Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Tópico iniciado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Setembro de 2020, 11:27

Título: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Setembro de 2020, 11:27
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris


PERFIL BIOGRÁFICO DO SR. PAUL JANET

Paul Janet nasceu em Paris no dia 30 de abril de 1823, e morreu na mesma cidade no dia 4 de outubro de 1899, ao setenta e seis anos.
Laureado em filosofia no ano de 1844, torna-se professor de filosofia em Bouges (1845-1848), em Estrasburgo (1848-1857), depois em lógica no liceu Louis-le-Grand em Paris (1857-1864).
A partir de 1864, ele ocupa a cadeira de filosofia na Sorbonne.
Foi eleito membro da Academia das ciência morais e políticas.
Foi membro da Académie hongroise des Sciences [Academia húngara das ciências], da Academia dos Liceus, Academia das ciências morais e políticas e da Sociedade filosófica helênica de Constantinopla.
Foi presidente da Sociedade Médico-psicológica em 1867.
Foi influenciado por Victor Cousin.
Recebeu a distinção de Commandeur de la Légion d’honneur [Comendador da Legião de honra].
Deixou mais de vinte obras incluindo algumas traduções para a língua francesa, como o Confissões de Santo Agostinho e o Curto Tratado sobre Deus, o homem e a beatitude, de Espinosa.

(Fonte: https://fr.wikipedia.org/wiki/Paul_Janet_(philosophe)

PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Setembro de 2020, 11:28
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO PRIMEIRO – NOÇÕES MORAIS

Todos os homens distinguem o bem e o mal, as ações boas e as ações más:
Por exemplo, amar seus pais, respeitar o bem de outrem, ser fiel à palavra dada etc.,
- Eis o bem;
Fazer mal a quem não nos fez mal, enganar e mentir, ser ingrato para com seus benfeitores, e infiel aos amigos etc.,
- Eis o mal.(1)
O bem é obrigatório, ou seja, deve ser cumprido;
O mal, ao contrário, deve ser evitado.
O dever é essa lei pela qual somos obrigados a fazer o bem e a evitar o mal.
É também chamada a lei moral.
Essa lei como todas as leis ordena, proíbe e permite.
Chama-se agente moral aquele que age e que é capaz de fazer o bem e o mal, aquele que, por conseguinte, é obrigado a obedecer à lei moral.
Para que um agente seja obrigado a obedecer a uma lei, é preciso que ele a conheça e a compreenda.
Em moral, como em legislação, a ninguém aproveita o desconhecimento da lei.
Há, portanto, em todo homem um certo conhecimento da lei, quer dizer, um discernimento natural do bem e do mal:
Esse discernimento é o que se chama a consciência ou às vezes o senso moral.
A consciência é um ato do espírito:
É um julgamento.
Mas não é só o espírito que está a par do bem e do mal:
É o coração.
O bem e o mal, realizados seja por outrem, seja por nós mesmos, determinam em nós emoções, afetos de diversas naturezas.
– O conjunto dessas emoções ou afetos é o que se chama de o sentimento moral.
Não basta que o homem conheça e distinga o bem e o mal, e experimente por um e outro sentimentos diferentes.
É preciso ainda, para ser um agente moral, que o homem seja capaz de escolher entre um e outro;
Não se pode ordenar-lhe o que ele não poderia fazer, nem lhe proibir o que ele seria forçado a fazer.
Esse poder de escolher é a liberdade, ou livre-arbítrio.
Diz-se de um agente livre, que possui o discernimento do bem e do mal, que ele é responsável por suas ações;
Isso quer dizer que ele pode responder por elas, prestar contas, sofrer suas consequências:
Ele é então a verdadeira causa disso.
Suas ações, por conseguinte, podem lhe ser atribuídas, lançadas na sua conta, em outros termos, imputadas.
O agente é responsável, as ações são imputáveis.
As ações humanas, dissemos nós, são ora boas, ora más.
Essas duas qualificações têm graus, por causa da importância ou da dificuldade da ação.
É assim que uma ação é conveniente, estimável, bela, admirável, sublime etc., por outro lado, a ação má ora é uma simples falta, ora um crime.
Ela é condenável, baixa, odiosa, execrável etc.
Se, em um agente, se considerar o hábito das boas ações, uma tendência constante a se conformar à lei do dever, esse hábito ou tendência constante chama-se virtude, e a tendência contrária chama-se vício.
Ao mesmo tempo que o homem se sente obrigado pela sua consciência a procurar o bem, ele é arrastado por sua natureza a procurar o prazer.
Quando desfruta do prazer, sem nenhuma mistura de dor, ele é feliz;
E o mais alto grau de prazer possível, com a menor soma de dor possível, é a felicidade.
Ora a experiência mostra que a felicidade nem sempre está em harmonia com a virtude, e que o prazer não está necessariamente unido à realização do bem.
No entanto achamos injusta tal separação;
E acreditamos num vínculo natural e legítimo do prazer e do bem, da dor e do mal.
O prazer, considerado como a consequência devida à realização do bem, chama-se recompensa, e a dor, considerada como a consequência legítima do mal, chama-se punição.
Quando o homem agiu bem, acredita ter direito a uma recompensa;
Todos os outros homens fazem o mesmo julgamento.
Quando agiu mal, todos os homens acreditam no contrário, e ele próprio acredita também que deve pagar essa má ação por um castigo.
Esse princípio, em virtude do qual declaramos o agente moral digno da felicidade ou da desgraça, por ele ter agido bem ou mal, é chamado o princípio do mérito e do demérito.
O conjunto das recompensas e das punições vinculadas à execução ou à violação de uma lei chama-se sanção;
A sanção da lei moral chamar-se-á então sanção moral.
Toda lei supõe um legislador.
A lei moral suporá, portanto, um legislador moral:
É assim que a moral nos eleva a Deus.
Sendo toda sanção humana ou terrestre demonstrada insuficiente pela observação, a lei moral precisa de uma sanção religiosa.
É assim que a moral nos conduz à imortalidade da alma.
Se voltarmos ao conjunto das ideias que acabamos de resumir brevemente, veremos que em cada um dos graus que percorremos, há sempre dois contrários opostos um ao outro:
O bem e o mal, -
A ordem e a proibição, -
A virtude e o vício, -
O mérito e o demérito, -
o prazer e a dor, -
a recompensa e a punição.
A vida humana se apresenta então sob dois aspectos.
O homem pode escolher entre ambos.
Esse poder é a liberdade.
Essa escolha é difícil e laboriosa:
Exige de nós esforços incessantes.
É por isso que a vida é chamada uma prova, e é com frequência representada como um combate.
Não se deve, portanto, imaginá-la como um jogo, e sim como um viril e corajoso esforço.
A luta é sua condição, seu prêmio é a paz.

....................
(1)“O bem é tudo o que é conforme à lei de Deus, e o mal tudo o que dela se afaste.
Assim, fazer o  bem é conformar-se à lei de Deus; fazer o mal é infringi-la.” (Livro dos Espíritos, item 630) (N.R)

.........................................................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Setembro de 2020, 11:29
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO II - O PRAZER E O BEM

Acabamos de ver que o homem é naturalmente arrastado para o prazer;
E é-se tentado a acreditar que nisso consiste o único verdadeiro bem.
O bem, com efeito, não é a felicidade?
E a felicidade não está no prazer?
Pode a moral ter outra finalidade que não a de nos ensinar a ser felizes?
Pode-se afirmar sem qualquer dúvida que a moral nos ensina a ser felizes e nos põe no caminho da verdadeira felicidade.
Mas não é, como se poderia crer, obedecendo a essa lei cega da natureza que nos leva ao prazer que seremos verdadeiramente felizes.
O caminho que a moral indica é menos fácil, mas é mais seguro.
Reflexões muito simples bastarão para nos fazer ver que não se pode dizer de uma maneira absoluta que o prazer seja o bem e que a dor seja o mal.
A experiência e o raciocínio vencem facilmente essa opinião.

1º - O prazer nem sempre é um bem, e pode mesmo tornar-se um verdadeiro mal, conforme as circunstâncias.
Reciprocamente, nem sempre toda dor é um mal, e pode mesmo tornar-se um grande bem.
Assim vemos por um lado que os prazeres da intemperança trazem consigo a doença, a perda da saúde e da razão, a abreviação da vida.
Os prazeres da preguiça trazem consigo a pobreza, a inutilidade, o desprezo dos homens.
Os prazeres da vingança e do crime trazem em consequência o castigo, o remorso etc.
Reciprocamente veem-se as dores e as provas mais penosas trazerem depois bens evidentes.
A amputação salva-nos a vida, o trabalho enérgico e penoso nos dá a comodidade, etc.
Nesses diferentes casos, se considerarmos os resultados, é o prazer que é um mal, é a dor que é um bem.

2 º - É preciso acrescentar que dentre os prazeres, uns são baixos, vergonhosos e vulgares, por exemplo os prazeres da embriaguez;
Outros nobres e generosos, por exemplo, o heroísmo do soldado.
Dentre os prazeres do homem, há aqueles que lhe são comuns com os animais, outros que são próprios do homem.
Colocar-se-ão uns e outros na mesma linha?

3º - Há prazeres muito vivos, mas passageiros e fugitivos, como os prazeres das paixões.
Há outros que são duráveis e contínuos, como os da saúde, da segurança, da comodidade, da consideração.
Sacrificar-se-ão esses prazeres que duram toda a vida a prazeres que duram apenas uma hora?

4º - Outros prazeres são muito vivos, mas igualmente incertos e entregues ao acaso, por exemplo, os prazeres da ambição ou os prazeres do jogo;
Outros, ao contrário, mais calmos e menos inebriantes, mas mais seguros, por exemplo, os prazeres da família.
Assim os prazeres podem ser comparados com relação à certeza, à pureza, à duração, à intensidade etc.

A experiência nos ensina que não se deve buscar os prazeres sem discernimento e sem distinção, que é preciso usar a razão para compará-los entre si, sacrificar o presente incerto e passageiro a um futuro durável, preferir os prazeres simples e pacíficos, não seguidos de arrependimentos, aos prazeres tumultuosos e perigosos das paixões etc.,
Numa palavra, sacrificar o agradável ao útil.

.........................................................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 04 de Setembro de 2020, 14:06
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO III  -  O ÚTIL E O HONESTO

Deve-se preferir, como acabamos de ver, o útil ao agradável;
Mas o próprio útil não deve ser confundido com o verdadeiro bem, ou seja, com o honesto.
Expliquemos as diferenças dessas duas ideias.

1º - Não há honestidade ou bem moral sem desinteresse;
E o homem que busca em tudo apenas seu interesse pessoal é difamado por todos como egoísta.

2º - O interesse dá apenas conselhos, a moralidade dá ordens.
Não se é obrigado a ser um homem hábil, mas é-se obrigado a ser um homem honesto.

3º - O interesse pessoal não pode fundar nenhuma lei universal e geral, a ser aplicada aos outros como a nós mesmos, pois a satisfação de cada um depende de sua maneira de ver.
Cada um tira seu prazer de onde o encontra e entende seu interesse como lhe agrada.
Mas o honesto ou o justo é o mesmo para todos.

4º -  O honesto é claro e evidente;
O útil é incerto.
A consciência declara a cada um o que é bem ou mal;
Mas é preciso uma experiência bem exercitada para calcular todas as consequências possíveis de nossas ações,
E com frequência até nos seria absolutamente impossível prevê-las.
Não sabemos, portanto, o que nos será útil;
Sabemos sempre o que é bem.

5º - Jamais é impossível fazer o bem;
Mas nem sempre se pode fazer o que se deseja para ser feliz.
O prisioneiro pode sempre suportar corajosamente sua prisão;
Mas não pode sair dela.

6] - O julgamento que se faz de si mesmo difere segundo o princípio da ação que se admite.
Aquele que perdeu no jogo pode afligir-se consigo mesmo e com sua imprudência;
Mas aquele que tem consciência de ter enganado no jogo (ainda que tenha ganhado por esse meio) deve desprezar-se quando julga a si mesmo do ponto de vista da lei moral.
Então, essa lei não deve ter por princípio a satisfação pessoal.
Isso porque, para poder dizer a si mesmo:
“Sou um miserável, embora tenha enchido minha bolsa”, é preciso um princípio diverso daquele utilizado para congratular-se e dizer para si mesmo:
“Sou um homem prudente, pois abasteci meu caixa.”

7º - A ideia de punição ou castigo também não se explicaria se o bem fosse apenas o útil.
Não se pune um homem por ter sido inábil;
Pune-se por ter sido culpado. (2)

.....................
(2) Eis o que diz a Filosofia Espírita:
“Quem é, com efeito, o culpado?
É aquele que, por um desvio,  por um falso movimento da alma, se afasta do objetivo da criação, que consiste no culto harmonioso do belo, do bem, idealizados pelo arquétipo humano, pelo Homem-Deus, por Jesus-Cristo.
“Que é o castigo?
A consequência natural, derivada desse falso movimento;
Uma certa soma de dores necessária a desgostá-lo da sua deformidade, pela experimentação do sofrimento.
O castigo é o aguilhão que estimula a alma, pela amargura, a se dobrar sobre si mesma e a buscar o porto de salvação.
O castigo só tem por fim a reabilitação, a redenção.
Querê-lo eterno, por uma falta não eterna, é negar-lhe toda a razão de ser.”
(Livro dos Espíritos, item 1009) (N.R)

.........................................................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 04 de Setembro de 2020, 14:07
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO IV - O HONESTO

Acabamos de ver que nem o prazer nem a utilidade são objeto legítimo e supremo da vida humana.
Certamente, é permitido buscar o prazer, visto que a natureza a isso nos convida;
Mas não devemos limitar a isso nosso destino;
Sem dúvida, é também permitido, e até por vezes ordenado, buscar o que nos é útil, visto que a razão quer que procuremos nos conservar.
Todavia, acima do prazer e da utilidade, há outro objetivo, um objetivo superior, que é o verdadeiro objeto a que se deve propor a vida humana.
Essa finalidade superior e última é o que se chama o bem, o honesto, o justo, segundo as circunstâncias.
O que é então o honesto?
Distingue-se no homem uma dupla natureza:
O corpo e a alma;
E na própria alma duas partes, uma superior, outra inferior:
Uma à qual se reserva mais particularmente o nome de alma, outra mais carnal, mais material se é permitido dizê-lo, e que se aproxima do corpo;
De um lado a inteligência, os sentimentos, a vontade;
Do outro os sentidos, os apetites e as paixões.
Ora, o que distingue o homem do animal é elevar-se acima dos sentidos, dos apetites e das paixões, e ser capaz de pensar, de amar e de querer.
Assim o bem moral consiste em preferir em nós o que há de melhor ao que há de menor;
Os bens da alma aos bens do corpo,
A dignidade da natureza humana à servidão das paixões animais,
As nobres afeições do coração às tendências de um vil egoísmo.
Numa palavra, o bem moral consiste para o homem em tornar-se verdadeiramente homem, isto é:

“Uma vontade livre, guiada pelo coração, esclarecida pela razão.”

O bem moral toma diferentes nomes, conforme as relações que são consideradas.
Por exemplo,
Quando se tem por objeto principal o homem individual, em sua relação consigo mesmo, o bem torna-se o que se chama propriamente o honesto, e tem sobretudo por objeto a dignidade pessoal.
Em relação aos outros homens, o bem toma o nome de justo, e tem por objeto principal a felicidade de outrem.
Consiste em não fazer a outrem o que não queremos que nos seja feito, ou em fazer a outrem o que gostaríamos que nos fosse feito.
Enfim, com relação a Deus,
O bem chama-se piedade ou devotamento, e consiste em dar ao pai dos homens e do universo o que lhe é devido.
Assim o honesto, o justo e o pio são os diferentes nomes que recebe o bem moral,
Segundo consideremos a nós mesmos, os outros homens, ou Deus.
Sob essas diferentes formas o bem moral apresenta-se sempre com o mesmo caráter ou seja, ele nos impõe a obrigação ou o dever de cumpri-lo.

.........................................................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: lconforjr em 05 de Setembro de 2020, 03:44
Algum dos amigos poderá nos explicar o significado da afirmação "o homem é naturalmente arrastado para o prazer"?
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Setembro de 2020, 11:46
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO V  - O DEVER

O bem moral ou o honesto não pode ser concebido por nós sem ser reconhecido imediatamente como o verdadeiro bem, o soberano bem.
E com efeito, o que pode haver de melhor para o homem do que ser verdadeiramente homem,
Isto é, gozar das verdadeiras faculdades humanas, daquelas que o distinguem do animal?
Nenhum homem consentiria voluntariamente em ser transformado em animal, em tornar-se idiota, louco, cair no delírio etc.;
E no entanto, é precisamente isso que acontece, quando se obedece voluntariamente a todas as suas paixões, sendo toda paixão verdadeiramente um delírio.
Pode-se talvez, por fraqueza, ser arrastado para o mal;
Mas é impossível não amar o bem mais do que o mal, quando se conhece verdadeiramente o bem.
Sendo o bem moral (isto é, o honesto, o justo e o pio indivisivelmente unidos) nosso verdadeiro bem, e mesmo todo o nosso bem, daí decorre manifestamente que ele é o objetivo supremo, o verdadeiro objetivo da vida humana.
Se o homem fosse apenas pura razão e puro amor (como se diz que são os santos), ele se dirigiria tão naturalmente para o honesto, o pio e o justo, quanto se dirige atualmente para o prazer ou para a utilidade.
Mas sendo o homem duplo como vimos, estando ligado ao corpo e à animalidade por um lado, como pelo outro é ligado a Deus, à verdade e à justiça, decorre daí que há nele uma guerra intestina, e que sua razão de um lado lhe mostra o bem, enquanto sua paixão o arrasta ao prazer.
Essa lei, que nos conduz ao bem, e que, se o homem fosse inteiramente espírito, seria apenas uma lei de liberdade e de amor, quando se opõe às paixões, toma a forma de um constrangimento, de uma ordem, de uma necessidade.
Ela toma uma forma imperativa ou proibitiva:
É um mandamento ou uma proibição:
“faz o bem”, “não faças o mal”.
Tal é sua fórmula.
Ela fala como um legislador, como um senhor.
É o que se chama o dever.
Todavia, esse constrangimento é um constrangimento moral;
Distingue-se da coerção física no que esta tem de fatal e irresistível, ao passo que o constrangimento que o dever nos impõe é suportado pela nossa razão sem violentar a liberdade.
Este gênero de necessidade que se impõe só à razão, sem constranger a vontade, é a obrigação moral.
Dizer que o bem é obrigatório é dizer então que nós nos consideramos como obrigados a realizá-lo, sem sermos forçados a isso.
Ao contrário, desde que o cumpríssemos à força, ele deixaria de ser o bem.
Ele deve, portanto, ser livremente realizado, e o dever pode ser definido como uma necessidade consentida.
O dever tem dois caracteres: é absoluto e universal.
1º - Ele é absoluto:
quer dizer que ele nos comanda sem condição, sem levar em conta nossos desejos, nossas paixões, nossos interesses.
Por isso as ordens do dever se distinguem, como já vimos, dos conselhos interessados da prudência;
Das regras em que os cálculos da prudência são apenas meios para alcançar um certo fim, que é o útil.
A lei do dever, ao contrário, é seu próprio objetivo: a lei deve ser obedecida por si mesma, e não por alguma outra razão.
A prudência diz:
“Quem quer o fim quer os meios.”
O dever diz:
“Faz o que deves, aconteça o que acontecer.”
2º - Desse primeiro caráter deduz-se um segundo:
Sendo o dever absoluto, ele é universal, isto é, ele se aplica a todos os homens da mesma maneira, nas mesmas circunstâncias;
E, por conseguinte, que cada qual deve reconhecer que essa lei se impõe a si mesmo tanto quanto aos outros homens.
Daí estas duas belas máximas do Evangelho:
“ – Faz a outrem o que gostarias que fosse feito a ti mesmo.
– Não faças a outrem o que não gostarias que te fizessem.”
A lei do dever não é somente obrigatória por si mesma;
Ela o é ainda porque deriva de Deus, que quis, em sua justiça e em sua bondade, que fôssemos a ela submetidos.
Sendo Deus ele próprio o ser absolutamente perfeito, e tendo-nos criado à sua imagem, quis por isso mesmo que fizéssemos nossos esforços para imitá-lo o máximo possível;
E dando-nos o ser, impôs-nos a obrigação de ser virtuosos.
É portanto a Deus mesmo que nós obedecemos, ao obedecermos à lei do honesto e do dever.
.........................................................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 10 de Setembro de 2020, 11:47
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO VI -
A CONSCIÊNCIA MORAL


Uma lei não pode comandar a nenhum agente sem que ele a conheça, sem que ela lhe seja apresentada,
Ou seja, sem que ele a aceite como verdadeira, e reconheça sua aplicação necessária em cada caso particular.
Esta faculdade de reconhecer a lei moral e de aplicá-la a todas as circunstâncias que se apresentam é o que se chama a consciência.
A consciência é, pois, o ato do espírito pelo qual aplicamos as regras gerais estabelecidas pela moral a um caso particular, a uma ação a fazer ou a uma ação feita.
Ela é o poder que ordena e é também o juiz interior que condena ou absolve.
Por um lado, ela dita o que é preciso fazer ou evitar;
Por outro, julga o que foi feito.
Com isso, ela é a condição do cumprimento de todos os nossos deveres.(3)
Sendo a consciência o julgamento prático que, em cada caso particular, decide entre o bem e o mal, não se pode pedir a cada homem senão uma coisa:
Agir de acordo com sua consciência.
Uma vez chegado o momento da ação, não há outra regra a não ser essa.
Todavia, é preciso estar bem atento para não buscar obscurecer, por dúvidas sutis, seja em si mesmo, seja nos outros, as decisões nítidas e distintas da consciência.
Efetivamente, com frequência, para se aturdirem quando querem realizar algumas más ações, os homens combatem sua própria consciência por sofismas.
Sob a influência desses sofismas, a consciência torna-se falsa;
Ou seja, acaba por tomar o bem pelo mal, e o mal pelo bem, e é mesmo um dos castigos daqueles que enveredam pelo caminho do vício, o tornarem-se, com o tempo, incapazes de discernir o bem do mal.
Quando se diz de um homem que ele não tem consciência, não é que ele seja realmente privado dela (porque então não seria um homem);
É que ele se habituou a não a consultar, ou a desprezar seus ditames.(4)
Chama-se consciência ignorante aquela que faz o mal, porque ainda não tem a consciência do bem.
Assim, a criança que atormenta os animais nem sempre o faz por maldade;
Ignora ou não pensa que os faz sofrer.
Assim, diz-se dos selvagens que matam seus velhos pais quando não podem mais alimentá-los:
Eles acreditam e querem fazer-lhes bem impedindo-os de passar fome.
O mesmo ocorre com o bem como com o mal:
A criança não é boa ou má antes de ter o discernimento de um ou do outro.
É o que se chama estado de inocência, que de algum modo é o sono da consciência.
Mas esse estado não pode durar;
É preciso esclarecer a consciência da criança, e em geral a consciência dos homens.
É o progresso da razão humana que nos ensina cada dia a conhecer melhor a diferença entre o bem e o mal.
Às vezes acontece de ficarmos, de algum modo, divididos entre duas consciências;
Não evidentemente entre o dever e a paixão, que é o combate moral por excelência, mas entre dois ou vários deveres.
É o que se chama consciência duvidosa ou perplexa.
Neste caso, a regra mais simples, quando é praticável, está expressa por esta máxima célebre:
Na dúvida, abstém-te.
Nos casos em que é impossível abster-se absolutamente, e em que é preciso não só agir, mas escolher,
A regra será então escolher sempre o partido menos conforme ao vosso interesse pessoal, pois podemos sempre supor que o que torna nossa consciência duvidosa é um motivo interessado, desapercebido.
Se não houver interesse nem de um lado nem do outro, só resta então decidir-se segundo as circunstâncias.
Mas é muito raro que a consciência se encontre nesse estado de dúvida absoluta, e quase sempre há mais razão de um lado que do outro.
Então, a regra mais simples, e a mais geral, é escolher sempre o partido mais provável.
......................
(3)No tocante ao dever moral, Paul Janet é consentâneo com o que ensina a Filosofia Espírita, que diz:
"O dever é o mais belo laurel da razão;
Descende desta como de sua mãe o filho.
O homem tem de amar o dever, não porque preserve de males a vida, males aos quais a Humanidade não pode subtrair-se, mas porque confere à alma o vigor necessário ao seu desenvolvimento.”
 (O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XVII - Sede perfeitos - Instrução dos Espíritos - O dever.) (N.R)
(4)O mesmo diz a Filosofia Espírita:
"O dever íntimo do homem fica entregue ao seu livre-arbítrio;
O aguilhão da consciência, guardião da probidade interior, o adverte e sustenta, mas muitas vezes mostra-se impotente diante dos sofismas da paixão.”
(O Evangelho segundo o Espiritismo - cap. XVII - Sede perfeitos - Instrução dos Espíritos - O dever.) (N.R)

.........................................................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 13 de Setembro de 2020, 17:05
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO VII
O SENTIMENTO MORAL


Ao mesmo tempo que o espírito distingue entre o bem e o mal por um julgamento que se chama a consciência,
O coração experimenta emoções, ou afeições diversas, abarcados pelo nome comum de sentimento moral.
São os prazeres ou as dores que nascem em nossa alma, à vista do bem ou do mal, seja em nós mesmos, seja em outrem.
Relativamente às nossas próprias ações, os sentimentos se modificam conforme a ação esteja por fazer ou já feita.
No primeiro caso, sentimos de um lado uma certa atração pelo bem (quando a paixão não é suficientemente forte para sufocá-lo),
De outro, uma repugnância ou aversão pelo mal (mais ou menos atenuada segundo as circunstâncias pelo hábito ou pela violência do desejo).
Esses dois sentimentos não receberam usualmente nomes particulares.
Quando ao contrário a ação foi realizada, o prazer que daí resulta,
Se agimos bem, chama-se satisfação moral,
E se agimos mal, remorso ou arrependimento.
O remorso é a dor abrasadora, e, como indica a palavra, a chaga que tortura o coração após uma ação condenável.
Esse sofrimento pode se encontrar naqueles mesmos que não têm nenhum pesar por terem feito mal e voltariam a fazê-lo.
Ele não tem, portanto, nenhum caráter moral, e deve ser considerado como uma espécie de castigo infligido ao crime pela própria natureza.
“A malícia, disse Montaigne, envenena-se com seu próprio veneno.
O vício deixa como que uma úlcera na carne, um arrependimento na alma, que sempre se arranha e ensanguenta a si mesma.”
O arrependimento é também, como o remorso, um sofrimento que nasce da má ação;
Mas junta-se a ele o pesar por a tê-la realizado, e o desejo (ou a firme resolução) de não mais realizá-la.
O arrependimento é uma tristeza da alma;
O remorso é uma tortura e uma angústia.
O arrependimento já é quase uma virtude;
O remorso é um castigo;
Mas um conduz ao outro, e aquele que não tem remorso não pode arrepender-se.
A satisfação moral, ao contrário, é uma paz, uma alegria, uma viva e deliciosa emoção, que nasce do sentimento de ter cumprido seu dever.
É o único pagamento que jamais nos falta.
Dentre os sentimentos que são provocados por nossas próprias ações, há dois que são os auxiliares naturais do sentimento moral:
O sentimento da honra e o sentimento da vergonha.
A honra é um princípio que nos determina a fazer as ações que nos elevam aos nossos próprios olhos, e a evitar as que nos envilecem.
A vergonha é o sentimento oposto ao da honra;
É o que experimentamos quando fizemos alguma ação que nos envileceu não só aos olhos dos outros, mas aos nossos próprios.
Todo remorso é mais ou menos acompanhado de vergonha;
No entanto, a vergonha é maior para as ações que parecem o sinal de uma certa baixeza de alma.
Por exemplo, sentiremos mais vergonha por termos mentido do que por termos batido, por havermos enganado no jogo do que por termos lutado em duelo.
A honra e a vergonha nem sempre são, portanto, uma medida exata do valor moral das ações;
Porque, desde que tenham algum brilho, o homem rapidamente as despe de toda vergonha;
É o que ocorre, por exemplo, na prodigalidade, na desordem, na ambição.
Faz-se o mal, não sem remorso, mas com uma certa ostentação que abafa o sentimento da vergonha.
Passemos aos sentimentos que as ações dos outros homens nos fazem experimentar.
Simpatia, antipatia, benevolência, estima, desprezo, respeito, entusiasmo, indignação, tais são as diversas expressões pelas quais exprimimos os diversos sentimentos da alma em presença da virtude e do vício.
A simpatia é a disposição para sentir as mesmas impressões que os outros homens;
Simpatizar com sua alegria é partilhar essa alegria;
Simpatizar com sua dor é partilhar essa dor.
Pode acontecer que simpatizemos com os defeitos dos outros homens, quando são os mesmos que os nossos, mas, em geral, os homens simpatizam sobretudo com as boas qualidades, e experimentam apenas antipatia pelas más.
No teatro, todos os espectadores, bons ou maus, querem ver a virtude recompensada e o crime punido.
O contrário da simpatia é a antipatia.
A benevolência é a disposição para querer o bem dos outros homens.
A estima é uma espécie de benevolência mesclada de julgamento e de reflexão que experimentamos por aqueles que agiram bem, principalmente se se tratar das virtudes médias e convenientes;
Se se tratar de virtudes mais altas e mais difíceis, a estima torna-se respeito;
Se se tratar de heroísmo, o respeito se amplifica em admiração e entusiasmo;
Admiração é o sentimento de espanto experimentado diante de tudo que é novo e grande;
O entusiasmo(5) é esse mesmo sentimento cada vez mais apaixonado que nos arrebata como se um deus estivesse em nós.
O desprezo é o sentimento de aversão que experimentamos por aquele que age mal, principalmente quando se trata de ações baixas e vergonhosas.
Quando se trata de ações condenáveis, mas não odiosas, o sentimento que experimentamos é o de reprovação, que, como a estima, está mais próximo de ser um julgamento que um sentimento.
Quando se trata enfim de ações criminosas e revoltantes, o sentimento que elas provocam é o horror ou a execração.
..................................
(5) A palavra entusiasmo vem de uma palavra grega que significa estar pleno de Deus.

.........................................................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 13 de Setembro de 2020, 17:06
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO VIII
A LIBERDADE


O homem ou o agente moral é livre, como dissemos, quando se acha em estado de escolher entre o bem e o mal, e de fazer um e outro à sua vontade.
A liberdade supõe sempre a posse de si mesmo.
O homem é livre no estado de vigília, no estado de razão, no estado adulto.
Não é livre, ou só o é muito pouco no sono, no delírio, na primeira infância.(6)
A liberdade é atestada ao homem:
1º - Pelo sentimento interior que acompanha cada um de seus atos:
Por exemplo, no momento de agir, sinto que posso querer, ou não querer tal ação;
Se me empenho nela, sinto que posso suspendê-la, enquanto ela não estiver inteiramente executada;
Quando a ação estiver acabada, tenho a convicção de que poderia ter agido de outra maneira.
2º - Pelo próprio fato da lei moral, ou do dever:
Eu devo, logo posso.
Ninguém é obrigado ao impossível.
Então, se há em mim uma lei que me ordena fazer o bem e evitar o mal, é porque posso fazer um ou outro à minha vontade.
3º - Pela satisfação moral que acompanha uma boa ação, pelo remorso ou o arrependimento que seguem as más.
Com efeito, não se dá parabéns por uma coisa que se fez contra a vontade, e não se censura uma ação que se fez impelido por uma fatalidade irresistível.
A primeira palavra que ouvimos de todos aqueles a quem censuramos uma má ação, é que não o fizeram deliberadamente, com intenção.
Eles reconhecem, assim, que não se pode censurar uma ação a não ser àquele que quis fazê-la, ou seja, que a fez livremente.
4º - Pelas recompensas e as penas, e em geral pela responsabilidade moral ligada a todas as nossas ações, quando foram realizadas com conhecimento de causa.
Não se punem as ações que resultam da coerção e da ignorância.
5º - Pelas exortações ou conselhos que damos aos outros homens.
Não se exorta um homem a ter calor ou frio, a não sofrer de fome ou sede, porque sente-se que isso não depende dele.
Mas exortamo-lo a ser homem honesto, porque acreditamos que ele pode sê-lo se o quiser.
6º - Pelas promessas:
Ninguém se compromete a não morrer, a não ficar doente etc.,
Mas promete-se estar presente a um encontro, pagar tal soma, tal dia, a tal homem, porque se sente que é possível, salvo circunstâncias de força maior.
Preconceitos contra a liberdade. –
 Embora os homens, como vimos, tenham um sentimento muito vivo da liberdade e demonstrem esse sentimento por seus atos, seus julgamentos, suas aprovações ou reprovações etc.,
Por outro lado, no entanto, eles cedem com frequência ao império de certos preconceitos que parecem contradizer a crença universal de que acabamos de falar.
1º - O caráter.
– O principal desses preconceitos é a opinião frequentemente emitida de que cada homem é arrastado por seu caráter próprio a realizar as ações que estão de acordo com esse caráter, e que nada se pode contra essa necessidade irresistível da natureza;
É o que muitas vezes se exprime por este axioma vulgar:
“Nós não refazemos a nós mesmos.”
É o que o poeta exprimiu igualmente por este verso célebre:
“Expulsai o natural, ele volta a galope.”(7)
Com efeito, nada é mais inexato, mais perigoso em princípio do que esta pretensa imutabilidade dos caracteres humanos, que tornaria o mal irremediável e incorrigível.
A experiência nos ensina o contrário.
Nenhum homem está absolutamente privado de boas inclinações nem de inclinações más;
Ele pode desenvolver umas e outras e escolher entre elas.
2º - Os hábitos.
– É verdade que os hábitos se tornam, com o tempo, quase irresistíveis.
É um fato observado com frequência;
Mas, por um lado, se um hábito inveterado é irresistível, o mesmo não ocorre com um hábito que começa;
E assim o homem permanece livre para prevenir a invasão dos maus hábitos.
É por isso que os moralistas nos aconselham acima de tudo a vigiar a origem de nossos hábitos.
“Toma sobretudo cuidado com os inícios.”
3º - As paixões.
– As paixões mais do que tudo tiveram o privilégio de passar por indomáveis e irresistíveis.
Todos os grandes pecadores se desculpam pelo arrebatamento fatal das paixões.
“O espírito é pronto, a carne é fraca”, diz o Evangelho.
As observações que acabamos de fazer sobre os hábitos aplicam-se igualmente às paixões.
É raro que as paixões se manifestem subitamente com esse excesso de violência, que, quando é inesperado e explode como um delírio, pode ter efetivamente as aparências da fatalidade.
Mas, em geral, a paixão cresce e aumenta pouco a pouco.
“Alguns crimes sempre precedem os grandes crimes.”
É especialmente quando os primeiros estragos da paixão começam a mostrar-se que ela deve ser combatida com energia.
4º - A educação e as circunstâncias.
– A educação recebida, as circunstâncias nas quais se encontram podem limitar a liberdade dos homens;
E eles nem sempre são inteiramente responsáveis pelos impulsos que devem ao exemplo e aos maus princípios com os quais foram nutridos.
Essas serão, se quisermos, circunstâncias atenuantes, mas que não chegam a suprimir inteiramente a liberdade e a responsabilidade.
Todavia, mesmo levando em conta tanto quanto possível as circunstâncias atenuantes na apreciação dos atos de outrem, devemos ao contrário fazê-lo tão estrita e estreitamente quanto possível no governo de nós mesmos.
Com efeito, não tendo ninguém uma medida fixa que lhe permita fixar de maneira absoluta sua força moral, mais vale visar mais alto do que mais baixo.
É preciso guiar-se por este princípio de que nada é impossível àquele que quer,
“porque podemos quando cremos poder.”
Em resumo, a liberdade nada mais é do que a força moral.
A experiência atesta que o homem pode se tornar senhor da natureza física que submete a seus desígnios;
Pode tornar-se senhor do seu próprio corpo,
Pode tornar-se senhor de suas paixões,
Senhor de seus hábitos,
Senhor de seu próprio caráter,
Numa palavra, pode ser “senhor de si mesmo.”
Remontando assim pouco a pouco da natureza exterior ao corpo, do corpo às paixões, das paixões aos hábitos e ao caráter, chegamos até um impulso primeiro, que tudo move sem ser movido:
É a liberdade.
>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(6) A doutrina espírita ensina-nos que durante o sono a alma não repousa como o corpo; que o Espírito jamais está inativo; que, durante o sono, afrouxam-se os laços que o prendem ao corpo e, não precisando este então da sua presença, ele se lança pelo espaço e entra em relação mais direta com os outros Espíritos. (Ver Livro dos Espíritos, item 400 e seguintes).
(7) Verso do poeta Destouche. La Fontaine disse no mesmo sentido: Vós lhe fechais a porta na cara / Ele voltará pela janela.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 13 de Setembro de 2020, 17:08
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO IX
O MÉRITO E O DEMÉRITO


Chama-se mérito a qualidade em virtude da qual um agente moral se torna digno de uma recompensa;
E o demérito, a qualidade pela qual um agente moral se tornaria de alguma forma digno de punição.
O mérito de uma ação se mede:
Primeiro pela dificuldade da ação;
Segundo pela importância do dever.
1º - Por que, por exemplo, há em geral muito pouco mérito em não se apropriar do bem de outrem, pelo menos dessa forma grosseira que se chama o roubo?
Porque nesse ponto a educação moldou-nos de tal maneira que a maioria dos homens não experimenta nenhuma tentação desse gênero, e, se houvesse semelhante tentação, ter-se-ia até vergonha de reivindicar publicamente esse mérito.
Por que há um grande mérito em sacrificar a vida pela felicidade dos outros homens?
Porque temos um vivo apego pela vida, e um sentimento relativamente muito fraco de amor pelos homens em geral:
Sacrificar o que amamos muito ao que amamos pouco, por amor ao dever, é evidentemente muito difícil;
É por isso que achamos nessa ação um mérito muito grande.(8)
Suponde que um homem, tendo gozado durante uma longa vida, com toda tranquilidade de consciência, de uma grande fortuna que acredita ser sua, e da qual faz o mais nobre uso, no limiar da velhice saiba repentinamente que essa fortuna não lhe pertence.
Suponde, para tornar a ação mais difícil, que ele seja o único a saber, e possa, por conseguinte, com toda a segurança, ficar com ela, se quiser;
Agravai a situação supondo que essa fortuna pertença a herdeiros que estão na miséria, e que esse depositário, uma vez despojado dela, fique ele mesmo reduzido à extrema miséria.
Imaginai por fim todas as circunstâncias que tornam ao mesmo tempo o dever mais estrito e mais difícil;
Tereis então uma ação cujo mérito será muito grande.
2º - Não é somente a dificuldade da ação que constitui seu mérito:
É a importância mesma do dever.
Também o mérito da dificuldade vencida não tem mais valor em moral do que em poesia quando está sozinho.
Pode-se talvez impor a si mesmo uma espécie de ginástica moral, e por conseguinte provas muito difíceis, embora definitivamente inúteis;
Mas é apenas a título de provas e de exercícios, e não como deveres;
E ainda será preciso que essas provas tenham algumas relações com a vida que se leva.
Por exemplo, que um missionário chamado a enfrentar, por toda a sua vida, todos os climas, todos os perigos, para isso se exercite com antecedência por empreendimentos audaciosos e temerários, tais empreendimentos são razoáveis e meritórios.
Mas aquele que por bravata, por ostentação, sem nenhum objetivo científico, se impusesse escalar montanhas inacessíveis, atravessar um braço de mar a nado, lutar abertamente com animais ferozes etc., realizaria ações que não são sem mérito, visto que seriam corajosas,
Mas cujo mérito não equivaleria àquele que atribuiríamos a outras ações, menos difíceis, mas mais sábias.
Quanto ao demérito, ele é proporcional à gravidade dos deveres e à facilidade de cumpri-los.
Quanto mais grave e fácil é um dever, mais culpado se é por não cumpri-lo.
Segundo estes princípios, pode-se determinar, como se segue, a avaliação das ações morais.
As ações humanas, como dissemos, dividem-se em duas classes:
As boas e as más.
Discute-se entre os moralistas para saber se há ações indiferentes.
Dentre as ações boas, umas são belas, heroicas, sublimes, as outras, convenientes, retas e honestas;
Dentre as más, umas são simplesmente condenáveis, as outras, vergonhosas, horrendas, criminosas;
Por fim, dentre as indiferentes, umas são agradáveis e permitidas, as outras são necessárias e inevitáveis.
Demos alguns exemplos para fazer compreender bem esses diferentes caracteres das ações humanas.
Um juiz que faz justiça sem parcialidade, um comerciante que vende sua mercadoria apenas pelo que ela vale, um devedor que paga regularmente a seu credor, um soldado preciso na manobra, obediente à disciplina e fiel a seu posto em tempo de paz, um aluno que faz regularmente o dever que lhe foi pedido, todas essas pessoas realizam ações boas e louváveis, mas não extraordinárias.
São aprovadas, não são admiradas.
Gerir economicamente sua fortuna, não ceder demasiado aos prazeres dos sentidos, não mentir, não ferir ou bater em nossos semelhantes, são outras tantas ações boas, retas, convenientes, dignas de estima, não de admiração.
À medida que as ações se tornam mais difíceis, tornam-se mais belas;
E se forem extremamente difíceis e perigosas, chamam-se heroicas e sublimes, desde que sejam boas, pois infelizmente às vezes emprega-se o heroísmo para fazer o mal.
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 13 de Setembro de 2020, 17:08
Aquele que, como o presidente de Harlay, diz a um usurpador todo-poderoso:
“Que grande tristeza quando o criado expulsa o senhor.”
Aquele que, como o visconde d’Orte, respondeu a Charles IX após a São Bartolomeu
“meus soldados não são carrascos”;
Aquele que, como Boissy-d’Anglas, mantém firme e inabalável o direito de uma assembleia diante das violências sanguinárias de uma populaça amotinada;
Aquele que, como Morus ou Dubourg, prefere morrer a sacrificar sua fé;
Aquele que, como Colombo, enfrenta um oceano desconhecido e a revolta de uma tropa grosseira e supersticiosa, para obedecer a uma convicção generosa;
Aquele que, como Alexandre, acredita na amizade a ponto de receber das mãos de seu médico uma bebida que dizem estar envenenada;
Todo homem que se devota a seus semelhantes, seja no fogo, seja na água, seja nas profundezas da terra enfrenta a morte para salvar a vida, para espalhar a verdade, para permanecer fiel à boa fé, para servir a religião, a ciência, ou a humanidade, não recua diante da fome e da sede, da miséria, da escravidão, das torturas ou da morte, é um herói.
Epicteto era escravo.
Seu senhor mandou bater-lhe por uma negligência.
“Ides quebrar-me a perna,” disse ele, e foi o que aconteceu.
“Eu bem avisei que a quebraríeis,” continuou pacificamente o escravo.
Eis um herói.
Joana d’Arc, vencida, prisioneira, ameaçada pela fogueira, dizia em face de seus carrascos:
“Bem sei que os ingleses me farão morrer;
Mas ainda que fossem cem mil goddem (9) , eles não terão este reino.”
Eis uma heroína.
As ações más têm igualmente seus graus.
É digno de nota que as mais detestáveis são aquelas que se opõem às ações simplesmente boas;
Ao contrário, uma ação que não é heroica não é por isso necessariamente má;
E quando ela é má, não é o que há de mais criminoso.
Alguns exemplos são ainda necessários para compreender essas nuances, cujo sentimento toda gente tem e que se reconhecem muito bem na prática, mas que são bastante difíceis de analisar teoricamente.
Ser respeitoso com seus pais, por exemplo, é uma ação boa e honesta, mas não heroica.
Ao contrário, bater-lhes, insultá-los, matá-los, são ações abomináveis, dentre as mais baixas e mais horrendas que se possam cometer.
Amar seus amigos, prestar-lhes serviços quanto se pode, é fruto de uma alma reta e bem dotada, mas nada tem de sublime.
Ao contrário, trair a amizade, caluniar aqueles que nos amam, mentir para se insinuar junto deles, surpreender seus segredos para usá-los contra eles, são ações negras, baixas e vergonhosas.
Não se considera meritório não tomar o bem de outrem;
O roubo, ao contrário, é o que há de mais desprezível.
Agora, fraquejar diante da adversidade, recuar diante da morte, não enfrentar o gelo do polo Norte, ficar em casa, quando o incêndio ou a inundação ameaçam nossos irmãos, são ou podem ser ações banais ou vulgares,
Mas não são ações criminosas.
Acrescentemos, entretanto, que há casos em que o heroísmo é obrigatório, e em que é criminoso não ser sublime.
Um capitão de mar e guerra que pôs seu navio em perigo, e não fica em seu posto para salvá-lo;
Um general que não sabe morrer, se for preciso, à frente de seu exército;
Um chefe de Estado que, em tempo de revolta ou de pátria ameaçada teme a morte;
Um presidente de assembleia que escapa diante de um motim;
Um médico que foge diante da epidemia;
Um magistrado que trai a justiça por medo, cometem ações verdadeiramente condenáveis. Cada estado tem seu heroísmo que se torna obrigatório em determinado caso.
No entanto, sempre será verdadeiro dizer que quanto mais fácil é uma ação, menos escusável, e por conseguinte, mais odioso é livrar-se dela.
Além das ações boas e das ações más, há outras que parecem não ter nem um nem outro desses dois caracteres, não são nem más nem boas, e são chamadas por isso de indiferentes.
Por exemplo,
Ir passear é uma ação que considerada em si mesma não é boa nem má, embora possa tornar-se um ou outro segundo as circunstâncias.
Dormir, ficar acordado, alimentar-se, fazer exercício, conversar com seus amigos, ler um livro agradável, tocar música, são ações que certamente nada têm de mau,
Todavia não serão citadas como exemplo de boas ações.
Não se dirá, por exemplo:
Fulano é homem muito honrado, pois toca bem violino.
Sicrano é um sábio, porque tem bom apetite.
Com mais forte razão se se tratar de ações absolutamente necessárias, como o ato de respirar e de dormir.
As ações ligadas às próprias necessidades de nossa existência escapam assim a todo caráter moral:
Elas são para nós o que são para os animais ou para as plantas:
Ações puramente naturais.
Há outras que não são necessárias, mas simplesmente agradáveis, e que fazemos porque concordam com nossos desejos e gostos.
Basta que não sejam contrárias ao bem, para que não se possa dizer que são más, mas não decorre daí que sejam boas:
É o que se chama ações indiferentes.
Tal é pelo menos a aparência das coisas:
Pois de um ponto de vista mais elevado, os moralistas tiveram razão ao dizer que não há ação absolutamente indiferente, e que todas, de acordo com a intenção que as acompanha, são boas ou más, conforme o pensamento com o qual são cumpridas.
...........................
(8) "Na ordem dos sentimentos, o dever é muito difícil de cumprir-se, por se achar em antagonismo com as seduções do interesse e do coração.” (O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XVII - Sede perfeitos - Instrução dos Espíritos - O dever.) (N.R)
(9) Goddem, variante da palavra Goddam, termo pejorativo para referir-se aos ingleses. Essa 9 palavra é a abreviação do juramento dos antigos soldados ingleses “God damn me” (Deus me dane), ou seja: estou pronto para o inferno. (http://www.cnrtl.fr/definition/goddam) (N.R)

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Setembro de 2020, 15:37
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO X
DA RESPONSABILIDADE MORAL


Sendo o homem livre, é por isso mesmo responsável por suas ações:
Elas lhe são imputáveis.
Essas duas expressões têm quase o mesmo significado;
A diferença é que a responsabilidade se refere ao agente e a imputabilidade se aplica às ações. As duas condições fundamentais da responsabilidade moral são:
1º - O conhecimento do bem e do mal;
2º - A liberdade da ação.
Porém, quando essas duas condições variam, a responsabilidade varia, e na mesma proporção.
Decorre daí que:
1º - O idiotismo, a loucura, os delírios em caso de doença, destruindo quase sempre ao mesmo tempo as duas condições da responsabilidade, a saber, o discernimento e o livre-arbítrio, suprimem por isso mesmo todo caráter moral às ações cometidas nesses diferentes estados:
Elas não são de natureza a ser imputadas ao agente.
Contudo, alguns loucos, não sendo completamente loucos, podem conservar, em seus estados lúcidos, uma certa parte da responsabilidade.
2º - A embriaguez pode ser considerada como uma causa de irresponsabilidade?
Não,
Certamente;
Porque de um lado é-se responsável pelo fato mesmo da embriaguez;
Do outro, sabe-se que ao se colocar em semelhante estado, está-se exposto a todas as conseqüências, e por conseguinte elas são aceitas implicitamente.
Por exemplo, aquele que se põe em estado de embriaguez consente de antemão em todas as ações baixas, grosseiras que são inseparáveis desse estado.
Quanto às ações violentas e perigosas que podem resultar daí acidentalmente, como os golpes e os homicídios que nascem de brigas, não se pode talvez imputá-las ao homem embriagado com a mesma severidade que ao homem são;
Pois certamente ele não as quis explicitamente colocando-se em estado de embriaguez;
Mas também não é inocente, pois sabia que era uma das conseqüências possíveis desse estado.
Quanto àquele que se coloca voluntariamente em estado de embriaguez com a intenção proposital de cometer um crime e a fim de tomar coragem,
É evidente que muito longe de diminuir assim sua parte de responsabilidade na ação, ao contrário a aumenta, visto que faz esforços para afastar violentamente todos os escrúpulos ou as hesitações que poderiam precisamente ter detido o crime.
3º - “Ninguém é obrigado ao impossível.”
Segundo este princípio, é evidente que não se é responsável por uma ação, se se esteve na impotência absoluta de realizá-la.
Assim sendo, não se pode censurar um paralítico, uma criança, um doente por não pegar em armas para defender a pátria.
No entanto, não se deve por-se voluntariamente na impossibilidade de agir, como fariam por exemplo, e isso acontecia frequentemente em Roma, aqueles que cortavam o polegar para não pegar em armas.
Igualmente o devedor que por circunstâncias independentes da sua vontade (incêndio, naufrágio, epidemia) se acha impossibilitado de cumprir suas obrigações, é escusável;
Mas se ele se comprometeu sabendo que ficaria impossibilitado de pagar, essa impotência não seria uma escusa.
4º - As qualidades naturais ou os defeitos do espírito e do corpo não podem ser imputados a ninguém, nem para o bem nem para o mal.
Quem censuraria um homem porque é cego de nascença ou porque veio a ser em consequência de uma doença ou de um golpe?
O mesmo ocorre com as faltas de espírito:
Ninguém é responsável por não ter memória ou ter pouco espírito.(10)
Todavia como esses defeitos se podem corrigir pelo exercício, é-se mais ou menos responsável por não fazer esforços para remediá-los.
Quanto aos defeitos ou deformidades que seriam por culpa nossa, por exemplo, por nossas paixões,
É evidente que podem nos ser imputados com toda a razão.
As qualidades naturais também não podem ser imputáveis à pessoa.
Assim não se deve prestar homenagem a alguém pela sua força física, sua saúde, sua beleza, ou mesmo seu espírito;
E ninguém se deve vangloriar ou atribuir-se a honra de tais vantagens.
No entanto, aquele que por uma vida sensata e laboriosa conseguiu conservar ou desenvolver sua força física, ou que, pelos seus esforços de vontade, cultivou e aperfeiçoou seu espírito, merece elogios;
E é assim que indiretamente as vantagens físicas e morais podem se tornar matéria legítima para a imputação moral.
5º - Os efeitos das causas exteriores e os acontecimentos, sejam eles quais forem, não poderiam ser imputados a alguém, nem para o bem nem para o mal,
Senão na medida em que esse alguém podia e devia provocá-los, impedi-los ou dirigi-los,
E em que ele foi cuidadoso ou negligente a respeito deles.
Assim põe-se na conta de um lavrador uma boa ou má colheita, conforme ele tiver trabalhado bem ou mal na cultura de que está encarregado.
6º - Uma última questão é a da responsabilidade que o homem pode ter nas ações de outrem.
Em princípio, certamente nenhum homem é responsável senão por suas próprias ações.
Mas as ações humanas estão tão ligadas umas às outras que é muito raro não participarmos direta ou indiretamente na conduta dos outros.
Por exemplo:
1º - Em certa medida somos responsáveis pela conduta daqueles que nos estão submetidos;
Por exemplo, um pai por seus filhos, um senhor por seus servidores, e em certa medida um patrão por seus operários;
2º - Somos responsáveis, até certo ponto, pelas ações que poderíamos ter impedido, quando por negligência ou preguiça não o fizemos.
Por exemplo:
Se vemos um homem prestes a matar-se e não fazemos nenhum esforço para impedi-lo, não somos inocentes de sua morte, a menos, evidentemente, que não soubéssemos o que ele ia fazer;
3º - Somos responsáveis pela ação de outrem quando houvermos cooperado para ela, seja por nossas instigações, seja até mesmo por uma simples aprovação.
.............
(10) Neste sentido, espírito é sinônimo de inteligência. (N.R.)

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Setembro de 2020, 15:38
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XI
A SANÇÃO MORAL


Chama-se sanção de uma lei o conjunto das recompensas e das penas vinculadas à execução ou à violação da lei.
As leis civis, em geral, fazem mais uso dos castigos que das recompensas:
Pois as penas podem parecer um meio suficiente para fazer executar a lei.
Na educação, ao contrário, as ordens ou leis estabelecidas pelo superior precisam tanto das recompensas quanto das punições.
Mas o que se deve entender pelos termos de recompensas ou de punições?
A recompensa é o prazer obtido depois de uma ação boa ou virtuosa, pela única razão de ela ser boa ou virtuosa.
Assim, é preciso distinguir a recompensa de dois outros fatos que se lhe assemelham, e que são profundamente diferentes:
O favor e o salário.
O favor é um prazer ou vantagem que se recebe sem tê-lo merecido nem ganhado, e por puro dom da benevolência de outrem.
É assim que um rei concede favores a seus cortesãos, que os poderosos distribuem favores.
É assim que se fala dos favores da fortuna.
Embora em princípio não haja razão para entender a palavra favor num mau sentido, entretanto ela acabou no uso corrente por significar não só uma vantagem não merecida, mas uma vantagem indevida, não só uma preferência legítima que tem sua causa na simpatia, mas uma escolha arbitrária, mais ou menos contrária à justiça.
Todavia, mesmo quando não se lhe atribui essa má significação, o favor a título de dom gratuito sempre se distinguirá da recompensa, que implica ao contrário uma remuneração, ou seja, um dom em troca de alguma outra coisa.
Entretanto, nem toda remuneração é necessariamente uma recompensa;
E aqui é preciso estabelecer uma outra distinção entre a recompensa e o salário.
O salário é o preço que pagamos em troca de um serviço prestado.
Pouco importa o motivo que determina um homem a nos prestar esse serviço;
É a utilidade e nada mais que pagamos.
A recompensa ao contrário implica a ideia de um certo esforço para fazer o bem.
Aquele que nos prestou serviço com seu coração e por devotamento, recusaria ser pago por um salário;
E reciprocamente aquele que nos vende seu trabalho não entende que o preço que damos por ele seja uma recompensa de seus esforços,
Mas ao contrário que ele tenha seu equivalente em dinheiro, deixando a recompensa sempre uma certa latitude,
Como tudo o que é moral, ao passo que o salário se regula segundo a lei econômica da oferta e da demanda.
Reciprocamente, chamar-se-á castigo ou punição toda pena ou sofrimento infligido a um agente por uma ação má, unicamente por ser má.
A punição se opõe ao dano ou ao prejuízo, ou seja, ao mal imerecido.
Os golpes da fortuna ou dos homens não são punições.
Pode-se ser atingido sem ser punido.
Embora se possa dizer de uma maneira geral que os males que atingem os homens são com frequência os castigos de suas faltas, no entanto não se deveria tomar isso com todo o rigor:
De outra forma transformarse-iam com demasiada facilidade os desgraçados em culpados.
Ainda que as recompensas e as penas possam ser secundariamente meios de conduzir ao bem ou de desviar do mal, não deve ser essa sua função essencial, nem sua verdadeira ideia.
Não é para que a lei se cumpra que deve haver em moral recompensas e castigos;
É porque ela foi cumprida ou violada.
Tal é o verdadeiro princípio da recompensa.
Ela vem da justiça, não da utilidade.
Pela mesma razão, o castigo, na sua verdadeira ideia, não deve ser só uma ameaça que assegura a execução da lei, mas uma reparação ou expiação que corrige sua violação.
A ordem perturbada por uma vontade rebelde é restabelecida pelo sofrimento que é a consequência da falta cometida.
Num sentido, pode-se dizer que a punição é o remédio da falta.
Com efeito, sendo o injusto e o vício como as doenças da alma, é certo que o sofrimento é seu remédio;
Mas com a condição de que esse sofrimento seja aceito a título de castigo.
É assim que a dor tem uma virtude purificadora, e que em vez de ser considerada um mal, ela pode ser chamada um bem.
Uma outra confusão de ideias que é preciso igualmente evitar, e que é muito comum entre os homens, é a que consiste em tomar pelo bem a própria recompensa, e pelo mal, a punição.
É assim que os homens se orgulham mais dos títulos e das honras que do mérito verdadeiro pelo qual os conquistaram.
É ainda assim que eles temem a prisão mais do que o delito, e a vergonha mais do que o vício.
É por isso que é preciso a maior coragem para suportar a punição imerecida.
Distinguem-se habitualmente quatro espécies de sanção:
1º - A sanção natural;
2º - A sanção legal;
3º - Sanção da opinião;
4º - A sanção interior.
1º - A sanção natural é aquela que repousa sobre as consequências naturais de nossas ações.
É natural que a sobriedade mantenha e restabeleça a saúde, que a intemperança seja uma causa de doença.
É natural que o trabalho traga folga financeira, e que a preguiça seja uma fonte de miséria e de pobreza.
É natural que a probidade garanta a segurança, a confiança e o crédito;
Que a coragem afaste a chance da morte, que a paciência torne a vida mais suportável, que a benevolência chame a benevolência, que a maldade afaste os homens de nós, que o perjúrio os coloque em desconfiança, etc.
São fatos, frequentemente verificados pela observação.
O honesto não é o útil; mas é com frequência o que há de mais útil.
2º - A sanção legal é sobretudo uma sanção penal.
Ela é composta pelos castigos que a lei estabeleceu contra os culpados.
Há em geral poucas recompensas estabelecidas pela lei;
E elas podem entrar naquilo que se chama a estima dos homens.
3º - Uma outra espécie de sanção consiste na opinião que os outros homens emitem sobre nossas ações e nosso caráter.
Vimos que é da natureza das ações boas inspirar a estima, e das ações más a censura e o desprezo.
O homem honesto goza em geral da honra, da consideração pública.
O homem desonesto, mesmo aquele que as leis não alcançam, é atingido pelo descrédito, pela aversão, pelo desprezo, etc.
4º - Por fim, uma sanção mais exata e mais certa é a que resulta da própria consciência e do sentimento moral de que falamos antes.
Sendo essas diversas sanções insuficientes para satisfazer a nossa necessidade de justiça, é preciso ainda outra, a sanção religiosa, de que falaremos adiante (11).
....................
(11) Ver último capítulo

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Setembro de 2020, 15:39
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XII
DO APERFEIÇOAMENTO DO SI MESMO. – DAS PAIXÕES


Vimos que o homem deve e pode aperfeiçoar seu caráter, corrigir seus maus hábitos, dominar suas paixões.
É um empreendimento difícil que demanda muitos esforços e uma vontade bem dirigida.
Vamos indicar os meios pelos quais o homem de boa vontade consegue corrigir-se e aperfeiçoar-se no bem.
Expliquemos primeiro quais são nossas principais paixões, e como elas se tornam condenáveis, de legítimas e inocentes que são naturalmente. (12)
Pode-se dizer em geral que nossas paixões passam por três estados distintos;
Elas são primeiramente afetos naturais e inevitáveis da alma:
São as inclinações, as tendências;
Elas se tornam movimentos violentos e desordenados, são as paixões propriamente ditas;
Transformam-se em hábitos e incorporam-se ao caráter e tornam-se o que se chama vícios.
Por exemplo,
O instinto de conservação ou amor à vida é inicialmente um afeto natural, legítimo, inevitável do coração humano;
Mas, sob o império de certas circunstâncias, sob a influência da idade, da doença, do temperamento, ele se exacerba até o estado de paixão e se torna o que se chama o medo;
Ou então transforma-se em hábito e torna-se um vício sob o nome de covardia.
A conservação corporal dá nascimento a dois apetites que se chamam a fome e a sede.
Esses dois apetites, solicitados além da medida, tornam-se paixões, que, elas próprias, podem tornar-se vícios:
São, de um lado, a gula, do outro, a embriaguez;
Ambos, e em geral o abandono exagerado aos prazeres dos sentidos, tomam o nome de intemperança.
O princípio de todas as nossas inclinações pessoais é o amor por nós mesmos ou amor a si, instinto legítimo quando é moderado;
Levado ao excesso e tornado exclusivo e dominante, torna-se um vício que se chama egoísmo.
A estima por si mesmo transformada em paixão torna-se o orgulho quando se trata de grandes coisas, vaidade se se tratar de pequenas.
O amor pela liberdade degenera em espírito de revolta;
O amor legítimo pelo poder em ambição;
O instinto de propriedade torna-se avidez, cupidez, paixão pelo ganho, e dá nascimento subsidiariamente à paixão pelo jogo ou desejo de ganhar por meio do azar.
O desejo de ganhar engendra o temor de perder, e esta última paixão, transformada em vício e em mania, torna-se a avareza.
Igualmente, para as inclinações relativas aos outros homens.
Vemos, por exemplo, o desejo de agradar ou benevolência conduzir a uma covarde complacência, o desejo de elogiar à adulação, e o desejo da estima à hipocrisia.
Há ainda dois sentimentos que, em si mesmos, não são necessariamente condenáveis, mas que, levados ao excesso dão frequentemente lugar às mais horríveis paixões:
São a emulação e a cólera.
A emulação não é, em si mesma, uma inclinação malevolente.
Podemos querer igualar e superar os outros, sem por isso lhes querer mal.
Podemos sentir prazer em vencê-los, sem precisamente nos regozijarmos por sua derrota;
Podemos sofrer por ser vencidos por eles, sem por isso querer-lhes mal por seus sucessos.
A emulação é então um sentimento pessoal, mas não malévolo;
Torna-se malévolo e vicioso quando as disposições precedentes são invertidas,
Quando, por exemplo, sofremos, não por nossa derrota, mas pela vantagem de nossos rivais,
E porque não podemos suportar a ideia do bem de outrem;
Ou ainda quando, inversamente, sentimos mais prazer por sua derrota que alegria por nossa vitória.
Esse sentimento assim pervertido torna-se o que se chama a inveja;
E em geral a inveja é a pena que o bem de outrem nos faz experimentar;
É, pois, o desejo implícito da desgraça dos outros;
É por isso que é um verdadeiro vício, tão baixo quanto odioso.
A inveja distingue-se do ciúme, com o qual tem analogias.
O ciúme é uma espécie de inveja que incide sobretudo sobre os afetos cuja partilha não suporta;
A inveja incide sobre os bens materiais ou abstratos (a fortuna, as honras, o poder);
A inveja aplica-se aos bens que não se têm;
O ciúme recusa-se a partilhar aqueles que se possuem, e, assim, é uma espécie de egoísmo, menos baixo do que a inveja,
Visto que se trata de bens de uma ordem mais elevada, e que mesmo algumas vezes não é isento de nobreza;
Não obstante, mas é uma das paixões mais terríveis por suas consequências.
A cólera é uma paixão natural que parece ter sido posta nos seres animados para lhes dar força contra o perigo;
É o esforço da alma resistindo ao mal que quer constrange-la.
Mas esta inclinação é uma das mais rápidas a nos fazer perder a posse de nós mesmos e a jogar-nos numa espécie de loucura passageira.
No entanto, embora ela seja um arrebatamento cujas consequências podem ser fatais, não é necessariamente acompanhada de ódio
(como se vê pelo soldado que combaterá com furor e que, subitamente, após a batalha ou durante a trégua, dará a mão a seu inimigo).
A cólera é, portanto, um esforço da natureza que se defende;
É uma febre, e nisso é uma paixão fatal e condenável, mas não é um vício.
A cólera torna-se o ódio quando, pensando no mal que fizemos ou que podemos fazer ao nosso inimigo, nos regozijamos com o pensamento desse mal:
Ela se chama o ressentimento ou o rancor quando é a lembrança odiosa do mal recebido;
Torna-se, por fim, a paixão pela vingança (a mais criminosa de todas) quando é o desejo e a esperança de pagar o mal com o mal.
Uma espécie de refinamento no prazer pelo mal de outrem, mesmo sem ódio, é a crueldade.
O ódio torna-se o desprezo quando se acrescenta a ele a ideia da baixeza e da inferioridade do objeto desprezado.
O desprezo é um sentimento legítimo, como vimos, quando ele tem por objeto ações baixas e condenáveis;
É uma paixão má e reprovável, quando se dirige a uma pretensa inferioridade,
Seja de nascimento, seja de fortuna, seja de talento;
É uma ramificação do orgulho.
O orgulho nem sempre é acompanhado de desprezo.
Veem-se homens, cheios de uma alta satisfação de si mesmos, que sabem, contudo, tratar com polidez e cortesia aqueles que olham como muito inferiores a eles;
Outros, ao contrário, esmagam seus inferiores e tratam-nos como brutos.
Neles, o desprezo se junta ao orgulho.
Uma forma suavizada do desprezo é o desdém, espécie de desprezo mais delicado e mais dissimulado.
O desprezo, quando destaca, não os vícios, mas os pequenos defeitos dos homens e procura torná-los ridículos, torna-se a zombaria ou a ironia.
....................................
(12) "A filosofia espírita assim considera:
"Sendo o instinto o guia e as paixões as molas da alma no período inicial do seu desenvolvimento, por vezes aquele e estas se confundem nos efeitos.
Há, contudo, entre esses dois princípios, diferenças que muito importa se considerem.
O instinto é um guia seguro, sempre bom;
Pode, ao cabo de certo tempo, tornar-se inútil, jamais nocivo;
Enfraquece-se pela predominância da inteligência.
As paixões, nas primeiras idades da alma, têm de comum com o instinto o serem as criaturas solicitadas por uma força igualmente inconsciente.
As paixões nascem principalmente das necessidades do corpo e se ligam mais ao organismo do que o instinto.
O que, acima de tudo, as distingue do instinto é que são individuais e não produzem, como este último, efeitos gerais e uniformes;
Variam, ao contrário, de intensidade e de natureza, conforme os indivíduos.
São úteis, como estimulante, até à eclosão do senso moral, que, de um ser passivo, faz um ser racional;
Nesse momento, elas tornam-se não só inúteis, mas nocivas ao progresso do Espírito cuja desmaterialização retardam;
As paixões se enfraquecem com o desenvolvimento da razão.”
(A Gênese - A Gênese segundo o Espiritismo, cap. III - O bem e o mal - O instinto e a inteligência.) (N.R.)

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Outubro de 2020, 11:51
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XIII (CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO PRECEDENTE.)
DO APERFEIÇOAMENTO DO SI MESMO. – DAS PAIXÕES


Tais são as principais afecções da alma que se podem considerar como doenças.
Procuremos seus remédios.
Para curar-se das suas paixões, sem dúvida sabe-se bem que basta querê-lo;
Mas nada é mais difícil do que querer, quando a alma está ocupada pela paixão.
Para ter sucesso não se deve abordá-la de frente, mas tanto quanto possível desviar o espírito para outros objetos:
Ocorre com a paixão, diz Bossuet, “como a um rio que se pode mais facilmente desviar do que deter seu curso.”
Com frequência acaba-se com uma paixão por meio de outra paixão.
Pode ser útil entregar-se a paixões inocentes para impedir paixões criminosas.
É preciso também ficar atento à escolha das pessoas com as quais nos relacionamos:
“pois nada comove mais as paixões do que os discursos e as ações dos homens apaixonados.
Ao contrário, uma alma tranquila parece comunicar-nos o repouso, desde que essa tranquilidade não seja insensível e enfadonha.
É preciso algo vivo que combine um pouco com nosso movimento.”
Numa palavra, para concluir com Bossuet,
“é preciso acalmar os espíritos por uma espécie de desvio de atenção e jogar-se por assim dizer ao lado, mais do que combater de frente;
Ou seja, não é mais hora de opor razões a uma paixão já comovida;
Ao raciocinar sobre a própria paixão para atacá-la, imprimem-se nelas mais fortemente os traços.
As sábias reflexões produzem grande efeito na prevenção as paixões.
É preciso, pois, nutrir o espírito com sensatas considerações, e bem cedo dar-lhe afeições honestas, a fim de que os objetos das paixões encontrem o lugar já ocupado.”
Agora, como fazer para substituir um mau hábito por um bom?
Eis várias regras úteis que é bom se ter no espírito.
1º - Se se tem um defeito, tentar jogar-se na extremidade oposta, a fim de que depois de se ter afastado com todas as suas forças da falta temida, se volte de algum modo por uma elasticidade natural, ao meio indicado pela razão, como quando se procura endireitar um pedaço de madeira torto.
Esta máxima, boa em geral, demanda, no entanto, algumas reservas.
Pode-se, sob a influência do entusiasmo, se jogar a uma extremidade violenta e manter-se aí por algum tempo;
Mas no momento da reação, é bem possível que em vez de se deter no meio, se recaia na primeira.
2º - É preciso evitar começar por tarefas muito difíceis, mas proporcionar seu empreendimento às suas forças:
Numa palavra, proceder gradualmente.
Por exemplo:
Aquele que quer se corrigir da preguiça não deverá impor a si mesmo, abruptamente, um trabalho exorbitante, e sim trabalhar cada dia um pouco mais, até adquirir o hábito.
No começo, para tornar os exercícios menos penosos, é permitido empregar alguns meios auxiliares, como uma pessoa que aprende a nadar emprega bexigas ou feixes de junco.
Porém, ao fim de algum tempo aumentar-se-ão intencionalmente as dificuldades, como dançarinos que, para se tornarem mais ágeis, se exercitam com sapatos muito pesados.
Entretanto, deve-se observar que há certos vícios (e a embriaguez é desse tipo) em que é perigoso proceder-se gradualmente, e em que é melhor cortar de maneira absoluta.
3º - Outra máxima muito útil é que, quando se trata de adquirir alguma virtude nova, é preciso escolher para isso dois tipos de ocasiões: a primeira, quando se está mais bem disposto para o gênero de ações de que se trata;
A segunda, ao contrário, quando se está o mais mal disposto possível, a fim de aproveitar a primeira ocasião para avançar bastante, e a segunda para exercitar a energia da vontade.
Esta segunda regra é excelente e verdadeiramente eficaz.
4º - É ainda importante, quando se venceu ou se crê ter vencido o mau pendor, não confiar demasiado nisso.
Aqui é bom citar a velha máxima:
“Expulsai o natural, ele volta a galope”,
E lembrar-se da gata de Esopo que, metamorfoseada em mulher, se manteve muito corretamente à mesa até o momento em que viu correr um camundongo.
A estas máximas sobre a formação e a correção dos caracteres se junta naturalmente o método moral que Benjamin Franklin inventou para aperfeiçoar-se na virtude.
Ele havia feito uma lista das qualidades que queria adquirir e desenvolver, e as reduziu a treze principais.
Essa classificação, que não tem nenhum valor científico, bastava-lhe perfeitamente para o objetivo que queria alcançar.
Eis quais eram essas treze virtudes:
Temperança, - silêncio, - ordem, - resolução, - frugalidade, - indústria, - sinceridade, - justiça, - moderação, - asseio, - tranquilidade, - castidade, - humildade.
Uma vez elaborado esse catálogo, Franklin pensou que lhe seria difícil lutar ao mesmo tempo contra treze defeitos, e vigiar ao mesmo tempo treze virtudes, então teve uma ideia engenhosa e sábia.
Quis combater seus inimigos um depois do outro;
Aplicou à moral este princípio, tão conhecido dos políticos:
Dividir para reinar.
“Montei, diz ele, um livrinho de treze páginas, e escrevi no alto de cada uma delas o nome de uma das virtudes.
Em cada página fiz sete colunas com tinta vermelha, uma para cada dia da semana, colocando no alto de cada uma das colunas a primeira letra do nome de um desses dias.
Tracei em seguida treze linhas transversais, no começo das quais escrevi as primeiras letras do nome de uma das treze virtudes.
Em cada linha e na coluna do dia, fazia uma pequena marca de tinta para anotar as faltas que cometera contra esta ou aquela virtude.
“Resolvi dedicar uma semana de atenção séria a cada uma dessas virtudes sucessivamente.
Assim, meu grande cuidado durante a primeira semana foi evitar a mais leve falta contra a temperança, deixando as outras virtudes correr seu risco habitual, mas marcando cada noite as faltas do dia.
Se, na primeira semana, eu me acreditava bastante forte na prática de minha primeira virtude, e bastante desembaraçado da influência do defeito oposto, tentava estender minha atenção ao segundo, e, procedendo assim até à última, podia fazer um curso completo em treze semanas, e recomeçá-lo quatro vezes por ano.
Tal como um homem que quer limpar seu jardim não procura arrancar todas as ervas daninhas ao mesmo tempo, o que excederia seus meios e suas forças, mas começa primeiro por um dos canteiros para só passar a outro quando acabou o trabalho do primeiro;
Assim eu esperava saborear o prazer encorajador de ver em minhas páginas os progressos que teria feito na virtude, pela diminuição sucessiva do número de marcas, até que enfim, depois de ter recomeçado várias vezes, tivesse a felicidade de encontrar meu livrinho todo branco, após um exame particular, durante treze semanas.”
Além desses meios gerais, há ainda outros mais particulares, que é bom indicar;
Por exemplo:
O exame de consciência, as boas leituras, a meditação, as boas companhias, os bons conselhos, a escolha de algum grande modelo etc., tais são os principais meios dos quais devemos servir-nos para nos aperfeiçoarmos no bem:
“Se somente extirpássemos e desenraizássemos todos os anos um único vício, diz o Imitação de J.C., logo nós nos tornaríamos homens perfeitos.”

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Outubro de 2020, 11:52
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XIV DIVISÃO DOS DEVERES
DEVERES A RESPEITO DOS ANIMAIS


Geralmente os deveres são reduzidos a três classes:
Deveres para consigo mesmo,
Para com os outros homens
E para com Deus.
Alguns acrescentam uma quarta classe:
Deveres para com os animais.
Com efeito, embora os animais sejam feitos para o nosso uso, e que nos seja permitido, seja nos alimentarmos deles, seja empregá-los para nos servirem reduzindo-os à domesticidade,
No entanto não se deveria acreditar que tudo é permitido para com essas criaturas, inferiores sem dúvida,
Mas que são, como nós mesmos, criaturas de Deus.
O único dever essencial para com os animais é não destruí-los nem mesmo fazê-los sofrer sem necessidade.
Fontenelle conta que tendo ido ver um dia o padre Malebranche no Pères de l’Oratoire, uma cadela da casa, que estava grávida, entrou na sala e foi rolar-se aos pés do padre.
Depois de ter tentado inutilmente expulsá-la, Malebranche deu-lhe um pontapé que a fez soltar um grito de dor, e a Fontenelle um grito de compaixão:
“Eh!
O quê, disse-lhe friamente o padre Malebranche, não sabeis que isso não sente?”
Como esse filósofo podia ter certeza de que isso não sentia?
Não é o animal organizado da mesma maneira que o homem?
Não tem os mesmos sentidos, o mesmo sistema nervoso?
Não dá os mesmos sinais das impressões recebidas?
Por que o grito do animal não exprimiria a dor tanto quanto o grito da criança?
Quando o homem não está pervertido pelo hábito, pela crueldade ou pelo espírito de sistema, ele não pode ver os sofrimentos dos animais sem sofrer igualmente,
Prova manifesta de que há algo em comum entre eles e nós, pois a simpatia é proporcional à similitude.
Os animais sofrem, isso é incontestável; têm como nós a sensibilidade física,
Mas têm igualmente uma certa sensibilidade moral;
São capazes de apego, de reconhecimento, de fidelidade, de amor por seus filhotes, de afeição recíproca.
Desta analogia física e moral do homem e do animal resulta manifestamente a obrigação de não lhes impor nenhum sofrimento inútil.
A senhora Necker de Saussure conta a história de uma criança que, estando num jardim onde uma codorniz domesticada corria livremente ao lado da gaiola de uma ave de rapina,
Teve não sei que tentação de agarrar a pobre codorniz e dá-la ao pássaro para ser devorada.
O herói desta aventura conta ele próprio a punição que lhe infligiram:
“Ao jantar, havia muita gente naquele dia, e o dono da casa pôs-se a contar a cena friamente e sem reflexão, mas nomeando-me.
Quando acabou, houve um momento de silêncio geral, em que cada um me olhava com uma espécie de terror.
Ouvi algumas palavras pronunciadas entre os convivas, e, sem que ninguém me dirigisse diretamente a palavra, pude compreender que eu exercia sobre todo o mundo o efeito de um monstro.”
À crueldade para com os animais devem ser relacionados certos jogos bárbaros em que se faz os bichos lutarem uns contra os outros para nosso prazer.
Tais são as lutas de touros na Espanha, as brigas de galos na Inglaterra.
Não se ousa colocar a caça entre esses jogos desumanos,
Pois de um lado ela tem por objeto destruir os animais nocivos às nossas florestas e fornecer-nos um alimento útil,
Do outro ela é um exercício favorável à saúde e exercita certas faculdades da alma;
Mas pelo menos é preciso que a caça não seja um massacre e que tenha por objetivo a utilidade.
A brutalidade para com os animais que nos prestam mais serviços, e aos quais vemos todos os dias infligir cargas acima de suas forças e golpes para os obrigar a suportá-las,
É também um ato odioso que erra duplamente por ser ao mesmo tempo contrário à humanidade e contrário ao interesse,
Visto que esses animais, fatigados por cargas e golpes, não tardam a sucumbir aos maus tratos.
Também não se pode considerar como absolutamente indiferente o ato de matar ou de vender (salvo em necessidade extrema) um animal doméstico que nos serviu por muito tempo e cujo apego sentimos.
“Dentre os vencedores nos jogos olímpicos, dizem-nos os antigos, vários fazem recair as distinções que recebem sobre os cavalos que as possibilitaram;
Arranjam-lhes uma velhice feliz;
Concedem-lhes uma sepultura honrosa, e às vezes erguem até uma pirâmide sobre seu túmulo.”
“Não é razoável, diz Plutarco, usar das coisas que têm vida e sentimento, como fazemos com um sapato ou qualquer outro utensílio, jogando-as fora depois que estão gastas e estragadas de tanto nos terem servido;
Ainda que não fosse por outra causa, a não ser a de induzir-nos e excitar sempre a humanidade,
É preciso nos acostumarmos a ser doces e caridosos até nas mais humildes obrigações naturais de bondade.
Quanto a mim, jamais teria coragem de vender o boi que teria longamente lavrado minha terra,
Porque ele não poderia mais trabalhar por causa de sua velhice.”
Uma das principais razões que condenam a crueldade para com os animais é que por instinto de imitação e de simpatia os homens se habituam a fazer aos homens o que eles viram fazer aos animais.
Cita-se uma criança que fez o irmão sofrer a sorte de um animal que acabara de ver ser degolado.
Os homens que se mostram brutais para com os animais o são igualmente entre si e exercem mais ou menos os mesmos maus tratos sobre suas mulheres e filhos.
É por causa destas considerações de utilidade social e de humanidade que a lei decidiu, na França, intervir para prevenir e punir os maus tratamentos infligidos aos animais;
E as consequências dessa medida são das mais felizes.(13)
...........................
(13) Lei de 2 de julho de 1850, chamada Lei Grammont: “
Serão punidos com uma multa de 5 a 15 francos, e poderão incorrer em pena de 1 a 5 dias de prisão, aqueles que tiverem exercido pública e abusivamente maus tratos para com os animais domésticos.
– A pena de prisão será sempre aplicável em caso de recidiva.”
Formou-se uma sociedade, a Sociedade protetora dos animais, para vir em auxílio da lei.
Eis os principais artigos de seus estatutos:
“A sociedade tem por objetivo melhorar, por todos os meios que estão em seu poder, a sorte dos animais, conforme a lei de 2 de julho de 1850.
– A Sociedade atribui recompensas aos propagadores da sua obra e aos inventores de aparelhos capazes de aliviar os animais;
- Aos agentes da força pública assinalados por seus chefes como tendo feito respeitar as leis e regulamentos que reprimem os atos de crueldade e os maus tratos para com os animais;
- Aos agentes da agricultura, pastores, trabalhadores rurais, caseiros, condutores de animais;
- Aos cocheiros, açougueiros, ferradores, enfim a toda pessoa tendo dado prova em alto grau, por bons tratos, cuidados inteligentes e sustentados, de compaixão pelos animais.”
(Ver, no último boletim da Sociedade, de junho de 1868, os resultados úteis obtidos por essa interessante sociedade).

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 01 de Outubro de 2020, 11:52
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XV DEVERES PARA CONSIGO MESMO

Distinguem-se geralmente os deveres para consigo mesmo em duas classes:
Deveres para com o corpo,
Deveres para com a alma.
Considerado como animal, o homem está ligado a um corpo, e essa união da alma e do corpo é o que se chama a vida.
Decorre disso um primeiro dever, que se pode considerar como o dever fundamental, e a base de todos os outros, a saber, o dever de conservação.
É evidente, com efeito, que o cumprimento de todos os nossos outros deveres supõe previamente esse.
Antes de ser um dever, a conservação é para o homem um instinto, e mesmo um instinto tão enérgico e tão universal que parece ter muito pouca necessidade de ser transformado em dever;
A tal ponto que o homem deve antes combater em si a frágil tendência que o faz amar à vida do que a que o levaria à morte.
No entanto, acontece ainda, infelizmente com bastante frequência, que os homens, enganados pelo desespero, chegam a crer que têm o direito de se livrar da vida:
É o que se chama o suicídio.
É , pois, muito importante, em moral, combater esse funesto preconceito, e ensinar aos homens que, quando a vida deixa de ser um prazer, ela ainda continua sendo uma obrigação moral à qual eles não se podem subtrair.
O suicídio pode ser condenado de três pontos de vista diferentes:
1º - O suicídio é uma transgressão do nosso dever para com os outros homens (porquanto sempre se pode, por mais miserável que se seja, prestar algum serviço a outrem).
2º - O suicídio é contrário aos nossos deveres para com Deus (no sentido em que o homem abandona assim, sem ter sido demitido, o posto que lhe foi confiado no mundo).
3º - Por fim, o suicídio é uma violação do dever do homem para consigo mesmo;
E, pondo de parte todas as outras considerações, o homem deve conservar-se, unicamente porque ele é uma pessoa moral, e porque não tem mais direitos sobre sua própria do que sobre a de outrem.
No entanto, diz-se que a vida é cheia de misérias, e, em certos casos, o mal é sem nenhuma compensação.
– Não se trata de saber se a vida é agradável ou dolorosa:
Isso seria uma questão, se o prazer fosse o objetivo da vida;
Mas se esse objetivo é o dever, não há circunstâncias, por mais dolorosas que sejam, que não deixem subsistir a possibilidade de cumprir um dever.
Diz-se que é um sofisma chamar o suicídio uma covardia;
Pois é preciso de muita coragem para tirar a própria vida.
– Não se contesta que não haja uma certa coragem física em tirar a própria vida;
Mas haveria maior coragem, uma coragem moral, em enfrentar a dor, a pobreza, a escravidão:
O suicídio é então pelo menos uma covardia relativa.
Ademais, pouco importa que o suicídio seja um ato corajoso ou covarde;
O que é certo é que não pode ser permitido ao homem destruir em si mesmo o agente submetido à lei do dever,
Sem negar implicitamente a lei do dever e tudo o que ela contém.
Admitir a legitimidade do suicídio é admitir que o homem pertence a ele mesmo como uma coisa pertence ao seu dono.
Ora, o homem não é uma coisa, ele não pode jamais ser tratado como tal, nem por outrem nem por ele mesmo.
Não se deve confundir com o suicídio a morte voluntária, ou seja, a morte enfrentada e mesmo buscada pelo bem da humanidade, da família, da pátria, da verdade.
Por exemplo, Eustache de Saint-Pierre e seus companheiros, Curtius, d’Assas, buscaram ou aceitaram voluntariamente a morte, podendo evitá-la.
São suicidas?
Se assim o fosse, seria preciso suprimir até mesmo o devotamento.
Isso porque o auge do devotamento é precisamente enfrentar a morte;
E seria preciso condenar aquele que se expõe mesmo a um simples perigo, visto ele não ter nenhuma segurança de que o perigo não seja um caminho para a morte.
Mas é evidente que o suicídio condenado é aquele que tem por causa, seja o egoísmo, seja o temor, seja uma falsa honra.
Ir mais longe seria sacrificar outros deveres mais importantes, e cobrir o próprio egoísmo com a aparência e o prestígio da virtude.
Uma das consequências evidentes do dever de conservação é que é preciso evitar as mutilações voluntárias.
Por exemplo, os que se mutilam para evitar o serviço militar faltam primeiro ao dever para com seu país;
Mas faltam também a um dever para consigo mesmos.
Pois, sendo o corpo o instrumento da alma, é proibido suprimir uma parte dele sem necessidade.
Isso é um suicídio parcial.
Daí também o dever de não prejudicar voluntária e inutilmente sua saúde.
No entanto, esse é um dever que não se deve entender com todo rigor.
De outro modo, tornar-se-ia uma preocupação estreita e egoísta, que não seria digna do homem.
Deve-se escolher e observar regularmente o regime que parece ser o mais conforme à conservação da saúde, seja pela experiência geral, seja pela nossa experiência pessoal;
Mas, uma vez estabelecido esse princípio, precauções demasiado minuciosas e demasiado circunspectas rebaixam o homem e dão-lhe, no mínimo, um ar de ridículo que ele deve evitar.
Não devemos então tomar como modelo o italiano Cornaro, que tinha balanças para pesar seus alimentos e suas bebidas nas refeições, embora se diga que esse regime o conservou até os cem anos.
Mas se uma preocupação tão minuciosa com os cuidados da saúde não deve ser recomendada, todavia não é demais impor-se a obrigação, na medida do possível, de seguir um regime sensato e moderado, tão favorável ao espírito quanto ao corpo.
Sob esse aspecto, a higiene é uma parte não negligenciável da moral.
Evitar longas noitadas, refeições demasiado longas ou bebidas excitantes, distribuir regularmente seu dia, levantar-se cedo, cobrir-se moderadamente, tais são os conselhos dados pela sabedoria;
Isso não exclui, no entanto, a liberdade de suplantar essas regras diante de outras mais importantes quando necessário.
O princípio é não conceder demais ao corpo:
É o melhor meio de fortalecê-lo.
Entre as virtudes ligadas ao dever de conservação, há uma que um filósofo do século XVIII considerava a primeira e a mãe de todas as outras:
Isto é, o asseio.
É exagerar;
No entanto, ele é de grande importância, e seu contrário sobretudo é muito repugnante.
Além da importância que ele tem, como se sabe, na conservação da saúde, o asseio tem ainda o mérito de ser o sinal de outras virtudes de ordem mais elevada.
O asseio supõe a ordem, uma certa delicadeza, uma certa dignidade;
Ele é o primeiro sinal da civilização;
Em todo lugar onde é encontrado, prenuncia que necessidades mais elevadas do que as da animalidade se fazem sentir, ou se farão em breve;
Onde falta o asseio, pode-se afirmar que a civilização é apenas aparente ou ainda tem muito o que fazer e o que reparar.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Outubro de 2020, 13:06
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XVI OUTROS DEVERES A RESPEITO DO CORPO.
– A TEMPERANÇA

Acabamos de ver que o homem não tem o direito de destruir seu corpo, nem de o mutilar, nem enfim diminuí-lo, enfraquecê-lo inutilmente.
Mas é preciso distinguir duas coisas nas funções do corpo humano:
Por um lado sua utilidade, por outro o prazer que as acompanha.
Certamente um prazer sensível é necessário ao bom exercício das funções, e o apetite por exemplo é um tempero agradável que excita e facilita a digestão.
Porém,
Sabemos todos que não há uma proporção exata e constante entre o prazer dos sentidos e a utilidade,
Sabemos que o gozo pode ultrapassar em muito a necessidade, e que frequentemente mesmo a saúde exige um certo limite no gozo.
Por exemplo,
Os prazeres do paladar podem ser muito mais elaborados e prolongados do que é necessário à satisfação da necessidade.
Basta muito pouca coisa para alimentar o homem;
Mas ele pode, por sua indústria, criar para si uma multidão de prazeres mais ou menos refinados, e deleitar seu paladar mesmo depois que a necessidade foi satisfeita.
A necessidade de beber, em particular, deu origem a uma multidão de refinamentos inventados pela indústria humana e que têm apenas uma relação muito afastada com o princípio que lhes deu origem.
O vinho e os alcoólicos, que são tônicos úteis, empregados com moderação, são, para o gosto, excitantes que solicitam incessantemente o desejo;
E quanto mais são procurados, mais provocam e cativam a imaginação.
Dessa desproporção e incompatibilidade que existem entre os prazeres dos sentidos e as necessidades do corpo nascem os vícios,
Ou seja, certos hábitos que sacrificam a necessidade ao prazer e cuja consequência é precisamente a alteração e a ruína das funções naturais.
O prazer, com efeito, é, em certa medida, o auxiliar e de algum modo o intérprete da natureza;
Todavia, além de certo limite, o prazer não se satisfaz a não ser às custas da própria função e de todas as outras, por solidariedade;
Assim, comer demasiado destrói as funções digestivas;
As bebidas excitantes queimam o estômago e prejudicam da maneira mais grave o sistema nervoso.
“Quem ousaria, diz Bossuet, pensar em outros excessos que se declaram de maneira bem mais perigosa?
Quem, digo eu, ousaria falar ou pensar sobre eles, visto que deles não se fala sem pudor e não se pensa neles sem perigo, mesmo para os censurar?
Ó Deus, ainda uma vez, quem ousaria falar dessa profunda e vergonhosa ferida da natureza, dessa concupiscência que liga a alma ao corpo por vínculos tão ternos e tão violentos,
Da qual é tão difícil de defender-se e que causa também no gênero humano tão horríveis desordens!”
O abuso dos prazeres dos sentidos, em geral, chama-se intemperança, e o justo uso desses prazeres, temperança.
A gula é o abuso dos prazeres do comer;
A embriaguez ou bebedeira, o abuso dos prazeres do beber;
A impudicícia ou luxúria, o abuso dos prazeres ligados à reprodução da espécie.
A esses três vícios se opõem a sobriedade (oposta aos dois primeiros vícios) e a castidade.
O dever da temperança prova-se por duas considerações:
1º -  Sendo a intemperança, como mostra a experiência, a ruína da saúde, ela é assim contrária ao dever que temos de conservar-nos;
2º - Por prejudicar as faculdades intelectuais e nos tornar incapazes de toda ação enérgica e viril, a intemperança é contrária ao dever que nos é imposto de respeitar nossas faculdades morais e de manter a superioridade da alma sobre o corpo.
Os antigos sábios falaram admiravelmente da temperança.
Sócrates, em particular, mostrou muito bem que a temperança torna o homem livre, e que a intemperança faz dele um bruto e um escravo.
“Diz-me, Eutidemo, tu pensas que a liberdade é um bem precioso e honrável para um particular e para um Estado?
– É o mais precioso dos bens.
Sócrates – Aquele então que se deixa dominar pelos prazeres do corpo e é posto assim na impotência de fazer bem, tu o consideras como um homem livre?
– De maneira nenhuma.
Sócrates – Talvez chames liberdade o poder de bem fazer, e servidão a presença de obstáculos que nos impedem de bem fazer?
– Justamente.
Sócrates – Então os intemperantes te parecerão escravos?
– Sim, por Júpiter, e com razão.
Sócrates – O que pensas desses senhores que impedem de fazer o bem e que obrigam a fazer o mal?
– Por Júpiter, é a pior espécie possível.
Sócrates – E qual é a pior das servidões?
– A meu ver, aquela que nos submete aos piores senhores.
Sócrates – Assim os intemperantes sofrem a pior das servidões?
– É minha opinião.”
Uma consideração secundária que deve ser acrescentada à que precede, é que o intemperante que busca o prazer não o encontra;
E mesmo que esse prazer, perseguido furiosamente, se transforma em dor:
“A intemperança, diz Montaigne, é peste da volúpia e a temperança não é seu flagelo, é seu condimento.”
A temperança não se deve limitar ao interior;
Deve manifestar-se externamente pelos atos, pelas as palavras, mesmo na compostura e nas atitudes:
É o que se chama a decência, cuja principal parte é o pudor.
Por fim, como a alma sempre é tentada a seguir o tom do corpo, e que o interior se compõe naturalmente segundo o exterior, evitar-se-á a desordem nas maneiras, nas roupas, nas palavras, que trazem insensivelmente a desordem aos pensamentos.
A dignidade exterior não é mais do que o reflexo da dignidade da alma.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Outubro de 2020, 13:07
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XVII DEVERES RELATIVOS AOS BENS EXTERIORES.
– DA ECONOMIA E DA POUPANÇA


Os bens exteriores são tão necessários ao homem quanto seu próprio corpo,
Pois é inicialmente uma lei fundamental dos seres organizados de não subsistir a não ser por uma troca contínua de partes com substâncias estrangeiras.
A vida é uma circulação, um turbilhão:
Perdemos e adquirimos;
Restituímos à natureza o que ela nos deu, e tomamos-lhe novamente em troca o que é necessário para reparar nossas perdas.
Segue-se daí que um certo número de coisas exteriores, como os alimentos, são indispensáveis para a nossa existência,
E que é absolutamente preciso que tenhamos assegurada a sua posse, para que nossa própria vida seja assegurada.
A alimentação não é a única necessidade do homem.
A moradia e a vestimenta, sem serem tão rigorosamente indispensáveis (como se vê nos países quentes),
São entretanto de grande utilidade para manter um certo equilíbrio entre a temperatura do corpo e a temperatura exterior;
Sabe-se que a perturbação desse equilíbrio é uma das causas mais comuns de doença.
Não tendo a natureza vestido o homem como os outros animais, ele tem mais do que eles a necessidade de adquirir as roupas por sua indústria.
Quanto à habitação, vários animais, assim como o homem, sabem construí-la;
Por exemplo, os castores e os coelhos;
Como se vê, apesar da superioridade incontestável de sua arte, isso ainda não passa, para o homem, do desenvolvimento de um instinto que ele divide com outros seres.
Essas diversas necessidades que exigem um certo número de objetos materiais para serem satisfeitas, tais como alimentos, casas, roupas etc.,
São seguidas por outras;
Por exemplo, a necessidade de locomoção para adquirir aquilo de que se precisa, - daí os carros, os barcos etc.;
A necessidade de se defender contra aqueles que gostariam de nos tirar o que possuímos, - daí as armas de toda sorte;
A necessidade de repouso e de ordem no interior da casa, - daí os móveis de toda natureza;
Em um grau mais elevado, a necessidade de agradar à imaginação, - daí as obras de arte, quadros, estátuas;
A necessidade de se instruir, - daí os livros etc.
Por fim, independentemente de todas essas coisas tão diversas, há ainda duas que merecem ser observadas e colocadas à parte, devido ao seu caráter original e distintivo.
É, de um lado, a terra que é a raiz comum e inesgotável de todas as riquezas, a única que não perece e que fica sempre na mesma quantidade, depois como antes do gozo;
A terra que é como a substância, a própria matéria da riqueza;
Por outro lado, a moeda (ouro ou prata, com seu símbolo, o papel), que é de natureza a poder trocar-se por toda espécie de mercadorias, mesmo a terra, e que por conseguinte as representa todas.
Essas duas espécies de coisas, a terra e a moeda, uma matéria-prima, a outra imagem condensada de toda riqueza, são os dois objetos mais naturais dos desejos do homem,
Porque com uma ou com outra ele poderá obter todo o resto.
Sendo os bens exteriores necessários à vida, temos de nos perguntar como devemos usá-los quando os possuímos, como podemos adquiri-los quando não os possuímos.
Uma primeira consideração é que as coisas materiais ou as riquezas não têm valor em si mesmas,
Não valem a não ser por sua aplicação às nossas necessidades.
O ouro e a prata, por exemplo, valem apenas porque podem ser trocados por coisas úteis, e essas coisas elas próprias são boas apenas porque são úteis.
Inverte-se essa ordem quando se tomam as coisas materiais precisamente como objetivos e não como meios.
É o que acontece, por exemplo, quando se busca o ganho pelo ganho, e que se acumulam riquezas unicamente pelo prazer de acumulá-las,
Vício que se chama a cupidez.
É ainda o que acontece quando se goza da riqueza por ela mesma, sem querer servir-se dela, privando-se de tudo para gozar da própria coisa que só tem valor com a condição de comprar outras,
Vício que se chama a avareza.
Ganhar dinheiro é certamente uma necessidade que é preciso suportar (e da qual, aliás, não se deve ter nenhuma vergonha, visto que é a própria natureza que o exige),
Mas não é, não deve ser um objetivo para a alma.
O objetivo é assegurar, para nós mesmos, ou para nossa família, os meios de subsistir e de adquirir o necessário, ou mesmo um certo grau de supérfluo.
É então legítimo, segundo a expressão de um antigo, possuir as riquezas;
Mas não se deve ser por elas possuído.
Tal é o espírito com o qual o homem deve procurar ou possuir as riquezas, e é para ele um dever estrito;
Mas quanto ao grau e ao limite da posse, quanto ao número ou à quantidade das riquezas, a moral não nos dá nenhuma regra, nenhum princípio.
Não há limite conhecido para além do qual se viraria imoral ao ganhar dinheiro.
Não é proibido a ninguém ser milionário se puder.
Seria uma moral muito má aquela que habituasse a olhar os ricos como culpados.
O desprezo pelas riquezas, tal como o professavam os filósofos antigos, é uma coisa muito bela,
Mas o bom emprego das riquezas também o é.
A riqueza, que não tem nenhum valor em si mesma, pode ter um valor muito grande pelo uso que dela se faz.
Não há, portanto, outra regra aqui além daquela que já demos, a saber, que não se deve amar o dinheiro por ele mesmo,
Mas adquiri-lo ou recebê-lo como um meio de ser útil a si mesmo ou aos outros. Acrescentemos, entretanto, que mesmo com essa direção de intenção, não se deve desejar demasiado o ganho,
Pois ter prazer demais em acumular a fortuna é ainda uma maneira de se submeter a ela, mesmo para empregá-la bem.
O dever de não submeter-se em espírito aos bens materiais acarreta, como seu corolário, o dever de suportar a pobreza, se ela impuser-se pelas circunstâncias.
O pobre deve procurar certamente melhorar sua posição por seu trabalho, e estamos longe de recomendar-lhe uma insensibilidade estúpida, que secaria a fonte de toda indústria;
Mas o que se deve proibir, e sobretudo proibir a si mesmo, é esse descontentamento inquieto e invejoso que faz nossa desgraça e a dos outros.
É preciso saber contentar-se com a sua sorte, como diz a velha sabedoria,
E se é quase necessário elevar-se até o heroísmo para saber suportar a miséria, basta a sabedoria para aceitar pacificamente a pobreza e a mediocridade.
Dizer que as riquezas não têm valor por elas mesmas, mas somente como meios de satisfazer nossas necessidades,
Não é dizer que elas são feitas para ser gastas sem discernimento;
Não seria condenar a poupança e a economia, virtudes recomendadas não só pela moral, mas também pela ciência?
Para evitar a cupidez e a avareza, não se deverá cair na dissipação e na prodigalidade. Evidentemente é insensato e absurdo sacrificar nossas necessidades de amanhã aos nossos prazeres de hoje.
A economia e a poupança são então aconselhadas pelo mais simples bom senso.
Mas a economia e a poupança não são só um dever de prudência, mas ainda um dever de dignidade:
Pois a experiência nos ensina que a pobreza e a miséria nos põem na dependência de outrem e que a necessidade conduz à mendicância.
Aquele que sabe administrar seus meios de existência assegura dessa forma para si, no futuro, não só a existência,
Mas a independência;
Privando-se de alguns prazeres passageiros e medíocres, compra-se o que vale mais:
A dignidade. “Sede ecônomo, diz Franklin, e a independência será vossa couraça e vosso escudo, vosso capacete e vossa coroa;
Então andareis de cabeça erguida, sem vos curvardes diante de um velhaco vestido de seda, porque ele tem riquezas;
Sem aceitar uma oferenda porque a mão que vo-la oferece cintila de diamantes.”
É colocando-se nesse ponto de vista que as máximas encantadoras e espirituosas,
Mas por vezes um pouco vulgares, do personagem Richard podem ser consideradas como máximas morais e devem entrar em todos os espíritos.
“Não aprendei somente como se ganha dinheiro, mas também como administrá-lo.
– Quanto mais gorda é a cozinha, mais magro é o restaurante.
– Custa mais caro manter um vício do que educar dois filhos.
– Um passo repetido várias vezes leva longe.
– Os loucos dão os banquetes e os sábios os comem.
– É uma loucura empregar seu dinheiro para comprar um arrependimento.
– Os tecidos de seda extinguem o fogo da cozinha.
– Quando o poço está seco, conhece-se o valor da água.
– O orgulho almoça com a abundância, janta com a pobreza e ceia com a vergonha.”
O que Franklin pintou com mais energia e eloquência é a humilhação ligada às dívidas, triste consequência da falta de economia.
“Aquele que vai pedir um empréstimo, vai procurar uma mortificação.
Ai! Pensais bem no que fazeis, quando vos endividais?
Dais direitos a um outro sobre a vossa liberdade.
Se não podeis pagar no prazo fixado, tereis vergonha de ver vosso credor, ficareis apreensivo ao falar-lhe;
Abaixar-vos-eis a desculpas lamentavelmente motivadas;
Pouco a pouco perdereis vossa franqueza, e chegareis a vos desonrar pelas mentiras mais evidentes e mais desprezíveis.
Pois a mentira segue na garupa da dívida.
Um homem que nasceu livre jamais deveria enrubescer nem temer ao falar a qualquer homem vivo, nem ao olhá-lo de frente: mas com frequência a pobreza apaga coragem e virtude.
– É difícil que um saco vazio fique de pé”.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Outubro de 2020, 13:08
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XVIII - DO TRABALHO

A necessidade de obter as coisas necessárias à vida impõe-nos uma obrigação fundamental, que ainda continua a subsistir mesmo quando a necessidade está satisfeita:
É a obrigação do trabalho.
O trabalho nasce da necessidade, está aí sua primeira origem;
Mas ele sobrevive mesmo à necessidade, e sua beleza e sua dignidade consistem em que, nascido inicialmente de uma necessidade mercenária, torna-se a honra do homem e a salvação da sociedade.
Tudo trabalha na natureza;
Tudo está em movimento;
Em toda parte só se vê esforço, energia, demonstração de forças.
Limitemo-nos aos animais;
O pássaro trabalha para fazer seu ninho, a aranha para tecer sua teia, a abelha para fazer seu mel, o castor para construir sua casa, o cão para alcançar a caça, o gato para agarrar os camundongos.
Encontram-se entre os animais operários de toda sorte:
Pedreiros, arquitetos, alfaiates, caçadores, viajantes.
Também se encontram aí políticos e artistas, como se estivessem destinados a dar-nos exemplos de todos os gêneros de trabalho e de atividade.
Os antigos distinguiam dois tipos de trabalho:
O trabalho nobre e livre, ou seja, as artes, as ciências, a guerra e a política;
E o trabalho servil ou mercenário, isto é, o trabalho das mãos, e em geral todo trabalho lucrativo, eles deixavam para os escravos;
Este lhes parecia abaixo da dignidade do homem.
Não é necessário chegar até os tempos modernos para encontrar a refutação desses erros.
Um dos maiores sábios, o filósofo Sócrates, compreendera a dignidade do trabalho, mesmo do trabalho produtivo que serve para assegurar a vida;
Ele vira que o trabalho em si mesmo não é servil, como prova esta encantadora história contada por Xenofonte:
Vendo um dia Aristarco mergulhado na tristeza:
“Pareces-me, diz-lhe Sócrates, ter alguma coisa que te pesa;
É preciso partilhar o fardo com teus amigos.
– Palavra de honra, Sócrates, estou num grande embaraço;
Desde que a cidade está em sedição, minhas irmãs, minhas sobrinhas, minhas primas que se encontravam abandonadas, refugiaram-se na minha casa, de forma que somos quatorze pessoas de condição livre;
Não retiramos nada da terra, pois os inimigos a dominam, nem de nossas casas, porque a cidade está quase sem habitantes;
Ninguém compra móveis;
Não se encontra lugar nenhum para emprestar dinheiro.
É muito triste ver à sua volta parentes na miséria e impossível sustentar tanta gente em semelhantes circunstâncias.
- Como explicar então, responde-lhe Sócrates, que Nausicydes, fazendo farinha, consiga alimentar não só a ele mesmo e seus escravos, mas ainda seus rebanhos?
Que Cyrénus, fazendo pão, alimente toda a sua casa e viva folgadamente?
Que Déméas, fazendo clâmides, Ménon, clânides, a maioria dos mégaros, exômides , achem com o que se alimentar?
- Ah! Sócrates, é que todas essas pessoas compram escravos bárbaros que obrigam a trabalhar à sua vontade, ao passo que eu lido com pessoas livres, parentes.
- O que dizes?
Porque elas são livres, e tuas parentes, acreditas que não devem fazer nada além de comer e dormir?
Acreditas que a preguiça e a ociosidade ajudam os homens a aprender o que devem saber, conservam o que lhes é necessário à vida, enquanto o trabalho e o exercício de nada serviriam?
Elas aprenderam o que dizes que elas sabem como coisas inúteis à vida e das quais não teriam o que fazer, ou ao contrário para ocuparem-se com elas e delas tirar partido?
Quais são então os homens mais sábios, os que permanecem na ociosidade ou os que se ocupam com coisas úteis?
Os mais justos são aqueles que trabalham ou aqueles que, sem nada fazer, deliberam sobre os meios de subsistir?
- Em nome dos deuses, Sócrates, responde Aristarco, teu conselho é excelente;
Eu não ousava pedir emprestado, sabendo bem que depois de ter gastado o que tivesse recebido, não teria como devolver;
Agora, creio poder me decidir a fazê-lo.”
Dito e feito:
Buscaram fundos; compram lã.
As mulheres jantavam trabalhando, ceavam depois do trabalho, e a alegria sucedera à tristeza;
Em vez de evitarem cruzar olhares, viam-se com prazer.
Elas amavam Aristarco como um protetor, e Aristarco estimava-as por seus serviços.
Por fim este veio alegremente contar a aventura a Sócrates, e disse-lhe que suas parentes o censuravam por ser o único da casa que comia sem nada fazer.
“Pois bem, diz Sócrates, por que não lhes contas a fábula do cão?
No tempo em que os bichos falavam, a ovelha disse ao seu dono:
‘Tua conduta é bem estranha; nós que te fornecemos lã, cordeiros, queijo, tu não nos dás nada que não sejamos obrigadas a arrancar da terra; e teu cão, que não te traz nada, partilhas com ele a tua própria comida.’
O cão, que a ouvira, disse-lhe:
‘Ele tem razão, por Júpiter!
Pois sou eu que lhes guardo e impeço que sejam levadas pelos homens ou roubadas pelo lobo;
Se eu não tomasse conta, vocês não poderiam nem pastar por medo de perecer.’
Vai então Clâmides, clânides, exômides, tipos de vestimentas.
Dizer às tuas parentes que tomas conta delas como o cão da fábula;
Que, graças a ti, elas não são insultadas por ninguém e podem, sem mágoa e sem temor, continuar sua laboriosa existência.”
Se é injusto considerar servil o trabalho manual e o trabalho produtivo, seria um preconceito no sentido inverso considerar apenas como um trabalho o trabalho das mãos e o trabalho mercenário.
O trabalho intelectual, o dos sábios, dos artistas, dos magistrados, dos chefes de estado não é menos útil;
É, portanto, igualmente legítimo.
Não é preciso insistir muito para nos lembrar que só o trabalho garante a segurança e o bem-estar.
Certamente, ele nem sempre os assegura;
Infelizmente isso é verdade.
Mas se, trabalhando, não se está bem seguro de alimentar sua mulher e seus filhos, e de se assegurar na velhice um legítimo descanso, em contrapartida, está-se seguro de que, sem trabalhar, vai-se condenar a si mesmo e toda a família a uma miséria certa.
Ainda não se encontrou nenhum meio de fazer sair riquezas de sob a terra sem trabalho.
Essas riquezas aparentes, que impressionam nossos olhares deslumbrados, esses palácios, essas caleches, essas toilettes esplêndidas, esses móveis, todo esse luxo, todas essas riquezas, e outras mais sólidas, as máquinas, as usinas, os produtos da terra, tudo isso é trabalho acumulado.
Entre o estado das tribos selvagens que erram famintas nas florestas da América, e o estado de nossas sociedades civilizadas, não há outra diferença que não o trabalho.
Suponde que por impossível, em uma sociedade como a nossa, todo trabalho venha a parar subitamente, a aflição e a fome serão suas consequências imediatas e inevitáveis.
A Espanha, quando descobriu as minas de ouro da América, acreditou estar rica pela eternidade; cessou de trabalhar;
Arruinou-se, e de senhora soberana que era na Europa, desceu ao nível em que a vemos hoje.
A preguiça traz a miséria, a miséria traz a mendicância, e a mendicância nem sempre se contenta com pedir, ela toma.
 O trabalho não é somente um prazer ou uma necessidade: é um dever.
Mesmo penoso e sem alegria, o trabalho é ainda uma obrigação para o homem; é ainda para ele uma obrigação, mesmo que não precisasse dele para viver.
O trabalho não garante somente a segurança; assegura a dignidade.
O homem é feito para exercer as faculdades do seu corpo e do seu espírito.
Ele é feito para agir como o pássaro para voar.
É difícil certamente habituar-se ao trabalho, mas uma vez vencidas as primeiras dificuldades, o trabalho é tão pouco uma fadiga que se torna uma necessidade.
É-se obrigado a fazer esforço para descansar.
Sim, após ter tido dificuldade na infância para se habituar ao trabalho, o que se torna mais difícil com o tempo é não trabalhar.
É preciso quase lutar contra si mesmo para se forçar à distração e ao repouso.
O descaso torna-se por sua vez um dever ao qual nos submetemos com dificuldade e ao qual só a razão diz que é preciso se submeter: pois não se deve abusar das forças que a Providência nos confiou.
..................................................................................................
* Segundo a filosofia espírita, toda ocupação útil é trabalho.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Outubro de 2020, 21:05
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XIX - DEVERES RELATIVOS À INTELIGÊNCIA

O primeiro dever relativo à inteligência é o dever de se instruir.
Certamente ninguém é obrigado a ser um sábio, aprender latim ou as ciências;
Mas pode-se dizer que é um dever para cada um de nós:
1º - Aprender tão bem quanto nos seja possível os princípios da arte que iremos cultivar:
Por exemplo, os magistrados, os princípios da jurisprudência;
O médico, os princípios da medicina;
O artífice e o agricultor, os princípios de sua arte;
2º - É um dever para todos os homens, conforme os meios que têm à sua disposição, instruir-se sobre seus deveres;
3º - É ainda um dever para cada um ultrapassar, tanto quanto puder, o estrito necessário em matéria de instrução, e em razão dos meios que tem à sua disposição.
É portanto um dever não negligenciar nenhuma ocasião de se instruir.
É ainda um dever fazer todos os esforços para evitar o erro, e cultivar em si o bom senso que é a faculdade de discernir o verdadeiro do falso.
Algumas indicações sobre as causas de nossos erros poderão ser utilmente indicadas a este respeito. (16)
1º - Uma primeira causa de erro nos julgamentos que fazemos sobre as coisas é tomar nosso interesse próprio por motivo de crer numa coisa:
Todo pleiteante acredita ter razão.
2º - Nossas afeições são outra causa de ilusão:
“Eu o amo, então ele é o mais hábil homem do mundo;
Eu o odeio, então é um homem nulo.”
É o que se pode chamar o sofisma do coração.
3º - Ilusões do amor-próprio.
Há aqueles que decidem tudo por esse princípio geral e muito cômodo, o de que eles têm razão.
Eles ouvem pouco as razões dos outros, querem ganhar por autoridade, e tratam de temerários todos os que não compartilham de seu sentimento.
Alguns chegam mesmo a fazer, sem desconfiar de nada, este raciocínio engraçado:
“Se fosse assim, eu não seria um homem hábil;
Ora, eu sou um homem hábil, então não pode ser assim.”
4º - Acusações recíprocas que cada um pode fazer ao outro crendo-se com o mesmo direito:
Por exemplo, de serem trapaceiros, interessados, cegos, de má fé, etc.
5º - Espírito de contradição e de disputa tão admiravelmente pintado por Montaigne:
“Não aprendemos a disputar senão para contradizer;
E cada um contradizendo e sendo contraditado, daí advém que o fruto do disputar é perder e anular a verdade...
Um vai ao Oriente, o outro ao Ocidente;
Perdem o principal, e se afastam na multidão dos incidentes;
Ao fim de uma hora de tempestade, não sabem o que buscam;
um é baixo, outro alto, outro costeiro:
Este se apega a uma palavra e uma similitude;
Aquele não sente mais o que lhe opõem, tão empenhado está em sua corrida;
Outro que, achando-se fraco dos rins, teme tudo, recusa tudo, mistura desde o início e confunde a proposição, ou, no esforço do debate, se recusa a calar-se obsequiosamente por uma ignorância ressentida, afetando um orgulhoso desprezo ou uma tola modesta fuga de contenção...”
6º - Defeito contrário ao precedente, a saber, complacência aduladora, que aprova tudo e tudo admira.
Além dessas diferentes ilusões que nascem de nós mesmos e de nossas próprias fraquezas, há outras que nascem do exterior, ou pelo menos dos diversos aspectos sob os quais as coisas se nos apresentam:
1º - A mistura de verdadeiro e de falso, de bem e de mal que se encontra nas coisas faz com que os confundamos com frequência.
Assim as boas qualidades das pessoas que estimamos fazem aprovar seus defeitos e reciprocamente.
Mas é precisamente nessa separação judiciosa do bem e do mal que se mostra a exatidão do espírito.
2º - Ilusões que nascem da eloquência e dos falsos ornamentos.
3º - Interpretação malevolente das intenções secretas fundada em sinais equívocos.
Fulano é amigo de um mau, então ele é mau;
Sicrano critica alguns atos de administração, é um sedicioso;
Esta aprova outros, é um cortesão.
4º - Falsas induções tiradas de algumas experiências particulares.
A medicina não cura todas as doenças, então não cura nenhuma;
Há mulheres levianas, então não as há honestas;
Há hipócritas, então a devoção é apenas hipocrisia.
5º - Erro de julgar os conselhos pelos acontecimentos.
Ele não teve sucesso, então não teve razão;
E reciprocamente.
6º - Sofisma da autoridade.
Consiste em crer na palavra dos homens, por causa de certas qualidades que não têm nenhuma relação com a verdade a conhecer;
Por exemplo, por causa da idade, da riqueza e do poder.
Certamente essas espécies de raciocínios não feitas expressamente:
Ele tem cem mil libras de renda, então tem razão;
Todavia, passa-se algo semelhante no espírito dos homens, e que domina seu julgamento sem que se deem conta disso.
Ao assinalar estes diversos escolhos em que às mais das vezes encalha o bom julgamento e a reta razão, indicamos assim suficientemente as regras que podem servir para formar o espírito:
Pois bastará estar-se alerta sobre essas espécies de desvios para reconhecê-los em si mesmo e evitá-los, quando se quer julgar com sinceridade.
A instrução e o bom senso conduzem à virtude que se chama a prudência;
Ela consiste em bem deliberar para agir;
É a arte de bem discernir nosso interesse nas coisas que nos concernem, e o interesse de outrem nas coisas que concernem a outrem.
Existem então duas espécies de prudência:
A prudência pessoal, que é apenas o interesse bem entendido,
E a prudência civil ou desinteressada, que se aplica aos interesses de outrem:
Assim, um general prudente, um notário prudente, um ministro prudente não o são para si mesmos, mas para os interessados:
Deste ponto de vista, não é senão um dever para com outrem.
Embora a prudência seja apenas a virtude do útil, no entanto é uma virtude.
Pois, quando estamos a ponto de ser arrastados pela paixão, é o próprio dever que nos ordena preferir o útil ao agradável.
Eis algumas das regras relativas à prudência:
1º - Não basta prestar atenção ao bem ou ao mal presente, é preciso ainda examinar quais serão suas consequências naturais,
A fim de que, comparando o presente com o futuro e contrabalançando um e outro, se possa reconhecer de antemão qual deve ser seu resultado.
2º - É agir contra a razão procurar um bem que causará certamente um mal mais considerável.
3º - Nada é mais razoável do que se decidir a sofrer um mal do qual deve certamente nos advir um bem maior.
4º - Deve-se preferir um bem maior a um menor;
E reciprocamente para os males.
5º - Não é necessário ter uma certeza completa a respeito dos bens e dos males consideráveis:
A verossimilhança basta para convencer uma pessoa sensata a se privar de alguns pequenos bens ou a sofrer alguns males ligeiros, com vistas a adquirir bens muito maiores,
Ou a evitar males muito mais deploráveis.

............................................................
(16) Tudo o que se segue é emprestado da Logique de Port-Royal.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 19 de Outubro de 2020, 21:07
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XX - A VERACIDADE

Os homens servem-se da palavra para exprimir o pensamento.
Daí um dever importante e fundamental:
O de não exprimir pela palavra senão a verdade, ou o que se acredita tal, depois de ter tomado todas as precauções possíveis para não se enganar.
São estimados no mais alto grau aqueles que não se servem da palavra senão para exprimir seu pensamento,
E são desprezados aqueles que a usam para enganar.
Este tipo de virtude chama-se veracidade,
E o vício que lhe é oposto é a mentira.
Podem-se distinguir duas espécies de mentira:
A mentira interior, e a mentira exterior:
A primeira, mentira interior, pela qual se mente a si mesmo,
Ou seja, a falta de sinceridade para consigo mesmo;
A segunda, a mentira exterior,  pela qual se mente a outrem.
Pode-se perguntar se é possível que o homem minta verdadeiramente a si mesmo.
Compreende-se, com efeito, que o homem se engane:
Mas então ele não sabe que se engana:
É erro, não é mentira;
Se, ao contrário, ele sabe que se engana, por isso mesmo não é enganado.
Portanto, não pode haver mentira a respeito de si mesmo.
E, todavia, é certo que o homem pode enganar voluntariamente a si mesmo, e por conseguinte mentir a si mesmo.
O caso mais habitual da mentira interior é quando o homem emprega sofismas para abafar o grito da consciência,
Ou ainda quando procura fazer crer a si mesmo que não tem outro motivo além do bem moral,
Enquanto na realidade não obedece senão ao medo do castigo, ou a tal outro motivo que lhe interessa.
A mentira interior é já uma verdadeira baixeza, ou pelo menos uma fraqueza;
E deve-se concluir daí que o mesmo se dá com a mentira exterior,
Ou seja,
A mentira que se exprime por palavras.
A mentira é sempre uma coisa baixa, tenha ela por causa o desejo de prejudicar, o de escapar à punição, o desejo do ganho, ou qualquer outro motivo mais ou menos grosseiro:
“O mentiroso, disse um moralista, é menos um homem verdadeiro do que a aparência enganosa de um homem.”
É evidente que o desejo de não mentir não acarreta como consequência o dever de dizer tudo.
Não se deve confundir o silêncio com a dissimulação,
E ninguém é obrigado a dizer tudo o que tem no coração;
Muito pelo contrário,
Estamos aqui diante de um outro dever para conosco mesmos, que é de alguma forma o oposto do precedente,
Isto é:
A discrição.
O tagarela e o irrefletido, um que fala apesar de tudo, o outro que diz o que deveria calar,
Não devem ser confundidos com o homem leal e sincero,
Que não diz senão o que pensa,
Mas que não diz necessariamente tudo o que pensa.
Se a mentira, em geral, é uma degradação da dignidade humana, isso também é verdadeiro, e com mais forte razão,
No tipo de mentira que se chama perjúrio, e que se poderia definir como uma dupla mentira.
O perjúrio é de dois tipos:
A prestação de um falso juramento,
Ou a violação de um juramento anterior verdadeiro ou falso, sincero ou mentiroso.
Para saber o que é um perjúrio, é preciso então saber o que é um juramento.
O juramento é uma afirmação em que se toma Deus como testemunha da verdade do que se diz.
O juramento consiste então de alguma forma em invocar Deus a nosso favor, em fazê-lo falar em nosso nome.
Atesta-se por assim dizer que o próprio Deus, que vê o fundo dos corações, se fosse chamado a testemunhar, falaria como nós mesmos falamos.
O juramento indica que se aceitam de antemão os castigos que Deus não deixa de infligir àqueles que atestam seu nome em vão.
Vê-se assim como o perjúrio, no sentido da prestação de um falso juramento, pode ser chamado uma dupla mentira.
Pois o perjuro mente primeiro ao afirmar uma coisa falsa;
E mente em seguida ao afirmar que Deus deporia como testemunha, se ali estivesse.
Acrescentemos que há aí um tipo de sacrilégio, que consiste em fazer de alguma forma de Deus o cúmplice de nossa mentira.
O mesmo ocorre quando o perjúrio é a violação de um juramento interior.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Novembro de 2020, 10:52
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXI - DEVERES RELATIVOS À VONTADE E AO SENTIMENTO.
- A FORÇA DE ALMA


A vontade é o poder de se decidir à ação, sem ser a isso constrangido por nenhuma força externa, ou mesmo pela força das paixões.
A própria vontade tem, portanto, uma força pela qual luta contra os obstáculos externos ou internos que a ela se opõem.
É o que se chama a força de alma cuja principal forma é a coragem.
A coragem, no seu sentido mais habitual, é essa espécie de virtude que enfrenta o perigo e mesmo a morte, quando necessário, para cumprir um dever.
A coragem que mais impressiona os homens é a coragem militar:
Porém, não é a única:
O médico numa epidemia,
O simples cidadão numa calamidade pública,
Cada um de nós em seu leito de morte pode mostrar tanta e frequentemente mais coragem do que o soldado na batalha.
A coragem civil não é menos necessária do que a coragem militar:
Por exemplo,
A do magistrado fazendo justiça malgrado as solicitações dos poderosos,
A do cidadão defendendo as leis,
A do justo dizendo a verdade com risco de vida etc.
Foi dito que a coragem é um meio-termo entre a temeridade e a covardia.
Isso é verdade em geral;
Mas não se deve acreditar que haja sempre temeridade em enfrentar o perigo,
E sempre covardia em evitá-lo.
O verdadeiro princípio é que se devem enfrentar os perigos necessários, por maiores que sejam,
E evitar os perigos inúteis, por menores que possam ser.
A coragem não consiste somente em enfrentar o perigo e a morte,
Mas também em suportar a desgraça, a miséria, a dor.
Pode-se ser corajoso na pobreza, na escravidão, na doença.
A coragem assim entendida chama-se paciência.
É essa espécie de coragem de todos os instantes que é a mais exigida na vida, e a que é mais rara;
Encontra-se um número bastante grande de homens capazes de enfrentar a morte quando a ocasião se apresenta,
Mas suportar com resignação os males inevitáveis e incessantemente renovados da vida humana é uma virtude tanto mais rara,
Quanto quase não se tem vergonha do vício que lhe é contrário.
Sente-se vergonha por temer o perigo, e não por se enfurecer contra o destino:
Aceita-se morrer, se for preciso, mas não ser contrariado.
Contudo, conviremos que sucumbir ao peso de seu destino é também uma espécie de covardia.
É por isso que se pôde dizer com razão que o suicídio é um ato covarde;
Pois se é verdade que exige uma certa coragem física, também é verdade que a coragem moral que suportasse tais males seria de uma ordem ainda bem superior.
Mas não se deve confundir a verdadeira força, a verdadeira coragem, a verdadeira paciência, com a falsa força e a ridícula obstinação.
“Um amigo meu, diz Epiteto, resolveu sem nenhum motivo deixar-se morrer de fome.
Fiquei sabendo disso, quando fazia três dias que ele se abstinha de comer:
Fui vê-lo, e perguntei-lhe o que estava fazendo:
Eu decidi, respondeu-me.
– Mas qual é o motivo que te impeliu?
– É preciso ser firme em suas decisões.
– O que estás dizendo, meu amigo?
É preciso ser firme nas suas decisões, certamente, mas naquelas que são sensatas.
O quê! Se, por um capricho, tivesses decidido que seria de noite, persistirias dizendo:
É preciso ser firme nas suas decisões...
Nosso homem deixou-se convencer, mas não sem dificuldade.
Não se persuade um tolo senão quebrando-o.”
À paciência na adversidade é preciso juntar sempre uma outra espécie de coragem, não menos rara e não menos difícil, a saber:
A moderação na prosperidade.
É de alguma forma uma única e mesma virtude, aplicando-se em duas circunstâncias contrárias;
É o que se chama a igualdade de alma.
Há tanta fraqueza em não ter moderação quando a fortuna nos sorri, quanta quando ela nos é contrária;
E não há nada mais belo na vida do que uma alma sempre igual, a fronte sempre a mesma, um rosto sempre sereno.
À igualdade de humor ou domínio de si liga-se ainda outra obrigação:
A de evitar a cólera;
Essa paixão que se considerou com razão como a origem da coragem, mas desregrada em si mesma, é mais própria dos animais que dos homens.
Há duas espécies de caracteres irascíveis;
Aquele que se enfurece rápido e se apazigua em seguida, e ao contrário aquele que conserva muito tempo seu ressentimento.
O primeiro é o caráter irascível, o segundo é o caráter atrabiliário ou vingativo.
Este segundo caráter é muito mais odioso do que o outro;
A cólera é por vezes escusável;
O rancor jamais o é.
Todavia, se a cólera é um mal, a apatia e a indiferença absoluta está longe de ser um bem.
Se há uma cólera brutal e animal, há também uma nobre cólera, uma cólera generosa, aquela que se põe a serviço dos nobres sentimentos.
A cólera generosa tem, como se vê, seu princípio no sentimento da dignidade pessoal, ao qual se vincula o dever do respeito de si mesmo.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Novembro de 2020, 10:53
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXII - A DIGNIDADE PESSOAL

Sendo o homem superior aos outros seres da criação pela razão, pela liberdade, pela moralidade, não se deve abaixar ao nível deles, e deve respeitar em si mesmo e fazer respeitar em si pelos outros homens a dignidade humana.
Daí estas máximas:
“– Não sejais escravos dos homens;
– Não admitais que vossos direitos sejam impunemente calcados aos pés;
– Não contraiais dívidas para as quais não ofereceríeis inteira segurança;
– Não recebais benefícios que poderíeis dispensar;
– Não sejais nem parasitas, nem bajuladores, nem mendigos;
– As queixas e os gemidos, mesmo um simples grito arrancado por uma dor corporal, são coisa indigna de vós (com mais razão ainda se merecestes a pena).
De maneira que um culpado enobrece sua morte pela firmeza com a qual morre.
– Quem se faz verme pode queixar-se de ser esmagado?”
O justo sentimento da dignidade humana chama-se orgulho.
Não se deve confundir o orgulho legítimo com uma paixão que imita o orgulho, mas que é apenas seu fantasma:
Quero dizer com a soberba.
O orgulho é o justo sentimento que o homem tem de sua dignidade moral, e que o proíbe de humilhar ou de deixar humilhar a pessoa humana.
A soberba é o sentimento exagerado que temos de nossas vantagens e da nossa superioridade sobre os outros homens.
O orgulho relaciona-se com o que há em nós de sagrado e de divino;
A soberba relaciona-se apenas com nosso indivíduo, e é de suas próprias misérias que ela cresce e incha.
O orgulho pede apenas para não ser oprimido;
A soberba pede para oprimir os outros.
O orgulho é nobre, a soberba é brutal e insolente.
O diminutivo da soberba é a vaidade.
A soberba tira vantagem das grandes coisas, pelo menos do que parece tal entre os homens:
A vaidade vangloria-se mesmo das menores.
A soberba é insultante;
A vaidade fere.
Uma é odiosa, a outra ridícula.
O mais baixo grau da vaidade é a fatuidade,
Ou a vaidade das vantagens exteriores, aparência, toilette, encantos superficiais.
Esse diminutivo da soberba é uma das paixões mais lamentáveis e deve ser combatido por todos os sentimentos másculos e viris.
A virtude oposta à soberba, e que não é de modo algum inconciliável com o orgulho, é a modéstia,
A saber,
O justo sentimento do que se vale e do que não se vale.
Não é de forma alguma proibido pela moral dar-se conta de seus próprios méritos.
Mas com a condição de não exagerar seu alcance:
O que é fácil,
Ao se comparar seja com aqueles que receberam dons mais excelentes,
Seja com o que nós deveríamos e poderíamos ser com mais esforços, mais coragem, mais vontade,
Seja reconhecendo ao lado dessas vantagens os limites, as fronteiras, as lacunas, sobretudo mantendo sobre nossos defeitos um olho tão aberto, mais aberto ainda do que sobre nossas qualidades.
Cuidado com a trave do Evangelho *.
A modéstia não deve ser somente exterior, mas também interior;
Por fora, ela é sobretudo um dever para com os outros que não devemos humilhar com nossas vantagens;
Por dentro, ela é um dever para conosco mesmos, que não devemos enganar sobre nosso próprio valor.
Às vezes é-se modesto por fora sem o ser por dentro e reciprocamente.
Posso fingir diante dos homens que não tenho grande opinião sobre mim mesmo, ao passo que interiormente inebrio-me com o meu mérito:
É pura hipocrisia.
Posso, ao contrário, atribuir-me exteriormente vantagens que minha consciência não reconhece de forma alguma no foro interior;
É fanfarrice.
É preciso ser modesto ao mesmo tempo por dentro e por fora, em palavras e em ações.
É preciso distinguir da modéstia uma outra virtude que se chama a humildade.
A humildade não deve ser um rebaixamento;
Pois nunca é uma virtude para o homem rebaixar-se.
Mas assim como a dignidade e o orgulho são as virtudes que nascem do justo sentimento da grandeza humana,
Igualmente a humildade é a virtude que nasce do sentimento de nossa fraqueza e não o deixa envilecer:
Eis o respeito de si mesmo.
Lembra-te de que não és senão um homem,
E não te deixes ensoberbar:
Eis a humildade.

................................
* Refere-se à passagem “O argueiro e a trave no olho”, S. Mateus, 7:3 a 5. (N.R)

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 03 de Novembro de 2020, 10:55
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXIII DEVERES DE FAMÍLIA. – O CASAMENTO


Podem-se distinguir na família quatro espécies de relações, de onde nascem quatro classes de deveres.
1º - Relações do marido e da mulher;
2º - Relações dos pais com os filhos;
3º - Relações dos filhos com os pais;
4º - Relações dos filhos entre si.
Daí:
O dever conjugal, o dever paternal ou maternal, o dever filial e o dever fraternal.
A esses quatro elementos da família pode-se acrescentar um quinto,
A domesticidade,
Daí o dever dos senhores para com os domésticos, e dos domésticos para com os senhores.
I. Deveres do casamento. –
O dever comum do marido e da mulher é a fidelidade.
Esse dever está fundado na própria natureza do casamento, e em segundo lugar em uma promessa recíproca.
Comecemos por essa última consideração.
O casamento, tal como é instituído nos países civilizados e cristãos, é a monogamia, ou casamento de um único homem com uma única mulher (exceto o caso de falecimento).
Tal é o estado no qual se comprometem ao entrar na condição do casamento;
Aceita-se portanto, por isso mesmo, a obrigação de uma fidelidade inviolável.
Se uma promessa é sagrada quando se trata dos bens materiais (por exemplo, uma dívida de jogo),
Quão mais sagrada é a promessa dos corações,
E esse dom recíproco da alma à alma, que faz a dignidade do casamento!
A fidelidade conjugal é portanto um dever de honra, uma verdadeira dívida.
Mas não é somente o resultado obrigatório de uma promessa, de uma palavra dada:
A fidelidade resulta da ideia mesma do casamento, e o casamento por sua vez resulta da natureza das coisas.
O casamento foi instituído para salvar a dignidade da mulher.
A experiência, com efeito, nos ensina que, em toda parte onde existe a poligamia, a mulher é a escrava do homem.
Este, partilhando seus afetos entre várias pessoas diferentes, não pode amar nenhuma com a delicadeza e a constância que tornam a mulher igual ao homem.
Como poderia haver essa intimidade, e essa partilha comum dos bens e dos males que faz a beleza moral do casamento, entre um senhor e várias escravas que disputam seus olhares e seus caprichos?
É totalmente evidente que a igualdade do homem e da mulher não pode subsistir ali onde esta é obrigada a disputar com outras o bem comum do afeto conjugal.
Daí a instituição do casamento que foi inspirada pelo interesse da mulher, e que é a proteção do mais fraco.
Evidentemente, é ela por conseguinte obrigada, por seu lado, à mesma fidelidade que tem o direito de exigir.
A infidelidade conjugal, vinda de que lado for, é portanto uma poligamia disfarçada, e ainda uma poligamia irregular e caprichosa, muito inferior à poligamia legal:
Pois esta, ao menos, deixa subsistir certas regras, e determina de uma maneira precisa a condição das diversas esposas.
Mas o adultério destrói toda relação regular e precisa entre os dois esposos;
Introduz no casamento a usurpação aberta ou clandestina dos direitos jurados;
Tende a restabelecer o estado primitivo e selvagem, em que o acaso e o capricho decidem a aproximação dos sexos.
A fidelidade é um dever comum e recíproco dos dois esposos.
Eles têm além disso cada um os seus.
Insistiremos sobretudo nos do marido.
O primeiro de todos, e que engloba todos os outros, é a proteção.
“O homem, sendo o chefe da família, é seu protetor natural.
A autoridade lhe é entregue pelas leis e pelo uso.
Mas essa autoridade não seria mais que um privilégio insuportável, se o homem pretendesse exercê-lo sem fazer nada, e sem devolver à família em segurança o que ela lhe paga em respeito e em obediência.
O trabalho, eis o primeiro dever do homem, como chefe de família.
Isso é verdade para todas as classes da sociedade, tanto para aquelas que vivem de suas rendas, quanto aquelas que vivem de seu trabalho.
Pois uns devem tornar-se dignos da fortuna que receberam por nobres ocupações, e, ao menos, mantê-la e fazê-la frutificar por uma hábil administração;
E os outros têm, se não uma fortuna a adquirir, objetivo muito raramente alcançado, ao menos um objeto bem mais premente:
Prover o de que viver todos aqueles que repousam sob sua tutela.”
Sócrates conta o que lhe reportou Ischomachus,
Um sábio da antiguidade, do diálogo entre dois recém-casados cujo marido instrui a mulher sobre os deveres domésticos, nos seguintes termos:
“Quando ela se familiarizou comigo, e que a intimidade a encorajou a conversar livremente, eu lhe fiz mais ou menos as perguntas seguintes:
‘Diz-me, mulher, estás começando a compreender porque eu te escolhi, e porque teus pais te deram a mim...
Se a Divindade nos der filhos, pensaremos juntos sobre criá-los o melhor que pudermos:
Pois é uma felicidade que nos será comum a de encontrar neles defensores e apoios para nossa velhice.
Desde hoje esta casa nos é comum.
Tudo o que tenho eu coloco em comum, e tu, tu já puseste em comum tudo o que trouxeste.
Não se trata mais de contar qual de nós dois forneceu mais que o outro;
Mas é preciso compenetrar-se bem disto, que aquele de nós dois que gerir melhor o bem comum, fará o aporte mais precioso.’
“A essas palavras, Sócrates, minha mulher respondeu-me:
‘Em que poderia eu ajudar-te?
Do que sou capaz?
Tudo se apoia em ti.
Minha mãe disse-me que minha tarefa é me conduzir bem.’
– Sim, disse-lhe eu, e meu pai também me dizia a mesma coisa;
Mas é do dever de um homem e de uma mulher que se conduzem bem fazer com que o que eles têm prospere o melhor possível,
E que lhes cheguem além disso bens novos por meios honestos e justos.
O bem da família e da casa exige trabalhos fora e dentro.
Ora,
A Providência apropriou de antemão a natureza da mulher para os cuidados e os trabalhos do interior,
A do homem para os cuidados e os trabalhos de fora.
Frios, calores, viagens, guerras, o corpo do homem foi posto em estado de tudo suportar;
Por outro lado, a Divindade deu à mulher a inclinação e a missão de alimentar os recém-nascidos;
É também ela que é encarregada de velar sobre as provisões,
Ao passo que o homem é encarregado de repelir aqueles que quisessem prejudicá-los.
“Como a natureza de nenhum deles é perfeita em todos os pontos, isso faz com que precisem um do outro;
E sua união é tanto mais útil quanto o que falta a um, o outro pode supri-lo.
É preciso portanto, mulher, que instruídos das funções que são designadas a cada um de nós pela Divindade,
Nós nos esforcemos para realizar o melhor possível as que incumbem tanto a um quanto ao outro.
“Há todavia, disse eu, uma das tuas funções que talvez te agrade menos:
É que se algum dos teus escravos ficar doente, tu deves, por cuidados, devidos a todos, velar por sua cura.
– ‘Pelo céu! disse minha mulher, nada me agradará mais, visto que, restabelecidos por meus cuidados eles ficarão reconhecidos e se mostrarão mais dedicação que no passado.’
Essa resposta me encantou, retomou Ischomachus, e eu disse-lhe:
Terás outros cuidados mais agradáveis a prestar,
Quando de uma escrava, incapaz de fiar, tiveres feito uma boa fiadora;
Quando de uma intendente ou de mulher de carga incapaz, tiveres feito uma servidora capaz, dedicada, inteligente...
“Mas o encanto mais doce será quando, tendo-te tornado mais perfeita que eu, tiveres feito de mim teu servidor;
Quando, ao invés de temer que a idade, ao chegar, te faça perder tua consideração no teu lar, terás a segurança de que envelhecendo te tornas para mim uma companheira melhor ainda,
Para teus filhos uma melhor dona de casa,
Para tua casa uma senhora mais honrada.
Isso porque a beleza e a bondade não dependem da juventude:
São as virtudes que as fazem crescer na vida aos olhos dos homens.”

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Novembro de 2020, 20:27
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXIV - DEVERES DOS PAIS

Depois de ter mostrado os deveres comuns e recíprocos dos esposos, vamos considerar agora seus deveres para com seus filhos.
Para os pais, o dever é acompanhado pelo poder, ou seja, pela autoridade que eles exercem legitimamente sobre aqueles que lhes devem a vida.
É o que se chama o poder paterno.
Embora o uso tenha dado o nome de poder paterno ao poder que os pais exercem sobre os filhos, esse poder compreende tanto o direito da mãe quanto o do pai:
1º - Na falta do pai, em caso de ausência ou de morte, a mãe tem sobre a criança exatamente o mesmo poder que o próprio pai;
2º - É um dever absoluto dos pais fazer de modo que não haja, em relação aos filhos, duas vontades no lar, duas espécies de comandos contraditórios;
Aos olhos da criança deve haver apenas um único e mesmo poder manifestado por duas pessoas, mas indivisível em sua essência;
3º - Em caso de conflito a vontade do pai prevalece, a menos que a lei intervenha;
Mas o pai não deve, senão em último caso, usar de tal privilégio, e no caso do interesse evidente da criança.
Mesmo assim ele deve agir de forma a que a obediência a um dos pais não seja uma desobediência para com o outro;
Isso seria arruinar na raiz o próprio poder de que faz uso.
O poder paterno é então o poder comum do pai e da mãe sobre seus filhos;
E não é senão por exceção que ele é o poder de um em detrimento do outro.
A verdadeira razão do poder paterno ou materno está na fraqueza da criança, na sua impotência física, na sua incapacidade intelectual e moral.
Não tendo o poder paterno, como se vê, outra origem que não o próprio interesse da criança, é limitado pelo interesse e os direitos da própria criança.
Para além do que pode ser útil à sua existência física e moral, o pai nada pode.
Tal é a extensão e tais são os limites do seu poder.
 Desses princípios resulta que:
1º - Os pais não têm sobre seus filhos o direito de vida e de morte, como tiveram em certas legislações.
2º - Também não têm o direito de maltratá-los, feri-los, enfim, de tratá-los como coisas e como animais;
E, embora o uso pareça considerar como inocentes certos castigos corporais, será sempre um mau exemplo e um mau hábito empregar as pancadas como meios de educação.
3º - Os pais não têm o direito de negociar a liberdade de seus filhos, de vendê-los como escravos, como na antiguidade, ou de fazer deles instrumentos de ganho, como muitas famílias.
Certamente, não se pode proibir o pai de família, de maneira absoluta, de fazer o trabalho da criança servir à manutenção da família, mas levando-se em conta as forças da criança, cuidando para não sacrificar sua educação intelectual e moral.
4º - Os pais não têm o direito de corromper seus filhos, de fazer deles os cúmplices de suas próprias desordens.
Assim os pais não devem fazer nenhum dano a seus filhos, nem físico, nem moral.
Devem-lhes mais ainda:
Devem amá-los e fazer-lhes todo o bem que estiver em seu poder;
Deve-se amá-los somente por eles mesmos e não por interesse de si.
Não é a nossa felicidade, é a deles que devemos amar em nossos filhos;
Por essa mesma razão muitas vezes é preciso comandar a própria sensibilidade, e não buscar agradar os filhos em detrimento do sólido interesse deles.
Como dissemos,
O excesso de ternura não é, com frequência, senão uma falta de ternura,
É uma espécie de egoísmo delicado, que teme sofrer ele próprio pelos aparentes sofrimentos dos filhos,
E que, não sabendo lhes recusar nada, para não lhes desagradar, lhes prepara cruéis decepções,
Quando eles estiverem diante das tristes necessidades das coisas.
Uma consequência do que precede é que o pai de família deve amar igualmente todos os seus filhos, e evitar todas as preferências entre eles.
Não deve ter favoritos;
Muito menos vítimas.
Ele não deve, por um sentimento de orgulho de família, preferir os meninos às meninas, nem o primogênito aos outros filhos;
Nem mesmo deve ceder a essa predileção tão natural que nos liga de preferência aos mais amáveis, aos mais espirituosos, àqueles que receberam os dons mais sedutores.
Observamos com frequência que os pais, e sobretudo as mães, têm um fraco pelos filhos mais débeis,
Ou que precisaram de mais cuidados.
Se uma preferência pudesse ser justificada, seria nesse caso.
Consideremos os deveres particulares, que estão contidos nos deveres gerais que acabamos de indicar.
Eles dizem respeito a dois pontos principais:
A conservação e a educação dos filhos.
O fato de dar a vida aos filhos acarreta como consequência inevitável o dever de conservá-la.
Não podendo a criança dar a si mesma o alimento, é preciso que os pais lho forneçam:
É o que resulta da própria natureza das coisas.
Disso decorre que o homem deve trabalhar para alimentar seus filhos:
É um dever tão evidente e tão necessário, que não se faz necessário insistir muito nisso.
No entanto, não é só o presente que o pai de família deve assegurar, é também o futuro.
Ele deve, por um lado, prever o caso em que, por uma desgraça possível, viesse a faltar-lhes antes do tempo.
Deve, em segundo lugar, preparar o momento em que eles terão de se bastar a si mesmos.
O primeiro caso nos faz ver como a economia e a previdência são um dever sagrado do pai de família.
É o que explica também como pode ser um dever, na formação do casamento,
Não negligenciar a consideração dos bens;
Não que essa consideração não possa ceder a outras mais importantes;
Mas, o que vem a dar no mesmo, o melhor casamento é o que prevê o interesse futuro dos filhos
E lhes assegura recursos no caso em que a desgraça os fizesse órfãos desde muito cedo.
Os pais não são apenas obrigados a assegurar a seus filhos a subsistência material;
Devem-lhes ainda e sobretudo a educação moral.
Todo gente reconhece na educação das crianças duas partes distintas:
A instrução e a educação propriamente dita;
A primeira tem por finalidade o espírito, e a segunda o caráter.
Não se devem separar essas duas coisas, pois sem instrução, toda educação é impotente;
E sem educação moral, a instrução pode ser perigosa.
Os pais devem então, esse é um dever rigoroso, dar aos filhos a instrução na proporção de seus recursos e de sua condição;
Mas não lhes é permitido deixá-los na ignorância se encontram os meios de fazê-los sair dela.
A instrução tem dois efeitos úteis:
Primeiro ela aumenta os recursos do indivíduo, torna-o apto às mais diversas coisas;
Ela é, portanto, como diz o economista político, um capital.
Os pais, fazendo dar instrução a seus filhos, lhes comunicam assim um capital mais sólido e mais produtivo do que aquele que poderiam lhes transmitir por doação ou herança.
Em segundo lugar, a instrução eleva o homem e enobrece a sua natureza.
Se é a razão que distingue o homem do animal, são as luzes que estendem e realçam a razão.
Assim, a instrução se confunde com a educação moral e é uma parte essencial dela.
Aliás, é preciso reconhecer que a instrução sozinha não basta à educação;
A formação do caráter não se faz somente pela ciência;
Faz-se ainda pela persuasão, pela autoridade, pelo exemplo, pela ação moral de todos os instantes.
A educação deve combinar a energia e a doçura, o constrangimento e a liberdade.
A criança não deve ser criada somente pelo temor, como os animais;
Mas uma fraqueza excessiva é tão perigosa quanto uma autoridade despótica.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Novembro de 2020, 20:28
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXV DEVERES DOS FILHOS

O primeiro dever dos filhos para com os pais é a obediência.
Como são incapazes de eles mesmos se dirigirem, é preciso que se confiem inteiramente àqueles que têm o direito e o dever de dirigi-los.
Os filhos devem ainda a seus pais respeito e reconhecimento.
“É preciso honrar, diz Platão, durante sua vida e após sua morte, os autores de nossos dias:
É a primeira, a mais indispensável de todas as dívidas:
É preciso persuadir-se de que todos os bens que possuímos pertencem àqueles de quem se recebemos o nascimento e a educação,
E que convém consagrá-los sem reserva ao serviço deles, começando pelos bens da fortuna, e vindo daí aos do corpo, e por fim aos da alma;
Devolvendo-lhes assim com juros os cuidados, as penas e os trabalhos que nossa infância lhes custou outrora, e redobrando nossas atenções para com eles à medida que as enfermidades da idade as tornem mais necessárias.
É preciso, ademais, que durante toda a vida se fale aos pais com um respeito religioso.
Assim, é preciso ceder à cólera deles, deixar livre curso ao seu ressentimento, seja que eles o testemunhem por palavras ou por ações,
E desculpá-los com o pensamento de que um pai que se crê ofendido por seu filho tem um direito legítimo de irritar-se contra ele.”
Relatam-nos igualmente uma admirável advertência de Sócrates a seu filho mais velho Lamprocles sobre a piedade filial.
A mulher de Sócrates, Xantipa, era célebre por seu caráter rabugento, que punha frequentemente à prova a paciência de Sócrates.
É provável que o mesmo ocorresse com os filhos, e que estes, menos pacientes do que o pai, às vezes se enfurecessem contra ela.
Sócrates chama Lamprocles a seu dever de filho, lembrando-lhe tudo o que as mães fazem por seus filhos.
“A mãe, diz ele, primeiro carrega em seu seio esse fardo que põe seus dias em perigo;
Ela dá a seu filho uma parte de sua própria subsistência;
Depois,
Após uma gestação e um parto cheios de dor, ela alimenta e cuida, sem nenhum retorno, de uma criança que não sabe de onde lhe vêm esses cuidados afetuosos,
Que não pode nem mesmo dizer o de que precisa,
Ao passo que a mãe busca adivinhar o que lhe convém, o que lhe pode agradar,
E alimenta-o noite e dia, à custa de mil fadigas.
Mas é pouco alimentar os filhos;
Logo que eles se acham em idade de aprender alguma coisa, os pais lhes comunicam todos os conhecimentos úteis que eles próprios possuem,
Ou então enviam-nos para junto de um mestre, sem poupar as despesas, nem os cuidados.”
– A isso o jovem respondeu:
“Sim, certamente, ela fez isso, e mil vezes mais ainda;
No entanto, ninguém poderia suportar seu humor.”
– “E tu, disse Sócrates, quanto, desde tua infância, não lhe custaste em contrariedades insuportáveis, em palavras e em ações, de dia e de noite!...
Crês então que tua mãe seja para ti uma inimiga?
– Não, certamente, não o creio.”
– Sócrates:
“Pois bem, essa mãe que te ama, que te presta todos os cuidados possíveis quando estás doente, a fim de te restabelecer a saúde,
Que reza aos deuses para que te cumulem com seus benefícios, tu te queixas do seu humor!...
Oh! Meu filho, se fores sábio pedirás aos deuses que perdoem tuas ofensas à tua mãe,
Por temor de que te olhem como um ingrato e te recusem seus benefícios;
E, quanto aos homens, cuidado também para que instruídos da tua falta de respeito por teus pais, não te desprezem todos e não te deixem privado de amigos.
Pois, se pensassem que fosses ingrato para com teus pais, nenhum deles te acreditaria capaz de reconhecer um benefício.”
Ao alcançar a maioridade, os filhos são desobrigados à obediência pela lei dos deveres de obediência,
Mas não dos deveres do reconhecimento e do respeito.
Eles devem ter em consideração seus conselhos, cercá-los com solicitude e cuidados,
E, se for necessário, devolver-lhes os cuidados que deles receberam na infância.
É sua vez de proteger aqueles pelos quais foram tanto tempo protegidos.
Além disso, há duas graves circunstâncias em que eles têm de esgotar todas as formas do respeito e da submissão antes de usar dos direitos rigorosos que a lei lhes concede: é o casamento, e a escolha de uma profissão.
No primeiro caso, a lei e a moral exigem o consentimento dos pais;
Não é senão em último caso que é permitido ir além, após três notificações respeitosas.
Aqui, ainda que a lei permita, pode-se dizer que, exceto nos casos extremos e excepcionais, é sempre melhor não avançar, e esperar que a mudança das circunstâncias traga a mudança da vontade dos pais.
Quase sempre, com efeito, a resistência dos pais nessas circunstâncias é conforme ao interesse dos filhos;
Eles querem defendê-los contra o arrebatamento de suas próprias paixões.
Ademais, eles têm também uma espécie de direito de proibir a entrada em sua família e a participação em seu nome de alguém que não seria digno disso.
Quanto à escolha da profissão, a obrigação de se conformar aos desejos e à vontade dos pais é menos rigorosa do que para o casamento, e é evidente aqui que o primeiro dever, o dever estrito é escolher a profissão para a qual se é mais próprio.
Todavia, como muitas vezes aí também há, da parte dos filhos, muita inexperiência,
Pois entre as profissões tem algumas muito difíceis, muito perigosas,
Compreende-se que haja um dever da parte dos filhos, exceto vocação irresistível, em se deixar guiar por uma experiência mais esclarecida e melhor prevenida.
Em todo caso, o que constitui dever estrito é consultar a sabedoria paterna, e retardar tanto quanto possível uma resolução definitiva.
II. Deveres dos irmãos. – Silvio Pellico, moralista moderno, exprimiu de maneira encantadora os deveres dos irmãos entre si.
“Para bem praticar para com os homens a ciência divina da caridade, é preciso fazer seu aprendizado em família.
“Que doçura inefável não há neste pensamento:
‘Somos os filhos de uma mesma mãe!...’
Se quereis ser bom irmão, defendei-vos do egoísmo.
Que cada um de vossos irmãos, que cada uma de vossas irmãs veja que seus interesses vos são tão caros quanto os vossos.
Se um deles cometer uma falta, sede indulgente com o culpado.
Regozijai-vos de suas virtudes;
Imitai-as.
“A intimidade do lar jamais deve fazer-vos esquecer de ser polido com vossos irmãos.
“Encontrai em vossas irmãs o encanto suave das virtudes da mulher;
E, visto que a natureza as fez mais fracas e mais sensíveis que vós, sede mais atentos a consolá-las em suas aflições, a não as afligir vós mesmo.
“Aqueles que contraem para com seus irmãos e irmãs hábitos de malevolência e de grosseria permanecem malévolos e grosseiros com todo o mundo.
Que o comércio da família seja unicamente terno e santo, e o homem levará às suas outras relações sociais a mesma necessidade de estima e de nobres afetos.”

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 16 de Novembro de 2020, 20:29
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXVI - DEVERES DOS SENHORES E DOS DOMÉSTICOS

Uma das funções mais importantes da administração interior é o governo dos domésticos.
Ela se compõe de duas coisas:
A escolha e a direção.
No entanto, de nada serve bem encontrar e escolher bem se se ignorar a arte de dirigir e de governar.
O dono de casa deve certamente ter sempre o olho aberto, mas deve saber também que nenhuma criatura aprende a bem fazer se não a deixarem agir com certa liberdade.
Vigilância e confiança, tais são os dois princípios de um sábio governo doméstico.
Sem a primeira, pode ser enganado;
Sem a segunda, engana-se a si mesmo privando o servidor do impulso mais enérgico da vontade humana:
A responsabilidade e a honra.
Além disso, o patrão deve evitar ser violento e brutal com os domésticos.
Deve exigir tudo o que é justo, mas sem levar suas exigências até a perseguição.
Muitas pessoas se privam de bons domésticos, porque não sabem suportar com paciência defeitos inevitáveis, inerentes à natureza humana.
Em contrapartida, o doméstico deve ao patrão:
1º - Uma honestidade inviolável.
Como são os domésticos que em última análise fazem as compras e gastam do dinheiro, o tesouro da família está em suas mãos.
Quanto mais se é obrigado a confiar a eles, tanto mais eles devem ter a honra de impedir-se a mais ligeira infidelidade.
2º - Eles devem a obediência e a exatidão no que diz respeito ao seu serviço.
3º - Tanto quanto possível, devem apegar-se à casa onde servem;
Quanto mais nela permanecem, mais são considerados como parte da família, e mais obtêm aí a consideração e o afeto que se devem à idade e à fidelidade.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 20 de Novembro de 2020, 10:04
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXVII - DEVERES PARA COM OS HOMENS

Todas as regras das ações humanas em relação aos outros homens podem reduzir-se a estes dois preceitos:
1º - Fazer bem aos homens;
2º - Não lhes fazer mal.
O que leva a estas duas belas máximas do Evangelho:
“Não faças a outrem o que não gostarias que te fizessem;”
– “Faz a outrem o que gostarias que te fizessem.”
Eis os diferentes graus dessa dupla obrigação:
1º - Não pagar com o mal o bem (evitar a ingratidão);
2º - Não fazer mal àqueles que não nos fizeram mal (evitar a injustiça e a crueldade);
3º - Não pagar o mal com o mal (evitar a vingança);
4º - Pagar o bem com o bem (praticar o reconhecimento);
5º - Fazer bem àqueles que não nos fizeram bem (praticar a caridade);
6º - Pagar o mal com o bem (perdão das ofensas).
Podem-se ainda distinguir nossos deveres para com nossos semelhantes, segundo as diferentes espécies de bens ou de males que lhes poderemos fazer.
1º - Deveres relativos à vida dos outros homens.
Segundo as duas máximas citadas antes, esses deveres são de duas espécies:
1º -Não atentar contra a vida de outrem;
2º - Fazer esforços para salvar a vida de outrem.
Todo atentado à vida de outrem se chama homicídio.
Se for acompanhado de perfídia ou de traição, é o assassinato.
O assassínio dos pais pelos filhos é chamado parricídio;
Dos filhos pelos pais (sobretudo em mais tenra idade), infanticídio;
Dos irmãos uns pelos outros, fratricídio.
Todos esses crimes são os mais odiosos e os mais repelentes para o coração humano.
O assassínio jamais é permitido, mesmo pelo maior interesse e pelo maior bem.
Assim, era um erro dos antigos acreditar que o assassínio do tirano ou tiranicídio era não somente legítimo, mas honroso e belo.
No entanto, é preciso aceitar o caso de legítima defesa;
Pois não nos pode ser proibido defender-nos contra aquele que nos quer tirar a vida.
Se a mais criminosa das ações é tirar a vida de seu semelhante, ao contrário, a ação que consiste em salvar a vida de outrem, e sobretudo em dar sua vida por outrem, é a mais bela de todas.
“O bom pastor dá a vida por suas ovelhas.”
A esse dever fundamental de não atentar contra a vida dos outros homens, vincula-se, como corolário,
O dever de não causar dano a seu corpo por pancadas ou ferimentos, à sua saúde por violências perigosas;
E reciprocamente o dever de cuidar deles em suas doenças.
2º Deveres relativos aos bens.
Vimos acima que o homem não pode conservar sua vida e torná-la feliz e cômoda, sem um certo número de objetos materiais, que se chamam os bens exteriores.
A posse legítima desses bens é o que se chama a propriedade.
O direito de propriedade repousa por um lado sobre a utilidade social, e pelo outro sobre o trabalho humano.
De um lado, a sociedade não pode subsistir sem uma certa ordem que determina a cada um a sua; do outro, é legítimo que cada um seja proprietário do que ganhou pelo seu trabalho;
O direito de possuir tem como consequência o direito de poupar, e por conseguinte o direito de formar um capital;
Além disso, o direito de utilizar esse capital fazendo-o render juros.
Ainda, o direito de conservar implica o direito de transmitir:
Daí, a legitimidade da herança.
Uma vez fundada a propriedade sobre o direito, é para nós um dever não atentar contra o direito.
O ato de tomar de outrem o que lhe pertence é o que se chama o roubo.
O roubo é absolutamente proibido pela lei moral, seja qual for o nome com que se encubra ou o prestígio em que se envolva:
 “Não roubareis.”
O roubo não consiste somente em meter a mão no bolso de seu vizinho;
Consiste em todas as maneiras possíveis de se apropriar do bem alheio.
Por exemplo,
Fraudar a qualidade da coisa vendida,
Entregar-se a uma agiotagem ilegítima,
Empregar para seu uso um depósito confiado a seus cuidados;
Tomar emprestado sem saber se pode pagar,
E, depois de ter recebido o empréstimo, não reconhecer sua dívida, ou se recusar a quitá-la;
São outras tantas maneiras de se apropriar do bem alheio, outras tantas formas diversas do roubo.
Ao dever relativo aos bens alheios se vinculam, como corolários, os deveres relativos à observação das convenções ou contratos;
Nem sempre se fazendo a transmissão dos bens na sociedade de mão a mão,
Mas por via de promessas e de escritos,
Faltar à sua promessa,
Fraudar sobre o sentido das convenções juradas, é por um lado apropriar-se do bem alheio,
E pelo outro mentir e enganar:
É portanto faltar a um duplo dever.
Não basta não tomar o que pertence a outrem.
É preciso ainda, tanto quanto se possa, ajudar a outrem com seus próprios bens, aliviá-lo na sua miséria.
É o que se chama a beneficência, a qual se pode exercer de várias maneiras, seja pela doação, seja pelo empréstimo.
Ela pode exercer-se ainda seja in natura, quer dizer, dando os objetos necessários à subsistência ou à manutenção;
Seja em dinheiro, quer dizer, dando os meios para obtê-los;
Seja em trabalho, que é o melhor de todos os dons;
Pois, aliviando os outros, damos-lhes ao mesmo tempo os meios de se bastarem a si mesmos.
3º - Deveres relativos à família de outrem.
Vimos acima quais são os deveres do homem na sua família;
Resta-nos dizer algumas palavras sobre os deveres para com a família de outrem.
Pode-se faltar a esses deveres, seja prejudicando o vínculo conjugal, o que é adultério;
Seja tirando dos outros seus filhos, o que é o rapto;
Seja depravando-os com maus conselhos ou maus exemplos, o que é a corrupção.
4º - Deveres relativos à honra de outrem.
Pode-se faltar a esses deveres seja dizendo na cara a um homem (que não o merece) coisas ofensivas e grosseiras:
São as injúrias;
Seja falando mal dos outros;
Aqui distinguem-se dois graus:
Se o mal que se diz é verdadeiro, é a maledicência;
Se o mal que se diz é falso e inventado, é a calúnia.
Em geral, não é preciso prejulgar muito facilmente o mal nos outros homens;
Esse gênero de defeito é o que se chama de julgamentos temerários.
É um dever fazer justiça a cada um, mesmo a seus inimigos,
E falar bem deles, quando o merecem, mesmo dos que falam mal de nós.
É um dever ter em geral para com os homens uma disposição benevolente, desde que isso não vá até à complacência para com o mal.
Nas relações com o próximo, a boa educação, para evitar as querelas e as injúrias,
Introduziu o que se chama a polidez, que pode ser uma virtude mundana,
Não deixa de ser uma virtude necessária à ordem da sociedade.
5º - Deveres relativos à amizade.
Todos os deveres precedentes são os mesmos para com todos os homens.
Há outros particulares para com certos homens, com aqueles, por exemplo, aos quais nos vinculam,
Seja a simpatia de caráter,
Seja a uniformidade das ocupações,
Seja uma educação comum etc.,
É o que se chama os amigos.
Os deveres relativos à amizade são:
1º - Bem escolher seus amigos, escolhê-los honestos, esclarecidos, a fim de encontrar em sua companhia encorajamentos ao bem.
Nada mais perigoso do que os amigos de prazer, ou os amigos interessados, unidos pelos vícios e as paixões, em vez de se unir pela sabedoria e a virtude;
2º - Uma vez escolhidos os amigos, o dever recíproco é a fidelidade.
Eles devem tratar-se com perfeita igualdade, com confiança.
Devem-se o segredo, quando um confiou ao outro seus mais caros interesses;
A dedicação, se um precisar do auxílio do outro.
Por fim, eles devem de maneira mais estrita e mais rigorosa, o que se deve em geral aos outros homens;
As faltas ou crimes para com a humanidade em geral assumem um caráter mais odioso se praticados contra os amigos.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Novembro de 2020, 10:31
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXVIII - DEVERES PARA COM A PÁTRIA

Independentemente desta grande sociedade universal que nos une a todos os homens,
Há grupos mais restritos e mais circunscritos que nos ligam mais particularmente a certos homens.
Os mais importantes desses grupos são a pátria e a família.
Nós já falamos da família, diremos algumas palavras sobre a pátria.
A pátria é uma ideia muito complexa:
Entra aí ao mesmo tempo a ideia do solo que nos viu nascer;
A ideia daqueles que habitam esse solo, e que chamamos nossos compatriotas ou concidadãos;
A ideia de uma língua e de uma história comuns, de uma mesma religião, de um mesmo governo etc.
Nem sempre todos esses elementos se encontram ao mesmo tempo;
Mas quanto mais numerosos são esses elementos, mais a ideia de pátria é firme e sólida, e mais forte é o sentimento correspondente.
É chamado o patriotismo, ao qual se opõe às vezes o cosmopolitismo, quando, atravessando os limites de nossa pátria, consideramos todos os homens como membros de um mesmo estado.
Os deveres para com a pátria são:

1º - O obediência às leis.
Com efeito, nenhuma sociedade pode subsistir sem leis.
A ausência de ordem e de leis numa sociedade é o que se chama anarquia:
É a própria destruição da sociedade;
2º - O respeito pelos magistrados.
Todo magistrado, administrador, soberano é o representante da lei.
Como tal, ele deve ser obedecido e respeitado tanto quanto a própria lei;
3º - O serviço militar.
A pátria precisa de defensores contra aqueles que ameaçam sua independência.
Todos lhe devem seus braços e mesmo sua vida, se for necessário;
4º - As contribuições.
O Estado, como os particulares, não pode administrar seus negócios sem dinheiro.
Daí, para todos os cidadãos, a necessidade de contribuir para as despesas públicas por uma cotização proporcional aos seus recursos.
Essas contribuições devem ser quitadas com exatidão, salvo completa incapacidade.
Não se deve procurar fraudar o Estado de nenhuma maneira;
A esse respeito, a consciência pública é geralmente bastante ampla.
Toda fraude feita ao Estado é um verdadeiro roubo;
5º O voto.
Em nossa sociedade atual, todos os cidadãos têm o direito de votar.
O voto não é somente um direito, é um dever.
Não se deve abster de votar por indiferença, nem votar por medo ou por capricho.
O voto deve ser inteiramente independente, e tanto quanto possível, esclarecido.
Por isso, instruir-se nunca foi tão obrigatório quanto hoje.
Os cidadãos devem saber que têm nas mãos o destino da pátria, que têm de realizar os dois grandes objetos de toda sociedade civilizada: a ordem e a liberdade.

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Novembro de 2020, 10:32
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXIX - JUSTIÇA E CARIDADE

Todos os nossos deveres para com nossos semelhantes foram concentrados em duas grandes classes:
Deveres de justiça,
Deveres de caridade.
A justiça pode ser definida como o respeito aos direitos de outrem.
Ser justo é respeitar os bens, a honra, a liberdade, a família, a vida de seus semelhantes.
A caridade é o devotamento e o sacrifício de si mesmo a outrem.
Pode-se empregar a força e o constrangimento para defender seus direitos:
por exemplo, o credor para ser pago por seu devedor, o homem atacado, para repelir uma agressão injusta.
Mas não se pode empregar a força para obter aquilo de que se precisa.
Assim, podem nos constranger a exercer a justiça, não nos podem constranger à caridade.
A justiça respeita ou restitui.
A caridade dá.
A caridade é um dever, mas um dever que não corresponde a um direito.
Não se pode dizer que não seja obrigatório ser caridoso;
Mas esta obrigação está longe de ser tão precisa, tão inflexível quanto a justiça.
A caridade é o sacrifício.
Ora, quem encontrará a regra do sacrifício, a fórmula da renúncia a si mesmo?
Para a justiça, a fórmula é clara:
Respeitar os direitos de outrem.
A caridade não conhece nem regra, nem limites.
Ela ultrapassa toda obrigação.
Sua beleza está precisamente em sua liberdade.
Não se pode dizer nada mais belo e mais forte sobre a caridade que estas palavras do apóstolo São Paulo:
“Ainda que eu falasse todas as línguas dos homens e dos anjos, se eu não tiver caridade, serei como o bronze que soa e um címbalo que retine.
“Ainda quando tivesse o dom de profecia, que penetrasse todos os mistérios, e que possuísse todas as ciências;
Quando tivesse mesmo toda a fé possível até transportar montanhas, se não tiver caridade, nada sou.
“E, quando houvesse distribuído todos os meus bens para alimentar os pobres e que houvesse entregado meu corpo para ser queimado,(18)
Se não tivesse caridade, tudo 18 isso de nada serviria.
“A caridade é paciente;
É branda e benfazeja;
A caridade não é invejosa;
Não é temerária, nem precipitada;
Não se infla de orgulho;
Não é desdenhosa;
Não cuida de seus interesses;
Não se agasta, nem se azeda com coisa alguma;
Não suspeita mal;
Não se rejubila com a injustiça,
Mas se rejubila com a verdade;
Tudo suporta, tudo crê, tudo espera, tudo sofre.”(19)

..........................
(18) Quer dizer que os atos não são nada, se o coração não está junto.
(19) São Paulo, I, Cor. XIII, 1-7

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Dezembro de 2020, 11:37
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXX EXISTÊNCIA DE DEUS

Existe um Deus.
O sentimento universal dos homens o atesta.
A ordem do universo o demonstra.
A ordem moral o exige imperiosamente.
1º - Em toda parte em que se encontra o homem, ele se mostra religioso.
Em toda parte, ele invoca um ou vários poderes superiores à natureza.
Ele pode enganar-se sobre a natureza de Deus.
Não se engana sobre sua existência.
2º - A ordem do universo, as revoluções regulares dos astros, as maravilhas da organização animal, a sábia mecânica do corpo humano, tudo comprova um criador inteligente.
Disse um poeta:
"O universo me intriga, e não posso imaginar que esse relógio exista, e não haja relojoeiro."
3º - Deus não é somente o autor da ordem física:
Ele é ainda o autor da ordem moral.
Ele é indispensável à humanidade, como legislador e como juiz.
É ele, como vimos, que nos impõe a lei moral:
É ele que garante sua execução.
Além disso, a ordem da natureza sendo una, e apresentando uma harmonia perfeita, não pode haver senão um único Deus,
Que como princípio de ordem física é chamado sabedoria,
E como princípio de ordem moral é chamado justiça e bondade.
Por fim, como não se pode compreender que essa ordem constituída por Deus não seja por ele vigiada e conservada,
Deus considerado como velando sobre o mundo e conduzindo-o à sua finalidade, é a Providência.
Ninguém falou mais divinamente da Providência do que Sócrates e Platão.
“Aprende, diz Sócrates a um de seus discípulos,
Que tua alma, encerrada no teu corpo, governa-o como lhe agrada.
É preciso, pois, acreditar também que a inteligência que reside no universo dispõe tudo à sua vontade!
O quê! tua vista pode se estender a vários estádios, e o olho da Divindade não poderia abarcar tudo ao mesmo tempo!
Tua alma pode ao mesmo tempo se ocupar de tudo o que acontece aqui, e no Egito e na Sicília, e a inteligência de Deus não seria capaz de pensar em tudo num único instante!
Reconhece então qual é a natureza e a grandeza dessa divindade que pode ao mesmo tempo tudo ver, tudo ouvir, estar presente em toda a parte, e cuidar de tudo o que existe.”
“Não façamos essa injúria a Deus, diz Platão,
De colocá-lo abaixo dos operários mortais;
E estes, à medida que se sobressaem em sua arte, tanto mais se aplicam a acabar e a aperfeiçoar todas as partes de suas obras, sejam elas grandes ou pequenas;
Não digamos então que Deus, que é muito sábio, que quer e pode cuidar de tudo,
Negligencia as pequenas coisas às quais lhe é mais fácil prover, como o faria um operário indolente e covarde aborrecido pelo trabalho...
Não, aquele que cuida de tudo tomou medidas eficazes para manter o universo em sua integridade e em sua perfeição.
Tu mesmo, débil mortal, pequeno como és, entras de alguma forma na ordem geral, e a ela correspondes sem cessar.
Mas não refletes que tudo o que acontece, acontece em vista do todo, a fim que ele viva uma vida mais feliz;
Que nada se faz para ti, e que tu mesmo és feito para o universo;
Que todo médico, todo artesão hábil, dirige todas as suas operações para um todo, tendendo ao bem comum,
E relacionando cada parte ao todo, e não o todo a alguma das partes.
E murmuras, porque ignoras o que é melhor ao mesmo tempo para ti e para o todo, segundo as leis da existência universal.”

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 07 de Dezembro de 2020, 11:38
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXXI - DEVERES PARA COM DEUS

Se há um Deus, ou seja,
Um autor da ordem física e da ordem moral, conservando e vigiando o mundo do qual ele é o pai,
Decorre daí que o homem, fazendo parte desse mundo,
E distinguindo-se das outras criaturas pelo fato de que ele sabe que é filho de Deus,
É obrigado para com esse pai supremo a sentimentos de reconhecimento e de respeito;
Para com esse juiz supremo, a sentimentos de piedade e de esperança, que compõem o que se chama o sentimento religioso.
Os dois principais elementos dos sentimentos religiosos são:
O respeito e o amor.
Esses dois sentimentos confundidos em um único, e dirigindo-se ao ser infinito, são o que se chama a adoração.
A adoração é exclusivamente consagrada à Divindade:
Adorar outros objetos que não a divindade é o que se chama idolatria.
O conjunto dos atos pelos quais se manifesta a adoração chama-se culto.
Se esses atos estão encerrados na alma, é o culto interior;
Se eles se manifestam fora, é o culto exterior.
Pergunta-se se é preciso um culto exterior?
Fénelon responde mostrando que ele é a consequência necessária e natural do culto interior.
“Não se vê, diz ele, que o culto exterior segue necessariamente o culto interior do amor?
Dai-me uma sociedade de homens que se veem como sendo todos juntos na terra apenas uma única família,
Cujo pai está no céu;
Dai-me homens que não vivem senão por amor a esse pai celeste, que não amam o próximo, nem a eles mesmos senão por amor a ele,
E que sejam apenas um coração e uma alma:
Nessa divina sociedade não é verdade que a boca falará incessantemente da abundância do coração?
Eles admirarão o Altíssimo;
Cantarão o Boníssimo;
Eles cantarão seus louvores;
Eles o bendirão por todos os seus benefícios.
Não se limitarão a amá-lo;
Eles o anunciarão a todos os povos do universo;
Quererão reerguer seus irmãos assim que os virem tentados, pela soberba ou pelas paixões grosseiras, a abandonar o Bem-Amado.
Gemerão ao ver o menor arrefecimento do amor.
Eles passarão além dos mares, até ao fim da terra, para fazer conhecer e amar o pai comum dos povos perdidos que esqueceram sua grandeza.
O que chamais vós um culto exterior, se este não é um deles?
Deus seria então tudo em todos;
Ele seria o rei, o pai, o amigo universal;
Seria a lei viva dos corações.
Ah! Se um rei mortal, ou um pai de família atrai por sua sabedoria a estima e a confiança de todos os seus filhos,
Não se vê a toda a hora senão as honras que lhe são prestadas;
Não se deve perguntar-lhe onde está seu culto, nem se lhe é devido um culto.
Tudo o que se faz para honrá-lo, para lhe obedecer e para reconhecer suas graças é um culto contínuo que salta aos olhos.
O que aconteceria então se os homens fossem possuídos pelo amor de Deus!
Sua sociedade seria um culto contínuo, como aquele que nos descrevem dos bem-aventurados no céu.”

...................................
20 Fénelon, Lettres sur la religion [Cartas sobre a religião].

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale
Título: Re: Pequenos elementos de moral
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 12 de Dezembro de 2020, 10:41
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
CAPÍTULO XXXII - IMORTALIDADE DA ALMA

A imortalidade da alma é uma verdade que ressalta evidentemente como uma consequência necessária de duas proposições estabelecidas anteriormente:
A primeira,
É que há no homem uma alma distinta do corpo;
A segunda,
É que toda sanção terrestre da lei moral é insuficiente.
Com efeito, se há uma alma distinta do corpo, não é necessário que ela pereça com ele.
Se todas as sanções terrestres são insuficientes, é preciso uma sanção superior e definitiva que restabeleça a harmonia natural da virtude e da felicidade. (21)
Insistamos somente sobre essa segunda razão.
Em princípio, como vimos, a felicidade e o bem deveriam estar em razão direta entre si:
Mas isso não ocorre na vida humana.
Com efeito, podem-se resumir a duas classes os prazeres e as penas que se consideram como sanções da lei moral:
1º - Aqueles que não têm nenhuma relação direta, nenhuma conexão necessária com o bem moral, por exemplo, os prazeres das riquezas ou da saúde.
2º -  Os prazeres que têm uma relação imediata com o bem moral, por exemplo, os prazeres da estima e da consciência.
Os sofrimentos são igualmente de duas espécies:
Aqueles que podem vir do estado do corpo, ou das situações críticas e deploráveis com que o homem está frequentemente às voltas;
Aqueles que se chamam remorsos, que seguem inevitavelmente a violação da lei moral.
Agora, é fácil ver que o bem e a felicidade não estão em harmonia na vida atual.
É fato conhecido que a virtude não é uma égide suficiente para vos proteger contra os golpes da adversidade, e que a imoralidade não vos condena necessariamente à miséria e à dor.
É evidente que um homem corrompido e mau pode nascer com todas as vantagens do gênio, da fortuna, da saúde;
Um homem honesto pode nascer deserdado de todos esses pontos.
Não há nisso nem injustiça, nem acaso:
Mas isso prova que a harmonia do bem moral e da felicidade não foi reservada a esta terra.
Quanto aos prazeres e às penas da consciência, é ainda evidente que não são suficientes.
Com efeito, os prazeres dos sentidos podem aturdir e abafar a voz do remorso;
E é preciso dizer também, embora isso seja ainda mais triste,
Que às vezes o impiedoso encarniçamento da desgraça embota, numa alma honesta, o prazer da virtude;
E os esforços dolorosos que ela acarreta podem acabar por apagar, num homem cansado da vida, os gozos calmos e doces que ela propicia.
Se tal é a desproporção e o desacordo entre os prazeres e as penas internas com o mérito moral daquele que as experimenta,
O que será da sanção toda exterior que consiste nas recompensas e castigos que a justiça dos homens tão desigual distribui?
Não falo somente das penas legais;
Sabe-se que elas caem às vezes sobre o inocente, que com frequência elas são poupadas ao culpado,
Que quase sempre elas são desproporcionais, pois a lei pune o crime sem buscar determinar de maneira absolutamente exata o valor moral da ação.
Mas falo também das penas e das recompensas da opinião, da estima e do desprezo.
São elas sempre na proporção exata do mérito?
De todas estas observações, resulta que a lei de harmonia entre o bem e a felicidade não é deste mundo;
Que há sempre desacordo, ou pelo menos desproporção, entre o mérito moral e os prazeres da sensibilidade.
Daí a necessidade de uma sanção superior da qual Deus se reserva o meio e o momento. “Quanto mais entro em mim, diz um filósofo, mais eu me consulto e mais leio estas palavras escritas em minha alma:
Sê justo e serás feliz.
Porém não é o que acontece, a considerar o estado presente das coisas:
O mau prospera e o justo resta aflito.
Vede também que indignação se acende em nós quando essa expectativa é frustrada!
A consciência se ergue e murmura contra seu autor;
Ela lhe grita gemendo:
Tu me enganaste!
Eu te enganei, temerário!
Quem te disse isso?
Tua alma está aniquilada?
Cessaste de existir?
Ó Brutus!
Ó meu filho, não macules tua nobre vida pondo-lhe fim:
Não deixes tua esperança e tua glória com teu corpo nos campos dos Philippes.
Por que, dizes tu:
A virtude não é nada, quando vais gozar o prêmio da tua?
Vais morrer, pensas tu:
Não, vais viver, e é então que cumprirei o que prometi.
Dir-se-ia, pelos murmúrios dos impacientes mortais, que Deus lhes deve a recompensa antes do mérito, e que ele é obrigado a pagar sua virtude de antemão.
Oh! Sejamos bons primeiramente, e depois seremos felizes.
Não exijamos o prêmio antes da vitória, nem o salário antes do trabalho.
Não é na liça, dizia Plutarco, que os vencedores de nossos jogos sagrados são coroados, é depois que eles a percorreram.
“Aqui embaixo, mil paixões ardentes absorvem o sentimento íntimo, e dão o troco aos remorsos; as humilhações, as desgraças que o exercício das virtudes atrai, impedem de sentir todos os seus encantos.
Todavia, quando libertados das ilusões que corpo e os sentidos nos dão, gozaremos da contemplação do Ser supremo e das verdades eternas de que ele é a fonte;
Quando a beleza da ordem impressionar todas as potências da nossa alma, e estivermos ocupados unicamente em comparar o que fizemos com o que deveríamos ter feito,
É então que a voz da consciência retomará sua força e seu império;
É então que a volúpia pura que nasce do contentamento de si mesmo,
E o pesar amargo de se ter aviltado, distinguirão por sentimentos inesgotáveis a sorte que cada um terá preparado para si.
Não me pergunteis, ó meu bom amigo!
Se haverá outras fontes de felicidade e de penas;
Ignoro-o;
E bastam aquelas que imagino para me consolar desta vida, e fazer-me esperar uma outra.
Não digo que os bons serão recompensados;
Pois que outro bem pode esperar um ser excelente que não o de existir segundo sua natureza?
Mas digo que eles são felizes porque seu autor, o autor de toda justiça, tendo-os feito sensíveis, não os fez para sofrer;
E que, não tendo abusado de sua liberdade na terra, não enganaram seu destino com suas faltas:
Sofreram no entanto nesta vida, serão então recompensados numa outra.
Esse sentimento está menos fundado no mérito do homem do que na noção de bondade que me parece inseparável da essência divina.
Não faço mais do que supor as leis da ordem observadas, e Deus constante a ele próprio.” (22)

F I M

.............................
21- Provar a sua liberdade é revelar a sua dignidade.
A perspectiva da responsabilidade fora da lei humana é o mais poderoso elemento moralizador:
É o objetivo ao qual conduz o Espiritismo pela força das coisas." (Revista Espírita, março de 1869 - A carne é fraca - Estudo fisiológico e moral) (N.R)
22- Rousseau, Émile

.........................
PEQUENOS ELEMENTOS DE MORAL
De: Paul Janet
Membro do Instituto de Paris
Tradução: Maria Leonor Loureiro
Título original: Pétits Éléments de Morale