Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: Marianna em 08 de Fevereiro de 2013, 03:53

Título: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Marianna em 08 de Fevereiro de 2013, 03:53
















 
(http://2.bp.blogspot.com/-a46Z7vKTRd8/UOyAl15iRHI/AAAAAAAACzQ/Vm48bsRxTJE/s1600/mascara+de+veneza+9.jpg)


Espírita brinca Carnaval?


(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  É carnaval. Puxa!

Como demorou prá chegar! Hora de relaxar! Hora de acabar com o estresse! Hora ansiosamente aguardada para “sair do sério.”

(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Pierrôs,   
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Palhaços,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Colombinas ...

... E outras fantasias inomináveis, que muitas vezes, refletem os desejos mais íntimos e nem sempre confessáveis dos foliões, surgem do nada, guiados pelo som irresistível dos tambores e clarins, para “cair na folia.” 

(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Quanta loucura...
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Mas é carnaval e no carnaval, tudo é permitido...

Marginais, no meio da multidão que pula de forma alucinada, aproveitam-se da confusão para cometer crimes. Muitos jovens e adultos, transtornados pela música hipnotizante e frenética, caem nas armadilhas das drogas alucinantes.

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  É hora de pular, sambar e frevar, além de trocar propositais empurrões e cotoveladas. Esse é o lado da festa que podemos observar deste lado da vida. Mas há outro lado...

Pelo lado espiritual, o carnaval observado do Além, é lamentavelmente muito mais triste e perigoso.

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  Milhares de espíritos infelizes também invadem as avenidas, num triste e feio espetáculo, que transforma o carnaval em um terrível circo dos horrores de grandes e atemorizantes proporções.

A música de Caetano que diz: “Atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu”.

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  Está totalmente equivocada, pois os queridos malfeitores das trevas, os “vagabundos do mundo oculto,” vão atrás sim e se vinculam aos foliões pelos fios invisíveis das preferências que estes trazem escondidas no seu íntimo.

Dezenas, centenas, milhares de entidades vampirescas, abraçam e se desdobram em influenciar os foliões, para juntos:

(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Beberem,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Fumarem,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Se drogarem,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Se entregarem ao sexo desvairado
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  E cometerem os mais tristes desatinos.

O homem vive onde e com quem se sintoniza psiquicamente. E essa sintonia se dá pelos desejos e tendências existentes na intimidade de cada um.

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  E é graças a essa lei de afinidade, que os espíritos das trevas se vinculam aos foliões descuidados, induzindo-os a orgias deprimentes e atitudes grotescas, animalizadas, de lamentáveis conseqüências.

(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Quantos crimes acontecem nesses dias,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Quantos acidentes,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Quanta loucura...

Tramas terríveis são ardilosamente arquitetadas no além-túmulo, esperando por esses dias em que o desequilíbrio é a tônica.

—  Enquanto os foliões se envolvem com o brilho dos refletores com:

(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Plumas,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Paetês
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  E lantejoulas, nas avenidas feericamente iluminadas, ...

... Os bons espíritos vêem e lamentam pelo ambiente espiritual deprimente, triste, envolto em escuras nuvens criadas pelas vibrações mentais negativas.

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  As conseqüências cruéis desse grotesco espetáculo se fazem sentir de forma rápida e inexorável.

É dramática, a triste estatística de horrores, durante e após o carnaval. Muitos crimes acontecem depois do carnaval.

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  Mas em conseqüência dele, como nos abortos realizados, fruto de envolvimentos insensatos.

Pergunte a si mesmo:

—  Vale a pena pagar o alto preço exigido por alguns dias de loucura?
—  Vale a pena ver seu nome na estatística de horrores que acontece no carnaval?

Espero que não.

Alguns espíritas, devem estar pensando:
—  Eu brinco, mas não faço nada de errado!

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  É possível. Mas se você atravessar um pântano de lama fétida, local de doenças e outras mazelas, pode até acontecer de você não adoecer, mas que vai sujar-se, não há a menor dúvida...

Ah, e não venha com o exemplo do lírio belo e perfumado que brota nos pântanos. Ele nasce lá, mas seu perfume e beleza só são percebidos, quando estão longe daquele lugar.

(http://lh3.ggpht.com/_BJo2sJZzI3g/SeMugpAtVJI/AAAAAAAAFsc/q12AzeIjQB8/s400/flor1.png)  Para atravessar a tempestade de energia negativa que envolve o carnaval, sem ser tocado por ela, só se você for alguém espiritualmente iluminado. Mas se você for tão iluminado, com certeza não estará participando do carnaval...

Mas, quem achar que está havendo exagero, ponha a fantasia de:

(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  Bobo da vida,
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  A máscara da insensatez
(http://www.free-animations.co.uk/bullets_animated/images/bullet_162.gif)  E libere geral, mas não esqueça de na 4ª feira de cinzas ...

... Ao retornar para sua casa espírita, de convidar os inúmeros foliões desencarnados que estão em sua companhia, querendo mais, mais e mais.

Agnaldo Cardoso.




Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 08 de Fevereiro de 2013, 10:43
Interessante esse texto minha cara, para o qual gostaria de uma pequena reflexão.
A frase título do tópico usa uma expressão que considero perdida, e que o texto em si contradiz: brinca.
Tenho o conceito de que o verbo brincar nos remete aos folguedos de criança, as diversões inocentes, muitas vezes pedagógicas.
Portanto por brincar o carnaval, pode ser apenas a oportunidade de reunir amigos e cantar, dançar, festejar.
O problema, e parece ser um problema sério, é que a inferioridade moral do nosso planeta, nos conduz, e a grande midia é especialista nisso, a uma situação de sexualidade e desvario muito grande e profunda.
Essa sociedade, com o reforço da midia, estabeleceu que carnaval, e festas em geral, são regadas a muito alcool, um pouco de pó eventualmente, e cigarros, e pouca, ou nenhuma roupa.
O problema esta em "comprarmos" essa idéia e assim termos um comportamento vulgar, como é a condição que a festa tomou, nos últimos tempos.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mirina em 08 de Fevereiro de 2013, 11:25
Bom dia,

já dizem os nossos avós,  religião, futebol e gosto não se discutem!

Mas já que o assunto veio a discussão, acho que o Gustavo tem razão, brincar o carnaval pode ser uma questão de criatividade, alegria e confraternização.

Concordo que a festa há muito deixou de ser inocente, e que realmente a mídia pinta em cores muitas vezes berrantes, o alcool, o sexo e a libertinagem, mas sabemos que nem sempre o que os veiculos de comunicação divulgam confere exatamente com a realidade!

Porém a Doutrina Espirita há muito já nos adverte de que não há mérito em se esquivar, ou melhor dizendo, se guardar do mal, pois neste caso não estaríamos de fato nos colocando a prova, mas simplesmente, por medo, estamos nos escondendo, e o que nos torna melhores é podendo optar, optarmos pelo bem.

Acho que a liberdade de escolha é muito importante para o indivíduo, e se ele gosta de brincar no carnaval tem mais é que ir, e, estando em contato com os excessos, saber se manter no equilíbrio para não se contaminar.   Agora, se perceber que ficou vulnerável, é hora de trabalhar, porque a vulnerabilidade não vem do exterior, mas sim do íntimo da alma que se identifica com estes vícios, e que precisa de transformação.  Só saberemos em que direção precisamos evoluir se realmente conhecermos em que estágio estamos!!!

Eu, adoro o carnaval, as fantasias, a bateria da escola de samba, e dançar até doer o pé!  Mas nem sempre tenho oportunidade de brincar!!!

Abraços de luz,

Mirina
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 08 de Fevereiro de 2013, 11:44
Exato Mirina, acho bonitas as fantasias de carnaval, a criatividade, as brincadeiras.
Mas não sou carnavalesco, não pulo carnaval.
E concordo com você quanto ao mérito, é poder transitar nesse mundo e não se contaminar, alias por isso encarnações em um planeta de provas e expiações para buscar a evolução.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 08 de Fevereiro de 2013, 14:47
Carnaval é uma festa que se originou na Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C.. Através dessa festa os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção. Passou a ser uma comemoração adotada pela Igreja Católica em 590 d.C.. É um período de festas regidas pelo ano lunar no cristianismo da Idade Média. O período do carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou do latim "carne vale" dando origem ao termo "carnaval". Durante o período do carnaval havia uma grande concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes.

História e origem

A festa carnavalesca surgiu a partir da implantação, no século XI, da Semana Santa pela Igreja Católica, antecedida por quarenta dias de jejum, a Quaresma. Esse longo período de privações acabaria por incentivar a reunião de diversas festividades nos dias que antecediam a Quarta-feira de Cinzas, o primeiro dia da Quaresma. A palavra "carnaval" está, desse modo, relacionada com a ideia de deleite dos prazeres da carne marcado pela expressão "carnis valles", que, acabou por formar a palavra "carnaval", sendo que "carnis" em latim significa carne e "valles" significa prazeres.

Em geral, o carnaval tem a duração de três dias, os dias que antecedem a Quarta-feira de Cinzas. Em contraste com a Quaresma, tempo de penitência e privação, estes dias são chamados "gordos", em especial a terça-feira (Terça-feira gorda, também conhecida pelo nome francês Mardi Gras).[5] O termo mardi gras é sinônimo de Carnaval.


Carnaval de Veneza, Itália.
O carnaval da Antiguidade era marcado por grandes festas, onde se comia, bebia e participava de alegres celebrações e busca incessante dos prazeres. O Carnaval prolongava-se por sete dias na ruas, praças e casas da Antiga Roma, de 17 a 23 de dezembro. Todas as actividades e negócios eram suspensos neste período, os escravos ganhavam liberdade temporária para fazer o que em quisessem e as restrições morais eram relaxadas. As pessoas trocavam presentes, um rei era eleito por brincadeira e comandava o cortejo pelas ruas (Saturnalicius princeps) e as tradicionais fitas de lã que amarravam aos pés da estátua do deus Saturno eram retiradas, como se a cidade o convidasse para participar da folia.
No período do Renascimento as festas que aconteciam nos dias de carnaval incorporaram os baile de máscaras, com suas ricas fantasias e os carros alegóricos. Ao caráter de festa popular e desorganizada juntaram-se outros tipos de comemoração e progressivamente a festa foi tomando o formato atual.

FONTE Wilkipedia.

Amigos, desde priscas eras, quando ainda assistia-se ao solstício, a fasta, opriginariamente pagã, continha a exacerbação, por alguns dos atos sexias, logo nunca foi  assim "inocente".
abraços,
Moura

Em tempo: Sim, Espíritas podem brincar o Carnaval, eu não o faço, não gosto de barulho, mas levo minha filhinha e neta pois estas gostam e se divertem.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 08 de Fevereiro de 2013, 18:16
Moura meu caro, é obvio que a inocencia, ou não, esta no sentimento das pessoas e não nos eventos e locais.
E que as "segundas intenções" estão em todos os lugares.
Entretanto, se o amigo vai a uma "casa de tolerância" ( gostou dessa, é do fundo do baú rsrs ), terá um tipo de festa diferente do que se for a um clube social por exemplo.
O problema esta em que, nos dias de hoje, meu caro, quem quer ter uma diversão menos "assanhada", acaba ficando sem opção, posto que tudo parece ser "casa de tolerância".
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Ritacas em 08 de Fevereiro de 2013, 18:20
Sou Espirita e amo carnaval, procuro está muito atenta e peço sempre proteção. Orai e Vigiai sempre.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Paulo Cortez em 08 de Fevereiro de 2013, 18:32
Carnaval, não tem nada de bom por mais que queiramos vesti-lo de uma ingenuidade e pureza que de verdade não existem.
Tenha a origem que tiver, com suas mais variadas mutações pelo mundo, não serve a nenhum bem e os espíritas deviam ter isso claro em suas consciências, mas.....
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Ricardo S em 08 de Fevereiro de 2013, 18:42
Ótimo!!
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Angélica Celeri em 08 de Fevereiro de 2013, 18:51
Só de termos pensamentos maus a respeito de outras pessoas, "nos sujamos". Nem é necessário ir ao baile de carnaval pra isso!
Pular carnaval é algo que ajuda a extravasar. O mundo de hoje é tão estressante que as pessoas buscam meios para utilizar como válvulas de escape. Mas isso não significa que todos que estão lá, vão participar de orgias, tampouco que usarão drogas e álcool.
Adoro carnaval!
Entre no meio da bateria de uma escola de samba em plena atividade e perceba a energia! Somos brasileiros, crescemos ouvindo ritmos e melodias envolventes e o samba é uma delas.
Dançar, rir, brincar, se fantasiar. Levo meus filhos, eles adoram se fantasiar e ver os amiguinhos fantasiados; jogam serpentina, confete, dão gargalhadas.
Dá para peneirar do carnaval, o que é bom. O resto é totalmente dispensável.
Qualquer forma de exagero faz mal.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mirina em 08 de Fevereiro de 2013, 23:35
Bem lembrado Angélica,

o ritmo e a energia que se sente ao se aproximar de uma bateria de escola de samba!!!

O nosso cérebro libera neurotransmissores quando estamos integrados em movimentos ritmicos, isto já foi provado pela ciência.  Estudos cientificos já comprovaram que quando uma equipe executa um tarefa em conjunto obedecendo ao mesmo ritmo, consegue trabalhar com maior sinergia e produtividade.

O ritmo produzido por uma bateria de escola de samba libera serotonina em nosso cérebro, o que nos confere a sensação de felicidade e nos emancipa a alma, dai vem a sensação de felicidade que nos inunda e enche de energia! 

Agora, o que cada um faz com a própria energia é escolha pessoal, e tem relação como o grau de progresso no qual o individuo está inserido!

Abraços de luz,

Mirina
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: macili em 09 de Fevereiro de 2013, 00:38
Olá querida Amiga Marianna...
Olá a todos...

Há tempos atrás me lembro que no Carnaval nos reuníamos e fantasiados brincávamos felizes e sem maiores preocupações...
Tudo era alegria, folia, brincadeira e diversão...
Aquele tempo era bom demais...
Hoje já não podemos brincar com a mesma ingenuidade, com a mesma segurança.
Precisamos ficar muito atentos com os excessos, com os foliões, etc... 

Mas, mesmo assim, o Carnaval é sempre uma época de se festejar, de samba no pé, de fantasias, alegorias, desfiles...  envolvendo muitos em momentos de muita vibração e alegria.

A todos desejamos um Bom Carnaval!!!





(http://www.arte.poesia.nom.br/carnaval/carnaval4.jpg)




O Espírita e o Carnaval




Muitos espíritas, ingenuamente, julgam que a participação nas festas de Momo, tão do agrado dos brasileiros, não acarreta nenhum mal a nossa integridade psico-espiritual. E de fato, não haveria prejuízo maior, se todos pensassem e brincassem num clima sadio, de legitima confraternização. Infelizmente, porém, a realidade é bem diferente.


Vejamos, por exemplo, as conclusões a que chegou um grupo de psicólogos que analisou o carnaval, segundo matéria publicada já há algum tempo no Correio Brasiliense, importante jornal da Capital da República:


“(...) de cada dez casais que caem juntos na folia, sete terminam a noite brigados (cenas de ciúme, intrigas, etc.);

que, desses mesmos dez casais, posteriormente, três se transformam em adultério;

que de cada dez pessoas (homens e mulheres) no carnaval, pelo menos sete se submetem a coisas que abominam no seu dia-a-dia, como o álcool e outras drogas (...).

Concluíram que tudo isto decorre do êxtase atingido na grande festa, quando o símbolo da liberdade, da igualdade, mas também da orgia e da depravação, estimulado pelo álcool leva as pessoas a se comportarem fora de seus padrões normais (...)”.


Um detalhe importante que, provavelmente, eles não sabem, é que no plano invisível a turma do astral inferior também se prepara e vem aos magotes participar dos folguedos carnavalescos. Na psicosfera criada por mentes convulsionadas pela orgia, os espíritos das trevas encontram terreno propício para influenciar negativamente, fomentando desvios de conduta, paixões grosseiras, agressões de toda a sorte e, ainda, astuciosas ciladas.

No livro “Nas Fronteiras da Loucura”, psicografado por Divaldo Pereira Franco, são focalizados vários desses processos obsessivos, sobre pessoas imprevidentes, que pensavam apenas em se divertir no carnaval do Rio. Mostra também o infatigável trabalho dos espíritos do bem, a serviço de Jesus, procurando diminuir o índice de desvarios e de desfechos profundamente infelizes.


Só por essa amostra já dá pra ver como é difícil, para qualquer cristão, passar incólume pelos ambientes momescos. Por maior que seja a sua fé, os riscos de contrariedades e aborrecimentos são muito grandes.


 Fiquemos, portanto, com o apóstolo Paulo, que dizia... 

“tudo me é lícito, mas nem tudo me convém”. (I Cor. 6,12).




Pedro Fagundes Azevedo




Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: porronca em 09 de Fevereiro de 2013, 00:43
Olá, Boa noite,
Entendo que o carnaval, no entender da maioria, é pura liberação, em todos os sentidos. Nas escolas de samba a sensualidade é uma realidade, do mesmo jeito que nos "quatro cantos" em Olinda,  o sexo e as drogas, lícitas ou não, são um também uma constante.
Mais gente, ver ou dançar um bom frevo ou maracatu no Recife antigo ou em qualquer lugar, onde as famílias se reúnem desfilar suas tradições, onde jovens e velhos se encontram com suas famílias e desfrutam de um momento de alegria pelo simples prazer de frevar. É emocionante, maravilhoso. Mais concordo plenamente que em qualquer lugar, seja na Marquês de Sapucaí, no Recife antigo ou onde for, que o excesso e a sintonia é que comandam o ambiente. 
Por isso, muito cuidado com o que vc pensa e onde vc está.
Abraços.
Henrique Brandão.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 09 de Fevereiro de 2013, 13:33
Bem disse o amigo, "tudo parece", porém o amigoi também sabe que parecer não é ser, e que se fosse assim, não teríamos das palavras de Jesus semelhante ensino: Não vim pelos sãos mas pelos doentes".
Ora Jesus nos ensinou o mesmo que o filósofo quando este disse: Só se contamiona quem é contaminável, tal com Paulo bem antes já o havia feito.
Não é pelo fato de estar num bordéu, ou numa casa de tolerância que devo me assemelhar a quem ali está pelo sensualismo exacerbado, afinal se fosse assim já estaríamos contaminados não só por ali passarmos, mas sim por convivermos com muito mais coisas contaminadoras já que estamos em mundo de provas e expiações.
Esta a nossa lição de casa que a temos, da professora Vida, em quase todos os momentos pelos quais passemos, na carne.
abraços,
Moura

Moura meu caro, é obvio que a inocencia, ou não, esta no sentimento das pessoas e não nos eventos e locais.
E que as "segundas intenções" estão em todos os lugares.
Entretanto, se o amigo vai a uma "casa de tolerância" ( gostou dessa, é do fundo do baú rsrs ), terá um tipo de festa diferente do que se for a um clube social por exemplo.
O problema esta em que, nos dias de hoje, meu caro, quem quer ter uma diversão menos "assanhada", acaba ficando sem opção, posto que tudo parece ser "casa de tolerância".
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: luciabessa em 09 de Fevereiro de 2013, 13:43
Bom dia Macili,

Acho que tem alguma coisa errada comigo, pois nunca gostei de carnaval, não assisto nem pela TV, não consigo ver graça nisso tudo, barulho, musica alta etc...
Os festejos de final de ano assim como os jogos de futebol (copa do mundo) também não me conferem alegria, sinto muita tristeza e sem motivo.
Evito até falar sobre isso, mas hoje e aqui, encontrei coragem até para pedir orientação dos mais dedicados ao estudo da doutrina e consequentemente da condição e problemas do planeta e de seus habitantes.

Dirigi-me ao seu comentário por sentir certa afinidade com seus textos, os quais sempre que apareço por aqui, aprecio seus comentários e pontos de vista.
Muita luz e sabedoria!
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 09 de Fevereiro de 2013, 14:13
Lucinha,
também não gosto de carnaval, pelo barulho, pela bagunça pelos bebuns e tantas outras coisas, porém não tenho nada contra ele, e não faço contra ele guerra alguma, vai quem gosta e quer.
Somos naturalmente quando desavisados ainda, guindados a seguir a corrente que mais se assemelha aos nossos pensamentos e isso é um ero que deve ser evitado, Devemos antes verificar segundo oq ue a DE nos ensina, se há mesmo verdade no que pregue tal corrente, senão nos afivelamos a ela e fica mais difícil sairmos dela doque que simplesmente ficarmos.
Cuidado maninha.
Abraços,
Moura
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: luciabessa em 09 de Fevereiro de 2013, 14:38
Bom dia, Moura,

Você como sempre apresenta a luz!
Sabe, Moura, eu também não faço guerra nem critico, sei que é uma questão de gosto, de afinidade. O que fico contraiada é com a tristeza que sinto nestes períodos (eventos), por mais que me esforçe em assistir por insistencias de migos e familiares, parece que o fato de de sentir obrigada a obedecer me deprime.
Nestes períodos costumo cunsultar o médico que tenta solucionar com a administração de medicamentos que não passam de paliativos...
Obrigada,
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 09 de Fevereiro de 2013, 14:51
Lucinha, também sofro com as insistências aqui em casa afinal minha filhas e netas gostam, a esposa quer satisfazê-las e então fico entre a cruz e o rolo de pastel sabe?
Abração,
Moura
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Ignarus em 09 de Fevereiro de 2013, 15:23
Todo divertimento sadio é bom para o espírito o problema são os excessos e a entrega desregrada aos prazeres descontrolados e viciantes. Para comprovar esta assertiva basta compararmos o carnaval de 40 anos ou mais atras com o de hoje, antigamente, a contenção dos desejos inferiores dava lugar a alegria, hoje representa o desregramento sexual o uso abusivo de álcool e drogas e, principalmente, o desrespeito para com o próprio corpo e com os semelhantes. Claro que isso traz sua consequencias exigindo dor para o reequilíbrio.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 09 de Fevereiro de 2013, 15:33
Ignar, esta avaliação procede de uma visão pouco correta.
Antigamente era-se mais hipócrita, hoje a coisa etá mais as claras e a própria imprensa se incumbe de mostrar.
Sempre existiram os desregros, desde os tempos do Solstício que era uma festa pagã.
Abraços,
Moura

Em Tempo: "Carnaval é uma festa que se originou na Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C.. Através dessa festa os gregos realizavam seus cultos em agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção. Passou a ser uma comemoração adotada pela Igreja Católica em 590 d.C..[1] É um período de festas regidas pelo ano lunar no cristianismo da Idade Média. O período do carnaval era marcado pelo "adeus à carne" ou do latim "carne vale" dando origem ao termo "carnaval". "

A partir da adoção do carnaval por parte da Igreja, a festa passou a ser comemorada através de cultos oficiais, o que bania os “atos pecaminosos”. Tal modificação foi fortemente espantosa aos olhos do povo, já que fugia das reais origens da festa, como o festejo pela alegria e pelas conquistas.

"Em 1545, durante o Concílio de Trento, o carnaval voltou a ser uma festa popular. Em aproximadamente 1723, o carnaval chegou ao Brasil sob influência europeia. Ocorria através de desfiles de pessoas fantasiadas e mascaradas. Somente no século XIX que os blocos carnavalescos surgiram com carros decorados e pessoas fantasiadas de forma semelhante à de hoje." ( A História do carnaval).
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Carlos Cunha em 09 de Fevereiro de 2013, 18:03
O Espírita brinca Carnaval?

Claro que brinca! Cada um é responsável por si. Se o Espírita gosta da bagunça, das brincadeiras sadias ou não, do clima bom que existe em alguns blocos e em outros, nem tanto, cabe a cada um decidir.

Tudo vai da utilidade. De quê adianta dizer; Não vou brincar carnaval e ficar em casa "passando mal" porquê não pulou no bloco A, B ou C?

Agora uma coisa é certa. Hoje é muito mais arriscado brincar Carnaval do que a 20, 25 anos atrás.

Temos também que separar algumas situações. Vou citar três apenas;

Blocos, desfiles e bailes.

Nos Blocos existe uma descontração maior e um apelo flagrante a sensualidade, porém lá só vai quem quer, salvo as exceções como no caso do Moura, que tem o papel fundamental de Avô, senão leva uma "rolada de pastel nas idéias". Rsrsrs

Desfiles

Virou uma coisa comercial. Existe alegria e descontração? Claro, mas o marketing esta por trás e a sensualidade é exibida pelas câmeras de TV como se fosse a coisa mais normal do mundo. E agora com os requintes da super câmera lenta. Fora que por mais que alguns defendam que os desfiles geram milhares de empregos, nunca podemos esquecer que o desfile serve para lavagem de dinheiro ( algumas escolas apenas ), afinal de contas, basta pesquisar e ver só que são os "patronos".

Bailes ( em clubes fechados )

Existe alegria e descontração mas com um convite descarado a sensualidade exacerbada do tipo "transe, transe muuuuuito, mas use camisinha".

Ou seja, da para brincar sim, porém cada um sabe qual o ambiente que lhe convém ou se convém brincar se não mais sente necessidade. Digo isso pois existem pessoas que por convenções sociais acabam "brincando" carnaval, mas obrigados.

Fiquem com Deus,

Carlos.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: macili em 09 de Fevereiro de 2013, 18:55
Olá Lucia,

Somos individualidades, com gostos e afinidades diferentes...  Portanto, você não gosta e nem se sente bem com os festejos do Carnaval e de outras comemorações do genero.

Não vejo nenhum problema nisto. É o seu estilo. Você precisa apenas se aceitar e se amar mais, do jeitinho como você veio ao mundo...  Sem ficar triste com isto, pelo menos esta é a minha opinião sincera.
Tenho certeza que você curte muita coisa simples e boa e vibra, ficando por demais feliz.

Quando eu era criança...   eu não podia ficar onde havia muita aglomeração de pessoas, com músicas altas, gritaria... fosse em clubes, na avenida, em ginásios, eu passava mal e precisava escapar correndo daquele lugar para voltar a me sentir bem.  E eu ficava chateada porque queria ver as fantasias, a empolgação, mas não era possível...

Cresci, na adolescência cheguei a brincar, mas nunca me envolvi diretamente. Hoje, vejo um pouco os desfiles, mas o tempo de apresentação das escolas na avenida para mim é muito longo, assim me desanimo logo. 

Enfim, nestes dias prefiro descansar e fazer coisas mais saudáveis para o corpo e para o espírito.

Abraços fraternos,
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: EsoEstudos em 09 de Fevereiro de 2013, 19:28
Refiro-me aqui aos bailes noturnos, nos clubes.


Uma meditação bastante oportuna no âmbito do presente estudo advém da circunstância de estarmos em pleno Carnaval.

No Brasil o Carnaval, independentemente de suas origens, significados ou quaisquer ponderações catedráticas, tem sido um período em que os bailes noturnos contam com uma absurda tolerância para com drogas e toda sorte de libertinagens. Mesmo mantendo-nos à ilharga de rompantes moralistas, o fato é que faz parte do senso comum (no Brasil) algo como "no Carnaval pode".

É como se nesses dias Baco reinasse livremente e até mesmo os bons meninos pudessem extravasar seus desafogos com álcool, lança-perfume, pílulas, canabis, etc etc etc...

Existem livros que descrevem a efervescência espiritual nesses dias, mas não precisamos transcrever nem minudenciar. Apenas termos em mente que nos bailes noturnos, a portas fechadas, centenas e até milhares de pessoas se aglomeram numa intensa sintonia de insanidade, irreverência, descompromisso, irresponsabilidade, enfim, numa egrégora muito pouco saudável e que pode estimular com seus fluidos ruins, além dos foliões livremente dispostos à loucura, também eventuais desavisados que, inadvertidamente, deixam-se levar pelos fluxos mais grosseiros das sensações.

Não podemos transformar esses ambientes apenas com preces e vigilância, mas certamente podemos vibrar o melhor que pudermos e buscar envolver ao menos os nossos jovens mais próximos. Há uma chance de que, desde que tenham sido bem orientados desde cedo, dêem-se a vibrar ao menos num harmônico mais grave porém com as mesmas características do pensamento original veiculado na oração.

Por outro lado, cada qual que, tendo sido orientado, se ponha em oração e vigilância como uma conduta e postura de vida, poderá perceber que o ambiente reinante é por demais denso e prefira sair...

Haverá os que, tendo mantido o senso de vigilância e preces, nem mesmo venha a participar desses bailes...

Mesmo sendo eu avesso à religiosidade, reconheço na atitude de orar e vigiar um Ensinamento que um dia (ainda longe, lamentavelmente) fará com que a maioria das pessoas prefira evitar períodos de uma pretensa exceção aos valores cosmoéticos imorredouros.


Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Marcos W. Silva em 10 de Fevereiro de 2013, 02:38
Olá todos, boa noite.

Por 27 anos trabalhei com sonorização profissional em eventos. Devo ter trabalhado em, pelos, menos 15 carnavais. Para os que lidam com estruturas para eventos é um período de faturamento muito bom, compensando o pós-carnaval, em que este ramo sofre grande queda nos negócios.

Sou da opinião que festa não leva ninguém. Somos nós mesmos que nos deixamos levar, ... pela onda.

Não trabalho mais com este serviço, e estou achando ótimo passar meu terceiro carnaval em casa, com a família.

Desejo a todos um maravilhoso feriado. Boas festas para os que forem!

Abraços. :)
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Marcos W. Silva em 10 de Fevereiro de 2013, 02:53
Desculpem, esqueci de responder a pergunta do tópico.

Acho que o espírita não tem que ficar se achando muito diferente dos demais, senão passamos a ser criaturas bizarras, e talvez hipócritas, do tipo que não fura sinal de trânsito, mas, às escuras corrompe.

Somos iguais, enquanto criaturas, e penso que podemos sim brincar no carnaval, desde que tenhamos bom senso, critério, e devido cuidado. Levar as crianças no horário e local apropriados para elas e etc...

Não me tornei menos espírita por ter trabalhado em muitos carnavais.

Abraços.
   
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Fevereiro de 2013, 11:22
Meus carissimos, acho que a palavra chave nesse tópico é hipócrita.
Existe muita hipocrisia nessa situação, pessoas que combatem o carnaval, o que é um erro, por que o pastor não gosta ou por que a igreja condena.
De minha parte, concordo com o Moura, não gosto da balburdia e das consequencias que o desregramento de alguns acarreta, salientando que no carnaval essas questões são acentuadas, elevadas a alguma potencia.
Quanto aos que gostam e se divertem de maneira sadia, meu respeito e o desejo de uma boa festa.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 10 de Fevereiro de 2013, 11:29
Moura, respondendo seu post #13, digo que, embora ja tenha feito isso no passado, dificilmente iria hoje a uma casa de tolerância, não é meu tipo de divertimento, embora respeite quem frequente.
"Em Roma como os romanos", diz um ditado, quem procura um bordeu é por que esta interessado no divertimento que o bordeu oferece.
Na paráboa de Lazaro e o rico, Jesus deixa claro que existe um abismo entre uns e outros.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 10 de Fevereiro de 2013, 15:17
Veja o que é mano Guga...Jesus diz mesmo sobreo abismo existente entre um e outro porém este abismo parabolar, é apelas iluustração  daquilo que dizemos ser o crivo da razão.
é a razão que nos faz, compreender a postura moral, que tenhamos aqui ou alhures, por isso ele disse, não vbim pelos sãos, para provgar que mesmo entre doentes (outra figura de retórica), ele não se contaminaria.
E com oele também nos exrtou, quando disse: "Podeis fazer tudo oque faço e muito mais, se tiverdes a fé do tamanho de um grão de mostarda", ele nos deu ao caminho, no nosso caso, a fé raciocinada.
abração,
Moura
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Rutneia em 10 de Fevereiro de 2013, 21:17
ola ,sou espirita ha mais ou menos 3 anos .Do carnaval eu gosto das marchinhas ,ou seja da parte sadia da brincadeira e seria hipoclesia eu dizer q nao gosto  pois tocam as musicas e parece que meus pes ja querem dançar sozinhos .Demorou pra eu fazer essa associçao carnaval  e irresponsabilidade,pq quando criança eu ia a matines com meus pais e nao via isso e hoje quando vou procuro ainda as matines pacatas na qual a intençao é so descontrair mesmo. A alguns clubes tipo thermas que colocam bandas nesses dias e a recreaçao fica ainda mais animada .Sera que estou pouco evoluida por gostar  desse carnaval tipo familia .Volto a dizer nao associo com sexo  etc
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Patt em 11 de Fevereiro de 2013, 01:17
Olá amigos,

Muito interessante esse tópico, me fez refletir inúmeras coisas...Sou espírita há pouco tempo, em torno de 3 anos, e quanto mais aprofundo meus estudos, mais me afasto de eventos como carnaval, festas em boates, enfim, eventos comuns à pessoas da minha idade; Sou carioca e desde pequena frequentava as festividades de carnaval; Não foi nada pensado, não deixei de frequentar por ter me tornado espírita, foi algo gradual e confesso que não sinto falta, vez em quando assisto o desfile das escolas de samba na televisão, acho bonita a alegria das pessoas, mas, não tenho vontade de estar lá.

Se eu sentisse vontade de frequentar, qualquer lugar que fosse, em qualquer época, eu iria, concordo com os irmãos que disseram que, não é por estar em um lugar que você se assemelhará com as energias ruins daquele lugar, em todos os lugares temos diversidades de energia. Já li e ouvi diversos relatos de espíritos do que ocorre nesta época do ano, mas, não acredito que tenha sido isto o fator decisivo de não mais brincar carnaval.


Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 11 de Fevereiro de 2013, 01:53
Eu não gosto de Carnaval e não lembro de ter gostado nem quando era criança. Tenho pavor às músicas, considero humilhante a forma como expomos nossas mulheres e não tolero gente bêbada (nada cristão, eu sei, mas não tolero mesmo e não minto). Paradoxalmente, tenho interesse em conhecer os trabalhos de bastidores, como, por exemplo, os projetos e a construção dos carros, o projeto e a confecção do figurino, a logística para coordenar aquela confusão toda com tanta precisão, etc. 

Acho que abandonar o Carnaval, bailes, boates, bebida, fumo e se voltar para uma vida mais regrada é uma consequência natural de quem começa a pensar sobre o que a doutrina espírita representa para sua vida. Não quero dizer que ela proíba esses hábitos, mas que o espírita começa a ver coisas em termos de “necessidade” e “utilidade” e acaba mesmo deixando isso de lado, pois não vê necessidade e utilidade nisso. 

Mas o espírita é antes de qualquer coisa um cidadão como outro qualquer e faz, portanto, o que quer da vida, dentro dos limites que são dados a qualquer outro cidadão. Se não vai ao baile ou desfile de Carnaval com segundas intenções e é capaz de se comportar dignamente, eu não vejo o porquê de não ir. A consciência tranquila do homem é seu passaporte para as diversas circustâncias da vida. 

Abraços,
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: new em 11 de Fevereiro de 2013, 02:40
Também penso assim Edmar.


Lembra da passagem de Jesus? Que diz que não é o que entra na boca, mas o que sai dela é que pode nos ser o motivo da queda.


Podemos adaptá-las a todas as circunstâncias.

Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 11 de Fevereiro de 2013, 14:47
Pat e Rutneia,
o Espiritismo não tem o condão afastante senão do mal.
Note que este afastamento do Mal não surge apenas pelo estudo da Doutrina mas péla modificação que aquele que a estuda, e a compreende faz nascer em si mesmo, logol tratamos de vontade interior movida pelo conhecimento doutrinário.
O Espiritismo não faz com que um conhecedor se afaste do Carnaval, faz sim que conhecendo o reto caminho este Espírita possa brincar com segurança e moralidade.
Devemos reconhecer que por vezes queremos do Espiritsmo uma ação milagreira ou mágica, mas, isso não acontece.
Se alguém gosta de carnaval, de brincar que brinque, mas dentro dos limites da moralidade e da sanidade.
Abraços,
Moura
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Marcos W. Silva em 11 de Fevereiro de 2013, 20:33
Boas palavras, Moura. A propósito, dentro dos parâmetros do bom-senso, a alegria da vida não se deve acabar a pretexto de seriedade, que por vezes, é máscara, ainda que não carnavalesca... hehe.

E quem disse que o homem sério não é... alegre?!... a seriedade seria um fardo muito pesado sem a alegria de viver.

Alegria pura que não; corrompe, não coage, não humilha, não submete, não prostitui... é preciso que se encontre alegria em brincar sem se prejudicar a si e aos outros. :)

Abraços.

Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Leandro Sertanejo em 12 de Fevereiro de 2013, 01:04
Para responder se "espírita brinca carnaval", primeiro temos que esclarecer o conceito de ser "espírita" e do que é "brincar carnaval".

A confusão destas definições geraram todos esses "sim", "não", "lógico", "talvez", "depende", etc.

Não sei a partir de que ponto uma pessoa pode se considerar espírita. Ainda estou estudando e conhecendo, e se tem uma coisa que já percebi, é que em nossa existência sempre teremos algo para estudar e conhecer, e só teremos uma noção mais ampla do que é a existência quando desencarnarmos. Em outras palavras, em algum estágio dessa caminhada eu poderia me considerar "espírita", mas mesmo assim, ainda não estaria consciente dos meus objetivos e responsabilidades. Ou poderia ainda não ter me colocado à prova de minhas imperfeições. Ou quem é espírita não precisa passar por provas?

E o "brincar carnaval", tal como escrito na mensagem de Marianna, é um dos tipos de festa que ocorrem neste período e levam o nome. Assim como qualquer reunião entre amigos, festas para crianças se divertirem fantasiadas, almoços e jantares em família que aproveitam o feriado para se reunir, ou mesmo carnavais nas igrejas, templos e retiros diversos. Cada um com suas características, restrições, limites, etc.

O que tiro de conclusão, outros já falaram: vai da consciência de cada um, do que é seu estágio evolutivo, do que praticar nessas festas, e de que tipo de festa está chamando de carnaval.

Porém, eu deixo aqui um relato pessoal resumido, na esperança de contribuir positivamente para os pensamentos de quem ler:

Eu estou passando pela fase mais difícil da minha vida (até agora). Estou perdendo minha família, desestruturei um lar, e não vejo como minimizar o sofrimento que causei para minha esposa amada e filho, pois só vejo replicado no meu filho o meu passado de um filho criado sem pai, e na vida de minha esposa, uma mãe triste, solitária e desenganada da vida. Propensos a propagar essa sina para o futuro, replicando e replicando erros que eu poderia ter cessado.

Tudo aconteceu por não me conter, ao longo dos anos, quanto à pornografia e sexo. Esse vício, que cresceu em mim por eu mesmo permitir, foi ficando cada vez mais grave sem que eu percebesse, até culminar no estágio atual (só assim perante sofrimento evidente e futuro incerto, é que me dei conta que estava totalmente equivocado durante a maior parte de minha vida).

E o que isso tem a ver com carnaval? Bem, este é meu caso, e agora que busco tratar o problema, refletindo causas e consequências, passado e presente, vejo que grande parte da evolução deste vício veio de carnaval e festas similares. De fato, ao começar a frequentar tais festas quando mais jovem (essas como na mensagem da Marianna mesmo), me deparei com um frenesi contagiante onde tudo é acessível e fácil. Me lembro de ser adolescente e ver na tv uma transmissão de carnaval da Band, em Salvador, onde a repórter entrevistava as pessoas com uma só pergunta: "quantos já pegou?". E eu pensando: "Um dia eu tenho que ir lá também. To ficando para trás". Quando tive a chance (mas não em Salvador), tratava-se de uma competição, onde o objetivo era buscar o máximo de mulheres, não esquecendo de me mostrar para os amigos que sou o garanhão, de onde ganhava ainda mais incentivos.
O problema é que quando me deparei com esta facilidade de satisfazer prazeres da carne (conveniente o nome da festa) e meu egoísmo, durante tais festejos, e perante baixa (ou nenhuma) força de vontade para mudar e falta de conhecimento total sobre minhas responsabilidades aqui na terra, meu corpo e alma se acostumaram com isso, e desenvolvi, cada vez mais, o costume de olhar para mulheres como objeto. E isso foi crescendo cada vez mais, mesmo namorando, casando, vivendo e tendo filho com a mulher que amo durante 12 anos. Muitos erros cometidos nesse percurso, por parte de mim ainda estar contagiado com algo que cresceu e se desenvolveu, em grande parcela, por me esbaldar em festas carnavalescas.
Resumindo. Hoje, olhando para o passado, vejo que foi errado frequentar tais festas e absorver tais costumes como um "estilo de vida". Mas se perguntasse na época, diria que estava tranquilo e tudo bem, pois é só carnaval! Vale tudo e é só uma vez no ano (Já pensando em ser uma única vez. Contínua, e durante o ano todo).

 
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mirina em 12 de Fevereiro de 2013, 01:54
oi Leandro,

bem corajoso seu depoimento!
O que posso lhe dizer amigo....se tantas vezes estive do lado de lá, da esposa, e tantas outras vezes tive que me reinventar, perdoar, entender....

Mas se não fosse o carnaval, outras oportunidades o levariam ao mesmo resultado, pois o que impera em cada individuo é o que existe em sua natureza interior....
O sofrimento só nos serve se, como voce bem o demonstra, somos capazes de nos debruçar sobre ele e perceber onde erramos, e munidos de fé em nós mesmos e muita vontade, sermos capazes de modificar o que nos faz sofrer....

Infelizmente focamos nossa energia em objetivos nem sempre nobres, e a lei de causa e efeito é implacável, recebemos de volta sempre o que colocamos no universo.  Mas amigo, tenho vinte e seis anos de casada e posso lhe afirmar com absoluta certeza, o fim nunca é o fim se somos capazes de nos transformar!

Que este momento de dor que agora você atravessa, seja num futuro bem próximo um momento de luz, onde  o Divino obra o milagre da transformação pelo arrependimento.

Abraços de luz,

Mirina
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: hcancela em 12 de Fevereiro de 2013, 09:24
Olá amigos(as)

Falando no conceito geral, porque de facto há muito boa festa de Carnaval em todo lado desde que se queira procurar. ;)


O " Espirita" se é que se pode chamar assim, brinca de tudo e com todos, desde que a dita brincadeira lhe traga alegria e paz, e, isto não é com certeza conivente a exageros de toda a ordem.

Brincar ao Carnaval é bom sim, desde que seja de cariz social e popular, de coisas simples, mascaras naturais,etc.;Do tipo quando eu era bem menino, onde a risada despertava sentimentos de amizade de uns pelos os outros, porque a dita brincadeira vinha da bisnaga de água, com máscaras feitas de papel em que tudo começava e acabava no mesmo dia, com a certeza que amizade durava todo ano.

Hoje com desfiles por todo lado(mesmo aqui em PT) que se diz de cariz popular, mas que o povo no geral não tem acesso porque tem de pagar por vezes valores que fogem há sua bolsa, muitas delas privadas que se diz move a economia, mas que mais uma vez o povo não tem acesso pelo atrás referido, em que mais extravagante for , mais se pede porque Carnaval é assim mesmo(folia), com orçamentos que extravasam o meu entendimento em que mais uma vez só poucos têm acesso a não ser pela TV e muita desta, só por Cabo ( A pagar), desfiles em que tudo vale para vencer, etc. Neste aspecto Espirita brinca para quê?


Saudações fraternas
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Paulo Cortez em 12 de Fevereiro de 2013, 19:14
Essa contemporização de espíritas com o carnaval, não é única, existem outras várias.
As justificativas e explicações são, naturalmente superficiais, tais como:
Não me contamino.....gosto do lado bom....já fiz isso, não faço mais.....são hipócritas as críticas ao carnaval....todo mundo precisa se divertir....não podemos parecer criaturas bizarras....; e por aí vai.......
Acho que escreveu muito bem, quem disse se entristecer nesses períodos ou em contato com essas festas (incluindo aí o futebol).
Para mim essas ocasiões demonstram nosso atraso e infelizmente são mantidas como tradição.
Ainda pior, é a falta de percepção de como, sutilmente, o carnaval do passado, nos trouxe aos dias de hoje, pois os excessos de hoje, são fruto da aparente inocência e pureza de ontem.

Alguns argumentos escritos aqui, confundem e misturam o sagrado com o mundano, portanto digamos:

Nem Jesus,
Nem Paulo,
Nem Kardec,
Nem Leon Denis,
Nem Chico Xavier,
Nem Divaldo,
Nem Bezerra de Menezes, seriam flagrados nesses ambientes, a não ser em trabalho de resgate das almas desequilibradas e doentes, pois as alegrias verdadeiras não dependem destes equívocos coletivos e públicos.

Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mirina em 12 de Fevereiro de 2013, 19:50
Olá Paulo,

acredito que o que estejas a sugerir é que quem ainda se compraz nas brincadeiras de carnaval, está ainda num estágio de evolução muito primitivo.  E os que se entristecem nestas e em outras festas de cunho pagão certamente se encontram em estágios mais evoluidos, incluindo nestes à você mesmo, se entendi corretamente sua argumentação!

Creio que podemos até entender desta forma, visto que o apego aos prazeres da carne sempre indicarão um estágio mais primitivo do ser.  Mas, a DE já não nos alertou que aqui neste plano existem um sem numero de seres nos mais diversos estagios evolutivos a conviverem simultâneamente?  Por outro lado o Mestre também já não nos advertiu de que devemos ser mansos e jamais escandalizar nosso próximo por causa de nossa crença?

Então qual é de fato seu objetivo ao recriminar àqueles que se sentem felizes em brincar o carnaval?  convencê-los a negar sua própria natureza e, como adeptos do espiritismo, evitarem   de se perderem? Acha mesmo que o trabalho nesta encarnação se resume em se "guardar" dos perigos, ou, como eu, acredita que ao nos defrontarmos com situações de riscos é que poderemos realmente conhecer nossa natureza intima e melhorá-la incansavelmente?

O que te move Paulo, o medo ou a vontade?

Abraços,

Mirina
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Tathi_G em 12 de Fevereiro de 2013, 20:35
Acho estranha essa pergunta: "Espírita Brinca Carnaval?"

Por que não poderia, apenas por ser espírita?

Excessos podem ser (e infelizmente são) cometidos em qualquer época do ano. Sim, o espírita sabe melhor do que ninguém dos problemas que o abuso dos prazeres pode trazer. Mas ainda assim, nada impede que um espírita vá pular carnaval, se ele quiser e estiver ciente das consequências dos seus atos.

Eu, pessoalmente, não sou muito fã de aglomerados humanos, por isso tenho certo receio em relação ao carnaval. E este meu receio foi reforçado com uma cena curiosa que vi na TV: um trio elétrico. Um monte de gente pulando atrás do trio, até aí tudo bem. E esse monte de gente começou a se socar, aparentemente sem nenhum motivo. Chegou a polícia, interrompeu. E o ciclo começou de novo em outro ponto. Queria entender o raciocínio de quem chama isso de diversão. Mas, que posso fazer se há quem goste?

Acho que o pior de tudo é o valor exagerado que dão para o curtir o carnaval, para a busca do prazer a qualquer custo. O depoimento do Leandro comprova isso. Vivemos ouvindo sempre que precisamos "curtir" muito sempre para sermos felizes.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Paulo Cortez em 12 de Fevereiro de 2013, 21:04
Olá Paulo,

acredito que o que estejas a sugerir é que quem ainda se compraz nas brincadeiras de carnaval, está ainda num estágio de evolução muito primitivo.  E os que se entristecem nestas e em outras festas de cunho pagão certamente se encontram em estágios mais evoluidos, incluindo nestes à você mesmo, se entendi corretamente sua argumentação!

Creio que podemos até entender desta forma, visto que o apego aos prazeres da carne sempre indicarão um estágio mais primitivo do ser.  Mas, a DE já não nos alertou que aqui neste plano existem um sem numero de seres nos mais diversos estagios evolutivos a conviverem simultâneamente?  Por outro lado o Mestre também já não nos advertiu de que devemos ser mansos e jamais escandalizar nosso próximo por causa de nossa crença?

Então qual é de fato seu objetivo ao recriminar àqueles que se sentem felizes em brincar o carnaval?  convencê-los a negar sua própria natureza e, como adeptos do espiritismo, evitarem   de se perderem? Acha mesmo que o trabalho nesta encarnação se resume em se "guardar" dos perigos, ou, como eu, acredita que ao nos defrontarmos com situações de riscos é que poderemos realmente conhecer nossa natureza intima e melhorá-la incansavelmente?

O que te move Paulo, o medo ou a vontade?

Abraços,

Mirina


É melhor a objetividade do que a ironia......

Não me excluí das imperfeições próprias do planeta, porque senão não estaria aqui, não é verdade?
"Para mim essas ocasiões demonstram nosso atraso e infelizmente são mantidas como tradição".

"Reconhece-se o verdadeiro espírita pela sua transformação moral e pelos esforços que emprega para domar suas inclinações más."
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Zé Ninguém em 12 de Fevereiro de 2013, 22:13
Essa contemporização de espíritas com o carnaval, não é única, existem outras várias.
As justificativas e explicações são, naturalmente superficiais, tais como:
Não me contamino.....gosto do lado bom....já fiz isso, não faço mais.....são hipócritas as críticas ao carnaval....todo mundo precisa se divertir....não podemos parecer criaturas bizarras....; e por aí vai.......
Acho que escreveu muito bem, quem disse se entristecer nesses períodos ou em contato com essas festas (incluindo aí o futebol).
Para mim essas ocasiões demonstram nosso atraso e infelizmente são mantidas como tradição.
Ainda pior, é a falta de percepção de como, sutilmente, o carnaval do passado, nos trouxe aos dias de hoje, pois os excessos de hoje, são fruto da aparente inocência e pureza de ontem.

Alguns argumentos escritos aqui, confundem e misturam o sagrado com o mundano, portanto digamos:

Nem Jesus,
Nem Paulo,
Nem Kardec,
Nem Leon Denis,
Nem Chico Xavier,
Nem Divaldo,
Nem Bezerra de Menezes, seriam flagrados nesses ambientes, a não ser em trabalho de resgate das almas desequilibradas e doentes, pois as alegrias verdadeiras não dependem destes equívocos coletivos e públicos.

Concordo com cada linha que escreveu. Essa contemporização que você muito bem colocou, não é só em relação a carnaval, mas a muitos hábitos humanos.
Sim nós não somos perfeitos, mas isso não é desculpa para nos acomodar em nossa imperfeição senão há pouca chance de sairmos daqui muito melhor do que chegamos. A reencarnação tem por objetivo a burilação, a evolução, nos tornar menos imperfeitos e não reforçar a nossa imperfeição.

abraços
Susana



Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 12 de Fevereiro de 2013, 23:54
Pat e Rutneia,
o Espiritismo não tem o condão afastante senão do mal.
Note que este afastamento do Mal não surge apenas pelo estudo da Doutrina mas péla modificação que aquele que a estuda, e a compreende faz nascer em si mesmo, logol tratamos de vontade interior movida pelo conhecimento doutrinário.
O Espiritismo não faz com que um conhecedor se afaste do Carnaval, faz sim que conhecendo o reto caminho este Espírita possa brincar com segurança e moralidade.
Devemos reconhecer que por vezes queremos do Espiritsmo uma ação milagreira ou mágica, mas, isso não acontece.
Se alguém gosta de carnaval, de brincar que brinque, mas dentro dos limites da moralidade e da sanidade.
Abraços,
Moura
Moura meu caro, faço minhas as suas palavras.
Não vejo problema no carnaval, ou qualquer outra festa. O probema esta na maneita com que as pessoas as aproveitam.
Sou descendente de alemães, adoro uma cervejinha, ou chopp, mas vivo muito bem sem eles, principalmente quando isso pode acarretar algum problema a terceiros.
Seu post, para mim, explica muito bem uma coisa que considero fundamental e que se resume em uma unica palavra: RESPONSABILIDADE.
A DE nos mostra, de forma absolutamente clara, que somos responsáveis por nossos atos, sempre, durante tida a aternidade.
Por isso conseguimos pesar melhor as consequencias dos nossos atos, e evitar com mais tranquilidade, aquilo que nos faça mal.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 13 de Fevereiro de 2013, 00:33
O Homem no mundo

(...)
A virtude não consiste em se assumir um aspecto severo e triste, em repelir os prazeres que vossas condições humanas permitem; basta atribuir todos os atos da vossa vida ao Criador que vos deu a vida; é suficiente, quando se começa ou se acaba uma obra, elevar o pensamento até o Criador e pedir-lhe, num impulso da alma, a sua proteção para triunfar, ou a sua bênção para a obra terminada. Que tudo aquilo que realizardes seja atribuído à fonte de todas as coisas; que nada seja feito sem que a lembrança de Deus venha purificar e santificar os vossos atos.
(...)
Não imagineis, consequentemente, que para viver em comunicação constante conosco, para viver sob as vistas do Senhor, seja preciso entregar-se ao martírio e se cobrir de cinzas; não, não, ainda uma vez vos dizemos. Sede felizes segundo as necessidades da humanidade, mas que em vossa felicidade não entre jamais nem um pensamento, nem um ato que possa ofender, ou fazer entristecer a face daqueles que vos amam e dirigem. Deus é amor, e abençoa aqueles que amam santamente. (Um espírito protetor. Bordeaux, 1863.) [KARDEC. O evangelho segundo o espiritismo

Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: fcfigueiredo em 13 de Fevereiro de 2013, 11:52
Espírita brinca Carnaval?


  É carnaval. Puxa!
Como demorou prá chegar! Hora de relaxar! Hora de acabar com o estresse! Hora ansiosamente aguardada para “sair do sério.”
   Pierrôs,   
   Palhaços,
   Colombinas ...
... E outras fantasias inomináveis, que muitas vezes, refletem os desejos mais íntimos e nem sempre confessáveis dos foliões, surgem do nada, guiados pelo som irresistível dos tambores e clarins, para “cair na folia.” 
   Quanta loucura...
   Mas é carnaval e no carnaval, tudo é permitido...
Marginais, no meio da multidão que pula de forma alucinada, aproveitam-se da confusão para cometer crimes. Muitos jovens e adultos, transtornados pela música hipnotizante e frenética, caem nas armadilhas das drogas alucinantes.
  É hora de pular, sambar e frevar, além de trocar propositais empurrões e cotoveladas. Esse é o lado da festa que podemos observar deste lado da vida. Mas há outro lado...
Pelo lado espiritual, o carnaval observado do Além, é lamentavelmente muito mais triste e perigoso.
  Milhares de espíritos infelizes também invadem as avenidas, num triste e feio espetáculo, que transforma o carnaval em um terrível circo dos horrores de grandes e atemorizantes proporções.
A música de Caetano que diz: “Atrás do trio elétrico, só não vai quem já morreu”.
 Está totalmente equivocada, pois os queridos malfeitores das trevas, os “vagabundos do mundo oculto,” vão atrás sim e se vinculam aos foliões pelos fios invisíveis das preferências que estes trazem escondidas no seu íntimo.
Dezenas, centenas, milhares de entidades vampirescas, abraçam e se desdobram em influenciar os foliões, para juntos:
   Beberem,
   Fumarem,
   Se drogarem,
   Se entregarem ao sexo desvairado
   E cometerem os mais tristes desatinos.
O homem vive onde e com quem se sintoniza psiquicamente. E essa sintonia se dá pelos desejos e tendências existentes na intimidade de cada um.
...continua.
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: fcfigueiredo em 13 de Fevereiro de 2013, 12:00
O texto fala por sí e não é mera opinião, pois está embasado na DE e cada um que assuma suas responsabilidades.
Como dizia o apóstolo Paulo pode me ser lícito mas precisamos que, matriculados nessa escola de almas, indaguemo-nos a nós mesmo da conveniência de continuarmos dando uma no cravo e outra na ferradura, ou seja nos convém, mantermos o pé na lama de nossas paixões???!!!???
fcfigueiredo
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 13 de Fevereiro de 2013, 14:28
Entidades vampirescas.... a codificação não fala nelas aliás nem avaliza tais formas.
quer dizer, passamos uma informação errada e dizendo que está conforme diz a codificação. Este sim o engano.
Devemos crescer sim, como Espíritas e como estudantes das obras ditas codificadas, pois que nestas está a dourtina.
abraços,
Moura
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: nação de Aruanda em 20 de Fevereiro de 2013, 13:56
ouvi numa palestra dita por uma destas estrelas do espiritismo, que somos espíritos infriores encarnado num corpo físico pagando espiação, somos escorias espirtuais, e pela nossa faixa vibratória só podemos ver e contactar espíritos que esteja nesta faixa, ou seja, espíritos interiores, discordei, e vejo que este texto dar razão ao palestrante, e confirma como verdade (dele) o que foi exposto na palestra. Enxergar numa festa popular como o carnaval somente a ação de espíritos inferiores, e tranferir para esta manifestação popular todos os ares e estatos de um  “UMBRAL”, é concordar com o palestrante em todos os sentidos, é admitir que somos escorias e que só enxergamos o que é inferior. Participei do carnaval desde os 8 anos de idade como folião, e a partir dos 17, como parte da festa, montando bloco, carros alegóricos, mestre de bateria e membro de diretoria de clube carnavalesco, graças a isto hoje, aos 60 sou cenógrafo, e posso dizer com certeza que o motivo principal destas organizações é trazer alegria, posso afirmar também que nem todos os participantes está na inferioridade e muito menos na superioridade, e que esta pessoas conseguem atravessar toda a festa sem se envolver com bebidas, drogas,e outras mazelas, e eles nem são iluminados! Dados estatístico da festa nos mostra que o consumo de água mineral, refrigerante e isotônicos foi superior ao de cerveja. Enquanto ao “O bobo da vida e aqueles que vestem a mascara da incensatez “ vem dos crítico e preconceituosos, levado pelo fanatismo, emitem juízo de direito sem conhecer e nunca ter participado de nada dentro do evento em questão, o objetivo da organização dos produtores do carnaval é a alegria, a diversão unida num só objetivo: estravazar energia. Se boa ou ruim, vai depender de quem participa, esta é uma festa feita por seres humanos, com mais de 2 milhoes de participantes, (Salvador-Ba) achar que todos estão ascessorados por espíritos inferiores, é desmerecer os bons espíritos e entender que eles nos deixa a toa quando entramos na festa. Vale lembrar que os romances citados, são casos isolados, e são romances, estórias, que não condiz  com a realidade da festa, que pela quantidade de participantes exige a ação de cada um conforme a educação e a sua natureza, cada um dá o que tem, cabe ao outro aceitar ou não.
Muita paz
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: Mourarego em 20 de Fevereiro de 2013, 14:33
falando pra qualquer um entender e bem:
A coisa dos folguedos de carnaval, em que se leve em conta a ação dos Espíritos Bons ou Ruins, é da mesma tônica que atinge a certos foliões:
Uns gotam mais de saírem na banda de Ipanema, outros querem sair em todas as bandas, blocos e escolas, masno final, só vai quem quer, que aliás é nome de um bloco de carnaval...
Se existe a ação dos maus Espíritos a dominar a joão, existe a ação dos bons sobrepujando aos maus, Agindo com os Nelsons, as Marias, ou as tantas pessoas que não vão nas águas de qualquer Espírito.
Abraços,
Moura
Título: Re: Espírita Brinca Carnaval?
Enviado por: pati em 20 de Fevereiro de 2013, 17:53
olá para todos!!!
gostando de ler as colocações daqui...
''adoro'' carnaval!! estar espírita não me impede de ser alegre. hoje, sem força física para participar. (coisas da idade...) já gostava antes de acompanhar estudos da doutrina dos espíritos e, independente de datas festivas, é bom procurar boas sintonias, sempre. ( festas como o natal, por exemplo, também se transformam em carnaval, por aqueles que assim querem.)
 o que esperar de uma festa de origem grega, regada com molhos de uma religião pautada no domínio e no poder, na hipocrisia, ouso dizer? somado a isto, vemos os excessos aflorados. mas... estes excessos acontecem no dia-a-dia. os ''foliões '' mal intencionados convivem conosco, sem cessar. as vibrações, intenções, sintonias de cada um de nós é que regem o que fazemos, assim penso. a humanidade está em 'desfile' numa gigantesca 'avenida', com tropeços e acertos que vem ''em ondas como o mar', hora 'atravessando o samba', hora em perfeita harmonia. progresso e evolução...

só pra ilustrar: ''brinquei '' o carnaval nas ruas vazias de uma cidade grande, no estado do paraná, acompanhada do marido e duas sobrinhas jovens. assistimos a subida de mais de mil figuras sinistras: pessoas fantasiadas de ''zumbis''. ''sangue, carnes caindo'', roupas esfarrapadas, rostos caprichosamente pintados de horror e tudo o mais. fiquei imaginando nos desencarnados que ali, também, passavam. ( em reuniões mediúnicas, bem sabemos,  irmãos se apresentam assim, não é mesmo? mas tudo foi feito na mais silenciosa paz. às vzs um ou outro se manifestava, com gritos de filmes ''roliudianos''. assistimos a grotesca procissão com espanto, mas aceitando a diversão do outro. por vzs um ou outro pedia pra tirar fotos. enfim, gente como a gente. no tempo em que lá estivemos, nada de mal aconteceu. vimos crianças, famílias inteiras neste cortejo, sorrindo e, simplesmente, caminhando.
claro que ficamos um tempo ''X''. rssr não pretendia ver no que iria dar, pois quem promove a festa gosta dos excessos na bebida.

é isto: penso que posso estar no mundo, sem ser dele...

abraços e estejamos em deus