Forum Espirita

GERAL => Mensagens de Ânimo => Jornal das Boas Notícias => Tópico iniciado por: Zé Ninguém em 28 de Novembro de 2012, 00:40

Título: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Zé Ninguém em 28 de Novembro de 2012, 00:40
Estudo do IPq analisa atividade cerebral de médiuns na psicografia

Uma pesquisa mundial envolvendo neuroimagem analisou o fluxo sanguíneo cerebral de médiuns brasileiros durante a prática da psicografia (em que “um espírito escreve através da mão do médium”). O estudo revelou resultados intrigantes quanto a menor atividade cerebral durante o estado dissociativo mediúnico e concomitante geração de complexos conteúdos escritos.

O trabalho foi realizado por pesquisadores do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas (HC) da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), em Minas Gerais, da Universidade da Pensilvânia e da Universidade Thomas Jefferson, ambas nos Estados Unidos.

A pesquisa Neuroimagem durante o estado de transe: uma contribuição ao estudo da dissociação, foi publicada no dia 16 de novembro na PLOS ONE, renomado periódico científico de acesso público gratuito. O artigo está disponível neste link:
http://www.plosone.org/article/info%3Adoi%2F10.1371%2Fjournal.pone.0049360
O estudo envolveu dez médiuns brasileiros com 15 a 47 anos de experiência mediúnica e aproximadamente 18 psicografias por mês, destros e com plena saúde mental.

Os participantes receberam um marcador radioativo para captar a atividade cerebral durante a escrita normal e durante a prática da psicografia em estado de transe. Os médiuns foram escaneados usando SPECT (tomografia computadorizada com emissão de fóton único) para destacar as áreas do cérebro que são ativas e inativas durante as respectivas tarefas.

Os pesquisadores observaram que, durante a psicografia, os médiuns experientes apresentaram níveis mais baixos de atividade nas áreas do cérebro associadas ao planejamento, raciocínio, geração de linguagem e solução de problemas (hipocampo esquerdo/sistema límbico, giro temporal superior direito e as regiões do lobo frontal do cingulado anterior esquerdo e giro direito precentral) em relação a escrita normal (sem transe mediúnico).

Os autores consideram que as áreas hipo-ativadas possivelmente refletiram a ausência de consciência durante a psicografia. Os médiuns menos experientes mostraram o oposto: aumento do fluxo sanguíneo cerebral nas mesmas áreas cerebrais durante a psicografia em comparação à escrita normal. A diferença foi significativa em comparação com os psicógrafos experientes. Este achado pode estar relacionado com a tentativa mais esforçada dos menos experientes na prática da psicografia.

As amostras de escrita produzidas foram analisadas e verificou-se que os textos psicografados foram mais complexos que os conteúdos produzidos no estado normal de vigília. Os conteúdos gerados durante as psicografias envolveram princípios éticos e espirituais e a importância da união entre ciência e espiritualidade. Em particular, os médiuns mais experientes apresentaram escores significativamente mais elevados de complexidade, o que normalmente exigiria mais atividade nos lobos frontais e temporais, e este não foi o caso. As áreas relacionadas ao planejamento mostraram menor atividade.

Expressão literária mediúnica
Várias hipóteses foram consideradas, uma delas é que como a atividade do lobo frontal diminui, as áreas do cérebro relacionadas à criatividade estão mais desinibidas (o que ocorre com o uso de álcool ou de drogas). De uma maneira semelhante, o desempenho da meditação e da improvisação musical estão associados com níveis mais baixos de atividade cerebral, que pode favorecer o relaxamento e a criatividade respectivamente. Porém, é importante notar que o consumo de álcool ou drogas, a meditação e a improvisação musical são estados bastante peculiares e distintos da psicografia. Portanto, não comparáveis diretamente com a expressão literária mediúnica. Os médiuns referem que “a autoria dos textos psicografados foi dos espíritos comunicantes e não pode ser atribuída a seus próprios cérebros” sendo assim esta hipótese plausível.

Segundo o primeiro autor do estudo, o psicólogo clínico e pesquisador do Programa Saúde, Espiritualidade e Religiosidade do IPq, Julio Peres, embora o motivo exato dos presentes resultados não seja conclusivo neste momento, esta primeira avaliação neurocientífica fornece dados interessantes sobre estados dissociativos mediúnicos alinhados a compreensão da mente e sua relação com o cérebro, e estes achados merecem futuras investigações, tanto em termos de replicação e hipóteses explicativas. Peres é doutor em Neurociências e Comportamento pelo Instituto de Psicologia (IP) da USP.


Fonte: http://www5.usp.br/19548/estudo-do-ipq-analisa-atividade-cerebral-de-mediuns-na-psicografia/
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 28 de Novembro de 2012, 02:40
Susana,

Obrigado por essa informação. Todo e qualquer estudo científico a respeito da mediunidade de escrita ou de qualquer dos fenômenos espíritas é de suma importância para a Doutrina (Concordância e comprovação...). E só temos mesmo que agradecer aos que empreendem esse tipo de iniciativa, bem como de sua divulgação.

No estudo em questão, observei que a composição dos grupos focais não considerou a separação em subgrupos dos tipos possíveis de médiuns escreventes ou psicógrafos de acordo com o Livro dos Médiuns: Mecânicos, Semimecânicos e Intuitivos. Mas, cada um desses tipos apresenta um estado de consciência bem específico sobre o que se passa no momento de fenômeno. Um médium mecânico não possui a menor consciência do que se passa, o que faz dessa faculdade, segundo o próprio Kardec, “preciosa, por não permitir qualquer dúvida sobre a independência do pensamento daquele que escreve”. Um médium intuitivo, por sua vez, já possui plena consciência do que se passa, e atua mesmo como uma espécie de interprete do pensamento do Espírito. Se há consciência, há atividade cerebral. Portanto, a comparação entre um médium inconsciente e um consciente já apresentaria resultados diferentes pela própria condição de consciência dos médiuns. Excetuando-se os médiuns mecânicos pela raridade, seria interessante ver esse mesmo estudo comparando a atividade cerebral de diversos médiuns semimecânicos e diversos médiuns intuitivos.

Abraço,
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Zé Ninguém em 28 de Novembro de 2012, 09:16
Sim Edmar é verdade.
Também acho que faltou um aprofundamento.
Claro que já é um grande avanço os cientistas da atualidade se dedicarem a estudar com rigor científico os médiuns, significa que começam a dar algum tipo de crédito ao espiritismo.
Existem alguns pesquisadores espíritas ,mas ainda não são a maioria e infelizmente muitos ainda relegam o espiritismo ao campo do misticismo e da fantasia.
Talvez estejamos vendo um movimento de resgate do estudo científico do espiritismo que no passado chegou a ser tratado com mais seriedade pelos pesquisadores sendo estudado e investigado por cientistas sérios da época.
Quem sabe este estudo estimule outros pesquisadores a estudar com mais detalhes os mecanismos de mediunidade?
paz e luz!
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 28 de Novembro de 2012, 13:16
Meus caros, acho que não podemos exigir de pesquisadores, cientistas normalmente identificados como céticos as questões espirituais, que tenham em mente a profundidade que a DE possui.
Acho que o fato de haver um estudo, e todo estudo sempre carece de aprofundamento, já é um passo fundamental para que a DE deixe de ser mistica, para a maioria que a desconhece.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mourarego em 28 de Novembro de 2012, 14:22
Verdade mano Gustavo,
na verdade, na busca de respostas sobre este tema, eu mesmo em 1996 fiz, com a ajuda de um médico amigo meu, uma pesquisa quase que nos mesmos moldes deste estudo que a susana nos trouxe.
Tomei algumas coisas que não lembro os nomes, e também para indicar as áreas mais ativas do cérebro enquanto da psicografia.
Minha esposa antes do exame de EEG, me chamava de maluco beleza, por eu me dar a tal pesquisa assim de plano.
Porém eu sabia que estava em boas mãos, tanto na área puramente médica quando na área do uso daquela máquina de EEG, aliás eu já a conhecia, já que minha família, me tinha obrigado a fazer dois deles quando mais novo, para identificar minha "loucura", pois que não aceitavam que fosse espírita já que eram católicos empedernidos.
Pois bem o exame também identificou uma melhor atividade... mas em certas áreas, do cérebro, porém noutra a atividade se mostrava maior e bem delineada nos gráficos.
A conclusão que a chagamos, é que sendo a psicografia um trabalho em conjunto, daí o termo medianímico, ou seja, produto da "junção" daquilo que é do Espírito do médium sob a ajuda e trabalho também do conteúdo espiritual exterior, ou seja dos Espíritos, é que haveria mesmo de estar concentrado em algumas áreas todo o influxo que o Espírito usava para extrair do conteúdo do meu cérebro o que necessitava para estabelecimento de contato medianímico, e das pontencialidades intelectuais do médium envolvido.
Fizemos, a guisa de contraprova, o mesmo exame com outro "louco", ou seja, outro Espírita e pesquisador, e o resultado foi o mesmo, se bem que mais delineados em alguns pontos das mesmas áreas e em outros menor que os dados conferidos pelo meu exame.
Foi mesmo um estudo interessante. Se bem que, tal como o estudo que a Susana nos trouxe, disso não passou, apenas um estudo que ficou na área das teses.
Abraços,
Moura
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 28 de Novembro de 2012, 14:59
Meus caros, acho que não podemos exigir de pesquisadores, cientistas normalmente identificados como céticos as questões espirituais, que tenham em mente a profundidade que a DE possui.
Acho que o fato de haver um estudo, e todo estudo sempre carece de aprofundamento, já é um passo fundamental para que a DE deixe de ser mistica, para a maioria que a desconhece.

Caro Gustavo,

Concordo com você que toda e qualquer pesquisa séria que se preste a averiguar fenômenos espíritas é de fundamental importância para os que vêm nessas pesquisas a pedra de toque da DE.

Mas essa exigência é o próprio kardec que a faz: ”[...]Quem quer que deseje adquirir conhecimento de uma ciência deve fazer um estudo metódico, começar pelo princípio e seguir o encadeamento e o desenvolvimento das ideias”. (LE, Introdução).

E em verdade, os cientistas, quando sérios, são bem mais críticos e severos do que nós (rs...) e fazem eles mesmos essa exigência. Um pesquisador parte sempre de uma pesquisa anterior na qual observa gargalos e inconsistências, deixando isso claro na revisão bibliográfica que faz para sustentar o porquê de uma nova hipótese a esse respeito. Um autor que trabalha bem essa questão é o filósofo alemão Karl Popper, no livro Conjecturas e refutações. A ciência caminha desse modo. Portanto, tenha certeza que mais tarde um outro pesquisador, espírita ou não, partirá dessa mesma pesquisa para investigar hipóteses que não foram consideradas.

Abraço,
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mourarego em 28 de Novembro de 2012, 15:05
Mano Edmar,
quando me propus a pesquisar  nesta área, não se tinha ainda nenhum outro estudo que houvesse sido feito sob o crivo da ciência médica e sob auxílio de aparelhagem própria.
Aliás foi este o calcanhar de Aquiles que me fez me colocar como cobaia.
abraços,
Moura
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 28 de Novembro de 2012, 15:19
Edmar meu caro, não sou cientista, mas convivi com alguns em uma instituição de pesquisa na qual trabalhei exercendo minha profissão de administrador de empresas.
O que escrevi, e posso agora tentar explicar de forma um pouco mais clara, é que toda a pesquisa, como você disse, parte de algum conceito, seja ele uma pesquisa anterior ou não.
Dessa forma, a menos que seja alguem como o Moura, que conhece a DE e sabe exatamente o que quer descobrir com a pesquisa, ela certamente terá o que podemos chamar de "vicios de origem".
Como eu disse, os cientistas, via de regra, são céticos com relação as coisas da alma, do espirito, portanto, embora não tenha me interado de forma detalhada do estudo, acredito que a busca seja mais material do que espiritual, quer dizer, estão buscando no organismo fisico, o cerebro, as razões pelas quais existem determinadas ações, e como elas se processam.
De qualquer forma é valido, e se a pesquisa for séria e comprometida com a verdade, levará a outras premissas, que respondidas, levarão a outras, e assim sucessivamente até chegarmos na verdade, corroborando com o que disse o codificador.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mourarego em 28 de Novembro de 2012, 15:48
Mano Guga, a pesquisa feita por este seu mano aqui, também pode estar viciada, eu reconheço.
Afinal não sei de tudo e mesmo nem sobre tal especificidade que pesquisava, estando assim, quem sabe, sujeito aos mesmos eros.
Contudo de valor mesmo  foi o elemento pesquisado e sobre o qual, o resultado da pesquisa feita em dois médiuns diferentes, meu amigo e eu, mostrou as mesmas coisas, mas que não teve senão o  condão de constituir-se em uma tese, nunca numa afirmação absolutista.
abraços,
Moura
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 28 de Novembro de 2012, 16:20
Certamente Moura, uma pesquisa precisa de uma amostragem confiavel, e dois médiuns, amigos e próximos, por mais serios e responsáveis que sejam, são uma quantuidade pequena.
O que me referi ao citá-lo, é que o amigo tem uma base solida de conhecimentos acerca da doutrina, portanto quando quiser fazer uma pesquisa sobre os postulados espiritas saberá exatamente de onde partir, e qual o resultado esperado, coisa que, repito, via de regra, não acontece com cientistas outrso que não espiritas.
E mesmo esse conhecimento, implica em risco, ou como definimos, em vicio, posto que nem sempre somos absolutamente isentos e livres de animismo ou obsessão.
De qualquer forma, respeito os resultados das pesquisas ainda que, por ter uma visão diferente, possa questioná-los, quem sabe até suscitando novos experimentos.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Zé Ninguém em 28 de Novembro de 2012, 16:44
Olá a todos,
Bom, ninguém disse que" finalmente foi desvendado cientificamente o mecanismo da mediunidade!!". ;)
Apenas se deu conhecimento de uma pesquisa que espero que seja apenas a primeira de um série.
Particularmente,  fiquei muito feliz em ver a comunidade científica dispor de seu tempo para investigar questões afetas á espiritualidade.
Creio que toda pesquisa relacionada ao espiritismo, mesmo sendo inconclusiva, deve ser comemorada.
Por isso até que tive o cuidado de colocar a notícia no "jornal de boas notícias", para mim foi uma boa notícia se para outros isso não tem relevância, paciência.
Não nos esqueçamos que toda pesquisa conclusiva começa com um primeiro passo e que todo esforço durante um estudo científico deve ser valorizado, afinal a escada começa no primeiro degrau.
Então ficam os meus parabéns aos pesquisadores que tiveram a iniciativa de desenvolver a pesquisa.
Para alguns, pode não ser tão significante a realização do estudo ,mas se tratando de quem são ,é um sinal de grande avanço pois mostra boa vontade por parte de nossos irmãos pesquisadores em relação as questões metafísicas.
É a ciência gradualmente caminhando em direção a espiritualidade.
paz e luz!

Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Vitor Santos em 28 de Novembro de 2012, 16:47
Olá amiga Susana

Um artigo muito interessante. Obrigado pela partilha.

Um dos cientistas (Andrew Newberg), já estuda há muito tempo estas questões. 

Uma coisa é certa. A mediunidade é reconhecida como um facto, e já não é considerada um transtorno dissociativo, em certas condições e contextos (veja-se CID 10  - F44.3 Estados de transe e de possessão).

bem haja
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Zé Ninguém em 28 de Novembro de 2012, 17:01
Olá Vitor,
Sinto que a comunidade científica está mais receptiva aos estudos metafísicos.
Alguns cientistas estudam reencarnação, outros o magnetismo, etc.
Aos poucos vamos saindo do ostracismo e o espiritismo, mesmo que timidamente, começa a ser tratado cm mais seriedade pelos estudiosos.
paz e luz!
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Zé Ninguém em 28 de Novembro de 2012, 17:13
Olá pessoal,
Há um tempo atrás ouvi falar de um físico brasileiro que estuda a espiritualidade e possibilidade de vida extraterrestre  chamado Fran de Aquino.
Encontrei um material dele sobre física e espiritualidade, chamado " Física dos Espíritos":
http://www.frandeaquino.org/Fisica%20dos%20Espiritos.pdf
Reconheço que sou um zero ás esquerda em física e não fiz ainda a análise do material.
De qualquer forma compartilho aqui para conhecimento e análise de todos.
Opiniões são bem vindas.
paz e luz!
Susana
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mourarego em 28 de Novembro de 2012, 17:26
Creio eu,
que todos os estudos e pesquisas que se faça, e que envolvam a comunidade científica, devam ser objeto de estudos nossos, porque iremos amealhando estatisticamente aquilo que está nos anias das pesquisas sérias.

Há tempos cientistas, porém alguns destes estão a verificar certas coisas que o Espiritualismo informa, e nesse campo, crescem pesquisas sobre  os campos cerebrais e sua atuação no medianimismo etc.

Vejo com muita alegrai tudo isso, mesmo q ue, com tudo que há dentro desta área, nos chegue,  tal como as chuvas de verão.
digo assim porque vejo que tais pesquisas não são perenes mas sim que efetuadas por uns poucos, atentem apenas para alguns campos e mesmo dentro destes, sejam esparsas.
Sei bem que isso também se deva, ao propósito que todo cientista o e pesquisador dessas áreas, terem também outras áreas de pesquisa além de seus trabalhos no campo científico em que militem, por isso essa tônica de tornar esparsas as pesquisas e também porque se apenas alguns se arrematam a este tipo de pesquisa, menos ainda dão publicidade ao que conseguem.
No tempo em que também avançava sobre este tipo de pesquisas, eu era mais novo, tinha mais tempo e uma maior possibilidade de estar aqui e alhures, em tempos depois, hoje porém, depois do infarto, tenho apenas como fonte, o contato com outros amigos de antes, que ainda pesquisem na área.
O infarto e a falta das defesas que todos as têm, obrou em mim a ordem médica, de me proteger, e mais, me faz, hoje em dia só sair acompanhado, tendo em vista que no todo os problemas que a hipertensão, e outras causas podem me fazer infartar rapidamente mesmo que a custa de pouco esforço.
Isso me entristece e faz com que em algumas ocasiões descumpra as regras que os cardiologistas me passam. mas quase sempre as sigo sem reclamar... muito!
abraços,
Moura
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 28 de Novembro de 2012, 18:10
Moura meu caro, não se entregue, as crises fisicas pelas quais nosso organismo passa são necessárias para nos fazer perceber algumas coisas.
Mas de forma alguma podemos nos deixar abater por elas.
Quanto as pesquisas, concordo com o amigo, sempre que surgir uma pesquisa séria deve ser bem recebida.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Vitor Santos em 28 de Novembro de 2012, 18:58
Olá Gustavo

Citar
Moura meu caro, não se entregue, as crises fisicas pelas quais nosso organismo passa são necessárias para nos fazer perceber algumas coisas.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/jornal-das-boas-noticias/estudo-analisa-atividade-cerebral-de-mediuns/15/?action=post;num_replies=15#ixzz2DXqaRvrk

Se eu pudesse escolher preferia a ignorância com saúde, do que ser sábio doente. Disso não tenho dúvidas, Gustavo.

bem haja
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 28 de Novembro de 2012, 19:47
Alguem ja disse, mano Vitor, que : "preferia ser imbecil, assim não sofreria tanto".
Mas temos a inteligência como dádiva divina, apreveitemos da melhor maneira possivel...
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: MarcosBorges em 29 de Novembro de 2012, 01:21
Suzana, Edmar e demais colegas

Conheci o inicio destas pesquisas quando participei do MEDNESP em 2005. Neste ano o projeto já existia e o Dr Julio Peres, que na minha opinião é um dos poucos palestrantes mais bem preparado para fazer exposição a que faz juz um congresso científico no MEDNESP, no final de sua palestra sobre a aplicação da metodologia utilizada nesta pesquisa na investigação neurocientífica do transe mediúnico, fez um convite a todos que conhecem médiuns psicografos que quisessem participar de uma futura pesquisa, colocando a disposição seu email para contato.
 
Já em 2007, no outro MEDNESP, o Dr. Julio divulgou de forma prelimiar a pesquisa que ocorreu em um Hospital Universitário na Pensivalnia, EUA. Mostrou fotos da equipe de pesquisa, dos locais onde foram realizadas e o grupo de voluntários que participaram da primeira fase da pesquisa. De 2009 e 2011 eu não tive a oportunidade de assistir suas palestras em DVD.

A começar pela amostragem de voltuntários que participaram da pesquisa, os pesquisadores foram o máximo cautelosos na hora de publicar o trabalho, isso dá para perceber quando dizem que o mesmo é uma "pesquisa exploratoria". Outra suposição é a dificuldade dos editores e os arbitros de revistas científicas aceitarem e/ou exigirem reformulação do conteudo antes de publicar, o que é bem comum em todas as pesquisas, o que explica a demora na publicação.

Edmar, certamente os pesquisadores não devem ter considerado uma distribuição da amostragem que incluia estas como outras variáveis a serem analisadas, porque a quantidade da amostragem utilizada não permite uma analise estatistica sem viésses. Veja que mesmo um estudo com 10 voluntários separados em dois grupos de 5 há uma margem de erro estatistico que pode ser melhorado em futuras pesquisa com uma amostragem maior.

Varios podem ser os motivos para em 2 anos (de 2005 a 2007) conseguir somente 10 voluntarios. Muitos se interessaram mas como todo o trabalho de pesquisa, em seu projeto deve haver termos de exclusão para permitir selecionar um perfil adequado, a começar pelo descarte de qualquer doença psiquiatrica e disturbios psicológicos e depois outros perfis. Neste intercurso devem haver desistência pelo compromissos de deveriam seguir, já que tiveram que ir para Pensilvania e ficar lá por algum tempo e se submeterem a protocolos de pesquisa. Em 2007, na palestra do MEDNESP, o Dr. Julio disse que fez um programa com os voluntários para diminuir o estresse, como passeios e encontros que ajudava a descontrair. E como muita relutância os pesquisadores aceitaram uma exigência dos voluntarios que foi recrutar um grupo de pessoas desconhecidas em um local desconhecido dos mesmos para fazerem preces para ele (voluntários e pesquisadores) no horário em que psicografavam e passavam pelo SPECT. Dr. Julio relatou que em todos os momentos em que os voluntários passram pela analise, que levou varias horas, não houve qualquer tipo intecorrência, que levaria a repetição, fato muito comum em pesquisa com imagem. Sempre digo que trabalhar com voluntários humanos é mais difícil do que com animais experimentais (ratos e camundongos). Mas, toda a equipe presenciou, segundo Dr. Julio, uma coesão de trabalho e uma afinidade de pensamento sem qualquer estresse.

Oi Suzana, esta pesquisa nos demonstra o que já é conhecido em outras pesquisas não-mediúnicas. Em qualquer atividade complexa há sempre maior atividade do cérebro em individuos que estão iniciando e aprendendo tarefas que exigem raciocinio (o mesmo é observado em atividade motora). Comforme você exercita com assuidade e perserverança "temperada" de motivação, confiança, ou seja "faz porque tem prazer em fazer e se sente motivado", melhor o desempenho. Além de analisar seus trabalhos, estudar e aprender com os erros e acertos, com muito prazer para fazer melhor é importante. Com o tempo de exercício, com motivação e prazer, a atividade que antes ocupava grande áreas corticais começa, na mesma região, a ocupar áreas menores. Isto que dizer que quando estamos iniciando a aprendizagem maior número de neurônios e interligações entre eles são recrutados para processar informações (o que não quer dizer mais complexo), o que exigem maior gasto metabólico e fluxo de sangue para uma area maior (visulaizado no SPECT). Conforme continua o processo de aprendizado, e atividade que antes era dificil mais sendo dominada com maior facilidade e mais espontanea, o numero de neurônios utilizado para a tarefa vai diminuindo e e as interligações entre eles são em menor número, mas seu perfil se torna mais padronizado e especializado (uma forma de aplicação da seleção natural), o que permite otimização do processamento com maior ganho e menor gasto energético. É a sustentabilidade de processamento neuronal.

O estudo é inconclusivo em alguns aspecto como a demonstração de que as mudanças na atividade corticais não permitem avaliar se o que escreve é total o parte do pensamento do próprio médium. Entretanto, nesta pesquisa pode se concluir que para exercer a psicografia com naturalidade é necessário tempo, muita motivação, dedicação e prazer. O que sugere que o desencarnado exige um perfil neurocortical otimizado pelo aprendizado do medium dedicado para produzir uma comunicação com o maximo de naturalidade e menor abertura anímica. Ou seja, ninguem nasce com o cérebro pronto para uma psicografia mecânica.

Quem sabe que o que Kardec no LM classificou como Mecânicos, Semimecânicos e Intuitivos, não sejam variações nos padrões corticais associado ao tempo, motivação e aprendizado do medium.

Portanto, esta pesquisa não são nos esclarece mas também conduz a novos horizontes de possibilidades. Está é a beleza do pensamento científico.


Abraços fraternos
Marcos Borges
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Vitor Santos em 29 de Novembro de 2012, 10:28
Olá Gustavo

Citar
Alguem ja disse, mano Vitor, que : "preferia ser imbecil, assim não sofreria tanto".

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/jornal-das-boas-noticias/estudo-analisa-atividade-cerebral-de-mediuns/15/#ixzz2DbTLIVV6

"Alguém disse", mas esse alguém não fui eu, pois eu não disse nada disso. Como colocou isso no contexto/ seguimento das minhas palavras, nunca é demais esclarecer.

O sofrimento tem um papel na vida. Mas isso não quer dizer que desejemos sofrer doenças físicas, e, muito menos, doenças mentais. Isso é que seria imbecilidade.

A actividade intelectual não é sofrimento. O que é, para mim, sofrimento, é o oposto, ou seja, o tédio intelectual. A imbecilidade, por definição, é um sofrimento para a alma, que se deseja expressar e não tem como.

A sua frase tem um teor diverso do que eu disse. Ela é uma afirmação de que ser muito realista, em relação à vida, nos pode fazer sofrer. E isso até é verdade, de certa forma, mas deve ser aplicado no contexto correcto.

Está demonstrado que as pessoas que conseguem ter uma postura optimista em relação à vida, têm menos doenças e uma longevidade maior. Mas ser optimista não é ser imbecil.

As pessoas optimistas simplesmente têm mais fé, em si mesmas e na capacidade de enfrentar a vida, em geral.  Essa postura pode pecar por um pouco de irrealismo. Mas parece que as pessoas optimistas são mais felizes. Entram menos em depressão, e, quando entram, saem melhor da depressão. São também fisicamente mais saudáveis.

Uma pessoa pode melhorar a sua performance, mas não é fácil. O optimista, muito castigado pela vida, por lutar sem resultados, pode tornar-se um pessimista. Mas o oposto é muito mais difícil. Os psicólogos, da área da psicologia positiva, dizem que é possível tornar-se mais optimista, melhorando as explicações que nós damos a nós mesmos sobre o que nos acontece de bom e de mau. Mas também parecem existir factores endógenos.

bem hajam
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Edmar Ferreira Jr em 29 de Novembro de 2012, 11:23
Suzana, Edmar e demais colegas
[...]

Marcos,

Um muito obrigado por todos esses esclarecimentos. No dia mesmo em que li esse artigo, fiquei pensando depois nas dificuldades de se selecionar os participantes para o experimento. Suas informações comprovam o que já esperava.

Abraço, 
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 29 de Novembro de 2012, 12:09
Vitor meu caro, em primeiro lugar não coloquei palavras em sua boca, ou seu texto.
A frase que citei é uma metáfora, visto que seu autor, referia-se ao fato de que o conhecimento pode nos causar frustração pelo fato de não conseguirmos aplicá-lo de forma a melhorar nossa propria existência, e de nossos irmãos.
O amigo responde, de forma técnica, seria, a uma expressão, dita com algum senso de humor.
De minha parte, o conhecimento dos postulados espiritas, em especial da lei de causa e efeito, do entendimento de que preciso progredir sempre (nascer, morrer, renascer e progredir sempre, tal é a lei), pode sim causar sofrimentos, até por sermos sensiveis.
Precisamos amar ao próximo como a nos mesmos, por isso o sofrimento e a ignorância de meu irmão, me atinge, me faz sofrer.
A ignorância acomodada das religiões tradicionais gera uma paz nos seus crentes, a paz de quem se engana pensando enganar a Deus, mas para nós meu caro a busca pelo correto, pelo justo, o desejo de fazer nossos irmãos acordarem, estudarem de forma séria oque o Mestre ensinou, pode ser sim um fator de sofrimento.
Um pai não sofre ao ver o filho errando?
Um irmão não sofre ao ver o irmão sofrendo?
Então meu querido se nos acomodassemos nas igrejas e religiões tradicionais, não sofreriamos, não teriamos preocupações.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Zé Ninguém em 29 de Novembro de 2012, 12:27
Olá Marcos,
Muito obrigada pelos esclarecimentos. :)
É sempre importante ouvir a opinião de quem tem conhecimento na área.
Tive conhecimento de outras pesquisas do Dr Júlio e acho seu trabalho muito interessante.
paz e luz!
Susana
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mourarego em 29 de Novembro de 2012, 13:28
Eu também mano Vitor, com certeza!

Vejam só:, apesar de não me deixar cair em preocupações quanto ao meu estado, não posso deixar de lembrar que fui um esportista.
Fazia maratonas, corria todos os dias 5 km, participava de enduros de moto.
Ora, para estar preparado devia ter uma alimentação bem balanceada e não descurava disso, mas nem isso me eximiu de segurar um infarto do qual saí sem sequela no músculo cardíaco mas que porém, comprovou a existência de uma artéria dentro do coração que está bastante fora de calibre.
Este fato fez com que nem mesmo as pontes de safena que deveria colocar, pudessem ser colocadas, porque o risco de um rompimento daquela artéria é imenso até hoje.
Por isso é que tenho de ficar prisioneiro em casa como já disse.
quer dizer, quando nos lembramos do que fomos, e do estado em que estamos, não podemos deixar de pensar, caracas, de que serviu a vida bem regrada de antes?
Eu costumo responder a eu mesmo assim: Para que, estivéssemos vivos hoje, já que o infarto que sofri não foi pouco nem pouco importante.
abraços,
Moura

Olá Gustavo

Citar
Moura meu caro, não se entregue, as crises fisicas pelas quais nosso organismo passa são necessárias para nos fazer perceber algumas coisas.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/jornal-das-boas-noticias/estudo-analisa-atividade-cerebral-de-mediuns/15/?action=post;num_replies=15#ixzz2DXqaRvrk

Se eu pudesse escolher preferia a ignorância com saúde, do que ser sábio doente. Disso não tenho dúvidas, Gustavo.

bem haja
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mourarego em 29 de Novembro de 2012, 13:34
Caramba Marcos!
Nós, chegamos a ventilar esta mesma hipótese, sobre os tipos de médiuns, do qual falaste no teu post.
Deveríamos mesmo leva outros amigos que tinham aceitado fazer os mesmos exames, mas na hora todos  correram da raia.
Depois, a direção da clínica começou a nos querer cobrar caro pelo uso do maquinário e então foi que deixamos  de lado a pesquisa.
Decerto não se pode dar uma pesquisa efetuada apenas com duas pessoas como conclusiva, e nisso todos concordávamos, porém, achamos que já era um bom começo para pensarmos mais detidamente.
Muito importante a sua postagem.
abraços,
Moura

Suzana, Edmar e demais colegas

Conheci o inicio destas pesquisas quando participei do MEDNESP em 2005. Neste ano o projeto já existia e o Dr Julio Peres, que na minha opinião é um dos poucos palestrantes mais bem preparado para fazer exposição a que faz juz um congresso científico no MEDNESP, no final de sua palestra sobre a aplicação da metodologia utilizada nesta pesquisa na investigação neurocientífica do transe mediúnico, fez um convite a todos que conhecem médiuns psicografos que quisessem participar de uma futura pesquisa, colocando a disposição seu email para contato.
 
Já em 2007, no outro MEDNESP, o Dr. Julio divulgou de forma prelimiar a pesquisa que ocorreu em um Hospital Universitário na Pensivalnia, EUA. Mostrou fotos da equipe de pesquisa, dos locais onde foram realizadas e o grupo de voluntários que participaram da primeira fase da pesquisa. De 2009 e 2011 eu não tive a oportunidade de assistir suas palestras em DVD.

A começar pela amostragem de voltuntários que participaram da pesquisa, os pesquisadores foram o máximo cautelosos na hora de publicar o trabalho, isso dá para perceber quando dizem que o mesmo é uma "pesquisa exploratoria". Outra suposição é a dificuldade dos editores e os arbitros de revistas científicas aceitarem e/ou exigirem reformulação do conteudo antes de publicar, o que é bem comum em todas as pesquisas, o que explica a demora na publicação.

Edmar, certamente os pesquisadores não devem ter considerado uma distribuição da amostragem que incluia estas como outras variáveis a serem analisadas, porque a quantidade da amostragem utilizada não permite uma analise estatistica sem viésses. Veja que mesmo um estudo com 10 voluntários separados em dois grupos de 5 há uma margem de erro estatistico que pode ser melhorado em futuras pesquisa com uma amostragem maior.

Varios podem ser os motivos para em 2 anos (de 2005 a 2007) conseguir somente 10 voluntarios. Muitos se interessaram mas como todo o trabalho de pesquisa, em seu projeto deve haver termos de exclusão para permitir selecionar um perfil adequado, a começar pelo descarte de qualquer doença psiquiatrica e disturbios psicológicos e depois outros perfis. Neste intercurso devem haver desistência pelo compromissos de deveriam seguir, já que tiveram que ir para Pensilvania e ficar lá por algum tempo e se submeterem a protocolos de pesquisa. Em 2007, na palestra do MEDNESP, o Dr. Julio disse que fez um programa com os voluntários para diminuir o estresse, como passeios e encontros que ajudava a descontrair. E como muita relutância os pesquisadores aceitaram uma exigência dos voluntarios que foi recrutar um grupo de pessoas desconhecidas em um local desconhecido dos mesmos para fazerem preces para ele (voluntários e pesquisadores) no horário em que psicografavam e passavam pelo SPECT. Dr. Julio relatou que em todos os momentos em que os voluntários passram pela analise, que levou varias horas, não houve qualquer tipo intecorrência, que levaria a repetição, fato muito comum em pesquisa com imagem. Sempre digo que trabalhar com voluntários humanos é mais difícil do que com animais experimentais (ratos e camundongos). Mas, toda a equipe presenciou, segundo Dr. Julio, uma coesão de trabalho e uma afinidade de pensamento sem qualquer estresse.

Oi Suzana, esta pesquisa nos demonstra o que já é conhecido em outras pesquisas não-mediúnicas. Em qualquer atividade complexa há sempre maior atividade do cérebro em individuos que estão iniciando e aprendendo tarefas que exigem raciocinio (o mesmo é observado em atividade motora). Comforme você exercita com assuidade e perserverança "temperada" de motivação, confiança, ou seja "faz porque tem prazer em fazer e se sente motivado", melhor o desempenho. Além de analisar seus trabalhos, estudar e aprender com os erros e acertos, com muito prazer para fazer melhor é importante. Com o tempo de exercício, com motivação e prazer, a atividade que antes ocupava grande áreas corticais começa, na mesma região, a ocupar áreas menores. Isto que dizer que quando estamos iniciando a aprendizagem maior número de neurônios e interligações entre eles são recrutados para processar informações (o que não quer dizer mais complexo), o que exigem maior gasto metabólico e fluxo de sangue para uma area maior (visulaizado no SPECT). Conforme continua o processo de aprendizado, e atividade que antes era dificil mais sendo dominada com maior facilidade e mais espontanea, o numero de neurônios utilizado para a tarefa vai diminuindo e e as interligações entre eles são em menor número, mas seu perfil se torna mais padronizado e especializado (uma forma de aplicação da seleção natural), o que permite otimização do processamento com maior ganho e menor gasto energético. É a sustentabilidade de processamento neuronal.

O estudo é inconclusivo em alguns aspecto como a demonstração de que as mudanças na atividade corticais não permitem avaliar se o que escreve é total o parte do pensamento do próprio médium. Entretanto, nesta pesquisa pode se concluir que para exercer a psicografia com naturalidade é necessário tempo, muita motivação, dedicação e prazer. O que sugere que o desencarnado exige um perfil neurocortical otimizado pelo aprendizado do medium dedicado para produzir uma comunicação com o maximo de naturalidade e menor abertura anímica. Ou seja, ninguem nasce com o cérebro pronto para uma psicografia mecânica.

Quem sabe que o que Kardec no LM classificou como Mecânicos, Semimecânicos e Intuitivos, não sejam variações nos padrões corticais associado ao tempo, motivação e aprendizado do medium.

Portanto, esta pesquisa não são nos esclarece mas também conduz a novos horizontes de possibilidades. Está é a beleza do pensamento científico.


Abraços fraternos
Marcos Borges
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Vitor Santos em 29 de Novembro de 2012, 19:07
Olá amigo Gustavo

Citar
De minha parte, o conhecimento dos postulados espiritas, em especial da lei de causa e efeito, do entendimento de que preciso progredir sempre (nascer, morrer, renascer e progredir sempre, tal é a lei), pode sim causar sofrimentos, até por sermos sensiveis.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/jornal-das-boas-noticias/estudo-analisa-atividade-cerebral-de-mediuns/15/#ixzz2Ddd89tPr

Para mim a doutrina espirita é consoladora. Não me causa qualquer sofrimento.

De qualquer modo a realidade é o que é, independentemente das nossas crenças sobre a mesma.

bem haja
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 30 de Novembro de 2012, 10:56
Vitor meu caro, eu tenho sentimentos, portanto, ver meu irmão em erro ma causa dor sim.
É triste ver o egoismo e a ganância abusarem da ignorância.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Vitor Santos em 30 de Novembro de 2012, 12:20
Olá

Citar
Vitor meu caro, eu tenho sentimentos, portanto, ver meu irmão em erro ma causa dor sim.
É triste ver o egoismo e a ganância abusarem da ignorância.


Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/jornal-das-boas-noticias/estudo-analisa-atividade-cerebral-de-mediuns/15/#ixzz2Dhc2wTxF

Ver um irmão em erro, no sentido de ele não ter as mesmas crenças espirituais do que eu, não me faz sofrer absolutamente nada. Isto porque eu não sinto nada em condições de dizer aos outros o caminho que eles devem seguir, no âmbito das crenças espirituais. Para eu dizer a alguém que está errado, eu precisava de me sentir na posse da verdade. Ora eu tenho as minhas crenças, e crenças não são certezas. As minhas crenças servem para me guiar a mim, não para impor aos outros. Posso apenas comunicá-las, a titulo de informação, se isso me for solicitado.

Ver injustiças é revoltante. Mas isso não é uma consequência de ser adepto da doutrina espirita. Antes de saber o que significava espiritismo, eu já me sentia revoltado perante a injustiça. E tenho amigos de várias crenças, e também ateus, que se sentem igualmente  revoltados com a injustiça, e que são pessoas sensíveis ao sofrimento alheio. Para ter respeito pelos valores éticos e ser sensível não é preciso ser religioso.

Penso que não devemos sequer colocar a questão do respeito dos valores éticos como algo que depende da religião ou da crença espiritual de cada um, porque isso é perigoso para a humanidade. Se o fizermos, estamos a dar uma desculpa para justificar os comportamentos pouco éticos. Estamos a dizer: os ateus materialistas, ou os crentes de outras religiões podem ser egoístas e gananciosos, e passar por cima de toda a gente, porque é essa a crença deles. Ou seja, estamos a dizer: ter valores éticos é uma questão de crença e não uma obrigação de qualquer um.

Ora, não há desculpas válidas para atropelar os direitos alheios, seja para quem for, seja lá qual for a crença ou descrença espiritual da pessoa. Isso é uma questão de posição politica, e não religiosa. Eu defendo a igualdade de direitos perante a lei, a igualdade de oportunidades, a solidariedade para com aqueles que não conseguem satisfazer as suas necessidades básicas pelos próprios meios. Os métodos para conseguir isso é que ainda não foram encontrados. Os homens têm arranjado sempre forma de violar as regras dos métodos que vão sendo implementados, ao sabor dos seus interesses pessoais, de uma forma ou de outra. 

A ideia de igualdade de direitos e oportunidades, na Terra, é condizente com a lei de igualdade dos espiritos perante Deus. Acreditamos que Deus é imparcial em relação às suas criaturas e também queremos agir dessa forma na Terra. A solidariedade para quem não tem capacidade de prover o seu próprio sustento, é a condizente com a ideia de amor divino e de bondade divina. Mas não é preciso acreditar em Deus para ser bom, amar e ser sensível.

bem hajam
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 30 de Novembro de 2012, 13:05
"Ver injustiças é revoltante. Mas isso não é uma consequência de ser adepto da doutrina espirita. Antes de saber o que significava espiritismo, eu já me sentia revoltado perante a injustiça. E tenho amigos de várias crenças, e também ateus, que se sentem igualmente  revoltados com a injustiça, e que são pessoas sensíveis ao sofrimento alheio. Para ter respeito pelos valores éticos e ser sensível não é preciso ser religioso."

Meu caro Vitor, é nesse ponto que quero chegar.
Aprendi estudando a DE, que Deus é soberanamente justo e bom, portanto em suas leis não hã injustiças.
Assim, aquilo que consideramos injustiça, segundo nossos padrões humanos e materiais, nada mais é do que a colheita de uma semeadura equivocada, portanto quem passa por uma dificuldade, a criou, com seu próprio descuido.
Entretanto a DE tambem nos diz que irmãos em dificuldade são uma oportunidade para que exercitemos a caridade.
Quanto a ser religioso, se considerarmos que a DE não é religião, não e por ela que seremos mais ou menos sensiveis, mas pela compreensão dos valores morais que ela tão bem explica e exemplifica.
O que acho triste, meu mano, é ver que, mesmo depois de 2000 anos, ainda estamos distorcendo o que o Mestre nos ensinou, para continuar plantando uma lavoura de erros.
Quanto as crenças, nessa questão concordo com você, são absolutamente irrelevantes. O importante é termos, e tentarmos disseminar isso, a consciencia da chamada lei de causa e efeito.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mourarego em 30 de Novembro de 2012, 14:00
amigos,
creio eu que as vezes perdemos muito tempo apenas porque não vemos que é de causa semântica, muitas de nossas discussões.
Vou tentar explicar mekhor.
Vejo o mano Guga e o mano Vitor a debaterem, sobre dor e caridade.
A questão maior é, eu ão sinto dor ao ver, uma pessoa a passar necessidade ou ser agredida por quem lhe esteja superior, tomo a isso como estímulo para tentar defender àquela pessoa.
Isso é exercer a caridade.
Ora, não o fiz porque  me condoí, ou seja tomei a mim a dor que só ele sentia, mas sim que se obrei em defesa daquela pessoa foi por um ideal de Justiça e de preservação dos Direitos daquela pessoa.
Importante é que não confundamos tudo porque não damos atenção à semântica.
Que fique claro: Só sente a dor, aquele que a tem endereçada a ele.
Nós, nos apiadamos, dele, e muita vez, como no meu caso, defendo a causa dele, se justa, para demonstrar seus direitos.
Mas, vamos pensar, este é um outro tema, que nada tem a ver com o do tópico, voltemos ao cerne, então?
abração,
Moura
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Gustavo Rettenmaier em 30 de Novembro de 2012, 14:21
amigos,
creio eu que as vezes perdemos muito tempo apenas porque não vemos que é de causa semântica, muitas de nossas discussões.
Vou tentar explicar mekhor.
Vejo o mano Guga e o mano Vitor a debaterem, sobre dor e caridade.
A questão maior é, eu ão sinto dor ao ver, uma pessoa a passar necessidade ou ser agredida por quem lhe esteja superior, tomo a isso como estímulo para tentar defender àquela pessoa.
Isso é exercer a caridade.
Ora, não o fiz porque  me condoí, ou seja tomei a mim a dor que só ele sentia, mas sim que se obrei em defesa daquela pessoa foi por um ideal de Justiça e de preservação dos Direitos daquela pessoa.
Importante é que não confundamos tudo porque não damos atenção à semântica.
Que fique claro: Só sente a dor, aquele que a tem endereçada a ele.
Nós, nos apiadamos, dele, e muita vez, como no meu caso, defendo a causa dele, se justa, para demonstrar seus direitos.
Mas, vamos pensar, este é um outro tema, que nada tem a ver com o do tópico, voltemos ao cerne, então?
abração,
Moura

Moura meu caro, obrigado pelo socorro.. rsrsrs
Na realidade é isso mesmo, dor em um sentido figurado, bem como a frase citada que deu origem ao debate tambem o foi.
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Vitor Santos em 30 de Novembro de 2012, 17:54
Olá

Citar
Aprendi estudando a DE, que Deus é soberanamente justo e bom, portanto em suas leis não hã injustiças.

Clique aqui para ler mais: http://www.forumespirita.net/fe/jornal-das-boas-noticias/estudo-analisa-atividade-cerebral-de-mediuns/30/?action=post;num_replies=30#ixzz2Dj6muLWd

Que nas leis de Deus não há injustiças, concordo. As injustiças da Terra são devidas às leis dos encarnados da Terra, não às leis de Deus. Senão teríamos que dizer que a condenação de Jesus à morte foi justa. E que todas as atrocidades que se cometem na Terra são uma coisa boa e justa. E a caridade seria um erro, pois é uma acção que vai impedir a justiça de se realizar.

Não podemos confundir a justiça, de um ponto de vista da vida milenar do espírito, com a justiça na Terra, entre os homens.

bem haja
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Anton Kiudero em 30 de Novembro de 2012, 19:44
Que nas leis de Deus não há injustiças, concordo. As injustiças da Terra são devidas às leis dos encarnados da Terra, não às leis de Deus. Senão teríamos que dizer que a condenação de Jesus à morte foi justa. E que todas as atrocidades que se cometem na Terra são uma coisa boa e justa. E a caridade seria um erro, pois é uma acção que vai impedir a justiça de se realizar.

Não podemos confundir a justiça, de um ponto de vista da vida milenar do espírito, com a justiça na Terra, entre os homens.

Amigo,

Cada um recebe segundo o seu merecimento e o único a saber qual o merecimento de cada um a cada instante é Deus. E entre os propósitos da encarnação esta o de cumprir as ordens de Deus. E Deus é A Justiça e O Amor, sendo portanto cada ação que vemos acontecer, justa, merecida e amorosa.

Assim sendo, nos os espíritos filhos de Deus, temos uma nova lição a cada instante de nossa vivencia encarnada que se presta especificamente a provação, ou seja, a experimentar as provas que solicitamos e responder corretamente as mesmas.

E em que consiste a resposta às provas? Em discernir entre o BEM e o MAL. Bem é em cada instante amar a Deus acima de tudo e Mal é a cada instante amar a si mesmo acima de tudo. Isto é tudo o que diferencia os homens entre si.

Jamais acontece algo injusto ou errado no universo. Acreditar que isto possa acontecer é apenas consequência de achar-se superior a Deus e julgá-lo... O que também equivale ao MAL. Não importa a gradação, que é de importância secundaria. MAL é MAL e BEM é BEM...

Ta tudo explicadinho no Livro dos Espíritos.

Anton



Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Mirina em 30 de Novembro de 2012, 23:10
Boa noite amigos,

Suzana, em boa hora chegou sua postagem, estava mesmo procurando dados desta pesquisa.Seria muito produtivo termos acesso as imagens geradas para poder compará-las com imagens da atividade cerebral de indivíduos em transe meditativo, em oração, em experiencias de coma(quase morte), para concluir algo mais significativo.  Estados de transe estão suscitando muito interesse da comunidade cientifica, até mesmo para entender os mecanismos que regem o cérebro humano, ainda pouco conhecido.

Mas me interessa mesmo é conhecer em qual frequência funciona o cérebro do médium em estado de psicografia, pois esta informação é determinante para inferir em qual faixa vibratória o médium está atuando.   
Sabemos já que existem diversas faixas de frequência na atividade cerebral:

Beta - 21 a14 ciclos/segundo - nesta faixa o individuo esta em estado de alerta com estimulo nas áreas relacionadas a Atenção, Concentração e Cognição, corresponde a nossa frequencia cerebral no estado de vigilia diurna, quando estamos exercendo nossas atividades rotineiras e ligada a racionalidade.

Alfa - abaixo de 14 ciclos/segundo - estimulo nas áreas relacionadas a Relaxamento,
Visualização, e Meditação, é o estado que atingimos no pré-sono, quando perdemos o contato com nossos sentidos tácteis e visuais, que nos acomete logo ao adormecer ou antes de acordar totalmente, ou então durante a estados meditativos.  Nesta frequência de atividade cerebral nos tornamos menos ansiosos, pois somos inundados pelo hormônio Serotonina, que nos remete uma sensação de paz e bem estar.

Frequência Teta - abaixo de 7 ciclos/segundo - estimulo de áreas relacionadas a criatividade e a memória.

Frequencia Delta - abaixo de 4 ciclos/segundo - é a mais baixa de todas as frequências cerebrais, estado de sono profundo, segundo a DE momento em que o espírito se desprende do corpo físico e goza de liberdade para adentrar outros planos que lhe são permitidos ou estar em contato com pessoas queridas, encarnadas ou não.

Logo, analisar em que faixa vibratória o cérebro do médium está se comunicando durante a psicografia, Intuitiva, mecânica ou outras, é de grande importância para avaliar os fenômenos ligados a espiritualidade e já tão claramente anunciados na DE.   Na melhor das hipóteses um medium com domínio de sua capacidade e concentração estará vibrando no momento da comunicação mediúnica, inclusive nos processos de cura e magnetização, na mesma faixa de sono profundo onde o espírito é capaz de livremente entrar em comunicação com a espiritualidade.

 Grata Suzana, por compartilhar esta informação conosco!

Abraços de luz,
Mirina
Título: Re: Estudo analisa atividade cerebral de médiuns
Enviado por: Zé Ninguém em 01 de Dezembro de 2012, 00:15
Que bom que a informação lhe foi útil Mirina. :)
Também achei muito interessante.
No link que citei no texto inicial tem mais detalhes da pesquisa, gráficos, etc , inclusive fotos do cérebro dos médiuns, o texto está em inglês, não achei em português,
abraços
Susana