Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Meditação => Tópico iniciado por: dOM JORGE em 19 de Novembro de 2018, 20:16

Título: A Bolha
Enviado por: dOM JORGE em 19 de Novembro de 2018, 20:16
                                                               VIVA JESUS!




              Boa-noite! queridos irmãos.




                    A Bolha


Rubens andava angustiado... tinha trocado a sua série de exercícios físicos na academia, e um vírus havia apagado os contatos de seu celular, que ainda tinha caído no chão e rachado a película. Que dia!

Chegou a casa e sua mãe havia preparado salada de brócolis, que Rubens não gosta, e para não ficar com fome, complementou o almoço com um cremoso sorvete de chocolate, embora preferisse de flocos.

Ao ir à casa de seu amigo, Heitor, para juntos encararem o futebolzinho da tarde de sábado, a mãe deste informa a Rubens que o seu amigo estava na Casa Espírita em uma atividade e que ele havia deixado recado para que o encontrasse lá. Rubens não pestanejou e se direcionou ao templo religioso, para ali encontrar seu colega de bola.

Ao chegar lá, a casa estava repleta de moradores de rua. E havia sopa, entrega de bolsas, e aquele grupo de adultos, jovens e crianças, enfileirando-se na busca de alimento que saciasse a fome material, de uma palavra que desse algum conforto moral, e esperando ali, pacientes e sequiosos, por uma roupa usada que lhes servisse.

Rubens avista Heitor ao lado de um senhor que conversa com as pessoas atendidas pelo trabalho, e seu colega de futebol faz sinal de silêncio e indica que ele se sente ali, ao lado, enquanto termina a preleção. E à medida que o condutor do estudo fala, cada pessoa vai trazendo as suas mazelas: um filho doente, uma tentativa de suicídio, o uso de entorpecentes, a agressão na infância, o risco de ser incendiado na rua, a hepatite, a tuberculose, a AIDS.

Os olhos de Rubens se espantam com aquele desfile de problemas. Heitor sinaliza, em uma pausa, para eles saírem “à francesa”, mas Rubens se recusa e se mantém ali, atento à dor daquelas pessoas, e fica pensativo sobre como eles conseguem viver com aqueles problemas. Nesse ínterim, seu telefone celular cai do bolso, e racha ainda mais a sua película... ele olha para o aparelho, olha para as pessoas, e apenas pensa na sua vida, nas suas prioridades, refletida na tela do celular.

Essa breve historieta, fictícia, mas atual, narra as distâncias que vivemos da realidade nos dias de hoje, e em que pese a existência de mecanismos mirabolantes que nos comuniquem por todo o planeta, com fotos e vídeos, nos vemos cada vez mais aprisionados em uma bolha, padecendo de problemas pequenos, sem olhar para o nosso próximo, às vezes nem tão distante.

Nesse sentido, os trabalhos assistenciais funcionam como verdadeiros choques de realidade, nos quais vemos na dor do outro como somos felizes, e como devemos valorizar o que temos. Às vezes, é preciso esse tratamento, reiterado, de convívio com aspectos da realidade desprezados, de pessoas esquecidas, de sofrimento e de carência, na qual o Espiritismo, pela sua bandeira social, do “Fora da caridade não há salvação”, nos convida a nos engajar, sistemicamente, em ações sociais que exercitem nosso coração no amor maior.

Infelizmente, esse ânimo pelos trabalhos assistenciais anda arrefecido nos dias de hoje. Pouco aparece essa temática na imprensa espírita, nos livros, nas palestras e nas casas, por vezes envelhecidos em sua força de trabalho, com riscos de sustentabilidade futura. Festejos, seminários e eventos artísticos já não trazem como fim o financiamento de atividades assistenciais. Será que deixamos de ter a necessidade, na casa espírita, de trabalhar essa dimensão? Fica a pergunta que não quer calar...

O trabalho na ação social na casa espírita não é um complemento das políticas sociais do Estado, ainda que seja salutar que os trabalhos dialoguem com a rede de serviços assistenciais da região, para fortalecer a cooperação e reduzir as lacunas e superposições. Mais do que isso, a ação social é uma forma de convivência que traz apoio àquelas pessoas, ditas assistidas, pelo pão e pelo papo, mas que traz a todos uma reflexão sobre a dor, o sofrimento e o imperativo da fraternidade nas relações humanas.

Como Rubens, o protagonista, vivemos por vezes em nossos mundos, reais e virtuais, nossas “gaiolas de ouro”, ignorando a dor do próximo, a realidade que, ainda que negada, existe nos hospitais, nas ruas, nas instituições assistenciais, e que, nos insondáveis caminhos da existência terrena, um dia batem à nossa porta e nos vemos então surpresos, desesperados, atônitos, pela bolha que estoura, frágil como ela é.


          Marcus Vinicius de Azevedo Braga









                                                                                                       PAZ, MUITA PAZ!