Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: macili em 22 de Agosto de 2015, 23:47

Título: Decência, respeito e fé
Enviado por: macili em 22 de Agosto de 2015, 23:47
(https://vivimarevic.files.wordpress.com/2012/04/d2cc0646f.png)




Decência, respeito e fé



(https://vivimarevic.files.wordpress.com/2012/04/barra013.gif)



Os homens terrenos são ainda prisioneiros de inúmeras ilusões. Suas prioridades sempre estiveram concentradas no mundo físico, nos valores da matéria, e há muito pouco tempo decidiram enfrentar cientificamente a questão do autoconhecimento, apesar de suas raízes longínquas estarem plantadas nas antigas religiões e filosofias. No frontispício do Templo de Apolo, na ilha grega de Delfos, podia ser lida a seguinte inscrição: Homem, conhece-te a ti mesmo. Jesus, por sua vez, há mais de dois milênios, nos convida a descobrir quem somos, quando nos ensina a fazer ao próximo aquilo que gostaríamos que nos fosse feito. Mas, dezenas de séculos depois, a mentalidade humana predominante ainda é a dos seres, imediatistas, que em nada se assemelham ao perfil dos homens lúcidos e magnânimos que poderíamos ser, caso viéssemos a avançar definitivamente na estrada do autoconhecimento. E isso inclui, obviamente, a descoberta da dualidade do ser, ou seja, da interação corpo-espírito. A nossa veia animal continua superando, e muito, nossas tendências para realizações de ordem superior. Não conseguimos aceitar diferenças raciais, culturais e religiosas, sem que se estabeleça de pronto um clima de animosidade e divisão. Chegamos ao ódio em nome do pueril orgulho nacional com espantosa rapidez, incorrendo facilmente em atos de violência e de guerra, o que ocorre também no terreno da religião, da política e do esporte. Para curarem seus complexos de inferioridade, gerados pela máquina publicitária consumista, os homens lutam para impor a personalidade aos outros, fazê-los seus admiradores, ou colocá-los debaixo dos seus pés. Estão sempre competindo na tentativa insaciável de provar a si mesmos que são especiais ou melhores que os demais. Sentem-se sempre prejudicados nas suas ambições, e só querem saber de justiça quando seja para defender seus próprios interesses. Não podem compreender que essa ânsia de competir com os outros é fruto de um sistema social errôneo, que se reflete em cada cidadão, transformando-o em um novo e perigoso foco reprodutivo dos mesmos e perniciosos equívocos com os quais se contaminou. Vivemos numa ordem mundial que amarga a endemia do desrespeito aos direitos do homem e da Terra; que idolatra o dinheiro e o poder; que subjuga a igualdade natural a títulos inventados e cálculos frios de uma mentalidade voraz que em tudo vê possibilidades de egoístico deleite. É aí que nos tornamos hipócritas, mentirosos e vis, porque deixamos de estar a serviço de nossa própria natureza, e sim das necessidades artificiais em que passamos a acreditar. Nosso fim ao longo desse processo é nos tornarmos, simultaneamente, vítimas e algozes desse moedor de carne humana que é a competição social, em detrimento de bens e valores espirituais que nos poderiam conduzir a maiores satisfações. É assim que, por ironia, nos esmagamos mutuamente, exterminando a sadia compaixão natural que deveria conduzir as nossas relações em qualquer dimensão.



(https://vivimarevic.files.wordpress.com/2012/04/barra013.gif)



Afinal, somos obrigados a aceitar a herança de iniquidades gerada no seio das sociedades? Não existirão outros caminhos? Precisamos mesmo nos submeter ao rolo compressor das mediocridades humanas para sobreviver neste mundo a qualquer custo? Devemos ficar de joelhos diante da corrupção e da mentira? Não! Se assim o fizermos, não poderemos dormir jamais o sono dos justos. Nunca estaremos em paz vivendo em contradição conosco mesmos, contrariando a voz moralizadora de nossa alma, ou tornando perversa essa inteligência que nos foi dada como meio de aperfeiçoamento de nossa natureza. Como poderemos reivindicar direitos que não queremos conceder? De que forma denunciaremos a exploração e a ganância, se sonhamos com seus frutos todos os dias? Como poderemos invocar a paz para as nações, se somos nós mesmos o braço da violência cotidiana junto aos que estão ao nosso lado? De que forma clamar contra a tirania se permanecemos tiranos em potencial?

É preciso parar e pensar. Nós não poderemos mudar a face sombria do mundo, enquanto ensinarmos aos nossos filhos que devem perseguir os mesmos valores apodrecidos e mesquinhos, pelos quais muitos bem-sucedidos desse mundo, venderiam a própria alma.

Estamos diante de uma encruzilhada fatal. Continuar nesse caminho nos levará certamente a destruições cada vez maiores. Agora, se temos que falar de decência e de respeito humano, em meio a esse caos moral no qual nos vemos mergulhados, precisamos também, imediatamente, falar de fé. Que outro poder poderia nos conduzir por entre espinhos escabrosos, a uma vida honrada e útil ao bem comum? Sem fé será impossível caminhar sob a tormenta. Sem fé não geraremos o entusiasmo necessário para vencer a nós mesmos, e não resistiremos ao choque das ondas desestabilizadoras que nascem da maldade humana, esse câncer do convívio que nós ainda não aprendemos a controlar. Precisamos depositar fé em nossos projetos e lutar por eles honradamente, confiar em Deus que nos concedeu liberdade e inteligência, sinalizando, dessa forma, com a nossa responsabilidade na construção do destino.

Se ainda nos resta alguma esperança, alimentemos com ela nossos sonhos de um mundo melhor, e sejamos fiéis aos princípios de nossa consciência. Se ainda temos amor, não nos contaminemos com a frieza daqueles que se renderam ao pessimismo. Se ainda acreditamos na paz e aspiramos por ela, façamos da paz nossa filosofia de vida, mesmo que todos se dediquem à guerra. Se ainda temos algum orgulho por nossa grandiosa natureza humana, aceitemos com humildade o compromisso de reconstruir a dignidade do mundo em que vivemos, aprofundando mais a cooperação e o respeito sem discriminar ninguém, praticando uma religião sem preconceitos, se tivermos uma. E nunca nos esqueçamos de não conceder nosso aplauso à corrupção e ao crime que, lamentavelmente, ainda fascinam e excitam a avidez materialista de muitos dos nossos irmãos.




(https://vivimarevic.files.wordpress.com/2012/04/barra013.gif)



por Ronaldo Miguez – Reformador julho/2006
Título: Re: Decência, respeito e fé
Enviado por: lconforjr em 07 de Setembro de 2015, 04:29

................

      Embora saiba que nos tópicos da amiga Macili não são publicadas (ou raramente são) nenhuma das questões que sempre proponho, apresento uma nova questão: se a decência, o respeito e a fé são necessidades nossas para que possamos evoluir,  qual é a causa que tem como efeito o fato de tantos de nós não possuirmos essas três coisas? Afinal, temos o livre-arbítrio e com ele podemos escolher ser decentes, ser respeitosos. O que é, então, que nos impede de escolher sermos possuidores de decência, de respeito, afinal, dessas três coisas que são tão benéficas para nós?

..................