Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Tópico iniciado por: Vitor Santos em 01 de Abril de 2008, 21:12

Título: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 01 de Abril de 2008, 21:12
Bom Ânimo

Hoje experimentas maior soma de aflições. Observaste a grande mole dos sofredores: mães desnutridas apertando contra o seio sem vitalidade filhos, misérrimos, desfalecidos, quase mortos; mutilados que exibiam as deformidades à indiferença dos passantes na via pública; aleijões que se ultrajavam a si mesmos ante o desprezo a que se entregavam nos "pontos" de mendicância em que se demoram; ébrios contumazes promovendo desordens lamentáveis; enfermos de vária classificação desfilando as misérias visíveis num festival de dor; jovens perturbados pela revolução dos novos conceitos e vigentes padrões éticos; órfãos...

Pareceu-te mais tristonha a paisagem humana, e consideras mentalmente os dramas íntimos que vergastam o homem, na atual conjuntura social, moral e evolutiva do Planeta.

Examinas as próprias dificuldades, e um crepúsculo de sobras lentamente envolve o sol das tuas alegrias e esperanças.

Não te desalentes, porém.

O corpo é oportunidade iluminava mesmo para aqueles que te parecem esquecidos e que supões descendo os degraus da infelicidade na direção do próprio aniquilamento.

Nascer e morrer são acidentes biológicos sob o comando de sábias leis que transcendem à compreensão comum.

Há, no entanto, acompanhando todos os caminhantes a forma carnal, amorosos Benfeitores interessados na libertação deles. Não os vendo, os teus olhos se enganam na apreciação; não os ouvindo, a tua acústica somente registra lamentos; não os sentindo, as parcas percepções de que dispões não anotam suas mãos quais asas de caridade a envolvê-los e sustentá-los.

Perdido em meandros o rio silencioso e perseverante se destina ao mar. Agita e submissa nas mãos do oleiro a argila alcança o vaso precioso. Sofrido o Espírito nas malhas da lei redentora atinge a paz.

Ante a sombra espessa da noite não esqueças o Sol fulgurante mais além. E aspirando o sutil aroma de preciosa flor não olvides a lama que lhe sustenta as raízes...

Viver no corpo é também resgatar.

O Espírito eterno, evoluindo nas etapas sucessivas da vestimenta carnal, se despe e se reveste dos tecidos orgânicos para aprender e sublimar.

Numa jornada prepara o sentimento, noutra aprimora a emoção, noutra mais aperfeiçoa a inteligência...

Nascer ou renascer simplesmente não basta. O labor, interrompido, pois, prosseguirá agora ou depois. Não cultives, portanto, o pessimismo, nem te abatam as dores.

Cada um se encontra no lugar certo, à hora própria e nas circunstâncias que lhe são melhores para a evolução. Não há ocorrência ocasional ou improvisada na Legislação Divina.

Quando retornou curado para agradecer a Jesus da morféia de que fora libertado, o samaritano que formava o grupo dos dez leprosos, conforme a narração evangélica, fez-nos precioso legado: o do reconhecimento.

Quando o centurião afirmou ao Senhor que uma simples ordem Sua faria curado o seu servo, ofertou-nos sublime herança: a fé sem limites.

Quando a hemorroíssa, vencendo todos os obstáculos, tocou o Rabi, deixou-nos precioso ensino: a coragem da confiança.

Identificado ao espírito do Cristo, não te deixes consumir pelo desespero ou pela melancolia, sob revolta injustificada ou indiferença cruel. Persevera, antes, no exame da verdade e insiste no ideal de libertação interior, ajudando e prosseguindo, além, porque se hoje a angústia e o sofrimento te maceram, em resgate que não pode transferir, amanhã rutilará no corpo ou depois dele o sol sublime da felicidade em maravilhoso amanhecer de perene paz.

"Tem ânimo filhos: perdoados são os teus pecados." - Mateus: 9-2.

"Deus não dá prova superior às forças daquele que a pede; só permite as que podem ser cumpridas. Se tal não sucede, não é que falte possibilidade: falta a vontade". - E.S.E. Cap. XIV Item 9.

Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Florações Evangélicas. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Ann@ em 01 de Abril de 2008, 21:25

Olá Victor,

acho este texto excelente.... e penso que quando compreendermos totalmente isso:

Cada um se encontra no lugar certo, à hora própria e nas circunstâncias que lhe são melhores para a evolução. Não há ocorrência ocasional ou improvisada na Legislação Divina.

nossas dores e reclamações serão menores. ;)


abraços

Anna
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Abril de 2008, 09:53
Olá Anna

Eu acredito que o segredo na vida é saber sofrer. Pelo que me parece, das tuas palavras, tu também acreditas.

Isso não quer dizer que a nossa vida tenha que ser uma vida de sofrimento e de dor. Não há fatalidade que não a morte do corpo (e nós espiritas sabemos que a morte não existe e que a morte do corpo é uma mera transformação do nosso estado fisico e não o fim). Nós temos a obrigação de dar a volta por cima e fazer tudo o possivel para estarmos saudáveis fisica e espiritualmente.

Com uma postura positiva perante a vida: com fé em Deus e na infinita bondade Dele, com esperança, confiança no futuro e o máximo de alegria. Temos de pensar que, se estivermos bem, somos mais úteis para nós mesmos e para os que estão á nossa volta. Isso não é uma boa motivação?

Mas há alturas em que não conseguimos dar a volta por cima. Que as coisas correram mal. É nessas alturas que é colocada á prova a nossa paciência e resignação.

Se nos revoltamos contra a vida, contra as pessoas, contra nós mesmos, contra Deus, estamos a perder um tempo precioso. O nosso Pai Celestial, infinitamente bom, dá-nos sempre a oportunidade de sofrer bem, tornando o sofrimento útil para nós. O sofrimento só é inútil quando não sabemos sofrer. Perdoando os outros e a nós mesmos, tendo paciência, tentando olhar para a frente e deixar de olhar para trás (Olhar para trás só serve para não repetirmos os erros passados, mais nada), sofremos bem.

Sofrer bem é muito dificil. Tenho sempre a tentação de ir á procura de alguém que possa ter culpa do meu sofrimento. De me desculpar pela minha preguiça, alegando que a vida me tirou a força. Não quero assumir as minhas culpas. Tenho medo das consequências e do deconhecido. Quero ficar no mesmo sitio não quero mudar.Estamos habituados neste mundo a apontar culpas a tudo e atodos, incluindo nós messmos. Culpar ou auto-culpar de nada serve, corrigir a trajectória e ir encontrar o caminho certo é o que interessa.

Mas agora que sou espirita sei que o meu esforço de sofrer bem é premiado com o amparo de Deus, através dos bons espiritos. Eles ajudam-nos a suportar o sofrimento de tal forma que tudo parece muito mais fácil.

Mas agora que sou espirita sei que bem sofrer é contribuir para acabar com a causa do sofrimento. Começo a ter razões para actuar de outra forma. Rogo a Deus Todo poderoso que me ajude a desfazer as velhas ilusões da minha mente, onde estou preso, como uma mosca numa teia de aranha.

Estou certo de que é uma questão de tempo e que não estou só no universo. Há um sol fortissimo que nos ilumina a todos: o amor de Deus, Nosso Pai Celestal. É com esse sol que Jesus, um dos médiuns de Deus, ilumina o nosso planeta. Quero apanhar esse sol doce, como o sol e a brisa de um fim de tarde de primavera. Hei-de conseguir. Havemos todos de conseguir. Já vamos conseguindo um pouco. Ajudemo-nos a empurrar uns aos outros para o bom caminho, como Jesus nos ensinou.

bem hajas
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 02 de Abril de 2008, 10:44
Olá companheiros,

De facto depois de ler essa maravilhosa mensagem da ilustre Joanna de Ângelis, ganhamos novo alento para ultrapassar os obstáculos que a vida prodigamente coloca em nossos caminhos e que são criados por nós mesmos, note-se.

A intempérie está lá na mesma, só que a nossa capa de chuva fica bem mais forte para nos abrigar, preservando as nossas forças para seguirmos adiante.

É que é preciso não esquecer que realmente estamos num mundo de provas e expiações. Portanto, pela frente temos provas e expiações. Mas também temos jardins com flores, o sol que nos transmite energias misteriosas que nos alimenta a alma, a chuva que nos refresca a face, uma ave que canta, um sorriso de uma criança ...

"Se o Jardim da Alma,
É preparado com Amor e Compaixão,
As Flores crescem harmoniosamente,
Sem qualquer perturbação,
Ainda que o vento lhes sopre,
A chuva lhes pese.
Serenamente,
Sem qualquer distração,
Contemplando a beleza da existência,
As flores crescem,
E o seu perfume fica no ar."

Abraços fraternos.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Abril de 2008, 11:20
Olá

Que lindo poema e que linda ilustração para o mesmo. Grande Jorge, a inspiração não falta por aí. Gostei muito. Toca-nos a alma :)

bem haja
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 02 de Abril de 2008, 11:38
Obrigado amigo Vitor Santos,

Pelo incentivo
Pela amizade
Pelo alento

Mas, Grande? Grande é o amigo Vitor que nos brinda com as suas mensagens de Grande inspiração. Eu sou um simples aprendiz das suas mensagens.

Mas... pronto, pronto... já sei que Grande é Ele ...  :D

Abraço fraterno.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Abril de 2008, 11:39
Olá Atlante

A inspiração positiva da Joanna de Angelis está a produzir frutos. Pelos frutos se conhece a arvore. Estou grato a Deus e à Joanna de Angelis, que nos trouxe a todos um pouco de claridade.

Há um esclarecimento que eu gostaria de lhe pedir, pois há concepções da vida diferentes (embora, neste caso e na prática tudo vá dar ao mesmo resultado):

- Você acredita que fomos criados simples e ignorantes, embora criados por Deus, com o objectivo de chegar a espiritos puros, ou acredita que nós somos espiritos perfeitos mas que temos um véu que nos impede de agir livremente, desfrutando a nossa própria natureza?

Tenho notado que há pessoas que pensam de uma forma e outras pensam de outra forma. O meu objectivo não é censurar ou criticar ninguém. Cada pessoa tem o direito à sua forma própria de pensar. Não há nenhum risco nisso, quando todos estamos de boa vontade. As pessoas de boa vontade acabam sempre por se entender. Mas é um tema que acho interessante debater e julgo que você pode contribuir nesse debate (se estiver de acordo, óbviamente).

bem haja
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Abril de 2008, 11:41
Olá Jorge

Citar
Mas... pronto, pronto... já sei que Grande é Ele ...
 

Boa! Até parece que leu os meus pensamentos.

bem haja
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 02 de Abril de 2008, 11:52
Olá Atlante

A inspiração positiva da Joanna de Angelis está a produzir frutos. Pelos frutos se conhece a arvore. Estou grato a Deus e à Joanna de Angelis, que nos trouxe a todos um pouco de claridade.

Há um esclarecimento que eu gostaria de lhe pedir, pois há concepções da vida diferentes (embora, neste caso e na prática tudo vá dar ao mesmo resultado):

- Você acredita que fomos criados simples e ignorantes, embora criados por Deus, com o objectivo de chegar a espiritos puros, ou acredita que nós somos espiritos perfeitos mas que temos um véu que nos impede de agir livremente, desfrutando a nossa própria natureza?

Tenho notado que há pessoas que pensam de uma forma e outras pensam de outra forma. O meu objectivo não é censurar ou criticar ninguém. Cada pessoa tem o direito à sua forma própria de pensar. Não há nenhum risco nisso, quando todos estamos de boa vontade. As pessoas de boa vontade acabam sempre por se entender. Mas é um tema que acho interessante debater e julgo que você pode contribuir nesse debate (se estiver de acordo, óbviamente).

bem haja

Amigo Vitor,

Também já tinha reparado nessa situação. É uma questão pertinente, embora saibamos a posição da doutrina espírita.
Mas é com certeza um bom assunto para ser debatido.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Abril de 2008, 13:40
Olá amigo Atlante

Muito obrigado pelo seu excelente esclarecimento.

A Doutrina Espirita explica as coisas de uma forma diferente, mas o resultado prático é o mesmo. É apenas outro ponto de vista.

Se estamos a aprender ou estamos a descobrir o que já sabiamos, em termos teóricos é diferente, mas em termos práticos é igual, na minha opinião falivel. Pelas duas vias nós temos natureza divina, uma vez que somos espirito e que a natureza de Deus também é espiritual, embora distinta de nós (na óptica espirita). Jesus disse que Deus é Espirito (ou seja, não é matéria - penso eu que se deve interpretar assim, mas não tenho a certeza).

Citar
Evangelho Segundo S.João

24 Deus é [Espírito], e é necessário que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.

Isto vem aclarar o que significa a palavra espirito, mal interpretada por alguns.

Citar
Evangelho Segundo S.João

6 O que é nascido da carne é carne, e o que é nascido do Espírito é espírito.
7 Não te admires de eu te haver dito: Necessário vos é nascer de novo.
8 O vento sopra onde quer, e ouves a sua voz; mas não sabes donde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito.

Destes dois versiculos conclui-se que a nossa natureza é a mesma que a natureza de Deus.

Até aqui estamos de acordo.

Em relação à nossa natureza espiritual, acredito que somos criados potencialmente com tudo o necessário para chegar a espiritos, mas como se fossemos um computador que vai aperfeiçoando o seu software (o software para o espirito é o conhecimento). A minha opinião é falivel, mas fundamenta-se no seguinte:

Citar
Livro dos Espiritos

14. Deus é um ser distinto, ou será, como opinam alguns, a resultante de todas as
forças e de todas as inteligências do Universo reunidas?

“Se fosse assim, Deus não existiria, porquanto seria efeito e não causa. Ele não pode
ser ao mesmo tempo uma e outra coisa.

“Deus existe; disso não podeis duvidar e é o essencial. Crede-me, não vades além.
Não vos percais num labirinto donde não lograríeis sair. Isso não vos tornaria melhores,
antes um pouco mais orgulhosos, pois que acreditaríeis saber, quando na realidade nada
saberíeis. Deixai, consequentemente, de lado todos esses sistemas; tendes bastantes coisas que vos tocam mais de perto, a começar por vós mesmos. Estudai as vossas próprias imperfeições, a fim de vos libertardes delas, o que será mais útil do que pretenderdes penetrar no que é impenetrável.”

115. Dos Espíritos, uns terão sido criados bons e outros maus?

“Deus criou todos os Espíritos simples e ignorantes, isto é, sem saber. A cada um
deu determinada missão, com o fim de esclarecê-los e de os fazer chegar progressivamente à perfeição, pelo conhecimento da verdade, para aproximá-los de si. Nesta perfeição é que eles encontram a pura e eterna felicidade. Passando pelas provasque Deus lhes impõe é que os Espíritos adquirem aquele conhecimento. Uns aceitam submissos essas provas e chegam mais depressa à meta que lhes foi assinada. Outros só a suportam murmurando e, pela falta em que desse modo incorrem, permanecem afastados da perfeição e da prometida felicidade.”

a) - Segundo o que acabais de dizer, os Espíritos, em sua origem, seriam como as
crianças, ignorantes e inexperientes, só adquirindo pouco a pouco os conhecimentos de
que carecem com o percorrerem as diferentes fases da vida?

“Sim, a comparação é boa. A criança rebelde se conserva ignorante e imperfeita. Seu
aproveitamento depende da sua maior ou menor docilidade. Mas, a vida do homem tem
termo, ao passo que a dos Espíritos se prolonga ao infinito.”

Ora isto não me parece ilógico acreditar no que acredito, mas como é dito nas respostas dos espiritos, trata-se de questões cuja resposta está acima da nossa capacidade. Podemos imaginar como é, mas não saber ao certo.

Mas como disse, o que é importante é que para ambos o caminho para a iluminação é o mesmo (pelo que me parece). A nossa divergência é apenas uma pequena questão teórica.

bem haja
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 02 de Abril de 2008, 14:30
Olá amigo Atlante,

Como centelhas divinas que somos, acredito que dormitam em nós todas as potencialidades divinas. Somos deuses em miniatura. Cabe-nos a nós despertar essas potencialidades. E de vida em vida, quais degraus de uma escada quase infinita, compreenderemos Deus.
Mas, creio que não nos fundiremos nele, perdendo a nossa identidade.

Só por curiosidade, em tempos li a trilogia de Neal Donald Walsh que segue precisamente essa corrente de pensamentos.

Realmente são pensamentos que ultrapassam as nossas capacidades actuais de raciocínio, mas pessoalmente opto pelo ponto de vista que nos foi dado por aqueles que nos precedem nesta viagem rumo à perfeição. Portanto, respeito imenso o ponto de vista do amigo Atlante mas abraço em total sintonia o Livro dos Espíritos.

Permita-me apenas uma pergunta, se já temos tudo em nós e quando reencarnamos esse tudo fica limitado ao relativo, no seu ponto de vista o que acontecerá quando desencarnarmos e voltarmos para o reino do absoluto?

Abraço.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 02 de Abril de 2008, 16:31
Olá Atlante,

No meu ponto de vista a vida espiritual é o reino do absoluto, a vida material é o reino do relativo. Com efeito, nós quer encarnados ou desencarnados no actual patamar evolutivo estaremos no estágio do relativo em relação a nós próprios. As próprias palavras que utilizamos para definir isto são muito relativas.

Mas Neale Donald Walsh segue outra corrente de pensamento deixando-nos entrever outra situação.

Realmente as obras de André Luís são um verdadeiro manancial de conhecimento, por acaso, neste momento estou a reler os livros que vão do "Nosso Lar" até "E a vida continua...".

Abraço fraterno.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Ann@ em 02 de Abril de 2008, 18:07
Olá amigos,

eu pessoalmente concordo com o Vitor, mas não podemos "misturar" os dois caminhos ???

Você acredita que fomos criados simples e ignorantes, embora criados por Deus, com o objectivo de chegar a espiritos puros, ou acredita que nós somos espiritos perfeitos mas que temos um véu que nos impede de agir livremente, desfrutando a nossa própria natureza?

Fomos criados simples e ignorantes, porém com todos os atributos de Deus (centelha Divina) de forma latente. Somente através do aprendizado próprio (evolução), saberemos como desfrutar de nossa natureza. Afinal, com a moral que o nosso planeta possui, como usaríamos isso ???

Não sei se consegui passar meu pensamento... mas será que nossa aprendizado (evolução) não é apenas o despertar daquilo que já possuímos ???

É apenas um questionamento ;)

Abraços

Anna
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 02 de Abril de 2008, 18:13
Amigo Atlante,

Ainda não li nenhum livro de Brian Weiss. Mas agradeço bastante essa dica. Estou curioso, vou ver se arranjo alguma coisa.

Eu também gostei bastante de ler Neal Donald Walsh. São conceitos admiráveis.

Por vezes dei por mim a puxar pela tola  :D :P  e a constatar o quão limitado ainda estou, mas lá vamos devagar ...

Um grande abraço.
Jorge
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Abril de 2008, 18:19
Olá

Gostava fazer um parentesis para registar aqui que este está a ser um debate exemplar. Há algumas ideias diferentes, outras comuns, entre os vários intervenientes, mas há um ambiente de paz e uma troca de ideias muito salutar. Tenho de agradecer a todos, á Joanna de Angelis que inspirou o inicio deste debate e a Deus, pois sem Ele permitir nada é possivel.

Não há dúvida: Os homens e mulheres de boa vontade, acreditem no que acreditarem, venham de onde vierem, entendem-se. Conseguem debater civilizadamente.

bem hajam
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: vitor_goncalves em 02 de Abril de 2008, 20:05
Olá Amigos

Atlante
Claro que estou de acordo contigo. É pena por enquanto não se poder falar sobre a Alma.
Já reparei em artigos, elaborados por irmãos brasileiros, que estão em certa discordância, com a definição da Alma. Disseram que estavam à espera duma Comissão Internacional de Espiritismo (???) para ser exposto o assunto, até agora não me apercebi de nada.
No respeito ao Neal Walsh, estive com ele, já algum tempo na Mesquita de Lisboa (onde estava em serviço profissional). Engraçado é que ele aqui só foi convidado pela Religião Islâmica e que gostaram dele. Talvez porque para os Islâmicos consolam-se com estas palavras invariáveis: Estava escrito ! Era a vontade de Alá.

Um abraço

VG
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 02 de Abril de 2008, 20:21
Olá

Citar
Nós somos todos células do mesmo corpo, que é Deus.
Analisando o corpo verificaremos que se o estomago está doente não é razão para o fígado se regozijar pelo facto de estar saudável. Pelo contrário, quando o estomago morrer o fígado também morre.
Não é que Deus vá morrer, mas se alguma das suas células (do seu corpo), que somos nós, estiver doente não será razão para as outras se preocuparem? Dito de outra forma, enquanto algum de meus irmãos estiver doente eu estarei saudável? Penso que não. O inverso também é verdade

Jesus recomendou, para nosso bem: Amai a Deus acima de todas as coisas e amai o próximo como a vós mesmos. Estava, de certo modo a dizer que se cada um agir só para si, não age bem. Ou seja, o que Jesus disse é coerente com as suas palavras, a meu ver.

Bem haja
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: vitor_goncalves em 03 de Abril de 2008, 11:59
Olá Atlante

Como dizes é um assunto presentemente polémico.

Não vou falar dele... por enquanto-

Estou esperando pelo passar do Tempo.

Creio na Evolução de tudo, como também na da Codificação, aliás como Allan Kardec o

previu. Um dia virá se terei razão ou não.


Um Abraço

VG
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 03 de Abril de 2008, 12:17
Jorge

Companheiro permite-me voltar a este assunto, mas como o considerei extremamente importante, a ele volto.
Quando dizes
"Mas, creio que não nos fundiremos nele, perdendo a nossa identidade."
No teu entender como pensas que poderemos impedir essa fusão.
Nota que eu penso rigorosamente o mesmo e foi essa a ideia que pretendi transmitir.

Atlante


Olá Atlante,

Á luz dos conceitos de Neal Donald Walsh, nós somos partículas de Deus que estamos a experienciar o que Deus já sabe de uma maneira conceptual. Para se saber o que é o bem teremos que saber o que é o mal, para se saber o que é a luz teremos que ter uma noção da escuridão, etc, etc.
Deus, então subdividiu-se em infinitas partículas que tem por objectivo experienciar essa conceptualidade.
Nós somos essas partículas. Então nós e Deus somo um.
Nessa perspectiva caminhamos todos para a união em Deus, para uma grande fusão.

Na minha opinião, não terá muita lógica essa fusão, uma vez que as nossas identidades estariam irremediavelmente perdidas numa só personalidade que é a de Deus.

Mas, isto é muito confuso, colide com os limites da nossa compreensão.

Concordo com o amigo VG quando diz:
"Estou esperando pelo passar do Tempo."

Abraços fraternos.
Jorge
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Abril de 2008, 13:05
Olá

Comprei e comecei a ler há uns bons anos atrás, "Conversas com Deus". Mas pouco li, pois comecei a sentir que o conhecimento que eu procurava não estava ali. Não sei o que pensaria agora se voltasse a ler, mas nunca mais me apeteceu pegar nesse livro. Cada pessoa sente as coisas à sua maneira. Lá por eu não gostar não significa que o livro não seja bom. Eu não sou nem me quero fazer passar por critico literário, apenas estou a partilhar a minha opinião.

Colocando-nos na posição de espiritos no corpo de carne, estou convicto de que a influência do corpo nos retira o acesso a memórias muito mais vastas, que fomos adquirindo há milénios. Nós guardamos recordação apenas do necessário e suficiente que interessa para as lições atribuidas a esta vida na terra. O resto fica em stand-by.

Estou convicto que nós somos criados por Deus. De certa forma, embora sejamos obras independentes e individuais do Criador, viemos de Deus. Deus criou-nos espiritos (à sua semelhança - mas somos seres individuais)

Estou convicto que atingiremos um estado em que poderemos comunicar directamente com Deus (como julgo que acontece com Jesus, por exemplo). Que a nossa vontade ficará cada vez mais alinhada pela vontade do Criador, pois compreenderemos e sentiremos que é o que nos faz felizes.

Mas que seria de nós se perdessemos a individualidade? Se isso acontecesse, no momento em que nos fundissemos com Deus, deixariamos de existir. Seria a morte final, a morte do espirito, e não a vida eterna.

Talvez o que o Donald Walsh percepcionou (ou o que pensou quem lhe serviu de inspiração, que não foi Deus, nem sequer Jesus, estou convicto disso) foi que fomos criados por Deus e que um dia vamos ter a possibilidade de estar perto Dele. Comungar da Sua vontade. Não perdemos a individualidade, mas a nossa vontade e a do Criador serão uma só. Será isso? Será que o escritor recebeu uma comunicação que interpretou incorrectamente?

bem hajam
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Abril de 2008, 13:07
Olá Atlante

Citar
A aranha está na teia e a teia está na aranha, mas a aranha não é a teia nem a teia é a aranha

que frase tão bela.

bem hajas
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Ann@ em 03 de Abril de 2008, 13:13
Olá Atlante

Nós estamos e sempre estivemos em Deus, porque Ele é o Todo. Não existe Deus e a criação, porque esta faz parte integrante Dele. Nós não podemos somar Deus e as partes porque as partes pertencem-Lhe.
Não sei se me fiz entender mas poderemos sempre voltar a esta questão.
...
" A aranha está na teia e a teia está na aranha, mas a aranha não é a teia nem a teia é a aranha.

Concordo com você e a frase é perfeita.

A criação faz parte dele sim, mas acredito que é criação, não emanação. Por isso não creio na fusão. (pelo menos por enquanto)

Com relação a alma estou curiosa com sua opinião sobre ela, mas de qualquer forma no próprio LE temos a informação que nossa linguagem é pobre e muitas vezes temos que usar determinados nomes que seriam os mais próximos da verdade ou, mesmas palavras para coisas diferentes.

Abraços

Anna :D
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 03 de Abril de 2008, 14:18
... Por isso é tão importante ler, reler e tornar a ler o Livro dos Espíritos.

Divaldo que é Divaldo, sempre foi alertado pelos mentores espirituais para o facto da necessidade imperiosa de se ler constantemente o LE.

A meu ver estão lá as regras básicas para aprendermos a fazer as contas que estão ao nosso alcance.
Creio que para além dos nossos limites, entraremos no reino das especulações.

Saudações espíritas.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: vitor_goncalves em 03 de Abril de 2008, 16:03
Olá Amigos

Nós somos creados por DEUS. Julgo que ninguém tem dúvidas.

Quando DEUS creou tudo, Ele não foi buscar nada, ao seu exterior, porque a ùnica que existe é Ele, e para além Dele nada existe. Isto para não dizer que o nada não existe, porque só DEUS existe.
Ora DEUS é Transcendental e Imanente.
Ele é Imanente na sua própria creação e é Transcendente à sua própria creação.

DEUS nos creou à sua Imagem e Semelhança, nós somos parte do Espirito Divino de DEUS na sua Imanência e fora da sua Transcendência.

Ora assim, (lá vou eu, amigo Atlante) o que eu penso é que o nosso Espirito é perfeito por vir do Espirito Divino de DEUS, e que a Alma o individualiza e o torna Espirito simples e ignorante, afim de experênciar tudo o que DEUS fez.

Isto é o meu pensamento ...  e de outros, julgo.

Um Abraço

VG
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 03 de Abril de 2008, 16:51
Amigos,

Permitam-me lançar mais umas "achasitas" para a fogueira:

Se Deus é o Todo, Causa incriada, e se nós somos suas centelhas, isto é, partes de Deus, então existimos desde sempre como Ele?  ::)

Abraços.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 03 de Abril de 2008, 17:39
Olá amigos,

O que nos diz a doutrina espírita:


Alma e espírito são a mesma coisa? O que é perispírito?   
     
Primeiramente, vejamos alguns conceitos encontrados no Livro dos Espíritos.

 76. Que definição se pode dar dos Espíritos?
“Pode dizer-se que os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Povoam o Universo, fora do mundo material.”

 77. Os Espíritos são seres distintos da Divindade, ou serão simples emanações ou porções desta e, por isto, denominados filhos de Deus?
“Meu Deus! São obra de Deus, exatamente qual a máquina o é do homem que a fabrica. A máquina é obra do homem, não é o próprio homem. Sabes que, quando faz alguma coisa bela, útil, o homem lhe chama sua filha, criação sua. Pois bem! O mesmo se dá com relação a Deus: somos Seus filhos, pois que somos obra Sua.”

82. Será certo dizer-se que os Espíritos são imateriais?
“Como se pode definir uma coisa, quando faltam termos de comparação e com uma linguagem deficiente? Pode um cego de nascença definir a luz? Imaterial não é bem o termo; incorpóreo seria mais exato, pois deves compreender que, sendo uma criação, o Espírito há de ser alguma coisa. É a matéria quintessenciada, mas sem analogia para vós outros, e tão etérea que escapa inteiramente ao alcance dos vossos sentidos.”

93. O Espírito, propriamente dito, nenhuma cobertura tem, ou, como pretendem alguns, está sempre envolto numa substância qualquer?
“Envolve-o uma substância, vaporosa para os teus olhos, mas ainda bastante grosseira para nós; assaz vaporosa, entretanto, para poder elevar-se na atmosfera e transportar-se aonde queira.”

Envolvendo o gérmen de um fruto, há o perisperma; do mesmo modo, uma substância que, por comparação, se pode chamar perispírito, serve de envoltório ao Espírito propriamente dito.

Pois bem, já temos certas definições básicas sobre o assunto. Aprofundemos-nos, agora, um pouco mais.

Os espíritos não são, como frequentemente se imagina, seres à parte da criação; são as almas daqueles que viveram encarnados, despojados de seu envoltório corporal. Quem admitir a existência da alma sobrevivendo ao corpo, admite, por isso mesmo, a existência dos espíritos. Negar os espíritos seria negar a alma.
Os espíritos não são, ainda, como alguns crêem, seres vagos e indefinidos, nem chamas, nem fantasmas, como nos contos de almas do outro mundo. São seres semelhantes a nós, tendo um corpo igual ao nosso, mas fluídico e invisível em seu estado normal.

Quando a alma está unida ao corpo, durante a vida, ela tem um duplo envoltório: um pesado, grosseiro e destrutível, que é o corpo; outro fluídico, leve e indestrutível, chamado perispírito. Há, pois, no homem três coisas essenciais: primeiro, a alma ou espírito, princípio inteligente que abriga o pensamento, a vontade e o senso moral; segundo, o corpo, envoltório material que coloca o espírito em relação com o mundo exterior; terceiro, o perispírito, envoltório fluídico, leve, servindo de liame e de intermediário entre o espírito e o corpo. A união da alma, do períspirito e do corpo material constitui o homem; a alma e o períspirito separados do corpo constituem o ser chamado espírito.
A alma é assim, um ser simples; o espírito um ser duplo e o homem um ser triplo. Seria, pois, mais exato reservar a palavra alma para designar o princípio inteligente, e a palavra espírito para o ser semi-material formado desse princípio e o corpo fluídico. As palavras alma e espírito são, no entanto, usualmente empregadas indiferentemente uma pela outra; é a aparência que consiste em tomar a parte pelo todo, da mesma forma que se diz de uma vila que é povoada por tantas almas, um povoado de tantas casas; mas, filosoficamente, é essencial diferenciá-las.

O corpo perispitual e o corpo carnal são ambos da matéria, embora sob dois estados diferentes; a natureza do envoltório fluídico da alma está sempre em relação com o grau de adiantamento moral da mesma. Disso resulta que a constituição íntima do perispírito não é idêntica entre todos os espíritos, encarnados ou desencarnados, não ocorrendo o mesmo com o corpo carnal, o qual está formado dos mesmos elementos, qualquer que seja a superioridade ou inferioridade do espírito.
O perispírito é o traço de união entre a vida corpórea e a vida espiritual. É por ele que o espírito encarnado está em contínua relação com os desencarnados; é por ele, enfim, que se cumpre, no homem, fenômenos especiais que não têm a sua causa primeira na matéria tangível, e que, por esta razão, parecem sobrenaturais. Pela sua união íntima com o corpo, o perispírito desempenha um papel preponderante no organismo. Ele é ainda o órgão sensitivo do espírito; é pelo seu intermédio que o espírito encarnado tem a percepção das coisas espirituais que escapam aos seus sentidos carnais.

Abraços fraternos.
Jorge
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Carlos Ribeiro em 03 de Abril de 2008, 17:49
Citar
Se Deus é o Todo, Causa incriada, e se nós somos suas centelhas, isto é, partes de Deus, então existimos desde sempre como Ele?
  - Jorge
Eis a minha opinião: segundo a doutrina espírita, somos criados simples e ignorantes. Se somos criados, é de concluir que não existimos desde sempre. Somos imortais, uma vez que nunca deixaremos de existir (o que implica não perder a nossa individualidade), mas não somos eternos uma vez que tivemos um inicio. Eterno apenas Deus, que existe desde toda a eternidade.
Em relação ás palavras "espírito" e "alma", entendo como espíritos os seres inteligentes da criação e como alma o espírito quando encarnado. Penso que Kardec também usava estas definições.
Abraços.
Ass: Carlos Ribeiro
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Jorge em 03 de Abril de 2008, 17:54
Olá Carlos,

Sem dúvida, também penso como tu (e acho que toda a gente).
Apenas "lancei" aquela mensagem para ver a opinião do pessoal.

Abraço.
Jorge
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Ann@ em 03 de Abril de 2008, 18:17
Olá Atlante,

entendi perfeitamente o que quiz dizer e já li que eram coisas separadas. No livro Principiante Espírita no ítem 14 temos:

14. Alma, perispírito e corpo unidos constituem o homem; alma e perispírito separados do corpo constituem o ser que chamamos Espírito.
Observação: Assim, é a alma um ser simples, o Espírito um ser duplo e o homem um ser triplo. Seria mais preciso reservar o vocábulo alma para designar o princípio inteligente; espírito para o semimaterial, constituído desse princípio e do corpo fluídico. Como, porém, não é possível conceber o princípio inteligente isolado da matéria, nem o perispírito sem que esteja animado pelo princípio inteligente, alma e espírito são, em geral, empregados indistintamente: é a figura que consiste em tomar a parte pelo todo, da mesma maneira por que se diz que uma cidade é habitada por tantas almas, uma vila constituída de tantos fogos. Entretanto, filosoficamente é essencial que se faça a diferença.

Nunca me aprofundei nessa afirmação, mas se observarmos a afirmação seria mais preciso reservar o vocábulo alma para designar o princípio inteligente... não estaria aqui a resposta ??? Não é o princípio inteligente que se individualiza ???

Chego a pensar que podes ter razão ;) :D

abraços

Anna
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Carlos Ribeiro em 03 de Abril de 2008, 18:18
Já agora deixem-me acrescentar o seguinte:
somos seres criados por Deus, mas não fazemos parte de Deus (isso é uma idéia panteísta). Seria a mesma coisa que dizer que um quadro faz parte de um pintor. Um quadro é obra de um pintor e não parte dele. Da mesma forma, somos obra de Deus e não partes de Deus.
(A inteligência de Deus se revela em Suas obras como a de um pintor no seu quadro; mas, as obras de Deus não são o próprio Deus, como o quadro não é o pintor que o concebeu e executou. LE-perg.16)
Abraços.
Ass: Carlos Ribeiro
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Carlos Ribeiro em 03 de Abril de 2008, 18:31
Ainda a respeito da palavra "alma" remeto para a leitura do capitulo 2 da introdução em "O Livro dos Espíritos", onde entre outras coisas, diz Kardec:
 O mal está em a língua dispor somente de uma palavra para exprimir três idéias. A fim de evitar todo equívoco, seria necessário restringir-se a acepção do termo alma a uma daquelas idéias. A
escolha é indiferente; o que se faz mister é o entendimento entre todos reduzindo-se o problema a uma simples questão de convenção. Julgamos mais lógico tomá-lo na sua acepção vulgar e por isso chamamos ALMA ao ser imaterial e individual que em nós reside
e sobrevive ao corpo. Mesmo quando esse ser não existisse, não passasse de produto da imaginação, ainda assim fora preciso um termo para designá-lo.
Na ausência de um vocábulo especial para tradução de cada uma das outras idéias a que corresponde a palavra alma, denominamos:
Princípio vital o princípio da vida material e orgânica, qualquer que seja a fonte donde promane, princípio esse comum a todos os seres vivos, desde as plantas até o homem. Pois que pode haver vida com exclusão da faculdade de pensar, o princípio vital é uma propriedade da matéria, um efeito que se produz achando-se a matéria em dadas circunstâncias. Segundo outros, e esta é a idéia mais comum, ele reside em um fluido
especial, universalmente espalhado e do qual cada ser absorve e assimila uma parcela durante a vida, tal como os corpos inertes absorvem a luz. Esse seria então o fluido vital que, na opinião de alguns, em nada difere do fluido elétrico animalizado, ao qual também se dão os nomes de fluido magnético, fluido nervoso, etc.
Seja como for, um fato há que ninguém ousaria contestar, pois que resulta da observação: é que os seres orgânicos têm em si uma forma íntima que determina o fenômeno da vida, enquanto essa força existe; que a vida material é comum a todos os seres orgânicos e independe da inteligência e do pensamento; que a inteligência e o pensamento
são faculdades próprias de certas espécies orgânicas; finalmente, que entre as espécies orgânicas dotadas de inteligência e de pensamento há uma dotada também de um senso moral especial, que lhe dá incontestável superioridade sobre as outras: a espécie humana.
Concebe-se que, com uma acepção múltipla, o termo alma não exclui o
materialismo, nem o panteísmo. O próprio espiritualismo pode entender a alma de acordo com uma ou outra das duas primeiras definições, sem prejuízo do Ser imaterial distinto, a que então dará um nome qualquer. Assim, aquela palavra não representa uma opinião:
é um Proteu, que cada um ajeita a seu bel-prazer. Daí tantas disputas intermináveis.
Evitar-se-ia igualmente a confusão, embora usando-se do termo alma nos três casos, desde que se lhe acrescentasse um qualificativo especificando o ponto de vista em que se está colocado, ou a aplicação que se faz da palavra. Esta teria, então, um caráter genérico,
designando, ao mesmo tempo, o princípio da vida material, o da inteligência e o do senso moral, que se distinguiriam mediante um atributo, como os gases, por exemplo, que se distinguem aditando-se ao termo genérico as palavras hidrogênio, oxigênio ou azoto. Poderse-
ia, assim dizer, e talvez fosse o melhor, a alma vital - indicando o princípio da vida material; a alma intelectual - o princípio da inteligência, e a alma espírita - o da nossa individualidade após a morte. Como se vê, tudo isto não passa de uma questão de palavras, mas questão muito importante quando se trata de nos fazermos entendidos. De conformidade com essa maneira de falar, a alma vital seria comum a todos os seres orgânicos: plantas, animais e homens; a alma intelectual pertenceria aos animais e aos homens; e a alma espírita somente ao homem.
Julgamos dever insistir nestas explicações pela razão de que a doutrina espírita repousa naturalmente sobre a existência, em nós, de um ser independente da matéria e que sobrevive ao corpo.
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Abril de 2008, 18:33
Olá VG

Citar
Ora assim, (lá vou eu, amigo Atlante) o que eu penso é que o nosso Espirito é perfeito por vir do Espirito Divino de DEUS, e que a Alma o individualiza e o torna Espirito simples e ignorante, afim de experênciar tudo o que DEUS fez.

Aqui a  sua opinião não é coerente com o Livro dos Espiritos. Pois, segundo kardec, alma=espirito. Por comodidade de expressão o codificador propôs que se chamasse alma ao espirito que está no corpo de carne. pelo menos é esta a forma como leio as coisas.

A individualidade visivel do espirito para os seres encarnados é o corpo fisico. A individualidade visivel do espirito para os desencarnados é o perispirito e o corpo fisico. Mas cada espirito é individual independentemente do corpo fisico e do perispirito. A sede da inteligência e da memória (pelo menos da memória permanente que se mantêm rencarnação após reencarnação) é sempre o espirito. O resto é matéria, mais ou menos subtil. É assim que eu leio o que está escrito no Livro dos Espiritos.

Há aqui uma dificuldade de linguagem. Lá por o espirito ser criado simples e ignorante, não quer dizer foi criado imperfeito. Isto é complicado à brava...

Na minha perspectiva, quando nós dizemos imperfeito estamos a querer dizer fora do caminho ideal (que é o caminho mais rápido para Deus), com inclinações demasiado carnais, mas Deus fez-nos assim como somos de propósito, não se enganou. A sua obra é perfeita, mas não se consegue apreciar numa janela de tempo fixa e correspondente á vida do corpo humano. A obra só está completa após o "ciclo de fabrico". Até lá as coisas que nos parecem muito desagradáveis são úteis. Todas as experiências são necessárias e a dor é um sinal de que algo está errado, seja ela moral ou fisica. Temos um mecanismo de auto-regulação em nós.

Mas mesmo pelo indo caminho melhor (a escolha do melhor caminho depende de nós mesmos), ninguém é dispensado de percorrer  o caminho. Da ignorãncia à iluminação total vai uma eternidade de tempo, que eu não sei calcular.

Temos que imaginar os espiritos desde a criação até ao estado de espiritos puros, para podermos entrever/imaginar, pelo pensamento (não pelo conhecimento directo), a perfeição da obra divina. Um século não é nada na eternidade. Um dia será mais fácil de perceber isto, pelo menos assim espero. Até lá, vou especulando... :)

bem haja
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Abril de 2008, 18:39
Olá

Citar
Livro dos Espiritos

A alma

134. Que é a alma?

“Um Espírito encarnado.”

a) - Que era a alma antes de se unir ao corpo?

“Espírito.”

b) - As almas e os Espíritos são, portanto, idênticos, a mesma coisa?

“Sim, as almas não são senão os Espíritos. Antes de se unir ao corpo, a alma é um
dos seres inteligentes que povoam o mundo invisível, os quais temporariamente revestem um invólucro carnal para se purificarem e esclarecerem.”

135. Há no homem alguma outra coisa além da alma e do corpo?

“Há o laço que liga a alma ao corpo.”

a) - De que natureza é esse laço?

“Semimaterial, isto é, de natureza intermédia entre o Espírito e o corpo. É preciso
que seja assim para que os dois se possam comunicar um com o outro. Por meio desse laço é que o Espírito atua sobre a matéria e reciprocamente.”

bem hajam
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Carlos Ribeiro em 03 de Abril de 2008, 18:43
Citar
134. Que é a alma?

“Um Espírito encarnado.”
Ora aí está, amigo Vitor: por isso mesmo eu tinha dito em mensagem anterior que "alma" seria o espírito quando encarnado.
Parece que está compreendido.  ;D
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Vitor Santos em 03 de Abril de 2008, 18:52
Olá

A palavra "espirito" pode ser empregada para referir a parte de que somos constituidos que não é material. Mas quando dizemos:

"Aquele espirito está desencarnado"

Já estamos a falar de um desencarnado (espirito+perispirito).
  
Citar
Livro dos Espiritos

23. Que é o Espírito?

“O princípio inteligente do Universo.”

a) - Qual a natureza íntima do Espírito?

“Não é fácil analisar o Espírito com a vossa linguagem. Para vós, ele nada é, por não
ser palpável. Para nós, entretanto, é alguma coisa. Ficai sabendo: coisa nenhuma é o nada e o nada não existe.”

24. Espírito é sinônimo de inteligência?

“A inteligência é um atributo essencial do Espírito. Uma e outro, porém, se
confundem num princípio comum, de sorte que, para vós, são a mesma coisa.”

25. O Espírito independe da matéria, ou é apenas uma propriedade desta, como as
cores o são da luz e o som o é do ar?

“São distintos uma do outro; mas, a união do Espírito e da matéria é necessária para
intelectualizar a matéria.”

a) - Essa união é igualmente necessária para a manifestação do Espírito?
(Entendemos aqui por espírito o princípio da inteligência, abstração feita das
individualidades que por esse nome se designam.)

“É necessária a vós outros, porque não tendes organização apta a perceber o Espírito
sem a matéria. A isto não são apropriados os vossos sentidos.”

26. Poder-se-á conceber o Espírito sem a matéria e a matéria sem o Espírito?

“Pode-se, é fora de dúvida, pelo pensamento.”

27. Há então dois elementos gerais do Universo: a matéria e o Espírito?

“Sim e acima de tudo Deus, o criador, o pai de todas as coisas. Deus, espírito e
matéria constituem o princípio de tudo o que existe, a trindade universal. Mas aoelemento material se tem que juntar o fluido universal, que desempenha o papel de
intermediário entre o Espírito e a matéria propriamente dita, por demais grosseira para que o Espírito possa exercer ação sobre ela. Embora, de certo ponto de vista, seja lícito
classificá-lo com o elemento material, ele se distingue deste por propriedades especiais. Se o fluido universal fosse positivamente matéria, razão não haveria para que também o Espírito não o fosse. Está colocado entre o Espírito e a matéria; é fluido, como a matéria, e suscetível, pelas suas inumeráveis combinações com esta e sob a ação do Espírito, de produzir a infinita variedade das coisas de que apenas conheceis uma parte mínima. Esse fluido universal, ou primitivo, ou elementar, sendo o agente de que o Espírito se utiliza, é o princípio sem o qual a matéria estaria em perpétuo estado de divisão e nunca adquiriria as qualidades que a gravidade lhe dá.”

_________________________________________________________________________
Origem e natureza dos Espíritos

76. Que definição se pode dar dos Espíritos?

“Pode dizer-se que os Espíritos são os seres inteligentes da criação. Povoam o
Universo, fora do mundo material.”

NOTA - A palavra Espírito é empregada aqui para designar as individualidades dos
seres extracorpóreos e não mais o elemento inteligente do Universo.

77. Os Espíritos são seres distintos da Divindade, ou serão simples emanações ou
porções desta e, por isto, denominados filhos de Deus?

“Meu Deus! São obra de Deus, exatamente qual a máquina o é do homem que a
fabrica. A máquina é obra do homem, não é o próprio homem. Sabes que, quando faz
alguma coisa bela, útil, o homem lhe chama suafilha, criação sua. Pois bem! O mesmo se dá com relação a Deus: somos Seus filhos, pois
que somos obra Sua.”

78. Os Espíritos tiveram princípio, ou existem, como Deus, de toda a eternidade?

“Se não tivessem tido princípio, seriam iguais a Deus, quando, ao invés, são criação
Sua e se acham submetidos à Sua vontade. Deus existe de toda a eternidade, é
incontestável. Quanto, porém, ao modo porque nos criou e em que momento o fez, nada sabemos. Podes dizer que não tivemos princípio, se quiseres com isso significar que, sendo eterno, Deus há de ter sempre criado ininterruptamente. Mas, quando e como cada um de nós foi feito, repito-te, nenhum o sabe: aí é que está o mistério.”

79. Pois que há dois elementos gerais no Universo: o elemento inteligente e o
elemento material, poder-se-á dizer que os Espíritos são formados do elemento inteligente, como os corpos inertes o são do elemento material?

“Evidentemente. Os Espíritos são a individualização do princípio inteligente, como
os corpos são a individualização do princípio material. A época e o modo por que essa
formação se operou é que são desconhecidos.”

80. A criação dos Espíritos é permanente, ou só se deu na origem dos tempos?

“É permanente. Quer dizer: Deus jamais deixou de criar.”

bem hajam
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Carlos Ribeiro em 03 de Abril de 2008, 18:57
Citar
"Aquele espirito está desencarnado"
Já estamos a falar de um desencarnado (espirito+perispirito).

E quando dizemos:"um espírito encarnado" estamos a falar de uma pessoa "viva" (corpo físico+perispírito+espírito)
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Anna20 em 03 de Abril de 2008, 22:34
Concordo plenamente...é o amor que nos leva ao ponto mais alto!!!  :)...é quando deixamos de olhar apenas para nós, e vemos que os outros estão conósco e são merecedores do nosso amor, afinal para que nos serve essa capacidade única, criadora, divinal!!!...devemos amar...amar é o mais importante...
Urgentemente!!! E e o amor é beleza...esta tudo interligado... :D :D
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: vitor_goncalves em 04 de Abril de 2008, 11:13
Olá Amigos

Vítor Santos

Peço desculpa, mas quero rectificar uma passagem da minha última mensagem.
Ao dizer "e que a Alma o individualiza e o torna espirito simples e ignorante", está incorrecto, o que deveria dizer é que a Alma é uma substância semi-material e semi-espiritual, que envolve a matéria e que na sua evolução vai-se aperfeiçoando para adquirir as qualidades do Espirito Divino.

Penso que na Codificação dizer que a Alma = Espirito simples e ignorante, é uma questão, como Allan Kardec se refere no Cap.2 da Introdução o qual já Carisberto se referiu, "o mal está na lingua dispor sómente de uma palavra para exprimir tês ideias..."

Um abraço

VG
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: SB em 04 de Abril de 2008, 12:46
Anna20,

Amar sim, mas jamais deixes de te amar  ;)

Não saberemos dar aquilo que nunca seremos para nós.
É importante distinguir ego e amor...no sentido de olharmos para nós ;)

Isto porque senao olhares em primeiro por e para ti com amor, jamais olharás com diferença para os outros  :)

O que fores para ti, os outros automaticamente serão o teu reflexo.


Abraços
Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: SB em 04 de Abril de 2008, 13:09
Exactamente.

Quando esse Amor está em nós e para nós, e ai sim, nao ha exigencias, nao há faltas, o sofrimento torna-se uma opção, e tudo porque nao ha carências!

E tudo o que somos se expande tao expontaneamente que ao amar-nos, amamos tudo e todos, doamos amor sem reservas e sem imposições. Descobrimo-nos e torna-se tudo tão simples e tão consciente, sendo como dizes, apenas SOMOS! ;)

Abraços

Título: Re: Bom Ânimo - Joanna Angelis/ Divaldo Pereira Franco
Enviado por: Maristela Souza Joaquim em 22 de Agosto de 2010, 20:33
Bom Ânimo

Hoje experimentas maior soma de aflições. Observaste a grande mole dos sofredores: mães desnutridas apertando contra o seio sem vitalidade filhos, misérrimos, desfalecidos, quase mortos; mutilados que exibiam as deformidades à indiferença dos passantes na via pública; aleijões que se ultrajavam a si mesmos ante o desprezo a que se entregavam nos "pontos" de mendicância em que se demoram; ébrios contumazes promovendo desordens lamentáveis; enfermos de vária classificação desfilando as misérias visíveis num festival de dor; jovens perturbados pela revolução dos novos conceitos e vigentes padrões éticos; órfãos...

Pareceu-te mais tristonha a paisagem humana, e consideras mentalmente os dramas íntimos que vergastam o homem, na atual conjuntura social, moral e evolutiva do Planeta.

Examinas as próprias dificuldades, e um crepúsculo de sobras lentamente envolve o sol das tuas alegrias e esperanças.

Não te desalentes, porém.

O corpo é oportunidade iluminava mesmo para aqueles que te parecem esquecidos e que supões descendo os degraus da infelicidade na direção do próprio aniquilamento.

Nascer e morrer são acidentes biológicos sob o comando de sábias leis que transcendem à compreensão comum.

Há, no entanto, acompanhando todos os caminhantes a forma carnal, amorosos Benfeitores interessados na libertação deles. Não os vendo, os teus olhos se enganam na apreciação; não os ouvindo, a tua acústica somente registra lamentos; não os sentindo, as parcas percepções de que dispões não anotam suas mãos quais asas de caridade a envolvê-los e sustentá-los.

Perdido em meandros o rio silencioso e perseverante se destina ao mar. Agita e submissa nas mãos do oleiro a argila alcança o vaso precioso. Sofrido o Espírito nas malhas da lei redentora atinge a paz.

Ante a sombra espessa da noite não esqueças o Sol fulgurante mais além. E aspirando o sutil aroma de preciosa flor não olvides a lama que lhe sustenta as raízes...

Viver no corpo é também resgatar.

O Espírito eterno, evoluindo nas etapas sucessivas da vestimenta carnal, se despe e se reveste dos tecidos orgânicos para aprender e sublimar.

Numa jornada prepara o sentimento, noutra aprimora a emoção, noutra mais aperfeiçoa a inteligência...

Nascer ou renascer simplesmente não basta. O labor, interrompido, pois, prosseguirá agora ou depois. Não cultives, portanto, o pessimismo, nem te abatam as dores.

Cada um se encontra no lugar certo, à hora própria e nas circunstâncias que lhe são melhores para a evolução. Não há ocorrência ocasional ou improvisada na Legislação Divina.

Quando retornou curado para agradecer a Jesus da morféia de que fora libertado, o samaritano que formava o grupo dos dez leprosos, conforme a narração evangélica, fez-nos precioso legado: o do reconhecimento.

Quando o centurião afirmou ao Senhor que uma simples ordem Sua faria curado o seu servo, ofertou-nos sublime herança: a fé sem limites.

Quando a hemorroíssa, vencendo todos os obstáculos, tocou o Rabi, deixou-nos precioso ensino: a coragem da confiança.

Identificado ao espírito do Cristo, não te deixes consumir pelo desespero ou pela melancolia, sob revolta injustificada ou indiferença cruel. Persevera, antes, no exame da verdade e insiste no ideal de libertação interior, ajudando e prosseguindo, além, porque se hoje a angústia e o sofrimento te maceram, em resgate que não pode transferir, amanhã rutilará no corpo ou depois dele o sol sublime da felicidade em maravilhoso amanhecer de perene paz.

"Tem ânimo filhos: perdoados são os teus pecados." - Mateus: 9-2.

"Deus não dá prova superior às forças daquele que a pede; só permite as que podem ser cumpridas. Se tal não sucede, não é que falte possibilidade: falta a vontade". - E.S.E. Cap. XIV Item 9.

Franco, Divaldo Pereira. Da obra: Florações Evangélicas. Ditado pelo Espírito Joanna de Ângelis.