Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: macili em 02 de Maio de 2011, 23:40

Título: Olhai os Lírios
Enviado por: macili em 02 de Maio de 2011, 23:40






Queridos Amigos...

Luz e Paz em seus corações!!!






(http://3.bp.blogspot.com/-cWW-i9Z6kXs/TW6ZdzHHaII/AAAAAAAAEGs/vc9Fj_31Tzc/s400/80621354.jpg)



Olhai os Lírios

“... Considerai como crescem os lírios do campo...” – Jesus (Mateus, 6:28)



“Olhai os lírios do campo...” - exortou-nos Jesus.

A lição nos adverte contra as inquietações improdutivas, sem compelir-nos à ociosidade.

Os lírios para se evidenciarem quais se revelam não se afligem e nem ceifam, no entanto, esforçam-se com paciência, desde a germinação, no próprio desenvolvimento, abstendo-se de agitações pela conquista de reservas desnecessárias com receio do futuro, por acreditarem instintivamente nos suprimentos da vida.

Não fiam, nem tecem para se mostrarem na formosura que os caracteriza, todavia, não desdenham fazer o que podem, a fim de cooperar no enriquecimento do esforço humano.

Não se preocupam em ser gerânios ou cravos e sim aceitem-se na configuração e na essência de que se viram formados, segundo os princípios da espécie.

Não cogitam de criticar as outras plantas que lhes ocupam a vizinhança, deixando a cada uma o direito de serem elas mesmas, nas atividades que lhes dizem respeito à própria destinação.

Admitem calor e frio, vento e chuva, deles aproveitando aquilo que lhes possam doar de útil, sem se queixarem dos supostos excessos em que se exprimam.

Não indagam quanto à condição ou à posição daqueles a quem consigam prestar serviço, seja acrescentando beleza e perfume à Terra ou ornamentando festas e colaborando no interesse das criaturas em valor de mercado.

E, sobretudo, desabrocham e servem, no lugar em que foram situados pela Sabedoria Divina, através das forças da natureza, ainda mesmo quando tragam as raízes mergulhadas no pântano.

Evidentemente, nós, os espíritos humanos, não somos elementos do reino vegetal, mas podemos aprender com os lírios, serenidade e aceitação, paz e trabalho, com as responsabilidades e privilégios do discernimento e da razão que uma simples flor ainda não tem.



Emmanuel

Francisco Cândido Xavier, do livro: "Aulas da Vida"
Título: Re: Olhai os Lírios
Enviado por: Victor Passos em 03 de Maio de 2011, 11:55
Ola muita paz e harmonia
Amiga Macilli

   Que bela mensagem;


(http://2.bp.blogspot.com/_yiMXcW6NAB4/TNrnExLe0jI/AAAAAAAAAP4/Q5p6monERds/s1600/BXK9360_lirio-amarelo-por-eliomar-ribeiro800.jpg)

  O Poder da Gentileza

Livro: Alvorada Cristã
Néio Lúcio & Francisco Cândido Xavier


        Eminente professor negro, interessado em fundar uma escola num bairro pobre, onde centenas de crianças desamparadas cresciam sem o benefício das letras, foi recebido pelo prefeito da cidade que lhe disse imperativamente, depois de ouvir-lhe o plano:

        - A lei e a bondade nem sempre podem estar juntas. Organize uma casa e autorizaremos a providência.

        - Mas, doutor, não dispomos de recursos... - considerou o benfeitor dos meninos desprotegidos.

        - Que fazer?

        - De qualquer modo, cabe-nos amparar os pequenos analfabetos.

        O prefeito reparou-lhe demoradamente a figura humilde, fez um riso escarninho e acrescentou:

        - O senhor não pode intervir na administração.

        O professor, muito triste, retirou-se e passou a tarde e a noite daquele sábado, pensando, pensando...

        Domingo, muito cedo, saiu a passear, sob as grandes árvores, na direção do antigo mercado.

        Ia comentando, na oração silenciosa:

        - Meu Deus, como agir? Não receberemos um pouso para as criancinhas, Senhor?

        Absorvido na meditação, atingiu o mercado e entrou.

        O movimento era enorme.

        Muitas compras. Muita gente.

        Certa senhora, de apresentação distinta, aproximou-se dele e tomando-o por servidor vulgar, de mãos desocupadas e cabeça vazia, exclamou:

        - Meu velho, venha cá.

        O professor acompanhou-a, sem vacilar.

        À frente dum saco enorme, em que se amontoavam mais de trinta quilos de verdura, a matrona recomendou:

        - Traga-me esta encomenda.

        Colocou ele o fardo às costas e seguiu-a.

        Caminharam seguramente uns quinhentos metros e penetraram elegante vivenda, onde a senhora voltou a solicitar:

        - Tenho visitas hoje. Poderá ajudar-me no serviço geral?

        - Perfeitamente - respondeu o interpelado - dê suas ordens.

        Ela indicou pequeno pátio e determinou-lhe a preparação de meio metro de lenha para o fogão.

        Empunhando o machado, o educador, com esforço, rachou algumas toras. Findo o serviço, foi chamado para retificar a chaminé. Consertou-a com sacrifício da própria roupa. Sujo de pó escuro, da cabeça aos pés, recebeu ordem de buscar um peru assado, a distância de dois quilômetros. Pôs-se a caminho, trazendo o grande prato em pouco tempo. Logo após, atirou-se à limpeza de extenso recinto em que se efetuaria lauto almoço.

        Nas primeiras horas da tarde, sete pessoas davam entrada no fidalgo domicílio. Entre elas, relacionava-se o prefeito que anotou a presença do visitante da véspera, apresentado ao seu gabinete por autoridades respeitáveis. Reservadamente, indagou da irmã, que era a dona da casa, quanto ao novo conhecimento, conversando ambos em surdina.

        Ao fim do dia, a matrona distinta e autoritária, com visível desapontamento, veio ao servo improvisado e pediu o preço dos trabalhos.

        - Não pense nisto - respondeu com sinceridade - tive muito prazer em ser-lhe útil.

        No dia imediato, contudo, a dama da véspera procurou-o, na casa modesta em que se hospedava e, depois de rogar-lhe desculpas, anunciou-lhe a concessão de amplo edifício, destinado à escola que pretendia estabelecer. As crianças usariam o patrimônio à vontade e o prefeito autorizaria a providência com satisfação.

        Deixando transparecer nos olhos úmidos a alegria e o reconhecimento que lhe reinavam nalma, o professor agradeceu e beijou-lhe as mãos, respeitoso.

        A bondade dele vencera os impedimentos legais.

        O exemplo é mais vigoroso que a argumentação.

        A gentileza está revestida, em toda parte, de glorioso poder.

 
Título: Re: Olhai os Lírios
Enviado por: macili em 03 de Maio de 2011, 12:56
Bom dia querido Amigo Victor Passos.

A sua mensagem é enriquecedora, nos faz lembrar um dos ensinamentos do nosso querido Mestre Jesus: "é dando que se recebe".

Belo dia para você e para todos!!!


(http://4.bp.blogspot.com/_WtLKqFC3tOo/SH1mYtRaZlI/AAAAAAAAAQ8/RUPzUHkTVJI/s320/imagen2senhorfz7.gif)



Roupa Nova

Desperta e reparas que por entre as ruas da agonia
e dos becos do desespero irrompe sobre o solo a
majestosa beleza de uma flor,
e por entre o barulho ensurdecedor dos automóveis
e vozerios da discórdia e da maledicência
ouvem-se suaves notas melódicas do alegre cantar
de um pássaro, no paciente e amoroso trabalho
de construção do seu novo lar.
Observa que muito além dos seus olhos cansados
no alto das montanhas de tristezas e amarguras
a vida se desdobra sob o sol no degelo,
aos primeiros sinais da primavera.
Ergue-se e vai aos campos,
onde a dor espera por sementes de paz
olha os lírios que banham-se da chuva embalsamante
dos teus doces sonhos
e veste-se de tua roupa nova
pois o tempo prepara a nobre colheita em
que convidado à mesa estarás
no banquete na casa do Pai.


- autoria desconhecida -
Título: Re: Olhai os Lírios
Enviado por: Mourarego em 03 de Maio de 2011, 19:19
Amigos, a vida é eterna escola!
Vivam e obrem pelo Bem geral, esforcem se para verdadeiramente fazerem o Bem mesmo em resposta ao mal recebido.
A estrada que é a romagem de todos nós, não é senão repleta de percalsos, que nos chegam como as provas nas quais tenhamos de auferir o grau máximo para progredirmos.
Nossos passos, que a começo são firmes e lépidos, a meio dela se tornam trôpegos e sem firmeza.
Mas afinal, de que vale o progresso sem o trabalho?
De que vale o degrau subido por impulsão sem conhecimento?
Quantas nos são as oportunidades para que entremos por trilhas desconhecidas no desejo de andarmos mais depressa?
Assim é a escola da vida, trabalho ininterrupto, onde nossas ações recebem a justa resposta na reação que se fará presente num futuro próximo ou mais distanciado.
Seremos sempre nós, meus amados, os eternos desenhistas do nosso andar fortalecido ou dos nossos arranhões nas pedras escondidas que a estrada da vida trás.
Não lhes falo essas coisas para vos amedrontar, também não me é de instinto lhes colocar aflições inúteis para o por vir.
Falo apenas na qualidade de um irmão de todos vocês que já trilhou a mesma estrada por diversas vezes e que, nela sucumbiu em todas essas vezes.
Todavia Deus que é soberanamente Justo e Bom, passou a um Espírito afim, a instrução que pode ser o bálsamo para um pé andarilho, e suponho eu, que sendo a mim dirigida esta mensagem, que de plano me indicou muitos erros que já tenho por ter cometido, possa ela servir, também a muitos de vocês e por isso esta minha verificação que passo a todos.
Não fui, em vida, em qualquer dos seus estágios, um Espírito senão medíocre.
Nem por isso, não tenha sido bafejado pela inteligência e capacidade legada a todos os Espíritos, aprendendo a utilizá-las, é que me entendi melhor e feito isso andei com mais desassombro.
Como já lhes disse, a vida é eterna escola e se observarem bem os fatos que ela nos trás entenderão a máxima do Cristo:
"Observai os lírios dos campos, eles não fiam e nem tecem. Eu, contudo, vos afirmo que nem Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. Ora, se Deus veste assim a erva que hoje está no campo e amanhã é lançada no forno, quanto mais tratando-se de vós... Não andeis, pois, a indagar o que haveis de comer ou beber e não vos entregueis a inquietações. Porque os gentios de todo o mundo é que procuram estas coisas; mas vosso Pai sabe que necessitais delas", conforme quis Lucas explicar em sua encíclica.
Abraço-os fraternalmente.
André.

NOTA: Esta mensagem foi recebida meses atrás por este amigo de vocês e apenas hoje recebo dos CEs a confirmação da veracidade.
Como o acaso não existe é que a faço presente nesse tópico.
Abraços,
Moura
Título: Re: Olhai os Lírios
Enviado por: Victor Passos em 03 de Maio de 2011, 23:34
Ola muita paz e harmonia
Amigo Moura

  Esse Irmão está certo, todos nós sem excepção temos, que deixar de nos acomodar-nos, nas coisas futéis e viver as coisas que nos porporcionam crescimento.
 A bem da razão, do amor , da paz  do estudo da caridade e humildade.
 Avida naterra é apenas uma passagem, por isso aproveitemos todos os segundos que ela nos proporciona.

Muita paz


 Grato bom amigo pelo ensinamento

Abraço

Victor Passos
Título: Re: Olhai os Lírios
Enviado por: macili em 04 de Maio de 2011, 00:14
Boa noite queridos Amigos!!!

Amigo Mourarego

Muito rica a mensagem. Obrigada por compartilhá-la!!!

Abraços fraternos
Macili

(http://www.luzdegaia.org/circulo/luz/vida_p1.jpg)


Breve Porvir


Irmão,

Abre o teu coração para a vida.

Deixa que a felicidade do existir encha a tua alma
e terás ainda em teu caminho a doce presença da luz
a eternidade do amanhecer.

Rasga o véu que te cobres a face e revelas
a beleza do sorriso, a coragem de ser amor.

Respirar bondade, acreditar que novos frutos virão
com sabor de paz e odor de liberdade.

Nascerá em breve a estação das cores
e nada mais será como antes.

Das tuas dores brotarão flores raras,
de tuas feridas o bálsamo acalentador.

Serás um novo ser, renascerás num novo dia
em que somente o trigo permanecerá.

Não te negues a seara bendita,
pois o Cristo aqui reinará,

Experimentarás a leveza dos pássaros
e vestirás a pureza dos lírios.

Prossigas, caminhe, não te detenhas ante os obstáculos.
Vencerás.

Como o viajor cansado recebe o conforto do leito
terás a recompensa de pão e vinho.

Saciarás enfim a tua fome
beberás da fonte de água viva.

Contigo só o bem estará.

- Carlos Pereira -