqüências de suas próprias ações e de ações de outros.

      Como bem lembrou nosso amigo Wender100%espírita, como dizer que não há esse “negócio” de salvação se é exatamente a bandeira da doutrina espírita que afirma: “Fora da caridade não há salvação!”?! 

      Brenno: Mesmo porque nenhum Espírito está em risco de perder-se.

      Conf: faltou ao amigo colocar aí a palavra "definitivamente", que é o que a doutrina diz. Contudo, sem dúvida, corre o risco de perder-se, sim, e tenho certeza de que o amigo, firmemente, com todas suas forças, deseja se salvar de se perder e de perder seu tempo a sofrer por multiplicadas encarnações, a se estenderem até por milhões de anos, os efeitos de seus erros passados. Não deseja se perder em sofrimentos sem conta por milhões de anos!

      Brenno: O que existe é necessidade de Evolução, de aprimoramento, de reforma íntima.

       Conf: novamente o amigo provoca aquela perguntinha, tantas vezes repetida, mas nunca respondida: qual é a causa de, mesmo existindo a necessidade de evolução, muitos desdenharem disso? Ou ainda, de nem todos se esforçarem igualmente para conquistar isso que é tão necessário conquistar?

      A esta pergunta, ou semelhante, o amigo sempre responde que a causa é a ignorância. Como já disse, concordo 100% com o amigo: a ignorância.

      Contudo, ao lhe perguntar qual é a causa dos sofrimentos dos homens se, pela doutrina, só sofre quem merece sofrer, e se ser ignorante não trás desmerecimentos a ninguém, qual é a resposta do amigo, a resposta da doutrina?  Quem traz uma resposta satisfatória a essa questão?

      Brenno: O que só se alcança através de múltiplas encarnações, pela prática do Amor e da Caridade e, é claro, conformando-se com as Leis Divinas e não as transgredindo.

      Conf: o amigo Brenno e eu já conversamos várias vezes sobre essa afirmação feita acima e lhe repito: a evolução, até mesmo conforme a doutrina, nada tem a ver com o número ou quantidade de reencarnações; a própria doutrina ensina que uns evoluem e chegam à perfeição possível com poucas encarnações (até com uma só!), enquanto outros, têm de sofrer multiplicadas encarnações a se estenderem a até milhões de anos.

      Um exemplo, que a DE traz sobre isso é Jesus que teria ascendido em “linha reta”; exemplo que é de difícil compreensão pois não existe, como também diz a doutrina, privilégios na criação.

      Também, meu jovem, ninguém, sem exceção, evolui, como vc diz, pela prática do amor e da caridade, pois praticar ações de amor, por mais numerosas que sejam, não significa que haja amor no coração de quem pratica.

      Aliás, é a evolução é que traz a prática do amor e da caridade; não é a pratica do amor e da caridade que traz a evolução.

      Podemos, durante a vida toda, praticar ações de  amor e a caridade, que nosso coração pode continuar duro como uma pedra em relação aos semelhantes.

      Certamente, o amor não vem da prática, dos exercícios de praticá-lo, por mais repetidos que sejam.

      O amor vem somente, e tão somente, da compreensão de que é extremamente necessário, e de nada mais.

      Nem de conselhos, de ensinamentos, nem de exemplos de quem quer que sejam, nem dos exemplos de Jesus.

      Aliás, tudo que fazemos ou deixamos de fazer, que pensamos ou deixamos de pensar, todas as nossas escolhas, tudo que escolhemos ou deixamos de escolher, somente vêm da compreensão que temos; compreensão adquirida com as experiências da vida, desta escola do bem e do mal.
........................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Setembro de 2013, 23:42
Re: O Mal Não Existe?

      Brenno   (ref #142 em: 17 de Setembro de 2013, 01:01)

      Wender escreveu (msg anterior): fazer isso que vc falou Brenno e ser salvo, como ensina a DE: “fora da caridade não há salvação!”.

      Brenno: E qual seria esse perigo do qual necessitamos ser salvos?

      Conf: meu jovem amigo, os perigos estão delineados em msg acima desta; são, e vc sabe, os perigos de sofrer ou causar o mal, os perigos de ter sobre as costas o chicote da lei, com sofrimentos insuportáveis por ter errado ao transgredir a lei divina, por ter propositadamente, de caso pensado, conscientemente, transgredido as leis daquele que Todo o Poder.
.............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 00:19
Re: O Mal Não Existe?

      Brenno  (ref #147 em: 18 de Setembro de 2013, 06:01)

      Brenno escreveu: O Livre-Arbítrio não pressupõe sabedoria, mas liberdade de pensamento e ação.

      Conf: mas, meu amigo, quem é que tem liberdade de pensamento? Liberdade de ação nem se fala, pois a prática da ação não é livre para ninguém!

      E liberdade de pensamento, o amigo tem? Com certeza não tem, pois se tivesse não estaria ainda num mundo de expiações.

      Já tentou fazer aquele pequeno e simples teste que lhe foi sugerido? Faça e verá que vc nenhuma liberdade tem sobre o pensar, pois vc não tem comando, a não ser muito limitado, nem sobre seus pensamentos e, em conseqüência, nem sobre suas vontades e desejos e, consequentemente, nem mesmo sobre suas decisões ou escolhas, por mais simples e por mais destituídas de importância, que sejam.

      O amigo Vitor (?) escreveu: Se estamos a falar de lei no sentido legal, estamos a admitir que Deus decretou leis no sentido jurídico, que legisla e governa o universo, como os nossos governantes governam os nossos países e decreta leis, como os parlamentos as decretam. Ora isso não me parece condizente com o que eu vejo aqui neste mundo.

      Brenno respondu: O Mundo é como é porque temos Livre-Arbítrio e podemos infringir as Leis Divinas.

      Conf: meu amigo, e porq é assim? Se o mundo é o que é devido ao fato de termos livre-arbítrio e, assim, podermos infringir as leis divinas, porq as infringimos? Somente porq podemos infringi-las?! Porq é que as infringimos?

      Nosso desejo é estar num mundo no qual o ambiente, a vida e os semelhantes sejam perversos, cheios de conflitos, desencontros, perversidades e perversões, crimes hediondos etc etc?!!

      Qual é a causa de nós mesmos termos, pelo livre-arbítrio, feito nosso mundo ser assim? Por favor, vc sempre nos diz isso, mas qual é a causa disso? Preferimos e decidimos escolher viver num mundo tão cheio de misérias, desgraças, tragédias, guerras, epidemias?

      Se o amigo novamente disser que fazemos essas escolhas tão erradas por ignorância, por favor nos explique como chegou a essa conclusão.

      E, se dispuser de tempo e disposição, por favor, nos explique porq é que sofremos se até agora, em todas estas conversas não deparamos com nenhuma transgressão dos homens às leis divinas, transgressões que os homens fizeram, ou que estão fazendo.

      Como diz a doutrina, temos de raciocinar; de mergulhar nas questões até conseguirmos chegar às raízes mais profundas de qual é a causa, neste caso, de o mundo ser o que é, se é que realmente estamos querendo entender a vida, a doutrina e tudo o mais. 
............................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 00:40
Re: O Mal Não Existe?

      Lucazan   (ref #149 em: 18 de Setembro de 2013, 11:17)

      Lucaz escreveu a outro amigo nosso: Sim, caro amigo, podemos fazer tanto o bem como o mal, mas tanto um como o outro são apenas efeitos de nossas ações.

      Conf: efeitos que, é evidente, serão se tornarão causas de outros efeitos subsequentes. A vida, e nós somos isso; somos, neste exato instante, o resultado dessa seqüência “infinita” de causas e efeitos que vêm até nós, desde nossos mais longínquos antepassados, em nossa linha ascendente, e mesmo daquilo que lhes deu origem, tudo isso somado ao que estamos aprendendo com as incessantes experiências/lições desta escola do bem e do mal.

      Lucaz: Ninguém é infeliz por que existe um mal provocando situações desfavoráveis. As pessoas são infelizes e sofrem por serem vaidosos, arrogantes, egoístas, gananciosos, etc...

      Conf: exato, meu amigo, as pessoas são infelizes por serem vaidosas, arrogantes, egoístas, orgulhosas, ambiciosas, invejosas, ciumentos etc etc. Mas, lhe pergunto, e porq é que são vaidosas, arrogantes, egoístas, orgulhosas etc, se isso lhes traz sofrimentos? Desejam sofrer? E se, pela doutrina, só sofrem quem merece sofrer,
onde é que está aquilo que as faz merecedoras de sofrimentos?

      Nestas nossas conversas ainda não vimos sequer uma ação que seja transgressão às leis de Deus e que, portanto, justifique a imposição das terríveis consequências da lei de causa e efeito, aos homens!

      Aliás, em nenhum tópico do fórum, nem na doutria, e em nenhuma doutrina, conseguimos vislumbrar sequer uma responsabilidade ou culpa que caiba aos homens pelos seus erros.

      Se algum dos  amigos puder me corrigir, por favor me corrija e me mostre, ou explique qual é a causa dos sofrimentos dos homens!
.............................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 04:36
Re: O Mal Não Existe?

      Vitor   (ref #150, 18 de Setembro de 2013, 11:59)

      Vitor escreveu: Em poucas palavras...! Em vez de perseguir os "demónios" exteriores, temos de perseguir essencialmente os interiores.

      Conf: gostaria de acrescentar algumas palavras: se esses “demônios interiores” são os vícios, maldades, imperfeições, egoísmo, orgulho etc etc, quem é que sabe ensinar o <como> fazer isso, como persegui-los ou como eliminá-los?

      Vejam que todos, religiões e religiosos, doutrinas, sermões, conselhos, mensagens, historietas, poemas, parábolas, de Jesus inclusive, e esses milhares de mensagens que vemos todos os dias, só sabem ensinar <o que> fazer: seja humilde, seja caridoso, deixe de ser egoísta, perdoe sempre, ame os que a vocês e aos seus queridos fazem o mal, creia em Deus, você será recompensado se em vez de fazer o mal fizer o bem etc etc.

      Sempre, apenas “o que” fazer; nunca o “como” fazer. Estarão nos escondendo o mais importante? É evidente que não! O que acontece é que não sabem mesmo o <como> fazer pois, se soubessem, com certeza estariam divulgando esse conhecimento aos quatro cantos do mundo porq é desse conhecimento que o mundo precisa urgentemente.

      E esse “não saber” é explicável pois quem é que sabe ensinar como colocar amor num coração vazio de amor? Se todos os males, vícios, imperfeições e defeitos morais denotam a ausência do amor, provêm da falta de amor, quem é que sabe ensinar como substituir o desamor que alguém possui, por amor que ainda não possui?

      Como colocar amor num coração vazio de amor? Basta querer? Basta prometer para Deus, ou para vc mesmo, que a partir de hoje, ou de amanhã, do mês que vem ou de qdo for, vai procurar ter amor e pronto?!

      Sabemos que não é assim, que ninguém coloca amor no intimo daquele que não tem amor; nem no seu próprio íntimo, pelo simples querer ter amor.

      O amor não nasce do desejo de tê-lo e ninguém, absolutamente ninguém, consegue ou sabe ensinar a ter amor ou a amar, do mesmo modo que ninguém, absolutamente ninguém, aprende a amar, ou a ter amor, por conselhos, por ensinamento, por exemplos de quem quer que seja, mesmo que sejam de Jesus.       

      E a resposta do como fazer existe sim; mas está além do que as doutrinas e religiões ensinam ou, mesmo que esteja na doutrina, o encontrá-la demanda muito estudo, muita reflexão e muito raciocínio e, mesmo assim, esse encontro apenas ocorrerá eventualmente.

      E mais uma coisa: para muitos, se a encontrarem não a considerarão correta, verdadeira e não a admitirão.
......................................

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 28 de Setembro de 2013, 10:40
Olá amigo InconforJr

Citar
Conf: gostaria de acrescentar algumas palavras: se esses “demônios interiores” são os vícios, maldades, imperfeições, egoísmo, orgulho etc etc, quem é que sabe ensinar o <como> fazer isso, como persegui-los ou como eliminá-los?

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/195/?action=post;num_replies=197#ixzz2gB3fAPdq

A minha frase visava mostrar que a luta religiosa se centra, muitas vezes, na busca e redenção dos defeitos alheios, mas que raramente se prende com a busca do aperfeiçoamento pessoal, interior. Através do auto-conhecimento, da comparação de quem éramos ontem e de quem somos hoje (nós mesmos, não os outros), como nos ensina S. Agostinho, no LE, sob o tema da perfeição.

O amigo tem um caminho bem claro, que pode seguir, se quiser, como todos nós:

- Não fazer aquilo que reprova em outrém;
- Não fazer aos outros aquilo que não gostaria que lhe fosse feito, nem a si, nem aqueles que mais ama.
- Se não fizer o que está indicado acima, já não é mau de todo, mas o ideal é ainda superar isso, e fazer aos outros aquilo que gostaria que lhe fosse feito. A si e aqueles que mais ama.

O amigo pode alegrar, com alguma razão, que a vida não é como nós queremos. Que temos restrições, de vária ordem, sendo das mais graves a própria incapacidade de discernimento. Eu concordo. Mas há um principio inviolável: para Deus todos somos espiritos (e não corpos de carne) igualmente importantes. E se nos consideramos superiores, ou inferiores, estamos iludidos. E é uma questão de tempo até abrirmos os olhos. Basta olharmos, um dia, para as encarnações anteriores, em que podemos ter encarnado em qualquer origem étnica, de qualquer cor, de qualquer sexo, ricos, pobres, escravos, capatazes de escravos, deficientes, saudáveis, doentes, etc.

O caminho não é fácil, amigo. Nem ninguém sabe tanto quanto diz. E muitos que parece que pouco sabem, por vezes, sabem muito.

Cada pessoa procura o caminho que melhor lhe parece, ou se deixa andar à deriva, sem procurar caminho espiritual nenhum, pelo menos voluntária e conscientemente. Nada nos diz que o caminho dos outros é melhor ou pior do que o nosso. Nem ninguém poderá dizer-lhe qual o melhor caminho para si. Pode crer que, seu eu soubesse, não hesitaria em comunicar-lho.           

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 28 de Setembro de 2013, 13:35
Caros Amigos,

Quem somos realmente?

A DE afirma que:
1- Somos espíritos momentaneamente presos a um corpo material;
2- Utilizamos esses corpos apenas para um aprendizado;
3- Quando presos perdemos a consciência de si mesmo;
4- Absorvemos todas a impressões, instintos e necessidades destes, a ponto de acharmos que são nossas;
5- Esta absorção permite conhecer tanto as virtudes, as paixões e os vícios;
6- Devemos resistir as paixões excessivas e os vícios, tornando-se seres virtuosos.

Como já afirmei antes, estamos apenas no começo de um aprendizado infinito.

O ser inteligente e pensante é o espírito, o homem não passa de uma ferramenta. Enquanto pensarmos que somos homem, não avançaremos em nossa jornada.

Toda evolução alcançado pelo homem provêm dos espíritos. O homem não passa de um corpo material e como tal só possui uma inteligência limitada às suas necessidades e conservação.
 
O objetivo das encarnações é o de colocar o espírito em situações para colocar seu conhecimento em prática.

Nenhum espírito reencarna para sofrer ou pagar dividas dos passado. Reencarnaremos nos mundos de provas e expiações até aprender e adquirir todos os conhecimento que estes mundos tem a oferecer.



 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 28 de Setembro de 2013, 13:57
Re: O Mal Não Existe?

 
      Lucaz: Ninguém é infeliz por que existe um mal provocando situações desfavoráveis. As pessoas são infelizes e sofrem por serem vaidosos, arrogantes, egoístas, gananciosos, etc...

      Conf: exato, meu amigo, as pessoas são infelizes por serem vaidosas, arrogantes, egoístas, orgulhosas, ambiciosas, invejosas, ciumentos etc etc. Mas, lhe pergunto, e porq é que são vaidosas, arrogantes, egoístas, orgulhosas etc, se isso lhes traz sofrimentos? Desejam sofrer? E se, pela doutrina, só sofrem quem merece sofrer,
onde é que está aquilo que as faz merecedoras de sofrimentos?

      Nestas nossas conversas ainda não vimos sequer uma ação que seja transgressão às leis de Deus e que, portanto, justifique a imposição das terríveis consequências da lei de causa e efeito, aos homens!

      Aliás, em nenhum tópico do fórum, nem na doutria, e em nenhuma doutrina, conseguimos vislumbrar sequer uma responsabilidade ou culpa que caiba aos homens pelos seus erros.

      Se algum dos  amigos puder me corrigir, por favor me corrija e me mostre, ou explique qual é a causa dos sofrimentos dos homens!
.............................


Quanta preocupação com o sofrimento amigo, vamos mudar um pouco o pensamento...

Só passa pela condição de sofrimento o espírito que necessita aprender a lidar com este sentimento.

Não é uma punição e um aprendizado.
 
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Roger_espiritual em 28 de Setembro de 2013, 15:38
Caro Viana,

Deixo uma reflexão aqui:
No meu ponto de vista, o universo é dual. Existe a Luz e as Trevas.
Eu acredito que Deus nos fez inocentes e as trevas é uma forma de autoconhecimento, de adquirir sapiência e virtudes. É quando a alma deixa de ser uma centelha e passa a ser um "sol" de luz e sabedoria.

Por exemplo: sendo o espírito uma centelha divina, luz, como poderia se autoconhecer se onde ela "habita" é tudo luz? Acredito que tenha que encarnar em um corpo e conhecer as trevas, para um dia ser como um sol de sabedoria, tanto da luz como das trevas. Imagine se não existisse as sombras... Como compreenderíamos a luz? É como o peixe que está na água e desconhece outra realidade além dessa. Da mesma forma uma criança inocente mete o dedo na tomada e toma um choque pois desconhece o que é isso. Mas quando aprendeu, já adquiriu a sapiência para não fazê-lo. Alguém que conheceu o mal e depois se arrepende e adquire uma virtude, é alguém sábio, que pode conhecer os dois lados da criação: luz e trevas. Volta para a luz com sapiência e pode ser um mestre da vida. Já imaginou se Jesus fosse inocente e caísse nas astúcias da maldade? Ele já tinha sapiência do mal. Naquela passagem ele sabia das astúcias maldosas quando perguntaram para ele se deveriam pagar impostos. Se ele fosse inocente poderia dizer que não, que é uma exploração, etc, e iriam condená-lo. Mas disse: dai a César o que é de César e a Deus o que é de Deus. Lidou com o mal, e mostrando o Caminho para Deus.

De certa forma, não existe um mal ou bem absolutos. As coisas são relativas. E só a consciência, a inteligência, o coração, pode lidar com uma situação específica. Ex:
Podem dizer que matar é mal. Tem até o mandamento: Não matar... Mas é absoluto isso? Se alguém quiser matar um filho nosso e por causa disso deixamos o assassino matar. Será que estamos sendo conscientes, fazendo algo bom? Ou estarei sendo mal se matar essa pessoa para defender meu filho? Vê que são situações? Não existe bem ou mal absolutos.
Não mato uma planta por respeito à vida... Mas se precisar comer um alface? Ou uma planta (trepadeira) está enroscada em outra e se não matar a trepadeira as duas acabariam morrendo? Estaria sendo mal matando a trepadeira? Uma situação agora: Um gato está para pegar um pássaro e vou lá e espanto o gato e digo: fiz o bem porque salvei o passarinho da morte... No entanto, o passarinho iria alimentar os filhos do gato e agora são os filhotes que podem morrer... Então são coisas não absolutas. Com lidar com tudo? Consciência, sapiência, inteligência, intuição, coração, sabedoria, etc... Por isso, a vida é uma escola, onde a luz e as trevas fazem parte da mesma. E podemos sair daqui, como Mestres da vida... Depende de nós, pois temos o livre arbítrio.

Assim, nem toda dor é má... Podemos sentir dor ao sacrificar para ajudar alguém.
Nem toda tristeza é má... Quando ficamos triste com a fome no mundo, etc.

Então não podemos definir o mal e o bem. Pois só a consciência, inteligência, coração, intuição, podem dizer o que fazer em tal situação e isso é o que vai dizer se agimos bem ou mal... É aí que está a sapiência, as virtudes, etc.








Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 16:44
Re: O Mal Não Existe?
     
      Amigos deste estudo, bom dia.

      A doutrina sabiamente aconselha a raciocinar para melhor entendê-la. Vamos atender esse conselho.

      Meus amigos, estamos sempre repetindo, lendo e escrevendo as mesmas palavras, as mesmas explicações e ensinamentos, os mesmos textos e questões retirados das obras básicas, e até de subsidiárias.

      E, observem, que isso não acontece só com a DE e com seus seguidores, mas com todas doutrinas ou religiões do mundo e seus segudores.

      No entanto, como todos podem ver claramente, nunca, mas nunca mesmo, encontramos respostas completas, que respondam totalmente as questões ou dúvidas que temos, de modo que cheguemos a compreendê-las completamente

      O texto citado pelo Brenno, e repetido na msg #153, de 19/09/2013, do Lucazan, é um exemplo; há numerosos outros e um olhar mais atento pode mostrar isso.

      Vejamos: o texto traz ensinamentos/lições/conceitos muitas vezes repetidos em muitas obras e mensagens/respostas: “o mal existe e tem uma causa; essa causa é o mau uso do livre-arbítrio”... e faz desfilar uma série de imperfeições e defeitos morais, e as terríveis e danosas conseqüências que deles provêm, e que nada mais são do que efeitos daquela primeira causa apontada.

      Diz o texto, também repetido muitas vezes, que Deus promulgou, para nosso bem, leis cheias de sabedoria, e que nos deu tudo o que é necessário para cumpri-las... Que se as cumprirmos, sem dúvida estaremos livres de todos esses terríveis males e sofrimentos que vemos no mundo e que, por isso, nossa vida aqui seria uma total felicidade.

      Sempre repisando a mesma coisa: todos os males e sofrimentos vêm de nossa culpa, do fato de, mesmo podendo escolher praticar o bem e ser felizes, propositadamente escolhermos praticar o mal, com as conseqüências ruins dessa escolha tão errada.

      É isso que sempre vemos: os males e sofrimentos nós os causamos por nossas escolhas erradas! Mas, nunca vemos, em nenhum ponto da doutrina (de nenhuma doutrina do planeta) a explicação completa, necessária pois, sem ela, nunca vamos entender a vida e nem mesmo a doutrina.

      Se todo efeito tem uma causa, qual é a causa que tem como efeito o fato de usarmos nossa faculdade de escolha para escolher fazer o mal e não o bem?

      Onde está a resposta para esta questão?

      Alguém sabe a resposta?

      Alguém já a conhece ou já a viu em algum lugar? Na doutrina, nos livros, nas palavras de mentores, nos sermões, nas parábolas etc etc ?
...................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 17:04

Como.....................
............................estudado.



"Dir-se-á que isso depende do organismo. Mas, então, achamo-nos em presença da mais monstruosa e imoral das doutrinas. O homem seria simples máquina, joguete da matéria; deixaria de ter a responsabilidade de seus atos, pois que poderia atribuir tudo às suas imperfeições físicas".

"Encarnado, traz o Espírito certas predisposições e, se se admitir que a cada uma corresponda no cérebro um órgão, o desenvolvimento desses órgãos será efeito e não causa. Se nos órgãos estivesse o princípio das faculdades, o homem seria máquina sem livre-arbítrio e sem a responsabilidade de seus atos. Forçoso então fora admitir-se que os maiores gênios, os sábios, os poetas, os artistas, só o são porque o acaso lhes deu órgãos especiais, donde se seguiria que, sem esses órgãos, não teriam sido gênios e que, assim, o maior dos imbecis houvera podido ser um Newton, um Vergílio, ou um Rafael, desde que de certos órgãos se achassem providos. Ainda mais absurda se mostra semelhante hipótese, se a aplicarmos às qualidades morais. Efetivamente, segundo esse sistema, um Vicente de Paulo, se a Natureza o dotara de tal ou tal órgão, teria podido ser um celerado e o maior dos celerados não precisaria senão de um certo órgão para ser um Vicente de Paulo. Admita-se, ao contrário, que os órgãos especiais, dado existam são conseqüentes, que se desenvolvem por efeito do exercício da faculdade, como os músculos por efeito do movimento, e a nenhuma conclusão irracional se chegará. Sirvamo-nos de uma comparação trivial à força de ser verdadeira. Por alguns sinais fisionômicos se reconhece que um homem tem o vício da embriaguez. Serão esses sinais que fazem dele um ébrio, ou será a ebriedade que nele imprime aqueles sinais? Pode dizer-se que os órgãos recebem o cunho das faculdades".

843. Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos?

“Pois que tem a liberdade de pensar, tem igualmente a de obrar. Sem o livre-arbítrio, o homem seria máquina".

                                                          O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 17:12

      Conf: meu jovem amigo, os perigos estão delineados em msg acima desta; são, e vc sabe, os perigos de sofrer ou causar o mal, os perigos de ter sobre as costas o chicote da lei, com sofrimentos insuportáveis por ter errado ao transgredir a lei divina, por ter propositadamente, de caso pensado, conscientemente, transgredido as leis daquele que Todo o Poder.



Possuindo Livre-Arbítrio também podemos propositadamente, de caso pensado, conscientemente, agir de acordo com as leis daquele que é Todo o Poder!



Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 17:17

Conf: mas, meu amigo, quem é que tem liberdade de pensamento?



Todos nós.


843. Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos?

“Pois que tem a liberdade de pensar, tem igualmente a de obrar. Sem o livre-arbítrio, o homem seria máquina.”

                                                              O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 17:21

3- Quando presos perdemos a consciência de si mesmo;



Onde está isso na Doutrina Espírita?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 17:34

Se todo efeito tem uma causa, qual é a causa que tem como efeito o fato de usarmos nossa faculdade de escolha para escolher fazer o mal e não o bem?

      Onde está a resposta para esta questão?




Trazendo apenas uma citação da Doutrina Espírita:

1006. Poderão durar eternamente os sofrimentos do Espírito?

“Poderiam, se ele pudesse ser eternamente mau, isto é, se jamais se arrependesse e melhorasse, sofreria eternamente. Mas, Deus não criou seres tendo por destino permanecerem votados perpetuamente ao mal. Apenas os criou a todos simples e ignorantes, tendo todos, no entanto, que progredir em tempo mais ou menos longo, conforme decorrer da vontade de cada um. Mais ou menos tardia pode ser a vontade, do mesmo modo que há crianças mais ou menos precoces, porém, cedo ou tarde, ela aparece, por efeito da irresistível necessidade que o Espírito sente de sair da inferioridade e de se tornar feliz. Eminentemente sábia e magnânima é, pois, a lei que rege a duração das penas, porquanto subordina essa duração aos esforços do Espírito. Jamais o priva do seu livre-arbítrio: se deste faz ele mau uso, sofre as conseqüências.”

                                                                O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 28 de Setembro de 2013, 17:49

3- Quando presos perdemos a consciência de si mesmo;



Onde está isso na Doutrina Espírita?



351 No intervalo da concepção ao nascimento, o Espírito desfruta de todas as suas faculdades?

– Mais ou menos, de acordo com a época, visto que ainda não está encarnado, e sim vinculado. Desde o instante da concepção, o Espírito começa a ser tomado de perturbação, anunciando-lhe que é chegado o momento de tomar uma nova existência; essa perturbação vai crescendo até o nascimento. Nesse intervalo, seu estado é quase idêntico ao de um Espírito encarnado durante o sono do corpo. À medida que a hora do nascimento se aproxima, suas idéias se apagam, assim como a lembrança do passado, do qual não terá mais consciência, como pessoa, logo que entrar na vida. Mas essa lembrança lhe volta pouco a pouco à memória ao retornar ao seu estado de Espírito.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 19:04

351 No intervalo da concepção ao nascimento, o Espírito desfruta de todas as suas faculdades?

– Mais ou menos, de acordo com a época, visto que ainda não está encarnado, e sim vinculado. Desde o instante da concepção, o Espírito começa a ser tomado de perturbação, anunciando-lhe que é chegado o momento de tomar uma nova existência; essa perturbação vai crescendo até o nascimento. Nesse intervalo, seu estado é quase idêntico ao de um Espírito encarnado durante o sono do corpo. À medida que a hora do nascimento se aproxima, suas idéias se apagam, assim como a lembrança do passado, do qual não terá mais consciência, como pessoa, logo que entrar na vida. Mas essa lembrança lhe volta pouco a pouco à memória ao retornar ao seu estado de Espírito.


É evidente que não se possa conceber que um Espírito encarnado em um recém-nascido disponha de todas as suas faculdades. Mas:

352. Imediatamente ao nascer recobra o Espírito a plenitude das suas faculdades?

“Não, elas se desenvolvem gradualmente com os órgãos. O Espírito se acha numa existência nova; preciso é que aprenda a servir-se dos instrumentos de que dispõe. As idéias lhe voltam pouco a pouco, como a uma pessoa que desperta e se vê em situação diversa da que ocupava na véspera.”

361. Qual a origem das qualidades morais, boas ou más, do homem?

São as do Espírito nele encarnado. Quanto mais puro é esse Espírito, tanto mais propenso ao bem é o homem.”

a) - Seguir-se-á daí que o homem de bem é a encarnação de um bom Espírito e o homem vicioso a de um Espírito mau?

Sim, mas, dize antes que o homem vicioso é a encarnação de um Espírito imperfeito, pois, do contrário, poderias fazer crer na existência de Espíritos sempre maus, a que chamais demônios.”

362. Qual o caráter dos indivíduos em que encarnam Espíritos desassisados e levianos?

“São indivíduos estúrdios, maliciosos e, não raro, criaturas malfazejas.”

363. Têm os Espíritos paixões de que não partilhe a Humanidade?

Não, que, de outro modo, vo-las teriam comunicado.”

                                                                     O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Rodrigo da Cruz em 28 de Setembro de 2013, 19:16
Caros amigos do fórum,
O conhecimento da Doutrina Espírita me fez conceber o mal como fruto da ignorância dos espíritos menos evoluídos e o bem como a compreensão das verdades eternas, pelos espíritos mais evoluídos. Na minha opinião, neste planeta de provas e expiações, no qual habitamos, vivemos no meio termo; ninguém é cem por cento bom, tampouco cem por cento mau.
Abraços fraternos...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 19:26
Caros amigos do fórum,
O conhecimento da Doutrina Espírita me fez conceber o mal como fruto da ignorância dos espíritos menos evoluídos e o bem como a compreensão das verdades eternas, pelos espíritos mais evoluídos. Na minha opinião, neste planeta de provas e expiações, no qual habitamos, vivemos no meio termo; ninguém é cem por cento bom, tampouco cem por cento mau.
Abraços fraternos...


A existência do bem e do mal está condicionada à liberdade de pensamento e ação (Livre-Arbítrio).

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 19:35
      Amigos,   (ref #155, do Vitor, de 19 Set 2013, 14:41)

      Um amigo escreveu: a lei divina rege tanto o bem como o mal que fazemos.

      Vitor respondeu: Concordo! A possibilidade de fazer o mal não é uma imperfeição das leis de Deus, nem uma imperfeição de Deus. Ele fez o universo assim, porque é, decerto, a melhor solução possível.

     Conf: amigo Vitor, não digo que vc esteja errado, mas que esse é um entendimento particular, pessoal seu;  não é o da doutrina, aliás, de nenhuma doutrina do mundo. Nenhuma doutrina sequer admite que o Todo Poderoso, o criador de todas as coisas, dos céus e dos mundos, tenha limitações, ou que a Si mesmo as tenha imposto.

      Vitor: As más acções não são uma violação das leis de Deus, mas uma conseqüência da ignorância espiritual. A incapacidade de se ver como um espírito imortal e, ao contrário, ver-se como uma mera máquina de carne, consciente ou inconscientemente, voluntária ou involuntariamente é que leva a isso. E Deus, quando criou os espiritos, decerto que previu que assim seria. Não se enganou. Se a solução melhor fosse criar os espiritos logo no estado de espíritos puros, Ele assim teria feito, decerto.

      Conf: amigo, percebe-se que vc é um questionador, que raciocina como as pessoas sensatas recomendam fazer, que não aceita tudo que lhe vem às mãos, como muitos fazem simplesmente pelo fato de terem plena confiança nas fontes dos ensinamentos.

      E esse é, também, um entendimento particular seu. Para as doutrinas teístas e deistas, as más ações são, sim, violações das leis de Deus. Mas, como vc mesmo está dizendo, são resultantes da ignorância, conclusão sua que deixa ainda desconhecida a causa dos sofrimentos do mundo.

      Assim, os sofrimentos continuam sem explicação, não pela lei física de causa e efeito, mas pelo que a doutrina (as doutrinas) ensina: que os sofrimentos são conseqüência de transgressões conscientes às lei de Deus, e que, em face da infinita e perfeita Justiça Divina, só sofre quem merece sofrer.   

      E, aqui, uma questão para raciocinar: onde estariam a Infinita Sabedoria, os Infinitos Amor e Justiça se Deus, ao criar, sabe que suas criaturas virão a se transformar em monstros de perversidade e perversão e que, por isso, forçosamente, obrigatoriamente, virão a ter de passar por esses torturantes, desesperadores e insuportáveis sofrimentos que vemos no mundo?!

       Vitor: Todavia, a lei de Deus não permite que aquele que se comporta a favor das leis da natureza que regem os espíritos possa evoluir espiritualmente da mesma forma do que aquele que não as cumpre (tal como aquele que quer subir um rio a nado contra a corrente jamais consegue alcançar o objectivo dele - chegará o dia em que se cansa e muda de estratégia).

      Conf: novamente concordo com você, mas novamente a causa dos sofrimentos dos homens, que se deduz do que vc está expondo, fica discordante da que as doutrinas expõem.

      Vitor: Há uma grande diferença entre o que se comporta bem e o que se comporta mal. O primeiro tem a "recompensa" de evoluir espiritualmente, o segundo tem "o castigo" de repetir as provas que falhou. E, quanto mais bloqueado psicologicamente, mais a probabilidade de ter que enfrentar a dor, o sofrimento, que é via de progresso alternativa a progredir a bem.

      Conf: novamente vc raciocinou; e suponho que, por ter raciocinado, tenha colocado entre aspas as palavras “recompensa” e “castigo”. Pois, se os homens erram pela ignorância das coisas espirituais, isso significa que acertam pelo conhecimento delas e, assim, não há razão de se falar de “recompensas” e de “castigos”.

      Vitor: Não vamos a bem, vamos a mal, continuando no ciclo de reencarnações complicadas e duras. Deus não deixava que as suas criaturas estagnassem para sempre, numa situação infeliz, de bloqueio psicológico. Isso seria o inferno, e o inferno não existe. A reencarnação dura é um remédio doloroso, não é um castigo, no sentido de se ter ofendido Deus e levar uma retaliação em troca. Deus não se ofende, pois deverá estar acima dos nossos defeitos humanos.   

      Conf: aqui tenho de lhe perguntar: porq um ciclo de reencarnações complicadas e duras?! Porq, se isso não se harmoniza com a Infinita Justiça e o Soberano Amor, ensinados pelas doutrinas? O processo determinado por Deus para nossa evolução se baseia em fazer sofrer? No caso, fazer sofrer encarnações complicadas e duras? Onde estarão aí o Soberano Amor e a Soberana Justiça que as religiões apregoam?
.......................
     
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 19:44

Um amigo ....................
........................ apregoam?
     


1006. Poderão durar eternamente os sofrimentos do Espírito?

“Poderiam, se ele pudesse ser eternamente mau, isto é, se jamais se arrependesse e melhorasse, sofreria eternamente. Mas, Deus não criou seres tendo por destino permanecerem votados perpetuamente ao mal. Apenas os criou a todos simples e ignorantes, tendo todos, no entanto, que progredir em tempo mais ou menos longo, conforme decorrer da vontade de cada um. Mais ou menos tardia pode ser a vontade, do mesmo modo que há crianças mais ou menos precoces, porém, cedo ou tarde, ela aparece, por efeito da irresistível necessidade que o Espírito sente de sair da inferioridade e de se tornar feliz. Eminentemente sábia e magnânima é, pois, a lei que rege a duração das penas, porquanto subordina essa duração aos esforços do Espírito. Jamais o priva do seu livre-arbítrio: se deste faz ele mau uso, sofre as conseqüências.”

                                                                O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 19:47
Re: O Mal Não Existe?
      Lucazan   (ref #157 em: 19 Set 2013, 22:42)

      O amigo Lucazan escreveu: “A D E, ao meu modo de ver, são as instruções contidas no Livro dos Espíritos e no Livro dos Médiuns. Neles podemos encontrar todas as respostas para nosso aperfeiçoamento".

       Conf: amigo, tenho de lhe perguntar: vc já encontrou “todas” as respostas que servem ao nosso aperfeiçoamento? Se já encontrou, o que é que lhe falta para se aperfeiçoar? Porq é que está ainda neste chamado mundo de expiações?
...............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 28 de Setembro de 2013, 19:57
392 Por que o Espírito encarnado perde a lembrança de seu passado?

– O homem não pode nem deve saber tudo. Deus em Sua sabedoria quer assim. Sem o véu que lhe encobre certas coisas, o homem ficaria deslumbrado, como aquele que passa sem transição do escuro para a luz.O esquecimento do passado o faz sentir-se mais senhor de si.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 20:00
Re: O Mal Não Existe?
      Lucazan   (ref #157 em: 19 Set 2013, 22:42)

      O amigo Lucazan escreveu: “A D E, ao meu modo de ver, são as instruções contidas no Livro dos Espíritos e no Livro dos Médiuns. Neles podemos encontrar todas as respostas para nosso aperfeiçoamento".

       Conf: amigo, tenho de lhe perguntar: vc já encontrou “todas” as respostas que servem ao nosso aperfeiçoamento? Se já encontrou, o que é que lhe falta para se aperfeiçoar? Porq é que está ainda neste chamado mundo de expiações?
...............


192. Pode alguém, por um proceder impecável na vida atual, transpor todos os graus da escala do aperfeiçoamento e tornar-se Espírito puro, sem passar por outros graus intermédios?

“Não, pois o que o homem julga perfeito longe está da perfeição. Há qualidades que lhe são desconhecidas e incompreensíveis. Poderá ser tão perfeito quanto o comporte a sua natureza terrena, mas isso não é a perfeição absoluta. Dá-se com o Espírito o que se verifica com a criança que, por mais precoce que seja, tem de passar pela juventude, antes de chega à idade da madureza; e também com o enfermo que, para recobrar a saúde, tem que passar pela convalescença. Demais, ao Espírito cumpre progredir em ciência e em moral. Se somente se adiantou num sentido, importa se adiante no outro, para atingir o extremo superior da escala. Contudo, quanto mais o homem se adiantar na sua vida atual, tanto menos longas e penosas lhe serão as provas que se seguirem.”

                                                            O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 28 de Setembro de 2013, 20:10
Ola amigo InconrtiJr

Citar
aqui tenho de lhe perguntar: porq um ciclo de reencarnações complicadas e duras?! Porq, se isso não se harmoniza com a Infinita Justiça e o Soberano Amor, ensinados pelas doutrinas? O processo determinado por Deus para nossa evolução se baseia em fazer sofrer? No caso, fazer sofrer encarnações complicadas e duras? Onde estarão aí o Soberano Amor e a Soberana Justiça que as religiões apregoam?

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/210/#ixzz2gDQxpRXk

A resposta já lhe tinha sido dada.

A lógica da vida não é o sofrimento, como um fim. Deus criou-nos para sermos progressivamente livres e felizes. Esse progresso para uma situação melhor depende da nossa vontade.

Todavia, quando nós entramos numa situação em que a nossa vontade colide com a lei do progresso, isto é, nos recusamos a evoluir, o cerco aperta-se.

Deixo uma parábola ilustrativa:

Se uma criança sem juízo se quer atirar a um poço fundo, depois de tudo fazer, sem sucesso, para a convencer, que alternativa têm os pais, que o amam, de o impedir, pela via da força, de correr para o poço?

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 21:05
      Amigos do estudo do tópico   (ref #159, do Lucazan, de 20 Set 2013, 13:28).

      Como entender a doutrina? Raciocinando, questionando, comparando!

      Mas, e se é a própria doutrina que deixa sem explicação qual é a causa disso que perturba de modo terrível a vida de todos os homens, sem exceção de nenhum: o mal e os sofrimentos dele decorrentes?

      Lucaz escreveu: Tudo se resume na questão abaixo:

      Texto LE/634. “Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?”
      Resposta: “Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação”.

      Conf: se existe uma Justiça Divina, como e porq se dizer que “tanto pior para o espírito se escolher” o caminho que Deus deixa que ele escolha? Porq terá sua peregrinação mais longa, se isso significa mais sofrimentos, já que mais distante fica do objetivo que é o aperfeiçoamento e se, pela Doutrina e pela Justiça Divina, só sofre quem merece sofrer?

      Texto: Se não existissem montanhas, não compreenderia o homem que se pode subir e descer; se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. É preciso que o Espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mal. Eis porque o espírito se liga a um corpo. Sem isso o espírito jamais conheceria o mal.

      Conf: qual será a causa que tem como efeito a necessidade de o espirito conhecer tanto o bem como o mal? Só pode ser o fato de o bem e o mal existirem, certo? Mas, se tudo que existe tem uma finalidade ou razão de existir, isso significa que o mal existe para que o espírito, sofrendo e chorando, aprenda a do mal se libertar?!

      Pois, se não existisse o mal, todos seria felizes, nenhum espírito sofreria nem causaria sofrimentos aos demais, não necessitaria conhecer o bem, nem o mal, e nosso mundo seria uma felicidade total, e ninguém poderá dizer que é uma felicidade não merecida.

      Onde é que está a explicação, que, se existe, será sempre imprecisa, que justifique a existência do mal?

      Terá sido o mal criado, ou construído, ou permitido que exista, para que o espírito aprenda a desconstruí-lo, a dele se libertar?

      É verdade que, pela doutrina, o espírito precisa desenvolver suas faculdades intelectuais (discernimento, inteligência, raciocínio, imaginação... etc). Mas essa necessidade justifica, para que seja suprida, os terríveis sofrimentos e males que vemos no mundo? 

      O Infinito Amor faz que soframos de modo torturante para que aprendamos a desenvolver essas faculdades intelectuais q, conforme a doutrina, nos faltam exatamente porq o Infinito Amor nos criou sem elas?

      Texto: A única necessidade do espírito é a de evoluir, e num mundo como o nosso de provas e expiações, a missão é a de dominar este ser e torná-lo melhor, de desenvolver e colocar em pratica o conhecimento adquirido, mas ao se ligar ao corpo, o espírito perde o conhecimento de si mesmo e começa a receber todas as impressões limitadas e cheias de necessidade do corpo.

      Conf: se a única necessidade do espírito é evoluir (evidentemente, devido ao fato de Deus o ter criado simples e ignorante), porq é que ele tem de sofrer para isso? E se essa é sua única necessidade, qual é a razão de tantas vezes agir de modo contrário a ela?

      E se sua missão é dominar o mundo e torná-lo melhor, de desenvolver e colocar em prática o conhecimento adquirido, quem é que ensina <como> fazer isso? Todos, religiões e religiosos somente ensinam <o que fazer>, mas nunca o <como fazer>.

      Neste texto, como em todos os outros, está <o que fazer>: seja bom e caridoso, ame e perdoe, domine os males do mundo, torne o mundo melhor, adquira conhecimentos (espirituais, é óbvio), desenvolva-os e os coloque em prática, não seja orgulhoso nem egoísta... etc etc.

      Sempre <o que fazer>; nunca o <como fazer>!

      Quem é que sabe ensinar <como> fazer isso que devemos fazer? Qual religião, qual psicologia, filosofia, ciência, medicina, cultura, tradição?

      Observem que todos os males morais tem origem exatamente na falta de amor, certo? Mas, quem é que sabe ensinar <como>, num coração vazio de amor, colocar amor? Quem que sabe como substituir o desamor que existe em seu coração, por amor aos demais?

      E, observem, amor nem se ensina, nem se aprende, nem com conselhos, nem com exemplos de quem quer que seja, mesmo que sejam de Jesus!

      Lucaz: Devido a perda do conhecimento de si mesmo... começa a conhecer o instintos naturais de um ser selvagem, cheio de instintos naturais... conhece as paixões, as vicissitudes e a virtude. 

      Conf: tudo lógico e explicado; porém, e todos devem concordar, até agora nada vimos (alis, em todas essas numerosas mensagens do tópico, do Fórum e mesmo em todos os ensinamentos que estão nas obras básicas ou subsidiárias, ou nas palavras de mentores e das religiões), não se encontra sequer uma única explicação satisfatória para a existência disso que aflige a todos os homens desde que se tornam conscientes de si mesmos: do mal, do sofrimento e da necessidade de sofrer... etc.

      Lucaz: O espírito precisa ganhar experiência (conhecimento) para evoluir e neste estagio em que nos encontramos, é resistindo às vicissitudes, pois ela nos leva a praticar ações erradas, o que no leva a praticar o mal. Devemos nos torna virtuosos, praticando ações correta, é isso nos leva a pratica bem.       

      Conf: amigo, sempre ficamos com as mesmas perguntas sem respostas: porq os homens sofrem, se existe um Amor e uma Justiça Divinos? Como entender a doutrina (qualquer doutrina) se nenhuma tem uma explicação para isso que é o que mais perturba a vida de todos os homens, e do que todos, sem exceção de nenhum, sempre procuram fugir?
........................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 21:19
392 Por que o Espírito encarnado perde a lembrança de seu passado?

– O homem não pode nem deve saber tudo. Deus em Sua sabedoria quer assim. Sem o véu que lhe encobre certas coisas, o homem ficaria deslumbrado, como aquele que passa sem transição do escuro para a luz.O esquecimento do passado o faz sentir-se mais senhor de si.


Perder as lembranças do passado não é o mesmo que perder a consciência de si mesmo.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 21:22

 se nenhuma tem uma explicação para isso que é o que mais perturba a vida de todos os homens? E do que todos, sem exceção de nenhum, sempre procuram fugir?



As respostas e explicações existem, sim, na Doutrina Espírita e já foram fartamente colocadas nesse mesmo Fórum!

Apenas que o amigo se recusa a enxergar!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 21:41
      Brenno   (ref #220, de 28.09.13)

      À minha colocação de que "nenhuma doutrina tem explicação para qual é a causa do mal e dos sofrimentos dele decorrentes, coisas das quais os homens, sem exceção de nenhum, sempre procuram fugir", o amigo Brenno respondeu:

      Brenno: As respostas e explicações existem, sim, na Doutrina Espírita e já foram fartamente colocadas nesse mesmo Fórum! Apenas que o amigo se recusa a enxergar!

      Conf: pois, meu jovem amigo, vc sempre diz (e dirá sempre?) que estão na DE, mas nunca conseguirá nos apresentar uma só.

      E se estiver atento verá que, nem neste Fórum, nem em qualquer doutrina, ou ensinamentos de quem quer que sejam, nem nos de Jesus, essa resposta existe.
.....................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Rodrigo da Cruz em 28 de Setembro de 2013, 22:11
Caros amigos do fórum,
A causa dos sofrimentos se origina no mau uso do livre arbítrio, pois toda ação gera uma reação. Essa resposta a Doutrina Espírita nos oferece a respeito dos sofrimentos. Agora, crer no que a DE apresenta ou não já é uma outra questão, mas que nos traz uma explicação, sim nos traz.
Abraços fraternos...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 28 de Setembro de 2013, 22:12
Re: O Mal Não Existe?

      Lucazan   (ref #159 em: 20 Set 2013, 13:28)

      Lucaz escreveu: Tudo se resume na questão abaixo:
      Texto LE/634. “Por que está o mal na natureza das coisas? Falo do mal moral. Não podia Deus ter criado a Humanidade em melhores condições?”
      Resposta: “Já te dissemos: os Espíritos foram criados simples e ignorantes (115). Deus deixa que o homem escolha o caminho. Tanto pior para ele, se toma o caminho mau: mais longa será sua peregrinação”.

      Conf: se existe uma Justiça Divina, como e porq se dizer que “tanto pior para o espírito se escolher” o caminho que Deus deixa ele escolher? Porq terá sua peregrinação mais longa, se isso significa mais sofrimentos, já que mais distante fica do objetivo que é o aperfeiçoamento e se, pela Doutrina, só sofre quem merece sofrer?

      Texto: Se não existissem montanhas, não compreenderia o homem que se pode subir e descer; se não existissem rochas, não compreenderia que há corpos duros. É preciso que o Espírito ganhe experiência; é preciso, portanto, que conheça o bem e o mal. Eis porque o espírito se liga a um corpo. Sem isso o espírito jamais conheceria o mal.

      Conf: qual será a causa que tem como efeito a necessidade tão premente de o espirito conhecer o mal? Só pode ser o fato de o bem e o mal existirem, certo? Mas, se tudo que existe tem uma finalidade ou razão de existir, isso significa que o mal existe para que o espírito, sofrendo e chorando, aprenda a do mal se libertar?!

      Pois, se não existisse o mal, todos seriam felizes, nenhum espírito sofreria nem causaria sofrimentos aos demais, não necessitaria conhecer o bem, nem o mal e nosso mundo seria uma felicidade total e ninguém poderá dizer que é uma felicidade não merecida. Temos de ser infelizes?!

      Onde é que está a explicação, que, se existe, será sempre imprecisa, que justifique a existência do mal?

      Terá sido o mal criado, ou construído, ou permitido que exista, para que o espírito aprenda a desconstruí-lo, a dele se libertar?

      É verdade que, pela doutrina, o espírito precisa desenvolver suas faculdades intelectuais (discernimento, inteligência, raciocínio, imaginação... etc). Mas essa necessidade justifica, para que seja suprida, os terríveis sofrimentos e males que vemos no mundo? Aqueles que têm essa necessidade merecem sofrer?!

      O Infinito Amor faz que soframos de modo torturante para que aprendamos a desenvolver essas faculdades intelectuais q, conforme a doutrina, nos faltam, exatamente, porq o Infinito Amor nos criou sem elas?

      Texto: A única necessidade do espírito é a de evoluir, e num mundo como o nosso de provas e expiações, a missão é a de dominar este ser e torná-lo melhor, de desenvolver e colocar em pratica o conhecimento adquirido, mas ao se ligar ao corpo, o espírito perde o conhecimento de si mesmo e começa a receber todas as impressões limitadas e cheias de necessidade do corpo.

      Conf: se a única necessidade do espírito é evoluir, e isso se deve ao fato de Deus o ter criado simples e ignorante, porq é que ele tem de sofrer para isso? Se essa é sua única necessidade, qual é a razão de tantas vezes agir de modo contrário a ela?

      E se sua missão é dominar o mundo e torná-lo melhor, de desenvolver e colocar em prática o conhecimento adquirido, quem é que ensina <como> fazer isso?

      Todos, religiões e religiosos somente ensinam <o que fazer>, mas nunca o <como fazer>. O que fazer: seja bom e caridoso, ame e perdoe os semelhantes, domine os males do mundo e torne o mundo melhor, adquira conhecimentos (espirituais, é óbvio), e os desenvolva e os coloque em prática, não seja orgulhoso nem egoista... etc etc.

      Quem é que sabe ensinar <como> fazer isso que devemos fazer? Qual religião, qual psicologia, filosofia, ciência, medicina, cultura, tradição?

      Observem que todos os males morais tem origem na falta de amor, certo? Mas, quem é que sabe ensinar <como>, num coração vazio de amor, colocar amor?

      E amor nem se ensina, nem se aprende, nem com conselhos, nem com exemplos de quem quer que seja, mesmo de Jesus.   

      Lucaz: Devido a perda do conhecimento de si mesmo... começa a conhecer o instintos naturais de um ser selvagem, cheio de instintos naturais... conhece as paixões, as vicissitudes e a virtude. 

      Conf: tudo lógico e explicado; porém, e todos devem concordar, até agora nada vimos (aliás, em todas essas numerosas mensagens do tópico, do Fórum e mesmo em todos os ensinamentos que estão nas obras básicas ou subsidiárias, ou nas palavras de mentores, ou em qualquer doutrina, não se encontra sequer uma explicação para a existência disso que aflige a todos os homens desde que se tornam conscientes de si mesmos: do mal, do sofrimento e da necessidade de sofrer... etc.

      Lucaz: O espírito precisa ganhar experiência (conhecimento) para evoluir e neste estagio em que nos encontramos, é resistindo às vicissitudes, pois ela nos leva a praticar ações erradas, o que no leva a praticar o mal. Devemos nos torna virtuosos, praticando ações correta, é isso nos leva a pratica bem.       

      Conf: todos os textos recaem nas mesmas dúvidas: porq os homens sofrem, se existe um Amor e uma Justiça Divinos?
.......................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 23:30

      Conf: pois, meu jovem amigo, vc sempre diz (e dirá sempre?) que estão na DE, mas nunca conseguirá nos apresentar uma só.




Pelo contrário, amigo lconforjr,

Já apresentei muitas vezes a resposta e sempre de acordo com a Doutrina Espírita!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Setembro de 2013, 23:34
Caros amigos do fórum,
A causa dos sofrimentos se origina no mau uso do livre arbítrio, pois toda ação gera uma reação. Essa resposta a Doutrina Espírita nos oferece a respeito dos sofrimentos. Agora, crer no que a DE apresenta ou não já é uma outra questão, mas que nos traz uma explicação, sim nos traz.
Abraços fraternos...


É que a Doutrina Espírita contradiz os desejos daqueles que querem furtar-se à responsabilidade de seus atos!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Rodrigo da Cruz em 29 de Setembro de 2013, 00:14
Sem dúvida Brenno. A Doutrina nos mostra que somos os próprios responsáveis por nossos sofrimentos e tal realidade pode parecer muito dura para alguns.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 29 de Setembro de 2013, 00:52
      Lucazan   (ref #200, de 28 Set 13)

      Lucaz escreveu: Quanta preocupação com o sofrimento, amigo, vamos mudar um pouco o pensamento...

      Conf: Pois é essa também a sua preocupação, amigo Lucazan, preocupação de todos seus instantes, e de todas as pessoas, sem exceção; apenas acontece que vc ainda não percebeu isso. E é, exatamente dessa preocupação que vêm os males do mundo...

      (Continuo mais tarde).
.............................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Aesir Heimdall em 29 de Setembro de 2013, 05:59
Iria citar o conteúdo do vídeo, contudo como já o encontrei acima exposto, penso em apenas em ratificá-lo lhe dizendo que O mal, nada mais é, do que um Bem por vir!
Aliás, o bem e o mal pode ser relativo, pois um pai que tudo dá a um filho, ao invés de estar fazendo-lhe um bem, pode lhe estar fazendo mal, contudo num paradoxo, este mal resultante de uma má formação educacional familiar resultará de certo num aprendizado de mundo, onde através dos erros se chegará à lições impares de vida.
E conhecimento é tudo não é mesmo?
Apenas, aprendemos pelo amor ou pela dor.
Lembre-se que nada é por um acaso, e que não cai uma só folha se não for por vontade dele.
Destarte, análogo à sua exemplificação que retratou um crime bárbaro, lembro-lhe das cruzadas, onde crianças postas à frente no campo de batalha, foram trucidadas por bárbaros, das crianças que foram exterminadas na segunda guerra mundial, e de tantas outras "injustiças' ocorridas neste mundo de Provas e Expiações.
Tudo tem o seu porquê, e Ninguém é Vítima, apenas colhemos o que outrora plantamos.
A questão não é o Castigo, mas sim a Consequência.
Consequência esta que pode ter sido fruto de uma escolha para uma prova, ou  fruto simples de nossos atos para uma expiação.
Como afirmou bem, nosso amigo acima, não há coerência ou perfeição num Deus Bom ter criado o mal...
Frase Budista:
O Conflito não está Entre o Bem e o Mal, mas sim entre o Conhecimento e a Ignorância."
Namastê _/\_
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 29 de Setembro de 2013, 06:57

Aliás, o bem e o mal pode ser relativo

Namastê _/\_


O Bem sendo o cumprimento das Leis divinas e o Mal a sua transgressão, não podem ser conceitos relativos.

Pois que as Leis Divinas são perfeitas, eternas e imutáveis!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 29 de Setembro de 2013, 17:54
Re: O Mal Não Existe?

      Lucazan   (ref #168 em: 21 Set 2013, 19:57)

      Lucazan escreveu: Quem faz e quando se faz as escolhas?
      (Pois) é o espírito quem faz as escolhas das coisas que quer vivenciar durante a encarnação. Esta escolha acontece quando o espírito recobrou o conhecimento de si mesmo. Neste estagio, o espírito pensa de forma diferente, sua percepção e faculdades lhe permitem ver e interpretar melhor tudo ao seu redor. Ele compreende os seus erros e ver oque é necessário para sua evolução. 

      Conf: com isso o amigo quer dizer que na escola em que, obrigatoriamente, compulsoriamente, somos matriculados para nela aprendermos a nos tornar possuidores daquela perfeição possível, e aprender a desenvolver nossas faculdades intelectuais, é exatamente nessa escola que “o próprio Deus nos perturba o aprendizado”?!

      É nessa escola, chamada de escola de espíritos e que é também uma escola do bem e do mal, é nela que Deus coloca vendas em nossos olhos e dificuldades para nosso aprendizado, se é aqui a escola que Ele mesmo preparou para nosso aprendizado? Não consigo entender!

      Deus, em seu processo evolutivo, prepara obstáculos para dificultar nosso aprendizado? Pois esses obstáculos agem de modo a que nossa compreensão de o que é a vida, nossa interpretação dos fatos, dos procedimentos, nossa compreensão de como devemos agir e de como fazer corretamente nossas escolhas, sejam prejudicadas e ainda mais, como vc diz, nosso aprendizado será ainda mais perturbado, pois nossas faculdades de aprendizado estarão mais perturbadas qdo na carne do que ado estamos fora da carne! É isso mesmo?!

      Lucaz: Mas em um mundo de provas e expiações, o espírito encontra-se muito próximo da sua criação e seu conhecimento é pouco. Sabendo oque precisa para poder melhorar ele pede nova oportunidade para enfrentar as mesmas dificuldades.
      Nenhum espírito pede pra ter uma viva de sofrimento. Ele pede para enfrentar as suas fraquezas.

      Conf: raciocínio simples e lógico mas, e qual é a causa dessas suas fraquezas? E esse sofrimento a que o amigo se referiu, qual é sua causa? O desejo de enfrentar suas fraquezas? Isso significa que o processo evolutivo criado pela Suprema Sabedoria, pelo Soberano Amor e Justiça, se baseia no fazer sofrer, é isso? Pois já desde o início, devido a nossas fraquezas que, é evidente, não se originam em nossa vontade de ser fracos, temos, se desejamos progredir, de nos submeter a sofrimentos?!

      Lucaz: Quando o espírito reencarna perde a consciência de si mesmo. Ele age sobre o corpo e o corpo sobre ele. Como não lembra de seu passado, vive como se fosse sua unica vida e suas escolhas surgem, independente das escolhas, seu corpo reagem a elas.

      Conf: e perder a consciência de si mesmo, isso o ajuda a evoluir? Perder a consciência de si mesmo e se tornar cheio de instintos próprios de animais selvagens (como disse o amigo também em msg anterior) isso o ajuda em seu aprendizado?

      Lucaz: Não podemos esquecer que o corpo tem instintos próprios. Instintos ininteligentes e limitados a sua conservação, que são passados ao espírito. O espírito ainda longe da perfeição como nós, assimila esses instintos e dependendo de sua evolução moral, mata, odeia, rouba, estupra, agride, vinga-se, ofende, etc... Se ele for um por (pouo?) evoluído ele perdoa, ama, ajuda, dá, etc...

      Conf: aqui o amigo me faz lembrar uma outra questão sempre repetida, mas nunca respondida: qual é a causa dos terríveis sofrimentos do espírito encarnado, que lhe vêm, conforme a doutrina, da também terrível lei de causa e efeito? Isso que vc colocou, “dependendo de sua evolução moral, mata, odeia, rouba, estupra, agride, vinga-se, ofende, etc” é a causa desses sofrimentos?   

      Lucaz: parece que o sofrimento mexe muito contigo, mas entenda, se uma pessoa sofre muito, não é uma punição ou castigo. Ela sofre porque ainda não aprendeu a lidar com os sentimentos ligados ao seu sofrimento.

      Conf: parece que o amigo está estranhando, mas o sofrimento não mexe só comigo; mexe, e muito, com vc, com os seus entes queridos, com todos, sem exceção de ninguém; até mesmo com aquele que acaba de abrir os olhos para a vida consciente.

      E perceba que o fato de vc dizer que "não é punição ou castigo", contradiz frontalmente o que está nas obras básicas, pois o próprio OLE é rico de referencias a castigos, penalidades, leis punitivas, locais de castigos, castigos torturantes, castigos que até levam a multiplicadas encarnações sofridas a se estenderem a até milhões de anos e que, para certos espíritos, se assemelham a castigos ou penalidades, eternas!

      E esse “sofrer porque ainda não aprendeu a lidar com os sentimentos ligados ao seu sofrimento”, também contradiz a doutrina diz pois, para a DE, como todas as doutrinas deístas ou teistas, só sofre quem merece sofrer (exceção apontadas na DE).

      Lucaz: A lei de causa e efeito irá nos cobra as nossas ações, isso é inevitável. Mas, apesar do que ouvimos por aí, quando iremos ser cobrado por nossas ações. Digo que após muito estudar (livros e reuniões mediúnicas) a cobrança acontece após o desencarne e é por isso que passamos pelo período chamado de perturbação.     

      Conf: sim, meu jovem, inevitável (conforme a doutrina), mas só inevitável se (de novo conforme a doutrina) tivermos agido, propositadamente, contra as leis divinas.

      Lucaz: Se sofremos hoje é porque cometemos novos erros.

      Conf: aqui o amigo lembra outras questões, também tantas vezes apresentadas, mas nunca respondidas de modo conclusivo: qual é a causa de cometermos novos erros? Porq é que os cometemos no passado? Porq é que fizemos escolhas tão enormemente erradas ao ponto de estarmos, hoje, devido a elas, sofrendo de modo torturante e mesmo insuportável? O amigo já raciocinou sobre isso? Tem as respostas?
.....................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 29 de Setembro de 2013, 18:33

Pois é o espírito.........................
............................Tem as respostas?



                                                         Justiça das aflições

3. Somente na vida futura podem efetivar-se as compensações que Jesus promete aos aflitos da Terra. Sem a certeza do futuro, estas máximas seriam um contra-senso; mais ainda: seriam um engodo. Mesmo com essa certeza, dificilmente se compreende a conveniência de sofrer para ser feliz. E, dizem, para se ter maior mérito. Mas, então, pergunta-se: por que sofrem uns mais do que outros? Por que nascem uns na miséria e outros na opulência, sem coisa alguma haverem feito que justifique essas posições? Por que uns nada conseguem, ao passo que a outros tudo parece sorrir? Todavia, o que ainda menos se compreende é que os bens e os males sejam tão desigualmente repartidos entre o vício e a virtude; e que os homens virtuosos sofram, ao lado dos maus que prosperam. A fé no futuro pode consolar e infundir paciência, mas não explica essas anomalias, que parecem desmentir a justiça de Deus.
Entretanto, desde que admita a existência de Deus, ninguém o pode conceber sem o infinito das perfeições. Ele necessariamente tem todo o poder, toda a justiça, toda a bondade, sem o que não seria Deus. Se é soberanamente bom e justo, não pode agir caprichosamente, nem com parcialidade. Logo, as vicissitudes da vida derivam de uma causa e, pois que Deus é justo, justa há de ser essa causa. Isso o de que cada um deve bem compenetrar-se. Por meio dos ensinos de Jesus, Deus pôs os homens na direção dessa causa, e hoje, julgando-os suficientemente maduros para compreendê-la, lhes revela completamente a aludida causa, por meio do Espiritismo, isto é, pela palavra dos Espíritos.

                                           O Evangelho Segundo o Espiritismo

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 29 de Setembro de 2013, 18:36

Conf: gostaria de ..................
..............................a admitirão.



                                          Causas atuais das aflições

4. De duas espécies são as vicissitudes da vida, ou, se o preferirem, promanam de duas fontes bem diferentes, que importa distinguir. Umas têm sua causa na vida presente; outras, fora desta vida.
Remontando-se à origem dos males terrestres, reconhecer-se-á que muitos são conseqüência natural do caráter e do proceder dos que os suportam.
Quantos homens caem por sua própria culpa! Quantos são vítimas de sua imprevidência, de seu orgulho e de sua ambição!
Quantos se arruinam por falta de ordem, de perseverança, pelo mau proceder, ou por não terem sabido limitar seus desejos!
Quantas uniões desgraçadas, porque resultaram de um cálculo de interesse ou de vaidade e nas quais o coração não tomou parte alguma!
Quantas dissensões e funestas disputas se teriam evitado com um pouco de moderação e menos suscetibilidade!
Quantas doenças e enfermidades decorrem da intemperança e dos excessos de todo gênero!
Quantos pais são infelizes com seus filhos, porque não lhes combateram desde o princípio as más tendências! Por fraqueza, ou indiferença, deixaram que neles se desenvolvessem os germens do orgulho, do egoísmo e da tola vaidade, que produzem a secura do coração; depois, mais tarde, quando colhem o que semearam, admiram-se e se afligem da falta de deferência com que são tratados e da ingratidão deles.
Interroguem friamente suas consciências todos os que são feridos no coração pelas vicissitudes e decepções da vida; remontem passo a passo à origem dos males que os torturam e verifiquem se, as mais das vezes, não poderão dizer: Se eu houvesse feito, ou deixado de fazer tal coisa, não estaria em semelhante condição.
A quem, então, há de o homem responsabilizar por todas essas aflições, senão a si mesmo? O homem, pois, em grande número de casos, é o causador de seus próprios infortúnios; mas, em vez de reconhecê-lo, acha mais simples, menos humilhante para a sua vaidade acusar a sorte, a Providência, a má fortuna, a má estrela, ao passo que a má estrela é apenas a sua incúria.
Os males dessa natureza fornecem, indubitavelmente, um notável contingente ao cômputo das vicissitudes da vida. O homem as evitará quando trabalhar por se melhorar moralmente, tanto quanto intelectualmente.

5. A lei humana atinge certas faltas e as pune. Pode, então, o condenado reconhecer que sofre a conseqüência do que fez. Mas a lei não atinge, nem pode atingir todas as faltas; incide especialmente sobre as que trazem prejuízo à sociedade e não sobre as que só prejudicam os que as cometem, Deus, porém, quer que todas as suas criaturas progridam e, portanto, não deixa impune qualquer desvio do caminho reto, Não há falta alguma, por mais leve que seja, nenhuma infração da sua lei, que não acarrete forçosas e inevitáveis conseqüências, mais ou menos deploráveis. Daí se segue que, nas pequenas coisas, como nas grandes, o homem é sempre punido por aquilo em que pecou. os sofrimentos que decorrem do pecado são-lhe uma advertência de que procedeu mal. Dão-lhe experiência, fazem-lhe sentir a diferença existente entre o bem e o mal e a necessidade de se melhorar para, de futuro, evitar o que lhe originou uma fonte de amarguras; sem o que, motivo não haveria para que se emendasse. Confiante na impunidade, retardaria seu avanço e, conseqüentemente, a sua felicidade futura.
Entretanto, a experiência, algumas vezes, chega um pouco tarde: quando a vida já foi desperdiçada e turbada; quando as forças já estão gastas e sem remédio o mal, Põe-se então o homem a dizer: "Se no começo dos meus dias eu soubera o que sei hoje, quantos passos em falso teria evitado! Se houvesse de recomeçar, conduzir-me-ia de outra maneira. No entanto, já não há mais tempo!" Como o obreiro preguiçoso, que diz: "Perdi o meu dia", também ele diz: "Perdi a minha vida". Contudo, assim como para o obreiro o Sol se levanta no dia seguinte, permitindo-lhe neste reparar o tempo perdido, também para o homem, após a noite do túmulo, brilhará o Sol de uma nova vida, em que lhe será possível aproveitar a experiência do passado e suas boas resoluções para o futuro.

                                            O Evangelho Segundo o Espiritismo

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 29 de Setembro de 2013, 19:10
      Amigos    (ref msg do Vitor, #198 em: 28 Set 13, às 10:40)

      Repito o que já foi colocado, Conf (msg anterior)) para que não se perca o fio do assunto:

      Conf (msg ant): gostaria de acrescentar algumas palavras: se esses “demônios interiores” são os vícios, maldades, imperfeições, egoísmo, orgulho etc etc, quem é que sabe ensinar o <como> fazer isso, como persegui-los ou como eliminá-los?

      Vitor: A minha frase visava mostrar que a luta religiosa se centra, muitas vezes, na busca e redenção dos defeitos alheios, mas que raramente se prende com a busca do aperfeiçoamento pessoal, interior.
      Conf: olá, amigo Vitor, entendi o que vc quis dizer; coloquei a questão acima porq suas palavras me deram oportunidade de colocá-la e sempre que tenho oportunidade trago assuntos para os quais nunca encontro respostas entre os companheiros de estudo. Não me referi especificamente a vc ao dizer que ninguém sabe ensinar o <como> fazer, mas a todos, religiões e adeptos. Pois se soubéssemos o <como> fazer não estaríamos cometendo erros, não s teríamos cometido no passado e, é evidente, não estaríamos ainda neste mundo de expiações.

      Vitor: Através do auto-conhecimento, da comparação de quem éramos ontem e de quem somos hoje (nós mesmos, não os outros), como nos ensina S. Agostinho, no LE, sob o tema da perfeição.

      Conf: esse auto-conhecimento que vc refere, ensinado por Agostinho, o levará a conhecer a diferença entre “antes” e “depois”, isto é, entre o que vc era ontem, ou no passado, e o que é agora. Conhece a diferença; não conhece a si mesmo, por inteiro, senão nesses pequenos intervalos de tempo.

      Vitor: O amigo tem um caminho bem claro, que pode seguir, se quiser, como todos nós:- Não fazer aquilo que reprova em outrém;
- Não fazer aos outros aquilo que não gostaria que lhe fosse feito, nem a si, nem aqueles que mais ama.- Se não fizer o que está indicado acima, já não é mau de todo, mas o ideal é ainda superar isso, e fazer aos outros aquilo que gostaria que lhe fosse feito. A si e aqueles que mais ama.

      Conf: esse não é o caminho para um auto-conhecimento, de o que vc é; esse apenas pode lhe trazer uma consciência mais tranquila, mais leve, pois estará agindo em benefício do próximo e acha que é isso que deve fazer.

      Mas esse agir em benefício dos semelhantes pode ter várias conotações ou significados: interesse pessoal, aquisição de méritos, uma melhor imagem frente a opinião publica, obediência ao que os Grandes, os mandamentos, a ética religiosa, aconselham e ensinam.

      Vc pode estar fazendo tudo que deve fazer em benefício do próximo mas, se nisso não houver amor, vc será, como disse Paulo, apenas um sino rachado que por mais que nele bata o pêndulo, ele não retine. Portanto, levar benefícios a qtos forem, milhões que sejam, não é amar, não é amor.

      O amor ou a amar vem, não da repetição continuada de exercícios que beneficiem o próximo, mas da compreensão, ou percepção, de que amar é extremamente necessário, de que sem o amor, a humanos e não humanos, o mundo, a vida será mais caótica do que é.

        Assim, o amor é imprescindível para nossa caminhada. E aqui vai uma pergunta a que ninguém, nem doutrinas, responde: e <como> é que se faz para ter amor, para amar? Quem é que sabe como fazer isso? Basta querer?

      Pois, com certeza, refletindo e raciocinando como manda a doutrina e todos os homens sensatos, a amar ou a ter amor ninguém ensina, ninguém aprende nem com ensinamentos, nem com conselhos, nem com exemplos de quem quer que sejam, mesmo que venham de Jesus.   
.................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 29 de Setembro de 2013, 19:19

Repito.........................
.......................venham de Jesus.   



                                               Causas anteriores das aflições

6. Mas, se há males nesta vida cuja causa primária é o homem, outros há também aos quais, pelo menos na aparência, ele é completamente estranho e que parecem atingi-lo como por fatalidade. Tal, por exemplo, a perda de entes queridos e a dos que são o amparo da família. Tais, ainda, os acidentes que nenhuma previsão poderia impedir; os reveses da fortuna, que frustram todas as precauções aconselhadas pela prudência; os flagelos naturais, as enfermidades de nascença, sobretudo as que tiram a tantos infelizes os meios de ganhar a vida pelo trabalho: as deformidades, a idiotia, o cretinismo, etc.
Os que nascem nessas condições, certamente nada hão feito na existência atual para merecer, sem compensação, tão triste sorte, que não podiam evitar, que são impotentes para mudar por si mesmos e que os põe à mercê da comiseração pública. Por que, pois, seres tão desgraçados, enquanto, ao lado deles, sob o mesmo teto, na mesma família, outros são favorecidos de todos os modos?
Que dizer, enfim, dessas crianças que morrem em tenra idade e da vida só conheceram sofrimentos? Problemas são esses que ainda nenhuma filosofia pôde resolver, anomalias que nenhuma religião pôde justificar e que seriam a negação da bondade, da justiça e da providência de Deus, se se verificasse a hipótese de ser criada a alma ao mesmo tempo que o corpo e de estar a sua sorte irrevogavelmente determinada após a permanência de alguns instantes na Terra. Que fizeram essas almas, que acabam de sair das mãos do Criador, para se verem, neste mundo, a braços com tantas misérias e para merecerem no futuro urna recompensa ou uma punição qualquer, visto que não hão podido praticar nem o bem, nem o mal?
Todavia, por virtude do axioma segundo o qual todo efeito tem uma causa, tais misérias são efeitos que hão de ter uma causa e, desde que se admita um Deus justo, essa causa também há de ser justa. Ora, ao efeito precedendo sempre a causa, se esta não se encontra na vida atual, há de ser anterior a essa vida, isto é, há de estar numa existência precedente. Por outro lado, não podendo Deus punir alguém pelo bem que fez, nem pelo mal que não fez, se somos punidos, é que fizemos o mal; se esse mal não o fizemos na presente vida, tê-lo-emos feito noutra. E uma alternativa a que ninguém pode fugir e em que a lógica decide de que parte se acha a justiça de Deus.
O homem, pois, nem sempre é punido, ou punido completamente, na sua existência atual; mas não escapa nunca às conseqüências de suas faltas. A prosperidade do mau é apenas momentânea; se ele não expiar hoje, expiará amanhã, ao passo que aquele que sofre está expiando o seu passado. O infortúnio que, à primeira vista, parece imerecido tem sua razão de ser, e aquele que se encontra em sofrimento pode sempre dizer: 'Perdoa-me, Senhor, porque pequei.

7. Os sofrimentos devidos a causas anteriores à existência presente, como os que se originam de culpas atuais, são muitas vezes a conseqüência da falta cometida, isto é, o homem, pela ação de uma rigorosa justiça distributiva, sofre o que fez sofrer aos outros. Se foi duro e desumano, será a seu turno tratado duramente e com desumanidade; se foi orgulhoso, poderá nascer em humilhante condição; se foi avaro, egoísta, ou se fez mau uso de suas riquezas, poderá ver-se privado do necessário; se foi mau filho, poderá sofrer pelo procedimento de seus filhos, etc.
Assim se explicam pela pluralidade das existências e pela destinação da Terra, como mundo expiatório, as anomalias que apresenta a distribuição da ventura e da desventura entre os bons e os maus neste planeta. Semelhante anomalia, contudo, só existe na aparência, porque considerada tão-só do ponto de vista da vida presente. Aquele que se elevar, pelo pensamento, de maneira a apreender toda uma série de existências, verá que a cada um é atribuída a parte que lhe compete, sem prejuízo da que lhe tocará no mundo dos Espíritos, e verá que a justiça de Deus nunca se interrompe.
Jamais deve o homem olvidar que se acha num mundo inferior, ao qual somente as suas imperfeições o conservam preso. A cada vicissitude, cumpre-lhe lembrar-se de que, se
pertencesse a um mundo mais adiantado, isso não se daria e que só de si depende não voltar a este, trabalhando por se melhorar.

8. As tribulações podem ser impostas a Espíritos endurecidos, ou extremamente ignorantes, para levá-los a fazer uma escolha com conhecimento de causa. Os Espíritos penitentes, porém, desejosos de reparar o mal que hajam feito e de proceder melhor, esses as escolhem livremente. Tal o caso de um que, havendo desempenhado mal sua tarefa, pede lha deixem recomeçar, para não perder o fruto de seu trabalho As tribulações, portanto, são, ao mesmo tempo, expiações do passado, que recebe nelas o merecido castigo, e provas com relação ao futuro, que elas preparam. Rendamos graças a Deus, que, em sua bondade, faculta ao homem reparar seus erros e não o condena irrevogavelmente por uma primeira falta.

9. Não há crer, no entanto, que todo sofrimento suportado neste mundo denote a existência de uma determinada falta. Muitas vezes são simples provas buscadas pelo Espírito para concluir a sua depuração e ativar o seu progresso. Assim, a expiação serve sempre de prova, mas nem sempre a prova é uma expiação. Provas e expiações, todavia, são sempre sinais de relativa inferioridade, porquanto o que é perfeito não precisa ser provado. Pode, pois, um Espírito haver chegado a certo grau de elevação e, nada obstante, desejoso de adiantar-se mais, solicitar uma missão, uma tarefa a executar, pela qual tanto mais recompensado será, se sair vitorioso, quanto mais rude haja sido a luta. Tais são, especialmente, essas pessoas de instintos naturalmente bons, de alma elevada, de nobres sentimentos inatos, que parece nada de mau haverem trazido de suas precedentes existências e que sofrem, com resignação toda cristã, as maiores dores, somente pedindo a Deus que as possam suportar sem murmurar. Pode-se, ao contrário, considerar como expiações as aflições que provocam queixas e impelem o homem à revolta contra Deus.
Sem dúvida, o sofrimento que não provoca queixumes pode ser uma expiação; mas, é indício de que foi buscada voluntariamente, antes que imposta, e constitui prova de forte resolução, o que é sinal de progresso.

10. Os Espíritos não podem aspirar à completa felicidade, enquanto não se tenham tornado puros: qualquer mácula lhes interdita a entrada nos mundos ditosos. São como os passageiros de um navio onde há pestosos, aos quais se veda o acesso à cidade a que aportem, até que se hajam expurgado. Mediante as diversas existências corpóreas é que os Espíritos se vão expungindo, pouco a pouco, de suas imperfeições. As provações da vida os fazem adiantar-se, quando bem suportadas. Como expiações, elas apagam as faltas e purificam. São o remédio que limpa as chagas e cura o doente. Quanto mais grave é o mal, tanto mais enérgico deve ser o remédio. Aquele, pois, que muito sofre deve reconhecer que muito tinha a expiar e deve regozijar-se à idéia da sua próxima cura. Dele depende, pela resignação, tornar proveitoso o seu sofrimento e não lhe estragar o fruto com as suas impaciências, visto que, do contrário, terá de recomeçar.

                                      O Evangelho segundo o Espiritismo

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 29 de Setembro de 2013, 20:12
      Lucazan   (ref #200 em: 30.09.13, às 13:57)
 

      Amigo Lucaz, voltemos àquela msg que eu disse que depois voltaria.
...
      Lucaz: Ninguém é infeliz por que existe um mal provocando situações desfavoráveis. As pessoas são infelizes e sofrem por serem vaidosos, arrogantes, egoístas, gananciosos, etc...

      Conf: exato, meu amigo, nós, somos infelizes por sermos, entre outras coisas, como vc diz, vaidosos, arrogantes, egoístas, orgulhosos etc.

      Mas, se devemos ter uma “fé raciocinada”, lhe pergunto: e porq é que somos vaidosos, arrogantes, egoístas, orgulhosos etc, se isso nos torna, como vc mesmo disse, infelizes e cheios de sofrimentos?

       Desejamos sofrer? E se, pela doutrina, só sofre quem merece sofrer, onde é que nisso que vc colocou está alguma coisa que nos faz merecedores de sofrimentos?

      Nestas nossas conversas ainda não vimos sequer uma ação que seja transgressão às leis de Deus e que, portanto, justifique a imposição das terríveis conseqüências da lei de causa e efeito, aos homens!

      Aliás, em nenhum tópico do fórum, nem na doutrina, em nenhuma doutrina, conseguimos vislumbrar sequer uma responsabilidade ou culpa que caiba aos homens pelos seus erros.

      Se todos os efeitos têm uma causa (se algum dos  amigos puder me corrigir, por favor me corrija) algum amigo, se puder, me mostre, ou explique qual é a causa dos sofrimentos!
...

      Lucaz: Quanta preocupação com o sofrimento amigo, vamos mudar um pouco o pensamento...

      Conf: mas é o sofrimento o que mais perturba, e de modo tantas vezes desesperador, a vida dos humanos e dos não humanos)!

      Meu amigo, essa é também a sua preocupação, e de sua esposa, filhos, amigos, inimigos, de todos... apenas vc ainda não deve ter percebido!...

      Pois, me diga: qual é a luta de todos os homens (todos, portanto incluindo vc, também), do mais virtuoso ao mais corrupto, sem exceção de nenhum? E uma luta sem fim, pois desde que se tornam conscientes, desde que abrem os olhos para a vida, até que os fecham pela perda consciência, mesmo que momentânea, ao adormecer... e, na vida encarnada, desde q abrem os olhos para ela até que os fecham pela morte?

      Essa é a sua, a minha, a de seus filhos e queridos, por mais inconscientes que sejamos dela; afinal é a luta de todos, sejam corruptos ou virtuosos, sejam iluminados ou pecadores, seja pelo caminho do bem, pela prática de boas ações, qto pelo caminho do mal, pela prática de ações más.

      Qual é a luta que o homem, todos eles, travam desde que nascem, até que morrem e, conforme a doutrina, depois da morte? É uma luta incessante e sem fim em busca da felicidade, o que significa uma luta também sem fim de tentar fugir, de se afastar o mais possível de todos os sofrimentos.

      Sempre e sempre procuramos nos aproximar do que mais nos faz felizes e nos afastar do que mais nos traz infelicidades. Não é isso?

      Lucaz: Só passa pela condição de sofrimento o espírito que necessita aprender a lidar com este sentimento. Não é uma punição e um aprendizado.

     Conf: amigo Lucazan, vc não sofre? Vc conhece alguém que não sofra? Todos, sem exceção de ninguém, sofrem e, por isso, é que a doutrina diz que este é um mundo de expiações.
........................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 30 de Setembro de 2013, 06:11

Lucaz: Ninguém....................
......................................de expiações.



                                                 Esquecimento do passado

11. Em vão se objeta que o esquecimento constitui obstáculo a que se possa aproveitar da experiência de vidas anteriores. havendo Deus entendido de lançar um véu sobre o passado, é que há nisso vantagem. Com efeito, a lembrança traria gravíssimos inconvenientes. Poderia, em certos casos, humilhar-nos singularmente, ou, então, exaltar-nos o orgulho e, assim, entravar o nosso livre-arbítrio. Em todas as circunstâncias, acarretaria inevitável perturbação nas relações sociais.
Freqüentemente, o Espírito renasce no mesmo meio em que já viveu, estabelecendo de novo relações com as mesmas pessoas, a fim de reparar o mal que lhes haja feito. Se reconhecesse nelas as a quem odiara, quiçá o ódio se lhe despertaria outra vez no íntimo. De todo modo, ele se sentiria humilhado em presença daquelas a quem houvesse ofendido.
Para nos melhorarmos, outorgou-nos Deus, precisamente, o de que necessitamos e nos basta: a voz da consciência e as tendências instintivas. Priva-nos do que nos seria prejudicial.
Ao nascer, traz o homem consigo o que adquiriu, nasce qual se fez; em cada existência, tem um novo ponto de partida. Pouco lhe importa saber o que foi antes: se se vê punido, é que praticou o mal. Suas atuais tendências más indicam o que lhe resta a corrigir em si próprio e é nisso que deve concentrar-se toda a sua atenção, porquanto, daquilo de que se haja corrigido completamente, nenhum traço mais conservará. As boas resoluções que tomou são a voz da consciência, advertindo-o do que é bem e do que é mal e dando-lhe forças para resistir às tentações.
Aliás, o esquecimento ocorre apenas durante a vida corpórea. Volvendo à vida espiritual, readquire o Espírito a lembrança do passado; nada mais há, portanto, do que uma interrupção temporária, semelhante à que se dá na vida terrestre durante o sono, a qual não obsta a que, no dia seguinte, nos recordemos do que tenhamos feito na véspera e nos dias precedentes.
E não é somente após a morte que o Espírito recobra a lembrança dó passado. Pode dizer-se que jamais a perde, pois que, como a experiência o demonstra, mesmo encarnado, adormecido o corpo, ocasião em que goza de certa liberdade, o Espírito tem consciência de seus atos anteriores; sabe por que sofre e que sofre com justiça. A lembrança unicamente se apaga no curso da vida exterior, da vida de relação. Mas, na falta de uma recordação exata, que lhe poderia ser penosa e prejudicá-lo nas suas relações sociais, forças novas haure ele nesses instantes de emancipação da alma, se os sabe aproveitar.

                                                     Motivos de resignação

12. Por estas palavras: Bem-aventurados os aflitos, pois que serão consolados, Jesus aponta a compensação que hão de ter os que sofrem e a resignação que leva o padecente a bendizer do sofrimento, como prelúdio da cura.
Também podem essas palavras ser traduzidas assim: Deveis considerar-vos felizes por sofrerdes, visto que as dores deste mundo são o pagamento da dívida que as vossas passadas faltas vos fizeram contrair; suportadas pacientemente na Terra, essas dores vos poupam séculos de sofrimentos na vida futura. Deveis, pois, sentir-vos felizes por reduzir Deus a vossa dívida, permitindo que a saldeis agora, o que vos garantirá a tranqüilidade no porvir.

                                             O Evangelho Segundo o Espiritismo

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 30 de Setembro de 2013, 12:03
Olá amigo Rodrigo

Citar
Sem dúvida Brenno. A Doutrina nos mostra que somos os próprios responsáveis por nossos sofrimentos e tal realidade pode parecer muito dura para alguns.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/225/#ixzz2gN1YBlWT

Todos somos responsáveis pelos nossos actos, na medida em que as leis da natureza (tanto as que regem a matéria, como as que regem os espiritos), não têm contemplações com ninguém. Todos estão sujeitos à mesma resposta da natureza, nas mesmas condições. Deus é imparcial. Deus não perdoa, apenas criou nas suas divinas leis ajudas para melhor suportarmos a vida, que correspondem à inspiração dos bons espiritos, sobretudo dos nossos Guardiões. Aliás Deus nunca perdoaria, porque quem perdoa é quem se ofende, e eu não acredito que Deus se ofenda. Deus não tem características humanas, e muito menos defeitos humanos.

A realidade, aqui na Terra, é efectivamente dura para todos, venha de onde vier a responsabilidade. Este planeta é hostil, não é um mar de rosas, existem doenças, existe a velhice, existe a perda dos nossos entes queridos, existe a possibilidade de perder o sustento, por via do desemprego, ou porque um negócio não aguentou a concorrência. Pensar que se pode escapar, por completo, durante toda uma vida, à precariedade deste mundo, é estar iludido. Ninguém, mas ninguém, aqui na Terra, está livre de sofrer. Isso é uma utopia, uma ideia que vem dos contos de fadas. A vida é mesmo dura, em regra.

Se há culpados conscientes e voluntários, que, conhecendo as leis espirituais, com um grau de certeza muito grande, actuam contra elas, então eles são masoquistas, pois sabendo o que é melhor para eles mesmos, optam por outra via. São como aquelas pessoas que esbanjam o dinheiro todo, mesmo tendo consciência plena  que as forças lhe podem faltar na velhice. Optam por um bem hoje, que podiam dispensar, faltando-lhe recursos para adquirir outros bens essenciais no futuro. 

Normalmente as pessoas jogam com a dúvida, com a incerteza. E não assim um grau de certeza assim tão elevado, em relação às leis espirituais que as regem. Muitas nem sequer acreditam que são mais do que meros corpo de carne. E que culpa têm elas de pensar assim, num mundo em que há tanta gente a apregoar tantas teorias religiosas, tantas doutrinas distintas? - Sejamos tolerantes em relação às culpas dos outros, para que eles o sejam em relação às nossas. 

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 01 de Outubro de 2013, 05:25

E não assim um grau de certeza assim tão elevado, em relação às leis espirituais que as regem.

bem haja


Na Verdade, a maioria age com pouquíssimo, ou nenhum, grau de certeza.

Devemos lembrar que ainda somos muito ignorantes.

Porém a Justiça Divina é perfeita!

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: EsoEstudos em 29 de Outubro de 2013, 02:18
O mal tem origem nos vícios e paixões, os quais, por sua vez, decorrem do instinto de conservação. É o que diz a DE (A Gênese).
Logo, existe o mal, objetivamente.
Não concordo com essa coisa de que mal é ausência de bem...  Mal é ato consciente e não  mera omissão da conduta reversa...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 29 de Outubro de 2013, 02:47
O mal tem origem nos vícios e paixões, os quais, por sua vez, decorrem do instinto de conservação. É o que diz a DE (A Gênese).
Logo, existe o mal, objetivamente.
Não concordo com essa coisa de que mal é ausência de bem...  Mal é ato consciente e não  mera omissão da conduta reversa...


E, assim, teríamos que o Bem nenhum valor possui, pois que é "apenas" a ausência do Mal.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mourarego em 29 de Outubro de 2013, 14:06
Mano Lucazan,
A questão trata da benção e da maldição.
Não confundir e generalizar o texto ali exposto.
Abraços,
Moura

o mal e o bem são conceitos relativos.

bem haja


Sendo o mal uma transgressão das Leis Divinas (Perfeitas e Imutáveis) não pode variar nem com o tempo nem de acordo com pontos-de-vista.



Vamos analisar se o mal é uma transgressão das Leis Divinas:

557 A bênção e a maldição podem atrair o bem e o mal sobre aqueles em quem são lançadas?

– Deus não escuta uma maldição injusta e aquele que a pronuncia é culpado a seus olhos. Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto. Além disso, muitas vezes, se maldizem os maus e se abençoam os bons. A bênção e a maldição não podem nunca desviar a Providência do caminho da justiça e nunca atinge o maldito senão quando é mau. A sua proteção cobre apenas aquele que a merece.

"Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus e como acréscimo de prova para aquele que dela é objeto."

Se a influência do bem e do mal só ocorre pela vontade de Deus (Leis Divinas perfeitas e imutáveis) o mal não pode ser uma transgressão das Leis Divina.

Pelo que entendo da Doutrina Espírita, afirmar que o bem e o mal existem como forças do universo é um erro cometido ao analisarem acontecimentos que ocorrem naturalmente e que são mal observado e mal compreendido.


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 02 de Novembro de 2013, 17:05
Caro mano Moura....

Não se apegue às palavras, analise apenas o que a resposta afirma sobre o bem e o mal...

"Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus"

Tanto o bem como o mal, só ocorre ou acontece com a permissão de Deus.

Temos o livre arbítrio para tomarmos qual ação, boa ou má e qualquer que seja a ação tomada, esta estará sempre dentro desta permissão, pois ninguém consegue ultrapassa esta permissão ou leis naturais.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Kazaoka em 02 de Novembro de 2013, 17:38
O BEM e o MAL são duas contingências na fase de transitoriedade como a que presentemente vivemos. Portanto, a condição de bem e de mal passam a existir em nós e no ambiente que vivemos à medida que nossos sentimentos materializam-se em
ações morais que os fazem materializar-se no nosso ambiente de convivência, tanto físico quanto espiritual..
O que há de fundamental em saber é que o bem tende a perpetuar-se com a evolução do Espírito, e o mal a extinguir-se. Tudo é uma questão de tempo. E este tempo ser mais ou menos longo fica na dependência do empenho do Espírito em agilizar seu aprimoramento.
E o que preocupa o Bem é o acomodamento do Espírito no mal, como tem acontecido ainda nos tempos atuais.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 03 de Novembro de 2013, 05:02
Caro mano Moura....

Não se apegue às palavras, analise apenas o que a resposta afirma sobre o bem e o mal...

"Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus"

Tanto o bem como o mal, só ocorre ou acontece com a permissão de Deus.

Temos o livre arbítrio para tomarmos qual ação, boa ou má e qualquer que seja a ação tomada, esta estará sempre dentro desta permissão, pois ninguém consegue ultrapassa esta permissão ou leis naturais.


E o que é o Livre-Arbítrio senão a "permissão" de Deus para seguirmos ou transgredirmos Suas Leis, criando, assim, tanto o Bem quanto o Mal?

Assim, o que diz a DE é sempre válido: "O mal existe e tem uma causa" (A Gênese).

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Novembro de 2013, 12:12
Olá

Citar
"O mal existe e tem uma causa"

Concordo. O mal é uma acção que impede o progresso espiritual - leva à estagnação espiritual. E os espiritos podem praticar essa acção com a permissão de Deus. O bem é uma acção que facilita ou promove o progresso espiritual.

Mas mal e bem são acções. As causas e as consequências do mal são transitórias, uma vez que todos chegaremos a uma fase que jamais faremos o mal. A causa do mal é a ignorância espiritual. Pois, segundo a doutrina espirita, o progresso espiritual conduz à felicidade. Quem está certo disso e quer ser mais feliz pratica o bem. A não ser que seja masoquista e goste de ser infeliz.

As consequências do bem são definitivas, pois os espiritos não retrogradam. Todo o avanço espiritual é uma conquista que jamais se perde.

O que não existe são "criaturas más". Uma criatura pode fazer o mal, mas o que a conduz a fazer esse tipo de acção é a ignorância espiritual, a imaturidade espiritual. Não existem criaturas criadas más. A tal causa de que Kardec fala é a ignorância espiritual.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 03 de Novembro de 2013, 13:27
      Vitor   (ref #245, de 02.11.13)

      Perfeito, Vitor. Todo mal é fruto da ignorância. Não existem criaturas más; o que existe é a ignorância que faz que as criaturas produzam o mal. Se fôssemos sábios, porq praticaríamos o mal, certo?
....................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: EsoEstudos em 03 de Novembro de 2013, 15:49
Olá

Citar
"O mal existe e tem uma causa"

Concordo. O mal é uma acção que impede o progresso espiritual - leva à estagnação espiritual. E os espiritos podem praticar essa acção com a permissão de Deus. O bem é uma acção que facilita ou promove o progresso espiritual.

Mas mal e bem são acções. As causas e as consequências do mal são transitórias, uma vez que todos chegaremos a uma fase que jamais faremos o mal. A causa do mal é a ignorância espiritual. Pois, segundo a doutrina espirita, o progresso espiritual conduz à felicidade. Quem está certo disso e quer ser mais feliz pratica o bem. A não ser que seja masoquista e goste de ser infeliz.

As consequências do bem são definitivas, pois os espiritos não retrogradam. Todo o avanço espiritual é uma conquista que jamais se perde.

O que não existe são "criaturas más". Uma criatura pode fazer o mal, mas o que a conduz a fazer esse tipo de acção é a ignorância espiritual, a imaturidade espiritual. Não existem criaturas criadas más. A tal causa de que Kardec fala é a ignorância espiritual.

bem haja

Concordo... Considerar o mal como o frio (ausência de calor), creio, é reducionismo mecanicista.
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 03 de Novembro de 2013, 22:12
Olá

Citar
"O mal existe e tem uma causa"

Concordo. O mal é uma acção que impede o progresso espiritual - leva à estagnação espiritual. E os espiritos podem praticar essa acção com a permissão de Deus. O bem é uma acção que facilita ou promove o progresso espiritual.

Mas mal e bem são acções. As causas e as consequências do mal são transitórias, uma vez que todos chegaremos a uma fase que jamais faremos o mal. A causa do mal é a ignorância espiritual. Pois, segundo a doutrina espirita, o progresso espiritual conduz à felicidade. Quem está certo disso e quer ser mais feliz pratica o bem. A não ser que seja masoquista e goste de ser infeliz.

As consequências do bem são definitivas, pois os espiritos não retrogradam. Todo o avanço espiritual é uma conquista que jamais se perde.

O que não existe são "criaturas más". Uma criatura pode fazer o mal, mas o que a conduz a fazer esse tipo de acção é a ignorância espiritual, a imaturidade espiritual. Não existem criaturas criadas más. A tal causa de que Kardec fala é a ignorância espiritual.

bem haja


Concordo, amigo Vítor.

Existem aqueles que praticam o mal conscientes de que aquilo que praticam é um mal, mas, mesmo esses, não têm a consciência de todas as consequências que esta prática lhes trará. Nisso ainda são ignorantes.


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 04 de Novembro de 2013, 10:43
Olá amigo Brenno

Citar
Existem aqueles que praticam o mal conscientes de que aquilo que praticam é um mal, mas, mesmo esses, não têm a consciência de todas as consequências que esta prática lhes trará. Nisso ainda são ignorantes.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/240/#ixzz2jfhwKaY9

Esses são os ignorantes espirituais. Podem saber que estão a fazer mal, segundo os critérios sociais vigentes. Mas esses critérios dependem das sociedades onde se inserem. Se forem daquelas sociedades muçulmanas que determinam que o adultério é um mal, podem achar bem apedrejar as mulheres por isso.

Os espiritualizados não estão preocupados com os critérios sociais, mas com a respectiva evolução espiritual. E entendem que, para Deus, todos os espiritos são igualmente importantes. Mesmo aqueles que praticam o mal. Que se trata de "crianças espirituais sem juízo", que se prejudicam a si mesmas mais do que prejudicam os outros. O espiritualizado não deseja vingança, nem se vinga, pelo contrário lastima os irmãos que fazem o mal, pois que estão a atrasar o progresso espiritual deles, que é o mais importante de tudo na vida.
 
bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Mourarego em 04 de Novembro de 2013, 13:02
Mano Luca,
apenas indiquei que a questão falava das bençãos e das maldições, pois que o L.A. de agir todos sabemos, não pode ultrapassar a Lei Natural.
Abraços,
Moura
Caro mano Moura....

Não se apegue às palavras, analise apenas o que a resposta afirma sobre o bem e o mal...

"Como temos os dois opostos, o bem e o mal, ela pode ter uma influência momentânea, até mesmo sobre a matéria; mas essa influência ocorre apenas pela vontade de Deus"

Tanto o bem como o mal, só ocorre ou acontece com a permissão de Deus.

Temos o livre arbítrio para tomarmos qual ação, boa ou má e qualquer que seja a ação tomada, esta estará sempre dentro desta permissão, pois ninguém consegue ultrapassa esta permissão ou leis naturais.


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 05 de Novembro de 2013, 00:11

Esses são os ignorantes espirituais. Podem saber que estão a fazer mal, segundo os critérios sociais vigentes.
 
bem haja


O mal de que falei não está atrelado à critérios ou convenções sociais, mas às Leis Divinas.

Muitos há que praticam o mal mesmo espiritualmente conscientes (mesmo estando desencarnados e conscientes de sua existência como Espíritos).

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 05 de Novembro de 2013, 14:31
      Não há quem pratique o mal conscientemente; todos os que o praticam estão, de algum modo, num estado de consciência não sã; não estão ainda, convencidos de que o mal é desvantajoso para todos, para o mundo e até mesmo para eles. Sempre, por trás da prática do mal está a ignorância.
..................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 06 de Novembro de 2013, 02:26
      Não há quem pratique o mal conscientemente; todos os que o praticam estão, de algum modo, num estado de consciência não sã; não estão ainda, convencidos de que o mal é desvantajoso para todos, para o mundo e até mesmo para eles. Sempre, por trás da prática do mal está a ignorância.
..................


O amigo acredita que, entre aqueles que conhecem a Doutrina Espírita, nenhum há que pratique uma ação contrária às Leis Divinas (um mal) de forma consciente?

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 06 de Novembro de 2013, 09:43
      Exato, amigo Brenno. Só praticam o mal os absolutamente ignorantes das coisas do espirito, ou os que têm a mente de algum modo perturbada.
...............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 06 de Novembro de 2013, 11:40
Olá amigo Brenno

Citar
O amigo acredita que, entre aqueles que conhecem a Doutrina Espírita, nenhum há que pratique uma ação contrária às Leis Divinas (um mal) de forma consciente?


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/240/#ixzz2jrVi2kai

Conhecer a doutrina espirita, de um ponto de vista meramente intelectual, nada diz sobre a sabedoria espiritual da pessoa. O que interessa é o que a própria pessoa acredita real e intimamente. E é essa a forma que ela opta para agir, supondo que pode agir livremente. Os únicos que têm sabedoria espiritual plena são os espiritos puros. Nós somos aprendizes, não sábios. O aprendiz conhece superficialmente, o sábio conhece profundamente.

Se alguém conhece mesmo a doutrina espirita sabe que fazer o mal o prejudica essencialmente a si mesmo. Logo age contra si próprio. Se ele não se sabe comportar a favor das leis da natureza, que regem os espiritos, elas actuarão de forma a levá-lo a corrigir-se para passar a agir a favor das mesmas. E isso pode envolver sofrimento e atrasa a respectiva evolução espiritual, que é o maior crime que pode cometer contra si mesmo.

Aquele que é atingido pelo mal que outra pessoa lhe faz, só é prejudicado se, em vez de aprender a lição que a vida lhe está a dar, não perdoar, se desejar vingar-se ou vingar-se. Se deixar levar pelo ressentimento e pelo ódio. Isto é, se age a desfavor de si mesmo. Apesar de alguns nos puderem fazerem mal, todos são nossos irmãos espirituais, em Deus. É isso que ensina a doutrina espirita.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 07 de Novembro de 2013, 04:24

Conhecer...........
..........................espirita.

bem haja


Se alguém conhece mesmo a doutrina espirita sabe que fazer o mal o prejudica essencialmente a si mesmo. Logo age contra si próprio.

Pois é, amigo Vitor,

E, mesmo esses, praticam o mal.


Aquele que é atingido pelo mal que outra pessoa lhe faz, só é prejudicado se, em vez de aprender a lição que a vida lhe está a dar, não perdoar, se desejar vingar-se ou vingar-se.

Independentemente de aprender a lição que a vida lhe está a dar, perdoar, não desejar vingar-se ou vingar-se, aquele que é assassinado (é vítima de um mal) é sempre prejudicado:

746. É crime aos olhos de Deus o assassínio?

“Grande crime, pois que aquele que tira a vida ao seu semelhante corta o fio de uma existência de expiação ou de missão. Aí é que está o mal".

                                                                O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Rodrigo da Cruz em 17 de Novembro de 2013, 13:43
Caro Vitor,
Em poucas palavras o amigo conseguiu sintetizar a visão da Doutrina a respeito do tema abordado neste tópico.
Parabéns!


Conhecer a doutrina espirita, de um ponto de vista meramente intelectual, nada diz sobre a sabedoria espiritual da pessoa. O que interessa é o que a própria pessoa acredita real e intimamente. E é essa a forma que ela opta para agir, supondo que pode agir livremente. Os únicos que têm sabedoria espiritual plena são os espiritos puros. Nós somos aprendizes, não sábios. O aprendiz conhece superficialmente, o sábio conhece profundamente.

Se alguém conhece mesmo a doutrina espirita sabe que fazer o mal o prejudica essencialmente a si mesmo. Logo age contra si próprio. Se ele não se sabe comportar a favor das leis da natureza, que regem os espiritos, elas actuarão de forma a levá-lo a corrigir-se para passar a agir a favor das mesmas. E isso pode envolver sofrimento e atrasa a respectiva evolução espiritual, que é o maior crime que pode cometer contra si mesmo.

Aquele que é atingido pelo mal que outra pessoa lhe faz, só é prejudicado se, em vez de aprender a lição que a vida lhe está a dar, não perdoar, se desejar vingar-se ou vingar-se. Se deixar levar pelo ressentimento e pelo ódio. Isto é, se age a desfavor de si mesmo. Apesar de alguns nos puderem fazerem mal, todos são nossos irmãos espirituais, em Deus. É isso que ensina a doutrina espirita.

bem haja
[/quote]
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 17 de Novembro de 2013, 19:26
Olá amigo Brenno

Citar
Independentemente de aprender a lição que a vida lhe está a dar, perdoar, não desejar vingar-se ou vingar-se, aquele que é assassinado (é vítima de um mal) é sempre prejudicado:

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/255/#ixzz2kvr8Y8D7

É sempre prejudicado materialmente. Do ponto de vista espiritual pode ser ou não. O prejuízo material pode ser um bem, se for útil para a evolução espiritual. É uma prova. Se for vencida é um ganho (aprendemos o que a vida nos queria ensinar), se for perdida, se a lição que se devia aprender não se aprendeu, é uma expiação (aprendizagem pela força). Mas a expiação também pode ser útil, pois a correcção pela via da força também é correcção.

Quem faz o mal é um infeliz que é aproveitado para fazer suportar o sofrimento aos outros. Para esse que faz o mal é sempre um prejuízo, em termos espirituais. Em termos materiais pode ser até um ganho. Do ponto de vista espiritual, o verdadeiro prejuízo é para quem faz o mal, e não para quem o sofre.   

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 18 de Novembro de 2013, 03:45
Olá amigo Brenno

Citar
Independentemente de aprender a lição que a vida lhe está a dar, perdoar, não desejar vingar-se ou vingar-se, aquele que é assassinado (é vítima de um mal) é sempre prejudicado:

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/255/#ixzz2kvr8Y8D7

É sempre prejudicado materialmente. Do ponto de vista espiritual pode ser ou não. O prejuízo material pode ser um bem, se for útil para a evolução espiritual. É uma prova. Se for vencida é um ganho (aprendemos o que a vida nos queria ensinar), se for perdida, se a lição que se devia aprender não se aprendeu, é uma expiação (aprendizagem pela força). Mas a expiação também pode ser útil, pois a correcção pela via da força também é correcção.

Quem faz o mal é um infeliz que é aproveitado para fazer suportar o sofrimento aos outros. Para esse que faz o mal é sempre um prejuízo, em termos espirituais. Em termos materiais pode ser até um ganho. Do ponto de vista espiritual, o verdadeiro prejuízo é para quem faz o mal, e não para quem o sofre.   

bem haja


Amigo Vitor,

Se não há prejuízo Espiritual não há crime. Seguir-se-ia que o assassinato pode ou não ser um crime o que não tem nenhuma lógica.


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Lucazan em 18 de Novembro de 2013, 09:17
Correto!!!!

Enquanto pensarmos como homem, não aprenderemos nada da vida espiritual.
Estudar a doutrina espírita tendo como base a vida material e um erro que se comete a anos e apenas retarda a evolução.



Caro Vitor,
Em poucas palavras o amigo conseguiu sintetizar a visão da Doutrina a respeito do tema abordado neste tópico.
Parabéns!


Conhecer a doutrina espirita, de um ponto de vista meramente intelectual, nada diz sobre a sabedoria espiritual da pessoa. O que interessa é o que a própria pessoa acredita real e intimamente. E é essa a forma que ela opta para agir, supondo que pode agir livremente. Os únicos que têm sabedoria espiritual plena são os espiritos puros. Nós somos aprendizes, não sábios. O aprendiz conhece superficialmente, o sábio conhece profundamente.

Se alguém conhece mesmo a doutrina espirita sabe que fazer o mal o prejudica essencialmente a si mesmo. Logo age contra si próprio. Se ele não se sabe comportar a favor das leis da natureza, que regem os espiritos, elas actuarão de forma a levá-lo a corrigir-se para passar a agir a favor das mesmas. E isso pode envolver sofrimento e atrasa a respectiva evolução espiritual, que é o maior crime que pode cometer contra si mesmo.

Aquele que é atingido pelo mal que outra pessoa lhe faz, só é prejudicado se, em vez de aprender a lição que a vida lhe está a dar, não perdoar, se desejar vingar-se ou vingar-se. Se deixar levar pelo ressentimento e pelo ódio. Isto é, se age a desfavor de si mesmo. Apesar de alguns nos puderem fazerem mal, todos são nossos irmãos espirituais, em Deus. É isso que ensina a doutrina espirita.

bem haja
[/quote]
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 18 de Novembro de 2013, 12:08
Olá amigo Brenno

Citar
Amigo Vitor,

Se não há prejuízo Espiritual não há crime. Seguir-se-ia que o assassinato pode ou não ser um crime o que não tem nenhuma lógica.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/255/#ixzz2kzm6bK00

Não é bem isso que eu quis dizer, amigo. Mas vai lá perto.

Uma coisa é a intenção e/ou a acção do agressor, por exemplo do homicida. Para esse não só há crime material e espiritual, como há grave prejuízo, do ponto de vista espiritual. Ele é o maior prejudicado, mesmo que escape à justiça da Terra. Porque as leis da natureza, que governam a matéria, e as que governam os espiritos, não falham. A justiça divina não se engana nem falha.

Em meu entender, a justiça da Terra tem de existir, face ao baixo nível espiritual dos habitantes da Terra. A esse nível crime, é sempre crime. Para agressor e para a vitima. E há sempre o direito de reparação.

Para o que foi vitima da agressão, o simples facto de ter sido vitima de um crime não é um prejuízo espiritual. É uma prova. Se a pessoa é capaz de reagir positivamente não há prejuízo espiritual, ainda que exista prejuízo material.

Agora se a pessoa se deixa levar pelo ódio, pelo desejo e/ou exercício de vingança, pelo ressentimento, efectivamente deixa-se prejudicar pelo crime, do ponto de vista espiritual. E até pode afectar a própria saúde física por causa dessa atitude. A prova passa a expiação. E essa expiação não é provocada pelo crime, mas pela atitude errada da vitima, perante o mesmo. A vitima deixa que um acontecimento desagradável no passado se prolongue no tempo indefinidamente. Em vez de o ultrapassar.

A morte, só por si, não é um castigo para quem morre. Pode sê-lo para quem cá fica. Pois a morte do corpo de carne é uma lei da natureza inevitável, que afecta todos. Ninguém lhe escapa. Mas se uma pessoa está muito agarrada à vida, e se revolta contra a própria morte, pode ser prejudicada espiritualmente por essa atitude. Aqueles que dependem da pessoa que foi vitima do crime também podem ser prejudicados material e psicologicamente, evidentemente.

Todos os eventos da nossa vida, agradáveis ou desagradáveis, que nos conduzem a maior sabedoria espiritual, a maior experiência espiritual, enfim à evolução espiritual, não são prejuízos espirituais, ainda que possam representar dor e sofrimento. O que interessa é que essa dor, esse sofrimento, esse evento, agradável ou desagradável tenha conduzido a entender a lição que a vida nos quis dar.

Todos os eventos da nossa vida que conduzam à estagnação espiritual, são prejuízos espirituais, ainda que possam ser benefícios materiais, ainda que sejam agradáveis, que sejam gozos.

As contas fazem-se sempre em evolução espiritual. Ou é positiva, no fim da nossa vida na Terra, ou é nula, tenha a vida sido mais ou menos agradável. Para nos prejudicarmos, do ponto de vista espiritual, é porque nós fazemos ou não evitamos o mal que podíamos evitar, e não fazemos o bem que podíamos fazer e não fizemos. O mal que os outros nos fazem, só por si, não nos prejudica nem beneficia do ponto de vista espiritual. Torna as provas da vida mais dificieis, e vencê-las tem ainda mais mérito. Quando mais difícil é a prova maior é o mérito. E se há dificuldades adicionais, o demérito não é tão grave como se não as houvesse.

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 19 de Novembro de 2013, 06:19

Para o que foi vitima da agressão, o simples facto de ter sido vitima de um crime não é um prejuízo espiritual. É uma prova. Se a pessoa é capaz de reagir positivamente não há prejuízo espiritual, ainda que exista prejuízo material.

bem haja


O prejuízo que sofre o assassinado é ter obstada a sua prova ou expiação.

Se não houvesse prejuízo espiritual para o assassinado, não haveria crime no assassinato.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 19 de Novembro de 2013, 12:15
Olá amigo Brenno

Citar
O prejuízo que sofre o assassinado é ter obstada a sua prova ou expiação.

Se não houvesse prejuízo espiritual para o assassinado, não haveria crime no assassinato.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/o-ceu-e-o-inferno/o-mal-nao-existe/255/#ixzz2l5f6taAC

Ninguém vive na carne para sempre. Vai existir sempre um motivo que vai levar à morte do corpo. Se esse motivo é doença, velhice - desgaste do corpo irreparável, uma catástrofe natural, um acidente provocado por causas não naturais, etc., tudo pode acontecer. Mas tem de haver um pretexto para desencarnar.

O homicídio é apenas mais uma das possíveis causas de morte. Mas por ser homicídio nada nos diz que é extemporâneo. A hora certa para a passagem daquela pessoa podia ser aquela. Se não era, a pessoa reencarnará de novo, para completar a experiência que lhe cabia. Nessa medida pode ser visto como um prejuízo, mas não podemos garantir que assim é, ou que assim é sempre.

Entretanto o espírito poderá aprender algo no intervalo entre reencarnações que possa ser útil e lhe venha facilitar a conclusão da experiência (há crianças que se lembram da última reencarnação, e normalmente são casos de erraticidades curtas, o que pode ser indicio de um interrupção da encarnação anterior antes da experiência que seria necessária ter ocorrido).     

Para o espírito de quem pratica o homicídio, é um prejuízo espiritual gravíssimo. Para os que cá ficam, família e/ou dependentes de quem partiu, pode ser um prejuízo material e psicológico gravíssimo, para os operadores do sistema judicial é um crime, porque é ilegal.

De qualquer modo, a lei espirita de justiça, e o principio da Bondade divina, dizem-nos que quem comete o crime é sempre mais prejudicado espiritualmente do que quem é vitima do crime. E quem é evoluído espiritualmente sabe e/ou sente isso. Por isso, bons espiritos não cometem voluntária e conscientemente homicídios. O "escândalo" tem de surgir através de alguém, mais aí daquele que o trás...

Mas mesmo quem comete o crime pode ter atenuantes. Se é um policia em acção, se é um militar em combate, podem estar numa missão de proteger uma população. Se for um militar do serviço militar obrigatório, em lei marcial, pode ter de se sujeitar ao fuzilamento se foge do combate e trai o exército a que pertence. O criminoso que o policia alvejou podia alvejar um terceiro, se não fosse detido. O que nasceu numa família de criminosos tem mais desculpa do que aquele que foi educado por pessoas de bem (no sentido moral, claro).

Não vamos também chegar ao extremo de imaginar que o homicídio é uma vantagem para a vitima. Todavia o resultado nós não conhecemos. E depende dos casos. Deixo um exemplo caso em que me parece evidente que a vitima ganhou com o homicídio: Jesus de Nazaré. Pois ele já havia cumprido a missão que o trouxe à Terra.

O que é certo é que, quem é evoluído espiritualmente sabe que o mal que lhe faz mais mal é sempre aquele que ele mesmo faz, e não o que lhe fazem a ele. Assim, ao prejudicar alguém, sabe que, do ponto de vista espiritual, será sempre mais prejudicado do que aquele a quem prejudica. Ou seja, sabe que existe um grave auto-prejuízo. Por isso, se comete voluntária e consciente o crime, ou é fraco, sabe o que é melhor, mas não é capaz de o fazer e age de outra forma, ou é masoquista, ou é tolo. O que é absurdo, pois se o espírito é fraco, masoquista ou tolo, não pode ser espiritualmente evoluído.
 
bem haja         
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 20 de Novembro de 2013, 01:50

Deixo um exemplo caso em que me parece evidente que a vitima ganhou com o homicídio: Jesus de Nazaré. Pois ele já havia cumprido a missão que o trouxe à Terra.

bem haja       


Então, amigo Vitor,

Aqueles que "assassinaram" (Há controvérsias) Jesus de Nazaré nenhum mal, nenhum crime cometeram, pois que não causaram nenhum prejuízo espiritual ao Mestre!

Será?


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 20 de Novembro de 2013, 12:28
somos julgados segundo nossas intencoes, essa regra resume resume tudo. paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Vitor Santos em 20 de Novembro de 2013, 13:36
Olá amigo Brenno

Não é fácil entender quem era Jesus de Nazaré, para o poder caracterizar. Ele é uma luz brilhante demais para que eu me atreva a isso.

Todavia, há que distinguir entre ser vitima de um mal, e ser prejudicado espiritualmente por esse mal.

No meu entendimento, Jesus de Nazaré foi vitima do mal, pois sentiu na carne e na alma a crueldade de alguns homens, que não conseguiram suportar a Luz que os ofuscava, que mostrava claramente a inferioridade deles. Que não deixava esconder o que eles queriam esconder.

Contudo, a morte do corpo de carne de Jesus, do ponto de vista espiritual, foi, provavelmente uma dupla vantagem para ele:

1) Libertou-se deste mundo, deste duro purgatório, que escolheu como campo de batalha para a maior missão espiritual de paz da história da humanidade. O espírito que encarnou em Jesus de Nazaré decerto já não merecia moradas como a Terra a não ser em missão especial. O momento da morte do corpo de carne dele foi decerto de libertação espiritual e não de prejuízo espiritual.

2) Cumpriu uma missão de alto nível, e isso, decerto, não resultou num prejuízo espiritual, mas numa recompensa espiritual. Ele era muito evoluído, e esta missão, ainda o elevou mais, decerto.

Um mal que nos fazem e que nos faz progredir espiritualmente é um bem para nós mesmos. Não é um prejuízo espiritual. Pode ser duro, desagradável, materialmente prejudicial, enquanto dura, mas depois é um beneficio e não um prejuízo. E é por isso que Deus permite o sofrimento. Que Deus permitiu a crucificação de Jesus de Nazaré.

A frase: "Pai perdoa-lhes que eles não sabem o que fazem", mostra-nos a atitude de perdão de quem não tem a tentação da vingança.

Aqueles que têm a tentação da vingança, não entendendo as leis espirituais, em vez de perdoar cometem um novo crime. Para esses, o mal que sofrem pode motivar os maus instintos, que eles possuem, a manifestar-se. Mas isso é devido aos maus instintos e não ao mal que sofreram.     

bem haja
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 21 de Novembro de 2013, 00:15
Olá amigo Brenno

Não é fácil entender quem era Jesus de Nazaré, para o poder caracterizar. Ele é uma luz brilhante demais para que eu me atreva a isso.

Todavia, há que distinguir entre ser vitima de um mal, e ser prejudicado espiritualmente por esse mal.

No meu entendimento, Jesus de Nazaré foi vitima do mal, pois sentiu na carne e na alma a crueldade de alguns homens, que não conseguiram suportar a Luz que os ofuscava, que mostrava claramente a inferioridade deles. Que não deixava esconder o que eles queriam esconder.


bem haja


É exatamente isso que eu venho colocando desde o princípio, amigo Vitor:

O mal existe (é a transgressão das Leis Divinas) e tem uma causa (A prática de atos materiais no exercício do Livre-Arbítrio).


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 21 de Novembro de 2013, 02:00
Re: O Mal Não Existe?

      Rodrigo da Cruz   (ref #210, 28 de Setembro de 2013, 19:16)

      Olá, novo companheiro de jornada. Me perdoe só responder, agora, sua msg citada acima.
...

      Rodrigo escreveu: O conhecimento da Doutrina Espírita me fez conceber o mal como fruto da ignorância dos espíritos menos evoluídos e o bem como a compreensão das verdades eternas, pelos espíritos mais evoluídos. Na minha opinião, neste planeta de provas e expiações, no qual habitamos, vivemos no meio termo; ninguém é cem por cento bom, tampouco cem por cento mau.

      Conf: Pois é, meu jovem; concordo com vc, fruto da ignorância pois, se não fôssemos ignorantes das leis de Deus e de suas terríveis consequências, porq erraríamos, certo?

      Pois, sem dúvida não erramos por desejo de ir contra a vontade de Deus, nem por desejo de sofrer, certo?

      Mas, agora raciocinando: se o mal é fruto da ignorância, e se em face da justiça divina, como diz a DE, todos os sofrimentos são merecidos e justos, isto é, se só sofre que merece sofrer, e só merece sofrer aquele que transgride a lei de Deus, o fato de fazer o mal devido a ser ignorante, é transgressão à Lei? Merece sofrer quem é menos evoluído pelo fato de ser menos evoluído?
...........
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 22 de Novembro de 2013, 08:48

      Mas, agora raciocinando: se o mal é fruto da ignorância, e se em face da justiça divina, como diz a DE, todos os sofrimentos são merecidos e justos, isto é, se só sofre que merece sofrer, e só merece sofrer aquele que transgride a lei de Deus, o fato de fazer o mal devido a ser ignorante, é transgressão à Lei? Merece sofrer quem é menos evoluído pelo fato de ser menos evoluído?
...........


Amigo Iconforjr,

Dois exemplos:

Estuprar, ignorando que seja um mal, não transgride as Leis Divinas?

Assassinar, ignorando que seja um mal, não transgride as Leis Divinas?

Quem estupra ou assassina, o faz porque quer e não porque ignore que seja um mal (transgressão das Leis Divinas).


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 22 de Novembro de 2013, 14:42
      Brenno Stoklos (ref #269, 22.11.13)

      Certamente, meu amigo, mas a ignorância é inimputável até frente às falhas leis humanas; se, pelas leis divinas, todo sofrimento é merecido e justo, praticar um ato por ignorá-lo um mal, sem dúvida qualquer penalidade não seria nem merecida nem justa.
............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Rodrigo da Cruz em 23 de Novembro de 2013, 14:06
Caro lconforjr e demais amigos do fórum,

Quando digo que o mal é fruto da ignorância, não quero dizer que seja praticado inconscientemente, mas sim, sem se pensar na sua gravidade e nos prejuízos que isso trará para a vida além-túmulo. Assim sendo, seria ignorância espiritual, e não, que um criminoso agisse como tal por desconhecer o malefício de seu ato.

Quanto a questão do sofrimento devido ao mal praticado, não creio que seria injusto, visto que a Doutrina nos ensina que o sofrimento é uma bênção para a evolução do espírito. Contudo, se o entendermos única e exclusivamente como penalidade ou castigo pela transgressão das "Leis de Deus", sem levarmos em consideração a sua finalidade de depuração espiritual, aí sim seria injusto. Assim entendo.

Abraços fraternos...

Re: O Mal Não Existe?

      Rodrigo da Cruz   (ref #210, 28 de Setembro de 2013, 19:16)

      Olá, novo companheiro de jornada. Me perdoe só responder, agora, sua msg citada acima.
...

      Rodrigo escreveu: O conhecimento da Doutrina Espírita me fez conceber o mal como fruto da ignorância dos espíritos menos evoluídos e o bem como a compreensão das verdades eternas, pelos espíritos mais evoluídos. Na minha opinião, neste planeta de provas e expiações, no qual habitamos, vivemos no meio termo; ninguém é cem por cento bom, tampouco cem por cento mau.

      Conf: Pois é, meu jovem; concordo com vc, fruto da ignorância pois, se não fôssemos ignorantes das leis de Deus e de suas terríveis consequências, porq erraríamos, certo?

      Pois, sem dúvida não erramos por desejo de ir contra a vontade de Deus, nem por desejo de sofrer, certo?

      Mas, agora raciocinando: se o mal é fruto da ignorância, e se em face da justiça divina, como diz a DE, todos os sofrimentos são merecidos e justos, isto é, se só sofre que merece sofrer, e só merece sofrer aquele que transgride a lei de Deus, o fato de fazer o mal devido a ser ignorante, é transgressão à Lei? Merece sofrer quem é menos evoluído pelo fato de ser menos evoluído?
...........
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 23 de Novembro de 2013, 18:29
Re: O Mal Não Existe?

      Amigos   (ref msg #271, de Rodrigo da Cruz, de  23.11.13, 14:06)

      Para entender a DE, é preciso raciocinar!como ela recomenda.  Não, simplesmente aceitar tudo que lemos, sem mesmo raciocinar, por termos confiança em suas fontes.
...
      RCruz escreveu: Quando digo que o mal é fruto da ignorância, não quero dizer que seja praticado inconscientemente, mas sim, sem se pensar na sua gravidade e nos prejuízos que isso trará para a vida além-túmulo.

      Conf: perfeito; e, qdo nos referimos à ignorância, queremos tomá-la sob três aspectos:

      - o primeiro: conforme a doutrina, a ignorância nada mais é que uma condição decretada pelo Supremo Amor, e por nós inconscientemente assumida no ato da criação!

      - o segundo: a ignorância em seu sentido literal, pois se sábios fôssemos, jamais cometeríamos qualquer ação nociva contra qualquer um, humano ou não humano, e mesmo contra a natureza e a criação e, portanto, a lei de causa e efeito jamais  nos alcançaria para nos impor penalidades;

      - o terceiro: ignorância qto às coisas do espírito, qto às leis divinas e suas terríveis conseqüências, como vc colocou.

      - e, sem dúvida, esses os aspectos nos isentam dos sofrimentos da Lei pois, pela doutrina, e em face da Perfeita Justiça, todos e quaisquer sofrimentos que nos atingem são merecidos e justos e, portanto, só merecem sofrer aqueles que, conscientemente, transgridem as leis do amor (exceção: provas solicitadas, missões assumidas).

      RC: Quanto a questão do sofrimento devido ao mal praticado, não creio que seria injusto, visto que a Doutrina nos ensina que o sofrimento é uma bênção para a evolução...

      Conf: meu jovem, aí há algumas considerações que exigem, como manda a doutrina, raciocínio e reflexão:

      - primeira consideração: será o processo evolutivo criado por Aquele que é nosso pai, Perfeita Sabedoria, Perfeitos Amor e Justiça, um processo cujo método mais eficiente é baseado no fazer sofrer e tantas vezes de modo torturante, desesperador e insuportável?

      - segunda: o fazer que alguém sofra de modo desesperador ensina esse alguém a amar? Ou o ensina a odiar a vida e o legislador da lei que  lhe impõe sofrimentos e a seus queridos?

      - terceira: Aquele que sofre terrivelmente aprende a amar o seu algoz, o causador de suas desgraças, tragédias, misérias, cânceres, deformações físicas e mentais, dores e lágrimas seus e de seus queridos?

      - quarta: Se não há sofrer, não há aprendizado de amar, não há evolução?

      - quinta: A amar aprendemos com as chicotadas dos sofrimentos, que o mundo nos mostra, que fazem com que muitos desistam da vida, por a tornarem insuportável, por não verem mais sentido na vida e por passarem a descrer de Deus e de seu poder e amor? 

      - sexta: Teria a Perfeição Absoluta criado filhos tão néscios, tão curtos de inteligência e de entendimento, tão insensíveis que, para que aprendam a deixar o caminho do mal, só o fazem à força de chicotadas, pés decepados à machadadas, escravidão aos crimes e às drogas, doenças fétidas e humilhantes, de assistir sua filhinha, sua alegria e razão de viver, ser, na sua frente, cruelmente estuprada e morta por malfeitores...? 

      - sétima: qual será a causa de aqueles que são criados sem tendências nem para o bem, nem para o mal, escolherem se inclinar para perversidades e perversões, que mais prejudicam sua evolução do que satisfazem seus desejos de fazer o mal?

      - oitava: qual é a a causa de alguém, que podendo fazer o bem e, em consequência, ser mais feliz, conscientemente escolhe fazer o mal e, em consequência, ser alvo das mais extremas infelicidades e desgraças?

      - nona: serão os canceres, a loucura, os aleijões, o perder ou nascer sem membros, sem cérebro, sem visão, com deformações psicológicas, físicas ou mentais, a escravidão às drogas, o sequestro e assassinato de  crianças para lucrar na venda de órgãos etc, serão essas as bênçãos de Deus, as bênçãos que a Suprema Sabedoria criou para que seus filhos aprendam a amar?
...
      Como recomenda a DE, sempre devemos ter uma "fé raciocinada".
..........
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 23 de Novembro de 2013, 21:20
      Brenno Stoklos (ref #269, 22.11.13)

      Certamente, meu amigo, mas a ignorância é inimputável até frente às falhas leis humanas; se, pelas leis divinas, todo sofrimento é merecido e justo, praticar um ato por ignorá-lo um mal, sem dúvida qualquer penalidade não seria nem merecida nem justa.
............


A ignorância, amigo Iconforjr,

É quanto as consequências e não quanto ao valor do ato em si.


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 24 de Novembro de 2013, 20:50
      Brenno Stoklos (ref #273, de 23.11.13)

      Conf (msg anterior); Certamente, meu amigo, mas a ignorância é inimputável até frente às falhas leis humanas; se, pelas leis divinas, todo sofrimento é merecido e justo, praticar um ato por ignorá-lo um mal, sem dúvida qualquer penalidade não seria nem merecida nem justa.
............
      Brenno comentou: A ignorância, amigo Iconforjr. É quanto as consequências e não quanto ao valor do ato em si.

      Conf: olá meu jovem, não é isso que a doutrina ensina, que as penalidades têm relação com as consequências do ato. Aí não há justiça, não há a mínima justiça e, para a DE, a justiça divina é infinitamente perfeita e aplicada com infinita perfeição.
.............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Rodrigo da Cruz em 24 de Novembro de 2013, 23:30
Caro lconforjr,
Você acha impossível o homem não ter esse alcance? Infelizmente, não tem meu caro. Se tivéssemos, se realmente fôssemos sábios não estaríamos em um planeta de provas e expiações. Você precisa levar em conta que nem todos têm o conhecimento da Doutrina, às vezes, você se expressa em seu comentário como se todos fossem sabedores de certas verdades e não são. É isso que tento explicar. No caso dos que têm consciência e persistem no erro, o problema se torna mais grave.

Quanto ao sofrimento, não é o Criador que o impõe ao homem é o próprio homem que o busca através do mau uso de seu livre-arbítrio. Acrescento ainda que um sofrimento pode parecer injusto se o analisarmos sob a perspectiva de uma única existência, porém não podemos nos esquecer de que até um recém-nascido é um espírito que cometeu erros e acertos, não nesta existência mas em outras.

Dentro da codificação da DE, encontramos o tema do sofrimento, sendo apresentadas duas maneiras de vivê-lo; "Bem e Mal Sofrer" (cap.V, item 18, "O Evangelho Segundo o Espiritismo).

Abraços fraternos...
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 25 de Novembro de 2013, 01:34
Re: O Mal Não Existe?

      Rodrigo da Cruz  (ref #275, 23.11.13, às 23:30)

      Olá, novo companheiro de jornada.

      RCruz escreveu: Você acha impossível o homem não ter esse alcance? Infelizmente, não tem meu caro. Se tivéssemos, se realmente fôssemos sábios não estaríamos em um planeta de provas e expiações.

      Conf: não “acho” impossível. “É” impossível!

      RCruz: Você precisa levar em conta que nem todos têm o conhecimento da Doutrina, às vezes, você se expressa em seu comentário como se todos fossem sabedores de certas verdades e não são. É isso que tento explicar. No caso dos que têm consciência e persistem no erro, o problema se torna mais grave.

      Conf: vc tem razão; há tantos anos que me comunico assim, que não consigo ser de outro jeito. Já tentei várias vezes modificar o como escrevo, mas sempre volto ao modo antigo. Por isso mesmo, muitos têm reclamado das mensagens muito longas que coloco. Como eu tentava explicar todos os pontos, tendo em vista alcançar o entendimento dos iniciantes, tinha que dividi-las em três ou mais msgs.

      E, sem dúvida, o jovem deve entender que estamos aqui para sanar dúvidas, ouvir o que companheiros pensam, conhecer as interpretações que fazem de certos pontos ainda obscuros, e ensinamentos e interpretações que, talvez, não se encontrem na codificação.

      Assim, detalhes da doutrina que estão nas obras básicas, é preciso que aqueles que deles necessitam e tenham interesse em conhecê-los os procurem lá. Se não estudarmos a doutrina não podemos nem mesmo falar ou debater sobre ela, concorda?

      Mas, não entendi o que foi que o amigo quis significar com: “No caso dos que têm consciência e persistem no erro, o problema se torna mais grave”? Peço-lhe ser mais claro.

      RCruz: Quanto ao sofrimento, não é o Criador que o impõe ao homem é o próprio homem que o busca através do mau uso de seu livre-arbítrio.

      Conf: meu jovem, percebo em vc um estudioso da doutrina, questionador, que é como todos deviam ser. Assim, como a DE manda raciocinar, qto ao parágrafo último de sua resposta, vou colocar algumas questões:

      - qual será  causa de, como vc disse, o homem buscar ele mesmo errar?

      - qual é a causa de ele escolher fazer mau uso de seu livre-arbítrio?

      - estará o homem querendo e portanto escolhendo errar e sofrer as conseqüências de seus erros?

      - se podemos fazer as escolhas certas, porq tantas vezes as fazemos erradas, tanto que, como vc disse, ainda estamos num mundo de expiações?

      - se podemos escolher fazer o bem e, conseqüentemente, ser mais felizes, porq é que escolhemos fazer o mal e, conseqüentemente, estamos a escolher ser mais infelizes?

      Somente fazem escolhas tão absurdas os mentalmente desequilibrados, aqueles que não têm a mente sã, ou os totalmente ignorantes das coisas do amor e das terríveis consequências que a também terrível lei de causa e efeito, impõe àqueles que a transgridem as leis divinas. Pois, é evidente que, se sábios fôssemos e se tivéssemos nossa consciência sã, somente faríamos escolhas corretas.

      Mas, esses, sem dúvida, são inimputáveis perante as leis de Deus.

      RCruz: Acrescento ainda que um sofrimento pode parecer injusto se o analisarmos sob a perspectiva de uma única existência, porém não podemos nos esquecer de que até um recém-nascido é um espírito que cometeu erros e acertos, não nesta existência mas em outras.

      Conf: talvez vc não tenha lido minhas respostas anteriores. Lá, tenho certeza, vc encontrará o porq é que questiono aquilo que se atribui à justiça divina e que, para mim, não se harmoniza com os atributos que a DE confere ao Criador, como infinitamente sábio, soberanamente bom e justo.

      Releia, meu jovem, minha msg anterior e vc perceberá isso. Repito-a abaixo:

      “Conf (msg anterior); Certamente, meu amigo, mas a ignorância é inimputável até frente à falha justiça dos homens; se, pelas leis divinas, todo sofrimento é merecido e justo, praticar um ato por ignorá-lo um mal, sem dúvida qualquer penalidade não seria nem merecida nem justa.

      "As penalidades da Lei não têm relação com as conseqüências do ato, mas com a intenção que levou o autor da ação a praticá-lo. Se a lei Daquele que e Amor e Jutiça pune aquele que é ainda ignorante devido a ainda não ter aprendido a fazer o que é certo fazer, aí não haverá a mínima justiça e, para a DE, a justiça divina é infinitamente perfeita e aplicada com infinita perfeição”.

      Deu para entender? Se não, volte para conversar mais.
.............

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Novembro de 2013, 02:40

não é isso que a doutrina ensina, que as penalidades têm relação com as consequências do ato.



As penalidades são as consequências dos atos.


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 25 de Novembro de 2013, 03:35
      Brenno Stoklos (ref #277, 24.11.13)

      Brenno respondeu: As penalidades são as consequências dos atos.

      Conf: amigo, esse argumento que vc colocou, pertence à justiça dos homens.

      Lembre-se que atos, e suas consequências, podem ser inconscientes e involuntários. Para uma justiça perfeita, se não é a vontade do homem praticar a ação, mas involuntariamente, ou inconscientemente a pratica, sem dúvida ele é inimputável.

      Como já conversamos, pela justiça dos homens, se atiro num homem, com a firme intenção de matá-lo, mas ele já estava morto, esse crime tem pena menor do que se eu o tivesse realmente matado.

      Sem dúvida, conforme a doutrina, para a justiça divina, se atiro num homem, com a firme intenção de matá-lo, mas ele já estava morto, a penalidade é a mesma pois a intenção, a vontade, o desejo, a escolha de matá-lo, no primeiro como no segundo caso, são exatamente a mesma.
....................
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Anton Kiudero em 25 de Novembro de 2013, 12:54
não é isso que a doutrina ensina, que as penalidades têm relação com as consequências do ato.
As penalidades são as consequências dos atos.

"Ouvistes que foi dito aos antigos: Não matarás; e, quem matar será réu de juízo. Eu, porém, vos digo que todo aquele que se encolerizar contra seu irmão, será réu de juízo; e quem disser a seu irmão: Raca, será réu diante do sinédrio; e quem lhe disser: Tolo, será réu do fogo do inferno. Portanto, se estiveres apresentando a tua oferta no altar, e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai conciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem apresentar a tua oferta.

Ouvistes que foi dito: Não adulterarás. Eu, porém, vos digo que todo aquele que olhar para uma mulher para a cobiçar, já em seu coração cometeu adultério com ela. Se o teu olho direito te faz tropeçar, arranca-o e lança-o de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que seja todo o teu corpo lançado no inferno. E, se a tua mão direita te faz tropeçar, corta-a e lança-a de ti; pois te é melhor que se perca um dos teus membros do que vá todo o teu corpo para o inferno.

Outrossim, ouvistes que foi dito aos antigos: Não jurarás falso, mas cumprirás para com o Senhor os teus juramentos. Eu, porém, vos digo que de maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, porque é o trono de Deus; nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei; nem jures pela tua cabeça, porque não podes tornar um só cabelo branco ou preto. Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; não, não; pois o que passa daí, vem do Maligno.

Ouvistes que foi dito: Olho por olho, e dente por dente. Eu, porém, vos digo que não resistais ao homem mau; mas a qualquer que te bater na face direita, oferece-lhe também a outra; e ao que quiser pleitear contigo, e tirar-te a túnica, larga-lhe também a capa; e, se qualquer te obrigar a caminhar mil passos, vai com ele dois mil. Dá a quem te pedir, e não voltes as costas ao que quiser que lhe emprestes.

Ouvistes que foi dito: Amarás ao teu próximo, e odiarás ao teu inimigo. Eu, porém, vos digo: Amai aos vossos inimigos, e orai pelos que vos perseguem;

Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai celestial.
"


Sempre atos morais...

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Novembro de 2013, 02:28

Ouvistes ...........
........................celestial.




Palavras da bíblia.

Eu, porém, estudo a Doutrina Espírita!


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Novembro de 2013, 02:36

Lembre-se que atos, e suas consequências, podem ser inconscientes e involuntários. Para uma justiça perfeita, se não é a vontade do homem praticar a ação, mas involuntariamente, ou inconscientemente a pratica, sem dúvida ele é inimputável.



Realmente, amigo Iconforjr,

Todo aquele que está privado do raciocínio (loucos, deficientes mentais graves, etc...) são inimputáveis.

Pois são os únicos a agir de forma involuntária e inconscientemente!


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Anton Kiudero em 26 de Novembro de 2013, 02:50

Ouvistes ...........
........................celestial.

Palavras da bíblia.

Eu, porém, estudo a Doutrina Espírita!

Realmente estão nos evangelhos, no Sermão do Monte, que em nada contradiz o espiritismo, do qual é a base moral. Não permita que o seu ardor individualista ofusque tanto a sua visão. Abra-se mais ao mundo e voce so terá a ganhar com isto...

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Novembro de 2013, 03:32

Realmente estão nos evangelhos, no Sermão do Monte, que em nada contradiz o espiritismo



"Dever-se-á tomar ao pé da letra tudo o que o Evangelho contém?"

"Perguntam algumas pessoas: Ensinam os Espíritos qualquer moral nova, qualquer coisa superior ao que disse o Cristo? Se a moral deles não é senão a do Evangelho, de que serve o Espiritismo? Este raciocínio se assemelha notavelmente ao do califa Omar, com relação à biblioteca de Alexandria: “Se ela não contém, dizia ele, mais do que o que está no Alcorão, é inútil. Logo deve ser queimada. Se contém coisa diversa, é nociva. Logo, também deve ser queimada".

Não, o Espiritismo não traz moral diferente da de Jesus. Mas, perguntamos, por nossa vez: Antes que viesse o Cristo, não tinham os homens a lei dada por Deus a Moisés? A doutrina do Cristo não se acha contida no Decálogo? Dir-se-á, por isso, que a moral de Jesus era inútil? Perguntaremos, ainda, aos que negam utilidade à moral espírita: Por que tão pouco praticada é a do Cristo? E por que, exatamente os que com justiça lhe proclamam a sublimidade, são os primeiros a violar-lhe o preceito capital: o da caridade universal? Os Espíritos vêm não só confirmá-la, mas também mostrar-nos a sua utilidade prática. Tornam inteligíveis e patentes verdades que haviam sido ensinadas sob a forma alegórica. E, justamente com a moral, trazem-nos a
definição dos mais abstratos problemas da psicologia.
Jesus veio mostrar aos homens o caminho do verdadeiro bem. Por que, tendo-o enviado para fazer lembrada Sua lei que estava esquecida, não havia Deus de enviar hoje os Espíritos, a fim de a lembrarem novamente aos homens, e com maior precisão, quando eles a olvidam, para tudo sacrificar ao orgulho e à cobiça? Quem ousaria pôr limites ao poder de Deus e traçar-Lhe normas? Quem nos diz que, como o afirmam os Espíritos, não estão chegando os tempos preditos e que não chegamos aos em que verdades mal compreendidas, ou falsamente interpretadas, devam ser ostensivamente reveladas ao gênero humano, para lhe apressar o adiantamento? Não haverá alguma coisa de providencial nessas manifestações que se produzem simultaneamente em todos os pontos do globo?
Não é um único homem, um profeta quem nos vem advertir. A luz surge por toda parte. É todo um mundo novo que se desdobra às nossas vistas. Assim como a invenção do microscópio nos revelou o mundo dos infinitamente pequenos, de que não suspeitávamos; assim como o telescópio nos revelou milhões de mundos de cuja existência também não suspeitávamos, as comunicações espíritas nos revelam o mundo invisível que nos cerca, nos acotovela constantemente e que, à nossa revelia, toma parte em tudo o que fazemos.
Decorrido que seja mais algum tempo, a existência desse mundo, que nos espera, se tornará tão incontestável como a do mundo microscópico e dos globos disseminados pelo espaço. Nada, então, valerá o nos terem feito conhecer um mundo todo; o nos haverem iniciado nos mistérios da vida de além-túmulo? É exato que essas descobertas, se se lhes pode dar este nome, contrariam algum tanto certas idéias aceitas. Mas, não é real que todas as grandes descobertas científicas hão igualmente modificado, subvertido até, as mais correntes idéias? E o nosso amor-próprio não teve que se curvar diante da evidência? O mesmo acontecerá com relação ao Espiritismo, que, em breve, gozará do direito de cidade entre os conhecimentos humanos.
As comunicações com os seres de além-túmulo deram em resultado fazer-nos compreender a vida futura, fazer-nos vê-la, iniciar-nos no conhecimento das penas e gozos que nos estão reservados, de acordo com os nossos méritos e, desse modo, encaminhar para o espiritualismo os que no homem somente viam a matéria, a máquina organizada. Razão, portanto, tivemos para dizer que o Espiritismo, com os fatos, matou o materialismo. Fosse este único resultado por ele produzido e já muita gratidão lhe deveria a ordem social. ele, porém, faz mais: mostra os inevitáveis efeitos do mal e, conseguintemente, a necessidade do bem. Muito maior do que se pensa é, e cresce todos os dias, o número daqueles em que ele há melhorado os sentimentos, neutralizado as más tendências e desviado do mal. É que para esses o futuro deixou de ser coisa imprecisa, simples esperança, por se haver tornado uma verdade que se compreende e explica, quando se vêem e ou vemos que partiram lamentar-se ou felicitar-se pelo que fizeram na Terra. Quem disso é testemunha entra a refletir e sente a necessidade de a si mesmo se conhecer, julgar e emendar.

Os adversários do Espiritismo não se esqueceram de armar-se contra ele de algumas divergências de opiniões sobre certos pontos de doutrina.

                                                                 O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Rodrigo da Cruz em 26 de Novembro de 2013, 14:46
Caro amigo lconforjr,
Nossa visão diverge logo no primeiro ponto do meu comentário, conforme você indicou. Então, acho que meus comentários não colaborarão muito para auxiliar em seus questionamentos, os quais, para mim, são muito válidos e não me incomodo de lê-los. Contudo, sou menos crente na capacidade de compreensão do homem que você e entendo que erra por ser ignorante, assim chego a resposta do que seja o mal e a causa do sofrimento, enquanto o amigo diz que "é impossível" tamanha ignorância.
Abraços fraternos...

Re: O Mal Não Existe?

      Rodrigo da Cruz  (ref #275, 23.11.13, às 23:30)

      Olá, novo companheiro de jornada.

      RCruz escreveu: Você acha impossível o homem não ter esse alcance? Infelizmente, não tem meu caro. Se tivéssemos, se realmente fôssemos sábios não estaríamos em um planeta de provas e expiações.

      Conf: não “acho” impossível. “É” impossível!

      RCruz: Você precisa levar em conta que nem todos têm o conhecimento da Doutrina, às vezes, você se expressa em seu comentário como se todos fossem sabedores de certas verdades e não são. É isso que tento explicar. No caso dos que têm consciência e persistem no erro, o problema se torna mais grave.

      Conf: vc tem razão; há tantos anos que me comunico assim, que não consigo ser de outro jeito. Já tentei várias vezes modificar o como escrevo, mas sempre volto ao modo antigo. Por isso mesmo, muitos têm reclamado das mensagens muito longas que coloco. Como eu tentava explicar todos os pontos, tendo em vista alcançar o entendimento dos iniciantes, tinha que dividi-las em três ou mais msgs.

      E, sem dúvida, o jovem deve entender que estamos aqui para sanar dúvidas, ouvir o que companheiros pensam, conhecer as interpretações que fazem de certos pontos ainda obscuros, e ensinamentos e interpretações que, talvez, não se encontrem na codificação.

      Assim, detalhes da doutrina que estão nas obras básicas, é preciso que aqueles que deles necessitam e tenham interesse em conhecê-los os procurem lá. Se não estudarmos a doutrina não podemos nem mesmo falar ou debater sobre ela, concorda?

      Mas, não entendi o que foi que o amigo quis significar com: “No caso dos que têm consciência e persistem no erro, o problema se torna mais grave”? Peço-lhe ser mais claro.

      RCruz: Quanto ao sofrimento, não é o Criador que o impõe ao homem é o próprio homem que o busca através do mau uso de seu livre-arbítrio.

      Conf: meu jovem, percebo em vc um estudioso da doutrina, questionador, que é como todos deviam ser. Assim, como a DE manda raciocinar, qto ao parágrafo último de sua resposta, vou colocar algumas questões:

      - qual será  causa de, como vc disse, o homem buscar ele mesmo errar?

      - qual é a causa de ele escolher fazer mau uso de seu livre-arbítrio?

      - estará o homem querendo e portanto escolhendo errar e sofrer as conseqüências de seus erros?

      - se podemos fazer as escolhas certas, porq tantas vezes as fazemos erradas, tanto que, como vc disse, ainda estamos num mundo de expiações?

      - se podemos escolher fazer o bem e, conseqüentemente, ser mais felizes, porq é que escolhemos fazer o mal e, conseqüentemente, estamos a escolher ser mais infelizes?

      Somente fazem escolhas tão absurdas os mentalmente desequilibrados, aqueles que não têm a mente sã, ou os totalmente ignorantes das coisas do amor e das terríveis consequências que a também terrível lei de causa e efeito, impõe àqueles que a transgridem as leis divinas. Pois, é evidente que, se sábios fôssemos e se tivéssemos nossa consciência sã, somente faríamos escolhas corretas.

      Mas, esses, sem dúvida, são inimputáveis perante as leis de Deus.

      RCruz: Acrescento ainda que um sofrimento pode parecer injusto se o analisarmos sob a perspectiva de uma única existência, porém não podemos nos esquecer de que até um recém-nascido é um espírito que cometeu erros e acertos, não nesta existência mas em outras.

      Conf: talvez vc não tenha lido minhas respostas anteriores. Lá, tenho certeza, vc encontrará o porq é que questiono aquilo que se atribui à justiça divina e que, para mim, não se harmoniza com os atributos que a DE confere ao Criador, como infinitamente sábio, soberanamente bom e justo.

      Releia, meu jovem, minha msg anterior e vc perceberá isso. Repito-a abaixo:

      “Conf (msg anterior); Certamente, meu amigo, mas a ignorância é inimputável até frente à falha justiça dos homens; se, pelas leis divinas, todo sofrimento é merecido e justo, praticar um ato por ignorá-lo um mal, sem dúvida qualquer penalidade não seria nem merecida nem justa.

      "As penalidades da Lei não têm relação com as conseqüências do ato, mas com a intenção que levou o autor da ação a praticá-lo. Se a lei Daquele que e Amor e Jutiça pune aquele que é ainda ignorante devido a ainda não ter aprendido a fazer o que é certo fazer, aí não haverá a mínima justiça e, para a DE, a justiça divina é infinitamente perfeita e aplicada com infinita perfeição”.

      Deu para entender? Se não, volte para conversar mais.
.............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 27 de Novembro de 2013, 01:49



O Mal é criação humana:


933. Assim como, quase sempre, é o homem o causador de seus sofrimentos materiais, também o será de seus sofrimentos morais?

“Mais ainda, porque os sofrimentos materiais algumas vezes independem da vontade; mas, o orgulho ferido, a ambição frustrada, a ansiedade da avareza, a inveja, o ciúme, todas as paixões, numa palavra, são torturas da alma.
A inveja e o ciúme! Felizes os que desconhecem estes dois vermes roedores! Para aquele que a inveja e o ciúme atacam, não há calma, nem repouso possíveis. À sua frente, como fantasmas que lhe não dão tréguas e o perseguem até durante o sono, se levantam os objetos de sua cobiça, do seu ódio, do seu despeito. O invejoso e o ciumento vivem ardendo em contínua febre. Será essa uma situação desejável e não compreendeis que, com as suas paixões, o homem cria para si mesmo suplícios voluntários, tornando-se-lhe a Terra verdadeiro inferno?”

                                                     O Livro dos Espíritos


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 13 de Dezembro de 2013, 19:51
Re: O Mal Não Existe?

      Rodrigo da Cruz  « ref #284 em: 26.11.13, 14:46 »

      RCruz escreveu: lconforjr, nossa visão diverge logo no primeiro ponto do meu comentário, conforme você indicou...  Contudo, sou menos crente na capacidade de compreensão do homem que você e entendo que erra por ser ignorante, assim chego a resposta do que seja o mal e a causa do sofrimento, enquanto o amigo diz que "é impossível" tamanha ignorância.

      Conf: olá, meu novo e jovem amigo; talvez eu não tenha sido claro pois, para mim, todos nós, sem exceção de um só, erramos exatamente porq somos totalmente ignorantes; por isso, somos totalmente incapazes de fazer nossas escolhas corretamente. Se o jovem reler minha msg verá que lá está isso.
 
      Ou porq cometeríamos os absurdos que o mundo mostra se, poderíamos acertar se não fôssemos ignorantes, e estaríamos livres, entre outras coisas, das terríveis consequências da Lei?
..............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 16 de Dezembro de 2013, 11:41

Ou porq cometeríamos os absurdos que o mundo mostra se, poderíamos acertar se não fôssemos ignorantes, e estaríamos livres, entre outras coisas, das terríveis consequências da Lei?




Nunca acertamos em nossas escolhas?

O mundo só nos mostra coisas ruins?


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 16 de Dezembro de 2013, 13:18


      Eu não disse que nunca acertamos em nossas escolhas! O que digo é que o acertarmos ou o errarmos, se dá por acidente. A escolha não é nossa!
.............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 17 de Dezembro de 2013, 08:52


      Eu não disse que nunca acertamos em nossas escolhas! O que digo é que o acertarmos ou o errarmos, se dá por acidente. A escolha não é nossa!
.............

amigo lconfort nao entendi seu ponto de vista como assim? paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 22 de Dezembro de 2013, 12:13
Re: O Mal Não Existe?

      Wender   « ref #289 em: 171213, 08:52 »

      Conf (msg anterior): Eu não disse que nunca acertamos em nossas escolhas! O que digo é que o acertarmos ou o errarmos, se dá por acidente. A escolha não é nossa!
.............
      Wender escreveu: amigo lconfort nao entendi seu ponto de vista; como assim?

      Conf: como manda a DE, vamos raciocinar para tentar entender:
     
      - primeiro: se temos livre-arbítrio, qual é a causa que tem como efeito o fato de, às vezes, acertarmos e de, às vezes, errarmos em nossas escolhas? Porq não fazemos sempre as escolhas corretas, se vamos sofrer e fazer outros sofrerem com escolhas erradas?

      - segundo: qual é o processo mental que resulta em nossas escolhas de fazer tudo que fazemos em cada instante de nossa vida, em que estamos conscientes?

      - Porq é que escolhemos fazer isto e não aquilo?

      É evidente que escolhemos “isto” devido a julgá-lo mais agradável, ou mais conveniente para nós, naquele momento; e não escolhemos “aquilo” devido a julgá-lo mais desagradável, ou inconveniente, naquele momento, concorda?

      Sempre, é evidente, escolhemos o bom, o agradável, o conveniente, o que nos atrai, e não escolhemos o mau, o desagradável, o inconveniente, o que nos repugna.

      E, como também é evidente, o nosso julgamento, ou avaliação, de que isto seja bom e aquilo seja mau, pode estar errada e, consequentemente, a escolha estará errada, embora sempre acreditemos que a escolha que fizemos esteja sempre correta, de acordo com nossas intenções daquele momento.

      - veja o processo de nossa área psicológica: eventos ou ações exteriores –> captadas pelos sentidos –> provocam reações interiores -> que se associam ou não com o que já temos arquivado na memória -> que resultam em pensamentos –> que provocam vontade ou desejo –> que provocam as escolhas que fazemos.

      Assim, as escolhas resultam da decisão que nasce de nossa vontade ou desejo de fazer ou não fazer algo; a decisão nasce de nosso desejo e vontade; o desejo e a vontade nascem dos pensamentos, que são estes que nos fazem desejar (atração) ou descartar (repulsa) qualquer coisa que seja, que percebemos no mundo.

      Mas, e os pensamentos de onde vêm, de onde nascem, de onde se originam? Sem dúvida, os pensamentos nascem de nossas reações psicológicas, provocadas pelas ações exteriores, ações que ocorrem fora de nós e que são captadas ou percebidas por nossos canais de ligação com o mundo.

      Vemos, ouvimos, cheiramos, degustamos, sentimos tudo que fora de nós acontece e essas sensações são captadas por nossos sentidos, os canais que permitem nossa ligação com o mundo; levadas ao cérebro, aí interpretadas, se associam ou não com o que já está guardado na memória resultante de idêntico processo anterior, e resultam em pensamentos... e assim por diante.

      Logo, nossas escolhas podem resultar em atitudes, ou ações, que não é nosso desejo realizar, mas que acabamos realizando, certo?

      E, finalmente: os pensamentos não são verdadeiramente nossos, pois são provocados por algo que está fora de nós, os eventos do mundo, e as escolhas, consequentemente, não são verdadeiramente nossas e, ainda, as escolhas podem estar corretas ou incorretas, de acordo com nossa vontade, ou as avaliamos erradamente, e escolhemos o que não desejamos escolher, e ainda as consequências de nossas escolhas podem não ser aquelas pelas quais as fizemos.

      Por isso disse que o acertarmos ou o errarmos, se dá por acidente. A escolha não é nossa!
.............
      Deu para perceber, ou fui confuso?

..............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 24 de Dezembro de 2013, 17:04

      Eu não disse que nunca acertamos em nossas escolhas! O que digo é que o acertarmos ou o errarmos, se dá por acidente. A escolha não é nossa!



 Eu não..............
......................confuso?



Tanto as escolhas como os pensamentos são nossos:

833. Haverá no homem alguma coisa que escape a todo constrangimento e pela qual goze ele de absoluta liberdade?

“No pensamento goza o homem de ilimitada liberdade, pois que não há como pôr-lhe peias. Pode-se-lhe deter o vôo, porém, não aniquilá-lo".

843. Tem o homem o livre-arbítrio de seus atos?

“Pois que tem a liberdade de pensar, tem igualmente a de obrar. Sem o livre-arbítrio, o homem seria máquina".

                                                           O Livro dos Espíritos

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Anton Kiudero em 25 de Dezembro de 2013, 02:30
Especial de Natal 2: VOCÊ SABE O QUE É O SEU MAL? (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVYtV1MwMG9GWjFRIw==)
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: wender100%espirita em 25 de Dezembro de 2013, 17:17
fico pensando  qualquer um pode chegar a um  mundo divino mesmo sem conhecer nada de Doutrina, basta postar , postar qualquer coisa, o forun deveria rever esse aplicativo pois depois de ver esse video vejo que ate pai de Santo pode opinar  o que quiser rsrsr. paz e luz
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Norizonte da Rosa em 25 de Dezembro de 2013, 19:32
Especial de Natal 2: VOCÊ SABE O QUE É O SEU MAL? (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy55b3V0dWJlLmNvbS93YXRjaD92PVYtV1MwMG9GWjFRIw==)

Certo, admitamos que só Deus possa julgar e que não devamos julgar, pois não somos Deus; vamos ao exemplo do estupro:

Se não devemos julgar o estupro como um mal, imaginemos que um Espírito que encarnou tendo como prova lutar contra a tendência ao estupro e que ao nutrir sentimentos para a prática do estupro e sendo fomentada essa prática por Espíritos, venha a estuprar. Caso então estupre, daria para imaginar que estuprou e foi aprovado em sua prova?

Se ao estuprar foi aprovado, a prática do estupro não deveria ser julgada; mas se foi reprovado nessa prova por que então não deveríamos julgar? e o julgar aqui não seria colocar-se em posição superior ao outro Espírito, mas sim constatar que aquele Espírito foi reprovado em uma prova.

Poderiam ser dados outros exemplos como as provas de desapego material em que o Espírito cobiçaria e falharia na prova ao roubar, ou furtar. Para o julgamento (a avaliação do mal) ser errado, pois só Deus deveria julgar, somente se a aprovação na prova estivesse justamente em cobiçar e roubar, furtar.

A própria falha em uma prova supõe um julgamento e se é o Espírito que escolhe as provas é porque sabe em quais provas deverá ser provado, pois antes falhou e se falhou julgou que falhou.

Por isso sempre pensei no 'não julgais' como uma forma de reconhecer que ninguém 'nasceu' perfeito e que se algumas atitudes hoje nos causam perplexidade pela brutalidade, maldade, isso faz parte da evolução daqueles que ainda estão um pouco atrasados em relação aos outros que não são mais capazes de práticas tão chocantes.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 25 de Dezembro de 2013, 21:29

 VOCÊ SABE O QUE É O SEU MAL



Certo............
...............chocantes.



"O reproche lançado à conduta de outrem pode obedecer a dois móveis: reprimir o mal, ou desacreditar a pessoa cujos atos se criticam. Não tem escusa nunca este último propósito, porquanto, no caso, então, só há maledicência e maldade. O primeiro pode ser louvável e constitui mesmo, em certas ocasiões, um dever, porque um bem deverá daí resultar, e porque, a não ser assim, jamais, na sociedade, se reprimiria o mal. Não cumpre, aliás, ao homem auxiliar o progresso do seu semelhante? Importa, pois, não se tome em sentido absoluto este
princípio: "Não julgueis se não quiserdes ser julgado", porquanto a letra mata e o espírito vivifica.
Não é possível que Jesus haja proibido se profligue o mal, uma vez que ele próprio nos deu o exemplo, tendo-o feito, até, em termos enérgicos. O que quis significar é que a autoridade para censurar está na razão direta da autoridade moral daquele que censura.
Tornar-se alguém culpado daquilo que condena noutrem é abdicar dessa autoridade, é privar-se do direito de repressão. A consciência íntima, ao demais, nega respeito e submissão voluntária àquele que, investido de um poder qualquer, viola as leis e os princípios de cuja aplicação lhe cabe o encargo. Aos olhos de Deus, uma única autoridade legítima existe: a que se apóia no exemplo que dá do bem. E o que, igualmente, ressalta das palavras de Jesus".

                                                     O Evangelho Segundo o Espiritismo


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Norizonte da Rosa em 25 de Dezembro de 2013, 21:54

 VOCÊ SABE O QUE É O SEU MAL



Certo............
...............chocantes.



"O reproche lançado à conduta de outrem pode obedecer a dois móveis: reprimir o mal, ou desacreditar a pessoa cujos atos se criticam. Não tem escusa nunca este último propósito, porquanto, no caso, então, só há maledicência e maldade. O primeiro pode ser louvável e constitui mesmo, em certas ocasiões, um dever, porque um bem deverá daí resultar, e porque, a não ser assim, jamais, na sociedade, se reprimiria o mal. Não cumpre, aliás, ao homem auxiliar o progresso do seu semelhante? Importa, pois, não se tome em sentido absoluto este
princípio: "Não julgueis se não quiserdes ser julgado", porquanto a letra mata e o espírito vivifica.
Não é possível que Jesus haja proibido se profligue o mal, uma vez que ele próprio nos deu o exemplo, tendo-o feito, até, em termos enérgicos. O que quis significar é que a autoridade para censurar está na razão direta da autoridade moral daquele que censura.
Tornar-se alguém culpado daquilo que condena noutrem é abdicar dessa autoridade, é privar-se do direito de repressão. A consciência íntima, ao demais, nega respeito e submissão voluntária àquele que, investido de um poder qualquer, viola as leis e os princípios de cuja aplicação lhe cabe o encargo. Aos olhos de Deus, uma única autoridade legítima existe: a que se apóia no exemplo que dá do bem. E o que, igualmente, ressalta das palavras de Jesus".

                                                     O Evangelho Segundo o Espiritismo

E no vídeo amigo Breno, o julgamento parece estar relacionado não a uma condenação, mas simplesmente a uma avaliação: julgamento seria avaliar o erro, ou o acerto pelo conhecimento que se tenha para tal avaliação e isso não seria atitude aconselhável segundo a entidade.

Mas se a questão nem é condenar, mas julgar no sentido de avaliar se uma ação é correta ou errada, nem mesmo autoridade moral é necessária para essa avaliação. Quem, por exemplo, 'fura' alguma fila e vê alguém também agindo da mesma forma, não terá autoridade moral para condenar a atitude do outro, mas não estará destituído da capacidade de julgar (avaliar) se aquela ação, a semelhança da própria ação, é ou não correta.

Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 26 de Dezembro de 2013, 01:42

E no vídeo amigo Breno, o julgamento parece estar relacionado não a uma condenação, mas simplesmente a uma avaliação: julgamento seria avaliar o erro, ou o acerto pelo conhecimento que se tenha para tal avaliação e isso não seria atitude aconselhável segundo a entidade.

Mas se a questão nem é condenar, mas julgar no sentido de avaliar se uma ação é correta ou errada, nem mesmo autoridade moral é necessária para essa avaliação. Quem, por exemplo, 'fura' alguma fila e vê alguém também agindo da mesma forma, não terá autoridade moral para condenar a atitude do outro, mas não estará destituído da capacidade de julgar (avaliar) se aquela ação, a semelhança da própria ação, é ou não correta.


Concordo, amigo Norizonte,

A capacidade (conhecimento) para julgar sempre existe.


Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 26 de Dezembro de 2013, 14:04

...........


      Ninguém tem capacidade para julgar, porq ninguém tem o conhecimento necessário para emitir julgamentos.  Muitas vezes os homens "pensam" que têm capacidade para julgar, mas isso é apenas um engano de muitos, mesmo bem intencionados, mas um engano. Como disse o sábio: "quem tem olhos de ver, veja!"

...............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 27 de Dezembro de 2013, 01:26

      Ninguém tem capacidade para julgar, porq ninguém tem o conhecimento necessário para emitir julgamentos.  Muitas vezes os homens "pensam" que têm capacidade para julgar, mas isso é apenas um engano de muitos, mesmo bem intencionados, mas um engano. Como disse o sábio: "quem tem olhos de ver, veja!"



Temos, sim! Amigo Iconforjr.

Nenhum de nós é destituído de inteligência suficiente para distinguir o certo do errado a não ser os deficientes mentais.



Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: lconforjr em 27 de Dezembro de 2013, 02:15
      Brenno Stoklos (299, 271213)

      Conf (msg anterior): Ninguém tem capacidade para julgar, porq ninguém tem o conhecimento necessário para emitir julgamentos.  Muitas vezes os homens "pensam" que têm capacidade para julgar, mas isso é apenas um engano de muitos, mesmo bem intencionados, mas um engano. Como disse o sábio: "quem tem olhos de ver, veja!"

      Brenno respondeu; Temos, sim! Amigo Iconforjr. Nenhum de nós é destituído de inteligência suficiente para distinguir o certo do errado a não ser os deficientes mentais.

      Conf: pois é isso que eu digo e que o amigo, com sua resposta atual, acaba de confirmar: ninguém tem capacidade de julgar; todos os nossos julgamentos são pseudo-julgamentos. Não basta ter inteligencia pois, julgar não é dizer, ou concluir, que isto ou aquilo está certo ou está errado, mas apontar as causas reais do porq se dizer que isto está certo e que aquilo está errado.

      Vc, e ninguém, tem capacidade de encontrar as verdadeiras causas de um efeito que vemos hoje.

      Os efeitos que vemos hoje, têm suas causas verdadeiras nessa sequencia sem fim de causas e efeitos que tiveram origem, talvez a bilhões ou trilhões de anos, em nossos mais remotos antepassados, e naquilo que lhes deu origem, em nossa linha ascendente.

      Ninguém tem condições de penetrar nisso. Assim, sem dúvida, todos os julgamentos são falsos julgamentos.

      Vc mesmo, nunca poderá dizer quais as causas de isto estar certo ou errado ou, simplificando: vc nunca poderá conhecer as causas verdadeiras que hoje tem como efeito o fato de vc ser bom, ou o fato de vc ser mau.

      O que vc disser estará errado. A única coisa correta que vc pode dizer é: "Não sei!"
 
..............
Título: Re: O Mal Não Existe?
Enviado por: Brenno Stoklos em 28 de Dezembro de 2013, 03:07

      Conf: pois é isso que eu digo e que o amigo, com sua resposta atual, acaba de confirmar: ninguém tem capacidade de julgar; todos os nossos julgamentos são pseudo-julgamentos. Não basta ter inteligencia pois, julgar não é dizer, ou concluir, que isto ou aquilo está certo ou está errado, mas apontar as causas reais do porq se dizer que isto está certo e que aquilo está errado.
 


Errado, amigo Iconforjr,

A minha resposta em nada favorece o seu ponto-de-vista.

A menos que o amigo se julgue como um deficiente mental, o que não acredito que seja o caso.

De resto o amigo empresta ao verbo julgar significados que este absolutamente não possui!