Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 06 de Dezembro de 2018, 04:49

Título: Lembrando o Natal
Enviado por: dOM JORGE em 06 de Dezembro de 2018, 04:49
                                                               VIVA JESUS!




              Bom-dia! queridos irmãos.




                      Lembrando o Natal




                     
Eis que finda o ano. Dezembro chegou novamente. O carro do tempo passa muito veloz. Mais um Natal. A lembrança de Jesus vem novamente à mente dos seres encarnados. Há que fortalecer essa lembrança. O simbolismo do Natal, com o menino Jesus, precisa cativar as almas juvenis. Se desejamos um mundo melhor amanhã, a tão sonhada renovação da Terra para planeta de regeneração, Jesus e seus ensinamentos precisam entrar nos corações dos homens.

As crianças do passado aguardavam ansiosamente essa época. Era o presépio, montado em tantos lugares! Era a história de Jesus sobressaindo. Papai Noel era coadjuvante, aquele que honrava a criança, presenteando os pequeninos, para homenagear o menino Jesus. Uma época em que as famílias estavam sempre juntas.

Isso está voltando aos poucos. Redescobre-se a afetividade, o amor, a união de todos. Jesus precisa ser lembrado. Sua presença amorosa e pacificadora necessita falar aos sentimentos humanos.

Que tal os pais e avós se sentarem com as crianças para contarem histórias do menino Jesus? Do bem que Ele, após crescer, fez para toda a humanidade, convidando seus irmãos, que somos nós, ao amor e ao perdão?

Que tal menos presentes e mais presença? Estarem juntos, no amor e no bem. Partilhar momentos de carinho, de bondade, de compaixão. É disso o que a humanidade necessita.

Jerônimo Mendonça, conhecido no meio espírita como “O Gigante Deitado”, no último dia 26 de novembro, dia de sua desencarnação, já completados 29 anos, reverenciava profundamente Jesus. Os grandes espíritos que passaram pelo mundo, tendo conhecido a história de Jesus, o admiravam ou amavam. Fizeram de suas vidas um hino de amor ao bem, ao belo, ao nobre, lembrando Jesus. Assim foi também Chico Xavier. Um grande amor por Ele.

Jerônimo amava poesias e trovas. Tinha uma facilidade enorme para compor e era repentista também. Homenageando Jesus, no Natal, aqui deixamos sua poesia:

É Natal...

É natal... de polo a polo

No planeta em que resido,

Do céu estrelado ao solo

Te louvam, Jesus querido.


É Natal...quanta beleza!

Toda a Terra é primavera,

Do trono da natureza

Aos sóis, de esfera em esfera.

 

É Natal... O mundo se engalana

Na exaltação da alegria,

Do arranha-céu à choupana

Glorificam a estrebaria.

 

É Natal... Sopra o vento de mansinho

Em cantigas de ninar,

Canta feliz o passarinho

Na ternura de seu lar.

 

É Natal... O céu envolve a Terra

Nos esplendores da luz,

O homem esquece a guerra

E quem sofre agradece a cruz.

 

É Natal... Em todo o universo ressoam

Doces cânticos de louvor,

Tudo ama, esquece e perdoa

Neste teu dia, oh, Senhor!

 

É Natal... Quanta esperança

Para a pobre humanidade,

Do ancião à criança

Brilha a luz da caridade.

 

É Natal... Estou feliz e contente

E renovado, afinal!

Mestre, obrigado eternamente,

Pois me livraste do mal.

Nesta singela poesia, aqui expressamos nossa admiração pelo Mestre dos Mestres. Que o leitor amigo possa ter, entre os seus, um Natal de muita paz e de muito amor.

Neste mundo em que temporariamente estagiamos no nosso processo evolutivo, vencer a si mesmo e amar é a nossa esperança.


          Editorial- O Imortal









                                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!
Título: Re: Lembrando o Natal
Enviado por: dOM JORGE em 20 de Dezembro de 2018, 20:22
                                                              VIVA JESUS!





              Boa-noite! queridos irmãos.




                     O NATAL DO CRISTO




A Sabedoria da Vida situou o Natal de Jesus frente do Ano Novo, na memória da Humanidade, como que renovando as oportunidades do amor fraterno, diante dos nossos compromissos com o Tempo.

Projetam-se anualmente, sobre a Terra os mesmos raios excelsos da Estrela de Belém, clareando a estrada dos corações na esteira dos dias incessantes, convocando-nos a alma, em silêncio, à ascensão de todos os recursos para o bem supremo.

A recordação do Mestre desperta novas vibrações no sentimento da Cristandade.

Não mais o estábulo simples, mas nosso próprio espírito, em cujo íntimo o Senhor deseja fazer mais luz...

Santas alegrias nos procuram a alma, em todos os campos do idealismo evangélico

Natural o tom festivo das nossas manifestações de confiança renovada, entretanto, não podemos olvidar o trabalho renovador a que o Natal nos convida, cada ano, não obstante o pessimismo cristalizado de muitos companheiros, que desistiram temporariamente da comunhão fraternal.

E o ensejo de novas relações, acordando raciocínios enregelados com as notas harmoniosas do amor que o Mestre nos legou.

E a oportunidade de curar as nossas próprias fraquezas retificando atitudes menos felizes, ou de esquecer as faltas alheias para conosco, restabelecendo os elos da harmonia quebrada entre nós e os demais, em obediência à lição da desculpa espontânea, quantas vezes se fizerem necessárias.

É o passo definitivo para a descoberta de novas sementeiras de serviço edificante, através da visita aos irmãos mais sofredores do que nós mesmos e da aproximação com aqueles que se mostram inclinados à cooperação no progresso, a fim de praticarmos, mais intensivamente, o princípio do “amemo-nos uns aos outros”.

- Conforme a nossa atitude espiritual ante o Natal, assim aparece o Ano Novo à nossa vida.
- O aniversário de Jesus precede o natalício do Tempo.
- Com o Mestre, recebemos o Dia do Amor e da Concórdia.
- Com o tempo, encontramos o Dia da Fraternidade Universal.
- O primeiro renova a alegria.
- O segundo reforma a responsabilidade.

Comecemos oferecendo a Ele cinco minutos de pensamento e atividade e, a breve espaço, nosso espírito se achará convertido em altar vivo de sua infinita boa vontade para com as criaturas, nas bases da Sabedoria e do Amor.
Não nos esqueçamos.

Se Jesus não nascer e crescer, na manjedoura de nossa alma, em vão os Anos Novos se abrirão iluminados para nós.

EMMANUEL
(Do livro Fonte de Paz, Francisco Cândido Xavier)








                                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!     
Título: Re: Lembrando o Natal
Enviado por: dOM JORGE em 21 de Dezembro de 2018, 16:49
                                                              VIVA JESUS!




              Boa-tarde! queridos irmãos.




                   
Natal de Jesus



O Evangelista Lucas em seu Evangelho, capítulo 2:14, narra, e emociona-nos, os acontecimentos verificados pelos pastores na noite em que nasceu Jesus.

Escreve ele que foi uma noite deslumbrante! Pairava no ar luzes multicores e sons comoventes em que os pastores ouviram uma música celestial e divina cantada pelos Espíritos, também celestiais, que apareceram para homenagear o menino Jesus no seu nascimento. Uma das estrofes cantada dizia: “Glória a Deus nas Alturas, paz na Terra e boa vontade para com os homens”.

Nascer quer dizer iniciar, é dar começo a uma nova existência. Então perguntemos: que influência está exercendo em nós o nascimento de Jesus? Estamos nos esforçando para compreender a importância de Sua Mensagem de Amor e Luz? O seu conhecimento tem nos levado à consciência de nossas responsabilidades? Já nos conscientizamos da necessidade de colocar em prática o que aprendemos?

São cogitações necessárias, pois, sem elas, de pouca valia serão as comemorações do NATAL para grande maioria da Humanidade.

Emmanuel, o amigo espiritual de Chico Xavier, em instrutiva mensagem com o título que damos ao presente artigo, constante do livro de sua autoria intitulado Fonte Viva, ensina-nos, com a autoridade de quem conheceu Jesus durante sua estada na Terra, a qual transcrevemos como legítima homenagem ao Mestre de todos os mestres pelo seu NATAL.

Ei-la: “As legiões, junto à Manjedoura, anunciando o Grande Renovador, não apresentaram qualquer palavra de violência.

“Glória a Deus no Universo Divino. Paz na Terra. Boa vontade para com os Homens.

“O Pai Supremo, legando à nova era de segurança e tranquilidade ao mundo, não declarava o Embaixador Celeste investido de poderes para ferir ou destruir. Nem castigo ao rico avarento. Nem punição ao pobre desesperado. Nem desprezo aos fracos. Nem condenação aos pecadores. Nem hostilidade para com o fariseu orgulhoso. Nem anátema contra o gentio inconsciente. Derramava-se o Tesouro Divino, pelas mãos de Jesus, para o serviço da Boa Vontade.

“A justiça do ‘olho por olho´ e do `dente por dente´ encontrara, enfim, o Amor disposto à sublime renúncia até à cruz.

“Homens e animais, assombrados ante a luz nascente na estrebaria, assinalaram júbilo inexprimível... Daquele inolvidável momento em diante, a Terra se renovaria. O algoz seria digno de piedade. O inimigo converter-se-ia em irmão transviado. O criminoso passaria à condição de doente. Em Roma, o povo gradativamente extinguiria a matança nos circos. Em Sidon, os escravos deixariam de ter os olhos vazados pela crueldade dos Senhores. Em Jerusalém, os enfermos não mais seriam relegados ao abandono nos vales de imundície.

“Jesus trazia consigo a mensagem da verdadeira fraternidade e, revelando-a, transitou vitorioso, do berço de palha ao madeiro sanguinolento.

“Irmão, que ouves no Natal os ecos suaves do cântico milagroso dos anjos, recorda que o Mestre veio até nós para que nos amemos uns aos outros.

“Natal! Boa Nova! Boa Vontade!...

“Estendamos a simpatia para com todos e comecemos a viver realmente com Jesus, sob os esplendores de um novo dia”.

De nossa parte, felicitamos a todos os nossos amigos leitores, desejando que as bênçãos de Jesus alcancem a todos, em paz e alegria, neste NATAL.


           Édo Mariani









                                                                                                     PAZ, MUITA PAZ!