Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: macili em 08 de Março de 2012, 21:19

Título: A escolha das provas
Enviado por: macili em 08 de Março de 2012, 21:19
[attachimg=1  align=center  width=450]



A escolha das provas



Estudando o problema da escolha de provações da Esfera Espiritual para o círculo das experiências humanas,imaginemos um campo de serviço terrestre em que cada trabalhador é chamado à execução de tarefa específica.

Decerto que,aí dentro,vige a liberdade na razão direta do dever bem cumprido.

O servidor que haja inutilizado deliberadamente as peças do arado que lhe requer devoção e suor gastará tempo em adquirir instrumento análogo com que possa atender à orientação que o dirige.

O lavrador invigilante que tenha permitido por desleixo a incursão de vermes destruidores na plantação que lho define o trabalho,não pode esperar a colheita nobre antes que se consagre à limpeza e preservação da leira que a administração lhe confia.

O cooperador que tenha a infelicidade de envolver-se no crime terá cerceada a sua independência de ação,de vez que será necessário circunscrever-lhe a influência em processo adequado de reajuste.

Entretanto,se o operário fiel da lavoura satisfaz agora todos os requisitos das justas obrigações a que,se vê convocado,sem dúvida,plasma,em seu próprio favor,o direito de indicar por si mesmo o novo passo de serviço na direção do futuro,com pleno assentimento da autoridade superior que lhe traça o roteiro de lutas edificantes.

Assim,pois,além do sepulcro,nem todos desfrutam de improviso a faculdade de escolher o lugar ou a situação em que deva prosseguir no esforço de evolução,porquanto,quase sempre,é imperioso o regresso às sombras da retaguarda para refazer com sofrimento e lágrimas,amargura e aflição o ensejo sublime de acesso à luz.

Se desejas,assim,a marcha vitoriosa para lá dos portais de cinza em que o túmulo se te expressa à visão,afeiçoa-te,com perseverança e lealdade,ao próprio dever,dele fazendo o teu pão espiritual,cada dia,por que para alcançar o triunfo e a elevação de amanhã é indispensável saibamos consagrar-lhes a nossa atenção desde hoje.



(http://2.bp.blogspot.com/-SaFPiOM5wGc/TccifcQ3oZI/AAAAAAAAEHU/SueaNuhxUrs/s1600/butterflies2.png)



Página recebida pelo médium Francisco Cândido Xavier
Revista O Semeador – Abril de 1981
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: katiatog em 11 de Março de 2012, 04:20
                     
                           Queridos amigos e caros visitantes
                 
                        (http://static.maniadescraps.com/imagens/turboscraps/domingo/domingo040.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5tYW5pYWRlc2NyYXBzLmNvbQ==)


Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: katiatog em 11 de Março de 2012, 04:24
                                                      Querida amiga Macili
                               
                                         (http://static.maniadescraps.com/imagens/po111/amizade/amizade063.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5tYW5pYWRlc2NyYXBzLmNvbQ==)


 
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: katiatog em 11 de Março de 2012, 04:31
                     (http://i942.photobucket.com/albums/ad269/NewBeginnings2/Angels/ANGELSAWESOME.gif)



Escolha das provas



Sabemos que quando mergulhamos na matéria para uma nova experiência encarnatória, esperam de nós duas coisas principais: 1) aumento de nossa capacidade de resolver problemas, com o crescimento da nossa inteligência e 2) eliminação ou redução de nossas imperfeições morais.  Desse modo, esperam, tal como nós, que, ao findar de cada nova existência na Terra, tenhamos ficado mais inteligentes e melhores. Claro que, além disso, devemos ter trabalhado para tornar o mundo melhor e mais belo, pois produzir beleza e contribuir com o progresso do mundo é também um dos objetivos da existência humana.

Para atingir essa meta, teremos que ultrapassar certas barreiras, vencer dificuldades. São vicissitudes ligadas à saúde ou a limitações importantes, decorrentes de lesões por nós mesmos produzidas em outras vidas e que, muitas vezes, só podem ser corrigidas pelo mecanismo das encarnações. Outras barreiras são os desafios que nos propusemos enfrentar para verificar se foram, de fato, para valer, as resoluções que tomamos, antes de chegarmos aqui.

Os problemas de saúde e das limitações são dificuldades impostas. São expiações que resgatam e, dessa maneira, necessárias e quase sempre inevitáveis. Já os desafios são provas que escolhemos para testar a nossa capacidade de resistir e crescer.

Não há, pois, motivo para revolta perante as dificuldades que exigem enfrentamento. Expiações e desafios são filhos de nossas resoluções, derivados de nossa imprudência ou da nossa determinação, de nossa livre escolha, como quem vê neles meio seguro de melhorar-se.

Essa matéria está examinada nas questões 258 e seguintes de O Livro dos Espíritos.  Lá ficamos sabendo, por exemplo, que:

1) Antes de iniciarmos uma nova existência corporal, tínhamos conhecimento do que nos poderia acontecer, já que nós mesmos havíamos escolhido o gênero de provas a que seríamos submetidos.

2) Não é Deus quem nos submete a castigo, mas a lei universal de causa e efeito  que nos cobra com a mesma segurança e a mesma medida. Deus é tão misericordioso que nos abre tantas oportunidades quantas forem necessárias para corrigir nossos erros, na caminhada para a evolução. Deus não nos impõe nada.  Concedeu-nos o livre arbítrio, liberdade plena para agirmos do jeito que quisermos, para podermos ser responsabilizados pelos atos que praticamos.

3) Nem tudo o que nos acontece, porém, faz parte da nossa previsão. Previstos só estão os fatos principais, os que influem no nosso destino. Os acontecimentos secundários se originam das circunstâncias e da força mesma das coisas. Há o caminho que devemos tomar; mas, se dele nos desviamos, sujeitamo-nos a vicissitudes que não estavam inseridas na previsão, embora passíveis de ocorrência em razão da opção adotada.  Corre o risco de morrer afogado quem se mete a atravessar um rio sem saber nadar.

4) Às vezes, nos perguntamos: como pode alguém desejar nascer entre gente de má vida? Nada a estranhar. Elege-se o contacto com o vício para se aprender a vencer a tentação de a ele se submeter. Lutar contra o instinto do roubo pode levar alguém a escolher viver entre gente que se dá à prática do roubo. O mérito está em resistir à tentação.

5) Quando não temos condições de escolher por nós mesmos as nossas provas, amigos que nos amam, que conhecem as nossas necessidades, escolhem por nós e na medida certa, sem risco de erros.

6) A reencarnação normalmente é consentida. A justiça de Deus sabe esperar, não apressa a expiação. Há, entretanto, casos há em que a reencarnação se impõe, compulsoriamente: quando o Espírito, por sua inferioridade ou por sua persistente má vontade, não se mostra apto a compreender o que lhe seria mais útil e, ainda, quando Deus enxerga que tal existência servirá para a purificação e o progresso do Espírito, servindo-lhe ao mesmo tempo de expiação.

7) A escolha das provas é sempre feita de acordo com o objetivo a alcançar.   Elegem-se as que levem à expiação das faltas e as que ajudam a progredir mais depressa. É por isso que uns impõem a si mesmos uma vida de misérias e privações, objetivando suportá-las com coragem, enquanto outros preferem experimentar as tentações da riqueza e do poder, muito mais perigosas, pois sujeitas aos abusos e à má destinação orientada pelas paixões inferiores.

Não é de estranhar que o Espírito opte, às vezes, por provas tão dolorosas. Na sua condição de desencarnado, desliga-se da matéria, cessando toda ilusão e passando a ter outra maneira de pensar. Na vida espiritual, compara os gozos fugazes e grosseiros com a inalterável felicidade que lhe é dado entrever, o que lhe auxilia compreender a transitoriedade dos sofrimentos terrenos.

É desse modo que, no geral, fazemos nossas escolhas. Talvez, por isso, seja oportuno o lembrete de Emmanuel para nos recordar que “à frente do Senhor, toda queixa é descabida”.

Devemos, portanto, nos pautar pelo bom conselho expresso nos versos de Cruz e Souza, através da mediunidade de Chico Xavier: “Nenhuma provação te desanime!... Inda que o mal te espanque e humilhe... Embora os temporais de fel, a cada hora, agradece a aflição que te redime!”


ARTHUR BERNARDES DE OLIVEIRA
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 12 de Março de 2012, 01:55
Olá querida Amiga Katiatog,


[attachimg=1  align=center  width=450]
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 12 de Março de 2012, 02:02
[attachimg=1  align=center  width=450]




A escolha é sua


(http://1.bp.blogspot.com/-pUY8JKDgQ6E/T0LNyml6CyI/AAAAAAAAIbU/lpKRwiR4KNA/s220/carlaperlin%2B18.png)


Você já ouviu, alguma vez, falar de livre-arbítrio?

Livre-arbítrio quer dizer livre escolha, livre opção.

Em todas as situações da vida, sempre temos duas ou mais possibilidades para escolher.

E a cada momento a vida nos exige decisão. Sempre temos que optar entre uma ou outra atitude.

Desde que abrimos os olhos, pela manhã, estamos optando entre uma atitude ou outra.

Ao ouvir o despertador podemos escolher entre abrir a boca para lamentar por não ser nosso dia de folga ou para agradecer a Deus por mais um dia de oportunidades no corpo físico.

Ao encontrar o nosso familiar que acaba de se levantar, podemos escolher entre resmungar qualquer coisa, ficar calado, ou desejar, do fundo da alma, um bom dia.

Quando chegamos ao local de trabalho, podemos optar entre ficar de bem com todos ou buscar o isolamento, ou, ainda, contaminar o ambiente com nosso mau humor.

Um médico que trata de pacientes com câncer, conta que as atitudes das pessoas variam muito, mesmo em situações parecidas.

Diz ele que duas de suas pacientes, quase da mesma idade, tiveram que extirpar um seio por causa da doença.

Uma delas ficou feliz por continuar viva e poder brincar com os netos, a outra optou por lamentar pelo seio que havia perdido, embora também tivesse os netos para curtir.

Assim também acontece conosco quando alguém nos ofende, por exemplo. Podemos escolher entre revidar, calar ou oferecer o tratamento oposto. A decisão sempre é nossa.

O que vale ressaltar é que nossas atitudes produzirão efeitos como consequência. E esses efeitos são de nossa total responsabilidade.

Isso deve ser ensinado aos filhos desde cedo. Caso a criança escolha agredir seu colega e leve uns arranhões, deverá saber que isso é resultado da sua atitude e, por conseguinte, de sua inteira responsabilidade.

Tudo na vida está sujeito à lei de causa e efeito: para uma causa positiva, um efeito positivo, para uma atitude infeliz, o resultado correspondente.

Se você chega no trabalho bem humorado, alegre, radiante, e encontra seu colega de mau humor, você pode decidir entre sintonizar na faixa dele ou fazer com que ele sintonize na sua.

Você tem ainda outra possibilidade de escolha: ficar na sua.

Todavia, de sua escolha dependerá o resto do dia. E os resultados lhe pertencem.

Jesus ensinou que a semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória.

Pois bem, nós estamos semeando e colhendo o tempo todo. Se plantamos sementes de flores, colheremos flores, se plantamos espinheiros, colheremos espinhos. Não há outra saída.

Mas o que importa, mesmo, é saber que a opção é nossa. Somos livres para escolher, antes de semear. Aí é que está a Justiça Divina.

Mesmo as semeaduras que demoram bastante tempo para germinar, um dia darão seus frutos.

São aqueles atos praticados no anonimato, na surdina, que aparentemente ficam impunes. Um dia, ainda que seja numa existência futura, eles aparecerão e reclamarão colheita.

Igualmente os atos de renúncia, de tolerância, de benevolência, que tantas vezes parecem não dar resultados, um dia florescerão e darão bons frutos e perfume agradável.

É só deixar nas mãos do Jardineiro Divino, a quem chamamos Deus.



(http://1.bp.blogspot.com/-pUY8JKDgQ6E/T0LNyml6CyI/AAAAAAAAIbU/lpKRwiR4KNA/s220/carlaperlin%2B18.png)


A hora seguinte será o reflexo da hora atual.

O dia de amanhã trará os resultados do dia de hoje.

As existências futuras lhe devolverão a herança que hoje lhes entrega.

É assim que vamos construindo nossa felicidade ou a nossa desdita, de acordo com a nossa livre escolha, com o nosso livre-arbítrio.

Pensemos nisso!



(http://1.bp.blogspot.com/-pUY8JKDgQ6E/T0LNyml6CyI/AAAAAAAAIbU/lpKRwiR4KNA/s220/carlaperlin%2B18.png)



Redação do Momento Espírita.
Disponível no livro Momento Espírita, v.2, ed. Fep.
Em 25.06.2009.
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: katiatog em 19 de Março de 2012, 03:22
                                                            Queridos amigos
                                  (http://static.maniadescraps.com/imagens/turboscraps/segunda/0002.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5tYW5pYWRlc2NyYXBzLmNvbQ==)


 
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: katiatog em 19 de Março de 2012, 03:30
                                                   Querida amiga Macili
                                          (http://static.maniadescraps.com/imagens/turboscraps/beijos/be059.gif) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL3d3dy5tYW5pYWRlc2NyYXBzLmNvbQ==)


 
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: katiatog em 19 de Março de 2012, 03:43
(http://img74.imageshack.us/img74/4122/0715bj.jpg) (http://www.forumespirita.net/fe/go.php?url=aHR0cDovL2ltYWdlc2hhY2sudXMvcGhvdG8vbXktaW1hZ2VzLzc0LzA3MTViai5qcGcv)


Provação Redentora



A voz que laboraste por modular docemente agora se transforma em brado de acusação impiedosa; as mãos que uniste muitas vezes dentro das tuas, em gesto de ternura, parecem prontas a esbodoar-te; o rosto tantas vezes osculado com meiguice surge congestionado diante da tua presença; os gestos que plamastes com incansável devotamento, fazem-se bruscos e violentos em desafio a tua serenidade, aqueles olhos que enxugaste com desvelo, quando choravam, fitam-te com chispas de ódio; o corpo que embalaste noites a fio, ora freme de revolta e se agiganta diante do teu atual carinho; todo aquele ser que cumulaste de amor, então, se contorce sob o gás da rebeldia e não trepida em malsinar-te, ferindo as mais caras aspirações que demoradamente acalentaste, bem como os nobres objetivos que toda a vida perseguiste - a meta da tua realização interior.

Insultado por tão grotesca reação tentas, ainda, acercar-te do ser querido, escondendo a decepção e a dor íntima; no entanto, não consegues transpor a barreira entre ti e ele, colocada propositadamente para produzir distância, não obstante o êxito dele depender do teu suor e da tua soledade, das tuas lágrimas e dos teus silêncios.

Permite-se acusar-te, censurar-te, escusar-te e não te concede a condição ao menos de "ser humano".

Reserva-se o direito de magoar-te e explora os teus sentimentos para pisoteá-los depois.

Enquanto o envolves em otimismo, há muito tempo a inferioridade dele espezinha-te com recalques cruéis, que procedem de vidas consumidas no passado do Espírito e não te oferece a concessão das queixas ou das justas censuras que são descargas da tensão que te atormenta.

E dizer que te deste com o melhor que possuías, oferecendo-te todo por ele, para e felicidade dele!

Retempera, porém, o ânimo e insiste no dever que te cabe ou que assumiste, mesmo incompreendido, apesar de sitiado pela ingratidão com ele te retribui o carinho demorado.

Seja qual for o ingrato - filho, amigo, afeto, companheiro -, é alguém vitimando-se com o ácido que o destruirá logo depois.

A ingratidão é enfermidade de erradicação difícil e demorada; a rebeldia reflete distonia espiritual; o azedume exterioriza infelicidade inferior; a agressão atesta primitivismo; o cólera é morbidez de complexa definição no campo da mente em desalinho. Todo aquele que se permite conduzir por tais famanazes da indisciplina e do orgulho merece caridade pelo tratamento do amor que ora e socorre, insiste ao lado e não revida mal por mal.

Ele, aquele que te acicata o espírito, caminhará pela estrada da experiência, avançando na rota do futuro.

Aprenderá inevitavelmente e tornar-se-á brando. Não é necessário que o desejes: a vida se encarrega de nós todos, cada um a seu turno...

É pena - e sofres com isso - que te não saibas valorizar o amor, aquele que hoje te fere e subestima.

Jesus, porém, experimentou, e em grau muito maior, a ingratidão e o desinteresse dos companheiros mais amados. Medita nEle, na sua vida e não te abales com a provação redentora.

Felizes são os que amam, e amam sempre, reconhecidos, fiéis.

Os outros, dentre os quais o ser que ora não te retribui amor por amor, já estão justiçados em si mesmos, sorvendo a amargura da inquietação e o tóxico da insegurança pessoal, que os envenenam paulatinamente.

"Mas na hora de provação volta atrás". - (Lucas 8:13).

"Os que, ao contrário, usam mal da liberdade que Deus lhes concede retardam a sua marcha e, tal a obstinação que demonstrem, podem prolongar indefinidamente a necessidade da reencarnação e é quando se torna castigo." (São Luís. (Paris, 1859) - E. S. E. - Cap.IV - Item 25).



Livro: Florações Evangélicas.
Psicografia de Divaldo Pereira Franco. Pelo Espírito Joanna de Ângelis
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: katiatog em 19 de Março de 2012, 03:55
                           (http://i430.photobucket.com/albums/qq28/graca48/Boasemana.gif)

Agradeço a presença dos queridos amigos visitantes

Que os bons espíritos os acompanhem


Abraços carinhosos da Katia
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 20 de Março de 2012, 02:20
Olá querida Irmã e Amiga Katiatog,


É uma satisfação receber a sua visita e a sua colaboração no tópico.
Principalmente...  o seu carinho e a sua gentileza.

Obrigada por iluminar este espaço com o seu amor...


[attachimg=1  align=center  width=450]
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 20 de Março de 2012, 02:28
[attachimg=1  align=center width=350]



Provas



        Não te doa a obrigação de repetir, vezes e vezes, esse ou aquele esforço que consideres de sacrifício.

        Se já te aceitas na condição de criatura imperecível, reflete no tempo gasto pela sabedoria da vida, nas criações da natureza.

        Sabemos que a gestação do diamante, no claustro da Terra exige milênios.

        Com semelhante ensinamento, perguntemos a nós mesmos quantos séculos despenderemos para construir a compreensão e o devotamento, a humildade e o amor, no campo da própria alma.

        Meditemos nisso e abracemos com paciência as tarefas que nos foram confiadas.

        Regozija-te com as obras de renúncia dentro do lar; ele é o reduto em que te habilitas para a total consagração à Humanidade.

        Agradece ao trabalho que te cerca de problemas e, tantas vezes, te alaga de suor; nele aprendes a conquistar a sublimação e a criatividade dos anjos.

        Abençoa os dias de prova em que a vida te pede serviço habitualmente entremeado de labaredas de inquietação com aguaceiros de pranto; tempo chegará em que eles trarão a soma das experiências que se fará luz permanente para os teus próprios caminhos entre os sóis da Imortalidade.

        Rejubila-te com a possibilidade de contar com as aulas da angústia e do sofrimento, no aprendizado da vida terrestre.

        Os olhos que nunca choraram raramente aprendem a ver.




Meimei & Francisco Cândido Xavier
Livro: Semente de Amor
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: Kazaoka em 04 de Abril de 2012, 02:57
Diante das exposições já feitas pelos companheiros e do que encontramos no OLE, fica explícito que as perturbações que vivenciamos na esfera física são, antes de tudo, frutos de nossas escolhas ou resultados de nossas ações. Em ambos os casos somos responsáveis pelas nossas escolhas e o entendimento que adquirimos com experiências já vividas é que regem o uso que fazemos do Livre Arbítrio.

É por isso que a DE sempre nos convida a olharmos com resignação o sofrimento que acomete a nós e aos que nos cercam. Somos todos Espíritos comprometidos com o nosso passado e as dificuldades que enfrentamos são perfeitamente explicadas quando compreendemos que vivemos o que escolhemos, por julgarmos serem estas provas as mais adequadas ao ajustamento daquilo que nos distancia da perfeição.

Quando observamos um irmão ou uma irmã vivendo uma situação que encontra dificuldade em transpô-la, pode estar aí todo o mérito da experiência. Se a nossa existência física neste mundo é para sermos provados, é natural que encontremos dificuldades íntimas para lidarmos com tais experiências. Pois, estaremos diante de intercorrências da nossa existência que são próprias do gênero de provas que precisavamos favor de nosso adiantamento espiritual.

Assim podemos compreender melhor o que quer dizer; "bem sofrer e mau sofrer" e podemos entender melhor a importância da caridade que podemos ter uns com os outros, sabendo que todos estão buscando meios para afastarem das imperfeições que enuviam a perfeita felicidade.

Se um Espírito vive uma existência de expiação que o mantem estacionado, por outro lado esta situação cria oportunidade para que Espíritos mais esclarecidos venham em seu socorro oferecendo-lhe o despertamento que lhe é útil e, assim, todos são favorecidos pela oportunidade criada em uma situação que parecia irremediável. Um exemplo disso são Espíritos que reencarnam em organizações físicas deploráveis ou tomados por viciosidades que ainda não conseguem dominar.
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 05 de Abril de 2012, 01:52
Olá Irmão Kazaoka e demais Irmãos que nos seguem neste espaço...


Seu comentário veio recheado de ensinamentos e reflexões.
Obrigada pela participação no tópico.

Muita paz!!!


[attachimg=1  align=center  width=450]


Provações



Alguns dias na vida de todos nós se mostram verdadeiramente desafiadores.

Por mais tranquila que a vida siga seu curso, é natural surgir esse ou aquele desafio maior a nos exigir o esforço da fé e a coragem do enfrentamento lúcido.

Inesperadamente, a saúde do corpo físico, que se mostrava sólida e inabalável, vê-se minada pelo diagnóstico de grave moléstia, exigindo longo e doloroso tratamento.

A outrora relação familiar, harmônica e fraternal, é surpreendida pela visita da morte, a alcançar o ente querido, que sintetizava a estrutura emocional e a referência afetiva de tantos.

A amizade cultivada desde há muito, na intimidade do coração, que a guardava qual joia em cofre valioso, vê-se violentada pela mesquinhez e traição, acompanhadas pela covardia e indiferença.

Outras vezes, a vida, que nos parecia tão rica e cheia de significados, nos elege para a solidão, impedindo a companhia de afetos ou o encontrar de alguém para ombrear e caminhar conosco nos dias mais difíceis.

De outra feita, a calúnia nos visita os dias antes tranquilos, tecendo histórias e tramas que não nos pertencem, replicadas por bocas levianas e insensatas, magoando-nos a sensibilidade pela injúria e difamação.

Todas essas são as cruzes de provação de nossa caminhada. Todos nós, no mundo, carregamos o madeiro pesado das aflições e dificuldades, muitas vezes no silêncio da intimidade, e no desconhecimento aos olhos do mundo.

A dor na Terra ainda é processo depurador de mil delitos que não foram justiçados e de vícios alarmantes que permaneceram ocultos.

Assim, a misericórdia de Deus nos possibilita  recuperarmo-nos dos delitos de outrora, depurando, pelo sofrimento, as dificuldades por nós mesmos plantadas.

Será no padecimento que reconsideraremos atitudes, reprogramaremos atividades e nos alçaremos efetivamente para o bem.

Portanto, perante a dor e a dificuldade, evitemos o desânimo ou a revolta.

Lembremo-nos de que o adágio popular ganha razão quando diz que Deus dá a cruz conforme a capacidade de nossos ombros.

Jamais desdigamos as provações que nos cheguem, convidando à renovação e à reestruturação de nossa intimidade.

Antes, façamos dessas dores nosso instrumento de redenção e ressarcimento dos débitos de antes.

Desse modo, ao nos sentirmos atados às cruzes das provações dolorosas, adornemo-nos com as flores do amor fraternal, transformando as dores de hoje na esperança em relação aos dias vindouros.

Com resignação dinâmica, conseguiremos superar os dias mais graves, tendo sempre em mente que, dos braços da cruz em que nos encontramos atados, conseguiremos alçar mais rapidamente às elevadas esferas da libertação.




 
Redação do Momento Espírita, com base no cap. 13, do livro Momentos de felicidade, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 05.11.2011.

Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: DANNYLEMOS em 05 de Abril de 2012, 03:09
Olá Irmão Kazaoka e demais Irmãos que nos seguem neste espaço...


Seu comentário veio recheado de ensinamentos e reflexões.
Obrigada pela participação no tópico.

Muita paz!!!


(Ligação para o anexo)


Provações



Alguns dias na vida de todos nós se mostram verdadeiramente desafiadores.

Por mais tranquila que a vida siga seu curso, é natural surgir esse ou aquele desafio maior a nos exigir o esforço da fé e a coragem do enfrentamento lúcido.

Inesperadamente, a saúde do corpo físico, que se mostrava sólida e inabalável, vê-se minada pelo diagnóstico de grave moléstia, exigindo longo e doloroso tratamento.

A outrora relação familiar, harmônica e fraternal, é surpreendida pela visita da morte, a alcançar o ente querido, que sintetizava a estrutura emocional e a referência afetiva de tantos.

A amizade cultivada desde há muito, na intimidade do coração, que a guardava qual joia em cofre valioso, vê-se violentada pela mesquinhez e traição, acompanhadas pela covardia e indiferença.

Outras vezes, a vida, que nos parecia tão rica e cheia de significados, nos elege para a solidão, impedindo a companhia de afetos ou o encontrar de alguém para ombrear e caminhar conosco nos dias mais difíceis.

De outra feita, a calúnia nos visita os dias antes tranquilos, tecendo histórias e tramas que não nos pertencem, replicadas por bocas levianas e insensatas, magoando-nos a sensibilidade pela injúria e difamação.

Todas essas são as cruzes de provação de nossa caminhada. Todos nós, no mundo, carregamos o madeiro pesado das aflições e dificuldades, muitas vezes no silêncio da intimidade, e no desconhecimento aos olhos do mundo.

A dor na Terra ainda é processo depurador de mil delitos que não foram justiçados e de vícios alarmantes que permaneceram ocultos.

Assim, a misericórdia de Deus nos possibilita  recuperarmo-nos dos delitos de outrora, depurando, pelo sofrimento, as dificuldades por nós mesmos plantadas.

Será no padecimento que reconsideraremos atitudes, reprogramaremos atividades e nos alçaremos efetivamente para o bem.

Portanto, perante a dor e a dificuldade, evitemos o desânimo ou a revolta.

Lembremo-nos de que o adágio popular ganha razão quando diz que Deus dá a cruz conforme a capacidade de nossos ombros.

Jamais desdigamos as provações que nos cheguem, convidando à renovação e à reestruturação de nossa intimidade.

Antes, façamos dessas dores nosso instrumento de redenção e ressarcimento dos débitos de antes.

Desse modo, ao nos sentirmos atados às cruzes das provações dolorosas, adornemo-nos com as flores do amor fraternal, transformando as dores de hoje na esperança em relação aos dias vindouros.

Com resignação dinâmica, conseguiremos superar os dias mais graves, tendo sempre em mente que, dos braços da cruz em que nos encontramos atados, conseguiremos alçar mais rapidamente às elevadas esferas da libertação.




 
Redação do Momento Espírita, com base no cap. 13, do livro Momentos de felicidade, pelo Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 05.11.2011.


marcili,
suas colocaçoes cairam como luvas as minhas mãos.colírios aos meus olhos.pude entender perfeitamente porque passar por dolorosa perda familiar e me sentir no intimo que foi melhor assim(deus me livre falar isso p minha mae,rs).entender qe tinhamos q passar por isso p unir mais a familia.e uniu.Minha mãe agora tem um pouco de paz q há tempos nao tinha.Talvez ele tenha precisado desse desencarne(nao tao prematuro na espiritualidade) para prova a ele mesmo.só nao conseguiu se afastar do vicio do alcool.Será q retornará no seio da minha familia(neto,bisneto...)ainda ter que passar por essa prova que ele deixou nessa existencia?
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 05 de Abril de 2012, 05:11
Boa noite querida Irmã Danny,


A Doutrina Espírita é uma doutrina de amor e de fraternidade, que nos esclarece e consola, nos fortalecendo em nossas provações e necessidades.

A reencarnação não só nos facilita o reencontro, mas principalmente dá a oportunidade de podermos reparar nossas faltas com nossos semelhantes.

Que Jesus ilumine a você e a sua família.

Muita paz!!!




[attachimg=1  align=center  width=450]



Provação



Se a provação se te abateu sobre o espírito de tal modo que já não sabes, de pronto, como orientar o próprio caminho, não te entregues a qualquer atitude negativa.

Recorda que o desânino é fator de mais amplo abatimento.

Suicídio se te faria calamidade.
Queixas não te adiantariam.
Acusações contra outrem te agravariam o quadro de inquietações.
A fuga te lançaria em descrédito.
O desespero te induziria ao desiquílibrio.
Confidências amargas te mergulhariam em problemas inúteis.
Mágoa te travaria idéias infelizes.


A única saída para superar qualquer provação será enfrentá-la com humildade e coragem, procurando-se esquecer o mal e seguir o bem, trabalhar e servir com ânimo e decisão, reconhecendo-se que a Divina Providência, amanhã, nos fará novo dia.




Mensagem extraida do Livro
Hoje - Francisco Candido Xavier, pelo Espírito Emmanuel.
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: DANNYLEMOS em 10 de Abril de 2012, 14:40
Boa noite querida Irmã Danny,


A Doutrina Espírita é uma doutrina de amor e de fraternidade, que nos esclarece e consola, nos fortalecendo em nossas provações e necessidades.

A reencarnação não só nos facilita o reencontro, mas principalmente dá a oportunidade de podermos reparar nossas faltas com nossos semelhantes.

Que Jesus ilumine a você e a sua família.

Muita paz!!!




(Ligação para o anexo)



Provação



Se a provação se te abateu sobre o espírito de tal modo que já não sabes, de pronto, como orientar o próprio caminho, não te entregues a qualquer atitude negativa.

Recorda que o desânino é fator de mais amplo abatimento.

Suicídio se te faria calamidade.
Queixas não te adiantariam.
Acusações contra outrem te agravariam o quadro de inquietações.
A fuga te lançaria em descrédito.
O desespero te induziria ao desiquílibrio.
Confidências amargas te mergulhariam em problemas inúteis.
Mágoa te travaria idéias infelizes.


A única saída para superar qualquer provação será enfrentá-la com humildade e coragem, procurando-se esquecer o mal e seguir o bem, trabalhar e servir com ânimo e decisão, reconhecendo-se que a Divina Providência, amanhã, nos fará novo dia.




Mensagem extraida do Livro
Hoje - Francisco Candido Xavier, pelo Espírito Emmanuel.
olá querida macili,
agradeço do fundo do meu coração pelas suas palavras.Às vezes lanço-me a incorfomidade e as lamúrias.Mas sãopalavras como as suas que me despertam novamente a minha caminhada,e perceber que o sofrimento faz parte dela.Preciso continuar porque sei que meu irmão (agora desencarnado)continua a precisar das minhas orações.
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 11 de Abril de 2012, 03:48
Boa noite querida Amiga DannyLemos,


Avancemos sempre, com perseverança, auxiliando nossos irmãos, encarnados e desencarnados com o bálsamo da prece, que é o traço de luz que une as almas que se amam.

Que nosso querido Mestre Jesus envolva sua alma em bênçãos de paz e de luz...




[attachimg=1  align=center  width=450]



Provas e Expiações



Todos nós buscamos a solução mágica dos nossos problemas, sem darmos conta que são eles que nos fazem progredir.

Deus é infinitamente bondoso e misericordioso, sem essa certeza entenderíamos os problemas e sofrimentos de toda ordem como punição do Pai, enquanto que na verdade a Doutrina dos Espíritos nos ensina que as provações são os instrumentos que Deus se utiliza para o nosso burilamento espiritual.

Não poucas vezes encontramos duas vertentes de conduta diante das provas e das expiações. Alguns consideram que as expiações são castigos, mesmo sem se deter que alguns que receberam esse suposto castigo, não possuem uma vida leviana com deslizes morais nessa reencarnação, pelo contrario, são honestos e trabalhadores.

Infelizmente irmãos desavisados são levados pela emoção e pela sua pouca instrução, à acreditar que sofrem esses “castigos” por não fazerem partes de uma determinada religião ou seita. São vítimas dos chamados aproveitadores de ocasião.

Importante é identificar a diferença entre prova e a expiação, as provas são os desafios da vida que nos fazem crescer espiritualmente, que nos dão à oportunidade da evolução espiritual pelo aprendizado vivenciado.

Bem se vê o retrato do mundo atual e do que o era há 300 anos atrás.
Sem as provas, não buscaríamos o conhecimento e o aprimoramento, simplesmente estagnaríamos sem um objetivo de vida.

Como os cientistas buscariam a vacina para uma gripe se ela não ferisse a vida ? Como existiriam os transportes sem a necessidade da locomoção ?

Assim é o caminhar da vida, as provas nos impulsionam para o progresso. Dessa forma não seria diferente nos sentimentos, qual seria a validade do perdão se não existisse a ofensa ? Muito fácil seria somente amar aquele que nos ama, não haveria vitória nisso.

As provas são portanto, o desafio do aprimoramento dos nossos sentimentos, a depuração espiritual seguindo o caminho da reforma íntima.
Devemos então ter fé, confiar nos desígnios do Pai, entender as Suas Leis e nos submeter a elas com resignação ativa. Dessa maneira compreenderemos todas as dores tendo a certeza que pela misericórdia Divina fomos poupados dos sofrimentos maiores.

Vale agora lembrar que as provas são mitigadas conforme a necessidade de aprendizado, não passaremos por situações que nada aprenderemos. O objetivo das nossas reencarnações é a depuração espiritual, se já aprendemos a paciência e a tolerância não seria útil, salvo os sofrimentos missionários, a nossa retenção no leito de dor por tempo demasiado.

Muito mais útil será o nosso trabalho em favor do próximo exercitando a caridade com o coração cheio de fraternidade.

Basta entendermos as lições Divinas para vivermos em pura alegria. A alegria de viver na luz, no caminho das bem-aventuranças.

Diferentemente das provas às expiações são os resgates do nosso pretérito de erros, da nossa má conduta, dos prejuízos que acarretamos aos outros e a nós mesmos.
Mesmo o resgate das dividas é minimizado pela bondade Divina, oferecendo-nos as reparações que podemos suportar.  De maneira alguma a nossa cruz é mais pesada que as nossas próprias forças.

Infelizmente muito maior é a nossa reclamação e o nosso comodismo, que não nos permite enxergar o tanto que recebemos dos benfeitores amigos.

Quando aprendermos a banir os sentimentos inferiores que vivem em nós, substituindo-os pelas virtudes ensinadas pelo Mestre Nazareno, com certeza viveremos muito mais nas altas esferas de luz mesmo mergulhados no ambiente carnal, como assim fez o grande missionário do século XX nosso querido irmão Francisco Cândido Xavier.




Fonte: Centro Espírita Batuíra Sorocaba.


Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: DANNYLEMOS em 11 de Abril de 2012, 14:36
lindo lindo lindo...mil vezes lindo
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 12 de Abril de 2012, 02:05
Olá querida Irmã DannyLemos e demais Irmãos...


Como disse Madre Teresa de Calcutá...

"As palavras de amizade e conforto podem ser curtas e sucintas, mas o seu eco é infindável".


Obrigada pelo seu carinho.

Paz e luz!!!




[attachimg=1  align=center  width=450]



Provas a Vencer


Quem não terá provas a vencer sobre a Terra? São inúmeros e diversificados os desafios que o espírito enfrenta na carne.

Eles aparecem quando menos se espera... Sinceramente, não me recordo de, algum dia, ter criado problemas para alguém, mas os problemas sempre surgiam. Não raro, eles batem à nossa porta — foram criados por outros, mas agem como se fossem nossos e, se quisermos solucioná-los, teremos que adotá-los...

O Evangelho nos adverte a respeito das provas voluntárias. Ninguém há de sair por aí atrás de problemas, como se os que já tivesse não fossem suficientes. Isto seria uma insanidade. Mas conviver significa compartilhar... O que vamos fazer? Simplesmente ignorar a luta daqueles que amamos? Que amor é esse, que só é capaz de amar nos momentos bons? As provas de nossos pais, de nossos filhos, cônjuges, irmãos e mesmo amigos são nossas também!

A felicidade não é um estado de egoísmo. A pior das indiferenças é deixar alguém entregue ao próprio sofrimento. A experiência é do outro, mas o convite à solidariedade é dirigido a nós. Espero que me tenha feito entender.

                                                             


Francisco Cândido Xavier
Livro:  “Doutrina Viva", psicografia de Carlos A. Baccelli

Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: DANNYLEMOS em 13 de Abril de 2012, 12:55
Olá querida Irmã DannyLemos e demais Irmãos...


Como disse Madre Teresa de Calcutá...

"As palavras de amizade e conforto podem ser curtas e sucintas, mas o seu eco é infindável".


Obrigada pelo seu carinho.

Paz e luz!!!




(Ligação para o anexo)



Provas a Vencer


Quem não terá provas a vencer sobre a Terra? São inúmeros e diversificados os desafios que o espírito enfrenta na carne.

Eles aparecem quando menos se espera... Sinceramente, não me recordo de, algum dia, ter criado problemas para alguém, mas os problemas sempre surgiam. Não raro, eles batem à nossa porta — foram criados por outros, mas agem como se fossem nossos e, se quisermos solucioná-los, teremos que adotá-los...

O Evangelho nos adverte a respeito das provas voluntárias. Ninguém há de sair por aí atrás de problemas, como se os que já tivesse não fossem suficientes. Isto seria uma insanidade. Mas conviver significa compartilhar... O que vamos fazer? Simplesmente ignorar a luta daqueles que amamos? Que amor é esse, que só é capaz de amar nos momentos bons? As provas de nossos pais, de nossos filhos, cônjuges, irmãos e mesmo amigos são nossas também!

A felicidade não é um estado de egoísmo. A pior das indiferenças é deixar alguém entregue ao próprio sofrimento. A experiência é do outro, mas o convite à solidariedade é dirigido a nós. Espero que me tenha feito entender.

                                                             


Francisco Cândido Xavier
Livro:  “Doutrina Viva", psicografia de Carlos A. Baccelli


\macili,
ainda não consigo usar todas as ferramentas do F.E.mas um dia chego lá...esses posts são lindos e acima de tudo confortador.Quero um dia está assim,confortando as pessoas tb.Hj me vejo com essa dor das despidida,breve mas é uma despedida.Efico a imaginar quantas familias passam ou passaram por isso.um abraço.
Ah!!! se vc puder indicar alguns sites de busca,porque seus posts são lindos...rs
Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 13 de Abril de 2012, 14:08
Bom dia queridos Irmãos,

Olá amada DannyLemos... 

A vida não dá saltos, todo o começo é difícil, encontramos impecilhos mil em nossos caminhos mas se perseverarmos, pouco a pouco alcançaremos os nossos objetivos.

Quando comecei no Forum Espírita, também engatinhava, enfrentei muitas dificuldades, mas com uma sede enorme de conhecimentos, pouco a pouco fui vencendo minhas limitações... mas ainda sou uma formiguinha, quanto mais sabemos, mais precisamos aprender...  e isso é maravilhoso!!!

As minhas postagens as pego de vários lugares, vou garimpando na Internet...  primeiro a mensagem que acho que acalentará as almas, depois para ficarem mais vistosas,  tenho que formatá-las e escolher uma imagem que seja bonita e que combine com o texto...  E elas aparecem como num passe de mágica, através de buscas pelos nomes, por blogs... e o resultado é transmitido com todo o meu carinho.

Acredite, somos sempre abençoados em nosso desejo de servir com amor. 

Fico muito feliz com a acolhida e as suaves vibrações de todos os que por aqui deixam seu bem querer.


Para você com todo o meu afeto ...



[attachimg=1  align=center  width=450]



Título: Re: A escolha das provas
Enviado por: macili em 14 de Abril de 2012, 04:11
(http://1.bp.blogspot.com/_KNW8-7G0J5c/TQ5m-0nUukI/AAAAAAAAAvw/va6eoEs3RwE/s400/W.-A.+Bouguereau.+A+can%25C3%25A7%25C3%25A3o+dos+anjos.+1881.+ost%253B+213%252C4x152%252C4cm.+Glendale%252C+Forest+Lawn+memorial+-Park+Museum2.jpg)


Nem todos os Aflitos


(http://2.bp.blogspot.com/_KNW8-7G0J5c/TQ7NixxJr4I/AAAAAAAAAv0/s7vk3Qu33RE/s1600/star10.gif)


(http://2.bp.blogspot.com/_KNW8-7G0J5c/TQ7NixxJr4I/AAAAAAAAAv0/s7vk3Qu33RE/s1600/star10.gif)   A provação é um desafio que poucos suportam, lição que raros aprendem.

Depois de regulares períodos de paz e ordem, a alma é visitada pela provação que, em nome da Sabedoria Divina, lhe afere os valores e conquistas.

Raros, porém, são aqueles que a recebem dignamente.



(http://2.bp.blogspot.com/_KNW8-7G0J5c/TQ7NixxJr4I/AAAAAAAAAv0/s7vk3Qu33RE/s1600/star10.gif)   O impulsivo, quase sempre, converte-a em falta grave.

O impaciente faz dela a escura paisagem do desespero, onde perde as melhores oportunidades de servir.

O triste desvaloriza-lhe as sugestões e dorme sobre as probabilidades de auto-superação, em longas e pesadas horas de choro e desalento.

O ingrato transforma-a em calhau com que apedreja o nome e o serviço de companheiros e vizinhos.

O indiferente foge-lhe aos avisos como quem escapa impensadamente da orientadora que lhe renovaria os destinos.

O leviano esquece-lhe os ensinamentos e perde o ensejo de elevar-se, por sua influência, a planos mais altos.

O espírito prudente, entretanto, recebe a provação qual o oleiro que encontra no fogo o único recurso para imprimir solidez e beleza ao vaso que o gênio idealiza.




(http://2.bp.blogspot.com/_KNW8-7G0J5c/TQ7NixxJr4I/AAAAAAAAAv0/s7vk3Qu33RE/s1600/star10.gif)  Se a tempestade purifica a atmosfera e se o fel, por vezes, é o exclusivo medicamento da cura, a provação é a porta de acesso ao engrandecimento espiritual.

Só aqueles que a recebem por esmeril renovador conseguem extrair-lhe as preciosidades.

É por isso que nem todos os aflitos podem ser bem-aventurados, de vez que, somente aproveitando a dor para a materialização consistente de nossos ideais e de nossos sonhos, é que se nos fará possível encontrar a alegria triunfante do aprimoramento em nós mesmos, a que somos todos chamados pela vida comum, nas lutas de cada dia.



(http://2.bp.blogspot.com/_KNW8-7G0J5c/TQ7NixxJr4I/AAAAAAAAAv0/s7vk3Qu33RE/s1600/star10.gif)


Pelo Espírito Emmanuel
Psicografia de Francisco C. Xavier
Livro: Reconforto