Forum Espirita

CONVÍVIO => Off-topic => Tópico iniciado por: Marianna em 29 de Abril de 2014, 18:48

Título: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 29 de Abril de 2014, 18:48


(http://lh4.ggpht.com/-SvtkgGikDcc/U2EB8ezZxGI/AAAAAAAAdIY/2866paXAkZ0/books_thumb%25255B2%25255D.gif)

Desvendando o Desconhecido.
Autores Diversos.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 03:52

(http://static.tumblr.com/eolfnct/1TNlytz9c/tumblr_lyqu7ycosu1r31n5po1_500.gif)


Textos direcionados especialmente para os visitantes, com pesquisas e estudos variados, onde tentaremos descortinar e entender os mistérios da vida em geral. Quanto aos membros do Fórum, se discordarem de algum artigo, não transformem este tópico em debate, ele não foi criado com este objetivo. Carinhos mil. Obrigada.

Quem quiser comentar, elogiar ou criticar,
faça-o no final do tópico no: Comente no facebook.


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 03:55


Como era a vida no tempo de Jesus

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Há dois mil anos Jesus trabalhou, comeu, dormiu, conversou e se divertiu em uma época e em um lugar específicos, com costumes e tradições próprios.
 
Dois mil anos atrás, um homem chamado Jesus foi sentenciado à morte e crucificado em uma colina nos arredores de Jerusalém.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  No terceiro dia, acreditam mais de 2 bilhões de cristãos, ele ressuscitou para subir aos céus evento comemorado todos os anos no domingo de Páscoa.

Segundo a fé cristã, Jesus ressuscitou por ser Deus feito homem. Como era de esperar, esse aspecto divino deixou na sombra seu lado humano.

▬  Mas o fato é que Jesus:

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Comeu,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Dormiu,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Trabalhou,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Conversou,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) E se divertiu...

... Em uma época e em um lugar específicos, com costumes e tradições próprios. Nestas páginas, ZH promove uma incursão a esse mundo em que Jesus viveu.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  A Geografia.

▬  Império:

A Galileia, onde Jesus nasceu, integrava o Império Romano, que abrangia todo o entorno do Mediterrâneo, incluindo partes da Europa, da África e da Ásia, somando 50 milhões de habitantes.

▬  Principais cidades:

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Antióquia: 300mil,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Alexandria: 700 mil,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Roma: 1 milhão de habitantes.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 04:01

  A Província:

A Judeia foi conquistada pelos romanos em 63 a.C e virou um reino semi-autônomo.

▬  Quando o rei Herodes morreu, o território foi dividido entre seus três filhos:

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Herodes Antipas (Galileia),
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Felipe (leste do Rio Jordão),
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Arquelau (Judeia, Samaria e Idumeia).

Arquelau revelou-se tão brutal que foi deposto. Seu reino foi convertido em província, sob os cuidados de um governador romano. Na época de Jesus, esse governador era Pôncio Pilatos.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)   Principal cidade da Judeia, com 25 mil habitantes, recebia 100 mil peregrinos para festas como a Páscoa.

Sua importância devia-se ao Templo, uma colossal construção que ocupava um quinto da cidade e era o centro do judaísmo. Jesus foi levado ali oito dias depois de nascer, para que seus pais fizessem a oferenda obrigatória de um casal de pombos.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)   Jesus nasceu nos confins do império, na Galileia, um reino de 200 mil habitantes. Por estarem fora da Judeia, galileus como Jesus eram tidos pelos outros judeus como broncos e caipiras.

A Galileia não era árida e rochosa como outras terras da região. Ali havia muita chuva e se produziam cereais, azeite de oliva, vinho e frutas.

(http://www.picgifs.com/mini-graphics/mini-graphics/fish/mini-graphics-fish-788210.gif)   Nazaré:

O Novo Testamento relata a pergunta feita por um homem chamado Natanael quando lhe contaram de que povoado vinha Jesus:
▬  "Pode algo bom sair de Nazaré?".

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)   Nazaré era pouco mais do que uma aldeia, segundo algumas fontes com não mais de 20 casas, a 115 quilômetros de Jerusalém.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 04:05
 

Inscrição dos primeiros tempos do cristianismo

(http://www.picgifs.com/mini-graphics/mini-graphics/fish/mini-graphics-fish-788210.gif)  As Línguas de Jesus.

Três idiomas eram amplamente usados na Palestina, conforme o contexto:

▬  Aramaico:
Língua que se aprendia na primeira infância e se usava no dia-a-dia e em família. A estrutura das frases e o vocabulário de Jesus indicam que ele pregava nesse idioma.

▬  Hebraico: dioma litúrgico judaico, que as crianças aprendiam na escola da sinagoga,
estudando as escrituras. Pelo conhecimento dos textos da Torá, Jesus sabia hebraico.

▬  Grego:
O Império Romano tinha dois idiomas, latim e grego. A oriente, o grego era a língua franca, com papel semelhante ao que o inglês tem hoje, sendo usado em documentos e contratos legais.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)   Permitia falar com gente de todas as regiões. Os pais queriam que seus filhos o aprendessem, para subir na vida. Essa foi provavelmente a língua que Jesus usou ao falar com Pilatos.

▬  Economia:
A maior parte das pessoas tirava o sustento da agricultura. As famílias costumavam viver em povoados e cultivar um pedaço de terra nas redondezas.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)   As propriedades da Galileia tinham em média sete hectares. Plantava-se grãos, oliveiras e legumes. Vinhedos eram comuns. As árvores frutíferas tinham de ser vigiadas, por causa de ladrões.

Outros ofícios:

▬  Pastoreio.
Quase sempre de animais menores, como ovelhas e cabras. Gado bovino era raro. Algumas famílias criavam galinhas ou pombos, usados em sacrifícios.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 04:10

Pesca:

A Pesca Existia uma importante indústria pesqueira na Galileia. Essa é a razão para haver pescadores entre os discípulos de Jesus.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)   Apicultura:

Havia criadores de abelhas, para produção de mel.

Ofícios manuais: Eram transmitidos de pai para filho. Existiam ferreiros, oleiros, tecelões, marceneiros, pedreiros e curtidores (que trabalhavam fora do povoado, por causa do cheiro)

▬  As classe sociais:

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Classe alta: formada pela nobreza sacerdotal e por altos funcionários, latifundiários e grandes comerciantes
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Classe média: incluía pequenos proprietários rurais, artesãos e comerciantes
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Classe inferior: eram os escravos e os jornaleiros, que trabalhavam na terra dos outros

▬  Carga tributária:
Os romanos ficavam com 12,5% da produção agrícola. O Templo, somando diferentes tributos, arrecadava outros 22%. Como um quinto do que se colhia era reservado como semente, sobrava menos da metade da colheita para o agricultor.

▬  Jesus era pobre?:
A situação econômica de Jesus era confortável. Apesar de não fazer parte dos 2% de aristocratas, também não estava entre os 80% que viviam na pobreza. José, seu pai, era um "tékton", palavra que costuma ser traduzida como "carpinteiro", mas que pode ser entendida como "empreiteiro".

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Acredita-se que ele construía edifícios. Pesquisadores entendem que Jesus exerceu o ofício. Em uma passagem de Lucas, ele demonstra seus conhecimentos:

▬  "Porque qual de vós, querendo edificar uma torre, não faz primeiro, sentado, a conta dos gastos necessários, para ver se tem com que acabar?

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Para que, depois de ter assentado o fundamento e não a puder terminar, todos os que virem não comecem a fazer zombaria dele."

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Vida nas Cidade.

▬  As cidades da Galileia e da Judeia que Jesus percorreu eram locais:

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Insalubres,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Barulhentos,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  E perigosos.

Como muralhas cercavam essas povoações, o espaço era restrito. Quase não havia praças, quintais ou árvores. Todo terreno costumava ser ocupado por construções, que compartilhavam paredes.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  As portas abriam direto na rua. A violência era epidêmica, e não existia polícia. Logo, ninguém se arriscava na rua depois do anoitecer.

▬  Higiene:
A imundície era generalizada, porque lixo e dejetos eram despejados na rua. Havia latrinas públicas em algumas cidades, mas elas eram evitadas pelas condições repulsivas.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Os moradores tinham penicos que despejavam pela janela, não raro sobre a cabeça de alguém.

▬  Casas:
Ricos viviam em mansões com água corrente. Havia prédios de apartamentos na Judeia, mas as pessoas mais pobres moravam em casas pequenas, de um ou dois aposentos.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Em uma passagem de Mateus, Jesus dá a entender que uma única lamparina a óleo era suficiente para iluminar um lar.

O teto das residências era achatado, porque quase não chovia. Como faltava espaço nas ruas, os judeus usavam a laje para tomar sol ou ar fresco. Nas noites quentes, dormiam no telhado.

▬  A casa de Jesus:
Um trecho de Marcos, segundo pesquisadores, demonstra que a casa de Jesus não seria pequena, porque nela cabiam várias pessoas:

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Logo se espalhou a notícia de que Jesus estava em casa.  E tanta gente se reuniu aí que já não havia lugar nem na frente da casa.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 04:17

Costumes.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Divisão do dia.

Não havia relógios, nem medição precisa do tempo, as pessoas sequer sabiam direito sua idade.

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) O dia começava com o raiar do sol.
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) A manhã era destinada ao trabalho.

Depois do almoço, mais ou menos entre as 13h e as 16h, vinha o momento de relaxar, era comum dormir ou ir ao banho público.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Quando o sol se punha, todos estavam em casa, porque as ruas eram perigosas.

▬  Hora grega:
Os gregos desenvolveram a ideia de que o dia era dividido em 12 horas, sendo que cada hora correspondia a um duodécimo do período de luz solar.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Como o tempo diário de sol variava conforme as estações, a duração da hora não era fixa.

Jesus estava familiarizado com esse sistema, conforme o Evangelho de João:
" Jesus respondeu:
▬  Não são 12 as horas do dia? Aquele que caminhar de dia, não tropeça, porque vê a luz deste mundo."

▬  Roupas:
As roupas da Palestina no tempo de Jesus seguiam a moda do mundo greco-romano:

▬  Túnica:
Roupa casual, feita de linho ou algodão, era colocada pelo pescoço e tinha mangas. Existiam modelos diferentes para homens e mulheres.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  As peças coloridas eram mais difundidas entre as mulheres.

Manto:
Enrolado no corpo, por cima da túnica, em ocasiões formais ou nos dias frios. Incômodo, era removido para atividades físicas.

Por ser caro, era alvo de ladrões. Só os abastados possuíam mais de um.

▬  Roupa de baixo:
Os homens às vezes usavam uma espécie de tanga, feita de algodão ou lã. No trabalho sob o sol quente, essa podia ser a única vestimenta.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  As mulheres vestiam uma peça desse tipo quando menstruadas.

▬  Cinto:
Um cinto era colocado ao redor da túnica, permitindo baixar ou elevar a altura do traje conforme a necessidade.

▬  Beleza:
Perfumes, pentes, espelhos, cosméticos e depilações eram comuns no mundo em que Jesus viveu.

▬  Cosméticos:
Eram amplamente usados pelas mulheres, que almejavam uma tez pálida. Na Palestina, a maquiagem ao redor dos olhos e do nariz prevenia o ressecamento provocado pelo clima árido.

▬  Cabelos:
De forma geral, os homens usavam cabelo curto. Entre os judeus, no entanto, podiam ser mais longos, acompanhados de barba.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  As mulheres mantinham o cabelo comprido, arranjado em penteados elaborados, envolvendo coques, tranças e enfeites, conforme a moda do momento.

▬  Salões de beleza:
Havia barbeiros e cabeleireiros, que também prestavam serviços de manicure e pedicure.

(http://www.picgifs.com/mini-graphics/mini-graphics/fish/mini-graphics-fish-788210.gif)  Casamento:

▬  Função:
O casamento era a condição natural para homens e mulheres. Um adulto solteiro era tão raro quanto um homem com várias esposas.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Não se tratava de uma união romântica, mas de um acerto entre famílias. Na época de Jesus, era normal haver o consentimento da noiva.

▬  Idade:
As mulheres casavam logo após a puberdade, raramente após os 15 anos. Maria era adolescente quando teve Jesus.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Os homens contraíam matrimônio mais tarde, mas antes dos 25 anos.

▬  Viuvez:
Por causa da diferença de idade entre os noivos, havia muitas viúvas jovens.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Como as escrituras não fazem menção a José depois dos 12 anos de Jesus, presume-se que ele já estava morto.


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 04:19

Filhos:
A maioria dos casais tinha dois ou três filhos. Não eram comuns famílias numerosos. Métodos de prevenção a gravidez e abortivos eram bem conhecidos.

▬  Educação:
A escola ficava na sinagoga e era só para meninos.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Eles aprendiam a ler, escrever e fazer contas. Também recebiam algumas noções de geografia.

▬  Prostituição:
No Império Romano, a prostituição era disseminada. Chegava a ser exercida em cabines portáteis instaladas nas ruas.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  As várias menções a meretrizes no Novo Testamento indicam que Jesus estava familiarizado com ela. Não havia preocupação com doenças sexualmente transmissíveis: sífilis e gonorreia não eram conhecidas.

▬  Morte:
A mortalidade infantil era elevada. Metade das crianças não chegava á idade adulta. As mulheres morriam frequentemente no parto ou depois dele, por falta de higiene.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Também morria-se muito por acidente, epidemias e falta de assistência médica.

▬  A Justiça:
A condenação de Jesus à morte na cruz seguiu os trâmites legais da época.

▬  Delação:
Judas agiu de forma aceitável para a época. Havia um exército de informantes, responsáveis por denunciar quem representava perigo para a sociedade.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Os delatores inclusive atuavam como promotores no julgamento.


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 04:23


(http://www.picgifs.com/mini-graphics/mini-graphics/fish/mini-graphics-fish-788210.gif)  Sinédrio

Os romanos concediam certa autonomia aos judeus. O órgão judaico máximo era o Sinédrio, um tribunal aristocrático composto pelo Sumo Sacerdote e por nobres.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Jesus foi interrogado por esse conselho sobre questões de doutrina e considerado culpado. O Sinédrio não podia aplicar a pena de morte. Por isso, o caso foi levado ao governador romano, Pôncio Pilatos.

▬  Pilatos:
Diante do governador, os sacerdotes acusaram Jesus. Na época, o julgamento consistia em discursos do acusador e do acusado.

Por isso, um réu que se recusasse a responder, como Jesus, desperdiçava a chance de absolvição.
▬  "Era um comportamento desconhecido, que deixou Pilatos atônito, conforme o de Marcos.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  "E os príncipes dos sacerdotes o acusavam de muitas coisas".

E Pilatos interrogou-o novamente, dizendo:
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Não respondes coisa alguma"?
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Vê de quantas coisas te acusam.

(http://c10.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/d2a04dcfe/5661819_CZAnP.gif)  Mas Jesus não respondeu mais nada, de sorte que Pilatos estava admirado.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 04 de Maio de 2014, 04:26


Bodas de Canan

▬  Punição:
No Império Romano, não havia a ideia de prisão como punição. Quando alguém estava detido, era à espera de ser punido.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  As penas envolviam multa, para pequenos crimes, ou exílio, trabalho forçado e morte, para outros de maior monta. Para réus pobres, era permitida uma execução cruel, com sofrimento.

▬  Cultura Grega:
A Judeia e a Galileia eram regiões periféricas, mas não estavam intocadas pela influência estrangeira. A cultura greco-romana influenciava todas as esferas da vida, cumprindo papel similar ao da norte-americana hoje.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Judeus devotos davam nomes helênicos aos seus filhos, por exemplo. A cultura grega era tão forte que alguns judeus se submetiam a uma arriscada e dolorosa cirurgia de reversão da circuncisão. Assim, podiam tirar a roupa sem constrangimento nos banhos públicos.

▬  Uma cidade grega ao pé de Jesus:
Nos evangelhos, Jesus aparece em muitos povoados, mas não há menção a Séforis, uma importante metrópole de cultura grega.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  No entanto, é muito provável que tenha estado lá, porque a cidade ficava a apenas uma hora de caminhada de sua casa.

Séforis foi reconstruída por Herodes Antipas, segundo o modelo grego, para ser capital da Galileia.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Com 30 mil habitantes, tinha circo, pista de corrida, ginásio, escola de luta, banho público e teatro pela forma como Jesus se expressava, pesquisadores acreditam que ele foi influenciado por performances de teatro.

▬  Mentalidade.
Total desconhecimento científico: Muita gente acreditava que a Terra fosse plana e que o céu consistisse em uma espécie de bacia virada sobre ela.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Se alguém conseguisse atravessá-lo, entraria no paraíso.

Disse Jesus:
▬  "Em verdade, em verdade, vos digo que vereis o céu aberto e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do Homem"

▬  Doenças:
A ignorância sobre as doenças levava o povo a atribuí-las a demônios.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  A cura de males como epilepsia, surdez e paralisia passava por expulsar os espíritos ruins. Jesus era visto como um curandeiro com o dom do exorcismo.

▬  Fim do mundo:
Entre os judeus, previa-se que o mundo estava para acabar, e que um rei do fim dos tempos seria enviado por Deus.

(http://c9.quickcachr.fotos.sapo.pt/i/dc204fcdc/5661820_zKnIO.gif)  Esse messias derrotaria os romanos e restauraria a glória de Israel. Essa esperança era exacerbada pela situação de opressão em que os judeus viviam.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 01:33

A Palestina nos tempos de Jesus
(http://gifportal.ru/data/smiles/flowers-357.gif)  No primeiro século a Palestina foi varrida por desavenças dinásticas, conflitos destruidores e, ocasionalmente, guerras. 
 
No segundo século a.C., um reino judaico mais ou menos unificado foi estabelecido transitoriamente, segundo os dois livros apócrifos dos Macabeus. Por volta de 63 a.C., contudo, a terra estava novamente em turbulência, madura para a conquista. 
 
(http://gifportal.ru/data/smiles/flowers-357.gif)  Mais de um quarto de século antes do suposto nascimento de Jesus, a Palestina caiu sob o exército de Pompeu, e a lei romana foi imposta.
 
Mas Roma, na época, muito extensa e muito preocupada com seus próprios problemas, não estava em condições de ali instalar o aparelho administrativo necessário para um governo direto. 
 
(http://gifportal.ru/data/smiles/flowers-357.gif)  Assim, ele criou uma linha de reis marionetes - a dos herodianos - para governar sob seu controle.
 
▬  Não eram judeus, mas árabes:
 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Heródes Antipas;
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Heródes Antipater (63 a 37 a.C.);
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) E Heródes, o grande (37 a 4 a.C.).
 
(http://gifportal.ru/data/smiles/flowers-357.gif)  O povo do país podia manter sua própria religião e costumes. Mas a autoridade final era Roma e reforçada pelo exército romano.


(http://img692.imageshack.us/img692/5334/q4kr.jpg)


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 01:37

A Galileia

No ano 6 d.C. o país foi dividido em duas províncias:
 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Judéia
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) E Galiléia.
 
Heródes Antipas tornou-se o rei da Galiléia.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Mas Judéia, a capital espiritual e secular, ficou sujeita a norma romana direta, administrada por um procurador romano baseado em Cesarea.
 
O regime era brutal e autocrático. Ao assumir o controle direto da Judéia, mais de dois mil rebeldes foram crucificados.
 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) O templo foi saqueado e destruído.
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Impostos pesados foram criados. 
 
Este estado de coisas foi melhorado por Poncio Pilatos, procurador da Judéia de 26 d.C. até 36 d. C.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Os registros existentes indicam que Pilatos era um homem corrupto e cruel, e não só perpetuou, mas intensificou os abusos de seu predecessor.
 
Pelo menos, à primeira vista, é surpreendente que os Evangelhos não contenham críticas a Roma, nem menções ao jugo romano. Os judeus da Terra Santa, podiam ser divididos em várias seitas e subseitas.
 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Havia, por exemplo, os Saduceus, uma classe de pequenos mas abastados proprietários que, para desprazer de seus compatriotas colaboravam de forma insidiosa com os romanos. 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Havia os Fariseus, um grupo progressista que introduziu muitas reformas no judaísmo e que, apesar de seu retrato nos Evangelhos, se colocava em uma posição teimosa, embora passiva, a Roma.
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Havia os Essênios, uma seita austera, misticamente orientada, cujos ensinamentos eram mais prevalentes e influentes do que é geralmente admitido ou suposto.
 
Entre as seitas e subseitas menores havia os Nazoritas dos quais Sansão, séculos antes tinha sido membro.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Os Nazorianos ou Nazarenos, um termo que parece Ter sido aplicado a Jesus e seus seguidores, realmente, a versão original grega do NT se refere a "Jesus, o Nazareno", expressão mal traduzida como "Jesus de Nazaré".
 
Em 6 d.C., quando Roma assumiu o controle direto da Judéia, um fariseu rabino conhecido como Judas da Galiléia tinha criado um grupo revolucionário altamente militante, conhecido como Zelote e composto, parece, de fasiseus e essênios.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Os zelotes não eram propriamente uma seita. Eram um movimento com afiliados de várias seitas.
 
Muito tempo depois da crucificação, as atividades dos zelotes continuaram inalteradas. Por volta de 44 d.C. elas aumentaram.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Em 66d.C. a luta irrompeu, toda a Judéia se levantando em revolta organizada contra Roma. Vinte mil judeus foram massacrados pelos romanos só em Cesarea.


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 01:40

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Em sua política expansionista Roma chega ao Oriente Médio em 63 a.C., por meio do general Pompeu. Era um Império que nesta época crescia constantemente.
 
Depois de cinco séculos sua dominação já se estendia á parte da Europa, da Ásia e da África. Assim também a Palestina passou a fazer parte do Império Romano.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  A Palestina então era uma região de localização estratégica, por ser uma região de passagem havia um constante trânsito de:
 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Soldados,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Diplomatas,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Mensageiros,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  E comerciantes.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Essa região possuía cidades importantes para o comércio, como Cesaréia e Jerusalém, onde havia estradas bem estruturadas e portos que facilitavam a comunicação e o transporte de mercadorias e pessoas.


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 01:44

 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Durante todo o período do novo Testamento a Palestina foi governada por membros da família herodiana, descendentes dos asmoneus, ou então por procuradores diretos de Roma.
 
Na época do nascimento de Jesus quem governava era Herodes o Grande. Era um homem que desconfiava constantemente de conspirações. De fato, o ambiente da família de Herodes era de ganância e luta pelo poder.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  A situação era tal que ele acusou dois de seus filhos de conspirar contra ele condenando os mesmos à morte. Herodes morreu em 4 a.C. cinco dias antes um outro filho seu Antípatro havia sido executado acusado de conspiração.
 
Os judeus o consideravam como um tirano egoísta, mas os romanos como um vassalo fiel. Após sua morte seus filhos sucederam-no.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Arquelau reinou na Judéia de 4 a.C. – 6 d.C. Herodes Antipas foi nomeado tetrarca da Galiléia e da Peréia de 4 a.C. – 39 d.C., ambos foram parar no exílio: Arquelau devido às queixas dos Judeus contra ele, e Antipas por ordem de Calígula (37 – 41 d.C.).
 
O terceiro filho de Herodes, Filipe (4 a.C – 34 d.C) foi tetrarca das regiões da Ituréia e traconites (Lc 3.1). Tudo indica ter sido um governante justo e benevolente, ao contrário de Arquelau que foi cruel e despótico. Filepe morreu em 34. d.C. e seu território passou para o domínio de Herodes Agripa I.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Após a morte de Arquelau, sua tetrarquia foi governada por procuradores romanos, eram os territórios de Judéia, Samaria e Iduméia. Dentre os procuradores o quinto deles ficou sendo o conhecido, Pilatos, devido à crucificação de Jesus.
 
Quirino, que era governador da Síria, foi enviado a Judéia no ano 6 d.C para realizar um recenseamento para efeitos de tributação, o que provocou o descontentamento de alguns judeus que foram liderados por um galileu chamado Judas. Atos 5.37 faz menção dele.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Herodes Agripa I, herdeiro da família dos macabeus ou hasmoneus, tendo o apoio dos fariseus por ser um observador de Lei conseguiu desbancar os procuradores romanos e assumiu o poder, permanecendo como governador de 37-44 d.C.
 
Era hostil aos cristãos, morreu repentinamente após um discurso no ano 44 d.C, o texto de Atos 12.19-24 relata como isto se deu.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Outros governadores de menor importância para o contexto do Novo Testamento foram Fadus (44-46 d.C), Alexandre (46-48 d.C.) e Cumanus (48-52 d.C).
 
Félix (52-60 d.C.) era hostil aos judeus. Em sua sede de resolver o problema de frear a ação dos zelotes, grupo favorável à luta armada contra a dominação romana, mostrou uma inabilidade, pois sua severidade serviu apenas para incrementar a ação dos sicários.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Os sicários eram assassinos que surgiram do grupo dos zelotes responsáveis por muitos assassinatos, inclusive do sumo sacerdote Jônatas.


 
Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 01:49

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Festo (60-62 d.C) governou em período de instabilidade e caos social. Crescia então o fervor dos fanáticos religiosos e políticos. Morreu durante seu mandato.
 
Predominava a anarquia em Jerusalém, para se ter uma idéia surgiu grupos de sacerdotes rivais que competiam pela autoridade, chegavam a travar batalhas nas ruas.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Quem substituiu Festo foi Albino (62-64 d.C.), mas ele não estava interessante de resolver os graves problemas de sua tetrarquia, buscou apenas a autopromoção, embora tenha prendido a muitos, colocava em liberdade aqueles que lhe pagassem um suborno favorável.
 
Segundo Josefo, mais terrível que Albino era o seu sucessor, Floro (64-66 d.C.). Ele chegou a saquear cidades inteiras, permitia que os ladrões atuassem livremente desde que lhe pagassem suborno.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  A situação tornara-se então intolerável e de 78 a 70 d.C. os judeus travaram uma guerra contra a dominação romana.
 
A derrota dos judeus foi trágica com a invasão de Jerusalém por Tito em 70 d.C, a cidade foi completamente destruída, assim como o templo. Milhões de judeus foram mortos, o sangue jorrava nas ruas naturalmente.
 
▬  Geografia:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  A Palestina no tempo de Jesus possuía uma extensão de terra mediana, era uma estreita área situada entre a África e a Ásia, funcionando como uma espécie de ponte entre essas regiões.
 
Suas coordenadas geográficas estão nos paralelos de 31 e 33 ao norte e nos meridianos 32 e 34 ao leste. Com um território menor que o estado do Espírito Santo, possuía uma superfície de cerca de 34.000 Km2 e cerca de 650 mil habitantes.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Encontrava-se dividida em áreas menores:

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Iduméia
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Ituréia,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Judéia,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Samaria
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) E Galiléia,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Batanéia,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Auranítide,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Decápole
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Traconítide,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) Gualanítade,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif) E Peréia.
 
... Todo esse território era margeado pelo Mar Mediterrâneo, no extremo Oeste.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Ao leste estava o Rio Jordão que desemboca no Mar Morto, ao sul, entrecortando toda região havia uma cadeia de montanhas e montes com 600 m de altura, sendo que os mais altos estavam situados na Galiléia e no Hermon.
 
▬  Clima:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  A Palestina possuía duas estações bem definidas, uma chuvosa e outra de extremo calor. O período chuvoso vai de novembro a março, era bastante rigoroso e com muitas chuvas regulares.
 
O restante dos meses a temperatura média pairava entre os 23,5º graus. As temperaturas mais altas nesta estação seriam no vale do Jordão e no planalto.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Uma curiosidade sobre o clima eram os constantes ventos com suas variáveis. Os do oeste e do sudoeste, no calor, eram sempre agradáveis, pois traziam umidade e orvalho.
 
Aqueles, porém, oriundos do leste, no entremeio das duas grandes estações, tornavam o clima seco e quente e, por vezes, desidratava pessoas e animais.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3536.gif)  Há por fim, um vento que vem do deserto (Kasmim) que poderia em apenas um dia tornar os campos áridos por períodos de meses.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 01:57

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Imperadores Augusto era o imperador quando Jesus nasceu. Ele foi sucedido por Tibério. É a efígie deste governante que Jesus observa em uma moeda, em uma passagem do Novo Testamento:
 
Jesus  Diz:
▬  "Dai-me um dinheiro para o ver.
 
E eles lho trouxeram.

Então disse-lhes:
▬  "De quem é esta imagem e inscrição"?
 
Responderam-lhe:
▬  "De César".
 
Então, respondendo Jesus, disse-lhes:
▬  "Dai, pois, o que é de César a César, e o que é de Deus, a Deus".
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)   Palestina da época de Jesus com certeza foi um tempo de muitos detalhes históricos que precisam ser compreendidos para que possamos ter uma visão melhor das origens do cristianismo.
 
O estudante atento que se preocupa com o contexto histórico da Palestina terá a vantagem de entender melhor alguns eventos narrados nos evangelhos e em Atos.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  É, portanto, de grande importância um estudo sobre este tema. Embora esta obra seja bastante condensada, pode ser útil para se compreender aquela época, e isto é essencial se quisermos de fatos interpretar corretamente os textos do Novo Testamento.
 
▬  Sentido do termo Palestina:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  A Palestina era a terra que os hebreus conquistaram dos filisteus, também conhecida como terra de Canaã.
 
Depois da conquista toda a região ficou conhecida como terra de Israel, 1 Sm 13.19; 1 Cr 22.2; Mt 2.20, porém, depois da divisão do reino, aplicava-se ao reino do norte.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Após a era cristã os escritores gregos e latinos a denominavam Palestina e na Idade Média ficou conhecida como Terra Santa.
 
Comércio e Atividades.
 
▬  Profissões:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Na época de Jesus todos deveriam exercer uma profissão, do contrário seriam desprezados na sociedade. Até mesmo os escribas tinham uma profissão. O principal ramo de profissão era o do artesanato.

 

Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 02:01

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  As profissões mais comuns eram de:
 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Afaiate, 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Curtidor,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Copista,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Arquiteto,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Padeiros,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Comerciantes de linho,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Fabricantes de pregos,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Fabricante de sandália,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Comerciante de betume.
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Fabricantes de tendas, como era o caso do apóstolo Paulo.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Algumas dessas profissões eram exercidas inclusive por doutores da lei, enquanto outras eram tidas como desprezíveis, como tecelão, pastor de ovelhas e cobrador de impostos.
 
A profissão de médico era considerada como de artífice, e estava presente em cada região e em cada povoado. As mulheres tinham como sua ocupação principal serem lavadoras de roupas, a despeito disso havia os lavadeiros profissionais.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  A indústria de construção expandiu-se bastante em Jerusalém devido ao investimento da família herodiana nas construções.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 02:05


Aspectos comerciais
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Havia um intenso comércio na Palestina, dividido entre um comércio interno que abastecia as cidades e o externo, responsável pelas importações e exportações.
 
A profissão de comerciante era bastante valorizada. Alguns deles detinham o controle de grandes comércios atacadistas que realizavam importações, como o mercado de Jerusalém.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Eram importados produtos de luxo para serem consumidos pela a elite social e pelo Templo. A exportação era de produtos como frutas, óleo, vinho, peixes e manufaturas como perfumes e betume.
 
A produção era baseada no trabalho escravo, classe composta por uma grande maioria da população. Os mesmos não eram considerados pessoas, mas coisas que podiam ser vendidas ou trocadas segundo a vontade de seus donos.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  A corte romana obrigava os cidadãos a pagarem impostos elevadíssimos levando o povo a viver sob condições econômicas precárias. Os impostos foram aumentados muitas vezes para suprir as despesas das construções realizadas pela família herodian.
 
▬  Seitas Judaicas.
 
▬  Na época de Jesus os judeus da Palestina dividiam-se em três principais facções religiosas:
 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Fariseus,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Saduceus,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  E essênios.
 
É importante observar que em cada um desses grupos outros pequenos grupos eram formados em torno da figura de um rabi (mestre) ou de uma escola rabínica.
 
▬  Fariseus:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Os fariseus surgiram do antigo partido dos hassidim, conservadores estremados que apoiaram a luta dos macabeus contra a dominação estrangeira. Também eles têm o mérito de resistirem ao helenismo para a preservação de sua cultura e fé.
 
Os fariseus eram mestres na interpretação das tradições orais dos rabis. Socialmente provinham de famílias de artífices e mercadores da classe média, como todos os judeus exerciam uma profissão, Paulo, por exemplo, era fabricante de tendas.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Exerciam grande influência sobre a massa popular, porém, segundo Josefo na época de Jesus contavam apenas 6.000 deles que viviam na Palestina (Antiguidades, Livro XII, Cap. X, Séc. 5; citado por Packer, Tenney e Whit Jr. Em “O mundo do Novo Testamento”).
 
Doutrinariamente os fariseus acreditavam na ressurreição dos mortos, na predestinação, na imortalidade e a vinda de um Messias libertador político. Criam como Escritura Sagrada todo o Antigo Testamento. Sua plataforma de atividade era a sinagoga.
 
▬  Saduceus:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Os saduceus eram a classe sacerdotal do Templo. Com uma religiosidade mais formal e elaborada que os fariseus aceitavam apenas a Tora como revelação divina.
 
Os saduceus se deixaram influenciar grandemente pela política grega de helenização cultural. Acreditavam no livre arbítrio do homem, negavam a existência de anjos e demônios, e também não criam na ressurreição.
 
▬  Essênios:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Também tiveram a sua origem dos hassidim. Era grupo, ou melhor, vários grupos de costumes extremos. Viviam uma vida simples em comunidades no deserto.
 
Assim como os fariseus acreditavam em anjos e demônios, tinham uma vaga concepção da ressurreição individual, esperavam para muito breve a vinda de um messias e eram deterministas (criam na predestinação).

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3765.gif)  Praticavam ritos para purificar-se física e espiritualmente.


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 02:07

 
▬  Zelotes:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Os zelotes eram um grupo de pessoas que não aceitavam pacificamente a dominação estrangeira de Roma sobre seu país. O líder mais conhecido dos Zelotes foi Judas, o Galileu, mencionado em Atos 5.37.
 
Ele liderou uma rebelião contra Roma que veio a fracassar, porém, foi o início de tempos de conflitos que veio a culminar com a invasão de Jerusalém e destruição do Templo em 70 d.C.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Dentre os zelotes estava aqueles que foram conhecidos com sicários (“gente da adaga”), assassinos que matavam aqueles que de alguma forma estivessem cooperando com Roma. Circulavam na multidão em momentos de festividades com adagas escondidas sob suas vestes, fazendo assim suas vítimas.
 
▬  Herodianos:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Os herodianos eram aqueles que preferiam o governo da dinastia de Herodes o Grande a o governo dos romanos.

Eram formados pessoas de diversas seitas religiosas. As Escrituras chegam a mencioná-los três vezes (Mt 22.16; Mc 3.6; 12.13).
 
▬  Samaritanos:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Estes eram judeus que tinham sua linhagem misturada com os assírios, pois quando Israel foi vencido pelos assírios e deportados os habitantes de samaria aderiram ao casamento misto com colonizadores assírios.
 
Além disto, estabeleceram seu próprio local de culto, no monte Gerizim em contraposição ao Templo de Jerusalém. Por tudo isso havia uma inimizade preconceituoso dos judeus de “sangue puro” para com os samaritanos.
 
▬  Seguidores de João Batista:
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Não era exatamente uma seita no real sentido da palavra. João Batista teve um modo de vida singular e uma pregação singular. Vivia no deserto e pregeva vigorosamente contra os pecados dos judeus. Ele fez questão de deixar claro que ele não era o Messias.
 
O próprio João Batista aconselhou aos seus discípulos a seguirem Jesus de Nazaré, não havia, portanto, uma rivalidade entre os dois rabis.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Mantinha oposição contra o casamento de Herodes com sua cunhada, pois o seu irmão ainda era vivo. Foi preso e morto sob as ordens de Herodes Antipas. Há uma pequena seita no Oriente Próximo conhecida como “mandeanos” que alega serem descendentes dos seguidores de João Batista.
 
Alguns estudiosos afirmam que João Batista teve influência dos essênios, o que é bem plausível que ele tenha tido contato com este grupo religioso.

 


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 02:11


(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Em quatro anos as legiões romanas ocuparam Jerusalém, arrasando a cidade, saqueando e destruindo templo.

Entretanto a Fortaleza montanhosa de Masada resistiu por mais três anos, comandada por um descendente de Judas da Galiléia. Depois da revolta houve um êxodo de judeus da Terra Santa.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Entretanto, um numero suficiente permaneceu para fomentar outra rebelião cerca de 60 anos mais tarde, em 132 d.C.

Finalmente, em 135 d.C. o imperador Hadrians decretou que todos os judeus deviam ser expulsos da Judéia por lei, e Jerusalém tornou-se uma cidade essencialmente Romana, sendo rebatizada com o nome de Aelia Capitolina.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  A vida de Jesus se passou nos primeiros 35 anos de um turbilhão e se estendeu por 140 anos. Gerou expectativas inevitáveis ao povo judeu e uma delas era a esperança de um Messias que libertasse o seu povo do Jugo romano. 
 
Para os contemporâneos de Jesus, nenhum Messias seria jamais considerado divino. Na realidade a própria idéia de um Messias seria extravagante.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  A palavra grega para Messias é Christ ou Christos. O termo - em hebreu ou grego - significa "abençoado" e se refere geralmente a um rei.
 
E quando Davi foi abençoado rei no Velho testamento, ele se tornou um Messias ou um Christ.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  E todos os reis judeus subsequentes, da casa de Davi, eram conhecidos pelo mesmo nome.

   

Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 02:13

(http://4.bp.blogspot.com/_LTj0HelxY0E/TFebUKyyjII/AAAAAAAAWGo/krSegQrIAb0/s320/mini-gifs10.gif)  Mesmo durante a ocupação romana da Judéia, o alto sacerdote nomeado por Roma era conhecido como sacerdote, Messias ou rei-sacerdote. (Maccoby, Revolution in Judaea, p.99)
 
Todavia, para os Zelotes e para outros oponentes de Roma, este sacerdote marionete era, necessariamente, um falso Messias.

(http://4.bp.blogspot.com/_LTj0HelxY0E/TFebUKyyjII/AAAAAAAAWGo/krSegQrIAb0/s320/mini-gifs10.gif)  Para eles, o verdadeiro Messias significava algo muito diferente - o legítimo rei perdido, o descendente desconhecido da casa de Davi, que libertaria seu povo da tirania romana.
 
Durante a vida de Jesus essa espera era enorme e continuou após sua morte. Realmente, a revolta de Masada em 66 d.C. foi instigada pela propaganda feita pelos Zelotes em nome de um Messias, cujo advento seria iminente.
 
(http://4.bp.blogspot.com/_LTj0HelxY0E/TFebUKyyjII/AAAAAAAAWGo/krSegQrIAb0/s320/mini-gifs10.gif)  O termo Messias significava "um rei abençoado" e, na mentalidade popular, veio a significar também libertador.
 
Em um termo de conotação política, algo bem diferente da idéia cristã posterior de um "Filho de Deus".

(http://4.bp.blogspot.com/_LTj0HelxY0E/TFebUKyyjII/AAAAAAAAWGo/krSegQrIAb0/s320/mini-gifs10.gif)  Esse termo, essencialmente mundano, foi usado para Jesus, chamado "O Messias" ou - traduzido para o grego - "Jesus , o Cristo" e mais tarde "Jesus Cristo" que se distorceu para o nome próprio.


 
Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 02:16

 
A História dos Evangelhos
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  O massacre de Masada extinguiu as aspirações de liberdade do povo judeu. Então essas aspirações foram perpetuadas pelos Evangelhos sob forma religiosa.
 
Os estudiosos modernos são unânimes em dizer que os Evangelhos datam, em sua maior parte, do período entre as duas principais revoltas na Judéia - 66 a 74 d.C. e 132 a 135 d.C. - sendo baseadas em narrativas anteriores e tradições orais. 
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Algumas exageradas, recebidas de segundas, terceiras e quartas mãos. Outras, contudo, podem Ter derivado de pessoas que viveram na época de Jesus e podem tê-lo conhecido pessoalmente. Um homem que fosse jovem no tempo da crucificação pode Ter vivido também na época em que os Evangelhos foram escritos.

▬  Os Evangelhos:
 
Marcos (66 a 74 d.C.) - Até o Capítulo 16:4 Parece ter vindo de Jerusalém e companheiro de Paulo.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Se Marcos quisesse que seu Evangelho sobrevivesse, não podia apresentar Jesus como um anti romano e teria que aliviar os romanos de toda culpa pela morte de Jesus.
 
Esse artifício foi adaptado não somente pelos autores dos outros Evangelhos, mas também pela antiga igreja cristã. Sem tal artifício, nem os Evangelhos, nem a igreja teriam sobrevivido. 
 
▬  Lucas (+/- 80 d.C)
Médico grego que compôs seu trabalho para um oficial romano de alto escalão em Cesarea, a capital romana da Palestina. 
 
▬  Mateus (+/- 85 d.C.)
Deriva diretamente do de Marcos, embora este tenha sido composto originalmente em grego e reflita características especificamente gregas. O autor parece ter sido um judeu, possivelmente refugiado da Palestina.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Não deve ser confundido com o discípulo Mateus. Os Evangelhos de Marcos, Lucas e Mateus são conhecidos como "Sinópticos" significando que eles veem "olho no olho" - o que, é claro, não fazem.
 
▬  João (+/- 100 d.C)
Composto nas vizinhanças de Éfeso, na Turquia - por um homem chamado João. É geralmente aceita como uma tradução posterior.

Não há nele, a cena de natal, nenhuma descrição do nascimento de Jesus, e a introdução é quase gnóstica. O texto é decididamente de natureza mais mística e o conteúdo também difere.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Contém episódios que não figuram nos outros evangelhos: o casamento de Canaâ, Nicodemus, José de Arimatéia, Cura de Lázaro (embora esse último tenha sido incluído no Evangelho de Marcos).
 
Com base em tais fatores, estudiosos modernos tem sugerido que o Evangelho de João, a despeito de sua composição tardia, pode ser o mais fidedigno e historicamente acurado dos quatro.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Mais do que os outros, ele parece originar-se de traduções correntes entre contemporâneos de Jesus, bem como de outros materiais inacessíveis a Marco, Lucas, Mateus.
 
Um estudioso moderno observa que o texto reflete um conhecimento topográfico aparentemente de primeira mão da Jerusalém de antes da revolta de 66 d.C.
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  O mesmo autor conclui:
Por trás do quarto Evangelho existe uma velha tradição independente dos outros Evangelhos. (Brandon, Jesus and Zealots, p.16) Embora tenha sofrido adulterações, era o mais fidedigno dos quatro.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 10 de Maio de 2014, 02:18


Seria Jesus casado?
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Segundo o costume judaico da época, não era só usual, mas quase obrigatório que um homem fosse casado. Com exceção de certos essênios de algumas comunidades, o celibato era vigorosamente condenado.

Se Jesus fosse celibatário, certamente haveria uma forte reação e teria deixado algum traço. A falta de comentários sobre o casamento de Jesus nos Evangelhos é um forte argumento, não contra, mas a favor da hipótese de casamento.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Porque qualquer prática ou defesa do celibato voluntário, no contexto judeu da época, teria sido tão estranha que teria atraído muita atenção e comentários. 
 
A hipótese de casamento é reforçada pelo título de Rabino e a lei judia é explícita:
▬  "Um homem não casado não pode ser professor".

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  As bodas de Canaã sugere que o casamento tenha sido a do próprio Jesus. É de se estranhar o fato de Jesus e sua mãe estarem lá; ele ainda não havia iniciado seu ministério; e Maria lhe ordena que reponha o vinho.

Comporta-se como se fosse a anfitriã (João 2:3-4) 
E faltando o vinho, a mãe de Jesus lhe disse:
▬  "Eles não têm vinho".

E Jesus respondeu:
▬  "Mulher que importa isso a mim e a vós?
▬  "Ainda não é chegada a minha hora".

Mas Maria, completamente à vontade ignora o protesto do filho (João 2:5)

Disse a mãe de Jesus aos que serviam:
▬  "Fazei tudo o que eles vos disser".

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  E os servos prontamente obedeceram, como se estivessem acostumados a receber ordens de Maria e de Jesus.

No que concerne aos Evangelhos, ele não tinha ainda demonstrado seus poderes; e não havia razão para que Maria assumisse que ele os possuía.

Mas mesmo que houvesse:
▬  Por que deveriam tais dons, singulares e sagrados, serem empregados com um propósito tão banal?
▬  Por que deveria Maria fazer tal pedido à seu filho?

▬  Por que deveriam dois convidados a um casamento tomar sobre si a responsabilidade de servir?
▬  Uma responsabilidade que, por costume, seria reservada ao anfitrião?
A menos, é claro, que o casamento em Canaã fosse o próprio casamento de Jesus.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Nesse caso seria responsabilidade sua servir o vinho.

Outra evidência está em João 2:9-10:
O que governava a mesa chamou o noivo e disse-lhe:

▬  "Todo homem põe primeiro o bom vinho: e quando os convidados já os têm bebido bem, então lhes apresenta o inferior".
▬  "Tu, ao contrário, tiveste o bom vinho guardado até agora".
 
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3533.gif)  Uma conclusão óbvia é que Jesus e o noivo são a mesma pessoa. 

Fontes: Itamar Melo.
Fontes Consultadas: Pelos Caminhos de Jesus, de Peter Walker; Tiago, Irmão de Jesus, de Pierre-Antoine Bernheim; Exploring the New Testament World, de Albert A. Bell Jr; A Palestina no Tempo de Jesus, de Christine Saulnier e Bernard Rolland; Assim viviam os contemporâneos de Jesus, de Michael Tilly; Jesus, Um Retrato do Homem, de A.N. Wilsos; Eu Encontrei Jesus, de José Hildebrando Dacanal; Um Judeu Marginal, de John P. Meier; Biblie Family, de Claude-Bernard Costecalde.

Biografia:
Dicionário da Bíblia,  John D. Davis, Rio de Janeiro, J. I. Packer, Merril C. Tenney, JR. White, Carlos Osvaldo Cardoso, Foco e desenvolvimento no Antigo Testamento, São Paulo, Hagnos, 2006. História de Israel, Editora Sinodal, 2ª edição, 1978. Editoras Candeia e JUERP, 20ª edição, 1996. O mundo do Novo Testamento. São Paulo, SP, Editora Vida, 2006.


 
Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 31 de Julho de 2014, 22:36
                 

O Enigma das Mitologias

“… (http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Convém fazer uma plena diferenciação entre a Imaginação dirigida voluntariamente e o que é a Imaginação Mecânica.

Inquestionavelmente, a Imaginação dirigida é a Imaginação Consciente; para o Sábio, imaginar é ver.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Imaginação Consciente é o translúcido meio que reflete o firmamento, os Mistérios da Vida e da Morte, o Ser.” (Samael Aun Weor) Mitologia é um tema que sempre suscitou discussão.

Muitos estudos são realizados dentro e fora das academias, sendo abordada por perspectivas diversas:

(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Religião, 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  História, 
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Psicologia,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Literatura,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Sociologia,
(http://www.fountainpennetwork.com/forum/uploads/av-15177.gif)  Antropologia, entre outros.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  A mitologia não é somente uma enigmática manifestação que surpreende por sua riqueza de conteúdo ou beleza literária, conteúdo este que é identificado pela ciência de nosso tempo como ‘fantasia’, ‘fábula’, ‘história mentirosa’, ‘representação arquetípica’ (na psicologia), ‘interpretação primitiva da realidade’, etc.

Contudo, apesar de todas as abordagens de estudo, a mitologia permanece alheia a muitos conceitos intelectuais ou não, pois na tentativa de se chegar a uma elucidação sobre sua natureza, origem, significado ou verdadeira função nas civilizações que a criaram, cada perspectiva segue elaborando suas interpretações contraditórias, permanecendo ela um enigma de profundo sentido antropológico.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  A mitologia é um fenômeno que reflete profundamente a cultura da civilização da qual faz parte. De fato, se estudarmos os mitos Gregos, Maias ou Hindus, por exemplo, eles se revelam uma das fontes mais ricas pela qual chegamos a conhecer o universo dessas civilizações.

Os mitos encontram-se plasmados nas esculturas e obras de arte, templos sagrados, ritos, escrituras, religião de cada um desses povos. Isto para ressaltarmos sua profunda importância cultural nas civilizações antigas, e sua permanência através dos tempos como fonte constante de referência e inspiração.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Porém, investigando a mitologia por um outro lado mais essencialmente profundo do que sua circunscrição cultural e histórica, ela se revela uma manifestação de amplitude muito mais abrangente. É o que fica claramente demonstrado através da ciência comparada entre as mitologias de diferentes civilizações ou povos tanto no tempo quanto no espaço.

A manifestação universal das mitologias – sua presença em todas as culturas – e suas irrefutáveis semelhanças entre si, demonstram que a mitologia possui uma essencialidade além da cultura e do tempo, e tem como sua fonte de origem algum aspecto muito particular da natureza humana, uma linguagem especialmente contida na própria consciência.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Apesar de algumas interpretações chegarem à conclusão de que a mitologia é uma linguagem direta da consciência humana (como a Psicologia Junguiana ou alguns estudiosos, como Joseph Campbell), elas não possuem as ‘chaves’ que possibilitam a interpretação total e verdadeira do significado contido em cada símbolo e em cada alegoria das mitologias.

As ‘chaves’ ou as respostas que podem revelar inconfundivelmente o enigma que subjuga as mitologias, podendo decifrá-las em sua totalidade, somente podem ser obtidas na pureza da Psicologia Revolucionária, que constitui o fundamento da Sabedoria Agnóstica em todos os tempos, sendo a mitologia uma das formas pela qual essa sabedoria é e está decodificada.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 31 de Julho de 2014, 23:09
                                 

Mitologia, Expressão dos Princípios Universais.
(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  “Os antropólogos gnósticos, em vez de rirem céticos -como os antropólogos profanos- ante as representações de Deuses e Deusas dos diversos panteões Asteca, Maia, Olmeca, Tolteca, Chibcha, Druida, Egípcio, Hindu, Caldeu, Fenício, Mesopotâmico, Persa, Romano, Tibetano, etc., etc., caímos prosternados aos pés dessas Divindades, porque nelas reconhecemos ao Elohim Criador do Universo.” (Samael Aun Weor)

Para além das formas religiosas que estão de acordo com a época histórica, a cultura, a raça, etc., que se manifestam os princípios universais e perenes do Ser, existe um fundamento para ela, que ultrapassa e impede a compreensão meramente intelectual.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Este fundamento é a linguagem própria em que a consciência se expressa para aqueles que alcançam o Despertar. Esta linguagem da consciência desperta é essencialmente simbólica.

Os símbolos, de fato, não pertencem ao nível do intelecto meramente subjetivo, mas pertencem ao nível da Intuição, ou seja, ao campo da experiência direta e objetiva da realidade, do Ser.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  A linguagem simbólica se dirige para a consciência e aí deve ser interpretado, traduzindo os Princípios que estão na base dos enigmas da existência e do Despertar do homem para esta realidade do Ser.

As mitologias são decodificações simbólicas dos Princípios Universais. Ou seja, cada mito é uma forma de expressão e um depósito plasmado de sabedoria esotérica.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Um Deus ou uma Deusa de uma mitologia pode significar a expressão de algum Princípio Universal, uma alegoria ou uma saga na qual participam alguns personagens mitológicos, por exemplo, uma viva representação de algum elemento contido no caminho do Despertar.

Por isso, despindo as formas de cada mito, encontramos uma estrutura subjacente, essencialmente idêntica em todas as diferentes mitologias, independentemente da cultura a qual pertença.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Porém, tal estrutura e seus símbolos e, no caso, do sentido de cada mito, somente podem ser revelados à luz da Sabedoria Perene do Ser, da sabedoria essencialmente Gnóstica, que possui seu fundamento na Psicologia Revolucionária do Despertar da Consciência.

Por exemplo, em todas as mitologias existe o mito que personifica simbolicamente a natureza divina e a natureza egóica do homem. Na cultura Grega, este princípio está decodificado no Mito de ‘Perseu e Medusa’, sendo Perseu o símbolo da nossa natureza Divina e a Medusa do nosso Eu-psicológico ou Ego.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Perseu, em dura batalha contra Medusa, consegue sua decapitação, simbolizando à luz da Psicologia Transcendental o caráter radical da aniquilação do Ego para conseguir o Despertar.

As Mitologias, portanto, são uma fonte especial de conhecimento perene que se orientam sempre para o Ser. Qualquer especulação intelectual sobre seu significado ou representação somente pode empobrecê-la e corrompê-la no seu sentido verdadeiro, que é profundamente sábio e essencialmente religioso.

(http://paszkowski.com.br/gifs/miniaturas/mini_3665.gif)  Estudando profundamente os Mitos das diversas culturas que se desenvolveram pela história da humanidade, resgatamos a sabedoria da Gnosis presente desde sempre em todas as épocas e civilizações, assim como podemos extrair seus preciosos ensinamentos à cerca dos mistérios e enigmas que subjazem a existência humana.

A.D.



Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 11 de Março de 2018, 20:08

As raça e raízes

Na literatura esotérica e espiritualista considera-se que o ciclo evolutivo da Terra é composto por sete raças, sendo que cada uma possui sete sub-raças.

Essas raças foram sendo "gestadas" com seres que evoluíram no próprio planeta e com seres que vieram para cá de outros planetas.

Lembramos aqui que trata-se de categorias espirituais. A raça, para essas filosofias, é apenas o suporte físico para manifestação do espírito.

Então, entenda-se que quando se diz "seres de outros planetas vieram para Terra" elas referem-se aos espíritos que habitavam esses planetas que se encarnaram aqui.

Um processo de migrações interplanetárias muito difundido no esoterismo e no espiritualismo.

Em nossas fontes percebemos algumas divergências e algumas coincidências quanto as denominações dessas raças, suas características e localização.

▬  Citaremos-as e depois apresentaremo-as de forma bem sucinta:

(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  1ª Raça Pré-Adâmica,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  2ª Raça Adâmica,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  3ª Raça Lemuriana,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  4ª Raça Atlântica,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  5ª Raça Ariana,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  Estamos na 7ª sub-raça da raça ariana.

Quanto a raça pré-adâmica e adâmica há divergência acentuado na abordagem segundo a Umbanda e sugundo a Gnosi. Para a Umbanda elas eram ensaios físicos e genéticos, seres às vezes descomunais, o mundo de então era um laboratório.

Para a Gnosi, ao invés de denominá-las de pré-adâmica e adâmica elas são as raças protoplásmica e hiperbórea e são muito evoluídas detentoras de altas tecnologias e evolução espiritual.

As outras raças as divergência diminuem e a denominação é idêntica. A raça lemuriana era compostas por seres gigantes que habitavam o antigo continente da Lemúria onde hoje está partes da Austrália e Oceania, sendo essas ilhas e massas continentais o resquícios desse antigo continente.

A raça atlântica seria a mais evoluída de todas e dominava tecnologias que hoje não fazemos ideia e dominavam a magia tando do bem como do mal.

Foi o uso ambicioso e incontrolada dessa magia que teria ocasionado o fim dessa raça, a antiga Atlântica situava-se a oeste da Europa e ilhas como os Açoures seria seus resquícios.

Após a raça atlântica surge a raça ariana, na qual estamos vivendo na sétima sub-raça. A raça ariana é marcada pelo domínio dos povos brancos em detrimento dos vermelhos e negros.

▬  Suas sub-raças são:

(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  1ª floresceu no planalto central da Ásia, especialmente no Tibet,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  2ª seu apogeu foi na época pré-védica no sub-continente indiano e na China,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  3ª Egito e Pércia,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  4ª Grécia e Roma,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  5ª Alemanha e países nórdicos,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  6ª espanhóís miscigenados com as ameríndios,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  E a 7ª que seria a atual miscigenação que está em curso no mundo globalizado onde há grande quantidade de migração com grande dinamismo populacional, os EUA seriam um modelo dessa miscigenação.

▬  O Livro A Caminho da Luz:

(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  Explica as migrações planetárias,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  Longa trajetória da evolução espiritual no planeta Terra,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  E traça uma cronologia desde os primórdios até os dias atuais.

▬  Ainda segundo a Gnosi:

(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  "Nossa atual Raça terminará com um grande cataclismo.
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  A Sexta Raça (Raça Koradhi) viverá em uma Terra transformada,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  A Quinta Ronda, ou Etérica,
(http://bch.phlnet.com.br/phl8/bol_azul.gif)  E a sétima será a última".

"Depois dessas Sete Raças, a Terra se converterá em uma nova lua."

O leitor deve ter percebido que uma raça se sobrepõe a outra e as sub-raças vão se miscigenando e dando origem as demais.

Fonte:
Livro. A Caminho da Luz.
Por Emmanuel.
Chico Xavier.


Título: Re: Desvendando o Desconhecido
Enviado por: Marianna em 25 de Agosto de 2019, 15:22

(https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcQPSGOsMlJgjSJderb9wlopdRO7TtdT2JjaZbjVHQ9XxZ7Mqafq)

“Não fomos nem perfeitos nem justos, nem poderíamos ser, e nem procuramos; na balança que se avistava diante de nós todas as culpas, as falhas, as inconsistências e os humores não tiveram tanta importância.

Todas estas coisas foram esquecidas com o tempo e se tornariam invisíveis, fundindo-se e confundindo-se com a essência que nos levaria a uma página derradeira do último livro da prateleira final, virada pelo passado de onde viéramos.

Um passado em que a brisa soprava sempre mais forte no início da manhã, num momento em que os olhos, ainda sonolentos, se espraiavam pela suavidade que infundia na pele os primeiros raios de sol, formando entre as águas um momento de pungimento doce.

Um estado de alma, um aperfeiçoamento de outrora, inóspitas paragens em busca de outros frescores, mais tenras paisagens, absortas belezas da natureza em flor, formações de pássaros no céu aberto.

Deslumbrantes cenários que nos cercam e que fundamentam nossas essências; neste universo de forças em que se extrai a vida, buscamos entender o conhecido e desvendar o desconhecido em seu pleno significado.

E, para nós, cada amanhecer representa o reconhecimento daquilo que conhecemos e nos traz tranquilidade, margeado do amor que nutrimos, das amizades que possuímos, dos desenhos que nos inspiram.

O que desconhecemos está longe dos olhos, sendo mais aflitivo e distante do coração, embora recheado do desejo, da necessidade que nos domina em penetrar no mistério à procura de outras interpretações…

Razão, racionalismo, empirismo, idealismo, pouco importa os invólucros quando a pauta é vasta e a paisagem é deslumbrante como o amor que se apresenta nas nossas vidas.”

– Trecho de “Nós” (Fragmentos filosóficos de tempos incertos), do escritor Raul de Taunay.