Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Tópico iniciado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Julho de 2015, 19:05

Título: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Julho de 2015, 19:05
PSICOGRAFIA DE JUVANIR BORGES DE SOUZA

16 DE ABRIL DE 2015.

Estar do lado de cá é menos surpreendente do que se pressupõe. Mas, ao mesmo tempo é assustador quando se constata quanto descaminho se percorreu, mesmo estando preparado, avisado, alertado a todo momento, tendo à disposição uma extensa planilha de ação correta, mormente quando se é privilegiado pelo conhecimento da realidade espírita.

Desde aquele instante em 1978 quando me dirigi à Federação, em que junto com minha amada Yola aceitei o convite trazido pelo Agadir, sabia, intimamente, que deveria me superar e surpreender, pois em meu coração palpitava uma intensa chama de gratidão: através da Doutrina Espírita, com a atuação de perspicácia de um médium simples, fui livrado de uma cegueira, que para alguns facultativos consultados era inevitável, num pequeno centro, Olímpia Belém! Meu Desidério é de que muitas pessoas tomassem conhecimento daquilo.

Não do "milagre" em si, mas do extraordinário roteiro de consciência lúcida e de pleno conhecimento da função da vida, que me era apresentado pela prática em mim, não apenas pela teoria a qual me acostumara desde o berço, na minha querida Cataguazes.

De há muito desejo essa comunicação, mas fui pego por armadilhas e bloqueios urdidos por mim ou, pelo menos, estimulados também por minha "instituída autoridade", hipotecando apoio a decisões de antecessores, ou implementando situações que reforçassem o movimento que denominamos "pureza doutrinária".

Minha manifestação não foi possível, em centenas de casas, por conceitos e definições que partiram também de minha condução como presidente da entidade. Fui cerceado e impedido dentro dos centros espíritas, com argumentações infraternas, e com a recusa sistemática e repetida, em centenas (isso mesmo...centenas!) de casas, das maiores e mais conhecidas às mais simples, afastadas, iniciantes. Na grande maioria nem mesmo tive a oportunidade de me explicar, já que, por determinação, as manifestações de espíritos estavam "proibidas".

Em alguns lugares me coloquei na fila para o trabalho doutrinário de desobsessão, mas sempre a espera é muito grande, e os trabalhos são por demais corridos, sem atender a todos, com as justificativas, em sua totalidade provindo das "proibições e impedimentos", contidos nos estatutos, nas apostilas de educação mediúnica, em um monte de "sábias e eficientes" algemas, sobremaneira. Nas reuniões da própria Federação fui barrado, e estupefato, assisti a espetáculos de mistificação grosseira com famosos personagens que agora, penalizados com a destituição da condição receptora como médiuns, encenam recepções falseadas, interpretações teatrais, caricatas, aplaudidas naturalmente por obsessores batinados.

Mas, por Misericórdia Divina, consegui essa abertura, que me é oferecida agora, e agradeço aos que me ajudaram para esse intento, como aos sergipanos Peralva e Ederlindo (sergipano da Bahia), que aqui me dão apoio e auxiliam, como presente de aniversário.

Como antes, ainda permaneço nas sendas da prolixidade, e faço um esforço para sintetizar meu recado, no que conto também com a compreensão e paciência dos que o recebem.

UM RETORNO AO DESERTO!

Há perigoso e crescente desvio no movimento espírita, e diria, sem receio de errar, que estamos indo de Damasco para Jerusalém, voltando da Rua Direita para as frias colunas das sinagogas, devolvendo aos novos sacerdotes as "cartas de punição", de repúdio, de imperiosa obstaculação à manifestação dos espíritos, na religião dos espíritos! Hoje vejo como fomos infantis, (como fomos imprudentes na jactância!), e as escamas que Ananias havia tirado dos olhos do apóstolo estão sendo recolocadas, para uma cegueira e escuridão imensas, em nome da vaidade e da permanência de sentimentos "estruturais" herdados de nosso passado clerical, vaticanizado!

Minha iniciativa de agora é um dever de consciência, uma tentativa de reparação, e agradeço à Providência Divina por esse ensejo. Se não almejo convencimento, satisfaz-me a exposição de uma realidade que só agora detecto, e que imagino poder servir de alerta para recondução aos trilhos corretos.

Desde minha passagem estou numa região de reparação, de recomposição, destilando gota a gota, um sentimento de decepção pelas oportunidades desperdiçadas. E vejo nesse extenso nosocômio em que me encontro, milhares de figuras que admirei e segui, e surpreendentemente, aqui estão, há décadas, na busca de saídas para a sua própria redenção.

São personagens que se destacam pela cultura, pelo conhecimento, pela dedicação à causa da Doutrina Espírita. Foram vinculados diretamente à Federação ou a instituições independentes, como as de São Paulo e Rio de Janeiro, Minas, Rio Grande do Sul e outras. A cobrança é intensa, vultosa, dentro da consequência do "...a quem muito for dado....".

Há tristes casos de demência crônica, onde orações auxiliam muito, como sabemos. Surtos psicóticos, revoltas momentâneas, inaceitação do quadro, infelizmente são comuns. Claro, a presença de luminosas entidades, irmãos esclarecidos, são o socorro, a presença manifesta da Misericórdia Divina, acudindo indistintamente a todos nós. Mas, como "déspotas esclarecidos" muitos dos que reverenciamos como autênticos pilares, se petrificam em inamovíveis conceitos discricionários e absolutistas, e por isso sofrem, e muito!

Podemos situar nos meados de 1977 o marco da construção das barreiras, da instalação dos ferrolhos, do gradeamento da Doutrina Espírita. Editorial incisivo no "Reformador" em Outubro de 77 e "Declaração oficial" no mesmo órgão em janeiro de 78, revestidos de formidáveis intenções protetivas, estabeleceram estacas delimitantes, excluindo mais que conceitos e posições filosóficas, mas comunidades inteiras, de seres humanos necessitados de esclarecimentos.

Sem cerimônia e limites, estabelecia-se ali, de modo impiedoso, a cisão, a discriminação, a separação de irmãos a quem devíamos, obrigatoriamente, estender os braços e acolher, mitigando-lhes a ignorância e informando-lhes (pelo menos) da realidade espiritual. Criamos nossa "cruzada", esquecendo a verdadeira lição da conquista pelo amor, pela tolerância, pela compreensão.

Abraçamos a doutrina, criando um verdadeiro exército de proteção, e viramos as costas aos irmãos. O alvo principal? Os terreiros de umbanda, de camdomblé, os rituais africanos, de mediunidade primária, os adeptos do esoterismo, de crenças orientais, os místicos, os que, -por não conhecerem os fundamentos da vida espiritual e da relação verdadeira do intercâmbio entre os encarnados e não- se utilizavam do epíteto de "espíritas ou espiritualistas" em suas atividades. Exatamente os que deveriam ser esclarecidos, orientados, pela proximidade, semelhança, e por possuírem algumas informações sobre a vida espiritual e contato com o invisível. Exatamente os que em análise primeira são nossos irmãos mais próximos.

Mas...e a fraternidade? E a caridade? Detentores de informações e conhecimentos muito elevados, nós, os espíritas, precisamos ser arautos dessas verdades, levando a todos, denodada e incondicionalmente, os pormenores e racionais relações entre os mundos material e espiritual. Sem necessidade de proselitismo, sem imposição de pontos de vista pessoais ou corporativos. O roteiro indicado por Kardec e por outros luminares, ancorados na Verdade do Nazareno nos compele à interrelação plena com todos os que não conhecem os caminhos da alma, ou deles tenham apenas noções incompletas, rudimentares.

À partir daquele editorial se consolida a instalação do, extremamente comprometedor, movimento de uma hipotética profilaxia do pavilhão espiritista. Refutariam, porém, os arraigados argumentadores dessa "assepsia" que as portas das casas continuam abertas, prontas ao acolhimento. Pura citação teórica, propedêutica negada pela prática, que limita, condena, exclui, separa, cinge! Até mesmo alguns nomes, indicativos de lugares, foram proscritos. Centro espírita?

Nem pensar.... passaram a ser "fraternidades, casas, comunhões, sociedades...etc". Qualquer um que queira resolver uma dificuldade, de indagação interior, de problemas momentâneos, de compreensão da vida, - e que procure uma casa espírita- precisa primeiro se submeter a cursos, intermináveis, exposições doutrinárias, entupir-se de leituras impostas, e aí foge o espiritismo do caminho de espiritualizar primeiro, evangelizar depois. É como se alguém, ao precisar de um analgésico para uma dor de cabeça. tenha que fazer antes um curso de medicina!
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 21 de Julho de 2015, 19:06
(cont...)

"OS ESPÍRITAS AO MUNDO...."!

Ninguém informou tanto à Humanidade acerca do mundo espiritual, suas peculiaridades, feições, resultados e consequências, quanto o extraordinário e iluminado Chico Xavier, através da recepção dos artigos, livros, romances, crônicas de André Luiz, Emmanuel, e muitos outros. Milhões,- mesmo sem se tornarem espíritas- acordam na vida do etéreo, conscientes, e se conduzem ou são conduzidos com mais segurança, sem grandes transtornos, por se recordarem de passagens e situações como as narradas em "Nosso Lar".

Linguagem simples, direta, coloquial, sem mistérios, sem preciosismo, sem restrições. As concepções e revelações do mundo espiritual penetraram em milhões de lares, dos palacetes aos casebres, dos intelectuais aos simples de entendimento. Milhões sabem disso sem ainda serem espíritas! Decepcionante foi a descoberta feita por mim de que os livros que eu escrevi, foram lidos por uma meia dúzia de pessoas, que em nada ajudaram, que ocuparam tempo e espaço, tanto quanto a maior parte das quilométricasas "balaustradas" insertas por mim no "Reformador".

E posso afiançar que meu exemplo não é solitário. Na realidade dos centros de hoje, se um jovem de 17 anos, do interior, pouco letrado, aparecer numa casa espírita receberá uma saraivada de questionamentos, de repreensões, e sairá (se tiver dinheiro) entupido de livros e apostilas teóricas, limitantes, desanimadoras. Ou seja: fora de cogitação novos "Chico Xavier" com a atual estrutura.

Agora, inesperto consciente, percebo que, fosse escrever, usaria a mesma base do Tempo de Transição, e escreveria "Tempo de Revisão". O espiristérico e fantasioso "regeneração" se converte hoje em " degeneração". Fugimos do trilho! Perdemos o fio da meada! Caímos na cilada da vaidade, da arrogância, da presunção de superioridade, da falsa concepção de que "deveríamos proteger a Doutrina". Abandonamos à ignorância os humildes, os analfabetos, os sofredores, os obsidiados, as vítimas das trevas da superstição que deveríamos orientar, conduzir, esclarecer, libertar.

Batemos (com orgulho!) no peito, que "somos espíritas", não para auxiliar, mas para demonstrar pretensa superioridade, numa condenável elitização de conhecimentos que guardamos na redoma de nossa vaidade e arrogância, destilando nossa falta de humildade, nosso ancestral e enquistado egoísmo, ao negarmos o necessário apoio e orientação a quem devemos obrigatoriamente esclarecer.

Kardec, ao compilar de modo irreprochável " O Livro dos Espíritos" nos dá todas as linhas, pontos, vírgulas e intersecções do texto que deveríamos pontificar. Estabelece condições didáticas e pedagógicas sobre nossa convivência, contato e relacionamento com nossos irmãos desencarnados, tanto para recolher destes os ensinamentos e as interpretações para a melhor aplicação da virtude, quanto para aos ignorantes e desencaminhados, a revelação de suas condições de erro e de necessária recomposição e mudança de trajeto, para o Bem.

Mas, transformamos nossas reuniões espíritas em "missazinhas" enfadonhas, com pregações inócuas, com exposições repetitivas, palavrescas, exornando vaidades pueris, e sem a presença ou a manifestação de espíritos desencarnados! A Humanidade precisa conhecer, saber e se comunicar com o mundo além túmulo, de forma contínua, clara, evolutiva, segura, aberta, livre, e cabe ao espiritismo a primazia e obrigação em desvendar os véus. Ao contrário, construímos altas e vigiadas muralhas de isolamento e assistimos a chamada (erroneamente) Casa Máter se verter hoje em casamata!

MEDIUNIDADE É BEM DA HUMANIDADE!

É indispensável, inadiável, urgente que se restabeleçam os cursos de educação mediúnica, as sessões experimentais, as reuniões de desobsessão, de doutrinação e o desenvolvimento das diversas formas de intercâmbio, seja através da psicofonia, da psicografia, da mediunidade curativa, e até mesmo do estudo visando o aprimoramento dos chamados fenômenos físicos. E que isso seja feito de modo accessível ao mundo, de forma que as pessoas do vulgo possam tomar conhecimento, participar, se envolver, se beneficiar disto!

Cada centro, por maior ou mais simples que possa ser, reúne, pelas bases fornecidas pela Codificação, os meios, a orientação e o aparelhamento suficientes para oferecer essa atuação, com segurança, com benéfica ação, tirando a venda da descrença dos cépticos e descrentes empedernidos. Se em algum tempo ou lugar, houve utilização errada, corrijamos, dentro do preceito ciceriano, "abusus non tollit usum"- o abuso não impede o uso.

A consciência universal que deve nortear o encaminhamento do que quer ser espírita e recebe esse maravilhoso legado o obriga a semear em todos os terrenos, a sabedoria desse insubstituível e impostergável intercâmbio. Assim o espiritismo precisa penetrar como óleo balsâmico em todos os poros do tecido social.

Nós precisamos ser o "sal da terra", e oferecer o tempero da convicção plena a todos os assuntos, pessoas, lugares, doutrinas, religiões, grupos! Precisamos dar a oportunidade aos que vieram com a missão mais dilatada do mediunato, para que possam em suas comunidades, em suas seitas e religiões, de gerar a realidade do mundo invisível, falar da perfeita Justiça Divina via Reencarnação, revelar o inexpugnável expediente do Perdão dentro da Lei de Causa e efeito, demonstrar, com lógica e razão, com certeza inequívoca, a eternidade do ser, em nossa caminhada evolutiva.

Nós espíritas, temos as respostas que a Humanidade necessita! Só a bendita Doutrina espírita pode fazer isso, hoje! E não podemos nos furtar em não oferecer à essa mesma gleba o conhecimento e a consciência que recebemos generosamente, por méritos ou por misericódia. É preciso abrir os corações, as mentes e também as portas. É preciso chamar os cultores dos credos africanos, e fraternalmente mostrar-lhes a simplicidade das comunicações interseres encarnados e não, a fim de que, sabedores desses novelos, possam se livrar de práticas desnecessárias, ritualísticas e sem função.

Precisamos agregar em torno de nós os que possuem e praticam a mediunidade de modo equivocado, comercial, mercantil, mostrando-lhes, fraternal e zelosamente, como mudar o proceder, não enxotá-los! Com o coração receptivo, necessitamos convidar os pastores, os padres, os rabinos, os ateus, os muçulmanos, os hinduístas, os orientais, os esotéricos, os chamados evangélicos, todas as vertentes da fé, não para transformá-los em prosélitos, mas para que tomem conhecimento da essência espiritual, dos itens já mencionados, trazidos a lume para a consciência de todos, na Terceira Revelação.

É importante que eles saibam, conheçam, ainda que, de pronto não creiam. Sabendo, oportunamente crerão. O tempo é o senhor da razão, e quando estes que disto tomarem ciência, retornarem ao mundo espiritual terão dentro de si a semente da Verdade já germinada, e a realidade espiritual não lhes será nem sofrida nem surpreendente, como hoje ocorre, aos borbotões, em grande parte, por nossa omissão e ausência.

Cada ser humano tem aptidão e suficiência para a aquisição de conhecimentos superiores, não sendo a evolução vedada a quem quer que seja. Mas, que a iniciativa seja nossa, que o movimento espírita intermedeie isso, com a intenção clara e pura de ouvir e falar, de revelar e também absorver novos conhecimentos, visto que, se o espiritismo é o que de mais evoluído conhecemos, não é o final da linha da sabedoria, disto todos temos convicção.

Quando o abençoado professor lionês judiciosamente compila " O Evangelho Segundo o Espiritismo" deixava para nós, os pósteros, a mensagem de que também é necessária a versão do "O Corão Segundo o Espiritismo", " O Torah na visão Espírita", "O Tao dentro da realidade espiritual", e assim por diante.

Ao delinear a senda de atitude do profitente espiritista, Kardec concita e determina: Amai-vos e instruí-vos! Temos obrigação de seguir essa regra, na ordem proposta de amando sempre primeiro. E a prática do amor não se coaduna com a cisão, o distanciamento, a discriminação de quem quer que seja, sob quaisquer pretextos, pois estes são os irmãos que esperam de nós a orientação e o encaminhamento, como em algum tempo atrás tivemos a oportunidade de recolher também.

 Quando me foi ofertada a bênção da visão física, pela manifestação daquele instrumento mediúnico, naquele modesto e singelo centro, deveria ter me preocupado mais com a cegueira da alma, também. A propósito, a entidade que me socorreu naquele tempo era representada por uma carinhosa e iluminada preta velha.
Juvanir Borges de Souza- espírito

 Mensagem recebida pelo médium Arael Magnus, em 13 de abril de 2015, no Celac- Formosa- Goiás.
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Anton Kiudero em 22 de Julho de 2015, 00:35
E é preciso falar algo apos uma mensagem tão direta e contundente de uma pessoa tão conhecida no meio espirita?

Despertem enquanto podem...
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 02:42
E é preciso falar algo apos uma mensagem tão direta e contundente de uma pessoa tão conhecida no meio espirita?

Despertem enquanto podem...


O certo seria

despertemos enquanto podemos


Mas não sejamos trágicos
sempre haverá tempo
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Silvio Matos em 22 de Julho de 2015, 02:58
Na boa!!!! Pelo pouco que conheci de Chico,.....ele não gostou disso!!!!!

"Ninguém informou tanto à Humanidade acerca do mundo espiritual, suas peculiaridades, feições, resultados e consequências, quanto o extraordinário e iluminado Chico Xavier, através da recepção dos artigos, livros, romances, crônicas de André Luiz, Emmanuel, e muitos outros. Milhões,- mesmo sem se tornarem espíritas- acordam na vida do etéreo, conscientes, e se conduzem ou são conduzidos com mais segurança, sem grandes transtornos, por se recordarem de passagens e situações como as narradas em "Nosso Lar".

Abraço!

Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 03:26
Reformador -
Agosto de 2010

Após longo período de enfermidade, suportada e aceita com valor cristão, desencarnou em 5 de junho passado, na Casa de Saúde São José, no Rio de Janeiro, o ex-presidente da Federação Espírita Brasileira (FEB), Juvanir Borges de Souza.

Ao velório, realizado pela manhã no Memorial do Carmo, e ao sepultamento à tarde no Cemitério São Francisco Xavier, ambos no bairro carioca do Caju, compareceram diretores, voluntários e funcionários da FEB, bem como confrades de diversas casas espíritas do Rio de Janeiro, parentes e amigos.

Antes que o corpo do valoroso seareiro fosse conduzido à sepultura, ouviu-se a palavra emocionada de sua esposa, Yola Carvalho Borges de Souza, seguida da manifestação com que o presidente da FEB, Nestor João Masotti, igualmente emocionado, enalteceu os nobres traços de caráter do companheiro que regressava às regiões espirituais, proferindo sentida prece ao final da cerimônia.

Juvanir Borges de Souza nasceu em 13 de abril de 1916, na cidade mineira de Cataguases. Ali fez seus estudos primários, e, por haver reencarnado em lar espírita, iniciou-se, ainda na infância, nas luzes da Doutrina Espírita, freqüentando as aulas de moral cristã no Centro Espírita Paz, Luz e Amor, em sua cidade natal. Essa iniciação também foi assistida por um senhor de nome J.Lacerda que, aos domingos, lhe ministrava lições de catecismo espírita. Juvanir recordava, com prazer, o fato de que, nesse período, ele lia Reformador junto ao seu Tio Parreira, durante caminhadas pelo campo, o que lhe valeu como primeiros contatos com a Casa de Ismael.

A transição entre os anos 30 e 40 viu a sua transferência para o então Distrito Federal, atual Rio de Janeiro, para cursar a Faculdade de Direito da Universidade do Brasil, bacharelando-se em 1942. Trazendo consigo o endereço da FEB, Av. Passos n. 30, passou a freqüentar-lhe as sessões domingueiras. Em 31 de dezembro do ano seguinte, contraiu núpcias com Yola, que se lhe tornaria inapreciável esteio em todos os momentos de sua vida.

Admitido, por concurso público, nos quadros do antigo Instituto de Aposentadoria dos Industriários (IAPI). Hoje INSS, fez-se procurador da Previdência Social, dedicando-se também à sua banca de advogado.

Nessa fase de uma vida invariavelmente rica em atividades nobres, especialmente em serviços na seara de Jesus, Juvanir ingressa no Centro Espírita Bezerra de Menezes, no bairro do Estácio. Conta sua esposa que àquela época ambos freqüentavam o Centro Espírita Olímpia Belém, onde, por indicação de uma amiga, ele se submeteu ao tratamento espiritual de séria enfermidade nos olhos. Ali o casal trava conhecimento com Lindolpho Antônio, que os leva a freqüentar o referido Centro Bezerra de Menezes, casa em que Juvanir receberia novos ensejos de trabalho.

Suas atividades na FEB se iniciaram com palestras e artigos em Reformador, as quais ele nunca abandonou, mesmo quando suas responsabilidades foram acrescidas de pesados encargos administrativos.

A contribuição de Juvanir, como articulista do órgão oficial da FEB, foi tão brilhante e fecunda, que a Casa de Ismael entendeu de grande alcance enfeixar os textos em livros, visando torná-los sempre disponíveis ao Movimento Espírita. Assim é que surgiram as obras Tempo de Transição (1988), Tempo de Renovação (1989), Novos Tempos (2001) e Amai-vos e Instrui-vos (2002). Juvanir também coordenou a compilação das obras Bezerra de Menezes – Ontem e Hoje (2000) e O que dizem os Espíritos sobre o aborto (2001), bem como produziu importante texto, em forma de folheto, para comemorar o 1º. Centenário da FEB, sob o título Escorço Histórico da Federação Espírita Brasileira.

Este importante documento, lançado em 1989, foi quase que totalmente calcado nos seus trabalhos “O Centenário do Reformador” e “O Centenário da Federação Espírita Brasileira”, publicados nos números de Reformador de dezembro/82, dezembro/83 a fevereiro/84, respectivamente.

As atividades administrativas de Juvanir na FEB têm início em 1975, na gestão do ex-presidente Francisco Thiesen. Segundo D. Yola, ao término de um estudo doutrinário no Centro Espírita Bezerra de Menezes, Juvanir recebe a visita de Agadyr Teixeira Torres, portador de convite para que comparecesse ao Departamento Editorial da FEB, no bairro de São Cristóvão, no Rio de Janeiro. Ali, Juvanir aceita a convocação para servir à Casa de Ismael na função de tesoureiro. Em 1978 é eleito para a vice-presidência, em que permaneceria até a desencarnação de Francisco Thiesen, em 6 de agosto de 1990, quando assume a presidência, cargo que exerceria, com abnegação, devotamento, e proficiência, até 2001.

Conciliando prudência e arrojo em atitudes ao mesmo tempo fraternas e firmes, estribadas na fiel observância dos princípios do Evangelho e da Doutrina Espírita, Juvanir legou um sólido critério para a boa condução da Casa de Ismael, com a conseqüente influência positiva no Movimento Espírita em geral.

Tais predicados de sua personalidade superior se evidenciaram concretamente, entre muitos outros, em diversos eventos ocorridos em sua gestão, tais como o lançamento, pelo Conselho Federativo Nacional (CFN), das Campanhas Em Defesa da Vida e Viver em Família (1994) e Divulgação do Espiritismo (1996), e a participação da FEB, de 21 a 31 de agosto de 2000, no Encontro de Cúpula Mundial de Lideres Religiosos e Espirituais pela Paz”, promovido pela Organização das Nações Unidas (ONU), sendo a sua contribuição, como presidente da FEB, o trabalho intitulado “Pobreza – Má Distribuição de Bens”, publicado em Reformador de outubro/2000.

É também de sua iniciativa a inserção das atividades em torno do esperanto na estrutura administrativa da FEB, pela criação, em 1991, do seu Departamento de Esperanto.

Juvanir deixou marcas indeléveis de sua exemplificação espírita no coração de todos os que com ele conviveram nas tarefas diárias da FEB, dando-nos a imagem daquele homem de bem a que se refere Allan Kardec no capítulo XVII item 3, de O Evangelho Segundo o Espiritismo.

E agora, o querido companheiro, absolutamente credenciado e qualificado para tão honrosa condição, cerra fileiras entre os devotados Espíritos incumbidos de servir a Jesus, sustentando e impulsionando, nas regiões espirituais, o Programa de Ismael no Brasil e no Mundo.

Deus o ampare, amigo e irmão Juvanir!
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 03:32
Na boa!!!! Pelo pouco que conheci de Chico,.....ele não gostou disso!!!!!

"Ninguém informou tanto à Humanidade acerca do mundo espiritual, suas peculiaridades, feições, resultados e consequências, quanto o extraordinário e iluminado Chico Xavier, através da recepção dos artigos, livros, romances, crônicas de André Luiz, Emmanuel, e muitos outros. Milhões,- mesmo sem se tornarem espíritas- acordam na vida do etéreo, conscientes, e se conduzem ou são conduzidos com mais segurança, sem grandes transtornos, por se recordarem de passagens e situações como as narradas em "Nosso Lar".

Abraço!



São apenas opiniões de um Espírita
após seu desencarne

Uma vez aprendi que se um espírito e ou uma pessoa nos agradece por algo que nós tenhamos feito...que devemos aceitar e agradecer também por nossa vez a gratidão do outro para conosco...

Pois que seus agradecimentos possa ser a única coisa de valor que ele tem e que confia que realmente vale...e ao aceitarmos isso o tornaria feliz...satisfeito...

assim aprendi
creio ser este aprendizado
de grande valia para as questões do relacionamento

É isso
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Kazaoka em 22 de Julho de 2015, 04:29
A situação atual do Espiritismo diante de seus propósitos não difere em nada à situação do próprio Cristianismo do qual é apenas uma ramificação. Se confrontarmos o cenário atual da sociedade humana com aquilo que as velhas religiões pregam e sempre pregaram, fica parecendo que estamos em retrocesso evolutivo irremediável. Precisamos ser otimistas quanto ao nosso futuro e darmos tempo ao tempo para que o progresso aconteça naturalmente como vem acontecendo.
Se antes tínhamos 10% de Espíritos bons no universo de Espíritos humanos, e hoje, passado centenas de anos, talvez milhares, e temos hoje 10,5%, mesmo que seja um índice de crescimento aparentemente inexpressivo, mas ainda assim é progresso. É dessa forma que o progresso acontece! Precisamos trabalhar por uma evolução sólida e não para uma revolução sócio/espiritual.
Devemos, cada um, trabalhar com aquilo que tomamos como verdades e aguardar que a vida, com seus eventos, confirme estas verdades ou as refutem. Assim, abrem-se portas para que avancemos ou as fecham, nos chamando a atenção para a revisão dos nossos pontos de vista.
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Anton Kiudero em 22 de Julho de 2015, 11:08

O certo seria despertemos enquanto podemos

Mas não sejamos trágicos sempre haverá tempo


Amigo Moises, voce sabe que não sou espírita por me negar a seguir as normas cerceantes deste movimento tornado religião insossa. Como tampouco me nego a seguir qualquer outra religião dos homens, todas igualmente focadas no bem humano, terrestre e cheia de normas e ritos que servem unicamente de muletas aos egos adormecidos de seus seguidores.

Esta mensagem não é única. É uma dentre dezenas, de espiritos sofredores que permitiram que em sua ultima encarnação permanecessem enclausurados em um conjunto de verdades a que denominaram a seu tempo de "pureza doutrinaria" ou simplesmente "verdade", eivada de interpretações individuais onde os egos tentam mostram-se cultos enquanto nada compreenderam ainda e de modo geral abandonaram há muito a senda de sua propria reforma interior.

Portanto inclua-me fora deste "despertemos".

"Mas não sejamos trágicos sempre haverá tempo"

Cada momento perdido representará longos processos de cura espiritual, onde como espiritos dementados, aferrados as suas ilusórias verdades, ficarão estagnados antes que nova oportunidade se apresente para passar por mais um conjunto de provas.

Portanto haverá sempre tempo, mas tempo tragico de sofrimentos morais atrozes, pois a quem muito foi dado, muito será cobrado.

Vivemos no aqui e no agora, o passado já se foi e o futuro inexiste. Soltem, por favor as cadeias que os prendem a esta jaula de espaço/tempo em que creem estar. Libertem-se e desapeguem-se de suas verdades ilusorias. Aceitem a Deus, criador de todas as coisas como causa de todos os acontecimentos do universo e de nossas efemeras experiencias humanas. Apenas amem, incondicionalmente, a tudo e a todos e agradeçam pelas oportunidades de crescimento que recebem a cada novo dia.

Nada postergem, pois o tempo não existe. Voces sempre estarão vivendo no agora, por toda a eternidade.
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Silvio Matos em 22 de Julho de 2015, 11:29
Na boa!!!! Pelo pouco que conheci de Chico,.....ele não gostou disso!!!!!

"Ninguém informou tanto à Humanidade acerca do mundo espiritual, suas peculiaridades, feições, resultados e consequências, quanto o extraordinário e iluminado Chico Xavier, através da recepção dos artigos, livros, romances, crônicas de André Luiz, Emmanuel, e muitos outros. Milhões,- mesmo sem se tornarem espíritas- acordam na vida do etéreo, conscientes, e se conduzem ou são conduzidos com mais segurança, sem grandes transtornos, por se recordarem de passagens e situações como as narradas em "Nosso Lar".

Abraço!



São apenas opiniões de um Espírita
após seu desencarne

Uma vez aprendi que se um espírito e ou uma pessoa nos agradece por algo que nós tenhamos feito...que devemos aceitar e agradecer também por nossa vez a gratidão do outro para conosco...

Pois que seus agradecimentos possa ser a única coisa de valor que ele tem e que confia que realmente vale...e ao aceitarmos isso o tornaria feliz...satisfeito...

assim aprendi
creio ser este aprendizado
de grande valia para as questões do relacionamento

É isso



É isso Moisés!!!

Chico, exemplo de humildade e desapego, tanto a bens materiais como a "holofotes".

Abç!
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Antonio Renato em 22 de Julho de 2015, 11:47
Meus irmãos,o despertar para a realidade é tirar a venda dos nossos olhos colocada pelo
nosso Ego.Muitos acontecimentos serão melhores entendidos com esse despertar, neste
mundo e no outro.Assim eu penso.
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 12:15

Portanto inclua-me fora deste "despertemos".

"Mas não sejamos trágicos sempre haverá tempo"

Cada momento perdido representará longos processos de cura espiritual, onde como espiritos dementados, aferrados as suas ilusórias verdades, ficarão estagnados antes que nova oportunidade se apresente para passar por mais um conjunto de provas.

Portanto haverá sempre tempo, mas tempo tragico de sofrimentos morais atrozes, pois a quem muito foi dado, muito será cobrado.

Vivemos no aqui e no agora, o passado já se foi e o futuro inexiste. Soltem, por favor as cadeias que os prendem a esta jaula de espaço/tempo em que creem estar. Libertem-se e desapeguem-se de suas verdades ilusorias. Aceitem a Deus, criador de todas as coisas como causa de todos os acontecimentos do universo e de nossas efemeras experiencias humanas. Apenas amem, incondicionalmente, a tudo e a todos e agradeçam pelas oportunidades de crescimento que recebem a cada novo dia.

Nada postergem, pois o tempo não existe. Voces sempre estarão vivendo no agora, por toda a eternidade.

Desculpe -me Anton
mas não há como o excluir desta realidade

Não é por que o irmão não queira se incluir
é por tudo que escreveu abaixo
que o torno incluso.

Também não é de todo o mal

Talvez o Espiritismo esteja insossa
como disseste
porque estamos experimentando unicamente a parte daquilo que contribuímos, quer acreditemos nele ou não!

vamos nos retemperar

Abração
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 12:25
Na boa!!!! Pelo pouco que conheci de Chico,.....ele não gostou disso!!!!!

"Ninguém informou tanto à Humanidade acerca do mundo espiritual, suas peculiaridades, feições, resultados e consequências, quanto o extraordinário e iluminado Chico Xavier, através da recepção dos artigos, livros, romances, crônicas de André Luiz, Emmanuel, e muitos outros. Milhões,- mesmo sem se tornarem espíritas- acordam na vida do etéreo, conscientes, e se conduzem ou são conduzidos com mais segurança, sem grandes transtornos, por se recordarem de passagens e situações como as narradas em "Nosso Lar".

Abraço!



São apenas opiniões de um Espírita
após seu desencarne

Uma vez aprendi que se um espírito e ou uma pessoa nos agradece por algo que nós tenhamos feito...que devemos aceitar e agradecer também por nossa vez a gratidão do outro para conosco...

Pois que seus agradecimentos possa ser a única coisa de valor que ele tem e que confia que realmente vale...e ao aceitarmos isso o tornaria feliz...satisfeito...

assim aprendi
creio ser este aprendizado
de grande valia para as questões do relacionamento

É isso



É isso Moisés!!!

Chico, exemplo de humildade e desapego, tanto a bens materiais como a "holofotes".

Abç!

Não sou dos contra os holofotes
nem contra os bens materiais

Por experiência de contato com os desencanados ( os espíritos destes)
difícil de encontrar um que não tenha dito que se soubesse teria feito mais,
teria feito isto ou aquilo, desta e não daquela forma.

Assim não seria diferente com queles que atuam nas atividades espíritas,
como acontece com todo o segmento
e neste conjunto de depoimento , uma vez tendo a oportunidade,
também há as referências Aqueles que tenhamos admirado e quem sabe combatido...

A Doutrina nos diz que após desencarnarmos, claro, quando estivermos mais conscientes, pois que varia em muito este processo natural...veremos as coisas que estávamos envolvidos de um outro ângulo...

O Sr. Juvanir
em sua carta psicografada
expõe a si mesmo...diante daquilo que ele passa a enxergar mediante o que estava envolvido
pois a experiencia tem me dito
que em muitos casos daquilo que falamos
daquilo que declaramos
daquilo que enunciamos
e até discursamos

O estamos fazendo para nós.

Por isto
creio eu

O conhecer a si mesmo é de fundamento.

Ps. Obrigado Silvio pela participação
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Anton Kiudero em 22 de Julho de 2015, 17:34
Corroborando o texto que abre este tópico, ocorreu algo aqui neste forum, hoje, que demonstra o extremo apego as verdades individuais. Havia um topico com titulo "Impossibilidade de ter uma vida completamente feliz", onde estava se iniciando um dialogo  extremamente proveitoso, já que a busca da felicidade é o objetivo de todos os espíritos. Até cheguei a postar algo.

E vejo hoje, que alguem, por infelicidade interior, simplesmente deletou o topico, por discordar da possibilidade de existir a felicidade.

Estas atitudes dos que se consideram os defensores da verdade (da sua verdade) e que nada representam senão a si mesmos é o que caracteriza o assim denominado espiritismo. E suas danosas consequencias é o que o Juvanir nos veio mostrar em sua psicografia.

Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Anton Kiudero em 22 de Julho de 2015, 17:37
Meus irmãos,o despertar para a realidade é tirar a venda dos nossos olhos colocada pelo nosso Ego.Muitos acontecimentos serão melhores entendidos com esse despertar, neste mundo e no outro.Assim eu penso.

O amigo poderia nos dar alguma razão pra aguardar a chegada ao outro mundo para este despertar? Porque não despertar aqui e agora? E chegar ao outro mundo sem ou com menos ilusões?

Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 18:24
Meus irmãos,o despertar para a realidade é tirar a venda dos nossos olhos colocada pelo nosso Ego.Muitos acontecimentos serão melhores entendidos com esse despertar, neste mundo e no outro.Assim eu penso.

O amigo poderia nos dar alguma razão pra aguardar a chegada ao outro mundo para este despertar? Porque não despertar aqui e agora? E chegar ao outro mundo sem ou com menos ilusões?



Você não leu direito Anton
ele já disse isto na colocação inicial
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Silvio Matos em 22 de Julho de 2015, 21:57
Concordo:

“Mas, transformamos nossas reuniões espíritas em "missazinhas" enfadonhas, com pregações inócuas, com exposições repetitivas, palavrescas, exornando vaidades pueris, e sem a presença ou a manifestação de espíritos desencarnados! A Humanidade precisa conhecer, saber e se comunicar com o mundo além túmulo, de forma contínua, clara, evolutiva, segura, aberta, livre, e cabe ao espiritismo a primazia e obrigação em desvendar os véus. Ao contrário, construímos altas e vigiadas muralhas de isolamento e assistimos a chamada (erroneamente) Casa Máter se verter hoje em casamata!


Perguntamos então: - Por que no Brasil há tanto horror à evocação dos Espíritos, a ponto de ser ela transformada num verdadeiro tabu?

A resposta está no livro “O Consolador” de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier, lançado pela FEB em 8 de março de 1940.
Na questão nº 369 proposta por Chico, numa reunião do Grupo Espírita “Luiz Gonzaga” de Pedro Leopoldo”/MG, Emmanuel (Espírito do Padre Manuel da Nóbrega), colocando-se, acima do Codificador, respondeu: “- Não somos dos que aconselham a evocação direta e pessoal em caso algum...”.

Por sua vez, o Chico Xavier, colocando-se ao lado de Emmanuel e não de Kardec, declarou: “ – O telefone só toca de lá para cá”, como quem diz:

 “ – O Espírito se manifesta quando bem entende. Nós não podemos nem devemos chamá-lo. Temos que ficar sempre atentos ao seu chamado, aguardando ouvir, pelo médium, o que nos queira dizer”.

Abç!
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 22:42
Concordo:

“Mas, transformamos nossas reuniões espíritas em "missazinhas" enfadonhas, com pregações inócuas, com exposições repetitivas, palavrescas, exornando vaidades pueris, e sem a presença ou a manifestação de espíritos desencarnados! A Humanidade precisa conhecer, saber e se comunicar com o mundo além túmulo, de forma contínua, clara, evolutiva, segura, aberta, livre, e cabe ao espiritismo a primazia e obrigação em desvendar os véus. Ao contrário, construímos altas e vigiadas muralhas de isolamento e assistimos a chamada (erroneamente) Casa Máter se verter hoje em casamata!


Perguntamos então: - Por que no Brasil há tanto horror à evocação dos Espíritos, a ponto de ser ela transformada num verdadeiro tabu?

A resposta está no livro “O Consolador” de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier, lançado pela FEB em 8 de março de 1940.
Na questão nº 369 proposta por Chico, numa reunião do Grupo Espírita “Luiz Gonzaga” de Pedro Leopoldo”/MG, Emmanuel (Espírito do Padre Manuel da Nóbrega), colocando-se, acima do Codificador, respondeu: “- Não somos dos que aconselham a evocação direta e pessoal em caso algum...”.

Por sua vez, o Chico Xavier, colocando-se ao lado de Emmanuel e não de Kardec, declarou: “ – O telefone só toca de lá para cá”, como quem diz:

 “ – O Espírito se manifesta quando bem entende. Nós não podemos nem devemos chamá-lo. Temos que ficar sempre atentos ao seu chamado, aguardando ouvir, pelo médium, o que nos queira dizer”.

Abç!


Silvio

Até te gradeço as colocações
pois que de análise em análise concluímos estudos e opiniões

Veja !
 Kardec faz um estudo e apresenta concordância com a posição do Profeta Moisés, quando este Profeta,
responsável pela primeira revelação, conforme a apresentação doutrinária,
proibe as evocações corriqueiras...diretas demais...interesseiras
de onde estas evocações buscavam as sortes, adivinhações, ler o futuro, fazer fofoca...
descrer o Sagrado
enfim mais direto que isto...não precisa

Emmaneul não aconselha as evocações diretas
não é por que não seja possível evocar
pois que o mesmo sempre fora evocado
e isto o foi muitas vezes em programas de auditório,
entrevistas de jornais e grupos de estudos...

Tem que se saber analisar a resposta
no cotidianos dos interesses das pessoas
veja o modismo a pouco tempo
de se evocar o Espírito de Charlie...
de onde se cruzavam canetas e ou lápis e
se escrevia algo nos espaços que esta cruz formava ...
creio que a palavra "sim e a palavra "não"

Emmanuel não aconselha evocar diretamente
pois que não se garante que o conseguirá
kardec explica que ninguém garante o fenômeno mediúnico
louco seria quem assim o prometesse
pois que os espíritos não trabalham para nós
não são nossos serviçais
e não podemos nos envolver com estas ações
de aprisionar espíritos para favorecer o nosso mister

Portanto Emmanuel acerta na prudência solicitada
e sabemos que nestas ações
Há muitos inconvenientes para tal sucesso que se fosse enumerar
listaríamos várias páginas

Quanto a questão do Chico e o tal do telefonema
que toca de lá para cá
é uma questão de cuidado pessoal
de experiência na lida que exercia
que estava envolvido
um conselho de experiência própria

Chico era assediado...
Digo !
imensamente assediado
Todos a ele acorriam
desesperados de toda ordem
curiosos de tantas outras ordens
simpatizantes
amigos
inimigos

Chico era possuidor de
Uma credibilidade que ultrapassava
as fronteiras da crença
as fronteiras de sistemas religiosos
as fronteiras dos receios...dos medos

Ir ao encontro do Chico era portanto a esperança que se brilhava

Logo em acordo com os dizeres de Emmanuel seu Mentor
Chico não poderia ser um evocador direto
como se expressa a própria solicitação de Emmanuel

Chico não poderia jamais prometer e nem garantir
seria expor os próprios necessitados ao ridículo...
a uma fé cega
sem mensura
pois que a própria Doutrina ensina que nenhum médium é capaz de tal feito,
de nenhuma promessa, de nenhuma garantia

Informação esta devidamente equilibrada
com a liberdade e os desejos dos desencarnados
além de suas ocupações
e concordante com os ensinos espíritas

Com tal prudência
Entre médium e mentor
destaca-se tal obra monumental

Valeu!

Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Silvio Matos em 22 de Julho de 2015, 22:54
Para análise:

 Disse Allan Kardec ...

Em “O Livro dos Médiuns:
“Considero errados aqueles que acham que não devemos evocar os Espíritos e sim somente esperar que eles se apresentem espontaneamente” (nº 269)

– “Quando se quer comunicar com um determinado Espírito é absolutamente necessário evocá-lo” (nº 270) – “O evocador deve dirigir-se ao Espirito franca e abertamente, sem subterfúgios e rodeios inúteis” (nº 173)

“Podemos evocar todos os Espíritos, seja qual for a escala a que pertençam” (174)

– “Não há inconveniente nenhum em se evocar Espíritos maus, quando se faz a evocação com um fim sério, instrutivo e tendo em vista melhorar-se” (278)

 – “O Espírito superior atende sempre que o chamam para uma finalidade útil.  Só se recusa a responder em reuniões realizadas com pessoas pouco sérias e que tratam da evocação dos Espíritos  como um divertimento” (282)
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Silvio Matos em 22 de Julho de 2015, 23:05
Caro Moisés!

Se o próprio Juvanir, com todo seu histórico dentro do MEB, está afirmando que têm muitas coisas erradas ou equivocadas, por que não aceitar que Emmanuel e AL, também deram suas "escorregadas"?

Para fazer uma "reforma intima" dentro do próprio MEB, obrigatoriamente tem que reconhecer os erros.

Por acaso Emmanuel e AL quando psicografaram através de Chico, eram infalíveis?   ::)

Abç!

Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 23:08
Citação de: Moises de Cerq. Pereira link=topic=53078.msg379932#msg379932
[b
Concordo:[/b]

“Mas, transformamos nossas reuniões espíritas em "missazinhas" enfadonhas, com pregações inócuas, com exposições repetitivas, palavrescas, exornando vaidades pueris, e sem a presença ou a manifestação de espíritos desencarnados! A Humanidade precisa conhecer, saber e se comunicar com o mundo além túmulo, de forma contínua, clara, evolutiva, segura, aberta, livre, e cabe ao espiritismo a primazia e obrigação em desvendar os véus. Ao contrário, construímos altas e vigiadas muralhas de isolamento e assistimos a chamada (erroneamente) Casa Máter se verter hoje em casamata!


Perguntamos então: - Por que no Brasil há tanto horror à evocação dos Espíritos, a ponto de ser ela transformada num verdadeiro tabu?



Fiquei admirado por ver o quanto de pessoas acompanharam e viram este tópico
não pensei que chamaria tanta a atenção
razões esta que fico analisando e até admirado
por que razões chamam mais a atenção do que os tópicos de estudo ?

Creio que nós os MODERADORES em conjunto devemos analisar
nossa condução dos tópicos de estudos dotrinários
rs

ao analisar este depoimento do amigo já desencarnado
sou daqueles que pensam
que ele fala assim
por que fala de si mesmo
e ao mesmo tempo expõe o que colheu

Não que esteja errado
de tudo
mas que tudo também não esta certo

Temos que ser otimistas
em tudo ver o bem

Ele critica gratuitamente
Afinal ! ele
era das federações

Temos que apostar em 0,1 % das chances que temos
e apostar os 100 % do que temos

Quanto ao horror por você colocado
aqui no Brasil

Bom !
pelo visto não temos horror não
temos até atrevimento

estamos na vanguarda
aqui estão os altos indices de crença nas evocações

haja visto as macumbas nas esquinas
que tropeçamos todas as manhãs ao irmos para o trabalho

Os grupos de orações orando
para as conversões dos outros

é que estou generalizando
tdo o nosso adorável povo e suas ações

rsrs

valeu
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 23:12
Para análise:

 Disse Allan Kardec ...

Em “O Livro dos Médiuns:
“Considero errados aqueles que acham que não devemos evocar os Espíritos e sim somente esperar que eles se apresentem espontaneamente” (nº 269)

– “Quando se quer comunicar com um determinado Espírito é absolutamente necessário evocá-lo” (nº 270) – “O evocador deve dirigir-se ao Espirito franca e abertamente, sem subterfúgios e rodeios inúteis” (nº 173)

“Podemos evocar todos os Espíritos, seja qual for a escala a que pertençam” (174)

– “Não há inconveniente nenhum em se evocar Espíritos maus, quando se faz a evocação com um fim sério, instrutivo e tendo em vista melhorar-se” (278)

 – “O Espírito superior atende sempre que o chamam para uma finalidade útil.  Só se recusa a responder em reuniões realizadas com pessoas pouco sérias e que tratam da evocação dos Espíritos  como um divertimento” (282)

Silvio

E há algum critério ?
poderia me colocar ?

Aguardo
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 23:14
Caro Moisés!

Se o próprio Juvanir, com todo seu histórico dentro do MEB, está afirmando que têm muitas coisas erradas ou equivocadas, por que não aceitar que Emmanuel e AL, também deram suas "escorregadas"?

Para fazer uma "reforma intima" dentro do próprio MEB, obrigatoriamente tem que reconhecer os erros.

Por acaso Emmanuel e AL quando psicografaram através de Chico, eram infalíveis?   ::)

Abç!



Nós espíritas não estamos dentro do movimento da ICAR
e a todo momento apontamos os seus erros ( ao nosso ver)

Te pergunto
precisa estar dentro do MEB para constatar falhas ?
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 22 de Julho de 2015, 23:23
Deixo Claro aqui
que kardec

O Codificador da Doutrina dos Espíritos

Praticou a evocação direta

além de dar testemunho doutrinária
das manifestações espontâneas

e também afirmar que nem todos os espíritos poderão se manifestar
só por que o foi evocado

e

também deixou explicito que,

Se evocarmos uma montanha
ela nos responderia

!!

Ao estudarmos
temos que encarar de frente
sem receios


Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Diegas em 23 de Julho de 2015, 12:01
Citar
Perguntamos então: - Por que no Brasil há tanto horror à evocação dos Espíritos, a ponto de ser ela transformada num verdadeiro tabu?

O horror deve girar ao seu redor por que as evocações ocorrem diuturnamente, sem qualquer tabu.

Citar
A resposta está no livro “O Consolador” de Emmanuel, psicografado por Chico Xavier, lançado pela FEB em 8 de março de 1940.
Na questão nº 369 proposta por Chico, numa reunião do Grupo Espírita “Luiz Gonzaga” de Pedro Leopoldo”/MG, Emmanuel (Espírito do Padre Manuel da Nóbrega), colocando-se, acima do Codificador, respondeu: “- Não somos dos que aconselham a evocação direta e pessoal em caso algum...”.

Percebeu que toda a sua preocupação limita-se em querer criar uma guerrinha santa - não lhe sai da mente a FEB, Emmanuel sempre se colocando acima de kardec... ? Mas ficarei satisfeito caso o amigo puder transcrever todo o texto, e não parte como faz, talvez possamos, sem trucamento, compreender melhor a abrangência do pensamento de Emmanuel.


Abç
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Diegas em 23 de Julho de 2015, 12:26
Disse Allan Kardec ...

Em “O Livro dos Médiuns:
“Considero errados aqueles que acham que não devemos evocar os Espíritos e sim somente esperar que eles se apresentem espontaneamente” (nº 269)

Interessante !

Fui consultar essa questão no Livro dos Médiuns e notei que na minha tradução Kardec não se expressa de forma personalistica como a apresentada pelo amigo. Ensina que a manifestação de um Espirito pode dar-se de duas formas: espontânea ou por meio de evocação; orienta, quando for efetuada por meio da evocação (apelo direto) que tenhamos cuidado, de modo a chamar um Espirito determinado, caso contrário, corre-se um grande risco de abrir as portas para intrusos; faz também um alerta sobre as conveniências e inconveniências de cada uma das formas de manifestação espiritual.


Do Livro dos Médiuns:.


Citar
–269. Os Espíritos podem comunicar-se espontaneamente ou atender ao nosso apelo, isto é, vir mediante evocação. Algumas pessoas pensam que devem abster-se de evocar este ou aquele Espírito e que é preferível aguardar aquele que queira comunicar-se. Baseiam-se nesta opinião: de que chamando um determinado Espírito, não se tem a certeza de que seja ele quem se apresente, enquanto que, aquele que vem, espontaneamente, pela sua própria vontade, melhor prova a sua identidade, já que anuncia, assim, o desejo que possui de se entreter conosco. Na nossa opinião, aí está um erro: primeiramente, porque há sempre Espíritos em torno de nós, na maioria das vezes, de condição inferior, que nada mais querem, senão comunicar-se; a nenhum chamar, em particular, é abrir a porta para todos os que queiram entrar. Numa assembleia, não dar a palavra a ninguém, é deixá-la entregue a todo mundo e sabe-se o que daí resulta.
O apelo direto, feito a um determinado Espírito, representa um elo entre ele e nós; nós o chamamos pelo nosso desejo e opomos, assim, uma espécie de barreira aos intrusos. Sem uma chamada direta, um Espírito, muitas vezes, nenhum motivo teria para vir até nós, a não ser que seja nosso Espírito familiar. Estas duas maneiras de operar possuem, cada qual, suas vantagens e o inconveniente estaria, apenas, na exclusão absoluta de uma das duas. As comunicações espontâneas nenhum inconveniente apresentam, quando se tem o domínio sobre os Espíritos e quando se está certo de não deixar qualquer comando aos maus; então, muitas vezes, é útil esperar pela boa vontade daqueles que querem manifestar-se; porque o pensamento deles não sofre qualquer constrangimento e podem obter-se, desta maneira, coisas admiráveis; ao passo que, quem diz que o Espírito por quem chamais esteja disposto a falar ou seja capaz de fazê-lo, no sentido desejado. O exame escrupuloso que temos aconselhado é, aliás, uma garantia contra as más comunicações. Nas reuniões regulares, sobretudo naquelas em que se faz um trabalho continuado, há sempre Espíritos assíduos, que comparecem ao encontro, sem que sejam chamados, por estarem prevenidos, em razão da regularidade das sessões; tomam, muitas vezes, espontaneamente, a palavra para tratar de um assunto qualquer, desenvolver uma proposta ou prescrever o que se deva fazer, e, então, facilmente são reconhecidos, quer pela forma da linguagem, que é sempre idêntica, quer pela escrita, quer por certos hábitos, que lhes são familiares.
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Silvio Matos em 23 de Julho de 2015, 14:08
"Percebeu que toda a sua preocupação limita-se em querer criar uma guerrinha santa - não lhe sai da mente a FEB, Emmanuel sempre se colocando acima de kardec... ?

Caro Diegas,....

Menos,...menos,...tá! Você não vai conseguir me tirar do sério!  ;D

Limite-se ao debate e não em acusações pessoais.  ;)

É óbvio que Kardec também apresenta os problemas e cuidados que todos temos que ter com evocações. Fato!

Como é FATO também, que TODOS, podem pegar o telefone e fazer a ligação.
Como é FATO também, que TODOS, que fizerem a ligação, terão que arcar com os resultados.

Daí a preocupação do Juvanir com o MEB.

FATO, também que o MEB, é muito influênciado pelas obras de Emmanuel e AL, que considero espíritos bons, mas que também podem dar suas "escorregadas".  ;)

Simples assim.

Abç!
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 23 de Julho de 2015, 15:01


Como é FATO também, que TODOS, podem pegar o telefone e fazer a ligação.
Como é FATO também, que TODOS, que fizerem a ligação, terão que arcar com os resultados.



Olá Silvio

Sempre será bom nos esclarecer neste assunto que estudamos conjuntamente

O telefone seria o médium ?

!!
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Silvio Matos em 23 de Julho de 2015, 23:52
Por onde andas Mestre Raimundo?

"Infelizmente, o que era uma desculpa passou a ser tomado como uma verdade.
Se o telefone não pudesse tocar daqui para lá, os Espíritos superiores, não teriam posto o subtítulo na obra O Livro dos Médiuns, de "Manual, dos Médiuns e dos Evocadores"
O que é a evocação senão a nossa discagem mediúnica daqui para lá?
No movimento espírita, meus amigos, há uma enorme quantidade de "papagaios".
São estes os maiores inimigos de uma propagação correta dos ensinamentos Espíritas.
Escutam, não pensam, e repetem sem nem ficarem vermelhos de vergonha.
Nesses casos o Ratinho, aquele apresentador da TV brasileira tem razão, diz ele: "Falar, até papagaio fala, eu quero ver é pensar".
Abraços,

Mano Moura - Forum Espírita (Re: "O Telefone só toca de lá para cá"
« Responder #1 em: 18 de Fevereiro de 2012, 11:39 »




Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Julho de 2015, 01:11
Por onde andas Mestre Raimundo?

"Infelizmente, o que era uma desculpa passou a ser tomado como uma verdade.
Se o telefone não pudesse tocar daqui para lá, os Espíritos superiores, não teriam posto o subtítulo na obra O Livro dos Médiuns, de "Manual, dos Médiuns e dos Evocadores"
O que é a evocação senão a nossa discagem mediúnica daqui para lá?
No movimento espírita, meus amigos, há uma enorme quantidade de "papagaios".
São estes os maiores inimigos de uma propagação correta dos ensinamentos Espíritas.
Escutam, não pensam, e repetem sem nem ficarem vermelhos de vergonha.
Nesses casos o Ratinho, aquele apresentador da TV brasileira tem razão, diz ele: "Falar, até papagaio fala, eu quero ver é pensar".
Abraços,

Mano Moura - Forum Espírita (Re: "O Telefone só toca de lá para cá"
« Responder #1 em: 18 de Fevereiro de 2012, 11:39 »



Vamos lá Silvio
Gostei da sua colocação   trazendo a nós a lembrança do Moura rego (Nosso amigo)

Vou colocar algo e tentar fazer pensar dirfente
que fique claro que não tenho nada com os telefones
e muito menos com o desejo de quem quer que queira tocá-lo

parece-me que a questão é com o Sr.Chico e o Sr. Emmanuel
e não com a instrução

Vamos ver :

Empírico = Aquilo que deriva da experiência comum...Coisas que as pessoas aprendem vivendo.

Médium =Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos é, por esse fato, médium. Essa  faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, um privilégio exclusivo. Por isso mesmo, raras são as pessoas que dela não possuam alguns rudimentos.  OLM

Vamos pensar então, pela proposta do amigo Moura...para não sermos somente papagaio

Sendo de caráter espontâneo ou provocado

Supondo uma atividade mediúnica
e a presença para tal atividade tanto de um médium como de um espírito

O que garante a comunicação no caso do Chico com os meios da psicografia ?

Existe alguma força que faça alguém escrever pela mão e ou mente de uma outro desde que este mesmo coagido não queira ?

Garante o Médium que mesmo ele discando o seu telefone o efetivo da comunicação de seu objetivo?
(kardec diz assim? )

Quando sentimos a presença de espíritos...é ele que nos toca ou nós que o tocamos ?

A mediunidade só não o seria com a participação de um espírito, para que o médium seja de fato intermediário ?

Não estou tomando partido das palavras do Chico
quero apenas me certificar das suas defesas
apenas isto !

Chega de ser papagaio....ou chamado de !!

Venho pensando que ..
São  os espíritos que só se comunicam quando o podem e se conseguirem e se o quiserem
De nada adianta evocarmos, discarmos para que eles se comuniquem. Isso ocorre somente com a permissão do plano superior...
O tocar quer dizer concluir a comunicação
e mesmo que se queira...penso que não se consiga tocar daqui para lá

nas obsessões mesmo sendo proibido moralmente um espírito fazer mal a alguém
eles o fazem...desobedecendo
por que entre os civilizados seria diferente ?

O "só tocar de lá para cá" é uma instrução de humildade...Consequência de empirismo

kardec também escreveu um manual para os candidatos a psicografia no mesmo livro do manual do evocador
e aconselhou tentar por um período a psicografia desejada
e também que desistisse se nada conseguisse
e se quisesse que tentasse um outro período

Foi assim ?

Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 24 de Julho de 2015, 01:21
Digo que é comum os frequentadores de casas Espíritas solicitarem aos trabalhadores
 mediúnicos...
noticias de sues entes e ou queridos já falecidos
pois que cremos e vivemos esta realidade de comunicação

e assim , ao menos onde frequento
vivemos o cotidiano de sempre se conseguir noticias e ou contatos com
os nossos amados e as vezes não amados tanto assim
os falecidos

No meu caso
Como bem já alguém havia colocado sobre ter responsabilidade com
aquilo que se está comprometido

Eu!
Digo eu
por empirismo
Solicito permissão ao Nosso Criador...

Pois é recomendação de kardec
o Codificador do espiritismo
e ai
Uma vez Ele permitindo
eles tocam

uma vez Ele
Não permitindo
mesmo que eu dance
não tem música

belezinha ?
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: paulo cezar em 26 de Julho de 2015, 23:11
o meio espirita esta cheio de idolatria, e cedento por novidades que pessoas ainda vinculados ao catolicismo querem ouvir, deixam os livros da codificação de lado para irem atraz de fantasias, coisas miraculosas, ditas por certos espíritos pseudosabios. que é aceito cegamento só porque é psicografado por um médium famoso. e conveniente separar a pessoa das ideias, o ser humano tem o direito de fazer o que quiser, seja ele quem for, o que devemos questionar são as ideias não as pessoas. e infelizmente nossa "casa máster" tem sua responsabilidade, por exemplo até hoje conter em seus estatutos como obras básicas os quatro evangelho de roustaing. e o caracter religioso que insistem em colocar o espiritismo, é só ver a maioria das palestras que a cada colocação e baseada num ponto bíblico, parece um sermão católicos menos uma filosofia espiritualista. abç
Título: Re: A impressionante psicografia de Juvanir Borges, ex-presidente da FEB
Enviado por: Moises de Cerq. Pereira em 28 de Julho de 2015, 17:31
o meio espirita esta cheio de idolatria, e cedento por novidades que pessoas ainda vinculados ao catolicismo querem ouvir, deixam os livros da codificação de lado para irem atraz de fantasias, coisas miraculosas, ditas por certos espíritos pseudosabios. que é aceito cegamento só porque é psicografado por um médium famoso. e conveniente separar a pessoa das ideias, o ser humano tem o direito de fazer o que quiser, seja ele quem for, o que devemos questionar são as ideias não as pessoas. e infelizmente nossa "casa máster" tem sua responsabilidade, por exemplo até hoje conter em seus estatutos como obras básicas os quatro evangelho de roustaing. e o caracter religioso que insistem em colocar o espiritismo, é só ver a maioria das palestras que a cada colocação e baseada num ponto bíblico, parece um sermão católicos menos uma filosofia espiritualista. abç

Confesso que não entendi nada do que você disse
nem entendi e nem vi a necessidade

Pois como uma primeira participação
parece-me uma postura veterana

Abraços