Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: Victor Passos em 26 de Dezembro de 2009, 13:54

Título: Tempo de Amor 26-12-2009
Enviado por: Victor Passos em 26 de Dezembro de 2009, 13:54
Ola companheiros (as)  muita paz e harmonia em vosso corações


Tempo e Amor



          Qual o austero gigante que nos guia,
          Furioso e rude e, às vezes, triste e lento,
          Passa o tempo, na Terra, como o vento,
          Renovando-te a senda, cada dia.

          Não desesperes, ante o céu nevoento,
          Nem te abatas na estrada escura e fria,
          Nascerão novas flores de alegria
          Onde há charcos de angústia e sofrimento.

          O templo, o lar, a fonte, a flor e o ninho...
          Tudo o tempo transforma, de mansinho,
          Alterando em luz, penumbra e treva!

          Guarda, porém, o amor puro e esplendente,
          Que o nosso amor, agora e eternamente,
          É o tesouro que o tempo nunca leva...

Livro: Relicário de Luz
João Coutinho & Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Micheliny em 31 de Dezembro de 2009, 08:48
Que a Paz do Mestre Jesus esteja com vocês!

Ponderação

Diante do mal quantas vezes!...


Censuramos o próximo...


Desertamos do testemunho da paciência...


Criticamos sem pensar...


Abandonamos companheiros infelizes à própria sorte...


Esquecemos a solidariedade...


Fugimos ao dever de servir...


Abraçamos o azedume...


Queixamo-nos uns dos outros...


Perdemos tempo em lamentações...


Deixamos o campo das próprias obrigações...


Avinagramos o coração...


Desmandamo-nos na conduta...


Agravamos problemas...


Aumentamos o próprios débitos...


Complicamos situações...


Esquecemos a prece...


Desacreditamos a fraternidade...


E, às vezes, olvidamos até mesmo a fé viva em Deus...


Entretanto a fórmula da vitória sobre o mal ainda e sempre é aquela senha de Jesus:

AMAI-VOS UNS AOS OUTROS COMO EU VOS AMEI!!...




Bezerra de Menezes

(Do livro “Visão Nova” - Francisco Cândido Xavier)

Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 31 de Dezembro de 2009, 16:36
Ola Amiga Michelyni

Muita paz e harmonia

Amando os Inimigos

          "Eu, porém, vos digo: amai os vossos inimigos e orai pelos que vos perseguem..." - Jesus. (Mateus, 5:44).

          Sem liberdade é impossível avançar nas trilhas da evolução, mas fora do entendimento que nasce do amor, ninguém se emancipa nos caminhos da própria alma.

          Seja onde seja e seja com quem for, deixa que a simpatia e a compreensão se te irradiem do ser.

          Em qualquer parte onde palpite a vida, eis que a vida para crescer e aperfeiçoar-se roga o alimento do amor, tanto quanto pede a presença da luz.

          De muitos recebes o apoio da bondade e outros muitos aguardam de ti semelhantes auxílio.

          Da faixa dos benfeitores recolhes a bênção para transmiti-lo na direção dos que te não aceitam ou desajudam.

          Nessa diretriz, os adversários, quaisquer que eles sejam, nunca te prenderão a desespero ou ressentimento.

          Se surgem e atacam, abençoa-os com a justificativa fraterna ou com o pronto-socorro da oração. Entretanto, pensa, acima de tudo, na condição infeliz em que se colocam e compadece-te em silêncio.

          Esse, por enquanto, não consegue desalojar-se do ergástulo da opinião individual; aquele, acomoda-se no azedume sistemático; outro descambou para equívocos dos quais, por agora, não sabe se afastar; aquele outro sofre sob a hipnose da obsessão; e aquele outro ainda está doente e talvez exigirá tempo longo, a fim de recuperar-se.

          Entregarmo-nos à mágoa diante dos que perseguem e caluniam, é o mesmo que nos ajustarmos voluntariamente à onda de perturbação a que encadeiam.

          Sob o granizo da ignorância ou da incompreensão, segue trabalhando, a servir sempre.

          Observa os inimigos do bem e os agressores da renovação e, em lhes percebendo a sombra, condoer-te-ás de todos eles.

          Faze isso e sempre que te pretendam agrilhoar ao desequilíbrio, a compaixão te libertará.

Livro: Segue-me
Emmanuel & Francisco Cândido Xavier
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 09 de Janeiro de 2010, 12:24
***Bom dia amigo,Victor Passos.

Desejo-te

Desejo primeiro que ames,
E que amando, também sejas amado.
E que se não fores, sejas breve em esquecer.
E que esquecendo, não guardes mágoa.
Desejo, pois, que não sejas assim,
Mas se fores, saibas ser sem desesperar.
Desejo também que tenhas amigos,
Que mesmo maus e inconseqüentes,
Sejam corajosos e fiéis,
E que pelo menos num deles
Possas confiar sem duvidar.
E porque a vida é assim,
Desejo ainda que tenhas inimigos.
Nem muitos, nem poucos,
Mas na medida exata para que, algumas vezes,
Te interpeles a respeito
Das tuas próprias certezas.
E que, entre eles, haja pelo menos um que seja justo,
Para que não te sintas demasiado seguro.
Desejo depois que sejas útil, Mas não insubstituível.
E que nos maus momentos,
Quando não restar mais nada,
Essa utilidade seja suficiente para te manteres de pé.
Desejo ainda que sejas tolerante,
Não com os que erram pouco, porque isso é fácil,
Mas com os que erram muito e irremediavelmente,
E que fazendo bom uso dessa tolerância,
Sirvas de exemplo aos outros.
Desejo que, sendo jovem,
Não amadureças depressa demais,
E que sendo maduro, não insistas em rejuvenescer
E que sendo velho, não te dediques ao desespero.
Porque cada idade tem o seu prazer e a sua dor e
É preciso deixar que eles escorram por entre nós.
Desejo também que sejas triste,
Não o ano todo, mas apenas um dia.
Mas que nesse dia descubras
Que o riso diário é bom,
O riso habitual é insosso e o riso constante é insano.
Desejo que descubras,
Com o máximo de urgência,
Acima e a respeito de tudo, que existem oprimidos,
Injustiçados e infelizes e que estão à tua volta.
Desejo ainda que afagues um gato,
Alimentes um cuco e ouças o joão-de-barro
Erguer triunfante o seu canto matinal
Porque, assim, te sentirás bem por nada.
Desejo também que plantes uma semente,
Por mais minúscula que seja,
E acompanhes o seu crescimento,
Para que saibas de quantas
Muitas vidas é feita uma árvore.
Desejo, outrossim, que tenhas dinheiro,
Porque é preciso ser prático.
E que pelo menos uma vez por ano
Coloques um pouco dele
Na tua frente e digas «Isso é meu!»,
Só para que fique bem claro quem é o dono de quem.
Desejo também que nenhum dos teus desafetos morra,
Por ele e por ti,
Mas que se morrer, possas chorar
Sem te lamentares e sofrer sem te culpares.
Desejo por fim que, sendo homem,
Tenhas uma boa mulher,
E que sendo mulher,
Tenhas um bom homem
E que se amem hoje, amanhã e nos dias seguintes,
E quando estiverem exaustos e sorridentes,
Ainda haja amor para recomeçar.
E se tudo isso acontecer,
Não tenho mais nada a desejar-te.

(Victor Hugo)
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 09 de Janeiro de 2010, 16:21
Ola Amiga Cravo do poeta

Muita paz

Em função do Amor

Livro: Otimismo
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

          Convidado ao banquete do amor, esquece as mágoas e as ofensas, rompe o rol das queixas e dulcifica-te, deixando-te arrastar pelas sugestivas mensagens da ternura.

          Abre-te à renovação íntima e, por momentos, reflexiona em torno da realidade que te aflige, reconsiderando as posições mental e moral.

          Refaze a situação em que te encontras no lar, e recompõe a família, ofertando a fórmula do pão nutriente do amor.

          Na oficina do trabalho, medita em torno da dificuldade dos companheiros e desculpa-os, quando te firam, amando-os mais.

          Na vida social perceberás os felizes na aparência, que te desprezam sem dar-se conta, todavia possuindo o élan do amor, entenderás que eles estão doentes e tão aflitos, que se não apercebem da gravidade do mal que os mina em silêncio.

          Na comunidade religiosa a que te filias, gostarias de haurir forças; muitas vezes, porém, descobres, ali, que aqueles companheiros vivem carentes e aflitos, apresentando dramas e amarguras que te causam desencanto. Se estiveres, no entanto, afeito à mensagem do amor, supri-los-ás de alento e te reconfortarás. Eles estão cansados e sofrem da mesma solidão que tu, não sendo diferentes de ti.

          Em todo lugar, há lugar para o amor.

          Melhor que sejas tu aquele que ama, irrigando os corações com esse licor poderoso da vida.

          Ninguém anda e cresce, sem o estímulo do amor.

          Dirás que também necessitas de receber, criatura sofrida que és.

          Tens razão, sem embargo, se meditares mais, tu, que conheces Jesus, poderás esquecer de ti mesmo e oferecer, com entusiasmo, o que gostaria de receber.

          Observa por um instante:

              o a roseira apoiada no estrume transforma o adubo desprezível em perfume que esparze no ar;
              o a semente aprisionada no solo que a esmaga retribui o próprio sofrimento com o verde com que embeleza o chão, transformando-se em árvore frondosa a doar bênçãos;
              o a pedra arrancada a explosivo e trabalhada a martelo, sem queixumes desvela a estátua que lhe dormia inerme na intimidade;
              o o charco abandonado, ao receber a drenagem que o fere, veste-se de vida e se torna abençoado jardim.

          Ouve a lição sem palavras da laranjeira apedrejada, reproduzindo galhos e abrindo-se em flores que balsamizam o ar...

          Disputa a honra de amar, aceitando agora o convite que se te faz para que te transformes em vexilário do bem, amando.

          * * *

          Jesus, por amor, tudo sofreu, a tudo renunciou, experimentando rudes injunções climatéricas, políticas, sociais e humanas para conferir-nos a honra da liberdade real e plena, que somente através dEle podemos encontrar.

          Como Deus é Amor, não te esqueças, filho do Amor, que gerado pelo bem, a tua é a fatalidade do próprio amor.
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 10 de Janeiro de 2010, 23:29
***Boa noite, amigo Victor Passos.



Amar é o grande desafio.



Não há como negar ser o  amor a realidade mais pujante da vida. Irradia-se de Deus e

vitaliza o Universo, mantendo as Leis que produzem o equilíbrio.



Transcendendo definições, o  amor é vida exuberante; é a razão básica da manifestação

do ser que pensa e que sente.



Assim, o  amor deve ser causa, meio e fim para o comportamento humano feliz, que

desperta com anseios de plenitude.

 

JOANNA DE ÂNGELIS - Psicografado por Divaldo Pereira Franco
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 11 de Janeiro de 2010, 12:20
Ola muita paz Amiga Cravo do poeta

Insuperável Brandura


Marco Prisco & Divaldo P. Francor


          Quando você for defrontado por alguém violento, que o agrida verbalmente ou o ameace fisicamente, recorde-se de que ele é muito infeliz.

          Todo aquele que não recebeu amor na infância ou foi vítima de insucessos emocionais, sempre perde o endereço de si mesmo e se torna inimigo dos outros.

          Conceda-lhe a graciosa dádiva da bondade que não o torna mais desventurado. Não há quem resista a um indisfarçável gesto de benevolência.

          Surpreendido pela astúcia dos perversos, sempre hábeis na arte de infligir sofrimentos aos outros, tenha em mente que eles são também impiedosos para consigo mesmos.

          A sua desorientação provém de experiências amargas, nas quais sofreram crueldades e abandono.

          Proporcione-lhes o ensejo de despertar, dando-lhes compreensão.

          Ninguém recusa amor, mesmo que, aparentemente reaja com aspereza, o que é falta de hábito em recebê-lo.

          No pandemónio da revolta que grassa violenta em toda parte, anunciando desastres morais e conjunturas físicas dolorosas, reserve-se o direito de permanecer em paz.

          O aturdimento que procede de alguns poucos, facilmente contamina o grupo social que se perturba. O agitador, é alguém que se sentiu desrespeitado nos seus direitos de criança e, na ocasião, não soube administrar a ira nem a frustração, agora tornadas bandeiras de comportamento doentio.

          Seja amistoso para com ele, apresentando-lhe o outro lado da existência humana. O ser carente vive armado contra tudo e todos, até o momento em que se sente rociado pela presença da brandura.

          No crepitar das labaredas das acusações e calúnias contra alguém, gerando situações asfixiantes e más, continue portador de generosidade para com a vítima.

          Quem delinque, perde-se no labirinto de terríveis alucinações morais.

          Não fustigue mais o desditoso, antes aplique temperança para com ele. O solo que arde, não pode receber mais calor, e sim, água refrescante que lhe diminua e aplaque a temperatura elevada.

          Todos somos sensíveis à compreensão de alguém para connosco.

          Perseguido pela inveja ou malsinado pela insensatez daquele que não gosta de você, resguarde-se na compaixão para com ele.

          A insegurança que o leva a afligi-lo é resultado da família com a qual viveu e de quem somente recebeu lições de impiedade e malquerença.

          Ele gostaria, por certo, de ser como você, e, na impossibilidade de que se dá conta, tenta amargurá-lo.

          Ofereça-lhe o silêncio em resposta de brandura, que o alcançará inexoravelmente, alterando-lhe a atitude interior. Nada pode detê-la, e quem a recebe jamais prossegue como antes.

          Na raiz de muitos males, que afligem e desconcertam a criatura, o desamor de que foi objeto, na atual ou em anterior reencarnação, é o responsável pelo seu transtorno.

          Naturalmente, quem lhe experimenta o aguilhão impiedoso deseja libertar-se, defendendo-se e acusando, reagindo.

          Não existe, porém, defesa real quando se agride nem se conquista harmonia quando se entra em debates de violência.

          Nunca aceite as injunções do mal nem as arruaças dos desordeiros, simplesmente deixando de conceder-lhes consideração.

          Você cresce na vertical do amor, tendo por dever levantar caídos e nunca torná-los mais vulneráveis ao mal que neles reside.

          Viva com brandura e esparza-a, tornando o mundo melhor e as criaturas menos desesperadas.

          Somente quem ama e se reveste de bondade pode resistir aos conflitos e desafios perturbadores da sociedade agressiva que prefere ignorar o Bem.




Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Mensageiro da LUZ DIVINA em 11 de Janeiro de 2010, 13:38
Bom dia.


A Grandeza do Amor - Joanna de Ângelis

Nunca, antes de Jesus, o amor alcançara a qualidade de que se reveste, nem fora propagado como recurso de valor inestimável para a vida.

Na legislação de todos os povos, desde a origem da sociedade terrestre, sempre houve a preocupação de estabelecer-se códigos de respeito aos deveres aos senhores, aos líderes de quaisquer expressões sem total submissão aos poderosos.

Severa e destituída de misericórdia, impunham punições compatíveis com a gravidade do delito, e, às vezes, maiores, tornando-se cruéis, como ainda hoje infelizmente sucede em muitas nações atrasadas ou consideradas desenvolvidas, tecnologicamente avançadas...

Quando se sentindo agredido o cidadão, normalmente abandona a roupagem exterior da educação social e age com tão perverso grau de insensibilidade emocional, que repugna a razão, tornando-se verdadeiro déspota nos períodos de guerra ou de quaisquer outros conflitos, nos quais os seus interesses egoísticos se encontrem em jogo.

Os servos, os camponeses, o povo em geral, os sofredores e miseráveis sempre ficaram à margem, relegados ao abandono, longe de qualquer compaixão ou misericórdia dos dominadores.

Utilizados para os serviços mais sórdidos ou encaminhados aos crimes mais hediondos,

permaneceram desprezados por séculos sucessivos... e quase até hoje.

Desde Moisés a João, o batista,  todos os profetas e condutores do povo, dito eleito por

Deus, usavam do respeito pelo seu coetâneo e do ódio em relação àqueles que se poderiam

transformar  em possíveis adversários em ocasiões imprevisíveis...



Ocasionalmente tratavam bem ao estrangeiro, não lhe permitindo porém uma real integração na sua sociedade fechada e rica de privilégios...


O gentio era sempre mal visto pelos filhos de Deus que, nesse conceito, não é Pai das demais criaturas...


Noutros povos do Oriente, de igual maneira, os sentimentos eram equivalentes, variando entre a justiça parcial e acomodada aos deveres imediatos, quase sempre sem os correspondentes direitos de que todos devem desfrutar....                                                                 


Gregos e romanos, decantando a própria cultura, na filosofia e na ética, na estética e na moral, na arte e na política, nos jogos e nas guerras, não diferiam muitos dos orientais que, em algumas vezes, se lhes apresentavam na condição de modelos a serem seguidos em razão da sua ancianidade.


Mesmo Sócrates, alcançando o elevado patamar da sapiência, exaltou a liberdade de pensamento e de ação, a moral, os deveres para com a sociedade, para com a pátria, em relação à sobrevivência espiritual, sem maior preocupação com o amor na sua profundidade extraordinária...


Continuação...1/3
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Mensageiro da LUZ DIVINA em 11 de Janeiro de 2010, 13:47
Continuação 2/3.


Platão e Aristóteles, seu discípulo respeitável, filosofaram com sabedoria, reflexionando com nobreza, mas não se afervorando ao amor capaz de dignificar a vida e libertar o ser humano em torno das suas mais grandiosas necessidades...


Os romanos, por sua vez, fizeram-se os deuses das guerras e seus filósofos sempre exaltavam os seus feitos, embora os estóicos se transformassem em lições vivas de respeito ao sofrimento, com exceção de Sêneca, aos 65 anos, após escrever com beleza incomum obras humanas, admiráveis, suicidando-se vergonhosamente...


As culturas e as civilizações sucederam-se como camadas de areia que se acumularam sob a ação dos ventos das experiências evolutivas, sem que fosse estabelecido o primado do amor, como sendo de essencial significado para a iluminação do ser humano, os seus relacionamentos sociais, equacionando as dificuldades que davam lugar às guerras lamentáveis, orientando para o valioso recurso da solidariedade e da fraternidade, que sempre devem viger entre todos.


Israel, naqueles dias, respirava ódio, suspeitas fundadas e não justificadas, traição, aparentemente abandonado por Deus, como ocorrera no passado, durante a servidão no


Egito e na Babilônia ou nos períodos em que esteve seviciado por outros povos que lhe atravessaram as fronteiras frágeis...


Nesse clima espiritual de ódio e de opressão, nasceu Jesus, e se iniciou com Ele a era do amor, demonstrando que a sua força muda a direção moral do planeta e dos seus habitantes sem a necessidade da agressividade, do crime, da astúcia e da morte...


Erguendo-se na montanha exaltou, como jamais ocorrera antes nem volveria a acontecer outra vez, os pobres e os oprimidos, os fracos e os miseráveis, os perseguidos e os mansos, desde que se resolvessem por abraçar a justiça, o bem, o amor, nas inolvidáveis estrofes da sinfonia das bem-aventuranças.


Nessa ocasião, o amor de Deus alcançou as multidões que se sentiam desprezadas e esquecidas, e Sua voz salmodiou com esperanças e consolações através de Jesus, em favor de todos aqueles que eram tidos como rebotalhos, sendo que alguns deles sequer constavam nas anotações do Livro dos Vivos...


Não se tratava porém de um amor piegas ou exaltado, mas de um sentimento de ternura infinita e de solidariedade incessante, de forma que desaparecesse a distância que os separava dos demais cidadãos respeitáveis, dos eleitos por Deus...


Não se concentrou apenas nessa diretriz, indo mais além, conclamando ao amor pelos inimigos, malfeitores, perseguidores, dando origem a uma visão psicológica especial jamais dantes percebida.


Nesse amor aos ingratos e perversos, aos insanos pela inveja e insensatos, Jesus demonstrou a excelência do sentimento que felicita aquele que o possui, tornando-o realmente feliz, embora sendo a vítima e por isso mesmo.


O inimigo é um enfermo da alma, é alguém perdido em si mesmo, que não se respeita e, por esta razão, se detesta, incapaz de vencer a mesquinhez em que se refugia e a inferioridade moral de que se dá conta, transferindo essa desdita para outrem, aquele que lhe é melhor, que considera acima do seu patamar, comprazendo-se em malsiná-lo, infelicitá-lo, seguindo-o com fúria animal...
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Mensageiro da LUZ DIVINA em 11 de Janeiro de 2010, 13:51
Continuação 3/3.


Bem compreendido e amado, o inimigo torna-se um benfeitor daquele que lhe padece a insânia.


Primeiro, porque se faz mecanismo de resgate dos erros transatos cometidos contra a vida, que lhe pesam negativamente na economia moral-espiritual. Em segundo lugar, por saber que o adversário vigia-o, segue-o, destila vibrações deletérias na sua direção, que somente assimila se entrar em sintonia com as mesmas, revidando-as com igual sentimento.


Assim vigiado, ouve a catilinária das acusações que lhe são feitas e averigua a sua legitimidade ou não, retificando-se naquilo que mereça correção e não considerando o que seja destituído de fundamento.
Sem afligir-se com a injustiça, alegra-se por poder compreender o estágio em que o inimigo se encontra e as razões porque o persegue.


O amor aos criminosos é de alta magnitude pelo sentido de compaixão de que se faz acompanhar, refrigerando a alma que o preserva.


Teste valioso de autodescobrimento, coroa os esforços íntimos em favor da paz e da felicidade de todos, começando pelo adversário.


Ninguém antes concedeu ao amor a glória que merece, por ser a alma do Universo no pulsar do pensamento divino, senão Jesus.


Vinculando todos os seres sencientes o amor expande-se na direção de todas as coisas, mesmo as inertes, ensejando alegria de viver e razões para lutar.


Pela sua extraordinária qualidade moral, Jesus viveu-o e fez-se o Amor-não-amado, que nunca cessa de amar.


Tenta, portanto, o amor, em qualquer situação, quando falhem as outras técnicas de comportamento, e nunca mais deixarás que ele esmaeça em tua mente e no teu coração.


Joanna de Angelis

Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco,
na reunião mediúnica da noite de 12 de novembro de 2007, no Centro Espírita

Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia.
Em 15.10.2009.
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 11 de Janeiro de 2010, 22:06
***Boa noite amigo, Victor Passos.

As Asas da Libertação


          Se pretendes mergulhar nos fluidos superiores da Vida, desvendando os complexos mecanismos da existência, ora e medita.

          A prece levar-te-á ao norte seguro e a meditação fixar-te-á no centro das aspirações superiores, harmonizando-te.

          * * * *

          Se desejas permanecer em paz integral, consolidando as conquistas espirituais, renuncia e esquece todo o mal.

          A renúncia ensinar-te-á libertação das coisas e das conjunturas afligentes e o esquecimento de qualquer mal ser-te-á o pilotis para a libertação plena.

          * * * *

          Se planejas integração no bem, ampliando a visão do amor, trabalha e serve ao próximo.

          O trabalho enriquecer-te-á de valores inquestionáveis e o serviço da caridade ao próximo, proporcionar-te-á oportunidade de iluminação pessoal com doação de felicidade aos outros.

          * * * *

          Se queres a consciência tranqüila no teu processo de busca e de redenção, persevera e acompanha os que sofrem, não os deixando a sós.

          A perseverança no bem dar-te-á generosidade natural e a companhia ao lado dos infelizes far-te-á sábio pelas técnicas de amor que aprenderás a utilizar para o êxito no ministério.

          * * * *

          As duas primeiras linhas do comportamento podem ser a tua vertical de silencioso crescimento para Deus, na luta íntima, sem testemunhas, muitas vezes chorando e sofrendo, como se o solo da alma fosse rasgado para que se fixasse a trave em que te apóias e amparas.

          As duas atitudes outras são a linha horizontal da tua vivência espiritual e fraterna com as criaturas humanas do teu caminho.

          Já não é a busca em estrangulamento das paixões, mas a doação em sorrisos de alegria, distribuindo estímulos e coragem em nome do amor que reflete o Grande Amor.

          * * * *

          Uma cruz a tua vida!.

          Nela, de braços abertos, tu te encontras.

          Já não há dor, nem aflição.

          Lentamente verás transformar-se a trave horizontal em asas de luz, e, livre, ascenderás na direção do Sublime Crucificado, que a todos nos aguarda em confiança de paz.


Livro: Otimismo
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 12 de Janeiro de 2010, 09:25
Ola muita paz Cravo do Poeta

Viver o Agora


Livro: Alegria de Viver
Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

          Este é o teu momento de viver intensamente a realidade da vida.

          Desnecessário recordar que, agora, o teu momento presente é relevante para a aquisição dos bens inestimáveis para o Espírito eterno.

          Há muito desperdício de tempo, que se aplica nas considerações do passado como em torno das ansiedades do futuro.

          A tomada de consciência é um trabalho de atualidade, de valorização das horas, de realização constante.

          A vida é para ser vivida agora.

          Postergar experiências, significa prejuízo em crescimento na economia da vida.

          Antecipar ocorrências, representa precipitação de fatos que, talvez, não sucederão, conforme agora, tomam curso.

          As emoções canalizadas em relação ao passado ou ao futuro dissipam ou gastam a energia vital, que deve ser utilizada na ação do momento.

          Se vives recordando o passado ou ansiando pelo futuro, perdes a contribuição do presente, praticamente nada reservando para hoje.

          O momento atual é a vida, que resulta das atividades pretéritas e elabora o programa do porvir.

          Encoraja-te a viver hoje, sentindo cada instante e valorizando-o mediante a consciência das bênçãos que se encontram à tua disposição.

          A vida é um sublime dom de Deus.

          Desse modo, agradece a Deus, o sublime legado, que é a tua vida, por Ele concedido.

          Vive, jubilosamente, hoje, sejam quais forem as circunstâncias em que se te apresente a existência.

          Se o instante é de aflição, resigna-te, agindo corretamente, e estarás produzindo para o futuro que te chegará com paz.

          Se o momento é de gozo, recorda-te dos padecentes à tua volta e reparte alegria, ampliando o círculo de ventura.

          Quem despertou para a superior finalidade da vida, vive-a, a cada momento, vivendo-a principalmente agora.
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 12 de Janeiro de 2010, 13:34
***Bom dia querido amigo, Victor Passos.




Quem ama nada exige.


Perdoa sem traçar condições.


Sabe sacrificar-se pela felicidade alheia.


Renuncia com alegria ao que mais deseja.


Não espera reconhecimento.


Serve sem cansaço.


Apaga-se para que outros brilhem.


Silencia as aflições, ocultando as próprias lágrimas.


Retribui o mal com o bem.


É sempre o mesmo em qualquer situação.


Vive para ser útil aos semelhantes.


Agradece a cruz que leva sobre os ombros.


Fala esclarecendo e ouve compreendendo.


Crê na Verdade e procura ser justo.


Quem ama, qual o samaritano anônimo da parábola do Mestre, levanta os caídos da

estrada, balsamiza-lhes as chagas, abraça-os fraternalmente e segue adiante…



Xavier, Francisco Cândido; Baccelli, Carlos A.. Da obra: Brilhe Vossa Luz. Ditado pelo Espírito Alexandre de Jesus.


Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 12 de Janeiro de 2010, 15:15
Ola Amiga muita paz e harmonia

Auxilia Sempre



Joanna de Ângelis & Divaldo P. Franco

          Se queres ser feliz, Auxilia!!!

          Se desejas que te ouçam, Ouça!!!

          Se queres ser amado, Ame!!!

          Quando descobrires o caminho, e, ao, indicá-lo fores desacreditado; crê em ti e segue, pois algum dia vislumbrarás bem distante espontar pequenas luzes na estrada.

          Assim é a vida!!!

          Um longo caminho!!!

          Um grande aprendizado!!!

          Onde o correto, o verdadeiro por vezes começa só, mas um dia perceberá muitos a seguí-lo.

          Portanto: Não te afastes de tuas verdadeiras convicções!!!

          Não questiones se fostes ouvido, seguido ou amado!!!

          Esta estrada a ser achada é individual.

          É longa, cheia de percalços e para muitos ainda está bloqueada!!!

          Procura afastar as pedras de teu caminho e se conseguires afasta também as do teu próximo.

          Sem que ele perceba propicia-lhe um atalho.

          Deixa o caminho pronto e segue!!!

          Completa a tua Obra e Crê naqueles que te enviam Luzes.

          "Vive de tal forma, que deixes pegadas luminosas no caminho percorrido, como estrelas apontando o rumo da felicidade"
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 14 de Janeiro de 2010, 14:20
***Boa tarde amigos.
Muita luz.



Anote Hoje


Anote quanto auxílio poderá você prestar ainda hoje. Em casa, pense no valor desse ou daquele gesto de cooperação e carinho.


No relacionamento comum, faça a gentileza que alguém esteja aguardando conforme a sua palavra.



No grupo de trabalho, ouça com bondade a frase menos feliz sem passá-la adiante.


Ofereça apoio e compreensão ao colega em dificuldade.


Estimule o serviço com expressões de louvor.


Quanto puder, procure resolver problemas sem alardear seu esforço.


Em qualquer lugar, pratique a boa influência.


Desculpe faltas alheias, consciente de que você também pode errar.


Observe quanto auxílio poderá você desenvolver no trânsito, respeitando sinais.


Acrescente paz e reconforto à dadiva que fizer.


Evite gritar para não chocar a quem ouve.


Pague a sua pequena prestação de serviço à comunidade, conservando a limpeza, por onde passe.


Sobretudo, mostre simpatia e reconhecerá que o seu sorriso, em favor dos outros, é sempre uma chave de luz para que você encontre novas bênçãos de Deus.



Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Amanhece.
Ditado pelo Espírito André Luiz.
GEEM.
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 14 de Janeiro de 2010, 14:23
Ola Amiga Cravo do poeta

Muita paz



Meditação


Livro: Sublime Expiação
Victor Hugo &  Divaldo P. Franco



          A meditação oferece o ensejo superior para o desnudamento íntimo, com a resultante compreensão das ocorrências, que passam, muitas vezes, em tropel vertiginoso e infeliz. Convida ao exame de atitudes, elevando o espírito às regiões dúlcidas da Espiritualidade, onde o ser se dessedenta, se tranqüiliza, abre portas à percepção e se emociona, identificando as próprias fraquezas e descobrindo as potencialidades divinas que vem desprezando. É convite de Deus, pela inspiração angélica, interfone para conversações sem palavras... Em momentos que tais, mensageiros felizes, enviados pela sintonia automática, espontânea, do apelante mudo, acercam-se-lhe, e com poderosas energias libertam o que sofre das cordoalhas escravizadoras, ensejando-lhe aspirar psicosfera salutar, em que se desintoxica, de modo a poder, doravante, melhor discernir, e com mais segurança atuar corretamente.


 

Muita Paz
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 14 de Janeiro de 2010, 16:24
***Boa tarde amigo Victor Passos.



Suba Mais Alto



Não lhe fira a calúnia. Viva de modo que ninguém possa acreditar no caluniador.

*

Não se atrase, em face da perturbação. Siga seu caminho, atendendo aos objetivos superiores da vida, porque os perturbadores são inumeráveis.

*

Não lhe doa a acusação indébita. Você pode realizar muitos planos valiosos, em contraposição aos acusadores gratuitos.

*

Não se incomode pela desconfiança descabida. Em qualquer lugar, você pode empregar a boa consciência no serviço honesto.

*

Não desanime, em razão da crítica. Se a censura é serviço cabível a qualquer um, a realização elevada é obra de poucos.

*

Não se aborreça em virtude de pareceres desfavoráveis. Se você permanece consagrado ao bem, a aprovação da própria consciência prepondera acima de qualquer opinião por mais respeitável.

* * *

Xavier, Francisco Cândido. Da obra: Agenda Cristã.
Ditado pelo Espírito André Luiz.
Edição de Bolso. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1999.
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 15 de Janeiro de 2010, 19:56
Ola muita paz Amiga Cravo do Poeta

O Amor e a Alma

Livro: Seara do Bem
Teresa de Jesus & Divaldo P. Franco

          O amor é o adubo e a alma é a vida.

          Dessa união floresce o lírio do bem a perfumar a Humanidade.

          Jesus, o Jardineiro Divino, encarrega-se de sustentar a união entre o amor e a alma, de modo que o aroma a espraiar-se seja a luz da caridade, que esbate as trevas da ignorância e do sofrimento, modificando a paisagem aflitiva do mundo.

          Quando o amor e a alma se entrelaçam em perfeita comunhão, o domínio da esperança faz-se realidade que pacifica, impedindo que a violência gere a guerra e multiplique o extermínio de vidas.

          Somente o amor é pão nutriente para a alma, desde que todo e qualquer alimento que se não sustente no combustível divino, deteriora e intoxica, contribuindo para a desordem e a loucura.

          Por isso, a alma ama, e esse amor é fogo purificador que santifica, liberando das mazelas que deformam o caráter e impedem que a limpidez, a transparência dos sentimentos reflita a presença do Amor não amado.

          Enquanto a alma não ama, desdobra os recursos da vida sem lograr viver.

          A vida não se consubstancia sem o amor divino de Deus e como a alma é manifestação do Pai por amor, alma e amor são substâncias geradas na fonte excelsa do bem para a glória a que estão destinados a vida, que é a alma, e o amor, que representa o combustível que a sustenta.

                NOTA: por informação de Divaldo, a mensagem de Teresa de Jesus foi psicografada de forma muito especial. Quando o médium baiano visitava a cripta da insigne cristã, em 31.10.1983, Joanna de Ângelis informou que aquele nobre Espírito desejava mandar uma mensagem, sugerindo a Divaldo que se concentrasse, ali mesmo, no recinto da igreja. Considerando-se a evolução da Entidade Veneranda, esta transmitiu o seu pensamento e Joanna de Ângelis captou-o, transferindo-o ao medianeiro. Joanna de Ângelis foi assim a médium para Teresa de Jesus, como Divaldo o foi para a Instrutora, num caráter especial.

Muita Paz
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 17 de Janeiro de 2010, 17:19
***Boa tarde amigo.

Muita luz para todos.


Deixo um pps muito lindo.
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 19 de Janeiro de 2010, 20:08
Ola Muita paz
Amiga Cravo do poeta

Alguém para amar

O mundo está cheio de queixas. De pessoas que se dizem solitárias; que desejariam ser amadas. Que vivem em busca de alguém que as ame, que as compreenda.

O mundo está cheio de carências. Carências afetivas. Carências materiais.

Possivelmente, observando o panorama do mundo onde vivia foi que Madre Teresa de Calcutá, certo dia, escreveu:

Senhor, quando eu tiver fome, dai-me alguém que necessite de comida. Quando tiver sede, dai-me alguém que precise de água. Quando sentir frio, dai-me alguém que necessite de calor.

Quando tiver um aborrecimento, dai-me alguém que necessite de consolo. Quando minha cruz parecer pesada, deixai-me compartilhar a cruz do outro.

Quando me achar pobre, ponde a meu lado alguém necessitado. Quando não tiver tempo, dai-me alguém que precise de alguns dos meus minutos. Quando sofrer humilhação, dai-me ocasião para elogiar alguém.

Quando estiver desanimada, dai-me alguém para lhe dar novo ânimo.

Quando sentir necessidade da compreensão dos outros, dai-me alguém que necessite da minha. Quando sentir necessidade de que cuidem de mim, dai-me alguém que eu tenha de atender.

Quando pensar em mim mesma, voltai minha atenção para outra pessoa.

Tornai-nos dignos, Senhor, de servir nossos irmãos que vivem e morrem pobres e com fome no mundo de hoje.

Dai-lhes, através de nossas mãos, o pão de cada dia, e dai-lhes, graças ao nosso amor compassivo, a paz e a alegria.

Madre Teresa verdadeiramente conjugou o verbo amar na prática diária. Sua preocupação era em primeiro lugar com os outros.

Todos representavam para ela o próprio Cristo. Em cada corpo enfermo, desnutrido e abandonado ela via Jesus crucificado em um novo madeiro.

Amou de tal forma que estendeu a sua obra pelo mundo inteiro, abraçando homens de todas as nações e credos religiosos.

Honrada com o Prêmio Nobel da Paz, prosseguiu humilde, servindo aos seus irmãos da romagem terrestre. Tudo o que lhe importava eram os seus pobres. E os seus pobres eram os pobres do mundo inteiro.

Amou sem fronteiras e sem limites. Serviu a Jesus em plenitude. E nunca se ouviu de seus lábios uma queixa de solidão, amargura, cansaço ou desânimo.

Sua vida foi sempre um cântico de fidelidade a Deus, por meio dos compromissos com as lições deixadas por Jesus.

*   *   *

O Cristo precisa de almas dispostas e decididas que não meçam obstáculos para servi-Lo. Almas que se lancem ao trabalho, por mais exaustivo que seja, porém sempre reconfortante e luminoso, desde que possa ser útil de verdade.

Almas que não esperem nada do beneficiado, por suas mãos socorrido, a não ser a sua felicidade, sob as luzes do amigo Jesus.

Almas cujo único desejo seja o de amar intensamente, sem aguardar um único gesto de gratidão.

Almas que tenham entendido o que desejou dizer Francisco de Assis: É melhor amar do que ser amado.

Redação do Momento Espírita,com base no cap. 20 do livro Vida e mensagem, pelo Espírito
 Francisco de Paula Vítor, psicografia de Raul Teixeira, ed. Fráter e no poema de
Madre Teresa de Calcutá, intitulado Dai-me alguém para amar.
Disponível no CD Momento Espírita, v. 7, ed. Fep.
Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 20 de Janeiro de 2010, 16:16
***Boa tarde querido amigo Victor Passos.


POEMA DA PAZ

Madre Teresa de Calcutá



O dia mais belo? Hoje.

A coisa mais fácil? Equivocar-se.

O obstáculo maior? O medo.

O erro maior? Abandonar-se.




A raiz de todos os males? O egoísmo.

A distração mais bela? O trabalho.

A pior derrota? O desalento.

Os melhores professores? As crianças.





A primeira necessidade? Comunicar-se.

O que mais faz feliz? Ser útil aos demais.

O mistério maior? A morte.

O pior defeito? O mau humor.




A pessoa mais perigosa? A mentirosa.

O sentimento pior? O rancor.

O presente mais belo? O perdão.

O mais imprescindível? O lar.





A estrada mais rápida? O caminho correto.

A sensação mais grata? A paz interior.

O resguardo mais eficaz? O sorriso.

O melhor remédio? O otimismo.




A maior satisfação? O dever cumprido.

A força mais potente do mundo? A fé.

As pessoas mais necessárias? Os pais.

A coisa mais bela de todas? O amor.



Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Victor Passos em 24 de Janeiro de 2010, 12:49
Ola muita paz Amiga

Na Seara do Auxílio

Livro: Entre Irmãos de outras Terras
Emmanuel  & Francisco Cândido Xavier

          “Suportando-vos uns aos outros e perdoando-vos uns aos outros, se algum tiver queixa contra o outro; assim como o Cristo vos perdoou, assim fazei vós também.” Paulo. (Colossenses, 3:13)

          Desnecessário salientar o brilho do cérebro na cúpula da Humanidade.

          As nações vanguardeiras do progresso material efetuam prodígios nos setores de pesquisa e definição do plano terrestre.

          A universidade é um celeiro de luz para a inteligência.

          O laboratório é uma nascente de respostas seguras para milenárias indagações.

          Entretanto, na esfera do espírito, sobram discórdias e desesperos, desgosto e desilusão...

          Todos nos referimos, inquietos, às calamidades da guerra, à proliferação do vício, aos estrados do ódio ou às deturpações da cultura, conscientes dos prejuízos e desastres que nos impõem ao caminho comum.

          Assinalamos, aqui e além, lutas ideológicas, conflitos raciais, insânia e egoísmo...

          Que fazemos nós, na condição de aprendizes do Cristo, para o reequilíbrio do mundo?

          Achamo-nos convencidos de que a violência não extingue a violência. Além disso, não ignoramos que Jesus nos chamou, a fim de compreendermos e auxiliarmos, construirmos e reconstruirmos para o bem de todos.

          Pensemos nisso.

          Não alegues isolamento ou pequenez para desistir do esforço edificante que nos compete.

          Uma fonte humilde garante o oásis na terra seca, e apenas uma lâmpada acesa vence a força das trevas.

          A harmonia do todo vem da fidelidade e do serviço de cada um.

          Trabalhemos unidos pela edificação da Terra Melhor.

          Comecemos ou recomecemos a nossa tarefa, baseando a própria ação no aviso de Paulo: suportando-nos uns aos outros e perdoando-nos mutuamente.

Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 24 de Janeiro de 2010, 23:34
***Boa noite


FÉ E CULTURA
“Acolhei o que é débil na fé, não,
porém,para discutir opiniões”.


PAULO (Romanos, 14:1).


Indubitavelmente, nem sempre a fé acompanha a expansão da cultura, tanto quanto nem

sempre a cultura consegue altear-se ao nível da fé.


Um cérebro vigoroso pode elevar-se a prodígios de cálculo ou destacar-se nos mais

entranhados campos da emoção, portas adentro dos valores artísticos, sem entender

bagatela de resistência moral diante da tentação ou do sofrimento. De análogo modo, um

coração fervoroso é suscetível das mais nobres demonstrações de heroísmo perante a dor

ou da mais alta reação contra o mal, patenteando manifesta incapacidade para aceitar os

imperativos da perquirição ou dos requisitos do progresso.


A Ciência investiga.


A Religião crê.


Se não é justo que a Ciência imponha diretrizes à Religião, incompatíveis com as suas

necessidades do sentimento, não é razoável que a Religião obrigue a Ciência à adoção

normas inconciliáveis com as suas exigências do raciocínio.


Equilíbrio ser-nos-á o clima de entendimento, em todos os assuntos que se relacionem à fé

e à Cultura, ou estaremos sempre ameaçados pelo deserto da descrença ou pelo charco do

fanatismo.


Auxiliemo-nos mutuamente.


Na sementeira da fé aprendamos a ouvir com serenidade para falar com acerto.

Diz o Apóstolo Paulo: “ Acolhei o que é débil na fé, não, porém, para discutir opiniões.”

É que para chegar à cultura, filha do trabalho e da verdade, o homem é naturalmente

compelido a indagar, examinar, experimentar e teorizar, mas, para atingir a fé viva,

filha da compreensão e do amor, é forçoso servir.

E servir é fazer luz.



CEIFA DE LUZ
FRANCISCO CANDIDO XAVIER

( Pelo Espírito Emmanuel)

Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 26 de Janeiro de 2010, 16:36
***Boa tarde amigos.

Muita luz em nossos corações.


VOZ DO AMOR FRATERNO
 

Deixa que o teu coração voe, além do horizonte, nas asas da música sublime que verte do

Céu a Terra, a fim de conduzir-nos  da Terra ao Céu... Ouvem-lhe os poemas de eterna

beleza, em cuja exaltação da harmonia tudo é gloriosa ascensão.



Nesse arrebatamento às Esferas do Sem Fim, o silêncio será criação excelsa em tua alma,

a lágrima ser-te-á soberana alegria e a dor será teu cântico.



Escuta e segue na flama do pensamento que transpõe a rota dos mundos, associando tuas

preces de jubilosa esperança às cintilações das estrelas!... Não te detenhas.



Cede à cariciosa influência da melodia que te impele à distância da sombra, para que a luz

te purifique, pois a música que te eleva à emoção e te descerra à grandeza da vida

significa, entre os homens, a mensagem permanente de Deus.   
   

                                     
Emmanuel da obra “Trilha De Luz”

Título: Re: Tempo de Amor 26 / 12 / 2009
Enviado por: Cravo do Poeta em 26 de Janeiro de 2010, 17:17
***Boa tarde.


PENSAMENTO E PRECE


Depois do amor, a retidão é o caminho mais fácil para a felicidade.


A retidão, porém, é serva do pensamento.


Para que o pensamento o ajude nas suas ações, é indispensável exercita-lo na oração. A

prece é para o homem o que o telhado representa para a casa. Se a mente tem o hábito

de orar, defende-se do mal como o teto perfeito defende a casa da tormenta.


A educação cria hábitos. Os costumes resultam da elaboração desses hábitos pelo

pensamento.


SERVIR


O cristianismo se divulgou pelo mundo graças às dádivas de amor e coragem com que os

primeiros servidores suportaram o cerco das perseguições no passado.


Se você ainda não se integrou na Seara de Jesus, arrebente os elos da inutilidade em que

se detém e, parcela a parcela, em seqüência que prevaleça minuto a minuto, produza no

seu abençoado setor, setor nobre em que a sabedoria Divina o situou.



Marco Prisco (espírito) / psicografia de Divaldo Franco
Livro: Ementário Espírita